Você está na página 1de 30

Anfioxo

Modelo 77:

Fase mais adiantada que o Modelo 76 da invaginação das células do Endoderma primário (em amarelo), promovendo a oclusão da Blastocele.

Modelo 78:

Completou-se a oclusão da Blastocele e formou-se uma Gástrula ou pequeno estômago didérmico. O folheto externo é o Ectoderma (azul) e o interno é o Endoderma primária (amarelo). A cavidade corresponde ao Arquéntero ou Intestino Primitivo. O local de migração das células é o Blastóporo em forma de boca de sino ou Blastóporo Campanuliforme.

Modelo 79:

Fase mais adiantada do desenvolvimento já mostrando a formação da Placa Neural (em branco).

Campanuliforme. Modelo 79: Fase mais adiantada do desenvolvimento já mostrando a formação da Placa Neural (em

Modelos 80 e 81:

Corte longitudinal mostrando diferenciação do Mesoderma (vermelho). Temos, então, a Mesodermogênese e a Notocordogênese (corte transversal).

diferenciação do Mesoderma (vermelho). Temos, então, a Mesodermogênese e a Notocordogênese (corte transversal).
diferenciação do Mesoderma (vermelho). Temos, então, a Mesodermogênese e a Notocordogênese (corte transversal).

Modelos 82 e 83:

Por invaginação dorsal e dorso-lateral do Endoderma primário inicia-se a formação de Notocorda (verde) e Mesoderma (vermelho). Em branco a formação do Tubo Neural.

primário inicia-se a formação de Notocorda (verde) e Mesoderma (vermelho). Em branco a formação do Tubo
primário inicia-se a formação de Notocorda (verde) e Mesoderma (vermelho). Em branco a formação do Tubo

Modelo 84:

Separação do Mesoderma e da Notocorda do Endoderma primário. Este cresce dorsalmente e delimita uma cavidade central. Agora já se tem o endoderma definitivo (amarelo) delimitando o lume do Intestino Primitivo.

(amarelo) delimitando o lume do Intestino Primitivo. Modelo 85: Crescimento ventral do Mesoderma de cada lado

Modelo 85:

Crescimento ventral do Mesoderma de cada lado do embrião. Cavitação central do mesmo para formação do Celoma Intraembrionário. Neste modelo vê-se de fora para dentro:

Ectoderma (azul);

Tubo Neural fechando (branco);

Mesoderma (vermelho) delimitando Celoma Intraembrionário;

Notocorda (verde);

Intestino Primitivo revestido internamente pelo endoderma (amarelo).

Intraembrionário; ∑ Notocorda (verde); ∑ Intestino Primitivo revestido internamente pelo endoderma (amarelo).

Modelo 86:

Vista lateral do embrião. Retirou-se o Ectoderma para evidenciar a segmentação do Mesoderma em somitos (vermelho).

a segmentação do Mesoderma em somitos (vermelho). Modelo 87: Corte longitudinal do mostrando: ∑ Intestino

Modelo 87:

Corte

longitudinal

do

mostrando:

Intestino Primitivo;

Notocorda;

Tubo Neural.

embrião

em

fase

adiantada

do

desenvolvimento

do mostrando: ∑ Intestino Primitivo; ∑ Notocorda; ∑ Tubo Neural. embrião em fase adiantada do desenvolvimento

Anfíbios

Modelos 94, 95 e 96:

Fases da Endodermogênese, Notocordogênese e Mesodermogênese por movimentos de enrolamento de Blastômeros ao longo de Blastóporo em Sulco ou Fenda Circular.

Modelo 94:

Blástula com Macrômeros no pólo vitelínico e micrômeros no pólo animal. Blastoderma estratificado (rosa claro) e Blastocele pequena e excêntrica.

