Você está na página 1de 32

CLUBE MONTE LÍBANO

1

2 CLUBE MONTE LÍBANO

Palavras do Presidente

Edward Assemany

Nesse novo ciclo administrativo que estamos dando início - e no qual conta- mos, como já disse, com o apoio não só dos associados, dos conselhos Deli- berativo, Consultivo e Fiscal, mas também da diretoria anterior - fiz questão de me apresentar aos novos associados através da entrevista que concedi na edição passada da revista do Clube Monte Líbano.

A entrevista teve como objetivo principal, além de me apresentar melhor

aos novos associados, deixar claro, também, que a nova diretoria está to- talmente receptiva à participação do associado nas questões do clube - es- pecialmente o novo associado, que via de regra não é herdeiro do título de seus pais, mas que por uma série de razões escolheu desembolsar recursos próprios para a aquisição do título de sócio.

E quero dar destaque a esse assunto neste texto introdutório porque con-

sidero que o Clube Monte Líbano está passando, silenciosamente, por uma nova fase. Uma fase de renovação do seu quadro associativo e que não só reflete novos tempos como exige da diretoria um novo olhar e uma nova postura. De alguns anos para cá, a casa tem recebido carinhosamente esses novos associados que optaram ser sócios do clube. Pessoas e famílias economica- mente ativas, intelectualizadas, e que optaram pelo Monte Líbano, dentre tantos clubes existentes na cidade.

Se para nós do Clube essa escolha nos enche de orgulho e satisfação, ela também exige de nós um empenho maior e um melhor conhecimento do as- sociado e de seus anseios e expectativas em relação ao Clube Monte Líbano. Só conhecendo melhor o que esperam do clube é que vamos poder atender mais e mais essas expectativas e com isso, além de atender esses novos amigos e amigas (e seus familiares), melhorar ainda mais nosso clube para todos - associados antigos e novos. Aproveito a ocasião que se aproxima – das festividades da páscoa –, onde

o mundo cristão celebra a ressurreição de seu Messias, Jesus Cristo, para

desejar a cada um dos associados do Clube Monte Líbano, e seus familiares,

momentos de reflexão, com paz e tranquilidade. Uma boa páscoa a todos.

CLUBE MONTE LÍBANO

3

Beirute. Vista aérea

Beirute. Vista aérea CLUBE MONTE LÍBANO Clube Monte Líbano Av. Borges de Medeiros, 701 - Leblon

CLUBE MONTE LÍBANO

Beirute. Vista aérea CLUBE MONTE LÍBANO Clube Monte Líbano Av. Borges de Medeiros, 701 - Leblon

Clube Monte Líbano

Av. Borges de Medeiros, 701 - Leblon CEP 22430-041 - Rio de Janeiro - RJ Tel. (21) 2512-8833 www.clubemontelibano.com.br

Fundado em 12 de setembro de 1946 Declarado de Utilidade Pública pela Lei Estadual n o. 1.952 de 1971 Benemérito do Estado por Resolução do Poder Legislativo. Lei n o. 2.297 de 1974 Tombado por sua imagem cultural e fachadas arquitetônicas ins- critas no Compêndio Internacional de Arquitetura. Lei n o. 3796 de 7 de julho de 2004.

Biênio 2014/2015

Conselho Deliberativo Presidente: Gilberto Adib Couri Vice-presidente: Eduardo Nagib Gaui 1° Secretário: Omar Koury Jr. 2° Secretário: Bruno Felício Asmar Secretário Suplente: Rubens Baracat Dip Consultor Jurídico: Hélio de Moraes Sarmento

Conselho Diretor Presidente: Edward Caram Assemany Vice-presidente Financeiro: João Randolfo Arbex Vice-presidente Administrativo: Paulo César de Azevedo Ritto Vice presidente Social, Cultural e Comunicações: José Roberto Pires dos Santos Vice-presidente de Patrimônio: Frederico Landim Machado Vice-presidente de Sede, Compras e Manutenção: Guilherme Neder Tanus Vice-presidente de Esportes: Paulo Roberto G. da Cunha Vice-presidente Executivo da Presidência: João Pedro Costa Leite Vice-presidente Executivo de Cultura Libanesa e Árabe: Antonio Hamid Hamdar Tesoureiro Geral: Raphael Luiz P. Siqueira Secretário Geral: Paulo Edde Filho Diretor Jurídico: Marco Antonio Couri Procurador: Michel Eduardo Chaachaa

Conselho Consultivo Presidente: Roberto Salomão Couri Vice-presidente: Ramez Saade Secretário: Munir Murad Membros: Gilberto Adib Couri, João Randolfo Arbex, José Elias Jacob Aloan, Paulo Cezar Assed, Ramez Saade, Américo José Oakim e Edward Caram Assemany.

Conselho Fiscal Presidente: Paulo Cezar Assed Membros: Adib Jamil Amin, Luiz Carlos Sabbak Tomé, Sérgio Chucri Henry, Osmar Fernandes Terra e Roberto Jorge e Guilherme Adib Couri.

Produção
Produção

Rua da Lapa, 120 / 601 - Centro Tel.: (21) 3923-5155 e-mail: widebrasil@widebrasil.com www.widebrasil.com

Editor e Jornalista Responsável Ricardo Da Fonseca, MTb RJ23267JR

Conselho Editorial Conselho Diretor do Clube Monte Líbano

Jornalismo e Redação Ricardo Da Fonseca Felipe Lucena

Design

R. Gatto

Fotografia

Felipe Lucena

Humberto Souza

Publicidade WideBrasil Comunicação Integrada (21) 2242-5291 (21) 3923-5155

A revista Clube Monte Líbano é uma publicação oficial do Clube Monte Líbano do Rio de Janeiro e é produzida pela WideBrasil Comunicação Integrada. As opiniões emitidas nas entrevistas concedidas e os textos assinados são de res- ponsabilidade de seus autores, não refletindo, necessariamente, a posição dos editores nem do Clube Monte Líbano do Rio de Janeiro.

Março / Abril de 2014 - Tiragem: 1.500 exemplares

4 CLUBE MONTE LÍBANO

CLUBE MONTE LÍBANO

5

Personagem da cidade

coronel Pimentel

Personagem da cidade coronel Pimentel Com 89 anos, Agrício de Faria Pimentel, o coronel Pimentel, como

Com 89 anos, Agrício de Faria Pimentel, o coronel Pimentel, como é conhecido, esbanja sensatez. Senhor de um discurso coordenado, coronel Pimentel não esconde sua ideologia adquirida nos anos de serviço militar. Entretanto, mostra ser um homem de ideias abertas. O coronel Pimentel recebeu a Revista Monte Líbano em seu apartamento, em Ipanema, para uma agradável conversa, repleta de boas histórias e reflexões interessantes.

