Você está na página 1de 3

Dança como Adoração

‘Dança é o ato de mover o corpo ao ritmo de uma música.’

A dança constitui um meio de comunicação muito pessoal e eficiente. Como arte, pode
contar uma história, determinar uma disposição de espírito ou expressar uma emoção sem
pronunciar uma única palavra. Além de ser uma arte a dança é uma forma de diversão. A
maioria das pessoas dança para se divertir ou para entreter outras pessoas.

Por que dançar?


A dança surgiu no coração de Deus, e Ele mesmo cuidou para que dentro de nós houvesse
movimento, desde o nosso sangue que se movimenta até as batidas do nosso coração.

A Bíblia traz, em Salmos 150:4 “Louvai-o com adufes e danças...”. Lembremos que a
Bíblia foi inspirada por Deus, é a palavra de sua boca. Por isso, podemos entender que Ele
se agrada da nossa dança como forma de adoração.

Deus nos criou para o louvor de sua glória, como diz em Isaías 43.7. Com todo o nosso ser
– espírito, alma e corpo – podemos exaltar Aquele que é digno de todo louvor, adoração,
domínio, poder, honra e glória por toda a eternidade.

A dança muitas vezes tem sido omitida e considerada como algo profano e inaceitável,
talvez por falta de entendimento ou por ser usada por alguns de maneira errada.
Certamente, todos os povos e culturas de todas as nações desde a criação têm expressado
sua alegria a Deus dançando, como Miriã, irmã de Moisés, em Êxodo 15.20 que tomou um
tamborim e todas as mulheres saíram dançando, como forma de gratidão ao serem libertos
do cativeiro egípcio.

“Então Miriã, a profetisa, irmã de Arão, tomou na mão um tamboril, e todas as mulheres
saíram atrás dela com tamboris, e com danças.
E Miriã lhes respondia: Cantai ao Senhor, porque gloriosamente triunfou; lançou no mar
o cavalo com o seu cavaleiro”.
Êxodo 15.20-21

O que podemos entender aqui? Fica claro que nossa alegria com o Senhor pelos seus feitos
para conosco podem contagiar outras pessoas. Perceba que as mulheres seguiram o
exemplo de Miriã, foram contagiadas por sua. Nós também podemos tocar a vida de outros
com nossa dança, com nossa alegria. Ou seja, a dança pode quebrar barreiras e atingir o
coração das pessoas, fazendo com que elas se alegrem diante do Senhor.

A dança pode revelar muito sobre seu modo de vida de um povo


Em 2 Samuel 6.14 encontramos o homem segundo o coração de Deus, Davi, feliz e jubiloso
por reconduzir a Arca da Aliança até Jerusalém. O que estava no coração de Davi era uma
emoção incontida e por isso ele passou a pular e dançar ao som de toda sorte de
instrumentos e também foi seguido do povo. Com certeza Davi queria de todas as maneiras
adorar a Deus, pois na presença de Deus há liberdade.

“E Davi dançava com todas as suas forças diante do Senhor; e estava Davi cingido dum
éfode de linho.
Assim Davi e toda a casa de Israel subiam, trazendo a arca do Senhor com júbilo e ao som
de trombetas”.
II Samuel 6.14-15

Outro princípio importante que podemos perceber na seqüência é a atitude de Mical, filha
de Saul.
“Quando entrava a arca do Senhor na cidade de Davi, Mical, filha de Saul, estava
olhando pela janela; e, vendo ao rei Davi saltando e dançando diante do senhor, o
desprezou no seu coração”.
II Samuel 6.16

Por que Mical ficou em casa? Por que não estava junto do povo adorando a Deus? A
verdade é que quando não estamos no meio da adoração, temos uma grande tendência a
criticar e desprezar as pessoas que estão adorando. Por isso, sempre que um sentimento
como esse tentar entrar em nosso coração precisamos identificar se estamos realmente
fazendo parte da adoração ou se estamos pensando em qualquer outra coisa de menor
importância para o momento.

Quando Mical, esposa de Davi, o repreendeu pelo que fizera nas ruas, Davi lhe disse: “é
perante o Senhor que tenho me alegrado”. 2 Samuel 6.21

É interessante observarmos que o Senhor não aprovou o espírito crítico de Mical, e isso
causou esterilidade a ela até o dia de sua morte. Trágico não? Pois é, não é bom julgarmos
aqueles que fazem alguma coisa diferente de nós para louvar a Deus, pois se Deus nos
aceita do jeito que somos, também, aceitará a adoração por mais esquisita que nos pareça.

Entretanto, a Bíblia nos exorta a não usarmos da liberdade para dar ocasião à carne,
conforme Gálatas 5.13. Porém, com maturidade e pureza podemos nos alegrar com
expressões corporais, sem malícia e sem ferir a santidade de Deus.

Em Juízes 11.34 a Bíblia nos fala sobre a filha de Jefté que saiu a saudar-lhe com adufes.
Em Juízes 21.21 percebemos que as mulheres judias gostavam de celebrar dançando em
rodas, e até hoje em Israel preserva-se esse costume onde os homens também participam.

No livro de Jeremias 31 encontramos um trecho profético que fala da plena restauração de


Israel. De maneira clara o Senhor diz “então a virgem se alegrará na dança, como também
os jovens e os velhos, porque tornarei o seu pranto em gozo e os consolarei,e lhes darei
alegria em lugar de tristeza”.

Em Lucas 15.11-32, a história do filho pródigo que saiu da casa de seu pai com sua parte da
herança e foi para o mundo se entregar aos prazeres da carne. Tornando-se miserável após
cuidar de porcos, o rapaz caiu em si e resolveu voltar arrependido a casa de seu pai. Seu
regresso tornou-se uma grande festa de celebração e danças, pois o que estava morto
reviveu, e o que estava perdido foi achado.

Precisamos ser livres para adorar a Deus com nossa dança, pois quando tocamos o coração
de Deus com nossa adoração atraímos a sua presença e a sua glória se manifesta. Não perca
a oportunidade de experimentar uma dança com o Criador.