Você está na página 1de 3

Globo.

com Página 1 de 3

É fogo!
Edição 231 - Jan/05
Uma das especiarias mais consumidas no mundo, a
pimenta está presente na nossa mesa há mais de 500
anos. E não só na mesa. Além de temperar e animar
qualquer prato, ela faz bem à saúde. É indicada como
remédio para artrite, dor de cabeça, má digestão e
problemas circulatórios e tem três vezes mais
vitamina C do que a laranja. Há quem a utilize como
tempero do amor, por acreditar que seja afrodisíaca, e
também os que juram que ela afasta o "mau-olhado".
Os índios caetés já utilizavam a pimenta como arma,
antecipando, sem querer, o pepper spray, atualmente
usado pela polícia.

A crescente
procura do
mercado interno
e externo pelas pimentas provocou a expansão da área cultivada
em vários estados brasileiros, principalmente em iniciativas de
agricultura familiar. Além de serem consumidas ao natural, as
pimentas abastecem a agroindústria e podem ser processadas e
utilizadas em várias linhas de produtos. Seus frutos podem ser
desidratados e vendidos inteiros, em flocos (pimenta calabresa),
em pó (páprica picante) ou ainda preparados como conservas,
molhos, geléias e doces.

A maioria das pimentas que conhecemos pertence ao gênero


Capsicum, que reúne tipos picantes como a malagueta e a
jalapeño, mais picantes ainda, como a cumari, ou um pouco mais
suaves e adocicadas, como a dedo-de-moça. São todas nativas das Américas, e daqui se espalharam
pelo mundo a bordo das embarcações portuguesas, a partir do descobrimento, chegando à África,
Europa e Ásia. Hoje, tailandeses e coreanos são considerados os maiores consumidores de pimenta do
mundo; o consumo atinge até oito gramas por dia por pessoa.

Por aqui, não há dados sobre o consumo, mas o cultivo é feito


em praticamente todas as regiões, com destaque para Bahia,
Ceará, Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul. As
espécies de pimenta do gênero Capsicum - do qual também faz
parte o pimentão - pertencem à família das solanáceas, a mesma
do tomate, da berinjela e da batata. As cores, formas e tamanhos
variam, mas todas têm algo em comum: são ardidas.

Essa característica, chamada pungência, é exclusiva desse


gênero e é atribuída a um alcalóide, a capsaicina, que fica
acumulado na parte interna do fruto. A pungência das pimentas
pode ser medida em Unidades de Calor Scoville (Scoville Heat
Units - SHU), com aparelhos específicos. O valor SHU pode
chegar a 300 mil, caso, por exemplo, da cumari-do-pará.

Os frutos maduros são vermelhos, mas podem variar desde o


amarelo até o preto, além de alaranjado, salmão e roxo. O
formato varia segundo a espécie, e há frutos alongados,
arredondados, triangulares e quadrados. As pimentas ardidas
podem também ser cultivadas como ornamentais, pelo porte e
pelas diferentes cores de seus frutos durante a maturação.

http://revistagloborural.globo.com/EditoraGlobo/componentes/article/edg_article_print/1,3... 2/11/2007
Globo.com Página 2 de 3

A pimenteira se adapta muito bem aos climas quentes. É sensível a


baixas temperaturas e não tolera geadas. Por isso deve ser cultivada nos meses de calor. Pode ser plan
em vasos e pequenos terrenos, para consumo próprio. Quem pretende comercializá-la em pequena esc
pode começar o plantio numa área de meio hectare. As sementes de pimentas malagueta, dedo-de-mo
cambuci, jalapeño e cumari-do-pará são encontradas facilmente no mercado. Já as de cumari-verdadei
bode e de cheiro são produzidas pelo próprio produtor, que pode comprar os frutos maduros e extrair a
sementes. As mudas são feitas em bandejas de isopor, com uma ou duas sementes por célula, em loca
não haja incidência de sol direto.

Os melhores solos são os profundos, leves, férteis e be


drenados. O plantio é feito preferencialmente em sulco
30 a 40 centímetros de largura e 20 a 25 centímetros d
profundidade, com uma distância de 80 centímetros. O
transplante é feito quando as mudas apresentarem cinc
folhas, ou dez centímetros de altura; ao retirá-las, há o
cuidado para não ferir as raízes. Após o transplante, é
irrigar as mudas. Depois, as regas são feitas regularme
com o cuidado de não encharcar.

As espécies do gênero Capsicum mais cultivadas no Bras

Bode (C. chinense) - frutos arredondados ou achatados,


vermelhos e amarelos. É muito picante e os frutos madur
utilizados principalmente em conservas.

Cambuci (C. baccatum var. pendulum) - frutos vermelh


forma de campânula ou de sino. Com sabor adocicado, p
ser utilizada em saladas.

Cumari-do-pará (C. chinense) - frutos triangulares e am


quando maduros. Bastante picante, é utilizada em conser

Cumari-verdadeira (C. baccatum var. praetermissum)


arredondados ou ovalados, vermelhos e muito picantes.

Dedo-de-moça (C. baccatum var. pendulum) - frutos


alongados e vermelhos. Sua pungência é baixa e é utiliza
molhos, conservas e desidratada, em flocos (calabresa).

Jalapeño (C. annuum) - originária do México, com frutos


grandes, sabor forte e pungência mediana.

Malagueta (C. frutescens) - uma das mais cultivadas, é


vermelha, mede de 1,5 e quatro centímetros. Com pungê
média para alta, é a mais utilizada para "esquentar" o aca

Pimenta-de-cheiro (C. chinense) - frutos alongados,


triangulares ou retangulares. A coloração também é variá
(amarelo-leitoso ao preto), assim como a pungência (doc
muito picante).

CONSULTORA: CLÁUDIA SILVA DA COSTA RIBEIRO, pesquisadora da Embrapa


Hortaliças, rodovia BR 060, Km 9, Caixa Postal 218, CEP 70359-970, Brasília, DF,
tel. (61) 385-9033, sac.hortaliças@embrapa.br
MAIS INFORMAÇÕES: Livro - Capsicum - Pimentas e Pimentões no Brasil -
Embrapa Hortaliças.

http://revistagloborural.globo.com/EditoraGlobo/componentes/article/edg_article_print/1,3... 2/11/2007
Globo.com Página 3 de 3

Voltar Imprimir
Copyright © 2002 - Editora Globo S.A. - Termos legais
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem
autorização escrita da Editora Globo S.A.

http://revistagloborural.globo.com/EditoraGlobo/componentes/article/edg_article_print/1,3... 2/11/2007