P. 1
Calculo de Cilindros

Calculo de Cilindros

|Views: 4.661|Likes:
Publicado pordancka

More info:

Published by: dancka on Jun 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/28/2013

pdf

text

original

RESPOSTA TÉCNICA

Título Cálculo de cilindro pneumático. Resumo Calculo da força de um cilindro pneumático, os fatores levados em consideração e quais as fórmulas utilizadas para realização destes cálculos. Palavras-chave Cilindro pneumático; pneumática Assunto Máquinas e equipamentos Demanda Como calcular a força de um pistão pneumático. Solução apresentada 1. CILINDROS PNEUMÁTICOS Estes elementos tem por finalidade transformar o ar sob pressão, em trabalhos mecânicos lineares ou rotativos. Com o auxílio de válvulas externas é possível utilizá-los para os mais variados fins. Os tipos de cilindros mais utilizados são: 1.1 CILINDRO DE AÇÃO SIMPLES Cilindros de ação simples, ou de simples efeito, são aqueles em que o movimento de avanço da sua haste ou membrana se realiza pela ação do ar comprimido. O retorno se dá por ação de uma mola, que é o caso mais geral, ou por outra força externa, como por exemplo a do peso da massa movimentada. 1.2 CILINDRO DE AÇÃO DUPLA, COM HASTE Cilindros de ação dupla, ou duplo efeito, são os atuadores lineares em que a pressão do ar atua nos dois sentidos do movimento do êmbolo, podendo portanto produzir trabalho útil no seu avanço e/ou no seu recuo. 1.3 CILINDRO SEM HASTE, DE AÇÃO DUPLA Para o caso de cursos mais longos e necessidade de economia de espaço, são usados cilindros nos quais a haste é substituída por um cabo de aço ou uma tira de aço revestidos.

2 SELEÇÃO DO CILINDRO

Resposta Técnica produzida pelo Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas / SBRT - http://www.sbrt.ibict.br

1

D2 − d2 =P x − Fr 4 Fn = Força efetiva do êmbolo (N) A = Superfície útil do êmbolo ( cm 2 ) p = Pressão de trabalho (kPa. 2. como ele será montado e se não ocorrerá flambagem de sua haste. do diâmetro do êmbolo e das resistências impostas pelos elementos de vedação.Para selecionar um cilindro. esta resistência pode absorver de 3% a 20% da força calculada. seu curso máximo.4 Cilindro de Dupla Ação (Retorno) Fret = P x A 2 − Fr Fret π .1 CÁLCULOS PARA CILINDROS 2. A força exercida pelo cilindro é calculada segundo a fórmula abaixo: F = P x A . Em condições normais de trabalho (faixa de pressão de 400 a 800 KPa/4-8 bar).3 Cilindro de Dupla Ação (Avanço) Fav = P x A − Fr ou Fav = P x π. p − (F + F ) f n r 2. bar) Fr = Resistência de atrito (N) (3-20% de Ft ) Ff = Força da mola de retorno (N) D = Diâmetro do cilindro (cm) d = Diâmetro da haste do êmbolo (cm) Na prática a força efetiva de trabalho deve ser a teórica menos as resistências internas ao cilindro.2 Cilindro de Simples Ação F = A . o tempo que este tem para executar o trabalho.1 Forças As forças realizadas pelos cilindros dependem da pressão do ar.1.D 2 − Fr 4 2.1. 10 5 N/ m 2 . 10 N/ m 2 .br 2 .ibict. Conclusões e recomendações Resposta Técnica produzida pelo Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas / SBRT . onde: t Ft = Força teórica do êmbolo (N) A = Superfície útil do êmbolo cm 2 5 ( ) P = Pressão de trabalho (KPa.sbrt. bar) 2. deve-se partir de algumas informações básicas como: a força que este deverá desenvolver.1.1.http://www. sua pressão de trabalho.

s. vida útil. FESTO. André Alex F. 1994.d.ibict. l. Valdir. 2002. 106p. 2004. il.http://www. 481p. Jacareí. São Paulo. Tecnologia pneumática industrial. Hemus. 2006. velocidade de deslocamento.. Quanto aos critérios de seleção. Resposta Técnica produzida pelo Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas / SBRT . S. pois eles podem auxiliar na definição do cilindro mais adequado para cada aplicação. il. n. tais como: forma de fixação. 1993. t. acessórios. 125p. Porto Alegre. Pneumática e hidráulica. STEWART. Érica. l. aqui foram descritos os mais comuns. Nelso Gauze.sbrt. S. projetos de comandos binários eletropneumáticos. Automação pneumática. Fontes consultadas BOLLMANN. SCHRADER BELLOWS. il. 7. 278p. il. Fundamentos da automação industrial pneutrônica. São Paulo.br 3 . PARKER. il. il. NOLI. SENAI/RS. 1997. 93p. Pneumática básica. PARKER. bem como dimensionar corretamente o componente de acordo com os critérios mencionados anteriormente. GALÃO. outros fatores relevantes também devem ser considerados na hora de fazer a escolha do equipamento..ed. 137p. 164p. Automação eletropneumática. ABHP. S. Elaborado por Ademir Bassanesi – Instrutor de Ensino Igor Krakheche – Instrutor de Ensino Monica Dall’Agnol – Bibliotecária Norma Rodel – Mediadora Nome da Instituição respondente SENAI-RS Data de finalização 05 de out.Existem outros tipos de cilindros disponíveis no mercado. BONACORSO. P111 introdução à pneumática. Arno. etc. HARRY L. il. Recomendamos fazer uma consulta com o fabricante do equipamento escolhido.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->