INFORMATIVO DO GEAAS - ANO I - Nº 04 | SETEMBRO/OUTUBRO/NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2011 IMPRESSÃO GRATUITA

Paremos de barganhar com Deus
cipal de divulgadora da Doutrina Espírita. No que deve empreender todos os seus esforços, pois é preciso que o sentido essencial da doutrina do Cristo esteja claro, e não reproduzamos as mesmas impropriedades de outras experiências na tentativa de negociar com Deus, como se a divindade estivesse ao nosso inteiro dispor, em troca de coisas materiais, principalmente dinheiro, em prol de obras religiosas ou de caridade. Certa vez, chegando ao Centro, uma pessoa me indagou se eu havia tomado conhecimento de uma doação, feita por um parente seu, fruto do recebimento de seu primeiro salário. Respondi que não, por não estar afeto à minha área de atuação. Ao que ela acrescentou: “Eu também irei fazer uma doação, estou fazendo exames médicos, pois devo me operar e se tudo der certo na operação, eu faço uma doação também”. A doação é um ato espontâneo, que deve ser livre de qualquer imposição ou condição, seja por parte de quem recebe ou de quem doa. Doar sob a condição de receber qualquer favorecimento é negócio, é conveniência. A doação é um exercício de desprendimento de interesses pessoais, visando à necessidade do beneficiado e seu bem-estar acima de tudo - independentemente da situação em que se encontre ou almeje. Lembremo-nos do Apóstolo Paulo quando afirma, na 1ª Epístola aos Coríntios (Cap. XIII): “a caridade (...) não cuida de seus interesses (...)”.

Independente do seu tamanho e amplitude de suas tarefas, a cada Casa Espírita cabe o papel prin-

Kardec

3 de outubro de 1804 - Natalício do professor Rivail que, futuramente coordenando a compilação dos ensinamentos dados pelos Espíritos Superiores, se apresentaria como Allan

Kardec. Imensos esforços teve que empreender para concluir sua obra, basicamente inserida em cinco livros: O Livro dos Espíritos; O Livro dos Médiuns; O Evangelho Segundo o Espiritismo; O Céu e o Inferno e A Gênese. Dificuldades não faltaram no campo pessoal, tendo que se desdobrar na luta pelo ganho para sua sobrevivência, além dos inúmeros ataques dos adversários das idéias novas, representantes do poder religioso e civil da época. É pre-

sempre

ciso registrar o apoio inestimável de sua companheira Amèlie Boudet, sobretudo em compreensão. Tudo Allan Kardec soube superar com uma fibra inabalável, fazendo com que hoje pudéssemos contar com uma doutrina íntegra, capaz de nos conduzir a estados mais elevados de espiritualidade. Por isso, saibamos ser gratos aos esforços de Allan Kardec, conhecendo mais as obras das quais ele se fez intermediário.

Nº 04 - página 2

Editorial
e nos endividamos nas compras. Símbolo dos excessos. NATAL – Tempo de repensar e reavaliar. Fazer diferente: Comer - algo saudável e específico com moderação; Beber - algo que não nos atrapalhe dialogarmos amistosamente; Presentear - algo criativo, de valor mais significativo. E, sobretudo, lembrarmos de JESUS.

“Dia dos Mortos? Balela! Finados? Tontos assuntos!... Nem flor, nem cinza, nem vela, Nós todos estamos juntos.” Espírito de Cornélio Pires
(Extraído do livro Trovadores do Além) *Livro disponível para empréstimo em nossa Biblioteca, faça-nos uma visita!

Natal - comidas, bebidas e presentes! Invertemos o seu sentido. E ainda exageramos na conta: Comemos muito, e de tudo; bebemos todas,

