Você está na página 1de 3

UNIFG – Faculdade dos Guararapes

Aluno: Ruan Henrique de Lima Silva


Turma: 1º período – manhã
Professora: Patrícia Furtado Carneiro
Disciplina: Fundamentos Sociais e Históricos do Direito

Texto
Vereadores do Recife aprovam aumento de 29,7% nos próprios salários
Parlamentares reajustaram vencimentos, nesta quarta-feira (18), durante a última sessão de 2019.
Veja quem votou contra e a favor.

Os vereadores do Recife aprovaram, nesta quarta-feira (18), o reajuste de 29,7% nos próprios


salários. Com isso, os 39 parlamentares, que ganham atualmente R$ 14.635, passarão a receber
R$ 18.980, por mês, a partir de 2021 (veja vídeo acima).
(CORREÇÃO: ao publicar esta reportagem, o G1 errou ao informar que o reajuste aprovado era
de 29,07%. O reajuste foi, na verdade, de aproximadamente 29,7%. A informação foi corrigida às
10h53 do dia 19/12/2019.)
O reajuste foi aprovado na última sessão de 2019. A projeto estava fora da pauta prevista para
esta quarta, mas acabou sendo incluído na Ordem do Dia (veja vídeo abaixo).

Ao todo, 22 vereadores dos 39 parlamentares da Casa votaram a favor do aumento. Sete foram
contrários, segundo a assessoria de comunicação. Um parlamentar se absteve. Outros nove não
compareceram. (Veja abaixo como votaram os vereadores.)
“O projeto não constava nem no site da Câmara. Soube dele quando cheguei hoje, por volta das
15h”, afirmou o vereador Jayme Asfora (sem partido), que votou contra o aumento.
Os vereadores informaram que este é o primeiro aumento concedido em oito anos. Além do
salário, cada parlamentar recebe auxílios combustível e alimentação.
“Somados, eles chegam a cerca de R$ 6 mil por mês. Além disso, tem o auxílio paletó, repassado
no início da Legislatura e no final”, disse Asfora.

Procurado pelo G1, o presidente da Câmara de Vereadores, Eduardo Marques (PSB), não


atendeu aos telefonemas até a última atualização desta reportagem.
Na justificativa do projeto, assinada pela mesa diretora, os vereadores alegaram que o Decreto
Legislativo nº 540/2011 estabeleceu a remuneração de R$ 15.031,76, para vigorar na legislatura
de 2013/2016.
Entretanto, o Decreto Legislativo nº 727/2016 reduziu o subsídio dos Vereadores da Câmara
Municipal do Recife, estipulando o valor de R$ 14.635, para vigorar na legislatura atual
(2017/2020), para limitá-lo ao então subsídio do prefeito.

Os vereadores apontaram, ainda, que o valor de R$ 18.980 “é inferior ao limite constitucionalmente


estabelecido, ou seja, está aquém do patamar de 75% do subsídio dos Deputados Estaduais”.
AVALIAÇÃO: Dissertação
Consoante ensinamento do Profº. Sílvio Venosa: “Por vezes a regra jurídica e a regra moral estão
em campos paralelos, sem se tocar; ouras vezes apresentam identidades; em outras situações,
há normas de um ou de outro campo que se interpenetram, sem coincidir”, disserte sobre as
teorias dos círculos ( independentes, concêntricos e secantes) que tratam do fenômeno direito e
Moral, apresentando finalmente um paralelo entre as citadas teorias do texto acima apresentado.

