Você está na página 1de 210

OS JOVENS E O VIH/SIDA

Autores Informação Geral

Links Preservativo

Curiosidades
Tratamento

Contactos de Instituições
Teste do VIH

Jogos
Dados sobre VIH/SIDA
Como podes apoiar pessoas infectadas

Dúvidas de jovens como tu


Testemunhos de jovens infectados
O que é o VIH ? 1

A sigla VIH significa:

Vírus
Imunodeficiência
Humana
O VIH actua no sistema imunitário diminuindo as defesas do
organismo e pode causar o síndrome da imunodeficiência adquirida
(SIDA). Quando o sistema imunitário é atingido perde essa
capacidade de defesa e podem aparecer diversas infecções. Estas
infecções chamam-se oportunistas porque se aproveitam do
enfraquecimento das defesas do organismo.

1- Em Inglês, diz-se HIV- Human Immunodeficiency Virus.


O que é o VIH?
•O VIH é um vírus frágil que raramente sobrevive fora do
organismo.

•Quando entra no organismo, pode aí permanecer “silencioso”


ou “escondido” durante meses ou anos e ir fazendo
estragos no sistema imunitário.

Muito importante: As pessoas com um


aspecto saudável podem, sem o saber,
estar infectadas com o VIH e
transmitir o vírus a outras pessoas!
O que é a SIDA?

É a forma mais grave de infecção pelo VIH

A sigla SIDA significa:


Síndrome – conjunto de manifestações, sintomas e sinais que
caracterizam uma doença

Imuno - O sistema imunitário é responsável pela defesa do


nosso organismo antes de possíveis doenças

Deficiência- Falta, ausência


Adquirida- Não é hereditária mas sim causada pelo contacto
com o vírus
O que é a SIDA?

•Quando uma pessoa se infecta, o vírus destrói o sistema


imunitário e, após algum tempo, pode contrair diferentes
tipos de doenças que deterioram a sua saúde.

•É neste momento que se pode falar de SIDA.

•O período de tempo que vai desde o momento de infecção


até ao diagnóstico de SIDA pode variar de pessoa para
pessoa, do tipo de cuidados prestados e da toma dos
medicamentos.
Como é que se transmite o VIH?

O VIH transmite-se unicamente através de:


• Relações sexuais não protegidas com um parceiro infectado

• Contacto directo com o sangue de uma pessoa infectada

• Mãe infectada para o feto ou filho recém-nascido  


•Relações sexuais não protegidas com um
parceiro infectado

Qualquer relação não protegida pode causar a infecção porque não


podemos saber se o nosso parceiro é portador do VIH.

Relações sexuais vaginais:


- O VIH contido no esperma de um
homem pode passar para a circulação
       
sanguínea da mulher através de
pequenas lesões existentes na parede
da vagina. Ainda que o homem retire o
pénis antes de ejacular (coito
interrompido), pode transmitir o vírus,
uma vez que este está presente no
líquido que precede a ejaculação.
-O VIH contido nas secreções vaginais da mulher pode passar
para a circulação sanguínea do homem através de pequenas
lesões existentes no pénis.

Relações sexuais anais:


-O VIH pode passar para a circulação
sanguínea do/a parceiro/a através de
pequenas ou mesmo invisíveis lesões
existentes na parede do ânus.
Relações sexuais orais:

- O VIH pode ser contraído pelo contacto


entre os fluidos sexuais (esperma no
homem ou secreções vaginais na mulher) e
a mucosa da boca do parceiro, se esta
tiver pequenas feridas, aftas ou infecções
(mesmo que não sejam visíveis a olho nu).
•Contacto directo com o sangue de uma
pessoa infectada
O vírus também se transmite quando o sangue de uma pessoa
infectada entra em contacto directo com o sangue de outra
pessoa.

Por exemplo, por partilha de seringas e agulhas, tatuagem,


brincos, manicura ou piercing não devidamente desinfectado.
•De mãe para filho

Uma mulher infectada pelo VIH pode transmitir o vírus


ao seu bebé, durante a gravidez, parto ou aleitamento.
Como é que NÃO se transmite o VIH?

Em relações sociais com pessoas infectadas em:


•Locais de trabalho
•Escola
•Locais públicos

Na convivência com uma pessoa infectada através:


•Saliva
•Lágrimas
•Suor
•Manifestações afectivas
(beijar, abraçar e acariciar)
A prevenção da infecção por contacto com o sangue é
feita pela:

• Não partilha de objectos cortantes ou perfurantes como agulhas


de tatuagem, lâminas de barbear, piercing’s, brincos, escova de
dentes, tesouras, limas, corta-unhas…

• Não partilha de material usado para a preparação de drogas


injectáveis como agulhas, colheres, algodão, caricas, seringas,
limão, água…

• Desinfecção de todos os objectos.

Deve ter-se sempre um material pessoal, nunca partilhá-lo com


ninguém e desinfectá-lo de cada vez que é usado.

Trocar as seringas usadas por um “KIT” que é dado gratuitamente


nas farmácias.
O que fazer para desinfectar as seringas?

1) Colocar a lixívia num recipiente (ex.:copo)

2) Aspirar a lixívia para a seringa através da agulha

3) Deitar fora para o lavatório.

• Repetir isto 3 ou 4 vezes.


• Pode também pôr-se a agulha e a seringa num recipiente com lixívia e água
(1 parte de lixívia para 10 de água) e deixá-las ali mergulhadas durante 20
minutos.

• Deitar fora, no lavatório, a lixívia que se usou para desinfectar os


objectos.

• Passar tudo por água da torneira durante alguns minutos.

• Limpar o recipiente e o lavatório com um pouco de lixívia e depois passar


tudo por água da torneira durante alguns minutos.

Se não houver lixívia, pode usar-se álcool.

Para desinfectar outros objectos como brincos ou piercing’s fazer o


mesmo, mergulhá-lhos em água com lixívia ou álcool.
Prevenção da infecção por transmissão mãe-
bebé.

Uma mulher que esteja infectada por VIH/SIDA e que queira


ter filhos ou que já esteja grávida, deve consultar o seu
médico para saber quais os riscos para ela e para o seu bebé.

Actualmente, algumas mulheres e


homens portadores de VIH/SIDA já
podem ter filhos. Existem algumas
técnicas que permitem fazer com que
os bebés nasçam saudáveis, como por
exemplo, a lavagem do esperma, a
fecundação in vitro e medicamentos
antiretrovirais.
Todos podem ser infectados pelo VIH?

SIM!
O VIH não escolhe sexo, nacionalidade, idade, cultura, etnia,
religião ou classe sócio-económica.

Não interessa quem és, mas o que fazes!

Basta que tenhas comportamentos de risco como, por exemplo, ter


relações sexuais sem preservativo ou partilhar seringas usadas,
para que possas ser infectado.

Voltar à página inicial


Como Prevenir a Infecção por VIH/SIDA?

A prevenção da infecção por contacto com os


fluidos sexuais só pode ser feita com segurança através
do uso de preservativo.

Os métodos contraceptivos como a pílula, o dispositivo intra-


uterino, ou o coito interrompido não protegem da infecção
por VIH/SIDA.
O uso do preservativo é a única forma de te protegeres do VIH/SIDA
quando queres ter relações sexuais com alguém.

Para além de te proteger do VIH/SIDA, o preservativo também é o meio


mais eficaz de prevenires outras infecções sexualmente transmissíveis,
como as hepatites ou a sífilis e uma gravidez não desejada.

As pessoas infectadas com o VIH/SIDA, se usarem o preservativo


correctamente, podem ter relações sexuais sem contagiarem o parceiro.

Só se o preservativo não for bem conservado, utilizado e colocado


(exceptuando defeitos de fabrico) é que se pode romper. Se o utilizares
cuidadosamente, ele protege-te.
Assim, deves ter cuidado com o preservativo que escolhes
e a forma como o tratas, pois só um bom e intacto
preservativo te pode proteger.

Os preservativos que deves escolher são:


• Preservativos de látex
• De boa qualidade
• Que não contenham espermicidas

E há vários preservativos que podes escolher…


• Vários tamanhos •Várias cores •Vários sabores
• Várias formas
O que fazer para conservar os
preservativos em bom estado?
• Guardá-los em sítios frescos e secos.
Podes guardar os preservativos numa gaveta. Não os deves guardar
muito tempo na carteira, no bolso ou em sacos porque a embalagem
se pode danificar e estragar o preservativo. O porta-luvas do carro
também não é adequado, fica muito quente e pode danificá-lo.

• Antes de o usares, deves verificar sempre o prazo de


validade.
Se o prazo de validade do preservativo já passou, não o deves usar,
pois pode estar estragado.
• Deves também verificar o estado de conservação da
embalagem.
Para um preservativo estar bom, a embalagem que o protege deve
estar em bom estado, ou seja, sem furos e com ar.

Para saberes se a embalagem está em bom estado, vê como


se faz:
.

• Deves abrir a embalagem com os dedos e não com os


dentes, as unhas ou objectos cortantes e pontiagudos.
A melhor forma é empurrar o preservativo para um canto e
rasgar a embalagem com os dedos no outro canto.
• Podes também usar um lubrificante à base de água
com o preservativo.
Os lubrificantes devem ser usados nas relações vaginais e anais
para tornar as fricções mais suaves entre a mucosa e o
preservativo e evitar que o preservativo se estrague.

Os lubrificantes que devem ser usados com o preservativo são à


base de água, por isso pergunta na farmácia, supermercado, sex-
shop ou vê na embalagem se é “hidrossolúvel”, “solúvel na água”
ou “gel à base de água”.

Não deves utilizar vaselina, leite hidratante, óleo de bebé ou


outros cremes porque podem estragar o preservativo. Vale mais
não usar lubrificante ou usar saliva do que estes produtos.
O que fazer para colocar o preservativo
correctamente?
• Coloca o preservativo antes de qualquer contacto sexual

• Coloca-o no pénis em erecção, com o rebordo voltado para cima; com dois
dedos tira a ar do reservatório, apertando-o

• Depois desenrola o preservativo delicadamente, sem o esticar, até à


base do pénis

• Se o preservativo não tiver reservatório para o esperma, deves deixar


um pequeno espaço vazio na extremidade.
Mas para além de colocar o preservativo correctamente, tens de
retirá-lo bem, para evitar que o esperma se derrame.

Então, o que fazer para retirar o


preservativo correctamente?
• Depois da ejaculação, deves retirar o pénis
da vagina/ânus com cuidado, segurando o preservativo
para que não escorregue ou fique retido no interior
da/o parceira/o

• O preservativo deve ser retirado com o pénis ainda em erecção,


enrolando-o para fora e sem o puxar

• Deves segurar o preservativo pelo rebordo para evitar que ele


deslize e dar-lhe um nó na extremidade para não deixar derramar o
esperma.

• Quando deitares o preservativo no lixo, embrulha-o num papel ou


noutro material resistente.
O preservativo só pode ser utilizado uma vez!

• O preservativo não é reutilizável.

• Deves mudar de preservativo sempre que inicias um novo


contacto sexual.

• No sexo oral também deves usar preservativo por causa das


pequenas feridas, aftas ou infecções que se pode ter na
boca.

Voltar à página inicial


Qual o Tratamento para o VIH/SIDA?

Até ao momento actual, os


cientistas e investigadores
ainda não descobriram um
tratamento que seja
verdadeiramente eficaz na
destruição do VIH no
organismo humano.

Por ser um vírus, é muito


difícil produzir um
medicamento que o mate,
uma vez que ele consegue
transformar-se e resistir
aos fármaços.
Mas já há medicamentos que conseguem diminuir eficazmente a
reprodução do vírus e, por isso, são chamados antiretrovirais.

