Você está na página 1de 100

EXERCÍCIOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II

Professora Ruth Pastôra Saraiva Leão Universidade Federal do Ceará UFC

Capítulo 01

Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF a :RUTH P.S. LEÃO

1.

LISTA DE EXERCÍCIOS

Qual o período, a freqüência e a velocidade angular de uma onda senoidal em que 5 ciclos são realizados em 12 s?

O período T de uma onda senoidal é o tempo necessário para completar um ciclo completo da onda.

5

c

12

ms

12

 

x =

=

2,4

ms

1 c x

 

5

2.

Freqüência

f

== 1

T

1

2, 4

×

10

3

= 420

Hz

Velocidade angular

ω = 2π f =×2π 2638,94 rad s
ω = 2π f =×2π
2638,94 rad
s
Hz − Velocidade angular ω = 2π f =×2π 2638,94 rad s 420 = 2638,94 rad

420 = 2638,94 rad s

2638,94

×

180

π

× ≅×

60

9

6

10 rpm

Se o pico positivo de uma onda senoidal ocorre em 1ms e o próximo pico positivo ocorre em 2,5ms, qual o período da onda?

t 1

t 2

pico positivo ocorre em 2,5ms, qual o período da onda? t 1 t 2 t t

t

t

1 =1ms

2 =2,5ms

T=t 2 -t 1 =1,5ms

3. Se o tempo entre picos negativos de uma dada onda senoidal é 50 μs, qual a freqüência da onda?

T

=

50

μ

s

f

1

==

T

1

50

×

10

6

=

200

kHz

4. Certa onda senoidal percorre 4 ciclos em 20 ms. Qual a freqüência da onda?

A freqüência de uma onda é dada pelo número de ciclos realizados em 1s.

0,020s

4c

x

1s

x =

4

0,020

= 200Hz

5. Quantos pontos máximos têm uma onda senoidal de 60 Hz?

Se em um ciclo há 2 pontos máximos em 60 ciclos haverá 120 pontos máximos a cada segundo.

6. Um gerador de 2 pares de pólos tem uma rotação de 100 rps. Determine a freqüência da tensão gerada.

p

f = ⋅=×n

2

2

100

=

200

Hz

7. Se a freqüência gerada de um gerador de quatro pólos é 60 Hz, qual a velocidade de rotação em rpm?

f

 

pn

 

120

f

 

120

×

60

=

 

=

 

⇒=

n

 

120

p

4

 

= 1800 rpm

8. Determine o valor eficaz de uma onda senoidal de amplitude igual a 4,5 V, e o valor médio da onda de meio ciclo.

O valor eficaz de uma onda senoidal é igual ao V p /2.

V rms

=

V p 4,5 = 2 2
V
p 4,5
=
2
2

=

3,182V

O valor médio de uma onda senoidal completa retificada é igual a V med =0,6366.V p .

V

med

=

0,6366 V

p

=

0,6366

×

4,5

=

2,865V

9.

Qual o valor eficaz em cada um dos seguintes casos: V p =2,5 V; V pp =10 V; V med =1,5 V?

Para V p =2,5V

V rms

=

Para V pp =10V

V rms

=

Para V med =1,5V

V

med

V p 2,5 = 1,768V 10 V pp = = 3,536V 2 ⋅ 2 2
V
p 2,5
=
1,768V
10
V pp
=
= 3,536V
2
⋅ 2
2
⋅ 2
(
)
= 0,6366 ⋅
2 ⋅ V
rms
∴ V rms

=

1,5 2 × 0,6366
1,5
2
× 0,6366

= 1,666V

10. Calcule o valor médio de meia onda para ondas senoidais de:

V p = 10 V; V rms =2,3 V; V pp =60 V. 2 2
V p = 10 V;
V rms =2,3 V;
V pp =60 V.
2
2
2
π
=
∫ T
V sen
t ⎟ dt
= 0,6366
V
V med
p
p
T
0
⎝ ⎜
T
V
=
0,6366
×=
10
6,366[
V
]
med
VV=
0,6366
×
2
=
0,6366
×× =
2
2,3
1,035[
med
rms
V pp
V
=
0,6366
×
=
0,6366
×= 30
19,098[
V
]
med
2

