1.

Evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil e a construção do Sistema Único deSaúde - seus princípios, suas diretrizes e seu arcabouço legal. 2. As normas operacionais do SUS. 3. A questão do controle social. 4. O paradigma da promoção da saúde. 5. A estratégia de saúde da família - sua evolução, seus princípios e sua aplicação. 6. Sistemas de Informação em Saúde (SIA, SIH, SIAB, SIM. SINASC, SINAN, SIPNI, SISPRENATAL,HIPERDIA, SISCAM). 7. O pacto pela Saúde. 8. O SUS/DF - estrutura, organização e funcionamento. Evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil e a construção do Sistema Único de Saúde - seusprincípios, suas diretrizes e seu arcabouço legal.Desde o século passado o sistema de saúde vem sofrendo mudanças que são acompanhadas de transformaçõeseconômicas, socioculturais e políticas;Uma trajetória histórica pode ser aponada por 4 principais tendências:1. SANITARISMO CAMPANHISTA - as campanhas sanitárias era sua principal estratégia (início do século XX até 19452. PERÍODO DE 1945-1960 – período de transição3. MODELO MÉDICO-ASSISTENCIAL PRIVATISTA (hegemônico dos anos 1960 até meados dos anos 1980)4. MODELO PLURAL (vigente) inclui como sistema público o Sistema Único de Sáude-SUSI. SANITARISMO CAMPANHISTA Início do século XX até 1920(modelo de inspiração militar que consistia no estilo repressivo de intervenção médica; tinha um caráter coletivo) Tempo da chamada primeira república (economia: agricultura exportadora cafeeira) Preocupação: sanear os espaços (portos) e controlar as doenças que prejudicassem as exportações (peste, cólera evaríola); Serviços públicos de saúde: dirigido pela Diretoria Geral de Saúde Pública (M Justiça e Negócios Interiores);corresponde hoje ao MS Oswaldo Cruz: adotou o modelo das campanhas sanitárias destinados a combater endemias urbanas estudou emParis (Instituto Pasteur), investigou um surto de peste bubônica em Santos-SP vacinação anti-variólica gerouprotestos - Revolta da Vacina; Área assistência individual: ações de saúde privadas Assistência hospitalar pública: caráter de assistência social (hanseníase e tuberculose)II. De 1920 a 1945sanitarismo campanhista continua como principal característica da política de saúde;atividades: campanha contra a tuberculose (1936), combate às endemias; criação em 1942 do SESP (ServiçoEspecial de Saúde Pública);surgem os primeiros embriões do modelo médico-assistencial;surge a assistência previdenciária (Lei Elói Chaves /1923) criava uma caixa de aposentadoria (CAP) para osrespectivos empregados estrada de ferro;? 1926 - amplia para portuários e marítimoscaracterísticas das CAPs: concessão de benefícios pecuniários (aposentadorias e pensões) e prestação de serviços(assistência médica e farmacêutica);profundas mudanças a partir de 1930: GV no poder (ditadura/interventor sobre a sociedade); queda da bolsa deNY; longa crise do café (desvalorização do produto); trabalhadores assalariados (transporte e indústria); criação doMinistério do Trabalho;1933: nasce a estrutura de Previdência Social IAPs (por categoria de trabalhadores) estrutura da

crise econômica na Previdência.? M Previdência: voltado ao atendimento médico-assistencial individualizado.1930: criação do Min da Educação e Saúde (coordena ações de saúde de caráter coletivo) III. em detrimento da saúde pública.Estado é a base do tripé (grande financiador do sistema e prestador de serviços à população.aumento dos benefícios não foi acompanhado de da receita .? M Saúde: execução de medidas e atendimento de interesse coletivo (vig sanitária). doenças de massa assume importância . dos gastos estatais naárea da saúde. por não responder às necessidades de uma economia industrializada. (Mendes.Modelo Médico-Assistencial Privatista [1960 a 1980]? Início da década de 1960: marcado por insatisfações populares (sociedade industrializada e urbanizada) -população clamava por mudanças estruturais.? Principais características desse modelo: privilegiamento da prática médica curativa.? 1964: impasse: necessidades políticas de atendimento das demandas pelos trabalhadores e a impossibilidade domodelo de contemplá-las.formulação de um modelo alternativo de seguridade social. crescimento do complexo médico-industrial ehospitalar (contratação de terceiros).crise no sistema previdenciário .implantação do regime de capitalização: da contribuição previdenciária. De 1945 a 1966pós-guerra: o desemprego e agram-se as condições sociais do Brasil.Europa: desenvolveram-se concepções do Estado do Bem-Estar Social ou Welfare State.? área da saúde: pediam reformas de base. construído concomitantemente ao crescimento e a mudança qualitativa daPrevidência social Brasileira”. assistencialista eespecializada. LBA.Lei Orgânica da Previdência Social (LOPS): uniformizar os benefícios aos segurados.importância da Previdência Social (instrumento político eleitoral)final dos anos 50: assistência médica previdenciária: passa a consumir mais recursos (industrialização do país) provoca acelerada urbanização e assalariamento de parcelas da população.crise no país? Medidas políticas e administrativas (1974): criação do MPAS (INPS.? Ampliação da seguridade social e assistência médica a novas categorias sociais.avanço da assistência médica individual (eficácia nodiagnóstico e terapêutica . golpe militar de 1964.Estado: financiador e prestador de serviços à população Setor privado nacional: prestador de serviços deassistência médicaSetor privado internacional: produtor de insumos (equipamentos biomédicos e medicamentos).IAPAS e o CEME. 1993).? Conseqüências do processo de urbanização e industrialização: mudança no quadro nosológico: das doençaspestilenciais .Persistia a DICOTOMIA entre saúde pública e a atenção médica individual.1953: Criado o Ministério da Saúde (mesma estrutura do Departamento Nacional de Saúde). individual. deveria sersubstituído por um outro modelo [.De 1968 a 1980? Período da ditadura militar (atos institucionais e decretos presidenciais) alteram a Constituição e os direitos decidadania. DATAPREV. organização social e política..? Estado intervém nos Institutos (racionalidade financeira) unificação: INPS (1967): os trabalhadores sãoexcluídos da gestão da previdência.? “o sanitarismo campanhista..Assistência preventiva à saúde: práticas de campanhas serviços de combate às endemias. informação. INAMPS. influência na direção daprevidência de 3 grupos:indústria farmacêutica .deficitário a partirde 1960.? Reforço da dicotomia nas áreas preventiva e curativa do . FUNABEM. criação de um complexo médicoindustrial privado (p/ o lucro). cabendo a estes apenas o papel de financiadores. equipamentos médico-hospitalares e os proprietários de hospitais.]. rigidez p/ concessão de benefícios e ¯dos valores concedidos : vultosos recursos sob o controle do Estado.sociedade civilp/ interior do aparelho de Estado.

Em um sistema hierarquizado de serviços de saúde. por meio de contratos e convênios de prestação deserviço ao Estado quando as unidades públicas de assistência à saúde não são suficientes para garantir oatendimento a toda a população de uma determinada região.3.2. assim como o controle da qualidade de remédios. São consideradas diretrizes do SUS: eqüidade. preventivos e curativos. define princípios e diretrizes para o SUS.Princípios do SUS: Universalidade1.são algumas das responsabilidades de atenção do SUS. exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema. Integralidadede assistência. onde atua a VigilânciaSanitária. seu aumento e propagação . sãodesenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no artigo 198 da Constituição Federal.Princípios do SUS: Hierarquização1. Princípios do SUS: Integralidade1. obedecendo ainda aprincípios como: Universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência.sistema de saúde brasileiro. entendida como um conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos. São considerados princípios básicos do SUS: acesso universal e igualitário a ações e serviços. O SUS pretende universalizar o direito à saúde através da criação de um sistema em que cada municípiovai organizar e executar o seu plano de saúde. Oconjunto contínuo e articulado de ações e serviços. ofertando serviços com qualidade adequados àsnecessidades.? Final da década de 1970: fim do “milagre econômico”. Igualdade da assistência àsaúde. participaçãocomunitária. Hierarquização dos serviços de saúde diz respeito a organização dos serviços segundo a complexidade dasações desenvolvidas. que integram o SUS.Princípios do SUS1.2. deexames.O setor privado participa do SUS de forma complementar.080. sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie.2. individuais e coletivos. em todos osníveis de complexidade é considerado como um direito de: integralidade. independente do poder aquisitivo do cidadão. ao qualtodos têm direito. para o setorAções Integradas de Saúde buscava a reorganização institucional da assistência à saúde princípios:estados) reformulação do Sistema Nacional de Saúde conseqüências : cc de poder e desmonte dopaís: Nova RepúblicaSAÚDE (1986) . priorizando asações preventivas. rede regionalizada e hierarquizada. O controle da ocorrência de doenças. democratizando as informações relevantes para que a população conheça seus direitos e osriscos à sua saúde. A Constituição atual estabelece que o acesso aos serviços de saúde no país tem caráter: universal. descentralização. de alimentos. controle social. higiene e adequação de instalações que atendem ao público. A Lei 8. integralidade.Vigilância Epidemiológica.individuais e coletivos. estadual e municipal. também chamada de Lei Orgânica da Saúde.O Sistema Único de Saúde tem como meta tornar-se um importante mecanismo de promoção da eqüidade noatendimento das necessidades de saúde da população. O SUS se propõe a promover a saúde. a continuidade da assistência deve ser assegurada . Divulgação deinformações quanto ao potencial dos serviços de saúde e sua utilização pelo usuário. universalidade.discutir uma nova proposta de estrutura e de política detituiu o Projeto da Reforma Sanitária Brasileira Þ processo para aibilizar constituintes a aprovarem os princípios da Reformaas conclusões da 8ª CNS: O SUS é destinado a todos os cidadãos e é financiado com recursos arrecadados através de impostos econtribuições sociais pagos pela população e compõem os recursos do governo federal. crise generalizada (perda de poder aquisitivo dos salários. As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados ou conveniados.

