Você está na página 1de 97

alfaconcursos.com.

br

SUMÁRIO
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO.............................................................................................................................. 2
1. CONCEITO .............................................................................................................................................. 2
2. ÉTICA, PRINCÍPIOS E VALORES ................................................................................................................... 2

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO


1. CONCEITO
Ética e moral são dois termos normalmente confundidos. Muitas pessoas acreditam serem
termos que tratam do mesmo significado. Porém, ao fazermos uma análise etimológica, fica
claro estarmos diante de duas palavras bem diferentes. Observe:
➢ Ética: do grego ethos, que significa “caráter”, “costume” ou “modo de ser”. O sentido
da palavra ética, na realidade, inspirou-se na expressão grega ethike philosophia, que
significa “filosofia moral” ou “filosofia do modo de ser”.
➢ Moral: “Moral” tem sua origem no latim MORALIS e significa, mais ou menos, o que
a palavra atual representa “comportamento adequado de alguém em uma
sociedade” e literalmente pode ser traduzido como “relativo ao comportamento”. É
derivada de MOS, que significa “modo de agir”, “costumes”. É uma tentativa da antiga
Roma de traduzir a palavra grega ETHIKA.
Ficou claro que temos uma distinção importante entre as palavras, certo? Mesmo assim,
vamos realizar uma conceituação mais clara sobre significado sem a relação com a origem
específica das palavras.
➢ Conceito de Ética: define-se a ética como um tipo de postura e que se refere a um
modo de ser, à natureza da ação humana. Trata-se de uma maneira de lidar com as
situações da vida e do modo como estabelecemos relações com outra pessoa. A
palavra “ética” pode ser definida como um conjunto de conhecimentos extraídos da
investigação do comportamento humano na tentativa de explicar as regras morais
de forma racional e fundamentada. Neste sentido, trata-se de uma reflexão sobre a
moral.

➢ Conceito de Moral: a moral pode ser definida como o conjunto de regras aplicadas
no cotidiano e que são utilizadas constantemente por cada cidadão. Tais regras
orientam cada indivíduo que vive na sociedade, norteando os seus julgamentos
sobre o que é certo ou errado, moral ou imoral, e as suas ações.

2. ÉTICA, PRINCÍPIOS E VALORES


De posse do conceito de ética, mais claro em nosso estudo, devemos também destacar
quais princípios e valores definem a ética em si.
➢ Igualdade: as pessoas devem ser consideradas iguais, sem preferências entre
classes, sem tratamento diferenciado. É a ausência de diferença.
➢ Liberdade: as condutas só são estudadas pela ética se delas resultarem benefícios
ou prejuízos para a coletividade.
➢ Fraternidade: responsabilidade mútua que deve existir entre as pessoas.
➢ Honestidade: é importante para a ética que exista confiança entre as pessoas.
Portanto, é essencial que as pessoas tenham a verdade como objeto principal de
ação.
➢ Justiça: consiste em dar a cada um o que é seu de direito.
➢ Clemência: dar a uma pessoa aquilo que ela não merece.
➢ Responsabilidade: ser responsável e responder por todos os seus atos.
➢ Respeito: é não ofender ou discriminar pessoa que pensa ou vive de forma diferente
de você.

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO.............................................................................................................................. 2
1. ÉTICA E DEMOCRACIA............................................................................................................................ 2
2. EXERCÍCIO DA CIDADANIA ......................................................................................................................... 2

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO


1. ÉTICA E DEMOCRACIA
Assim como feito com os conceitos de ética e moral, importante antes de tudo
observarmos a etimologia da palavra democracia.
➢ Democracia: assim como o próprio sistema político, a palavra “democracia” tem
origem do grego e vem de DEMOKRATIA, sua versão em latim era DEMOCRATIA
também, seguindo a vertente grega. O termo tem em sua base duas palavras gregas:
DEMOS, que significa “povo, distrito”, e KRATOS, “Domínio, poder”, o que nos traz o
significado de “poder do povo” ou “governo do povo”.
Com isso, podemos trabalhar melhor o conceito de democracia.
➢ Conceito de Democracia: Democracia é o regime político em que a soberania é
exercida pelo povo através do sufrágio universal. Uma das principais funções da
democracia é a proteção dos direitos humanos fundamentais, como as liberdades de
expressão, de religião, a proteção legal e as oportunidades de participação na vida
política, econômica e cultural da sociedade. Os cidadãos têm os direitos expressos e
os deveres de participar no sistema político que vai proteger seus direitos e sua
liberdade.
Art. 1º CF/88 - A República Federativa do Brasil, formada pela união
indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-
se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I - a soberania;
II - a cidadania
III - a dignidade da pessoa humana;
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por
meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta
Constituição.

2. EXERCÍCIO DA CIDADANIA
Podemos identificar o conceito de cidadania em três grandes acepções: cidadania como
referência aos direitos, cidadania como vínculo jurídico-político com um Estado e
cidadania como um comportamento exemplar de uma pessoa.
Cidadania é o exercício dos direitos e deveres civis, políticos e sociais estabelecidos na
Constituição de um país, por parte dos seus respectivos cidadãos.
A noção de cidadania não é rígida, visto que ao longo da história ela tem evoluído.
Cidadania é a expressão concreta do exercício da democracia.
Exercer a cidadania não significa apenas participar do processo eletivo. O cidadão deve
exigir o cumprimento da Constituição Federal, através de mecanismos de controle popular.
Art. 14. CF/88 - A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto
direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
I - plebiscito;
II - referendo;
III - iniciativa popular.
Art. 61. § 2º A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação à Câmara dos
Deputados de projeto de lei subscrito por, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional,
distribuído pelo menos por cinco Estados, com não menos de três décimos por cento dos
eleitores de cada um deles.

MUDE SUA VIDA!


2
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Proposição������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conceitos Iniciais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
O que é uma Proposição�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Não são Proposições�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípios das Proposições������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Negação de Proposição (~) (¬) – Modificador Lógico����������������������������������������������������������������������������������������������3
Dupla Negação���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Proposição
Conceitos Iniciais
O que é uma Proposição
Proposição é toda declaração com verbo, sentido e CLASSIFICAÇÃO.
Declaração: sentença declarativa, podendo ser afirmação ou negação.
Verbo: o verbo tem que exprimir uma ação.
Sentido: a proposição tem que ter um sentido completo ou fechado que permita um julgamento
em ou Verdadeiro ou Falso.
Classificação: os valores lógicos das proposições são ou Verdadeiro (V) ou Falso (F).

˃˃ Exemplos:
A: O Brasil é o país do futebol.
P: A educação muda o mundo e as pessoas.
b: 2+3 = 5.
q: Choveu ontem.
→→ Obs. 1: a presença de um sujeito “definido” é uma característica de muitas proposições, porém
existem proposições sem sujeito, fique atento.
→→ Obs. 2: as proposições podem ser simbolizadas por letras do alfabeto, maiúsculas ou minúsculas.
Não são Proposições
Perguntas (?) – sentenças interrogativas:
»» Que dia é hoje?
Exclamações (!) – sentenças exclamativas:
»» Viva a democracia!
Ordens – sentenças imperativas:
»» Abra o livro e estude.
Frases sem verbo:
»» Cada julgamento uma sentença.
Sentenças Abertas – aquelas com sujeito indefinido e que não se pode classificar:
»» Aquele político é corrupto.
→→ Obs.: as quatro primeiras NUNCA serão proposições, mas a última pode virar proposição; para
isso basta “definir” o sujeito.
Princípios das Proposições
1) Princípio da Não Contradição: uma proposição não pode ser verdadeira e falsa ao mesmo tempo.
»» Ex.: Eu sou mentiroso.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

2) Princípio da Identidade: uma proposição verdadeira sempre será verdadeira, assim como uma
proposição falsa sempre será falsa.
»» Ex.: 2 é par.
3) Princípio do Terceiro Excluído: o valor lógico de uma proposição ou é verdadeiro ou é falso; não
existe uma terceira possibilidade.
Negação de Proposição (~) (¬) – Modificador Lógico
Negar uma proposição significa mudar o seu valor. Logo, se determinada proposição é verdadei-
ra, sua negação será falsa e vice-versa.
A outra ideia da negação de proposição é a negação do verbo principal da proposição, ou seja, aquele
que está exprimindo a ação, sem alterar o contexto da proposição ou mudar seus complementos.
Os símbolos da negação aparecem antes das letras que simbolizam as proposições e indicam que a
proposição foi negada, portanto teve seu valor modificado.
»» Ex.:
A: a porta está aberta.
~A: a porta não está aberta.
~A: a porta está fechada.
P: as apreensões da RFB aumentaram.
~P: as apreensões da RFB não aumentaram.
Q: as apreensões da RFB diminuíram.
→→ Obs. 1: o uso de antônimos é possível na negação das proposições, porém é importante avaliar o
contexto das proposições para não cometer erros.
→→ Obs. 2: “não é verdade que”, “é mentira que”, “é falso que”, são indicativos de negação de proposi-
ção em alguns casos ou questões.
Dupla Negação
“Negar o que já está negado significa voltar para a proposição original”.
~(~P) = P
»» Ex.:
P: Caio está vivo.
~P: Caio não está vivo.
~(~P): Caio não está morto = Caio está vivo (P).
Exercícios
01. Das cinco frases abaixo, quatro delas têm uma mesma característica lógica em comum,
enquanto uma delas não tem essa característica.
I. Que belo dia!
II. Um excelente livro de raciocínio lógico.
III. O jogo terminou empatado?
IV. Existe vida em outros planetas do universo.
V. Escreva uma poesia.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

A frase que não possui essa característica comum é a:


a) I.
b) II.
c) III.
d) IV.
e) V.
02. Na lógica sentencial, denomina-se proposição uma frase que pode ser julgada como verdadeira
(V) ou falsa (F), mas não, como ambas. Assim, frases como “Como está o tempo hoje?” e “Esta
frase é falsa” não são proposições porque a primeira é pergunta e a segunda não pode ser nem
V nem F. As proposições são representadas simbolicamente por letras maiúsculas do alfabeto
– A, B, C etc. Uma proposição da forma “A ou B” é F se A e B forem F, caso contrário é V; e uma
proposição da forma “Se A então B” é F se A for V e B for F, caso contrário é V. Um raciocínio
lógico considerado correto é formado por uma sequência de proposições tais que a última pro-
posição é verdadeira sempre que as proposições anteriores na sequência forem verdadeiras.
Considerando as informações contidas no texto acima, julgue os itens subsequentes.
Na lista de frases apresentadas a seguir, há exatamente três proposições.
“A frase dentro destas aspas é uma mentira.”
A expressão X + Y é positiva.
O valor de √4 + 3 = 7.
Pelé marcou dez gols para a seleção brasileira.
O que é isto?
Certo ( ) Errado ( )
03. Uma proposição é uma afirmação que pode ser julgada como verdadeira (V) ou falsa (F), mas não
como ambas. As proposições são usualmente simbolizadas por letras maiúsculas do alfabeto, como,
por exemplo, P, Q, R etc. Se a conexão de duas proposições é feita pela preposição “e”, simbolizada
usualmente por ∧, então se obtém a forma, lida como “P e Q” e avaliada como V se P e Q forem V,
caso contrário, é F. Se a conexão for feita pela preposição “ou”, simbolizada usualmente por V, então
se obtém a forma PVQ, lida como “P ou Q” e avaliada como F se P e Q forem F, caso contrário, é V.
A negação de uma proposição é simbolizada por ~P, e avaliada como V, se P for F, e como F, se P for
V. Um argumento é uma sequência de proposições P1 , P2 , ..., Pn , chamadas premissas, e uma pro-
posição Q, chamada conclusão. Um argumento é válido, se Q é V sempre que P1 , P2 , ..., Pn forem
V, caso contrário, não é argumento válido.
A partir desses conceitos, julgue os próximos itens.
Há duas proposições no seguinte conjunto de sentenças:
I. O BB foi criado em 1980.
II. Faça seu trabalho corretamente.
III. Manuela tem mais de 40 anos de idade.
Certo ( ) Errado ( )
04. A frase “Quanto subiu o percentual de mulheres assalariadas nos últimos 10 anos?” não pode
ser considerada uma proposição.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

05. Em lógica, pelo princípio do terceiro excluído,


a) uma proposição falsa pode ser verdadeira e uma proposição falsa pode ser verdadeira.
b) uma proposição verdadeira pode ser falsa, mas uma proposição falsa é sempre falsa.
c) uma proposição ou será verdadeira, ou será falsa, não há outra possibilidade.
d) uma proposição verdadeira é verdadeira e uma proposição falsa é falsa.
e) nenhuma proposição poderá ser verdadeira e falsa ao mesmo tempo.
06. Entende-se por proposição todo conjunto de palavras ou símbolos que exprimem um pensa-
mento de sentido completo, isto é, que afirmam fatos ou exprimam juízos a respeito de deter-
minados entes. Na lógica bivalente, esse juízo, que é conhecido como valor lógico da proposi-
ção, pode ser verdadeiro (V) ou falso (F), sendo objeto de estudo desse ramo da lógica apenas
as proposições que atendam ao princípio da não contradição, em que uma proposição não
pode ser simultaneamente verdadeira e falsa; e ao princípio do terceiro excluído, em que os
únicos valores lógicos possíveis para uma proposição são verdadeiro e falso.
Com base nessas informações, julgue o item a seguir.
Segundo os princípios da não contradição e do terceiro excluído, a uma proposição pode ser atri-
buído um e somente um valor lógico.
Certo ( ) Errado ( )
07. Julgue o item que se segue, considerando a proposição P a seguir: Se o tribunal entende que o
réu tem culpa, então o réu tem culpa.
A negação da proposição “O tribunal entende que o réu tem culpa” pode ser expressa por “O
tribunal entende que o réu não tem culpa”.
Certo ( ) Errado ( )
Texto CG1A06AAA
08. A Polícia Civil de determinado município prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22 anos de
idade suspeito de ter cometido assassinatos em série. Ele é suspeito de cortar, em três partes, o
corpo de outro jovem e de enterrar as partes em um matagal, na região interiorana do municí-
pio. Ele é suspeito também de ter cometido outros dois esquartejamentos, já que foram encon-
trados vídeos em que ele supostamente aparece executando os crimes.
Tendo como referência o texto CG1A06AAA, assinale a opção correspondente à negação correta
da proposição “A Polícia Civil de determinado município prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22
anos de idade suspeito de ter cometido assassinatos em série”.
a) A Polícia Civil de determinado município não prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22 anos
de idade que é suspeito de não ter cometido assassinatos em série.
b) A Polícia Civil de determinado município não prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22 anos
de idade suspeito de ter cometido assassinatos em série.
c) A Polícia Civil de determinado município prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22 anos de
idade que não é suspeito de ter cometido assassinatos em série.
d) A Polícia Civil de determinado município prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22 anos de
idade suspeito de não ter cometido assassinatos em série.
e) A Polícia Civil de determinado município não prendeu, na sexta-feira, um jovem de 22 anos
de idade que não é suspeito de ter cometido assassinatos em série.
09. Ao fazer sua defesa, diante de uma juíza de direito, Ana declarou: Senhora juíza, eu sou uma grande
mentirosa. Assim, a declaração de Ana à juíza é uma estrutura lógica que utiliza a figura
a) da ambiguidade.
b) da metonímia.
c) da antítese.
d) do paradoxo.
e) do pleonasmo.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Gabarito
01 - D
02 - Errado
03 - Certo
04 - Certo
05 - C
06 - Certo
07 - Errado
08 - B
09 - D

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA ....................................................................................................................... 2
1.1 APRESENTAÇÃO DO CURSO E DO PROFESSOR .................................................................................. 2
1.2 TERMINOLOGIA ....................................................................................................................................... 2
1.3 CIÊNCIAS CRIMINAIS (DIREITO PENAL, CRIMINOLOGIA E POLÍTICA CRIMINAL) ..................................... 2
A) DIREITO PENAL .......................................................................................................................................... 4
B) CRIMINOLOGIA .......................................................................................................................................... 4
C) POLÍTICA CRIMINAL ................................................................................................................................... 5
1.4 CRIMINOLOGIA COMO CIÊNCIA: ............................................................................................................. 6

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

INTRODUÇÃO À CRIMINOLOGIA
1.1 APRESENTAÇÃO DO CURSO E DO PROFESSOR

Alô, você! Seja bem-vindo à matéria mais top do seu concurso – A Criminologia. Antes de
mais nada, sou professor Diogo Medeiros, atualmente Delegado de Polícia do estado de Santa
Catarina, já fui delegado, também, no estado de Minas Gerais. Me segue lá no @diogodbm para
dicas, dúvidas ou se quiser trocar qualquer ideia comigo.
Vamos dividir o material em oito pontos, se liga:

• PONTO 1: Introdução à Criminologia:


• PONTO 2: Evolução histórica da Criminologia;
• PONTO 3: Vertentes Sociológicas
• PONTO4: Teorias da pena;
• PONTO 5: Prevenção do delito;
• PONTO 6: Vitimologia;
• PONTO 7: Movimentos de Política Criminal;
• PONTO 8: Temas atuais da Criminologia.

1.2 TERMINOLOGIA
Etimologicamente, a expressão criminologia decorre da derivação de dois termos: do
latim crimen (crime/delito) + o grego logos (tratado/estudo). Portanto, trata do estudo/tratado
do crime ou estudo da criminalidade.
A expressão criminologia surge, ou seja, foi utilizada pela primeira vez por Paul Topinard
(1883), mas difundida no cenário internacional por Raffaele Garofalo (1885 – livro
Criminologia).
CUIDADO: na prova, é importante lembrar do nome dos autores. Constantemente,
relaciona-se o nome do autor com suas principais ideias teóricas ou, tão somente, o nome de
sua teoria.

1.3 CIÊNCIAS CRIMINAIS (DIREITO PENAL, CRIMINOLOGIA E


POLÍTICA CRIMINAL)
A criminologia é uma ciência e integra as ciências criminais. Fazem parte das ciências
criminais três ramos do saber: o direito penal, a criminologia e a política criminal.

Cai muito em prova as diferenças entre o direito penal, a criminologia e a política criminal.
Vamos fazer um quadro para ilustrar, de forma pormenorizada, cada um dos elementos.

Criminologia Política Criminal


Direito Penal

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

É ciência autônoma.
É ciência autônoma. NÃO É ciência.
➢ Ciência do ser; Está inserida no ramo
➢ Ciência do dever-ser;
➢ Ciência empírica; das Ciências políticas
➢ Ciência normativa;
➢ Ciência (para a maioria da
➢ Ciência
naturalística; doutrina).
axiológica/valorativa;

Olha para a realidade Estuda as


Para saber o que é crime –
para explicar e compreender estratégias de
análise jurídica. Subsunção
(enquadramento) do tipo penal o crime/desvio, prevenção
pretendendo transformá-lo. criminal. Constitui a
(norma penal incriminadora) ao
sistematização de
fato da vida.
estratégias, táticas e
meios de controle da
A intervenção estatal tem por
criminalidade.
imperativo o princípio da
Reclama do
legalidade/anterioridade.
investigador uma análise
totalizadora do crime.

Ocupa-se do crime Ocupa-se do crime


Ocupa-se do crime enquanto
enquanto fato. enquanto valor.
norma (lei).

Método indutivo. É a ponte eficaz


Método dedutivo.
entre a criminologia e o
Método indutivo- direito penal.
Método jurídico-dogmático;
empírico;
Método dedutivo-sistemático.
Análise crítica
Método causal- (metajurídica) do
explicativo; direito posto, no
sentido de ajustá-lo aos
Análise ideais jurídico-penais.
interdisciplinar.

Cunho opinativo. Cunho decisório.


Cunho operativo.

Momento explicativo- Momento


Momento normativo ou
empírico; decisional ou
instrumental;
programacional;

Exemplo: Quais fatores Exemplo: Estuda


Exemplo: É crime a prática do
tráfico de drogas – art. 33 da Lei contribuem para o tráfico de como diminuir o tráfico
drogas? Razões biológicas? de drogas –
11.343/06;
Pobreza? Meio social? promulgação de leis
Inadaptação dos meios incriminadoras,
institucionais e necessidade descriminalização das
de atingimento de metas drogas, políticas
sociais? Ânsia por lucro a públicas (iluminação,
todo custo? instalação de câmeras)
ou até mesmo

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

tratamento de saúde
nos usuários de drogas.

A Criminologia e o Direito Penal são disciplinas autônomas e interdependentes e


possuem o mesmo objetivo, com métodos diversos. A Criminologia, na atualidade,
erige-se em estudos críticos do próprio Direito Penal, o que evita qualquer ideia de
subordinação de uma ciência em cotejo com a outra.

a) Direito Penal
No direito penal, o método é dedutivo: interpretação das leis e a subsunção do fato da vida
às leis incriminadoras. Os juristas partem de hipóteses postas pelo Estado (leis) para deduzirem
consequências → fato que se enquadra ou não na lei penal. Caso não se enquadre, é um
indiferente penal.
O direito penal se limita apenas à construção normativa para o ajuste típico, fundamento
do princípio da legalidade e anterioridade.
O direito penal tem um método jurídico-dogmático e seu proceder é dedutivo sistemático.
Tem natureza formal e normativa. Ele isola um fragmento parcial da realidade, com critérios
axiológicos, ou seja, valorativos.
Resumindo, o direito penal interpreta a norma e aplica ao caso concreto a partir de seu
sistema.

b) Criminologia
A criminologia é ciência factual e não normativa. Não é uma ciência exata. A informação
subministrada pela Criminologia não pode ser encarada como definitiva ou absolutamente
verdadeira, mas apenas uma probabilidade baseada em informações confiáveis.
Os criminólogos, por sua vez, partem de dados para induzirem correspondentes
conclusões. Segundo Shecaira, antes de explicar o fenômeno do crime, a criminologia procura
conhecê-lo.
A criminologia pretende conhecer a realidade para explicá-la, enquanto o direito penal
valora, ordena e orienta a realidade com o apoio de uma série de critérios axiológicos.
A criminologia aproxima-se do fenômeno delitivo sem prejuízos, sem mediações,
procurando obter uma informação direta desse fenômeno. O direito penal procura reconhecer
a realidade criminal, de forma fragmentária e seletiva, observando a realidade sob o prisma do
modelo típico.
A criminologia reclama do investigador uma análise totalizadora do delito, sem mediações
formais ou valorativas que limitem o seu diagnóstico.
CAI MUITO EM PROVA: O crime é um fenômeno/problema individual e social.

OBS.: PEGADINHAS DE PROVA. A CRIMINOLOGIA NÃO É:

➢ NÃO É CIÊNCIA NORMATIVA (é EMPÍRICA)

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

➢ NÃO É CIÊNCIA LÓGICA; (é CONCRETA, MUNDO REAL)


➢ NÃO É CIENCIA ABSTRATA/METAFÍSICA/TEORÉTICA; (SEUS OBETOS SÃO
VERIFICÁVEIS NO MUNDO REAL)
➢ NÃO É CIENCIA DEDUTIVA; (é INDUTIVA)
➢ NÃO É CIENCIA EXATA; (é HUMANA/SOCIAL)
➢ NÃO É CIÊNCIA AUXILIAR OU CONDICIONANTE E MOLDURA DO DIREITO PENAL;
(é AUTÔNOMA)

c) Política Criminal
A política criminal, enquanto disciplina que oferece aos poderes públicos as opções
científicas concretas mais adequadas para o controle do crime, é a ponte eficaz entre o direito
penal.
Na inter-relação entre o direito penal, a política criminal e a criminologia, compete à
POLÍTICA CRIMINAL facilitar a recepção das investigações empíricas e a sua transformação em
preceitos normativos, incumbindo-se de converter a experiência criminológica em proposições
jurídicas, gerais e obrigatórias.