V

]

11. Se uma onda senoidal A cruza o zero no sentido positivo em 15º e uma outra senóide B, de mesma freqüência, cruza em 23º, qual o ângulo de fase entre as senóides?

cruza em 23º, qual o ângulo de fase entre as senóides? − deslocamento angular entre as

deslocamento angular entre as duas senóides é de (23º - 15º)=8º, estando a senóide

O

A

adiantada em relação à senóide B.

Considerando a expressão geral de uma senóide em que f(t)=F p .sen(ωt ± ϕ), tem-se:

f A (t15º) = 0 ⇒ ωt+ϕ=0; como ωt=15º ⇒ ϕ A =-15º

f B (t23º) = 0 ⇒ ωt+ϕ=0; como ωt=23º ∴ ϕ B =-23º

Assim, as sinusóides são definidas como:

f A (t)=A.sen(ωt – 15º) e f B (t)=B.sen(ωt – 23º)

12. Quando

o

zero

no

sentido

positivo

correspondente aos seguintes pontos?

a) pico positivo c) pico negativo

Definição de f(t):

de

uma

senóide

ocorre

em

0 o ,

qual

b) zero no sentido negativo d) fim do primeiro ciclo completo (2π)

f(ωt0º) = 0 ⇒ ωt+ϕ=0 ∴ϕ=0

a) Para f(t)=A ⇒ ωt=π/2

b) Para f(t)=0 ⇒ ωt=π

c) Para f(t)=-A ⇒ ωt=3π/2

d) Para f(t)=0 ⇒ ωt=2π

f(t)=A.sen(ωt)

ω t=3 π /2 d) Para f(t)=0 ⇒ ω t=2 π f(t)=A.sen( ω t) o ângulo

o

ângulo

13. Uma tensão senoidal tem um valor de pico de 20 V. Qual o valor instantâneo da onda a 65º de seu cruzamento por zero?

14. Determine as expressões das senóides A, B e C da figura abaixo e o valor instantâneo para um ângulo instantâneo ωt de 90º.

instantâneo para um ângulo instantâneo ω t de 90º. Senóide A: f(t)=5.sen( ω t+45º) ⇒ f(t)=5.sen(90

Senóide A: f(t)=5.sen(ωt+45º) f(t)=5.sen(90 o + 45 o )=5x0,707=3,536 Senóide B : f(t)=7,5.sen(ωt) f(t)=7,5.sen(90º)=7,5 Senóide C: f(t)= 10.sen(ωt-60º)f(t)=10.sen(90 o – 60 o )=10x0,5=5

16. Determine o período, freqüência, e razão cíclica para o trem de pulsos abaixo.

1μs

e razão cíclica para o trem de pulsos abaixo. 1 μ s 10 μ s T=10

10μs

T=10μs

f=1/T=1/10=0,1Hz

d=(t w /T).100=(1/10).100=10%

17. Determine o valor médio de cada uma das formas de onda abaixo.

V(V)

1ms 2 0 10ms V(V) 6 1 0 1 2 3 4 5 6
1ms
2
0
10ms
V(V)
6
1
0 1
2
3
4
5
6
V(V) +1 0 10 20 30 40 50 60 -1
V(V)
+1
0
10
20 30
40 50
60
-1

V med = base + d.(amplitude)

V

med =

V

med

=

0

+

1

2

=

0,2V

1

+

10

3,5V
2

1 5

=

V

med =− 1 +

10

20

2

=

0V

18. Qual a harmônica de segunda ordem de uma freqüência fundamental de 1kHz?

f 2 =2x f 1 = 2x1kHz = 2kHz

19. Qual a freqüência fundamental de uma onda quadrada com período igual a 10μs?

A freqüência fundamental e dada por: f 1 =1/10=0,1Hz

20. Através da série de Fourier determine as componentes de freqüência presentes em uma onda quadrada.

f(t) V t -V
f(t)
V
t
-V

Definição da onda de tensão no tempo:

ν(t) = +V

0t T/2

ν(t) = -V

T/2< t T

Os coeficientes a 0 , a h , b h , c h , e ϕ h serão obtidos:

a =

0

=

=

=

2 ∫ T f t dt () T 0 2 ⎡ T ⎤ 2 ∫
2
∫ T
f t dt
()
T
0
2
T
2
∫ T
Vdt
+
Vdt
T
T ⎣
0
2
2 V
T
T
t
2
− t
T
0
T ⎣
2
2 V ⎡ T ⎛ T T ⎞ ⎤
T
2
⎣ ⎢
= 0
2

Como a onda de tensão quadrada e simétrica em relação ao tempo, seu valor médio é zero e, por conseguinte, a 0 é nulo.

Os coeficientes a h e b h :

2 a = ∫ T f () t cos h ( t dt ) ω
2
a
=
∫ T
f
()
t
cos h
(
t dt
)
ω 1
h
T
0
2 ⎡
T
2
=
∫ T
V cos h
()
ω
t dt
V cos h
()
∫ T
ω
t dt
1
1
T ⎣
0
2
T
T
2V
1
2
π
2
1
2
π
=
sen h
t
sen h
t
T
2
π
T
2
π
T
h
0
h
T
2
T
T
V = [ sen h () π − sen0 − sen h2 ( π )
V
=
[
sen h
()
π
sen0
sen h2
(
π
)
+
sen h
()]
π
h
π
V
=
[0] 0
=
h
h
π
2
b
=
∫ T
f
()
t sen h
(
t dt
)
ω 1
h
T
0
2V ⎡
T
2
=
∫ T
sen h
()
ω
t dt
sen h
()
ω
t dt
1
1
T
T
⎣ ⎢
0
⎥ ⎦
2
T
T
π
2
2V
T
2
T
2
π
=
cos h
t
+
cos h
t
T
h2
π
T
h2
π
T
T
0
2
V
=
[
cos h
()
π
+
cos 0
+
cos h2
(
π
)
cos h
()]
π
h
π
V
=
[
2 cos h
(
π )
+ +
1
1
]
h
π
4V
=
,
∀ =
h
1,3,5,7,
h
π
=
0,
∀ =
h
2,4,6,8,

Portanto, a função no domínio das freqüências é:

f

( )

t

=

h

=

1

4V

h

π

sen()h

ω

1

t ,

h

{1,3,5,7, }

A função f(t) é uma função senoidal, portanto ímpar (f(x)=-f(-x)) e como tal os coeficientes do termo co-senoidal são nulos. Por tratar-se de uma onda quadrada as componentes de freqüência são ímpares.

Para uma função de onda quadrada par, tem-se: f(t) V T/2 T t -V
Para uma função de onda quadrada par, tem-se:
f(t)
V
T/2
T
t
-V

A onda de tensão é definida como:

ν(t) = +V

- T/4t T/4

ν(t) = -V

T/4< t 3T/4

Como visto a função é simétrica em relação ao eixo do tempo com a 0 =0.

