Você está na página 1de 42

1

Coerência e Coesão – Abordagens…

1 Coerência e Coesão – Abordagens… Coerência e Coesão Abordagens… pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

Coerência e Coesão

Abordagens…

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

2

Coerência e Coesão – Abordagens…

2 Coerência e Coesão – Abordagens… 1. O Programa de Português e o Dicionário Terminológico pjgs_2010_Expressões10_

1. O Programa de Português e o Dicionário Terminológico

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

3

Coerência e Coesão – Abordagens…

3 Coerência e Coesão – Abordagens… 2. Coerência pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

2. Coerência

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

4

Coerência e Coesão – Abordagens…

No Dicionário Terminológico…

4 Coerência e Coesão – Abordagens… No Dicionário Terminológico… A coerência textual é um fenómeno que

A coerência textual é um fenómeno que resulta da interacção entre factores macroestruturais e microestruturais existentes no texto, graças à criatividade, ao trabalho oficinal e à intencionalidade do autor factores que envolvem modelos genológicos, tipos de texto, relações de intertextualidade, núcleos temáticos, campos lexicais e semânticos, isotopias e mecanismos

4 Coerência e Coesão – Abordagens… No Dicionário Terminológico… A coerência textual é um fenómeno que
4 Coerência e Coesão – Abordagens… No Dicionário Terminológico… A coerência textual é um fenómeno que

sintácticos e a capacidade interpretativa do receptor/leitor, que tem de cooperar na construção da coerência do texto com a sua competência linguística, a sua enciclopédia, a sua memória literária e cultural e a sua visão hermenêutica.

4 Coerência e Coesão – Abordagens… No Dicionário Terminológico… A coerência textual é um fenómeno que

É estreita a interligação entre a coerência textual e a coesão textual, mas com uma diferença relevante: esta última é exclusivamente de âmbito intratextual e não depende da capacidade e das estratégias interpretativas do leitor/receptor.

4 Coerência e Coesão – Abordagens… No Dicionário Terminológico… A coerência textual é um fenómeno que

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

5

Coerência e Coesão – Abordagens…

5 Coerência e Coesão – Abordagens… Entre outros aspectos relevantes, falta a referência clara e explícita

Entre outros aspectos relevantes, falta a referência clara e

explícita ao mundo exterior ao texto, que condiciona a construção textual (produção / recepção).

5 Coerência e Coesão – Abordagens… Entre outros aspectos relevantes, falta a referência clara e explícita

A coerência resulta da

interacção entre os elementos cognitivos apresentados pelas ocorrências textuais, enraizados na intenção comunicativa, e o nosso conhecimento do mundo.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

6

Coerência e Coesão – Abordagens…

6 Coerência e Coesão – Abordagens… 1. Coerência lógico-conceptual CONCEPTUALIZAÇÃO Existe num texto cujo conteúdo está

1. Coerência lógico-conceptual

CONCEPTUALIZAÇÃO

6 Coerência e Coesão – Abordagens… 1. Coerência lógico-conceptual CONCEPTUALIZAÇÃO Existe num texto cujo conteúdo está

Existe num texto cujo

conteúdo está de acordo com o

6 Coerência e Coesão – Abordagens… 1. Coerência lógico-conceptual CONCEPTUALIZAÇÃO Existe num texto cujo conteúdo está

mundo tal como o concebemos, assente em relações de

índole diversa (tempo, espaço, causa, fim, meio), e que, portanto, respeita princípios referentes à natureza lógica e regular dos conceitos. São estes princípios:

  • a. a regra da não contradição;

  • b. a regra da não tautologia;

VEROSIMILHANÇA

  • c. a regra da relevância.

