P. 1
RESUMO PSICODIAGNÓSTICO, 3.ano - Uniban

RESUMO PSICODIAGNÓSTICO, 3.ano - Uniban

|Views: 1.009|Likes:
RESUMO PSICODIAGNÓSTICO – Prof. Gilberto (Uniban).
Baseado nas matérias dadas em sala de aula – Unidade Vila Mariana, 3.ano – 2011
RESUMO PSICODIAGNÓSTICO – Prof. Gilberto (Uniban).
Baseado nas matérias dadas em sala de aula – Unidade Vila Mariana, 3.ano – 2011

More info:

Published by: José Hiroshi Taniguti on Jun 07, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/19/2013

pdf

text

original

Página |1

RESUMO PSICODIAGNÓSTICO – Prof. Gilberto (Uniban).
Baseado nas matérias dadas em sala de aula – Unidade Vila Mariana, 3.ano – 2011

Empirísmo ( a verdade está nas coisas): Mundo organizado, estruturado, devemos descobrir estas estruturas para compreender o conhecimento. Idéia de permanência, desprende do ideal platônico, rompe filosofia idealista, estabelece verdades como lógico, forma corrente. Wikpídia: empirismo é normalmente utilizado quando falamos no método científico tradicional , o qual defende que as teorias científicas devem ser baseadas na observação do mundo, em vez da intuição ou da fé, como lhe foi passado. Objeto de pesquisa: independente. A ciência é a aproximação da realidade do objeto. Sentido está no objeto. Temos 3 grandes posturas: positivismo (ligado ao empirísmo, seguir regras), fenomenológico (crítica ao positivísmo), marxísmo (psicologia social). Fenomenológico (Wikpídia): importância dos fenômenos da consciência, os quais devem ser estudados em si mesmos – tudo que podemos saber do mundo resume-se a esses fenômenos, a esses objetos ideais que existem na mente, cada um designado por uma palavra que representa a sua essência, sua "significação". Positivista: ideal de permanência, verdade permanente, conhecimento pode ser controlado e previsto, a verdade pré-existe (independe de nós), objeto deternima o conhecimento, a coisa em si mesma. Obtemos conhecimento pela observação e experimentação. A natureza é que fala para o homem e o homem vai descobrir as leis que regem a natureza (evidenciar regra). Wikpídia: O Positivismo nega à ciência qualquer possibilidade de investigar a causa dos fenômenos naturais e sociais, considerando este tipo de pesquisa inútil e inacessível, voltando-se para a descoberta e o estudo das leis (relações constantes entre os fenômenos observáveis). Aristóteles (Realísmo) para conhecer a verdade do objeto é necessário afastar-se do objeto, testar o objeto e conhecer a coisa em si (a verdade do objeto e não minha verdade do objeto – a verdade não está em mim e sim no objeto) Platão (Idealísmo, a verdadeira realidade está no mundo das idéias, das formas inteligíveis, acessíveis apenas à razão) – Descartes (Racionalístas, conhecimentos que não vêm da experiência e são elaborados somente pela razão) – Kant: tenta superar o impasse entre realismo e idealísmo: o conhecimento não está no objeto e tão pouco só no sujeito, mas está na relação que se estabelece entre eles (conceito da relatividade) = realidade como aparece para nós e não como ela é em si mesma, noção do fenômeno (representação), prevalece os sentidos representacionais. Hegel: vai introduzir a cultura na construção das representações. CONDIÇÃO HUMANA = DAR SENTIDO ATRAVÉS DAS REPRESENTAÇÕES 3 Visões do Psicodiagnóstico: Médico (psicopatologia): procedimento inicial em psicodiagnóstico, postura dominante na época, psicólogos acreditam que podiam chegar ao conhecimento, metodologia baseada na observação, descrição formal do sintoma e experimentações ( postura positivista) – aspectos patológicos, nosologias psicopatológicas, instrumento de medida, classificação de doenças mentais (CID-10, DSM IV), relações de causalidade entre distúrbios orgânicos e psicológicos.

Página |2

Behaviorísta (comportamental): Psicométrico (testes): Desenvolvimento de testes (Wisc III, Raven, G-36), procuravam diferenças individuais, classificação e objetivação de dados, mensuração do comportamento, inteligência quanto capacidade cognitiva de mensuração, aplicação e avaliação no sujeito – critérios estatísticos: padronização (uniformidade, Brasil e EUA, testes iguais), precisão (teste replicado), validade (testes diferentes), situação experimental padronizado (objetividade, normatização) – testes de inteligência: pesquisa quantitativa, mensuração e generalização, objetividade do fenômeno, naturalização do ser humano, visão positivista. Compreensivo ( psicanálise, Freud): Vida Psíquica para a Psicanálise Constítuido por sistemas de representação mais ou menos investidas de afeto (pulsão). Uma representação só adquire sentido e função através de suas conexões com outras representações. Processo Psicodiagnóstico Compreensivo (formal) Base epistemológica: psicanálise, trabalha com 3 fatores: intrapsíquicos (inconsciente), intrafamiliares (dinâmica familiar), fatores sócio-históricos. Base Estrutural: Com crianças: entrevista semi-dirigidas (pauta – liberdade para expor seus problemas começando por onde preferir e falando o que desejar) com os pais (observar vínculos que une o casal, casal e filho, entre cada um deles e o filho) e depois com a criança, hora do jogo diagnóstico, aplicação de teste projetivos, devolutiva com os pais (encaminhamento) e depois com a criança. Com adulto: entrevista semi-dirigida (pauta - liberdade para expor seus problemas começando por onde preferir e falando o que desejar), aplicação de testes projetivos, devolutiva (encaminhamento). Avaliar a Capacidade dos Pais de: elaboração da situação diagnóstica, elaboração ou não, presença dos pais na primeira entrevista,observar aspectos que trazem o filho, observar os papéis de cada um ,observar aspectos posistivos e negativos são para os pais diante do filho. Evitar colocar a figura parental ausente como bode expiatório ou terceira pessoa excluído. Pais separados: casa não existe, comparecer separadamente – filho adotivo: situação exclarecida, quando não, precisa ser exclarecida. A Entrevista Inicial Enquadre: esclarecer pápeis,informar observações de hipóteses diagnóstica, perceber dinâmica, duração da sessão, honorários, férias. O Psicólogo deve interferir quando: assimilar situações de bloqueio ou paralização, indagar sobre lacunas e verbalizações obscuras.

Página |3

Objetivo Geral: formular hipóteses diagnósticas, planejar testes que seram aplicados, fazer progonósticos.

Primeiro Encontro Observar: linguagem corporal, roupa, gestos, semblante (aparência), silêncio. Considerar o que verbaliza: “ o que, como”, estrutura semântica da narrativa, clareza ou confusão, bloqueios ou ansiedades. Grau de coerência: tudo que o paciênte trouxer, observar congruência (exatidão) e incongruência (diferença). Planejar bateria de testes: testes projetivos, gestálticos, de inteligência. Repport: bom contato, reduzir ansiedade. Transferência e Contra-Transferência: sedução, confusão, evitação, distanciamento, dependência. Motivo da Consulta: Motivo manifesta: sintoma que preocupa, acessado conscientemente – motivo latente: subjacente ou profunda, mostra inconscientemente. Hora do Jogo Diagnóstica: Recurso técnico que o psicólogo utiliza para conhecer a realidade psíquica da criança, atividade lúdica é forma de expressão própria, assim com a liguagem verbal é para o adulto, oferece a possibilidade da criança brincar num enquadre (contexto particular) que inclui espaço, tempo, finalidade e explicitação de papéis. O brincar posssibilita simbolizar. QUAL A DIFERENÇA ENTRE HORA DE JOGO DIGNÓSTICA E HORA DE JOGO TERAPÉUTICA? Diagnóstica: mediador é o brinquedo, tempo limitado (+ ou – 6 sessões), vínculo transferencial brêve. Terapéutica: buscamos verbalização da criança, não há tempo limitado, busca-se a neurose da transferência.
BRINCAR É UMA FORMA DE ELBORAÇÃO – RESOLVER, EXTERNALIZAR DESEJO, PERCEPÇÃO DA FANTASIA.

Caixa lúdica: que podem ser usados na caixa: estruturado: com significado social, carrinho, casa, bicho, casal de fantoches – não estruturado: água, massinha, argila, tintas, lego. Quanto ao tipo de Jogo que pode ocorrer Observação á distância: criança entra no consultório , não mexe nos brinquedos, só observa. O terapéuta sinaliza que pode, mas não toca. Dependente: Á espera de indicação = posso mexer neste brinquedo? – se repetir a pergunta para outros objetos (objetos presecutórios = medo). Evitativa: aproximação lenta. Dubitativa: ação dubia, pega e larga. Irrupção Brusca: pegas as coisas, derruba no chão = brusca.

Página |4

Irrupção Caótica: pior que a brusca. Aproximação até desenvolver atividade: a mais comum, lenta. O Brincar da criança normal: ego estruturado (organizado), capacidade criativa, desenvolve fantasia, assume diferentes papéis lúdicos em situação de vínculo, capacidade de adaptação á realidade, sem isolamento ou controle obssessivo. Modalidade da brincadeira associado á plasticidade. O Brincar da criança neurótica: ego rígido, expressão lúdica com reconhecimento parcial da realidade, capacidade simbólica desenvolvido e expressa conflitos na brincadeira (“como se”) , tem baixa tolerância á frustração e compulsão por repetição. O Brincar da criança psicótica: ego desorganizado, dificuldade para brincar, criança seriamente perturbada, inibição total ou parcial do brincar até a desorganização de conduta. Ausência total ou parcial de simbolização (desaparece o “como se”). Predomina atuação direta das fantasias (equação simbólica, para entrar no simbólico precisa ter a falta) – não há fins comunicativos – brincadeira esterotipada. Ego Desenvolvido com Predominância de Defesas Egóicas: inibição (paralização da atividade), controle (obssessivo), conversão ( tentativa de resolução do conflito). Personificação ( criança que se veste de super-homem e que quer voar). Capacidade de assumir e atribuir papéis, em crianças muito pequenas encontramos o mecanísmo de identificação projetiva. Já em crianças de latência ocorre á dramatização de papéis com menor apengo á identificação. Motricidade - Adequação evoltutiva da criança: Conversão gestual, lateriedade, caretas grosseiras, ritmo, movimentos bizarros, funcionalidade motora. Criatividade: Ego plástico com possibilidade de organização de experiências novas, brincadeiras com fins comunicativos. Tolerância á Frustração: Verificar possiblidade de aceitar as limitações que a realidade impõem, observar como enfrenta as dificuldades inerentes ás atividades, a intolerância á frustração indica ego imaturo. Adequação á Realidade: Percepção do mundo real, importância do recalque-fantasia, verificar o tipo de estrutura neurótica ou psicótica. Capacidade Simbólica: Verificar se a criança brinca de “faz de conta”, se está inserida na sociedade (no mundo simbólico das representações). ------------------------------------------------------------fim--------------------------------------------------------------------------

Página |5

TESTES PROJETIVOS: São instrumentos menos estruturados, devido a essa característica, estimulam a projeção de vivências internas na realização das tarefas propostas. As produções do paciente, tanto verbais quanto gráficas ou performáticas, revelam seus conflitos, preocupações e dificuldades emocionais – se houver – de modo representativo e facilmente detectáveis. Mecanismos de Defesa: Os principais Mecanismos de Defesa psicológicos descritos são: repressão, negação, racionalização, formação reativa, isolamento, projeção, regressão e sublimação (Anna Freud, 1936; Fenichel, 1945). Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos saudáveis, e sua presença excessiva é, via de regra, indicação de possíveis sintomas neuróticos. Freud não pretendeu que suas observações sobre Mecanismo de Defesa fossem inteiramente originais. Ele citava outras observações sobre o tema. A presença dos mecanismos é freqüente em indivíduos saudáveis, mas, em excesso é indicação de sintomas neuróticos ou, em alguns casos extremos, o excesso indicaria até sintomas psicóticos, como por exemplo e principalmente, o excesso dos mecanismos de projeção, negação da realidade e clivagem do ego (Dr. Vasco Soares).

Repressão: A essência da Repressão consiste em afastar uma determinada coisa do consciente, mantendo-a à distância (no inconsciente) (1915, livro 11, p. 60 na ed. bras.). A repressão afasta da consciência um evento, idéia ou percepção potencialmente provocadoras de ansiedade e impede, dessa forma, qualquer "manipulação" possível desse material. Entretanto, o material reprimido continua fazendo parte da psique, apesar de inconsciente, e que continua causando problemas. Segundo Freud, a repressão nunca é realizada de uma vez por todas e definitivamente, mas exige um continuado consumo de energia para se manter o material reprimido. Para ele os sintomas histéricos com freqüência têm sua origem em alguma antiga repressão. Algumas doenças psicossomáticas, tais como asma, artrite e úlcera, também poderiam estar relacionadas com a repressão. Também é possível que o cansaço excessivo, as fobias e a impotência ou a frigidez derivem de sentimentos reprimidos.

Negação: é a tentativa de não aceitar na consciência algum fato que perturba o Ego. Os adultos têm a tendência de fantasiar que certos acontecimentos não são, de fato, do jeito que são, ou que na verdade nunca aconteceram. Este vôo de fantasia pode tomar várias formas, algumas das quais parecem absurdas ao observador objetivo. A seguinte estória é uma ilustração da negação: Uma mulher foi levada à Corte a pedido de seu vizinho. Esse vizinho acusava a mulher de ter pego e danificado um vaso valioso. Quando chegou a hora da mulher se defender, sua defesa foi tripla: "Em primeiro lugar, nunca tomei o vaso emprestado. Em segundo lugar, estava lascado quando eu o peguei. Finalmente, Sua Excelência, eu o devolvi em perfeito estado". A notável capacidade de lembrar-se incorretamente de fatos é a forma de negação encontrada com maior freqüência na prática psicoterápica. O paciente recorda-se de um acontecimento de forma vívida, depois, mais tarde, pode lembrar-se do incidente de maneira diferente e, de súbito, dar-se conta de que a primeira versão era uma construção defensiva. Para exemplificar a Negação, Freud citou Darwin, que em sua autobiografia dizia obedecer a uma regra de ouro: sempre que eu deparava com um fato publicado, uma nova observação ou pensamento, que se opunha aos meus resultados gerais, eu imediatamente anotava isso sem errar, porque a experiência me

Página |6

ensinou que tais fatos e pensamentos fogem da memória com muito maior facilidade que os fatos que nos são totalmente favoráveis. Racionalização: é o processo de achar motivos lógicos e racionais aceitáveis para pensamentos e ações inaceitáveis. É o processo através do qual uma pessoa apresenta uma explicação que é logicamente consistente ou eticamente aceitável para uma atitude, ação, idéia ou sentimento que causa angústia. Usa-se a Racionalização para justificar comportamentos quando, na realidade, as razões para esses atos não são recomendáveis. A afirmação cotidiana de que "eu só estou fazendo isto para seu próprio bem" pode ser a Racionalização do sentimento ou pensamento de que "eu quero fazer isto para você, eu não quero que me façam isto ou até mesmo, eu quero que você sofra um pouco". Também pode ser Racionalização a afirmação de que "eu acho que estou apaixonado por você". Na realidade poderia estar sentido que "estou ligado no teu corpo, quero que você se ligue no meu". Racionalização é um modo de aceitar a pressão do Superego, de disfarçar verdadeiros motivos, de tornar o inaceitável mais aceitável. Enquanto obstáculo ao crescimento, a Racionalização impede a pessoa de aceitar e de trabalhar com as forças motivadoras genuínas, apesar de menos recomendáveis.

Formação Reativa: Esse mecanismo substitui comportamentos e sentimentos que são diametralmente opostos ao desejo real. Trata-se de uma inversão clara e, em geral, inconsciente do verdadeiro desejo. Como outros mecanismos de defesa, as formações reativas são desenvolvidas, em primeiro lugar, na infância. As crianças, assim como incontáveis adultos, tornam-se conscientes da excitação sexual que não pode ser satisfeita, evocam conseqüentemente forças psíquicas opostas a fim de suprimirem efetivamente este desprazer. Para essa supressão elas costumam construir barreiras mentais contrárias ao verdadeiro sentimento sexual, como por exemplo, a repugnância, a vergonha e a moralidade. Não só a idéia original é reprimida, mas qualquer vergonha ou auto-reprovação que poderiam surgir ao admitir tais pensamentos em si próprios também são excluídas da consciência. Infelizmente, os efeitos colaterais da Formação Reativa podem prejudicar os relacionamentos sociais. As principais características reveladoras de Formação Reativa são seu excesso, sua rigidez e sua extravagância. O impulso, sendo negado, tem que ser cada vez mais ocultado. Através da Formação Reativa, alguns pais são incapazes de admitir um certo ressentimento em relação aos filhos, acabam interferindo exageradamente em suas vidas, sob o pretexto de estarem preocupados com seu bem-estar e segurança. Nesses casos a superproteção é, na verdade, uma forma de punição. O esposo pleno de raiva contra sua esposa pode manifestar sua Formação Reativa tratando-a com formalidade exagerada: "não é querida..." A Formação Reativa oculta partes da personalidade e restringe a capacidade de uma pessoa responder a eventos e, dessa forma, a personalidade pode tornar-se relativamente inflexível.

Projeção: O ato de atribuir a uma outra pessoa, animal ou objeto as qualidades, sentimentos ou intenções que se originam em si próprio, é denominado projeção. É um mecanismo de defesa através do qual os aspectos da personalidade de um indivíduo são deslocados de dentro deste para o meio externo. A ameaça é tratada como se fosse uma força externa. A pessoa com Projeção pode, então, lidar com sentimentos reais, mas sem admitir ou estar consciente do fato de que a idéia ou comportamento temido é dela mesma.

Página |7

Alguém que afirma textualmente que "todos nós somos algo desonestos" está, na realidade, tentando projetar nos demais suas próprias características. Ou então, dizer que "todos os homens e mulheres querem apenas uma coisa, sexo", pode refletir uma Projeção nos demais de estar pessoalmente pensando muito a respeito de sexo. Outras vezes dizemos que "inexplicavelmente Fulano não gosta de mim", quando na realidade sou eu quem não gosta do Fulano gratuitamente. Sempre que caracterizamos algo de fora de nós como sendo mau, perigoso, pervertido, imoral e assim por diante, sem reconhecermos que essas características podem também ser verdadeiras para nós, é provável que estejamos projetando. Pesquisas relativas à dinâmica do preconceito mostraram que as pessoas que tendem a estereotipar outras também revelam pouca percepção de seus próprios sentimentos. As pessoas que negam ter um determinado traço específico de personalidade são sempre mais críticas em relação a este traço quando o vêem nos outros. Regressão: é um retorno a um nível de desenvolvimento anterior ou a um modo de expressão mais simples ou mais infantil. É um modo de aliviar a ansiedade escapando do pensamento realístico para comportamentos que, em anos anteriores, reduziram a ansiedade. Linus, nas estórias em quadrinhos de Charley Brown, sempre volta a um espaço psicológico seguro quando está sob tensão. Ele se sente seguro quando agarra seu cobertor, tal como faria ou fazia quando bebê. A regressão é um modo de defesa bastante primitivo e, embora reduza a tensão, freqüentemente deixa sem solução a fonte de ansiedade original. Sublimação: A energia associada a impulsos e instintos socialmente e pessoalmente constrangedores é, na impossibilidade de realização destes, canalizada para atividades socialmente meritosas e reconhecidas. A frustração de um relacionamento afetivo e sexual mal resolvido, por exemplo, é sublimado na paixão pela leitura ou pela arte. Deslocamento: É o mecanismo psicológico de defesa onde a pessoa substitui a finalidade inicial de uma pulsão por outra diferente e socialmente mais aceita. Durante uma discussão, por exemplo, a pessoa tem um forte impulso em socar o outro, entretanto, acaba deslocando tal impuso para um copo, o qual atira ao chão. Fonte: PsicoWeb.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->