Você está na página 1de 270

RESUMO

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS
ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A
FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

DISSERTAÇÃO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA DE ESTRUTURAS

OUTUBRO DE 2008

ORIENTADOR: PROF. NUNO SILVESTRE


CO-ORIENTADOR: PROF. DINAR CAMOTIM

LICENCIADO: HUGO VERÍSSIMO

i
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

ii
UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA
INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS
ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO
DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

HUGO ALEXANDRE GONÇALVES VERÍSSIMO


(LICENCIADO)

Dissertação para obtenção do grau de


Mestre em Engenharia de Estruturas

Orientador: Doutor Nuno Miguel Rosa Pereira Silvestre


Co-Orientador: Doutor Dinar Reis Zamith Camotim

Júri:
Presidente: Doutor Dinar Reis Zamith Camotim
Vogais: Doutor João Carlos Gomes Rocha de Almeida
Doutor João Carlos de Oliveira Fernandes de Almeida
Doutor Nuno Miguel Rosa Pereira Silvestre

OUTUBRO DE 2008
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

122
RESUMO

VERÍSSIMO, HUGO: “Dimensionamento de elementos estruturais de aço enformados a


frio de acordo com o Eurocódigo 3”. Lisboa, 2007 – Dissertação de mestrado – Instituto
Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa

RESUMO

Este trabalho versa sobre a análise e dimensionamento de estruturas de aço enformadas a frio,
ou estruturas de “aço leve” como frequentemente são designadas. Em virtude de serem
estruturas muito esbeltas, tanto do ponto de vista local (das secções) como global (das barras),
as estruturas de aço enformadas a frio são muito susceptíveis a fenómenos de instabilidade. Do
ponto de vista regulamentar, o Eurocódigo 3 permite tratar este tipo de estruturas recorrendo às
Partes 1-1, 1-3 e 1-5, cuja compreensão e inter-ligação das suas disposições nem sempre é a
mais fácil e adequada. Desta forma, o presente trabalho tem como principais objectivos
(i) apresentar, explicar e sistematizar as disposições do Eurocódigo 3, em particular a sua
Parte 1-3, para dimensionar e verificar a segurança de elementos estruturais de aço
enformados a frio, bem como (ii) “fazer a ponte” entre as disposições do EC3-1-1 (regras
gerais) e do EC3-1-5 (regras para placas e estruturas laminares).
Inicialmente, efectua-se uma breve alusão à origem e aplicação corrente de perfis de aço
enformados a frio na indústria da construção civil, salientando as principais vantagens da sua
aplicação em comparação com perfis laminados a quente de aplicação corrente e, em
particular, caracteriza-se sucintamente o seu comportamento estrutural. Em seguida, abordam-
se os principais conceitos teóricos subjacentes à estabilidade de estruturas com secção de
parede fina, nomeadamente, os fenómenos da instabilidade (i) local de placa, (ii) distorcional e
(iii) global. Em virtude dos perfis de aço enformados a frio apresentarem correntemente secções
de alguma complexidade, nomeadamente com dobras (cantos) arredondados, descrevem-se
metodologias para obtenção de propriedades geométricas de secções brutas com as
propriedades geométricas da secção. Posteriormente, introduz-se a filosofia de classificação de
secções de acordo com o EC3 e, no caso de secções de classe 4 (maioria das secções de aço
enformadas a frio), abordam-se os conceitos de (i) largura efectiva associada à resistência
devido a modos de instabilidade local de placa e (ii) espessura reduzida associada à resistência
ao modo distorcional. Em ambos os casos, apresentam-se e sistematizam-se as metodologias
prescritas pelo Eurocódigo 3 para a sua obtenção e descrevem-se as diversas regras de
verificação de segurança de secções (a tensões directas) estipuladas pelo EC-1-3. Finalmente,
explica-se a filosofia do EC3 para contabilizar a influência das instabilidades globais (flexão e
flexão-torção) e descreve-se a metodologia do EC3 para a obtenção de resistência de barras à
encurvadura global, nomeadamente de colunas, vigas e vigas-coluna.

Palavras-chave: dimensionamento e verificação de segurança, Eurocódigo 3, aço enformado


a frio, instabilidade local, instabilidade distorcional, instabilidade global, secção efectivap.

i
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

VERÍSSIMO, HUGO: “Design of cold-formed steel members according to Eurocode 3”.


Lisbon, 2007 – Dissertation for the degree of Master of Science – Instituto Superior Técnico,
Technical University of Lisbon.

ABSTRACT

The present work is focused on the analysis and design of cold-formed steel structures
(frequently designated as light gauge steel structures). Due to their high local (from the cross-
section point of view) and global (from the member point of view) slenderness, cold-formed steel
structures are very sensitive and highly prone to buckling phenomena. The Eurocode 3 enables
the design and safety checking of cold-formed steel structures using the Parts 1.1, 1.3 and 1.5,
which are not easy to follow and sometimes is very complex to “build the bridge” between these
three documents. Therefore, this thesis is aimed at (i) providing a systematic presentation and
explanation of all the Eurocode 3 rules and, in particular, those related with Parts 1.3 and 1.5
for the design of cold-formed steel members and plated structures, respectively.
Initially, a brief review of the origin and current applications of cold-formed steel structures in the
civil engineering and construction framework is provided and the major advantages of their use
in comparison with hot rolled steel profiles are highlighted. After that, the structural behaviour of
cold-formed steel members is described and the main theoretical concepts regarding instability
issues of thin-walled structures are presented. In particular, the behaviour of cold-formed steel
members buckling in (i) local, (ii) distortional and (iii) global modes is characterized. Given the
high complexity of the cross-section geometry (e.g., rounded corners and folds) of cold-formed
steel members, some methodologies to obtain the gross section geometric properties are
described. After that, the main concepts behind the EC3 classification of cross-sections are
presented and, for the case of class 4 cross-sections (the great majority of cold-formed steel
sections belong to this class), the methodologies to determine (i) the effective width associated
with local buckling modes and (ii) the reduced thickness associated with distortional buckling
modes are explained in great detail. In both cases, the rules stipulated by EC3-1-3 to safety
check the cross-section strength against direct stresses (normal and shear) are presented. Finally,
the EC3 procedure to take into account the influence of global (flexural and flexural-torsional)
buckling effects on the design of cold-formed steel members is described in detail and the safety
checking rules of members (columns, beams and beam-columns) against global buckling are
presented.

Keywords: design and safety checking, Eurocode 3, cold-formed steel, local buckling,
distortional buckling, global buckling, effective section.

ii
PREFÁCIO

PREFÁCIO

O trabalho conducente à elaboração deste documento foi efectuado entre Setembro de 2005 e
Julho de 2008 no Instituto Superior Técnico, Lisboa. Este largo período de tempo deveu-se
sobretudo a três factores. Em primeiro lugar, o tema abordado no trabalho versa quase sempre
sobre a instabilidade de estruturas, sendo constituído por matérias que na minha opinião são
abordadas de uma forma muito superficial nos curricula da Licenciatura em Engenharia Civil
do IST. Para atingir um estado de maturidade neste domínio foi necessário dispender bastante
tempo. Por outro lado, refere-se ainda a exaustiva pesquisa bibliográfica e consequente
descoberta de novos e admiráveis documentos, aos quais tive de dedicar uma grande parte do
tempo para contextualizar o regulamento “Eurocódigo” dentro de um conjunto muito mais lato
de trabalhos (muitos deles originais). Finalmente, a minha vida profissional sobrepôs-se não
raras vezes ao presente trabalho, os quais são frequentemente de difícil conciliação.

Efectuado este preâmbulo, gostaria de deixar umas palavras de agradecimento ao Prof. Nuno
Silvestre pela sua orientação e correcta condução do meu esforço, evitando assim a dispersão
por outros temas paralelos e ao Prof. Dinar Camotim pela motivação que me incutiu
relativamente ao “mundo fascinante” da instabilidade de estruturas. Foi também com enorme
agrado que constatei, durante a minha participação na conferência SDSS’06 - International
Colloquium on Stability and Ductility of Steel Structures (IST, Lisboa), a excelência da
investigação que ambos (os meus orientadores) conduzem no domínio das estruturas de parede
fina e, em particular, das estruturas de aço enformadas a frio.

Finalmente, quero expressar aos meus pais um agradecimento especial pelo apoio
incondicional e total ao longo do período de desenvolvimento da dissertação, os quais nunca
deixaram de acreditar na minha capacidade, mesmo quando acusei o “peso” do trabalho de
investigação em determinados períodos. Sem eles, a realização desta dissertação não teria sido
impossível, mas certamente teria sido muito mais difícil.

iii
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

iv
ÍNDICE

ÍNDICE

RESUMO ....................................................................................................................................................... i

ABSTRACT .....................................................................................................................................................II

PREFÁCIO ....................................................................................................................................................III

SIMBOLOGIA ...............................................................................................................................................XI

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................ 1
1.1. Considerações Gerais ......................................................................................................................... 1
1.2. Elementos estruturais ........................................................................................................................... 3
1.2.1. Tipos de elementos estruturais ....................................................................................................... 3
1.2.2. Processos de fabrico ..................................................................................................................... 4
1.2.3. Comportamento estrutural ............................................................................................................ 6
1.3. Âmbito, objectivos e organização do trabalho ....................................................................................... 8
1.3.1. Âmbito e objectivos do trabalho .................................................................................................... 8
1.3.2. Organização da dissertação.......................................................................................................... 9

2. CONCEITOS TEÓRICOS........................................................................................................................ 11
2.1. Resumo ............................................................................................................................................ 11
2.2. Conceito de estabilidade do equílibrio ................................................................................................ 11
2.3. Tipos de instabilidade estrutural.......................................................................................................... 12
2.3.1. Instabilidade bifurcacional........................................................................................................... 13
2.4. Estabilidade de barras com secção de parede fina aberta .................................................................... 14
2.4.1. Análise Linear de Estabilidade (ALE) ............................................................................................. 15
2.4.1.1. Tensões de Bifurcação e Modos de Instabilidade................................................................. 16
2.4.1.2. Estabilidade Linear de Barras (modos globais)..................................................................... 23
2.4.1.3. Estabilidade Linear de Placas............................................................................................. 32
2.4.1.4. Estabilidade linear de secções (modos locais) ..................................................................... 37
2.4.2. Análise de Pós-Encurvadura (ANLE) ............................................................................................. 40
2.4.2.1. Comportamento de Pós-Encurvadura ................................................................................. 40
2.4.2.2. Pós-Encurvadura de Barras (modos globais) e de Placas...................................................... 43
2.4.2.3. Pós-encurvadura de secções (modos locais)........................................................................ 47
2.4.3. Interacção entre Modos de Instabilidade. Fenómenos de Plasticidade............................................. 48

v
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

3. CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES........................................................................................... 49


3.1. Resumo ............................................................................................................................................ 49
3.2. Dados gerais .................................................................................................................................... 49
3.2.1. Geometria e dimensões .............................................................................................................. 49
3.2.2. Propriedades do material ............................................................................................................ 50
3.2.2.1. Tensão de cedência média do material (fya) ........................................................................ 50
3.2.3. Limitações ................................................................................................................................. 51
3.3. Secção bruta aproximada .................................................................................................................. 52
3.3.1. Cálculo de propriedades – Método do anexo C do EC3-1-3 ......................................................... 55
3.3.2. Tensões axiais associadas a esforços máximos na secção bruta (sem instab.) .................................. 56
3.4. Propriedades “exactas”...................................................................................................................... 57
3.5. Organigramas .................................................................................................................................. 58

4. RESISTÊNCIA DE SECÇÕES .................................................................................................................... 61


4.1. Resumo ............................................................................................................................................ 61
4.2. Classificação de secções ................................................................................................................... 61
4.3. Secções de classe 4 - propriedades efectivasp ...................................................................................... 66
4.3.1. Secção efectivap para a instabilidade local – cálculo das larguras efectivasp .................................... 68
4.3.1.1. Cálculo da largura efectivap de um elemento...................................................................... 69
4.3.2. Secção efectivap para a instab. distorcional – cálculo de espessuras reduzidas ................................ 74
4.4. Resistência de secções....................................................................................................................... 79
4.4.1. Esforço axial de tracção.............................................................................................................. 79
4.4.2. Esforço axial de compressão ....................................................................................................... 79
4.4.3. Momento-flector em torno dos eixos principais de inércia .............................................................. 81
4.4.3.1. Definições auxiliares ......................................................................................................... 81
4.4.3.2. Flexão simples.................................................................................................................. 84
4.4.3.3. Flexão desviada ............................................................................................................... 86
4.4.4. Esforço transverso ...................................................................................................................... 86
4.4.5. Forças Concentradas.................................................................................................................. 88
4.4.5.1. Secções com uma única alma não reforçada...................................................................... 89
4.4.5.2. Secções com múltiplas almas não reforçadas ..................................................................... 93
4.4.6. Flexão composta desviada com tracção ....................................................................................... 95
4.4.7. Flexão composta desviada com compressão ................................................................................ 95
4.4.8. Flexão composta e esforço transverso .......................................................................................... 96
4.4.9. Flexão composta e força concentrada ou reacção de apoio .......................................................... 96
4.5. Organigramas .................................................................................................................................. 97

5. RESISTÊNCIA DE BARRAS...................................................................................................................... 103


5.1. Resumo .......................................................................................................................................... 103
5.2. Introdução...................................................................................................................................... 103
5.3. Esforços críticos de encurvadura global............................................................................................. 105
5.3.1. Comprimento de encurvadura de colunas comprimidas .............................................................. 105
5.3.1.1. Factores de distribuição de rigidez ................................................................................... 106
5.3.1.2. Comprimentos encurvadura ............................................................................................ 108

vi
ÍNDICE

5.4. Resistência de barras ....................................................................................................................... 110


5.4.1. Esforço axial de compressão ..................................................................................................... 111
5.4.2. Momento-flector em torno dos eixos principais de inércia ............................................................ 113
5.4.3. Flexão composta desviada com compressão .............................................................................. 114
5.4.4. Flexão composta desviada com tracção ..................................................................................... 115
5.5. Organigramas ................................................................................................................................ 116

6. CONCLUSÃO...................................................................................................................................... 117
6.1. Considerações finais ....................................................................................................................... 117
6.2. Alguns comentários finais................................................................................................................. 119

ANEXO A. CÁLCULO APROXIMADO DE PROPRIEDADES ........................................................................... 123


A.1. Método do anexo C do EC3-1-3...................................................................................................... 123
A.1.1. Ângulo (positivo) do elemento k com a horizontal ....................................................................... 123
A.1.2. Cálculo do comprimento do elemento k..................................................................................... 124
A.1.3. Cálculo da área da secção ....................................................................................................... 124
A.1.4. Cálculo do centro geométrico do elemento k.............................................................................. 124
A.1.5. Momento estático da secção em torno de y0 no ponto O............................................................ 124
A.1.6. Momento estático da secção em torno de z0 no ponto O............................................................ 124
A.1.7. Coordenadas do centro de gravidade da secção segundo os eixos y0 e z0................................... 124
A.1.8. Coordenadas do elemento k segundo os eixos y e z no centro de gravidade ................................. 124
A.1.9. Inércia do elemento k em torno dos seus eixos principais de inércia ............................................. 124
A.1.10. Inércia da secção em torno de y no seu centro de gravidade..................................................... 125
A.1.11. Inércia da secção em torno de z no seu centro de gravidade..................................................... 125
A.1.12. Inércia da secção em torno de yz no seu centro de gravidade ................................................... 125
A.1.13. Inércia aproximada da secção em torno de y0 no seu centro de gravidade ................................ 125
A.1.14. Inércia aproximada da secção em torno de z0 no seu centro de gravidade................................. 126
A.1.15. Inércia aproximada da secção em torno de yz no seu centro de gravidade ................................. 126
A.1.16. Eixos principais de inércia da secção ....................................................................................... 126
A.1.17. Inércia de torsão de Saint-Venant da secção ............................................................................ 127
A.1.18. Coordenadas sectoriais .......................................................................................................... 127
A.1.19. Coordenadas sectoriais médias............................................................................................... 127
A.1.20. Constantes sectoriais.............................................................................................................. 127
A.1.21. Coordenadas do centro de corte da secção segundo os eixos y0, z0, y e z ................................. 128
A.1.22. Constante de empenamento da secção ................................................................................... 128
A.1.23. Coordenadas sectoriais em relação ao centro de corte ............................................................. 128
A.1.24. Coordenadas dos nós do elem. k segundo os eixos u e v no centro de gravidade ....................... 128
A.1.25. Momento de Inércia Polar em relação ao centro de corte ......................................................... 128
A.1.26. Coordenadas das fibras extremas do elemento k segundo os eixos u e v .................................... 128
A.1.27. Coordenadas das fibras extremas da secção segundo os eixos u e v .......................................... 129
A.1.28. Factores uj e vj para o cálculo de esforços críticos elásticos da secção ....................................... 129
A.1.29. Tensões axiais para esforços máximos no nós do elem. k segundo os eixos u e v ........................ 130
A.1.30. Tensões axiais para esforços máximos nas fibras extremas segundo os eixos u e v....................... 130

