Você está na página 1de 35

PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO

ROTEIRO DE CÁLCULO
PARA SISTEMA DE HIDRANTES

REFERÊNCIA: INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17 CBMMG


EQUAÇÕES UTILIZADAS – ESGUICHOS

 VAZÃO REAL EM BOCAIS

Q= c.A. 2.g.h

Q = vazão no bocal (m3/s)


c = coef. de descarga (0,97 - esguichos)
A = Área da seção do requinte (esguicho) (m2 )
g = aceleração gravitacional (m/s2)
h = pressão dinâmica no esguicho (m)
EQUAÇÕES UTILIZADAS – ESGUICHOS

Isolando (h) da fórmula de vazão em bocais

Q = c.A. 2.g.h

temos:

h= 8 . Q2
¶2 . c2 . DE4. g
EQUAÇÕES UTILIZADAS – TUBULAÇÕES E
MANGUEIRAS

HAZEN -WILLIANS

H= 1 . Q 1,85 . L
(0,2785 . C)1,85 D 4,87

H = perda de carga na tubulação ou mangueira (m)


C = coef. dependente do tipo de material
 Tubos em f.g. ou aço => C=100
 Tubos em PVC/PAD => C=140
 Mangueiras de borracha => C=140
L = comprimento da tubulação ou mangueira (m)
Q = vazão (m3/s)
D = diâmetro da tubulação ou mangueira (m)
EQUAÇÕES UTILIZADAS - TUBULAÇÕES

 FAIR-WHIPLE-HSIAO

*Q = 27,113 . J 0,532 . DT 2,596

Q = vazão (m3/s)
J = perda de carga unitária (m/m)
DT = diâmetro da tubulação (m)

* aplicada só para o cálculo das tubulações


EQUAÇÕES UTILIZADAS - MANGUEIRAS

 WEISSBACH

* HM = f . L . V2
2 . g . DM
HM = perda de carga na mangueira (m)
f = coef. de atrito - 0,022
L = comprimento da mangueira (m)
V = velocidade do fluxo (m/s)
g = aceleração gravitacional (m/s2)
DM = diâmetro da mangueira (m)

* aplicada só para o cálculo das mangueiras


SISTEMÁTICA DE CÁLCULO

Dada uma instalação


qualquer, conforme figura ao
lado, onde a pressão é fornecida
por um reservatório (R), pressão
essa que é representada pela
altura manométrica estática (H)
ou desnível, sabemos que a
vazão de saída (Q), é uma função
da pressão líquida disponível no
esguicho (E), e que pode ser
expressa de acordo com a
fórmula dos Bocais.
SISTEMÁTICA DE CÁLCULO

Sabemos que a altura líquida


ou pressão atuante no bocal (h) é
igual a altura estática (desnível) (H),
deduzida as perdas de carga; e as
perdas são de duas naturezas
distintas: a primeira delas acontece
na tubulação rígida (T) e é obtida
pelos processos recomendados pela
NB 92/80 (instalações de água fria),
enquanto a segunda acontece na
mangueira (M), e pode ser calculada
pela fórmula de Hazzen Wiliam ou
Weissbach.
SISTEMÁTICA DE CÁLCULO

Desse modo: h = H - HT - HM

h = pressão dinâmica atuante esguicho (m)


* H = pressão estática ou desnível (m)
HT = perda de carga na tubulação (m)
HM = perda de carga na mangueira (m)

* No caso de sistema pressurizado por motobomba, H será


igual a altura manométrica fornecida pela bomba mais ou
menos o desnível (m).
SISTEMÁTICA DE CÁLCULO

 Quando a pressão atuante no esguicho, não for suficiente


para fornecer a Vazão exigida por Norma, conforme equação
de bocais:

Q = c.A. 2.g.h

Têm-se duas soluções:


1) Aumentar a altura estática quando possível ou;
2) Utilizar bomba auxiliar

Obs: Quando o reservatório estiver localizado abaixo da rede de


hidrante, obrigatoriamente deve-se utilizar bomba principal
que forneça altura manométrica suficiente para vencer as
perdas de carga (tubulação e mangueira) mais pressão
mínima no esguicho que garanta a vazão mínima exigida por
norma.
PERDA DE CARGA NA TUBULAÇÃO –
HAZZEN - WILLIAM