Modelo 95:

Migração de células pelo lábio dorsal e Blastóporo que está iniciando sua formação

Modelo 96:

Fase mais adiantada da migração de células causando a obliteração da Blastocele e iniciando a formação do Arquêntero.

mais adiantada da migração de células causando a obliteração da Blastocele e iniciando a formação do

Modelos 97 e 98:

Folhetos embrionários já formados.

Modelo 97:

Corte ao nível da região dorsal do Blastóporo mostrando a rolha vitelina obliterando o Blastóporo (rosa escuro), o Endoderma (amarelo), o Mesoderma que envolveu por migração de células por todos os lábios do Blastóporo (vermelho), ladeando a Notocorda (verde) e externamente o Ectoderma (marrom).

Modelo 98:

Corte longitudinal do embrião mostrando todas a s estruturas contidas no Modelo 97 e também uma cavidade revestidad pelo Endoderma: Arquêntero ou Intestino Primitivo.

a s estruturas contidas no Modelo 97 e também uma cavidade revestidad pelo Endoderma: Arquêntero ou

Modelos 99, 100 e 101:

Diferenciações do Neuroectoderma (em branco) para a formação do Tubo

Neural.

Modelo 99:

Neuroectoderma em fase de Placa Neural.

Modelo 100:

Neuroectoderma em fase de Goteira Neural.

Modelo 101:

Início do fechamento da Goteira Neural em sua região média.

100: Neuroectoderma em fase de Goteira Neural. Modelo 101: Início do fechamento da Goteira Neural em

Modelos 102,103 e 104:

Embrião na fase de desenvolvimento dos folhetos embrionários.

Modelo 102:

Podem-se evidenciar:

Intestino Primitivo (amarelo);

Notocorda (verde);

Ectoderma (marrom);

Tubo Neural ainda não totalmente fechado (branco).

Modelo 103:

Em fase mais adiantada do desenvolvimento e com as mesmas estruturas do modelo anterior. Tubo Neural totalmente fechado e revestido externamente pela Ectoderma.

e com as mesmas estruturas do modelo anterior. Tubo Neural totalmente fechado e revestido externamente pela

Modelo 104:

Corte transversal na região média do Modelo 103 mostrando Ectoderma (marrom), Mesoderma (vermelho) com seus folhetos delimitando o Celoma Intraembrionário, endoderma (amarelo) revestindo o lúmen do Intestino Primitivo, Notocorda (verde) e acima dela o Tubo Neural (cinza) e Cristas Neurais (cinza escuro).

o lúmen do Intestino Primitivo, Notocorda (verde) e acima dela o Tubo Neural (cinza) e Cristas

Modelo 113:

Aves

Forma discoidal - face Externa (cinza) - na área embrionária distinguir:

Estria Primitiva com Sulco Primitivo;

Nódulo Primitivo e Fosseta Primitiva;

Prolongamento Cefálico fazendo leve saliência na linha média, cranialmente ao Nódulo Primitivo.

Face Interna:

Gema (rosa);

Endoderma, constituído nesta fase o teto do Saco Vitelino (amarelo);

Notocorda (preto);

Intraembrionário

Mesoderma

-

ainda

constituindo

faixa

epitelial

contínua

(vermelho).

∑ Intraembrionário Mesoderma - ainda constituindo faixa epitelial contínua (vermelho).

Modelo 114:

Forma discoidal - Face Externa apresentando:

A - Estria e Nódulo Primitivo desaparecendo, caudamente;

B - Neuroectoderma já diferenciado em Goteira Neural (em alguns modelos).

Face Intena - apresentando:

A - Gema (rosa);

B - Endoderma iniciando seu fechamento no extremo anterior do disco embrionário (amarelo);

C - Notocorda (preto);

D - Mesoderma já apresentando diferenciações em Lâminas dorsal-somitos, média e lateral (vermelho);

E - Esboço do coração no Mesoderma e vasos vitelinos (azul);

F - Na região mais cefálica fusão do Ectoderma (cinza) com Endoderma (amarelo),

formando a Placa Pré-cordal.