O coeficiente a h é dado por:

2 a = ∫ T f t () cos ( h t dt ω )
2
a =
∫ T
f t
()
cos
(
h t dt
ω
)
h
1
T
0
2
4
T
4
=
∫ T
V
cos
()
h t dt
ω
∫ 3
V
cos
()
h t dt
ω
1
1
T ⎣
− T 4
T
4
T
4
3
T
4
2
V
1
2
π
1
2
π
=
sen ⎜ h
t
sen ⎜ h
t
T
2
π
T
2
π
T
h
h
T
4
T
4
T
T
V
π
π
3
π
π
=
sen ⎜ ⎛ h
⎟+ ⎞
sen ⎜ ⎛ h
⎟− ⎞
sen ⎜ h
⎟+
sen ⎜ ⎛ h
⎞ ⎟ ⎤
h
π
2
2
2
2
⎠ ⎦
V
π
3
π
=
3 sen h
⎟− ⎞
sen ⎜ h
h
π
2
2
3 V
=
∀ h = {1,3, }
h
π
O coeficiente b h e dado por:

b

h

=

=

=

=

=

=

2 ∫ T f t sen h t dt () ( ω ) 1 T
2
∫ T
f t sen h t dt
()
(
ω
)
1
T
0
2 V
∫ T 4
T 4
sen h t dt
()
ω
1
T
⎣ ⎢
− T 4
∫ T 3
4
T
4
2
V
T
2
π
⎢ −
cos ⎜ h
t
T
h
2
π
T
− T 4
sen h t dt () ⎤ ω 1 ⎦ ⎥ 3 T 4 ⎤ T
sen h t dt
()
ω
1
3
T
4
T
2
π
+
cos ⎜ h
t
h
2
π
T
T 4

V

cos ⎜ ⎛ h

π

⎟+ ⎞ cos ⎜ ⎛

h

π

⎟+ ⎞ cos

h

3

π

⎟− cos

h

π

h

π

V

cos h

3

2

π

⎟− cos

h

2

π

⎞ ⎟ ⎤

2

2

h

0

π

h

2

2

⎠ ⎦

⎠ ⎦

Portanto, função no domínio da freqüência pode ser escrita como:

f

( )

t =

h = 1

4 V

h

π

cos(),

h

ω

1

t

h

{1,3,5,7, }

Note que em sendo uma função par, somente o termo em co-seno existe e por se tratar de uma onda quadrada apenas as componentes ímpares estão presentes.

Na forma trigonométrica compacta, tem-se: a c 0 = 0 = 0 2 2 4V
Na forma trigonométrica compacta, tem-se:
a
c 0 =
0
= 0
2
2 4V
c
=
a
2 +
b
,h
=
1,3,5,7,
h =
h
h
h
π
Ângulo da co-senóide:
⎛ b
1
h
ϕ
=− tg ⎜
⎟ ⎟ =− 90
h
⎝ ⎜
a h

Ângulo da senóide:

ϕ

h

= tg

1

Assim tem-se:

υ

()

t

=

⎛ ⎜ a

h

b

h

⎟ = 0

h 1,3,5,

{

}

4V

h

π

sen(h

ω

1

t)

ou

υ

()

t

=

h

{

1,3,5,

}

4V

h

π

(

cos h

ω

1

t

90

)

Capítulo 02

Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF a :RUTH P.S. LEÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Converter os seguintes números complexos da forma retangular para a forma polar e indicar no plano complexo o quadrante a que pertencem.

(a) A=8+j6

(b) A=-7+j10

|A| =

1 o e 4 o quadrantes

± y θ = arctg ( A x A |A| y A θ x A
± y
θ = arctg (
A
x
A
|A|
y A
θ
x A

)

(a) 1º quadrante

A = 64 += 36 10 − 1 ( 8 θ = tg 6 )
A =
64
+=
36
10
− 1 (
8
θ
=
tg
6 )
=
53,13
-x A
φ
-y A
θ=-180 o +φ
|A|
3º quadrante A = 144 += 324 21,63
3º quadrante
A =
144
+=
324
21,63

(c) A=-12-j18

(d) A=10-j5

x

A 2 + y

2

A

324 21,63 (c) A=-12-j18 (d) A=10-j5 x A 2 + y 2 A 2 o e

2 o e 3 o quadrantes

y θ=±180º ∓ tg -1 ( x A ) A |A| y A θ=180 o
y
θ=±180º ∓ tg -1 ( x A )
A
|A|
y A
θ=180 o -φ
φ
-x A