Para finalizar, olha essa questão CESPE para a PC-MA, Delegado, 2018:

1. João nutria grande desejo por sua colega de turma, Estela, mas não era correspondido.
Esse desejo transformou-se em ódio e fez que João planejasse o estupro e o homicídio da
colega. Para isso, ele passou a observar a rotina de Estela, que trabalhava durante o dia e
estudava com João à noite. Determinado dia, após a aula, em uma rua escura no caminho
de Estela para casa, João realizou seus intentos criminosos, certo de que ficaria impune,
mas acabou sendo descoberto e preso.
Com relação à situação hipotética descrita no texto e às funções da criminologia, da
política criminal e do direito penal, assinale a opção correta.
a) O direito penal tem a função de analisar a forma como o crime foi cometido, bem como
estudar os meios que devem ser adotados com relação à pena e à ressocialização de João.
b) O direito penal é o responsável pelo diagnóstico do fenômeno dos crimes cometidos
contra as mulheres.
c) A criminologia deverá analisar a conduta de João, subsidiando o juiz quanto ao
arbitramento da pena.
d) A política criminal tem a função de propor medidas para a redução das condições que
facilitaram o cometimento do crime por João, como a urbanização e a iluminação de ruas.
e) A criminologia deverá indicar os trajetos que precisam de rondas policiais ou os locais
para se instalarem postos policiais.

Gabarito: D

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

1.4 CRIMINOLOGIA COMO CIÊNCIA:


É fundamental compreender qual foi o marco científico da criminologia, ou seja, em qual
momento histórico começou a se tratar a criminologia como ciência própria.
A doutrina majoritária entende que o marco científico se deu com o médico italiano
Cesare Lombroso, principalmente com a edição da sua obra “O homem delinquente”,
em 1876, final do século XIX.

E por que Lombroso inaugura o saber científico? Porque começa a utilizar de métodos e
objetos próprios, separados da ciência do direito penal. Baseando-se nos métodos empírico
(ex.: análise laboratorial) e indutivo (partindo de casos específicos para um exame geral).
Veremos adiante que Lombroso – pai da criminologia - compõe a etapa positiva da
criminologia.
Mas cuidado: alguns doutrinadores – de forma minoritária – entendem que a criminologia,
como ciência, se desenvolve em um período anterior, com o filósofo Cesare Beccaria, na obra
“Dos delitos e das penas” (1764). Veremos adiante que Beccaria compõe a escola clássica da
criminologia, etapa pré-científica da criminologia. Essa doutrina é minoritária.

MUDE SUA VIDA!


6
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO A CRIMINOLOGIA ....................................................................................................................... 2
1.3 MÉTODOS DA CRIMINOLOGIA................................................................................................................. 2
A) CRIMINOLOGIA E MÉTODO EMPÍRICO ...................................................................................................... 2
B) CRIMINOLOGIA E MÉTODO INTERDISCIPLINAR ........................................................................................ 2
C) CRIMINOLOGIA E MÉTODO INDUTIVO ...................................................................................................... 2
1.4 OBJETOS DA CRIMINOLOGIA ................................................................................................................... 3
A) CRIME (DELITO) ................................................................................................................................. 3
B) CRIMINOSO/DELINQUENTE ............................................................................................................... 5
C) VÍTIMA ............................................................................................................................................... 5

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

INTRODUÇÃO A CRIMINOLOGIA
1.3 MÉTODOS DA CRIMINOLOGIA

Metodologia é uma análise sistemática dos procedimentos, hipóteses e meios de


explicação com o que nos deparamos em uma investigação empírica.

A criminologia é uma ciência que se vale de três métodos: empírico, indutivo


e interdisciplinar.

a) Criminologia e método empírico


É uma ciência empírica – Desenvolve-se através de análise e observação da realidade.
Exemplo: Há uma grande incidência do crime de estupro em determinado local. O
criminólogo vai até o local verifica fatores sociais, culturais, psicológicos do autor e da vítima
para entender o problema.
Atenção: método empírico nem sempre será necessariamente experimental.

b) Criminologia e método interdisciplinar


É uma ciência interdisciplinar – diversos ramos do saber vão se dialogar para enfrentar
os problemas da criminologia. Utiliza-se da sociologia, biologia, antropologia, medicina,
psicologia, estatística e até mesmo a arquitetura.
Atenção: a criminologia é interdisciplinar, e não multidisciplinar. (na
multidisciplinariedade os ramos do saber são autônomos e não se interconectam ou dialogam).
Portanto, a interdisciplinaridade apresenta maior grau de influxo (conexão/diálogo)
entre as outras ciências e a multidisciplinariedade menor grau de conexão.
OBS.: Falar que a Criminologia utiliza de diversos ramos do saber não significa dizer que
ela não tem um conhecimento próprio, pois cria seu conhecimento científico com a contribuição
dessas diversas áreas.

c) Criminologia e método indutivo


A criminologia se vale do método indutivo: análise de casos particulares – mundo dos
fatos – para chegar a uma análise geral.
O criminólogo parte de dados (verificáveis no mundo real, por isso, uma ciência do ser,
para se chegar a um problema).
O direito penal parte de análise geral (conhecimento/estudo da norma posta) para depois
ir ao particular (verificar que, em um fato da vida, um indivíduo praticou uma conduta que se
amolda a um tipo legal previsto em norma penal incriminadora, por exemplo), utilizando-se,
portanto, do método dedutivo.
A criminologia analisa dados e induz as correspondentes conclusões, porém suas
hipóteses se verificam – e se reforçam – sempre por força dos fatos que prevalecem
sobre os argumentos puramente subjetivos.

Lembrando que o direito penal se utiliza dos métodos jurídico, dedutivo e sistemático.

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

Olha uma questão da banca VUNESPE sobre o tema, considerada correta: a


CRIMINOLOGIA é uma ciência do ser, empírica e experimental, que se utiliza de
métodos biológicos e sociológicos.

1.4 OBJETOS DA CRIMINOLOGIA

A MODERNA criminologia se vale de quatro objetos:


➢ Crime;
➢ Criminoso;
➢ Vítima;
➢ Controle social;

Atenção: na etapa pré-científica da criminologia (Século XVIII), por intermédio da escola


clássica, e na etapa científica da criminologia (século XIX e XX), por intermédio da escola
positiva, havia a preocupação do estudo apenas do crime e do criminoso.
Com o giro sociológico (estudo da sociologia criminal) nos meados do século XX, começou
a se estudar também a vítima e controle social.
Portanto, os objetos vítima e controle social são relativamente novos, permeiam sua
existência pós-século XX.

A) CRIME (DELITO)
Para a criminologia, crime tem algumas características e que nada tem a ver com crime
do direito penal (ideia de ciência autônoma). Para o direito penal, sob aspecto analítico, crime
é fato típico, ilícito e culpável. Sob o aspecto formal, é a contradição entre o fato e a norma penal
incriminadora. No aspecto material, crime é a lesão ou perigo de lesão bem jurídico protegido.
No entanto, para a criminologia, todo o crime deve ter: incidência massiva, incidência
aflitiva, persistência espaço-temporal e consciência sobre sua etiologia e técnicas para
intervenção eficaz.
Vejamos cada um desses elementos do crime para a criminologia:

➢ Incidência massiva (o crime deve acontecer frequentemente na sociedade –


reiteração do fato);

O exemplo clássico da doutrina (Salomão Shecaira) de crime sem incidência massiva, é a


conduta de molestar cetáceo, algo que não ocorre com frequência no País (art. 1° da Lei
7.643.87).

➢ Incidência aflitiva (o crime causa dor, medo, temor, repulsa na sociedade,


relevância social);

O exemplo clássico da doutrina é a falta de consenso sobre a lesividade do crime de


utilização da expressão couro sintético para denominar produtos que não sejam couro de fato,
vindo do animal (Lei 4.888/65);

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

➢ Persistência espaço temporal (a conduta deve distribuir-se por todo o território


nacional ao longo de um certo tempo);

➢ Inequívoco consenso a respeito de sua etiologia e técnicas para intervenção


mais eficazes para seu combate ou Consciência geral sobre a sua negatividade.
É a consciência da sociedade que aquele fato deva ser criminalizado.

O exemplo citado por Shecaira é o uso do álcool. Verifica-se que o uso indiscriminado do
álcool possui consequências danosas à sociedade: há uma incidência massiva, aflitiva e
persistência espaço-temporal. Todavia, será que hoje em dia alguém defenderia a
criminalização do uso ou contrabando de álcool? Portanto, a solução do problema do álcool não
gira em torno da criminalização para a maioria, de tal forma que não há consenso que a técnica
de criminalizar seria a mais adequada para combater o seu mal.

CRIME (DIREITO PENAL) CRIME (CRIMINOLOGIA)

Tem conceitos diferentes nas Crime precisa ter os seguintes


perspectivas: elementos:
➢ Conceito formal: Contradição ➢ Incidência massiva;
entre o fato e a normal penal ➢ Incidência aflitiva;
incriminadora ➢ Persistência espaço-temporal;
➢ Conceito analítico: Crime é fato ➢ Inequívoco consenso a respeito
típico, ilícito e culpável. de sua etiologia e técnicas para
➢ Conceito material: Crime é lesão intervenção mais eficazes para
ou perigo de lesão a bem jurídico. seu combate ou Consciência geral
sobre a sua negatividade.

OBS.: alguns fatos que são penalmente irrelevantes para o direito penal são objetos
de preocupação da criminologia. Ex.: suicídio e prostituição. Portanto, o crime tem
um objeto muito maior na criminologia do que o direito penal.

O crime para as escolas/teorias penais ou escolas/teorias criminológicas apresenta


diferentes perspectivas:

• Para a escola clássica (etapa pré-científica da criminologia) o crime é um ente


jurídico – violação de uma norma (norma do direito natural) (expressão de
Francesco Carrara).

• Para a escola positiva (etapa científica da criminologia) o crime é algo natural.


Nessa escola, há uma preocupação com o criminoso (ser atrasado
biologicamente). Garófalo trouxe o conceito natural de crime: conduta que viola
os sentimentos de probidade e piedade da sociedade.

• Nas teorias sociológicas do consenso, o crime acontece pela desorganização


social, perda das raízes, fluxo migratório. Cidades se estruturam de forma
desorganizada.

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

• Na teoria do etiquetamento (teoria sociológica do conflito): o crime não


existe na essência (ontologicamente), é fruto de uma vontade humana.

• Na teoria crítica (teoria sociológica do conflito): A criminalização é monopólio


dos detentores do pode e que se destina à dominação das classes
economicamente desfavorecidas.

• Atualmente, não há como verificar uma causa para o crime. Portanto, é um


fenômeno multifatorial, real e dinâmico. É um problema individual e social.

B) CRIMINOSO/DELINQUENTE
A depender da escola criminal, o criminoso apresenta algumas características:

➢ Para a escola clássica, criminoso é um pecador que optou mal. O criminoso para a
escola clássica tem livre arbítrio. Optou pelo mal quando podia optar pelo bem e
violou o contrato social. Há um indeterminismo, não há nenhuma causa que leva o
indivíduo a praticar o crime.

➢ Para a escola positiva (etapa científica da criminologia), criminoso é um ser atávico,


um ser biologicamente atrasado. Há um determinismo (causa para o crime), ou seja,
de razão genética – biológica - para a prática do crime ou de processos causais
alheios.

➢ Para a escola correcionalista, criminoso é um ser débil, inferior. Portanto, merece


proteção do Estado, o qual tem função paternalista e possui funções de proteção e
orientação.

➢ Para as escolas sociológicas do consenso, há a preocupação inédita com o controle


social e com a vítima. O estudo do criminoso é deixado em segundo plano, mas não
é esquecido. Cuidado nas provas.

➢ Na teoria do etiquetamento (teoria sociológica do conflito): o criminoso é um


indivíduo que foi rotulado pela sociedade como tal e, em razão disso, mergulha no
papel social que lhe foi proposto e tende a praticar novos crimes.

➢ Na teoria crítica (teoria sociológica do conflito) – o criminoso é vítima das


estruturas econômicas de dominação.

➢ Atualmente, o “criminoso” é examinado como uma unidade biopsicossocial


(determinantes biológicos, psicológicos e sociais). Para Schecaira, o criminoso é um
ser histórico, real, complexo e enigmático.

C) VÍTIMA
É importante verificar inicialmente as etapas históricas que se desenvolveu o estudo da
vítima:

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

➢ 1° FASE DO PROTAGONISMO/IDADE DE OURO: Surge na antiguidade até o fim da


alta idade média. O crime era um problema particular, resolvido pela vítima.
Vingança era privada. Lei de talião: olho por olho, dente por dente. Não havia
participação do estado.

➢ 2° FASE DA NEUTRALIZAÇÃO/ ESQUECIMENTO: O Estado se apropria do conflito,


assumindo o direito de punir. Inicia-se na baixa idade média, com a Inquisição. A
vítima é esquecida. O Código de Processo Penal originário, de 1941, só tinha um
artigo para a vítima.

➢ 3° FASE DO REDESCOBRIMENTO/FASE DA REVALORIZAÇÃO: O marco histórico


é o pós-segunda guerra mundial. Depois de 1945. Exemplo: Lei 9.099/95 – O
instituto da composição civil dos danos é exemplo de redescobrimento da vítima.
Outro exemplo é a Lei Maria da penha 11.340/06, que traz mecanismos de proteção
à vítima de violência doméstica e familiar contra a mulher. A Lei 9.807/99 protege
vítimas e testemunhas ameaçadas.

A criminologia tradicional/positiva desconsiderou o estudo da vítima por considerá-la


mero objeto neutro e passivo, tendo polarizado em torno do delinquente as
investigações sobre o delito, sua etiologia e prevenção.

MUDE SUA VIDA!


6
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
1.TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS ....................................................................................................... 2
1.2 TERMINOLOGIA: ....................................................................................................................................... 2

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

1.TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS


1.2 TERMINOLOGIA:
Atenção para as terminologias que são muito cobradas em prova.
O estudo dos direitos humanos se dá em três eixos de proteção internacional: direito
internacional dos humanos (DIDH), direito internacional humanitário (DIH) e direito
dos refugiados (DIR).
O primeiro subgrupo refere-se ao estudo específico das matérias, direito humanitário e
direitos dos refugiados são áreas específicas.
Direito humanitário não se confunde com direitos humanos, em que pese a similaridade da
expressão, trata-se do estudo do direito de conflitos armados (guerra), e direito dos refugiados
refere-se à proteção internacional dada aos refugiados, desde a saída do seu local de residência,
trânsito de um pais a outro e concessão de refúgio.

Direito internacional Direito dos refugiados


Direito internacional
humanitário (DIH)
dos humanos (DIDH)
Lei Especial. Situação Lei especial. Proteção
Lei Geral. Incumbe a
específica de conflitos do refugiado.
proteção do ser humano em
armados (internacionais e
todos os aspectos.
não internacionais).
Subvertentes: Direito Surgimento da Cruz
das minorias; Vermelha em 1863
Direito Penal(organização não
Internacional. governamental que dá
assistência às vítimas de
guerra)
Tem previsão nas Lei 9474/1997 –
Tratados/convenções/
convenções de estatuto dos refugiados.
pactos internacionais.
Genebra, Haia e Nova York.

Registre-se que são áreas independentes, mas não excludentes entre si, só são voltadas
para situações específicas – guerra e direito dos refugiados. O CESPE julgou errada a seguinte
questão: A aplicação das normas de direito internacional humanitário e de direito internacional
dos refugiados impossibilita a aplicação das normas básicas do direito internacional dos
direitos humanos.
Cuidado com as diferenças entre as terminologias. Direitos Humanos e Direitos
Fundamentais assumem conotação distinta no que se refere ao plano de positivação, muito
embora ambos têm o mesmo significado: direitos inerentes ao ser humano, ligados a um
conjunto mínimo que dá expressão a dignidade da pessoa humana.
 Quando o plano de proteção advém de norma internacional: direitos
humanos;
 Quando o plano de proteção advém de norma interna/doméstica: direitos
fundamentais;

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

Direitos Fundamentais
Direitos Humanos
Previsão em ordem
Previsão em ordem
interna/doméstica – Constituição Federal
externa/internacional – tratados e
convenções internacionais. A diferença de determinado país. A diferença está
somente no plano de positivação.
está somente no plano de positivação.
Protegido pela ordem internacional. Protegido pela ordem interna.

Mais restritos, englobam tão


São mais amplos que os dir.
somente a Constituição Federal de
fundamentais. Podem ser reclamados por
todos os cidadãos do planeta e em determinado país. O direito fundamental
quaisquer condições, bastando que pode ser restringido pela Constituição
ocorra a violação de um direito seu Federal, por exemplo, o voto que não é
reconhecido em norma internacional extensível aos estrangeiros e conscritos.
aceita pelo Estado em cuja jurisdição se (art. 14)
encontre.
Para reclamar a violação aos
Para reclamar a violação aos
direitos humanos, vale-se de órgãos direitos fundamentais, utilizam-se
internacionais de proteção (Exemplo: garantias judiciais previstas na própria
Corte interamericana de direitos Constituição Federal (exemplo: Habeas
humanos prevista no Pacto de São José da Corpus para tutelar a liberdade de
locomoção – art. 5, LXIX da CF).
Costa Rica).
Na CF, os direitos e as garantias
Nos temos três grandes blocos em
individuais estão localizados do art. 5º ao
direitos humanos:
17, muito embora existam direitos
Direitos Civis e políticos (direitos de fundamentais fora desse lapso de artigos
e direitos fundamentais implícitos.
1ª geração);
Direitos economicos, sociais e
culturais (direitos de 2ª geração);
Direito dos povos, da humanidade
(direitos de 3ª geração)

A distinção deve ser feita na prova, se assim for cobrada, mas há uma crítica doutrinária
acerca dessa diferenciação. Há uma Intersecção entre o Direito Constitucional e o Direito
Internacional dos Direitos Humanos. Há uma aproximação entre o direito internacional e o
direito nacional, ainda mais pelo fato de que um tratado internacional pode ser incorporado ao
ordenamento nacional (art. 5º, §3º CF).
Além do mais, no âmbito da União Europeia, convencionou-se a utilizar a expressão
“direitos fundamentais” para se referir tanto aos direitos garantidos pela ordem interna como
pela ordem internacional, tanto é que o principal instrumento se chama Carta dos Direitos
Fundamentais da União Europeia.
Direitos humanos e Direitos do Homem são expressões sinônimas (no sentido
ontológico/da essência), mas com diferentes pontos de vista.

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

Direitos do homem
Direitos Humanos
Concepção jusnaturalista (corrente
Expressão utilizada no cenário
do pensamento jurídico que indica um
internacional. Refere-se a direitos
previstos em normas internacionais, direito que provém da natureza – direito
especialmente em tratados e convenções. natural - existente antes do surgimento do
estado, não positivados e válidos em todos
os tempos).
Caráter histórico. Exemplos:
Conceito atual.
Declaração Francesa dos direitos do
homem e do cidadão – 1789, Declaração
americana dos direitos e deveres do
homem (Bogotá, 1948). Obs.: O STF já
entendeu que o direito a fuga seria um
direito natural a despeito da ausência de
previsão legal. “A fuga é um direito natural
dos que se sentem, por isso ou por aquilo,
alvo de um ato discrepante da ordem
jurídica, pouco importando a
improcedência dessa visão." RHC
84.851/BA, rel. Min. Marco Aurélio. (Nem
todos os ministros compartilham a
existência de um “direito natural a fuga”)1.

Um bom exemplo é o direito à vida, que é considerado um direito do homem (não precisa
de positivação). É natural que todo mundo entenda que a vida é o bem jurídico mais importante
que temos. Tem previsão no art. 5º, CRFB/88, sendo um direito fundamental à vida. E, como
tem previsão em tratado internacional, é também considerado um direito humano à vida.
O direito natural serviu também para ampliar direito previsto na Constituição Federal. O
art. 5º, LXIII prevê o direito ao silêncio, o qual foi transformado, jurisprudencialmente, ao longo
do tempo, para um direito a não autoincriminação. “O direito natural afasta, por si só, a
possibilidade de exigir-se que o acusado colabore nas investigações. A garantia constitucional
do silêncio encerra que ninguém está compelido a autoincriminar-se.” (HC 83.943.MG. Rel. Min.
Marco Aurélio, j. 27-4-2004).
No que se refere, ainda, à terminologia, utilizam-se as expressões direitos individuais,
liberdades públicas e direitos públicos subjetivos. Todavia, as três expressões se mostram
incompletas, pois não abarcariam toda a gama de direitos humanos.

MUDE SUA VIDA!


4
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Texto����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Ler e Entender um Texto���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Básicas sobre Interpretação e Compreensão Textual��������������������������������������������������������������������������������������2
Texto de Apoio���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Texto
Nas provas de Língua Portuguesa, o texto é a base de todos os questionamentos. As questões de
interpretação e compreensão exigem do candidato um conhecimento das estruturas de um texto e
um amplo vocabulário. Deve-se ficar atento ao fato de que as frases geralmente possuem significa-
dos de acordo com o contexto em que estão inseridas. Logo, torna-se necessário confrontar todas as
partes de um texto para resolver uma questão.
Além disso, vale entender os dois principais níveis de leitura: decodificação (elementos explícitos
no texto), inferência (elementos implícitos, deduções, conclusões).

Ler e Entender um Texto


É importante buscar os dois níveis de leitura: a informativa e de reconhecimento (decodificação)
e a interpretativa (inferência).
Na primeira leitura, são extraídas as informações mais importantes, a ideia central do texto e a
ideia central de cada parágrafo. É interessante destacar as palavras-chave do texto.
Deve-se ressaltar que há limites para interpretação, ou seja, não se deve buscar o que o leitor
entender, mas o que o texto permite que se entenda. Desse modo, não importa a opinião do leitor do
texto, mas apenas o que é possível compreender pela leitura.
Antes de realizar a leitura, é fundamental identificar a referência bibliográfica, para verificar se é
um texto de jornal, literário, blog, etc.
Para responder às questões, é necessário entender o enunciado, para perceber o que está sendo
pedido, se há palavras como exceto, respectivamente, nunca, sempre, etc.
Muitas vezes, a interpretação busca o que é mais adequado, mais lógico para aquele momento, o
que é possível concluir.
Cabe ressaltar que algumas questões trazem fragmentos de um texto. Quando isso ocorrer, deve-se
retornar o texto, pois a descontextualização pode causar dúvida ou induzir o candidato ao erro. Ao
retornar ao texto, é importante ler o período anterior e posterior ao fragmento citado na questão.