Eles não destroem o vírus, não curam a doença mas conseguem


atrasar a sua evolução, dando mais tempo e melhor qualidade de
vida às pessoas.

São normalmente tomados às refeições e não podem ser


esquecidos porque se o forem podem tornar o vírus resistente a
eles e fazer com que o tratamento falhe.

Não são medicamentos fáceis de ingerir e causam efeitos


secundários, mas quando o tratamento é bem sucedido, as
pessoas infectadas com VIH/SIDA ficam muito melhores.
No entanto, não funciona com todas as pessoas. Em algumas, o
tempo que leva a fazer efeito pode ser demorado, podendo criar
resistência do vírus ao medicamento.

Para este tratamento ter sucesso tem de ser iniciado numa fase
inicial da infecção, para ajudar as defesas do organismo (sistema
imunológico) a manterem-se.

Na fase de SIDA, quando já há poucas defesas, eles não têm


grandes resultados.
Quando já se tem SIDA o que normalmente se faz é dar
vacinas e medicamentos adicionais que cuidam, controlam
e previnem as infecções oportunistas. Como o sistema
imunológico está afectado, estas infecções podem, por si
só, ser perigosas ou facilitar o desenvolvimento do VIH.

As pessoas que estão infectadas pelo VIH/SIDA, mesmo


estando a fazer o tratamento, têm de procurar evitar
contagiar outras pessoas, mas também têm de se
proteger para não serem infectadas mais vezes.
Uma re-infecção facilita a evolução da infecção e pode dar
origem a novas formas do vírus que sejam resistentes ao
tratamento.

Assim, é importante que todas as pessoas se previnam da


infecção ou re-infecção pelo VIH/SIDA.

A prevenção passa por cada um de nós. Nós é que


nos devemos proteger e não esperar que seja o
outro a proteger-nos!

Voltar à página inicial


Dados Sobre a Sida1
Portugal possui cerca de 24776 casos de infecção
VIH/ SIDA (1983-06/2004).

• Em Portugal existem registados:


- 11 263 casos de SIDA,
- 11 273 casos de Portadores Assintomáticos (PA),
- 2 240 casos de Sintomáticos não SIDA.

• Como vês há um maior número de casos de Assintomáticos do


que de SIDA.

• Podes ver o seguinte gráfico, que ilustra o que acabaste de


ler.

1 Dados retirados do Documento SIDA 132, responsabilidade do Centro de Vigilância


Epidemiológica de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis (www.insarj.pt)
Casos identificados em Portugal
(1983-06/2004)

portadores
12000 assintomáticos

10000 casos sintomáticos não


sida
Nº de casos

8000
casos de sida
6000

4000

2000

0
Classificação
Dados sobre VIH/ SIDA

A SIDA pode afectar-te e não está na cara de


cada um.

• Em Portugal existem 11273 casos de Portadores


Assintomáticos (PA).

• Como vês alguém por quem te apaixones e com quem te


envolvas, ainda que não pareça, mas pode estar infectado (a)
com o VIH/ SIDA (PA).

• Podes ver o seguinte gráfico, que ilustra o que acabaste de


ler.
Casos de Portadores Assintomáticos
Nº de casos infectados (VIH) em Jovens (1983-06/2004)

1500
1350
1200 Feminino
1050 Masculino
900
750
600
450
300
150
0
13-14 15-19 20-24

Idade
A SIDA não é uma doença de homossexuais e pode
ocorrer em qualquer idade.
• Como vês há muitos jovens que correram riscos e foram
infectados com a tua idade e que hoje possuem SIDA.

• A maioria dos casos de SIDA ocorre entre os 20 e os 34 anos.

• Os heterossexuais são o segundo maior grupo infectado e este


grupo tem vindo a aumentar.
Relativamente à Europa… 2

Sabias que em 2003 Portugal foi…


• O terceiro país com mais casos de VIH diagnosticados, com
228 casos por milhão de habitantes? (Ver Mapa 1)

• O país com mais casos de SIDA diagnosticados, com 81


casos por milhão de habitantes? (Ver Mapa 2)

2
- Dados retirados do site www.eurohiv.org
Mapa 1
Infecções de VIH: casos diagnosticados em 2003 por
milhão de habitante

35
35 Casos de VIH por milhão
200 +
100- - 199
50
50 26
26 20-99
43
43
101 45
635
635 276
276 < 20
175
175
117 52*
117 48
NA - Não disponível
32
32 48
22
22 72
100
100 16 72
104
104 16 25
25
28†
28 6
6 2
Update at 31 December 2003

228
108
108 52 52 2 206
206 70
7 6
6 60
60 70 7
NA 7
NA 7
NA 10
10 11
11
3
3 9
9 NA
NA
NA 145 20
20
0.5 8
0.5 8 9 14
9 14
7
39
39 3
3

23
NA
46

-
Mapa 2
Casos de SIDA diagnosticados em
2003 por milhão de habitante

3
3
Casos de SIDA por milhão
50 +
9
9 5
5 20-49
6
6
2
2 8
8 NA
NA 5 -19
8
8 25
14 25 <5
14 3 NA
NA
3
8
NA
NA
3
3
NA - Não disponível
8 4
4 4
4
18
18 1
1
11† 0.8
0.8
11
Update at 31 December 2003

0.4
31
31 5 0.4
5 37
37 0.3*
31 3 33
3 10
10 0.3* 0
0
81
81 33
33 31
3 9
9
NA0 0* 11 66 8
8 NA
NA
0.6*
0 0.6 * 2
3 2
20
2 3
7
7 0.7
0.7

5 NA
12
Vale a pena pensares nisto!!!

Por ti e por todos com quem partilhas ou irás partilhar a tua vida,
é essencial que estejas
informado (a) e que não corras riscos.

Não te esqueças...
... A SIDA é um problema de todos nós!!

Voltar à página inicial


Será que estás infectado?

A única forma de saberes se estás infectado ou não pelo VIH é


através de um teste específico para a pesquisa de anticorpos
contra o VIH.

O teste deverá ser feito só 3 meses após a


situação de risco (por exemplo, não usar
preservativo) e durante esse tempo, não pode
haver comportamentos de risco.
O Teste…

Regra geral, quando qualquer coisa estranha entra no nosso


corpo (por exemplo, o VIH), as nossas defesas (sistema
imunitário) reagem, produzindo substâncias contra o invasor.
Entre tais substâncias encontram-se os anticorpos.

Existem vários tipos de teste que permitem saber se a


pessoa está infectada com o VIH. Estes testes identificam os
tais anticorpos contra o VIH. Para que esses anticorpos
surjam na circulação sanguínea é necessário esperar algum
tempo, geralmente, 3 meses.
E qual o significado dos resultados do
teste?

Se um teste tem um resultado negativo significa que a


pessoa provavelmente não está infectado pelo VIH.

Se o resultado do teste foi positivo diz-se que a pessoa é


seropositiva. Tal não quer dizer que a pessoa vá
necessariamente ficar doente, ou desenvolver SIDA, mas o
vírus permanecerá no seu corpo, podendo contagiar outras
pessoas.

Apesar destes testes serem muito fiáveis, um resultado


positivo deve sempre ser sujeito a confirmação.
Razões para realizares o teste
Se estás muito preocupado com a infecção pelo VIH e não tens muitas
probabilidades de estar infectado, ir fazer o teste pode ajudar a veres-te
livre destas preocupações e ansiedade.

Se a probabilidade de estares infectado é elevada, a realização do teste


pode ajudar-te a enfrentar uma incerteza que se pode tornar
insuportável.

Tendo em conta que os medicamentos de combate à infecção pelo VIH são


cada vez mais eficazes, o saber o quanto antes que se é seropositivo
significa que se pode ter ajuda médica mais cedo. Além disso, podemos
levar uma vida mais saudável.

O facto de se saber que se é seropositivo pode fazer com que a pessoa se


queira proteger e proteger o parceiro da infecção através de relações
sexuais seguras (isto é, com preservativo) e da não partilha de materiais
para injectar drogas (por exemplo, seringas).
Razões para não realizares o teste
O teste não deve ser feito para justificar a prática de
comportamentos sexuais de risco.

Mesmo que não sejamos portadores do vírus, devemos


praticar sexo seguro e todos os comportamentos seguros
de forma a prevenir a infecção.

É preciso que te protejas SEMPRE, mesmo que tenhas a


felicidade de não estar infectado.
Razões para não realizares o teste

Há ainda algumas questões que é importante teres consciência antes


de realizares o teste:

 Achas que vais conseguir lidar com um resultado positivo?

 Se o resultado for positivo, já pensaste a quem vais querer contar?

 Tens a certeza que podes confiar na prestação de cuidados e de


apoio, se o resultado for positivo?

Se tens estas dúvidas, podes procurar um Centro de


Aconselhamento e Detecção (CAD) onde te poderão aconselhar.
Centros de Aconselhamento e Detecção
em Portugal

O Atendimento

•É gratuito e não é necessário fazer marcação prévia

•O resultado é anónimo e confidencial, sendo dado ao fim de 3


dias úteis após a colheita de sangue

•Sempre que alguém decide fazer o teste, há um


acompanhamento por parte de psicólogos especializados, antes e
após a realização do mesmo.
Centros de Aconselhamento e Detecção em
Portugal

• CAD Aveiro (Centro de Saúde de Aveiro) 234378650


• CAD Barreiro (Extensão de Saúde Henrique Galvão) 212072361
• CAD Beja (R. Rainha D. Amélia, 2)
• CAD Braga 253271684
• CAD Bragança (Inst. do Instituto Port. da Juventude) 273333989
• CAD Castelo Branco 272324973/4
• CAD Coimbra (Av. Bissaya Barreto, Ed. BCG)
• CAD Évora (Largo Sr. Da Pobreza)
• CAD Faro 289812528
• CAD Guarda 271223422
• CAD Leiria 244816483
• CAD Lisboa (Fundação Nª Sª Bom Sucesso) 213031427
• CAD Lisboa (Centro de Saúde da Lapa) 213930151
• CAD Portalegre (Av. Brasil, 11)
• CAD Porto (R. Constituição, 1656)
• CAD Santarém (Hospital Distrital de Santarém)
• CAD Setúbal (Centro de Saúde S. Sebastião) 265708007
• CAD Vila Real 259378953

Voltar à página inicial


Dúvidas de Jovens
como TU!!!
Voltar à página inicial
Como é que o VIH se transmite?
O VIH transmite-se unicamente através de relações
sexuais não protegidas com um parceiro infectado,
contacto directo com o sangue de uma pessoa infectada
e de uma mãe infectada para o feto ou filho recém-
nascido.

Não se contrai o VIH na 1ª relação


sexual…?
O facto de seres virgem não te protege do VIH.
Qualquer relação sexual em que haja troca de fluidos
sexuais é uma relação de risco e como tal deves sempre
usar o preservativo...
Se a pessoa souber que tem SIDA
pode ter relações sexuais?
As pessoas infectadas com o VIH/SIDA, se usarem o
preservativo correctamente, podem ter relações sexuais sem
contagiarem o parceiro.

Mas mais importante é saber que o preservativo deve ser


utilizado sempre quer as pessoas saibam que estão infectadas,
quer não saibam.