θ

(b) 2º quadrante

A = 49 += 100 12,21 − 1 ( 10 =− 180 tg ) =
A =
49
+=
100
12,21
− 1 (
10
=−
180
tg
)
=
125
7
x A
-y A
|A|
4º quadrante A = 25 += 100 11,18
4º quadrante
A =
25
+=
100
11,18

θ =− 180

tg

1 (

18 12
18
12

)

=−

236,31

θ =−

tg

1 (

5 10
5
10

)

=− 26,57

2. Converter as seguintes quantidades polares para a forma retangular.

(a) 1030º

(b) 200-45º

(c) 4135º

3. Calcule as seguintes operações.

(a)

(-10-j20)/(1030º)

(b) (8+j6).(10-j5)

(c)

(10050º)/(2520º)

(d) (1045º).(520º)

4. Três fontes de tensão senoidais de mesma freqüência angular são conectadas em série como mostra a Figura. Determine a tensão e a corrente total expressas na forma polar. A resistência é uma grandeza com ângulo zero.

2,50 o V

~
~
   

4,230 o V

~
~
4,2 ∠ 30 o V ~ 5k Ω

5kΩ

5,1-45 o V

~
~
   

V T =2,50 o + 4,230 o + 5,1-45 o =

=(2,5+j0) + (3,64+j2,1) + (3,61-j3,61) = 9,74-j1,51=9,86-8,79 o V

I =

1

1

R

5

×

10

3

V

T

=

9,87

∠−

8,8

=

1,97

∠−

8,79 mA

Capítulo 03

Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF a : RUTH P.S. LEÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Determine a corrente rms total e em cada componente L 1 , L 2 e L 3 na Figura 1. Expresse a corrente na forma polar.

e L 3 na Figura 1. Expresse a corrent e na forma polar. A reatância total:

A reatância total:

A corrente total:

I

A corrente em L 2 :

X

T

X

T

T

 

L

1

+

L

2

L ⎞ ⎟ =

3

50

+

20

L

2

+ L

3

j ω

 

20

+

40

994,34

mΩ

 

V

F

=

10

0

jX

T

 

994,34

×

10

3

90

=

10,06

L

3

∠−

90 A

=

10,06

∠−

90 ⎜ ⎛

40

 

(

L

2

+ L

3

)

 

20 + 40

I

L1

= I

T

40

⎟=

= j ω

= j

== I

L 1

I

T

=

I

L

2

I

L2

=

6,71

∠−

90 A

j

63,334

ω

×

10

6

A corrente em L 3 :

Diagrama fasorial:

I

L

3

I

L3

=

=

I

T

3,35

I

L

2

∠−

=

10,06

90 A

∠−

90

6,71

∠−

90

3,35 I L 2 ∠− = 10,06 90 A ∠− 90 − 6,71 ∠− 90 Qual

Qual a tensão sobre L 1 e sobre L 2 //L 3 ?

Ou

V

L

V L

1

3

=

=

V

L

1

= V

F

L 1 10

L

2

L

⎟ ⎠

3

L

2

+ L

3

=

L 1 + ⎜

⎜ ⎝

0

V

L1

V

L

2 //

=

L

3

2,1

=

0

V

F

V

V

L

1

=

10

∠ −

0

2,1

0

⎠ ⎠

50

50 + ⎜ ⎛ 20

×

40

20 + 40

V

L2 // L3

=

7,9

0

V

jX

jX

L

1

L

3

I

L

1

=

I

L

3

=

(2

π

2,5 10

3

50 10

6

90

)

10,06

∠−

90

(2 2,5 10 40 10 90 ) 3,35

π

3

6

∠−

90

=

=

2,108

7,9

0

0

V

V

2. Determine a potência reativa do circuito da Figura 1.

Potência total:

ou

S

S

T

T

=

jX

T

I

2

T

= 0,99490 10,06

(

) 2

= V I = ∠⋅

FT

10

0

*

10,06

90

=

100,6

90

S = j

T

100,63

[

= j

100,6

[

var

var

]

]

3. Suponha que você dispõe de um indutor de 12 mH, sendo este o menor valor disponível. Você necessita de uma indutância de 8 mH. Que valor pode ser usado em paralelo a fim de obter 8 mH?