Noções Básicas sobre Interpretação e Compreensão Textual


1) Conceito de texto: são ideias organizadas e relacionadas entre si, as quais formam um todo
significativo. Um texto é um enunciado capaz de produzir uma interação comunicativa, a qual dê a
capacidade de codificar e decodificar os sentidos.
2) Significado de contexto: um texto é um enunciado que tem um sentido e é constituído por
meio de frases. Em cada uma delas, há uma relação de coesão, pois uma informação se liga com a
anterior e/ou com a posterior, o que cria condições para a estruturação do conteúdo a ser transmiti-
do. Essa interligação de frases e períodos recebe o nome contexto. Vale destacar que a relação entre as
frases é tão importante que, se uma frase for retirada de seu contexto original e analisada separada-
mente, poderá haver um significado diferente daquele inicial.
3) Intertexto é uma das características de um texto, ou seja, uma produção textual geralmente
apresenta referências diretas ou indiretas a outros autores por meio de citações.
4) A interpretação de texto busca identificar a ideia principal de um texto. A partir dessa ideia
principal, localizam-se as secundárias, as fundamentações, as argumentações, as explicações, ou
seja, tudo o que leva ao esclarecimento das questões apresentadas numa prova.
5) As questões que envolvem a compreensão e a interpretação de textos geralmente exigem que o
candidato:

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

a) Identifique, ou seja, reconheça os elementos fundamentais de argumentação, de um processo,


de um momento. Nesse caso, é importante identificar os verbos e os advérbios.
b) Compare, quer dizer, descubra as relações de semelhança ou de diferenças que são explicita-
das no texto.
c) Comente, isto é, relacione o conteúdo apresentado com uma realidade.
d) Resuma, ou melhor, perceba a ideia central e/ou as secundárias de um parágrafo, de um texto.
6) Interpretar significa deduzir, fazer conclusões, julgar. Geralmente há os seguintes enunciados:
infere-se, depreende-se, é possível deduzir que, o texto permite concluir que, a intenção do autor é, etc.
7) Compreender significa intelecção, entendimento, atenção às informações explícitas e implíci-
tas. Geralmente há os seguintes enunciados: o texto diz que, de acordo com o texto, o autor afirma
que, etc.
8) Alguns dos equívocos mais comuns na interpretação são: extrapolar o que está no texto, acres-
centando ideias pessoais e não as que são possíveis de serem concluídas; reduzir o significado do
texto, dando apenas atenção a um aspecto, esquecendo-se de que o texto é um todo e não uma parte;
discordar do texto e avalia-lo segundo as suas próprias perspectivas, tirando conclusões equivoca-
das, pessoais.
9) Para fazer uma questão que trabalha com os sentidos de um texto, é preciso avaliar a ótica do
autor, e não do leitor. Isso significa que a opinião do leitor não importa, pois deve ser levado em con-
sideração apenas o que o autor diz.
10) A coesão influencia a construção e os sentidos de um texto. Portanto, deve-se fica atento ao
emprego de conectivos, como pronomes, conjunções, sinônimos.
Texto de Apoio
A participação e o lugar da mulher na história foram negligenciados pelos historiadores e, por
muito tempo, elas ficaram à sombra de um mundo dominado pelo gênero masculino. Ao pensarmos
o mundo medieval e o papel dessa mulher, o quadro de exclusão se agrava ainda mais, pois, além do
silêncio que encontramos nas fontes de consulta, os textos, que muito raramente tratam o mundo
feminino, estão impregnados pela aversão dos religiosos da época por elas.
Na Idade Média, a maioria das ideias e de conceitos era elaborada pelos escolásticos. Tudo o que
sabemos sobre as mulheres desse período saiu das mãos de homens da Igreja, pessoas que deveriam
viver completamente longe delas. Muitos clérigos consideravam-nas misteriosas, não compreen-
diam, por exemplo, como elas geravam a vida e curavam doenças utilizando ervas.
A mulher era considerada pelos clérigos um ser muito próximo da carne e dos sentidos e, por
isso, uma pecadora em potencial. Afinal, todas elas descendiam de Eva, a culpada pela queda do
gênero humano. No início da Idade Média, a principal preocupação com as mulheres era man-
tê-las virgens e afastar os clérigos desses seres demoníacos que personificavam a tentação. Dessa
forma, a maior parte da autoridades eclesiásticas desse período via a mulher como portadora e
disseminadora do mal.
Isso as tornava más por natureza e atraídas pelo vício. A partir do século XI, com a instituição
do casamento pela Igreja, a maternidade e o papel da boa esposa passaram a ser exaltados. Criou-se
uma forma de salvação feminina a partir basicamente de três modelos femininos: Eva (a pecadora),
Maria (o modelo de perfeição e santidade) e Maria Madalena (a pecadora arrependida). O matrimô-
nio vinha para saciar e controlar as pulsões femininas. No casamento, a mulher estariarestrita a um
só parceiro, que tinha a função de dominá-la, de educá-la e de fazer com que tivesse uma vida pura e
casta.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Essa falta de conhecimento da natureza feminina causava medo aos homens. Os religiosos se
apoiavam no pecado original de Eva para ligá-la à corporeidade e inferiorizá-la. Isso porque, conforme
o texto bíblico, Eva foi criada da costela de Adão, sendo, por isso, dominada pelos sentidos e os desejos
da carne. Devido a essa visão, acreditava-se que ela fora criada com a única função de procriar.
Essa concepção de mulher, que foi construída através dos séculos, é anterior mesmo ao cris-
tianismo. Foi assegurada por ele e se deu porque permitiu a manutenção dos homens no poder;
forneceu ao clero celibatário uma segurança baseada na distância e legitimou a submissão da ordem
estabelecida pelos homens. Essa construção começou apenas a ruir, mas os alicerces ainda estão bem
fincados na nossa sociedade.
Patrícia Barboza da Silva. Colunista do Brasil Escola. (com adaptações).

Exercícios
01. Um Brasil livre de preconceito
As principais democracias do mundo têm inscrito em suas Constituições os direitos fundamentais
dos cidadãos. Direitos políticos, civis, econômicos, sociais e culturais figuram entre as condições
básicas para a vida em sociedade tal como a conhecemos hoje. Mas nem sempre foi assim. Muitos
dos direitos hoje considerados universais somente foram conquistados após muito esforço e muita
luta. Como exemplo, basta citar o voto feminino no Brasil, só garantido em lei no ano de 1934.
Atualmente, podemos dizer que o Brasil elevou os direitos políticos, civis, econômicos e culturais
a patamares inéditos, avançando rapidamente na realização progressiva deles. E assim surge o desafio
de avançarmos nos chamados direitos de quarta geração, que englobam os direitos das mulheres,
dos negros e da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT), entre outros.
Infere-se da leitura do texto que:
a) o Brasil é o país mais atrasado, entre as democracias, no que diz respeito à garantia dos
direitos fundamentais dos cidadãos;
b) sem os direitos políticos, civis, econômicos, sociais e culturais, a vida em sociedade seria
impossível;
c) o voto feminino no Brasil exemplifica um direito político de quarta geração, só conseguido
com esforço e luta;
d) a sociedade mudou profundamente a partir da conquista do voto feminino no Brasil;
e) sem esforço e luta, os direitos fundamentais dos cidadãos estariam inscritos nas Constitui-
ções, mas sem aplicação social.
Leia o texto a seguir.
Os direitos “nossos” e os “deles”
Não é incomum que julguemos o que chamamos “nossos” direitos superiores aos direitos do
“outro”. Tanto no nível mais pessoal das relações como nos fatos sociais costuma ocorrer essa discre-
pância, com as consequências de sempre: soluções injustas.
Durante um júri, em que defendia um escravo que havia matado o seu senhor, Luís Gama (1830 -
1882), advogado, jornalista e escritor mestiço, abolicionista que chegou a ser escravo por alguns anos,
proferiu uma frase que se tornou célebre, numa sessão de julgamento: «O escravo que mata o senhor,
seja em que circunstância for, mata sempre em legítima defesa». A frase causou tumulto e acabou por
suspender a sessão do júri, despertando tremenda polêmica à época. Na verdade, continua provocando.
Dissesse alguém isso hoje, em alguma circunstância análoga, seria aplaudido por uns e acusado
por outros de demonizar o “proprietário”. Como se vê, também a demonização tem duas mãos:
os partidários de quem subjuga acabam por demonizar a reação do subjugado. Tais fatos e tais
polêmicas, sobre tais direitos, nem deveriam existir, mas existem; será que terão fim?

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

O grande pensador e militante italiano Antonio Gramsci (1891-1937), que passou muitos anos na
prisão por conta de suas ideias socialistas, propunha, em algum lugar de sua obra, que diante do dilema
de uma escolha nossa conduta subsequente deve se reger pela avaliação objetiva das circunstâncias
para então responder à seguinte pergunta: “Quem sofre?” Para Gramsci, o sofrimento humano é um
parâmetro que não se pode perder de vista na avaliação das decisões pessoais ou políticas.
(Abelardo Trancoso, inédito)

02. Deve-se considerar que, na estruturação desse texto,


I. o primeiro parágrafo apresenta uma tese com base numa discrepância de valores, que será
ilustrada com o fato polêmico exposto no parágrafo seguinte.
II. as controvérsias despertadas pela frase proferida por Luís Gama podem ser explicadas pela
contundência de um argumento radicalmente abolicionista acionado em pleno regime es-
cravocrata.
III. a referência ao militante Antonio Gramsci, no parágrafo final, propicia um argumento
poderoso a favor de quem se pauta pelo cumprimento rigoroso da lei, não importando as
circunstâncias.
Em relação ao texto, é correto o que se considera em
a) II e III, apenas.
b) I e III, apenas.
c) II, apenas.
d) I, II e III.
e) I e II, apenas.
Gabarito
01 - B
02 - E

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
JUSTIÇA MILITAR BRASILEIRA ....................................................................................................................... 2
DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL MILITAR ......................................................................................................... 5
1 - PRINCÍPIO DE LEGALIDADE .................................................................................................................. 5
2 - RETROATIVIDADE DE LEI MAIS BENIGNA ............................................................................................. 6
3 - TEMPO DO CRIME ............................................................................................................................... 6
4 - LUGAR DO CRIME ................................................................................................................................ 6
CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA ................................................................................................................ 7

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

JUSTIÇA MILITAR BRASILEIRA

NOÇÕES SOBRE A HIERARQUIA MILITAR E INFORMAÇÕES CORRELATAS


1. MILITARES: FORÇAS ARMADAS X DOS ESTADOS;
2. JUSTIÇA MILITAR: FEDERAL X ESTADUAL;
3. CRIMES MILITARES: PROPRIAMENTE E IMPROPRIAMENTE;
4. POSTO (PATENTE) – OFICIAIS X GRADUÇÃO (PRAÇAS);
5. HIERARQUIA E DISCIPLINA;
6. CRIME MILITAR X TRANSGRESSÃO DISCIPLINAR;
7. ANTIGUIDADE.

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL MILITAR


1 - PRINCÍPIO DE LEGALIDADE
Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal.

Lei supressiva de incriminação


Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando,
em virtude dela, a própria vigência de sentença condenatória irrecorrível, salvo quanto aos
efeitos de natureza civil.

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

2 - RETROATIVIDADE DE LEI MAIS BENIGNA


A lei posterior que, de qualquer outro modo, favorece o agente, aplica-se retroativamente,
ainda quando já tenha sobrevindo sentença condenatória irrecorrível.

Apuração da maior benignidade


Para se reconhecer qual a mais favorável, a lei posterior e a anterior devem ser
consideradas separadamente, cada qual no conjunto de suas normas aplicáveis ao fato.

Medidas de segurança
As medidas de segurança regem-se pela lei vigente ao tempo da sentença, prevalecendo,
entretanto, se diversa, a lei vigente ao tempo da execução.

Lei excepcional ou temporária


A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas
as circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência.

3 - TEMPO DO CRIME
Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o
do resultado.

4 - LUGAR DO CRIME
Considera-se praticado o fato, no lugar em que se desenvolveu a atividade criminosa, no
todo ou em parte, e ainda que sob forma de participação, bem como onde se produziu ou deveria
produzir-se o resultado. Nos crimes omissivos, o fato considera-se praticado no lugar em que
deveria realizar-se a ação omitida.

Territorialidade, Extraterritorialidade
Aplica-se a lei penal militar, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito
internacional, ao crime cometido, no todo ou em parte no território nacional, ou fora dele, ainda
que, neste caso, o agente esteja sendo processado ou tenha sido julgado pela justiça
estrangeira.

Território nacional por extensão


Para os efeitos da lei penal militar consideram-se como extensão do território nacional as
aeronaves e os navios brasileiros, onde quer que se encontrem, sob comando militar ou
militarmente utilizados ou ocupados por ordem legal de autoridade competente, ainda que de
propriedade privada.

Ampliação a aeronaves ou navios estrangeiros


É também aplicável a lei penal militar ao crime praticado a bordo de aeronaves ou navios
estrangeiros, desde que em lugar sujeito à administração militar, e o crime atente contra as
instituições militares.
Considera-se navio toda embarcação sob comando militar.

Pena cumprida no estrangeiro

MUDE SUA VIDA!


6
alfaconcursos.com.br

A pena cumprida no estrangeiro atenua a pena imposta no Brasil pelo mesmo crime,
quando diversas, ou nela é computada, quando idênticas.

CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA
CÓDIGO PENAL MILITAR
PARTE GERAL
LIVRO ÚNICO
TÍTULO I
DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL MILITAR
Princípio de legalidade
Art. 1º Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem
prévia cominação legal.
Lei supressiva de incriminação
Art. 2° Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de
considerar crime, cessando, em virtude dela, a própria vigência de
sentença condenatória irrecorrível, salvo quanto aos efeitos de
natureza civil.
Retroatividade de lei mais benigna
§ 1º A lei posterior que, de qualquer outro modo, favorece o agente,
aplica-se retroativamente, ainda quando já tenha sobrevindo
sentença condenatória irrecorrível.
Apuração da maior benignidade
§ 2° Para se reconhecer qual a mais favorável, a lei posterior e a
anterior devem ser consideradas separadamente, cada qual no
conjunto de suas normas aplicáveis ao fato.
Medidas de segurança
Art. 3º As medidas de segurança regem-se pela lei vigente ao tempo
da sentença, prevalecendo, entretanto, se diversa, a lei vigente ao
tempo da execução.
Lei excepcional ou temporária
Art. 4º A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período
de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a determinaram,
aplica-se ao fato praticado durante sua vigência.
Tempo do crime
Art. 5º Considera-se praticado o crime no momento da ação ou
omissão, ainda que outro seja o do resultado.
Lugar do crime
Art. 6º Considera-se praticado o fato, no lugar em que se
desenvolveu a atividade criminosa, no todo ou em parte, e ainda que
sob forma de participação, bem como onde se produziu ou deveria
produzir-se o resultado. Nos crimes omissivos, o fato considera-se
praticado no lugar em que deveria realizar-se a ação omitida.
Territorialidade, Extraterritorialidade
Art. 7º Aplica-se a lei penal militar, sem prejuízo de convenções,
tratados e regras de direito internacional, ao crime cometido, no todo
ou em parte no território nacional, ou fora dele, ainda que, neste caso,
o agente esteja sendo processado ou tenha sido julgado pela justiça
estrangeira.
Território nacional por extensão
§ 1° Para os efeitos da lei penal militar consideram-se como extensão
do território nacional as aeronaves e os navios brasileiros, onde quer
que se encontrem, sob comando militar ou militarmente utilizados ou
ocupados por ordem legal de autoridade competente, ainda que de
propriedade privada.

MUDE SUA VIDA!


7
alfaconcursos.com.br

Ampliação a aeronaves ou navios estrangeiros


§ 2º É também aplicável a lei penal militar ao crime praticado a
bordo de aeronaves ou navios estrangeiros, desde que em lugar
sujeito à administração militar, e o crime atente contra as
instituições militares.
Conceito de navio
§ 3º Para efeito da aplicação deste Código, considera-se navio toda
embarcação sob comando militar.
Pena cumprida no estrangeiro
Art. 8° A pena cumprida no estrangeiro atenua a pena imposta no
Brasil pelo mesmo crime, quando diversas, ou nela é computada,
quando idênticas.

MUDE SUA VIDA!


8
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
JUSTIÇA MILITAR BRASILEIRA ....................................................................................................................... 2
1 - CRIMES MILITARES EM TEMPO DE PAZ................................................................................................ 2
2 - CRIMES MILITARES EM TEMPO DE GUERRA ........................................................................................ 3
CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA ................................................................................................................ 3

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

JUSTIÇA MILITAR BRASILEIRA


1 - CRIMES MILITARES EM TEMPO DE PAZ
Consideram-se crimes militares, em tempo de paz:
I - os crimes de que trata esse Código, quando definidos de modo diverso na lei penal
comum, ou nela não previstos, qualquer que seja o agente, salvo disposição especial;

II – os crimes previstos neste Código e os previstos na legislação penal, quando


praticados:

a) por militar em situação de atividade ou assemelhado, contra militar na mesma


situação ou assemelhado;

b) por militar em situação de atividade ou assemelhado, em lugar sujeito à


administração militar, contra militar da reserva, ou reformado, ou assemelhado, ou
civil;

c) por militar em serviço ou atuando em razão da função, em comissão de natureza


militar, ou em formatura, ainda que fora do lugar sujeito à administração militar
contra militar da reserva, ou reformado, ou civil;

d) por militar durante o período de manobras ou exercício, contra militar da reserva,


ou reformado, ou assemelhado, ou civil;

e) por militar em situação de atividade, ou assemelhado, contra o patrimônio sob a


administração militar, ou a ordem administrativa militar;

f) revogada.

III - os crimes praticados por militar da reserva, ou reformado, ou por civil, contra as
instituições militares, considerando-se como tais não só os compreendidos no inciso I,
como os do inciso II, nos seguintes casos:

a) contra o patrimônio sob a administração militar, ou contra a ordem administrativa


militar;

b) em lugar sujeito à administração militar contra militar em situação de atividade ou


assemelhado, ou contra funcionário de Ministério militar ou da Justiça Militar, no
exercício de função inerente ao seu cargo;

c) contra militar em formatura, ou durante o período de prontidão, vigilância,


observação, exploração, exercício, acampamento, acantonamento ou manobras;

d) ainda que fora do lugar sujeito à administração militar, contra militar em função de
natureza militar, ou no desempenho de serviço de vigilância, garantia e preservação
da ordem pública, administrativa ou judiciária, quando legalmente requisitado para
aquele fim, ou em obediência a determinação legal superior.

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

Os crimes acima, quando dolosos contra a vida e cometidos por militares contra civil,
serão da competência do Tribunal do Júri.
Os crimes mencionados, quando dolosos contra a vida e cometidos por militares das
Forças Armadas contra civil, serão da competência da Justiça Militar da União, se praticados no
contexto:

I – do cumprimento de atribuições que lhes forem estabelecidas pelo Presidente da


República ou pelo Ministro de Estado da Defesa;

II – de ação que envolva a segurança de instituição militar ou de missão militar, mesmo


que não beligerante; ou

III – de atividade de natureza militar, de operação de paz, de garantia da lei e da ordem


ou de atribuição subsidiária, realizadas em conformidade com o disposto no art. 142
da Constituição Federal e na forma dos seguintes diplomas legais:
a) Lei no 7.565, de 19 de dezembro de 1986 - Código Brasileiro de Aeronáutica;
b) Lei Complementar no 97, de 9 de junho de 1999;
c) Decreto-Lei no 1.002, de 21 de outubro de 1969 - Código de Processo Penal Militar;
e
d) Lei no 4.737, de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral.

2 - CRIMES MILITARES EM TEMPO DE GUERRA


Consideram-se crimes militares, em tempo de guerra:

I - os especialmente previstos neste Código para o tempo de guerra;

II - os crimes militares previstos para o tempo de paz;

III - os crimes previstos neste Código, embora também o sejam com igual definição na
lei penal comum ou especial, quando praticados, qualquer que seja o agente:
a) em território nacional, ou estrangeiro, militarmente ocupado;
b) em qualquer lugar, se comprometem ou podem comprometer a preparação, a
eficiência ou as operações militares ou, de qualquer outra forma, atentam contra a
segurança externa do País ou podem expô-la a perigo;

IV - os crimes definidos na lei penal comum ou especial, embora não previstos neste
Código, quando praticados em zona de efetivas operações militares ou em território
estrangeiro, militarmente ocupado.

CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA
Crimes militares em tempo de paz
Art. 9º Consideram-se crimes militares, em tempo de paz:
I - os crimes de que trata esse Código, quando definidos de modo
diverso na lei penal comum, ou nela não previstos, qualquer que seja
o agente, salvo disposição especial;

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

II – os crimes previstos neste Código e os previstos na legislação


penal, quando praticados:
a) por militar em situação de atividade ou assemelhado, contra
militar na mesma situação ou assemelhado;
b) por militar em situação de atividade ou assemelhado, em lugar
sujeito à administração militar, contra militar da reserva, ou
reformado, ou assemelhado, ou civil;
c) por militar em serviço ou atuando em razão da função, em
comissão de natureza militar, ou em formatura, ainda que fora do
lugar sujeito à administração militar contra militar da reserva, ou
reformado, ou civil;
d) por militar durante o período de manobras ou exercício, contra
militar da reserva, ou reformado, ou assemelhado, ou civil;
e) por militar em situação de atividade, ou assemelhado, contra o
patrimônio sob a administração militar, ou a ordem administrativa
militar;
f) revogada.
III - os crimes praticados por militar da reserva, ou reformado, ou por
civil, contra as instituições militares, considerando-se como tais não
só os compreendidos no inciso I, como os do inciso II, nos seguintes
casos:
a) contra o patrimônio sob a administração militar, ou contra a
ordem administrativa militar;
b) em lugar sujeito à administração militar contra militar em
situação de atividade ou assemelhado, ou contra funcionário de
Ministério militar ou da Justiça Militar, no exercício de função
inerente ao seu cargo;
c) contra militar em formatura, ou durante o período de prontidão,
vigilância, observação, exploração, exercício, acampamento,
acantonamento ou manobras;
d) ainda que fora do lugar sujeito à administração militar, contra
militar em função de natureza militar, ou no desempenho de serviço
de vigilância, garantia e preservação da ordem pública,
administrativa ou judiciária, quando legalmente requisitado para
aquele fim, ou em obediência a determinação legal superior.
§ 1o Os crimes de que trata este artigo, quando dolosos contra a vida
e cometidos por militares contra civil, serão da competência do
Tribunal do Júri.
§ 2o Os crimes de que trata este artigo, quando dolosos contra a vida
e cometidos por militares das Forças Armadas contra civil, serão da
competência da Justiça Militar da União, se praticados no
contexto:
I – do cumprimento de atribuições que lhes forem estabelecidas pelo
Presidente da República ou pelo Ministro de Estado da Defesa;
II – de ação que envolva a segurança de instituição militar ou de
missão militar, mesmo que não beligerante; ou
III – de atividade de natureza militar, de operação de paz, de
garantia da lei e da ordem ou de atribuição subsidiária, realizadas
em conformidade com o disposto no art. 142 da Constituição Federal
e na forma dos seguintes diplomas legais:
a) Lei no 7.565, de 19 de dezembro de 1986 - Código Brasileiro de
Aeronáutica;
b) Lei Complementar no 97, de 9 de junho de 1999;
c) Decreto-Lei no 1.002, de 21 de outubro de 1969 - Código de
Processo Penal Militar; e
d) Lei no 4.737, de 15 de julho de 1965 - Código Eleitoral.

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

Crimes militares em tempo de guerra


Art. 10. Consideram-se crimes militares, em tempo de guerra:
I - os especialmente previstos neste Código para o tempo de guerra;
II - os crimes militares previstos para o tempo de paz;
III - os crimes previstos neste Código, embora também o sejam com
igual definição na lei penal comum ou especial, quando praticados,
qualquer que seja o agente:
a) em território nacional, ou estrangeiro, militarmente ocupado;
b) em qualquer lugar, se comprometem ou podem comprometer a
preparação, a eficiência ou as operações militares ou, de qualquer
outra forma, atentam contra a segurança externa do País ou podem
expô-la a perigo;
IV - os crimes definidos na lei penal comum ou especial, embora não
previstos neste Código, quando praticados em zona de efetivas
operações militares ou em território estrangeiro, militarmente
ocupado.

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR .......................................................................................... 2
1. PROCESSO PENAL MILITAR E SUA APLICAÇÃO. ......................................................................................... 2
1.1. FONTES DE DIREITO JUDICIÁRIO MILITAR .......................................................................................... 2
1.2. INTERPRETAÇÃO DAS NORMAS DO PROCESSO PENAL MILITAR........................................................ 2
1.3. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO ......................................................................... 3
1.4. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO TEMPO .......................................................................... 3
1.5. APLICAÇÃO À JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL ........................................................................................ 4
2. POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR ..................................................................................................................... 4
2.1. EXERCÍCIO DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR ...................................................................................... 4
2.2. DELEGAÇÃO DO EXERCÍCIO DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR ........................................................... 5
2.3. COMPETÊNCIA DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR ............................................................................... 5
CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA ..................................................................................................................... 6
EXERCÍCIOS ........................................................................................................................................................ 9
GABARITO .................................................................................................................................................... 10

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL MILITAR


1. PROCESSO PENAL MILITAR E SUA APLICAÇÃO.
O processo penal militar é um ramo especializado do processo penal comum, organizado
pelo Decreto-Lei 1.002, de 21 de outubro de 1969, o Código de Processo Penal militar, que
regula o processo penal militar tanto em tempo de paz e de guerra.
As normas do processo penal militar são muito semelhantes às do processo penal
comum, trazendo, contudo, modificações relacionadas ao sistema militar e as infrações penais
militares previstas no Código Penal Militar.
Como a origem dos institutos é semelhante, será normal durante o estudo do processo
penal militar a verificação de institutos idênticos àqueles previstos no processo penal comum.
Nesses pontos o material chamará especial atenção às diferenças entre os dois processos,
sobretudo por ser justamente nessas diferenças a maior parte das questões dos concursos
públicos.
1.1. FONTES DE DIREITO JUDICIÁRIO MILITAR
Embora o Código de Processo Penal Militar (CPPM) seja a principal fonte do processo
penal militar, o próprio Código, em seu Art. 1º, designou que se aplica a legislação especial ao
invés do CPPM, quando a legislação especial determinar algum tipo de procedimento diverso
do Código. Lembre-se, assim, que como é comum no direito, sempre que houver uma norma
especial (a chamada legislação especial) é ela que se aplicará no caso concreto, e não a norma
geral (normalmente aquela prevista nos Códigos). Em outras palavras, a lei especial é que vai
regular o que ela determinar, mas nos assuntos não tratados por ela, haverá a aplicação
subsidiária do CPPM.
É importante registrar, ainda, que o CPPM determina que, havendo divergência entre as
normas do Código e normas internacionais, provenientes de convenção ou tratado de que o
Brasil seja signatário, as últimas é que serão aplicadas. Nesse sentido vale lembrar a
Convenção Americana de Direitos Humanos (Decreto 678/1992) que regula alguns temas
específicos de processo penal (especialmente nos arts. 7 e 8) e que se aplicam em detrimento
do CPPM.
FIQUE LIGADO! Havendo divergência entre o CPPM e o tratado de direitos
humanos, o próprio CPPM prevê a prevalência da norma internacional.