SEMÂNTICO-REFERENCIAL

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

7

Coerência e Coesão – Abordagens…

7 Coerência e Coesão – Abordagens… 2. Coerência pragmático-funcional Nasce da intenção comunicativa . Logo, depende

2. Coerência pragmático-funcional

7 Coerência e Coesão – Abordagens… 2. Coerência pragmático-funcional Nasce da intenção comunicativa . Logo, depende

Nasce da intenção comunicativa. Logo, depende dos actos ilocutórios e do objectivo que se pretende atingir com a linguagem. Para se considerar coerente

um determinado texto, há que atender à intenção do locutor e ao fim do enunciado, por sua vez associado aos actos de fala dos outros interlocutores.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

8

Coerência e Coesão – Abordagens…

8 Coerência e Coesão – Abordagens… Um texto é coerente se os elementos / esquemas cognitivos

Um texto é coerente se os elementos / esquemas cognitivos activados pelas expressões linguísticas forem conformes com aquilo que sabemos ser:

  • 1. a estrutura das situações descritas;

  • 2. as relações lógicas entre as situações;

  • 3. as propriedades características dos objectos de

um mundo “normal”.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

9

Coerência e Coesão – Abordagens…

9 Coerência e Coesão – Abordagens… Quando um texto apresenta uma situação “anormal” , fornece instruções

Quando um texto apresenta uma situação “anormal”,

fornece instruções específicas para que o

alocutário/ouvinte/leitor interprete os elementos activados…

9 Coerência e Coesão – Abordagens… Quando um texto apresenta uma situação “anormal” , fornece instruções

Apesar de o barulho na estação ser ensurdecedor, ele dormia profundamente naquele banco frio.

A conexão concessiva funciona como instrução para que a situação descrita seja interpretada como não conforme ao esperado.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

10

Coerência e Coesão – Abordagens…

10 Coerência e Coesão – Abordagens… Parece impossível ! O homem ajudou aquela família anos a
10 Coerência e Coesão – Abordagens… Parece impossível ! O homem ajudou aquela família anos a

Parece impossível! O homem ajudou aquela família anos a fio. Caiu numa cama e eles nem se dignaram chamar o médico.

10 Coerência e Coesão – Abordagens… Parece impossível ! O homem ajudou aquela família anos a

O comentário avaliativo parece impossível e a expressão nem se dignaram assinalam que um dado facto (o comportamento deles em relação àquele homem) deve ser interpretado como anormal.

11

Coerência e Coesão – Abordagens…

11 Coerência e Coesão – Abordagens… Quando um texto apresenta situações fictícias , longe da normalidade…

Quando um texto apresenta situações fictícias, longe da normalidade…

11 Coerência e Coesão – Abordagens… Quando um texto apresenta situações fictícias , longe da normalidade…

Imaginei-me a pairar sobre o rio…

A utilização de um verbo imaginar é uma instrução para a interpretação do conteúdo proposicional da frase.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

12

Coerência e Coesão – Abordagens…

12 Coerência e Coesão – Abordagens… A interpretação de expressões, frases, parágrafos ou textos muito marcados

A interpretação de expressões, frases, parágrafos ou textos muito marcados por artifícios estilísticos depende da competência interpretativa do alocutário/leitor/ouvinte.

“Benefício da coerência”

Graus de coerência textual

13

Coerência e Coesão – Abordagens…

13 Coerência e Coesão – Abordagens… Exemplos de ordenação coerente de sequências… As unidades textuais formadas

Exemplos de ordenação coerente de sequências…

As unidades textuais formadas por conexões interfrásicas obedecem a condições cognitivas gerais e devem satisfazer relações lógico-semânticas entre as situações do mundo “normal”:

Nas orações coordenadas que descrevem sequências de factos

… a ordem linear das sequências deverá ser isomórfica da ordenação temporal relativa aos factos descritos

Cheguei, vi e venci.

*Venci, cheguei e vi. [Frase agramatical]

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

14

Coerência e Coesão – Abordagens…

Nas sequências textuais formadas por subordinação

… a condição cognitiva é que reconheçamos relações de causa/condição/consequência… entre as situações descritas.

Houve muitas inundações porque choveu excessivamente.

*Houve muitas inundações porque não choveu excessivamente. [Frase agramatical]

15

Coerência e Coesão – Abordagens…

Quando as sequências textuais que descrevem estados, a sua ordenação normal obedece, em geral, a certas relações lógicas entre indivíduos e propriedades (i.e., classe-elemento, todo- -parte) e a princípios cognitivos a que estão sujeitas a percepção e a atenção.