(azul); F - Na região mais cefálica fusão do Ectoderma (cinza) com Endoderma (amarelo), formando a

Modelo 19:

MAMÍFEROS

Fase inicial da implantação (nidação).

Nesta altura, e como pré requisito para a implantação, a zona pelúcida foi

cima

para baixo observa-se:

desintegrada.

De

A - Blastocisto (constituído de:) A.1 - Trofoblasto (massa celular externa), em creme, formado por uma camada delgada de células circundado uma cavidade (blastocele); A.2 - Blastocele; A.3 - Embrioblasto (massa celular interna) em branco; Obs.: Na área de contato com a mucosa uterina, o trofoblasto diferencia-se em duas camadas:

A.4 - Citotrofoblasto (mais interna) em creme; A.5 - Sinciciotrofoblasto (mais externa) em marrom (corroendo a mucosa uterina). B - Mucosa uterina apresentando: epitélio superficial e glândulas tortuosas secretoras (em amarelo), estroma (em rosa), vasos sangüíneos (artérias em vermelho e veias em azul).

tortuosas secretoras (em amarelo), estroma (em rosa), vasos sangüíneos (artérias em vermelho e veias em azul).

Modelo 20:

Fase mais avançada do processo de implantação vista no Modelo 19.

C - Blastocisto C.1 -Externamente Sinciciotrofoblasto em marrom. Observar como evoluiu ao redor de quase todo o Blastocisto (nesta fase ele apresenta grande número de vacúolos intracitoplasmáticos que posteriormente se fundem para formar as lacunas não evidenciadas no modelo); C.2 - Citotrofoblasto creme; C.3 - Membrana dee Heuser (formada por células mesoepiteliais achatadas, que se delaminaram da superfície interna do Citotrofoblasto que se continua com as bordas do Hipoblasto e juntas formam o revestimento da chamada cavidade exo-celômica ou Saco Vitelino primitivo); Obs.: O teto do Saco Vitelino está revestido pelo Hipoblasto. C.4 - Disco embrionário didérmico constituído de Hipoblasto (amarelo) e Epiblasto (em branco). C.5 - Cavidade Amniótica - revestida por membrana (em azul) constituída por células achatadas, os Amnioblastos.

C.5 - Cavidade Amniótica - revestida por membrana (em azul) constituída por células achatadas, os Amnioblastos.

Modelo 21:

Mostra a formação da cavidade amniótica pelo tipo denominado Esquizâmnio (cavitação na massa celular interna).

A – Em contato com Trofoblasto (e provavelmente originada deste) há uma camada de

células (amnioblastos), em azul;

B – As células do epitélio constituem o assoalho da cavidade aminiótica;

C – O Hipoblasto (amarelo), constitui o teto do saco vitelino primitivo.

Obs.: Não estão representados o Citotrofoblasto e nem o Sinciciotrofoblasto, externamente.

Modelo 22:

Formação do mesoderma e celoma extra-embrionário. Além das diferenciações que o Trofoblasto apresenta externamente através do Sincicitrofoblasto, na superfície interna ele também se modifica pela separação de células que formarão uma camada reticular frouxa denominada Mesoderma- embrionário, que preencherá o espaço em expansão entre o Trofoblasto e os anexos:

âmnio e saco vitelino.

A – Este modelo mostra as grandes cavidades que aparecem precocemente neste tecido

(mesoderma extra-embrionário) e que, subsequentemente vão fluindo para formar uma cavidade denominada Celoma extra-embrionário.