Federal: estabelecer normas e executar a vigilância sanitária de portos. proteção e recuperação de saúde. No Brasil. Esferas de Atuação do SUS: Municipal1. pelo exercício de seus princípios organizacionais. aeroportos e fronteiras. concretizam-se. em direito à saúde. No Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica. proteção e recuperação da saúde (atendimento integral).que reduzam riscos e agravos àsaúde. No SUS a importância dos hospitais universitários é: referência para áreas amplas. De acordo com a lei 8080.Esses ideais foram transformados. estadual e municipal. a definição de diretrizes e a normatização de ações devigilância e controle de agravos estão relacionadas à competência do nível: federal. privado e profissionais de saúde) e dos usuários. o SUS é definido como um sistema descentralizado com comando único. vigilância sanitária e assistência aos acidentes de trabalho e doença ocupacionais. que detém poderdecisório quando à política de saúde local. organização ofuncionamento dos serviços correspondentes. o acesso universal (para todos) e equânime (com justa igualdade) aserviços e ações de promoção. 25% de profissionais de saúde e 25% degestores. Lei orgânica da saúde: os municípios são responsáveis por gerir e hierarquizar os serviços de saúde emtodos os níveis.3. para celebrar contratos e convênios com serviços privados desaúde terá direito de contratar e avaliar sua execução. A Lei n° 8. consolidados na Constituição de 1988. Em relação aos Conselhos de Saúde: sua composição é paritária. Conselho Nacional de Saúde1. aeroportos e fronteiras. igualmente.2.5.142 de 28 de dezembro de 1990 que dispõe sobre o papel de Conselhos de Saúde e dasConferências de Saúde estabelece a seguinte composição para os Conselhos: representantes dos prestadores(público. as ações relativas à saúde dotrabalhador. como também. Estadual: promover a descentralização para os municípios dos serviços e ações de saúde. Funções do SUS1. incluindo a vigilância epidemiológica.2. o SUS estabelece como competência municipal: a execução de serviços de vigilânciaepidemiológica e saúde do trabalhador.4.3.2. o município.As normas operacionais do SUS1. por intermédio de um crescente entendimento e incorporação de seusprincípios ideológicos e doutrinários. Composição do Conselho Nacional de Saúde: 50% de usuários. .principalmente por: estabelecimento de um sistema de referência. são de responsabilidade do: SUS. prestadores e centros formadores. devendo ser distribuída de forma aassegurar que 50% dos conselheiros sejam representantes dos usuários e 50% dos representantes sejam desegmentos do governo. o que significa que cada um e todos osbrasileiros devem construir e usufruir de políticas públicas-econômicas e sociais. Esferas de Atuação do SUS: Estadual1. na Carta Magna. De acordo com a legislação vigente. prestadores de serviço e profissionais de saúde. Federal: definir e coordenar o sistema de vigilância epidemiológica. As esferas de governo no SUS são: federal. Esferas de Atuação do SUS1.A partir da nova Constituição da República.Serviços Privados de Saúde1. no âmbito da saúde. Municipal: controlar e fiscalizar os serviços privados de saúde. Conceito de Distrito Sanitário: unidade mais periférica da administração sanitária. INTRODUÇÃOOs ideais históricos de civilidade. para atendimento de casos complexos. navivência cotidiana do povo brasileiro. Esse direito significa. de mais de ummunicípio. Cabe ao SUS exclusivamente: execução de vigilância sanitária de portos.isto necessariamente implica em: delegar autonomia para que Estados e Municípios formulem e implementem asrespectivas políticas de saúde.3. Segundo a Constituição de 1988. Esferas de Atuação do SUS: Federal1.2.2. A Lei 8080 dispõe sobre as condições de promoção.