Como: HT = J . L

L = LR + Leq
Usando tubo em f.g, e substituindo
C=100 na equação, temos
Perda de carga unitária (J) igual:
J = 0,002123 . Q 1,85
DT 4,87
Portanto a perda de carga na
tubulação é igual:

HT = 0,002123 . Q 1,85 . L
DT 4,87
PERDA DE CARGA NA MANGUEIRA
HAZZEN WILLIAM

Como: Hm = J . Lm

Lm = Comprimento Mangueira
Substituindo C=140 na equação, temos perda de
carga unitária (J):

J = 0,001395 . Q 1,85
Dm 4,87

Portanto a perda de carga na mangueira é igual:

Hm = 0,001395 . Q 1,85 . Lm
Dm 4,87
EXEMPLO DE CÁLCULO

 Determinar a Vazão Real do Hidrante mais desfavoráveis da


rede (trabalhando simultaneamente com o segundo mais
desfavorável), cuja perspectiva isométrica é mostrada na
figura abaixo.
EXEMPLO DE CÁLCULO

 Dados:

I - Rede de Hidrante em (FG) de 63mm (2.1/2”);

Convenções da Rede
1. Entrada de borda
2. Cotovelo 90°
3. Registro de gaveta
4. Válvula de retenção
5. Te Bilateral
6. Te de Lado
EXEMPLO DE CÁLCULO

 Dados:

II - Instalado no Hidrante 1 e 2:
01. Registro globo angular de 63 mm;
01. Lance de Mangueira de 38mm - 20m;
01. Esguicho com requinte de 13 mm
CÁLCULO PARA HIDRANTE 01
1) PERDA DE CARGA NA TUBULAÇÃO – TECHO Q=250 L/M
a) Determinar Comprimento Total da Tubulaçãö:
Ltotal = Lreal + Lequivalente

L Real
Lreal = 1,0 + 6,0 => Lreal = 7,0 m

L equivalente
1 Entrada de Borda 2.1/2” = 1,90 m
1 Cotovelo 90º 2.1/2” = 2,35 m
1 Registro de gaveta 2.1/2” = 0,40 m
1 Válvula de Retenção Vertical = 8,10 m
1 Tê Saída Bilateral = 4,16 m
Comprimento Equivalente = 16,91 m

L total = 16,91 m + 7,0 m = 23,91 m


CÁLCULO PARA HIDRANTE 01

b) Perda de Carga Unitária (J) para Vazão 250 L/M:

J = 0,002123 . Q 1,85 , Q = Vazão em m3/s;


DT 4,87 DT = Diâmetro tubulação em m;

Portanto
J = 0,002123 . 0,00417 1,85 ,

0,063 4,87
J = 0,059 m/m

c) Perda de Carga na Tubulação (HT) para Vazão 250 L/M:

Como: HT = J . Ltotal

HT = 0,059 x 23,91

HT = 1,41 mca (Trecho de Vazão = 250 L/M)


CÁLCULO PARA HIDRANTE 01

2) PERDA DE CARGA NA TUBULAÇÃO – TRECHO Q=125L L/M


a) Determinar Comprimento Total da Tubulaçãö:
Ltotal = Lreal + Lequivalente

L Real
Lreal = 0,20 m

L equivalente
1 Registro globo angular 2.1/2” = 10,00 m
Comprimento Equivalente = 10 ,00 m

L total = 0,20 m + 10,0 m = 10,20 m


CÁLCULO PARA HIDRANTE 01

b) Perda de Carga Unitária (J) para Vazão 125 L/M:

J = 0,002123 . Q 1,85 , Q = Vazão em m3/s;


DT 4,87 DT = Diâmetro tubulação em m;

Portanto
J = 0,002123 . 0,002083 1,85 ,

0,063 4,87
J = 0,0163 m/m

c) Perda de Carga na Tubulação (HT) para Vazão 125 L/M:

Como: HT = J . Ltotal

HT = 0,0163 x 10,20

HT = 0,166 mca (Trecho de Vazão = 125 L/M)


CÁLCULO PARA HIDRANTE 01

3) PERDA DE CARGA TOTAL NA TUBULAÇÃO

HT = 1,41 mca (Trecho de Vazão = 250 L/M)


HT = 0,166 mca (Trecho de Vazão = 125 L/M)
HT = 1,576 mca

4) PERDA DE CARGA NA MANGUEIRA – VAZÃO = 125 L/M


a) Comprimento Total da Mangueira= 20 m

b) Perda de Carga Unitária (J) em mangueiras para Vazão 125 L/M:

J = 0,001395 . Q 1,85 Q = Vazão em m3/s;


Dm 4,87 Dm = Diâmetro mangueira em m;

J = 0,001395 . 0,002083 1,85

0,04 4,87
J = 0,098 m/m
CÁLCULO PARA HIDRANTE 01

c) Perda de Carga na Mangueira (Hm) para Vazão 125 L/M:

Como: Hm = J . Lmangueira

Hm = 0,098 x 20

Hm = 1,966 mca ( Vazão = 125 L/M)

5) CÁLCULO DA PRESSÃO ATUANTE NO ESGUICHO (h)

h = H - HT – HM h = pressão dinâmica atuante esguicho (m)


H = pressão estática ou desnível (m)
h = 6 - 1,576 – 1,966 HT = perda de carga na tubulação (m)
HM = perda de carga na mangueira (m)
h = 2,458 m.ca

Portanto a pressão disponível no esguicho é de 2,458 m.c.a


CÁLCULO PARA HIDRANTE 01

5) CÁLCULO DA VAZÃO DISPONÍVEL NO ESGUICHO

Q = c.A. 2.g.h

Q = vazão no bocal (m3/s)


c = coef. de descarga (0,97 - esguichos)
A = Área da seção do requinte (esguicho) (m2 )
g = aceleração gravitacional (9,81 m/s2)
h = pressão dinâmica no esguicho (m)

Para esguichos de 13 mm (0,013 m), tem-se

Q = 0,97x 0,0001327 2 x 9,81 x 2,458

Q = 0,000893 m3/s => Transformando em L/minuto

Q = 53,63 L/minuto
CONCLUSÃO

COMO A VAZÃO OBTIDA NO HIDRANTE MAIS


DESFAVORÁVEL FOI INFERIOR A VAZÃO EXIGIDA NA
INSTRUÇÃO TÉCNICA (125 L/MINUTO), DEVE-SE
UTILIZAR UMA BOMBA PARA FORNECER A VAZÃO E
PRESSÃO REQUERIDA PELA NORMA VIGENTE.
DIMENSIONAMENTO DE MOTOBOMBA

FORMULA PARA DIMENSIONAMENTO DE MOTOBOMBAS:

P= H . Q , onde
75 . n

P= Potência em cv;
H= Altura manométrica total que a bomba deverá fornecer em m.c.a;
Q= Vazão em l/s;
n= Rendimento da bomba em decimal;

• A altura manométrica total da bomba será a somatórias das perdas de


cargas (tubulações,e mangueira) ,mais a pressão necessária no
esguicho e + ou – o desnível geométrico do reservatório até o hidrante
considerado.
• Caso o reservatório esteja acima do hidrante considerado (desnível
geométrico favorável), essa pressão estática será subtraída;
• Caso o reservatório esteja abaixo do hidrante considerado (desnível
geométrico desfavorável), essa pressão estática será somada.
DIMENSIONAMENTO DE MOTOBOMBA

Desse modo:

H = HT + HM + h ± desnível geométrico

H = Altura manométrica (m)


HT = perda de carga na tubulação (m)
HM = perda de carga na mangueira (m)
h = pressão dinâmica atuante esguicho (m)
DIMENSIONAMENTO PARA A MOTOBOMBA DO
EXEMPLO

a) Perda de Carga na Tubulação (calculado anteriormente)


HT = 1,576 mca
b) Perda de Carga na Mangueira
HM = 1,966 mca
c) Pressão dinâmica atuante esguicho (m)
No caso da pressão atuante no esguicho, iremos calcular
através da fórmula de bocais considerando a vazão
mínima exigida por norma que é de 125 L/minuto
DIMENSIONAMENTO PARA A MOTOBOMBA DO
EXEMPLO

Isolando (h) da fórmula de vazão em bocais

h= 8 . Q2
Pi2 . c2 . DE4. G

Q = vazão no bocal (m3/s)


c = coef. de descarga (0,97 - esguichos)
A = Área da seção do requinte (esguicho) (m2 )
g = aceleração gravitacional (m/s2)
De = diâmetro do esguicho (m)
h = pressão dinâmica no esguicho (m)
DIMENSIONAMENTO PARA A MOTOBOMBA DO
EXEMPLO