1.2. INTERPRETAÇÃO DAS NORMAS DO PROCESSO PENAL MILITAR


Interpretar é a atividade pela qual se atribui sentido às normas. No campo do processo
penal militar, o Art. 2º do CPPM afirma que as leis devem ser interpretadas no sentido literal
de suas expressões, ou seja, os termos técnicos devem ser entendidos em sua acepção (seu
significado) especial, salvo se evidentemente empregados com outra significação.
Embora a regra seja a busca do sentido literal das palavras empregadas pela legislação
militar, o CPPM admite a interpretação extensiva para ampliar a aplicabilidade da norma,
quando for evidente que a lei disse menor do que pretendia, ou restritiva, quando ficar claro
que a intenção da norma for regular situação menos ampla do que aparenta.
É vedada, contudo, a utilização de interpretação extensiva ou restritiva em três
hipóteses:
• quando cercear a defesa pessoal do acusado;
• quando prejudicar ou alterar o curso normal do processo, ou lhe desvirtuar a natureza;

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

• quando desfigurar de plano os fundamentos da acusação que deram origem ao


processo.
Os casos omissos, isto é, não previstos no CPPM, serão supridos (complementados):
1)pela legislação de processo penal comum, quando aplicável ao caso concreto e sem
prejuízo da índole do processo penal militar (principalmente o Código de Processo Penal);
2)pela jurisprudência (o entendimento reiterado dos Tribunais);
3)pelos usos e costumes militares;
4)pelos princípios gerais de Direito (aplicáveis a todos os ramos do Direito);
5)pela analogia (é uma operação lógica por meio da qual se aplica a um caso não
previsto na lei a norma aplicável a casos semelhantes).
1.3. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO
As normas do processo penal militar previstas no CPPM tem aplicabilidade no território
nacional, sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional. É o chamado
princípio da territorialidade temperada.
FIQUE LIGADO! Assim como no processo penal comum, vigora no processo
penal militar o princípio da territorialidade temperada.

Há, contudo, previsão expressa de aplicação extraterritorial da legislação processual


penal brasileira fora do território nacional:
I - em tempo de paz:
a) quando se tratar de crime que atente contra as instituições
militares ou a segurança nacional, ainda que seja o agente
processado ou tenha sido julgado pela justiça estrangeira;
b) em zona ou lugar sob administração ou vigilância da força
militar brasileira, ou em ligação com esta, de força militar
estrangeira no cumprimento de missão de caráter internacional ou
extraterritorial;
c) a bordo de navios, ou quaisquer outras embarcações, e de
aeronaves, onde quer que se encontrem, ainda que de propriedade
privada, desde que estejam sob comando militar ou militarmente
utilizados ou ocupados por ordem de autoridade militar
competente;
d) a bordo de aeronaves e navios estrangeiros desde que em lugar
sujeito à administração militar, e a infração atente contra as
instituições militares ou a segurança nacional;
II - em tempo de guerra:
a) aos mesmos casos previstos para o tempo de paz;
b) em zona, espaço ou lugar onde se realizem operações de força
militar brasileira, ou estrangeira que lhe seja aliada, ou cuja defesa,
proteção ou vigilância interesse à segurança nacional, ou ao bom
êxito daquelas operações;
c) em território estrangeiro militarmente ocupado.

1.4. APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO TEMPO


As normas processuais penais, em regra, tem aplicabilidade imediata, isto é, aplicam-se a
partir da sua vigência, inclusive nos processo em andamento, sem prejuízo da validade dos
atos realizados sob a vigência da lei anterior.
Em quatro casos, contudo, a lei processo penal militar não terá aplicação imediata
(previstos no Art. 711 do CPPM):
1) aplicar-se-ão à prisão provisória as disposições que forem mais favoráveis ao
indiciado ou acusado;

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

2) o prazo já iniciado, inclusive o estabelecido para a interposição de recurso, será


regulado pela lei anterior, se esta não estatuir prazo menor do que o fixado neste Código;
3) se a produção da prova testemunhal tiver sido iniciada, o interrogatório do acusado
far-se-á de acordo com as normas da lei anterior;
4) as perícias já iniciadas, bem como os recursos já interpostos, continuarão a reger-se
pela lei anterior.
FIQUE LIGADO! As normas processuais penais militares, em regra, aplicam-
se imediatamente, mesmo aos processos em andamento.

1.5. APLICAÇÃO À JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL


Obedecerão às normas processuais previstas neste Código, no que forem aplicáveis,
salvo quanto à organização de Justiça, aos recursos e à execução de sentença, os processos da
Justiça Militar Estadual, nos crimes previstos na Lei Penal Militar a que responderem os
oficiais e praças das Polícias e dos Corpos de Bombeiros Militares.

2. POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR


2.1. EXERCÍCIO DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR
A polícia judiciária é a designação genérica atribuída às polícias responsáveis por
realizar a investigação de fatos criminosos, isto é, a verificação da existência dos fatos penais e
de sua autoria por meio de atos de investigação (principalmente por meio do inquérito
policial).
No âmbito do processo penal militar a função de polícia judiciária militar é exercida
pelas autoridades militares, conforme suas atribuições específicas. O Art. 7º do CPPM traz o
rol dessas autoridades. Devemos, contudo, fazer uma releitura do dispositivo em razão da
modificação dos cargos (por exemplo, o CPPM fala em Ministro da Marinha, que não mais
existe), possuindo atribuição para o exercício da polícia judiciária militar as seguintes
autoridades:
1) os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em todo o território
nacional e fora dele, em relação às forças e órgãos que constituem suas armas, bem como a
militares que, neste caráter, desempenhem missão oficial, permanente ou transitória, em país
estrangeiro;
2) o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas , em relação a entidades que,
por disposição legal, estejam sob sua responsabilidade;
3) o chefe de Estado-Maior e pelo secretário-geral da Marinha, nos órgãos, forças e
unidades que lhes são subordinados;
4) os comandantes de Exército e pelo comandante-chefe da Esquadra, nos órgãos, forças
e unidades compreendidos no âmbito da respectiva ação de comando;
5) os comandantes de Região Militar, Distrito Naval ou Zona Aérea, nos órgãos e
unidades dos respectivos territórios;
6) o secretário do Comando do Exército e pelo chefe de Gabinete do Comando da
Aeronáutica, nos órgãos e serviços que lhes são subordinados;
7) os diretores e chefes de órgãos, repartições, estabelecimentos ou serviços previstos
nas leis de organização básica da Marinha, do Exército e da Aeronáutica; e
8) os Comandantes de forças, unidades ou navios.
Vale lembrar que no âmbito estadual a polícia judiciária será exercida pelo Comandante
Geral da Corporação (polícia militar ou corpo de bombeiros) e pelos oficiais que exercem
comando ou chefia.

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

FIQUE LIGADO! Ministro da Defesa e Secretário de Segurança Pública não


exercem funções de polícia judiciária militar.

2.2. DELEGAÇÃO DO EXERCÍCIO DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR


Desde que obedecidas as normas regulamentares de jurisdição, hierarquia e comando,
as atribuições de polícia judiciária militar poderão ser delegadas a oficiais da ativa, para fins
especificados e por tempo limitado.
Em se tratando de delegação para instauração de inquérito policial militar, deverá a
delegação recair em oficial de posto superior ao do investigado, seja este oficial da ativa, da
reserva, remunerada ou não, ou reformado. Caso não sendo possível a designação de oficial de
posto superior ao do indiciado, poderá ser feita a de oficial do mesmo posto, desde que mais
antigo (senão obedecida a hierarquia, ao menos a antiguidade). O CPPM prevê, contudo, que
se o investigado for oficial da reserva ou reformado, não prevalecerá, para a delegação, a
antiguidade de posto.
Se o posto e a antiguidade de oficial da ativa excluírem, de modo absoluto, a existência
de outro oficial da ativa (por não existir mais o cargo, por exemplo), caberá à autoridade
competente a designação de oficial da reserva de posto mais elevado para a instauração do
inquérito policial militar ou, caso esta autoridade também seja investigada, caberá à
autoridade avocar para tomar essa providência.
2.3. COMPETÊNCIA DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR
Apesar de o Art. 8º do CPPM falar em competência da Polícia judiciária militar, o termo
competência tecnicamente só deveria ser empregado ao Poder Judiciário, sendo mais correta a
expressão atribuição. Contudo, para facilitar o diálogo entre o material e o Código de Processo
Penal Militar, foi mantida no tópico e no texto a designação competência.
A rigor, será competência da Polícia judiciária militar a investigação dos fatos que serão
objeto de julgamento pela Justiça Militar, além, é claro, do cumprimento das determinações
dos órgãos dessa Justiça especializada.
FIQUE LIGADO! As atribuições da Polícia Judiciária Militar seguem, em regra,
as competências da Justiça Militar.

Serão da competência da Polícia judiciária militar, assim, as seguintes funções:


1)apurar os crimes militares, bem como os que, por lei especial, estão sujeitos à
jurisdição militar, e sua autoria;
2)prestar aos órgãos e juízes da Justiça Militar e aos membros do Ministério Público as
informações necessárias à instrução e julgamento dos processos, bem como realizar as
diligências que por eles lhe forem requisitadas;
3)cumprir os mandados de prisão expedidos pela Justiça Militar;
4)representar a autoridades judiciárias militares acerca da prisão preventiva e da
insanidade mental do indiciado;
5)cumprir as determinações da Justiça Militar relativas aos presos sob sua guarda e
responsabilidade, bem como as demais prescrições deste Código, nesse sentido;
6)solicitar das autoridades civis as informações e medidas que julgar úteis à elucidação
das infrações penais, que esteja a seu cargo;
7)requisitar da polícia civil e das repartições técnicas civis as pesquisas e exames
necessários ao complemento e subsídio de inquérito policial militar;
8)atender, a pedido de apresentação de militar ou funcionário de repartição militar à
autoridade civil competente, desde que legal e fundamentado o pedido.

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA
CÓDIGO DE PROCESSO PENAL MILITAR
LIVRO I
TÍTULO I
CAPÍTULO ÚNICO
DA LEI DE PROCESSO PENAL MILITAR E DA SUA APLICAÇÃO
Fontes de Direito Judiciário Militar
Art. 1º O processo penal militar reger-se-á pelas normas contidas
neste Código, assim em tempo de paz como em tempo de guerra,
salvo legislação especial que lhe for estritamente aplicável.
Divergência de normas
§ 1º Nos casos concretos, se houver divergência entre essas normas
e as de convenção ou tratado de que o Brasil seja signatário,
prevalecerão as últimas.
Aplicação subsidiária
§ 2º Aplicam-se, subsidiariamente, as normas deste Código aos
processos regulados em leis especiais.
Interpretação literal
Art. 2º A lei de processo penal militar deve ser interpretada no
sentido literal de suas expressões. Os termos técnicos hão de ser
entendidos em sua acepção especial, salvo se evidentemente
empregados com outra significação.
Interpretação extensiva ou restritiva
§ 1º Admitir-se-á a interpretação extensiva ou a interpretação
restritiva, quando for manifesto, no primeiro caso, que a expressão
da lei é mais estrita e, no segundo, que é mais ampla, do que sua
intenção.
Casos de inadmissibilidade de interpretação não literal
§ 2º Não é, porém, admissível qualquer dessas interpretações,
quando:
a) cercear a defesa pessoal do acusado;
b) prejudicar ou alterar o curso normal do processo, ou lhe
desvirtuar a natureza;
c) desfigurar de plano os fundamentos da acusação que deram
origem ao processo.
Suprimento dos casos omissos
Art. 3º Os casos omissos neste Código serão supridos:
a) pela legislação de processo penal comum, quando aplicável ao
caso concreto e sem prejuízo da índole do processo penal militar;
b) pela jurisprudência;
c) pelos usos e costumes militares;
d) pelos princípios gerais de Direito;
e) pela analogia.
Aplicação no espaço e no tempo
Art. 4º Sem prejuízo de convenções, tratados e regras de direito
internacional, aplicam-se as normas deste Código:
Tempo de paz
I - em tempo de paz:
a) em todo o território nacional;
b) fora do território nacional ou em lugar de extraterritorialidade
brasileira, quando se tratar de crime que atente contra as
instituições militares ou a segurança nacional, ainda que seja o
agente processado ou tenha sido julgado pela justiça estrangeira;

MUDE SUA VIDA!


6
alfaconcursos.com.br

c) fora do território nacional, em zona ou lugar sob administração


ou vigilância da força militar brasileira, ou em ligação com esta, de
força militar estrangeira no cumprimento de missão de caráter
internacional ou extraterritorial;
d) a bordo de navios, ou quaisquer outras embarcações, e de
aeronaves, onde quer que se encontrem, ainda que de propriedade
privada, desde que estejam sob comando militar ou militarmente
utilizados ou ocupados por ordem de autoridade militar
competente;
e) a bordo de aeronaves e navios estrangeiros desde que em lugar
sujeito à administração militar, e a infração atente contra as
instituições militares ou a segurança nacional;
Tempo de guerra
II - em tempo de guerra:
a) aos mesmos casos previstos para o tempo de paz;
b) em zona, espaço ou lugar onde se realizem operações de força
militar brasileira, ou estrangeira que lhe seja aliada, ou cuja defesa,
proteção ou vigilância interesse à segurança nacional, ou ao bom
êxito daquelas operações;
c) em território estrangeiro militarmente ocupado.
Aplicação intertemporal
Art. 5º As normas deste Código aplicar-se-ão a partir da sua
vigência, inclusive nos processos pendentes, ressalvados os casos
previstos no art. 711, e sem prejuízo da validade dos atos realizados
sob a vigência da lei anterior.
Aplicação à Justiça Militar Estadual
Art. 6º Obedecerão às normas processuais previstas neste Código, no
que forem aplicáveis, salvo quanto à organização de Justiça, aos
recursos e à execução de sentença, os processos da Justiça Militar
Estadual, nos crimes previstos na Lei Penal Militar a que
responderem os oficiais e praças das Polícias e dos Corpos de
Bombeiros, Militares.
TÍTULO II
CAPÍTULO ÚNICO
DA POLÍCIA JUDICIÁRIA MILITAR
Exercício da polícia judiciária militar
Art. 7º A polícia judiciária militar é exercida nos termos do art. 8º,
pelas seguintes autoridades, conforme as respectivas jurisdições:
a) pelos ministros da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, em
todo o território nacional e fora dele, em relação às forças e órgãos
que constituem seus Ministérios, bem como a militares que, neste
caráter, desempenhem missão oficial, permanente ou transitória,
em país estrangeiro;
b) pelo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, em relação a
entidades que, por disposição legal, estejam sob sua jurisdição;
c) pelos chefes de Estado-Maior e pelo secretário-geral da Marinha,
nos órgãos, forças e unidades que lhes são subordinados;
d) pelos comandantes de Exército e pelo comandante-chefe da
Esquadra, nos órgãos, forças e unidades compreendidos no âmbito
da respectiva ação de comando;
e) pelos comandantes de Região Militar, Distrito Naval ou Zona
Aérea, nos órgãos e unidades dos respectivos territórios;
f) pelo secretário do Ministério do Exército e pelo chefe de Gabinete
do Ministério da Aeronáutica, nos órgãos e serviços que lhes são
subordinados;

MUDE SUA VIDA!


7
alfaconcursos.com.br

g) pelos diretores e chefes de órgãos, repartições, estabelecimentos


ou serviços previstos nas leis de organização básica da Marinha, do
Exército e da Aeronáutica;
h) pelos comandantes de forças, unidades ou navios;
Delegação do exercício
§ 1º Obedecidas as normas regulamentares de jurisdição,
hierarquia e comando, as atribuições enumeradas neste artigo
poderão ser delegadas a oficiais da ativa, para fins especificados e
por tempo limitado.
§ 2º Em se tratando de delegação para instauração de inquérito
policial militar, deverá aquela recair em oficial de posto superior ao
do indiciado, seja este oficial da ativa, da reserva, remunerada ou
não, ou reformado.
§ 3º Não sendo possível a designação de oficial de posto superior ao
do indiciado, poderá ser feita a de oficial do mesmo posto, desde que
mais antigo.
§ 4º Se o indiciado é oficial da reserva ou reformado, não prevalece,
para a delegação, a antiguidade de posto.
Designação de delegado e avocamento de inquérito pelo
ministro
§ 5º Se o posto e a antiguidade de oficial da ativa excluírem, de
modo absoluto, a existência de outro oficial da ativa nas condições
do § 3º, caberá ao ministro competente a designação de oficial da
reserva de posto mais elevado para a instauração do inquérito
policial militar; e, se este estiver iniciado, avocá-lo, para tomar essa
providência.
Competência da polícia judiciária militar
Art. 8º Compete à Polícia judiciária militar:
a) apurar os crimes militares, bem como os que, por lei especial,
estão sujeitos à jurisdição militar, e sua autoria;
b) prestar aos órgãos e juízes da Justiça Militar e aos membros do
Ministério Público as informações necessárias à instrução e
julgamento dos processos, bem como realizar as diligências que por
eles lhe forem requisitadas;
c) cumprir os mandados de prisão expedidos pela Justiça Militar;
d) representar a autoridades judiciárias militares acerca da prisão
preventiva e da insanidade mental do indiciado;
e) cumprir as determinações da Justiça Militar relativas aos presos
sob sua guarda e responsabilidade, bem como as demais prescrições
deste Código, nesse sentido;
f) solicitar das autoridades civis as informações e medidas que
julgar úteis à elucidação das infrações penais, que esteja a seu
cargo;
g) requisitar da polícia civil e das repartições técnicas civis as
pesquisas e exames necessários ao complemento e subsídio de
inquérito policial militar;
h) atender, com observância dos regulamentos militares, a pedido
de apresentação de militar ou funcionário de repartição militar à
autoridade civil competente, desde que legal e fundamentado o
pedido.

MUDE SUA VIDA!


8
alfaconcursos.com.br

EXERCÍCIOS
1. (CESPE – 2010). Com base no direito processual penal militar, assinale a opção correta.
a) Segundo a lei processual penal militar, o princípio da imediatidade é aplicado aos
processos cuja tramitação esteja em curso, ressalvados os atos praticados na forma da
lei processual anterior. Caso a norma processual penal militar posterior seja, de
qualquer forma, mais favorável ao réu, deverá retroagir, ainda que a sentença penal
condenatória tenha transitado em julgado.
b) O CPPM dispõe expressamente a aplicação de suas normas, em casos específicos, fora
do território nacional ou em lugar de extraterritorialidade brasileira. Nesse ponto, o
CPPM difere do CPP.
c) O sistema processual penal castrense veda, em qualquer hipótese, o emprego da
interpretação extensiva e da interpretação não literal.
d) Se, na aplicação da lei processual penal militar a caso concreto, houver divergência
entre essa norma e os dispositivos constantes em convenção ou tratado de que o Brasil
seja signatário, prevalecerá a regra especial da primeira, salvo em matéria de direitos
humanos.
e) Os casos omissos na lei processual penal militar serão supridos pelo direito processual
penal comum, sem prejuízo da peculiaridade do processo penal castrense. Nesses
casos, o CPPM impõe que haja a declaração expressa de omissão pela corte militar
competente, com quórum qualificado.
2. (Ministério Público Militar – 2013) no tocante à interpretação da norma processual
penal, podemos afirmar que:
a) A interpretação literal importa na conformidade com o significado das palavras
segundo a intenção do legislador.
b) A interpretação extensiva ocorre quando manifesto que a expressão da lei é mais
ampla que sua intenção: vg. ao dizer acusado abrange homens e mulheres.
c) Os termos técnicos são entendidos exclusivamente em sua acepção especial, não se
admitindo sejam empregados com outra significação, salvo disposto em lei.
d) Não se admite as interpretações extensiva ou restritiva quando desfigurar de plano os
fundamentos da acusação que deram origem ao processo.
3. (Ministério Público Militar – 2013) de acordo com o CPPM, os casos nele omissos
poderão ser supridos:
a) Pelas normas do Código de Processo Penal comum, sem adoção de leis extravagantes,
em face do princípio da especialidade.
b) Pelos princípios gerais de direito e pela analogia.
c) Pela analogia e pelos usos e costumes militares estabelecidos pelos respectivos
regulamentos.
d) Em tempo de guerra ou de conflito armado pelas normas do Estatuto de Roma e pelas
Convenções de Genebra.

MUDE SUA VIDA!


9
alfaconcursos.com.br

4. (Ministério Público Militar – 2013) quanto à aplicação da lei processual penal militar:
a) Tem aplicação intertemporal apenas nos crimes militares em tempo de guerra.
b) Não tem aplicação a militares estaduais no que tange aos recursos e à execução de
sentença.
c) Tem aplicação em tempo de paz exclusivamente no território nacional.
d) A bordo de aeronaves ou navios estrangeiros em qualquer lugar se a infração atenta
contra as instituições militares ou a segurança nacional.

GABARITO
1. B
5. D
6. B
7. B

MUDE SUA VIDA!


10
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
INQUÉRITO POLICIAL MILITAR ........................................................................................................................... 2
1. INQUÉRITO POLICIAL MILITAR ................................................................................................................... 2
1.1. FINALIDADE DO INQUÉRITO ............................................................................................................... 2
1.2 FORMAS DE INSTAURAÇÃO DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR .......................................................... 2
1.3. MEDIDAS PRELIMINARES AO INQUÉRITO .......................................................................................... 3
1.4. FORMAÇÃO DO INQUÉRITO ............................................................................................................... 3
1.5. ENCARREGADO DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR ............................................................................ 4
1.6. SIGILO DO INQUÉRITO ........................................................................................................................ 4
1.7. INCOMUNICABILIDADE DO INDICIADO .............................................................................................. 4
1.8. DETENÇÃO DE INDICIADO .................................................................................................................. 5
1.9. COLHEITA DE PROVAS......................................................................................................................... 5
1.10. PRAZO PARA CONCLUSÃO DO INQUÉRITO....................................................................................... 5
1.11. RELATÓRIO DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR ................................................................................ 6
1.12. ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO...................................................................................................... 6
1.13. INSTAURAÇÃO DE NOVO INQUÉRITO............................................................................................... 6
1.14. DEVOLUÇÃO DO INQUÉRITO PARA O ENCARREGADO ..................................................................... 6
1.15. DISPENSA DE INQUÉRITO ................................................................................................................. 7
CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA ..................................................................................................................... 7
EXERCÍCIOS ...................................................................................................................................................... 12
GABARITO .................................................................................................................................................... 14

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

INQUÉRITO POLICIAL MILITAR


1. INQUÉRITO POLICIAL MILITAR
1.1. FINALIDADE DO INQUÉRITO
Como ressalta AURY LOPES JR., Inobstante os problemas que possa ter, a fase pré-
processual (inquérito, sumário, diligências prévias, investigação, etc.) é absolutamente
imprescindível, pois um processo penal sem a investigação preliminar é um processo irracional,
uma figura inconcebível segundo a razão e os postulados da instrumentalidade garantista .
É, portanto, o inquérito policial militar, apesar dos defeitos e problemas inerentes a
toda atividade investigativa, importante fase preparatória para a futura ação penal que
materialize perante o Poder Judiciária a acusação contra aquele que possa ter praticado ilícito
penal militar.
De acordo com o Art. 9º do CPPM, inquérito policial militar é a apuração sumária de fato,
que configure crime militar e de sua autoria. Tem o objetivo, portanto, de ser uma instrução
provisória, isto é, preparatória, tendo como finalidade principal é obter os elementos
necessários à propositura da ação penal. Também é um procedimento inquisitório, presidido
pela autoridade policial, de natureza administrativa, em que não há exercício de pretensão
acusatória, o que decorre que sequer podemos falar na ideia de partes no inquérito,
consequentemente, não se aplicam no inquérito policial militar os princípios do contraditório
e da ampla defesa.
FIQUE LIGADO! O inquérito policial militar tem como objetivo principal
apurar o fato, colhendo provas da existência do crime militar (materialidade) e de
quem o praticou (autoria).

