Esse Manual é dedicado a todos os clientes que nos auxiliaram, aos nossos colegas das outras gráficas de livros, revistas e listas telefônicas, que nos ensinaram e ainda nos ensinam muito, especialmente ao Ken Scoville, nosso grande professor, e, finalmente, a todos os membros da equipe da pré-impressão digital de nossa empresa. Esperamos que, clientes, prestadores de serviços, e todo o mercado gráfico de um modo geral, utilizem esse manual como um apoio para a utilização da tecnologia CTP.

RR Donnelley Terceira Edição

índice A pré-impressão digital da RR Donnelley 5 Introdução à pré-impressão digital Dimensionamento da publicação 33 Tipos de acabamento 33 Miolo 33 Guardas 35 Capas 35 Sobrecapas 37 7 Premedia e Formatos dos arquivos 39 O que é pré-impressão digital? 7 Termos utilizados na pré-impressão digital 8 Tamanho dos arquivos Mídias 9 Compressão de arquivos 10 9 Arquivos PostScript 39 Como gerar um arquivo PostScript ideal para o nosso sistema 40 Driver de impressão e PPD 40 Fechamento de arquivos PostScripts: Corel Draw 49 PageMaker 52 QuarkXpress 54 In Design 61 Enviando Arquivos 13 Preflight Provas Email 13 FTP 13 O que é necessário para conectar o servidor FTP? 14 Como configurar o acesso à internet? 14 Acesso a internet via rede local 17 67 79 73 Saída para a chapa Conteúdo dos arquivos Fontes 21 Imagens 25 Lineatura 26 Formato de arquivo 26 Cores 28 21 Checklist para preparar um arquivo 83 Formas de obter suporte técnico RR Donnelley 85 Glossário 87 .

.

Sem o empenho destas pessoas. O que a pré-impressão digital tem a oferecer é o tema deste manual. não haveria tecnologia capaz de fazer um livro chegar às mãos do leitor da maneira como foi idealizado pelo editor. Finalmente. uma Bíblia. gerando chapas via Computer To Plate (CTP). uma Revista. contamos com o suporte de vários fornecedores.. Para utilizar as novas tecnologias em nível ideal. O objetivo é acelerar o processo de pré-impressão. área dentro do departamento de pré-impressão da RR Donnelley. uma lista Lista Telefônica.. há a dedicação intensa dos nossos funcionários. seja ele um livro. dispostos a constantemente aprender novas possibilidades de produzir com maior qualidade e em menor tempo.A Pré-Impressão Digital da RR Donnelley A pré-impressão digital. um catálogo. reduzindo o tempo de produção. Divirtam-se! 5 . que reúne informações técnicas necessárias para garantir o sucesso na produção de nosso produto final. O apoio de muitos clientes viabiliza a aplicação dessas tecnologias de uma forma amiga e produtiva. é responsável por trabalhar arquivos digitais provenientes dos clientes.

.

muito a ser criado e desenvolvido nessa área. A demanda de impressos está aumentando em todo o mundo. A reprodução da imagem pelo laser nas CTPs torna o processo menos sensível a falhas de registro. Os discos de vinil foram substituídos pelos CDs. em chapas para impressão. estaremos explicando como utilizar essa nova tecnologia. A vantagem deste sistema é que as imagens são reproduzidas diretamente na chapa. utilizando a tecnologia CTP (Computer To Plate). contendo texto e imagens. 7 . enquanto as chapas térmicas possibilitam uma melhor reprodução dos detalhes na hora da impressão. A pré-impressão digital é a grande aliada na luta para corresponder à demanda de mercado. É este o espírito da pré-impressão digital: a busca de novos caminhos para uma qualidade melhor em um tempo recorde. Nas próximas páginas. sem passar pelo doloroso processo de geração de filme e. ainda.Introdução à Pré-Impressão Digital As inovações em todas as áreas estão cada vez mais velozes e exigentes. O futuro que nos aguarde! O que é pré-impressão digital? É a conversão da informação digital. posteriormente. Há. assim como a necessidade de se ter maior qualidade e velocidade de impressão. O processo ocorre sem a necessidade de geração de filmes. montagem. com uma produção no menor tempo possível. que deram lugar aos DVDs. O cliente exige o melhor de nossos serviços e quer a garantia de sucesso do seu produto.

conforme a determinação de máquina impressora que será utilizada. sangria. os arquivos são enviados para a CTP. CTP. formato. RGB. qualidade e resolução de imagens e texto. para que o cliente verifique se as páginas se encontram corretamente localizadas e também para checar as imagens e o texto. são feitas provas em impressoras do tipo laser ou plotter. procure em nosso glossário os significados de cada um deles. fontes. PostScript. tais como: Arquivo Fechado. Para que você não tenha dificuldade em nos entender. Após a aprovação dos arquivos recebidos. serão construídos os cadernos respectivos ao produto. Termos utilizados na Pré-Impressão Digital Com a pré-impressão digital. O não conhecimento do significado destes termos pode atrapalhar a compreensão do processo.E como acontece? Os filmes. PPD CTP 8 PDF . segue-se a etapa de definição do layout e imposição das páginas do produto a ser impresso.. a partir dos arquivos digitais que anteriormente originavam o filme e de softwares específicos. paginação e outros detalhes.. DLT. PPD. tipo de papel. PDF. TrueType. com um melhor registro. cor a cor). O interessante dessa etapa é que somente agora é feita a separação das cores para cada chapa. agora são montados em computadores. Conforme a determinação do cliente. formato do produto e acabamento. Mídia. garantindo um trabalho mais preciso. para que as chapas sejam gravadas. avaliando cores. antes montados em base de astralons (página a página. evitando-se ajustes manuais necessários no processo convencional. surgem alguns termos exclusivos que definem as tarefas realizadas neste setor. Na sequência. Assim. A primeira etapa do trabalho é denominada Preflight e consiste em uma análise cuidadosa de todos os arquivos recebidos.

ligado=1 e desligado=0.7 GB 9 . BIT – É a menor unidade de dados. As mídias mais comuns existentes no mercado são: 1 BYTE = 8 BITs = Um caracter romano 1. linguagem utilizada pelos computadores para interpretar os dados inseridos em zeros e uns.024 MB = 1 GB (GigaByte) 1. como uma lâmpada. O tamanho do arquivo é definido pelo número de imagens.024 k = 1 MB (MegaByte) 1. Para uma melhor compreensão do que significa o tamanho de um arquivo e como ele é formado. parecendo como 00000000 ou 11111111 ou 10101010. cores e caracteres.024 BYTEs = 1 KB (KiloByte) 1.09951162778 E12 BYTEs = 1.048.024 GB = 1 TB (TeraByte) CDs – 700 MB DVDs – 4.741. ou seja. suas características e implicações. porém.Tamanho dos arquivos Para saber transportar os arquivos do computador de criação para a pré-impressão digital da gráfica. BYTE – São BITs em grupos de 8.824 BYTEs = 1. Uma vez definido o tamanho dos arquivos. inicialmente é necessário conhecer o tamanho dos arquivos. quanto maior o número de dados maior será o arquivo.576 BYTEs = 1. é preciso determinar a melhor forma para transportá-los. a maior diferença entre elas é a capacidade de armazenar dados. segue uma breve explicação sobre o código digital. Mídias Cada tipo de mídia tem suas características.073.

rar Executable Archive – NomedoArquivo.winzip. por favor entre em contato conosco via e-mail brctp@rrd.hqx WinRar – NomedoArquivo. O DropStuff é um Software da Aladdin Systems e apenas comprime os arquivos. Para mais informações consulte o site www.aladdinsys.sit WinRar – NomedoArquivo.com. Para mais informações consulte o site www. também da Aladdin Systems. caso necessite comprimir o arquivo para torná-lo menor. recomendamos que comprima o arquivo com WinZip (para plataforma PC) ou com DropStuff (plataforma Macintosh). Para descomprimir um arquivo que Utilizando como exemplo um arquivo de 4 MB em plataforma Mac.com. O WinZip comprime e descomprime arquivos comprimidos com o WinZip. foi comprimido com o DropStuff é necessário utilizar o Stuffit Expander.rar Stuffit – NomedoArquivo. teremos: Tipo EPS Binário DropStuff Compressão Típica Arquivo Original 25 a 50% Tamanho do Arquivo 4 MB 2. Assim.com ou pelo telefone 0800-105038.4 MB 10 . Descrevemos abaixo diversos tipos de tecnologia de compressão de arquivos: Compressão de Arquivos em Plataforma PC WinZip – NomedoArquivo.zip ou . trabalhamos com as duas plataformas PC e Macintosh. para que possamos discutir as possibilidades de efetuar esse recebimento.exe Compressão de Arquivos em Plataforma Mac DropStuff – NomedoArquivo.Caso queira enviar seus arquivos em outro tipo de mídia.dmg Compressão de Arquivos Para melhor atendê-los.

utilizar as compressões WinZip para PC e DropStuff ou simplesmente Create Archive. As formas Self Extracting e Executable podem conter vírus. 11 . conforme imagem abaixo. NÃO serão aceitas por nós. para Mac.Atenção! Para enviar arquivos ao nosso departamento.

12 .

principalmente fontes ou alguma página de correção. o endereço eletrônico é: brctp@rrd. protegendo-os. ou 2) Por meio de programas em ambiente gráfico (Windows. Ao enviar arquivos Mac por e-mail. 3) Arquivos Mac requerem proteção quando trafegados por sistemas de e-mail. o que nos impede de estimular o cliente a utilizar esse meio de transporte de arquivos. ainda são muitos os problemas enfrentados com arquivos encaminhados por e-mail. Para mais detalhes sobre compressão de arquivos.: Para que a sua conexão seja efetuada com sucesso será imprescindível o endereço do nosso Internet Protocol: IP do servidor da RR Donnelley (200. consulte o item Compressão de Arquivos. porque consistem em duas partes.Enviando Arquivos E-mail O e-mail pode ser utilizado para o envio de arquivos pequenos. Como usar ? Existem duas formas de se usar o FTP: 1) Por meio de linha de comando (DOS. Existem limitações para o uso do FTP? A maior limitação para o uso do FTP é a velocidade de transferência em função do tráfego.245.20) Problemas ocasionais 1) Lentidão na transferência de arquivos muito grandes. é importante comprimí-los pois a compressão reduz o tamanho total do arquivo. até 10MB. uma vez que o acesso ao Servidor é feito via Internet.148. Todos os arquivos enviados por e-mail devem ser comprimidos. FTP O que é ? File Transfer Protocol. 2) Falta de segurança na transferência dos arquivos. nada mais é do que um protocolo (conjunto de regras) para que se transfira arquivos de uma máquina para outra. UNIX). Obs. sendo a compressão feita com o WinZip (para PC) ou DropStuff (para Mac). diminui o tempo de transmissão e “empacota” os arquivos em um único arquivo. uma de dados e outra de recursos. Caso necessite enviar arquivos para nossa pré-impressão digital. A taxa de transferência irá variar dependendo do tipo de conexão com a Internet do lado do cliente e também do tráfego existente no Link de acesso do Servidor com a Internet. MAC OS. Infelizmente.com . OS/2).

com www.download.panic. que em suas versões mais recentes acessam diretamente os servidores FTP.download. Porém o acesso via Browser é mais lento. além dos Browsers.O que é necessário para conectar ao Servidor FTP ? O requisito básico para acesso ao nosso Servidor FTP é uma conexão com a Internet. não sendo portanto a maneira mais indicada.com www. Esta conexão pode ser via rede local (através de um servidor Proxy) ou através de uma conexão via Modem na máquina local.coffeecup.download. Também é necessário a utilização de um Software Cliente FTP como por exemplo o CoffeeCup Free FTP para Windows e o Transmit para MAC. Como configurar o acesso a Internet ? Acesso via Modem pelo Windows : 1) A partir do Desktop dê um duplo clique em Meu Computador e na tela abaixo dê novamente um duplo clique em Rede dial-up: Onde conseguir Softwares Clientes FTP ? A seguir uma relação de alguns softwares cliente para Windows e MAC e onde encontrá-los: Windows : WS_FTP CoffeeCup Free FTP CuteFTP FTP Commander Macintosh: Transmit Shareware www.com Freeware Freeware Demo Freeware www.com www.com 14 .

2) Digite o Nome da conexão a ser criada e clique em seguinte: 4) Digite o número de acesso ao Provedor e clique em seguinte: 5) Clique em Terminar: 3) Nesta tela selecione Eu estou chamando a Internet e clique em seguinte: 15 .

6) Clique em discar: Acesso via Modem pelo Macintosh 1) No menu da maçã. selecione Control Panels e TCP/IP: 7) Forneça o nome de usuário e a senha e clique em OK: 2) Em TCP/IP selecione Connect via PPP e em Setup Configure Using PPP Server: 3) Clique em Save: 16 .

o Firewall(Servidor de acesso a internet) deve permitir FTP estático ou dinâmico. senha e número de acesso ao provedor: 17 . Consulte o seu administrador da rede para verificar quais as configurações necessárias no Software Cliente. Como configurar e usar um software cliente em Windows.Para conectar a Internet no menu da maçã selecione Control Panels e Remote Access: Acesso a Internet via Rede Local Se o seu acesso a Internet é feito pela Rede Local da empresa. para acesso via Modem: 1) Aponte para Iniciar > Programas > CoffeeCup Free FTP: Digite o seu nome de usuário. como exemplo o CoffeeCup Free FTP.

ou seja. letras maiúsculas e minúsculas são diferentes: 7) Clique em Cool: Acesso Seguro Todo e qualquer acesso será restrito a área reservada correspondente ao seu trabalho.245. O cliente ao acessar o servidor FTP da RR Donnelley só terá condições de visualizar os seus próprios arquivos. 18 .148. garantindo a segurança de arquivos alheios.2) Clique no botão com o sinal + para adicionar o Servidor: 3) Em name digite o nome que você quer dar ao servidor: 4) Em Hostname/Address digite o endereço IP do servidor da RR Donnelley: (200.20): 5) Em Port deixe o default (21): 6) Marque a opção Requires username and password e digite o username e a password lembrando que tanto o username quanto a password são sensíveis a caixa.

19 . soltar e aguardar o fim da transmissão: 9) Selecione o Servidor. clique em Cool e aguarde a conexão: Cadastramento no Servidor FTP da RR Donnelley Para se cadastrar entre em contato com o nosso setor de Tecnologia da Informática e receba a identificação do USUÁRIO e a sua SENHA.8) Para conectar ao servidor clique no botão com o sinal amarelo: 10) Após efetuada a conexão basta arrastar o arquivo do lado Local para o lado Server .

Como configurar e usar os softwares cliente em Macintosh. como exemplo o Transmit: 1) Clique duas vezes no ícone do Transmit: 3) Em Address digite o endereço IP do Servidor (200.20): 4) Em Username digite o seu nome de usuário. letras maiúsculas e minúsculas são diferentes: 6) Clique em Connect: 2) Digite seu e-mail e clique em Join: 7) Após a conexão ter sido estabelecida basta arrastar os arquivos da janela your stuff para a janela their stuff e soltar: 20 .245. lembrando que a mesma é sensível a caixa. ou seja. lembrando que o mesmo é sensível a caixa.148. letras maiúsculas e minúsculas são diferentes: 5) Em Password digite sua senha. ou seja.

Galliard BT. mesmo com tamanho idêntico em pontos. Família é um grupo de estilos para uma fonte particular. Por exemplo. Contém a descrição das características físicas das letras. 21 . ou seja. Galliard BdIt BT. As fontes podem ser de dois tipos diferentes: PostScript ou True Type. Galliard Ult BT. Galliard Blk BT. pertencem a mesma família. Tamanho de fontes em pontos: pontos é a medida do topo até a base da letra. a família Galliard. Galliard Blklt BT. Galliard It BT. como elas devem ser desenhadas durante a impressão. Por exemplo. Galliard It BT. Galliard BdIt BT. e cada uma delas é uma fonte diferente. temos as fontes Galliard Bd BT. algumas fontes parecem maiores que outras. Galliard UltIt BT. são divididas em fontes de tela e de impressão (screen fonts e printer fonts. Galliard UltIt BT. Galliard BT.Conteúdo dos arquivos FONTES Fonte é uma coleção de símbolos utilizados para gravar palavras escritas. respectivamente). Isso explica porque. Galliard Blk BT. Galliard Blklt BT. as Galliard Bd BT. Fontes PostScript (ou TYPE 1) Desenvolvidas pela Adobe Systems e diretamente compatíveis com a linguagem PostScript. Galliard Ult BT.

não poderá ser acessada por um programa aplicativo. Nossa Trendsetter tem 2. causando uma aparência serrilhada. ficam maiores. Se a fonte de Tela não estiver aberta no sistema. essas fontes são caracterizadas pelo Suitcase com o ícone: Para PC. Ao clicar duas vezes no ícone de fonte de tela.600 dpi. Esse cálculo é feito no RIP (Raster Image Processor) e utiliza uma fórmula matemática que descreve o formato de cada letra. sem perda de resolução. as fontes bitmap são criadas com 72 dpi com um tamanho específico.. Vetoriais. A fonte sai com a resolução de saída do equipamento. Ao aumentar o tamanho da fonte. O computador calcula a resolução de cada fonte. trendsetters.). Por exemplo.pfb com o ícone: 22 . imagesetters. que parecem exatamente iguais em todos os diferentes equipamentos de saída (Impressoras. veremos o modelo da fonte e os tamanhos em que foram criadas. Fontes Vetoriais Têm resolução variável entre 300 e 3..Fontes de Tela (Screen fonts) Exibidas no monitor durante a produção do trabalho. conforme necessário na hora de imprimir. as fontes de tela possuem a extensão . essas fontes são caracterizadas pelo Símbolo A com o ícone: Para Mac. São criadas em tamanhos específicos.400 dpi. podem ser impressas em qualquer tamanho. são fontes Bitmap. simplesmente. se o monitor tem uma resolução entre 72 e 96 dpi. As fontes de tela com tamanhos específicos são representadas pelo ícone: Fontes Bitmap Têm resolução fixa a um dado tamanho (point size). Para Mac. os pontos não são adicionados mas. Fontes de Impressão (Printer fonts) São as fontes impressas. Cada fonte de tela é desenhada para um tamanho específico.

e não em dois.Identificando as fontes True Type As fontes True Types em Mac aparecem com o Suitcase: Para saber se o Suitcase contém fontes PostScript TrueType basta clicar duas vezes no ícone ou e verificar os ícones (veja figura abaixo). Essas fontes demoram mais para serem impressas em impressoras PostScritp. 23 . Precisamos testar essas fontes antes de colocar o arquivo em produção. a fonte seja convertida pelo Windows para TYPE 1. O conversor dos vetores em pontos está dentro do sistema operacional do Mac e do PC. visam a quebra da hegemonia da Adobe no mercado de fontes. Para PC. antes de enviada para a impressora. ttf. mas que não será corretamente interpretada pelo nosso sistema. as fontes True Type possuem a extensão . Isso torna necessário que.pfm. Em PC. as fontes de impressão possuem a extensão . pode originar uma fonte que imprime corretamente na sua impressora. As fontes customizadas devem ser encaminhadas juntamente com uma folha de papel impressa com as fontes. Fontes Customizadas Criar uma fonte nova ou alguns caracteres. Por usar tecnologia diferente em sua construção. havendo necessidade de uma denominação exclusiva para evitar conflito com fontes padrões existentes. Fontes True Type Desenvolvidas pela Microsoft em conjunto com a Apple. não sendo muito utilizada na indústria gráfica. não é diretamente compatível com a linguagem PostScript. Trata-se de uma fonte vetorial na qual as informações de tela e de impressão estão contidas em um único arquivo. O processo pode gerar erros durante a impressão.

utilize as fontes estilizadas. Certifique-se de dispor da fonte de impressão pois. o que não imprime corretamente. então. Para a saída correta. Uma sombra é reproduzida melhor se editada separadamente. Por exemplo. importada no documento final.Cuidados a serem tomados com fontes 1) Todas as fontes devem ser anexadas ao arquivo (copiar somente fontes usadas no trabalho) em uma pasta específica de fontes. mas será impresso incorretamente quando processado. 7) Sempre que possível. escolha Bookman Medium Italic em lugar de aplicar o estilo itálico na fonte Bookman Medium. 24 . 4) Não recomendamos a combinação de mais de duas cores para definir a cor de um texto. transformada em arquivo EPS e. 5) Evite o atributo de sombreamento de fontes. e configuradas para fazer o "overprint" (sobrepor todas as outras cores). Lembre-se de incluir tanto as fontes de impressão quanto as fontes de tela. pois isso limita as opções do design para cores e localização. se tiver só a fonte de tela. é necessário utilizar a mesma versão de fontes utilizadas na construção do documento. evite utilizar fontes True Type. 2) Fontes menores do que 4 pontos podem se encher de tinta quando impressas. 3) Fontes em Preto (Black) devem ser especificadas como apenas uma cor: Preto (Black). Alguns programas de layout criam fontes pretas como mistura de 4 cores. CMYK. Isso faz com que haja uma melhor tipografia e uma reprodução da fonte mais consistente. em vez de aplicar estilos em fontes básicas. o texto aparecerá correto na tela. 6) Quando trabalhando com Mac.

necessitando efetuar ajustes para redimensionar as imagens escaneadas. pontos por polegada. não sabemos. A qualidade de saída depende apenas da resolução do equipamento de saída. sem limitações. nos dois casos. Seria bom saber o tamanho que desejamos para as imagens. é possível colocar uma imagem em bitmap.É a unidade de medida da resolução de uma imagem. FreeHand. Vetorial e Bitmap • Imagens VETORIAIS São definidas com formas geométricas. CorelDraw. Bem menores do que suas equivalentes em Bitmap. determinada pela resolução da imagem. traduzida em Dots por polegada. O resultado. antes de escaneá-las! Porém. calculada da seguinte forma: Resolução original quando a imagem foi escaneada = 300 dpi Redimensionamento da imagem em 200% Resolução efetiva = resolução original / redimensionamento = 300 dpi / 200% = 300 / 2 = 150 dpi DPI . pois perdem suas características após um certo grau de redimensionamento. As imagens Bitmap (mapa de pontos) são produzidas por scanners ou por programas como o Photoshop e Fractal Design Painter . frequentemente. 25 . chamados pixels. não podem ser redimensionadas muito além do seu tamanho original. 2) Resolução de Imagens • Imagens em BITMAP São formadas por pequenos quadrados. Bem maiores do que suas imagens equivalentes em forma vetorial. ou por pontos. na maioria das vezes. ou seja.IMAGENS 1) As imagens podem ter duas formas diferentes: • Imagens COMBINADAS São imagens mistas onde. tipicamente uma imagem escaneada. por exemplo. É possível em Photoshop desenhar formatos vetoriais para envolver imagens bitmap escaneadas. dentro de desenhos vetoriais feitos em Ilustrator ou em FreeHand. A qualidade de saída é. é de uma imagem combinada que tem partes vetoriais e em Bitmap. as imagens vetoriais podem ser redimensionadas. O redimensionamento altera a resolução efetiva da imagem. Produzidas por programas como Ilustrator. e pela quantidade de espaço que os pixels ocupam. A restrição de redimensionamento e de resolução de uma imagem em Bitmap continua valendo mesmo em uma imagem combinada.

4) Essas mesmas imagens podem ser salvas em vários formatos diferentes: TIFF. Imagem com 300dpi LPI . Imagem com 40dpi 26 . existem casos em que só é possível obter uma resolução menor do que 260 dpi. Scitex LW. PCX ou BMP. EPS/EPSF.É a unidade de medida da Lineatura. PICT. mais detalhes são reproduzidos. Utilizamos valores como 133 lpi. WMF. Porém. Utiliza a configuração de lineatura determinada pelo programa de layout da página. suportando dados de multicanais de cor. 3) Entendendo Lineatura Lineatura Refere-se ao número de linhas em uma polegada na vertical. ficando o cliente ciente de sua inteira responsabilidade quanto a uma possível qualidade inferior de reprodução. traduzida em linhas por polegada. TIFF é um formato bitmap utilizado primeiramente para armazenar imagens escaneadas. para que sejam reproduzidas com boa qualidade. Scitex CT. DCS.Recomendamos que as imagens utilizadas tenham uma resolução efetiva acima de 260 dpi. TIFF (Tagged Image File Format) Originalmente desenvolvido pela Aldus Corporation em 1986. Produz arquivos menores do que EPS baseado em bitmap. 150 lpi e 175 lpi. Quanto maior o número.

Imagem em EPS Imagem em TIFF 27 . Scitex CT (Continuous Tone) É um formato de imagem multicanal desenvolvido pela Scitex. mas sim para ser encapsulado pelo PostScript e então impresso. Esse formato não foi planejado para ser impresso diretamente. Utiliza cores RGB. é sempre uma imagem de 72 dpi. podem conter imagens bitmap ou vetoriais. BMP (BitMapped Paint file) Formato apenas para PC. Produz cinco arquivos. e um último arquivo com a imagem mestre. Scitex LW (Linework) É um formato bitmap de alta resolução. PCX Formato apenas para PC. Pode ter múltiplos canais de dados. criado para Scitex Rip. normalmente em baixa resolução. As imagens de alta resolução só são mandadas para a saída de impressão com separações. que acelera as provas e as impressões dos arquivos em imagens de baixa resolução. em vez de CMYK. só definir legalmente elementos em uma única página. PICT Criado pela Apple. não confiável para a saída em impressoras PostScript. Recomendamos que as imagens venham em TIFF ou EPS. em vez de CMYK. WMF (Windows Meta File) Formato apenas para PC. normalmente em baixa resolução. um para cada canal de cor CMYK. baixa resolução. DCS (Desktop Color Separation) Esse formato é uma variação do EPS utilizado para arquivos com pré-separação de cores.EPS/ESPF (Encapsulated PostScript/File) É um formato muito relacionado com o arquivo de impressão PostScript. Utiliza cores RGB.

mas pode ser aproximado aos tons finais. especifique 100% de Black e 40% de Cyan. Siga as formulações listadas. É por isso que é necessária uma calibração dos equipamentos. a sensibilidade dos nossos olhos. Nomeando as Cores Sempre utilize nomes idênticos para a mesma cor em um documento. O papel impresso. pois o computador lê as cores PMS 100. insira manualmente as porcentagens CMYK na configuração da cor. a última cor observada..CORES Especificações de cores As cores podem ser especificadas como cor Spot (PANTONE ou Customizada) ou de Processo (CMYK). o tipo de tinta. PMS100 e PMS#100 como 3 cores diferentes. Da mesma maneira. Vermelho-VerdeAzul). Uma prova de cor feita com toner é apenas uma aproximação do trabalho final com tinta no papel. cores customizadas devem ser nomeadas com nomes completamente únicos. pois diferentes aplicativos geram diferentes porcentagens de cores para um mesmo PANTONE.. especifique as suas cores de acordo. Esses guias indicam os tons das 4 cores de processo em porcentagens CMYK. 28 . • Remova todas as cores que não foram utilizadas da palheta de cores do documento. pois as máquinas impressoras não conseguem lidar com tanta cobertura de tinta (mais de 200%). O tipo de luz. Certos procedimentos têm que ser seguidos para se obter um bom resultado. a cor do ambiente ao redor. para que o computador mostre com precisão a tinta representada no papel. se serão cores Spot ou de Processo. e a sua especificação irá ajudar os impressores a atingir a cor que você quer. Cores Spot PANTONE são listadas pelos seus números PMS. e certifique-se de que as cores utilizadas no arquivo estão devidamente configuradas conforme o desejado. Para obter um preto rico. Alguns pontos a ter em mente: • Defina as cores que vai utilizar.. Representação de cores com precisão só podem ser feitas com provas de cores em tinta de impressão ou guias de referência de tintas impressas. Os monitores dos computadores mostram as imagens no sistema de cores RGB (Red-Green-Blue. • Quando for solicitar que uma cor Spot PANTONE seja impressa como cor de processo.. para que não sejam confundidas com as cores padrão. para não confundir com as cores que serão utilizadas pelas máquinas impressoras. Ciano-Magenta-Amarelo-Preto) ou no sistema de cores PANTONE. • Nunca especifique uma cor preta utilizando as quatro cores. a forma como é refletida ou emitida. tudo isso altera a nossa percepção de cor. O que se vê no monitor nunca será precisamente o que será impresso por uma máquina impressora. As provas de cores à laser também variam muito de sistema para sistema. Nem todas as pessoas percebem as cores de uma mesma forma. A maioria das máquinas impressoras utilizam tintas baseadas no sistema de cores de processo CMYK (CyanMagenta-Yellow-Black.

100% de CMY produz uma cor marrom escura. em teoria. As luzes verde e azul violeta. juntas. CMYK O modelo de cores CMYK é baseado em como a luz parece quando é refletida pelas tintas impressas. verde e azul violeta misturadas em diferentes proporções e intensidades criam todas as outras cores. As cores magenta e amarelo. na televisão e no monitor do computador. criam o ciano. as cores amarela e ciano criam o verde. RGB é o modelo de cor utilizado se a saída final for o vídeo do monitor.MODELOS DE CORES RGB O modelo de Cor RGB é baseado em luz. a cor preta é o resultado. as cores vermelho. utilizamos uma tinta verdadeiramente preta (Black. pois ao remover todas as 4 cores de Processo aparece apenas a cor do papel (normalmente branco) e. magenta. A cor que não é absorvida pela superfície com a tinta impressa é a que enxergamos. as luzes vermelha e verde criam o amarelo. É um modelo de cor subtrativo. pois não conseguimos produzir facilmente cores CMY puras. home pages na internet. adicionandose 100% das cores CMY (Cyan. Na verdade. a cor branca é produzida. criam todas as outras cores. Essas são as cores encontradas no arco-íris. quando todas as cores são apresentadas com a sua maior quantidade. Magenta e Yellow) deve ser processada a cor K (Black). porque todas as cores juntas produzem o branco. No modelo CMYK as cores ciano. misturadas em diferentes proporções e intensidades. criam o vermelho. como por exemplo. Este é o modelo de cores utilizado para a impressão em papel. K) para a parte da imagem que deveria ser preta. 29 . No modelo RGB. amarelo e preta. Quando todas as cores estão em zero. Por causa disso. juntas. No modelo RGB. RGB é um modelo de cor aditivo.

3) Uma Cor especial pode ser definida como PANTONE Coated. no QuarkXpress.OUTRAS CORES UTILIZADAS EM IMPRESSÃO Cores Especiais Em impressão também utilizamos cores especiais. Abaixo mostramos as várias opções apresentadas pelo QuarkXpress. no QuarkXpress. Magenta. PANTONE Process. não deve ser configurada como cor Spot. sempre deixando desmarcado o quadrado da Spot Color. PANTONE Uncoated. CMYK. Deve ser definida como cor Spot. 1) Uma cor especial Spot deve ser defina conforme detalhado a seguir. pretendendo-se que a cor seja produzida com as quatro chapas (Cyan. 30 . sempre deixando marcado o quadrado da Spot Color. Veja os detalhes da configuração das cores customizadas a seguir. quando o objetivo for o de imprimí-la separadamente. Yellow e Black). TOYO ou outra. as quais são baseadas em pigmentos misturados para criar todos os tipos de cores. Caso essa cor especial deva ser impressa como uma cor CMYK. PANTONE Solid to Process. colocando-se a tinta da cor especial na máquina impressora e produzindo uma chapa específica para essa cor. 2) Uma Cor especial CMYK deve ser definida conforme detalhado a seguir.

Cor Gamut A faixa de cores que podemos ver na natureza. uma a uma. um arquivo precisa ser 31 . Isso garante que uma imagem quatro cores seja impressa corretamente. mostrada pelo computador ou impressa. é o problema central da cor impressa. e a cor impressa exatamente igual. uma vez que cada cor será impressa por uma tinta diferente. Para que cada cor seja impressa separadamente. uma vez que a separação de cores é feita pelo sistema segundos antes da chapa ser gerada. Por este motivo recomendamos que nos arquivos que serão impressos neste sistema. CORES COMPOSTAS Um arquivo de cores compostas é aquele que possui todas as cores existentes nele. diferente do sistema de impressão offset que utiliza tinta para gerar “mistura” de cores. O Gamut que podemos ver na natureza é maior do que o mostrado pelo computador. sem nenhum deslocamento de nenhuma das cores na imagem. SEPARAÇÃO DE CORES Quando tem que ser impresso.Escalas PANTONE Para ser utilizada uma cor de uma escala PANTONE é importante que o nome da cor seja idêntico ao nome do PANTONE. o Gamut das cores especiais é bem maior do que o Gamut das cores CMYK. dos vários modelos de cor e dos equipamentos que utilizamos para ver ou imprimir uma cor. é chamada de cor Gamut. Porém. uma após a outra. particularmente cores especiais. Cada uma dessas faixas origina um Gamut diferente. sem a interferência de nenhum dos nossos operadores. sem a interferência de nenhum dos operadores. Solicitamos que todos os arquivos que nos forem enviados possuam as cores compostas. Veja o desenho abaixo. automaticamente. temos que gerar uma chapa diferente contendo todos os elementos que devem ser impressos por aquela cor. As diferenças nas cores Gamuts. uma sobre a outra. o preto esteja em 100% (0C 0M 0Y 100K) para melhores resultados. Com a impressão de cada cor. Essa separação de cores é feita em nosso sistema segundos antes da chapa ser gerada. O monitor do computador não é confiável para mostrar as cores impressas. CORES NA IMPRESSÃO DIGITAL O sistema de impressão digital (Igen 3) utiliza a fusão de tonner para gerar a “sobreposição” de cores. separado pelas respectivas cores existentes nele. O Gamut de cores disponíveis na tela do computador é maior do que o Gamut das cores que podem ser impressas. automaticamente. teremos o efeito colorido que desejamos em nosso material.

.

indicado para uma publicação com um pequeno número de páginas. antes de mais nada. Capa e Sobrecapa. Capa Dura . visando a obtenção de um aproveitamento máximo do papel. Existem as seguintes opções: Espiral e Wire-o . MIOLO • Formatos mais comuns do miolo de uma publicação 12 x 18 cm 13. é necessário.Também é uma publicação costurada. Guarda e Capa.5 cm Linhas de corte Página Sangria 33 . Consiste em Miolo e Capa. sendo esta com ou sem orelhas. Guarda. sendo esta com ou sem orelhas.8 x 21 cm 15.Normalmente é uma publicação costurada. bem como evitando problemas em sua impressão ou acabamento. Grampo .5 x 29. Brochura .Costurado ou fresado.É o acabamento mais simples.Dimensionamento da Publicação Ao iniciar a produção de uma publicação. uma preocupação básica é determinar suas dimensões. definir o tipo de acabamento da publicação. Consiste em Miolo. Consiste em miolo e Capa.8 x 23 cm 17 x 24 cm 21 x 28 cm 23 x 30 cm 25 x 30 cm 27 x 31 cm 28 x 28 cm 29. Tipos de Acabamento COMPONENTES DA PUBLICAÇÃO Para dimensionar corretamente sua publicação e saber os componentes relevantes. Explicaremos agora dados importantes para o correto dimensionamento da sua publicação. Consiste em Miolo e Capa. sendo esse último opcional. Capa Flexível . Consiste em Miolo.Contém uma espiral de plástico ou metálica (Wire-o).

seu formato final. em uma ordem determinada. tamanho do papel utilizado e capacidade da máquina impressora na qual será impresso. (8 na frente e 8 no verso) 24 págs.5 x 31. Número de páginas do Livro A impressão de um livro é feita em forma de cadernos. (12 na frente e 12 no verso) 32 págs.5 29. nos casos em que houver alguma variação no corte das páginas. (6 na frente e 6 no verso) Formato do miolo (cm) 24 x 24 25 x 25 26 x 26 27 x 27 28 x 28 29. conforme o número total de páginas do livro.5 x 29.5 x 20.8 x 21 (1 cor) 15. guarda. 16. recomendamos que estas sejam incluídas no arquivo.8 x 23 (1 cor) 17 x 24 Tamanho do papel 76 x 112 66 x 96 66 x 96 66 x 96 66 x 96 66 x 96 66 x 96 76 x 112 66 x 96 89 x 117 66 x 96 66 x 96 66 x 96 66 x 96 76 x 112 66 x 96 76 x 112 89 x 117 87 x 114 76 x 112 66 x 96 76 x 112 Aproveitamento do papel 24 páginas 12 páginas 12 páginas 12 páginas 12 páginas 12 páginas 12 páginas 32 páginas 16 páginas 32 páginas 16 páginas 16 páginas 16 páginas 24 páginas 24 páginas 24 páginas 64 páginas 64 páginas 64 páginas 32 páginas 32 páginas 32 páginas 16 págs. Páginas brancas Sempre que houver páginas em branco no livro.5 (1 cor) 21 x 28 23 x 23 23 x 31 20 x 20 22 x 22 22. Cada caderno possui um número específico de páginas. Solicitamos que a sangria tenha 5 mm.5 (4 cores) 26 x 27. há a necessidade de inserção de páginas em branco. Caderno 12 págs. Em alguns casos. Como são divididos os cadernos para os formatos mais comuns Os cadernos mais comuns são de 12. para que os cadernos sejam impressos corretamente. para evitar o aparecimento de um filete da cor do papel.• Especificações das páginas Segundo o desenho anterior.5) 21 x 27.8 x 23 (4 cores) 15. 24 e 32 páginas. capa e sobrecapa do livro.5 18 x 23 (até 26. Sangria Sangria é o quanto uma imagem deve ultrapassar a linha de corte. (16 na frente e 16 no verso) . as páginas de um livro têm os seguintes elementos: Linhas de corte Representam o formato final do miolo.8 x 21 (4 cores) 13. evitando-se desta forma correr riscos de paginação incorreta.5 12 x 18 13.

pois possuem a mesma medida.Existem outros tamanhos de folhas de papel e outros formatos de livro. para determinar o formato mais indicado para seu livro. No caso de guarda em branco não há contra-indicação. prejudicando o acabamento dos livros. seu papel seja de um tamanho diferente. não esquecendo da medida de lombada correta. CAPAS • Espiral e Wire-o As capas Espirais e Wire-o devem ter 8 mm a mais de lombada. GUARDAS O formato da guarda é exatamente o dobro do formato das páginas do miolo. não possuindo lombada. ainda. Caso suas necessidades não se encaixem em nenhum dos formatos acima ou. • Grampo A capa deve ser exatamente igual ao dobro do tamanho do miolo. para que o fio possa ser inserido. pois a tinta impede a absorção da cola pelo papel. 35 . As guardas impressas não podem ter tinta a 5 mm das bordas no lado da colagem das mesmas nos cadernos. • Brochura sem orelhas São cortadas junto com o livro. recomendamos que consulte nosso departamento comercial. É importante determinar o tamanho exato com as respectivas linhas de corte.

36 . • Capa dura Alem das medidas finais de corte e lombada.5 cm para o debrum.• Brochura com orelhas A frente do livro é refilada antes do encapamento.5 cm para o debrum. na frente. possibilitando a dobra para o lado interno da capa e um acabamento sem filetes em branco. O tamanho da capa deve ser 3 mm maior do que o miolo na largura e 6 mm maior na altura para a sobra das seixas. • Capa flexível Além das medidas finais de corte e lombada. é preciso adicionar 1. sem esquecer a medida de lombada correta. cabeça e pé do miolo aparado. É importante determinar a medida exata das respectivas linhas de corte. possibilitando a dobra para o lado interno da capa e um acabamento sem filetes em branco. é necessário adicionar 1. após. O tamanho final da capa deve ser 4 mm maior do que o miolo devido a sobra para seixas. ficando na frente uma pequena sobra (seixa) de aproximadamente 2 mm. são refilados o pé e a cabeça do livro.

000 x nº de páginas do livro / 2 E = espessura do papel a ser utilizado (em micra) Exemplo Um livro de 352 páginas. SOBRECAPAS Consultar o departamento comercial para determinar a medida exata da sobrecapa. vincos de manuseio e em sangria. Calculando a lombada de uma capa Para o cálculo de uma lombada. podendo descascar nas beiradas das capas onde houve sangria. acabamento e medida de lombada. a qual deve ser maior do que a capa. Isso porque cada modelo tem sua peculiaridade e as medidas de lombada podem variar dependendo do lado que medimos. utilizamos a seguinte fórmula: E = 1.000 x 352 / 2 = 19. pois a sobrecapa envolve a capa. recomendamos procurar o nosso departamento comercial. a maneira mais precisa para calcular uma lombada é a partir de um boneco. Caso ainda exista alguma dúvida com relação a formato. pois poderão causar problemas futuros de quebra deste verniz nas dobras e vincos. etc. impresso em papel Offset de 80 g/m2 (espessura = 108 micras) terá : 108 = 1.01 mm de lombada. costura e outros. Porém. Obs: considerar um acréscimo de volume para aplicação de tinta. utilizando o mesmo papel com o qual o livro será impresso. 37 .• Verniz UV Colocar as mesmas marcas de cortes e não colocar verniz em dobras.

.

o arquivo PostScript não poderá ser visualizado. possibilitando verificar se não houve algum erro na conversão do formato aplicativo para o PostScript e deste para o formato pdf.br FORMATOS DE ARQUIVOS Os arquivos podem ter vários formatos.Scan e Tratamento de Imagem .” A RR Donnelley possibilita oferecer aos clientes um serviço adicional cuja etapa antecede a impressão e que hoje já compram em empresas especializadas (tais como free-lancer. existe o formato pdf.Alterações e Correções de arquivos . Quando desejamos enviar esse arquivo sem correr o risco recomendamos formatá-lo para PostScript. Desenvolvimento de Projeto gráfico. como transformar corretamente um arquivo aplicativo em PostScript e um PostScript em pdf. Os serviços de Premedia compreendem: . mas salvo como outro arquivo já 39 .Fechamento de Arquivos e Preflight .Diagramação (desenho do Projeto Gráfico) . birôs ou agências).Inserção (place) de Elementos (Imagens. InDesign e CorelDraw geramos um arquivo no formato do aplicativo. Atualmente. Fundos) no Projeto Gráfico . Logomarcas) . No entanto. Ele não é impresso em papel. PageMaker.Conversão de arquivos .Provas Digitais Esclarecimentos de dúvidas sobre este serviço poderão ser direcionadas aos nossos consultores ou via e-mail em: premediasp@rrdmoore. mostramos com captura de telas e exemplos. gerado a partir de um arquivo em formato PostScript. A seguir. ARQUIVOS POSTSCRIPT PostScript é uma linguagem utilizada pelas impressoras para traduzir o arquivo digital em arquivo impresso. Quando utilizamos um software de editoração como o QuarkXpress.Projeto Gráfico ("Criação". o que impossibilita sua verificação.com.Premedia e Formatos de Arquivos Serviços de Premedia compreendem “todas as atividades relacionadas à preparação de conteúdo gráfico para ser impresso. Ele permite a visualização.

o tamanho do papel. 40 . como por exemplo uma impressora. No CD que integra este manual. não é necessário enviar uma pasta contendo as fontes e outra com as imagens.ps ou . mandamos imprimir para arquivo (Print to File) e configuramos cada item de forma a obter o PostScript ideal para o nosso sistema. solicitamos que seja feita uma impressão. 3) Pronto. Todo arquivo PostScript tem a extensão . definimos o driver a ser utilizado. dizendo. Então. etc. com todas as fontes e imagens corretamente anexadas. a memória. Com relação a um arquivo aplicativo. que “conversa” com ela de forma específica. enviamos esse arquivo PostScript para a gráfica. Driver de Impressão e PPD (PostScript Printer Description) Driver de Impressão Programa que indica ao computador a forma de se comunicar com um hardware. as fontes residentes da impressora.traduzido para a linguagem da impressora. PPD É um arquivo-texto específico para impressoras. aguardando um retorno em forma de relatório do Preflight. Assim. Trata-se de um arquivo fechado. o PostScript apresenta como vantagem a inclusão das fontes utilizadas no texto e das imagens de alta resolução (maiores do que 260 dpi). por exemplo. 2) Com o driver e o PPD corretamente instalados. que fazem parte do arquivo. Como gerar um arquivo PostScript ideal para o nosso sistema 1) Como o PostScript é uma impressão em formato de arquivo. anexamos os Drivers e os PPDs que devem ser utilizados para criar PostScript nas plataformas Mac e PC. o nosso arquivo PostScript está criado! Apenas não conseguiremos ver esse arquivo! Acreditamos que ele esteja em ordem. que não pode ser visualizado.prn. de acordo com o desejado. o mais importante em sua geração é o driver de impressão e o PPD (PostScript Printer Description) utilizado.

Instalação do Driver e do PPD em Plataforma Mac Instalar uma impressora PostScript no sistema Mac OS X. Siga as telas capturadas abaixo, para a instalação do driver em inglês: 1) Abra o System Preferences e na barra Hardware clique no ícone Print & Fax.

3) Em IP Printer, siga as seguintes instruções: Protocol: Selecione Line Printer Daemon - LPD. Address: Digite localhost e aguarde o sistema enviar uma imagem logo abaixo (Valid and complete address). Queue: Digite um nome de sua preferência. Name: Digite um nome de sua preferência. Location: Deixe em branco. Print Using: Selecione Adobe e aguarde o sistema completar a aba Model com o endereço ( Adobe PDF 3015.102). Clique em Add para finalizar a instalação de sua impressora.

2) Na aba Printing, clique no símbolo add a printer)

+ ( click here to

41

4) Verifique se sua nova impressora está selecionada conforme a figura abaixo. Agora já possuímos o driver e o PPD correto para gerarmos os nossos arquivos PostScripts.

Instalação do Driver e do PPD em Plataforma PC Instalar uma impressora PostScript utilizando o driver Adobe 1.0.2 Universal Installer em Inglês (aps102eng.exe) ou em Português (aps102brz.exe), os quais são encontrados no CD que integra esse manual, ou no site da Adobe www.adobe.com/support/downloads/pdrvwin.htm. Siga as telas capturadas abaixo, para a instalação do driver em inglês: 1) Clique duas vezes sobre o icone aps102eng.exe:

2) Aparecerá a tela a seguir. Clique em Next (Próximo):

42

3) Na tela abaixo, clique em Accept (Aceitar):

5) Na tela a seguir, deixe a Opção File (Arquivo) selecionada e clique em Next:

4) Na próxima tela deixe marcada a opção It is directly connected to your computer (Está diretamente conectada ao seu computador) e clique em Next (Próximo):

6) Aparecerá apenas a opção Generic PosScript Printer, clique em Browse para procurar o PPD Prinergy Refiner:

43

0. e lá estará o PPD Prinergy Refiner: 9) Aparecerá a tela do Printer Information(Informação da Impressora).2 Universal Installer Inglês. Clique em Next: 8) Selecione o Prinergy Refiner na janela Select Printer Model. e clique em Next: 44 . deixe as duas opções No (Não) clicadas.7) Navegue até a pasta do CD referente a Adobe 1.

clique em File. O programa perguntará se quer configurar a sua impressora agora. Aparecerá uma nova impressora com o nome de Prinergy Refiner: 11) Na tela a seguir clique Finish (Terminar): 13) Clique na impressora Prinergy Refiner uma vez. e então em Next: 12) Vá até o menu iniciar. Recomendamos que clique em No (Não). Properties e aparecerá a tela abaixo. onde a primeira pasta a ser configurada é a General. Deixe essa pasta conforme a seguir: 45 . clique em configurações e então clique em printers.10) Clique em Install.

deve conter as informações conforme a tela: 16) A pasta Graphics deve ter como Resolution (Resolução) 2. Veja a seguir: 17) A pasta Fonts não deve ter nada assinalado: .400dpi: 15) A pasta Paper permite que você configure o tamanho do seu papel. Para definir o tamanho de um Custom Page deve-se clicar sobre o papel Custom e então clicar duas vezes sobre o icone custom.14) A pasta Details abaixo.

47 . permanecendo como a figura abaixo: 19) A pasta PostScript deve ser configurada conforme a seguir: Agora já possuímos o driver e o PPD correto para gerarmos os nossos arquivos PostScripts.18) A pasta Device Options deve estar conforme abaixo: 20) A pasta Watermarks não deve ser alterada.

.

mantendo a originalidade do documento. devemos especificar 26x35 cm.PostScripts . uma correta configuração e construção do arquivo. Logo abaixo determinar 5 mm de sangria. 49 . já determinados na instalação da impressora. acionando o Usar PPD tipo Prinergy Refiner com opção FILE. acionar COMO NO DOCUMENTO. é necessário instalar o Driver de impressão e o PPD Prinergy Refiner (verificar instruções na página 40). menu File. Em propriedades. na pasta Geral. pelo fato do aplicativo disponibilizar recursos e efeitos que podem ocasionar conflitos sobre o uso da linguagem Post Script. é definido o tamanho do papel. na pasta Geral selecionamos a impressora destino PRINERGY REFINER. 2) Na pasta Layout. com 5 cm maior.Corel Draw No fechamento de arquivo a partir do Corel Draw é preciso muita atenção. 1) A partir do comando Print. Antes de mais nada. na opção personalizado/customizado. Exemplo: caso o arquivo seja 21x30 cm.

entre em contato. por utilizarmos processo CTP (Computer to Place). a opção APLICAR PERFIL ICC não deve ser acionada. Caso necessite do nosso perfil ICC. As configurações de ângulo e lineatura serão determinadas no momento de gravação das chapas. 4) Na pasta PRÉ-IMPRESSÃO. deixar todos os itens desabilitados. Quanto as fontes. já assume a compatibilidade do Postscript nível 2. Para as demais opções siga as instruções: 50 . 6) Na pasta MISCELÂNEA. um lembrete importante. a partir do PPD Prinergy Refiner.3) Já na pasta SEPARAÇÕES. para o nosso processo o arquivo será composto. Os elementos necessários à produção dos impressos serão inseridos pela Donnelley. 5) A pasta POSTSCRIPT. não exceder o número máximos de pontos aqui definido no momento que é aplicado o comando convert to curve. não é necessário fazer a separação de cores.

seguindo o indicado aplicaremos as marcas de corte. formato do papel. e gravado na pasta que desejar para que posteriormente possa ser distilado. onde deve ser digitado o nome do arquivo com extensão PRN (extensão usada pelo Corel Draw). 51 .7) Voltando à pasta GERAL. em VISUALIZAÇÃO DE IMPRESSÃO. Onde também podemos visualizar se configurações efetuadas foram aplicadas. que corresponde a extensão PS. clique em imprimir. Após a execução de todos os procedimentos citados podemos salvar o estilo de impressão para um próximo trabalho. tais como: sangria. quantidade e posição das páginas etc. 8) Para iniciar o processamento do arquivo. que logo surgirá a tela abaixo.

o PPD Prinergy Refiner. Printer Styles e em Define (Definir). proceder à impressão de Todas as Páginas (All Pages) e. Devese definir a impressora Prinergy Refiner . Para tanto. Para criar um novo Printer Style clique em New (Novo): 52 . Assim sendo. clique em OK: 4) Surgirá a tela Print Document (Imprima o Documento) mostrada na figura da próxima página. conforme abaixo: 3) Aparecerá a tela acima. Antes de mais nada.PageMaker Tanto o PageMaker para PC quanto o PageMaker para Mac são programas com os mesmos menus opções. onde deve ser digitado o nome do novo Priter Style. clique em File (Arquivo). 1) Inicialmente. é necessário instalar o Driver de impressão e o PPD Prinergy Refiner (verificar instruções na página 40). Após digitar o nome. utilizaremos o PageMaker para PC com o objetivo de exemplificar a geração de um arquivo PostScript a partir de um arquivo aplicativo PageMaker. é importante definir o Printer Style (Estilo de Impressão) a ser utilizado.PostScripts . marcar o item Print blank pages (Imprima as páginas em branco): 2) Aparecerá a janela Define Printer Styles (Definir os Estilos de Impressão). então.

Defina Send image data (Envie dados de imagem) como Normal. Deixe marcada as opções Printer’s Marks (Marcas de Impressão) e Crops and bleeds only (somente marcas de Corte e de Sangria). clique em Paper (Papel). e coloque 150 lpi na janela de Frequency (Frequência). Então. Download fonts como PostScript and True Type. Data encoding como send binary image data. Clique em Browse e escolha o local onde quer gravar o arquivo PostScript. Marque a opção de Centre page in print area (Centralize a página na área de impressão). marque Custom: 8) Clique em Options (Opções) e aparecerá a tela Print Options (Opções de Impressão). escolha o tamanho do papel cerca de 5 cm maior do que a dimensão do seu arquivo. Marque o item Write PostScript to File e escreva o nome do arquivo PostScript a ser gerado. Deixe marcado o item Normal e o Page Independence (Independência da Página): 53 .5) Para definir o papel. No Optimized Screen. na janela Tilling deixe None (Nenhum) e na Scale (Escala) marque 100%: 7) Clique em Features (Características) e defina Resolution (Resolução) como 2400dpi: 6) Clique em Colour (Cor) e marque Composite (Cores compostas ou de processo). selecione Size Custom (Tamanho Customizado). deixe colour clicado.

Automatic 54 . Antes de mais nada. escolha a Printer Description (Descrição da Impressora) como sendo a Prinergy Refiner. Desta forma.QuarkXpress Tanto o QuarkXpress para PC quanto para Mac são programas com os mesmos menus e opções. é necessário instalar o Driver de impressão e o PPD Prinergy Refiner (verificar instruções na página 40). marcando qualquer tamanho em Paper Width (Largura do Papel).5 cm (ou 5 mm). 1) Primeiramente é necessário criar um Print Style (Estilo de Impressão). Abra o QuarxXpress. Em paper size (Tamanho do Papel) defina custom (Customizado). vá em Edit (Editar) e clique em Print Styles (Estilos de Impressão): 3) Surgirá a tela abaixo. Vá até a pasta Document (Documento) e marque Include Blank Pages (Incluir páginas em branco). Marque Offset com 30pt: 2) Aparecerá a tela a seguir. Clique em New (Novo) para criar um novo Print Style: 4) Vá na pasta Setup (Configuração). utilizaremos o QuarkXpress para Mac para exemplificar como gerar um arquivo PostScript a partir de um arquivo aplicativo QuarkXpress. onde deverá ser digitado um nome para o novo Print Style (aqui nomeando RRDBR_PrintStyle).PostScripts . Em Registration indique Centered (Centralizada) e na janela Bleed (Sangria) indique 0.

(Automático) em Paper Height (Altura do papel) e Left Edge (Margem esquerda) em Page Positioning (Posição da página). Pronto. conforme figura: escolhida seja Include Images (Incluir Imagens). Marque a opção Full Resolution TIFF Output (Resolução Total de Saída TIFF): 5) Vá na pasta Output (Saída). Resolution (Resolução) como 2400 dpi. defina Print Colors (Cores de Impressão) como Composite CMYK (Cores Compostas CMYK). aparecerá a tela abaixo: 6) Vá até a pasta Options (Opções). e Frequency (Frequência) com 150 lpi: 7) Clique em OK. certifique-se de que Data (Dados) está como Binary e que em OPI a opção 8) Clique em Save (Salvar). Agora você poderá utilizar esse Print Style para criar os arquivos PostScript que dese- 55 .

Clique em Print Style. salve em formato QuarkXpress para a sua segurança. Print Styles e Import (Importar).jamos. Caso queira apenas copiar o Print Style existente no CD que recebeu juntamente com esse manual. escolha o RRD-BR_PrintStyle: 11) Surgirá a tela abaixo. clicar Edit. Abra o arquivo. Clique no arquivo RRDBR_Printstyle. Em seguida. onde deve-se apertar o comando Save (Salvar): 10) Aparecerá a tela abaixo. fazendo surgir a tela abaixo. depois em Open (Abrir) e então aparecerá uma nova tela. é só inserílo no driver de seu computador e abrir o QuarkXpress. Print (Imprimir) e clique: 56 . Certifique-se de que as configurações da pasta Document (Documento) sejam as seguintes: 9) Construa o seu documento. vá em File (Arquivo).

Caso seja necessário. Verifique se as configurações estão de acordo com a figura: 15) Vá na pasta Preview e certifique-se de que a página esteja totalmente inserida na página que irá conter o arquivo. modifique a Paper Width (Largura do papel) para cerca de 5 cm maior do que a largura da página do seu arquivo e certifique-se de que as outras configurações estejam conforme indicado abaixo: 14) Vá para a pasta Options (Opções) e verifique se está configurada conforme a figura abaixo: 13) Vá para a pasta Output (Saída).12) Vá para a pasta Setup (Configuração). volte para a pasta Setup e aumente a Paper Width (Largura do Papel): 57 .

conforme a seguir: 58 . Surgirá inicialmente a pasta General (Geral). para pasta de Xtension do próprio QuarkXpress.Solucionando conflitos em Cores Especiais Cores especiais (Pantones) geram conflitos no fechamento do arquivo. não se preocupe com o Page Attributes (Atributos da Página). onde Destination (Destino) deverá estar configurado como File (Arquivo) e Pages (Páginas) como All (Todas). O Custom Page Sizes (Tamanho Customizado de Página) também não deve ser uma preocupação. Para evitar esse conflito é necessário copiar o arquivo/extensão Creo Color TIFFXT que se encontra na pasta PLUGIN QUARKXPRESS. veja as telas a seguir: 16) Agora clique em Printer (Impressora) para definir as configurações da impressora. do CD que integra esse manual. porém certifique-se de que as PostScript Options (Opções de PostScript) estejam sem nada selecionado. Ao definir o Page Setup (Configuração da Página). convertem as cores especiais em CMYK.

dirija-se à pasta Cover Page (Página de Rosto). O Prefered Format (Formato Preferido) é Type 1. A opção Always download needed fonts (Sempre faça o download das fontes necessárias) deve estar clicada: 59 . e certifique-se de que a opção Foreground esteja marcada: 19) Em seguida. marcando None (Nenhuma): 18) O próximo passo é a pasta Color Matching (Combinação de Cores). Configure Print Color (Cor de Impressão) como Color/Grayscale: 20) Vá para a Pasta Font Settings (Configurações de Fontes).17) Vá para a pasta Background Printing.

Definimos o local e clicamos em Save: 60 .21) Vá para a pasta Job Logging (Relatório do Trabalho) e clique em No special reporting (Nenhum relatório especial): 23) Na pasta Save as File (Salvar como Arquivo). Marque 1 em Pages per sheet (Páginas por folha): 24) Clique em Print. Data Format (Formato dos Dados) como binary. marque Format (Formato) como PostScript Job. e Font Inclusion (Inclusão de Fontes) como All (Todas): 22) Siga para a pasta Layout. Level 2 e 3 (Nível 2 e 3). Aparecerá uma tela perguntando onde queremos imprimir o arquivo PostScript que será criado.

Abra o InDesign. Desta forma. Verifique na figura abaixo: 2) Habilite a opção Custom em Print Preset. Antes de mais nada.InDesign Tanto o InDesign para PC quanto para Mac são programas com os mesmos menus e opções. para isso escolha: Options> Page Position> Centered. que a escala está habilitada em 100% do tamanho original. 1) Primeiramente é necessário criar um Print Preset (Pré-ajuste de Impressão). utilizaremos o InDesign para Mac para exemplificar como gerar um arquivo PostScript a partir de um arquivo aplicativo InDesign. vá em Print (Imprimir): 3) No menu Setup. No menu General. é necessário instalar o Driver de impressão e o PPD Prinergy Refiner (verificar instruções na página 40). conforme a figura: 61 . habilite sempre em Options. A posição da página deve ser centralizada. ceritfique-se que o papel está no formato correto do projeto.PostScripts . o Print Blank Pages.

e coloque na opção PostScript> Level 3.4) No menu Marks and Bleed. não esqueça de solicitar o download completo das fontes. Siga as demais instruções da tela abaixo: 6) Em Graphics. 5) Em Output. habilite SEMPRE as marcas de corte e sangria. habilite somente: Composite CMYK. para que nosso RIP interprete corretamente o arquivo. 7) Siga as especificações baixo para gerenciamento de cores: 62 . garantindo assim que seu trabalho será refilado exatamente onde especificou.

Dependendo do tamanho. Para criar um arquivo PDF é necessário destilar o arquivo PostScript originário com o Software Acrobat Distiller 6. pronto.ps já está pronto. a opção High Resolution. seu arquivo . clique na opção PRINTER no final do menu acima. em poucos minutos é possível ter um arquivo PDF tão seguro quanto o arquivo PostScript originário.pdf. 5) O seu arquivo já está quase pronto. 63 . ela determinará a resolução de saída de suas imagens e gráficos. basta destilar para gerar um . verificando se ele está realmente correto. ARQUIVOS PDF PDF é um formato de arquivo mais avançado do que o PostScript. 6) Aparecerá uma janela para que nomeie seu arquivo e escolha o local de destino.4) Em Advanced. pode ser visualizado. com a vantagem de poder visualizá-lo.0 da Adobe. uma vez que. escolha Save PDF as PostScript. além de conter inclusas as fontes e as imagens. Todo arquivo PDF tem a extensão . e no menu PDF (conforme a figura a seguir). SEMPRE deixe habilitado em Tranparency Flattener.pdf.

seja em plataforma Mac ou PC. clique em Save as (Salvar como). Como o Acrobat Distiller é exatamente igual em plataforma Mac ou PC. escreva o nome do arquivo final em . Clique em Open (Abrir). pois esse software pode entrar em conflito com os drivers de nossas impressoras. o arquivo PDF gerado também será salvo no Desktop. sendo uma forma mais simplificada de PDF . proceda da seguinte maneira: 1) Em File (Arquivo). Caso o arquivo seja destilado com outra configuração de Job Option não garantimos que o PDF gerado será aceito pelo nosso sistema. padrão internacional ISO.pdf e clique em Save. 2) Surgirá uma tela. Não recomendamos o uso do PDFWriter para gerar arquivos PDF.pdf final criado e salvo no local indicado. Caso deseje que o arquivo PDF gerado seja salvo em outro diretório que não aquele em que se encontra o PostScript originário. que irá auto- 64 . é necessário instalar o Software Acrobat Distiller que vem junto com o Acrobat. a ser utilizado na criação do PDF. podendo vir a ser rejeitado em nosso processo de Preflight. anexando o arquivo PDF criado no mesmo diretório do arquivo PostScript originário. conforme a tela abaixo: maticamente destilar o arquivo PostScript. Ou seja. caso o arquivo PostScript esteja salvo no Desktop do seu computador. Agora. em vez de arrastar o arquivo PostScript para dentro da janela aberta do Acrobat Distiller.Como gerar um arquivo PDF ideal para o nosso sistema • Primeiramente. assinale Open (Abrir) e localize o arquivo a ser destilado. O PDFWriter é usado para criar PDF de cartas e memorandos sem imagens. arraste o ícone do arquivo PostScript que deseja destilar para a tela aberta do Acrobat Distiller. não originando um arquivo PDF de boa qualidade.pdf: 3) Localize o diretório em que deseja salvar o arquivo em . • O segundo passo é selecionar a opção de tarefa PDFX1a. da Adobe. 4) O resultado será o arquivo .

o prazo de entrega do relatório de Preflight é de 7 dias. imagens. etc. antes mesmo do envio para a gráfica. O processo de Preflight foi desenvolvido para revelar problemas nos arquivos eletrônicos que possam ocasionar entraves na Pré-Impressão. o Preflight pode encontrar uma série de obstáculos associados à preparação do arquivo. o objetivo do Preflight é ter a certeza de que os arquivos recebidos pela pré-impressão digital estão em condições de entrar em produção. O objetivo da RR Donnelley é fazer o Preflight no prazo de 48 horas após o recebimento do arquivo final dos clientes. verificando se todas possuem uma resolução maior do que 260dpi e se foram devidamente anexadas e embebidas. fontes. Para teste de arquivos ainda em editoração. lombada. Pontos checados durante o processo de Preflight 1) Checagem dos dados constantes da OP (Ordem de Produção) que acompanha o arquivo. Os dados observados são: formato do miolo. para verificar se o arquivo corresponde ao descrito na OP. Apesar de não prevenir todos os problemas potenciais associados à saída dos arquivos digitais. mesmo que o livro não esteja totalmente editado. 3) Confirmação de que as fontes foram devidamente anexadas ou embebidas e subsetadas (no caso de arquivos em PDF). que poderá estar em aplicativo. 7) Verificação do tamanho das menores fontes utilizadas. CMYK ou cores especiais). Outra opção é enviar um capítulo para teste. contribuindo para o cumprimento do prazo de entrega. nome do livro. 5) Verificação da sangria e se ela está com 5 mm. dependendo do trabalho. como sangria. O melhor Preflight é o feito ainda no cliente. número de páginas. Na verdade. 8) Busca de detalhes adicionais. 6) Identificação das páginas em branco. cores. 4) Checagem quanto a resolução das imagens. Preflight significa "antes de voar". 2) Identificação do formato do arquivo. da guarda e da capa. cores (Número de cores. o Preflight permite ganho de tempo na solução de questões detectadas em etapas mais avançadas do processo. para verificar se não haverá nenhum problema de produção gráfica. Como uma etapa entre o ato de aceitar o arquivo e o de processá-lo.Preflight Traduzindo ao pé da letra. formato. PostScript ou PDF. 67 .

O Preflight tem como resultado um relatório dos pontos observados.O processo de Preflight não inclui o julgamento artístico do trabalho. com recomendações. Enviado ao setor de atendimento ao cliente. ele é levado ao conhecimento do cliente. Veja Abaixo o Processo de trabalho interno da PréImpressão Digital: ANÁLISE DO ARQUIVO RELATÓRIO DE PREFLIGHT PASSOU IMPOSIÇÃO E PROVAS NÃO PASSOU CHEGOU O ARQUIVO AGUARDAR NOVO ARQUIVO DO CLIENTE PROVAS COM ALTERAÇÕES O CLIENTE ANALISA AS PROVAS PROVAS APROVADAS SÃO GRAVADAS AS CHAPAS 68 . Mesmo nos casos em que tudo esteja perfeito nos arquivos recebidos. Não é atribuição do operador de Preflight procurar por elementos de design pobremente escolhidos. neste caso enviado junto com as provas. palavras escritas erradas ou marcas de pontuação incorreta. o cliente recebe um relatório de Preflight.

o cliente poderá enviar apenas os arquivos em PDF. sendo fácil e rápida a correção de qualquer erro encontrado nessa etapa. arquivo ser enviado para a gráfica. o ideal é que o próprio cliente transforme o arquivo em PDF e gere provas impressas desse arquivo. no Preflight. As ferramentas utilizadas para checar os possíveis problemas ainda estão engatinhando. Após alguns arquivos enviados em PDF com sucesso no Preflight. muitos poucos clientes estão familiarizados com esse tipo de arquivo. Como fazer o seu próprio Preflight? Basta seguir o Check List decrito no capítulo "Check List para preparar um arquivo".Erros mais comuns encontrados no Preflight • Não existência de um documento explicando a ordem dos arquivos para a construção do livro • Nome de cores incorreto • Cores especiais Spot não configuradas como Spot • Cores CMYK configuradas como Spot • Imagens em RGB • Texto em 4 cores. vários erros encontrados em um arquivo PDF são originados no próprio processo de transformação do arquivo aplicativo em arquivo PDF. Porém. uma vez que pequenos ajustes normalmente são feitos antes do 69 . Assim. em várias pastas diferentes • Imagens iguais com nomes diferentes e imagens diferentes com nomes iguais. como nada é perfeito. sem riscos de erro por parte da gráfica. o que significará fazer um Preflight no arquivo antes mesmo de enviá-lo para a gráfica. passou por um pequeno Preflight ainda no cliente. nos lugares em que essas páginas deveriam estar. assegurando que tudo se encontra conforme o desejado. O Preflight não é uma pílula mágica que cura tudo. As ferramentas de Preflight têm que ser configuradas para fluxos de trabalhos específicos e os operadores de Preflight precisam ser treinados para Preflight de arquivos em PDF O arquivo PDF possui todas as imagens e fontes devidamente embebidas. estaremos aptos a efetuar as correções necessárias. recomendamos que os clientes inseguros quanto a esse novo formato de arquivo. do arquivo com relação a sua capacidade de ser impresso com qualidade e idoniedade. Assim. Porém. Quando é encontrado um erro no arquivo PDF. podendo ser visualizado antes de ser inserido em nosso sistema. O processo de Preflight é uma combinação da utilização de softwares específicos e da checagem manual. a alteração tem que ser feita pelo cliente. enviem também uma cópia dos arquivos originais em aplicativo. quando deveria ser somente preto (Black) • Sangria insuficiente ou completamente ausente • Formato diferente do descrito na Ordem de Produção • Marcas de Registro invadindo a área de sangria • Fontes não enviadas ou não embebidas • Várias fontes iguais enviadas em diferentes pastas • Envio desnecessário de fontes não utilizadas no livro • Imagens repetidas. confundindo o link das mesmas • Imagens com resolução inferior a 260dpi • Não inclusão de páginas em branco no arquivo. pelo designer que o conhece profundamente. Isso deixa para a gráfica a análise. Muitas vezes esses arquivos apresentam problemas mais complexos. Quando gerado. Dessa maneira. para evitar erros de associação de imagens e fontes.

ter bom conhecimento sobre os softwares utilizados para a construção dos arquivos. É óbvio que não existe perfeição e erros vão passar pelo Preflight sem ser detectados. Mas o objetivo é aprender com cada erro e incluí-lo em nosso check list de Preflight. deve conhecer bem PageMaker. que julgávamos superados. Estaremos utilizando todos os métodos indicados para detectar e resolver os problemas.avaliar e sanar os problemas detectados com essas ferramentas. vale o lembrete: com as novas características dos atuais designs de páginas e das mais avançadas ferramentas de composição. Resumindo. atualização constante quanto a novos softwares. também. ainda. os problemas só podem ser detectados em um processo manual lento e difícil. até mesmo. Precisa. para ajudar o cliente a ganhar tempo e para minimizar os erros de produção. Saber inglês é um pré-requisito. estar familiarizado com hardware e software de computadores Macintosh e PC. surgem problemas desconhecidos ou. QuarkXpress e Acrobat. Em alguns casos. para acelerar o processo de produção e proporcionar produtos com maior qualidade para os leitores e clientes. uma vez que a maioria dos softwares utilizam esse idioma. No nosso caso. conhecer bem nosso sistema de trabalho para avaliar como o arquivo se comportará durante todo o processo de produção de chapas via CTP. Como é o perfil de um analista de Preflight? Um analista de Preflight deve conhecer profundamente o processo gráfico. a pessoa que se responsabiliza pelo relatório de Preflight deve saber o máximo possível. Deve. pelo menos pela primeira vez. novas versões. aos problemas encontrados na produção que possam ser detectados no Preflight. Mas. 70 . são reeditados problemas antigos.

71 .

.

aprovando ou corrigindo os problemas. A resolução dessas provas será de cerca de 600dpi. Para garantir que imposicionamos o arquivo corretamente. a página imposicionada. Não faremos alteração de conteúdo nos arquivos recebidos e não nos responsabilizamos por atraso na entrega das provas. iniciamos com o processo de produção. 2) Folhas soltas coloridas . O objetivo não é fornecer provas para correção de texto. se a linha de corte foi determinada com o tamanho exato e se os elementos existentes em cada página são os desejados pelo cliente. Em nossa pré-impressão digital estamos preparados para providenciar os seguintes tipos de provas: TIPOS DE PROVAS Provas em folhas soltas 1) Folhas soltas em preto e branco – Podem ser impressas em papéis de formatos A3. Caso haja a necessidade de alguma alteração de conteúdo. e terá uma 73 . etc. o cliente deve fornecer a página devidamente corrigida. para devidas correções e liberação de gravação de chapas via CTP. Nesses casos as provas serão feitas na plotter. Após a assinatura do cliente. Produzidas em impressoras à laser. após ter recebido as mesmas. observações da parte artística. pois o maior formato aceito pelas impressoras é o A3. são enviadas ao cliente quando o livro for de apenas uma cor (Cor Especial ou CMYK). com toner preto. com quatro cores de toner. a sangria. Provas em folhas soltas são utilizadas para que o cliente verifique o tamanho das páginas. Existem diversos tipos de provas no mercado. uma vez que o prazo total de produção gráfica de um livro somente inclui 1 dia para que o cliente nos devolva as provas assinadas. Produzidas em impressoras à laser. * Livros cujo formato seja maior do que 25 x 38. as provas são enviadas para a gráfica.Provas Após a aprovação dos arquivos pelo Preflight. juntamente com as provas assinadas. A4 ou Carta. A resolução dessas provas será de cerca de 300dpi.Podem ser impressas em papéis de formatos A3. o conteúdo das páginas e sua ordem no livro e a localização das páginas em branco. A4 ou Carta. A intenção das provas é mostrar ao cliente se as páginas estão na ordem correta. que consiste em imposicionar o arquivo de acordo com os cadernos determinados. O cliente deve assinar cada página de prova. enviamos para o cliente uma prova dos arquivos imposicionados. a linha de sangria. Em cada página de prova em folha solta será mostrada a linha de corte.5 cm não podem originar provas em folhas soltas. são enviadas ao cliente quando o livro for de mais de uma cor.

Para produzir esse tipo de prova utilizaremos uma Plotter jato de tinta colorida. devendo ser assinado e datado pelo cliente. para verificação das linhas de corte. Uma das folhas será carimbada e devidamente assinada e datada pelo cliente. devendo ser assinado e datado pelo cliente. Capa As capas também serão cortadas em um tamanho um pouco maior. desde que seja menor do que 79 x 103 cm. Esse tipo de prova também poderá ser fornecida ao cliente. seu conteúdo. com a mesma sensação oferecida pela prova Heliográfica. O verso da sobrecapa será carimbado. Sem a assinatura do cliente em todas as provas não será dado prosseguimento à gravação das chapas. marcas de lombada e dobra. conforme as necessidades do arquivo. Sobrecapa As sobrecapas também serão cortadas em um tamanho um pouco maior. número da OP (Ordem de Produção). a rubrica da pessoa que verificou as provas antes de liberar para o cliente e dois espaços em branco. São enviadas ao cliente no caso de provas de livros maiores do que 25 x 38. Provas em forma de caderno em tamanho real são utilizadas para que o cliente verifique o tamanho das páginas. sangria. Ainda nessa legenda constará a data e a hora em que as provas foram enviadas para impressão. Provas em forma de cadernos 1) Provas em Tamanho Real Essas provas podem ser impressas em qualquer formato. isto é. para verificação das linhas de corte. também. O verso da guarda será carimbado. a ordem das páginas no livro e a localização das páginas em branco. porém essa prova será colorida com as cores do arquivo. devendo ser assinado e datado pelo cliente. Guarda As guardas simplesmente serão cortadas em um tamanho um pouco maior. número da página imposicionada e nome da página em nosso sistema. Haverá. com correção ou reprovada. Miolo Cada caderno impresso será devidamente cortado e montado como se fosse o livro final. marcas de lombada e dobra. sendo semelhante 74 . O verso da capa será carimbado. A resolução dessas provas pode ser de 360dpi ou de 720dpi. para prosseguimento do processo.5 cm. para verificação das linhas de corte. para prosseguimento do processo. para prosseguimento do processo. capas e sobrecapas.legenda com o nome do trabalho. Veja um exemplo dessa prova abaixo: à prova Heliográfica. em forma de cadernos reais. para que o cliente assine e date. guardas. sangria. três quadrados nos quais o cliente determinará se a prova foi aprovada sem correção. para que possamos prosseguir com o processo.

uma prova virtual de um caderno frente e verso para conferir se as páginas estão corretamente localizadas. isso é. Os arquivos podem ser visualisados com todas as suas cores e permite ir subtraindo cada uma delas. caso ocorra alguma variação de registro. 1. operadores da CTP.400dpi para verificar se serão gravados corretamente nas chapas.o que evitará o surgimento de filete branco entre elementos de cores diferentes. com 100% Black e 40% Cyan. como o Trapping existente no arquivo. isto é. frente e verso.400dpi. uma no verso da outra. 300dpi. Esse tipo de prova pode ser fornecido ao cliente. Permite observar detalhes com até 2. visualizadas apenas na tela do computador com resoluções de 72dpi. 2) Provas em Tamanho Reduzido ( Mock Up ) Essas provas podem ser impressas em papéis de formatos A3. Outra possibilidade é o Back Up das páginas.200dpi e até com 2. Para produzir esse tipo de prova utilizaremos impressoras à laser.Sem a assinatura do cliente em todas as provas não podemos dar prosseguimento à gravação das chapas. sangria e outros dados. Essas miniaturas de cadernos servem como guia para visualização de cada caderno. As provas virtuais podem ser: 1) Prova virtual de uma única página Visualização em tela de uma página do arquivo. conferindo o efeito proporcionado. Provas Virtuais (sem papel) Trabalhamos com um software que possibilita a geração de provas virtuais. A4 ou Carta. 600dpi. confirmando se as cores estão devidamente configuradas . Normalmente não são enviadas ao cliente. preta e branca e/ou coloridas. A resolução dessas provas pode variar de 300dpi a 600dpi. impressores e funcionários do acabamento. conforme as necessidades do arquivo. sendo utilizadas internamente pelos responsáveis 75 . já imposicionada. Veja um exemplo de uma prova de capa abaixo: pela imposição dos arquivos. é possível verificar tanto um fundo que esteja com preto rico. Possibilita verificar margens. Desta forma.

o que aceleraria muito o processo. estamos envolvidos em projeto que visa ao desenvolvimento de um método de envio de provas virtuais para aprovação dos clientes. com um recurso de zoom tão eficiente que permite a visualização dos pontos a serem produzidos pelo laser na CTP. Caso haja interesse nesse tipo de prova. Juntamente com outras gráficas da Donnelley. sangria e outros dados. além de possibilitar a visualização em alta resolução. Utilizamos as provas virtuais durante todo o nosso processo de pré-impressão digital. cor a cor. alguns clientes estarão sendo convidados a participar desse projeto.ficando seguros de que está tudo pronto para a geração das chapas. A desvantagem da prova virtual é que as pessoas ainda não confiam nesse tipo de prova. verificação de margens. são geradas provas virtuais de páginas que apresentem algum problema ou que gostaríamos de analisar mais profundamente.2) Prova virtual em forma de cadernos Visualização em tela de um caderno inteiro.400dpi para verificar se serão gravados corretamente nas chapas. com todas as páginas do arquivo já imposicionadas. Permite observar detalhes com até 2. os operadores de CTP podem verificar as provas virtuais de cada caderno. frente e verso. Assim. Possibilita verificar margens. Com as páginas já imposicionadas e anteriormente à geração de provas em papel (à laser ou em plotter). Durante o Preflight. 76 . A vantagem da prova virtual é que não incorre em nenhum gasto de insumo. Dentro de alguns meses. cores e trapping. favor entrar em contato com o suporte técnico da pré-impressão digital pelo e-mail brctp@rrd.com. são tiradas provas virtuais dos cadernos para *Os tipos de provas virtuais acima descritos podem ser utilizados para provas de arquivos compostos ou para provas das separações que serão originadas quando as chapas forem gravadas. antes de gerar as chapas.

das tintas e do acerto de máquina de cada impressora que utilizamos. uma vez que o processo digital é realmente muito mais rápido do que o convencional. à medida que aumenta o número de cores por página. com as tintas a serem utilizadas. a única prova de cor realmente fiel ao que será impresso é aquela gerada na própria máquina impressora. Isso seria muito oneroso. para garantir que a cor final do seu trabalho seja a desejada. O maior desafio é a geração de uma prova de cor realmente fiel ao que será impresso nas máquinas impressoras. e relembrando o assunto cores no capítulo Conteúdo dos Arquivos. Seja como for. recomendamos que venha fazer a aprovação da cor durante a impressão real de cada caderno. Na verdade. não sendo viável nem para a gráfica e nem para o cliente. Estamos desenvolvendo um trabalho que tornará possível provas de cor em nossa plotter. Para tanto. os equipamentos estão sendo calibrados de acordo com a realidade do papel. É um processo lento e sensível. além de configurar corretamente as cores em seu arquivo. 77 . juntamente com o impressor responsável. qualquer outra prova de cor deve ser analisada como uma idéia aproximada do que aparecerá quando impresso.Provas de cor A pré-impressão digital apresenta grandes vantagens para produtos gráficos coloridos. porém necessário para aqueles que precisam ter uma boa idéia da cor final das páginas impressas. o mesmo papel e com o acerto de máquina que será feito no trabalho real. Sendo assim.

