Você está na página 1de 22

Utilização de produtos naturais

inibidores da acetilcolinesterase
(AChE) no tratamento da
doença de alzheimer (AD)
Mestrado em Engenharia Química e Biológica
Processos Industriais
Semestre de Inverno
Ano Letivo 2014/2015

Docentes: Discentes:
José Virgílio Prata Joana Sempiterno Nº 35628
Luísa Martins Luís Marques Nº 36317
António Velez Marques
Márcia Cardoso Nº 38503
Rita Pacheco
António Oliveira
2 Índice

 Doença de Alzheimer
 Inibidores da Acetilcolinesterase
 Ácido oleanólico isolado da casca da uva
 Atividade antioxidante
 Conclusões
3 Doença de Alzheimer
 Estudada pela primeira vez por Alois Alzheimer em 1906.
 As demências são doenças do cérebro, de causa
degenerativa.
 O Alzheimer tem características patológicas especificas
no cérebro, que permitem o seu diagnóstico.
4 Acetilcolinesterase
 Existe nas fendas sinápticas e está envolvido na
transmissão de sinal entre os neurónios.
 A síntese da acetilcolina acontece nos
terminais axoniais:

Colina-acetiltransferase
Colina + Acetilcoenzima A Acetilcolina + coenzima A

 Nos cérebros de pacientes com Alzheimer há


deficiência em acetilcolina (ACh)

 A enzima que catalisa a hidrólise da ACh é a


acetilcolinesterase, libertando uma molécula
de colina.
5 Inibidores de Acetilcolinesterase
 Os fármacos AChEIs inibem a acetilcolinesterase de
destruir a acetilcolina.
 Quatro AChEI estão aprovados pela Food and Drug
Administration (FDA).
 tacrina,
 donepezil,
 rivastigmina,
 galantamina.

 Não existem para já fármacos que curem


definitivamente a doença.
6 Fontes Naturais de AChEIs
Alcalóides

 Foco de investigação para novos protótipos de


AChEI.
 A fisostigmina - obtido de uma planta trepadora,
Physostigma venenosum .
Tem uma ação estimulante do sistema nervoso simpático

 A galantomina - obtido de espécies como Narcissus sp. e


Leucojum sp.

 A huperzina-A - obtido a partir da Huperzia serrata

 A viniferina-A obtido a partir da Galanthus nivalis

 O ácido ursólico obtidos a partir da Origanum majorana


7 Fontes Naturais de AChEIs
Terpenos.
 Como exemplo de compostos monoterpénicos
AChEI
 geraniol,
 A3-careno,
 limoneno e
 α-cariofileno.
 A variedade estrutural dos terpenóides prejudica a
descoberta de novos compostos

Glicosídeos e Cumarinas

 Os glicósidos e as cumarinas encontrados em diversas


família de plantas como a Acanthaceae e a
Tamaricaceae têm sido descritos como AChEI.
8 Fontes Naturais de AChEIs
Microrganismos
 Culturas de microrganismos (fungos), alvo de
estudo para o desenvolvimento de AChEI.

 Separação de produtos naturais AChEI produzidos


por fungos do solo:
 ciclofostina,
 arisugacina A e B,
 territrems B e C,
 ciclopenina. A1 A2

 Do Penicillium citrinum 90648, foram isoladas


quinolactacina A1 e A2:
 A quinolactacina A2 apresenta AChEi superior à estrutura
A1.
9
Métodos de Extração e
Isolamento de AChEIs
Separação de dois grupos principais de
compostos (alcaloides e não-alcalóides).