Sendo o objetivo primordial do inquérito a colheita de elementos de convicção sobre a


existência do fato criminoso e sua autoria, é importante registrar que são efetivamente
instrutórios os exames, perícias e avaliações realizados regularmente no curso do inquérito,
por peritos idôneos e com obediência às formalidades previstas neste Código, pois essas
provas dificilmente podem ser repetidas em juízo. Os demais atos realizados - a oitiva de
testemunhas, por exemplo - devem ser, em regra, repetidos durante o processo penal, de
modo a garantir a construção dessa prova com o respeito aos princípios constitucionais do
contraditório e ampla defesa.
1.2 FORMAS DE INSTAURAÇÃO DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR
A instauração, isto é, o início do inquérito policial militar ocorre por meio de um ato
designado pela lei como portaria. De acordo com o Art. 10 do CPPM, o inquérito será iniciado
mediante portaria:
1) de ofício (a designação “de ofício” traz a ideia de que é um ato decorrente da
própria função exercida pela autoridade), pela autoridade militar em cujo âmbito de
jurisdição ou comando haja ocorrido a infração penal, atendida a hierarquia do infrator;
2) por determinação ou delegação da autoridade militar superior, que, em caso de
urgência, poderá ser feita por via telegráfica ou radiotelefônica (esses meios citados pelo
CPPM, por óbvio, já se encontram superados, substituídos principalmente pelos meios
virtuais) e confirmada, posteriormente, por ofício;
3) em virtude de requisição do Ministério Público (requisição em processo penal
traz a ideia de ordem, isto é, uma determinação para o início do inquérito);
4) por decisão do Superior Tribunal Militar;

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

5) a requerimento da parte ofendida ou de quem legalmente a represente;


6) quando, de sindicância feita em âmbito de jurisdição militar, resulte indício da
existência de infração penal militar.
Em razão da hierarquia militar, caso o infrator tenha posto superior ou igual ao do
comandante, diretor ou chefe de órgão ou serviço, em cujo âmbito de jurisdição militar haja
ocorrido a infração penal, será feita a comunicação do fato à autoridade superior competente,
para que esta torne efetiva a delegação para início do inquérito. A espera dessa delegação,
contudo, não impede que sejam imediatamente tomadas as medidas preliminares ao inquérito
(como a apreensão dos instrumentos e objetivos relacionados ao crime, a preservação do local
etc.).
Caso a infração levada ao conhecimento da autoridade militar não for de natureza
militar, deverá comunicar o fato à autoridade policial competente (seja a polícia federal ou a
polícia civil), apresentando a essa autoridade o infrator. Em se tratando de menor de dezoito
anos essa apresentação será à Vara da Infância e Juventude.
Na hipótese de o infrator ser oficial general, o fato será comunicado ao Comandante da
Força Armada correspondente e ao chefe de Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas. Se,
no curso do inquérito, o seu encarregado pela investigação verificar a existência de indícios
contra oficial de posto superior ao seu, ou mais antigo, tomará as providências necessárias
para que as suas funções sejam delegadas a outro oficial.
A designação do escrivão para o inquérito caberá ao respectivo encarregado, se não tiver
sido feita pela autoridade que lhe deu delegação para aquele fim, recaindo em segundo ou
primeiro-tenente, se o indiciado for oficial, e em sargento, subtenente ou suboficial, nos
demais casos. O escrivão prestará compromisso de manter o sigilo do inquérito e de cumprir
fielmente as determinações do CPPM, no exercício da função.
1.3. MEDIDAS PRELIMINARES AO INQUÉRITO
Sob a designação de medidas preliminares ao inquérito, o CPPM traz uma série de
quatro medidas que a autoridade encarregada da presidência do inquérito policial militar
deve tomar assim que tiver conhecimento da prática de infração penal militar. São elas:
• dirigir-se ao local, providenciando para que se não alterem o estado e a situação das
coisas, enquanto necessário;
• apreender os instrumentos e todos os objetos que tenham relação com o fato;
• efetuar a prisão do infrator, caso seja hipótese de flagrante delito;
• colher todas as provas que sirvam para o esclarecimento do fato e suas circunstâncias.
1.4. FORMAÇÃO DO INQUÉRITO
Após a realização das medidas preliminar ao inquérito policial, deverá o encarregado
pela investigação tomar as seguintes medidas (previstas no Art. 13 do CPPM):
• ouvir o ofendido (a vítima do crime);
• ouvir o indiciado (o investigado);
• ouvir testemunhas (se houver);
• proceder a reconhecimento de pessoas e coisas, e acareações;
• determinar, se for o caso, que se proceda a exame de corpo de delito e a quaisquer
outros exames e perícias;
• determinar a avaliação e identificação da coisa subtraída, desviada, destruída ou
danificada, ou da qual houve indébita apropriação;
• proceder a buscas e apreensões;
• tomar as medidas necessárias destinadas à proteção de testemunhas, peritos ou do
ofendido, quando coactos ou ameaçados de coação que lhes tolha a liberdade de depor, ou a
independência para a realização de perícias ou exames;

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

• realizar a reconstituição dos fatos (também chamada de reprodução simulada dos


fatos) para verificar a possibilidade de haver sido a infração praticada de determinado modo,
desde que esta não contrarie a moralidade ou a ordem pública, nem atente contra a hierarquia
ou a disciplina militar.
Durante a formação do inquérito policial militar, é facultado ao encarregado do
inquérito solicitar a assistência de Membro do Ministério Público Militar, quando se tratar da
apuração de fato delituoso de excepcional importância ou de difícil elucidação.
1.5. ENCARREGADO DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR
O encarregado é aquele responsável por presidir as investigações na forma como fora
delegado pela autoridade responsável. De acordo com o Art. 15 do CPPM, será encarregado do
inquérito, sempre que possível, oficial de posto não inferior ao de capitão ou capitão-tenente.
No caso de infração penal contra a segurança nacional, o encarregado, sempre que possível,
será oficial superior, atendida, em cada caso, a sua hierarquia, se oficial o indiciado.
1.6. SIGILO DO INQUÉRITO
O inquérito policial militar é, em regra, sigiloso. Em que pese o CPPM afirme que o
encarregado pode permitir o acesso ao inquérito ao advogado do indiciado, aplica-se a
hipótese a Súmula Vinculante nº 14 do Supremo Tribunal Federal segundo a qual: É direito do
defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já
documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia
judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa.
FIQUE LIGADO! Embora o CPPM preveja que o inquérito policial militar é
sigiloso até mesmo para o advogado do investigado, aplica-se a Súmula Vinculante
14 do STF que permite o amplo acesso do advogado ao inquérito.

NOVIDADE DO PACOTE ANTICRIME! Nos casos em que servidores das polícias


militares e dos corpos de bombeiros militares figurarem como investigados em inquéritos
policiais militares e demais procedimentos extrajudiciais, cujo objeto for a investigação de
fatos relacionados ao uso da força letal praticados no exercício profissional, de forma
consumada ou tentada, incluindo as situações dispostas nos Arts. 42 a 47 do Decreto-Lei nº
1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar), o indiciado poderá constituir
defensor.
Para esses casos, o investigado deverá ser citado da instauração do procedimento
investigatório, podendo constituir defensor no prazo de até 48 (quarenta e oito) horas a
contar do recebimento da citação.
Esgotado o prazo de 48 horas com ausência de nomeação de defensor pelo investigado, a
autoridade responsável pela investigação deverá intimar a instituição a que estava vinculado
o investigado à época da ocorrência dos fatos, para que esta, no prazo de 48 (quarenta e oito)
horas, indique defensor para a representação do investigado.
FIQUE LIGADO! Essas disposições aplicam-se aos servidores militares
vinculados às instituições dispostas no Art. 142 da Constituição Federal, desde que
os fatos investigados digam respeito a missões para a Garantia da Lei e da Ordem.

1.7. INCOMUNICABILIDADE DO INDICIADO


Embora o CPPM preveja que o investigado poderá permanecer incomunicável por até
três dias, tal dispositivo deve ser declarado inconstitucional, pois a incomunicabilidade do
preso é proibida expressamente pela Constituição da República durante a vigência de Estado
de Defesa (Art. 136, § 3º, inciso IV), e inconvencional, posto que ofende o disposto na

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

Convenção Americana de Direitos Humanos (Art. 8, 2, alínea d, do Decreto 678/1992 ),


aplicável em detrimento do CPPM por disposição expressa do próprio Código.
1.8. DETENÇÃO DE INDICIADO
Independentemente de flagrante delito, o indiciado poderá ficar detido, durante as
investigações policiais, até trinta dias, comunicando-se a detenção à autoridade judiciária
competente. Esse prazo poderá ser prorrogado, por mais vinte dias, pelo comandante da
Região, Distrito Naval ou Zona Aérea, mediante solicitação fundamentada do encarregado do
inquérito e por via hierárquica. Caso entenda necessário, o encarregado do inquérito
solicitará, dentro do mesmo prazo ou sua prorrogação, justificando-a, a decretação da prisão
preventiva ou de menagem, do indiciado.
FIQUE LIGADO! Durante o inquérito policial militar, há previsão de prisão
administrativa do indiciado pelo prazo de 30 dias, prorrogáveis por mais 20.

É importante registrar que, ao contrário do processo penal comum, em que a prisão


somente pode ser dar em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade
judiciária competente, no âmbito militar há previsão expressa da detenção administrativa,
que será realizada independentemente de flagrante ou de ordem judicial, constituindo
exceção à regra geral, decorrente de expressa previsão constitucional segundo a qual:
ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de
autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime
propriamente militar, definidos em lei (Art. 5º, LXI, da Constituição da República).
1.9. COLHEITA DE PROVAS
A colheita de provas no inquérito policial, salvo caso de urgência inadiável, será feita
durante o dia, período entre as sete e as dezoito horas. Assim, nesse período é que deverão ser
ouvidas as testemunhas e o indiciado, cabendo ao escrivão lavrar assentada do dia e hora do
início e do final das inquirições ou depoimentos.
O Código de Processo Penal Militar prevê, de maneira salutar, que a testemunha não será
inquirida por mais de quatro horas consecutivas, sendo-lhe facultado o descanso de meia
hora, sempre que tiver de prestar declarações além desse prazo. O depoimento que não ficar
concluído às dezoito horas será encerrado, para prosseguir no dia seguinte, em hora
determinada pelo encarregado do inquérito. Não sendo útil o dia seguinte, a inquirição poderá
ser adiada para o primeiro dia útil subsequente, salvo, é claro, caso de urgência.
1.10. PRAZO PARA CONCLUSÃO DO INQUÉRITO
O inquérito deverá ser encerrado dentro de vinte dias, se o indiciado estiver preso,
contado esse prazo a partir do dia em que se executar a ordem de prisão. Contudo, caso o
investigado esteja solto, o inquérito deverá ser encerrado no prazo de quarenta dias, contados
a partir da data em que se instaurar o inquérito.
No último caso, quando o investigado estiver solto, o prazo de quarenta dias poderá ser
prorrogado por mais vinte dias pela autoridade militar superior, desde que não estejam
concluídos exames ou perícias já iniciados, ou haja necessidade de diligência, indispensáveis à
elucidação do fato. O pedido de prorrogação deve ser feito em tempo oportuno, permitindo
que seja atendido antes da terminação do prazo.
FIQUE LIGADO! O prazo para encerramento do inquérito policial militar é de
20 dias para indiciado preso e 40 dias para indiciado solto (caso em que poderá ser
prorrogado por mais 20 dias pela autoridade superior).

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

Salvo dificuldade insuperável (o caso de uma prova pericial complexa, por exemplo), que
será avaliada pelo Comandante competente, não haverá outras prorrogações. Os laudos de
perícias ou exames não concluídos durante essa prorrogação, e os documentos colhidos
depois dela, serão posteriormente remetidos ao juiz, para a juntada ao processo. No seu
relatório, poderá o encarregado do inquérito indicar, mencionando, se possível, o lugar onde
se encontram, as testemunhas que deixaram de ser ouvidas, por qualquer impedimento.
1.11. RELATÓRIO DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR
Todas as peças do inquérito serão, por ordem cronológica, reunidas num só processado
e datilografadas, em espaço dois, com as folhas numeradas e rubricadas, pelo escrivão.
De cada documento junto, a que precederá despacho do encarregado do inquérito, o
escrivão lavrará o respectivo termo, mencionando a data.
O inquérito será encerrado com minucioso relatório, em que o seu encarregado
mencionará as diligências feitas, as pessoas ouvidas e os resultados obtidos, com indicação do
dia, hora e lugar onde ocorreu o fato delituoso. Em conclusão, dirá se há infração disciplinar a
punir ou indício de crime, pronunciando-se, neste último caso, justificadamente, sobre a
conveniência da prisão preventiva do indiciado, nos termos legais.
No caso de ter sido delegada a atribuição para a abertura do inquérito, o seu
encarregado deverá enviá-lo à autoridade de que recebeu a delegação, para que lhe
homologue ou não a solução, aplique penalidade, no caso de ter sido apurada infração
disciplinar, ou determine novas diligências, se as julgar necessárias.
Discordando da solução dada ao inquérito, a autoridade que o delegou poderá avocá-lo e
dar solução diferente.
Os autos do inquérito serão remetidos ao auditor da Circunscrição Judiciária Militar
onde ocorreu a infração penal, acompanhados dos instrumentos desta, bem como dos objetos
que interessem à sua prova. Na Circunscrição onde houver Auditorias Especializadas da
Marinha, do Exército e da Aeronáutica, o inquérito atenderá à especialização de cada uma.
Onde houver mais de uma na mesma sede, especializada ou não, a remessa será feita à
primeira Auditoria, para a respectiva distribuição. Os incidentes ocorridos no curso do
inquérito serão resolvidos pelo juiz a que couber tomar conhecimento do inquérito, por
distribuição.
1.12. ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO
Assim como no processo penal comum, a autoridade militar não poderá mandar
arquivar autos de inquérito, mesmo que este resulte conclusivo da inexistência de crime ou de
inimputabilidade do indiciado.
1.13. INSTAURAÇÃO DE NOVO INQUÉRITO
O arquivamento de inquérito não obsta a instauração de outro, se novas provas
aparecerem em relação ao fato, ao indiciado ou a terceira pessoa, ressalvados o caso julgado e
os casos de extinção da punibilidade. Verificando essa hipótese, o juiz remeterá os autos ao
Ministério Público, cabendo a esse órgão verificar sobre a possibilidade de instaurar novo
inquérito, podendo requerer o arquivamento dos autos.
1.14. DEVOLUÇÃO DO INQUÉRITO PARA O ENCARREGADO
Os autos de inquérito, em regra, não poderão ser devolvidos a autoridade policial
militar. Há, contudo, duas situações excepcionais, nas quais poderá haver a devolução, pelo
prazo máximo de vinte dias. São elas:
• Mediante requisição do Ministério Público, para diligências consideradas
imprescindíveis ao oferecimento da denúncia;

MUDE SUA VIDA!


6
alfaconcursos.com.br

• Por determinação do juiz, antes da denúncia, para o preenchimento de


formalidades previstas no CPPM, ou para complemento de prova que julgue
necessária.
1.15. DISPENSA DE INQUÉRITO
Em quatro hipóteses, sem prejuízo de outras diligências requisitadas pelo Ministério
Público, o inquérito será dispensado:
• quando, por si só, for suficiente para a elucidação do fato e sua autoria, o auto de
flagrante delito constituirá o inquérito, dispensando outras diligências, salvo o exame de
corpo de delito no crime que deixe vestígios, a identificação da coisa e a sua avaliação, quando
o seu valor influir na aplicação da pena;
• quando o fato e sua autoria já estiverem esclarecidos por documentos ou outras provas
materiais;
• nos crimes contra a honra, quando decorrerem de escrito ou publicação, cujo autor
esteja identificado;
• nos crimes de desacato (Art. 341 do CPM) e de desobediência a decisão judicial (Art.
349 do CPM).
FIQUE LIGADO! O inquérito policial militar é procedimento dispensável, não
sendo necessário para a ação penal.

CORRESPONDÊNCIA LEGISLATIVA
TÍTULO III
CAPÍTULO ÚNICO
DO INQUÉRITO POLICIAL MILITAR
Finalidade do inquérito
Art. 9º O inquérito policial militar é a apuração sumária de fato,
que, nos termos legais, configure crime militar, e de sua autoria.
Tem o caráter de instrução provisória, cuja finalidade precípua é a
de ministrar elementos necessários à propositura da ação penal.
Parágrafo único. São, porém, efetivamente instrutórios da ação
penal os exames, perícias e avaliações realizados regularmente no
curso do inquérito, por peritos idôneos e com obediência às
formalidades previstas neste Código.
Modos por que pode ser iniciado
Art. 10. O inquérito é iniciado mediante portaria:

MUDE SUA VIDA!


7
alfaconcursos.com.br

a) de ofício, pela autoridade militar em cujo âmbito de jurisdição ou


comando haja ocorrido a infração penal, atendida a hierarquia do
infrator;
b) por determinação ou delegação da autoridade militar superior,
que, em caso de urgência, poderá ser feita por via telegráfica ou
radiotelefônica e confirmada, posteriormente, por ofício;
c) em virtude de requisição do Ministério Público;
d) por decisão do Superior Tribunal Militar, nos termos do art. 25;
e) a requerimento da parte ofendida ou de quem legalmente a
represente, ou em virtude de representação devidamente
autorizada de quem tenha conhecimento de infração penal, cuja
repressão caiba à Justiça Militar;
f) quando, de sindicância feita em âmbito de jurisdição militar,
resulte indício da existência de infração penal militar.
Superioridade ou igualdade de posto do infrator
§ 1º Tendo o infrator posto superior ou igual ao do comandante,
diretor ou chefe de órgão ou serviço, em cujo âmbito de jurisdição
militar haja ocorrido a infração penal, será feita a comunicação do
fato à autoridade superior competente, para que esta torne efetiva
a delegação, nos termos do § 2° do art. 7º.
Providências antes do inquérito
§ 2º O aguardamento da delegação não obsta que o oficial
responsável por comando, direção ou chefia, ou aquele que o
substitua ou esteja de dia, de serviço ou de quarto, tome ou
determine que sejam tomadas imediatamente as providências
cabíveis, previstas no art. 12, uma vez que tenha conhecimento de
infração penal que lhe incumba reprimir ou evitar.
Infração de natureza não militar
§ 3º Se a infração penal não for, evidentemente, de natureza
militar, comunicará o fato à autoridade policial competente, a quem
fará apresentar o infrator. Em se tratando de civil, menor de dezoito
anos, a apresentação será feita ao Juiz de Menores.
Oficial general como infrator
§ 4º Se o infrator for oficial general, será sempre comunicado o fato
ao ministro e ao chefe de Estado-Maior competentes, obedecidos os
trâmites regulamentares.
Indícios contra oficial de posto superior ou mais antigo no
curso do inquérito
§ 5º Se, no curso do inquérito, o seu encarregado verificar a
existência de indícios contra oficial de posto superior ao seu, ou
mais antigo, tomará as providências necessárias para que as suas
funções sejam delegadas a outro oficial, nos termos do § 2° do art.
7º.
Escrivão do inquérito
Art. 11. A designação de escrivão para o inquérito caberá ao
respectivo encarregado, se não tiver sido feita pela autoridade que
lhe deu delegação para aquele fim, recaindo em segundo ou
primeiro-tenente, se o indiciado for oficial, e em sargento,
subtenente ou suboficial, nos demais casos.
Compromisso legal
Parágrafo único. O escrivão prestará compromisso de manter o
sigilo do inquérito e de cumprir fielmente as determinações deste
Código, no exercício da função.
Medidas preliminares ao inquérito

MUDE SUA VIDA!


8
alfaconcursos.com.br

Art. 12. Logo que tiver conhecimento da prática de infração penal


militar, verificável na ocasião, a autoridade a que se refere o § 2º do
art. 10 deverá, se possível:
a) dirigir-se ao local, providenciando para que se não alterem o
estado e a situação das coisas, enquanto necessário;(Vide Lei nº
6.174, de 1974)
b) apreender os instrumentos e todos os objetos que tenham relação
com o fato;
c) efetuar a prisão do infrator, observado o disposto no art. 244;
d) colher todas as provas que sirvam para o esclarecimento do fato
e suas circunstâncias.
Formação do inquérito
Art. 13. O encarregado do inquérito deverá, para a formação deste:
Atribuição do seu encarregado
a) tomar as medidas previstas no art. 12, se ainda não o tiverem
sido;
b) ouvir o ofendido;
c) ouvir o indiciado;
d) ouvir testemunhas;
e) proceder a reconhecimento de pessoas e coisas, e acareações;
f) determinar, se for o caso, que se proceda a exame de corpo de
delito e a quaisquer outros exames e perícias;
g) determinar a avaliação e identificação da coisa subtraída,
desviada, destruída ou danificada, ou da qual houve indébita
apropriação;
h) proceder a buscas e apreensões, nos termos dos arts. 172 a 184 e
185 a 189;
i) tomar as medidas necessárias destinadas à proteção de
testemunhas, peritos ou do ofendido, quando coactos ou ameaçados
de coação que lhes tolha a liberdade de depor, ou a independência
para a realização de perícias ou exames.
Reconstituição dos fatos
Parágrafo único. Para verificar a possibilidade de haver sido a
infração praticada de determinado modo, o encarregado do
inquérito poderá proceder à reprodução simulada dos fatos, desde
que esta não contrarie a moralidade ou a ordem pública, nem
atente contra a hierarquia ou a disciplina militar.
Assistência de procurador
Art. 14. Em se tratando da apuração de fato delituoso de
excepcional importância ou de difícil elucidação, o encarregado do
inquérito poderá solicitar do procurador-geral a indicação de
procurador que lhe dê assistência.
Encarregado de inquérito. Requisitos
Art. 15. Será encarregado do inquérito, sempre que possível, oficial
de posto não inferior ao de capitão ou capitão-tenente; e, em se
tratando de infração penal contra a segurança nacional, sê-lo-á,
sempre que possível, oficial superior, atendida, em cada caso, a sua
hierarquia, se oficial o indiciado.
Sigilo do inquérito
Art. 16. O inquérito é sigiloso, mas seu encarregado pode permitir
que dele tome conhecimento o advogado do indiciado.
Incomunicabilidade do indiciado. Prazo.
Art. 17. O encarregado do inquérito poderá manter incomunicável o
indiciado, que estiver legalmente preso, por três dias no máximo.
Detenção de indiciado

MUDE SUA VIDA!