RCML - Conte-nos um pouco da sua trajetória profis- sional?

Coronel Pimentel - Estudei no Pedro II. Entrei lá com 10 anos e com 15 anos eu já era bacharel, formado em Ciências e Letras. Naquela época, as pessoas no Brasil não tinham muitas opções de profissões que possibili- tassem viver uma vida com uma segurança financeira. Por esta razão, a carreira militar era muito procurada. Quando terminei meus estudos no Pedro II, fiz prova para a Escola Militar e passei. Eram 3.000 candidatos para 100 vagas. Com 19 anos, já estava formado aspi- rante a oficial do exército, pela Escola Militar. A partir daí, fui para Bagé, no Rio Grande do Sul, servir na Ca- valaria do Exército, nas fronteiras, que é uma função comum da Cavalaria. Tornei-me tenente, no Exército e tirei o curso de educação física. Aos poucos, com muita dedicação e empenho, fui subindo de patente:

cheguei a capitão, major, tenente-coronel e coronel – quando comandei o Batalhão de Manutenção e Ar- mamento em Deodoro. Fui, também, chefe do Estado Maior da 2ª Região Militar de São Paulo.

RCML - O Senhor atuou, também, fora dos quartéis. Como foi essa convivência com civis?

Coronel Pimentel - Eu sou um militar diferen- ciado. As circunstâncias da vida me ensinaram a ter

6 6

CLUBE CLUBE MONTE MONTE LÍBANO LÍBANO

uma visão um pouco diferente do mundo e das coisas. Quando eu era major, fui chamado para trabalhar na Companhia Nacional de Álcalis, que faz barrilhas – um produto essencial na composição de todo e qualquer tipo de vidro. Essa companhia, instalada em Arraial do Cabo (RJ), era uma empresa mista, como a Compa- nhia Siderúrgica Nacional. Então, não havia problema de um militar trabalhar lá. Um general, com o qual já havia servido antes, foi chamado para ser o presidente dessa empresa e me convidou para trabalhar com ele, como diretor. Essa convivência com civis me fez cres- cer muito. Foi bastante enriquecedor, aprendi muito sobre gestão de mercado, valor de produto, e relações comerciais, por exemplo. Então, pude usar esses ensi- namentos em prol do Exército, quando, depois de dois anos na Álcalis, fui convocado de volta para trabalhar diretamente no Exército.

RCML - Como analisa a questão dos governos a cada ano investirem menos nas Forças Armadas - seja em recursos humanos, equipamentos ou infraestrutura?

Coronel Pimentel - Temos que fazer uma reformula- ção. Não podemos continuar com umas Forças Armadas precárias. São as Forças Armadas que asseguram o res- peito dos demais países para o País, no ponto de vista de um contexto mundial. Por isso ninguém se mete com os Estados Unidos, pelo fato de eles serem uma

Coronel Pimentel: a experiência dos anos, vividos com intensidade, lhe ensinou a refletir e se

Coronel Pimentel: a experiência dos anos, vividos com intensidade, lhe ensinou a refletir e se posicionar de maneira sensata a respeito de temas polêmicos, como a presença das Forças Armadas na solução de problemas civis, como a violência urbana.

ção que defendia a soberania do país. Os comunistas

queriam transformar o Brasil em uma nação socialista

e isso não era o desejo da sociedade brasileira da épo-

ca. O Exército agiu em prol da democracia, do desejo da sociedade e em defesa dos interesses do país.

RCML - Mas o Senhor não acha que as Forças Armadas ficaram no comando do País mais tempo do que deve- riam?

Coronel Pimentel - Sim. Considero que o Exército

deveria ter transferido o poder de volta para a nação

e para seu representante democrático - o Congresso

-, logo após ter conseguido conter esse problema da implantação de uma ditadura de esquerda. E considero importante destacar que o que a esquerda planejava era sim a ditadura do proletariado – uma ditadura, en-

tão. Basta você ver diversos depoimentos – e atuais

– de pessoas que participaram dessa tentativa de im-

plantar o comunismo no Brasil. Eles declaram que não lutavam pela democracia, mas sim pela ditadura co-

munista. Bom, mas voltando ao assunto, considero que as Forças Armadas exerceram seu papel constitucional defendendo a soberania da nação.

RCML - Hoje a ameaça comunista não é um proble- ma para a sociedade brasileira. No entanto, os altos índices de criminalidade e de corrupção ameaçam o futuro da nação. Muita gente fala que a volta das For-

potencia bélica. As Forças Armadas de um País precisam

ser fortes para as-

segurar que esse País se mantenha forte.

RCML - O que pen- sa do Ministério da Defesa ser dirigido por um civil? Isso é bom ou ruim para as Forças Armadas?

Coronel

Pimen-

tel - Eu vejo o Mi- nistério da Defesa funcionando bem.

A grande vanta-

gem de ter um civil como ministro da defesa é o fato de

ele ter uma expe- riência em diplo- macia muito importante, capaz de expor ao Presidente

da República e ao Legislativo as questões que tocam as Forças Armadas e o País, sob a ótica dos militares, mas

na linguagem compreensível para os civis que atuam

no Legislativo e no Executivo. Talvez um militar não soubesse realizar certas negociações que um civil com maleabilidade política sabe fazer. Eu não vejo nenhum mal em ter um civil como ministro da defesa, espe-

cialmente porque o civil no Ministério da Defesa deve

ter os mesmos objetivos que os militares nas Forças

Armadas: defender o país com base nas regras que a

Constituição de 1988 instituiu.

RCML - Neste ano a sociedade relembra fatos que le- varam o Brasil a viver décadas sob o regime militar. Como o senhor analisa toda essa questão?

Coronel Pimentel - As Forças Armadas são institui- ções democráticas e defensoras da democracia do seu

país. Algumas críticas que são feitas às Forças Armadas

são sem nenhum embasamento teórico ou prático – são

feitas sem conhecimento verdadeiro do alvo da crítica. Naquela época, o Exército seguiu diretrizes com base

em avaliações estratégicas das Forças Armadas. Hoje

pode parecer aos desavisados que a questão comunista naquela época fosse uma quimera. Mas não era. Basta lembrarmos que os comunistas foram capazes de em- preender uma luta armada contra o Exército, institui-

CLUBE CLUBE MONTE MONTE LÍBANO LÍBANO

7 7

preparados para atuar em guerras, não em conflitos onde existem civis. Os ar - mamentos

preparados para atuar em guerras, não em conflitos onde existem civis. Os ar- mamentos do exército são para guerra – atirou, matou. Então, é um perigo ter isso nas ruas. Constitucionalmen- te, e resultado da ação democrática da sociedade civil e dos parlamen- tares consolidada na Constituinte de 88, a instituição que tem por obrigação dissolver tumultos e dar segurança urbana ao cida- dão e às instituições democrá- ticas é a Polícia Militar. Por essa razão e para isso seus integran- tes são treinados de uma maneira específica. Seu armamento também é outro. Eles contam com bombas de gás, bala de borracha e outros instrumentos específicos para o controle e a re- pressão da violência urbana. Nas ruas é a polícia quem deve atuar.

RCML - Como que é sua vida social no Clube Monte Líbano?

Coronel Pimentel - Sou sócio do clube há mais de 30 anos. Hoje em dia não vou mais lá tanto quanto antes, pois estou com um problema nas pernas. Mas sempre pratiquei esportes e lá no Monte Líbano meu principal entretenimento era, e ainda é, jogar baralho. Sempre joguei muito lá e costumo ir aos finais de semana para me distrair um pouco, onde me sinto muito feliz.

ças Armadas ao Poder é a solução. O que o senhor acha disso?

Coronel Pimentel - Eu discordo veemen-

temente. Volto à questão de que as pessoas falam muitas vezes sem saber do que estão falando. Não aprofundam seu conhecimento

e

entendam que não é função das Forças Arma- das intervir para combater corrupção ou para diminuir índices de violência urbana. Isso é uma missão da sociedade e das instituições que fazem parte dela e que foram instituídas para essa finalidade. O exército é uma par-

te

suas funções claramente definidas na Consti-

nem a sua análise. É importante que todos

desse todo chamado sociedade, mas tem

tuição. Não acredito que uma inter- venção militar deva ser feita para resolver questões que po- dem ser resolvidas pela sociedade e por outras instituições democraticamente instituídas. Lembro que no seu artigo 142,

a

declara que as Forças Armadas são instituições nacionais organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autori-

Constituição Federal

dade suprema do Presidente da República, e destinam-se

à

dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer des- tes, da lei e da ordem. Fica cla- ro, então, que as Forças Armadas fazem parte do Estado democráti- co, de um time que governa o país – Presidência da República, Senado Federal e Câmara Federal – mas com funções definidas. E intervir na direção de uma nação em razão dos problemas contemporâneos, não é uma de suas destinações.

defesa da Pátria, à garantia

RCML - O que o Senhor pensa do uso de tropas milita- res ao lado da polícia nas ruas?

Coronel Pimentel - Caímos na mesma questão. Não

é função das Forças Armadas ir para a rua, em grandes

centros urbanos, para combater a criminalidade. Sem- pre achei muito perigoso o Estado colocar militares nas ruas. O Exército e as demais Forças Armadas estão

8 CLUBE MONTE LÍBANO

CLUBE MONTE LÍBANO

9

Feijoada de carnaval

A tradicional feijoada de carnaval lotou o Clube Monte Líbano de alegria e de convidados. Com muita folia e música boa, os presentes entraram no clima de descontração do carnaval. Monte Líbano também é samba no pé, minha gente!

Monte Líbano também é samba no pé, minha gente! Sérgio Merhy e acompanhante. Presidente Edward Assemany,

Sérgio Merhy e acompanhante.

é samba no pé, minha gente! Sérgio Merhy e acompanhante. Presidente Edward Assemany, Pagrad envolvidos pela

Presidente Edward Assemany, Pagrad envolvidos pela graça e be- leza das passistas.

Pagrad envolvidos pela graça e be- leza das passistas. Pagrad se rende ao ritmo da passista.

Pagrad se rende ao ritmo da passista.

10 CLUBE MONTE LÍBANO

se rende ao ritmo da passista. 1 0 CLUBE MONTE LÍBANO Cacá, Paulo Cesar, Luiz Fernando

Cacá, Paulo Cesar, Luiz Fernando e esposas.

MONTE LÍBANO Cacá, Paulo Cesar, Luiz Fernando e esposas. Presidente Edward Assemany completamente inebriado pelos

Presidente Edward Assemany completamente inebriado pelos char- me e pelo swing das passistas.

Edward Assemany completamente inebriado pelos char- me e pelo swing das passistas. Antonio Hamdar e suas

Antonio Hamdar e suas filhas.

O click do fotógrafo registra mais um momento de descontração entre a passista e parte

O click do fotógrafo registra mais um momento de descontração

entre a passista e parte do público presente.

entre a passista e parte do público presente. Zé Roberto, esposa e passista. Imagens gerais do

Zé Roberto, esposa e passista.

parte do público presente. Zé Roberto, esposa e passista. Imagens gerais do salão. Berico e Lucia

Imagens gerais do salão.

Zé Roberto, esposa e passista. Imagens gerais do salão. Berico e Lucia posam ao lado das

Berico e Lucia posam ao lado das simpáticas baianas.

Berico e Lucia posam ao lado das simpáticas baianas. Zé Roberto com linda passista. Imagens gerais

Zé Roberto com linda passista.

posam ao lado das simpáticas baianas. Zé Roberto com linda passista. Imagens gerais do salão. CLUBE

Imagens gerais do salão.

CLUBE MONTE LÍBANO

11

Rubens Baracat e senhora, em companhia de amigos. Lucia e Berico com o casal Antonio

Rubens Baracat e senhora, em companhia de amigos.

Rubens Baracat e senhora, em companhia de amigos. Lucia e Berico com o casal Antonio Carlos

Lucia e Berico com o casal Antonio Carlos Milet.

de amigos. Lucia e Berico com o casal Antonio Carlos Milet. Grupo de senhoras animando o

Grupo de senhoras animando o evento.

Antonio Carlos Milet. Grupo de senhoras animando o evento. Nancy e Lucila Assemany. Pagrad e Edward

Nancy e Lucila Assemany.

de senhoras animando o evento. Nancy e Lucila Assemany. Pagrad e Edward Assemany. Rose e Paulo

Pagrad e Edward Assemany.

o evento. Nancy e Lucila Assemany. Pagrad e Edward Assemany. Rose e Paulo Edde divertem-se na

Rose e Paulo Edde divertem-se na companhia de um amigo.

12 CLUBE MONTE LÍBANO

Assemany. Pagrad e Edward Assemany. Rose e Paulo Edde divertem-se na companhia de um amigo. 1
Zé Roberto e família em momento de alegria e descontração. Abdo Gazal com amigos. CLUBE

Zé Roberto e família em momento de alegria e descontração.

Zé Roberto e família em momento de alegria e descontração. Abdo Gazal com amigos. CLUBE MONTE

Abdo Gazal com amigos.

Zé Roberto e família em momento de alegria e descontração. Abdo Gazal com amigos. CLUBE MONTE
Zé Roberto e família em momento de alegria e descontração. Abdo Gazal com amigos. CLUBE MONTE

CLUBE MONTE LÍBANO

13

Baile inFantil de carnaval

Em uma tarde de muita alegria, descontração e brincadeiras, o Tio Tetê conduziu a criançada no baile de carnaval do Clube Monte Líbano. A gurizada caiu na folia, com muito confete e serpentina.

de carnaval do Clube Monte Líbano. A gurizada caiu na folia, com muito confete e serpentina.
de carnaval do Clube Monte Líbano. A gurizada caiu na folia, com muito confete e serpentina.
de carnaval do Clube Monte Líbano. A gurizada caiu na folia, com muito confete e serpentina.
de carnaval do Clube Monte Líbano. A gurizada caiu na folia, com muito confete e serpentina.

14 CLUBE MONTE LÍBANO

de carnaval do Clube Monte Líbano. A gurizada caiu na folia, com muito confete e serpentina.
CLUBE MONTE LÍBANO 15

CLUBE MONTE LÍBANO

15

é uma casa áraBe, com certeza

Não é de hoje que a culinária árabe conquistou

estômagos e corações no Brasil. Muito saborosa

e nutritiva, a culinária dos povos da península

árabe chegou ao Brasil como resultado da forte influência que esses povos tiveram na cozinha eu- ropeia, especialmente na portuguesa e espanhola – culinárias que mais tarde cruzaram o Atlânti- co e, aportando em terras brasileiras, deixaram marcas definitivas na nossa gastronomia.

Tabule, cuscuz marroquino, homus tahine, arroz com lentilha, charuto de folha de uva e abobrinha recheada foram iguarias que chegaram a nossas mesas para nunca mais sair. No Rio de Janeiro, região com uma enorme faixa costeira, era de se esperar que a influência es- trangeira aqui aportasse com intensidade. E as- sim o foi. Hoje, no Rio de Janeiro, especialmente na capital carioca, são inúmeros os restaurantes especializados em culinária árabe. Outros restau- rantes, apesar de não especializados, não abrem mão de oferecer à esse grande público apaixona- do, pratos árabes em versões menos fiéis às ori- gens.

Dentre as casas especializados nessa culinária, destacamos o restaurante do Clube Monte Líba- no que, sob a direção dos irmãos Chagas e Neto, oferece os mais caprichados e saborosos pratos árabes no seu jantar das 5 as feiras, tendo se tor- nado um dos mais respeitados e requisitados res- taurantes de comida árabe da cidade. Atravessando mais de uma década de bons ser- viços prestados, e com muita simplicidade, Neto

e Chagas receberam a Revista Monte Líbano no restaurante do Clube para uma conversa.

16 CLUBE MONTE LÍBANO

RCML - Sabemos que a gastronomia árabe faz um enorme sucesso no Brasil. Aqui no Clube Monte Lí- bano, todas as 5 as feiras vocês, através do Buffet Brilhante, oferecem ao público um super-jantar árabe. Fale um pouco mais sobre o jantar. Neto - O Buffet Brilhante é uma empresa que abrimos há mais de 15 anos e que presta servi- ços culinários, incluindo um pacote de decoração também. Fazemos muitos eventos pela cidade do Rio de Janeiro, contratados por clientes. Aqui no clube, oferecemos um jantar com diversos pratos árabes que fomos aprendendo em todos esses anos de dedicado trabalho. E como a culinária árabe é conhecida não só pelos pratos que oferece, mas também pela quantidade – comida árabe é sinôni- mo de mesa sempre farta e com variedade –, ofe- recemos um buffet amplo e generoso, com preços bastante atrativos. Para você ter uma ideia, o buf- fet de comida árabe custa R$ 34,00 por pessoa. Onde você pode comer tão bem um pernil de cor- deiro ao molho de hortelã, arroz de galinha, quibe cru, de bandeja e na qualhada com a segurança e a tranquilidade que o Monte Líbano oferece e por um preço desses? E podendo repetir!

RCML - O Rio de Janeiro tem muitos restaurantes árabes. Qual o diferencial do jantar árabe daqui do Monte Líbano? Chagas - A diferença é que aqui os ingredientes que utilizamos para preparar a comida árabe são todos originais – trazidos de São Paulo, que é o mercado mais sólido e tradicional do Brasil em termos de culinária árabe. Não adianta chegar aqui e oferecer comida árabe sem sabor de comi-

da árabe. Todos os nossos clientes e amigos que frequentam o restaurante às 5 a

da árabe. Todos os nossos clientes e amigos que frequentam o restaurante às 5 as feiras conhecem os sabores árabes de nossa comida. E sabem que para obter esses sabores temos que utilizar ingre- dientes de primeira linha e prepará-los de uma maneira que não é qualquer cozinheiro ou chef que é capaz de fazer. Então, aqui, fazemos uma comida árabe original, com todos os elementos necessários para isso.

RCML - Poderíamos dizer que a soma dos ingre- dientes com a manha de preparar os pratos da culinária árabe é que é o pulo do gato? Onde vo- cês aprenderam esse pulo do gato?

Neto - Sim. A seleção dos ingredientes e a forma de prepara-los são sim, o pulo do gato. Nesse sen- tido, aprendemos muito com a chef de cozinha Madeleine Saade. Ela nos ajudou muito, transmi- tindo para nós e nossa equipe muito conhecimen- to relacionado à gastronomia árabe e muitas dicas sobre temperos e formas de preparar os pratos dessa culinária – as manhas mesmo – e fomos evo- luindo na prática do preparo desses pratos.

O público apreciador da arte e da culinária árabe e libanesa se delicia com pratos preparados pelo Bu- ffet Brilhante, apreciando a beleza, a sensualidade e a destreza da bailarina.

RCML - O jantar das 5 as feiras é exclusivo para associados do Clube Monte Líbano? Quais outros diferenciais vocês possuem e que possa ser consi- derado um atrativo da casa?

Chagas - O jantar de comidas árabes que acon- tece todas as 5 as feiras a partir das 20h no Clube Monte Líbano não é exclusivo para associados. Todo e qualquer cidadão que quiser apreciar essa saborosa culinária em um ambiente familiar, se- guro e bem localizado, deve vir até aqui. Tragam seus convidados e tenham uma noite inequecível. Não apenas pelos sabores que vão surpreender, mas porque durante o jantar temos, também uma belíssima apresentação de danças árabes. É um mergulho na cultura árabe que vale a pena. Estão todos convidados, em meu nome, do Neto e do Clube Monte Líbano, que não mede esforços para manter viva as raizes dessa milenar cultura que é a árabe e libanesa.

CLUBE MONTE LÍBANO

17

roda de samBa

Batucada boa e gente bonita marcaram a roda de samba do Clube Monte Líbano. Felicidade total. Se depender dos nossos convidados, o show sempre vai continuar.

depender dos nossos convidados, o show sempre vai continuar. João Arbex, Edward Assemany e Pagrad com

João Arbex, Edward Assemany e Pagrad com esposas.

João Arbex, Edward Assemany e Pagrad com esposas. A familia Edde Mariana Avvad com sua mãe

A familia Edde

Arbex, Edward Assemany e Pagrad com esposas. A familia Edde Mariana Avvad com sua mãe Mara

Mariana Avvad com sua mãe Mara Avvad e amigas.

18 CLUBE MONTE LÍBANO

sua mãe Mara Avvad e amigas. 1 8 CLUBE MONTE LÍBANO Zé Roberto e Humberto Moutinho.

Zé Roberto e Humberto Moutinho.

1 8 CLUBE MONTE LÍBANO Zé Roberto e Humberto Moutinho. Onicio Nogueira, Mario e esposa Laura

Onicio Nogueira, Mario e esposa Laura Gea, Francisco Wilson e esposa Maria Eunice

e esposa Laura Gea, Francisco Wilson e esposa Maria Eunice João Sertã, Maria Pessanha, Sonia Boueri,

João Sertã, Maria Pessanha, Sonia Boueri, Fátima Moutinho, Zé Roberto, Sandra e Marisa Couri.

almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-

almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano

almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden- te
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden- te
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden- te
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden- te
almoço BeneFicente da igreja nossa senhora do líBano Representando o Clube Monte Líbano, o presiden- te
Representando o Clube Monte Líbano, o presiden- te Edward Assemany e sua esposa Lucila estive-
Representando o Clube Monte Líbano, o presiden-
te Edward Assemany e sua esposa Lucila estive-
ram presentes à solene missa realizada na Igreja
Nossa Senhora do Líbano.
Após os rituais religiosos, foi realizado o almoço
beneficente.
Além do casal, marcaram presença no evento o
Bispo Maronita no Brasil, d. Edgard Madi, o padre
Roger Baracat - superior da missão libanesa ma-
ronita - o Consul Geral do Líbano dr. Ziad Itani,
o presidente da Federação das Entidades Líbano
Brasileiras, dr. Nelson Mufarrej, o vereador Rei-
mont e outras autoridades.

CLUBE MONTE LÍBANO

19

Novos sócios

Clube Monte Líbano, fe-

liz com o crescimento da família Monte

A diretoria do

novos associados e

aqui

Líbano, deseja aos

seus dependentes que encontrem

tranquilidade

um ambiente de alegria,

e fraternidade.

do Prado

Lage

Salomão

Bueno

Elisa

Franklin

0915

Felipe

Bracet

João Almeida

1726

Augusto

Martins Neto

Cesar

1694

Ribeiro

João

Pfaltzgraff

Quinaud

0923

Figueiredo

Jaime

1482

de

Evandro

Bechara

Tranjan

0223

Adelia

Filartigas

0369

Quinhão Federici

Cecilia Pina

1577

Henrique

Ghazi

Gabriel

1245

Borges

Emerson

Santos

dos

0585

Carvalho

José

Alan

de

Couri

1534

Paula

Ana

0266

Gabriel 1245 Borges Emerson Santos dos 0585 Carvalho José Alan de Couri 1534 Paula Ana 0266

20 CLUBE MONTE LÍBANO

Gabriel 1245 Borges Emerson Santos dos 0585 Carvalho José Alan de Couri 1534 Paula Ana 0266

CLUBE MONTE LÍBANO

21

22 CLUBE MONTE LÍBANO

CLUBE MONTE LÍBANO 23

CLUBE MONTE LÍBANO

23

2 4 CLUBE MONTE LÍBANO

24 CLUBE MONTE LÍBANO

CLUBE MONTE LÍBANO

25

ABRIL
ABRIL

01

Alexandre Diniz Pedreira Lontro, Maria Auxi- liadora Serafim de Melo e Sandro Oliveira Age Faria

02

09

Andreas Di Giulio Pfeifer; Daniel Bonvini Me- neses; Luciana Lopes Duarte; Manoel Salvador Martins; Nacib Hototian e Paulo Roberto Grune- wald da Cunha

19

Eliete de Lima Filardi; Guilherme R. Mamede; Lucia do Amaral Ribeiro Araujo Vieiralves; Maria da Gloria Gonçalves Ratto; Paula Soares Pfaen- der; Renata Moema Cardoso; Ronaldo Santos de Andrade Ramos e Tatiana Medonça da Mota

Carlos Vinicius Nejaim Ribeiro, Feliciano Arau-

10

Werneck

jo, Maria Beatriz Saade, Maria Paula G.Andrade Ramos e Ronald Shalders Neri

Beatriz Amaral P. Barcelos; Eduardo Zaneti Puelker; Elias Mikhael Kanaan; Franz Santos de

20

Campos; Hassan Mohamed El Gamal; Luiz Car-

Andrea de Freitas Campos Silva; Arthur Marques

03

los Camuyrano Teixeira; Martha Miranda Lacer-

B.

Flores; Cesar Chalfun Rayes; Guillermo Z.

Dorothéia Silva de Souza; Iara Santos Conra- do; Jose Ricardo de Goes Wanderley; Margarida

da; Myrian Rodrigues do Amaral, Priscila Sarubbi Cysneiros de Oliveira e Ramez Saade

Francovich Aldabalde; Joao Mauricio O. W. de Araujo Pinho; Jorge Bumachar Filho; Jose Luiz

Diab Tranjan; Patricia Joseph Ofeiche; Roberto

V.

Leal Ferreira; Leonardo Lauria Nunes da Sil-

Jorge e Thainá Faulhaber C.M.Lessa

11

va; Luiz Francisco Cortez Correa Lage; Manue-

04

Barbara Xavier Abi-Rihan; Catarina Daibes Ra- chid de Lucena; Edimea Nogueira de S. Araujo;

la Constant de Figueredo; Marco Antonio Ghazi; Nelson Antonio Sendas; Sonia Maria Nabuco Cal-

Alessandro Ghio Maio; Ana Beatriz Barcellar

Ewerton de Barros Meireles; Jorge Luis Dos San-

das Nora Serra; Tereza Cristina de Souza Assed

Martins; Antonio Hanna Youssef Safi; Aracy

tos Maffei; Karina Saade; Maria Elizabeth Dias

e

Viviane Saraiva de Almeida

Vieira de Campos; Cecilia Baliu Chami; Eduarda Campos Silva da Cunha; Emilio Rodriguez Rios;

Bastos e Naomi Jane Lederfain Dolou

21

Karen Pinheiro Edde; Larissa Veloso da Costa S.

12

Gilson Nicolau Miceli; Pedro Zacharias Hassan e

Brechbuhler; Lourenço Queiroz de Vasconcellos Conceição; Lucia Maria L. R. da Costa; Maria

Michelle Teixeira Frota

Victor Henrique Pozas Junior

Emilia de Almeida e Mariam Daibes Rachid

13

22

05

Carlos Henrique Rebello Faria; Emanuelle Reque- na Galli Crespo Ferreira de Carvalho; Francisco

Adriana N. Biscaia Fernandes; Carolina Souza Machado; Carolina Lopes Neder; Fernando Henri-

Catharina Vaz Moreira Nunes; Claudio Anysio

Armando Diacovo; Gisela Maria B.R. Falcao; Glo-

que Silveira de Araujo; Noah Henri Dolou e Pietra

Bastos Zaher; Elias Jose Diab; Guiliano Morais

ria Dourado Cavallieri de Castro; Iskandar Mikhael

C.

L. de Santa’anna

Daibes Rachid; Jorge Barbur; Laryssa Romano do Rio Asmar; Lucas Pimenta D`Aguiar S Valle;

Kanaan; Leonardo Luiz Fonseca de Oliveira; Ma- ria Eleonora Sores Machado; Maria Helena Men-

23

Magno Ferreira Trindade; Nicolas Bellini do Car-

des Braga e Wanderley Ribeiro Nunes

Ary da Silva Graca Filho; Dafne Leite Barros Sil-

mo; Nilson Costa Pedroso e Nina Boghossian

va; Fabio Amorim Meira de Araujo; Georges Gha-

Marinho

14

zi

Junior; Lisia Palombini Grens; Marcia Barbosa

 

Carlos Andre da Silva Herrmann; Cesar Augusto

15

Barroso; Natasa Marinkovic e Victor Lopes Baruki

06

Bracet; Elizabeth Figueiredo S Carvalho Araujo;

Andrea de Souza Coelho Benazzi; Maria Eloa de

Isabela Dos Santos Rodriguez; Lucia Blondet Ba-

24

Castro Rodrigues; Renato Gaui Filho e Ricardo J. de Sant’anna

ruque e Suema Pacheco Pereira

Adriana Ferreira Silva; Arthur Emiliano de Lon- tra Costa; Helen Nogueira de C. Gravata; Maria Dos Remedios R. Dos Santos Borges; Mario Artur

07

Arlete Edde de Miranda Costa; Camila Leidens

Meireles da Silva; Renata Campos Fernandes e

Alice Edde; Bruna Khair Braz; Catarina Salvi Di Biase; Joao Paulo Castello Branco Diniz; Marce-

Tajra; Fernanda Valeria Matos Bernardo; Julia Ferreira Carvalho; Luiz Fernando da Silva Nahas;

Yasushi Nitta

lo

Luiz da Silva Bandeira; Marluci da Costa Luiz

Marina Ribeiro de Oliveira; Moussa Ghazi Ghazi;

25

e

Paulo Henrique de Sousa Pinto

Nair Cristina Fernandes e Pedro Vieira Ahouagi

Andrea Duailibe Tome; Beatriz Bandeira de Mello

 

Cunha

e

Silva; Gabriela de Jose Berger; Helena Mous-

08

Adriana de Mesquita Bougleux; Beatriz Freitas

de Souza Pinho; Daiana Neves da Barra; Danie-

la Saade e Lucas Meireles Negreiros

16

Andrea Saade; Artur Sousa da Silva; Elisabeth Muller Machado; Herminia Fontes Ferreira; Leda Logus Ferreira; Maria Helena P. Dos Santos; Ro- berta Gomes Barbosa Pompili; Thais P. M. de Mesquita Pinto e Vidal da Silveira Barros

saouba; Julieta B. Daibes Rachid; Manoel Serrão Borges de Sampaio; Maria Clara Assumpção Cor- rea Lage; Maria de Fatima Dias Gaui e Renata de Albuquerque de Azevedo

26

Ana Carolina Gea Blois; Georgia Andreia F.

Merhy; Jose Couri Netto e Rosani Freitas Costa

17

Ferreira

Ana Paula Imbroisi Rebello; Eliane Barbosa Fer- reira Dias; Juliana Alves de Oliveira; Marina Zraick

27

do Valle Silva e Rodrigo Ghetti Arbex

Luiz Felipe T. L. Francalacci; Maria Cristina R.El- mor Colao e Thomas Accioly Souhami

18

Andrea Palmieri Baptista Zarur; Catarina Feijoo Costa; Joao Carlos Brasil de A.Vieira; Joao Pedro Feijoo Costa e Michelle Alcantara Dos Santos

26 CLUBE MONTE LÍBANO

28

Alexandra Muniz Caruso; Anderson P. Taboada; Ciro Roberto Fortes; Marilia Souza Moraes; Oscar Soares de Oliveira; Pedro Aberlado Ganem; Sa- mira Beze e Tathiana Alcantara Barbosa

29

Angela da Rocha Pombo; Carlos Alberto Moura da Silva; Carolina de Oliveira Machado; Claudia Rodrigues Noronha; Luciana Bedran Jettar; Maria Helena de La Roque e Roberto Chalita

30

Daniela Bragunci de Miranda Adayme; Jose Ma- nuel Galindo Soler; Maria Aurea Duailibe Tome; Sergio Wakim Bassil e Tereza Gutierrez Avvad

MAIO
MAIO

01

10

tonio Alberto F. Machado; Antonio Claudio Ah-

Koury; Rosalia Pereira da Silva; Sylvia Lucia F. P.

Ana Maria Chiesa, Andre Olinto do Valle Silva,

Adriana da Rocha Lobo; Angela Aguiar S. Lima;

ouagi Cunha; Dirnei Frangello Sodre; Eduardo

Arlene Maria Reis Simao, Celia Mantuano Mua- nis, Gabriel Angelo de Cata Preta Correa, Lu- zimar Nogueira Aduan, Maria de Lurdes Taulois

Angela Barcha Taam; Carlos Eduardo do Coutto Goulart; Franklin Caram Assemany; Livia Marquez Rocha; Lucia Carajuru; Maria Cecilia Schneider

Gomes Baroni; Helena Werneck C Bueno Gui- maraes; Luiza Maria Catao Diacovo; Manoela

O. Barreto, Mauro Hernando Martins da Costa e

Alcure; Marli Porto de Queiroz; Milad Hanna Mou-

Y

Guerrero e Thiago Rocha Ferreira

Romualdo Cesar Simao Nahar

ssaouba; Monica Maria Pessoa Couri; Natalie Ta- vares Bonvini Meneses; Olga Balassiano e Paulo

22

02

Cesar de Azevedo Ritto

Bianca Goncalves Tasca; Christiane Ribeiro Ro-

Barbara Barata; Daniela Nejaim Ribeiro; Eduardo

drigues Horta; Denise Maurano Mello; Giulia Fa-

Balassiano; Eduardo Francisco de Castro; Fer-

11

rah Banholi; Jorimar Silva Albuquerque; Maria

nanda Aquino Cavallieri; Geraldo de Barros Fer- reira e Kathia Simão Jazbik

Anna Eliza S. Duarte; Consuelo Zaidan V.Andra- de; Diana Meirelles de Moura; Eduarda Pacheco de Lima Camara; Heliene Martins Fonseca; Hen-

12

Candida B. da Silveira; Maria Luiza T. Garcia de Souza; Matheus Mendes Meireles Silva; Regina Maria Gomes de Oliveira e Roberta Accioly Sou-

03

derson Barbosa Castelo Branco; Juliana França

hami

Ana Claudia Melo Barros; Antonio Boutros Saa- de; Miguel Murad da Costa Leite; Paulo Roberto

Orlando; Juliana Palha Pires Pereira; Laura Ro- drigues Bueno; Newton Galego Guimarães Wer-

23

Miranda de Siqueira; Pedro Galhardo Fraguas e Taciana Cerqueira Cabral

neck e Renata França Gomes

Carla Renata Botelho de Souza; Carlos Alberto do Nascimento; Carlos Alberto Souza Gomes; Flavia Candolo Pupobarbosa; Geovanna Coutinho Be-

04

Arthur Miguez de Lontra Costa; Clarissa Goncal- ves de A. Ramos; Felipe Guedes Laus Brodbeck; Marco Aurelio Dias L. Silva; Maria da Gloria Neffa

Alexandre Henriques Leal Filho; Esther Adissi; Luca Menescal de Holanda; Marcelo Basile Gea e Ramon Felipe B.Do Nscimento

dran; Gilberto Cavalcanti Rabello; Heitor de Sou- za; Roberto Chagas Rodrigues; Rosalie Shalders Neri e Sami Elias Kanaam

Adayme e Rafael Cury

13

24

Antonio Jose Ledo Alves da Cunha; Fatima Maria

Anna Carolina B.Souza Pessanha; Diogo Grecco

05

O. F. Moutinho; Frederico Guilherme B. do Rego

F

Martins; Gabriel Miranda Ahouagi Cunha; Jorge

Alberto Warwar; Claudia Taciana A Mucare; Paola

Falcao; Guilherme Luiz A. L. Ferreira; Joana San-

Prins Y Guerrero; Luiz Leitao de Carvalho; Rober-

Rocha Ferreira e Paulo Mauricio Simão

son Areas e Rayan Tinoco Alves

to

Tinoco Caparica e Roge Cury

06

14

25

Anna Christina S.C. A. Pinho; Fernanda do Valle de Carvalho; Gabrielle Andressa Barcelos Pazos; Gustavo Alves Braune; Gustavo Luis Di Menno; Miguel de La Roque; Ricardo M.De Faria Korna- lewski e Suzana Guedes Muniz Lopes

Alexandre de Azevedo Ritto; Eduardo Judice Ac- cioly de Souza; Henrique Judice Accioly de Sou- za; Miguel Cavendish P.Pires de Mello; Paulo Pereira Carneiro Burle; Pedro Judice Accioly de Souza e Victoria Miguel Saba

Angeline Monteiro Prata; Anita Luiza Sette So- dre; Dario Kfuri; Henrique Quintão Federici; Jose Inacio Salles Neto; Lucia de Albuquerque de Azevedo; Lucia Diab Jorge; Lygia Mauad de S. Andrade; Maria Henriqueta C. Nogueira; Paulo

07

15

Henrique Garofalo Cunha e Rodrigo Rocha de Lima Machado

Ana Claudia Pini Fragoso; Daniele Franco Ma- turano; Gabriel Furtado Schaer Santos; Marcelo

08

Alexandre Warwar; Cecilia de Carvalho Ritto; Ma- nuela de P. C. Monteiro; Maria de Lourdes Cunha

26

Reis de Barros e Mariana Bedran Racy

Medeiros; Marluci Warwar; Silvia Odete Morani Massad; Sylvia Freitas Mello e Thereza Cristina Lopes Vieira Alves da Cunha

Adilson Gomes de Oliveira; Antonio Pereira Fei- tosa R. Sobrinho Filho; Celia Robeto Couri; Ce- sar Kayat Bedran; Christina Maria da Silva Jorge;

27

Ana Carolina Bevilaqua Barbur; Carlos Silva Pa- ternostro; Elzeny Maria Caribe Pozas; Jorge Au-

16

Clara de Souza Costa; Haysa Ferreira Araujo; Mario Gea Caldas; Pedro Antonio Jazbick Cha-

gusto Teles; Jose Renato de Mello Erbetta; Jose Silvestre Mota da Silva; Munir Chilaze; Paulo Sar- quis Aiex; Renato Pereira de Carvalho; Rosane Silva e Rosilene Mello S. Cortes

Carlos Eduardo C. Guimaraes; Carolina C. V. Pe- reira Eça; Elaine Patricia de Santana; Joao Ga- briel M. Andrade Essus; Roberto Gaui; Rudolf Nunes Kobig e Sandra Helena da S. de A. Ceva

ves; Theophilo Antonio Miguel Filho e Theophilo Antonio Miguel Neto

09

17

Angela Nicolau Atta; Eliane de Mello A. Rebouças Monteiro; Lucas Jose S. Ramos e Renata Aquino

Corina Maria França Macario; Eliane de Oliveira

Alice Avvad Nejaim Ribeiro; Ana Carolina M.

