Você está na página 1de 14
ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

1.Produção e transmissão de som

  • 1.1 Fontes Sonoras

ACUSTICA - Ramo da Física que estuda os fenómenos ligados ao SOM. SOM - perturbação que é transmitida em meios materiais e que pode ser percepcionada pelos sistemas auditivos dos animais. FONTE SONORA - tudo aquilo que produz som. Há fontes sonoras que emitem sons musicais outras produzem diferentes sons entre os quais ruídos.

Os sons musicais podem ser produzidos pelos instrumentos musicais, consoante o instrumento podem

ser:

  • - Instrumentos de cordas: funcionam através da vibração das cordas que estão esticadas.

  • - Instrumentos de sopro: funcionam como tubos acústicos, o ar passa no interior do tubo, entra em vibração e emite som.

  • - Instrumentos de percussão: Funcionam pela vibração de membranas ou quando são agitados. Outros tipos de sons são aqueles produzidos por nós através das cordas vocais.

Os sons musicais podem ser produzidos pelos instrumentos musicais, consoante o instrumento podem ser: - Instrumentos

RECEPTOR - é o sistema que recebe e descodifica a onda de som que é recebida. MEIO DE PROPAGAÇÃO - suporte ou meio que possibilita a propagação das ondas.

  • 1.2 Tipos de Ondas

As ondas sonoras podem ser:

LONGITUDINAIS: As partículas oscilam na mesma direcção em que se propagam as ondas. TRANSVERSAIS: as partículas oscilam numa direcção perpendicular à direcção em que se propagam as ondas.

As ondas sonoras são ondas mecânicas que correspondem, no ar, a compressões e rarefacções do mesmo.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.Produção e transmissão de som 1.1 – Fontes

Imagem das perturbações provocadas por um diapasão nas partículas do ar.

Zonas de compressão

-

onde

o

ar

fica mais

denso

Zonas de rarefacção

- onde

o

ar

fica

menos

denso

ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

1.3 As características das Ondas

AMPLITUDE - Afastamento máximo em relação à posição média. Representa-se por A e a sua unidade no SI é o metro.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.3 – As características das Ondas AMPLITUDE -

FREQUÊNCIA - é o número de vibrações que ocorrem por segundo. Representa-se por f e a sua unidades no SI é o hertz (Hz)

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.3 – As características das Ondas AMPLITUDE -

Exemplo de duas ondas sonoras - a verde apresenta baixa frequência e a onda a cinzento é uma onda com elevada frequência.

COMPRIMENTO DE ONDA Corresponde à distância entre duas compressões sucessivas. Representa-se por λ e a sua unidade no SI é o metro.

VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO- Corresponde à rapidez com que a onda se propaga. Representa-se por v e a sua unidade no SI é o metro por segundo (m/s).

v = λ X f

velocidade = comprimento de onda X frequência

ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

  • 1.4 Os atributos do som

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.4 – Os atributos do som - permite
  • - permite dizer se um som é forte ou fraco.

- permite classificar os sons agudos (altos) ou graves (baixos.

  • - permite reconhecer as diferentes fontes sonoras.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.4 – Os atributos do som - permite

INTENSIDADE - está associada à amplitude do som. Quanto maior a amplitude de um som, maior é a sua intensidade e mais forte é o som, ou seja, maior energia transporta.

ALTURA - está associada à frequência dos sons.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.4 – Os atributos do som - permite

Registo

de

ondas

de

sons

altos

ou

agudos ou de elevada frequência:

Registo de ondas de

sons

baixos

ou

graves ou de baixa frequência:

TIMBRE - depende da fonte emissora do som. Duas pessoas que emitam um som com a mesma intensidade e a mesma altura, apresentam diferentes timbres, daí sermos capazes de identificar as pessoas pela sua voz.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.4 – Os atributos do som - permite
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.4 – Os atributos do som - permite
ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

1.5 A propagação do som e a sua velocidade

PROPAGAÇÃO DO SOM

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a

O som propaga-se

em

todos os

meios

materiais: gasosos, líquidos e sólidos.

 

O

som

propaga-se

melhor

em

meios

sólidos e pior em meios gasosos.

O som não se propaga-se no vazio.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a

COMO SE PROPAGA O SOM

Quanto

mais

próximas

se

encontram

as

partículas que constituem um determinado meio, mais fácil se torna a propagação do som.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a

Imagem das perturbações provocadas por um diapasão nas partículas do ar.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a

Zonas de compressão

denso

-

onde

o

ar

fica mais

Zonas

denso

de

rarefacção - onde o ar fica menos

VELOCIDADE DO SOM - é a velocidade com que as vibrações se deslocam num determinado meio.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a

A velocidade com que as vibrações sonoras se deslocam no ar é de 340 m/s. Ouve-se o trovão depois de se visualizar o raio, porque a velocidade de propagação do som é muito inferior à velocidade de propagação da luz.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.5 – A propagação do som e a

v - velocidade do som (em metros por segundo - m/s)

d - distância (em metros - m)

ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

t - intervalo de tempo (em segundos - s)

Tabela referente à velocidade do som em diferentes meios:

MEIOS SÓLIDOS

 

VELOCIDADE DE

MEIOS MATERIAIS

PROPAGAÇÃO DO SOM

(m/s)

Chumbo

1200

Borracha

1500

Cobre

3900

Terra

4000 a 6000

Aço

6000

MEIOS GASOSOS

 

VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO

MEIOS MATERIAIS

SOM

(m/s)

dióxido de carbono

260

ar (T=0ºC)

331

ar (T=20ºC)

340

MEIOS LÍQUIDOS

 

VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO

MEIOS MATERIAIS

SOM

(m/s)

Álcool etílico

1180

Mercúrio

1450

Água (T=20ºC)

1480

Quanto maior for a capacidade de vibração das partículas melhor é a transmissão do som. Estes meios são chamados de ELÁSTICOS.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais t - intervalo de tempo (em segundos -
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais t - intervalo de tempo (em segundos -

Meios onde as partículas apresentam menor capacidade de vibração - cortiça, esferovite, tecidos - são chamados de meios INELÁSTICOS.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais t - intervalo de tempo (em segundos -
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais t - intervalo de tempo (em segundos -
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais t - intervalo de tempo (em segundos -
ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

Estes materiais são muito utilizados para isolarem salas e casas, pois dificultam a propagação do som.

1.6 Algumas prioridades do som

REFLEXÃO DO SOM - quando uma onda de som embate num obstáculo e muda de direcção.

ECO - fenómeno que consiste em enviar uma onda de som contra um obstáculo,

onde o som é reflectido e regressando para o sítio de onde ele foi emitido.

Para um ser humano distinguir dois sons diferentes, tem de haver um intervalo de tempo de
Para um ser humano distinguir dois sons diferentes, tem de haver um intervalo de
tempo de pelo menos 0,1 s entre os dois sons.
Assim, para haver ECO e uma pessoa distinguir entre o som enviado e o som
recebido pela reflexão, tem de ter passado pelo menos 0,1 segundo entre a emissão do
som e a recepção do mesmo som reflectido:
340 m --------- 1
d
= ?
------- 0,1
Como a velocidade do som no ar é de 340 m/s, então o
som tem de viajar:
d
= 340 X 0,1
d
= 34 m

O som tem de viajar pelo menos 34 metros para que ocorra eco, desde que é

enviado até ser novamente ouvido, ou seja, tem de viajar pelo menos, 17 metros até ao obstáculo e percorrer a mesma distância de volta.

  • d = 17 + 17

  • d = 34 m

ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

REVERBERAÇÃO - quando ocorre reflexão do som, mas as distâncias são inferiores às necessárias para que ocorra ECO. As reflexões sucessivas do som levam a um prolongamento do som.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais REVERBERAÇÃO - quando ocorre reflexão do som, mas

Para evitar a reverberação pode cobrir-se a sala com tecidos e materiais que não permitam a reflexão dos sons, como tecidos, cortiça ou esferovite.

REFRACÇÃO DO SOM

-

consiste na mudança da direcção do som

mudança de meio de propagação

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais REVERBERAÇÃO - quando ocorre reflexão do som, mas

devido à

Quando o som incide perpendicularmente à superfície de separação dos meios, não ocorre refracção:

ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais 1.7 – Nós e os sons AUDIÇÃO HUMANA

1.7 Nós e os sons

AUDIÇÃO HUMANA - Os seres humanos (como alguns animais) dispõe de um sistema que está preparado para a captação e recepção dos sons para serem transformados e serem enviados para o cérebro.

OUVIDO HUMANO - este sistema é constituído por 3 partes:

OUVIDO EXTERNO

 

OUVIDO MÉDIO

 

OUVIDO INTERNO

 

Zona

responsável

pela

captação

Zona responsável

pela

Zona responsável pela transformação

eléctricos ou nervosos

dos sons

amplificação dos sons

das vibrações sonoras em impulsos

OUVIDO EXTERNO OUVIDO MÉDIO OUVIDO INTERNO Zona responsável pela captação Zona responsável pela Zona responsável pela
OUVIDO EXTERNO OUVIDO MÉDIO OUVIDO INTERNO Zona responsável pela captação Zona responsável pela Zona responsável pela
 
OUVIDO EXTERNO OUVIDO MÉDIO OUVIDO INTERNO Zona responsável pela captação Zona responsável pela Zona responsável pela
 

O

pavilhão

auditivo

(a

orelha!)

As vibrações sonoras fazem vibrar a membrana do tímpano

No

ouvido

interno

as

vibrações

capta os sons e canaliza-os para o

como se fosse a pele de um

amplificadas

são

transformadas

no

canal

auditivo

em

direcção

à

tambor! Estas vibrações são

caracol em impulsos nervosos

membrana do tímpano

(já

no

transmitidas aos 3 ossos mais

(eléctricos) que serão enviados pelo

ouvido médio).

pequenos do corpo humano: o martelo, a bigorna e o estribo e

nervo auditivo para o cérebro.

ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

 

são amplificados.

 
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais são amplificados. ESPECTROS SONOROS - Nas seguintes tabelas

ESPECTROS SONOROS - Nas seguintes tabelas e imagens pode consultar quais os valores de frequência mínimos e máximos que diferentes animais conseguem ouvir e que conseguem produzir, bem como as frequências das notas musicais.

Para os seres humanos: Limite Limite Limite Limite SONS OUVIDOS SONS PRODUZIDOS Mín. (Hz) Max. (Hz)
Para os seres humanos:
Limite
Limite
Limite
Limite
SONS OUVIDOS
SONS PRODUZIDOS
Mín. (Hz)
Max.
(Hz)
Mín. (Hz)
Max. (Hz)
20
Homem
20 000
Homem
85 1100
150
Golfinho
150 000
Golfinho
7000 120 000
Cão
15
15
000
452
1080
Cão
60
Gato
65 000
Gato
760
1520
ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais Morcego 1000 120 000 Morcego 10 000 120
ANO LECTIVO
2012/2013
8º ano
Prof.: João Morais
Morcego
1000 120 000
Morcego
10 000
120 000
50
Sapo
10 000
Sapo
50 8000
150
Cágado
150 000
Cágado
7000 120 000

Frequências das notas musicais - As notas musicais tomam o valor do dobro da frequência uma oitava acima e reduzem a metade quando é uma oitava abaixo.

NOTAS

Frequência

MUSICAIS

(Hz)

DÓ (C)

261,7

RÉ (D)

293,7

MI (E)

329,6

FÁ (F)

349,2

SOL (G)

392

LÁ (A)

440

SI (B)

493,9

DÓ (C)

520

NÍVEL DE INTENSIDADE SONORA - A intensidade do som mede a energia associada a cada som, ou seja, se são fortes (de grande intensidade) ou fracos (de baixa intensidade). As unidades para medir a intensidade do som são os DECIBÉIS - dB Para medir a intensidade do som pode usar-se um SONÓMETRO - um aparelho que capta a intensidade do som de uma determinada zona que é analisada. Este sonómetro da imagem indica que I = 58,6 dB

Um som grave de frequência de f = 50 Hz (hertz) para ser audível por uma pessoa tem de ter pelo menos a intensidade de I = 50 dB. Já um som agudo de frequência f = 5000 Hz é audível acima de uma intensidade zero (I=O dB).

DIAGRAMA DE AUDIBILIDADE - neste gráfico pode ter-se uma ideia aproximada dos valores de intensidade sonora e de frequência dos sons que são normalmente audíveis, não audíveis e até, dolorosos para as pessoas.

ANO LECTIVO 2012/2013 8º ano Prof.: João Morais
ANO LECTIVO
2012/2013
8º ano
Prof.: João Morais

Intensidade do som (dB)

Exemplos de fontes de som

 

0 - 10

VENTO

10

- 20

 

20

- 30

CONVERSA ENTRE PESSOAS

30

- 40

PROFESSOR A FALAR

40

- 50

DISCURSO

50

- 60

60

- 70

 
 

70

STRESS

70

- 80

COMBOIOS A PASSAR

80

- 90

 

90

DANOS AUDITIVOS

90 - 100

DISCOTECAS

100 - 110

 
ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

  • 110 - 120

 

120

LIMIAR DA DOR

  • 120 - 130

BARULHO DOS AVIÕES

  • 130 - 140

CARROS DE CORRIDA

 

Efeitos psicológicos perigosos -

Acima de 150

podem causar náuseas e perda

de equilíbrio

   

POLUIÇÃO SONORA - o excesso de ruído e elevadas intensidades sonoras podem trazer grande prejuízo ao Homem e a todos os seres vivos que estejam sujeitos a este tipo de poluição: os ruídos dos aviões, dos meios de transporte e fábricas; os ruídos de equipamentos de sonar utilizados nos mares; explosões e outros ruídos de rebentamentos como foguetes; festas, romarias e locais onde a música atinge intensidades excessivamente elevadas.

A Poluição Sonora é um incómodo muito grave que prejudica e interfere com todos os seres vivos!

APLICAÇÃO DOS SONS - INFRA-SONS - sons que apresentam uma frequência abaixo de 20 Hz. O controlo destes infra-sons no meio ambiente pode permitir o saber da ocorrência de muitos fenómenos naturais e outros causados pelo Homem.

 

FONTES DE INFRA-SONS

queda de satélite

trovoada, ventos e tempestades

queda de meteoritos

auroras boreais

lançamento de foguetões e naves

vulcões

explosões nucleares

sismos

jactos supersónicos

ANO LECTIVO
 
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

 

2012/2013

 

8º ano

Prof.: João Morais

 
 

avalanches

 

emissões de gases por industrias

APLICAÇÃO DOS SONS - ULTRA-SONS - são sons com frequências superiores a 20.000 Hz e que não são audíveis pelo Homem. Estes sons de elevada frequência são enviados e é analisado o eco recolhido por computadores, criando-se imagens.

 

USO DOS ULTRA-SONS

 
   
USO DOS ULTRA-SONS MEDICINA - ECOGRAFIAS - testes diagnósticos que mostram imagens do interior do corpo
 

MEDICINA -

ECOGRAFIAS

-

testes

diagnósticos que mostram imagens do

interior do corpo humano.

 
 

Ecografia de um feto

Os ultra-sons são enviados para dentro do corpo da pessoa (ou animal) e os que são reflectidos (eco) são recolhidos e analisados por um computador que cria uma imagem do interior do corpo.

Os ultra-sons são enviados para dentro do corpo da pessoa (ou animal) e os que são

Ecografia 3D

 
   

MEDICINA - uso dos ultra-sons para a destruição dos cálculos ou pedras que se podem formar nos rins ou na vesícula biliar

MEDICINA - uso dos ultra-sons para a destruição dos cálculos ou pedras que se podem formar
 

Imagem de pedras nos rins

e para destruição de tumores ou células cancerosas.

 

ANÁLISE DE ESTRUTURAS - para detectar fissuras ou pontos de quebra ou de fragilidade em estruturas a que não se acede facilmente (por exemplo no interior de uma central nuclear!). Em pilares de

ANÁLISE DE ESTRUTURAS - para detectar fissuras ou pontos de quebra ou de fragilidade em estruturas
ANÁLISE DE ESTRUTURAS - para detectar fissuras ou pontos de quebra ou de fragilidade em estruturas

pontes ou noutras estruturas de edifícios.

 
USO DOS ULTRA-SONS MEDICINA - ECOGRAFIAS - testes diagnósticos que mostram imagens do interior do corpo

SONAR - envio de ultra-sons para o fundo do mar. A recolha e análise dos ecos pode permitir a elaboração de mapas com a topografia dos fundos oceânicos

O sonar pode ser usado para localizar cardumes de peixes

ou aquáticos, como descobrir barcos ou destroços afundados e até, cardumes de peixes ou animais protegidos como a baleia!

ou aquáticos, como descobrir barcos ou destroços afundados e até, cardumes de peixes ou animais protegidos
   
ANO LECTIVO
ANO LECTIVO

ANO LECTIVO

2012/2013

8º ano

Prof.: João Morais

Imagem do fundo oceânico

Imagem do fundo oceânico

Imagem do Titanic afundado

Imagem recolhida num monitor de um sonar

Imagem recolhida num monitor de um sonar

Imagem de um barco afundado

Imagem de um barco afundado