.

além da separação eletrônica de cores. dependendo das características do equipamento. ou uma superfície chapada. Definição de Pontos A tecnologia CTP proporciona melhor nitidez de detalhes. existe um dispositivo na Trendsetter que identifica as margens da chapa. não conseguimos mais distinguir os pontos. permitindo verificar a presença de pontos em imagens com até 98% de retícula. outros mais lentos. sem pontos.400dpi em uma prova virtual será gravado. Existem modelos mais velozes. Utilizando a tecnologia Computer To Plate (CTP). quando solicitada a gravação das chapas. mesmo se as chapas forem produzidas em dias diferentes! Isso porque. gravando pontos mais bem definidos e com resolução bem maior do que a das chapas geradas pelo processo convencional. Registro A sobreposição das cores no material impresso (registro) é perfeita em todas as chapas. a Trendsetter grava chapas térmicas com o laser existente dentro dela. A tecnologia tem avançado tão rapidamente que o tempo de gravação não é considerado o grande problema. iniciando a gravação da imagem a partir da mesma distância da borda da chapa.Saída para a chapa Finalmente estamos prontos para gerar as chapas diretamente do computador. após 95% de retícula. Tudo o que pode ser observado a uma resolução de 2. Separação de cores Feita eletronicamente. Pontos gravados pela Trendsetter em chapas térmicas A maior vantagem desse novo processo é que as chapas geradas não possuem variação no tamanho dos pontos gravados. que utiliza filme. pela Trendsetter na chapa. Nas chapas gravadas pelo processo convencional. enxergando o material como 100%. Para isso possuímos uma máquina chamada Trendsetter. Tempo de gravação de chapas O tempo de gravação das chapas com a Trendsetter varia muito. que converte os dados digitais em pontos a serem gravados na chapa. sendo que em nosso caso ele tem a duração de cerca de 5 minutos por chapa. devido à grande precisão do laser e a característica dos pontos que ele origina na chapa térmica. diferentemente do processo convencional. Isto facilita muito o trabalho do impressor. sem a interferência do homem. com precisão. 79 . para todas as chapas. pois o laser ou grava um ponto ou não grava.

com interferência mínima do homem. • Menos gasto de papel. sendo bem mais saudável para o meio ambiente. implantamos o manuseio das chapas com luvas. a velocidade e a temperatura de revelação. Processo de revelação e queima no forno Este processo depende do tipo de chapa utilizada. • Maior dependência do suporte e dos fornecedores da Trendsetter e do sistema que a gerencia. porém não difere muito do processo convencional de queima e revelação das chapas. • Necessidade de mão de obra mais especializada. a chapa gravada pela Trendsetter não possui sujeira. dos equipamentos e softwares. Vantagens e desvantagens da tecnologia CTP Vantagens • Menor tempo no processo total. Mesmo assim. • Tempo zero de limpeza e preparação das chapas antes de sua colocação nas máquinas impressoras. As únicas variáveis são: o revelador ideal específico para cada chapa. 80 . Desvantagens • Custo alto da máquina Trendsetter.Sujeira Como no processo CTP todo o trabalho realizado até a gravação da chapa é feito no computador. cara e indisponível no mercado. a velocidade e a temperatura de queima no forno. tinta e tempo para o acerto do registro nas máquinas impressoras. • Processo que envolve muito menos produtos químicos. do momento em que o arquivo está totalmente editorado até o momento em que as chapas são gravadas.

81 .

.

e não definido como 4 cores? 22) Imprimir e anexar documento contendo os dados de margem de corte final.Check List para preparar um arquivo Você lembrou de: 1) Etiquetar os CDs. incluindo a sangria? 8) Adicionar as sangrias necessárias com 5mm? 9) Apagar todas as páginas desnecessárias? 10) Incluir todas as páginas em branco existentes no produto final? 11) Incluir todos os arquivos em aplicativos. verificando as cores de processo e as cores spot? 19) Converter todas as imagens RGB em CMYK? 20) Verificar se o documento está com as cores compostas? Lembre-se de que não serão aceitos arquivos com separação de cores. mídias que estão sendo enviadas com o nome da empresa e do trabalho? 2) Dar um único nome para cada arquivo? 3) Criar as páginas do documento em uma ordem sequencial lógica? 4) Incluir provas em papel do trabalho que está enviando? 5) Enviar provas de cores? 6) Verificar todas as instruções especiais? 7) Construir documentos com páginas de tamanho igual ao tamanho final do trabalho. PostScript e/ou PDF? 12) Incluir todas as fontes de tela e de impressão utilizadas nos arquivos enviados em uma única pasta chama “fontes” (e não em várias pastas de fontes com fontes duplicadas)? 13) Incluir todas as imagens TIFF e/ou EPS utilizadas nos arquivos? 14) Incluir todas as imagens utilizadas no arquivo? 15) Verificar se todas as imagens utilizadas e anexadas estão em alta resolução. Zips. maiores do que 260 dpi? 16) Anexar o código de barras do ISBN em seu arquivo? 17) Listar em um documento (ou arquivo) a ser anexado todas as imagens deixadas de propósito em baixa resolução (menores do que 260 dpi)? 18) Definir as cores corretamente e com consistência. cores utilizadas no documento e listagem das imagens e dos arquivos que está enviando? 83 . 21) Verificar se o texto está realmente em uma ou duas cores.

82 .

conforme avaliação prévia do nosso Suporte Técnico. Em breve.com. Apenas solicitamos a gentileza de que somente utilizem esse recurso após a leitura completa do manual técnico. Esclarecimentos de dúvidas poderão ser solicitados via e-mail brctp@rrd.br A RR Donnelley tem um grande interesse em auxiliar seus clientes a fornecer arquivos no formato PDF e está implementando um programa de treinamento para orientar quanto a melhor forma de transformar arquivos em PDF. é muito menor do que o PostScript e pode ser visualizado pelo cliente antes de ser enviado para a Gráfica. Nosso Suporte Técnico em Pré-Impressão Digital também pode ser acionado pelo telefone 0800-7714989.Formas de obter suporte técnico da RR Donnelley América Latina Esse manual é a nossa primeira fonte de Suporte Técnico para aqueles que estarão utilizando os serviços da PréImpressão Digital da RR Donnelley. uma versão on line do manual estará sendo disponibilizada em nosso site www. O objetivo é evitar desperdício de tempo com verificação de fontes e links de imagens.com. Os interessados em nosso treinamento devem enviar um e-mail para brctp@rrd.rrdbrasil. Estamos aguardando seu arquivo! 85 . ainda. e . evitar correr riscos com alterações acidentais de arquivos. O arquivo em PDF já contêm as fontes e as imagens embebidas.com . Esse treinamento será realizado tanto nas instalações da RR Donnelley quanto no próprio cliente. Bom trabalho.

.

Ilustrator e alguns drivers de impressão. Apple – Empresa que fabrica os computadores macintosh e o sistema operacional Mac OS. jornal. Capa Dura – Capa de um livro cartonado ou encadernado. BMP – Formato gráfico que pode ser dependente ou independente de aplicativos. onde o utilizador insere a informação necessária. revista etc. Check List – Lista utilizada para checar se não foi esquecido nenhum item ou passo necessário para uma certa operação. com aspecto rígido. Ângulo de Retícula – Ângulo no qual as retículas são posicionadas para proporcionar a melhor ilusão de tom. Capa – Cobertura de papel.Glossário Adobe – Empresa que fabrica softwares como o PageMaker. Chapas gravadas – Chapas que já possuem a imagem que deverá ser reproduzida no papel pelas impressoras offset. cartão. Background – Indica o que fica por detrás. nos sistemas de computação. último plano. Caderno – Folha de impressão depois de dobrada. Photoshop. Chapas – Peça de material flexível onde são gravadas as imagens destinadas à impressão offset. Arquivo fechado – Arquivo em formato PostScript. representando um dígito binário. BIT – A menor unidade de informação. Canoa – Processo de grampeamento em que o grampo é colocado no dorso do livro ou revista. que forma a parte externa do livro. Bitmap – Imagem gráfica computadorizada formada por pontos chamados pixels. Astralon – Base de Polivinil translúcido. 0 ou 1. Chapado – Refere-se a áreas que são completamente cobertas com tintas ou área que imprimem 100% de uma determinada cor. Back up – Cópia feita de arquivo digital. Aplicativo – Software utilizado para editoração eletrônica. Chromalin – prova colorida que simula resultados da 87 . Byte – Unidade de armazenamento de informação em computadores composta por oito bits. Arquivo – Conjunto de dados agrupados em uma unidade Arquivo Aberto – Arquivo em formato do software aplicativo que o originou. por medida de segurança. Caixa de Texto – Bloco dentro de uma caixa de diálogo. estável e não inflamável para montagem de filmes. ou formando partes de um livro. Brochura – Tipo de acabamento que se caracteriza por uma capa mole que envolve os cadernos ou livros. couro ou outro material.

Desktop Publishing (DTP) – Desenvolvimento em computador do projeto e da produção de arquivo eletrônico de matrizes para realização de impressos. Conta-fio – Trata-se de uma pequena lupa de bolso. as quais originarão uma terceira cor impressa. Código Digital – Linguagem utilizada pelos computadores para interpretar os dados inseridos em zeros e uns. tecnologia utilizada para a gravação de chapas sem a utilização de filme. com capacidade variável de 20 a 80 GB. Driver – Programa que faz um determinado equipamento funcionar. a atividade de planejamento e projeto relativos a linguagem visual. para a avaliação de resultados de impressão e de montagem de filmes. Debrum – Sangria para a dobra da capa dura ou capa flexível. Decalque – Transferência indesejada de tinta de uma folha impressa para outra. ilustrador. Contato – Profissional que representa a agência junto ao cliente. formato e posições padrões em aplicativos.0. CMYK – Sistema de composição de cores substrativas primárias usadas na impressão de mais de uma cor. Curva de Bézier – Caracteriza pela determinação de pontos de controle vetorial. Clichê – Placa de metal gravada cuja superfície apresenta em relevo e em sentido inverso a imagem original. Duotone – Processo de impressão a cores. utilizando-se duas cores primárias. CLUT – Um tipo de recurso que grava a cor de acordo com sua posição em uma tabela de 256 cores. Contracapa – Qualquer um dos lados internos da capa de uma publicação. DCS (Desktop Color Separation) – É um formato de arquivo que possui 5 partes. Dot – Ponto. Design – Termo utilizado para definir. Dpi (Dot per inch) – Pontos por polegada. como margens. Colofon – Indicação do nome do impressor. Dial Up – Método de conexão entre um computador e outro via discagem eletrônica. DLT – Fita magnética utilizada para armazenamento de dados eletrônicos. data. Default – Padrão. genericamente. Densidade – Medida de opacidade de um objeto transparente ou translúcido. Cores de Processo – Cores que são reproduzidas pela combinação das cores CMYK. Desenho a traço – Qualquer arte criada com linhas em uma cor absoluta. usualmente o preto. parada de tabulação. Medida de 0 a 4. CTP – Computer To Plate. computador para a chapa. feita através de um modem. Medida de resolução de uma imagem. Digital – Sistema de processamento baseado em dígitos. fontes tipográficas e etc. CorelDraw – Software utilizado para editoração eletrônica. materiais e processos utilizados. unidade periférica. atuando como elemento de ligação entre duas partes. utilizada para o desenho tipográfico digital. uma parte para cada uma das 4 cores CMYK e um arquivo mestre de baixa resolução para visualização e provas. Customizadas – Criadas especialmente para uma ocasião. diagramador. fora do padrão. Drive – Unidade de disco. dependendo do modelo da fita e da capacidade de compactação do driver.impressão a partir de fotolitos. etc. 88 .

Editar – Acrescentar, apagar ou modificar texto ou elementos gráficos. Editoração – Conjunto de tarefas como busca e seleção de originais, tradução, diagramação, organização, revisões e etc. Encadernação – Ação de encadernar, de unir cadernos que compõem uma publicação colando seus dorsos para mantê-los unidos, formando a lombada do livro, e costurálos ou grampeá-los, recobrindo-os com uma capa. EPS (Encapsulated PostScript) – Formato de arquivo usado para transferir imagens PostScript de um programa para outro. Escala de cores – Tabela impressa contendo diversas combinações de tonalidades de cores. Escala de gris – Escala de densidades de preto possíveis de ser obtidas por fotorreprodução. Escala Pantone de Cores – Marca registrada de um sistema largamente usado na identificação de cores para impressão. Escanear – Processo de obter uma imagem digital tendo como origem uma imagem em papel, ou filme, utilizandose um escaner, equipamento que faz essa tradução. Família – É um grupo de estilos para uma fonte particular. Folio – Número de página. Fonte – É uma coleção de símbolos que utilizamos para gravar as nossas palavras escritas, contém a descrição das características físicas das letras, ou seja, como elas devem ser desenhadas durante a impressão. Fontes de Impressão – Fontes utilizadas para imprimir, são fontes vetoriais. Fontes de Tela – Fontes utilizadas para a visualização em tela, são fontes bitmap. Fontes Embebidas – Fontes inseridas, anexadas, passando a ser parte integrante de um arquivo.

Fontes Subsetadas – São fontes que recebem um código específico tornando-a única quando sua interpretação. Utilizada para garantir que a fonte utilizada para imprimir um arquivo é a mesma fonte utilizada no momento da editoração do arquivo. Fotolito – Filme ou jogo de filmes que reproduz textos e ilustrações e serve de matriz para gravação de chapas destinadas a impressão pelo sistema offset. Fractal Design Painter – Software de design. Freehand – Software de ilustração fabricado pela Macromedia. FTP (File Transfer Protocol) – É um método de transferência de arquivos entre dois sites, por meio de uma conexão existente baseada em IP. GIF (Graphics Interchange Format) – Formato de arquivo compactado, com cor em 8-bit, desenvolvido pela Compuserve. Guarda – Papel dobrado ao meio e colado ao começo e ao fim de um livro encadernado, entre a capa e o miolo. Hardware – Termo que caracteriza as partes físicas de um computador, nas quais se podem tocar. Heliografia – Processo de decalque fotográfico de textos e desenhos a traço, utilizando para a reprodução de plantas, mapas, etc., em cópias heliográficas. Ícone – Representação gráfica de uma unidade de disco, um diretório, um aplicativo, um documento ou outro objeto que possa ser selecionado e acionado. Ilustrator – Software de ilustração fabricado pela Adobe Systems. Imagesetter – Equipamento utilizado para dar saída de imagens sobre fotolitos, partindo de arquivos digitais. Imagem – Representação visual das formas do mundo perceptível ou de formas imaginárias. Imposição – Processo de posicionamento das páginas, de

89

forma que sejam gravadas as imagens na chapa, as imagens serão impressas e o material impresso será dobrado para chegar ao seu formato final. Impressão digital – Impressão realizada diretamente a partir de arquivos digitais, sem necessidade de fotolitos. Impressora – Equipamento que traduz a informação digital em imagem no papel. IP (Internet Protocol) – Protocolo da Internet que define um tipo de endereçamento que identifica os computadores e redes. JPEG/JPG (Joint Photografic Experts Group) – Termo que se refere a padrão de compactação, com perda, próprio para imagens estáticas. Laminação – Acabamento de superfície habitualmente utilizado em capas de livros, revistas e folhetos. Consiste na aplicação de uma película plástica sobre a superfície impressa. Layout – Design, deve simular, da melhor forma possível, o produto final. Lineatura – A lineatura se refere ao número de linhas em uma polegada na vertical. Link direto – Ligação eletrônica direta, normalmente via linha telefônica, entre dois sites. Lombada – Lombo, dorso. É a parte que une a parte frontal da capa com a parte traseira. LPI (Lines per Inch) – Linhas por polegada. Unidade de medida de resolução específica para saídas de impressão. Mac – Abreviação de Macintosh. Macintosh – Computadores pessoais criados e produzidos pela Apple Computer. Máquina Impressora – Impressora Offset, a qual utiliza as chapas gravadas para transferir as imagens para o papel com a utilização de tinta e água. Marca de Corte – Marca que representa onde o impresso deve ser cortado ou dobrado.

Marca de Registro – Marca que são colocadas para o controle da sobreposição das cores impressas, nos filmes, nas montagens e na impressão. Meio tom – Escala das gradações de tonalidade intermediárias entre o branco e o preto, ou entre luzes e sombras. Mídia – Objeto utilizado para transportar e/ou armazenar dados eletrônicos. Miolo – Conjunto de páginas internas de uma publicação. Mock-up – Miniatura de um caderno, utilizado para visualizacão. Moiré (Moarê) – É causado pela confusão óptica entre os traços da retícula meio-tom e os pontos ou linhas contidos no original. Monocromia – Processo de impressão a uma só cor. Montagem – Disposição das páginas na posição correta para ser usada na confecção das chapas de impressão. Offset – A chapa instalada em um dos cilindros da máquina impressora, transfere a imagem para um outro cilindro revestido de borracha que finalmente imprime na folha de papel. Overprint – Técnica de pré-impressão que utiliza a sobreposição de cores na impressão - imprimir sobre áreas já impressas. PageMaker – Software de editoração eletrônica produzido pela Adobe Systems. Paginação – Ação de paginar, ordenar as páginas. PANTONE – Padrão de cores muito utilizado em artes gráficas como referência para impressão. PC (Personal Computer) – Computador pessoal com o sistema operacional Windows. PCX – Formato de imagem para PC, normalmente em baixa resolução.

90

PDF (Portable Document Format) – Formato de arquivo utilizado no Acrobat, programa de formatação de página para visualização. PDFWriter – Software que escreve arquivos em formato PDF. Photoshop – Software de manipulação de imagens fabricado pela Adobe Systems. PICT – Formato de arquivo que armazena imagens em formato vetorial. Pixels – Abreviação de picture element. Elemento mínimo utilizado por hardware e softwares, para construção de imagens e letras. Plataforma – Tipo de computador, as mais comuns são Macintosh e PC. Platesetter – Equipamento que funciona com a tecnologia CTP, máquina que recebe as informações eletrônicas e as transfere para a chapa. Plotter – Dispositivo que traça imagens a partir de arquivos digitais. PPD – É um arquivo-texto específico para impressoras, que conversa com ela de forma específica. PostScript – Linguagem de descrição de páginas, fontes, gráficos e imagens desenvolvida pela Adobe System. PostScript level 1, 2 e 3 – Diferentes níveis de PostScript, quanto maior o número mais desenvolvida é a linguagem PostScript, sendo necessário um equipamento de saída que aceite essa linguagem e o nível específico. Preflight – Antes de voar, análise do arquivo antes de enviá-lo para a impressão. Preview – Uma visualização prévia de um arquivo. Prinergy Refiner – PPD ideal para a criação de arquivos PostScript para o nosso sistema. Printer Fonts – Fontes de Impressão. Processo Convencional – Processo de pré-impressão

com a utilização de fotolitos. Programa Aplicativo – Programa, software utilizado para a criação dos arquivos, como PageMaker, QuarkXpress e outros. Provas – Página impressa, cópia do arquivo em forma impressa, para identificação de erros e eventual correção antes da impressão, simulando o resultado final. Quark – Abreviação da QuarkXpress. QuarkXpress – Software de editoração eletrônica fabricado pela Quark. Refile – Ato ou efeito de refilar, o mesmo que corte. Registro – Registro de cores, perfeito encaixe de diferentes impressões. Resolução – Grau de nitidez de uma imagem impressa ou exibida. Quanto maior a resolução de uma imagem, melhor é sua visualização em tela ou na impressão. Resolução efetiva – Resolução da imagem existente no arquivo em sua forma final. Retícula – Rede de pontos que se usa em offset para a reprodução de originais e meio-tom. Produzem, por ilusão de óptica, o efeito das tonalidades intermediárias. RGB – Red, Green, Blue. Vermelho, Verde e Azul. Sistema de cores utilizado pelos monitores dos computadores e pelas televisões. RIP (Raster Image Processor) – Um equipamento que converte informação de computador em pontos eletrônicos para uma imagesetter ou platesetter poder reproduzir esses pontos. Sangria – Área que se extende além da margem a ser refilada, cortada. Utilizada principalmente para fotografias, ilustrações ou áreas de cor. Scitex CT (Continuous Tone) – Formato de imagem de multicanal desenvolvido pela Scitex. Scitex LW (Linework) – Formato bitmap de alta resolução, criado pela Scitex.

91

92 . Superfície Chapada – Superfície sem pontos. Trendsetter – Equipamento que funciona com a tecnologia CTP. mediante fios de aço ou discos rotativos. TrueType – Linguagem para descrição de fontes criada pela Apple Computer. Software – Programa de computador. Trapping – Técnica de pré-impressão que utiliza a sobreposição de cores na periferia de imagens justapostas. Spot Color – Cor Especial. garantindo registro na impressão. WMF (Windows Metafile Format) – Formato de imagem bitmap de baixa resolução para a interface Windows. Sobrecapa – Cobertura móvel de papel ou outro material flexível que envolve e protege a capa de um livro encadernado. máquina que recebe as informações eletrônicas e as transfere para a chapa.Screen fonts – Fontes de Tela. em cartolina ou cartão. Seixa – Sobra Separação de cores – Técnica de decomposição de uma imagem original em duas ou mais cores. Suitcase – Mala. TIFF (Tagged Image File Format) – Formato de arquivo bitmap de imagem preto e branco ou colorida. com 100% de sua área coberta com tinta. Type 1 – Fonte PostScript. Vincar – Produzir por pressão. Sistema Operacional – Software que controla o computador e os outros programas. dividida em fontes de tela e fonte de impressão. também adotada para plataforma Windows. vincos destinados a faci-litar sua dobra. Setup – Configuração.

APPLE COMPUTER DROPSTUFF.7 INSTALLER ENGLISH.2 UNIVERSAL INSTALLER ENGLISH.Crédito das Capas Utilizadas como exemplos O LIVRO DA GRÁFICA.ADOBE 1. EDITORA SARAIVA A POESIA .DEUS CONOSCO. ADOBE SYSTEMS QUARKXPRESS 6. DONNELLEY COCHRANE E RIPASA. ALADDIN SYSTEMS WINDOWS 2000. VALER EDITORA CRUZANDO O YUKON. MANDARIM EDITORA SOPRANDO AS VELAS . CREO PRODUCTS PAGEMAKER 6. Referências MAC OS X. ADOBE SYSTEMS ADOBE POSTSCRIPT PRINTER DRIVER .AUTO-AJUDA PARA TURISTAS.COMO FUNCIONA.0. EDITORA MODERNA O DRAGÃO COMILÃO. EDITORA ALEGRO VIAJE NA VIAGEM .LIVRO DO PROFESSOR.5. MICROSOFT CORPORATION WINZIP. ADOBE SYSTEMS ADOBE POSTSCRIPT DRIVER . HEWLETT PACKARD COMPANY .5. YATCH CLUB SANTO AMARO ASES DA CAPA.YCSA . ADOBE SYSTEMS PRINERGY REFINER PPD.ADOBEPS 8. EDITORA SCIPIONE NOS CAMINHOS DA FÉ .70 ANOS. WINZIP COMPUTING ADOBE INDESIGN CS2. MIS. SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA. QUARK HP8550 DRIVER. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. HAMBURG GRÁFICA EDITORA ENCONTRO E REENCONTRO EM LÍNGUA PORTUGUESA 5A SÉRIE .

.

Silvestrin Denis C. Silvestrin . Pinheiro Marcelo Milani Marcelo Luís F. Lima Marcelo Farabotto Lenizio de Abreu Júlio Matos José Martins Iara S. Freitas Maria da P. Mendes Cleiton C. Maia Fabio Gabriel Edilson Silva Denis C. Oliveira Daniela G. Mendes Produção Gráfica Equipe Pré-Impressão Digital Projeto Gráfico Global Market Stella Ramenzoni Fotografia Equipe Pré-Impressão Digital Participantes Sérgio Ricardo Barros Roberto G. Carvalho Rafael Antonio Paulo R. Turci Paulo Gonçalves Mauro M. Silva Rafael de S. da Conceição Hamilton Cevada Fernando A.EQUIPE DE REALIZAÇÃO Premedia Daniela G. Razzano Cláudio Duarte Ana Lúcia D.

impressa pela RR Donnelley em papel couché mate 90g/m2 e capa flexível em papel cartão 250g/m2 em março de 2008. . pré-impressão digital com tecnologia CTP.Esta obra foi composta em Garamond e em Stone.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful