Você está na página 1de 35

CINCO LIÇÕES DE

PSICANÁLISE
1907

1921
Primeira Lição
 Freud foi convidado a dar palestras na Clark University
 Segundo o próprio Freud foi seu primeiro
Reconhecimento
 Freud afirma que o Dr. Breuer como o primeiro a aplicar
a Técnica
 Não há necessidade de ser MÉDICO
Caso Anna O.

 Paralisia espática
 Perturbações dos movimentos oculares
 Alteração da Visão
 Não conseguia manter a cabeça erguida
 Tosse nervosa
 Não comia e não bebia
 Perda da capacidade verbal
 Delírio
 Absene (Ausência)
Caso Anna O.
 Nada Físico foi constatado (coração, rins, etc...) ,
tudo normal

 Diagnóstico Histeria em substituição ao de


afecção cerebral orgânica grave

 Médicos da época com dificuldades para o


diagnóstico de histeria

 Dr. Breuer percebe que durante as ausências ela


murmurava palavras
Caso Anna O.

 Dr. Breuer a hipinotizava e ela falava dessas


fantasias Intensamente Afetivas

 A paciente nomeia esse tratamento como TALKING


CURE (Cura pela fala ou pela conversação)

 Lembrança com exteriorização afetiva Promovia o


desaparecimento do Sintoma
Anna bebe água
Descobertas de Breuer

 Dr. Breuer descobre que seus


sintomas apareceram depois de
TRAUMAS PSÍQUICOS

 HISTÉRICOS
 Sofrem de REMINISCÊNCIAS
 Resíduos e símbolos MNÊMICOS de
experiências Traumáticas
Histéricos e Neuróticos
 Ficam presos emocionalmente a acontecimentos
dolorosos que se deram a muito tempo

 Fixação nos Traumas


 Característica importante dos Neuróticos

 Conversão Histérica
 Inervações e Inibições Somáticas
 Exagero de catexia em um processo emocional
Histéricos e Neuróticos

 Situações Esquecidas Arquivadas no Inconsciente


que era acessado através da hipnose

 Estados Hipinoídes
 Estados em que não há descarga normal da
excitação

 Freud acha incompleta a observação de Breuer


Segunda Lição
 Dr. Charcot em Paris cuidava de histéricas em
Salpêtrière

 Freud foi aluno de Dr. Charcot

 Dr. Charcot não se inclinaria a concepções


psicólogicas

 Freud abandona o hipnotismo, pois alega não


conseguir hipnotizar parte de seus pacientes
Segunda Lição
 Freud classifica a hipnose como algo místico

 Freud tenta trazer as lembranças sem hipnose

 Percebe a resistência e a nomeia como


REPRESSÃO

 REPRESSÃO é a incompatibilidade entre a idéia e


o ego
La Leçon clinique du Dr Chacot
Motivos da repressão
 Aspirações Individuais
 Aspirações Éticass
 Aspirações Morais
 Desprazer causado pelo impulso desejoso
 Proteção da Personalidade
 Exemplo do auditório
 Ego se esforça para se defender das
recordações penosas
 Psicanalista “pacificador” entre o desejo e a
Repressão
Motivos da repressão
 Substituição da idéia reprimida por um Sintoma

 Para resolução do problema deve-se caminhar do


Sintoma até a idéia reprimida

 O paciente aceita o desejo ou dirige para algo


mais elevado IRREPREENSÍVEL, o que se chama
SUBLIMAÇÃO ou reconhece como JUSTA a
REPULSA
Terceira Lição
 Define o complexo como idéias
interdependentes, catexidas de enengia
afetiva ( Escola de Zurique, Jung)

 Busca dos traumas através de Associações


Livres (exemplo: quadros)

 Reconsidera a utilidade da hipnose, mas


prefere a LIVRE ASSOCIAÇÃO

 Aperfeiçoamento do método da Livre


Associação por Jung
Terceira Lição
 Classifica como importante:
 A Interpretação dos Sonhos
 Estudos dos Lapso
 Atos Falhos
 Atos Causais

 Interpretação dos Sonhos “estrada direta” ao


INCONSCIENTE

 Psicanalista deve estudar os próprios sonhos


Sonhos
 O Conteúdo Manifesto do Sonho que é a
deformação dos pensamentos inconscientes do
sonho

