Você está na página 1de 28
PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Programa de Estudos Culturais e Sociais APOSTILA DE METODOLOGIA DA

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Programa de Estudos Culturais e Sociais

APOSTILA DE METODOLOGIA DA PESQUISA

Normas da ABNT

ERICA DOS SANTOS RESENDE

Rio de Janeiro

2009

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

02

2 REGRAS DE APRESENTAÇÃO GRÁFICA

03

3 COMO FAZER CITAÇÕES E NOTAS DE RODAPÉ

19

4 COMO FAZER REFERÊNCIAS

23

5 ORIENTAÇÕES FINAIS DO TRABALHO

25

REFERÊNCIAS

26

2

1 INTRODUÇÃO

Esta apostila tem a finalidade de auxiliar na elaboração da monografia dos

cursos de MBA em Gestão Cultural e Gestão social, Pós-graduação em Produção

cultural e Pós-graduação em Vinhos e Cultura, do Programa de Estudos Culturais e

Sociais (PECS) da Universidade Cândido Mendes.

As regras aqui apresentadas seguem as orientações da ABNT e da

coordenação do Programa.

Serão apresentadas, a seguir, as regras de apresentação gráfica da

monografia e depois as normas NBR 6023 e NBR 10520 de referências e citações

em documentos respectivamente.

3

2 REGRAS DE APRESENTAÇÃO GRÁFICA

A

apresentação

gráfica

de

uma

monografia

segue

orientações

da

Associação Brasileira de Normas técnicas e do Programa a que está inserida.

Diferente da formatação de livros em editoras e gráficas que apresentam modelos

próprios e seguem regras estéticas e de espaço que não permitem a aplicação de

regras da ABNT .

Passos para a apresentação gráfica da monografia:

1º Passo – Escolha do papel

O papel a ser utilizado é A4 (21X29,7cm) reciclado e de gramatura normal

utilizada

para

a

impressão.

No

word

para

configurar

o

papel

seguir

ARQUIVO/Configurar página/papel, como na figura abaixo:

para a impressão. No word para configurar o papel seguir ARQUIVO/Configurar página/papel, como na figura abaixo:

4

2º Passo – Configuração das margens.

Configurar as margens (word) ARQUIVO/Configurar página/Margem

as margens (word) ARQUIVO/Configurar página/Margem 3º Passo – Escolha de letra A letra a ser utilizada

3º Passo – Escolha de letra

A letra a ser utilizada no trabalho é Arial. Configurar diretamente no word. O

tamanho da letra é 12 ou menor de acordo com orientações da ABNT no corpo do

trabalho.

4º Passo – Formatação do parágrafo

5

5 5º Passo – Formatação do início do parágrafo Utilizar o (tab) no teclado para iniciar

5º Passo – Formatação do início do parágrafo

Utilizar o (tab) no teclado para iniciar o parágrafo, observando se o

parágrafo ficará com 2 cm. Caso contrário alterar na própria régua do word.

iniciar o parágrafo, observando se o parágrafo ficará com 2 cm . Caso contrário alterar na

6

6º Passo – Início da digitação – Parte Pré-textual

Capa

6 6º Passo – Início da digitação – Parte Pré-textual Capa

7

Folha de Rosto – Finalidade e objetivo da monografia apresentam letra menor e

espaço simples, como no exemplo, e ainda estão alinhados do meio da margem

para a direita. O verso da folha de rosto deve constar a ficha catalográfica elaborada

por um profissional de Biblioteconomia.

a direita. O verso da folha de rosto deve constar a ficha catalográfica elaborada por um

8

Dedicatória – digitação livre sem formatação. Elemento opcional pode ser usado ou

não na monografia.

8 Dedicatória – digitação livre sem formatação. Elemento opcional pode ser usado ou não na monografia.

9

Agradecimentos – Escrever a palavra agradecimentos em caixa alta e negrito.

Elemento opcional pode ser usado ou não na monografia.

– Escrever a palavra agradecimentos em caixa alta e negrito. Elemento opcional pode ser usado ou

10

Epígrafe - elemento opcional

10 Epígrafe - elemento opcional

11

Resumo e Abstract – O resumo não possui parágrafo e deve apresentar os pontos

relevantes da monografia (objetivo, método, resultados e conclusões). Logo abaixo

devem figurar as palavras-chave com a extensaõ de 150 a 500 palavras. O abstract

segue as mesmas regras com texto em inglês.

figurar as palavras-chave com a extensaõ de 150 a 500 palavras. O abstract segue as mesmas

12

Listas – Listas de abreviaturas, figuras, quadros e outros que necessite ser incluído

no trabalho. Utilizar estas listas apenas quando houver um número de itens

significativos, caso contrário não é necessário. Recomenda-se utilizar acima de 10

quadros ou tabelas outro qualquer outro tipo de ilustração.

não é necessário. Recomenda-se utilizar acima de 10 quadros ou tabelas outro qualquer outro tipo de

13

Sumário – principais divisões do trabalho na mesma ordem e grafia do corpo do

trabalho.

13 Sumário – principais divisões do trabalho na mesma ordem e grafia do corpo do trabalho.

14

7º Passo – Início da digitação – Parte textual

O texto deve ser digitado em espaço duplo e letra 12, já definido no início do

trabalho. Antes e depois dos parágrafos pular 2 linhas como no exemplo abaixo.

e letra 12, já definido no início do trabalho. Antes e depois dos parágrafos pular 2

15

8º Passo – Apresentação gráfica de citações.

Citações com até 3 linhas de texto no parágrafo e com aspas. Citações com

mais de três linhas em destaque com letra menor, espaço simples entrelinhas e

afastado 4 cm da margem esquerda.

com mais de três linhas em destaque com letra menor, espaço simples entrelinhas e afastado 4

16

9º Passo – Apresentação gráfica de referências

Escrever a palavra referências centralizado na página, pular 2 linhas e listar

as referências separando uma da outra por 1 linha, como no exemplo abaixo.

na página, pular 2 linhas e listar as referências separando uma da outra por 1 linha,

17

10º Passo – Apresentação gráfica do apêndice e do anexo

17 10º Passo – Apresentação gráfica do apêndice e do anexo

18

18

19

3 COMO FAZER CITAÇÕES E NOTAS DE RODAPÉ

As citações na monografia trazem informações extraídas de outras fontes e

devem ser apresentadas sempre seguidas do sobrenome do autor e do ano. A falta

da indicação de autor e data pode caracterizar plágio. Utilizar a fala de outros

autores que tratam do mesmo assunto tratado não é indevido, no entanto, é preciso

indicar sempre quem é responsável pela aquela fala.

A indicação da fonte consultada para fazer citações pode ainda ser

apresentada como nota de rodapé. O uso das notas de rodapé ou citações no corpo

do texto é escolha do autor. Pode-se utilizar as duas ou escolher apenas um tipo e

utilizar em toda a monografia.

Existem dois tipos de citações: as citações diretas e as citações indiretas.

A forma de apresentação das citações no texto podem ser no próprio

parágrafo, utilizando-se aspas quando o texto tem até 3 linhas, ou destacado do

parágrafo com formatação diferente como apresentado no 8º passo.

As citações diretas e indiretas podem ainda apresentar informações de

autores em que se não tem acesso ao texto original, então, utiliza-se a citação já

citada como citação no texto de outro autor. Neste caso usa-se a expressão apud

como será exemplificado a seguir.

Citação direta – texto extraído de outro autor na íntegra. É necessário utilizar aspas

e mencionar o número da página.

Citação direta mais de 3 linhas - usa-se formatação especial.

20

Exemplo:

20 Exemplo: Citação direta até 3 linhas - usa-se aspas. Exemplo: Citação indireta – texto extraído

Citação direta até 3 linhas - usa-se aspas.

Exemplo:

Citação direta até 3 linhas - usa-se aspas. Exemplo: Citação indireta – texto extraído de outro

Citação indireta – texto extraído de outro autor com adaptações e udo de outra

linguagem diferente da original, mas com a mesma idéia. Não é necessário utilizar

aspas e nem mencionar o número da página.

Exemplo:

aspas e nem mencionar o número da página. Exemplo: Citação de citação – informação extraída de

Citação de citação – informação extraída de um texto em que o autor não teve

acesso ao documento original. Utilizou-se de uma citação já existente para a sua

monografia.

Exemplo: A idéia citada é do autor Smith e foi extraída do texto de PAO no ano de

1989.

21

21 Notas de rodapé – Apresentam informações adicionais ao texto da monografia. Existem dois tipos: notas

Notas de rodapé – Apresentam informações adicionais ao texto da monografia.

Existem dois tipos: notas de referência e notas explicativas.

Notas de referência - informam a fonte do texto consultado, neste caso a nota de

rodapé, substitui a citação no corpo do texto. Pode-se utilizar uma ou outra para

informar as fontes consultadas.

Exemplo:

No texto

outra para informar as fontes consultadas. Exemplo: No texto Na nota de rodapé Notas explicativas –

Na nota de rodapé

as fontes consultadas. Exemplo: No texto Na nota de rodapé Notas explicativas – explicam uma expressão

Notas explicativas – explicam uma expressão ou uma idéia no corpo do texto,

permite ao leitor se informar sobre o assunto, caso julgue necessário.

Exemplo:

22

No texto

22 No texto Na nota de rodapé Exemplo:

Na nota de rodapé

Exemplo:

22 No texto Na nota de rodapé Exemplo:

23

4 COMO FAZER REFERÊNCIAS

As referências indicam as informações citados ao longo da monografia. Os

elementos essenciais para elaboração de uma referência são: autor, título, local,

editora e ano. De acordo com o tipo de documento as referências apresentam

informações

adicionais

que

permitem

documentos ali citados.

Livro

1 autor

o

leitor

da

monografia

ter

acesso

aos

PRESTES FILHO, Luiz Carlos. Cadeia produtiva da economia do carnaval. Rio de Janeiro: e-Papers, 2009.

CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

2 autores – Usa-se ponto e vírgula entre um autor e outro. Neste caso o livro é

organizado e por isso usa-se (Org.).

REIS, Ana Carla Fonseca; MARCO, Kátia de (Org.). Economia da cultura: idéias e vivências. Rio de Janeiro: e-Livre, 2009. Disponível em:

http://www.gestaocultural.org.br/pdf/economia-da-cultura.pdf. Acesso em:

16.12.2009.

3 autores - Usa-se ponto e vírgula entre um autor e outro.

BASTOS, Elide Rugai; RIDENTI, Marcelo; ROLLAND, Denis (Org.). Intelectuais:

sociedade e política (Brasil – França). São Paulo: Cortez, 2003.

Mais de 3 autores – Usa-se a expressão et al.

CALLONI, Antonio et al. Com a palavra, os artistas. Rio de Janeiro: Quártica, 1997.

24

Tese/Dissertação/Monografia

VIEIRA, Fernando Antonio da Costa. Navegando contra a maré : a relação entre o MST e a mídia /Fernando Antonio da Costa Vieira. 2007. 250f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

CASTELLANO, Mayka. Reciclando o "lixo cultural": uma análise sobre o consumo trash entre os jovens. 2009. 188f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) -- Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

PELOSI, Lena Puggina. Pirataria, mídias digitais e crise: a assessoria de imprensa da indústria fonográfica e o caso da Sony Music. 2009. 65f. Monografia (Graduação em Comunicação Social Habilitação em Jornalismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009

Capítulo de livro

CASTELLO, José. Cultura. In: LAMOUNIER, Bolívar; FIGUEIREDO, Rubens (Org.) A era FHC: um balanço. São Paulo: Cultura, 2002. p. 627-656.

Artigo de periódico

COELHO, Teixeira. Para não ser alternativo no próprio país: indústria das imagens,

política cultural, integração supranacional. Revista USP, São Paulo, n. 19, p. 06-15,

1993.

DURAND, José Carlos. Cultura como objeto de políticas públicas. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 66-72, abr./jun. 2001.

Paper de congresso

FREITAS, Sicília Calado. Arte e cidade: perspectivas estáticas, históricas e sociais.In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 1.,

2005. Salvador. Trabalhos apresentados

Salvador: UFBA, 2005.

Legislação

BRASIL. Lei nº11.646, de 10 março de 2008. Altera dispositivos da Lei no 8.313, de 23 de dezembro de 1991, para estender o benefício fiscal às doações e patrocínios destinados à construção de salas de cinema em Municípios com menos de 100.000 (cem mil) habitantes, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 mar. 2008. Disponível em:

http://www.cultura.gov.br/site/wp-content/uploads/2008/03/lei-11646-de-2008.pdf.

25

5 ORIENTAÇÕES FINAIS DO TRABALHO

A ABNT sugere a forma da apresentação gráfica dos trabalhos acadêmicos

na norma 14724 no entanto, como se trata de uma “sugestão” muitas Universidades

adotam estilos próprios para padronizar os trabalhos e tornam a imagem daquele

tipo de estilo escolhido reconhecido no ambiente acadêmico. O PECS estipulou as

regras acordadas com as orientações da ABNT.

Algumas orientações já foram apresentadas ao longo do texto. Para finalizar

o trabalho seguem as últimas orientações.

- A numeração das páginas do trabalho deve vir na parte superior à direita. O início

da contagem das páginas é na folha de rosto, mas a numeração só deve aparecer

na primeira folha da página pré-textual.

contagem das páginas é na folha de rosto, mas a numeração só deve aparecer na primeira

26

- Encadernação em capa dura com letras douradas com orientações descritas no

item formatação de trabalhos acadêmicos. Modelo de Capa.

- Lombada (Confirmar opção com a Prof. Kátia)

UCAM/PECS

TÍTULO

ANO

- Entrega de duas cópias na coordenação do curso

- O trabalho deve ser revisado e assinado por um profissional de Biblioteconomia.

27

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências – elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação: apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos – apresentação. Rio de Janeiro, 2005.

DURAND, José Carlos. Cultura como objeto de política pública. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.15, n.2, p. 66-72, 2001. (Exemplos de citações)

PATACO, V.; VENTURA, M.; RESENDE, E. Metodologia para trabalhos acadêmicos e normas de apresentação gráfica. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

VALDUGA, V.; DARTORA, J.S.; BABINSKI, L.R. Economia da experiência: vivências na região Uva/Vinho/RS. In: SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISAE PÓS GRADUAÇÃO EM TURISMO, 4., 2007, Caxias do sul. Anais Caxias do Sul: UCS, 2007. (Exemplos de citações).