Observação de fora para dentro:

A

– Trofoblasto, em creme (sem o Sinciciotrofoblasto);

B

– Mesoderma extra-embrionário (com cavitações) em vermelho;

C

– Cúpula da cavidade aminiótica em azul;

D

– Disco embrionário, didérmico, formado por Epiblasto (em branco) e Hipoblasto

(em amarelo);

E – Saco vitelino (secundário), também em amarelo.

formado por Epiblasto (em branco) e Hipoblasto (em amarelo); E – Saco vitelino (secundário), também em

Modelo 23:

Mostra que a cavidade do Mesoderma extra-embrionário ocorreu em toda sua extensão, envolvendo o futuro embrião na sua totalidade, exceto na região onde o mesoderma extra-embrionário formará o futuro pedúnculo do embrião, que constitui um ponto de união entre o disco embrionário e o Trofoblato.

ponto de união entre o disco embrionário e o Trofoblato. FORMAÇÃO DOS FOLHETOS EMBRIONÁRIOS Mesodermogênese e

FORMAÇÃO DOS FOLHETOS EMBRIONÁRIOS

Mesodermogênese e Notocordogênese. O mesoderma forma-se por migração e invaginação das células da camada superficial (o Epiblasto). Estas células que mergulham, proliferam e migram em todos os sentidos: lateral, caudal, cefálico (entre o epitélio eo Hipoblasto).

Modelo 24:

Disco embrionário visto por cima:

Foi encontrada a calota da parte superior da cavidade aminiótica e a parede corial (Cório e o nome da membrana formada pela união do Trofoblasto com o Mesoderma extra-embrionário).

A – Na superfície do disco embrionário (Epiblasto), distingue-se: Estria Primitiva (sulco

entre duas elevações laterais), Nódulo de Hensen

levemente elevada, na extremidade cefálica do sulco) e Prolongamento Cefálico (que corresponde a notocorda vista por transparência no embrião). Este prolongamento cefálico só aparece após o início da migração das células da borda anterior da Fosseta

(pequena marca cercada por área

Primitiva (antes Nódulo de Hensen) para formar a notocorda;

B – Mesoderma Extra-embrionário em vermelho;

C – Saco Vitelino e Alantóide (evaginação do endoderma procedente da parte caudal do

intestino que penetra no Pedículo Embrionário). Obs.: Não foram representadas as Vilosidade Coriônicas Primárias constituídas por um eixo de Citotrofoblasto envolvido por Sinciciotrofoblasto.

as Vilosidade Coriônicas Primárias constituídas por um eixo de Citotrofoblasto envolvido por Sinciciotrofoblasto.

Modelo 25:

Disco embrionário seccionado longitudinalmente a nível de Estria Primitiva. De fora para dentro, observa-se:

A – Membrana Corial (Trofoblasto em creme revestido internamente pelo Mesoderma

Extra-embrionário, em vermelho);

B – Celoma Extra-embrionário;

C – Pedículo Embrionário (formado por Mesoderma Extra-embrionário);

D – Cavidade Amniótica (azul);

E – Disco embrionário interposto entre um Âmnio e Saco Vitelino, constituído de

Epiblasto (em branco), Endoderma (em amarelo), Mesoderma Intra-embrionário, em formação (vermelho) e formação de Notocorda (em verde); F – Saco Vitelino (em amarelo) e caudalmente Alantóide.

formação (vermelho) e formação de Notocorda (em verde); F – Saco Vitelino (em amarelo) e caudalmente

Modelo 26:

Disco embrionário seccionado longitudinalmente a nível de Estria Primitiva, em fase mais adiantada que a mostrada no modelo 25. Observar:

A – Que o Celoma Extra-embrionário ficou mais amplo enquanto o Pedículo

Embrionário que sustente o embrião, o Âmnio e o Saco Vitelino, ficou reduzido;

B – Que a Notocorda está crescendo na região média em sentido cefálico.

está crescendo na região média em sentido cefálico. Modelos 27, 28, 29 e 30: Disco embrionário

Modelos 27, 28, 29 e 30:

Disco embrionário seccionado transversalmente (foram retiradas quatro fatias de

regiões

diferentes do modelo 26). Em todos os modelos:

A – Ectoderma em branco;

B – Mesoderma em vermelho;

C – Endoderma em amarelo;

D – Notocorda em verde;

E – Neuroectoderma em cinza (modificação do Ectoderma).