ANEXO B. SECÇÕES SEM REFORÇOS...................................................................................................... 131


B.1. Dados iniciais ................................................................................................................................. 131
B.1.1. Secção real ............................................................................................................................ 131
B.2. Métodos aproximados ..................................................................................................................... 131

vii
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

B.2.1. Propriedades da secção bruta...................................................................................................131


B.2.2. Propriedades de secções efectivas .............................................................................................137

ANEXO C. SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES .......................................................................................141


C.1. Dados iniciais................................................................................................................................. 141
C.1.1. Secção real .............................................................................................................................141
C.2. Métodos aproximados..................................................................................................................... 142
C.2.1. Propriedades da secção bruta...................................................................................................142
C.2.2. Propriedades de secções efectivas .............................................................................................147

ANEXO D. SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS.......................................................................................151


D.1. Dados iniciais................................................................................................................................. 151
D.1.1. Secção real .............................................................................................................................151
D.2. Métodos aproximados..................................................................................................................... 152
D.2.1. Propriedades da secção bruta...................................................................................................152
D.2.2. Propriedades de secções efectivas .............................................................................................157

ANEXO E. SECÇÕES EFECTIVAS – PROCESSOS ITERATIVOS ......................................................................163


E.1. Resumo .......................................................................................................................................... 163
E.2. Secções de classe 4 - propriedades efectivasp .................................................................................... 163
E.2.1. Secção efectivap para a instabilidade local – cálculo das larguras efectivasp .................................163
E.2.2. Secção efectivap para a instab. distorcional – cálculo de espessuras reduzidas..............................164
E.2.3. Secções efectivasp – encadeamento dos processos iterativos........................................................166

ANEXO F. EXEMPLO NUMÉRICO ..............................................................................................................169


F.1. Resumo .......................................................................................................................................... 169
F.2. Dados gerais .................................................................................................................................. 169
F.3. Cálculo de propriedades.................................................................................................................. 170
F.3.1. Propriedades da secção bruta...................................................................................................170
F.3.1.1. Secção e linha média.........................................................................................................170
F.3.1.2. Tensão de cedência média do material (fya)..........................................................................181
F.3.1.3. Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta (sem instab.)......................................182
F.3.2. Classificação de secções ..........................................................................................................184
F.3.2.1. Alma.................................................................................................................................184
F.3.2.2. Banzos ..............................................................................................................................184
F.3.2.3. Reforços............................................................................................................................185
F.3.3. Propriedades de secções efectivasp ............................................................................................186
F.3.3.1. Secções efectivasp – instabilidade local ................................................................................186
F.3.3.2. Secções efectivasp – instabilidade distorcional ......................................................................202
F.4. Resistência de secções ..................................................................................................................... 225
F.4.1. Esforço axial de tracção ...........................................................................................................225
F.4.2. Esforço axial de compressão.....................................................................................................226
F.4.2.1. Desvios do centro geométrico das secções efectivasp em relação à secção bruta ....................226
F.4.3. Momento flector em torno dos eixos principais de inércia............................................................226
F.4.3.1. Definições auxiliares...........................................................................................................226

viii
ÍNDICE

F.4.3.2. Flexão simples .................................................................................................................. 228


F.4.3.3. Flexão desviada ................................................................................................................ 229
F.4.4. Flexão desviada composta com tracção.................................................................................... 230
F.4.5. Flexão desviada composta com compressão ............................................................................. 231
F.5. Resistência de barras ....................................................................................................................... 233
F.5.1. Esforços críticos de encurvadura global .................................................................................... 233
F.5.1.1. Esforço axial crítico elástico ............................................................................................... 233
F.5.1.2. Momento flector crítico elástico .......................................................................................... 234
F.5.2. Esforço axial de compressão.................................................................................................... 235
F.5.3. Flexão simples ........................................................................................................................ 236
F.5.4. Flexão desviada composta com compressão ............................................................................. 238
F.5.4.1. Factores de interacção ...................................................................................................... 240
F.5.5. Flexão desviada composta com tracção.................................................................................... 241

REFERÊNCIAS ........................................................................................................................................... 243

ix
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

x
SIMBOLOGIA

SIMBOLOGIA

LISTA DE SIMBOLOS

h, b, c e d Larguras ou alturas medidas pelo exterior da secção bruta;

t Espessura das paredes da secção bruta;

αn Ângulos entre paredes da secção;

rn Raios interiores de dobragem dos cantos curvos da secção;

E Módulo de elasticidade do material que compõe o perfil;

ν Coeficiente de poisson do material que compõe o perfil;

G Módulo de distorção do material que compõe o perfil;

fyb, fya Tensão de cedência base e média do material que compõe o perfil;

fu Tensão última do material que compõe o perfil;

γM0 Coeficientes parciais de segurança de resistência;

γM1 Coeficientes parciais de segurança de resistência com instabilidade


associado a verificação de barras;

γM2 Coeficientes parciais de segurança de resistência na rotura de secções à


tracção;

Δn Correcção do comprimento medido pelo exterior das paredes da secção


para comprimento da linha média idealizada;

φn Ângulo entre uma linha perpendicular à linha média e a bissectriz do ângulo


entre as paredes da secção;

grn Correcção do comprimento da linha média das paredes da secção para


comprimento da linha média nominal;

δ Factor de correcção de propriedades para ter em conta os cantos curvos;


Deslocamento;

y0, z0 Sistema de coordenadas auxiliar inicial;

xi
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

s Comprimento da secção ou de uma parede da secção;

A Área da secção ou de uma parede da secção;

y0.cg, z0.cg Coordenadas do centro de gravidade no referencial y0 e z0;

Sy0, Sz0 Momentos estáticos em torno de y0 e z0 da secção ou de uma parede da


secção;

y, z Sistema de coordenadas paralelo a y0 e z0 no centro de gravidade;


yθl, zθl Eixos principais de inércia de uma parede da secção, respectivamente,
perpendicular e paralelo à sua linha média;
Iyθl, Izθl Momentos de inércia de uma parede da secção em torno dos seus eixos
principais de inércia no seu centro de gravidade;
Iy0l, Iz0l Momentos de inércia de uma parede da secção em torno de um referencial
paralelo a y0 e z0 no seu centro de gravidade;
Iyz0l Produto de inércia de uma parede da secção em torno de um referencial
paralelo a y0 e z0 no seu centro de gravidade;
Iy0, Iz0 Momentos de inércia de uma parede da secção em torno y0 e z0 no centro
de gravidade da secção;
Iyz0 Produto de inércia de uma parede da secção em torno y0 e z0 no centro de
gravidade da secção;
Iy, Iz Momentos de inércia de uma parede da secção em torno y e z no centro de
gravidade da secção;
Iyz Produto de inércia de uma parede da secção em torno y e z no centro de
gravidade da secção;
β Ângulo dos eixos principais de inércia u e v com os eixos y e z;
u, v Eixos principais de inércia;
Iu, Iv Momentos de inércia de uma parede da secção em torno dos seus eixos
principais de inércia;
It Inércia de torção de Saint-Venant da secção ou de uma parede da secção;
Wt Módulo de torção da secção;
ω0 Coordenadas sectorial de uma parede da secção;
ωi Coordenadas sectorial no nó i de uma parede da secção;
Sω0 Coordenadas sectoriais da secção;
ωmean Coordenada sectorial média da secção;
Iyω0, Izω0, Iωω0 Constantes sectoriais associadas aos eixos y0 e z0;
Iyω, Izω, Iωω Constantes sectoriais associadas aos eixos y e z;
Iw Constante de empenamento da secção;
ωs Coordenada sectorial em relação ao centro de corte;
ωmax Máxima coordenada sectorial em relação ao centro de corte;

xii
SIMBOLOGIA

Ww Módulo de empenamento;
Ip Momento de inércia polar em relação ao centro de corte;
Δu , Δv Diferença de coordenadas das extremidades de uma parede de uma secção
em relação aos eixos principais de inércia u e v;
uj, vj Factores de não simetria uj e vj para o cálculo de esforços críticos elásticos;
σ Tensão longitudinais presentes na secção;
σcom,Ed Máxima tensão longitudinais de compressão presente na secção;
λ, λ Esbeltezas e esbeltezas normalizadas;
ρ Factor de redução para obtenção das larguras efectivasp;
kσ Factor de encurvadura associado à tensão crítica elástica de placa;
χ Factor de redução de resistências por instabilidade;
ψ Relação entre tensões ou extensões;
ε Coeficiente dependente de fy. Extensões;
Wpl Módulo plástico da secção;
Wel,min Menor módulo elástico da secção;
Wel,max Maior módulo elástico da secção;

NOTAÇÃO

s Grandeza associada à secção idealizada;


p Grandeza associada à secção nominal;
eff Grandeza associada a secção efectiva;
NL
Grandeza associada instabilidade local devido a esforço axial de
compressão;
ND
Grandeza associada instabilidade distorcional devido a esforço axial de
compressão;
MuL+ MuL-
, Grandeza associada instabilidade local devido a momento flector em torno
do eixo principal de maior inércia;
MuD+ MuD-
, Grandeza associada instabilidade distorcional devido a momento flector em
torno do eixo principal de maior inércia;
MvL+ MvL-
, Grandeza associada instabilidade local devido a momento flector em torno
do eixo principal de menor inércia;
MvD+ MvD-
, Grandeza associada instabilidade distorcional devido a momento flector em
torno do eixo principal de menor inércia;

xiii
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

xiv
INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1

1. INTRODUÇÃO

1.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS

Na construção metálica são utilizados três tipos de elementos estruturais de aço [1.2]: (i) perfis
laminados a quente, (ii) perfis de chapa soldada e (iii) perfis de chapa fina enformados a frio.

Este último tipo de elementos estruturais metálicos, com uma crescente utilização na indústria
da construção, é obtido a partir de chapas de pequena espessura (0.4mm a 6.0mm) através da
dobragem desta por meios mecânicos (quinagem e laminagem a frio) obtendo-se assim a
forma desejada, tipicamente definida por dobras principais que definem almas e banzos, e
dobras intermédias ou de extremidade que definem reforços que aumentam a rigidez das suas
paredes.

As principais vantagens da utilização de perfis de aço enformados a frio são:

• Elevada eficiência estrutural, expressa pela óptima relação entre a elevada resistência
mecânica e o reduzido peso (ver Figura 1.1);
• Os elementos estruturais de aço enformados a frio podem ser fabricados para
suportarem cargas reduzidas e, desta forma, optimizar o material empregue. Pelo
contrário, os elementos de aço laminados a quente têm geometrias mínimas (limite)
pré-definidas, o que obriga muitas vezes ao sobredimensionamento das peças para
cargas reduzidas;
• Grande versatilidade de fabrico, traduzida pela possibilidade de produzir
economicamente elementos com uma gama variadíssima de geometrias e dimensões;
• Algumas secções são produzidas com a possibilidade de encaixarem sucessivamente
umas nas outras, permitindo uma maior economia no seu armazenamento e transporte;
• Possibilidade de pré-fabricação em larga escala;
• Elevada rapidez de montagem (ver Figura 1.1);
• Grande facilidade de manutenção;
• Inexistência de retracção e/ou fluência à temperatura ambiente;
• Inexistência de susceptibilidade ao ataque de fungos, xilófagos e térmitas;
• Apresentação de uma qualidade uniforme;
• Constituição de um material (aço) totalmente reciclável e, por isso, exibindo uma
elevadíssima sustentabilidade.

1
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 1.1 – Facilidade e rapidez de montagem. Peso próprio reduzido.

As principais desvantagens da utilização de perfis de aço enformados a frio são:

• Comportamento estrutural que envolve vários fenómenos de instabilidade, alguns


inexistentes ou pouco relevantes nos perfis de aço laminados a quente;

• Cálculo de resistência de secções e barras mais complexo que noutros tipos de


elementos estruturais de aço;

• As relações geométricas cobertas por ensaios associadas incluem secções relativamente


tipificadas e limitadas.

O desenvolvimento de tecnologias que permitiram a enformagem a frio deve-se, em primeiro


lugar, às indústrias automóvel e aeronáutica. Na indústria da construção, a sua utilização
remonta à primeira metade do século XX mas apenas a partir de 1940 ocorre a sua aplicação
em edifícios com um carácter mais sistemático. Este facto coincide com a publicação em 1946
pelo AISI (American Iron and Steel Insitute) das primeiras disposições regulamentares relativas
ao comportamento estrutural deste tipo de elementos, que tiveram como base o trabalho de
investigação desenvolvido pelo Prof. George Winter na Universidade de Cornell, desde 1939.

Nas últimas décadas, a construção com estrutura de aço leve tem sido uma séria competidora
da construção mais tradicional em países como os Estados Unidos da América, Canadá,
Austrália e em vários países da Europa. Em Portugal, este tipo de estruturas tem sido utilizada
essencialmente em substituição de perfis laminados a quente correntemente utilizados como
madres de sistemas de suporte de coberturas ou fachadas. No entanto, a sua aplicação na
construção de moradias residenciais unifamiliares tem aumentado substancialmente nos últimos
anos. A sua procura por parte dos projectistas produziu um efeito colateral traduzido no
aumento do número de fabricantes e empreiteiros especializados na construção em aço leve.

Por outro lado, a aplicação de elementos estruturais de aço enformados a frio em remodelação
e reabilitação de estruturas antigas (Figura 1.2) tornou-se bastante interessante e competitiva
relativamente a outras soluções tradicionais. Tal facto é devido à sua baixa relação
peso/resistência (Figura 1.1) e por não sofrer das patologias tipicamente associadas às
estruturas de madeira (aumento da deformação ao longo do tempo por efeito da fluência;
ataque de fungos e xilófagos; apodrecimento, etc.).

2
INTRODUÇÃO

Figura 1.2 – Aplicação a intervenções de remodelação e reabilitação.

Em Portugal, a verificação da segurança de estruturas de aço enformadas a frio começou por


ser regida através da utilização de regras empíricas “importadas” dos Estados Unidos da
América (“Método Prescritivo” [1.3, 1.4]), apesar de já existirem algumas versões
regulamentares provisórias e posteriormente as pré-normas europeias (versões preliminares dos
denominados Eurocódigos estruturais). Ao envolver fenómenos de instabilidade complexos, o
cálculo da resistência de elementos estruturais de aço enformados a frio constitui um processo
moroso, envolvendo em alguns casos procedimentos de dimensionamento iterativos.

Durante a fase de desenvolvimento do Eurocódigo 3 [1.10-1.14] (presentemente, diversas


partes foram já aprovadas como normas europeias) foram sendo apresentadas sistemáticas
correcções e alterações no processo de cálculo de resistência de secções e barras. Apesar de se
ter mantido inalterada a filosofia de dimensionamento, aparentemente não se produziram
suficientes trabalhos de síntese sobre o dimensionamento de estruturas de aço enformadas a
frio nem foram desenvolvidos algoritmos e programas de cálculo automático que facilitem a
sua utilização e adopção pela comunidade técnica.

1.2. ELEMENTOS ESTRUTURAIS

1.2.1. Tipos de elementos estruturais

Relativamente à sua configuração, os elementos de aço enformados a frio podem ser


classificados em dois tipos: (i) perfis e (ii) painéis.

Os perfis (ver Figura 1.3) são peças lineares (barras prismáticas) fabricados com chapas de
aço de espessura entre 1.2 e 6.4mm. As configurações geométricas das secções mais comuns
são em U, C, Z, “Hat” e “Rack”.

Os painéis de chapa e chapas perfiladas (ver Figura 1.4) são peças laminares cuja
superfície média é, normalmente, poligonal, são fabricados a partir de chapas de aço com
espessura entre 0.5 e 1.9mm, e são utilizados em lajes mistas de aço-betão ou em estruturas
de suporte de paredes, pavimentos e coberturas.

3
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 1.3 – Perfis de aço enformados a frio.

Figura 1.4 – Painéis de chapa e chapas perfiladas de aço enformados a frio.