Se uma pessoa se infecta, pouco tempo


depois já pode infectar os outros?
O tempo que vai desde o momento em que a pessoa se infecta até
ter capacidade para infectar outras pessoas depende do seu
estado de saúde (do seu sistema imunitário) e da carga viral da
pessoa, mas a resposta é sim...
E se a boca da minha namorada tiver
uma ferida?
Depende daquilo que fizerem... A pele intacta protege do vírus,
mas dentro da boca não há pele... O que há é uma mucosa que não
nos protege do vírus, logo a boca não está protegida e nós
também não. Se houver uma ferida e houver contacto directo
com o sangue de outra pessoa corremos o risco de nos
infectarmos ou de infectarmos a outra pessoa.

O VIH pode transmitir-se se


estivermos a tomar a pílula?
A única forma de te protegeres contra o VIH é utilizando o
preservativo. A pílula protege-te da gravidez, mas não te
protege das infecções sexualmente transmissíveis como o VIH.
Será que uma pessoa pode ter SIDA,
sem passar pela fase de VIH?
Quando uma pessoa se infecta, o vírus começa a destruir o
sistema imunitário. Passado algum tempo a pessoa pode começar
a contrair diferentes tipos de doenças que deterioram a sua
saúde. É neste momento que se pode falar de SIDA. De qualquer
modo todas as pessoas que chegam à fase de SIDA têm de
passar obrigatoriamente pela fase de VIH, mas a duração
deste processo pode variar de pessoa para pessoa.

Voltar à página inicial


Como é que casado com alguém com
SIDA se pode ter um filho?
Actualmente, algumas mulheres e homens portadores de
VIH/SIDA já podem ter filhos. Existem algumas técnicas que
permitem fazer com que os bebés nasçam saudáveis, como por
exemplo, a lavagem do esperma, a fecundação in vitro e
medicamentos antiretrovirais.

Se uma mulher engravida e tem


SIDA pode transmitir ao seu bebé?
Uma das formas de transmissão do vírus é através da mãe-
bebé: durante a gravidez, durante o parto ou durante a fase da
amamentação. Por isso mesmo a mãe terá que ter todos os
cuidados para não transmitir o vírus ao seu bebé.
Quando o bebé está infectado o VIH
começa logo a destruir as células?

Sim... Não interessa nem o dia nem o momento, nem a raça, nem a idade... Ao vírus
isso não interessa nada! A partir do momento em que uma pessoa fica infectada, o
vírus começa logo a destruir as células do sistema imunitário!

Voltar à página inicial


Onde é que posso arranjar os
preservativos?
Os preservativos podem ser comprados em farmácias,
supermercados, alguns centros de saúde e em máquinas
colocadas em locais públicos.

Um outro local são as consultas de planeamento familiar onde


te podes consultar com o teu médico e a quem poderás pedir
que te dêem gratuitamente preservativos e a pílula.

Costumam ser de tamanhos diferentes?


Em geral existem vários tamanhos.

Os preservativos são seguros?


Sim... se forem usados de forma correcta são bastante seguros.
Deves colocá-los antes de qualquer contacto sexual.
Qual é o prazo de validade de um
preservativo?
Não deves usar um preservativo que tenha na embalagem um
prazo de validade que já passou, porque pode estar estragado.
Também deves guardar sempre os preservativos num lugar
fresco, seco e ao abrigo da luz solar.

Os preservativos reduzem as sensações


de prazer?
Nos dias de hoje os preservativos são muito finos, mas ao
mesmo tempo muito resistentes. Resistente não quer dizer
mais grosso, por isso hoje em dia os preservativos dificilmente
diminuem as sensações de prazer.
Os preservativos podem proteger de
doenças?
Sim, o preservativo protege-te das infecções sexualmente
transmissíveis entre as quais o VIH. Para além disso o
preservativo evita a gravidez.

Um preservativo pode ser usado mais


do que uma vez?
Não, um preservativo deve ser usado apenas uma vez e depois
deitado fora.

Pode acontecer que o preservativo


escorregue para dentro da mulher?
Sim, se não colocares e retirares o preservativo correctamente.
O preservativo pode romper-se?

Sim, por isso deves ter muito cuidado ao abrires a embalagem. Não
deves utilizar os dentes ou as unhas para a abrir. Também não se
deve abrir a embalagem com nenhum objecto cortante. Finalmente,
importa estar atento ao modo como se coloca o preservativo porque
também o podes danificar nessa altura.

A rapariga pode colocar o preservativo


ao rapaz?
Sim, as raparigas também podem comprar os preservativos e podem
colocá-lo no rapaz. Por esta razão tanto os rapazes como as
raparigas devem saber como se coloca bem um preservativo.
Existe um preservativo feminino?
Sim, há um preservativo feminino. É colocado dentro da vagina e
tal como o preservativo masculino evita qualquer contacto entre
as secreções genitais e o sangue. Actualmente já não está à
venda em Portugal.

Deve usar-se lubrificante com o


preservativo?
Sim, o lubrificante ajuda a evitar que o preservativo se
rompa. Alguns preservativos já vêm lubrificados. Se o
preservativo não é lubrificado, usa um lubrificante à base de
água. Nunca uses vaselina ou óleo vegetal já que estes
lubrificantes podem estragar os preservativos.
Para além do preservativo há outras
formas de proteger da SIDA?

Numa situação de contacto sexual com o parceiro a única forma


de te protegeres do VIH/SIDA é usando o preservativo.

Os métodos contraceptivos como a pílula, o dispositivo intra-


uterino, ou o coito interrompido não protegem da infecção por
VIH/SIDA.
Onde guardar os preservativos?
Deves guardá-los em sítios frescos e secos. Podes guardar os
preservativos numa gaveta. Não os deves guardar muito tempo
na carteira, no bolso ou em sacos porque se pode danificar a
embalagem e estragar o preservativo. O porta-luvas do carro
também não é adequado uma vez que fica muito quente e pode
danificar o preservativo.

Sexo com ou sem preservativo dá o


mesmo prazer?
Actualmente os preservativos são bastante finos , mas
continuam a ser bastante fortes e resistentes. Por serem
finos os preservativos muito dificilmente diminuem as
sensações de prazer.
Com o vibrador também é preciso
usar o preservativo?

Há quem use objectos sexuais nas práticas sexuais, mas muitas


vezes o que acontece é que as pessoas também partilham esses
objectos. Os objectos não se podem infectar mas são utilizados
como veículos de transporte do vírus de umas pessoas para as
outras. Assim, deve usar-se o preservativo também no vibrador.

Voltar à página inicial


Qual a idade para se poder fazer o
teste?

Não há uma idade específica para ser fazer o teste. Basta


que tenhas tido comportamentos de risco ou que tenhas
alguma dúvida sobre os teus comportamentos para te
informares nos locais respectivos e aí fazeres o teste
específico ao VIH.
Como saber que se está infectado?

A única forma de saberes se estás infectado ou não pelo VIH é


através de um teste específico para a pesquisa de anticorpos
contra o VIH.

O teste deverá ser feito apenas 3 meses após a situação de


risco ter ocorrido (ex. relações sexuais não protegidas,
partilha de seringas) e durante esse tempo não podem ocorrer
quaisquer comportamentos de risco.

Voltar à página inicial


Não há nada que cure o vírus?

Até ao momento actual, os cientistas e investigadores ainda não


descobriram um tratamento que seja eficaz na destruição do
VIH no organismo humano.

Existem, no entanto, medicamentos que não destroem o vírus,


não curam a doença, mas conseguem atrasar a sua evolução,
dando mais tempo e melhor qualidade de vida às pessoas.
Se estivermos no princípio do VIH não
há medicamentos para ficarmos bons?

Não há uma vacina ou um tratamento para o VIH. Os


medicamentos existentes apenas permitem melhorar a
qualidade de vida da pessoa infectada.

Voltar à página inicial


Porque morre uma pessoa com SIDA?

O VIH actua no sistema imunitário diminuindo as defesas do


organismo e pode causar a SIDA. Quando o sistema imunitário é
atingido perde a sua capacidade de defesa e podem então
aparecer diversas infecções. Estas infecções chamam-se
oportunistas porque se aproveitam do enfraquecimento das
defesas do organismo, são estas infecções, de diferentes tipos,
que podem levar à morte da pessoa.
Depois de se ter SIDA quantos anos se
tem de vida?
Isso vai depender daquilo que a pessoa fizer, se toma ou não
medicação e das infecções oportunistas que tiver, pois estas
aproveitam-se da debilitação do sistema imunitário.

Depois de uma pessoa falecer o VIH


continua activo?
Não... Quando uma pessoa morre a temperatura do seu corpo
baixa e a diferença de temperatura destrói o vírus. Por
outro lado como o vírus deixa de ter células através das
quais possa sobreviver, ele próprio não perdura.
O VIH só precisa do nosso organismo
para viver?
Sim porque há material que existe nas nossas células do sistema
imunitário (e só algumas: as CD4) às quais ele se junta para
extrair aquilo de que necessita e que não encontra noutro lado.
Não as destrói mas elas deixam de funcionar como deveriam, ou
seja, não protegem...

Porque é que não se destroem as CD4?


Se as CD4 forem destruídas, o vírus não tem onde nem como se
alimentar e morre. No entanto, se não houver CD4 nós também
deixamos de existir porque não temos como nos defender das
agressões do exterior (ou seja, das doenças e infecções).

Voltar à página inicial


Textos retirados do livro Testemunhos da Comissão Nacional de Luta Contra a SIDA (CNLCS)
*

os )
an
m 15
c o
t ada *
f e c
(I n (Infe
ctado
com 1
6a n os )

(Infectado com 15 anos)

Voltar à página inicial

* Os nomes das pessoas foram alterados para os proteger de uma possível identificação...
Isabel (25 anos)

“Fui infectada através de uma relação sexual, tinha eu 15


anos. Foi o meu primeiro amor, uma entrega total. (...)
Dediquei-me imenso a ele, adorava-o, era tudo para mim!
(...) Nunca pensei em me proteger, não pensei em
absolutamente nada. (...) Entretanto surgiram várias
campanhas na televisão sobre os comportamento de risco
(...). Tive curiosidade em saber. Fui falar com a minha
médica de família e pedi-lhe para fazer o teste. (...) O
resultado dele chegou uma semana antes do meu.
Positivo. Quando fui à consulta saber o meu, perguntei
apenas: “É VIH positivo, não é?”. “Como é que sabes?” -
espantou-se a médica. “Porque é igual ao dele” - respondi
eu. E estava certa. Foi apenas curiosidade nossa... Não
tínhamos qualquer sintoma... (...).”

Voltar à página inicial


Ricardo (21 anos)
“Foi com a segunda namorada que tive. Era uma pessoa
conhecida da minha família. Comecei a namorar durante o
verão. Quando começámos a ter relações sexuais, a minha
preocupação era a gravidez. O resto não me mereceu qualquer
consciência. Achava, tal como muita gente acha, que não me
podia tocar. Isto há cinco anos. Pensava que era um problema
dos drogados e dos homossexuais. Ela não era drogada. Não
fumava sequer. Não era daquelas miúdas que andasse aí nas
maluquices. Era uma miúda bem comportada. Nunca me levou
a suspeitar. (...) O que me lixou foi a mentalidade que eu tinha
na altura. (...) Eu sabia como as coisas aconteciam, mas
pensei: é uma pessoa conhecida, nunca esteve no hospital,
tem ido ao médico, tem feito exames, está tudo bem. Só que
este teste ninguém se lembra de o fazer.”

Voltar à página inicial


Carlos (22 anos)

“Há sete anos que sei que sou seropositivo. Fui assintomático
até há dois anos atrás. (...) Desde o momento em que tomei
consciência que era seropositivo senti desassossego, angústia,
solidão. Solidão porque no início eu não disse a ninguém,
ninguém sabia que eu era seropositivo. Depois espalhou-se.
Muitas pessoas passaram a ter receio de estar comigo e, apesar
de não o dizerem eu senti. (...).”

