Você está na página 1de 41

ESTRUTURAS METÁLICAS:

ELEMENTOS TRACIONADOS
Dimensionamento segundo a ABNT NBR-8800:2008
Prof. Juliete Ribeiro
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
 Item 5.2 – Barras prismáticas submetidas à força axial de
tração

Nt,Sd ≤ Nt,Rd

Nt,Sd: força axial de tração solicitante de cálculo;


Nt,Rd: força axial de tração resistente de cálculo;
 Ag f y  Estado limite de escoamento da seção bruta
  a1
N t ,Rd  
(menor dos valores)

 Estado limite de ruptura da seção líquida


 Ae fu  a
2
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008

Força resistente de cálculo:


Aço estrutural, pinos e
parafusos ( a)
Combinações
Escoamento e
Instabilidade Ruptura
fk (a1) (a2)
fd  Normais 1,10 1,35
m
Especiais ou de
construção 1,10 1,35

Excepcionais 1,00 1,15

fd - resistência de cálculo ou projeto Tabela 3 – NBR 8800

fk - resistência característica
m - coeficiente de ponderação
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
Área bruta Ag X Área líquida An
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
 Área Líquida Efetiva:
Ae = An Ct

An - Área líquida da seção transversal da barra (item 5.2.4)


Ct - Coeficiente de redução da área líquida (item 5.2.5), igual a
1,0
quando a transmissão da força de tração se dá sem reduções.

 
 Área Líquida em ligação parafusada com uma linha única de
A  t  b
parafusos:  2mm
1,5mm
n paraf
espessura largura diâmetro do bordo avariado folga do
da peça da parafuso na estampagem furo padrão
peça do furo
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
 Área Líquida An em ligação com duas ou mais linhas de parafusos:

número de furos na
seção de ruptura

valor somado para cada


linha oblíqua ligando
dois furos não alinhados
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
• No caso de uma série de furos distribuídos transversalmente ao eixo da barra, em
diagonal ou em ziguezague, a largura líquida dessa parte da barra deve ser calculada
deduzindo-se da largura bruta a soma dos diâmetros de todos os furos da cadeia, e
somando-se para cada linha ligando dois furos a quantidade s2/4g , onde:
• s é a distância longitudinal de centro a centro entre dois furos consecutivos;

• g é a distância transversal de centro a centro entre duas linhas de furos.


Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
 Área Líquida An

Para a ligação a seguir, três hipóteses a analisar:

Para o dimensionamento, prevalecerá a menor delas.


Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
• A largura líquida crítica daquela parte da barra será obtida pela cadeia de furos que
produza a menor das larguras críticas, para as diferentes possibilidades de linhas de
ruptura;

• Exemplo: Determinar a área líquida mínima da placa da figura abaixo. São utilizados
parafusos de 22,2 mm puncionados.

d = 22,2 + 3,5 = 25,7 mm = 2,57 cm


Seção ABCD
bn1 = 305 – 2 x 25,7 = 253,6 mm
Seção ABECD

54 2 54 2
bn 2  305  3  25,7  
4  64 4 102
bn 2  305  77,1  11,39  7,15
bn 2  246,44mm
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
Seção ABEGH

54 2 182
bn 3  305  3  25,7  
4  64 4 102
bn 3  305  77,1  11,39  0,79
bn 3  240,08mm

Seção ABEF
Como a menor distância encontrada foi a da
54 2 seção ABEGH, ela controla. Assim a área
bn 4  305  2  25,7 
4  64 mais crítica será:
bn 4  305  51,4  11,39
bn 4  264,99mm An  b3  e
An  240,08  6,35
An  1524,51mm2
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008

• Área Liquida Efetiva (Ae)

• É a área líquida (An) multiplicada por um coeficiente de redução para levar em conta
concentrações de tensões que surgem em função da aplicação de cargas.

• Ae = A n x C t

• onde:

• Ct é um coeficiente de redução da área líquida que tem os seguintes valores:

• Ct = 1,00 quando a força de tração for transmitida diretamente para cada um dos componentes
da seção transversal da barra (abas, alma, ctc.) por soldas ou parafusos;
Peças Tracionadas
NBR 8800:2008
• Área Liquida Efetiva (Ae)
• C  Ac ;
t
Ag
• quando a força de tração for transmitida somente por soldas transversais, sendo:

• Ac é a área da seção transversal dos componentes conectados;

ec
0,60  Ct  1   0,90;
l
• nas barras de seções
c transversais abertas, quando a força de tração for transmitida para alguns (não

todos) componentes da seção transversal (abas, alma, etc.) somente por parafusos ou somente por
soldas longitudinais ou ainda por uma combinação de soldas longitudinais e transversais,
Peças Tracionadas
Coeficiente de redução da área líquida (Item
5.2.5-c)

Redução aplicada nas ligações com perfis ec


de Ct  
seção aberta, apresentando excentricidade: 1 l 0,6

Tensão de tração na área líquida uniforme:

Quanto maior o comprimento l da ligação, menor a redução.

Ref: PFEIL, Walter, PFEIL, Michèle, Estruturas de aço: dimensionamento prático. 8a ed., Ed. LTC, 2009
Peças Tracionadas
Coeficiente de redução da área líquida (Item
5.2.5-d)

Redução, nas chapas planas, quando a força de tração for


transmitida somente por soldas longitudinais ao longo de ambas as
bordas:

Quanto maior o comprimento da ligação, menor a


redução.
Peças Tracionadas
Coeficiente de redução da área líquida (Item
5.2.5-b)

Redução, quando a força de tração for transmitida


somente por soldas transversais:

Ac
Ct  A
g

Nas seções tubulares retangulares ou circulares  itens 5.2.5-d e e.

Ref: PFEIL, Walter, PFEIL, Michèle, Estruturas de aço: dimensionamento prático. 8a ed., Ed. LTC, 2009
Peças Tracionadas
Limite de Esbeltez

 Índice de Esbeltez (item 5.2.8):



  r 300
 Recomenda-se que o índice de esbeltez das barras tracionadas,
tomado como a maior relação entre o comprimento destravado e o raio
de giração correspondente, não supere 300.
Barras
secundárias

Barras secundárias

• Esforço nulo.
• Quebra de comprimento de flambagem.
Deslocamentos Máximos
• d0: é a contraflecha da viga;

• d1: é o deslocamento devido às ações permanentes, sem efeitos de longa duração;

• d2: é o deslocamento devido aos efeitos de longa duração das cargas permanentes (se houver);

• d3: é o deslocamento devido às ações variáveis;

• dmax:é o deslocamento máximo da viga no estágio final de carregamento;

• dtotal = d1+ d2 + d3
Exercícios Resolvidos: Exemplo 1
• Exemplos
• Calcular a espessura necessária de uma chapa de 100 mm de largura, sujeita a um esforço
axial permanente de 360 kN. Utilizar aço MR-250.

100mm
N = 360 kN

100mm

?
Exercícios Resolvidos: Exemplo 1
• Solução:
Ag  f y
N tAg , Rd 
 a1
Ag  f y
N tAg , Rd 
1,10
10  t  25
360 1,35 
t = 2,14 cm, no mínimo. Procurando na 1,10tabela de chapas encontra-se a
espessura mais próxima,
t nesse
2,14 cm caso
ou2,54
21,4cmmmou 25,4 mm ou 1”
(polegada).
Exercícios Resolvidos: Exemplo 2
• Uma cantoneira de “L 200 x 20” de aço A36 está ligada a uma outra peça por 3 filas de
parafusos M20 (diâmetro 20 mm) furo puncionado, como indicado na abaixo. Os dados do
problema (referidos à figura) são:

• b1 = 200 mm g1 = 76 mm

• b2 = 200 mm g2 = 76 mm

• t = 20 mm g3 = 114 mm

• Determine o valor da resistência de cálculo à tração da cantoneira para s = 50 mm;


Exercícios Resolvidos: Exemplo 2
Dimensionamento
• Solução

• Escoamento da barra
Ag  f y 7600  0,25
N tAg , Rd  
b = b1 + b2 - t = 200 + 200 - 20 = 380 mm  a1 1,10
Ag = b x t = 380 x 20 = 7600 mm2 N tAg , Rd  1727,3kN

• Ruptura da seção parafusada

d =  + 3,5 mm = 20 + 3,5 = 23,5 mm

Cálculo de bn

Seção ABDE
b2
bn  b   d  
4g
bn  380  2  23,5
bn  333mm
Exercícios Resolvidos: Exemplo 2
• Seção ABCDE

• gv = g2 + g3 - t = 76 + 114 - 20 = 170 mm

b2
bn  b   d  
4g
50 2 50 2
bn  380   3  23,5  
4  76 4 170
bn  321,4mm

• An = bn x t = 321,4 x 20 = 6428 mm2

• Ae = Ct x An = 1,0 x 6428 mm = 5958 mm2

Ae  f u 6428  0,40
N tAe , Rd  
 a1 1,35
N tAe , Rd  1904,6kN

• O escoamento da barra é o estado limite mais crítico: N Rd  N tAe , Rd  1727,3kN


Exercícios Resolvidos: Exemplo 3
• Selecionar um perfil W 200 de aço ASTM A572 Grau 50, para uma força axial
de tração de 630 kN, sendo 130 kN de ações permanentes e 500 kN de
ações variáveis. O elemento tem um comprimento de 7,6 m. Verificar a sua
resistência considerando as ligações parafusadas nas extremidades
conforme figura abaixo. Furos puncionados.
Exercícios Resolvidos: Exemplo 3
Exercícios Resolvidos: Exemplo 3
Exercícios Resolvidos: Exemplo 4
• Verificar a resistência de uma cantoneira L102 x 12,7 de aço ASTM A36, para
uma força axial de tração de 315 kN, sendo 65 kN de ações permanentes e
250 kN de ações variáveis. O elemento tem um comprimento de 5,0 m.
Considerar as ligações parafusadas nas extremidade se conforme mostrado.
Furos broqueados.
Exercícios Resolvidos: Exemplo 4
Exercícios Resolvidos: Exemplo 4
Exercícios Resolvidos: Exemplo 5

• Verificar a resistência de um perfil WT 155 x 26,0 (cortado do W 310 x 52,0) de aço ASTM A572
Grau 50, para uma força axial de tração de 630 kN, sendo 130 kN de ações permanentes e 500
kN de ações variáveis. O elemento tem um comprimento de 5,5 m. Consideraras ligações
soldadas nas extremidades conforme apresentado. Supor que a solda e a chapa de ligação
estão ok.
Exercícios Resolvidos: Exemplo 5
Exercício 1: Chapa simples
tracionada
• Calcular a espessura necessária de uma chapa de 100 mm de
largura, sujeita a um esforço axial de 100 kN (10 tf) de cálculo.
Resolver o problema para o aço MR250.
Exercício 2: Chapa com múltiplos
furos
• Determinar a menor área liquida efetiva Ae para a chapa
representada a seguir. Os furos são para parafusos de diâmetro
1”(2,54cm), as dimensões verticais entre furos são 3”, 5”, 5”e
3”(7,62cm; 12,7cm; 12,7cm e 7,62cm), totalizando 16”(40,64cm),
as dimensões horizontais são sempre iguais a 3”(7,62cm) e a
espessura vale t = (3/4)”(1, 905cm).
Exercício 3: Emenda de Chapas
Parafusadas por transpasse
• Duas chapas de 280x20 mm de aço MR250 (ASTM A36) são
emendadas por transpasse, com parafusos de diâmetro 20 mm e
com os furos sendo realizados por punção. Calcular o esforço
resistente de projeto das chapas, admitindo-as submetidas `a
tração axial Nsd.
Exercício 4: Cantoneira com
abas desiguais parafusada em
aba única
• Uma cantoneira L3(1/2)x(3/8)”(22,58x0,953cm) está conectada a
uma chapa Gusset por parafusos de 22,22mm. Sendo o tipo do
aço A36 (MR250), a carga permanente de equipamentos aplicada
de 115,69kN e a carga variável de uso de 66,72kN, determine se
o elemento ´e capaz de resistir as solicitações impostas. Assumir
que Ct = 0, 85 e Ag = 16,13cm².
Exercício 5: Barra composta com
cantoneiras parafusadas
• Um perfil formado por duas cantoneiras L 5x3x5/16”LLBB (long-
legs back-to-back) de aço A36 (MR250) está sujeito a esforços de
tração. Determinar a força axial de tração resistente de cálculo
assumindo-se Ct = 0, 75, área da cantoneira de 15,55cm² e furos
para parafusos de 1/2”(1,27 cm). Observar ainda que uma
cantoneira L 5x3x5/16” é aproximadamente equivalentem a L
12,7x7,62x0,794 cm.
Exercício 6
• Cantoneira simples com ambas as abas conectadas Para a
cantoneira L178x102x12,7 (7”x4”x1/2”), com valor de raio de
giração mínimo rmin = 2, 21cm, indicada na figura (a) e (b)
abaixo, determinar:
• a) a área líquida efetiva, sendo os conectores de diâmetro igual a
7/8”(aproximadamente 22,2mm);
• b) o maior comprimento admissível, para esbeltez máxima igual a
300.