Você está na página 1de 4

TÍTULO: ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A TÉCNICA DOS GRUPOS OPERATIVOS

CATEGORIA: EM ANDAMENTO

ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

SUBÁREA: PSICOLOGIA

INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

AUTOR(ES): RAFAEL SILVA FLORES

ORIENTADOR(ES): ARILSON PEREIRA DA SILVA


1

Resumo
A Técnica dos Grupos Operativos foi desenvolvida por Pichon-Rivière, a partir
de 1958, na chamada Experiência Rosário que se constituiu em um laboratório
social. Esta técnica busca trabalhar com grupos para compreender sua forma de
funcionamento e tem como finalidade proporcionar aprendizagem aos participantes.
O presente trabalho busca investigar a análise da produção científica sobre o tema
grupos operativos, ou seja, o estado da arte da técnica em questão. Neste sentido,
objetiva-se verificar como a técnica tem sido utilizada, em quais contextos e as
respectivas contribuições, utilizando-se de publicações de pesquisas nas bases de
dados SciElo, PePSIC e BVS, no período de 2005 a 2014.
Palavras-Chave: grupo operativo; grupos operativos; Pichon-Rivière.

Introdução
A natureza humana indica que as relações entre os homens constituem um
fator essencial de sua existência. Isto pode ser verificado nas inter-relações
vivenciadas nos grupos. Em todos os estágios da vida humana, na busca de uma
identidade própria como também de uma identidade social, o homem faz parte de
diversos grupos (ZIMERMAN, 2000).
O termo grupo possui diferentes significados, a depender dos quadros de
referência empregados, tais como os representados pelas disciplinas de
Administração, Antropologia, Sociologia e Psicologia (GATTI, 2015).
Impulsionado pelas ideias de Kurt Lewin, pela Psicologia Social, pelo
movimento grupal no mundo, e também com base em referências psicanalíticas,
Pichon-Rivière elaborou a técnica dos grupos operativos (FERNANDES, 2003).
Dentre todas as suas contribuições, seu maior legado se encontra na identificação e
busca de compreensão dos processos grupais, com suas possíveis intervenções
nos grupos de modo a provocar mudanças ou, num sentido mais amplo, facilitar o
processo de aprendizagem (PEREIRA, 2013).
Foi no ano de 1958, com a Experiência Rosário, na Argentina, que a técnica
de grupo operativo teve seu início, usando métodos de investigação operativa,
sendo organizada pelo próprio Pichon-Rivière no Instituto Argentino de Estudos
Sociais (FERNANDES, 2003).
Segundo Pichon-Rivière (1991), de uma forma sintética, pode-se definir que o
objetivo central dos grupos operativos tem foco na movimentação de estruturas, que
2

muitas vezes tornam-se estereotipadas nos grupos, devido ao aumento de


ansiedades que toda mudança produz em cada indivíduo.
Assim, cabe destacar a definição da técnica de grupo operativo, conforme
proposta por Bastos (2010, p. 161):
A técnica de grupo operativo consiste em um trabalho com
grupos, cujo objetivo é promover um processo de
aprendizagem para os sujeitos envolvidos. Aprender em grupo
significa uma leitura crítica da realidade, uma atitude
investigadora, uma abertura para as dúvidas e para as novas
inquietações.
Neste sentido, este trabalho buscará, por meio de uma análise da produção
científica, investigar os estudos sobre a técnica de grupo operativo.

Objetivos
O objetivo geral desta pesquisa será verificar e analisar a produção
científica sobre a técnica de grupo operativo, a partir da leitura de artigos científicos
publicados nas bases de dados SciElo, PePSIC e BVS, no período de 2005 a 2014.
Como objetivos específicos, foram definidos:
- em que área de trabalho a técnica tem sido aplicada;
- qual a população-alvo;
- quais procedimentos têm sido utilizados;
- quais os benefícios propiciados.
Metodologia - Materiais
A presente pesquisa documental será realizada tendo por suporte as bases
de dados SciElo (Biblioteca Científica e Eletrônica Online), PePSIC (Periódicos
Eletrônicos de Psicologia) e BVS (Biblioteca Virtual da Saúde), as quais possuem
uma grande base de arquivos de periódicos brasileiros em veículo eletrônico. Usará
como palavras-chave para busca: grupo operativo; grupos operativos; Pichon-
Rivière.
Metodologia - Procedimentos
Inicialmente será efetuado um levantamento de artigos de psicologia, de
acordo com o tema escolhido, a partir da ajuda do banco de dados BVS. Serão
utilizadas as bases de dados eletrônicas SciELO e PePSIC, sendo especificado em
cada base o período de 2005 a 2014 para a localização dos artigos. Será realizada a
3

leitura, na íntegra, dos materiais colhidos para, a partir deste ponto, efetuar-se a
análise dos dados obtidos, de acordo com os objetivos traçados.
Desenvolvimento
Foram levantados os artigos referentes ao período mencionado. Estes artigos
serão analisados posteriormente de acordo com os objetivos propostos.
Resultados Preliminares
Tabela 1 – Quantidade de Publicações
Ano de
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Total
Publicação
Número de
3 4 4 4 4 9 9 13 5 4 59
Artigos

Como podemos observar na Tabela 1, os dados iniciais apontam para um aumento


da produção científica sobre grupo operativo a partir da segunda metade do período
focalizado, especificamente entre 2010 a 2014.

Fontes Consultadas
BASTOS, Alice Beatriz B. I. A técnica de grupos-operativos à luz de Pichon-Rivière e
Henri Wallon. Revista Psicólogo inFormação. São Bernardo do Campo, v. 14, n.
14 Jan./Dez. 2010. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-
ms/index.php/PINFOR/article/viewFile/2348/2334. Acesso em:

FERNANDES, Waldemar José. Grupos Operativos. In: _____; SVARTMAN, Betty;


FERNANDES, Beatriz Silverio (Orgs.). Grupos e configurações vinculares. Porto
Alegre: Artmed, 2003. 303 p.

GATTI, A. L. et al. Pesquisa Qualitativa: Grupo Focal e Intervenções Psicológicas


com Idosos. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 35, n. 1, jan./mar. 2015.
Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703002382013. Acesso em: 11 jun.
2015.

PEREIRA, T. T. S. O. Pichon-Rivière, a dialética e os grupos operativos: implicações


para pesquisa e intervenção. Revista da SPAGESP, São Paulo, v. 14, n. 1, jan/mar.
2013. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v14n1/v14n1a04.pdf.
Acesso em: 22 ago. 2015.

PICHON-RIVIÈRE, Enrique. O processo grupal. 4. ed. São Paulo, SP: Martins


Fontes, 1991. 181 p.

ZIMERMAN, David E. Fundamentos básicos das grupoterapias. 2. ed. Porto


Alegre: Artes Médicas, 2000. 244 p.