19 de setembro de 1860
Outono. Centro Espírita de Broteaux. Cidade de Lyon. França. Data do primeiro encontro do Sr. Allan Kardec com espíritas fora de Paris. Quisera o destino fosse em sua terra natal. Atualíssimos são seus ensinamentos para todos nós. Nesta primeira confraternização entre espíritas, sob um clima de profunda emoção, o Codificador exalta a importância da Doutrina, acima da sua pessoa, declarando: “Toda honra pelo bem que ele (o Espiritismo) fez cabe aos sábios Espíritos que o ditaram e que quiseram servir-se de mim”. E acrescenta: “Cabe-nos a nós, aos verdadeiros Espíritas, aos que vêem no Espiritismo algo mais do que experiência mais ou menos curiosas, fazê-lo compreendido e espalhado, tanto pregando pelo exemplo quanto pela palavra”. Pondera ainda o Codificador em sua prédica educadora o quanto devemos ter de cautela na aceitação dos ensinos dos espíritos, e conclui: “É preciso, pois, não se deixar levar pelas aparências, tanto da parte dos espíritos quanto dos homens”. E vai além: “É preciso tudo examinar friamente, tudo pesar maduramente, tudo controlar; e, se se desconfia do próprio julgamento, o que por vezes é mais prudente, é preciso relatar a outros, seguindo o provérbio de que quatro olhos vêem mais do que dois. Um falso amor-próprio ou uma obsessão podem, isoladamente, fazer persistir uma idéia notoriamente falsa e que é repelida pelo bom senso de cada um”. Acerca do futuro do Espiritismo, ele prevê um papel marcante das idéias novas da Terceira Revelação: “...num dia futuro o Espiritismo deve exercer uma imensa influência sobre a estrutura social. Mas o dia em que essa influência será generalizada ainda está longe, sem dúvida”. Encerrando seu discurso cheio de energia, firmeza e lucidez, o Sr. Allan Kardec apregoa sem timidez: “Ainda uma vez, o Espiritismo é a chave da verdadeira felicidade e aí está o segredo de seu poder irresistível”. E dirige-se aos lioneses, e porque não a todos nós hoje: “Que este repasto de amigos, meus mui amados confrades, como nos ágapes antigos, seja o penhor da união entre todos os verdadeiros Espíritas!”.
(Revista Espírita - outubro de 1860)

Serviço de Acolhida ao Usuário de Drogas e a seus Familiares
Rua Tácito Esmeriz, 272 - Bento Ribeiro - RJ - Tel.: (21) 2464-9019 www.saud.org.br

SAUD -

Nº 04 - página 3

Supremo Tribunal Federal e a predição de Chico Xavier
Em 5 de maio de 2011, os integrantes da maior Corte do Brasil o STF, se pronunciaram unanimemente favoráveis à união estável dos homossexuais: 1) Roberto Gurgel - ProcuradorGeral da República: “O reconhecimento jurídico das uniões homossexuais não enfraquece a família, mas antes fortalece.” “Privar os membros de uniões homossexuais afetivas atenta contra sua dignidade, expondo-os a situações de risco social injustificável.” 2) Carlos Ayres Britto - Ministro-Relator: “O sexo das pessoas não se presta como fator de desigualdade jurídica.” 3) Cármem Lúcia - Ministra: “A escolha por uma união homo-afetiva é individual e íntima.” 4) Luiz Fux - Ministro: “O homossexualismo é um traço da personalidade, não é uma ideologia nem é uma opção de vida.” 5) Joaquim Barbosa - Ministro: “O reconhecimento de uniões homo-afetivas encontra seu fundamento em todos os dispositivos constitucionais que tratam da dignidade humana.” 6) Ellen Gracie - Ministra “Uma sociedade decente é uma sociedade que não humilha seus integrantes.” 7) Marco Aurélio de Mello Ministro: “O Brasil está vencendo a guerra desumana contra o preconceito, o que significa promover o desenvolvimento do Estado de Direito, sem dúvida alguma.” Anteriormente, em 20/12/1971, nosso inesquecível e amorável Chico Xavier nos brindou, no Profome capaz de superlotar os nossos sanatórios e engendrar os mais obscuros processos de obsessão e, por isso mesmo, devemos ter esperança de que todos os filhos de Deus na Terra serão amparados por leis magnânimas com base na família humana para que o caráter impere acima dos sinais morfológicos e haja compreensão humana bastante para que os problemas afetivos sejam resolvidos com o máximo respeito às nossas leis sem abalar de um milímetro grama Pinga Fogo, com sua lúcida o monumento da família, que é a e pacificadora antevisão acerca base do Estado.” deste assunto, cabe rememorarDe nossa parte podemos dizer: mos: “Assim falou o Amor e o Amor “... mas não devemos descon- prevaleceu”. siderar, de maneira nenhuma, a maioria de nossos irmãos que vieram e que estão na Terra em condições inversas do ponto-deEXPEDIENTE vista de sexo, realizando tarefas Jornalista Responsável Rosângela Abreu REG 15687 muito edificantes em caminho da Conselho de Redação redenção de seus próprios valores Aline Costa Claudio Amaral íntimos. Consideramos isso com Projeto Gráfico e Diagramação muito respeito e acreditamos que a Renata de Castro e Abreu legislação do futuro, em suas noFotografias Liane Haagen vas faixas de entendimento humaPublicação no, saberá criar dentro da família GEAAS - Grupo Espírita Aprender, sem abalar as bases da família. A Amar e Servir Endereço legislação humana saberá incorRua Circular da Quinta do Caju, nº 7 porar à família humana todos os Sobrado - Caju - RJ /CEP: 20931-060 filhos da humanidade, todos os filContatos GEAAS (21) 2258-2868 hos da Terra, sem que a frustração cajuespirita@geaas.org.br afetiva venha continuar sendo um www.geaas.org.br Circulação flagelo para milhões de pessoas ... 1000 exemplares a frustração afetiva é um tipo de