Voltar à página inicial


Não discrimines ninguém que tenha
VIH/SIDA!

Estamos a discriminar sempre que tratamos


alguém de forma injusta ou desfavorável por
causa da sua raça, religião, sexo, ou por acharmos
que está doente.
Razões para seres solidário com as
pessoas que têm SIDA

• Todas as pessoas devem ser tratadas de igual modo.

• Devemos pensar nos outros.

• São pessoas como nós.

• Têm o direito de ter uma boa qualidade de vida.


Formas de ajudar pessoas com
VIH/SIDA
• Ser amigo
•Procurar outras pessoas
que dêem apoio

• Ouvir o que têm para nos


dizer

•Ajudar outros membros


• Perguntar de que modo da família
podemos ajudar
Cuidar e Apoiar pessoas com SIDA

Dar apoio a pessoas com SIDA é um


acto de amor e carinho. Para muitas
delas, a vida passou a ser
enfrentada com muito medo, raiva e
cansaço. Perderam os amigos, a
família e o apoio da comunidade.

A tua ajuda pode fazer a


diferença!
Como podes ajudar?
Apoiar Emocionalmente

Não fujas do teu amigo. Dá-lhe força e esperança.

Dá-lhe apoio quando ele se sentir em baixo.

Mostra-lhe que estás ali para o ouvir e para falar com ele.

Pergunta-lhe como se sente.

Não deixes de lhe falar sobre a sua saúde. É possível que ele
queira falar sobre o seu estado.

Toca-lhe. O simples aperto de mão, um abraço, um beijo,


podem mostrar-lhe o teu carinho.

Partilha com ele as tuas alegrias e tristezas.


Como podes ajudar?
Apoiar Emocionalmente

Façam actividades juntos (passeios, praia, cinema).

Evita que ele se isole.

Ajuda-o nas tarefas de casa quando ele não as consegue fazer


sozinho. Mas pede-lhe autorização, pois pode pensar que tu achas que
ele não é capaz.

Se essa pessoa amiga é também o teu parceiro sexual, não se


esqueçam de usar preservativo.
Como podes ajudar?
Apoiar Fisicamente

Perda de apetite – Pergunta-lhe quando gostaria de comer e beber, o


quê e como.

Náuseas e vómitos – Refeições mais pequenas com pouca gordura podem


reduzir os vómitos. Quando ocorrem náuseas evita dar-lhe comida. Usa
luvas para limpar o vómito.

Falta de líquidos – Se ele tem diarreia, vómitos e suores, perde muita


água, o que pode ser grave. Deves dar-lhe muitos líquidos (água, chá).
Como podes ajudar?
Apoiar Fisicamente

Fraqueza – Faz com que ele descanse.

Problemas de pele – Muda frequentemente a


sua posição de dormir para evitar feridas.
Incentiva pequenas deslocações a pé ou a posição
de sentado. Limpa as feridas, mas usa luvas.
Confusão e esquecimento –
Mantém próximo do teu amigo
relógios e calendários e lembra-
lhe o dia, hora e o local onde
está.

Voltar à página inicial


JOGOS

• O que sabes sobre VIH/SIDA?

• Dizer Não

• Será que sabes defender a tua vontade?

• Jogo das Situações!


Voltar à página inicial
O que sabes sobre o VIH/ SIDA?
Clica na resposta que achares correcta…
1. Ter o VIH ou SIDA é a mesma “coisa”. V F

2. Existe cura para a SIDA. V F

3. Uma pessoa pode contrair o VIH em V F


casas de banho públicas.

4. O VIH não é disseminado através da V F


tosse ou espirros.

5. Uma pessoa pode contrair o VIH por V F


partilhar agulhas com outra pessoa.
6. Uma pessoa pode contrair o VIH se V F
tiver relações sexuais com alguém que
injecta drogas.

7. O VIH pode ser transmitido por V F


picadas de mosquitos.

8. Uma pessoa pode contrair o VIH ao V F


partilhar um copo de água com
alguém que está infectado pelo vírus.

9. Uma pessoa pode contrair o VIH ao V F


apertar a mão de alguém que está
infectado pelo vírus.
10. É possível contrair o VIH ao fazer uma V F
tatuagem

11. Um homem pode contrair o VIH se V F


tiver relações sexuais anais não
protegidas com outro homem.

12. Uma mulher grávida com o VIH pode V F


transmitir o vírus ao seu bebé antes
dele nascer.

13. Uma mulher pode contrair o VIH se V F


praticar sexo anal sem preservativo
com um homem.
14. Um homem pode contrair o VIH se tiver V F
relações sexuais vaginais não protegidas
com uma mulher.

15. O uso de um preservativo de borracha V F


pode impedir uma pessoa de contrair o
VIH.

16. Tomar a pílula anti-concepcional impede V F


uma mulher de contrair o VIH.

17. A maior parte das pessoas com SIDA V F


morrerão da doença.

18. Uma pessoa infectada pelo VIH pode V F


parecer e sentir-se saudável.
19. Uma pessoa pode estar infectada pelo V F
VIH durante 5 ou mais anos sem ter
SIDA.

20.Existe um teste sanguíneo para V F


detectar se a pessoa está infectada
com VIH.

21. Uma pessoa pode contrair o VIH por V F


praticar sexo oral (boca no pénis) não
protegido, com um homem.

22. Uma pessoa pode contrair o VIH V F


mesmo se tiver relações sexuais com
outra pessoa uma única vez.
23.Usar um preservativo é a melhor V F
protecção contra a infecção do VIH.

24. É praticamente impossível que as V F


pessoas contraiam o VIH através de
beijos “profundos”, em que põem a
língua na boca de um parceiro infectado
pelo VIH.

25. Geralmente, podemos determinar se V F


alguém está infectado olhando para a
pessoa.

26. Uma pessoa pode contrair o VIH ao V F


receber sangue durante uma operação
cirúrgica.
27. Ter relações com mais de um parceiro V F
pode aumentar a possibilidade de uma
pessoa ser infectada pelo VIH.
28. Uma pessoa pode contrair o VIH dentro V F
de uma banheira ou de uma piscina se lá
estiver uma pessoa infectada pelo VIH.

29. Uma pessoa pode contrair o VIH V F


através do contacto com saliva, lágrimas,
suor ou urina.

30. Uma pessoa pode contrair o VIH tendo V F


sexo oral (boca na vagina da mulher) não
protegido, com uma mulher.
31. A lavagem com água fria do V F
“equipamento” utilizado no uso de drogas
elimina o VIH.

32. Uma mulher pode contrair o VIH tendo V F


relações sexuais vaginais não
protegidas com um homem.
Ter o VIH ou SIDA é a mesma
“coisa”?
• V. Uma pessoa seropositiva não é um doente de SIDA. Estar infectado com o
VIH é ter no organismo o vírus, ter SIDA é ter já doenças resultantes do
enfraquecimento do nosso corpo. Uma pessoa infectada pode não ter qualquer
manifestação da infecção e durante muito tempo não ter qualquer doença. Ao
passo que a pessoa com SIDA tem o sistema imunitário tão afectado que isso
conduz ao aparecimento de inúmeras doenças. Por isso não são a mesma
“coisa”.

• F. De facto, estar infectado com o VIH é ter no organismo o vírus e ter SIDA é
ter já doenças resultantes do enfraquecimento do nosso corpo.
Existe cura para a SIDA

• V. Não é ainda conhecida qualquer cura ou vacina para a


infecção. A intervenção terapêutica precoce tem ajudado a
prolongar o bem-estar das pessoas infectadas com o VIH, mas
os medicamentos utilizados não curam o sistema imunitário e
mais tarde acabam por aparecer infecções oportunistas.

• F. Realmente não é ainda conhecida qualquer cura ou vacina


para a infecção.
Uma pessoa pode contrair o VIH em
casas de banho públicas

• V. Como o vírus não se transmite através de fezes, urina ou


saliva não pode ser apanhado pela utilização de casas de banho
ainda que sejam públicas.

• F. Tens razão porque o vírus não se transmite através de fezes,


urina ou saliva e por isso não pode ser apanhado pela utilização
de casas de banho ainda que sejam públicas.
O VIH não é disseminado através
da tosse ou espirros

• V. O VIH não se transmite pelo ar e por isso não é


disseminado pela tosse ou pelos espirros.

• F. O VIH não se transmite pelo ar e por isso não é


disseminado pela tosse ou pelos espirros.
Uma pessoa pode contrair o VIH por
partilhar agulhas com outra
pessoa
• V. O modo mais fácil de penetração do vírus dentro do organismo é através da
picada por agulhas contaminadas com o VIH. O vírus é colocado directamente
na corrente sanguínea e por isso é uma forma muito eficaz de transmissão. Não
devemos partilhar seringas ou agulhas para não corrermos o risco de
apanharmos o VIH de outra pessoa.

• F. Ao contrário do que pensas é o modo mais fácil de penetração do vírus dentro


do organismo. Através da picada por agulhas contaminadas com o VIH este é
colocado directamente na corrente sanguínea, sendo por isso uma forma muito
eficaz de transmissão. Não devemos partilhar seringas ou agulhas para não
corrermos o risco de apanharmos o VIH de outra pessoa.
Uma pessoa pode contrair o VIH se tiver
relações sexuais com alguém que
injecta drogas
• V. Uma pessoa pode contrair o VIH se tiver relações sexuais não protegidas
com qualquer pessoa. Os utilizadores de drogas injectáveis são pessoas mais
expostas a apanhar o vírus se partilharem o “equipamento” de injecção de
drogas com outras pessoas. Por isso é possível contrair o VIH tendo relações
sexuais com alguém que injecta drogas e está infectado com o VIH.

• F. Uma pessoa pode contrair o VIH se tiver relações sexuais não protegidas
com qualquer pessoa. A forma de nos protegermos da infecção pelo VIH não
passa apenas por não partilharmos o “equipamento” de injecção de drogas de
uma pessoa. É possível contrair o VIH tendo relações sexuais não protegidas
com alguém que injecta drogas e está infectado com o VIH.
O VIH pode ser transmitido por
picadas de mosquitos

• V. Os insectos, incluindo mosquitos, percevejos, carraças, piolhos etc… ainda


que se alimentem de sangue não transmitem os VIH porque a quantidade de
sangue inoculada pelos insectos não é suficiente para conter uma dose
infecciosa do vírus e os vírus quando existem morrem no estômago do insecto.

• F. De facto, os insectos, incluindo mosquitos, percevejos, carraças, piolhos


etc… ainda que se alimentem de sangue não transmitem os VIH porque a
quantidade de sangue inoculada pelos insectos não é suficiente para conter
uma dose infecciosa do vírus e os vírus quando existem morrem no estômago
do insecto.
Uma pessoa pode contrair o VHI ao partilhar
um copo de água com alguém que está
infectado pelo vírus
• V. Uma pessoa não pode contrair o VIH ao partilhar um copo
de água porque o VIH não se transmite pela louça, nem pelo
telefone ou toalhas porque a saliva não tem a concentração
necessária de vírus à sua transmissão.

• F. De facto uma pessoa não pode contrair o VIH ao partilhar


um copo de água porque o VIH não se transmite pela louça,
nem pelo telefone ou toalhas porque a saliva não tem a
concentração necessária de vírus à sua transmissão.
Uma pessoa pode contrair o VIH ao apertar
a mão a alguém que está infectado
pelo vírus
• V. Uma pessoa não pode contrair o VIH nem por um aperto de mão,
nem pelos abraços, nem tão pouco pelos beijos porque o vírus só se
transmite pelo sangue e pelos fluidos sexuais (não falando no leite
materno) em contacto com sangue ou mucosas.

• F. De facto uma pessoa não pode contrair o VIH nem por um aperto de
mão, nem pelos abraços, nem tão pouco pelos beijos porque o vírus só
se transmite pelo sangue e pelos fluidos sexuais (não falando no leite
materno) em contacto com sangue ou mucosas.
É possível contrair o VIH ao fazer
uma tatuagem
• V. Possível é, mas só no caso dos materiais não terem sido devidamente
esterilizados ou desinfectados. A transmissão do VIH pelo sangue pode ocorrer
através de tatuagens, acupunctura, colocação de brincos, tratamentos em
manicuras e pedicuras e tratamentos dentários, e por isso deves assegurar-te
que os materiais são devidamente esterilizados ou desinfectados.

• F. É possível a transmissão do VIH pelo sangue ocorrer através de tatuagens,


acupunctura, colocação de brincos, tratamentos em manicuras e pedicuras e
tratamentos dentários, caso os materiais não tenham sido devidamente
esterilizados ou desinfectados.
Um homem pode contrair o VIH se tiver
relações sexuais anais não protegidas
com outro homem

• V. Sim. Um homem pode contrair o VIH se tiver relações sexuais anais


não protegidas com outro homem porque o vírus encontra-se no
esperma e no sangue de uma pessoa infectada. Tanto o parceiro
penetrado como o parceiro que penetra correm riscos de infecção.

• F. Um homem pode contrair o VIH se tiver relações sexuais anais não


protegidas com outro homem porque o vírus encontra-se no esperma e
no sangue de uma pessoa infectada. Tanto o parceiro penetrado como
o parceiro que penetra correm riscos de infecção.
Uma mulher grávida com o VIH pode
transmitir o vírus ao seu bebé antes
dele nascer
• V. De facto uma mulher pode infectar a criança “in utero” durante a gravidez ou durante o
parto, sendo a probabilidade de infecção de 25 a 35%. Esta probabilidade pode ser
reduzida se durante a gravidez a mulher tomar um medicamento designado AZT, o qual
reduz para aproximadamente 5% a probabilidade da criança ficar infectada. A cesariana e
não alimentar o bebé com o próprio leite também reduzem a probabilidade de infecção do
vírus quando a mulher está infectada.

• F. Uma mulher pode infectar a criança “in utero” durante a gravidez ou durante o parto,
sendo a probabilidade de infecção de 25 a 35%. Esta probabilidade pode ser reduzida se
durante a gravidez a mulher tomar um medicamento designado AZT, o qual reduz para
aproximadamente 5% a probabilidade da criança ficar infectada. A cesariana e não
alimentar o bebé com o próprio leite também reduzem a probabilidade de infecção do vírus
quando a mulher está infectada.
Uma mulher pode contrair o VIH se
praticar sexo anal sem
preservativo com um homem
• V. Sim. Uma mulher pode contrair o VIH se tiver relações sexuais anais não
protegidas com um homem porque o vírus encontra-se no esperma dos homens
infectados . As relações sexuais anais são um comportamento de grande risco
de infecção porque podem provocar lesões no recto que facilitam a entrada do
vírus.

• F. Não tens razão. Uma mulher pode contrair o VIH se tiver relações sexuais
anais não protegidas com um homem porque o vírus encontra-se no esperma
dos homens infectados. As relações sexuais anais são um comportamento de
grande risco de infecção porque podem provocar lesões no recto que facilitam a
entrada do vírus.
Um homem pode contrair o VIH se tiver
relações sexuais vaginais não
protegidas com uma mulher

• V. Tens razão. Um homem pode contrair o VIH se tiver relações sexuais


vaginais não protegidas com uma mulher porque o vírus encontra-se nas
secreções vaginais das mulheres infectadas e, durante a penetração, por vezes
ocorrem pequenas lesões que permitem a entrada do vírus para a corrente
sanguínea do homem.

• F. Não é verdade. Um homem pode contrair o VIH se tiver relações sexuais


vaginais não protegidas com uma mulher porque o vírus encontra-se nas
secreções vaginais das mulheres infectadas e, durante a penetração, por vezes
ocorrem pequenas lesões que permitem a entrada do vírus para a corrente
sanguínea do homem.
O uso de um preservativo de borracha
pode impedir uma pessoa de
contrair o VIH
• V. Sim. Os preservativos de látex são barreiras eficazes à entrada do
vírus no nosso organismo. O VIH não consegue atravessar a
espessura do preservativo. No entanto, o preservativo tem de ser
utilizado correctamente para proteger da infecção.

• F. Os preservativos de látex são barreiras eficazes à entrada do vírus


no nosso organismo. O VIH não consegue atravessar a espessura do
preservativo. No entanto, o preservativo tem de ser utilizado
correctamente para proteger da infecção.
Tomar a pílula anti-concepcional impede
uma mulher de contrair o VIH

• V. Não é verdade. A pílula protege da gravidez, mas


não protege absolutamente nada contra a infecção
pelo VIH.

• F. Tens razão. A pílula protege da gravidez, mas não


protege absolutamente nada contra a infecção pelo
VIH.
A maior parte das pessoas com
SIDA morrerão da doença
• V. Parece que assim é. Não se encontrou até ao momento uma
maneira de reparar a progressiva degradação do sistema
imunitário provocada pelo VIH.

• F. Até ao momento não se encontrou uma maneira de reparar


a progressiva degradação do sistema imunitário provocada
pelo VIH, por isso se considera que a maioria das pessoas
com SIDA morrerão da doença.
Uma pessoa infectada pelo VIH pode
parecer e sentir-se saudável

• V. Completamente verdade. Porque uma pessoa infectada com


VIH pode ser assintomática, isto é, não ter qualquer sintoma da
doença, durante muitos anos e sentir-se bem, não sabendo
muitas vezes que está infectada.

• F. Estás muito enganado(a). Porque uma pessoa infectada com


VIH pode ser assintomática, isto é, não ter qualquer sintoma da
doença, durante muitos anos e sentir-se bem, não sabendo
muitas vezes que está infectada.
Uma pessoa pode estar infectada pelo VIH
durante 5 ou mais anos sem ter SIDA

• V. Sim. O VIH tem um longo período de latência. Quer dizer,


pode estar no nosso corpo e não se manifestarem doenças
graves durante 5, 10 ou mais anos.

• F. A tua resposta não está correcta porque o VIH tem um longo


período de latência. Quer dizer, pode estar no nosso corpo e
não se manifestarem doenças graves durante 5, 10 ou mais
anos.
Existe um teste sanguíneo para
detectar se a pessoa está
infectada com VIH
• V. Sim, existe. O teste mais vulgar designa-se por ELISA e identifica os
anticorpos (defesas) contra o VIH que possam existir no sangue. Como
não se identifica o vírus, mas sim as reacções de defesa do organismo a
este corpo estranho, é necessário esperar 3 meses entre o
comportamento de risco e a realização do teste para que as reacções de
defesa do organismo à presença do VIH já se tenham desenvolvido e
possam ser identificadas. Por isso, um resultado negativo na análise ao
VIH nem sempre quer dizer que a pessoa não está infectada porque ela
pode ter-se infectado depois de fazer a análise ou tê-la feito sem deixar
passar estes 3 meses que são necessários.
Existe um teste sanguíneo para
detectar se a pessoa está infectada
com VIH

• F. Já existe desde 1985. O teste mais vulgar designa-se por ELISA e


identifica os anticorpos (defesas) contra o VIH que possam existir no
sangue. Como não se identifica o vírus, mas sim as reacções de defesa
do organismo a este corpo estranho, é necessário espera 3 meses entre o
comportamento de risco e a realização do teste para que as reacções de
defesa do organismo à presença do VIH já se tenham desenvolvido e
possam ser identificadas. Por isso, um resultado negativo na análise ao
VIH nem sempre quer dizer que a pessoa não está infectada porque ela
pode ter-se infectado depois de fazer a análise ou tê-la feito sem deixar
passar estes 3 meses que são necessários.
Uma pessoa pode contrair o VIH por praticar
sexo oral (boca no pénis) não protegido,
com um homem

• V. Realmente pode contrair-se o VIH através de sexo oral não


protegido. A probabilidade de infecção através de sexo oral é
menor do que através de sexo vaginal e sexo anal.

• F. Efectivamente pode contrair-se o VIH através de sexo oral


não protegido, ainda que a probabilidade de infecção através
de sexo oral seja menor do que através de sexo vaginal e sexo
anal.
Uma pessoa pode contrair o VIH mesmo
se tiver relações sexuais com outra
pessoa uma única vez

• V. Tens toda a razão. Para ficar infectado basta ter relações sexuais
não protegidas uma única vez. Mas quanto mais vezes isto acontecer
pior, por isso deves usar sempre preservativo mesmo que tenhas tido
uma relação sexual não protegida.

• F. Estás muito enganado(a). Para ficar infectado basta ter relações


sexuais não protegidas uma única vez. Mas quanto mais vezes isto
acontecer pior, por isso deves usar sempre preservativo mesmo que
tenhas tido uma relação sexual não protegida.
Usar um preservativo é a melhor
protecção contra a infecção do VIH
• V. O preservativo é a melhor protecção quando se têm relações sexuais. O preservativo
é seguro se for de marca aprovada pelas autoridades sanitárias e estiver dentro do
prazo de validade. Não pode estar seco ou “queimado” pelo calor e ao abrir a
embalagem deve ter-se cuidado para não rasgar ou cortar o preservativo. Por isso a
embalagem não deve ser aberta com os dentes ou com objectos cortantes ou
perfurantes.

• F. O preservativo é a melhor protecção quando se têm relações sexuais. O preservativo


é seguro se for de marca aprovada pelas autoridades sanitárias e estiver dentro do
prazo de validade. Não pode estar seco ou “queimado” pelo calor e ao abrir a
embalagem deve ter-se cuidado para não rasgar ou cortar o preservativo. Por isso a
embalagem não deve ser aberta com os dentes ou com objectos cortantes ou
perfurantes.
É praticamente impossível que as pessoas
contraiam o VIH através de beijos “profundos”, em
que põem a língua na boca de um parceiro
infectado pelo VIH

• V. Realmente é praticamente impossível. A saliva tem vírus, mas


numa quantidade tão pequena que não ocorre infecção. A infecção só
poderá ocorrer em casos muito extremos de grandes lesões na boca e
muitos vírus na saliva da pessoa infectada.

• F. É praticamente impossível porque a saliva tem vírus, mas numa


quantidade tão pequena que não ocorre infecção. A infecção só
poderá ocorrer em casos muito extremos de grandes lesões na boca e
muitos vírus na saliva da pessoa infectada.
Geralmente, podemos determinar se
alguém está infectado olhando para
a pessoa
• V. Não podes, não. Não é pela cara, nem pelo nome, que se vê se uma
pessoa está ou não infectada. Só há uma forma de saber se estamos ou não
infectados se tivemos relações sexuais não protegidas ou partilhámos
seringas: fazendo um teste sanguíneo, após 3 meses de um destes
comportamentos.

• F. Tens toda a razão. Não é pela cara, nem pelo nome, que se vê se uma
pessoa está ou não infectada. Só há uma forma de saber se estamos ou não
infectados se tivemos relações sexuais não protegidas ou partilhámos
seringas: fazendo um teste sanguíneo, após 3 meses de um destes
comportamentos.
Uma pessoa pode contrair o VIH ao receber
sangue durante uma operação cirúrgica

• V. A partir de 1985 começou a recorrer-se a processos de


inactivação do vírus, o que elimina quase totalmente a
existência de VIH no sangue recebido num hospital em
Portugal e nos países industrializados.