Modelo 27:

Corte a nível da Estria Primitiva.

Modelo 27: Corte a nível da Estria Primitiva. Modelo 28: Corte a nível da Fosseta Primitiva

Modelo 28:

Corte a nível da Fosseta Primitiva (invaginação de células que formarão a Notocorda).

da Estria Primitiva. Modelo 28: Corte a nível da Fosseta Primitiva (invaginação de células que formarão

Modelo 29:

Corte a nível da Notocorda, Neuroectoderma já se diferenciando.

a nível da Notocorda, Neuroectoderma já se diferenciando. Modelo 30: Corte em nível da Placa Pré-Cordal

Modelo 30:

Corte em nível da Placa Pré-Cordal ou da membrana cloacal. Ausência de Notocorda, Mesoderma e Neuroectoderma.

30: Corte em nível da Placa Pré-Cordal ou da membrana cloacal. Ausência de Notocorda, Mesoderma e

Modelo 31:

Disco embrionário. Foram retiradas as Calotas do Ânmio e Saco Vitelino duas

para

mostrar o interior.

semifatias

A – Ectoderma em branco (formado pelas células que permaneceram na superfície

externa durante o processo de migração e enrolamento das células do Epiblasto na formação do Mesoderma); A.1 – Estria Primitiva com sulco vermelho representando a invaginação (enrolamento) das células para formar Mesoderma; A.2 – Fosseta Primitiva (antes nódulo primitivo ou de Hensen) em verde. A faixa verde alongada anexa a fosseta primitiva indica o sentido do movimento das células antes de mergulharem para a formação da Notocorda, na Linha Primitiva; A.3 – Prolongamento Cefálico, linha em alto relevo mostrando a Notocorda em verde, por transparência, vai desde a Fosseta Primitiva até a Placa Pré-cordal (região cefálica onde as células endodérmicas tornam-se altas e se unem fortemente ao Ectoderma, não permitindo a penetração de Mesoderma e nem da Notocorda) .

B – Mesoderma Intra-embrionáro em vermelho. Nas bordas ele se funde com o

Mesoderma Extra-embrionário.

C – Endoderma em amarelo. Obs.:

O disco embrionário, nesta altura já é tridérmico; Este modelo apresenta o Pedículo Embrionário que dará origem posteriormente ao Cordão Umbilical, contendo: Alantóide (túbulo amarelo), duas artérias e duas veias mergulhadas em Mesênquima.

ao Cordão Umbilical, contendo: Alantóide (túbulo amarelo), duas artérias e duas veias mergulhadas em Mesênquima.
Modelo 32: Corte transversal da área embrionária na fase discoidal. Goteira Neural (Neuroectoderma) em cinza

Modelo 32:

Corte transversal da área embrionária na fase discoidal. Goteira Neural (Neuroectoderma) em cinza claro. Cristas Neurais em cinza escuro. Notar a Esplancnopleura (folheto interno da Lâmina Lateral + Endoderma), a Somatopleura (folheto externo da Lâmina Lateral + Ectoderma) e o Celoma Intraembrionário. Celoma em vermelho, Endoderma em amarelo e as duas aortas em vermelho.

Lateral + Ectoderma) e o Celoma Intraembrionário. Celoma em vermelho, Endoderma em amarelo e as duas

Modelo 33:

Corte transversal da área embrionária. Fase mais adiantada da diferenciação dos folhetos:

A – Ectoderma em branco;

B – Tubo Neural e Crista Neural em cinza;

C – Notocorda em verde;

D – Derivados do Mesoderma em róseo. O Mesoderma já perdeu seu caráter epitelial,

adquirindo aspecto mesenquimal;

E – O embrião está passando à forma cilíndrica, inicia-se portanto, o fechamento do

intestino primitivo (Endoderma em amarelo);

F – Celoma Intraembrionário;

G – Aortas dorsais em vermelho;

H – Observar a curvatura latero-lateral do embrião que levará a um fechamento ventral.