O Direito e a Moral são dois tópicos importantes no relacionamento jurídico e entre as


partes de um processo, seja ele qual for. Sabe-se que em alguns pontos se convergem, e
a teoria do mínimo ético explicita tal convergência, também denominada como “teoria dos
círculos concêntricos”, onde o círculo maior seria o da Moral, e o círculo menor o do Direito.
Entretanto, falaremos também sobre essas teorias abordando sobre os círculos secantes e
independentes, buscando maior compreensão desses fenômenos do Direito e Moral.
Na verdade as teorias dos círculos estão relacionadas a um fenômeno ligado ao direito, o
qual trata do sistema de normas de conduta e princípios criado e imposto por um conjunto de
instituições para regular as relações sociais e a moral; é a diferenciação de intenções, decisões e
ações entre aquelas que são distinguidas como próprias e as que são impróprias.
Paralelamente temos que a teoria do mínimo ético pode ser reproduzida pela imagem de
dois círculos concêntricos em que o maior indica a “moral’, mais abrangente e o menor, o “direito”.
Existindo, assim, um campo comum a ambos, isto é, “tudo o que é jurídico é moral, mas nem tudo
que é moral é jurídico”.
Ainda sobre a teoria supramencionada, o Direito é visto como um círculo menor que se
engloba num círculo maior que corresponde à moral. Desse ponto de vista, extrai-se que tudo o
que está no Direito é moral, mas nem tudo que é moral está no Direito. Este deve ser revestido
por um mínimo de regras morais que possuem como condão a regência de uma sociedade
equilibrada e harmônica, prevendo sanções para aqueles que descumprirem os ditames legais,
devendo-se fazer prevalecer a ordem social. 
De forma geral podemos falar pelo menos sobre os três tipos de círculos no que se refere
às teorias dos círculos, como veremos a seguir. A teoria dos círculos concêntricos, a mesma foi
criada pelo filósofo britânico Jeremy Bentham, segundo a qual, o direito encontra-se inserido
dentro do campo da moral. 
Em contrapartida, Hans Kelsen, criou a Teoria dos Círculos Independentes que defende
que o direito e a moral são institutos distintos não devendo ser confundidos. Logo, para este
filósofo, o direito é o que se encontra positivado dentro de um ordenamento jurídico, ao passo que
a moral se relaciona tão somente com os princípios éticos.
Por fim, tem-se a Teoria dos Círculos Secantes que foi elaborada pelo francês Du Pasquer
e é a acolhida pelo Ordenamento Jurídico Pátrio. A presente teoria afirma que nem tudo o que
está no Direito é moral, como tampouco nem tudo o que é moral está inserido dentro do Direito.
Partindo desses pressupostos e análises conceituais, conforme o ensino do professor
Silvio Venosa, e as teorias dos círculos aqui mencionadas, podemos dizer que os vereadores do
Recife, constantes no texto em apreço, verifica-se que houve ações indevidas, ou seja, que
afetam a moral e a ética, quando eles aprovaram o reajuste no aumento de seus salários, os
quais estavam fora da pauta prevista para aquele dia, ou seja, a quarta, de maneira que passou a
ser incluído na ordem do dia, conforme o texto. Ademais, é visível o absurdo, quando os mesmos
já ter posse de um salário acima da média, e ainda por cima, terem tantos auxílios, tais como,
auxílios de combustíveis, alimentação que somados chegam a cerca de 6 mil por mês, e ainda
mais, auxílio paletó, repassados no início e final da Legislatura, conforme um dos vereadores por
nome Asfora. E, continuou em outros problemas, quando buscaram outras formas para resolução
dos mesmos.
O Direito e a Moral são regras sociais que regulam o comportamento do homem em
sociedade, definindo um conceito de comportamento que é certo e o que não se enquadra neste
comportamento é tido como errado.  
Vimos que houve procedimentos que não foram corretos no que diz respeito ao direito e a
moral por parte dos vereadores do Recife, que mencionamos no corpo do nosso trabalho.
É bem verdade que se observarmos os fatos que acontecem na sociedade, desde os
primórdios, é possível enxergarmos que existem regras sociais que se cumprem de maneira
espontânea, como por exemplo, ser bom e honesto. Tais comportamentos são cumpridos sem a
necessidade de ninguém nos forçar para agir dessa maneira, é o mundo de conduta espontânea,
onde estas regras sociais são cumpridas, muitas das vezes, sem nem percebermos, este é o
campo de atribuição da moral.