as chamadas Leis Orgânicas da Saúde (Nº 8. na medida em que estão perfeitamente identificados os elementos críticosessenciais a uma gestão eficiente e a uma produção eficaz. e que acontece nãosomente nas instâncias colegiadas formais . ec) a programação pactuada. legais e comunitárias foram criandoas condições de viabilização plena do direito … saúde.o poder municipal .SUS. avançando na consolidação dosprincípios do SUS.Cada sistema municipal deve materializar.. E os resultados mais facilmente usufruídos pela população.várias iniciativas institucionais.As Normas Operacionais Básicas.e os serviçosprivados (desde que contratados ou conveniados) e que é responsabilizado.por parte do poder público municipal e do Distrito Federal. b) a criação de condições elementares e fundamentais para a eficiência e a eficácia gerenciais. A regulamentação desse mecanismo de vinculação será objeto de discussão e aprovação pelas instânciascolegiadas competentes. a partir da avaliação do estágio de implantação e desempenho doSUS.080\90 e 8. com a conseqüenteredefinição das responsabilidades dos Estados.conferências econselhos .O segundo propósito é factível. FINALIDADEA presente Norma Operacional Básica tem por finalidade primordial promover e consolidar o pleno exercício. o Decreto Nº 99. neste sentido no âmbito jurídicoinstitucional. mais criativa erealizadora para as pessoas. estabelecido pela ConstituiçãoFederal de 1988. as atividades são gerenciadas por pessoasperfeitamente identificáveis. para a definição de estratégias e movimentos táticos. minimamente agregados entre si com sentimento comunitário .438\90 e as NormasOperacionais Básicas (NOB). Com isso. com a nova formulação dos sistemas municipais. com a correspondente .os munícipes .2. se voltam. do Distrito Federal e da União. editadas em 1991 e 1993.. inclusive dentro dospróprios serviços de atendimento. direta e imediatamente. mais direta e imediatamente. de modo a identificar ocidadão com o seu sistema e agregá-lo ao sistema nacional.b) o conjunto organizado dos estabelecimentos produtores desses serviços. da função de gestor da atenção à saúde dos seusmunícipes (Artigo 30.O primeiro propósito é possível porque.Com a lei Nº 8. estadual e municipal . da Constituição Federal). tanto os segmentossociais.das esferas federal. Destacam-se. é a instituição do cartão SUS-MUNICIPAL. em todo opaís. e Artigo 32. ainda que sem exclusividade. historicamente reconhecida e legitimada . de forma efetiva.certamente. pelaconcretização dos princípios constitucionais. . usufrui dos serviços.O conjunto desses elementos propicia uma nova condição de participação com vínculo. incisos V e VII. estatal ou privado. por sua vez. fica regulamentado o Sistema Único de Saúde .080\90. com numeração nacional.mas em outros espaços constituídos por atividades sistemáticas e permanentes. com qualidade. quanto a instância depoder político-administrativo. fica bem caracterizado o gestor responsável. que agrega todos os serviços estatais . Um dos meios. capaz de desenvolver uma programação de atividades publicamentepactuada. a vinculação aqui explicitada.apropriam-se deum conjunto de serviços bem definido. com conseqüente formalização por ato do MS. que orientam aoperacionalidade deste Sistema.142\90). Parágrafo 1º. Essa numeração possibilita uma melhor referênciaintermunicipal e garante o atendimento de urgência por qualquer serviço de saúde. a saber:a) a clientela que.