Aortas dorsais em vermelho; H – Observar a curvatura latero-lateral do embrião que levará a um

Modelos 34 e 35:

Visão tridimensional do embrião em fase discoidal e seus anexos, sendo o modelo 34 um corte a nível cefálico e modelo 35 um corte a nível caudal. Em ambos, observar as primeiras diferenciações do folhetos embrionários, abaixo descritos:

A – Ectoderma (branco), Neuroectoderma já diferenciado em Goteira Neural;

B – Mesoderma (vermelho) disposto em 3 lâminas:

B.1 – Lâmina Dorsal ou Paraxial já segmentada em somitos, que fazem saliência no Ectoderma de cada lado da Notocorda; B.2 – Lâmina Média ou Gononefrógena; B.3 – Lâmina Lateral já dividida em dois folhetos (Interno ou Esplâncnico e Externo ou Somático) delimitando Celoma Intraembrionário, que se comunica com o Celoma Extra-embrionário. Obs.:Em róseo, células de Mesoderma que se diferenciam em Mesênquima. O Endoderma, em amarelo, na área embrionária ainda permanece inalterado; na área extra-embrionária, formou, o Saco Vitelino. A Notocorda é representada em verde.

Anexos embrionários em ambos os modelos:

A – Cório (cortado), epitélio em creme, Mesoderma Extra-embrionário em vermelho;

B – Exceloma ou Celoma Extra-embrionário;

C – Celoma Intraembrionário em continuação com o Extra-embrionário;

D – Âmnio (Epitélio em azul e Mesoderma Extra-embrionário em vermelho) e

Cavidade Amniótica. O âmnio foi aberto para deixar ver o seu assoalho, isto é, o disco

embrionário;

E – Saco Vitelino (Epitélio em creme e Mesoderma em vermelho).

ver o seu assoalho, isto é, o disco embrionário; E – Saco Vitelino (Epitélio em creme

Modelos 36:

Corte transversal do embrião após o fechamento ventral (forma tubular). Ao nível do Pedículo Vitelino.

A – Ectoderma em branco;

B – Mesênquima em róseo;

C – Tubo Neural fechado em cinza claro;

D – Cristas Neurais em cinza escuro;

E – Notocorda em verde;

F – Intestino Primitivo em amarelo.

em cinza claro; D – Cristas Neurais em cinza escuro; E – Notocorda em verde; F

Modelo 37:

Corte transversal do embrião após o fechamento ventral (forma tubular). Obs.: Este corte é mais caudal do que o modelo anterior.

A – Ectoderma em branco;

B – Tubo Neural em cinza claro;

C- Cristas Neurais em cinza escuro;

D – Notocorda em verde;

E – Intestino Primitivo posterior em amarelo;

F – Celoma com cavidade única.

escuro; D – Notocorda em verde; E – Intestino Primitivo posterior em amarelo; F – Celoma

Modelo 38:

Corte longitudinal de embrião humano em fase de curvatura céfalo-caudal. Observar de fora para dentro:

A – Cório em creme;

B – Membrama amniótica em azul, iniciando sua fusão com o cório na região mais

caudal, para formar a membrana âmnio-corial;

C – Cavidade Amniótica;

D – Embrião (seccionado longitudinalmente apresentando):

D.1 – Ectoderma em branco, acima do Mesênquima, em rosa; D.2 – Tubo Neural em branco, mostrando as dilatações encefálicas; D.3 – Notocorda em verde; D.4 – Intestino Primitivo em amarelo, abaixo da Notocorda; D.5 – Coração em início de formação, em vermelho; D.6 – Pedículo Mesodérmico entendo Saco Vitelino (estrutura maior) e Alantóide em amarelo.

formação, em vermelho; D.6 – Pedículo Mesodérmico entendo Saco Vitelino (estrutura maior) e Alantóide em amarelo.