P. 1
215008_Florista

215008_Florista

|Views: 349|Likes:
Publicado porLurdes Gomes

More info:

Published by: Lurdes Gomes on Dec 20, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/13/2014

pdf

text

original

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

EM VIGOR

Área de Formação Itinerário de Formação Código e Designação do Referencial de Formação

215. Artesanato
21502. Arte Floral
215008 -

Florista 2

Nível de Formação:

Modalidades de desenvolvimento

Educação e Formação de Adultos – Tipologias de nível básico Formação Modular

Observações

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Saída Profissional: Florista

Nível 2

Índice

1. Introdução

3

2. Perfil de Saída

4

3. Organização do Referencial de Formação

5

4. Metodologias de Formação

6

5. Desenvolvimento da Formação 5.1. Formação de Base – Unidades de Competência 5.2. Formação Tecnológica – Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD)

7 7 10

6. Sugestão de Recursos Didácticos

27

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

Saída Profissional: Florista

Nível 2

2/27

a educação. elevar os níveis de qualificação. (Fonte: IQF (2006) O Sector das Actividades Artesanais em Portugal. a atractividade turística e a imagem de marca dos territórios. É necessário. assumindo a sua actividade uma importância vital em termos de coesão social e nas dinâmicas próprias das economias dos territórios onde se inserem. Neste contexto. o aumento do tempo livre. a grande maioria localizadas em zonas economicamente deprimidas. INTRODUÇÃO As actividades artesanais situam-se no cruzamento da economia e da cultura. Existem. representando novos valores dessa síntese. as competências associadas a regulação e vigilância de equipamento e à adopção de comportamentos adequados em matéria de ambiente. numa maior estruturação organizativa do sector. produzindo e fazendo chegar produtos únicos a nichos de mercado e de utilizadores. as técnicas de abordagem ao mercado. propiciadores de alterações marcantes nas práticas lúdicas e turísticas da população são. promocionais e em marketing territorial. embora evoluindo positivamente. salienta-se. O sector das actividades artesanais é composto por um amplo conjunto de actividades. igualmente. bem como na criação de um quadro regulador e legislativo do sector até há pouco inexistente. a criatividade e a capacidade de inovação. Entre esses factores estão o acréscimo global dos níveis de rendimento. envelhecida e com baixos níveis de escolarização e qualificação. na atitude positiva e pró-activa dos artesãos mais recentes. também. novas motivações e interesse quanto ao usufruto do espaço e dos produtos rurais. Destacam-se. o sistema de distribuição e venda. Os produtos artesanais caracterizam-se também por esta variabilidade. em geral. bem como carências ao nível da formação estética e artística. higiene e segurança no trabalho. ainda. designadamente em áreas como a gestão empresarial. o que se observa. num novo relacionamento com o mercado. de alguma forma. que apenas têm em comum o modo de produção. De facto. em resposta à procura associada às actividades turísticas e à promoção regional. o desenvolvimento da sociedade da informação e a generalização do modo de vida urbano. hoje. a inovação tecnológica na produção. No âmbito destas áreas funcionais. no reforço da qualificação formal (e não apenas assente nas aprendizagens feitas em contextos familiares) dos profissionais da área. Lisboa: Instituto para a Qualidade na Formação e IQF (2005) O Turismo em Portugal. em primeiro lugar. Este sector tem. o incremento dos níveis de escolarização. determinados pela utilização crescente das novas tecnologias na produção e no apoio à gestão da informação e da comunicação. de alguma forma.1. o reconhecimento social e. A estrutura organizacional deste sector caracteriza-se por microempresas. todavia. a utilização das TIC. Lisboa: Instituto para a Qualidade na Formação) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 3/27 . Factores de mudança recentes. revela-se fundamental uma oferta de formação profissional específica que permita. a identificação social. sofrido mudanças positivas nos últimos anos. A mão-de-obra do sector é. nomeadamente. desenvolver os saberes-fazer tecnológicos. a capacidade de gerir pequenas unidades económicas. reforçando e estruturando um sector em evolução. o artesanato assume-se como uma componente fundamental do souvenir turístico de cariz regional. Estas pequenas organizações apresentam nítidas necessidades de competências ao nível da qualificação. responsáveis por esse interesse emergente. tais como a memória colectiva. Afiguram-se também fundamentais novas competências (eminentemente locais) de facilitação. a melhoria das acessibilidades. não havendo uma gama de produtos específica.