A primeira sala era maravilhosa. Ao

A primeira sala era maravilhosa. Ao

centro, havia uma mesa

centro, havia uma mesa

majestosa e à sua volta descansavam doze elegantes cadeiras. O

majestosa e à sua volta, sob um robusto tampo, descansavam

doze elegantes cadeiras. tampo da mesa era robusto.
doze elegantes cadeiras.
tampo da mesa era robusto.

Localização espacial conforme à percepção de um objecto

16

Coerência e Coesão – Abordagens…

Quando é a ordem de percepção e de conhecimento

das situações descritas que determina a ordem das sequências, são utilizadas formas linguísticas destinadas a assegurar a coerência.

Entrei no salão. Primeiro vi que, ao fundo, crescia um busto

Entrei no salão. Ao fundo, sobre um pedestal de madeira negra,

crescia um busto branco de D. Carlos. O rei estendia, ainda, por

branco de D. Carlos. O rei estendia, ainda, por todo aquele espaço

a imponência de uma monarquia moribunda nas ruas. Só depois

todo aquele espaço a imponência de uma monarquia moribunda

reparei que o busto se encontrava sobre um pedestal de madeira

nas ruas.

negra.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

17

Coerência e Coesão – Abordagens…

selecção de informação
selecção de informação

A evolução de um texto e a

respectiva

selecção dos tópicos, com a

explícita ou implícita,

determinam, muitas vezes, uma ordenação das sequências

textuais que não é

isomórfica

da

ordenação

temporal ou lógica das situações descritas.

O Pavilhão Atlântico estava cheio. Os Gaiteiros de Lisboa apresentaram o

seu último álbum, passando por alguns dos seus temas mais conhecidos

dos álbuns anteriores. Porém, o concerto começou com uma hora de atraso

porque quem ia fazer a primeira parte era o Vitorino

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

18

Coerência e Coesão – Abordagens…

ESTRUTURA TEMÁTICA E ESTRUTURA INFORMACIONAL

Do ponto de vista cognitivo, um texto pode ser visto como um processo de activação de conhecimentos e suposições partilhados pelos intervenientes na produção e interpretação desse texto e, simultaneamente, como um processo de introdução e armazenagem de elementos cognitivos novos.

19

Assim…

… um texto fala

sempre de um ou

mais assuntos

o(s) tópico(s) /

tema(s)

Coerência e Coesão – Abordagens…

… e o que diz acerca do(s)

tópico(s) / tema(s) o

comentário / rema

acrescenta elementos

adicionais.

O modo como o texto vai apresentando os tópicos / temas a sua estrutura temática e o modo como distribui a informação que apresenta estrutura informacional

estão profundamente ligados.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

20

Coerência e Coesão – Abordagens…

Os tópicos / temas…

Tópico / tema discursivo expressão que funciona como tópico de

unidades textuais superiores ao período.

Tópico / tema frásico expressão que funciona como tópico de uma

frase.

… podem denotar indivíduos, conceitos, propriedades ou relações, enquadramentos espácio-temporais relativos a quaisquer universos de referência.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

21

Tópico / tema

Coerência e Coesão – Abordagens…

Comentário / rema

O meu carro avariou e deixou-me em maus lençóis.

21 Coerência e Coesão – Abordagens… Comentário / rema O meu carro avariou e deixou-me em

Quanto à felicidade, todos sabem como é necessária.

21 Coerência e Coesão – Abordagens… Comentário / rema O meu carro avariou e deixou-me em

Estares assim não vai resolver o que quer que seja!

21 Coerência e Coesão – Abordagens… Comentário / rema O meu carro avariou e deixou-me em

22

Coerência e Coesão – Abordagens…

22 Coerência e Coesão – Abordagens… Tópico discursivo Era uma vez três traços , que viviam

Tópico discursivo

22 Coerência e Coesão – Abordagens… Tópico discursivo Era uma vez três traços , que viviam

Era uma vez três traços, que viviam sozinhos, um para cada lado. Dois

grandes e um pequenino.

Um dia, andavam eles a passear, tristes da sua solidão, quando de

22 Coerência e Coesão – Abordagens… Tópico discursivo Era uma vez três traços , que viviam
22 Coerência e Coesão – Abordagens… Tópico discursivo Era uma vez três traços , que viviam

repente [-] se encontraram. Ah! exclamaram os três em coro. E [-]

formaram um A. Os três tracinhos do A ficaram parados a ver quem

passava. […]

Co-referentes que

retomam o tópico

SOARES, Luísa Ducla, 1980. História das Cinco Vogais. Porto: Afrontamento

Sujeitos nulos que retomam o tópico

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

23

Coerência e Coesão – Abordagens…

23 Coerência e Coesão – Abordagens… Para que a estrutura de um texto seja coerente… …

Para que a estrutura de um texto seja coerente…

… é necessário que os elementos cognitivos

fornecidos pelo comentário/rema

sejam relevantes acerca do tópico.

RELEVÂNCIA

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

24

Envolve…

Coerência e Coesão – Abordagens…

RELEVÂNCIA

24 Envolve… Coerência e Coesão – Abordagens… RELEVÂNCIA … relações conceptuais que o comentário/rema deve manter

relações conceptuais que o comentário/rema deve manter com o tópico/tema (semelhança ou identidade; oposição; hiperonímia ou hiponímia; holonímia ou meronímia);

selecção daqueles comentários/remas que, num determinado momento preciso do desenvolvimento do texto, e na situação concreta de produção-intepretação, são considerados pelo locutor como contributos para a

progressão temática do texto.

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

25

Coerência e Coesão – Abordagens…

25 Coerência e Coesão – Abordagens… 3. Coesão pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

3. Coesão

pjgs_2010_Expressões10_ Porto Editora

26

Coerência e Coesão – Abordagens…

No Dicionário Terminológico…

26 Coerência e Coesão – Abordagens… No Dicionário Terminológico… mecanismos linguísticos que na continuidade do sentido

mecanismos linguísticos

que na

 

continuidade do sentido entre

da estrutura de superfície textual. Esses

Termo que designa os

linearidade do texto instituem a

os diversos elementos

mecanismos compreendem processos léxico-gramaticais,

de entre os quais se destacam as cadeias de referência, as reiterações e substituições lexicais (coesão lexical), os conectores interfrásicos (coesão interfrásica) e a ordenação correlativa dos tempos verbais. A unidade semântica do texto é assim assegurada por uma organização formal que permite

articular e interligar sequencialmente diversos componentes.

27

Coerência e Coesão – Abordagens…

27 Coerência e Coesão – Abordagens… A coesão diz respeito … … a todos processa a
27 Coerência e Coesão – Abordagens… A coesão diz respeito … … a todos processa a

A coesão diz respeito

a todos

processa a

os

meios pelos quais, num texto, se

ligação entre os seus componentes

(palavras, orações, frases e parágrafos), de modo que eles

transmitam correctamente a ideia apresentada.

28

Coerência e Coesão – Abordagens…

28 Coerência e Coesão – Abordagens… MECANISMOS DE COESÃO 1. Coesão gramatical Frásica Interfrásica Temporo-aspectual Referencial

MECANISMOS DE COESÃO

1. Coesão gramatical

Frásica

Interfrásica

Temporo-aspectual

Referencial

29

Coesão frásica

Coerência e Coesão – Abordagens…

29 Coesão frásica Coerência e Coesão – Abordagens… Mecanismos que asseguram uma ligação significativa entre os

Mecanismos que asseguram uma ligação significativa entre os elementos linguísticos que ocorrem a nível sintagmático e oracional.

PROCESSOS

  • a. Ordenação das palavras e das funções sintácticas;

  • b. Concordância;

  • c. Regências;

  • d. Presença de complementos exigidos pelos verbos.

30

Coerência e Coesão – Abordagens…

30 Coerência e Coesão – Abordagens… A A AA nossa televisão corresponde aos anseios anseios dos

AAAA nossa televisão corresponde aos anseios anseios dos jovens. jovens. jovens.

nossa televisão corresponde aos

nossa televisão corresponde

nossa televisão

corresponde

aos

aos anseios

anseios dos

dos

dos jovens.

Frase coesa:

. ordenação sintáctica corrente na língua portuguesa;

. concordância correcta em género e número entre todos os

elementos lexicais;

. respeito pela regência do verbo;

. presença do complemento exigido pelo verbo principal transitivo

indirecto.

31

Coerência e Coesão – Abordagens…

*Os meus irmãos e eu fui ao cinema. [Frase agramatical]

*Os meus irmãos e eu fui ao cinema.

31 Coerência e Coesão – Abordagens… * Os meus irmãos e eu fui ao cinema. [Frase

Frase não coesa:

. núcleo verbal não concorda em número com o sujeito composto da frase.

* Naquela situação, decidiu abdicar ao cargo. [Frase agramatical]

* Naquela situação, decidiu abdicar ao cargo.

Frase não coesa:

. não é respeitada a regência de preposição instituída pelo verbo abdicar

que exige a preposição de.

32

Coesão interfrásica

Coerência e Coesão – Abordagens…

32 Coesão interfrásica Coerência e Coesão – Abordagens… É assegurada por processos de sequencialização que exprimem

É assegurada por processos de sequencialização que

exprimem vários tipos de interdependência semântica das

frases.

PROCESSOS

  • a. Coordenação;

  • b. Subordinação;

  • c. Conectores e organizadores do discurso;

  • d. Pontuação.

33

Coerência e Coesão – Abordagens…

33 Coerência e Coesão – Abordagens… Ainda Eça de Queirós, na cauda da manifestação, tagarelava com

Ainda Eça de Queirós, na cauda da manifestação, tagarelava com Camilo

Castelo Branco, na presença da Nudez Forte da Verdade, quando um frémito

percorreu o

arvoredo

33 Coerência e Coesão – Abordagens… Ainda Eça de Queirós, na cauda da manifestação, tagarelava com

a turbilhão, mas foi

33 Coerência e Coesão – Abordagens… Ainda Eça de Queirós, na cauda da manifestação, tagarelava com

suficientemente sensível para que um sujeito que comia um bife na Portugália

33 Coerência e Coesão – Abordagens… Ainda Eça de Queirós, na cauda da manifestação, tagarelava com

exclamasse: “Ena, pá!” O busto de Cesário Verde convocava

o de Guerra

Junqueiro e desafiava-o para um desfile. E de busto em busto se transmitiu que

não era justo que as estátuas em corpo inteiro se manifestassem e que os

bustos

se ficassem. Afinal, se nos bustos havia um corpo incompleto, a verdade

é que exibiam “mais

de um poeta,

mas não me parece que tenha sido Junqueiro ou Verde.

CARVALHO, Mário de, “Corpos incompletos”, in Mealibra, n.º 16, série 3, Verão 2005

PARATAXE

34

Coerência e Coesão – Abordagens…

Coesão temporo-aspectual

34 Coerência e Coesão – Abordagens… Coesão temporo-aspectual Mecanismo que coordena os enunciados de acordo com

Mecanismo que coordena os enunciados de acordo com uma

lógica de ordenação temporal das situações, numa

sequencialização que respeita o conhecimento do mundo

partilhado pelos falantes.

PROCESSOS

  • a. uso correlativo dos modos e tempos verbais;

  • b. recurso a advérbios e/ou locuções adverbiais;

  • c. utilização de expressões preposicionais com valor temporal;

  • d. uso de datas e marcas temporais;

  • e. recurso a articuladores indicadores de ordenação.

35

Coerência e Coesão – Abordagens…

35 Coerência e Coesão – Abordagens… Quando me levou à escola, o meu pai já tinha

Quando me levou à escola, o meu pai já tinha deixado a

Quando me levou à escola, o meu pai já tinha deixado a

minha avó na clínica.

minha avó na clínica.

Frase coesa:

. duas situações distintas cuja ordenação é indicada pelos tempos.

Antigamente, os jovens dedicam-se mais à leitura. [Frase agramatical]

Antigamente, os jovens dedicam-se mais à leitura.

Frase não coesa:

. o tempo verbal utilizado não corresponde à marca temporal que abre a

frase e que remete para um tempo passado.

36

Coesão referencial

Coerência e Coesão – Abordagens…

36 Coesão referencial Coerência e Coesão – Abordagens… Mecanismo que assenta na existência de cadeias de

Mecanismo que assenta na existência de cadeias de

referência ou anafóricas, constituídas por um elemento

linguístico o referente que é retomado por outro(s)

co-referente(s), cujo entendimento só é possível

atendendo ao significado do referente.

