Você está na página 1de 25

PROJECTO - CASO

“A obesidade Infantil”
Educação e Comunicação em Saúde
Dietética - 2º Ano - 1º Semestre
1. Introdução

 Obesidade Infantil

• Nos últimos tempos, tem havido um


aumento alarmante de crianças e
adolescentes obesos

• É função do dietista incentivar o


adolescente a ter hábitos alimentares
saudáveis de forma a que este retire da
sua dieta os alimentos prejudiciais
1. Introdução

• Em 90% dos casos, criança obesa será


um adulto obeso.

• No entanto, o aumento do nº de
crianças obesas não depende
totalmente dos factores genéticos, mas
claramente do estilo de vida das
mesmas.
1. Introdução
• Podemos facilmente observar o
aumento assustador da oferta
de alimentos de alto valor
calórico, altos índices de
gordura saturada e péssimo
valor nutritivo.
• Alimentos esses, que são
transmitidos à cabeça das
crianças, numa verdadeira
lavagem cerebral através de
poderosos veículos de
comunicação, como a
televisão.
1. Introdução
• A televisão, os computadores
domésticos e os videojogos são
responsáveis pela redução
considerável da actividade física das
crianças.

• As crianças passam a maior parte dos


seus tempos livres em frente ao
televisor/computador em vez de
brincarem dos espaços públicos que
dispõem.
2. Enquadramento Teórico
 Obesidade Infantil - O
que está por trás disso?
Processo Alimentar e Actividade Física

• Além da questão da qualidade da


alimentação a falta de limites para a
quantidade do alimento ingerido, a falta de
critérios para horários das refeições
também são factores que facilitam a
obesidade
A nível das Emoções

• É comum crianças obesas manifestarem


uma auto estima e uma auto imagem
fragilizadas assim como o sentimento de
desvalorização

Adaptação Social

• Os obesos não se encaixam no padrão


estético da sociedade
• A criança vai sentir-se inadequada nas
suas funções e relacionamentos
Orientações para os Pais

- Incentivar hábitos alimentares


saudáveis

- Incentivar a prática de actividade


física

- Estar atento para os seus


sentimentos e as dinâmicas das
relações que estabelece com os
outros, principalmente na própria
família onde se encontra os laços
afectivos primordiais da sua vida.
Indicações para uma vida com mais
saúde

Os pais podem contribuir com a saúde e


padrão alimentar dos filhos, adoptando
medidas simples, como:
- Controlar o número de horas gastas em
frente à TV, computador e videojogos;
- Não comprar alimentos desnecessários ou
pouco saudáveis;
- Evitar substituir o jantar por lanches à base de
hambúrgueres e refrigerantes;
- Aderir a um estilo de alimentação saudável, não
sendo esta simplesmente para a criança obesa,
mas também para a família.
 A obesidade tem como
consequências:
- Níveis elevados de colesterol;

- Triglicerídeos;

- Diabetes tipo 2,

- Hipertensão Arterial

- Doenças cardiovasculares;

- Doenças Cérebro vasculares


Parte Prática
3. Pesquisa
• Análises Clínicas:

- Glicose: 120

• Colesterol Total: 210


• Colestrol HDL: 78,3 (40,0 – 140,0)
• Colestrol LDL:185,2 ( < 190,0)
• Proteínas totais: 5,8 normal ( 6,4 – 8,3)
• Triglicéridos: 56,2

• RX:

- Escoliose em S de raios largos e convexidade


inferior esquerda, com báscula de bacia para a
esquerda observando-se de um desnível de 8,8mm
das cristas ilíacas. Sem listese de corpos vertebrais.
4. Problema: Alta taxa de Obesidade Infantil

5. Objectivos:
• Perceber causas da obesidade
• Actuar a nível da prevenção

6. Finalidade: incentivar a hábitos alimentares


saudáveis, e dar a conhecer os possíveis riscos
que uma pessoa obesa corre.