2. higiene e saúde. secas e artificiais. efectua arranjos e adornos florais para diferentes cerimónias. Efectuar decorações de espaços interiores e exteriores. no domínio das técnicas e procedimentos adequados e no respeito pelas normas de segurança. procedendo ao seu guarnecimento para comercialização. utilizando para o efeito flores e ramagens. Efectuar arranjos e adornos florais para cerimónias. PERFIL DE SAÍDA Descrição Geral O/A Florista é o/a profissional que. decoração de espaços interiores e exteriores e venda comercial. verdejantes. REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 4/27 . Actividades Principais • • • Efectuar arranjos florais simples.

devidamente embalados Execução de embalagens para flores e folhagens de corte Normas de atendimento comercial Estilos. ORGANIZAÇÃO DO REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Educação e Formação de Adultos (EFA) NÍVEL B1 NÍVEL B2 NÍVEL B3 Formação de Base Cidadania e Empregabilidade (CE) A 25h B 25h C 25h D 25h A 25h B 25h C 25h D 25h A 50h B 50h C 50h D 50h ÁREAS DE COMPETÊNCIAS . Saída Profissional: Florista REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Nível 2 5/27 . sendo esta de carácter obrigatório para o adulto que não exerça actividade correspondente à saída profissional do curso frequentado ou uma actividade profissional numa área afim. moda e design Arranjos florais e adornos para cerimónias de casamento e baptizado Arranjos florais e adornos para cerimónias fúnebres Arranjos florais e adornos para cerimónias religiosas Arranjos florais e adornos para datas festivas Promoção e venda de produtos de arte floral Arranjos florais com elementos secos Arranjos florais com elementos artificiais Decoração de espaços interiores e exteriores Novas tendências em arte floral Conservação e gestão de stocks Horas 50 50 50 50 50 50 25 50 50 50 50 50 50 50 50 50 50 25 Formação Tecnológica1 0184 0185 0186 0187 0188 0189 0190 0191 0192 0193 0194 0195 0196 1 À carga horária da formação tecnológica podem ser acrescidas 120 horas de formação prática em contexto de trabalho.CHAVE Linguagem e Comunicação (LC) A 25h B 25h C 25h D 25h A 25h B 25h C 25h D 25h LEA 25h LEB 25h A 50h B 50h C 50h D 50h LEA 50h LEB 50h Matemática para a Vida (MV) A 25h B 25h C 25h D 25h A 25h B 25h C 25h D 25h A 50h B 50h C 50h D 50h Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) A 25h B 25h C 25h D 25h A 25h B 25h C 25h D 25h A 50h B 50h C 50h D 50h Área de Carácter Transversal APRENDER COM AUTONOMIA 40 h Código 0179 0180 0181 0182 0183 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 UFCD Identificação de flores e princípios elementares de adorno Flores de corte. folhagem e plantas Normalização de flores e folhagens de corte Execução de arranjos florais com flores e folhagens de corte.3. folhagem e plantas ornamentais Conservação de flores de corte.

no ciclo de aprendizagem e a assunção por parte de cada cidadão de um papel mais activo e de relevo na edificação do seu percurso formativo. designadamente. em particular nas formações de maior duração. de crucial importância o reforço da articulação entre as diferentes componentes de formação. através de métodos participativos que posicionem os formandos no centro do processo de ensino-aprendizagem e fomentem a motivação para continuar a aprender ao longo da vida. neste contexto. neste quadro. Devem. mas também pessoais e sociais. traduzido numa intervenção pedagógica diferenciada no apoio e no acompanhamento da progressão de cada formando e do grupo em que se integra. através de abordagens menos directivas. bem como a mobilidade entre níveis de qualificação. Revela-se. resolução de problemas concretos e dinâmica de grupos afiguram-se. especialmente. Esta diversificação de meios constitui um importante factor de sucesso nas aprendizagens. exploração e tratamento de informação. A selecção dos métodos. A nova responsabilidade que se exige a cada indivíduo na construção e gestão do seu próprio percurso impõe. técnicas e recursos técnico-pedagógicos deve ser efectuada tendo em vista os objectivos de formação e as características do grupo em formação e de cada formando em particular. por isso. ainda. As práticas formativas devem. É também este contexto de trabalho em equipa que favorece a identificação de dificuldades de aprendizagem e das causas que as determinam e que permite que. A equipa formativa assume. REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 6/27 . diversificar-se os métodos e técnicas pedagógicos. se adoptem estratégias de recuperação adequadas. garantindo que as aprendizagens se processam de forma integrada. assim como os contextos de formação. neste âmbito. mais favorável à elevação dos níveis de eficiência e de equidade dos sistemas de educação e formação. A dinamização de actividades didácticas baseadas em demonstrações directas ou indirectas. por esta via.4. que reforcem o envolvimento dos formandos. assim. em diferentes momentos. tarefas de pesquisa. reconhecidas e certificadas. Esta organização favorece o reingresso. assim. a partir da partilha de pontos de vista e de experiências no grupo. aconselháveis. a construção de percursos formativos de composição e duração variáveis conducentes à obtenção de qualificações completas ou de construção progressiva. Esta articulação exige que o trabalho da equipa formativa se faça de forma concertada. um papel fundamentalmente orientador e facilitador das aprendizagens. Devem. também. bem como a uma melhor preparação para a complexidade dos contextos reais de trabalho. A flexibilização beneficia. que contribuam para o desenvolvimento e a consolidação de competências que habilitem o futuro profissional a agir consciente e eficazmente em situações concretas e com graus de complexidade diferenciados. que potenciem as condições para a obtenção de resultados positivos por parte dos formandos que apresentam estas dificuldades. novas atitudes e competências para que este exercício se faça de forma mais sustentada e autónoma. ser privilegiados os métodos activos. através do tratamento das diversas matérias de forma interdisciplinar e da realização de trabalhos de projecto com carácter integrador. designadamente. tornando-o mais compatível com as necessidades que em cada momento são exigidas por um mercado de trabalho em permanente mutação e. METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO A organização da formação com base num modelo flexível visa facilitar o acesso dos indivíduos a diferentes percursos de aprendizagem. conduzir ao desenvolvimento de competências profissionais. a auto-reflexão sobre o seu processo de aprendizagem. e a co-responsabilização na avaliação do processo de aprendizagem. em tempo. com vista a uma maior adaptação a diferentes ritmos e estilos de aprendizagem individuais.

Compreender. Produzir um discurso simples e coerente sobre assuntos familiares e de seu interesse. DESENVOLVIMENTO DA FORMAÇÃO 5. Compreender frases isoladas e expressões frequentes relacionadas com áreas de prioridade imediata. assuntos familiares e de seu interesse. Compreender e usar expressões familiares e/ou quotidianas. Interpretar e produzir linguagem não verbal adequada a finalidades variadas. Descrever experiências e expor brevemente razões e justificações para uma opinião ou um projecto B2 B2 (LE) B3 B3 (LE) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 7/27 . fundamentando opiniões. Produzir textos de acordo com técnicas e finalidades específicas. Comunicar em tarefas simples e em rotinas que exigem apenas uma troca de informações simples e directa sobre assuntos que lhe são familiares. quando a linguagem é clara e estandardizada.5. de interesse para a vida quotidiana. argumentativo e literário. Produzir textos informativos. de carácter restrito ou universal. Interpretar textos de carácter informativo e reflexivo. Compreender as ideias principais de textos relativamente complexos sobre assuntos concretos.Unidades de Competência LC Linguagem e Comunicação B1 Interpretar e produzir enunciados orais de carácter lúdico e informativo-funcional. Interpretar e produzir enunciados orais adequados a diferentes contextos. Interpretar textos de carácter informativo-reflexivo. Formação de Base . Produzir textos com finalidades informativo-funcionais. Interpretar textos simples.1. Interpretar e produzir linguagem não verbal adequada a contextos diversificados. Interpretar e produzir enunciados orais adequados a diferentes contextos. Interpretar e produzir as principais linguagens não verbais utilizadas no quotidiano. reflexivos e persuasivos.

Usar a matemática para analisar e resolver problemas e situações problemáticas. transmitir e publicar informação. Usar a Internet para obter e transmitir informação. Operar. Usar a Internet para obter e transmitir informação. Utilizar as funções básicas de um programa de processamento de texto. equipamento tecnológico. Usar a matemática para analisar e resolver problemas e situações problemáticas. Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma dedutiva. organizar. Operar. equipamento tecnológico. Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de vida.TIC Tecnologias da Informação e Comunicação B1 Operar. usado no quotidiano. equipamento tecnológico diverso. em segurança. Realizar operações básicas no computador. analisar e comunicar informação utilizando processos e procedimentos matemáticos. Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de vida. analisar e comunicar informação utilizando processos e procedimentos matemáticos. designadamente o computador. Utilizar um programa de processamento de texto e de apresentação de informação. Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma dedutiva. Interpretar. analisar e comunicar informação utilizando processos e procedimentos matemáticos. Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma dedutiva. Utilizar uma aplicação de folhas de cálculo. B2 B3 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 8/27 . B2 B3 MV Matemática para a Vida B1 Interpretar. Usar a matemática para analisar e resolver problemas e situações problemáticas. Utilizar um programa de processamento de texto. Interpretar. em segurança. organizar. em segurança. Realizar. Usar a Internet para obter. em segurança. Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de vida. operações várias no computador. organizar.

Organização política dos estados democráticos. B2 B3 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 9/27 . profissão e trabalho/emprego. Ambiente e saúde. profissão e trabalho/emprego. Organização económica dos estados democráticos. Organização económica dos estados democráticos. Organização política dos estados democráticos. Ambiente e saúde. Ambiente e saúde. Educação/formação. profissão e trabalho/emprego. Educação/formação. Educação/formação.CE Cidadania e Empregabilidade B1 Organização política dos estados democráticos. Organização económica dos estados democráticos.

Executar composições simples em taça. − Outros tipos de alicate e suas utilizações − Serrote de poda. Identificar e caracterizar materiais utilizados na fabricação dos arranjos florais. Conteúdos Arte floral – princípios A arte floral na história da sociedade − A evolução da arte floral e plantas ornamentais Caracterizar e manusear a flor − Manipulação da flor − Elementos utilizados em arte floral − Utilização da flor − Espécies de flor Organização do trabalho Ergonomia do posto de trabalho. equipamento e materiais Higienização e manutenção do posto de trabalho Gestão do posto de trabalho Arte floral – ferramentas e utensílios Manuseamento de ferramentas e utensílios − Ferramentas de corte − Tesoura de papel. características e utilização − Facas serrilhadas. características e utilização − Tesoura de poda de vindima. aplicando diferentes materiais. características e utilização. aplicando diferentes tipos de materiais. características e utilização − Facas de florista. características e utilização − Navalha. Formação Tecnológica – Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD) 0179 Identificação de flores e princípios elementares de adorno Carga horária 50 horas Objectivo(s) Identificar e caracterizar os princípios da arte floral. Executar decorações simples para diferentes tipos de mesa. enrolador de papel crepe.5. Identificar e caracterizar as ferramentas e utensílios utilizados na fabricação de arranjos florais. sua função − Colheres de envasamento − Pistolas para bisnagas de silicone REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 10/27 . características e utilização − Tesoura de poda simples. características e utilização − Máquina. Caracterizar matérias e materiais e efectuar/aplicar os princípios elementares de adorno. Executar ramos simples de mão. características e utilização − Alicate de cortar arame.2. higiene e gestão do espaço de trabalho. Identificar os aspectos essenciais relativos à organização.

papel.0179 Identificação de flores e princípios elementares de adorno Carga horária 50 horas Conteúdos (Continuação) Arte floral – ferramentas e utensílios − Tipos de regador − Tipos de pincéis − Tipos de balde Precauções no manuseamento de ferramentas e utensílios de corte − Acidentes de trabalho − Prevenção do acidente Arte floral – materiais Manuseamento de materiais utilizados no fabrico de adornos − Tipos de cesto Tipos e qualidade de papel − Tipos de fita de enfeitar − Tipos de tecido − Tipos de fita tape para florista – à prova de água − Tipos de etiquetas. fitas. argilas e outros − Medidas lineares e unidades de superfície Arte floral – adornos elementares Tipos de ramagem frescas Flores. de acordo com as festividades − Tipos de recipiente para flores − Tipos de embalagem − Tipos de esponja − Outros tipos de materiais − Precauções no manuseamento dos materiais. folhas secas e artificiais Tipos de adorno Técnicas de execução de adornos simples Simetria/Assimetria − Ponto óptimo Proporções − Proporção 8-5-3 − Proporção de massa/proporção de grupo Decomposição de massa Ponto vegetativo Aramados − Aramado de folhas − Aramado de flores Cor e forma − Cores primárias e secundárias − Cores quentes − Cores frias − Harmonia de cores − Cores neutras − Contraste de cor − Peso e luz das cores − Monocromia/policromia REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 11/27 .

0179 Identificação de flores e princípios elementares de adorno Carga horária 50 horas Conteúdos (Continuação) Arte floral – adornos elementares − Estrela de cores − Formas e cores − Valor das formas e das cores Arte floral – ramos simples de mão Técnicas de execução − Técnica de espiral − Outras − Unidades de volume Tipos de ramo − Formal − Decorativo − Livre − Outros Arte floral – composições simples de taça Tipos de composição em taça − Formal − Decorativo − Decorativo em forma de gota − Vegetativo − Linear − Livre / moderno − Linha Hogart / linha S − Estilo Império − Estilo Império pompeano Técnicas de execução − Colocação da esponja − Aplicação da cobertura de base As ferramentas utilizadas Os diferentes materiais utilizados Arte floral – decorações simples de mesa Tipos de decoração de mesa Formatos de mesa Técnicas de execução decorativa dos arranjos Os diferentes materiais utilizados Manuseamento das decorações REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 12/27 .

caracterizar e reconhecer plantas ornamentais de interior. caracterizar e reconhecer a utilização de flores e folhagens de corte em arte floral. outras − Os agentes químicos para tratamento de flores − Os sistemas de rega em estufa Flores de corte e seus complementos Folhagens de corte Precauções no manuseamento de flores. as pragas. na arte floral. Arte floral – flores e folhagens de corte Conceitos de botânica Floricultura − O cultivo. folhagem e plantas ornamentais Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Identificar. folhagens e químicos Arte floral – plantas ornamentais Plantas ornamentais de interior − As plantas naturais − As plantas artificiais Processos de secagem Processos de fabricação de plantas artificiais Cor e forma Perspectivas Precauções no manuseamento de plantas naturais e artificiais REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 13/27 . o tratamento das flores − As espécies e as origens da flor − Os cruzamentos − As estufas − As flores saudáveis − Os microorganismos.0180 Flores de corte. Identificar. as podas.

folhagem e plantas Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Recepcionar flores.0181 Conservação de flores de corte. características e precauções na utilização Controlo sanitário − Identificação de pragas e doenças − Aplicação de agro-químicos Reenvasamento de plantas ornamentais − Substratos Arrumação das plantas Regras de manutenção Utilização de protecções individuais REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 14/27 . Efectuar o tratamento de plantas ornamentais de interior. Arte floral – recepção de plantas Recepção de encomendas Verificação da nota de encomenda Arrumação − Selecção de flores − Selecção de folhagens − Selecção de plantas ornamentais de interior − A etiquetagem Operações de cálculo numérico Precauções no manuseamento de volumes e pesos excessivos Arte floral – conservação de plantas Técnicas de limpeza de vasos e recipientes Técnicas de desinfecção de vasos e recipientes Produtos utilizados em limpeza e desinfecção Corte da base dos caules − Ferramentas utilizadas Preparação de flores com tendências para dobrar Eliminação de folhas da base. desinfectantes e conservantes Utilização de protecções individuais Arte floral – tratamento de plantas Recepção de plantas e sua identificação Fisiologia vegetal − Absorção − Transpiração − Respiração − Otossíntese Eliminação das hastes. folhas e flores em mau estado Fertilizantes. Preparar e efectuar a conservação de flores e folhagens de corte. folhagens de corte e plantas ornamentais de interior. partidas e fenecidas A câmara frigorífica – modelos e características − Os manómetros − As temperaturas – as características das flores − A conservação da câmara frigorífica A conservação de flores e folhagens − Em loja − Em câmara frigorifica − A utilização de conservantes Precauções no manuseamento da câmara frigorifica.

recapitulação Técnicas de execução .recapitulação Precauções no manuseamento de ferramentas Arte floral – embalagens simples Tipos de embalagem Matérias e materiais aplicados em embalagens Ferramentas e utensílios utilizados Técnicas para execução de embalagens Criatividade na construção da embalagem Efeitos da embalagem (decoração) Precauções na execução de embalagens Desenho à mão livre Unidades de massa Unidades monetárias REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 15/27 . segundo normas de qualidade − Comprimento da haste − Número de flores por haste − Diâmetro da flor − Rigidez ou dureza − Tipos de molhos Definição de categorias de classificação e respectiva rotulagem − Unidades de comercialização A legislação em vigor Arte floral – arranjos florais Manuseio das flores e folhagens . Arte floral – normalização de plantas Normalização – definição Selecção de flores e folhagens de corte.0182 Normalização de flores e folhagens de corte Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Efectuar a normalização de flores e folhagens de corte.

decorações de mesa com flores e folhagens de corte. Tipos de embalagem Matérias e materiais aplicados em embalagens Ferramentas e utensílios utilizados Técnicas para execução de embalagens Criatividade na construção da embalagem Efeitos da embalagem (decoração) Precauções na execução de embalagens Desenho à mão livre Unidades de massa Unidades monetárias REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 16/27 . sob a forma de ramos demão.recapitulação Precauções no manuseamento de ferramentas 0184 Execução de embalagens para flores e folhagens de corte Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Efectuar embalagens para arranjos florais. composições em taça.0183 Execução de arranjos florais com flores e folhagens de corte. devidamente embalados Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Efectuar arranjos florais.recapitulação Técnicas de execução . Manuseio das flores e folhagens .

As características do profissional − Apresentação e higiene pessoal As diferentes técnicas de comunicação Técnicas de atendimento ao público − Abordagem ao cliente − Pretensão do cliente − Reclamações do cliente − O final do atendimento − Técnicas de atendimento telefónico . A emissão de chamadas . A argumentação Gestão do espaço comercial − Registo e apontamento de encomendas − Técnicas e estratégias de venda − Design − Gestão do tempo . Higiene 0186 Estilos. A linguagem telefónica .0185 Normas de atendimento comercial Carga horária 25 horas Objectivo(s) Conteúdos Desenvolver os princípios de atendimento de clientes. Os estilos arquitectónicos em arte floral − Grécia Clássica − Roma Imperial − Paleocristão e Bizantino − Românico − Gótico − Renascimento − Barroco − Neoclássico − Contemporâneo A arte dos jardins ao longo da história − Jardins na Antiguidade − Jardins na Idade Média − Jardins na Idade Contemporânea A sensibilidade estética As tendências da moda actual Figuras geométricas Noções de design REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 17/27 . moda e design Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Identificar e caracterizar os princípios básicos dos diversos estilos arquitectónicos. A reclamação .

Executar decorações e adornos para casamento. e os espaços habitacionais − O carro − A igreja − O restaurante − A piscina − O jardim − Outros locais Transporte e execução da decoração do local Arte floral – cerimónias de baptizado Definição dos materiais utilizados em ramos de baptismo As técnicas de execução Os locais de cerimónia REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 18/27 .0187 Arranjos florais e adornos para cerimónias de casamento e baptizado Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Executar arranjos florais para cerimónias de casamento. Executar ramos e decorações para cerimónias de baptizado. Arte floral – arranjos florais de casamento Definir os elementos utilizados em ramos de noiva − Aramado de folhas − Complementos de flor de corte − Outros elementos As técnicas de execução em ramos de noiva − Ramos em bride − Ramos aramados − Ramos estruturados Os diferentes tipos de ramos de noiva − Ramo formal − Ramo decorativo − Ramo decorativo a 3 grupos − Ramo em forma de gota − Ramo livre − Ramo vegetativo Arte floral – adornos de casamento Composições de complemento para cerimónias de casamento − Corsage e grinaldas − Coroa − Diadema − Pulseiras − Prendidos – para ombro e cabelo Definição dos materiais utilizados em complementos de adorno Técnicas de execução de adornos florais Arte floral – adornos e decorações em locais de casamento Definição dos materiais utilizados nos locais de cerimónia Técnicas de execução − A habitação. Executar adornos e decorações em locais de cerimónia de casamento.

0188 Arranjos florais e adornos para cerimónias fúnebres Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Executar arranjos florais para cerimónias fúnebres. Arte floral – arranjos florais fúnebres Definição dos materiais utilizados em arranjos florais para cerimónias fúnebres A relação dos arranjos florais com o ambiente do local e a circunstância A relação entre defunto e cerimónia As técnicas de execução em arranjos florais para cerimónias fúnebres − A coroa funerária − A coroa formal − A coroa decorativa – 1. Almofadas . 2 ou 3 grupos − A coroa vegetativa Arte floral – adornos fúnebres Definição dos materiais utilizados nos adornos fúnebres As técnicas de execução de adorno para cerimónias fúnebres − A composição vegetativa a 3 grupos − A composição decorativa a 3 grupos − A composição com caules − A composição a 3 grupos − A composição para cobrir − A composição compacta . Cruzes . Outras Transporte dos adornos para cerimónias fúnebres Desenho à mão livre Pintura/coloração do desenho realizado REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 19/27 . Corações . Executar adornos (composições) florais para cerimónias fúnebres.

o ambiente. o local e a circunstância A sensibilidade estética e a criatividade A caracterização dos elementos que definem o ambiente − Luz / cor − A linha − A superfície − O volume − A textura − A estrutura Transporte dos arranjos religiosos Unidades monetárias REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 20/27 . Arte floral – cerimónias religiosas Definição dos materiais utilizados em cerimónias religiosas As técnicas de execução dos adornos religiosos A relação entre arranjos florais.0189 Arranjos florais e adornos para cerimónias religiosas Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Executar arranjos florais para cerimónias religiosas.

0190 Arranjos florais e adornos para datas festivas Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Executar arranjos florais para cerimónias de datas festivas. Executar adornos para cerimónias de datas festivas. colas − Outros materiais Técnicas de realização de adornos para diferentes datas festivas − Convites − Marcadores de mesa − Molduras − Embalagens de presentes − Decoração de outros objectos REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 21/27 . fitas. Arte floral – arranjos florais para datas festivas Definição dos materiais utilizados em cerimónias e datas festivas As técnicas de execução dos arranjos florais A caracterização dos elementos florais que definem o ambiente em cerimónias e datas festivas − Dia da mãe − Dia dos namorados − Natal − Páscoa − Auditórios − Outros eventos Arte floral – adornos para datas festivas Caracterização de materiais utilizados em adornos e sua aplicação − Papéis − Telas − Flores e folhagens secas − Paus − Conchas. pedras − Cordões.

Técnicas e conceitos básicos de promoção e venda − Definição de mercado − Os intervenientes no mercado − Definição de merchandising − O marketing − Os diferentes tipos de promoção Tipos de promoção de venda Técnicas de atendimento − Animação da loja − Decoração de espaços − Decoração de montras − Promoções − Exposições . Iluminação . Enquadramento dos artigos (o espaço) Técnicas de venda presencial REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 22/27 .0191 Promoção e venda de produtos de arte floral Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Aplicar os princípios gerais de promoção e venda de produtos de arte floral. Exposição/disposição .

Efectuar arranjos e composições florais aplicando elementos secos.0192 Arranjos florais com elementos secos Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Identificar. tintura e branqueamento de flores e plantas naturais − Secagem ao ar livre − Secagem por meio de prensagem − Secagem por meio de dessecantes − Secagem em câmaras − Conservação com glicerina − Conservação através de cristalização − Tintura com utilização de aerossóis − Tintura através de imersão em soluções corantes As plantas adiais para secagem As flores perfumadas indicadas para secagem As folhagens e frutificações para secar Precauções no manuseamento de ingredientes de coloração Arte floral – arranjos florais de elementos secos Técnicas para realização dos ramos florais secos − Formal − Biedermeier − Linear − Livre Técnicas para realização das composições florais − Convencionais − Cónicas − Quadros − Grinaldas Precauções no manuseamento dos elementos secos Design (continuação) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 23/27 . caracterizar e proceder à execução de arte floral com elementos secos. Arte floral – elementos secos Os diferentes tipos de ingredientes utilizados na arte floral de elementos secos Técnicas de secagem.

0193 Arranjos florais com elementos artificiais Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Identificar. caracterizar e efectuar arranjos florais de elementos artificiais. Os diferentes tipos de elementos artificiais aplicados em arte floral − Flores − Verduras − Outros elementos Técnicas para realização dos ramos florais com elementos artificiais − Formal − Linear − Livre Técnicas de aplicação de elementos artificiais em arranjos florais − Composição compacta − Composição vegetativa − Composição com estrutura Utilização conjunta de elementos secos/artificiais Materiais para − Tipos de laço − Tipos de embalagem Precauções no manuseamento dos elementos artificiais REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 24/27 .

Efectuar a decoração de espaços interiores e exteriores com plantas ornamentais. Arte floral – definição de espaços Definição e caracterização de espaços em relação à época e estilo arquitectónico Definição e caracterização do espaço − Noções de volumetria Técnicas de definição dos estilos de decoração em função do espaço Definição de recipientes ao estilo das características do espaço Técnicas para adaptação de plantas em espaços interiores e exteriores − A drenagem − Os solos adequados − A camada superficial − Os suportes − Os cuidados de manutenção Definição de contraste entre plantas − Forma − Textura − Cor − Proporções/Escalas Harmonia de conjuntos − Simétricos − Assimétricos Unidades de superfície (revisão da matéria) Precauções no trabalho em espaços interiores e exteriores Arte floral – decoração de espaços Técnicas de realização de composições decorativas em recipientes − Composição em recipientes de vidro − Composição em floreiras − Composição em taças − Composição em troncos − Composição em suportes As decorações em espaços interiores de luz solar (com iluminação natural) As decorações em espaços exteriores As plantas mais adequadas a cada espaço A manutenção das plantas em espaços interiores e exteriores REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 25/27 .0194 Decoração de espaços interiores e exteriores Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Definir e caracterizar espaços interiores e exteriores para decoração com plantas ornamentais.

profissional de arte floral e aos ambientes e locais a decorar A aplicação de estudos e debates de opinião em − Formais − Informais − Rústicos − Minimalistas 0196 Conservação e gestão de stocks Carga horária 25 horas Objectivo(s) Conteúdos Assegurar e aplicar os princípios gerais de conservação. suas aplicações/implicações na era Contemporânea. formas e materiais − Bloemenbureaus − European Floral Luppiers Association − Flowers & Plants Association A adaptação das novas tendências ao estilo pessoal. Noções sobre a evolução dos arranjos florais As novas tendências da arte floral em função das estações do ano e datas festivas O reconhecimento das entidades que ditam as tendências ao nível de cores. A conservação. venda e gestão de stocks A elaboração de orçamentos A organização das compras A função de um serviço de compras O preenchimento de documentação comercial A elaboração de contratos de prestações de serviços − Ficha de fornecedor − Nota de encomenda − Guia de remessa − Factura − Nota de débito − Nota de crédito e recibo A gestão de stocks − A gestão material de stocks − A gestão administrativa dos stocks − A gestão económica dos stocks A selecção de fornecedores A ergonomia (revisão da matéria) As precauções no transporte de mercadorias REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 26/27 . venda e gestão de stocks.0195 Novas tendências em arte floral Carga horária 50 horas Objectivo(s) Conteúdos Caracterizar os dados históricos sobre a evolução da arte floral prevendo as novas tendências.

Carlos Alberto Marri. 1. Hernández-Briz Vilanova. 2006 Special arte floral .Carlos Alberto Marri. Pedro Lahiguera. Pereira. trad.ª edição . 1866-1966. A. 1998 Sector das actividades artesanais em Portugal (O) ..arte flores e jardins.Arte Flores e Jardins. Underwood. Conceiçäo Jardim. IQF. 1988 Cadernos de educação permanente. A. IQF. Vila Nova de Gaia.Lisboa. a felicidade através do arranjo floral .Gusty L Herrigel.J. segurança e higiene e saúde no trabalho – Ministério de Educação Ramos de mão .J. A. Presença. 1975 ZEN e a arte do caminho das flores: o caminho das flores. JPMI Publicações e Publicidade.F.Colette Franchomme. 1998 Arranjos florais . 1980 Arte floral – F. SUGESTÃO DE RECURSOS DIDÁCTICOS Arranjos florais .6. Patrícia Lara. Daisetz Teitaro Suzuki. – Lisboa.Lisboa. Eduardo Nogueira. 2002 REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Saída Profissional: Florista Nível 2 27/27 . Bernard Wolgensinger. 1999 Turismo em Portugal (O) . 2005 Votre jardin : architecture et art floral : Arquitectura y Arte floral – José Daidone. J.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->