37

Coerência e Coesão – Abordagens…

PROCESSOS

37 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Anáfora ele disse-me que o seu médico o

a. Anáfora

ele
ele
37 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Anáfora ele disse-me que o seu médico o

disse-me que o seu médico

o
o

Ao sair da escola, encontrei o Armando e

atendera rapidamente.

37 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Anáfora ele disse-me que o seu médico o

b. Catáfora

Após a consulta e o que nela

lhe
lhe
37 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Anáfora ele disse-me que o seu médico o

fora dito, o jovem sossegou.

38

  • c. Elipse

Coerência e Coesão – Abordagens…

38 c. Elipse Coerência e Coesão – Abordagens… O Armando foi à consulta e [-] sossegou.
38 c. Elipse Coerência e Coesão – Abordagens… O Armando foi à consulta e [-] sossegou.

O Armando foi à consulta e

[-]
[-]

sossegou.

  • d. Co-referência não anafórica

38 c. Elipse Coerência e Coesão – Abordagens… O Armando foi à consulta e [-] sossegou.
38 c. Elipse Coerência e Coesão – Abordagens… O Armando foi à consulta e [-] sossegou.

O pequeno gato aventurou-se no mundo. A cria ganhou liberdade.

38 c. Elipse Coerência e Coesão – Abordagens… O Armando foi à consulta e [-] sossegou.

39

e. Deixis

Coerência e Coesão – Abordagens…

39 e. Deixis Coerência e Coesão – Abordagens… . Pessoal . Temporal Eu estava em minha

. Pessoal

. Temporal

Eu estava em minha casa quando ligaste.

Eu estava em minha casa quando ligaste.

Ontem, depois do jantar, vi o Telejornal, como sempre ...

Ontem, depois do jantar, vi o Telejornal, como sempre...

. Espacial

Passa-me esse livro que está ao lado da jarra, por favor.

Passa-me esse livro que está ao lado da jarra, por favor.

. Textual

A ideia antes exposta ...

/ como se referiu no capítulo

anterior… / como se demonstrou acima… / veremos

seguidamente…

40

Coerência e Coesão – Abordagens…

40 Coerência e Coesão – Abordagens… 2. Coesão lexical Mecanismo que se baseia na repetição da

2. Coesão lexical

Mecanismo que se baseia na repetição da mesma palavra

ao longo do texto ou na sua substituição por outras que

com ela se relacionam em termos de hierarquia, equivalência

ou oposição semântica, de modo a constituir uma rede

semântica adequada ao tema desenvolvido.

41

Coerência e Coesão – Abordagens…

PROCESSOS

41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.
  • a. Repetição

41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.
41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.

A criança é a força do futuro. A criança é a expectativa de renovação e é na

criança que assenta a esperança de um mundo melhor.

  • b. Sinonímia / antonímia

41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.
41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.

Adoro as lembranças que certos odores me despertam. Os cheiros do mar

e da areia, por exemplo, trazem-me imediatamente à memória as férias em

família.

41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.
41 Coerência e Coesão – Abordagens… PROCESSOS a. Repetição A criança é a força do futuro.

Ao ver a caixa cheia, desejava no seu íntimo que estivesse já vazia.

42

Coerência e Coesão – Abordagens…

42 Coerência e Coesão – Abordagens… c. Hiperonímia / hiponímia Certos ossos do nosso corpo são

c. Hiperonímia / hiponímia

42 Coerência e Coesão – Abordagens… c. Hiperonímia / hiponímia Certos ossos do nosso corpo são
42 Coerência e Coesão – Abordagens… c. Hiperonímia / hiponímia Certos ossos do nosso corpo são

Certos ossos do nosso corpo são mais vulneráveis às quedas. O fémur, por

exemplo, exige atenções redobradas quando se praticam esforços

violentos.

d. Holonímia / meronímia

42 Coerência e Coesão – Abordagens… c. Hiperonímia / hiponímia Certos ossos do nosso corpo são
42 Coerência e Coesão – Abordagens… c. Hiperonímia / hiponímia Certos ossos do nosso corpo são
42 Coerência e Coesão – Abordagens… c. Hiperonímia / hiponímia Certos ossos do nosso corpo são

Naquela casa tudo a atraía. Os quartos luminosos, as salas coloridas, a

cozinha espaçosa e funcional.