P. 1
Relatório de estagio curso edificaçoes

Relatório de estagio curso edificaçoes

|Views: 17.678|Likes:
Publicado porDinara Moura

More info:

Published by: Dinara Moura on Jun 06, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/29/2015

pdf

text

original

1

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ENSINO À DISTÂNCIA

Relatório de Estágio Curricular

Curso: Técnico de Nível Médio em Edificações

Estágio Curricular Técnico em Edificações

Aluno: Dinara Lenier de Vasconcelos Moura

Natal/RN Maio/2012

2

1. Introdução ...................................................................................................... 2. Providências a serem tomadas para o início da obra.................................... 2.1 ART de funcionamento da obra.................................................................... 2.2 Verificação da disponibilidade de instalações provisórias............................ 2.3 Serviços de demolição.................................................................................. 2.4 Serviços de movimento de terra.................................................................... 2.5 A importância da sondagem do solo.............................................................. 3. Aluguel de equipamentos................................................................................ 4. Drenagem e esgotamento de tanque séptico................................................. 5. O início do processo de locação.....................................................................

3 4 5 6 7 10 10 11 12 12

6. A instalação do tapume para isolamento do canteiro, e da casa do 14 cimento............................................................................................................ 7. A importância dos pilares na estrutura............................................................ 8. Cuidados a serem tomados antes de concretar uma laje............................... 8.1 Escavação manual e concretagem dos pilares.............................................. 8.2 A importância das fôrmas e do vibrador na concretagem.............................. 9. Fundações e Estruturas.................................................................................. 10. Piso, forro, paredes e painéis.......................................................................... 11. Esquadrias e ferragens................................................................................... 12. Cobertura...................................................................................................... 13. Instalações Elétricas....................................................................................... 14. Instalações Hidráulicas.................................................................................. 15. Apêndices...................................................................................................... 16. Considerações finais...................................................................................... 16 17 18 19 20 22 24 25 26 27 29 34

3

1. INTRODUÇÃO Este relatório tem por finalidade, apresentar e ilustrar as atividades desenvolvidas no estágio curricular, de modo a utilizar o conhecimento adquirido em sala de aula e, consequentemente, praticada no dia a dia no ramo da Construção Civil. Todas as informações contidas nele foram vivenciadas no canteiro de obras a fim de serem desenvolvidos os conhecimentos adquiridos no curso de nível médio Técnico em Edificações. Também no estágio, tive que utilizar meus conhecimentos nas áreas da matemática, elétrica, hidráulica, leitura de planta baixa e de projeto estrutural, entre outros. Todas as operações e processos foram orientados pelo engenheiro, fiscal responsável pela obra, e também pelo mestre, pessoas totalmente qualificadas e com vasta experiência no ramo da construção civil, os mesmos possuem compromisso de que todos esses conhecimentos fossem repassados e absorvidos de maneira prática e segura para mim que acabo de passar pelo processo de estágio na empresa. O estágio supervisionado tem por objetivo proporcionar ao estagiário treinamento prático, aperfeiçoamento técnico, cultural, científico e de relacionamento humano, como complementação da minha formação profissional no ambiente de trabalho. É o momento no qual eu como estagiária tive a oportunidade de conhecer a política da empresa, estabelecer contatos e trânsito entre setores, assim como relacionamento entre o canteiro de obras e o escritório. Em decorrência da convivência e da mútua confiança adquirida ampliam-se as possibilidades de contratação após a conclusão do curso.

construções construído o edifício. . a retirada de entulho e também. que iro deve ser cuidadosamente elaborado a partir das necessidades da obra e das condições do local de implantação. Tais necessárias. o movimento de terra necessário para a obtenção do nível de terreno desejado para o edifício. podem estar a cargo do engenheiro de obras. Esta implantação. algumas atividades prévias. Porém. as demolições. comumente necessárias. atividades são usualmente denominadas "Serviços Preliminares" e envolvem.4 2. requer um projeto específico. quando existem construções remanescentes no local em que será . antes mesmo do início da implantação do canteiro. PROVIDÊNCIAS A SEREM TOMADAS PARA O INÍCIO DA OBRA A obra de construção de Construção Civil tem seu início propriamente dito. com a implantação do canteiro de obras. entre outras atividades: a verificação da disponibilidade de instalações provisórias.

1923 Capim Macio Natal/RN .1 ART DE FUNCIONAMENTO DA OBRA – AGÊNCIA DOS CORREIOS DE MACAÍBA Construtora: R & H Engenharia LTDA Localizada na Rua Felizardo de Brito.5 2.

houve a necessidade de se decidir onde e como estocar a água. e em nosso caso. seja identificada a potência dos equipamentos que serão utilizados. A soma das potências dos equipamentos utilizados no canteiro. serras elétricas. e nesse caso utilizamos duas caixas d’água de uso próprio pelas pessoas do prédio para armazenar a mesma devido a constante falta de água no local. que não é o nosso caso. Neste sentido. faz-se necessário que ainda durante a etapa de planejamento do canteiro. possibilita conhecer a potência necessária para a rede de energia a ser implantada. guincho foguete. aliada a um fator de demanda dos mesmos (uma vez que nem todos os equipamentos serão utilizados de uma única vez). betoneiras. Para ilustrar as necessidades de energia em uma obra de construção civil. mesmo quando esta água é fornecida pela rede de abastecimento. entre outros. isso se tratando de obras começadas do zero.2 VERIFICAÇÃO DA DISPONIBILIDADE DE INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Para o início e desenvolvimento das atividades de obra é necessário que o canteiro seja provido de instalações elétricas (de força e luz) e de instalações hidro-sanitárias. e para que também nunca falte água para produção de traço de concreto e de argamassa. como por exemplo. na maioria das vezes. além de não se ter confiabilidade de fornecimento. há a necessidade de armazenamento. Uma vez obtida a água. pois nem sempre a pressão é suficiente para o atendimento de todas as necessidades da obra. roldanas.6 2. . São muitos os equipamentos necessários para o desenvolvimento das atividades de obra. Neste sentido. temos a facilidade da rede de energia já ser trifásica. gruas. apresenta-se na tabela abaixo a potência de alguns equipamentos comumente utilizados. por se tratar apenas de uma reforma na Agência dos Correios de Macaíba.

pois é comum mexer-se com edifícios bastante deteriorados e com perigo de desmoronamento. E não é só isto. dizem respeito à equipe de demolição em si. e roupas adequadas afim de evitar possíveis acidentes. Os cuidados. dentre os quais se destacam: • • verificar as reais condições do imóvel a ser demolido. sendo indispensáveis para o bom andamento do trabalho: toda a equipe deve trabalhar em um único pavimento. .3 SERVIÇOS DE DEMOLIÇÃO A demolição é um serviço perigoso na obra. usar equipamentos de segurança. • • • • garantir a iluminação adequada de todo o local de trabalho. existem outros que antecedem o trabalho de demolição e este é observado pela supervisão e equipe de trabalho. verificar a existência de depósitos de material inflamável. Figura: demolição de pastilha • os locais de trabalho devem ser periodicamente aspergidos com água para reduzir a quantidade de poeira.7 2. Assim a segurança dos operários e dos transeuntes passa a ser um cuidado fundamental. desabam". tais como botas. Além dos cuidados pessoais anteriormente colocados. principalmente em lajes de forros e telhados. pois neste serviço "as coisas caem. luvas e máscara. destacados a seguir. evitar acúmulo de carga (sobrecargas) em pontos localizados. não demolir a peça em que está trabalhando.

. assim mostra na figura abaixo. Esta deve ser cortada de tal maneira que a viga possa ser baixada lentamente para o solo ou piso" Demolição de platibanda com martelete. Figura: retirada de entulhos Além disso. expondo a armação. (Observa-se que parte do material pode ser vendido ou utilizado em outros locais. O concreto deve ser cortado nas extremidades. a NBR 5682/7 [ABNT.). Um dos exemplos é o que descreve a seqüência de operações a ser seguida para se demolir vigas de estruturas lineares de concreto armado por métodos manuais: "um cabo de suporte deve segurar a viga.8 • instalação de um local adequado para depósito de entulho até a sua completa retirada da obra. 197] apresenta recomendações práticas para demolição de vários tipos e elementos de estruturas. espalhar lixo pela vizinhança.

Retirada de entulhos pela retro-escavadeira .9 Seqüência de operações: • • • • certifique-se de que todas as sobrecargas foram removidas. Após a demolição. espera-se despertar a atenção frente ao fato de que esta norma 5682/7 . também considerados serviços preliminares. e muitas vezes.Execução e Supervisão de Demolições possui detalhes e informações muito interessantes do ponto de vista técnico e que devem ser levadas em consideração por todos os profissionais ligados à construção civil. a retirada da vegetação existente e da camada superficial do solo. na seqüência. corte o concreto expondo as armações nas extremidades corte a armação em seqüência nas posições desça a viga lentamente ao chão Com esta transcrição. ocorrem os serviços de retirada do entulho.

compactação e acabamentos executados a fim de passar-se de um terreno no estado natural para uma nova conformação topográfica desejada. posição do nível da água. porém em nosso caso foi feita a escavação das sapatas já com reaproveitamento do aterro para as valas onde irão passar as cintas de amarração do térreo.4 SERVIÇOS DE MOVIMENTO DE TERRA Os serviços ligados ao movimento de terra podem ser entendidos como um "conjunto de operações de escavação. Figura: Marcação de eixo do pilar. transporte. ficando na responsabilidade do engenheiro calculista a função de reforçar a estrutura mesmo a construção sendo totalmente térrea.10 2. A importância desta atividade no contexto da execução de edifícios convencionais decorre principalmente do volume de recursos humanos. tecnológicos e econômicos que envolve. além de prover informações sobre o tipo de equipamento a ser utilizado para a escavação e retirada do solo. como: características do solo. conforme as exigências do projeto onde consta que não será feito quase nenhuma alteração do nível do terreno. descarga. 2. espessuras das camadas. . Em nosso caso não foi feita a sondagem do solo. A sondagem proporciona valiosos subsídios sobre a natureza do terreno que irá receber a edificação. carga.5 A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DO SOLO. bem como ajuda a definir qual o tipo de fundação que melhor se adaptará ao terreno de acordo com as características da estrutura.