9
alfaconcursos.com.br

Art. 18. Independentemente de flagrante delito, o indiciado poderá


ficar detido, durante as investigações policiais, até trinta dias,
comunicando-se a detenção à autoridade judiciária competente.
Esse prazo poderá ser prorrogado, por mais vinte dias, pelo
comandante da Região, Distrito Naval ou Zona Aérea, mediante
solicitação fundamentada do encarregado do inquérito e por via
hierárquica.
Prisão preventiva e menagem. Solicitação
Parágrafo único. Se entender necessário, o encarregado do
inquérito solicitará, dentro do mesmo prazo ou sua prorrogação,
justificando-a, a decretação da prisão preventiva ou de menagem,
do indiciado.
Inquirição durante o dia
Art. 19. As testemunhas e o indiciado, exceto caso de urgência
inadiável, que constará da respectiva assentada, devem ser ouvidos
durante o dia, em período que medeie entre as sete e as dezoito
horas.
Inquirição. Assentada de início, interrupção e encerramento
§ 1º O escrivão lavrará assentada do dia e hora do início das
inquirições ou depoimentos; e, da mesma forma, do seu
encerramento ou interrupções, no final daquele período.
Inquirição. Limite de tempo
§ 2º A testemunha não será inquirida por mais de quatro horas
consecutivas, sendo-lhe facultado o descanso de meia hora, sempre
que tiver de prestar declarações além daquele termo. O depoimento
que não ficar concluído às dezoito horas será encerrado, para
prosseguir no dia seguinte, em hora determinada pelo encarregado
do inquérito.
§ 3º Não sendo útil o dia seguinte, a inquirição poderá ser adiada
para o primeiro dia que o for, salvo caso de urgência.
Prazos para terminação do inquérito
Art. 20. O inquérito deverá terminar dentro em vinte dias, se o
indiciado estiver preso, contado esse prazo a partir do dia em que se
executar a ordem de prisão; ou no prazo de quarenta dias, quando o
indiciado estiver solto, contados a partir da data em que se
instaurar o inquérito.
Prorrogação de prazo
§ 1º Este último prazo poderá ser prorrogado por mais vinte dias
pela autoridade militar superior, desde que não estejam concluídos
exames ou perícias já iniciados, ou haja necessidade de diligência,
indispensáveis à elucidação do fato. O pedido de prorrogação deve
ser feito em tempo oportuno, de modo a ser atendido antes da
terminação do prazo.
Diligências não concluídas até o inquérito
§ 2º Não haverá mais prorrogação, além da prevista no § 1º, salvo
dificuldade insuperável, a juízo do ministro de Estado competente.
Os laudos de perícias ou exames não concluídos nessa prorrogação,
bem como os documentos colhidos depois dela, serão
posteriormente remetidos ao juiz, para a juntada ao processo.
Ainda, no seu relatório, poderá o encarregado do inquérito indicar,
mencionando, se possível, o lugar onde se encontram as
testemunhas que deixaram de ser ouvidas, por qualquer
impedimento.
Dedução em favor dos prazos
§ 3º São deduzidas dos prazos referidos neste artigo as
interrupções pelo motivo previsto no § 5º do art. 10.

MUDE SUA VIDA!


10
alfaconcursos.com.br

Reunião e ordem das peças de inquérito


Art. 21. Todas as peças do inquérito serão, por ordem cronológica,
reunidas num só processado e datilografadas, em espaço dois, com
as folhas numeradas e rubricadas, pelo escrivão.
Juntada de documento
Parágrafo único. De cada documento junto, a que precederá
despacho do encarregado do inquérito, o escrivão lavrará o
respectivo termo, mencionando a data.
Relatório
Art. 22. O inquérito será encerrado com minucioso relatório, em que
o seu encarregado mencionará as diligências feitas, as pessoas
ouvidas e os resultados obtidos, com indicação do dia, hora e lugar
onde ocorreu o fato delituoso. Em conclusão, dirá se há infração
disciplinar a punir ou indício de crime, pronunciando-se, neste
último caso, justificadamente, sobre a conveniência da prisão
preventiva do indiciado, nos termos legais.
Solução
§ 1º No caso de ter sido delegada a atribuição para a abertura do
inquérito, o seu encarregado enviá-lo-á à autoridade de que recebeu
a delegação, para que lhe homologue ou não a solução, aplique
penalidade, no caso de ter sido apurada infração disciplinar, ou
determine novas diligências, se as julgar necessárias.
Advocação
§ 2º Discordando da solução dada ao inquérito, a autoridade que o
delegou poderá avocá-lo e dar solução diferente.
Remessa do inquérito à Auditoria da Circunscrição
Art. 23. Os autos do inquérito serão remetidos ao auditor da
Circunscrição Judiciária Militar onde ocorreu a infração penal,
acompanhados dos instrumentos desta, bem como dos objetos que
interessem à sua prova.
Remessa a Auditorias Especializadas
§ 1º Na Circunscrição onde houver Auditorias Especializadas da
Marinha, do Exército e da Aeronáutica, atender-se-á, para a
remessa, à especialização de cada uma. Onde houver mais de uma
na mesma sede, especializada ou não, a remessa será feita à
primeira Auditoria, para a respectiva distribuição. Os incidentes
ocorridos no curso do inquérito serão resolvidos pelo juiz a que
couber tomar conhecimento do inquérito, por distribuição.
§ 2º Os autos de inquérito instaurado fora do território nacional
serão remetidos à 1ª Auditoria da Circunscrição com sede na
Capital da União, atendida, contudo, a especialização referida no §
1º.
Arquivamento de inquérito. Proibição
Art. 24. A autoridade militar não poderá mandar arquivar autos de
inquérito, embora conclusivo da inexistência de crime ou de
inimputabilidade do indiciado.
Instauração de novo inquérito
Art. 25. O arquivamento de inquérito não obsta a instauração de
outro, se novas provas aparecerem em relação ao fato, ao indiciado
ou a terceira pessoa, ressalvados o caso julgado e os casos de
extinção da punibilidade.
§ 1º Verificando a hipótese contida neste artigo, o juiz remeterá os
autos ao Ministério Público, para os fins do disposto no art. 10,
letra c.
§ 2º O Ministério Público poderá requerer o arquivamento dos
autos, se entender inadequada a instauração do inquérito.

MUDE SUA VIDA!


11
alfaconcursos.com.br

Devolução de autos de inquérito


Art. 26. Os autos de inquérito não poderão ser devolvidos a
autoridade policial militar, a não ser:
I — mediante requisição do Ministério Público, para diligências por
ele consideradas imprescindíveis ao oferecimento da denúncia;
II — por determinação do juiz, antes da denúncia, para o
preenchimento de formalidades previstas neste Código, ou para
complemento de prova que julgue necessária.
Parágrafo único. Em qualquer dos casos, o juiz marcará prazo, não
excedente de vinte dias, para a restituição dos autos.
Suficiência do auto de flagrante delito
Art. 27. Se, por si só, for suficiente para a elucidação do fato e sua
autoria, o auto de flagrante delito constituirá o inquérito,
dispensando outras diligências, salvo o exame de corpo de delito no
crime que deixe vestígios, a identificação da coisa e a sua avaliação,
quando o seu valor influir na aplicação da pena. A remessa dos
autos, com breve relatório da autoridade policial militar, far-se-á
sem demora ao juiz competente, nos termos do art. 20.
Dispensa de Inquérito
Art. 28. O inquérito poderá ser dispensado, sem prejuízo de
diligência requisitada pelo Ministério Público:
a) quando o fato e sua autoria já estiverem esclarecidos por
documentos ou outras provas materiais;
b) nos crimes contra a honra, quando decorrerem de escrito ou
publicação, cujo autor esteja identificado;
c) nos crimes previstos nos arts. 341 e 349 do Código Penal Militar.

EXERCÍCIOS
1. (CESPE – 2013) Com base no Direito Processual Penal Militar, julgue o item que se
segue. O ministro da Defesa, dada a sua condição de ministro de Estado civil, não exerce
função de polícia judiciária militar.
Certo (...) Errado (...)
2. (CESPE – 2011) Com base no Código de Processo Penal Militar (CPPM), julgue os
próximos itens. A polícia judiciária militar exerce funções idênticas à polícia judiciária, e
ambas têm como uma de suas finalidades o colhimento de elementos que indiquem a
autoria e comprovem a materialidade do delito.
Certo (...) Errado (...)
3. (CESPE – 2004) À polícia judiciária militar, que é exercida pelas autoridades militares,
cabe auxiliar as polícias civil e federal na apuração de infrações penais militares, dado
que são estas que detêm a exclusividade na apuração de quaisquer infrações penais.
Certo (...) Errado (...)

MUDE SUA VIDA!


12
alfaconcursos.com.br

4. (CESPE – 2013) Acerca da lei de processo penal, da polícia judiciária, do inquérito


policial e da ação penal no âmbito militar, assinale a opção correta.
a) Os inquéritos policiais militares regularmente arquivados podem ser desarquivados,
conforme as hipóteses expressamente previstas no CPPM, a pedido do MPM.
b) A lei processual penal militar pode ser interpretada extensiva ou restritivamente, e,
ainda, ser suprida pela legislação de processo penal comum, sem prejuízo da índole do
processo penal militar, mesmo que resulte em situação mais gravosa ao acusado.
c) Admite-se a delegação do exercício da atividade da polícia judiciária militar a oficiais
da ativa, para fins especificados e por tempo limitado, atendidos hierarquia e comando,
entre outras normas; em se tratando de delegação para instauração de inquérito
policial militar, deverá a referida delegação recair em oficial de posto superior ao do
indiciado, seja este oficial da ativa, da reserva, remunerada ou não, ou reformado.
d) É atribuição da polícia judiciária militar a investigação de crimes comuns ocorridos
no interior das vilas militares.
e) O CPPM prevê a possibilidade de afastamento do encarregado do IPM sob o
fundamento de suspeição, de modo que se preservem a hierarquia e a disciplina.
5. (VUNESP – 2016) Considere o caso hipotético. Uma viatura descaracterizada da Polícia
Militar, composta pela guarnição do Tenente “X”(encarregado) e Soldado
“Z”(motorista), conduzindo a civil “Y” (passageira), ao transitar pela Rodovia dos
Imigrantes teve a sua passagem obstruída por um caminhão, precipitando-se numa
ribanceira, lesionando gravemente a passageira (civil “Y”). Analisando-se o enunciado
no que concerne a atuação da Polícia Judiciária Militar, é correto afirmar que
a) compete à Polícia Judiciária Militar a apuração do fato, não importando a qualificação
da vítima, pois se trata de acidente de trânsito envolvendo veículo automotor de
propriedade ou sob responsabilidade da Polícia Militar do Estado de São Paulo.
b) a apuração do fato, em razão de tratar-se de acidente de trânsito envolvendo veículo
de propriedade da Polícia Militar, somente seria apurado pela Polícia Judiciária Militar
se a vítima fosse militar do Estado.
c) compete à Polícia Judiciária Militar a apuração no tocante ao veículo oficial e à Polícia
Judiciária Comum com relação à lesão corporal da passageira.
d) a apuração do fato, em razão de tratar-se de acidente de trânsito envolvendo veículo
de propriedade da Polícia Militar, somente seria apurado pela Polícia Judiciária Militar
na hipótese de veículo oficial caracterizado.
e) compete à Polícia Judiciária Comum (Polícia Civil) a apuração do fato, em razão de
tratar-se de crime de trânsito.
6. (Ministério Público Militar – 2013) A polícia judiciária militar:
a) É exercida pelo Ministro da Defesa e pelos Comandantes das Forças, em todo
território nacional.
b) Não será exercida por Comandantes ou Diretores de estabelecimento de ensino
militar, institutos, academias ou cursos de aperfeiçoamento, Estado-Maior e altos
estudos.
c) Deverá solicitar, através da autoridade judiciária militar, das autoridades civis as
informações e medidas que julgar úteis à elucidação das infrações penais militares que
esteja a seu cargo.
d) Compete prestar aos membros do Ministério Público as informações necessárias à
instrução e julgamento dos processos, bem como realizar as diligências que por eles lhe
forem requisitadas.

MUDE SUA VIDA!


13
alfaconcursos.com.br

7. (VUNESP – 2010) De acordo com a Orientação Normativa firmada nos Provimentos da


Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo, bem como nos
Atos do Cmdo Geral da PMESP, é correto afirmar que:
a) as substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica ou
medicamentos que as contenham, bem como as químicas, tóxicas, inflamáveis,
explosivas e/ou assemelhadas serão entregues à justiça militar pelas autoridades
policiais militares que presidem ou presidiram o inquérito policial militar.
b) compete à polícia judiciária militar a apuração de fatos decorrentes de acidentes de
trânsito envolvendo veículos automotores de propriedade ou sob responsabilidade da
Polícia Militar do Estado de São Paulo, caracterizados ou não, não importando a
qualificação das vítimas.
c) as substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica ou
medicamentos que as contenham, bem como as químicas, tóxicas, inflamáveis,
explosivas e/ou assemelhadas serão entregues à justiça militar pelas autoridades de
polícia judiciária comum que presidem ou presidiram o inquérito policial.
d) compete à polícia judiciária comum a apuração de fatos decorrentes de acidentes de
trânsito envolvendo veículos automotores de propriedade ou sob responsabilidade da
Polícia Militar do Estado de São Paulo, caracterizados ou não, não importando a
qualificação das vítimas.
e) o auto de prisão em flagrante delito deverá ser redigido antes da oitiva e dispensa do
condutor, do ofendido e das testemunhas e do interrogatório do preso.

GABARITO
1. CERTO
2. CERTO
3. ERRADO
4. C.
5. A.
6. D.
7. B.

MUDE SUA VIDA!


14
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Introdução ao Processo Penal����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Noções Introdutórias��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Fontes do Direito Processual Penal���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Sistemas Processuais Penais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Sistema Inquisitivo��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Sistema Acusatório�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Sistema Misto�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Sistema Adotado Pelo Brasil����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Introdução ao Processo Penal


Noções Introdutórias
Nos moldes atuais de convivência em sociedade, é estabelecida pelo Estado uma série de regras que
contribuem com a paz social. Desse modo, a partir da quebra de uma regra socialmente estabelecida,
nasce para o Estado o direito de punir (Ius Puniendi), visto que o ordenamento jurídico não permite
ao prejudicado fazer justiça com as próprias mãos. No entanto, para punir o indivíduo infrator, devem
ser asseguradas prerrogativas constitucionais, tais com contraditório e a ampla defesa. Como o Direito
Penal NÃO É AUTOAPLICÁVEL, cabe ao Direito Processual Penal estabelecer princípios e normas
procedimentais para que sejam assegurados os Direitos Fundamentais do acusado.
O objetivo do Direito Processual Penal é tornar acessíveis os preceitos elencados no Código Penal,
no sentido de instrumentalizar a aplicação da lei penal. No que tange à finalidade, essa concepção
pode-se dar de maneira mediata ou imediata. A finalidade imediata consta estabelecer uma relação
jurídica de culpabilidade ou não, confrontando o direito de liberdade do infrator com a aplicação da
lei penal, concretizando o previsto no Código Penal. Consequentemente a isso, surge a pacificação
social como finalidade mediata, com solução do conflito.

Fontes do Direito Processual Penal


As fontes dessa vertente do Direito trazem à tona a origem do fato gerador do Direito, diga-se, rela-
ciona o local de onde são extraídas as normas processuais penais. Desse modo, a FONTE MATERIAL
do Direito Processual Penal é a União (Art. 22, inciso I da CF/88), e subsidiariamente os estados e o DF.
O processo inaugurador da norma é dado pela aprovação do projeto de lei pela Câmara dos Deputados
e pelo Senado Federal, bem como pela respectiva sanção pelo Presidente da República.
As FONTES FORMAIS das normas processuais penais decorrem de dispositivos jurídicos, tais
como o Código de Processo Penal. Ainda nisso, as fontes formais imediatas ou primárias são aquelas
que emanam diretamente princípios a serem seguidos em processo penal. São eles:

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Já as fontes formais mediatas ou secundárias são aquelas que não geram diretamente efeitos jurí-
dicos, tais como os costumes, princípios gerais de direito, analogia etc.

Sistemas Processuais Penais


Sistema Inquisitivo
A origem da nomenclatura desse sistema deriva da Santa Inquisição, ou Tribunal Eclesiástico, que
tinha como finalidade a investigação e punição dos “hereges”, tudo isso feito pelos membros do clero.
No sistema inquisitivo é o juiz quem detém as prerrogativas de acusar e julgar o investigado, o
qual é tratado como mero objeto. A ideia central desse sistema é que quem produz, gerencia e aprecia
a prova é o próprio julgador.
O juiz (gestor da prova) busca a evidência para confirmar o que pensa (subjetivismo) sobre o
fato (ideia pré-concebida), fato em que as provas colhidas são utilizadas apenas para comprovar seu
pensamento. Ele irá fabricar as provas para que confirme sua convicção sobre o crime e o réu. Para
tanto, utiliza-se principalmente da confissão do réu, obtida muitas vezes mediante tortura ou outro
meio cruel, para obter as respostas que lhe convierem. Em outras palavras, o julgador é citado como
representante de Deus na Terra, pois produz provas para confirmar o fato, utilizando-se de todos os
meios – lícitos ou não – para obter a condenação do objeto da relação processual.
Também é neste período que as provas são avaliadas e atribuídos certos níveis de importância
(prova tarifada). O testemunho de um clero ou nobre possuía valores muito maiores, por exemplo,
que o de uma mulher. A confissão é absoluta e irretratável (daí a expressão rainha das provas).
A crítica feita a este sistema processual é a de que não seria possível uma única pessoa, detentora
de tantos poderes, poder conduzir imparcialmente e com objetividade o ato criminoso.
Pensando nisso, é possível sintetizar como características do sistema inquisitivo:
a) Reunião das funções: o juiz julga e acusa;
b) Não existem partes – o réu é mero objeto do processo penal e não sujeito de direitos;
c) O processo é sigiloso, isto é, é praticado longe “aos olhos do povo”;
d) Inexistem garantias constitucionais, pois se o investigado é objeto, não há que se falar em con-
traditório, ampla defesa, devido processo legal etc.;
e) a confissão é a rainha das provas (prova legal e tarifação das provas);
f) O réu é considerado culpado até que se prove o contrário.
Sistema Acusatório
Diferente do sistema inquisitório, o sistema processual acusatório possui como princípio unifi-
cador o fato de o gestor da prova ser pessoa diversa do juiz. Há, portanto, nítida separação entre as
funções de acusar e julgar, o que não ocorria no sistema inquisitivo. Destarte, o juiz é imparcial e
somente julga, não produz provas (em regra) e nem defende o réu.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Para facilitar a compreensão desse sistema, eis suas principais características:


a) as partes são as gestoras das provas;
b) há separação das funções de acusar, julgar e defender;
c) o processo é público, salvo exceções determinadas por lei;
d) o réu é sujeito de direitos e não mais objeto da investigação;
e) consequentemente, ao acusado é garantido o contraditório, a ampla defesa, o devido processo
legal, e demais princípios limitadores do poder punitivo;
f) presume-se a não culpabilidade (ou a inocência do réu);
g) as provas não são taxativas e não possuem valores preestabelecidos.
Sistema Misto
Por fim, o sistema processual misto contém as características de ambos os sistemas supracitados.
Possui duas fases: a primeira, inquisitória e a segunda, acusatória. A primeira fase é a da investigação pre-
liminar. Tem nítido caráter inquisitório em que o procedimento é presidido pelo juiz (não se confundindo
com o inquérito policial, o qual é presidido por autoridade policial), colhendo provas, indícios e demais in-
formações para que possa, posteriormente, embasar sua acusação ao Juízo competente. Obedece também
às características do sistema inquisitivo, em que o juiz é, portanto, o gestor das provas.
A segunda fase é a judicial ou processual propriamente dita. Aqui existe a figura do acusador
(MP, particular) diverso do julgador (somente o juiz), em que são assegurados todos os direitos do
acusado e a independência entre acusação, defesa e juiz. Atualmente, é adotado por vários países
europeus, sendo inaugurado pelo Código de Processo Penal Francês.
Sistema Adotado Pelo Brasil
Há uma corrente doutrinária que diz que o sistema processual brasileiro é misto (Hélio Tornaghi),
aduzindo sua dupla fase:
a) Fase investigatória, de características inquisitórias, visto que é pré-processual;
b) Fase judicial, com características acusatórias, iniciada após o recebimento da denúncia ou
queixa. A crítica a esta corrente cinge-se ao caráter administrativo (extraprocessual) da inves-
tigação preliminar (inquérito policial, por exemplo).
No entanto, o entendimento majoritário e jurisprudencial é o de que O BRASIL ADOTA O
SISTEMA ACUSATÓRIO, pois há clara separação da função acusatória (realizada pelo Ministério
Público nas ações penais públicas) e a julgadora (Juiz). É preciso, entretanto, ter a noção que não se
trata do sistema acusatório puro, uma vez que, apesar de a regra do ônus da prova ser da alegação
(ou partes), admitem-se exceções em que o próprio juiz pode determinar, de ofício, sua produção de
forma suplementar, como no artigo 156 do CPP:
Art. 156. A prova da alegação incumbirá a quem a fizer, sendo, porém, facultado ao juiz de ofício:
I – ordenar, mesmo antes de iniciada a ação penal, a produção antecipada de provas consideradas
urgentes e relevantes, observando a necessidade, adequação e proporcionalidade da medida;
II – determinar, no curso da instrução, ou antes de proferir sentença, a realização de diligências para
dirimir dúvida sobre ponto relevante.
Além disso, o Art. 385 do CPP permite ao juiz condenar o réu, nos crimes de ação pública, ainda
que o Ministério Público tenha se manifestado pela absolvição.
ATENÇÃO! No Processo Penal, o Ministério Público exerce a pretensão acusatória sempre que
houver Fumus Commissi Delicti (fumaça do crime), enquanto o juiz concretiza o poder de punir.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Exercícios
01. A publicidade, a imparcialidade, o contraditório e a ampla defesa são características marcan-
tes do sistema processual acusatório.
Certo ( ) Errado ( )
02. O sistema processual acusatório não restringe a ingerência, de ofício, do magistrado antes da
fase processual da persecução penal.
Certo ( ) Errado ( )
03. Uma reforma que pretenda incorporar traços do sistema acusatório na legislação processual
penal vigente deve orientar-se no sentido de
a) concentrar a gestão da prova na pessoa do juiz.
b) ampliar os espaços de oralidade nos atos processuais.
c) reduzir a imediação judicial na produção da prova.
d) limitar a publicidade dos atos processuais.
e) ampliar a tarifação e a taxatividade das provas.
Gabarito
01 - Certo
02 - Errado
03 - B

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Princípios Constitucionais Aplicados ao Processo Penal�������������������������������������������������������������������������������2
Princípio do Devido Processo Legal���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Presunção de Não Culpabilidade (Ou Inocência)������������������������������������������������������������������������������2
Princípio do In Dubio Pro Reo ou Favor Rei��������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Princípio da Publicidade����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Juiz Natural��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Imparcialidade Judicial������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Duplo Grau de Jurisdição���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Celeridade Processual��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Economia Processual����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Princípio da Igualdade Processual ou Paridade das Armas������������������������������������������������������������������������������������4
Princípio do Contraditório ou Bilateralidade�����������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Princípio da Ampla Defesa������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Princípio da Vedação das Provas Ilícitas��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Princípios Constitucionais Aplicados ao Processo Penal


Tendo em vista os estudiosos da Constituição Federal de 1988, o Artigo 5º, ao elencar uma série
de direitos individuais e coletivos, fundamentam a base do que se tem hoje a respeito da legitimidade
da implementação do Processo Penal. Pensando nisso, o fundamento da legitimidade da jurisdição
e da independência do Poder Judiciário está no reconhecimento da sua função como garantidor dos
direitos fundamentais inseridos no rol da Constituição.
Princípio do Devido Processo Legal
Trata-se do princípio NORTEADOR DO PROCESSO PENAL. Por isso, dá-se o nome de princípio
guarda-chuva, visto que deriva todos os demais princípios processuais penais. Esse princípio aduz a ideia
da existência do Processo, em todas as esferas, de forma que ninguém será privado da liberdade ou de
bens sem o devido procedimento técnico que assegure as prerrogativas constitucionais. Tal princípio veda
a realização da justiça com as próprias mãos. O Estado é o detentor privativo do “Ius Puniendi”.
Art. 5º, LIV – ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal.

Princípio da Presunção de Não Culpabilidade (Ou Inocência)


Decorre desse princípio que o ônus de provar o fato criminoso e suas circunstâncias cabe à
acusação, visto que ao réu cabe provar excludentes de ilicitude ou causas extintivas da punibilidade.
Sendo assim, o juiz deve ter certeza de sua decisão ao apontar uma condenação, tendo em visto o
princípio geral in dubio pro reo ou favor rei.
Art. 5º, LVII – ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;
Em 2016, foi lançado o Informativo 842 do STF, o qual expressamente prevê que após condena-
ção em segunda instância, já é possível o cumprimento da pena (execução provisória), ainda que em
primeira instância haja absolvição, não havendo mácula a esse princípio.

