Diversidade Sexual Na Escola: Novas Práticas Educativas Sobre Sexualidade E Cidadania

Objetivo: combater o preconceito, principalmente a homofobia, na escola.

Levar aos profissionais da educação informações sobre diversidade sexual, com as quais possam rever sua visão e opinião com relação à homossexualidade e à própria sexualidade dos jovens e, conseqüentemente, colaborar através de seu trabalho - pedagógico ou mesmo fora da sala de aula - na erradicação do preconceito no ambiente escolar. O projeto forneceu aos profissionais da educação informações sobre diversidade sexual. Dessa maneira, professores e professoras puderam refletir sobre o que pensam em relação à homossexualidade e à própria sexualidade das jovens e dos jovens e, conseqüentemente, colaborar, por meio de seu trabalho pedagógico ou mesmo fora da sala de aula, na diminuição do preconceito no ambiente da escola. Educadoras e os educadores obtiveram recursos didáticos e teóricos para não ficarem omissos diante de cenas explícitas de homofobia e saberem dar a mesma atenção ao problema como já acontece com outras formas de discriminação, como o racismo e o sexismo. O projeto teve duas edições. A primeira foi financiada pelo PROSARE (2004 - 2005) e capacitou professores e professoras da Rede Pública Estadual de São Paulo, da Diretoria de Ensino Norte 1. A segunda, em 2006, foi financiada pela SECAD - Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC - Ministério da Educação, através do Programa "BRASIL SEM HOMOFOBIA" do Governo Federal e contou com apoio do projeto "PREVENÇÃO TAMBÉM SE ENSINA", da FDE Fundação para o Desenvolvimento da Educação. Educar para a diversidade A escola é um espaço fundamental de construção de novas práticas e atitudes. Ao mesmo tempo, é lugar de transmissão de conhecimentos científicos e técnicos que orientam, junto com a família e outros espaços e agentes, o comportamento social. A escola é um ponto privilegiado para trabalhar a diversidade da cultura humana e os valores éticos de respeito ao outro. Se é papel da educação fomentar a construção de uma ética fundada no respeito aos direitos humanos, condição básica para a vida em sociedade, a educadora e o educador devem estar atentos aos estereótipos de gênero, à homofobia e intervir em toda e qualquer situação de preconceito, reforçando a dignidade humana, a defesa da cidadania.

Nesse sentido, o projeto representa uma importante intervenção na expansão da “cultura de direitos”, visando o desenvolvimento livre e saudável da pessoa humana. Curso para profissionais de educação O curso foi organizado em módulos e se propôs a: • • • Propiciar uma prática pedagógica com novos elementos, informações e conhecimentos para o trabalho no dia-a-dia, que leve profissionais da educação a repensar suas ações e a dispor de novos recursos didáticos e teóricos para não ficarem omissos diante de cenas explícitas de homofobia. Sensibilizá-los para que percebam que o respeito à livre orientação sexual merece e deve ter a mesma atenção e cuidado dado a outras formas de discriminação, como o racismo e o sexismo. Expandir a "cultura de direitos" que deve permear a sociedade brasileira, visando o desenvolvimento livre e saudável da pessoa humana.

Módulo 1 Apresentação, pacto da equipe com participantes e orientação quanto à elaboração de atividades (Equipes CORSA/ECOS); Módulo 2 Desenvolvimento Psicosocial e Sexual - Claudio Picazio (psicólogo clínico); Módulo 3 Lesbianidade, Gênero e Religião - Valéria Busin (Católicas Pelo Direito de Decidir); Módulo 4 Heteronormatividade e Homofobia na Escola - Beto de Jesus (Inst. Edson Neris) e Lula Ramires (CORSA/FEUSP); Módulo 5 Travestilidade e Transexualidade - Bárbara Graner (CASVI); Módulo 6 Vulnerabilidade e DST/HIV/Aids - Cristiane Gonçalves da Silva (NEPAIDS); Módulo 7 Elaboração de Projetos / Planos de Ação (Beto de Jesus); Módulo 8 Aspectos Jurídicos e a Luta por Direitos do Movimento GLBT - Thomazzo (Grupo CORSA) e Lula Ramires (CORSA/FEUSP) Módulo 9 Avaliação do curso e proposta de ações de continuidade junto a comunidade escolar. Equipe do projeto: Sylvia Cavasin Sandra Unbehaum Lula Ramirez Isabel Costa Edmilson Alves de Medeiros Edemir da Silva