 As deformações são as defesas do ego

 Deformações = Resistências

 Pensamento Latentes do Sonho através de


associações descobre-se os “verdadeiros”
sentido do sonho
Sonho causado pelo
vôo de uma abelha
em redor de uma
romã , um segundo
antes de despertar
Salvador Dali

SONHO É UM PROCESSO DE
SATISFAÇÃO DO DESEJO, MAS É
PRECISO UMA INTERPRETAÇÃO
Atos falhos

 Os ATOS FALHOS exprimem impulsos e


intenções que devem ficar OCULTOS a própria
consciência

 Exemplos
 Trocar palavras
 Mudar ou Esquecer nomes
Determinismo Psíquico

O psicanalista acredita no DETERMINISMO DA


VIDA MENTAL, ou seja não há acasos na vida
psíquica
Quarta Lição

 O exame psicanalítico relaciona sintomas


mórbidos a impressão da VIDA ÉROTICA do
doente
 Acredita que há outros fatores que não o sexual,
porém acredita que o determinante é o fator
sexual, e os outros reforçam o mesmo
 Admite a dificuldade das pessoas em aceitar a
origem sexual dos problemas
 Os pacientes ocultam sua vida sexual
Quarta lição

 O fatos traumáticos na maioria acontecem na


infância como desejos sexuais

 Afirma a existência da Sexualidade infantil

 Cita dois trabalhos sobre a sexualidade, obra do


Dr. Stanford Bell antes de sua obra “Três Ensaios
sobre a Teoria da Sexualidade”
Quarta lição
 Cita o caso do menino “Hans” observado pelo
próprio pai

 A excitação infantil advém não só dos orgãos


genitais, como dos orifícios da boca, ânus, uretra,
pele e outras superfícies sensoriais

 Lugares do corpo que proporcionam prazer


sexual é classificada como “ZONAS EROGENAS”
Quarta lição

 Sadismo (prazer em causar sofrimento)

 Masoquismo (prazer em sofrer)

 A criança tem uma disposição parcial para


homossexualidade
Quarta lição
 A repressão dos desejos sexuais levam alguns
adultos a PERVERSÃO
 A neurose aparece da perturbação do
desenvolvimento sexual
 A sexualidade não se limita a procriação
 A sexualidade é considerada no sentido mais
amplo pelo psicanalista
 A criança toma um dos seus genitores como
objeto de seus desejos eróticos
Quarta lição
 O pai prefere a filha
 A mãe prefere o filho
 A criança deseja o lugar do Pai se menino, o da
Mãe se menina.
 Estas relações não são , só de ternura como
também de hostilidades
 Mito de Édipo como manifestação de desejo
infantil
 A criança também cria suas “ teorias sexuais”
Édipo e Antígona sendo exilados de Tebas
Teoria da Sexualidade Infantil
What is on a man´s mind
Quinta lição

 Reforça a idéia que os indivíduos adoecem por


não satisfazerem suas necessidades sexuais

 A doença aparece como substituto para


satisfação de tais desejos

 A doença se dá através da regressão às primeiras


fases da vida sexual
Quinta lição
 Homem encontra a fuga nas fantasias para
realizar seus desejos

 Tais fantasias, podem-se transmudar-se para


criações artísticas, sublimando portanto a
neurose

 Quando a libido não encontra refugio nesse dons,


então tem-se o reavivamento dos desejos infantis
gerando então a NEUROSE
Quinta lição
 Os conteúdos emocionais “difíceis” aparecem
também nos “normais’, porém quantidade e
proporção dos choques, será o resultado da luta
a saúde, a neurose ou a compensação através da
sublimação
 Na Transferência, o doente consagra ao
psicanalista seus sentimentos afetuosos, e hostis,
que aparecem de antigas fantasias tornadas
Inconscientes
 A Transferência fornece a chave para o
INCONSCIENTE do doente
Quinta lição

 A TRANSFERÊNCIA ocorre o tempo todo nas


relações humanas

 DO Tratamento psicanalitico pode vir a


sublimação de sentimentos que outrora
causavam imensa dor

 O individuo pode levar uma vida sexual


satisfatória livrando-se de suas neuroses
A PSICANÁLISE LIBERTA OS
DESEJOS INCONSCIENTES