ATENÇÃO! No processo penal, o conceito de trânsito em julgado diz respeito ao esgotamento da


análise fatídica e probatória, não à sentença irrecorrível, como citado no CPC.
Princípio do In Dubio Pro Reo ou Favor Rei
Esse princípio literalmente afirma que, havendo dúvida durante o julgamento do réu, o juiz
deverá sempre beneficiá-lo.
Art. 386. O juiz absolverá o réu, mencionando a causa na parte dispositiva, desde que reconheça:
(...)
VII – não existir prova suficiente para a condenação.

Princípio da Publicidade
Esse princípio traduz a transparência da atividade jurisdicional do Estado e do Poder Judiciá-
rio, de forma que, em regra, os atos processuais (como as audiências) são públicos. É claro que essa
norma determina exceções no caso de envolver intimidade, interesse social, inconveniente grave,
perigo da perturbação da ordem, ou até mesmo segurança nacional. Um bom exemplo de procedi-
mento sigiloso é o Inquérito Policial.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 5º, XXXIII – todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular,
ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressal-
vadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado.

Juiz Natural
Está previsto implicitamente no Art. 5º, LIII, da CF/88, que dispõe que ninguém será sentenciado senão
pelo juiz competente. É como dizer que todos têm a garantia constitucional de ser submetidos a julgamento
somente por órgão do Poder Judiciário (função típica de jurisdição), dotado de todas as garantias institucio-
nais e pessoais previstas no bojo constitucional. Juiz natural é, portanto, aquele PREVIAMENTE CONHE-
CIDO E INVESTIDO, segundo regras objetivas de competência estabelecidas anteriormente à infração
penal, investido de garantias que lhe assegurem absoluta independência e imparcialidade.
Desse princípio também deriva o princípio implícito do PROMOTOR NATURAL, o qual signi-
fica que ninguém será processado senão pelo órgão do Ministério Público, dotado de amplas garan-
tias pessoais e institucionais, de absoluta independência e liberdade de convicção e com atribuições
previamente fixadas e conhecidas.
Art. 5º, LIII – ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente;
ATENÇÃO! Tal princípio veda a criação de tribunais de exceção ou “magistrados de encomenda”.
Imparcialidade Judicial
O juiz é um dos três polos da relação processual penal (Juiz, Ministério Público e Acusado), e
atua com função jurisdicional, avaliando os elementos probatórios e formando a sua íntima convic-
ção, a qual deve sempre ser fundamentada. A ele são levados elementos que, ao confrontar com o fato
criminoso, devem construir um pensamento lógico a fim de tornar o acusado culpado ou inocente.
Existem vários dispositivos constitucionais que concretizam esse princípio, dentre eles a vedação do
tribunal de exceção (Art. 5º, XXXVII) e as vedações aos juízes (Art. 95, parágrafo único, CF).
Art. 95, Parágrafo único. Aos juízes é vedado:
I – exercer, ainda que em disponibilidade, outro cargo ou função, salvo uma de magistério;
II – receber, a qualquer título ou pretexto, custas ou participação em processo;
III – dedicar-se à atividade político-partidária.
IV – receber, a qualquer título ou pretexto, auxílios ou contribuições de pessoas físicas, entidades
públicas ou privadas, ressalvadas as exceções previstas em lei;
V – exercer a advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de decorridos três anos do afasta-
mento do cargo por aposentadoria ou exoneração.

Duplo Grau de Jurisdição


Esse princípio invoca a possibilidade de Revisão e Recurso Criminal, das causas já julgadas pelo
juiz de primeiro grau. Trata-se de um PRINCÍPIO IMPLÍCITO. Decorre da própria estrutura atri-
buída ao Poder Judiciário, incumbindo-se no Art. 102 da CF/88 a outorga de competência recursal a
vários órgãos da jurisdição.
ATENÇÃO! O sistema recursal previsto na CF/88 é o que concretiza a implicitude de tal dispositivo.
Celeridade Processual
De acordo com Art. 8º do Pacto de São José da Costa Rica, implementado no ordenamento
jurídico brasileiro por meio do Decreto Legislativo nº 27/92 e promulgado pelo Decreto nº 672/92,
“Toda pessoa tem direito a ser ouvida, com as devidas garantias e dentro de um prazo razoável, por
um juiz ou tribunal competente, independente e imparcial, estabelecido anteriormente por lei, na
apuração de qualquer acusação penal formulada contra ela, ou para que se determinem seus direitos
ou obrigações de natureza civil, trabalhista, fiscal ou de qualquer outra natureza”.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Não bastasse isso, a Emenda Constitucional 45 de 2004 cuidou de expressar em garantia consti-
tucional, acrescentando um novo inciso ao Art. 5º, o LXXVIII. Um exemplo prático desse princípio
é a especialização de Varas Criminais e Juizados.
Art. 5º, LXXVIII – a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do
processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.

Economia Processual
O processo é meio, não sendo permitido exigir um dispêndio exagerado em relação aos bens
que estão em plena disputa. Exprime a procura da máxima eficiência na aplicação do direito, com
o menor dispêndio de atos processuais possível. Uma das aplicações desse princípio em Processo
Penal é a chamada prova emprestada.
Princípio da Igualdade Processual ou Paridade das Armas
Decorre do caput do Art. 5º da CF/88, de que todos são iguais perante a lei. Dessa forma, as partes
devem ser igualmente oportunizadas em juízo, de fazer valer suas indagações e serem tratadas igua-
litariamente, na medida de suas igualdades, e desigualmente, na proporção de suas desigualdades.
No processo penal, o princípio sofre alguma atenuação pelo, também constitucional, princípio
do “favor rei”, postulado segundo o qual o interesse do acusado goza de alguma prevalência em con-
traste com a pretensão punitiva (implicitamente citado).
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasilei-
ros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade,
à segurança e à propriedade.

Princípio do Contraditório ou Bilateralidade


Durante o Processo, pode-se dizer que há uma bilateralidade em relação ao Juiz. Sendo assim,
cada acusação da parte gera automaticamente o direito de “desdizer”, ou seja, de contraditar aquilo
que lhe foi atribuído. À voz de Capez, compreende, ainda, o direito de serem cientificadas sobre
qualquer fato processual ocorrido e a oportunidade de manifestarem-se sobre ele, antes de qualquer
decisão jurisdicional (CF, art. 5º, LV).
O saber dos atos processuais é dado por meio da citação, intimação e notificação. Citação é a
cientificação a alguém da instauração de um processo, com a consequente chamada para integrar
a relação processual. Intimação é a comunicação a alguém de atos do processo, podendo conter um
comando para fazer ou deixar de fazer alguma coisa. Embora nosso Código não faça distinção, dou-
trinariamente a intimação refere-se a atos ou despachos já proferidos no processo. A notificação
consiste em uma comunicação à parte para que faça ou deixe de fazer alguma coisa. Assim, intima-
se “de” e notifica-se “para” algum ato processual. A notificação não deve ser empregada como ato de
comunicação processual, embora às vezes seja usada nesse sentido.
Art. 5º, LV – aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegura-
dos o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;

Princípio da Ampla Defesa


Convém perceber que o Art. 5º, inciso LV da CF/88 expressamente cita a ampla defesa como sendo
uma garantia constitucional. Hoje se entende como ampla defesa tanto a autodefesa (pessoal) quando
a defesa técnica (por advogado constituído). Além disso, também se menciona, pelo inciso LXXIV do
mesmo dispositivo, que será garantida a assistência jurídica integral e gratuita aos necessitados.
Desse princípio também decorre a obrigatoriedade de se observar a ordem natural do processo,
de modo que a defesa se manifeste sempre em último lugar. Além disso, esse princípio concretiza a
possibilidade da utilização de áreas alheias ao Direito, na implicação jurídica, dentre elas a utilização
de DNA forense na resolução de crimes.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

A autodefesa consiste no falar do acusado diante do juiz em momento oportuno, ou seja, é o in-
terrogatório do réu. Aqui, a autodefesa é disponível, diga-se, o réu pode permanecer calado após ser
questionado acerca do fato criminoso (Nemo Tenetur se Detegere) ou ainda mentir sobre fatos relacio-
nados ao crime. O mesmo não vale para a defesa técnica, a qual é indisponível (com exceção do próprio
acusado ser advogado), pois apenas o advogado tem capacidade postulatória (é a capacidade dada pela
OAB aos advogados para praticar atos do processo em juízo, sob pena de nulidade do processo).

ATENÇÃO! Segundo o STF, advertir o investigado ou acusado do direito ao silêncio deve ser
feito pelo Poder Público, sob pena de nulidade. Por isso, admite-se a prova obtida pela imprensa
em que não foi informado o direito ao silêncio.
A Súmula 523 do STF salienta a irrenunciabilidade da defesa técnica:
No processo penal, a falta da defesa constitui nulidade absoluta, mas a sua deficiência só o anulará
se houver prova de prejuízo para o réu.
Princípio da Vedação das Provas Ilícitas
Sendo um dos princípios mais citados em provas, trata-se da não admissão de provas obtidas
por meios ilícitos, como a tortura. Essa vedação tem caráter absoluto. Posteriormente é tratado o
princípio da vedação também das provas derivadas das ilícitas, ou teoria “Fruits of the Poisonous
Three”. Essa teoria enfatiza que se a árvore estiver alocada em solo contaminado, os frutos também
serão contaminados, visto que o seu desenvolvimento utiliza matéria-prima do solo. No entanto, a
vedação das provas derivadas das ilícitas não é absoluta, pois existem hipóteses excepcionais de utili-
zação de provas derivadas das ilícitas (veremos adiante).
Art. 5º, LVI – são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos.
Exercícios
01. São princípios processuais penais expressos na CF a presunção de não culpabilidade, o devido
processo legal e o direito do suspeito ou indiciado ao silêncio.
Certo ( ) Errado ( )
02. Ninguém será processado nem sentenciado, senão pela autoridade competente, em respeito ao
princípio constitucional do juiz natural.
Certo ( ) Errado ( )
03. É nula a sentença condenatória fundamentada exclusivamente em elementos colhidos em in-
quérito policial.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Certo
02 - Certo
03 - Certo

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL ................................................................................................... 2
CONCEITO DE DIREITO CONSTITUCIONAL ..................................................................................................... 2
CONSTITUCIONALISMO ............................................................................................................................. 2
NATUREZA E OBJETO DE ESTUDO ............................................................................................................. 3
CONCEPÇÕES OU SENTIDOS DA CONSTITUIÇÃO: ......................................................................................... 4
SENTIDO SOCIOLÓGICO - FERDINAND LASSALE ........................................................................................ 4
SENTIDO POLÍTICO - CARL SCHMITH ......................................................................................................... 4
SENTIDO JURÍDICO - HANS KELSEN ........................................................................................................... 4
PRINCIPAIS FONTES DO DIREITO CONSTITUCIONAL ..................................................................................... 5

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL


CONCEITO DE DIREITO CONSTITUCIONAL
CONSTITUCIONALISMO
Sabemos que a sociedade se organiza por meio do chamado Estado, que contém os
seguintes elementos: povo, território e governo 1.
Todo Estado tem uma Constituição, que é como se define a organização do Estado, que
nada mais é do que a nossa própria convivência no modelo comunitário. Literalmente o “um
por todos e todos por um” – o tal do espírito coletivo. Ainda que insistamos em não entender
tal modelo de convivência.
Apesar de todos os Estados terem uma Constituição, foi apenas com o surgimento das
Constituições escritas que se passou a estudar efetivamente o surgimento das Constituições.
O movimento (jurídico, político e ideológico) de criação de uma Constituição escrita,
criada como documento fundamental e supremo na organização e estruturação do Estado, e
que tem como traço principal a limitação do poder político é chamado de Constitucionalismo.
Doutrinariamente, tem-se o início do constitucionalismo com a Constituição Americana
(1787) e Constituição Francesa (1791). São Constituições marcadas pelas ideias iluministas do
século XVIII e pelo Liberalismo, valorizando as liberdades e garantias individuais.
Com a evolução do Estado o constitucionalismo avança para aspectos democráticos e
sociais, no entanto é importante estudar o instituto do Estado politicamente organizado, LOGO:
ESTADO
ESTADO: sociedade política dotada de características próprias, elementos essenciais, que
as o diferenciam das demais sociedades, quais sejam:
POVO
ELEMENTO HUMANO do Estado; determina as pessoas que mantêm vínculo jurídico-
político com o Estado, e se tornam parte dele – conceito jurídico-político.

• População – conjunto de pessoas que se encontram em determinado território de


um Estado – nacionais ou estrangeiros – conceito numérico.
• Nação – conjunto de pessoas ligadas que formam uma comunidade unida por
laços históricos e culturais – conceito sociológico.
TERRITÓRIO
• ELEMENTO MATERIAL do Estado – espaço sobre o qual o Estado exerce de modo
efetivo e exclusivo o poder de império, sua supremacia sobre pessoas e bens. Ex.:
embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro.
Trata-se de um conceito JURÍDICO.
GOVERNO
• Exercício do poder soberano estatal voltado ao atingimento das finalidades do
Estado.

1
Alguns doutrinadores mais modernos acrescentam ainda como elemento do Estado a finalidade, ou seja, a
organização do Estado deve ser orientada para atingir um conjunto definido de finalidades.

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

Alguns autores relacionam a ideia de SOBERANIA “posta em ação” (SAHID


MALUF, 1988, p.43).
NATUREZA E OBJETO DE ESTUDO
O Direito Constitucional surge com o Constitucionalismo, é considerado como um ramo
do Direito Público, que tem por objeto o estudo da Constituição. De acordo com José Afonso
da Silva 2:
“É um sistema de normas jurídicas, escritas ou costumeiras, que regula a forma
do Estado, a forma do seu governo, o modo de aquisição e o exercício do poder, o
estabelecimento de seus órgãos, os limites de sua ação, os direitos fundamentais do
homem e as respectivas garantias. Em síntese, a constituição é o conjunto de normas
que organiza os elementos constitutivos do Estado.”
E para o Grande Jurista, a constituição então teria:
- como FORMA, um complexo de normas (escritas ou costumeiras).
- como CONTEÚDO, a conduta humana motivada pelas relações sociais
(econômicas, políticas, religiosas).
- como FIM, a realização dos valores que apontam para o existir da comunidade.
- como CAUSA CRIADORA, o poder que emana do povo, VERDADEIRO E ÚNICO
titular de qualquer poder (AINDA QUE ESTEJAMOS LONGE DE TAL CONSCIÊNCIA!).

A Constituição, objeto de estudo do Direito Constitucional, deve ser entendida como a lei
fundamental e suprema de um Estado, que rege a sua organização político-jurídica.
As normas de uma Constituição devem dispor acerca da forma do Estado, dos órgãos que
integram a sua estrutura, das competências desses órgãos, da aquisição do poder e de seu
exercício. Além disso, devem estabelecer as limitações ao poder do Estado, especialmente
mediante a separação dos poderes (sistema de freios e contrapesos) e a enumeração de direitos
e garantias fundamentais.
Constituição é o nomen juris que se dá ao complexo de regras que dispõe sobre a
organização do Estado, a origem e o exercício do Poder, a discriminação das competências
estatais e a proclamação das liberdades públicas.
Constituição ≠ Carta Constitucional → significados diferentes → Carta Constitucional
deriva de um ato arbitrário e ilegítimo (outorga).
Podemos dizer ainda que o Direito Constitucional é a base, a origem de toda a ordem
jurídica, ou seja, é do direito constitucional que se derivam os demais ramos do direito.
Pois apenas aqui regulamentamos a sistemática de toda vida política ou comunitária onde
haverá:
- POVO, aos quais entregarei direitos e deveres;
- TERRITÓRIO, o qual delimitarei;
- GOVERNO (leia-se PODER), o qual limitarei.
ELEMENTOS DA CONSTITUIÇÃO
Nas lições de José Afonso da Silva, apesar da Constituição ser um conjunto uno, que trata
de vários assuntos, a doutrina classifica a constituição em 5 elementos:
Elementos Orgânicos: são as normas que regulam a estrutura do Estado e do Poder. Ex.:
títulos da Organização do Estado e dos Poderes.
Elementos limitativos: são as normas que estabelecem limites ao Estado, como por
exemplo, os direitos individuais, nacionalidade, políticos.

2
Curso de Direito Constitucional Positivo, Pg. 38.

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

Elementos socioideológicos: são normas que asseguram direitos com viés sociológico,
intervencionais. Exemplo.: os direitos sociais, o título da Ordem Social e o título da Ordem
Econômica.
Elementos de estabilidade constitucional: são normas que visam assegurar uma
solução para situações de conflito e instabilidade, por exemplo, o título da Defesa do Estado e
das Instituições democráticas, o art. 34 a 36 que tratam da intervenção.
Elementos formais de aplicabilidade: normas que estabelecem regras de aplicação da
Constituição. Por exemplo: preâmbulo; art. 5º parágrafo 1º; ADCT.

CONCEPÇÕES OU SENTIDOS DA CONSTITUIÇÃO:


SENTIDO SOCIOLÓGICO - FERDINAND LASSALE
Na concepção sociológica, a Constituição deve representar a soma dos fatores reais do
poder que formam e regem um determinado Estado, ou seja, das forças sociais que constituem
o poder. Para Ferdinand Lassale, representante dessa doutrina, a Constituição só teria
validade se correspondesse a realidade social, caso contrário não passaria de uma mera “folha
de papel”.
Na visão sociológica, a Constituição é concebida como fato social, e não propriamente como
norma. O texto da Constituição seria o resultado da realidade social do país, num determinado
momento histórico. Lassalle, diferencia a constituição escrita/jurídica da real/efetiva. Constituição
real é a soma dos fatores reais de poder que regem determinada nação. Para ele, a Constituição real
não é a do texto normativo, mas os fatores reais de poder. Nesta concepção, havendo conflitos entre
a constituição real e a escrita, a primeira permanece. “se a constituição escrita não condiz com a
constituição real, ela não passa de uma folha de papel”, por não ter o poder de mudar a realidade,
sendo assim, insignificante.

SENTIDO POLÍTICO - CARL SCHMITH


Na concepção política, encabeçada por Carl Schmitt, a Constituição é uma decisão
política realizada pelo titular do Poder Constituinte, resultado de uma vontade política, que
podem apresentar normas materialmente e formalmente constitucionais. Assim, podemos
estabelecer uma diferença entre:
Constituição em sentido material: são normas com conteúdo propriamente
constitucional (organização do poder, direitos fundamentais, organização do Estado etc.)
Constituição em sentido formal: na acepção formal, considera-se como norma
constitucional aquelas previstas na constituição independentemente do seu conteúdo.
A Constituição é uma decisão política fundamental. Difere constituição e leis
constitucionais:
 constituição – é só o que decorre dessa decisão política anterior. Por exemplo, os
direitos fundamentais, estrutura do Estado, organização dos poderes. Pode-se
associar esses assuntos com as matérias constitucionais.
 leis constitucionais – tudo aquilo que está no texto da constituição, mas que não
decorrem de uma decisão política fundamental. São assuntos que poderiam ser
tratados por leis infraconstitucionais.
SENTIDO JURÍDICO - HANS KELSEN
Na concepção jurídica, defendida por Hans Kelsen, é uma norma hipotética fundamental,
que deve ser utilizada como fundamento de validade de todas as demais normas. Estabelece um
distanciamento entre a norma jurídica e os valores sociais.

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

A constituição estabelece um mundo do DEVER-SER e não efetivamente do ser, sendo o


resultado de uma vontade racional do ser humano, e não das leis naturais.
A Constituição é uma norma jurídica. Norma fundamental do Estado e da vida jurídica de
um país, paradigma de validade de todo o ordenamento jurídico e instituidora da estrutura do
Estado.

PRINCIPAIS FONTES DO DIREITO CONSTITUCIONAL


• Constituição Federal;
• Doutrina Constitucional;
• A Jurisprudência, em especial a do STF – que é o guardião da Constituição.

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

SUMÁRIO
CONSTITUIÇÕES E ESTADO POLÍTICO ................................................................................................................ 2
CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES ........................................................................................................... 2
QUANTO AO CONTEÚDO ........................................................................................................................... 2
QUANTO À ORIGEM................................................................................................................................... 2
QUANTO À MUTABILIDADE ....................................................................................................................... 2
QUANTO À FORMA: ................................................................................................................................... 2
QUANTO À EXTENSÃO: .............................................................................................................................. 3
QUANTO À SISTEMÁTICA:.......................................................................................................................... 3
QUANTO À IDEOLOGIA: ............................................................................................................................. 3
QUANTO À FINALIDADE:............................................................................................................................ 3
ELEMENTOS DO ESTADO (POLÍTICO) ............................................................................................................. 3
FORMA DE ESTADO ................................................................................................................................... 4
FORMA DE GOVERNO ................................................................................................................................ 5
SISTEMA DE GOVERNO .............................................................................................................................. 6
REGIME POLÍTICO ...................................................................................................................................... 6

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

CONSTITUIÇÕES E ESTADO POLÍTICO


CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES
QUANTO AO CONTEÚDO
- MATERIAIS: conjunto de regras tipicamente constitucionais. São normas
essencialmente constitucionais, na medida em que dispõe sobre a estrutura e os poderes do
Estado e estabelecem os direitos fundamentais da pessoa humana.
- FORMAIS: Todas as regras estabelecidas no texto constitucional são formalmente
constitucionais mesmo que não essenciais, ou seja, que não façam parte da estrutura mínima
de qualquer Estado. Por exemplo, o art. 226 da Constituição de 1988 traz normas de direito
civil, porém, por estarem na Constituição promulgada em 1988, a qual é formal, são por isso
normas constitucionais. Deste modo, tratando-se de uma Constituição formal, não importa seu
conteúdo, pois todas as normas lá dispostas serão constitucionais e hierarquicamente
superiores às demais normas do ordenamento jurídico.
QUANTO À ORIGEM
- PROMULGADA OU VOTADA: fruto de uma Assembleia Nacional Constituinte, eleita pelo
povo para esse fim. Resultam, portanto, da vontade popular e são elaboradas por
Representantes eleitos pelos cidadãos. (As Constituições 1891,1934,1946 e 1988).
- OUTORGADA: fruto do autoritarismo elaboradas sem participação popular, por
imposição de uma pessoa ou grupo que seja detentor de poder do Estado (ex.: rei, ditador).. (As
Constituições 1824, 1937 e 1967).
- CESARISTA: São aquelas elaboradas por um ditador, mas submetidas a um referendo
(consulta popular prévia) para sua validação.
QUANTO À MUTABILIDADE
- FLEXÍVEL: não necessita (não exige) para sua alteração, qualquer processo mais
dificultoso/solene, ou seja, pode ser alterada da mesma forma que as leis ordinárias (aprovação
por maioria simples).
- RÍGIDA: para ser modificada, faz-se necessário um procedimento diferenciado
(emendas), sendo mais fácil aprovar uma lei ordinária do que uma emenda constitucional ou
incorporar a Constituição os decretos legislativos que versem sobre Tratados Internacionais e
Convenções sobre Direitos Humanos (aprovação por maioria qualificada com o quórum de três
quintos, votado em dois turnos em cada casa do Congresso Nacional).
- SEMI-RÍGIDA/SEMI-FLEXÍVEL: em parte rígida e em outra parte flexível.
- SUPER-RÍGIDA: A Constituição não pode ser mudada, é imutável. Clausulas pétreas.
QUANTO À FORMA:
- ESCRITA: conjunto de normas codificado e sistematizado em um único documento.
- NÃO-ESCRITA / COSTUMEIRA / CONSUETUDINÁRIA: formada por textos esparsos,
sedimentada em costumes derivados das decisões (Ex.: constituição da Inglaterra)
Quanto ao MODO DE ELABORAÇÃO:
- DOGMÁTICA – é aquela fruto das ideias dominantes em um determinado momento, ou
seja, dos dogmas de uma determinada sociedade.
- HISTÓRICA - surge aos poucos; os costumes vão se incorporando lentamente através do
tempo.