maior número de entulhos retirados da obra. para que se façam mais viagens. O empreiteiro é responsável por providenciar um "bota "bota-fora" para a remoção do solo ou de entulhos entulhos. totalizando até o momento 84m³ Além disto. Figura: Aluguel de retro-escavadeira + caçamba de 10m³ escavadeira . Nesta contratação existe o controle da duração dos serviços. 84m³. por viagem. é necessário que o volume dos caminhões seja controlado.11 Sapata de 11.00x1. pois é comum haver o interesse de se levar menos material do que a capacidade do caminhão. para que pudessem ser levados o retro-escavadeira. obra.00m (para apoio de três pilares) 3. De modo que ficou sendo totalmente monitorada a retro escavadeira. ALUGUEL DE EQUIPAMENTOS Neste tipo de contratação. paga se a máquina de escavação por hora e os paga-se caminhões para a retirada do solo.

No nosso caso tomamos como base uma parede do prédio que havia sido construída. Os cuidados com a locação dos elementos de fundação de maneira precisa e correta são fundamentais para a qualidade final do edifício. O INÍCIO DO PROCESSO DE LOCAÇÃO No projeto de implantação. um poste no alinhamento do passeio. passa-se a posicionar (locar) no solo a projeção do edifício desenhado no papel. afastando o gabarito da mesma uns 0. pois a execução de todo o restante .30cm. pode-se dar início à construção. DRENAGEM E ESGOTAMENTO Houve a necessidade de esgotamento de dois tanques sépticos encontrados atrapalhado a escavação de duas sapatas como mostra na figura abaixo. um ponto deixado pelo topógrafo quando da realização do controle do movimento de terra. o edifício sempre está referenciado a partir de um ponto conhecido e previamente definido. É comum ter-se como referência os seguintes pontos: • • • o alinhamento da rua. Figura: Demolição de tanque séptico para esgotamento Considerando-se que o movimento de terra necessário para implantação do edifício tenha sido realizado e que o projeto do edifício forneça elementos suficientes.12 4. 5. ou uma lateral do terreno. A partir deste ponto.

30cm do local da construção antiga e com altura superior ao nível do baldrame. devidamente nivelado. Há também quem defenda seu posicionamento de modo que fique com altura superior aos operários. por sua vez. colocando-se pregos em todas os pontos. variando de 0. Portanto. A demarcação foi realizada totalmente com o auxílio de nível de mangueira. As linhas das coordenadas planimétricas cruzam-se definindo o ponto da locação. fio de prumo e trena. são referências para os revestimentos.5m acima do nível do solo.05x7. Figura: Locação da obra . como ilustra a figura. espaçados a cada 2. com fio de náilon. é colocada ao redor de todo o terreno a ser locado. já que ele é a referência para a execução da estrutura. o qual é transferido para o solo com o auxílio do fio de prumo. Definido o alinhamento do eixo dos elementos determina-se a face. ou ainda. foram fixadas tábuas de 15cm de largura. no próprio gabarito. que passa a ser referência para as alvenarias e estas.50cm a 1. O gabarito foi montado com auxílio de pontaletes de madeira de 7. para facilitar o tráfego tanto de pessoas como de equipamentos pela local da obra. a aproximadamente 0. régua. o tempo empreendido para a correta locação dos eixos iniciais do edifício favorece uma economia geral de tempo e custo da obra. que servirão de suporte para as linhas que definirão os elementos demarcados.00m.05cm. um misto entre os dois. O gabarito. cravando-se um piquete neste ponto.13 do edifício estará dependendo deste posicionamento.

Para isto.10m de uma para outra. e as laterais com números.50cm. Assim todos os pontos da frente e da parte de trás do gabarito foram marcados com letras conforme o projeto. sempre com prego em cima de cada demarcação. A conferência pode ser feita com o auxílio dos equipamentos de topografia ou mesmo de maneira simples. 4. como ilustra a figura abaixo. é de extrema importância que ao final de cada etapa de locação sejam devidamente conferidos os eixos demarcados. 5).50m). pode-se utilizar o princípio do triângulo retângulo (3. A INSTALAÇÃO DO TAPUME PARA ISOLAMENTO DO CANTEIRO DE OBRAS Foram feitas escavações na calçada de buracos com uma profundidade de 0.00 e 10mm de espessura.10x2.00m acima do nível da calçada. 6. deixando apenas 2. . há uma distância de 1. através da verificação do esquadro das linhas que originaram cada ponto da locação. e em seguida serão fixados com pregos no mesmo as folhas de madeirite de 1. para que não se confunda com os laterais.14 O ponto que define o eixo central dos elementos foi destacado através de pintura. como mostra a figura abaixo juntamente com a sua respectiva composição de preço. procurando evitar erros nesta fase. Seja qual for o método de locação empregado. e em seguida foram enterrados os barrotes (estacas de madeira de 2.

10 m2 INSUMO Madeirit 10mm Prego (2 1/2"x10) barrote misto 2.00 m² 38.81 0.03 1.54 2.15 Figura: Instalação do tapume COMPOSIÇÃO DE PREÇO SERVIÇO 1.5 1.7 1.8000 0.20 15.20 15.00 1.47 72.00 2.54 18.2 1.7000 1.84 2.40 0.8000 1.84 Instalação de tapume com abertura para isolamento da obra .4 1.1500 0.3 1.63 2.50 2. 11.76 2.20 TOTAL 13.6 1.9 1.68 14.50m Cadeado 40mm corrente Dobradiça ferro cromado (3"x2") Pedreiro Servente Encargos Sociais BDI Preço Unitário UNID m2 kg un un un un h h vb vb QUANT.0000 1.00 1.43 6.7000 0.12 0.0000 0.85 total R$ 2.77 18.35 % 18.86 5.48 20.2460 0.8 1.73 2.810.05 0.1000 0.74 25.1 ÍTEM 1.16 20.76 4.1 1.00 100. 1.2500 UNIT.

5 0. Eles servem de apoio para as vigas. transmitem as cargas para as fundações e também participam do sistema estrutural de contraventamento. 8. A escolha das barras da armadura é feita considerando-se os espaçamentos entre as barras. A tabela a seguir mostra os diâmetros f das bitolas padronizadas em milímetros e em polegadas.0=132 barras. É preciso tomar bastante cuidado no projeto.3 8 10 12.5 16 20 25 F (POL) 3/16 1/4 5/16 3/8 1/2 5/8 3/4 1 AS(CM²) 0. no detalhamento das armaduras e na execução dos pilares. Em nossa estrutura foram utilizados barras de aço: (4.8 1.25 2. 12.315 0.2=75 barras de 12m. 6.0=58 barras de 12m.200 0. o número de camadas e as condições para se evitar as fissuras nocivas. bem como os valores nominais para cálculo das seções de ferro As (cm²) da norma EB-3/1980: F (MM) 5 6.15 5.3=7 barras.0 . 10. Qualquer falha na execução ou mesmo um simples erro de cálculo poderá provocar a queda de uma edificação.0=29 barras.5=36 barras) até o momento.0 3. A IMPORTÂNCIA DOS PILARES NA ESTRUTURA Os pilares têm uma importância fundamental para a estrutura. pois estes elementos podem romper por esmagamento do concreto de forma brusca e sem aviso prévio. 5.16 7.

05cm na laje afim de nivelar o teto após os 21 dias de cura do concreto. • Foram fixadas pedaços de tábua com 0.17 8. • Foi observado pelo calculista da obra a necessidade de colocar uma junta de dilatação (de folhas de isopor de 20mm) na emenda da laje velha com a nova.05cm tipo cadeirinha salteando em um estribo sim e outro não. • Foi quebrada as cabeças das nervuras para que ficasse somente o ferro passando por dentro das vigas. • Foram colocadas todas as caixas 4”x4” octogonais entre os blocos da laje seus respectivos eletrodutos e curvas para a passagem da fiação da parte elétrica antes do capeamento da laje.30cm com pregos em apenas um de seus lados virando em direção dos blocos da laje “chamadas de moscas”.0mm.20x0.20cm e ferro 5. afim de que fiquem presos no concreto servindo de apoio (tipo mão francesa) para a fixação das fôrmas na hora de concretar as vigas. Figura: Cabeça das vigas depois de quebradas Figura: Colocado espaçadores de 2. • Foram colocados espaçadores de 2. • Foi feito o contraflexe de 0. foi colocado prego na parte superior da mesma amarrando com arame nº18 puxando em direção a malha da laje que tem um espaçamento de 0. onde todas serão unificadas no final da concretagem . CUIDADOS A SEREM TOMADOS ANTES DE CONCRETAR UMA LAJE: • Nivelação das vigas e suas fôrmas.05cm na viga . localizada em cima dos blocos e nervuras. ficando entre a fôrma e a armação para deixar o espaço da penetração do concreto.03 a 0.

20m de altura com a dobra de 0. traço(1:4:8-12L de água). traço(1:2:4-34L de água).25x1. .13cm em média de um para o outro (aço positivo).05cm de altura de concreto magro. que possui em média 1. Fixa a grelha no fundo da viga. Passa a linha nas extremidades do gabarito e centraliza o eixo do pilar marcando com o prumo de centro e fixando uma barrinha de aço de um tamanho qualquer. Faz a amarração da base do pilar com a grelha. utilizando arame 18 recozido.20cm de concreto de 20 MPA.1 ESCAVAÇÃO MANUAL E CONCRETAGEM DOS PILARES: *Execução e sequência do serviço: Para os pilares foram feitos as escavações manuais das sapatas há uma profundidade média de 1.10m cada. Fixa a estrutura de base do pilar.18 Figura: Concretagem da laje concreto usinado e bombeado 20MPA Figura: Concretagem da sapata de fundação c/ 11m 8. que possui o espaçamento do aço de 0. Em seguida uma camada de 0.19x0. Base de pilar: Foi colocado 0.19cm encaixada dentro do gastalho. É fixado o gastalho. já confeccionado anteriormente e em seguida a fôrma com a medida interna de 0.20cm para as laterais de fora.

aos eventuais choques em função da intensa movimentação dos operários nesta fase. entendendo-a como a retirada da fôrma.30cm. Neste. A desmoldagem ou. Figura: Fôrmas para concretagem produzidas in-loco Figura: Concreto mal vibrado. mínimo de 60 horas para início desta atividade. Recomenda-se.2 A IMPORTÂNCIA DAS FORMAS E DO VIBRADOR NA CONCRETAGEM: • Para as cintas de amarração 12x20cm foram utilizadas fôrmas com tábuas de 0. também da proteção com madeira nos trechos vulneráveis ao choque mecânico. simplesmente a desfôrma é a primeira atividade pós concretagem. muito prejudicial à cura do concreto e também. o pilar foi quebrado e refeito . Da mesma forma os pilares. quando estão prontas é colocado o concreto e logo em seguida vibrado até ficar homogêneo.19 8. É necessário levar-se em consideração que. mantendo-o úmido pelo prazo estabelecido pela especificação pertinente e. porém suas formas foram feitas com madeirite de 10mm e fechados com estacas de travamento. com esta atividade expomos a estrutura à perda de água da superfície por evaporação. o concreto foi vibrado a cada dois baldes colocados na fôrma para evitar as famosas “bicheiras”. não se esquecendo da necessidade da continuidade do processo de cura do concreto.

na construção de alvenaria prevista em projeto. na execução das valas necessárias ao encaminhamento de esgotos sanitários. Essa regularização pressupõe de várias camadas de areia média e grossa. sendo molhada cada camada que foi aplicada. convenientemente molhada. de maneira a manter uma estrutura firme e segura contra recalques. Embasamento em pedra marroada e juntas secas. traço(1:4:8-12L de água). *Execução e sequência do serviço: Para os pilares foram feitos as escavações manuais das sapatas há uma profundidade média de 1. Foi regularizado o terreno referente ao trecho objeto da ampliação. nas dimensões de 0. nas padiolas em dimensões diferentes (boca: 0.28cm e a de brita 0.35x0. alvenaria de embasamento e execução de rampas e escadas.40cm de largura e as dimensões dos blocos ou sapatas. conforme projeto e indicação do fiscal do Correio. Essa regularização visa exatamente nivelar completamente o piso da área ampliada com o piso atual da unidade.40x0. cal e areia.22cm no traço (1:2:4 -cimento.10m cada.0mm. Base de pilar: Foi colocado 0. no traço de 1:2:10 cimento.25x1. As valas terão 0. . A argamassa será de cimento e areia grossa. assentadas e comprimidas até refluir a argamassa pelos lados das juntas. área externa calçada e estacionamento. conforme o projeto. de maneira a garantir a estabilidade do terreno. o aço utilizado foi 10.05cm de altura de concreto magro. houve a necessidade de se locar a área a ser ampliada com a instalação de gabaritos contornando todo o trecho objeto das intervenções. Aterro com compactação manual material produzido. Escavação manual de valas. As fundações serão em alvenaria de pedra granilítica ou calcária.45cm) e fundo para de areia 0.20 9.50cm para largura e profundidade. Na parte de fundação o concreto utilizado foi de 20MPA preparado com betoneira. marroada. para sapatas e cintamento térreo. FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS Tendo em vista a ampliação da unidade. brita e 32 litros de água). areia. Na aplicação das camadas de areia foram seguidas as regras de compactação.

É fixado o gastalho. Figura: esquema de sapata de fundação Logo após ter concluído toda parte de concretagem de base do pilar. Em seguida uma camada de 0. é iniciada a fase de escavação de valas A importância das fôrmas e do vibrador na concretagem: Para as cintas de amarração 12x20cm foram utilizadas fôrmas com tábuas de 0. quando estão prontas é colocado o concreto e logo em seguida vibrado até ficar homogêneo. sem esquecer dos espaçadores que ficam .21 Fixa a grelha no fundo da viga. Faz a amarração da base do pilar com a grelha. Da mesma forma os pilares. (aço Fixa a estrutura de base do pilar. Passa a linha nas extremidades do gabarito e centraliza o eixo do pilar marcando com o prumo de centro e fixando uma barrinha de aço de um tamanho qualquer. que possui em média 1.13cm em média de um para o outro (aç positivo). que possui o espaçamento do aço de 0.20m de altura com a dobra de 0.20cm de concreto de 20 MPA.20cm para as laterais de fora. e ter sido aterrado.30cm. utilizando arame 18 recozido.19x0. traço(1:2:4 traço(1:2:4-34L de água). já confeccionado anteriormente e em seguida a fôrma com a medida interna de 0. porém suas formas foram feitas com madeirite de 10mm e porém fechados com estacas de travamento.19cm encaixada dentro do gastalho.

PAREDES E PAINEIS Pergolado: 0.7 litros de água). o concreto foi vibrado a centraliza-lo. PISO.45cm) e fundo para de areia 0. o concreto utilizado foi de 25MPA preparado com betoneira.0/12. FORRO. Concreto armado em vigas e pilares. e indicação da fiscalização do Correio. comprimento de 0. cada dois baldes colocados na fôrma para evitar as famosas “bicheiras”.05x0.10cm e o painel será de 2.95cm Parede de concreto: Tela soldada nervurada. cimento.15.35x0. brita e 30.0mm. areia.45x6. Figura: Parede de concreto.45cm cravada no chão e há 2. Neste. sua malha será quadrada com dimensões 0. para atender os novos preceitos de segurança 0.22 posicionados entre os estribo e a fôrma para centraliza lo. aço 8. 10. . a ser executado conforme planta de reforma e projeto estrutural.00m da Gerdau.00m de altura. será aplicada tela de aço nervurada soldada de aço CA 60. evitando sua movimentação quando o concreto for lançado. rá Durante a execução do serviço a tela deverá ter o travamento perfeito. em dimensões diferentes (boca: 0. Armação em aço 10.10x0. nas padiolas betoneira. Para revestimento do caixa forte.5mm.28cm e a de brita 0.33cm no traço (1:2:2 -cimento.

com seções de 34x4mm. e aplicado uma camada de Bianco antes do início da regularização. PEI-5. juntas rigorosamente niveladas na espessura de 1mm.5cm com traço de 1: cimento e areia 0. Ladrilho Hidráulico 0. esmeril nº 24.50x0. Piso em granilite.10cm Minério Zircônio da Elizabeth. O polimento será executado com as superfícies molhadas. 0. 36 e 60. Recobrimento do meio fio em pedra granilítica.46cm. modelo Itacolomy. do tipo rotativo. calçada externa. o piso será alisado com desempenadeira para posteriormente ser polido com politriz de dois discos.50m. será executada utilizando argamassa mantendo a declividade necessária ao escoamento das águas.46x0.5cm. inclusive junta plástica 2. argamassa AC-I e rejunte branco. Painéis quadrados de 1. varrido. numa faixa de h=1. argamassa AC-II. serão revestidas todas as paredes internas dos salões com exceção dos banheiros e copa.50cm. Será aplicado piso de alta resistência do tipo Korodur ou Granidur em toda área operacional. A cor será em concreto natural ou concreto usinado. juntas rigorosamente niveladas na espessura de 2mm. argamassa AC-II. Piso cerâmico.15x0. com as seguintes características: juntas em PVC cinza de alto impacto.10x0. Cerâmica esmaltada 0. O piso existente deverá ser apicoado. Na transição entre pisos no vestiário e no sanitário será assentado soleira de granito cinza real na largura da parede e com espessura de 2cm. 1. após executar a estucagem e em seguida proceder a sua retirada com pedra nº 36. Após o sarrafeamento e curado.0cm.23 Chapisco em parede com argamassa de 1:3 espessura 5mm.50cm com regularização do piso conforme projeto. com três tipos de pedra.50x1. Está previsto para ser realizado em toda área a ser aplicado o piso o piso cerâmico.30cm.15cm. assentadas com argamassa de alta resistência e curada por 02 dias seguidos. A operação será efetuada em três etapas sucessivas. de forma a se obter um acabamento esmerado. lavado. Haverá um caimento de pelo menos 1% em direção a coleta das águas pluviais ou lavagem de pisos. Contrapiso lastro de concreto 1:3:6 com betoneira espessura 6cm Regularização do piso cimento/areia 1:3 espessura 2.07x0. . Pastilha de vidro Gyotoku listelo 0.

ESQUADRIAS E FERRAGENS Dobradiça em aço cromado. conf. conforme projeto anexo. 6 0cm x 1” ( cj) . desigualdade da madeira e outros.875. argamassa AC-III da branca. assentado com argamassa AC-II nos banheiros e copa. trincaduras. Mola hidráulica para porta ( dorma ).02cm. Rodameio em granito polido. Especificação. lafonte. Divisórias de granito polido nas 2 faces.( 04 fixos e 04 corrediços).60x1. Especificação Porta de vidro temperado jateado. conf. 10mm assentado com ferragens pretas. deslocamento. conf. Especificação Janela completa. com ferragens. 3 x 2¹/². executadas em jatobá enfichadas. Porcelanato Primazzi extra 0. 8 mm. rebaixo de 1.02cm. instalado com ferragens e alumínio preto. as esquadrias terão uma grande atenção afim de evitar empenamento. Caixa de porta .0x1. cod: 4314 Mola hidráulica para porta ( dorma ) Alizar em jatobá para esquadrias ( stylus) e=7cm. ( wc ) Instalação em vidro cristal incolor temperado.05cm para fixação dos painéis. 15 cm.80cm. Projeto.42cm.80x0. feito com um corte na parede de 0. lascas. espessura 0. será rigorosa a observância do seu nivelamento. PCL Clair bege. cod: 6239 Fechadura nylon Bwc nbr n/n. instalado com ferragens e alumínio preto. jatobá. inclusive fixação Porta laminada/maciça em jatobá. as portas serão confeccionadas com madeira isenta de nós. Especificação. 0. Lafonte. 5. 11.( lambri interno) Janela completa. Ártico branco 0. juntas rigorosamente niveladas na espessura de 1mm e rejunte epóxi.27x0. execução: na colocação das esquadrias. para porta de vidro temperado Puxador em aço escovado. vidro cristal temperado . Gyotoku.03cm espessura 0. 8mm. e preparadas para receberem pintura tipo verniz. etc. conf.conforme especificação Assentamento de esquadrias de madeira(portas). vidro cristal temperado .60 cm. rachaduras. ferragens aliança Fechadura latão cromado externa completa. máximo-ar.0cm. h=0.025x1.24 Revestimento tipo A. 8 mm.03 a 0. devendo ser bem lixadas para eliminação de partes que contenham farpas.conf. prumo e alinhamento.

conforme projeto.0mm. conforme especificações e projeto. jardineira. projeto 12. Grade de ferro para tesouraria. apoiadas em paredes e/ou lajes de forro.2mm. Retelhamento com telha de fibrocimento. barra chata. e=1.0mm. COBERTURA Estrutura de madeira para telhas onduladas fibrocimento. inclinação de 15% Rufo/algeroz em concreto pré-moldado. diamantado. 1"x3/16 c/ barra redonda d= 1/2". impermeabilizada.25 Corrimão de parede para rampa de acessibilidade tubo principal 1 1/4". Projeto. corrediço. tubo principal 1 1/4". e=6. inc. e=6. aço inox 304 aisi escovado.2mm. Grade de ferro. e 03 tubos paralelos de 3/4" em aço inox 304 aisi escovado e=1. inclusive Material fixação Cumeeira universal p/ telha de fibrocimento ondulada Telha de fibrocimento ondulada. sika 01. em aço inox 304 aisi escovado.2mm. 30x25cm. Portão corrediço e acessórios conf. Portão em chapa 14. l=30 cm produzidos in-loco Calha em alvenaria. com manta asfáltica autoadesiva . conforme especificação e projeto Guarda corpo com tubo principal e torre de sustentação em tubo 1 1/2". Gradil em aço carbono barra chata 1 1/4 "x3x16". e=1. tipo cela. Nº 14. conforme projeto e especificação Impermeabilização de calha. conforme Projeto Portão em chapa de ferro galv. para janelas. torre de sustentação de 1 1/2". Bicicletário. conf. tijolo maciço. conforme especificação e projeto Corrimão para rampa de acessibilidade/escada. para tesouraria. viga-calha.

Ligação quadro de medição ao qdg. Ligação qdgf-qdg1. neutro. c/ conexões. Elétrico. não sendo permitida a ligação por meios de cabos. a-326) Instalação conjunto 15 pontos luz equivalente 23 varas eletroduto pvc rígido 3/4" Ponto interruptor simples.4x2" Ponto de tomada 2p+t fase. ( 1000w ). arame galvanizado.3f+n+t. fios( # 4. cod. constituído em chapa base de montagem retirável. Quadro distribuição luz/forca embutido p/24 disjuntores. eletroduto pvc rígido 1". Terá grau de proteção mínimo IP-54. Luminária completa. duplo. Deverá ter capacidade de suportar o acionamento de 8 lâmpadas de 100w cada. conforme projeto elétrico. neutro. . mais um barramento de neutro e outro para terra. eletroduto de 1 ¹/²".5mm e tomada) Ponto de tomada para ar condicionado fase. 3f+n+t. para facilitar a instalação.1000v. Proj. Serão utilizados caixas de passagem nos locais de curvas acentuadas. possui trilhos para fixação dos disjuntores. distribuídos em circuitos independentes conforme planta anexa. 150A. c/barramento( cemar) Quadro distribuição padrão Telebrás 30x30x12cm.0mm²) e tomada. fios 2.26 13. # 6. c/barramento( cemar). caixa de PVC tigre 4”x2”. triplo/ eletroduto pvc 3/4". arruelas e buchas quando na interligação com caixas e quadros). com pintura epóxi. hanover. A interligação entre os disjuntores e barramentos será feita por barramentos horizontais.30x0. em chapa de aço . reator partida rápida. assim como espelho. com todos os acessórios próprios (curvas. Quadro distribuição luz/forca embutido/sobrepor para 16 disjuntores. Luminária sobrepor c/ aleta alumínio. com tampa cega. interligando todos os pontos de alarme à tesouraria. Será dotado de barramentos para cada fase. 150a. Será fixado em alvenaria. terra (caixa. terra (caixa. Conforme Projetos. Pial Pratis da Legrand. Será para comandar as lâmpadas externas. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Ponto seco p/som/alarme/cftv embutido inclusive arame guia. luvas. no tamanho de 1. cabo 25mm². eletroduto ríido 1". conf. abraçadeiras.0 mm².30cm. Cemar Chave magnética c/célula fotoelétrica e suporte. alto fator de potência ( philips) e 2 lâmpadas 40w (abalux) a-02. eletroduto ¾”. eletroduto 1”. 11100 Luminária embutir c/ aleta alumínio 2xe27 20w ( abalux.

conforme Projeto Elétrico. casete. branco. Caso não for obtido este valor. Lorenzetti Assento sanitário em mdf . em tempo seco. 03 cabos utp. (para banheiro adaptado). por meio de cordoalha de cobre nu. montana. Frontispício e respaldo de 15 cm.250v. celite. ao redor de cada haste de terra. piso-teto. embutir. Cabeamento estruturado. A tensão entre o barramento de terra e o de neutro será igual a 3VAC. K7 lt-c302pleo 14. Caixa gordura dupla com tampa de concreto Caixa de inspeção ou passagem/ 60x60cm tampa e fundo de concreto Caixa de areia/passagem/ 60x60cm c/ grelha metálica e fundo de brita Ponto esgoto com tubo e conexões pvc soldável 40.000 btus ( lg ) Ar condicionado split. Ar condicionado split hi-wall. Aterramento completo com 3 hastes de cobre ¾”x2. A medição do aterramento será executado com a unidade desligada. A medida da resistência de aterramento terá no máximo. riviera Sifão metalizado cromado. em 3 unidades.linha riviera Ducha de mão cromada ascot hig 2195 Torneira para lavatório 1/2".02 cubas.. Switch 24p 10/100 3c16471b 3com Ponto elétrico para rede estabilizada 2p+t. com acabamento. cromada . o aterramento será interligado entre si. cat. Está previsto a confecção de caixa de inspeção de PVC com circunferência de 0. mod. sala técnica. roscável com conexões conf. 9. linha. com tampa. através de gel. será aumentado o número de hastes e/ou tratar o terreno quimicamente. 5e.27 Entrada trifásica padrão Cosern 50 kVA. semiautomática.000 e 60. 10 ohms. sendo esta cordoalha de #16 mm² no mínimo. tipo garganta 1 1/2" x 2" para pia/lavatório.60m Caixa de descarga. Projeto Telecomunicações. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Chuveiro plástico 6".50x0.000 e 12. para que com isso seja possível a medição periódica da resistência de aterramento. conforme projeto 1. plena Válvula para lavatório. eletroduto rígido 1". ( lg ). inclusive impermeabilização com sika top 100 .30cm. com canopla. decamatic eco lavatório mesa 1173c Bancada wc masc. 75 e 100mm Cisterna 5000 L. 30. conforme projeto. Em granito cinza real.000 btus.40m. max ducha lunar Vaso sanitário louça branca caixa acoplada. 50. c/ caixas de medição. cemar e acessórios. ligação dgt-rack.

No fundo foi executado um lastro de concreto não estrutural traço 1:3:4. instalada.60x0.20cm. Fossa séptica e sumidouro.60cm.10cm de largura.20cm de largura. anauger. Foi executada laje de tampa pré-moldada e barras de aço 12. completa. as paredes do sumidouro foram envolvidas externamente uma camada de brita 19mm num espaço já deixado anteriormente de 0. o sumidouro foi feito em alvenaria de tijolo cerâmico 0. e deverão ser chapiscadas no traço 1:4 e revestidas com argamassa de traço 1:7 com aditcal na proporção de 200ml para cada saco de cimento de 50Kg. para cisterna. com argamassa de assentamento 1:5 e espessura de 12mm. As paredes da fossa foram executadas em alvenaria de tijolos cerâmicos 0.28 Bomba submersa. Laje de tampa do tipo prémoldada. devidamente capeada com tampa de visita de 0. inclusive ramal de elevação d=3/4" e eletro-boia. assentados com argamassa de cimento e areia no traço 1:5.5mm. Imagem: Fossa tampa Imagem: Sumidouro parte interna Imagem: Sumidouro tampa .

29 APÊNDICES: 15. APÊNDICES: Apêndice: I: Figura: Planta sumidouro e fossa Apêndice II: Figura: Planta sumidouro e fossa .

30 Apêndice III: Figura: Planta baixa (água e esgoto) .

31 Apêndice IV: Figura: Planta de iluminação .

32 Apêndice V: Planta de layout .

33 Apêndice VI: Apêndice VII: Figura: Fachada dos Correios Figura: Salão de atendimento Apêndice VIII: Apêndice IX: Figura: Banheiro comum/adaptado Figura: Fachada Apêndice X: Apêndice XI: Figura: Telhado com calha revestida de manta asfaltílica Figura: Cobertura (Rufo) .

os resultados são bem menos previsíveis. facilitam a inserção do estagiário no mercado de trabalho. O envolvimento com profissionais experientes e a própria convivência. mesmo sendo apenas uma estagiária. como interação com diferentes classes sociais.34 16. liderança de grupo. . que foi justamente a função que eu assumi no canteiro. CONSIDERAÇÕES FINAIS O período de treinamento oferece ao estagiário a oportunidade de envolver-se em atividades práticas e aplicar o conhecimento teórico no dia-a-dia profissional. Outro ponto observado é quanto à utilização dos equipamentos de segurança. O estágio permitiu verificar diferenças entre a teoria e a prática. equipamentos que quebram. que em muitos casos estão presentes. pois em alguns casos os encarregados tentam solucionar ou atenuar problemas de forma equivocada e acabam comprometendo a qualidade e a segurança da obra. porém os colaboradores recusam-se a utilizar. no intuito de evitar prejuízos. funcionários que faltam. e a própria gestão e administração da obra. como: chuvas não previstas. tanto quanto a integridade do colaborador quanto a prejuízos financeiros para empresa. pois sempre ocorrem imprevistos. Daí a importância de uma fiscalização constante e severa. Paralelo a fiscalização de segurança é necessário um controle de qualidade dos serviços executados. devido o contratante já conhecer o perfil do futuro profissional. ou materiais que são entregues atrasados. Além do conhecimento técnico. O fato mais marcante dessas diferenças é o de que na prática. o estágio propicia ao estagiário uma série de outras experiências.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->