• F. Realmente a partir de 1985 começou a recorrer-se a


processos de inactivação do vírus, o que elimina quase
totalmente a existência de VIH no sangue recebido num
hospital em Portugal e nos países industrializados.
Ter relações com mais de um parceiro pode
aumentar a possibilidade de uma pessoa
ser infectado pelo VIH

• V. A probabilidade de encontrarmos um parceiro infectado


aumenta com o número de parceiros. Mas o mais importante
para evitar a infecção é usar sempre preservativo.

• F. A probabilidade de encontrarmos um parceiro infectado


aumenta com o número de parceiros. Mas tens razão se
pensas que o mais importante para evitar a infecção é usar
sempre preservativo.
Uma pessoa pode contrair o VIH dentro de
uma banheira ou de uma piscina se lá
estiver uma pessoa infectada pelo VIH

• V. Uma pessoa não contrai o VIH dentro de uma banheira ou de uma


piscina porque a água existente dilui a concentração de vírus e eles
deixam de ter a capacidade de infectar a pessoa mesmo que entrem
em contacto directo com o sangue ou com as mucosas.

• F. Realmente uma pessoa não contrai o VIH dentro de uma banheira


ou de uma piscina porque a água existente dilui a concentração de
vírus e eles deixam de ter a capacidade de infectar a pessoa mesmo
que entrem em contacto directo com o sangue ou com as mucosas.
Uma pessoa pode contrair o VIH
através de contacto com saliva,
lágrimas, suor ou urina

• V. A quantidade de vírus nestes líquidos é


insignificante e não há provas de que transmitam a
infecção.

• F. Realmente a quantidade de vírus nestes líquidos é


insignificante e não há provas de que transmitam a
infecção.
Uma pessoa pode contrair o VIH tendo sexo
oral (boca na vagina da mulher) não
protegido, com uma mulher

• V. Realmente pode contrair-se o VIH através de sexo oral não


protegido com uma mulher infectada, em particular se ela estiver com
a menstruação. Mas a probabilidade de infecção através de sexo oral
é menor do que através de sexo vaginal e anal.

• F. Efectivamente pode contrair-se o VIH através de sexo oral não


protegido com uma mulher infectada, em particular se ela estiver com
a menstruação. Mas a probabilidade de infecção através de sexo oral
é menor do que através de sexo vaginal e anal.
A lavagem com água fria do
“equipamento” utilizado no uso de
drogas elimina o VIH

• V. Não é verdade. O vírus só é eliminado lavando


com 1 parte de lixívia em 10 partes de água ou
mergulhando o “equipamento” em álcool a 70º.

• F. Tens razão. O vírus só é eliminado lavando com 1


parte de lixívia em 10 partes de água ou
mergulhando o “equipamento” em álcool a 70º.
Uma mulher pode contrair o VIH tendo
relações sexuais vaginais não
protegidas com um homem
• V. Tens razão. Uma mulher pode contrair o VIH se tiver relações sexuais
vaginais não protegidas com um homem porque o vírus encontra-se no
esperma dos homens infectados e, durante a penetração, ocorrem
frequentemente pequenas lesões que permitem a entrada do vírus para a
corrente sanguínea da mulher.

• F. Não tens razão. Uma mulher pode contrair o VIH se tiver relações sexuais
vaginais não protegidas com um homem porque o vírus encontra-se no
esperma dos homens infectados e, durante a penetração, ocorrem
frequentemente pequenas lesões que permitem a entrada do vírus para a
corrente sanguínea da mulher.
Será que sabes tudo o que há a saber?

RESPOSTAS ERRADAS:
Zero: Estás de PARABÉNS, sabes quase
tudo o que tens a saber.
Menos de metade- Nada mal, mas mesmo
assim há alguma informação que precisas
saber!
Mais de metade - Pois é! Há muitas coisas
que pareces não saber. Procura informação
no nosso site

Não desanimes, INFORMA-TE...

Voltar à página inicial


Dizer Não

Muitas vezes, nas relações íntimas, as pessoas tentam


levar as outras a dizer “sim”, quando na realidade elas
querem dizer “não”.

Ajuda essas pessoas a dizerem não…

Lê cada um dos motivos usados para que a pessoa diga


“não”. Clica em cima da situação e escolhe a melhor
das respostas possíveis para dizer “não”. Existem
várias alternativas possíveis...
Respostas Possíveis
A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não
me sinto preparado(a) para dar esse passo.

B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.

C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos
relações sexuais.

D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.

E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.

F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.

G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.

H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.

I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.


Para quê usar
A, B, C, D
, E, F, G,
preservativo? Não
H, I se engravida na 1ª
vez!

Situação 1

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto
preparado(a) para dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
Gostava de ter relações
sexuais contigo. Vais
ficar aí parado? Ou
ainda não te sentes A, B, C, D
, E, F, G,
preparado? H, I

Situação 2

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto
preparado(a) para dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto
preparado(a) para dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações
sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.

Anda lá, já não és


nenhuma criança…
A, B, C, D, E
, F, G, H, I

Situação 3
Anda lá, bebe um copo, A, B,
vais ver que ficas mais C, D, E,
descontraída… F, G, H, I

Situação 4

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto
preparado(a) para dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
Somos mais que amigos… Sinto-me
mesmo atraída por ti. Não queres ir
para um sítio mais calmo?

A, B, C, D, E
, F, G, H, I

Situação 5

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto preparado(a) para dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
Queres que use
A, B, C,
D, E, F,
preservativo? Não
G, H, I estás a pensar que
tenho uma doença,
pois não?

Situação 6

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto preparado(a) para dar esse
passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto preparado(a) para
dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.

Não queres ir para um sítio


mais calmo? Olha que podes
A, B, não vir a ter outra
C, D, E, oportunidade como esta…
F, G, H,
I

Situação 7
A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto preparado(a) para
dar esse passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.

Todas as pessoas
têm relações
sexuais… Anda lá…
A, B,
C, D, E,
F, G, H,
I

Situação 8
Eu sei que tu também
queres, estás é com
medo, mas isto não
custa nada…
A, B, C, D,
E, F, G, H, I

Situação 9

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto preparado(a) para dar esse
passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
Anda lá, vamos ter
relações. Ninguém
vai ficar a saber!
A, B,
C, D, E,
F, G, H,
I

Situação 10

A. Eu sei que nem todas as pessoas têm relações sexuais. Além disso, não me sinto preparado(a) para dar esse
passo.
B. Eu sei o que quero, e neste momento, não quero ter relações sexuais.
C. Acho que ainda não nos conhecemos suficientemente bem para termos relações sexuais.
D. E se apenas nos beijássemos e trocássemos carinhos.
E. Eu adoro-te, mas não quero que nenhum de nós corra riscos.
F. Sinto-me bem contigo, mas não quero que a nossa amizade vá mais longe.
G. Eu gosto muito de ti, mas prefiro esperar mais algum tempo.
H. Não me apetece beber nada, e também não quero ter relações sexuais.
I. Não quero que nenhum de nós corra o risco de contrair doenças.
Situação 1
• Soluções Correctas: E e I
Se acertaste os nossos parabéns, pareces
saber o que fazer nesta situação, continua
para a situação seguinte
Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as outras
situações

Para continuares clica aqui!


Situação 2
• Soluções Correctas: A, B, C, D, F e G
Se acertaste os nossos parabéns, pareces
saber o que fazer nesta situação, continua
para a situação seguinte
Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as outras
situações

Para continuares clica aqui!


Situação 3
• Soluções Correctas: A, B, F e G
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 4
• Soluções Correctas: F e H
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 5
• Soluções Correctas: C, D, F e G
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 6
• Soluções Correctas: E e I
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 7
• Soluções Correctas: B, C, F e G
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 8
• Soluções Correctas: A, B, C, D, F e G
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 9
• Soluções Correctas: A, B, C, F e G
• Se acertaste os nossos parabéns,
pareces saber o que fazer nesta situação,
continua para a situação seguinte
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, continua a tentar com as
outras situações

Para continuares clica aqui!


Situação 10
• Soluções Correctas: B, C, F e G
• Se acertaste os nossos parabéns, pareces
saber o que fazer nestas situações.
• Se não foi desta que acertaste não te
preocupes, podes continuar a navegar pela
página ou voltar a efectuar este jogo!

Para continuares Para Jogar novamente


clica aqui! clica aqui!
Será que sabes defender a tua vontade?
Uma pessoa assertiva é aquela que defende os seus direitos
sem desprezar os direitos dos outros, e que é capaz de
mostrar pensamentos positivos e negativos.

Em todas as situações é importante que saibas ser


assertivo, e não agressivo (passando por cima dos direitos
dos outros) ou passivo (não defendendo os teus direitos e
opiniões).

Instruções: Para cada situação que a seguir te


apresentamos, escolhe a resposta que te parece mais
assertiva.
Estás na conversa com uns amigos.
Eles já tiveram relações sexuais e
estão a gozar contigo por ainda
não teres tido.

O que fazes?

 Deixas de falar com eles.

 Deixas que gozem contigo e não fazes


nada.

 Dizes que cada pessoa tem direito a


fazer as suas opções e eles só têm é que
as respeitar se forem teus amigos.

O teu namorado diz-te que está
na altura de começarem a ter
relações sexuais. Mas tu achas
que ainda não estão preparados.

O que fazes?

 Apesar de não quereres, fazes amor


com ele porque tens medo de o perder.

 Dizes que gostas muito dele, mas que


ainda não te sentes preparada para dar

esse passo.

 Dizes para ele se ir embora e nunca


mais te aparecer à frente.
A tua namorada já teve relações
sexuais, mas tu ainda és virgem. Ela
anda sempre a pressionar-te para que
tenham relações sexuais, mas tu achas
que ainda não é o momento certo.

O que fazes?

 Dizes que ela bem pode desistir de tentar ter


relações sexuais contigo porque tu só as terás
quando te apetecer.

 Tens relações sexuais com ela porque tens


vergonha que ela vá contar às amigas que tu não
queres.

 Explicas-lhe que gostas muito dela, mas que



ainda não te sentes preparado, e que podem
mostrar o amor que sentem de outra forma.
Diz Não às Relações Sexuais Sem o
Preservativo!

Razões usadas para não utilizar


o preservativo
Não te deixes levar em
“Estamos ambos de boa saúde… não conversas!!!
precisamos de usar preservativo”

“Os preservativos são uma chatice… não


dão prazer e são caros” Por vezes, um “sim” pode
querer dizer FICAR
“Tenho vergonha de ir comprar
INFECTADO PELO VIH.
preservativos”

“Para a próxima fazemos com preservativo,


é que agora não tenho nenhum comigo”

“Para quê o preservativo? Achas que sou


infiel?”
Queres perder a virgindade, mas como
sabes dos riscos de apanhar VIH,
queres usar preservativo. O teu
namorado diz-te que não gosta de usar
preservativo porque torna as coisas
pouco naturais.

O que fazes?

 Mesmo sabendo dos riscos, acabas por


fazer porque não consegues fazer com que ele
mude de ideias.

 Dizes que só fazes se for com preservativo


e até te ofereces para o ajudar a colocar.

 Dizes que nunca mais o queres ver porque é
um irresponsável.
O teu namorado quer ter relações
mas sem preservativo porque diz
que não tem doenças, logo não há
risco. Tu sabes que as coisas não
são bem assim…

O que fazes?