7. Alvo: Adolescente obeso e pais


8. Metodologia
8.1. Questionários
8.1.1. Ao utente…
• Nome: João
• Sexo: Masculino
• Idade: 15 anos
• Peso: 84kg
• Altura:1,60m
• I.M.C: 32,81 (obesidade) Foto do utente
• Outras doenças: nenhuma
Alimentação Habitual:

• Pequeno almoço ( 7h):


Uma bola com chocolate ( uma colher de
chá)

• Meio da manhã:
Um ou dois bolos de pastelaria

• Almoço (12h-13h):

- Almoço na cantina ( mas não come sopa e


troca a peça de fruta por um doce ex:
mousse de chocolate, pudim…)
- pizza
- “Mc Donald’s”
• Lanche:

- as 17h : igual ao pequeno almoço


- as 18h30: chá mais bolachas Maria
- antes do jantar se tiver fome ainda come
biscoitos, bolachas…

• Jantar: Sopa mais pão

• Carne: fiambre, mortadela, hambúrguer,


bifes e costeletas (fritas)
• Peixe: nenhum ( não gosta)
• Peça de fruta por semana: 0
• Leite:0
• Derivados do Leite: Em pequenas
quantidades
• Água: ½ litro por dia
• Horas á frente da televisão: 1h/dia
• Horas á frente do computador: 4h/dia
• Horas de activ. Física p/semana: 3h
• Riscos da Obesidade: desconhece
• A nível psicológico: baixa auto estima,
revolta devido aos maus tratos dados
pelo pai
8.1.2. À mãe…

• História da obesidade na família: raras


excepções
• Confeccionamento das refeições: não dá
muita importância
•Obesidade do filho: não mostra
preocupação com o problema do filho
8.2. Actividades que tem de ser
concluídas

• Implementar hábitos alimentares saudáveis

• Incentivar o exercício físico

• Aconselhamento psicológico a nível da


rejeição por parte da sociedade e de si
próprio

• Ajudar a resolver eventuais conflitos que


sejam um possível factor para a obesidade

• Organização de acções de formação


relacionadas com a obesidade infantil nas
escolas
9. Pontos de Referência

• IMC
• Análises Clínicas
• Raio X tórax
• Auto-estima do utente
• Hábitos Alimentares
• Estado de espírito
• Quantidade de massa gorda
• Prática de exercício físico
10.Recursos

Recursos
• Consultório e afins
• Enfermeiros
• Dietista
• Médico
• Psicólogo
• Professor de educação física.
Recursos financeiros:
Carece de financiamento
especifico de 25000€
11. Estimativas de tempo

• 54 Semanas mais tempo adicional


segundo as necessidades do doente

12. Programa
• Pesquisa bibliográfica;
• Distribuição de tarefas;
• Interacção com o paciente e pais;
• Avaliação e acompanhamento;
• Redacção de um relatório final
13. Conclusões
• A obesidade não é apenas uma doença
causada por factores genéticos e maus
hábitos alimentares, mas sim poderá surgir
como refugio de algum distúrbio psicológico.

• A família deveria ser um apoio considerável


neste tipo de problemática, no entanto
verificou-se que no estudo caso isso não
acontecia, pois havia uma certa hostilidade
no ambiente familiar ( maus tratos) e por
outro lado a mãe também não proporcionava
ao filho o melhor tipo de alimentação.
13. Conclusões (cont.)
• Analisando o questionário, pode-se verificar que o
utente por vezes almoçava fast – food pois havia
uma grande oferta desse tipo de alimentação
próximo da sua escola, o que não deveria
acontecer.

• Achamos que seria muito importante a


implementação de maior informação acerca da
alimentação a nível das escolas tanto às crianças
ou adolescentes como também aos pais.

O utente desconhece os riscos da obesidade


14.Bibliografia
• www.wikipedia.org/wiki/obesidade
• www.abcdasaude.com.br
• www.medicosdeportugal.iol.pt
• www.publico.clix.pt
• McKeith,Gillian; Somos o que comemos;
Editoral Presença;2ªEdição;2006
Trabalho realizado por:
• Filipa Reis nº 30472
• Lisa Gonçalves nº 30475
• Odete Simões nº 30480