Separação de cada um alcaloide


individualmente utilizando técnicas de
separação

 Métodos gerais de extração de alcalóides de fontes


vegetais dependem de:
 Finalidade e escala de operação
 Quantidade e volume da matéria-prima a ser empregue
10
Métodos de Extração e
Isolamento de AChEIs

No passo inicial, a matéria-prima (material recolhida


da planta) é triturada de forma à obtenção de um
pó fino

Extração com solventes orgânicos miscíveis em água


Extração com solventes orgânicos imiscíveis em água
Extração com água

Recristalização fracionada
Destilação fracionada
Cromatografia líquida de alta eficiência preparativa
(HPLC) e cromatografia em camada fina de alta
eficiência preparativa (HPTLC)
11 Ácido oleanólico isolado da
casca de uva
 A uva possui ação antioxidante e anticancerígena.
 A casca da uva possui resveratrol :
 Controla o colesterol,
 Diminui a formação de coágulos
 Previne as tromboses

 O sumo da uva fortalece as funções cerebrais e


renais

Casca da uva
70% de ácido oleanólico
30% de cera (álcoois de cadeia longa)
12 Ácido oleanólico isolado da
casca de uva
 Ácido oleanólico é um
 triterpenóide pentacíclico

 Atividades biológicas:

 Constituinte neuro-protector
 analgésica,  anticolinesterásica,

 anti-inflamatória,  anti-hepatotóxica,

 antioxidante,  antifúngica,

 anticancerígena,  antibiótica.
13 Ácido oleanólico isolado da
casca de uva
 Estudos efetuados acerca da AChEI por parte do
ácido oleanólico
 Biodiversity and Environmental Research Center-BERC -
apresenta a AChEI de compostos extraídos de algumas
plantas.
 University of KwaZulu-Natal Pietermaritzburg - apresenta
a atividade AChEI e antioxidante de compostos como o
ácido oleanólico extraídos de plantas medicinais.
 Brasil - apresenta a atividade AChEI dos vários
compostos extraídos da Liquidambar styraciflua, e o
isolamento e a identificação dos fitoconstituintes do
extrato.
14 Extração e Isolamento do
Composto
O bagaço ou as cascas da uva são inicialmente
secas

O bagaço ou as cascas da uva secas são


extraídos com um solvente polar.

A solução que contém o ácido oleanólico é


filtrada e concentrada para obtenção do
extrato bruto.

O extrato é fracionado por cromatografia


líquida de alta performance preparativa (HPLC).

O solvente da solução que contém o ácido


oleanólico recolhido da coluna de HPLC
preparativo, é evaporado novamente.
15
Vantagens e Desvantagens em
comparação com as terapias
convencionais
Vantagens Desvantagens
Não apresenta efeitos
secundários Fraca capacidade de
inibição da AChE
Baixa toxicidade
Baixo custo da matéria
prima
Elevada disponibilidade na O ácido oleanólico
natureza extraído é caro
Atravessa facilmente a
barreira hematoencefálica
16 Atividade Antioxidante
 A presença de radicais livres está associada ao
desenvolvimento de doenças degenerativas.

 A doença de Alzheimer está associada a processos


inflamatórios, em que as espécies reativas de oxigénio estão
envolvidas.

 Têm sido desenvolvidas diferentes


terapêuticas - proteção p/ antioxidantes

diminuem a velocidade da taxa de


reações de oxidação.

 Este processo terapêutico é aplicado à doença de Alzheimer e


doença de Parkinson, podendo retardar a doença.
17 Conclusão
 O ácido oleanólico, como tripeno tem fraca potência como inibidor
da AChE, mas elevadas atividades biológicas e antioxidantes.
 Os processos mais usados para a extração e isolamento são o HPLC
e a extração supercrítica com CO2.
 É natural sem efeitos secundários significativos e baixa toxicidade,
elevada disponibilidade na natureza, e baixo custo de matéria-
prima.
 Possibilidade de produtos de valor acrescentado.
 É apolar e lipofilico.
 A dificuldade de extração, isolamento e síntese das plantas torna o
processo caro.
 Um dos métodos bastante usados, consiste na avaliação da
capacidade captora de radicais DPPH. Quanto menor o valor
obtido, maior a atividade antioxidante do composto.
Bibliografia
18
 [1] Castro, M., A bioenergética do músculo esquelético na Doença de Alzheimer, Universidade de
Trás-os-Montes e Alto Douro, 2012, Tese de Mestrado.
 [2] Nunes, B, Alzheimer 50 questões essenciais, Lidel saúde, Lisboa 2014
 [3] Coffey C., Kumar A, Ajilore, O., Imaging the structure of the aging brain. In Coffey E & Cummings
JL, eds. The American psychiatric publishing textbook of geriatric neuropsychiatry. American
Publishing Association, 2011, 3rd ed.
 [4] Cummings JL, Alzheimer’s disease. In Martin Dunitz eds. The neuropsychiatry of Alzheimer’s
disease and related disorders, 2003.
 [5] Von Strauss E, Vittanen M, de Ronchi D et al. Aging and the occurance of dementia. Arch
Neurol, 1999.
 [6] Letícia, S. Actividades Biológicas e Estruturas Secretoras em Artemisia campestris E Helichrysum
stoechas (ASTERACEAE). Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2010. Tese de
mestrado
 [7] Tümtürk, H., Șahin, F., Demirel, G., A new method for immobilization of acetylcholinesterase,
Bioprocess Biosyst Eng, 2007
 [8] Kamal, M. A., Greig, N. H., Alhomida, A. S., Al-Jafari, A. A., Kinetics of Human
Acetylcholinesterase Inhibition by the Novel Experimental Alzheimer Therapeutic Agent, Tolserine,
Biochemical Pharmacology, 2000
 [9] Șahin, F., Demirel, G., Tümtürk, H., A novel matrix for the immobilization of acetylcholinesterase,
International Journal of Biological Macromolecules, 2005
Bibliografia
19
 [10] Ferreira, A., Proença, C., Serralheiro, M.L.M., Araújo, M.E.M., The in vitro screening for
acetylcholinesterase inhibition and antioxidant activity of medicinal plants from Portugal, Journal of
Ethnopharmacology, 2006.
 [11] Mukherjee, P. K., Kumar, V., Mal, M., Houghton, P. J., Acetylcholinesterase inhibitors from plants,
Phytomedicine, 2007.
 [12] Associação Alzheimer Portugal, Inibidores da colinesterease, disponível em:
http://alzheimerportugal.org/pt/text-0-9-35-27-inibidores-da-colinesterase, consultado em 2014.11.23.
 [13] Heinrich, M., Teoh, H. L., Galanthamine from snowdrop—the development of a modern drug against
Alzheimer’s disease from local Caucasian knowledge, Journal of Ethnopharmacology, 2004.
 [14] Howes M.J.R., Perry N.S.L. e Houghton P.J., Plants with traditional uses and activities, relevant to the
management of Alzheimer's disease and other cognitive disorders. Phytotherapy Research, 2003.
 [15] Racchi M; Mazzucchelli M; Porrello E; Lanni C; Govoni S, Acetylcholinesterase inhibitors: novel activities
of old molecules. Pharmacol, 2004
 [16] Duoc, N., General Methods of Extraction and Isolation of Alkaloids, Epharmacognosy, 2007.
 [17] Scarpini E; Scheltens P; Feldman H (2003). Treatment of Alzheimer’s disease: current status and new
perspectives. Lancet Neurol 2.
 [18] Utah Valley University, College of Science and Health, disponível em:http://www.uvu.edu/csh/,
consultado dia 4/12/2014
 [19] Viegas, C., Furlan, V., Produtos Naturais como Candidatos a Farmacos úteis no tratamento do mal de
Alzheimer, Quim. Nova, Vol. 27, 2004.
 [20] Kuno, F.; Otoguro, K.; Shiomi, K.; Iwai, Y.; Omura, S.; J. Antibiot. 1996
20 Bibliografia
 [21] Liu, T., Zhao, J., Ma, L., Ding, Y., Su, D., Hepatoprotective Effects of Total Triterpenoids and Total
Flavonoids from Vitis vinifera L against Immunological Liver Injury in Mice, College of Public Health,
Xinjiang Medical University, Urumqi.
 [22] F. Radley et al., "The Composition of Grape Cuticle Wax," Aust. J. Chem., 1965
 [23] F. Radler, "The Surface Waves of the Sultana Vine (Vitis vinifera cv. Thompson Seedless)," Aust. J.
Biol. Sci., 1965
 [24] Jerz, G., Process for extracting oleanolic acid from plant material, US Patent, 2004
 [25] Ellman, G. L. et al. A new and rapid colorimetric determination of acetylcholinesterase activity.
Biochem Pharmacol., 1961.
 [26] Ali-Shtayeh, M., Jamous, R., Zaitoun S., Qasem, I., In-vitro screening of acetylcholinesterase
inhibitory activity of extracts from Palestinian indigenous flora in relation to the treatment of
Alzheimer’s disease, Biodiversity and Environmental Research Center-BERC,Nablus, 2014
 [27]Amoo, S., Aremu, A., Van Staden, M., Antioxidant and acetylcholinesterase-inhibitory properties
of long-term stored medicinal plants, Research Centre for Plant Growth and Development,
University of KwaZulu-Natal, Scottsville, 2012
 [28]Rashed, K., Sucupira, A., Ferreira, P., Feitosa, C., Phytoconstituents and evaluation of
acetylcholinesterase inhibition by methanol extract of Liquidambar Styraciflua (L.) aerial parts,
Journal of Applied Pharmacy, 2014
 [29] Mukhopadhyay M., “Natural Extracts Using Supercritical Carbon Dioxide”, CRC Press LLC, 2000.
21 Bibliografia
 [30] Antunes, A., “Setores da Indústria Química Orgânica”, E-papers, 2007.
 [31] Chronopoulou, L., Agatone, A., Palocci, C., Supercritical CO2 extraction of oleanolic acid from
grape pomace, International Journal of FoodScience & Technology, 2013
 [32] Chauhan V. e Chauhan A., Oxidative stress in Alzheimer's disease. Pathophysiology, 2006.
 [33] Stuchbury G. e Münch G., Alzheimer’s associated inflammation, potential drug targets and
future therapies. Journal of Neural Transmission, 2005
 [34] Kim K.S., Lee S., Lee Y.S., Jung S.H., Park Y., Shin K.H. e Kim B.K., Anti-oxidant activities of the
extracts from the herbs of Artemisia apiacea. Journal of Ethnopharmacology, 2003.
 [35] Houghton PJ, Howes M-J, Lee CC, Steventon G: Uses and abuses of in vitro tests in
ethnopharmacology: visualizing an elephant. J Ethnopharmacol 2007.
 [36] Inayatullah S, Prenzler PD, Obied HK, Rehman A, Mirza B: Bioprospecting traditional Pakistani
medicinal plants for potent antioxidants. Food Chem 2012
 [37] Nunes, M., determinação da capacidade antioxidante e parâmetros físico-químicos em
smoothies: estabilidade ao longo do tempo de armazenamento. Porto, Faculdade de Ciências da
Faculdade do Porto, 2012. Tese de mestrado
 [38] Ghafoor, K., Antioxidant properties of oleanolic acid from grape peel, Department of Food
Science and Nutrition, College of Food and Agricultural Sciences, King Saud University, 2014
 [39] L.A. Santiago, K.C. Dayrit,, P.C.B. Correa, A.B.R. Mayor, Comparison of antioxidant and free
radical scavenging activity of triterpenesα-amyrin, oleanolic acid and ursolic acid, Research Center
for the Natural and Applied Sciences, University of Santo Tomas, Philippines, 2013.
Obrigada pela vossa
22
atenção

18 de Janeiro de 2015