 Insistes que ele use preservativo e,


se ele não quiser, dizes que assim não
queres ter relações com ele.

 Mesmo sabendo que é arriscado, tens


relações com ele sem preservativo.

 Dizes para ele ir arranjar outra


pessoa que não se importe de ter
relações sexuais como ele quer.
Tu e a tua namorada sempre tiveram
relações com preservativo, mas ela
está sempre a insistir para não o
usarem. Desta vez, tu não tens nenhum
contigo e ela insiste para que tenham
relações mesmo assim.

O que fazes?

 Dizes para ela parar com essas insistências


ou vais ter que arranjar outra namorada
porque não queres apanhar doenças.

 Mesmo sabendo dos riscos, tens relações


sem preservativo, porque será só desta vez.

 Explicas-lhe os riscos de ter relações



sexuais sem preservativo.

Voltar à página inicial


Jogo das Situações!

Rapazes Raparigas
Rapazes – 1ª situação

Estás numa discoteca a dançar e vês uma


rapariga muito bonita.

Achas que ela se veste muito bem e é


muito atraente. É discreta e não dança
para se exibir.

É o teu dia! Ela aceitou dançar, gostou de


ti e aceitou o teu convite para terem
relações num local escolhido pelos dois.
Rapazes – 1ª situação

• O que costumas fazer? • O que pensas?

“Ela é tão gira… mas não tenho


“Uso sempre preservativo” preservativos comigo!”

“Ela pode estar infectada com


“Já houve alturas em que não usei” VIH”

“Tenho aqui um preservativo,


“Nunca uso preservativo”
mas se o usar ela vai achar que
não confio nela”
Rapazes – 1ª situação

• Ela diz-te: • O que fazes?

“Chegam a acordo e têm relação


“Não há problema…eu não gosto
muito de usar preservativo”
“Vão os dois comprar preservativ
“Só tenho relações se fizermos
com preservativo”
“Optas por não ter a relação.”
“Queres usar preservativo?
Estás a chamar-me vadia?”
Parabéns!!

Cumpriste o percurso para uma relação de


satisfação e protegida

É uma decisão acertada, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres preservativo
é melhor ires comprar. Protege-te!

Clica para Continuar


Estás infectado!

Ela era muito atraente, mas numa noite com um


antigo namorado ficou infectada sem saber…
Protege-te com o preservativo sempre!

É uma decisão difícil, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres
preservativo é melhor ires comprar. Protege-te!

Tenta Outra Vez


Rapazes – 2ª situação

Tens uma namorada há bastante tempo.

Gostam muito um do outro e ela mostra


confiança em ti.

Tu confias nela e conversam os dois muitas


vezes sobre o que é mais importante nas
relações sexuais.

Estão os dois no quarto e vão iniciar uma


relação sexual…
Rapazes – 2ª situação
• O que costumas fazer? • Ela diz-te:

“Uso sempre preservativo”


“Podemos fazer sem preservativo
porque estou a tomar a pílula”

“Já houve alturas em que não


usei” “Nunca fazemos sem preservativo,
dizem que é tão bom…”

“Nunca uso preservativo”


Rapazes – 2ª situação
• O que tu pensas? • O que tu dizes?

“Se eu disser que só faço com


preservativo vou parecer “Mas eu prefiro só ter
mal…” relações se usarmos
preservativo”

“Que bom, isto só mostra que “Ainda bem que queres


ela confia em mim!” experimentar…estou cheio de
vontade!”

“Se fizer sexo desprotegido


posso ficar infectado com
VIH”
Rapazes – 2ª situação
• O que ela diz? • O que fazes?

“Estamos os dois de boa Explicas-lhe os riscos de terem re


saúde…não precisamos de
usar preservativo”

Mesmo sabendo dos riscos, tens re


“Queres usar preservativo?
Achas que sou infiel?”
Dizes para ela parar com essas ins

“Adoro-te!!”
Parabéns!!

Cumpriste o percurso para uma relação de


satisfação e protegida

É uma decisão acertada, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres preservativo
é melhor ires comprar. Protege-te!

Clica para Continuar


Estás infectado!

Ela era muito atraente, mas numa noite com um


antigo namorado ficou infectada sem saber…
Protege-te com o preservativo sempre!

É uma decisão difícil, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres
preservativo é melhor ires comprar. Protege-te!

Tenta Outra Vez


Raparigas – 1ª situação

Tens um namorado há bastante tempo.

Gostam muito um do outro e ele mostra


confiança em ti.

Tu confias nele e conversam os dois muitas


vezes sobre o que é mais importante nas
relações sexuais.

Estão os dois no quarto e vão iniciar uma


relação sexual… e ele não quer usar
preservativo.
Raparigas – 1ª situação

• O que costumas fazer? • O que pensas?

“Uso sempre preservativo” “Ele confia tanto em mim…e eu


não estou a confiar totalmente
nele”
“Já houve alturas em que não
usei” “Ele pode estar infectado com
VIH”

“Nunca uso preservativo” “Quero usar preservativo, mas se


o usar ele vai achar que não
confio nele”
Raparigas – 1ª situação

• Ele diz-te: • O que fazes?

“Não é preciso preservativo…


Ou achas que eu sou infiel?” “Explicas-lhe os riscos de terem r

“Para a próxima fazemos com


preservativo, mas agora não “Mesmo sabendo dos riscos, tens
tenho nenhum comigo”
“Optas por não ter a relação.”
“Os preservativos são uma
chatice, tiram-me o prazer.”
Parabéns!!

Cumpriste o percurso para uma relação de


satisfação e protegida

É uma decisão acertada, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres preservativo
é melhor ires comprar. Protege-te!

Clica para Continuar


Estás infectada!

Ele era muito atraente, mas numa noite com uma


antiga namorada ficou infectado sem saber…
Protege-te com o preservativo sempre!

É uma decisão difícil, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres
preservativo é melhor ires comprar. Protege-te!

Tenta Outra Vez


Raparigas – 2ª situação

Estás numa discoteca a dançar e vês um


rapaz muito giro.

Achas que ele se veste muito bem e é


muito atraente. É discreto e tem estado a
olhar para ti.

É o teu dia! Ele aceitou dançar, gostou de


ti e começaram a conversar.

Nos dias seguintes encontraram-se e hoje


decidiram ter uma relação sexual.
Raparigas – 2ª situação

• O que costumas fazer? • O que pensas?

“Uso sempre preservativo” “Gosto tanto dele…mas não


tenho preservativos comigo!”
“Já houve alturas em que não
usei”
“Ele pode estar infectado com
“Nunca uso preservativo” VIH”

“Quero usar preservativo, mas


se o usar ele vai achar que não
confio nele”
Raparigas – 2ª situação

• Ele diz-te: • O que fazes?

“Não há problema…estamos “Vão os dois comprar preservativo


os dois de boa saúde”

“Os preservativos são uma “Chegam a acordo e têm relação s


chatice…tiram-me todo o
prazer”
“Optas por não ter a relação.”
“Queres usar preservativo?
Não confias em mim?”
Parabéns!!

Cumpriste o percurso para uma relação de


satisfação e protegida

É uma decisão acertada, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres preservativo
é melhor ires comprar. Protege-te!

Clica para Continuar


Estás infectada!

Ele era muito atraente, mas numa noite com uma


antiga namorada ficou infectado sem saber…
Protege-te com o preservativo sempre!

É uma decisão difícil, mas na vida real nem


sempre é fácil travar… Se não tiveres
preservativo é melhor ires comprar. Protege-te!

Tenta Outra Vez


Queres ver um filme sobre o tema?

AND THE BAND PLAYED ON


• Este filme tem origem num livro com o mesmo nome, de
Randy Shilts, que descreve a história política, científica e
humana dos primeiros anos após ter sido descoberta a SIDA
nos E.U.A. A história é basicamente dedicada à investigação
médica que tentava descobrir esta nova doença, ao mesmo
tempo que combatia o medo e indiferença do público que
nessa altura chegou a impedir o progresso das investigações.

AS AVENTURAS DE FÉLIX
• As aventuras cómicas de um jovem homossexual, que parte
em busca do pai que nunca conheceu.
KIDS
• Descreve o percurso de três adolescentes pelo mundo da
droga, sexo desprotegido e consequentemente da SIDA.

TODO SOBRE MI MADRE


• Esteban completa 17 anos. Para comemorar seu aniversário,
Manuela, sua mãe, leva-o ao teatro para assistir a uma peça.
Manuela confessa ao filho que interpretou aquela peça, 20
anos antes, junto com seu pai, de quem ele nunca soube
notícias. Como presente de aniversário, Manuela promete
contar a Esteban tudo sobre o seu pai ao chegarem a casa.
Porém, Esteban morre acidentalmente no caminho, e Manuela
parte em busca do homem que um dia foi seu marido, para
deixar uma dependência do passado. Nesta procura, ela
acaba por se deparar com uma série de situações, algumas
envolvendo o VIH/SIDA.
FILADÉLFIA
• Este filme foca aspectos como a injustiça, intolerância, SIDA
e homossexualidade, pela personagem de Andrew (Tom Hanks),
um jovem e prometedor advogado, que ao ser despedido sem
justa causa move um processo contra os seus ex-patrões

ZERO PATIENT
• Um comissário de bordo da companhia Franco-Canadiana,
Steward, o paciente zero (primeiro a quem foi diagnosticado o
o VIH) volta como fantasma e depara-se com alguns dos seus
amigos que sofrem do síndrome. Destes apenas um o pode ver
e é com este que ele se envolve emocionalmente…
Preferes ler um livro sobre o tema?
A SIDA
• R. Daudel (1995)
• Instituto Piaget
• O professor Luc Montagnier - cientista que descobriu o
vírus da SIDA - e o professor Raymond Daudel
descrevem as propriedades do vírus e da doença, os
meios de que dispomos, hoje, para a tratar e o futuro da
terapêutica e da vacina contra a SIDA.
Um livro importante que salienta a insistência na única
medida conhecida para impedir a difusão do vírus: a
prevenção.
DEPOIS DAQUELA VIAGEM - DIÁRIO DE
UMA JOVEM QUE APRENDEU A VIVER
COM A SIDA
• Valéria Piazza Polizzi (2000)
• Dom Quixote
• A história verdadeira de uma rapariga que nasceu
em São Paulo numa família de classe média alta e
que contraiu o vírus da SIDA aos 16 anos. Trata-
se de um livro auto-biográfico onde
simultaneamente se conta uma história envolvente
e comovedora e se desperta consciências.
LIÇÕES DE VIDA LIÇÕES DE SIDA
• Machado Caetano (2000)
• Ambar
• A Sida é, sem dúvida, uma das doenças mais
preocupantes do nosso século e, no entanto, aos
olhos da maioria das pessoas, jovens e adultos,
continua a ser uma realidade distante, algo que só
acontece aos outros, muito particularmente aos
homossexuais e aos toxicodependentes.
MEU IRMÃO MARTIN:SIDA, UM TESTEMUNHO
•Pola Van Der Donk-Scheepers (1991/2002)
•Pergaminho
•Martin Scheepers foi um dos mais talentosos bailarinos do
seu tempo. Em 1985 é-lhe diagnosticado o vírus da SIDA. A
falta de informação acerca da doença não impede que já
existam preconceitos. A sua irmã, Pola van der Donck-
Scheepers, acompanhou passo a passo a sua doença e, com uma
combinação espantosa de emoção e objectividade, descreve
neste livro o que significava, em 1985, ser doente de SIDA e o
que significa, sempre, conviver com o sofrimento prolongado e
com a morte de alguém que se ama.
L.A.& CA.E SIDA NA ESCOLA
•Maria Mata (1996)
•Livraria Civilização Editora
•O pretexto de uma aventura serve para abordar
situações importantes da vivência social da SIDA e
transmitir conhecimentos no contexto das situações
criadas. Um instrumento para ajudar a ultrapassar
preconceitos e desenvolver um espírito solidário.