Substituindo os valores na fórmula têm-se:

h= 8 _________ . 0,0020832
3,142 . 0,972 . 0,013 4. 9,81

h = 13,34 m.c.a Para Vazão de 125 L/minuto

Portanto Altura Manométrica para dimensionamento


da motobomba será de:

H= 1,576 + 1,966 + 13,34 – 6

H = 10,882 m.c.a (Altura Manométrica para


dimensionamento da Bomba)
DIMENSIONAMENTO PARA A MOTOBOMBA DO
EXEMPLO

SUBSTITUINDO NA FÓRMULA PARA DIMENSIONAMENTO DE


MOTOBOMBAS, TEMOS:

P= H . Q , onde
75 . n

P= Potência em cv;
H= Altura manométrica (Arredondado para 11,0 m.c.a;
Q= Vazão em l/s (250 L/MIN => 4,166 L/S);
n= Rendimento da bomba em decimal – Adotou-se rendimento de 0,6;

P = 11 x 4,166
75 x 0,6

P = 1,02 CV
SELEÇÃO DA MOTOBOMBA ATRAVÉS DA CURVA
CARACTERÍSTICA DA BOMBA

GERALMENTE NAS CURVAS CARACTERÍSTICAS DAS BOMBAS A


VAZÃO É APRESENTADA EM M3/H, PORTANDO OS DADOS DE
ENTRADA NA CURVA SERÃO:

H = 11 m.c.a
Q = 15 m3/h (250 L/MIN) (x1000/60)

OBS: SELECIONAR A BOMBA QUE FORNEÇA O MAIOR


RENDIMENTO PARA A VAZÃO E ALTURA REQUERIDA.

• UTILIZANDO O CATÁLOGO DA KSB E O GRÁFICO DO MODELO


40-160, ENCONTRAREMOS A BOMBA MAIS ADEQUADA
CONFORME A SEGUIR:

• PLOTA-SE NO GRÁFICO A VAZÃO E PRESSÃO REQUERIDA;


• CASO O PONTO NÃO COINCIDIR COM O TRAÇADO DA CURVA,
ADOTA-SE A CURVA DA BOMBA IMEDIATAMENTE SUPERIOR;
SELEÇÃO DA MOTOBOMBA ATRAVÉS DA CURVA
CARACTERÍSTICA DA BOMBA

NESSE CASO O PONTO DE ENCONTRO ENTRE A VAZÃO E A


ALTURA MANOMÉTRICA COINCIDIU COM A CURVA DA BOMBA DE
ROTOR IGUAL A 151, E O PONTO FICOU ENTRE O RENDIMENTO
DE 54 A 59%.

A ALTURA MANONÉTRICA FORNECIDA PELA BOMBA FOI IGUAL A


11 m.c.a

TRANSPORTANDO O PONTO PARA O GRÁFICO DA POTÊNCIA,


TEREMOS UMA BOMBA DE POTÊNCIA = 1,5 HP
APROXIMADAMENTE IGUAL A 1 CV.
EXEMPLO DE CURVA CARACTERÍSTICA DA BOMBA
CÁLCULO DA VAZÃO REAL ATUANTO NO ESGUICHO
DO HIDRANTE 01 DO EXEMPLO
A Pressão atuante no esguicho será:

h = H - HT - HM + desnível geométrico favorável

H = Altura manométrica fornecida pela bomba (m.ca)


HT = perda de carga na tubulação (m.c.a)
HM = perda de carga na mangueira (m.c.a)
h = pressão dinâmica atuante esguicho (m.c.a)
Portanto:
h = 11 – 1,576 – 1,966 + 6

h = 13,458 m.c.a
CÁLCULO DA VAZÃO REAL ATUANTO NO ESGUICHO
DO HIDRANTE 01 DO EXEMPLO
Pressão líquida no esguicho = 13,458 m.c.a
Aplicando na fórmula de bocais encontraremos a vazão real:
Q = c.A.V 2.g.h

Q = vazão no bocal (m3/s)


c = coef. de descarga (0,97 - esguichos)
A = Área da seção do requinte (esguicho) (m2 )
g = aceleração gravitacional (9,81 m/s2)
h = pressão dinâmica no esguicho (m)

Para esguichos de 13 mm (0,013 m), tem-se

Q = 0,97x 0,0001327 V 2 x 9,81 x 13,458

Q = 0,00209162 m3/s => Transformando em L/minuto

Q = 125,50 L/minuto