18

Calarge

Medeiros; Fernanda Mattos A. Hippert do Valle Guimarães; Laudy Safi; Marcos Abeid; Paulo Ce-

Weitzel; Fabio Nobrega de Souza Valente; Maité Faulhaber C.B.Coutinho; Renata Aguiar Bitter-

28

zar Assed e Roberto Luiz Rocha

ncourt; Roberto de Abreu e Silva; Sonia Maria Costa Moura da Silva; Tomas Accioly de Souza e Valentina Zapata F. Aldabalde

Alexandre Queiroz Franco Henriques, Carlos Al- berto Dias; Denis Marie Jean Jacques de Raphelis Soissan; Diogo Marra Moreira S. Ribeiro; Fernan- da Camera; Gilberto da Silva Costa Filho; Marcelo Cunha Medeiros; Sheila Srour Oaquim e Simone

Jorge Venancio de Souza Andrade; Marcello Jose Ferreira de Carvalho e Sueli Rodrigues Portella

Treigher Sukman

de Carvalho e Sueli Rodrigues Portella Treigher Sukman 19 Evandro da Fonseca Quintao; Julia Tabet Car-

19

Evandro da Fonseca Quintao; Julia Tabet Car- riello; Leticia Neri Teixeira; Luana Maurano Mello Belchior; Luiz Gabriela Netto Guerra Gama; Mar- cia Gay Pozas; Raphaela Mello S. Cortes; Rober- ta Di Giulio Pfeifer; Roberta Rubim Del Giudice e Sonia Maria Duclos Torres de Melo

20

Alexandre Abrao Neto; Beatriz Vieira de Resende;

Deborah Hadid; Jorge Leandro do Souto Montei- ro; Marcello Khazen; Neide Campos Fernandes e Renata Zraick do Valle

21

Absalom Lima Filgueira; Anna Paula Saade; An-

29

Antonio de Padua Jazbik; Gabriel Caruso Paren- te; Joana Barbara Lago de Souza; Marcus Rafael Franca Dos Anjos e Maria Renata Araujo Khair

30

Clara Aloe C.S.O.Bastos; Gabriela Sufan Ber- linsky; Laura R. da Costa Presser; Leonardo Azeredo Gonçalves; Maria da Gloria B Henriques; Mariana Freitas de Souza; Sonia Simoes Kayat e Tereza Cristina Kfuri Simao

31

Daniel Granez Rodrigues de Oliveira; Elisodete Fabri; Isaac Jose Adissi; Leticia Vieira Saavedra; Maria Alice F. Loureiro de Sant’anna; Maria So- ledad Alonso Fontes e Rosangela Said Hamdar

CLUBE MONTE LÍBANO

27

la cucina italiana

De alguns anos para cá, a gastronomia mundial vem despertando o interesse do brasileiro, que vem aprendendo a apreciar especialidades, bebi- das e iguarias das mais variadas origens e regiões.

Nesse sentido, a gastronomia de alguns países se consolidou e conquistou um importante lugar na preferência do brasileiro.

Provavelmente pela forte in- fluência das colônias italianas lo- calizadas no Estado de São Paulo e na Região Sul do pais, e a con- sequente presença centenária no Brasil, a gastronomia italiana é, sem sombra de dúvida, uma que se consolidou na preferência do brasileiro.

Il Belpaese, como é chamada pe- los seus habitantes, a Itália pos- sui uma cozinha muito variada, com tradicionais comidas típicas herdadas do passado e que sofre- ram constantes transformações devido a mudanças sociais e po- líticas. Influências significativas ocorreram com a “descoberta do Novo Mundo” e contribuíram para a moldar o que hoje é a gastronomia italiana. Através da introdução de ingredientes como batata, tomate, pimentão e mi- lho, os pratos locais ganharam novos tratamentos e sabores.

28 CLUBE MONTE LÍBANO

Tanto ingredientes como pratos mudam de região para região do país. Entretanto, existem diversas receitas regionais importantes que assumiram ca- ráter nacional, assim como muitos pratos que já foram regionais proliferaram por toda a Itália.

Devido à força das novas tecnologias, no século XX, como as de manufatura alimentícia e agricultura, a forma de produção dos alimentos se modernizou. Os habitantes do sul introduziram a pizza com mais veemência, enquanto os do norte colaboraram para que o risoto e polenta se popularizassem, fi- xando assim essas receitas como algumas das mais conhecidas no resto do mundo. Como ocorreu em vários países da Europa nesse período, o fast food norte americano também foi adotado. Todavia, o regionalismo e as diversidades locais ainda são o orgulho da gastronomia italiana.

Veja alguns dos tradicionais pratos da culinária italiana:

PIzzA DE NÁPOLES A pizza, que se tornou símbolo da cozinha italia- na, tem como exemplar mais clássico a margueri- ta. Inventada pelo chef napolitano Taffaello Espo- sito, em 1889, para comemorar a visita da rainha italiana do país recém-unificado, exibe as cores da bandeira nacional: branco (queijo), vermelho (tomates) e verde (manjericão).

RISOTO à MODA DE MILãO Independentemente se é um restaurante glamo- roso ou um mais acanhado, os moradores de Milão estão sempre comendo o Risoto à Moda de Milão.

O prato, que leva arroz vialone nano e carnarol,

leva o paladar de muita gente ao delírio.

ALCACHOFRAS IMBATÍVEIS EM ROMA Originário do Oriente, a alcachofra é um legume muito valorizado na cozinha italiana. Na receita

carciofi alla romana (à moda romana), o ingredien- te cozinha lentamente em caldo suave, com alho

e salsa. Macio como manteiga, o resultado final

proporciona uma satisfação gastronômica divina.

TORTELLINI DE BOLONHA

O Tortellini parece uma perfeita combinação dos

ingredientes típicos desta região da Itália. Ele

é feito com pedaços de massa fresca, com ovos

recheados de uma mistura moída de prosciutto, mortadela, queijo parmesão e uma pitada de noz- moscada. São servidos num caldo suave de carne ou galinha, polvilhados com parmesão. Uma excelente pedida.

QUEIJOS Os queijos italianos, apreciados pelo seu sabor ímpar, são comsumidos pelos italianos tanto du- rante o café da manhã como durante o almoço e o jantar, e os principais queijos dessa variada gastronomia são: Parmigano-Reggiano, Ricotta, Gorgonzola, Pecorino Toscano, Taleggio, Fontina d’Aosta, Parmigiano-Reggiano, Mozzarella di Bu- fala, Provolone, Asiago e Robiola Piemonte.

LA CUCINA ITALIANA A gastronomia italiana é fruto de muitas mistu- ras, somas de sabores, épocas e países - um re- sultado que deu muito certo, vide a popularidade dos pratos do País da Bota. A gastronomia italiana é, inegavelmente, um “molho” que deve ser provado por todos, e que o Clube Monte Líbano traz aos seus associados e convidados no dia 25 de abril, com o jantar “A Bela Itália”.

no dia 25 de abril, com o jantar “A Bela Itália”. TIPOS DE MASSAS ITALIANAS Na
no dia 25 de abril, com o jantar “A Bela Itália”. TIPOS DE MASSAS ITALIANAS Na

TIPOS DE MASSAS ITALIANAS Na Itália existem mais de 500 tipos de massas, sendo as mais conhecidas dos brasileiros: Pappar- delle, Espaguetes, Parafusos, Lasanha, Penne, Nhoque, Ravióli e Rigatoni.

CLUBE MONTE LÍBANO

29

CLUBE MONTE LÍBANO

31

32 CLUBE MONTE LÍBANO

CLUBE MONTE LÍBANO

24