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

QUANTO À EXTENSÃO:
- SINTÉTICAS – porque elas só tratam das matérias clássicas das Constituições (Direitos
fundamentais, estrutura do Estado e organização dos poderes). Só trazem os princípios gerais.
- ANALÍTICAS / PROLIXAS – além das matérias constitucionais, trata de assuntos alheios
ao Direito Constitucional, que poderiam ser tratados por legislação ordinárias.

menor maior
estabilidade estabilidade
Analítica Sintética
menor
flexibilidade
maior
flexibilidade
QUANTO À SISTEMÁTICA:
- REDUZIDA: quando é representada por um código único(sistematizado).
- VARIADA: textos espalhados em diversos diplomas legais (Bélgica e França).
QUANTO À IDEOLOGIA:
- ORTODOXA: formada por uma só ideologia.
- ECLÉTICA: informada por diversas ideologias conciliatórias.
QUANTO À FINALIDADE:

- CONSTITUIÇÃO-GARANTIA: limita o poder, garantindo o poder. Preocupa-se em fixar as


garantias individuais frente ao Estado.
- CONSTITUIÇÃO-BALANÇO: reflete um estágio do compromisso socialista. A Constituição
é criada para espelhar um certo período político, ou seja, o que está se passando em
determinada época.
- CONSTITUIÇÃO-DIRIGENTE: traz um projeto de Estado e estabelece compromissos
sociais (programas). O legislador constituinte “dirige” a atuação futura dos órgãos
governamentais estabelecendo metas e programas a serem cumpridos por estes.

! A Constituição Brasileira de 1988 classifica-se como:


FORMAL, PROMULGADA, RÍGIDA, ESCRITA, DOGMÁTICA, ANALÍTICA, REDUZIDA,
ECLÉTICA E DIRIGENTE.

ELEMENTOS DO ESTADO (POLÍTICO)


Sabemos que a sociedade se organiza por meio do chamado Estado, que contém os
seguintes elementos: povo, território e governo 1.
Todo Estado tem uma Constituição, que é como se define a organização do Estado, que
nada mais é do que a nossa própria convivência no modelo comunitário. Literalmente o “um
por todos e todos por um” – o tal do espírito coletivo. Ainda que insistamos em não entender
tal modelo de convivência.

1
Alguns doutrinadores mais modernos acrescentam ainda como elemento do Estado a finalidade, ou seja, a
organização do Estado deve ser orientada para atingir um conjunto definido de finalidades.

MUDE SUA VIDA!


3
alfaconcursos.com.br

Apesar de todos os Estados terem uma Constituição, foi apenas com o surgimento das
Constituições escritas que se passou a estudar efetivamente o surgimento das Constituições.
O movimento (jurídico, político e ideológico) de criação de uma Constituição escrita,
criada como documento fundamental e supremo na organização e estruturação do Estado, e
que tem como traço principal a limitação do poder político é chamado de Constitucionalismo.
Doutrinariamente, tem-se o início do constitucionalismo com a Constituição Americana
(1787) e Constituição Francesa (1791). São Constituições marcadas pelas ideias iluministas do
século XVIII e pelo Liberalismo, valorizando as liberdades e garantias individuais.
Com a evolução do Estado o constitucionalismo avança para aspectos democráticos e
sociais, no entanto é importante estudar o instituto do Estado politicamente organizado, LOGO:
ESTADO
ESTADO: sociedade política dotada de características próprias, elementos essenciais, que
as o diferenciam das demais sociedades, quais sejam:
POVO
ELEMENTO HUMANO do Estado; determina as pessoas que mantêm vínculo jurídico-
político com o Estado, e se tornam parte dele – conceito jurídico-político.

• População – conjunto de pessoas que se encontram em determinado território de


um Estado – nacionais ou estrangeiros – conceito numérico.
• Nação – conjunto de pessoas ligadas que formam uma comunidade unida por
laços históricos e culturais – conceito sociológico.
TERRITÓRIO
• ELEMENTO MATERIAL do Estado – espaço sobre o qual o Estado exerce de modo
efetivo e exclusivo o poder de império, sua supremacia sobre pessoas e bens. Ex.:
embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro.
Trata-se de um conceito JURÍDICO.

GOVERNO
• Exercício do poder soberano estatal voltado ao atingimento das finalidades do
Estado.
Alguns autores relacionam a ideia de SOBERANIA “posta em ação” (SAHID
MALUF, 1988, p.43).
FORMA DE ESTADO
O termo Estado designa uma pessoa jurídica de direito público formado por 3 elementos:
POVO, TERRITÓRIO e GOVERNO.
a) Povo: envolve os nacionais e estrangeiros (NÃO se confunde com o conceito de NAÇÃO
– indivíduos que têm as mesmas tradições, costumes, religião e mesma língua. Assim pode
existir uma Nação em Estados diferentes.
b) Território: espaço delimitado no qual o Estado exerce sua soberania. Compreende solo,
subsolo, mar territorial, espaço aéreo nacional e plataforma continental (solo e subsolo do mar
territorial).
c) Governo: é a organização política que decide os rumos do Estado. É soberano, já que
não se submete às decisões de outros países.
A forma de Estado refere-se ao modo de exercício do poder político em função do
território do Estado. Logo, a forma pode ser de Estado: Unitário (Centralização política, ou seja,

MUDE SUA VIDA!


4
alfaconcursos.com.br

único centro de poder político no território inteiro – Ex: Chile) ou FEDERAL (embora
aparecendo único nas relações internacionais, é constituído por Estados-membros dotados de
AUTONOMIA – que não se confunde com soberania, esta somente República Federativa do
Brasil é que detém).
O Estado Federado tem como características:
- descentralização política: embora com ente político central (União), há os entes
descentralizados (Estados-membros, DF e Municípios).
- autonomia dos entes descentralizados: com órgãos governamentais próprios e
competências exclusivas. Além de capacidade de autoadministração (recursos próprios).
- pacto federativo indissolúvel: não há direito de secessão. Os seus integrantes NÃO
podem se separar da federação.
- órgãos representativos dos Estados-Membros junto à União.
Obs.: A forma Federativa de Estado, é CLÁUSULA PÉTREA (art. 60, § 4º, CF), não podendo
ser abolida por emenda constitucional e que se resume a:
1) Soberania do Estado federal: o poder que confere ao Estado federal a independência
na ordem externa, que lhe permite não se sujeitar, jurídica ou politicamente, a quaisquer
imposições de Estados estrangeiros ou organismos internacionais.
2) Autonomia dos entes federativos: poder conferido, aos diversos entes federativos da
Federação, que lhes permite graus variáveis de auto-organização, autogoverno,
autoadministração e também de arrecadação de receitas próprias, nos termos e limites
fixados pela Constituição federal.
3) Caráter indissolúvel do vínculo federativo: uma vez formalizado o Estado federal, não
mais é permitido a qualquer dos entes que fazem parte da Federação separar-se dela,
tendo em vista seu caráter permanente (não há direito de secessão).
4) Formalização por meio de uma constituição: o Estado federal é criado por uma
Constituição, a denominada Constituição Federal, que estabelece e formaliza o pacto
federativo.
5) Repartição de competências entre o poder central e os entes parciais: a Constituição
Federal estabelece as bases em que a mesma deve funcionar, inclusive fixando as
competências materiais e legislativas de cada um dos entes que fazem parte do Estado
Federal.
6) Direito de participação das vontades parciais na vontade central (bicameralismo
do Poder Legislativo da União): para que um Estado possa ser considerado
efetivamente uma Federação, os entes parciais também devem ter o direito de participar
da formação da vontade central, por meio de representantes no Parlamento.
7) Possibilidade de intervenção federal: o texto constitucional da Constituição Federal
deve prever a possibilidade de a União agir, em nome dos demais entes federativos, não
só para a garantia da indissolubilidade do vínculo federativo, como também para o
respeito à repartição de competências.
FORMA DE GOVERNO
Refere-se tanto ao modo como se institui o poder nas sociedades, quanto à relação entre
governantes e governados, ou seja, pergunta-se se há participação popular ou não na formação
do poder.
Há 2 formas:

REPÚBLICA MONARQUIA
Hereditariedade
Eletividade (eleições)
Vitaliciedade do poder
Temporalidade no poder

MUDE SUA VIDA!


5
alfaconcursos.com.br

Não-representatividade popular
Representatividade popular
Ausência do dever de prestar contas
Dever de prestar contas
(irresponsabilidade).
(responsabilidade).

SISTEMA DE GOVERNO
Refere-se à forma de relacionamento dos poderes Executivo e Legislativo para escolha do
Chefe de Governo.
No sistema adotado em nosso país, o Presidencialismo, não há qualquer intervenção do
Legislativo na escolha do Chefe de Governo, vez que este é escolhido pelo VOTO. Aliás, no
Presidencialismo, o Presidente da República concentra as funções de Chefe de Estado –
representação externa – e de Chefe de Governo – responsável pelas políticas internas.

PRESIDENCIALISMO PARLAMENTARISMO
Interdependência dos poderes
Independência dos poderes
Chefia dual
Chefia monocrática
Mandatos por prazos indeterminados
Mandatos por prazo certo
Responsabilidade do governo perante o
Responsabilidade do governo perante o
parlamento
povo

REGIME POLÍTICO
O princípio democrático define o nosso regime político. Quanto ao regime político, o caput
do Art. 1o da CF afirma que o Estado brasileiro é um Estado Democrático de Direito,
consagrando assim a adoção de um regime político democrático.
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e
Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como
fundamentos: (…)
O Regime político adotado no Brasil é o Democrático e a nossa democracia é a semidireta
(participativa), uma vez que conjuga os elementos da democracia direta com a democracia
indireta (representativa), como se extrai do Art. parágrafo único da CF:
Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes
eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.

MUDE SUA VIDA!


6
alfaconcursos.com.br

Sumário
1. TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS .................................................................................................. 2
1. 1 Conceito de direitos humanos: ............................................................................................................... 2

MUDE SUA VIDA!


1
alfaconcursos.com.br

1.TEORIA GERAL DOS DIREITOS HUMANOS

APRESENTAÇÃO DO CURSO E DA MATÉRIA

Fala ai parceiro (a)! Sou Diogo Medeiros, professor de Direitos Humanos, Delegado de
Polícia do Estado de Santa Catarina. Sim! Isso mesmo! Policial e professor de direitos humanos.
Ao longo da matéria, vamos desmistificar essa visão reducionista que os direitos humanos
seriam “direito dos manos”.

Qualquer dúvida, estarei a disposição, no Instagram @diogodbm. Podem mandar


perguntas por lá.

O curso é divido em 07 pontos principais, os quais abarcam a grande totalidade dos


concursos atinentes às carreiras policiais. Vejamos os pontos:

➢ PONTO 1: Teoria Geral dos Direitos Humanos;

➢ PONTO 2: Afirmação Histórica dos Direitos Humanos;

➢ PONTO 3: Direitos Humanos e Responsabilidade do Estado;

➢ PONTO 4: Direitos Humanos na Constituição Federal

➢ PONTO 5: Política Nacional de Direitos Humanos;

➢ PONTO 6: A Constituição Brasileira e os tratados internacionais;

➢ PONTO 7: Regra Mínima para tratamento dos presos.

1.1 CONCEITO DE DIREITOS HUMANOS:

Segundo André de Carvalho Ramos, os Direitos Humanos são um conjunto de direitos


considerado indispensável para uma vida pautada na liberdade, igualdade e dignidade da
pessoa humana.

Para Antônio Peres Luño: Direitos Humanos é o conjunto de faculdades e instituições que,
em cada momento histórico, concretizam as exigências de dignidade, liberdade e igualdade
humanas, as quais devem ser reconhecidas positivamente pelos ordenamentos jurídicos em
nível nacional e internacional.

Para Valério Mazzuoli, Direitos Humanos é expressão intrinsecamente ligada ao direito

MUDE SUA VIDA!


2
alfaconcursos.com.br

internacional público. Assim, quando se fala em direitos humanos, está-se tecnicamente a


referir a proteção que a ordem internacional guarda sobre esses direitos.

São, portanto, os direitos essenciais e indispensáveis à vida digna – expressão da


dignidade humana.

Não há um rol predeterminado desse conjunto mínimo de direitos, tendo em vista que as
necessidades humanas variam e, de acordo com o contexto histórico de uma época, novas
demandas sociais são traduzidas juridicamente e incluídas na lista de direitos humanos. Há um
movimento pendular: avanços e retrocessos na conquista de direitos.

Uma sociedade dita democrática e pautada em direitos fundamentais reconhece,


primeiramente, que o primeiro direito de todo indivíduo é o “direito a ter direitos” (expressão
utilizada por Hannah Arendt e mencionada no discurso da Ministra do STF Rosa Weber,
presidente do TSE na diplomação do presidente Jair Bolsonaro).

No estudo do direito, verificamos que para cada um direito corresponde um dever


correlato, portanto temos, basicamente, a seguinte estrutura:

➢ Direito de liberdade → Dever de Abstenção;

➢ Direito de pretensão → Prestação (Políticas Públicas);

➢ Direito poder → Incompetência;

➢ Direito Imunidade → Interferência;

Adotamos, o seguinte conceito de direitos humanos:

➢ Conjunto de direitos (ideias de dignidade da pessoa humana, liberdade e igualdade);

➢ Previstos em tratados internacionais;

➢ Protegidos e promovidos pelo Estado (e também pelos particulares).

MUDE SUA VIDA!


3
AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Tipologia Textual�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Narração�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Descrição����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Dissertação�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Dissertação-Expositiva������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Dissertação-Argumentativa����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Injunção/Instrucional��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Predição��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Dialogal / Conversacional��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Gêneros textuais��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Carta������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Propaganda�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Editorial������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Notícia���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Entrevista����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
História em Quadrinhos���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Charge���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Poema����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Gêneros Literários�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Tipologia Textual
Um texto pode ter várias características. Entre elas, estão a tipologia e o gênero textual. A relação
é a seguinte: cada tipologia textual possui diversos gêneros textuais. Além disso, geralmente um
texto não é escrito com base em apenas uma tipologia, ou seja, podem ser encontradas várias tipolo-
gias num texto, mas sempre há alguma que se torna predominante.
As tipologias mais importantes que devemos estudar são: narração, descrição, dissertação,
injunção, predição, dialogal.

Narração
Modalidade textual que tem o objetivo de contar um fato, fictício ou não, que aconteceu num de-
terminado tempo e lugar, e que envolve personagens. Geralmente, segue uma cronologia em relação
à passagem de tempo. Nesse tipo de texto, predomina o emprego do pretérito.
Os gêneros textuais mais comuns são: conto, fábula, crônica, romance, novela, depoimento,
piada, relato, etc.

Descrição
A descrição consiste em fazer um detalhamento, como se fosse um retrato por escrito de um lugar,
uma pessoa, um animal ou um objeto. O adjetivo é muito usado nesse tipo de produção textual. As
abordagens podem ser tanto físicas quanto psicológicas (que envolvem sentimentos, emoções). Esse
tipo de texto geralmente está contido em textos diversos.
Os gêneros textuais mais comuns são: cardápio, folheto turístico, anúncio classificado, etc.

Dissertação
Dissertar significa falar sobre algo, explicar um assunto, discorrer sobre um fato, um tema. Nesse
sentido, a dissertação pode ter caráter expositivo ou argumentativo.
Dissertação-Expositiva
O texto expositivo apresenta ideias sobre um determinado assunto. Há informações sobre di-
ferentes temas, em que o autor expõe dados, conceitos de modo objetivo. O objetivo principal é
informar, esclarecer.
Os gêneros mais comuns em que encontra esse tipo de texto são: aula, resumo, textos científicos,
enciclopédia, textos expositivos de revistas e jornais, etc.
Dissertação-Argumentativa
Um texto argumentativo defende ideias ou um ponto de vista do autor. Além de trazer explica-
ções, esse tipo de texto busca persuadir, convencer o leitor de algo. O texto, além de explicar, também
persuade o interlocutor, objetivando convencê-lo de algo. O mais importante é haver uma progres-
são lógica e coerente das ideias, sem ficar no que é vago, impreciso.
É comum encontrar essa tipologia textual em: sermão, ensaio, monografia, dissertação, tese,
ensaio, manifesto, crítica, editorial de jornais e revistas.
Injunção/Instrucional
Com uma linguagem objetiva e concisa, esse tipo de texto orienta como realizar uma ação. Pre-
dominantemente, os verbos são empregados no modo imperativo, todavia há também o uso do infi-
nitivo e do futuro do presente do modo indicativo.
Temos como gêneros textuais mais comuns: ordens; pedidos; súplica; desejo; manuais e instruções para
montagem ou uso de aparelhos e instrumentos; textos com regras de comportamento; textos de orientação
(ex: recomendações de trânsito); receitas, cartões com votos e desejos (de natal, aniversário, etc.).
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Predição
A predição tem por características a informação e a probabilidade. O intuito é predizer algo ou
levar o interlocutor a crer em alguma coisa que ainda irá ocorrer.
Os gêneros em que mais são encontrados essa tipologia são: previsões astrológicas, previsões meteo-
rológicas, previsões escatológicas/apocalípticas.
Dialogal / Conversacional
A base para esta tipologia textual é o diálogo entre os interlocutores. Nesse tipo de texto, temos
um locutor (quem fala), um assunto, um receptor (quem recebe o texto). Ou seja, temos um diálogo
entre os interlocutores (locutor e receptor).
Os gêneros em que essa tipologia ocorre são: entrevista, conversa telefônica, chat, etc.

Gêneros textuais
Os gêneros textuais podem ser textos orais ou escritos, formais ou informais. Eles possuem ca-
racterísticas em comum, como a intenção comunicativa, mas há algumas características que os dis-
tinguem uns dos outros.

Carta
Pode ter caráter argumentativo quando se trata de uma carta aberta ou carta do leitor. Quando se
trata de carta pessoa, há a presença de aspectos narrativos ou descritivos.

Propaganda
Caracterizado como um texto expositivo, o objetivo é propagar informações sobre algo, para in-
fluenciar o leitor com mensagens que despertam as emoções e a sensibilidade.

Editorial
É um gênero textual dissertativo-argumentativo que apresenta o posicionamento de uma
empresa, revista, jornal sobre determinado assunto.

Notícia
É um texto em que podem aparecer características narrativas e descritivas. Conta-se como
ocorreu um determinado fato. Aparecem as seguintes informações: o que ocorreu, como, quando,
onde e quem estava envolvido.

Entrevista
É um gênero textual em que aparece o diálogo entre o entrevistador e o(s) entrevistado(s), para
obter informações sobre o entrevistado ou algum assunto. Podem aparecer elementos expositivos,
argumentativos e narrativos.

História em Quadrinhos
É um gênero narrativo que consiste em contar algo por meio de pequenos quadros. Pode haver
diálogos diretos entre personagens. É caracterizado pela linguagem verbal e não verbal.

Charge
É um gênero textual narrativo em que há uma ilustração, por meio de caricaturas, com o objetivo
de realizar uma sátira, crítica ou comentário sobre algum acontecimento atual.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Poema
É um texto estruturado em versos (linhas) e pode também ter estrofes (conjunto de linhas). É
muito comum haver a descrição e a narração.

Gêneros Literários
Os gêneros literários costumam ser cobrados em algumas provas. É importante saber que há a
presença tanto da linguagem denotativa quanto da conotativa. Geralmente, as provas trazem frag-
mentos de textos. Alguns gêneros mais cobrados são: novela, conto, fábula, crônica, ensaio.
˃˃ Novela: é um texto narrativo longo, em que são narradas várias histórias. Sempre há uma
história principal que caracteriza esse gênero. Exemplos: O Alienista, de Machado de Assis, e A
Metamorfose, de Kafka.
˃˃ Conto: é um texto narrativo curto, em que há, geralmente um enredo (uma história) e poucos
personagens.
˃˃ Fábula: é um texto narrativo em que há uma história curta que termina com uma lição de
moral. Geralmente, há a personificação, pois há personagens que não são humanos (animais,
objetos) que adquirem características humanas.
˃˃ Crônica: é uma narrativa breve, relacionada ao cotidiano. Pode ter um tom humorístico ou re-
flexivo (presença de críticas).
˃˃ Ensaio: é um texto com caráter também didático, em que são expostas ideias, críticas e re-
flexões morais e filosóficas a respeito de certo tema. É caracterizado pela defesa de um ponto
de vista pessoal e subjetivo sobre um tema (humanístico, filosófico, político, social, cultural,
moral, comportamental, etc.), sem a necessidade de comprovação científica.
Exercícios
01. A invocação do passado constitui uma das estratégias mais comuns nas in-
terpretações do presente. O que inspira tais apelos não é apenas a divergência quanto
ao que ocorreu no passado e o que teria sido esse passado, mas também a incerte-
za se o passado é de fato passado, morto e enterrado, ou se persiste, mesmo que talvez sob
outras formas. Esse problema alimenta discussões de toda espécie – acerca de influên-
cias, responsabilidades e julgamentos, sobre realidades presentes e prioridades futuras.
Pouquíssima atenção tem sido dedicada ao papel privilegiado, no meu entender, da
cultura na experiência moderna, e quase não se leva em conta o fato de que a extraordinária
extensão mundial do imperialismo europeu clássico, do século XIX e começo do XX, ainda
lança sombras consideráveis sobre nossa própria época. Em nossos dias, não existe pratica-
mente nenhum norte-americano, africano, europeu, latino-americano, indiano, caribenho ou
australiano – a lista é bem grande – que não tenha sido afetado pelos impérios do passado.
[…] Esse tipo de domínio ou possessão lançou as bases para o que, agora, é de fato um mundo
inteiramente global. As comunicações eletrônicas, o alcance mundial do comércio, da dispo-
nibilidade dos recursos, das viagens, das informações sobre padrões climáticos e as mudanças
ecológicas unificaram até mesmo os locais mais remotos do mundo. Esse conjunto de padrões
foi, a meu ver, possibilitado pelo imperialismo.
SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 33-36. [Adaptado]
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Identifique abaixo as afirmativas verdadeiras ( V ) e as falsas ( F ), conforme o texto 1.


( ) Trata-se de um texto predominantemente narrativo, o que se evidencia pelo uso de tempos
verbais passados e pela espacialização do enredo.
( ) O texto traz elementos predominantemente argumentativos, com posicionamentos explíci-
tos do autor em relação ao tema.
( ) Trata-se de um texto descritivo, neutro e relativista, em que predominam exemplos factuais
e culturalmente contextualizados.
( ) O texto é anacrônico e generalista, não podendo ser tomado como referência explicativa
para a conjuntura moderna.
( ) O uso de adjetivos como “pouquíssima”, “privilegiado”, “extraordinária” e “consideráveis”
(segundo parágrafo) revela uma atitude avaliativa do autor.
Assinale a alternativa que indica a sequência correta, de cima para baixo.
a) V•V•V•F•F
b) V•F•F•V•V
c) V•F•F•F•V
d) F•V•V•V•F
e) F•V•F•F•V
02. Um dos principais desafios para o Brasil é conhecer a Amazônia. Sua vocação eminentemen-
te hídrica impõe, ao longo dos séculos, a necessidade do deslocamento de seus 4 habitantes
através dos rios. Muito antes da chegada dos colonizadores na Amazônia, os nativos já utiliza-
vam canoas. Ainda hoje, grande parte da população amazônica vive da 7 pesca. Além disso,
o deslocamento do ribeirinho se faz através da infinidade de rios que retalham a grandeza
territorial. Mas para conhecer a Amazônia de verdade é preciso 10 entender sua posição estra-
tégica para o país. Os rios são a chave para esse conhecimento. São as estradas que a natureza
construiu e em cujas margens se desenvolveram inúmeras 13 povoações. Portanto, é impossí-
vel pensar em Amazônia sem associar a importância que os rios têm para o desenvolvimento
econômico e social. Eles devem ser vistos como os grandes 16 propulsores do desenvolvimento
sustentável da região.
Domingos Savio Almeida Nogueira. In: Internet: (com adaptações)

Em relação ao texto acima, julgue o item a seguir.


Predomina no texto a narração, já que nele se identificam um cenário e uma ação.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito:
01 - E
02 - Errado

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5