Você está na página 1de 19

DEPRESSÃO

Maria Helena Ribeiro da Silva


ICBAS
DEPRESSÃO
• Comum – prevalência a 1 ano de 10% nas mulheres
• Causa principal de incapacidade (medida em AVI)
• 4º lugar entre a carga global de doença (medida em
AVAI)
• Pouco reconhecida – apenas cerca de 25% dos doentes
são tratados
• Ocorre muitas vezes como episódio único mas ainda
mais frequente as recorrências (>50%)
• Pode surgir em qualquer fase da vida embora incidência
mais alta na meia idade
• 20% evolui para cronicidade
• Nas formas recorrentes há 15 a 20% de suicídios
EPIDEMIOLOGIA
Pert. Bipolar Pert.
Depressiva
Prevalência ao 1% 15%
longo da vida
Ratio entre os 1/1 1/2
sexos – m/f
Idade de 3ª década qualquer
aparecimento
DEPRESSÃO
CLASSIFICAÇÕES

• Endógena / Reactiva

• Neurótica / Psicótica

• Primária / Secundária

• Unipolar / Bipolar
CLASSIFICAÇÃO DAS PERTURBAÇÕES
DO HUMOR (CID-10)
Pert. Orgânica do Humor depressiva
maníaca

Pert. Depressiva ligeira


moderada
grave
psicótica
distimia

Pert. Bipolar ciclotimia


PERTURBAÇÕES DA
ADAPTAÇÃO
REACÇÃO DEPRESSIVA BREVE
< 1 mês
REACÇÃO DEPRESSIVA PROLONGADA
< 2 anos

• Início claramente ligado a um acontecimento


traumático ou situação geradora de stress

• Surge no 1º mês após o acontecimento


QUADRO CLÍNICO
CARACTERÍSTICAS BÁSICAS

Humor deprimido
Perda de interesse e de prazer
Falta de energia

Pelo menos duas semanas de duração


DEPRESSÃO MODERADA
1- Alterações do aspecto
arranjo descuidado
expressão facial (rugas)
< pestanejo
ombros curvados
cabisbaixo
< gestos espontâneos
2- Humor
não reactivo ao ambiente
sentido como diferente da tristeza normal
3- Ideação pessimista
sobre o passado – culpa
o presente – desvalorização
o futuro – sem esperança (ideias de suicídio)
4- Falta de interesse e prazer
5- < energia - mas pode estar associada a alguma agitação
6- Inibição psicomotora – mais rara a agitação
discurso lento, voz monocórdica, pausas
7- Ansiedade e irritabilidade
8- < atenção e concentração e perturbações de memória
9- Sintomas biológicos – alterações do sono, variação diurna do humor,
obstipação, < apetite e < peso, < líbido
DEPRESSÃO GRAVE
• Todos os sintomas anteriores, com mais
intensidade
• Quando se associam alucinações e delírios –
DEPRESSÃO PSICÓTICA :
delírios congruentes com o
humor – d. de
culpa, d. hipocondríacos, d. de ruína, d.
persecutórios, d. de negação
alucinações auditivas – vozes
que se lhe dirigem na 2ª pessoa, raramente a.
visuais
DEPRESSÃO LIGEIRA
• Problemas complicados de classificação
• Há outros sintomas - >ansiedade, fobias,
sint. obsessivos, mais raramente sint.
dissociativos
• Insónia inicial ou do meio da noite
• Agravamento vespertino do humor
• Não há habitualmente os sintomas
“biológicos”
SÍNDROME SOMÁTICO DA
DEPRESSÃO
• Perda marcada de interesse e prazer
• Humor não reactivo ao ambiente
• Insónia da madrugada – despertar 2 ou > horas
antes do habitual
• Agravamento matinal do humor
• Inibição (ou agitação) psicomotora notória
• Anorexia marcada
• Perda de peso significativa
• < líbido
DISTIMIA
• Crónica
• Humor deprimido, sentimentos de culpa,
inadequação, irritabilidade, raiva
• Isolamento social
• Perda de interesse
• Inactividade e falta de produtividade
• Frequente – 3 a 5 % da população geral
> nas mulheres, nos solteiros, nos
jovens, nas pessoas com escassos recursos
coexiste frequentemente com
outras perturbações psiquiátricas
PERTURBAÇÃO DEPRESSIVA
ORGÂNICA
• Causas endócrinas e metabólicas
d. Cushing
d. Addison
hipotiroidismo
hipercalcemia
< ácido fólico
• Doenças neurológicas
d. cerebrovasculares
epilepsia
esclerose múltipla
tumor cerebral
traumatismo craniano
LED
d. Parkinson
• Medicação
betabloqueadores
digoxina
anti-epilépticos
barbitúricos
ETIOLOGIA
• Factores genéticos
• Factores biológicos :
aminas biogénicas (serotonina,NA,dopamina)
regulação neuro-endócrina ( eixo hipotálamo/hipófise/suprarrenal)
• Factores psicológicos
personalidade (dependência interpessoal excessiva)
impotência aprendida
estilo cognitivo negativo
• Factores do ambiente
acontecimentos de vida adversos
falta de apoio
perda da mãe antes dos 10 anos
doença física
DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL
• Tristeza
• Luto
• Pert. Ansiedade
• Pert. Somatoformes
• Esquizofrenia
• Demência
• Abuso de substâncias
TRATAMENTO
• Estabelecer presença de pert. Depressiva
• Excluir perturbação mental grave subjacente (ex.
esquizofrenia)
• Verificar se existe doença médica geral
• Determinar gravidade da depressão
psicótica – referir à especialidade
grave – referir à especialidade
moderada – iniciar antidepressivo
ligeira – rever mais tarde, considerar tratamentos
psicológicos
• Avaliar riscos
• Escolher antidepressivo, avisar possíveis efeitos laterais,
rever dentro de 1 semana (adesão e efeitos laterais),
avaliar eficácia às 4 semanas
TRATAMENTO – continuação

• Avaliar risco de suicídio e apoio disponível


internar?
• Uso de antidepressivos
informar
dar dose adequada durante tempo suficiente
verificar “ compliance “
• Atender aos aspectos psico-sociais
• Psicoterapia
• ECT
• Tratamento profiláctico
TRATAMENTO - continuação
QUANDO OS DOENTES DEPRIMIDOS NÃO RESPONDEM AO
TRATAMENTO:

• Reavaliar o diagnóstico
• Excluír perturbação psiquiátrica subjacente (ex. esquizofrenia,
demência)
• Verificar presença de factores de manutenção (ex. abuso de álcool)
• Realizar exame físico completo
• Rever dosagem do antidepressivo
• Rever duração do tratamento
• Verificar adesão ao tratamento
• Descontinuar fármacos depressivogéneos (ex. benzodiazepinas)
• Mudar de antidepressivo
• Rever o doente regularmente
• Enviar à especialidade
PROGNÓSTICO
• O episódio depressivo dura entre 3 a 8
meses
• Cerca de 20% permanecem deprimido
durante 2 ou mais anos
• Cerca de 50% têm novo episódio
• Risco de suicídio de 15% na depressão
grave