Você está na página 1de 2

Licenciatura em Engenharia Informática

Análise e Concepção de Sistemas


2º ano – 2º semestre – 2009/2010

Ficha de apreciação global nº 2

Nome:

Esta ficha enquadra-se na componente de avaliação “Apreciação global”. Atendendo ao que aprendeu
na aula anterior sobre “Diagramas de casos de uso”, assinale, das afirmações abaixo, as que são
verdadeiras (V) e as que são falsas (F). Tem cerca de 5 minutos para responder a esta ficha.

V Um dos objectivos dos diagramas de casos de uso é descrever formas como um


sistema pode ser utilizado e o comportamento que deve exibir em cada uma.

V Os casos de uso de um sistema podem orientar os casos de teste para esse sistema.

F Os casos de uso nem sempre representam objectivos que se pretende atingir com a
utilização de um sistema.

F Os actores só podem ser pessoas.

V A UML não indica nenhum formato específico para descrever casos de uso.

V A relação de inclusão deve ser utilizada sempre que se pretende reutilizar secções
comuns a dois ou mais casos de uso.

V A relação de extensão pode ser utilizada para descrições de tratamento de erros


cuja inclusão no caso de uso base interferiria demasiado com o fluxo básico.

V A relação de generalização permite criar descrições gerais que são especializadas


para responder a necessidades específicas.

V Quando se começa a descrever um caso de uso é sempre preferível começar pelo


fluxo básico.

1
Licenciatura em Engenharia Informática

Análise e Concepção de Sistemas


2º ano – 2º semestre – 2009/2010

Ficha de apreciação global nº 2

Nome:

Esta ficha enquadra-se na componente de avaliação “Apreciação global”. Atendendo ao que aprendeu
na aula anterior sobre “Diagramas de casos de uso”, assinale, das afirmações abaixo, as que são
verdadeiras (V) e as que são falsas (F). Tem cerca de 5 minutos para responder a esta ficha.

F Para se elaborar os diagramas de casos de uso de um sistema é necessário conhecer


a sua arquitectura interna.

V Os casos de uso de um sistema podem orientar a concepção de testes a esse sistema.

V Os casos de uso devem sempre representar objectivos que se pretendem atingir com a
utilização do sistema.

F A UML impõe um formato específico para descrever casos de uso.

V Os actores podem ser pessoas, máquinas ou outros sistemas.

F A relação de inclusão serve para destacar partes opcionais da descrição de casos de uso.

V A relação de extensão pode ser utilizada para descrições de tratamento de erros


cuja inclusão no caso de uso base interferiria demasiado com o fluxo básico.

V Na generalização, os casos de uso especializados herdam a descrição geral e completam


as partes ausentes de forma diferente, de acordo com o seu objectivo.

F Todos os casos de uso têm que incluir sempre fluxos alternativos e opcionais.