“Assim falou o

Amor e o Amor prevaleceu”

Caju Espírita

Rua Circular da Quinta do Caju, 7 - Sobrado (próximo ao PAME-RJ)

POSTO CAJU DE ALCÓOLICOS ANÔNIMOS
www.aa.org.br

Reuniões: terças-feiras (de 19h às 21h) | 1º sábado do mês (de 13h às 15h) | demais sábados (de 15h às 17h)

Nº 04 - página 4

Livro dos Médiuns faz 150 anos
A mediunidade surgiu em todos os lugares e em todas as épocas da humanidade. O fato mediúnico ocorreu, sendo interpretado segundo as condições intelectuais e de sensibilidade de cada povo. Com tendência a relacioná-lo com a religiosidade. Na tentativa de explicar os fatos que a assombravam, a criatura buscou argumentos na imaginação, envolvendo aqueles acontecimentos em superstições. Isto gerou um manto de mistério sobre o assunto ao longo da história dos povos, e conferiu aos seus praticantes uma condição especial de evidência na sociedade, combinando mediunidade com poder e autoridade. De outro lado, isto gerava desconfiança e descrença em outros, por perceberem o jogo de interesses e vantagens que se estabelecia. Foi neste cenário o Sr. Allan Kardec passou a investigar cientificamente a mediunidade. Ele mesmo, a princípio, não acreditava que a causa dos fenômenos estivesse ligada à ação dos espíritos, chegando por fim a concluir tal interferência com o aprofundamento de seus estudos. Lançou em 1858 a obra Instruções Práticas sobre as Manifestações Espíritas, um resumo sobre seu estudo da mediunidade. Já em 1861 editou O Livro dos Médiuns, um tratado mais completo sobre o campo experimental do Espiritismo. Esta obra é o marco sobre a visão da mediunidade no mundo e marca a singularidade do Espiritismo, como ficou patente nos critérios apresentados: 1) SERIEDADE - “Contribuirá para mostrar o caráter sério do Espiritismo”; 2) NATURALIDADE - “Os espíritos são apenas as almas humanas, despojadas do seu invólucro corporal”; “Toda pessoa que sente a influência dos Espíritos, em qualquer grau de intensidade, é médium...não constitui privilégio”; 3) PREPARO - “O estudo prévio da Teoria tem a vantagem de mostrar a grandeza do objetivo e o alcance desta Ciência”. “As qualidades morais do médium tem influência capital sobre a natureza dos espíritos que se comunicam por seu intermédio”. (Fonte: O livro dos Médiuns) Por conseguinte, fora desses critérios básicos poderemos aceitar a ocorrência de comunicação com o plano espiritual, mas não nos moldes genuinamente espíritas de controle do fenômeno mediúnico para garantia da sua autenticidade, pela harmonia entre seus elementos constituintes: o espírito, o médium e o meio.

Cada uma das 38 famílias assistidas pelo GEAAS, receberão em dezembro próximo uma bolsa reforçada, composta de: feijão, arroz, macarrão, leite-em-pó, fubá, açúcar e óleo. Caso você, possa nos ajudar com qualquer quantidade, por favor, procure-nos em dias de reuniões doutrinárias (segundas e quintas - 20 horas) para registrarmos sua ajuda. Muito obrigado por sua colaboração!

Lembrete

PALESTRAS DOUTRINÁRIAS
Todas as segundas e quintas-feiras, às 20 horas, promovemos estudos doutrinários de O Evangelho segundo o Espiritismo, com explanações envolvendo esclarecimentos sobre todas as demais obras básicas da Doutrina Espírita. Venha dividir conosco suas impressões e dúvidas nesses nossos encontros fraternos.

Ouça a RÁDIO RIO DE JANEIRO - 1400 AM
A Rádio dA FRAteRnidAde!
www.radioriodejaneiro.am.br