L

T

=

L

L

x

L

+

L

x

L

L

T

L

8

×

12

x = L L

T

8

12

=−

L

x =

24mH

4. Determine a reatância total de cada circuito da Figura 2 quando uma tensão com uma freqüência de 5 kHz é aplicada aos terminais de cada circuito.

de 5 kHz é aplicada aos terminais de cada circuito. No circuito (a) o núcleo da

No circuito (a) o núcleo da bobina é de ferro e no circuito (b) de ar. Como o ferro apresenta menor relutância à passagem de fluxo, e em sendo a indutância L=φ/i, implica que a indutância em (a) é maior que em (b).

No circuito (a):

No circuito (b):

X

T

X T

=

ω

=ω

L

1

+

L

2

L

3

⎟ =

50

15

L

2

+

L

3

2

π

5 10

3

1

+

L

1

(

L

2

+

L

3

)

=

2

π

100 100 ⎞ ⎜

L

1

+

L

2

+

L

3

200

5 10

3

⎟⋅ 10

3

X

T

= 136,1kΩ

X =

T

1,57

k Ω

Qual a reatância equivalente do arranjo (b) usando os componentes de (a)?

X

T

=

ω

LL

123

⋅+

(

L

)

LLL

++

123

=

2

π

⋅⋅ 5 10

3

1

⋅+ ⎞

(

10

5

)

1

++ 10

5

=

29,452 k Ω

5. Quantas espiras são necessárias para produzir 30 mH com uma bobina enrolada em um núcleo cilíndrico de área transversal de 10x10 -5 m 2 e comprimento de 0,05m? O núcleo tem uma permeabilidade de 1,2x10 -6 .

L =

N

2

μ

A

l

N =

− 3 − 2 L ⋅ l 30 × 10 × 5 × 10 =
3
2
L ⋅ l
30
× 10
×
5
×
10
=
6
5
μ ⋅ A
1,2
×
10
×
10
×
10

N = 3535 voltas

6. Uma bateria de 12 V é conectada aos terminais de uma bobina com resistência de enrolamento igual a 12 e indutância de 100 mH. Qual é a corrente na bobina? Qual a tensão nos terminais da bobina?

I F =

V

R

= 1A

Após a energização, a reatância da bobina é nula, o que significa que toda a tensão está aplicada sobre o resistor.

7. Qual a energia armazenada pela bobina da questão 6 e quanto tempo leva para alcançar esta energia?

W =

1 L I

2 2

1

2

F

=

×

100

×

10

3

W = 50mJ

O tempo que a bobina leva para atingir 50mJ é de:

t =

5

τ

=

5

L

5

×

100

×

10

3

=

R

12

t = 41,67ms

8. Na Figura 3 (a), quanto é v L no instante que a chave CH1 é fechada? E quanto é v L após 5τ? Na Figura 3(b), quanto é v L no instante que CH1 abre e CH2 fecha? Quanto é v L após 5τ?

L após 5 τ ? Na Figura 3(b), quanto é v L no instante que CH1

Circuito (a):

No instante que CH1 é fechada a tensão é aplicada sobre R e L, no entanto a corrente é nula não havendo queda de tensão sobre R e assim, toda tensão da fonte

é aplicada sobre o indutor: v L =25V com a mesma polaridade da fonte para opor-se

à mudança da condição de corrente nula. Após 5τ o indutor é um curto-circuito e v L =0V.