com o aprimoramento dos processos de síntese. e fundamentam a negociação necessária à mudança e àassociação de interesses conscientes. O . da concretapossibilidade de comparação com realidades muito próximas. na medida em quepermitem a compreensão globalizadora a ser perseguida. no entanto. representadas pelos resultados obtidos nos sistemasvizinhos.enriquecido. pela própria limitação de recursos. na intervenção terapêutica armada (cirúrgica ou medicamentosa) específica. sistêmicos ou dialéticos. em decorrência de um processo de incorporação tecnológicaacrítico e desregulado. sobretudo. acima apresentados. agregando. nesse âmbito. que deve ser programaticamente respeitada.as famílias.A ameaça da ocorrência de gastos exagerados. a presente Norma Operacional Básicaconstitui um importante mecanismo indutor da conformação de um novo modelo de atenção … saúde. a pessoa. tendo como referência os propósitos anteriormente explicitados. contribuem para um gerenciamento que conduz à obtenção de resultadosefetivos. que concentra sua atenção no caso clínico. igualmente. a efetiva integralidade das ações. por um lado. o novo modelo de atenção deve resultar na ampliação do enfoque do modelo atual. favorece e impulsiona as mudanças globais. enfoque central deve serdado à questão da ética. em que os processos deeducação e de comunicação social constituem parte essencial em qualquer nível ou ação. Essa prática. bem como na relação da equipe de saúde com a comunidade. o qual requer o estabelecimento de vínculos eprocessos mais abrangentes.que se faziam cada vez mais particularizados eisolados (com grande sofisticação e detalhamento analítico) devem possibilitar. a despeito da indisponibilidade de estímulos de um mercado consumidor espontâneo.orçamentação participativa. da mudança do método e da tecnologia predominantes. e sujeita … ratificação que.Assim. é um risco que pode ser minimizado pela radicalização na reorganização do SUS: umSistema regido pelo interesse público e balizado.O modelo vigente.Os conhecimentos . alcançando-se. Essa ampliação é representada pela incorporação. intersetoriais. com ênfase na consolidação da direção únicaem cada esfera de governo e na construção da rede regionalizada e hierarquizada de serviços. o modelo adota novas tecnologias. Essencialmente. o método paraconhecimento da realidade complexa e para a realização da intervenção necessária fundamenta-se mais na síntesedo que nas análises. Nessa circunstância.O enfoque epidemiológico atende ao compromisso da integralidade da atenção. com os seus núcleossociais primários .com estímulos agregados. adquire a devida racionalidade na alocação de recursos emface às necessidades. por outro. deve ser associado.Os elementos. pela exigência da universalização e integralidadecom eqüidade e. Conta.Além da ampliação do objeto. mais do que isolando. ao incorporar. assim. a valorização da informação informatizada. na relação individualizada entre o profissional e opaciente. inclusive.resultantes de identificações e compreensões . decorrentes de um processo de gerenciamento participativo e. transformado em um modelo de atenção centrado na qualidade de vida das pessoas e do seu meioambiente. diferentes fatores e variáveis. sejamlineares. especialmente. É importante. um grande esforço devisibilidade e entendimento integrador e globalizante.negociada e pactuada nas instâncias estadual e federal. o meio ambiente e os comportamentos interpessoais. como objeto dasações. na medidaem que disciplina o processo de organização da gestão desta atenção. ao modelo clínicodominante (centrado na doença).Além da ampliação do objeto e da mudança no método. do modelo epidemiológico.Esses dois balizamentos são objeto da programação elaborada no âmbito municipal.

o SUS assume algumas ações específicas e busca a articulação necessária comoutros setores. juntamente coma Previdência e a Assistência Social. Dessa forma é incentivada a associação dos enfoques clínico e epidemiológico. a pessoa é estimulada a ser agente da sua própria saúde e da saúde da comunidade queintegra. a intervenção ambiental. No inciso VI do parágrafo único desse mesmo Artigo. . Na intervenção ambiental.seguramente. FINANCIAMENTO DAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE10. ResponsabilidadesO financiamento do SUS é de responsabilidade das três esferas de governo e cada uma deve assegurar o aporteregular de recursos. está determinado que aSeguridade Social será organizada pelo poder público. a transformação na relação entre o usuário e os agentes do sistema de saúde(restabelecendo o vínculo entre quem presta o serviço e quem o recebe) e.10. principalmente. de um lado. ao respectivo fundo de saúde.para que sejam modificados fatores determinantes da situação de saúde.modelo vigente . observada a "diversidade da base de financiamento". na qual a pessoa (o seu objeto) constitui o foco nuclear da atenção. na ética domédico. a Saúde integra a Seguridade Social. à proteção e à recuperação da saúde.O novo modelo de atenção deve perseguir a construção da ética do coletivo que incorpora e transcende a ética doindividual. Isso exige.baseia-se.Nessa nova relação.1.Conforme determina o Artigo 194 da Constituição Federal. visando a criação das condições indispensáveis à promoção. de outro.assentado na lógica da clínica .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful