Você está na página 1de 2

Ano 4, Nº.

5
Agosto de 2009
Prefeitura Municipal de Mata Grande/AL
Secretaria Municipal de Saúde
Coordenação de Vigilância Epidemiológica BOLETIM DE VIGILÂCIA EM
SAÚDE
HANSENÍASE endemia e para eliminar a hanseníase. O tratamento é
A hanseníase é uma doença infecciosa, de evolução eminentemente ambulatorial. Nos serviços básicos de
crônica (muito longa) causada pelo Mycobacterium saúde, administra-se uma associação de medicamentos,
leprae, bacilo que acomete principalmente a pele e os a poliquimioterapia (PQT/OMS). A regularidade do
nervos das extremidades do corpo. Este bacilo tem a tratamento é fundamental para cura do paciente. A
capacidade de infectar grande número de indivíduos prevenção das incapacidades é atividade primordial
(alta infectividade), no entanto poucos adoecem (baixa durante o tratamento, e em alguns casos, até mesmo
patogenicidade). A hanseníase é uma doença infecciosa, após a alta, sendo parte integrante do tratamento do
de evolução crônica (muito longa) causada pelo paciente de hanseníase. Para o paciente, o aprendizado
Mycobacterium leprae, bacilo que acomete com o alto-cuidado é arma valiosa para evitar seqüelas.
principalmente a pele e os nervos das extremidades do Na tomada mensal de medicamentos é feita uma
corpo. A hanseníase parece ser uma das mais antigas avaliação do paciente, para acompanhar a evolução de
doenças que acomete o homem.As referências mais suas lesões de pele e comprometimento neural,
remotas datam de 600a.C, procedem da Ásia, que verificando-se se há presenças de neurites ou estados
juntamente com a África , podem ser consideradas o reacionais. Quando necessárias, são orientadas técnicas
berço da doença. A doença tem um passado triste, de de prevenção de incapacidades e deformidades, bem
discriminação e isolamento dos doentes, que hoje já não como os auto-cuidados que devem diariamente ser
existe e nem é necessário, pois a doença pode ser realizados, para evitar as complicações da doença,
tratada e curada. sendo verificada sua correta realização.
Fonte: Guia de Vigilância Epidemiológica,

MODO DE TRANSMISSÃO A HANSENÍASE NO


A transmissão se dá de indivíduo para indivíduo, por
MUNICÍPIO DE MATA
germes eliminados por gotículas da fala e que são GRANDE
inalados por outras pessoas penetrando o organismo Na tabela 1 informamos por ano, a série histórica da
pela mucosa do nariz. Outra possibilidade é o contato Hanseníase no município, desde 2005 ao 1º semestre do
direto com a pele através de feridas de doentes. No ano de 2009, essa tabela demonstra o coeficiente de
entanto, é necessário um contato íntimo e prolongado incidência da Hanseníase, ou seja, o risco que a
para a contaminação, como a convivência de familiares população do município tem de adoecer.
na mesma residência. Daí a importância do exame dos
familiares do doente de hanseníase. Tabela 1. Série histórica dos casos confirmados de
A maioria da população adulta é resistente à hanseníase no período 2005 a 2009. Município de Mata
hanseníase, mas as crianças são mais susceptíveis, Grande/AL.
geralmente adquirindo a doença quando há um paciente Ano 2005 2006 2007 2008 1ºsem. 2009
contaminante na família. Casos 1 1 1 6 2
Taxa de
4,15% 4,17% 4,20% 23,71% 7,90%
Incidência
PERIODO DE INCUBAÇÃO E Dados tabulados em 01/08/2009, sujeitos à revisão.
TRANSMISSIBILIDADE Na tabela 2 apresentamos as notificações ocorridas no
município durante o 1º semestre do ano de 2009.
A hanseníase apresenta longo período de incubação; em Observamos que o atendimento antirrábico destacou-se
média, de dois a sete anos.Há referência a períodos como a causa de maior número de notificações durante o
mais curtos, de sete meses, como também de mais de período analisado
dez anos.Os doentes paucibacilares (indeterminados e
tuberculóides) não são considerados importantes como
fonte de transmissão da doença , devido a baixa carga Tabela 2: Número de agravos notificados
bacilar.Os pacientes multibacilares , no entanto, compulsórios e não compulsórios de interesse
constituem o grupo contagiante, assim, se mantendo nacional, período: O primeiro semestre de 2009,
enquanto não se iniciar o tratamento específico. município de Mata Grande.
ANOS
AGRAVOS
1º semestre 2009
TRATAMENTO Atendimento Antirrábico
Hanseníase
31
02
Hepatites virais 02
O tratamento do paciente com hanseníase é Sífilis em gestante 01
Tuberculose 02
indispensável para curá-lo e fechar a fonte de infecção, Dados tabulados 01/08/2009
interrompendo assim a cadeia de transmissão da Fonte: SINAN/SMS
doença, sendo, portanto estratégico no controle da
8,32%, as Neoplasias com 8,32% seqüelas de acidente
vascular cerebral 6,25% das mortes.
Na tabela 03 as informações apresentadas demonstram
as notificações de janeiro a junho de 2009, o que Tabela 4. Óbitos de janeiro a junho de 2009.
corresponde ao 1º semestre deste ano, notificadas pela Município de Mata Grande/AL.
Unidade de Saúde, onde a Unidade Mista Joaquim Paulo CASOS Nº. %
Vieira Malta, mais uma vez se destaca com o maior Acidente Vascular Cerebral não-
04 8,32
especificado
número de notificações devido ser a Unidade de Ciclista traumatizado em acidente de
referência do nosso município, a Unidade de Saúde 01 2,08
transporte sem colisão
Morro Vermelho notificou durante o período 26 Diabetes Melítus não especificada 01 2,08
negativas, e a Unidade de Saúde de Santa Cruz do Diabetes Melitus não insulino dependente
01 2,08
Deserto notificou 01 positiva e 25 negativas. Isso com complicações circulatórias periféricas
Disenteria amebiana aguda 01 2,08
significa que precisamos melhorar nestas 02 unidades as Doença Cardíaca Hipertensiva 01 2,08
nossas notificações por estar havendo uma grande sub- Doença pulmonar obstrutiva crônica não
02 4,16
notificação de casos. especificada
Enfisema não especificado 01 2,08
Tabela 3. Número de semanas epidemiológicas Hemorragia gastro intestinal neonatal 01 2,08
informadas segundo unidade notificante e Hemorragia intracerebral não especificada 01 2,08
classificação da notificação. (sem. Epd. 01 a 26). Hipertensão 01 2,08
Município de Mata Grande Janeiro a Junho de 2009. Hipóxia intra-uterina não especificada 02 0,07
Insuficiência cardíaca congestiva 01 2,08
Unidades Notificação Notificação Sem Insuficiência cardíaca congestiva não
de Saúde Positiva Negativa Informação 01 2,08
especificada
Unidade Insuficiência hepática sem outras
Mista 01 2,08
22 04 - especificações
Joaquim P. Morte fetal de causa não especificada 01 2,08
Vieira Malta Morte sem assistência médica 18 37,50
U. S. Santa Neoplasia Brônquios ou Pulmões não-
Cruz do 01 25 - 01 2,08
especificado
Deserto Neoplasia Maligna do estomago não
U. S. Morro 02 4,16
- 26 - especificado
Vermelho Neoplasia Maligna do Útero não
Fonte: SINAN/SMS 01 2,08
especificado
Dados tabulados em 01/08/2009, sujeitos à revisão. Outras doenças respiratórias crônicas
01 2,08
originadas no período perinatal
NASCIDOS VIVOS Outros sintomas e sinais gerais
especificados
01 2,08

De janeiro a junho de 2009, nasceram no município 180 Seqüelas de acidente vascular cerebral não
especificado como hemorrágico ou 03 6,25
crianças: isquêmico.
Fonte: SIM/SMS
• 5% crianças nasceram abaixo do peso, considerado
Dados tabulados em 01/08/2009, sujeitos à revisão.
normal, 2.500 kg;
• 3,33% crianças nasceram em domicílio;
• 20,55% são crianças de mães adolescentes menores
de 20 anos; VIGILÂNCIA SANITÁRIA E
• 2,77% mães que não fizeram nenhuma consulta pré-
natal; AMBIENTAL
• 10,55% mães que fizeram entre uma e três consultas;
Durante o 1º semestre de 2009 a Vigilância Sanitária
• 50,55% mães que fizeram entre 4 e 6 consultas
Municipal cadastrou 198 estabelecimentos, destes, 104
• 31,11% mães que fizeram 7 e mais consultas.
foram inspecionados. Temos 72 escolas cadastradas e
• 5% Ignorados/sem informação. foram inspecionadas 33. A Equipe de Vigilância Sanitária
Ocorreram 180 nascimentos entre os meses de janeiro e e Ambiental realizou 18 análises de água, onde da
junho, desses, 33 em outros Estados, e em outros Companhia de Abastecimento houve 06 amostras, todas
municípios 48; e em nosso município 99. satisfatórias. Das 64 nascentes cadastradas no
No 1º semestre de 2009 a cobertura vacinal básica em município 32 amostras foram consideradas insatisfatórias
menores de 1 ano, foi de: 96,00% para BCG, 120% para e 15 amostras satisfatórias.
Tetravalente, 123,11% para Hepatite B e 126,67% para
Poliomielite. Melhoramos significadamente a nossa EXPEDIENTE
cobertura vacinal se compararmos a esse mesmo
período durante o ano de 2008. O informe epidemiológico é uma publicação
oficial do setor de Vigilância Epidemiológica da
MORTALIDADE Secretaria Municipal de Saúde de Mata Grande – AL.
Prefeito: José Jacob Gomes Brandão
No primeiro semestre de 2009 foram notificados no Secretária Municipal de Saúde: Manuela de Alencar
Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) 48 óbitos, Malta
correspondendo a um coeficiente de mortalidade geral Coordenadora de Vigilância Epidemiológica: Valkíria
de 1,89/1.000. Campos Brandão Carvalho
A taxa de mortalidade no sexo feminino foi de 3,20/1.000 Colaboradores: Aritson Fábio de Souza Rodrigues.
e do sexo masculino 3,31/1.000. Editoração Eletrônica: Renivan Santos Vieira
Do total de óbitos 01 é menor de um ano (CMI de Endereço para Correspondência: Rua Felix Mendonça,
5,55/1.000 NV). s/nº centro Mata Grande/AL, CEP: 57.540-000
As principais causas de óbito do município durante o 1º Tiragem: 300
semestre de 2009 foram: Acidente vascular cerebral com