Circuito (b):

Com CH1 fechada e CH2 aberta, a corrente de estado permanente que circula através de R1 e L é dada por:

I

=

V

25

=

R

1

12

=

2,08 A

Quando CH1 é aberta, uma tensão induzida é criada nos terminais de L de modo a manter a corrente de 2,08 circulando por um instante. Neste caso, a tensão v L =R 2 .I=100.2,08=208V. O indutor opera como uma fonte de corrente. Passados 5τ após a abertura de CH1 e fechamento de CH2, a corrente no indutor decai a zero

e

v L =0V.

9.

Em cada circuito da Figura 4, que freqüência é necessária para produzir uma reatância X C de 100.

para produzir uma reatância X C de 100 Ω . Circuito (a): Circuito (b): Circuito (c):

Circuito (a):

Circuito (b):

Circuito (c):

X C

C

C

T

T

=

1

2

π

f

C

= C

1

+ C

2

=

C

1

C

2

C

1

+

C

2

f

f

f

=

=

=

1

2

π

C

1

X

C

2

π

C

T

1

X

C

2

π

C

T

X

C

f

= 33,88kHz

f

= 63,69Hz

f

= 3,18kHz

10.Determine o valor de C 1 na Figura 5.

10. Determine o valor de C 1 na Figura 5. V C3 f = I C2

V

C3

f =

I

C2

=

∠−

X 90

C3

1

2

π

C

3

X

C3

=

I

XC3

90

= ∠

3

141,54kHz

=

V

C3

=

X

C2

∠−

90

5,33

90 mA

I

V

C1

C1

I

= +

C2

I

C3

=

=

X

C1

∠−

90

9,33

I

C1

= ∠

2

90 mA

V

0

X =

C1

V

C1

I C1

= 375,23

∠− Ω

90

C

1

=

1

2

π

f

X

C1

=

0,003 F

μ

0

V

Capítulo 04

Exercícios

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CIRCUITOS ELÉTRICOS II PROF a : RUTH P.S. LEÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Determine a tensão nos terminais do capacitor na forma polar e a corrente no capacitor. O circuito visto pela fonte é capacitivo ou indutivo? Qual o valor da corrente total? Determine o fator de potência de deslocamento do circuito. Qual a potência entregue pela fonte e qual a potência absorvida pelo indutor e fornecida pelo capacitor?

V F =500 o

X R L 1 1kΩ 500Ω ~ R 2 1kΩ
X
R
L
1
1kΩ
500Ω
~
R 2
1kΩ

Figura 1.

X C

500Ω

a) Tensão nos terminais do capacitor.

V

C

Z

1

=

=

R

2

//

X

C

(

R

1

+

jX

)

+

R

//

X

LC

12

⎠ ⎟

Z

2

⋅= VV ⎜ ⎟ ⋅

FF

Z

T

R

1

+

jX

L

= 1000 +

j

500[Ω]

1

1

Y =

+ j

2

=

R

1

2

+

X C

1

1

×

10

3

j

500

=

0,1

×

10

2

+

j

0,2

×

10

2

[S ]

1

1

Z =

2

 

=

 

(

0,1

+ j

(

0,1

j

0,2

Y

2

2 ×

)

0,2 × 10

2

)

10

2

×

=

10

=

( 0,1

j

0,2

) =

()

0,1

2

+

(

0,2

)

2

5 × 10

2

200

j

400

[Ω]

ou simplesmente

Então

Z =

2

=

R jX

2

C

1

×

10

3

× 500 ∠−

90

500

3

× 10 ∠−

90

=

=

R

2

jX

C

1

×

10

3

j

500

1118,03

∠−

26,57

447,22

T

T

(

∠−

=

Z

1

63,43

+

Z

2

+

= 200,03 = Z ∠θ T
=
200,03
=
Z
∠θ
T

500

)

(

200

j 400

[Ω]

Z

Zj=

1000

+− j

400

)

1200

=+ j

100

=

1204,16

[

∠Ω

4,76

]

V

C

Z

= ⎜

2

447,22

63,43 ⎞ ⎟

⎟ ⋅ V =

∠−

Z

T

F

1204,16

4,76

50

∠ =

0

18,57

∠−

68,19

A corrente no capacitor

I =

C

V 18,57 ∠− 68,19 C = X C ∠− 90 500 ∠− 90 I C
V
18,57
∠−
68,19
C
=
X
C ∠− 90
500
∠−
90
I C
o
21,81
V F
o
-68,19
V C

=

37,14

21,81

[mA]

[V ]

Figura 2. Diagrama fasorial da tensão e corrente no capacitor.

Usando o circuito equivalente de Thévenin para o cálculo da tensão e corrente em C, tem-se que o circuito da Figura 1 será decomposto em circuito a ser equivalenciado e a carga.

O circuito a ser equivalenciado e a carga é como mostrado na Figura 3.

V F =500 o

X L R 1 1kΩ 500Ω ~ R 2 1kΩ
X L
R 1
1kΩ
500Ω
~
R 2
1kΩ

(a)

Carga

=50 ∠ 0 o X L R 1 1kΩ 500Ω ~ R 2 1kΩ (a) Carga

(b)

X C

500Ω

Figura 3. Circuito a ser equivalenciado e sua carga.

A tensão de Thévenin que é a tensão de circuito aberto é dada por:

V

TH

=

=

R

2

R

1

+

R

2

+

jX

L

1000

2000

+ j

500

V

F

50

0 =

24, 25

∠−

14,04

[]

V

A corrente de curto circuito nos terminais do circuito a ser equivalenciado é dada

por:

I

cc

=

 

V

F

=

50

0

R

1

+

jX

L

1000

+

j

500

=

0,045

∠−

26,57

[]

A

A impedância de Thévenin é obtida por:

Z

TH

V

TH

24, 25

∠−

14,04

I

cc

0,045

∠−

26,57

==

=

542, 25

12,53

[

Ω

]

A impedância de Thévenin poderia ainda ser obtida considerando a impedância equivalente do circuito da Figura 3 (a), vista dos terminais abertos, com as fontes independentes desativadas, substituídas por suas impedâncias internas.

X L R 1 1kΩ 500Ω R 2 1kΩ
X L
R 1
1kΩ
500Ω
R 2
1kΩ

Figura 4. Circuito para cálculo da impedância de Thévenin.

Z

TH

=

(

R

1

+

jX

L

)

R

2

R

1

+

R

2

+

jX

L

=∠Ω

542, 25

12,53

[

]

c.q.d.

O circuito de Thévenin constitui-se em uma fonte em série com uma impedância.

Assim, o circuito de Thévenin alimentará a carga X C , como mostra a Figura 5.

V TH

X TH R TH ~
X TH
R TH
~

Figura 5.

Carga

X C

500Ω

A tensão sobre C é dada por:

V

C

=

=

=

18,57

jX

C

⋅ TH Z − jX ⎠ TH C 500 ∠− 90
TH
Z
− jX
TH
C
500
∠−
90

542, 25

12,53

∠−

68, 20

+ 500 ∠−

[]

V

90

V

24, 25

∠−

14,04

c.q.d.

A corrente em X C é obtida por:

I

=

V

TH

24, 25

∠−

14,04

=

C Z

TH

jX

C

542, 25

12,53

+ 500 ∠−

90

=∠ 37,14

21,8

[

mA

]

c.q.d.

b) O circuito visto pela fonte apresenta impedância Z

portanto de natureza indutiva.

T

=

1204,16

4,76

c) A corrente total entregue pela fonte.

I =

T

V

F

50

0

=

Z

T

1204,16

4,76

=

41,52

∠−

4,76

[mA]

[Ω]

, sendo,

d) O fator de potência de deslocamento

FPD

= cos

θ

= cos(4,76 )= 0,997

atrasado ou indutivo.

e) A potência entregue pela fonte.

S

T

=

V

F

= 2,08

I

*