Voltar à página inicial


Procuras Hospitais com consulta de
infecciologia?
AÇORES AVEIRO
• Hospital de Ponta Delgada •Hospital Distrital de Aveiro
Serviço de Doenças Infecciosas Serviço de Medicina Interna
Praça 5 de Outubro
Av. Artur Ravara
Telefone: 296 28 23 22
Telefone: 234 37 83 00
ALMADA
• Hospital Garcia da Horta BARREIRO
Serviço de Infecciologia •Hospital Distrital do
Bº do Matadouro - Pragal
Telefone: 21 272 67 00 Barreiro
Unidade de Doenças
AMADORA/SINTRA
Infecciosas
• Hospital Fernando Fonseca Av. Movimento das Forças
IC 19- Amadora
Telefone: 21 434 82 00 Armadas
Telefone: 21 204 75 60
CASCAIS
•Hospital de Cascais
R. Francisco Avilez
Telefone: 21 482 77 00
BEJA COIMBRA
• Hospital Distrital de Beja •Hospitais da
Serviço de Medicina 2 Universidade de Coimbra
R. Dr. António Covas Lima Departamento de
Telefone: 284 31 02 00. Doenças Infecciosas
BRAGA Praceta Mota Pinto
• Hospital de São Marcos Telefone: 239 402 901
Departamento de Medicina •Centro Hospitalar de
Largo Engº Carlos Amarante Coimbra
Telefone: 253 601 300 Serviço de Doenças
BRAGANÇA Infecciosas
• Hospital Distrital de Quinta dos Vales
Bragança Telefone: 239 800 155 /
Av. Abade de Baçal 32
Telefone: 273 331 233
ELVAS FARO
• Hospital de Sta.. Luzia de •Hospital Distrital de Faro
Elvas Serviço de Medicina Interna
Serviço de Medicina Interna 1
R. Leão Penedo
R. Mariana Martins Telefone: 289 891 100
Telefone: 268 637 600
ÉVORA GUIMARÃES
• Hospital do Espirito Santo de •Hospital Srª da Oliveira
Serviço de Medicina
Évora
R. dos Cortilheiros -
Largo Nossa Senhora da Creixomil
Pobreza Telefone: 253 515 040
Telefone: 266 740 100
CALDAS DA RAINHA
•Centro Hospitalar das
Caldas da Rainha
R. Diário de Notícias
Telefone: 262 830 300
LISBOA •Hospital de Pulido Valente
• Hospital Curry Cabral Dep. Pneumologia, Unidade
R. da Beneficiência de Imunodeficiência
Telefone: 21 792 42 00 ext. Alameda das Linhas de
1363
Torres, 117
• Hospital Dona Estefânia
Unidade de Imuno- Telefone: 21 757 05 41
Hematologia (ext. 327 / 334)
Consulta de
Imunodeficiências •Hospital de Santa Maria
R. Jacinta Marto Serviço de Infecciologia
Telefone: 21 312 66 00 (Pisos 4, 5 e 6)
• Hospital Egas Moniz Av. Prof. Egas Moniz
Serviço de Infecciologia
R. da Junqueira, 126 Telefone: 21 780 50 00
Telefone: 21 365 00 00 -
ext.530
PORTIMÃO •Hospital de São João
• Hospital Distrital de Portimão Serviço de Infecciosas
Serviço de Medicina Interna Alameda Prof. Dr. Hernâni
Av. João de Deus
Telefone: 282 450 300 Monteiro
PORTO Telefone: 225 512 100
• Hospital Joaquim Urbano SANTARÉM
R. Câmara Pestana, 348
Telefone: 225 791 41 •Hospital Distrital de
• Hospital Eduardo Santos Silva Abrantes
Unidade de Imunodeficiência
R. Conceição Fernandes Serviço Medicina Interna
Vila Nova de Gaia Estrada Nacional 2 –
Abrantes
Telefone: 241 360 700
• Hospital Distrital de Santarém
Unidade de Medicina Interna
Av. Bernardo Santarém
Telefone: 243 300 200

SETÚBAL
Hospital de São Bernardo
R. Camilo Castelo Branco
Telefone: 265 520 300
Procuras uma instituição?
-Instituições de apoio social e ONGs SIDA-
BRAGA
• Associação BRILHAR – grupos de auto-ajuda para seropositivos.
R. José da Cunha, 16 – r/c Esq.
Telefone: 253 625 955
CASCAIS
• Centro Comunitário da Paróquia de Carcavelos
Av. do Loureiro, 394 – Carcavelos
Telefone: 21 457 89 52 / 21 457 67 68
Horário: todos os dias 9h30 às 13h30 e 14h30 às 17h30
• GADS - Grupo de Apoio e Desafio à SIDA – Apoio a
toxicodependentes com problemática de VIH/SIDA associada.
R. João António Gaspar, 40 – Bº Marechal Carmona
Telefone: 21 486 14 29 / 21 483 28 48
Horário: 9h30 às 18h
FARO
• MAPS - Movimento de Apoio à Problemática da SIDA
Av. Cidade Hayward, Lt. C1-D2, Caves - Vale de Carneiros
Telefone: 289864777 Linha Permanente
917279015/ 289864957 
Horário: 9h00m às 18h30m.

LISBOA
• ABRAÇO - Associação de Apoio a Pessoas com VIH/SIDA
R. da Rosa, 243 - 1º
Telefone: 800225115 / 21 342 59 29
Horário: 10h às 13h / 15h às 20h
• ADDEPOS – Associação dos Direitos e Deveres dos Positivos
Portadores do Vírus da SIDA
Tv. Dona Estefânia, 7-7A
• Associação SOL - Associação de Apoio a Crianças Infectadas
pelo o Vírus da SIDA e Suas Famílias
R. Pedro Calmon, 29
Telefone: 21 362 57 71 / 21 362 57 72

• Associação Positivo - Grupos de Apoio e Auto-Ajuda


Apartado 52082 (1721-501 Lisboa)
213422976 213422976

• Centro de S. Martinho de Lima – Instituição de Carácter


Religioso com Serviços de Apoio Domiciliário.
Travessa do Corpo Santo, 32-34
Telefone: 21 347 94 60
Horário: 10h30 às 12h30 / 15h às 17h30
Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a SIDA”
R. Andrade Corvo, 16 - 1º Esq.
Telefone: 21 354 00 00
• Comissão Nacional de Luta Contra a Sida
Palácio Bensaúde - Estrada da Luz, n.º 153
217210360 / 217220820/ 217220822
• Projecto Solidariedade
Santa Casa da Misericórdia de Lisboa - Apoio a pessoas com
VIH/SIDA, com dificuldades de integração familiar, social e
económica, residentes na cidade de Lisboa.
Largo Trindade Coelho
Telefone: 21 323 51 84
Horário: 2ª, 3ª, 5ª e 6ª das 9h30 às 12h30
• LPCS - Liga Portuguesa contra a SIDA
R. do Crucifixo, 40 - 2º
Telefone: 21 322 55 75

MADEIRA - Funchal
ABRAÇO - Associação de Apoio a Pessoas com VIH/SIDA
R. de Sta. Maria, 111 – Funchal
Telefone: 291 236 700
Horário: 10h às 13h / 15h às 20h
PORTALEGRE
Centro de Saúde de Nisa
R. Combatentes da Grande Guerra – Nisa
Telefone: 245 412 133
Horário: 8h às 12h30 / 14h às 17h30

PORTIMÃO
• MAPS-Delegação Portimão
Antigas Instalações dos Correios
Ex-Cracep
282427022 

PORTO
• UNIVA - ESPAÇO T – Unidade de Inserção na Vida Activa, apoio
social, comunitário e de procura de Emprego
Av. de França, 256
C.C. Capitólio, sala 23
Telefone: 22 830 24 32
Horário: 2ª a 6ª das 10h às 13h / 14h às 18h
• Fundação Portuguesa "A Comunidade Contra a SIDA"
R. das Flores, 69 - Gabinete 13
Telefone: 22 339 35 34
Horário: 10h às 13h / 14h às 19h
• Cáritas Diocesana do Porto - Acção Social da Igreja
R. Latino Coelho, 314
Telefone: 22 52 44 67
Horário: 9h30 às 12h30 / 14h30 às 18h30
• ABRAÇO - Associação de Apoio a Pessoas com VIH/SIDA
Av. Ramos Pinto, Cais de Gaia, Pav. de Exposições
Vila Nova de Gaia
Horário: 10h às 13h / 15h às 20h
• Associação Contra a Tuberculose do Porto
R. do Quanza, 25
Telefone: 22 81 67 19
Horário: 9h às 12h / 14h às 18h30
• Associação Gabinete de Recreio de Azevedo de Campanhã
Gabinete de Atendimento Psicossocial
Bº do Lagarteiro, bloco 3, entr.89 - casa 21
Telefone: 22 530 09 45
Horário: 10h às 12h30 / 14h30 às 18h

SETÚBAL
• ABRAÇO - Centro de Trabalho Mário Pimenta
R. do Mormugão, 35
Telefone: 265 230 111

TORRES VEDRAS
• ADDEPOS
Quintas das Lapas
Monte Redondo
261312331/261312331
Preferes telefonar?
...Ajuda na área do VIH/ SIDA:

• Associação de Apoio a Crianças Infectadas pelo Vírus da Sida e suas Famílias


213972632
• ABRAÇO 800 22 51 15/ 21 342 59 29
• Centro de Documentação e Informação da C.N.L.C.S. 217270300
• Comissão Nacional de Luta Contra a SIDA 217210360/
217220820/ 217220822
• Federação Portuguesa A Comunidade Contra a SIDA
213540000/3550000
• Linha SIDA 800 26 66 66
• Sexualidade Segura 800 20 21 20
• SOS SIDA 800201040
...Ajuda na área da sexualidade:

• Aparece às Sextas 213857486

• Associação Ilga - Portugal (apoio à homossexualidade)

218876116; DROP- IN (apoio à prostituição) 218853249

• Centro Aparece 213932477

• Dificuldades Sexuais 808206206

• Linha Informar Famílias 218441399

• Quartas Feiras Jovens Algarve 967909396

• Quartas Feiras Jovens Lisboa 213888901

• Sexualidade em Atendimento 222001798 SOS

• Sexualidade em Linha 808222003

• Sexualidade Segura (apoio mecânico) 800202120

Voltar à página inicial


Links

• www.abraco.org - Site da Associação Abraço.

• www.cnlcs.pt - Site da Comissão Nacional da Luta Contra a SIDA

• http://juventude.gov.pt – Secretaria de Estado da Juventude. Sexualidade Juvenil e Linhas


de Apoio.

• www.lpcs.pt - Site da Liga Portuguesa contra a SIDA.

• www.onuportugal.pt -Centro de informação da ONU em Portugal sobre VIH/SIDA

• www.vihiv.com - Site português informativo sobre SIDA

• www.who.int - Organização Mundial de Saúde

• www.unaids.org - Organização das Nações Unidas SIDA


Concepção
Andreia Rosa
Carla Porto
Cláudia Ferreira
Maria João Sá
Marisa Santos
Neuza Paiva
Nuno Duarte
Patrícia Santos

Revisão Técnica – Maria João Alvarez


Voltar à página inicial