1.2.2. Processos de fabrico

No que diz respeito à produção de elementos estruturais de aço enformados a frio, existem
essencialmente duas tecnologias de fabrico: (i) a laminagem a frio (“Cold Rolling” –
– Figuras 1.5a e 1.5b) e (ii) a quinagem (“Press braking” – Figura 1.6).

Figura 1.5a – Laminagem a frio (“Cold Rolling”).

4
INTRODUÇÃO

Figura 1.5b – Laminagem a frio (“Cold Rolling”).

Figura 1.6 – Quinagem (“Press braking”).

A laminagem a frio é o processo de fabrico mais correntemente utilizado, pois conduz a uma
produção sistematizada, normalizada e extremamente eficiente. Utiliza-se sempre que se
pretendem atingir grandes quantidades de produção e perfis com elevada complexidade.

Por outro lado, a quinagem é um processo menos industrializado e por isso essencialmente
utilizado para a realização de secções relativamente simples e associado a pequenas
quantidades de produção.

5
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

1.2.3. Comportamento estrutural

Como se referiu anteriormente, o comportamento estrutural dos perfis de aço enformados a frio
é bastante complexo e susceptível a um certo número de fenómenos, os quais se citam em
seguida:

a) Instabilidades de natureza local e/ou global, as quais são devidas à elevada


esbelteza das chapas (paredes) que constituem as paredes deste tipo de perfis e, no
caso das secções de parede fina aberta, à baixa rigidez de torção, ocorrem diversos de
tipos de instabilidade (ver Figura 1.7).

b) Elevada deformabilidade à torção, devido à baixa rigidez de torção mencionada no


ponto anterior, e ao facto de, para diversos tipos de secções, o centro de corte não
coincidir com o centro de gravidade (ver Figura 1.7).

c) Empenamento, que afecta diversos tipos de secção de parede fina aberta quando
sujeitas a torção. Tal como referido por Prola [1.1], o tipo de condições de fronteira de
uma barra relativamente a este modo de deformação, têm grande influência na sua
resistência mecânica (ver Figura 1.7).

d) Existência de Reforços (de extremidade e/ou intermédios), os quais permitem melhorar


o comportamento estrutural das secções limitando a sua susceptibilidade à deformação
local. Estes asseguram pontos de apoio elástico das paredes da secção, diminuindo o
comprimento livre para as mesmas flectirem e aumentando o valor da tensão crítica de
instabilidade local (ver Figura 1.8).

e) Endurecimento do aço junto dos bordos longitudinais na zona de dobragem da


chapa, facto que se traduz por um aumento da tensão de cedência e diminuição da
ductilidade do aço nesses bordos (ver Figuras 1.9 e 1.10).
f) Colapso da alma (“web crippling”) nas secções onde estão aplicadas forças
concentradas ou nas zonas dos apoios, fenómeno que se deve à elevada esbelteza das
paredes que constituem as almas (ver Figuras 1.11 e 1.12). Este comportamento pode
ser evitado pela aplicação de reforços nessas zonas. No processo construtivo aplicado a
edifícios de pequeno porte é corrente aplicar chapas na zona dos apoios que servem
simultaneamente para conferir rigidez à torção e aumentar a resistência da alma para
cargas concentradas.

Figura 1.7 – Instabilidade local, torção e empenamento.

6
INTRODUÇÃO

Figura 1.8 – Evolução da tensão crítica com o n.º de reforços.

Figura 1.9 – Distribuição das tensões ao longo da linha média da secção.

Figura 1.10 – Processo de endurecimento: aço antes e depois da laminagem a frio

7
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 1.11 – Colapso da alma junto aos apoios.

Figura 1.12 – Colapso da alma na zona de aplicação de cargas concentradas.

1.3. ÂMBITO, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

1.3.1. Âmbito e objectivos do trabalho

Esta dissertação tem como principal objectivo produzir um trabalho de análise, síntese e
sistematização sobre as regras de dimensionamento e verificação de segurança estipuladas no
Eurocódigo 3 (Parte 1.3) de elementos de aço enformados a frio. Pretende-se apresentar um
conjunto de algoritmos de cálculo necessários à obtenção das resistências de secções e barras
de aço de parede fina enformadas a frio, com as diversas variantes e abordagens presentes nas
várias versões [1.10-1.14] do Eurocódigo 3.

Paralelamente, pretende-se também clarificar os conceitos teóricos e os fenómenos específicos


de instabilidade associados a este tipo de elementos, cujo conhecimento por parte da
comunidade técnica é ainda muito reduzido. Por essa razão, estes fenómenos são
frequentemente ignorados na aplicação as regras dispostas no Eurocódigo 3.

Dada a grande versatilidade ao nível do processo de fabrico podem obter-se secções de


formas muito distintas. Em virtude de ser possível produzir qualquer secção (forma e
dimensões), torna quase impraticável estudar uma gama completa de secções de aço
enformadas a frio. Assim, optou-se por desenvolver metodologias que pudessem ser aplicadas
de forma genérica às secções mais correntemente utilizadas. As secções consideradas neste
trabalho, todas sem reforços intermédios, podem (ou não) apresentar reforços de extremidade,
são:

• Secções sem reforços de extremidade (ex: C’s e Z’s);


• Secções com reforços de extremidade simples (ex: C’s, Z’s e “Hat’s”);
• Secções com reforços de extremidade duplos (ex: C’s, Z’s, “Hat’s” e “Rack’s”);

8
INTRODUÇÃO

1.3.2. Organização da dissertação

Após se ter apresentado as vantagens da utilização de perfis de aço enformados a frio na


construção e se ter caracterizado brevemente o seu comportamento estrutural, abordam-se, no
Capítulo 2, os principais conceitos relativos à instabilidade de estruturas de parede fina.
Julga-se que este capítulo permitirá uma base de apoio para as matérias de carácter mais
prático (dimensionamento e verificação de segurança) a apresentar nos capítulos posteriores.
No Capítulo 3, descrevem-se algumas metodologias para o cálculo de propriedades de
secções, nomeadamente, a apresentada na norma europeia prEN 1993-1-3 [1.8]. No
Capítulo 4, explicam-se as metodologias propostas em [1.8] para a obtenção da resistência de
secções de elementos estruturais de aço enformados a frio tendo em consideração
instabilidades de natureza local e distorcional, para a qual são necessários alguns
procedimentos de cálculo de larguras efectivas e de espessuras reduzidas. No Capítulo 5,
apresenta-se a metodologia proposta em [1.8] para a obtenção das resistências à encurvadura
(instabilidade global) de elementos estruturais de aço enformados a frio. Finalmente, no
Capítulo 6 apresentam-se as conclusões do trabalho efectuado.

Em virtude do presente trabalho ser muito vocacionado para a explicação das regras
regulamentares do EC3-1-3, por vezes um pouco complexas e de difícil compreensão,
adoptou-se uma abordagem que consiste em apresentar em anexo tudo o que se considere um
pouco excêntrico relativamente aos conceitos principais (descrito no corpo desta dissertação).
Assim, existem alguns anexos cujo conteúdo resumido se expõe de seguida. No Anexo A
descreve-se a metodologia proposta pelo Eurocódigo para o cálculo aproximado de
propriedades de secções, acrescentando algumas fórmulas e possíveis correcções. Nos Anexos
B, C e D apresentam-se expressões analíticas para o cálculo de propriedades geométricas de
secções abertas compostas por três paredes (i.e., sem reforços), cinco paredes (i.e., com
reforços de extremidade simples) e sete paredes (i.e., com reforços de extremidade duplos),
respectivamente. Finalmente, no Anexo E apresenta-se um exemplo ilustrativo bastante
desenvolvido com todos os resultados parciais envolvidos na verificação de segurança à
encurvadura de uma barra composta por uma secção de aço de parede fina enformada a frio
sujeita a flexão desviada com compressão.

9
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

10
CONCEITOS TEÓRICOS

CAPÍTULO 2

2. CONCEITOS TEÓRICOS

2.1. RESUMO

No presente capítulo abordam-se os principais conceitos subjacentes à Estabilidade de


Estruturas, com especial ênfase no comportamento de estruturas com secção de parede fina.
Nos pontos 2.2 e 2.3, apresenta-se o conceito de estabilidade do equilíbrio e descrevem-se os
tipos de instabilidade estrutural (instabilidade bifurcacional e instabilidade por ponto limite),
analisando a instabilidade bifurcacional com maior detalhe. No ponto 2.4 são abordados
diversos conceitos necessários para a caracterização do comportamento de estabilidade e pós-
encurvadura de barras com secção de parede fina. Em primeiro lugar, apresentam-se e
caracterizam-se os tipos de instabilidade que ocorrem em barras com secção de parede fina
aberta, nomeadamente os modos de instabilidade local de placa, distorcional e global. Em
seguida, apresentam-se algumas deduções de (i) cargas e momentos críticos de instabilidade
global (instabilidade por flexão-torção de colunas e instabilidade lateral de vigas) e (ii) tensões
críticas de bifurcação de placas. A dedução destas expressões julga-se útil para posterior
utilização nos Capítulos 4 e 5, aquando da resistência de elementos estruturais. Finalmente,
aborda-se sumariamente o comportamento de pós-encurvadura dos mesmos elementos
estruturais referidos anteriormente. Em particular, descreve-se o conceito de “largura efectiva”
de placas comprimidas. Por último, refere-se que muitos dos conceitos descritos neste capítulo
foram objecto de pesquisa bibliográfica, para a qual muito contribuíram a tese de Prola [2.1] e
o livro de Reis e Camotim [2.2].

2.2. CONCEITO DE ESTABILIDADE DO EQUÍLIBRIO

Uma estrutura sujeita a um sistema de forças exteriores exibe uma configuração de equilíbrio
caracterizada pelos valores dos deslocamentos dos seus pontos. O comportamento da
estrutura, após sofrer uma “perturbação” causada por uma pequena acção exterior (arbitrária),
permite avaliar a estabilidade da sua configuração de equilíbrio. A configuração de equilíbrio
diz-se: (i) “estável” se a estrutura regressar à sua posição inicial após cessar a perturbação; (ii)
“instável” se nunca regressar à sua posição inicial; (iii) “neutro” se mantiver a sua posição
independentemente da acção.

O conceito de estabilidade do equilíbrio é aplicável quer ao estudo da mecânica (cinemática e


dinâmica) dos corpos rígidos como ao estudo do equilíbrio de sistemas estruturais deformáveis
(comportamentos elástico, elasto-plástico, rigido-plástico). Para ilustrar este conceito,
observe-se a Figura 2.1, a qual contém uma esfera rígida submetida à acção do seu peso
próprio e em repouso sobre:

11
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• Uma superfície côncava: a esfera está em equilíbrio estável;


• Uma superfície convexa: a esfera está em equilíbrio instável;
• Uma superfície horizontal: a esfera está em equilíbrio neutro;

(a) (b) (c)


Figura 2.1 – Conceito de estabilidade do equilíbrio [2.2]: (a) equilíbrio estável; (b) equilíbrio instável; (c) equilíbrio neutro

2.3. TIPOS DE INSTABILIDADE ESTRUTURAL

A transição entre configurações de equilíbrio estáveis e instáveis de uma determinada


trajectória de equilíbrio (relação carga-deslocamento) corresponde à instabilidade dessa
mesma estrutura, a qual pode surgir de dois modos distintos:

(i) Ocorrência de uma bifurcação de equilíbrio, fenómeno designado por instabilidade


bifurcacional (ver Figuras 2.2 e 2.3);

(a) (b) (c)


Figura 2.2 – Tipos de estruturas sujeitas a instabilidade bifurcacional: (a) coluna; (b) placa; (c) coluna tubular

Figura 2.3 – Trajectória de equilíbrio associada a instabilidade bifurcacional.

12
CONCEITOS TEÓRICOS

(ii) Ocorrência de um ponto limite, i.e., de um ponto onde a trajectória de equilíbrio (não
linear) tem derivada nula. Se a carga for aumentada, a estrutura “passa”,
dinamicamente, para uma configuração de equilíbrio afastada (ver Figuras 2.4 e 2.5).
Este fenómeno designa-se por instabilidade por ponto limite ou instabilidade por “snap-
through”.

(a) (b)
Figura 2.4 – Estruturas sujeitas a instabilidade por “snap-through”: (a) arco abatido (h/l <<1); (b) calote esférica.

Figura 2.5 – Trajectória de equilíbrio associada a instabilidade por “snap-through”.

Os elementos estruturais que serão abordados no desenvolvimento deste trabalho (colunas,


vigas, vigas-coluna) estão sujeitas a instabilidade bifurcacional, pelo que apenas se descreve
mais detalhadamente este tipo de instabilidade.

2.3.1. Instabilidade bifurcacional

Tipicamente um problema de instabilidade bifurcacional é caracterizado (tal como apresentado


na Figura 2.3) pela existência de:

• Uma trajectória de equilíbrio fundamental (linear ou não linear), que se inicia na


origem do diagrama carga-deslocamento;
• Uma trajectória de equilíbrio de pós-encurvadura, que não passa pela origem do
diagrama carga-deslocamento;
• Um ponto de bifurcação, que corresponde à intersecção das duas trajectórias e no qual
as configurações de equilíbrio da trajectória fundamental passam de estáveis a
instáveis.

A análise de um problema deste tipo envolve a determinação:

(i) Das coordenadas do ponto de bifurcação (em particular da ordenada, designada por
“carga de bifurcação”);

13
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(ii) Da configuração deformada exibida pela estrutura quando ocorre a bifurcação (“modo
de instabilidade”);

(iii) Das propriedades da trajectória de pós-encurvadura (sobretudo na vizinhança do ponto


de bifurcação).

De referir que o diagrama de carga-deslocamento da Figura 2.3 é relativo a estruturas


“ideais”, na medida em que não incorporam nenhumas imperfeições iniciais. Em estruturas
“reais” (com imperfeições) não existe bifurcação e a aproximação das trajectórias de equilíbrio
às da estrutura perfeita (fundamental e de pós-encurvadura) é tanto maior quanto menor for a
amplitude da imperfeição.

2.4. ESTABILIDADE DE BARRAS COM SECÇÃO DE PAREDE FINA ABERTA

O comportamento estrutural e a resistência última de barras com secção de parede fina aberta
(colunas, vigas e colunas-viga) são fortemente afectados pela ocorrência de diversos
fenómenos de instabilidade de natureza geometricamente não linear. Esses fenómenos de
instabilidade podem ser de dois tipos:

(i) Fenómenos de instabilidade “global” – são caracterizados pela ocorrência de


deformação do eixo da barra, sofrendo as suas secções transversais unicamente
deslocamentos de corpo rígido no seu próprio plano (1 rotação e 2 translações, no
caso mais geral). São exemplos,bem conhecidos, (i1) a instabilidade de colunas (barras
comprimidas), por flexão ou flexão-torção, e (i2) a instabilidade lateral de vigas (barras
flectidas), por flexão-torção (Figura 2.6).
(ii) Fenómenos de instabilidade “local” – envolvem, essencialmente, deformações das
paredes da barra, permanecendo o seu eixo na configuração indeformada. Conforme
se verá adiante, é ainda conveniente distinguir entre fenómenos de instabilidade local
associados (ii1) apenas a deslocamentos de flexão das paredes (i.e., os bordos
longitudinais do perfil permanecem indeformados) e (ii2) também a deslocamentos de
membrana (i.e., que provocam deformações nos bordos longitudinais) – ver Figura 2.6.

No que diz respeito ao comportamento de estabilidade, uma barra com secção de parede fina
pode ser classificada de acordo com o seu comprimento:

(i) “Barra curta” (“Secção” ou “Célula”), se a instabilidade ocorrer num modo local.
(ii) “Barra longa”, se a instabilidade ocorrer, essencialmente, num modo global.

(iii) “Barra intermédia”, se a instabilidade ocorrer numa combinação de um modo local


com um modo global – interacção entre modos locais e globais.

Para determinar o comportamento geometricamente não linear de um elemento estrutural


recorre-se habitualmente a:
(i) Análises Lineares de Estabilidade (ALE) – Determinação do valor da tensão crítica de
bifurcação e a forma do respectivo modo de instabilidade;
(ii) Análises Não Lineares de Estabilidade (ANLE) – Determinação do comportamento de
pós-encurvadura (e.g., trajectórias de equilíbrio, distribuições de tensões);

14
CONCEITOS TEÓRICOS

(a) (b) (c)

(d) (e) (f) (g)


Figura 2.6 – Viga de secção em C com reforços de extremidade: (a) MLP; (b) MD; (c) MGFT
Coluna com secção em C com reforços de extremidade: (d) MLP; (e) MD; (f) MGF; (g) MGFT

Esta subdivisão em dois tipos de análise deve-se essencialmente ao facto de, do ponto de vista
prático, não ser necessária a caracterização integral do comportamento de pós-encurvadura do
elemento, bastando para isso os resultados de uma análise linear de estabilidade
(e.g., conceito de largura efectiva). Na análise linear de estabilidade (ALE), admite-se que a
barra é geometricamente perfeita (“ideal”) e, em rigor, é necessário resolver um problema de
valores próprios (tensões de bifurcação) e funções próprias (modos de instabilidade). No
entanto, numa grande maioria dos casos, o campo de deslocamentos da barra é discretizado
num certo número de graus de liberdade e, então, é-se conduzido a um problema de valores e
vectores (em vez de funções) próprios. Na análise não linear de estabilidade (ANLE), a
determinação da trajectória de equilíbrio (comportamento de pós-encurvadura) obriga,
invariavelmente, ao recurso a técnicas numéricas relativamente sofisticadas (métodos
incrementais-iterativos).

Finalmente, refere-se que os fenómenos de estabilidade podem ocorrer tanto em fase elástica
como em fase elasto-plástica. No entanto, e dada a elevada esbelteza que caracteriza os
elementos estruturais do aço enformados a frio, estes fenómenos ocorrem quase sempre em
regime elástico (a plasticidade surge apenas na fase avançada de pós-encurvadura).

2.4.1. Análise Linear de Estabilidade (ALE)

Em problemas de instabilidade bifurcacional em que a trajectória fundamental é linear e em


que apenas se pretende determinar as cargas de bifurcação e os correspondentes modos de
instabilidade, é suficiente efectuar uma “análise linear de estabilidade”. Concretamente, a
realização de uma ALE corresponde (i) à identificação dos pontos da trajectória fundamental
onde existe uma configuração de equilíbrio adjacente e (ii) à caracterização cinemática dessa
nova configuração de equilíbrio [2.2] (ver Figura 2.7).

15
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(a) (b)
Figura 2.7 – (a) Instabilidade bifurcacional e (b) configuração adjacente.

Do ponto de vista matemático, efectuar uma ALE de um sistema estrutural contínuo


corresponde a resolver um problema de valores e funções próprios. A formulação do problema
da procura das configurações adjacentes à trajectória fundamental onde existe equilíbrio pode
ser feita [2.1]:

(i) Através do estabelecimento das equações diferenciais (sistemas contínuos) ou algébricas


(sistemas discretos) de equilíbrio, com base em considerações e raciocínios efectuados
directamente a partir da configuração deformada do sistema estrutural.
(ii) Através da definição da energia potencial total do sistema estrutural e da utilização do
principio de estacionariedade que lhe está associado (Principio da Estacionariedade da
Energia Potencial - PEEP). Esta abordagem é apenas válida no caso de o trabalho das
forças aplicadas ser conservativo e, por isso, poder ser traduzido pela variação de um
potencial (e.g., estrutura ser constituída por um material elástico).

Para qualquer um deles, a solução exacta do referido sistema de equações de equilíbrio é


possível apenas em muito poucas situações, o que obriga a recorrer a métodos aproximados, a
esmagadora maioria dos quais “substitui” a estrutura real por um sistema estrutural discreto
(“discretização da estrutura”), o qual é, posteriormente, resolvido exactamente. Os métodos
mais conhecidos são os métodos das Diferenças Finitas, dos Integrais Finitos, de
Rayleigh-Ritz, Galerkin, dos Elementos Finitos (MEF), das Faixas Finitas (MFF) e a Teoria
Generalizada de Vigas (GBT). O MEF, é sem dúvida o mais utilizado dos métodos
numéricos, na medida em que permite modelar, adequadamente, os vários aspectos que
influenciam o respectivo comportamento estrutural e simular com precisão fenómenos de
instabilidade com elevado grau de complexidade. A crescente tendência para a realização de
ALE em aplicações correntes (dimensionamento e projecto) e o facto de os elementos
estruturais de aço enformados a frio serem, praticamente sempre, prismáticos, estão na origem
do desenvolvimento de métodos numéricos especificamente destinados à análise deste tipo de
sistemas estruturais, os quais apresentam uma elevada precisão e não requerem uma elevada
capacidade computacional (como o MEF). Encontram-se nessa categoria o método das faixas
finitas (MFF) e a Teoria Generalizada de Vigas (GBT).

2.4.1.1. Tensões de Bifurcação e Modos de Instabilidade

Tal como referido anteriormente, do ponto de vista da estabilidade, uma barra composta por
uma secção de parede fina aberta, está sujeita a fenómenos de instabilidade globais (secção

16
CONCEITOS TEÓRICOS

sofre movimentos de corpo rígido) e locais (secção sofre movimentos que envolvem distorção
das suas paredes entre si). Por uma questão de simplicidade da exposição, estes fenómenos de
instabilidade são usualmente apresentados em separado; no entanto, eles não são
independentes uns dos outros (nomeadamente, pela ocorrência de modos mistos) e
relacionam-se em função (i) do comprimento da barra, (ii) da forma e dimensões da sua
secção transversal e (iii) das condições de fronteira, i.e., das restrições aos deslocamentos e
rotações que existem nas secções (externas e/ou interiores).

Actualmente, a utilização de programas de cálculo numérico torna possível analisar uma barra
deste tipo, focando simultaneamente todos os aspectos que influenciam a estabilidade elástica
da secção (valor da tensão crítica de bifurcação e forma do correspondente modo de
instabilidade). A forma mais genérica de apresentar o comportamento de estabilidade de uma
determinada secção consiste em mostrar a sua curva de estabilidade, a qual permite visualizar
a variação tensão de bifurcação σb com o comprimento a da barra. Nas Figuras 2.8a-2.8c,
apresentam-se qualitativamente curvas de estabilidade relativas ao comportamento de vigas
com secção em C com reforços de extremidade com três espessuras diferentes, que descrevem,
qualitativamente, a variação do “coeficiente de encurvadura” kσ, com a tensão de bifurcação
σb através da expressão:
2
π2 ⋅ E ⎛h⎞
σb = k σ ⋅ 2
⋅⎜ ⎟ (2.1)
12 ⋅ (1 − ν ) ⎝ t ⎠

com a relação (a/h), representada em escala logarítmica. As dimensões h, e t são a largura da


alma e a espessura da parede, e E e v são o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson
do aço. Estas curvas podem ser obtidas através do programa de faixas finitas CUFSM [2.21,
2.22] ou do programa baseado na teoria generalizada de vigas GBTUL [2.23]. Nesta análise
admite-se que o modo de instabilidade exibe um único semi-comprimento de onda (n=1, a
que estão associados os conceitos de barras “curtas”, “intermédias” e “longas” exposto no
início do ponto 2.4). As secções transversais analisadas diferem entre si apenas na espessura
da parede que tem sempre valor crescente entre as três secções analisadas (t1 < t2 < t3).

Qualquer uma das curvas apresenta dois mínimos locais. Enquanto o primeiro mínimo local
(para comprimentos curtos) corresponde a uma bifurcação no Modo Local de Placa (MLP), o
segundo mínimo (para comprimentos intermédios) está associado à bifurcação no Modo
Distorcional (MD). Para barras longas, existe sempre um último troço “descendente associado
a uma bifurcação no Modo Global de Flexão-Torção (MGFT), correntemente designado de
Modo Global de Instabilidade Lateral. Para o caso particular de uma barra com secção em C
submetida a flexão (viga) ou a compressão uniforme (coluna), apresentam-se na
Figura 2.6 [2.1] os modos de instabilidade relevantes: (i) modo local de placa (MLP), (ii) modo
distorcional (MD), (iii) modo global de flexão (MGF) e (iv) modo global de flexão-torção
(MGFT). Uma análise mais cuidada das curvas de estabilidade representadas nas
Figuras 2.8a-2.8c permite concluir que:

(i) Dependendo da espessura da chapa, o modo de instabilidade crítico pode variar. Assim
para:
- t=t1, o valor da “tensão critica local” σcrit (i.e., de kcrit) está associado à ocorrência
do MLP;
- t=t3, o valor da “tensão critica local” σcrit (i.e., de kcrit) está associado à ocorrência
do MD;

17
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

- t=t2, o valor da “tensão critica local” σcrit (i.e., de kcrit) pode estar associado à
ocorrência quer do MLP como do MD. É para este tipo de situações que podem
ocorrer fenómenos de interacções entre modos locais (Local de placa vs.
Distorcional);

Figura 2.8a – Variação do valor de kσ com a relação (aLG/h): t=t1 < t2 < t3

Figura 2.8b – Variação do valor de kσ com a relação (aLG/h): t3 ≥ t= t2 ≥ t1

Figura 2.8c – Variação do valor de kσ com a relação (aLG/h): t= t3 ≥ t2 ≥ t1

(ii) O conceito de coluna “suficientemente longa” está associado ao comprimento para o


qual o valor de kσ, no último troço, se torna inferior a kcrit. Este comprimento (aLG)
corresponde à transição do modo crítico de local (local de placa ou distorcional –
– coluna “curta”) para global (neste caso, de flexão-torção – coluna “longa”). Deve
notar-se, no entanto, que apesar de se ter considerado apenas um único semi-
-comprimento de onda (igual ao comprimento da barra), para comprimentos inferiores

18
CONCEITOS TEÓRICOS

a aLG (preponderância de um modo local), a tensão critica de bifurcação da coluna


está, em geral, associada a um modo de instabilidade com vários semi-comprimentos
de onda.

De referir que a existência de reforços de extremidade implica necessariamente a ocorrência do


modo distorcional. Neste trabalho, classifica-se sempre o modo distorcional como um “modo
local”, inclusivamente porque a sua contabilização no dimensionamento segundo o
Eurocódigo 3 [2.32-2.35] é efectuado no âmbito da análise da secção. Por exemplo, secções
em C sem reforços de extremidade não exibem modos distorcionais (MD) e a curva de
estabilidade exibe um único mínimo local, associado ao modo local de placa (MLP). Deve
ainda mencionar-se que existem modos de instabilidade que combinam as características de
mais do que um dos quatro modos identificados anteriormente, os quais se designam,
genericamente, por “modos mistos”. Assim, as curvas de instabilidade nem sempre são tão
bem “vincadas” como no exemplo apresentado, existindo muitas vezes modos mistos e
fenómenos de interacção a que estão associadas curvas mais “esbatidas” (sem mínimos tão
“claros”).

Apresenta-se, em seguida, uma descrição sumária das características de cada um dos tipos de
modos de instabilidade identificados:

(i) Modo Local de Placa


Configuração do modo de instabilidade

Quanto à configuração do modo de instabilidade, pode verificar-se que:

• Os bordos longitudinais internos (i.e., que unem duas paredes adjacentes) sofrem
apenas rotações, não tendo qualquer movimento de translação, conforme mostram
as Figuras 2.6a e 2.6d.
• A deformação das secções deve-se, exclusivamente, à flexão das paredes internas
(as paredes externas têm um bordo livre e, por isso, sofrem, sobretudo,
deslocamentos de corpo rígido).
• Tal como para placas cuja relação comprimento/largura é superior a 4 (“placas
longas”) submetidas a compressão uniaxial, o MLP exibe semi-comprimentos de
onda longitudinais da mesma ordem de grandeza da largura da placa. Deste modo,
as paredes da barra apresentam a configuração “ondulada” representada na
Figura 2.9, respeitante a um troço de coluna (barra submetida a compressão
uniforme) com secção tubular quadrada.
• As condições de fronteira da barra apenas afectam a configuração do MLP junto
das extremidades, não alterando significativamente o seu andamento global.

Análise de Estabilidade

A estabilidade da barra é condicionada pelo comportamento da sua parede (chapa ou


placa) mais susceptível de instabilizar por flexão, cuja localização depende das
dimensões da secção transversal (esbelteza das várias placas) e da distribuição das
tensões actuantes. Em termos físicos, é lícito dizer que [2.1]:

• A instabilidade da barra é “precipitada” pela encurvadura, por flexão, da chapa


condicionante, sendo as restantes chapas “obrigadas”, por compatibilidade, a
acompanhar a deformação.

19
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• O comportamento da barra pode ser assimilado ao de uma placa comprimida


(total ou parcialmente) cujos bordos longitudinais estão na condição de
“encastramento elástico”. É, então, válido utilizar modelos estruturais como o
representado na Figura 2.10. Refira-se ainda que é habitual, na maior parte dos
regulamentos desprezar as restrições à rotação, considerando que os bordos
longitudinais da chapa estão simplesmente apoiados.

Figura 2.9 – Configuração do MLP num troço de coluna com secção tubular quadrada.

Figura 2.10 – Modelo estrutural para estudar a instabilidade no MLP (secção em C).

O modo local de placa é critico sempre que a instabilidade da chapa condicionante


preceder todos os outros possíveis fenómenos de instabilidade ou, alternativamente,
quando estes estiverem impedidos (i.e., se as barras possuírem reforços eficazes e
estiverem adequadamente contraventadas).

Dificuldades

Em metodologias que tratam a secção como um todo (eg., MEF, MFF, GBT) nem
sempre é fácil identificar o MLP nas curvas de instabilidade, na medida em que:

• O MLP pode ser difícil de distinguir do MD em alguns tipos de secção;


• Em secções submetidas a flexão e/ou sujeitos a gradientes de tensão, nos quais o
valor da tensão de tracção seja muito superior ao tensão de compressão;

(ii) Modo Distorcional

Configuração do modo de instabilidade

Quanto à configuração do modo de instabilidade, pode verificar-se que:

• Os bordos longitudinais internos da barra sofrem simultaneamente rotações e


translações, conforme mostram as Figuras 2.6b e 2.6e.

20
CONCEITOS TEÓRICOS

• Parte da secção sofre distorção e outra predominantemente deformação de corpo


rígido (das paredes internas adjacentes aos reforços).
• O MD exibe semi-comprimentos de onda 5 a 10 vezes superiores aos do MLP, o
que está na origem de alguns autores o não classificarem como “modo local”. A
Figura 2.11b mostra a configuração deformada no MD do troço de coluna com
secção em C representado na Figura 2.11a.
• Contrariamente ao MLP, o MD exibe elevados deslocamentos de empenamento,
sobretudo nas zonas dos reforços.
• Ao contrário do que sucede no MLP, o andamento do MD é razoavelmente sensível
às condições de fronteira da barra, sobretudo no que diz respeito à restrição ao
empenamento nas secções extremas.

(a) (b)
Figura 2.11 – Configurações (a) indeformada e (b) do MD num troço de coluna em C.

Análise de Estabilidade

A estabilidade da barra é condicionada pelo comportamento à torção, em torno de um


bordo interno indeformado, das paredes (chapas ou placas) adjacentes ao bordo
interno que se desloca. Em termos físicos, pode dizer-se que [2.1]:

• A instabilidade da barra é “precipitada” pela encurvadura, por torção em tomo de


um bordo interno, de uma “sub-barra” (conjunto de chapas), e as restantes chapas
exibem, por compatibilidade, deformações de flexão.
• O comportamento da barra pode ser assimilado ao de um conjunto de placas
comprimidas (total ou parcialmente) em que um dos bordos longitudinais está livre e
o outro na condição de “encastramento elástico móvel”. Podem então utilizar-se
modelos estruturais do tipo representado na Figura 2.12, inicialmente propostos por
Lau e Hancock [2.1, 2.12, 2.13].

O modo distorcional é crítico sempre que a instabilidade da “sub-barra” preceder todos


os outros possíveis fenómenos de instabilidade, o que implica, por um lado, a presença
de reforços ineficazes e, por outro lado, a existência de contraventamentos adequados
para impedir o modo global.

21
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 2.12 – Modelo estrutural para estudar a instabilidade no MD (secção em C).

Dificuldades

Em metodologias que tratam a secção como um todo (eg., MEF, MFF, GBT) nem
sempre é fácil identificar o MD nas curvas de instabilidade, na medida em que, pode
não apresentar um mínimo do parâmetro de carga, mesmo quando os associados ao
MLP e aos modos globais sejam claros. Por outro lado, em secções muito reforçadas,
isto é, com vários reforços de extremidade e intermédios, podem ocorrer vários tipos de
MD e nem sempre é fácil distinguir os correspondentes mínimos locais da curva de
estabilidade.

(iii) Modos Globais (de Flexão e Flexão-Torção)

São exemplos “clássicos” da ocorrência deste tipo de modos, (i) a encurvadura, por
flexão em tomo de um eixo principal central de inércia, da “coluna de Euler” e
(ii) a instabilidade lateral, por flexão em torno do eixo de menor inércia e torção, de
vigas (barras flectidas). Em geral, para os perfis laminados a quente, são estes os modos
de instabilidade condicionantes, razão pela qual, são os mais conhecidos pela maior
parte dos técnicos. Para além destes, existem outros menos conhecidos, em geral
associados a perfis mais esbeltos, como os modos de instabilidade de torção pura de
colunas com baixa rigidez de empenamento (colunas com secção em cantoneira, T e
cruciforme).

Configuração do modo de instabilidade

Quanto à configuração do modo de instabilidade, pode verificar-se que:

• As secções das barras praticamente não se deformam, sofrendo unicamente


deslocamentos de corpo rígido (i.e.; translações e/ou rotações) no seu próprio
plano. Nenhum dos elementos da secção sofre qualquer tipo de distorção.
• Os modos críticos globais de flexão ou de flexão-torção exibem uma única semi-
-onda. No caso de uma barra simplesmente apoiada nas duas direcções, com
rotação de torção impedida e empenamento permitido em ambas as extremidades,
o comprimento da semi-onda corresponde ao comprimento da barra. Para outras
condições de fronteira (i.e., barras com contraventamento laterais), estes modos
podem exibir mais semi-comprimentos de onda.
• Tal como o MD, os modos globais são bastante sensíveis às condições de fronteira
da barra, pois também apresentam deslocamentos de empenamento apreciáveis.

22
CONCEITOS TEÓRICOS

• Os modos de instabilidade globais são geralmente bem conhecidos da comunidade


técnica e encontram-se bem disseminados na literatura (e.g., [2.2, 2.5, 2.29]).
Os modos globais são críticos sempre que as barras sejam “suficientemente longas” e
não estejam adequadamente contraventadas.

Dificuldades

Em geral, é sempre mais fácil identificar os modos globais do que os modos locais, pois
o troço da curva de estabilidade é sempre descendente. No entanto, podem existir
algumas dificuldades na sua identificação, na medida em que podem ocorrer modos
mistos resultantes da interacção dos modos globais com os MLP e/ou MD, podendo ser
difícil de identificar modos globais puros para semi-comprimentos de onda médios a
longos.

2.4.1.2. Estabilidade Linear de Barras (modos globais)

Pode considerar-se que a Teoria Linear da Estabilidade teve o seu início com os trabalhos de
Euler [2.1, 2.9] em 1744 sobre a instabilidade global, por flexão, de colunas elásticas
simplesmente apoiadas e submetidas a compressão uniforme. Devido à inexistência de recursos
computacionais eficientes, a esmagadora maioria dos resultados clássicos, tanto exactos como
aproximados, foi calculada por via analítica (solução exacta da equação diferencial de
equilíbrio, métodos de Galerkin ou Rayleigh-Ritz, etc.). No que respeita à instabilidade em
modos que envolvem torção, para além das investigações baseadas no estudo analítico de
torção uniforme publicado por Saint-Venant [2.1, 2.10], em finais do século XIX, a concepção
de uma teoria geral para a instabilidade global de barras com secção de parede fina aberta,
por parte de Vlassov [2.1, 2.11] em 1959, veio permitir o estudo completo da instabilidade por
torção uniforme ou não uniforme, incluindo o efeito do empenamento. Limitações de natureza
computacional impediram a aplicação em larga escala desta teoria geral, o que só viria a
acontecer com o aparecimento e disseminação dos computadores na década de 80.

Em seguida, apresenta-se a dedução de um conjunto de expressões para a determinação das


cargas críticas de instabilidade de colunas e momentos críticos de instabilidade de vigas.
Embora estas expressões se encontrem disseminadas na literatura, o autor entendeu apresentá-
-las de uma forma sistematizada e unificada em virtude de a versão EN do EC3 ser omisso
relativamente a este aspecto. Para além disso, estas expressões revestem-se de uma enorme
utilidade na medida em que serão utilizadas no Capítulo 5, no âmbito da determinação da
resistência à encurvadura de barras, conforme preconiza o EC3.

2.4.1.2.a) Instabilidade Global de Colunas

Considere-se a coluna na Figura 2.13a com as seguintes características:

• Comprimento: L;
• Rigidezes de flexão em torno dos eixos principais centrais de inércia: EI y (maior inércia)
e EI z (menor inércia);
• Rigidez de torção: GI t ;
• Rigidez de empenamento: EI w ;

23
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• Rigidez axial: EA = ∞ (axialmente indeformável). É sobejamente reconhecido que a


deformabilidade axial não afecta o valor da carga crítica de uma coluna nem a forma
do modo crítico de instabilidade;

A encurvadura da coluna ocorre por uma combinação de torção e flexão desviada, ou seja, a
secção transversal sofre deslocamentos e rotações de corpo rígido como apresentado na
Figura 2.13b.

Figura 2.13a – Coluna comprimida: Secção transversal arbitrária.

Figura 2.13b – Coluna comprimida: Deslocamentos sofridos por uma secção arbitrária.

Considere-se ainda que os eixos coordenados estão localizados no centro de corte e não no
centro de gravidade e são paralelos aos eixos centrais principais de inércia, tendo o centro de
gravidade G coordenadas y0 e z0.

Relativamente às condições de fronteira, considerou-se que nos apoios:

• As translações segundo y e z estão impedidas: v(0) = v(L ) = w (0 ) = w (L ) = 0 (2.2a)

• As rotações em torno de y e z estão livres: v ,xx (0 ) = v ,xx (L ) = w ,xx (0 ) = w ,xx (L ) = 0 (2.2b)

• As rotações de torção estão impedidas: φ(0 ) = φ(L ) = 0 (2.2c)

• Os deslocamentos de empenamento estão permitidos: φ,xx (0 ) = φ,xx (L ) = 0 (2.2d)

Por se tratar de um problema conservativo, é possível aplicar o Princípio da Estacionariedade


da Energia Potencial (PEEP). Tal como referido anteriormente, é apenas preciso reter o termo
quadrático da energia potencial que é dado por [2.2]:

V2 ≡ V = U + Ve (2.3a);

L
U=
1
20∫ [ ]
EI y ⋅ w ,2xx + EI z ⋅ v ,2xx + GIt ⋅ φ ,2x + EI w ⋅ φ ,2xx ⋅ dx (2.3b);

L
P
[ ]
Ve = −P ⋅ Δ = − ∫ v ,2x + w ,2x + i02 ⋅ φ ,2x − 2 ⋅ z 0 ⋅ v ,x ⋅ φ ,x + 2 ⋅ y 0 ⋅ w , x ⋅ φ , x ⋅ dx
20
(2.3c);

24
CONCEITOS TEÓRICOS

em que:

• Δ é o encurtamento da coluna;
• I y e I z são os momentos principais centrais de inércia da secção em torno dos eixos de,
respectivamente, maior e menor inércia;
• i0 é o raio de giração polar da secção em relação ao centro de corte, que vem
definido por:
( )
i02 ⋅ A = ∫ y 2 + z 2 ⋅ dA ⇔ i02 = i 2y + i 2z + y 02 + z 02 (2.4)
A

A estacionarização do funcional (2.3a) permite obter as três equações de Euler-Lagrange,

EI z ⋅ v , xxxx + P ⋅ (v , xx − z 0 ⋅ φ , xx ) = 0 (2.5a);

EIy ⋅ w ,xxxx + P ⋅ (w ,xx − y 0 ⋅ φ,xx ) = 0 (2.5b);

( )
EIw ⋅ φ ,xxxx − GIt ⋅ φ ,xx + P ⋅ i02 ⋅ φ,xx − y 0 ⋅ w ,xx + z 0 ⋅ v ,xx = 0 (2.5c);

A solução das equações diferenciais de equilíbrio (2.5), correspondente à forma do modo


crítico de instabilidade da coluna (Pcr), é da forma:

⎧ v ⎫ ⎧ C1 ⎫
⎪⎪ ⎪⎪ ⎪⎪ ⎪⎪ π⋅x
⎨w ⎬ = ⎨C 2 ⎬ ⋅ sen (2.6)
⎪ ⎪ ⎪ ⎪ L
⎪⎩ φ ⎪⎭ ⎪⎩C 3 ⎪⎭

Introduzindo a equação (2.6) em (2.5) e aplicando as condições de fronteira (2.2) obtém-se o


seguinte sistema de equações lineares:

⎡(PEz − P ) 0 P ⋅ z 0 ⎤ ⎧ C1 ⎫ ⎧0⎫

⎢ 0 (PEy − P) − P ⋅ y 0 ⎥⎥ ⎪⎨C 2 ⎪⎬ = ⎪ ⎪
⎨0⎬ (2.7)
⎢ P ⋅ z0
⎣ − P ⋅ y 0 i02 ⋅ (Pφ − P )⎥⎦ ⎪⎩C 3 ⎪⎭ ⎪0⎪
⎩ ⎭
onde
π 2 ⋅ EI y
PEy = (2.8a)
L2
π 2 ⋅ EI z
PEz = (2.8b)
L2
1 ⎛ π 2 ⋅ EI w ⎞
Pφ = ⋅ ⎜ GI + ⎟⎟ (2.8c);
i 02 ⎜⎝
t
L2 ⎠
são, respectivamente, a cargas críticas de flexão em torno dos eixo y e z e a carga crítica de
torção em torno do eixo x.

As soluções do sistema de equações (2.7) são:

• C1=C2=C3=0 – trajectória fundamental;

25
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• C1≠0, C2≠0, C3≠0 se o determinante do sistema for nulo (solução não trivial). Tal
conduz à equação característica,

i02 ⋅ (P − PEy ) ⋅ (P − PEz ) ⋅ (P − Pφ ) − P 2 ⋅ z 02 ⋅ (P − PEy ) − P 2 ⋅ y 02 ⋅ (P − PEz ) = 0 (2.9)

Esta equação geral pode tomar outras formas mais simplificadas para determinadas condições
de simetria da secção. Analisam-se por isso as seguintes situações: (i) secções sem simetria
(assimétricas), (ii) secções com um eixo de simetria (monosimétricas) e (iii) secções com dupla
simetria (bi-simétricas).

(i) Secções sem simetria (y0≠0 e z0≠0 – caso mais geral)


Pcr é a menor raiz de (2.9) e tem-se Ci≠0 (i=1,2,3), ou seja, o modo crítico de
instabilidade envolve simultaneamente flexão desviada e torção. A solução da equação
(2.9), que envolve a solução de um polinómio do 3.º grau, será sempre inferior a
qualquer uma das cargas críticas associadas aos modos puros de flexão ou torção
( Pcr < min{ PEy ; PEz ; Pφ } ). Na literatura, existem diversas metodologias para a obtenção
de raízes de polinómios do 3.º grau. Estas podem ser resolvidas, em geral, de forma
numérica / iterativa, ou através de expressões para as suas raízes [2.25, 2.26, 2.27].
Correntemente, a utilização de máquinas de calcular mais sofisticadas e de programas
de manipulação simbólica facilita esta tarefa.

(ii) Secções com um eixo de simetria (y0=0 ou z0=0 – secções em C, T, etc.)


Admitindo que y é o eixo de simetria (z0=0) tem-se

(P − PEz ) ⋅ [i02 ⋅ (P − PEy ) ⋅ (P − Pφ ) − P 2 ⋅ y 02 ] = 0 (2.10a)

cujas soluções são dadas por


(Pcr )1 = PEz (2.10b)

⋅ (PEy + Pφ ) + (P + Pφ ) − 4 ⋅ β ⋅ PEy ⋅ Pφ ⎤
1 ⎡ 2
(Pcr )2 = (2.10c)
2 ⋅ β ⎢⎣ ⎥⎦
Ey

⋅ (PEy + Pφ ) − (P + Pφ ) − 4 ⋅ β ⋅ PEy ⋅ Pφ ⎤
1 ⎡ 2
(Pcr )3 = Pcr ,TF = (2.10d)
2 ⋅ β ⎢⎣ ⎥⎦
Ey

onde
2
⎛y ⎞
β = 1− ⎜⎜ 0 ⎟⎟ (2.10e)
⎝ i0 ⎠

constitui uma constante que inclui o efeito de assimetria da secção em relação ao eixo
y. Como (Pcr)3 toma um valor mais pequeno que (Pcr)2, o valor da carga de flexão-torção
Pcr,TF toma este valor. Assim, o valor da carga crítica é dado por

Pcr = min{ PEz ; Pcr ,TF } (2.11f)

Caso o eixo z fosse o eixo de simetria (y0=0), então obter-se-ia (paralelamente ao caso
anterior),
Pcr = min{ PEy ; Pcr ,TF } (2.12a)

26
CONCEITOS TEÓRICOS

onde
1 ⎡
⋅ (PEz + Pφ ) − (P + Pφ ) − 4 ⋅ γ ⋅ PEz ⋅ Pφ ⎤
2
Pcr ,TF = (2.12b)
2 ⋅ γ ⎢⎣ ⎥⎦
Ez

2
⎛z ⎞
γ = 1− ⎜⎜ 0 ⎟⎟ (2.12c)
⎝ i0 ⎠

é uma constante que inclui o efeito de assimetria da secção agora em relação ao eixo z.

(iii) Secções com dupla simetria (y0=0 e z0=0 – secção em I, etc.)

Neste caso, o mais simples de todos, a expressão (2.9) simplifica-se,

(P − P )⋅ (P − P ) ⋅ (P − P ) = 0
Ey Ez φ (2.13a)

e as suas soluções são, obviamente, PEy , PEz e Pφ . A carga crítica é fornecida por

Pcr = min{ PEy ; PEz ; Pφ } (2.13b)

Em primeiro lugar, deve notar-se que as expressões apresentadas anteriormente para o cálculo
dos valores de PEy , PEz e Pφ , foram deduzidas para barras simplesmente apoiadas e com
empenamento livre (comprimento de encurvadura igual ao comprimento da barra). Para
diferentes condições de fronteira, e sem perda de generalidade, pode introduzir-se o conceito
de comprimento de encurvadura, o qual corresponde ao comprimento fictício entre pontos de
inflexão do modo de instabilidade em causa. Sendo assim, as equações (2.8) podem ser
rescritas da seguinte forma,
π 2 ⋅ EIy
PEy =
(k y ⋅ L )2
(2.14a)

π 2 ⋅ EI z
PEz = (2.14b)
(k z ⋅ L )2
1 ⎛ π 2 ⋅ EI w ⎞
Pφ = ⋅ ⎜⎜ GI t + ⎟
2 ⎟
(2.14c);
r02 ⎝ (k w ⋅ L ) ⎠

onde ky, kz e kw são factores que permitem ter em conta outras condições de fronteira.

Por outro lado, se a carga P for aplicada fora do centro de massa ter-se-á um caso de
compressão excêntrica. Considerem-se e y e e z as coordenadas y e z do ponto de aplicação da
carga P em relação ao centro de gravidade, respectivamente. A solução do problema é
idêntica à do caso de carga axial concêntrica, mas utilizando novos valores de z0 e y0. Assim,
as constantes de assimetria (β e γ) e o raio de giração polar em relação ao centro de corte (i0)
terão de ser corrigidos. As constantes a utilizar são dadas por [2.5]:
y0 = y0 − e y (2.15a)

z0 = z0 − ez (2.15b)

27
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

2
⎛y ⎞
β = 1 − ⎜⎜ 0 ⎟⎟ (2.15c)
⎝ i0 ⎠
2
⎛z ⎞
γ = 1− ⎜⎜ 0 ⎟⎟ (2.15d)
⎝ i0 ⎠

i0 = i02 + β z ⋅ e y + β y ⋅ e z (2.15e)

onde
1
βy = ⋅ ∫ ( y 2 + z 2 ) ⋅ z ⋅ dA − 2 ⋅ z 0 (2.15f)
Iy A

1
βz = ⋅ ∫ ( y 2 + z 2 ) ⋅ y ⋅ dA − 2 ⋅ y 0 (2.15g)
Iz A

são parâmetro de assimetria, respectivamente, em relação aos eixos y e z e, e y e e z ,


respectivamente, as coordenadas y e z do ponto de aplicação da carga P em relação ao centro
de gravidade.

2.4.1.2.b) Instabilidade por Lateral de Vigas

A instabilidade lateral por flexão-torção de vigas sujeitas a momento-flector reveste-se de


diversas particularidades que caracterizam este fenómeno, tornando-o significativamente mais
complexo que o da instabilidade por flexão, torção ou flexão-torção de colunas sujeitas a
esforço axial. Assim, definiu-se o seguinte problema padrão: viga com secção
monosimétrica, simplesmente apoiada nas duas direcções, com rotação de torção
impedida e empenamento permitido em ambas as extremidades e submetida a
momento uniforme em torno do eixo de maior inércia. Este caso, no qual é relativamente
simples obter uma solução analítica, é posteriormente “complicado” por forma a fazer intervir
outros fenómenos (cargas aplicadas, ponto de aplicação da carga).

Para além das condições de apoio que também desempenhavam um papel importante na
encurvadura de colunas (barras comprimidas), o cálculo do momento crítico de instabilidade
também é significativamente afectado por outros factores como:

• Tipo de carregamento – Outros tipos de carregamento diferentes do associado a um


diagrama uniforme de momentos exibem gradientes de momentos bem como esforço
transverso, os quais conduzem geralmente a soluções bem distintas das correspondentes
aos valores do momento crítico sob flexão uniforme (no entanto, são sempre superiores).
• Posição da linha de acção das cargas transversais – Se o ponto de aplicação de
carga não coincidir com o centro de corte, tal como nas secções com algum tipo de
assimetria, existem momentos torsores secundários que alteram as trajectórias de
equilíbrio de pré-encurvadura. Neste caso, deixa de existir “fisicamente” o fenómeno de
bifurcação”, existindo uma transição suave para um nível de carga correspondente ao
momento crítico de instabilidade (este corresponde somente à solução matemática do
problema de valores e vectores próprios).
• Posição do ponto de aplicação das cargas transversais – Se a linha de acção da
carga transversal passar sobre o centro de corte, coloca-se ainda a questão de saber se

28
CONCEITOS TEÓRICOS

o ponto de aplicação da carga está “abaixo”, coincidente ou “acima” do centro de


corte (relativamente ao sentido da carga transversal). Este aspecto é importante na
medida em que o efeito da carga transversal pode ser estabilizante (aumenta o valor do
momento crítico), neutro (não influencia o valor do momento crítico) ou instabilizante
(diminui o valor do momento crítico).

Assim, aborda-se em seguida a instabilidade lateral de vigas com secção monosimétrica e


sujeitas a momento uniforme. Note-se que o caso de vigas com secção bi-simétrica
corresponde a uma simplificação do caso anterior (como se constatará adiante).
Posteriormente, e de forma resumida, descreve-se o efeito do tipo de carregamento e da
posição do ponto de aplicação das cargas transversais no valor do momento crítico.

2.4.1.2.b.1) Vigas sujeitas a momento-flector uniforme

Considere-se a barra da Figura 2.14a (ou Figura 2.14b) com as mesmas características e
condições de fronteira (equações 2.2) que as da coluna estudada anteriormente
(Figura 2.13a). A instabilidade lateral da viga ocorre por uma combinação de torção e flexão
desviada, ou seja, a secção transversal sofre deslocamentos e rotações de corpo rígido como
apresentado na Figura 2.15.

Figura 2.14a – Viga flectida: Secção transversal em I (banzos desiguais).

Figura 2.14b – Viga flectida: Secção transversal em I (banzos iguais).

De salientar, que enquanto no caso da instabilidade de colunas com secção bi-simétrica, o


centro de rotação da secção na posição deformada é o centro de corte, no caso da
instabilidade lateral de vigas, o centro de rotação da secção na posição deformada é um
ponto exterior à secção que não é necessariamente o centro de corte. Tal deve-se à
contribuição da flexão na menor inércia (como se verá adiante), a qual conjuntamente com a
torção, faz deslocar o centro de rotação “para baixo”.

À semelhança das colunas, por se tratar de um problema conservativo, é possível aplicar o


Princípio da Estacionariedade da Energia Potencial (PEEP), pelo que apenas se retém o termo
quadrático da energia potencial que é dado por [2.2],

V2 ≡ V = U + Ve (2.16a)

L
U=
1
20∫ [ ]
EI y ⋅ w ,2xx + EI z ⋅ v ,2xx + GIt ⋅ φ ,2x + EI w ⋅ φ ,2xx ⋅ dx (2.16b)

L
[ ]
Ve = M ∫ φ ⋅ v ,xx + w ,xx + β y ⋅ φ,2x ⋅ dx (2.16c)
0

29
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

sendo β y o “parâmetro de assimetria em relação ao eixo y” definido por (2.15). Aplicando o


princípio de estacionariedade da energia potencial, e para as condições de fronteira
particulares deste sistema, obtém-se as equações variacionais dos modos de instabilidade

EI y ⋅ w , xx = −M (2.17a)

EI z ⋅ v , xx = −M ⋅ φ (2.17b)

GI t ⋅ φ ,x − EI w ⋅ φ, xxx = M ⋅ v ,x − M ⋅ β y ⋅ φ ,x (2.17c)

Figura 2.15 – Viga flectida: Deslocamentos sofridos pela secção.

Não tendo nenhum termo em v ou φ , a equação (2.17a) é independente de (2.17b) e (2.17c),


pelo que pode ser resolvida separadamente (de facto, corresponde à solução fundamental do
problema – flexão em torno do eixo de maior inércia y). Paralelamente ao papel
desempenhado pela deformação axial na instabilidade de colunas [2.2], o deslocamento de
flexão w também é pouco relevante no comportamento de instabilidade de vigas e é
frequentemente desprezado (no entanto, a consideração deste efeito pode aumentar o valor do
momento crítico em alguns casos).

Rescrevendo a equação (2.17b) em função de v , xx e substituindo em (2.17c), obtém-se


M2
EIw ⋅ φ ,xxxx − (GIt + M ⋅ β y,x ) ⋅ φ ,xx − ⋅φ = 0 (2.18a)
EIz
cuja solução é da forma,

φ( x ) = A ⋅ sen(m ⋅ x ) + B ⋅ cos(n ⋅ x ) + C ⋅ e n⋅x + D ⋅ e −n⋅x = 0 (2.18b)

com
m = − a + a2 + b (2.18c)

n = a + a2 + b (2.18d)

GIt
a= (2.18e)
2 ⋅ EI w

30
CONCEITOS TEÓRICOS

M2
b= (2.18f)
EIz ⋅ EIw

Introduzindo as condições de fronteira (2.2) em (2.18b) obtém-se o sistema:

⎧ A ⋅ sen(m ⋅ L ) + 2 ⋅ D ⋅ senh(n ⋅ L ) = 0
⎨ (2.19a)
⎩ A ⋅ m ⋅ sen(m ⋅ L ) + 2 ⋅ D ⋅ n ⋅ senh(n ⋅ L ) = 0
2 2

o qual tem soluções não triviais para:


π
sen(m ⋅ L ) = 0 ⇔ m= (menor raíz) (2.19b)
L
obtendo-se então o momento crítico:
M cr = C βy ⋅ Mcr (2.20a)

onde
π 2 ⋅ EI z ⎛ π 2 ⋅ EI w ⎞
Mcr = ⋅ ⎜⎜ GI t + ⎟ = i 0 ⋅ PEz ⋅ Pφ
⎟ (2.20b)
L2 ⎝ L2 ⎠

2 2
⎛ β y π 2 ⋅ EI z ⎞ β π 2 ⋅ EI z ⎛ β y PEz ⎞ β P
C βy = 1+ ⎜⎜ ⋅ 2 ⎟ + y⋅ 2
⎟ = 1+ ⎜ ⋅
⎜ 2 M ⎟
⎟ + y ⋅ Ez (2.20c)
⎝ 2 L ⋅ Mcr ⎠ 2 L ⋅ Mcr ⎝ cr ⎠
2 Mcr

e o modo de instabilidade caracterizado por:


π⋅x
φ = A ⋅ sen (2.20d)
l
π⋅x
v = A'⋅sen (2.20e)
l
Note-se que Mcr (expressão (2.20b) é o valor do momento crítico de instabilidade lateral de
vigas com secção bi-simétrica (dupla simetria) – note-se também que o parâmetro de assimetria
βy não surge obviamente na expressão de Mcr . Por outro lado o momento crítico pode ainda
ser apresentado na forma seguinte,

⎡β ⎤ ⎡β ⎤
GI ⋅ (k ⋅ L ) ⎛ k z
2 2 2
π 2 ⋅ EIz ⎛ βy ⎞ 2
⎞ Iw ⎥ ⎛ βy ⎞ P
⋅⎢ ⋅⎢ ⎟ + i02 ⋅ φ ⎥
y y
M cr = + ⎜⎜ ⎟ + t 2 z
⎟ + ⎜⎜ ⎟⎟ ⋅ = PEz + ⎜⎜ ⎟ (2.20f)
(k z ⋅ L z )2 ⎢ 2 ⎝2 ⎠ π ⋅ EIz ⎝kw ⎠ Iz ⎥ ⎢ 2 ⎝2 ⎠ PEz ⎥
⎣ ⎦ ⎣ ⎦

Na expressão anterior (2.20f) introduziram-se os coeficientes k do comprimento de


encurvadura. Esta metodologia havia já sido referida a propósito da instabilidade de colunas.
Nesta equação, a menos de algumas constantes, intervêm todas as grandezas que estão
presentes na equação do momento crítico Mcr apresentada no anexo F da ENV 1993-1-1
[2.32]. Por outro lado, as últimas parcelas das expressões (2.20b), (2.20c) e (2.20f) estão
apresentadas segundo a notação de [2.36] AISI, por se julgar mais simples de memorizar e de
sistematizar.

31
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

2.4.1.2.b.2) Influência do tipo de carregamento

A influência de tipos de carregamentos diferentes dos associados a distribuições uniformes de


momentos, é de difícil formulação analítica, já que sendo variável o momento flector, os
coeficientes da equação (2.18a) deixam de ser constantes e, logo, a sua solução tem de ser
obtida por meios numéricos [2.2]. O resultado destas análises numéricas é depois aplicado na
calibração de constantes que multiplicam o momento crítico associado ao “caso padrão”
(momento uniforme, analisado anteriormente), as quais podem ser encontradas em diversos
regulamentos, livros e artigos [2.2, 2.28 – 2.31]

2.4.1.2.b.3) Influência da posição do ponto de aplicação das cargas transversais

Tal como referido anteriormente, a posição do ponto de aplicação das cargas transversais
afecta o valor do momento crítico de instabilidade lateral. No caso mais geral, a carga
transversal pode ser aplicada em qualquer ponto no plano da secção. Esse efeito, de difícil
formulação do ponto de vista analítico, é usualmente obtido através de análises numéricas. Os
resultados destas análises servem para calibrar factores inseridos nas expressões de momento
crítico presentes nos regulamentos, como é o caso da expressão geral do Eurocódigo 3
[2.32, 2.33].

2.4.1.3. Estabilidade Linear de Placas

Em 1833, foi Saint-Venant [2.1 , 2.10] quem primeiro estabeleceu a equação diferencial que
traduz o equilíbrio de uma placa numa configuração adjacente. A tensão crítica elástica de
uma placa rectangular com condições de apoio e de carregamento simples pode ser obtida
recorrendo a formulações analíticas. No caso de situações mais complexas de apoio e de
carregamento é, em geral, necessário recorrer a metodologias aproximadas analíticas ou
numéricas. Até meados da década de sessenta, a maior parte dos resultados foram obtidos por
métodos analíticos aproximados, já que os recursos computacionais eram escassos e pouco
eficientes. Dos diversos métodos utilizados refiram-se os métodos das Diferenças Finitas e de
Galerkin (equação diferencial de equilíbrio) ou o método de Rayleigh-Ritz (energia potencial).
Com o elevado acréscimo da capacidade de cálculo dos computadores, desenvolveram-se
metodologias numéricas, que sendo aproximadas na sua génese, através da existência de
discretizações muito refinadas, se podem considerar “exactas”. Este é o caso dos Métodos dos
Elementos Finitos (MEF) e das Faixas Finitas (MFF), os quais contribuíram para que o número
de problemas analisados aumentasse significativamente. De referir, que a maior parte dos
elementos finitos (ou as faixas finitas) são formulados por meio de algumas das metodologias
analíticas referidas anteriormente.

2.4.1.3.a) Instabilidade de uma placa rectangular submetida a compressão uniforme

Considere-se a placa rectangular submetida a compressão axial uniforme conforme


apresentado na Figura 2.16, com as seguintes características:

• Largura b, comprimento a e espessura t;


E⋅t
• Rigidez de membrana C = ;
1− υ2
E ⋅ t3
• Rigidez de flexão D = ;
12 1− υ 2 ( )
32
CONCEITOS TEÓRICOS

Figura 2.16 – Placa uniformemente comprimida.

Considerando que os bordos da placa são simplesmente apoiados (os deslocamentos são
nulos e as rotações são livres segundo o eixo dos bordos), as condições de fronteira são

W (0; y ) = W (a; y ) = W, xx (0; y ) = W, xx (a; y ) = 0 (2.21a)

W (x;0 ) = W (x; b ) = W, yy (x;0) = W, yy (x; b ) = 0 (2.21b)

Considerando uma configuração adjacente à configuração de equilíbrio fundamental, de


acordo com a teoria geral da estabilidade linear de sistemas contínuos [2.2], o campo de
deslocamentos da placa é caracterizado por:

U = Uf + u V = Vf + v W = Wf + w = w (2.22)

onde (i) U f , V f e W f são os deslocamentos associados à trajectória fundamental (estado


plano de tensão) associada a uma configuração plana da placa ( W f =0) e ao longo da qual
as tensões, deformações e deslocamentos variam proporcionalmente a um parâmetro de carga
e (ii) u, v e w são incrementos dos deslocamentos generalizados. Por outro lado, o estado
plano (uniaxial) de tensão a que a placa está sujeita pode ser definido por,

N fx = −σ ⋅ t N fy = N fxy = 0 (2.23)

Por se tratar de um problema conservativo, é possível utilizar o Princípio da Estacionariedade


da Energia Potencial (PEEP). Aplicando a Teoria DMV (teoria geometricamente não linear
formulada por Donnel, Mushtari e Vlasov para a análise de placas e cascas finas [2.2, 2.8]
pode obter-se o termo quadrático da energia potencial, o qual é dado por,

C ⎡ 2 1− υ
⋅ (u, y + v , x ) ⎥ ⋅ dA +
2⎤
V2 = UN2 + UM2 = ∫
2 A⎣⎢u, x + v ,2y + 2 ⋅ υ ⋅ u, x ⋅ v ,y +
2 ⎦
1
[ ]
+ ∫ N fx ⋅ w ,2x + N fy ⋅ w ,2y + 2 ⋅ N fxy ⋅ w , x ⋅ w , y ⋅ dA +
2A
D
[ ]
+ ∫ w ,2xx + w ,2yy + 2 ⋅ υ ⋅ w , xx ⋅ w , yy + 2 ⋅ (1 − υ) ⋅ w ,2xy ⋅ dA
2A
(2.24a)

Aplicando o princípio de estacionariedade da energia potencial, obtém-se as três equações de


Euler-Lagrange:

33
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

1− υ
C ⋅ ⎢(u, x + υ ⋅ v , y ), x + ⋅ (u, y + v , x ), y ⎥ = 0
⎡ ⎤
(2.24b)
⎣ 2 ⎦
1− υ
C ⋅ ⎢(v , y + υ ⋅ u, x ), y + ⋅ (u, y + v , x ), x ⎥ = 0
⎡ ⎤
(2.24c)
⎣ 2 ⎦
(
D∇ 4 w − N fx ⋅ w , xx + 2 ⋅ N fxy ⋅ w , xy + N fy ⋅ w , yy = 0 ) (2.24d)

onde ∇ 4 w = w , xxxx + w , yyyy + 2 ⋅ w , xxyy . A trajectória fundamental (pré-encurvadura) da placa


comprimida desenvolve-se em estado plano de tensão. Os esforços de membrana ao longo
dessa trajectória são obtidos através de [2.2],

(
N fx = C ⋅ U fx + υ ⋅ Vyf ) (2.25a)

N fy = C ⋅ (V y
f
+ υ ⋅ U fx ) (2.25b)

1− υ
N fxy = C ⋅
2
(
⋅ U fy + Vxf ) (2.25c)

Pelo que, introduzindo as equações (2.25) nas equações (2.24) se obtém:

N fx , x + N fxy, y = 0 (2.26a)

N fxy, x + N yf , y = 0 (2.26b)

D∇ 4 w − (N fx ⋅ w , xx + 2 ⋅ N fxy ⋅ w , xy + N fy ⋅ w ,yy ) = 0 (2.26c)

f f f
em que N x , N y e N xy são esforços de membrana na fase de pré-encurvadura. As equações
(2.26a) e (2.26b) não dependem de w, pelo que são independentes e exprimem apenas o
equilíbrio no plano médio da placa. Por esta razão, estas equações não intervêm directamente
na determinação das tensões de bifurcação e respectivos modos de instabilidade. Tal como no
caso das colunas, apenas é necessário considerar a sua influência quando se pretende analisar
o estado de pós-encurvadura. Utilizando as equações (2.26) em conjunto com as condições de
fronteira (2.21) obtém-se a equação diferencial,

D∇ 4 w + σ ⋅ t ⋅ w , xx = 0 (2.27)

cujas soluções exactas, que satisfazem simultaneamente as condições de fronteira (2.21), são
do tipo
∞ ∞
⎛m⋅ π ⋅ x ⎞ ⎛n⋅ π ⋅ y ⎞
w( x; y ) = ∑ ∑ w mn ⋅ sen⎜ ⎟ ⋅ sen⎜ ⎟ (2.28)
m=1 n =1 ⎝ a ⎠ ⎝ b ⎠

Introduzindo as equações (2.28) em (2.27) e obtém-se:

⎡ ⎛ m2 n2 ⎞ σ ⋅ t m2 ⋅ π 2 ⎤
2

w mn ⋅ ⎢π 4 ⋅ ⎜⎜ 2 + 2 ⎟⎟ − ⋅ ⎥=0 (2.29)
⎢⎣ ⎝a b ⎠ D a 2 ⎥⎦

34
CONCEITOS TEÓRICOS

As soluções de (2.29) são:

• w mn = 0 – trajectória fundamental;
• w mn ≠ 0 – existe um modo de instabilidade com m semi-ondas longitudinais e n semi-
-ondas transversais, ao qual está associada uma tensão de bifurcação σ (bmn) = σ (crmn) ,
cujo valor corresponde ao anulamento de w mn .

Pretendendo-se valores nulos de w mn , a solução da equação (2.29) é tal que

2
( mn ) π2 ⋅ E ⎛t⎞
σ = K mn ⋅ ⋅⎜ ⎟
b
( )
2
12 ⋅ 1− υ ⎝ b ⎠
(2.30a)

com
2
⎛ b n2 a ⎞
K mn = ⎜⎜ m ⋅ + ⋅ ⎟⎟ (2.30b)
⎝ a m b⎠

O valor da tensão crítica corresponde ao menor valor de K mn , pelo que tem de se encontrar
uma combinação de valores inteiros de m e n que o minimize. Se o valor de m que minimiza
K mn não é directamente perceptível, no caso de n este valor é claramente n=1 (uma única onda
transversal), pelo que se obtém
2
⎛ b 1 a⎞
K m = K m1 = ⎜ m ⋅ + ⋅ ⎟ (2.31)
⎝ a m b⎠

Se se considerar K m como uma variável continua, o menor valor desta pode ser obtido por:

dK m b2 2 a2 a
=0 ⇔ 2⋅m⋅ 2 − 3 ⋅ 2 = 0 ⇔ m= (2.32)
dm a m b b

pelo que o menor valor de K m é 4. Obtém-se então a expressão que define a tensão crítica de
instabilidade de uma placa simplesmente apoiada,
2
π2 ⋅ E ⎛t⎞
σ cr = ⋅⎜ ⎟
( )
(2.33a)
2
3 ⋅ 1− υ ⎝ b ⎠

a qual corresponde ao modo crítico de instabilidade com a forma

⎛π⋅x⎞ ⎛π⋅y⎞
w( x; y ) = sen⎜ ⎟ ⋅ sen⎜ ⎟ (2.32b)
⎝ b ⎠ ⎝ b ⎠

Se a relação do comprimento com a largura não corresponder a um número natural, o valor


do coeficiente de encurvadura K m é diferente de 4. No entanto, e no caso de placas longas
(a>4b), esta diferença tende a anular-se. Este comportamento é visível na Figura 2.17, onde se
mostra a variação do coeficiente de tensão crítica K m com a relação a/b (relação comprimento
vs. largura da placa). É por essa razão que a carga crítica se considera constante (com Kcr=4)
no caso de placas longas. O modo crítico de instabilidade de uma placa longa está
representado na Figura 2.18 (neste caso, para a/b=4).

35
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 2.17 – Variação do coeficiente de encurvadura com a relação a/b.

Figura 2.18 – Modo de instabilidade de uma placa longa.

2.4.1.3.b) Outros tipos de carregamento ou condições de apoio

A determinação da tensão crítica de bifurcação de placas com outros tipos de carregamento ou


condições de apoio é efectuada, em geral, recorrendo a metodologias aproximadas. De forma
a obter soluções “exactas“, a grande maioria dos resultados disponíveis na literatura foi obtida
através de métodos numéricos e discretizações muito refinadas. Os resultado obtidos
encontram-se geralmente tabelados na forma do “factor de encurvadura”, que no EC3
(Partes 1.3 e 1.5) [2.34, 2.35] é designado por k σ . Valores semelhantes encontram-se
divulgados em diversos documentos [2.2, 2.3, 2.5, 2.9, 2.10], dos quais se apresentam alguns
na Figura 2.19 para diversas condições de apoio e vários tipos de carregamento.

Note-se que as placas que constituem as paredes de colunas e vigas metálicas consideram-se
normalmente placas longas. Como se referiu anteriormente, o comprimento das mesmas não
influencia o valor da tensão crítica. O mesmo não se pode dizer das condições de apoio das
paredes, as quais não são verdadeiramente simplesmente apoiadas mas são elasticamente
restringidas à rotação pelas paredes adjacentes da secção. No entanto, este impedimento à
rotação é quase sempre desprezado uma vez que a sua não consideração conduz a tensões
críticas mais baixas e a soluções de dimensionamento mais conservativas (do lado da
segurança).

36
CONCEITOS TEÓRICOS

Figura 2.19 – Coeficientes de encurvadura e Comprimento da semi-onda do modo de instabilidade.

2.4.1.4. Estabilidade linear de secções (modos locais)

Os elementos estruturais de aço enformados a frio podem ser encarados como um conjunto de
placas longas, ligadas entre si por meio dos respectivos bordos longitudinais. Como as placas
longas exibem modos de instabilidade locais de placa (MLP) com semi-comprimentos de onda
da ordem de grandeza da sua largura, a estabilidade linear desses elementos estruturais pode
ser estudada através da análise de um segmento de barra, também designado por “barra
curta”, “secção” ou “célula” com um comprimento semelhante às dimensões da sua secção
transversal (Figura 2.20).

No caso do MD, o semi-comprimento de onda, é em geral 5 a 10 vezes superior ao do MLP,


razão pela qual nem sempre é considerado um modo de natureza local. No presente
documento considera-se o MD como um modo local porque é abordado como tal na grande
maioria dos regulamentos actualmente existentes. Sendo assim, a análise linear de estabilidade
de secções, tanto em MLP como MD, é efectuada com base em modelos simplificados da
parede condicionante, os quais tentam considerar as restrições de rotação dos bordos
longitudinais.

37
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 2.20 – Instabilidade de uma barra em C num MLP. Paralelismo com a instabilidade de placas isoladas.

2.4.1.4.a) Modo local de placa (MLP)

Em termos estruturais, a estabilidade de uma secção no MLP e a estabilidade de uma placa


isolada são fenómenos semelhantes, o que se explica pelo facto de a instabilidade da secção
ser, precisamente, condicionada e precipitada pela instabilidade de uma das placas (a
condicionante) que a constitui. Na Figura 2.21 [2.1] representam-se as configurações
deformadas no MLP de uma secção em C submetida (i) a flexão ou (ii) a compressão uniforme.
No primeiro caso (viga), a instabilidade da secção pode ser despoletada (i) pela alma, mais
larga mas submetida a um diagrama linear (compressão apenas na zona superior), ou (ii) pelo
banzo superior, menos largo mas submetido a compressão uniforme. No segundo caso
(coluna), a instabilidade da secção é claramente despoletada pela instabilidade da alma, a
qual é mais larga e está submetida a um diagrama de compressão uniforme. Em qualquer dos
casos, a instabilidade do elemento mais condicionante é sempre “retardada” pelas paredes
adjacentes, os quais se deformam com menor amplitude devido à compatibilidade que as
rotações de flexão têm que satisfazer nos bordos longitudinais da secção.

(a) (b)
Figura 2.21 – Instabilidade no MLP de uma barra com secção em
C submetida a: (a) flexão; (b) compressão uniforme.

A análise linear de estabilidade de uma secção, relativamente à de uma placa isolada, é


dificultada pela necessidade de compatibilizar as rotações que ocorrem nos bordos

38
CONCEITOS TEÓRICOS

longitudinais. Em rigor, a instabilidade da secção pode ser analisada através do


comportamento de uma qualquer das suas paredes (placas), desde que se conheça, com
precisão, o grau de restrição às rotações existente nos bordos longitudinais dessa parede (i. e.,
a rigidez das molas elásticas que modelam essa restrição - ver Figura 2.10). Tal como se referiu
anteriormente, uma abordagem conservativa, ainda presente na regulamentação internacional,
consiste em considerar nula essa rigidez (i.e., os bordos longitudinais são articulados) o que
simplifica consideravelmente o problema e permite tirar partido do vasto conjunto de resultados
obtidos para as placas isoladas. Desta forma, a instabilidade de cada placa é independente
das restantes e, portanto, admite-se que a tensão de bifurcação da secção é fornecida pela sua
placa “mais susceptível”, suposta com os bordos longitudinais (internos) articulados.

Por último refere-se que, apesar de apresentarem a metodologia simplificada anteriormente


descrita, os regulamentos actuais [2.32-2.37] permitem a obtenção da tensão crítica de
secções através de métodos numéricos nos quais se considera a secção “como um todo”,
simulando o verdadeiro grau de restrição à rotação entre as diversas paredes (placas).

2.4.1.4.b) Modo distorcional (MD)

Apesar de ter sido abordado nos anos 50 e 60, só a partir do final dos anos 70, a instabilidade
de barras no modo distorcional (MD) começou a ser estudada de forma sistematizada e
consistente. Começou-se por identificar que o MD está associado ao facto de o reforço não ser
suficientemente rígido para impedir o deslocamento de membrana do bordo longitudinal da
parede reforçada (Figura 2.6). Nos anos 80, e sobretudo devido ao trabalho desenvolvido por
Hancock [2.13, 2.14] caracterizou-se em detalhe o MD. No entanto, apenas no princípio dos
anos 90 foram incluídas disposições regulamentares relativas a este fenómeno de instabilidade
característico de secções reforçadas [2.34 – 2.37].

Um modelo estrutural desenvolvido por Lau e Hancock [2.13] e utilizado na determinação


aproximada da tensão crítica distorcional baseia-se no conceito de uma coluna com secção
em L (conjunto banzo-reforço) elasticamente restringida à rotação no nó de ligação banzo-
-alma (ver Figura 2.12). No entanto, este modelo é válido unicamente para colunas
simplesmente apoiadas. Mais recentemente, Silvestre e Camotim [2.15–2.17] utilizaram o
carácter analítico da GBT para desenvolver um conjunto de fórmulas para a determinação
aproximada da tensão crítica distorcional em barras com diversas secções (C, Z, “Hat”e
“Rack”), carregamentos (colunas, vigas e colunas-viga) e condições de apoio (simplesmente
apoiadas, encastradas, etc.).

Os métodos de cálculo “exacto” frequentemente utilizados na análise de estabilidade que


envolvem o modo distorcional, também aplicados estudo do modo local, são o MEF, o MFF e
a GBT. Actualmente, existem disponíveis programas de cálculo automático para a
determinação das tensões críticas no MLP e MD, as quais são bastante versáteis. De entre as
ferramentas existentes, citam-se os programas CUFSM [2.21, 2,22] e GBTUL [2.23], os quais
se baseiam no MFF e GBT, respectivamente.

39
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

2.4.2. Análise de Pós-Encurvadura (ANLE)

Em alguns tipos de sistemas estruturais, o conhecimento do seu comportamento de estabilidade


(carga crítica e modo crítico de instabilidade) é suficiente para os dimensionar e verificar a sua
segurança. É reconhecido que estes tipos de sistemas estruturais (e.g., instabilidade global de
colunas e estruturas reticuladas, instabilidade local de cascas cilíndricas) possuem uma
reduzida reserva de pós-encurvadura. No entanto, existem outros tipos de sistemas estruturais
que são caracterizados por uma reserva de resistência durante a fase de pós-encurvadura, a
qual deve ser considerada no seu dimensionamento e verificação de segurança. Encontram-se
neste caso, a instabilidade de placas e instabilidade local de barras com secção de parede
fina.

Deve referir-se que até cerca de 1930, o conhecimento do comportamento de pós-encurvadura


de estruturas foi considerado desnecessário. Na base desta assumpção estão:

• As dificuldades de resolução analítica das equações de equilíbrio em estado de pós-


encurvadura;
• O facto de o estudo de estabilidade de estruturas, ter incidido essencialmente sobre
colunas, nas quais a carga crítica elástica tem um valor relativamente próximo ao da
carga última em regime de pós-encurvadura (o declive da trajectória não linear de pós-
encurvadura é relativamente pequeno);

Com o progresso da indústria aeronáutica esta situação alterou-se. De facto, com o estudo
mais aprofundado da estabilidade de cascas e placas, rapidamente se percebeu que, ao
contrário das colunas, a diferença entre a carga crítica elástica e carga última em regime de
pós-encurvadura era significativa e que a sua não consideração conduzia a resultados
excessivamente conservativos (placas) ou não conservativos (cascas).

2.4.2.1. Comportamento de Pós-Encurvadura

O conceito de comportamento de pós-encurvadura no contexto deste trabalho, aplica-se


apenas a sistemas estruturais, discretos ou contínuos, que exibam instabilidade bifurcacional
(Figura 2.6a). Designa-se por “estado de pré-encurvadura” ao conjunto de configurações de
equilíbrio da estrutura na trajectória fundamental “antes” de atingido o ponto de bifurcação
crítico (a sua caracterização foi abordada nos pontos anteriores).

Ao conjunto de configurações de equilíbrio da estrutura na trajectória bifurcada, designa-se por


“estado de pós-encurvadura”, e a sua caracterização envolve a realização de uma “análise não
linear de estabilidade” (ANLE), muitas vezes designada por “análise de pós-encurvadura”.

Enquanto que para o estudo de estados física e geometricamente lineares de “pré-


-encurvadura”, por meio de Análises Lineares de Estabilidade (ALE), apenas é necessário reter
os termos quadráticos da energia potencial de determinada estrutura, para o estudo de estados
geometricamente não lineares de “pós-encurvadura” é necessário recorrer a termos de, pelo
menos, uma ordem adicional. Como num grande número de sistemas estruturais, os termos de
3.ª ordem são nulos ou de pouca relevância, tem de prolongar-se o desenvolvimento em série
de Taylor da energia potencial até aos termos de 4.ª ordem.

De acordo com a teoria desenvolvida por Koiter [2.2 , 2.38], com base numa formulação
energética, o andamento da trajectória bifurcada na vizinhança do ponto de bifurcação

40
CONCEITOS TEÓRICOS

(comportamento inicial de pós-encurvadura - Figura 2.22) de uma estrutura com um estado de


pré-encurvadura linear é descrito pela expressão analítica (assimptoticamente exacta):

λ
= 1 + a ⋅ q + b ⋅ q 2 + ... (2.33)
λ cr

onde λ é um parâmetro de carga, λcr o respectivo valor crítico e q é a amplitude do modo de


instabilidade.

Figura 2.22 – Comportamento inicial de pós-encurvadura de um sistema estrutural.

Consoante o valor das constantes a e b, o comportamento inicial de pós-encurvadura de um


determinado sistema estrutural pode corresponder a um comportamento (i) assimétrico, se
a≠0, (ii) simétrico estável, se a=0 e b>0 ou (iii) simétrico instável, se a=0 e b<0
(Figura 2.23).

(a) (b) (c)


Figura 2.23 – Tipos de comportamento inicial de pós-encurvadura:
(a) assimétrico (a>0) (b) simétrico estável (c) simétrico instável

O comportamento de “pré-encurvadura” e de “pós-encurvadura” representado na Figura 2.23


corresponde ao comportamento de estruturas sem imperfeições iniciais (“ideais”). Como é
reconhecido, as estruturas “reais” incorporam sempre (pelo menos do ponto de vista estatístico)
imperfeições que podem ter as mais variadas origens (e.g., imperfeições geométricas, tensões
residuais). As imperfeições podem ser caracterizadas através de um “parâmetro de imperfeição”
ε que, incorporado nas equações de equilíbrio, implica que as trajectórias de equilíbrio
fundamental e de pós-encurvadura sejam totalmente desacopladas (separadas). De facto, uma

41
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

estrutura imperfeita apresenta uma única trajectória de equilíbrio (curva) não linear que tende
assimptoticamente para as trajectórias fundamental e de pós-encurvadura à medida que ε
tende para 0 (observar Figura 2.24).

Figura 2.24 – Trajectória de equilíbrio de um sistema estrutural imperfeito (“real”).

A perda de estabilidade da trajectória de equilíbrio de uma estrutura “real” ocorre num ponto
limite, no qual se verifica uma transição entre configurações de equilíbrio estáveis e instáveis
[2.2]. Na apresentam-se as trajectórias “reais” de pós-encurvadura associadas aos
comportamentos de pós-encurvadura ilustrados na Figura 2.23.

(a) (b) (c)


Figura 2.25 – Trajectórias de equilíbrio “reais” associadas aos comportamentos de pós-encurvadura:
(a) assimétrico (a>0) (b) simétrico estável (c) simétrico instável

A observação das Figuras 2.25a e 2.25c permite concluir que a presença de imperfeições
(ε≠0) faz baixar a “carga de instabilidade” de λcr (bifurcação de equilíbrio) para λlim (ponto
limite). Diz-se, então, que estes comportamentos estruturais exibem “sensibilidade às
imperfeições geométricas”. No caso de trajectórias de equilíbrio associadas a comportamentos
de pós-encurvadura estáveis (ver Figura 2.25b) não há redução da carga crítica de
instabilidade, pelo que se pode dizer que estruturas deste tipo não são “sensíveis às
imperfeições geométricas”. Exceptuando alguns casos particulares (caso da coluna de Euler ou
de uma placa apoiada nos seus bordos sujeitos a compressão uniforme em dois bordos
paralelos), não é possível obter analiticamente as soluções analíticas do comportamento de
pós-encurvadura. Nestes casos, torna-se necessário recorrer a métodos aproximados que
discretizam a estrutura em sub-domínios “regulares” , tais como os métodos dos elementos
finitos (MEF) e das faixas finitas (MFF), já abordados em 2.4.1).

42
CONCEITOS TEÓRICOS

2.4.2.2. Pós-Encurvadura de Barras (modos globais) e de Placas

Muito embora a trajectória de encurvadura de uma coluna e de uma placa exibam um


comportamento qualitativamente semelhante (i.e., estável), observa-se (Figura 2.26) que a
curvatura inicial da trajectória de pós encurvadura das placas é significativamente superior à
das colunas. Contrariamente às colunas, as placas exibem uma elevada reserva de resistência
de pós-encurvadura.

Figura 2.26 – Pós-encurvadura de coluna e placa uniformemente comprimidas.

2.4.2.2.a) Barras

Tal como a encurvadura por flexão, os outros fenómenos de instabilidade global de barras,
nomeadamente (i) a instabilidade por flexão-torção de colunas e (ii) a instabilidade lateral de
vigas, exibem habitualmente uma bifurcação simétrica estável e uma resistência de pós-
-encurvadura muito reduzida. Deste modo, carga (momento) crítica de bifurcação fornece uma
razoável estimativa da resistência elástica da barra “perfeita”.

Com excepção da encurvadura por flexão de uma coluna “ideal” submetida a compressão
uniforme (e.g., a coluna de Euler) que constitui um dos raros casos de sistema estruturais
contínuos para os quais é possível obter uma solução analítica “exacta”, a determinação
precisa da trajectória de pós-encurvadura (não linear de equilíbrio) de uma barra requer a
utilização de métodos numéricos (e.g., MEF), os quais podem ser mais ou menos sofisticados.
No caso particular do comportamento global de barras com secção de parede fina, a
obtenção de resultados precisos requer que a formulação dos EFs utilizados e as técnicas
numéricas adoptadas contemplem diversos aspectos, nomeadamente [2.1]:

(i) A consideração de relações cinemáticas tridimensionais válidas no domínio dos


deslocamentos e rotações “moderados a grandes”.
(ii) Um método de actualização da configuração deformada da barra, após a aplicação de
cada incremento de carga, e a correspondente incorporação nas equações de equilíbrio
não lineares.
(iii) Uma modelação adequada do fenómeno do empenamento da secção.

43
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

2.4.2.2.b) Placas

As equações diferenciais que traduzem o equilíbrio de uma placa “ideal”, em fase de pós-
encurvadura (configuração deformada envolvendo grandes deslocamentos), foram deduzidas
por Von Kárman [2.1, 2.39], sendo mais tarde modificadas por Marguerre [2.1, 2.40], por
forma a introduzir o efeito da presença de imperfeições geométricas iniciais. A obtenção de
soluções analíticas exactas (rigorosas) para esse sistema de equações é bastante complexa,
razão pela qual a consideração da resistência de pós-encurvadura de placas no seu
dimensionamento apenas começa a ser abordada no fim da primeira metade do século XX.

De entre as soluções analíticas exactas disponíveis na literatura, menciona-se o caso da placa


rectangular simplesmente apoiada em todos os bordos (bordos rígidos), submetida a
compressão axial uniforme – apresentada anteriormente, no contexto da estabilidade linear de
placas (ponto 2.4.1.3). A Figura 2.27 mostra, respectivamente, a trajectória de equilíbrio
(tensão aplicada vs. deslocamento de flexão do ponto médio) da placa perfeita (curva a traço
continuo) e imperfeita (curva a tracejado), e a distribuição de tensões normais de membrana
em fase de pós-encurvadura.

O factos dos bordos longitudinais serem rígidos induz o aparecimento de uma distribuição de
tensões normais transversais (auto-equilibrada) de compressão junto dos apoios e de tracção
na zona central da placa, as quais são as principais responsáveis pelo acréscimo de resistência
de pós-encurvadura. A distribuição das tensões normais longitudinais (nos apoios) tem um valor
máximo instalado nas extremidades dos bordos transversais (junto aos bordos longitudinais).
Esta distribuição não linear e a correspondente concentração de tensões (resistência) na zona
junto dos bordos está intimamente ligada ao conceito de “largura efectiva”.

Figura 2.27 – Evolução da distribuição de tensões normais nos bordos transversais.

2.4.2.2.b.1) O Conceito de Largura Efectiva

Considere-se uma placa submetida a compressão uniaxial uniforme e com todos os bordos
simplesmente apoiados e rígidos. As Figuras 2.27 e 2.28 mostram a evolução, com o aumento
do nível de tensão aplicada, da distribuição das tensões instaladas nos bordos transversais, a
qual é uniforme até se atingir a tensão critica, evoluindo, na fase de pós-encurvadura, para
uma distribuição de tensões não linear, com valores baixos na zona central e valores máximos
ao longo dos bordos longitudinais. Pode dizer-se que, do ponto de vista físico, a capacidade
resistente da placa se “concentra” em faixas adjacentes a esses bordos.

44
CONCEITOS TEÓRICOS

Figura 2.28 – Evolução da distribuição de tensões normais nos bordos transversais.

Como se referiu anteriormente, é este facto que está por detrás do conceito de “largura
efectiva”. A “Largura Efectiva” (beff) constitui um parâmetro alternativo para caracterizar o
comportamento de uma placa na fase de pós-encurvadura, foi proposto por Von Kárman
[2.2, 2.41] em 1932 e pode ser definido como “... a largura de uma placa fictícia sujeita a
uma distribuição uniforme de tensões, de valor σ e e estaticamente equivalente à distribuição
de tensões efectivamente instalada na placa ...” [2.2]. A determinação de beff, ilustrada na
Figura 2.29, pode ser efectuada através de
b
σ e ⋅ b eff = ∫ σ x ( y ) ⋅ dy = σ m ⋅ b com σ e = 2σ m − σ cr ( > 0 se compressão) (2.34)
0

onde σx(y) é a distribuição das tensões normais instaladas no bordo transversal, de largura b, e
σm é o respectivo valor médio.

Figura 2.29 – Conceito de largura efectiva beff.

A distribuição de tensões σx(y) é não linear e, à partida, apenas pode ser determinada por
recurso a uma análise de pós-encurvadura da placa. Este problema foi também resolvido por
Von Kárman [2.2, 2.41], o qual propôs um critério de resistência semi-analítico com grande

45
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

utilidade prática que consiste em:

(i) Igualar a tensão máxima instalada na placa real (σe) à tensão critica de uma placa
fictícia de largura beff o que conduz à relação
b eff σ cr
= (2.35)
b σe

a qual permite exprimir beff directamente em termos de σe e se designa por “fórmula de


Von Kárman”.

(ii) Admitir que o colapso da placa ocorre quando σ e = fy , onde fy é a tensão de cedência
do aço que constitui a placa. Deste modo, tem-se:

⎛b ⎞ σ cr 1
ρ = ⎜ eff ⎟ = ≡ ≤1 (2.36)
⎝ b ⎠ colapso fy λp

onde λ p é a conhecida esbelteza normalizada de placa.

Alguns anos mais tarde, baseado num elevado número de resultados experimentais,
incorporando implicitamente a influência das imperfeições e de tensões residuais, Winter
[2.1, 2.42] propôs a modificação da fórmula de Von Kárman (2.35) para a seguinte forma

b eff σ cr ⎛ σ cr ⎞
ρ= = ⋅ ⎜1 − 0.25 ⋅ ⎟ (2.37)
b σe ⎜ σ ⎟
⎝ e ⎠

Esta expressão corresponde ao critério de colapso,

⎛b ⎞ σ cr λ p − 0.25
ρ = ⎜ eff ⎟ = ≡ (2.38)
⎝ b ⎠ colapso fy λ2p

O coeficiente 0.25, proposto por Winter, foi mais tarde alterado para 0.22 [2.1, 2.42] para
obter um melhor ajuste aos resultados experimentais. Com esta alteração, a fórmula (2.38) tem
sido incluída na grande maioria dos regulamentos de construção metálica (e.g., o
Eurocódigo 3 [2.34, 2.35]). Apesar da mudança do coeficiente, a expressão (2.38) é
frequentemente referida, e com justiça, como “fórmula de Winter”. As curvas de
dimensionamento associadas aos diversos critérios referidos anteriormente estão apresentadas
na Figura 2.30.

Apesar de ter sido proposto para placas simplesmente apoiadas submetidas a compressão
uniforme como as apresentadas nas Figuras 2.16 e 2.27, o critério subjacente à expressão
(2.38) mostrou-se ser válido também para placas sujeitas a outras condições de apoio e de
carregamento. A sua aplicação, nesses casos, consiste tão simplesmente em calcular o valor de
λ p , fazendo intervir o valor de σ cr associado ao problema em análise (com influência das
condições de apoio e tipo de carregamento), através da expressão
2
π2 ⋅ E ⎛t⎞
σ cr = k σ ⋅ ⋅⎜ ⎟
( )
(2.39)
2
12 ⋅ 1 − υ ⎝b⎠

46
CONCEITOS TEÓRICOS

onde os valores k σ são do tipo dos apresentados no ponto 2.4.1.3.b).

Figura 2.30 – Comparação dos critérios de colapso de Von Kárman e Winter.

2.4.2.3. Pós-encurvadura de secções (modos locais)

Tal como sucedia no caso da Análise Linear de Estabilidade (ALE) (ponto 2.4.1.4), o estudo do
comportamento de pós-encurvadura de secções que instabilizam em modos “locais” (MLP e
MD) é efectuado com base em modelos de placas inter-ligadas através dos bordos
longitudinais (“folded-plate models”, na designação anglo-saxónica). Este facto explica a razão
pela qual existe um grande número de trabalhos que abordam, conjuntamente, o
comportamento geometricamente não linear de placas isoladas e secções (várias placas inter-
ligadas). Comparativamente à análise das placas isoladas, o estudo do comportamento de
pós-encurvadura de secções requer a consideração adicional de aspectos ligados
(i) à compatibilidade de deslocamentos e rotações e (ii) ao equilíbrio de forças e momentos, ao
longo dos bordos longitudinais intemos [2.1]. Contrariamente à ALE de secções, o estudo do
comportamento de “pós-encurvadura” de secções é bastante mais complexo. Por exemplo, a
uma compatibilidade exacta entre deslocamentos transversais de membrana e de
empenamento nos cantos da secção impede que a versão semi-analítica do Método das Faixas
Finitas possa ser utilizada rigorosamente em análises de pós-encurvadura. À semelhança das
ALE’s, a associação de elementos finitos ou faixas finitas (com funções b-spline) não lineares a
técnicas numéricas incrementais-iterativas específicas para analisar problemas que envolvem
grandes deslocamentos, permitiu que se investigasse um elevado número de problemas.

Relativamente ao comportamento de secções propriamente dito, pode afirmar-se que ao modo


de instabilidade local de placa (MLP) está sempre associado um comportamento estável das
trajectórias de pós-encurvadura com elevada reserva pós-crítica, tal como no caso das placas
isoladas. Por isso, também o conceito de largura efectiva é utilizado no caso das secções.
Relativamente ao comportamento de secções no modo de instabilidade distorcional (MD), pode
afirmar-se que a sua resistência de pós-encurvadura situa-se algures entre as correspondentes
ao MLP (elevada) e ao MG (reduzida). Adicionalmente, refere-se que as condições de fronteira
relativas ao empenamento desempenham um papel fundamental na resistência de pós-
encurvadura no MD. Deve ainda sublinhar-se que o conceito de “largura efectiva” não se
aplica ao MD em virtude de o seu comportamento ser caracterizado sobretudo pela rotação do
conjunto banzo-reforço (comportamento global) e não pela deformação da alma
(comportamento de placa). Em termos regulamentares, existem diversas formas de abordar a
resistência de barras no MD. Com o objectivo de assumir a preponderância do comportamento

47
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

do conjunto banzo-reforço, o EC3 utiliza o conceito de “espessura reduzida” das chapas deste
conjunto.

2.4.3. Interacção entre Modos de Instabilidade. Fenómenos de Plasticidade.

A designação “interacção (ou acoplamento) entre modos de instabilidade” aplica-se a um


conjunto de fenómenos que condicionam o comportamento geometricamente não linear de
sistemas estruturais caracterizados pela ocorrência simultânea ou quase simultânea de mais do
que um modo de instabilidade [2.2]. No caso dos perfis de aço enformados a frio, a elevada
esbelteza das suas paredes e a progressiva utilização de aços de alta resistência potenciam a
ocorrência de fenómenos de interacção entre modos de instabilidade. A grande dificuldade
associada à análise deste tipo de fenómenos, prende-se com a determinação rigorosa do
comportamento geometricamente não linear de um elemento estrutural, tanto no que respeita
ao valor da tensão crítica de bifurcação como, sobretudo, ao comportamento de pós-
encurvadura.

Tal como referido anteriormente, em geral, os fenómenos de instabilidade podem ocorrer tanto
em fase elástica como em fase elasto-plástica; no entanto, dada a elevada esbelteza que
caracteriza os elementos estruturais do aço enformados a frio, estes fenómenos ocorrem quase
sempre em regime elástico (a plasticidade surge apenas na fase avançada de pós-
encurvadura). Por essa razão, considera-se que a ruptura destes elementos ocorre quando se
verifica um valor de tensão igual ao da tensão limite de proporcionalidade (“tensão de
cedência”) do material, embora alguns regulamentos (e.g., o Eurocódigo 3 [2.32–2.35]),
incluam disposições que permitem considerar a presença de tensões superiores à de cedência,
mesmo que apenas nas fibras traccionadas. A actual regulamentação de estrutura metálicas
[2.32-2.37] toma em consideração os fenómenos de interacção entre modos de instabilidade
de uma forma indirecta, no âmbito da verificação de segurança em relação a estados limites
últimos.

48
CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

CAPÍTULO 3

3. CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

3.1. RESUMO

No presente capítulo far-se-á referência às metodologias disponíveis para obtenção de


propriedades de secções, neste caso aplicado a secções brutas. A obtenção de propriedades
efectivasp de secções segue uma metodologia de cálculo semelhante, mas por estar já
associada ao cálculo da resistência de secções apresentar-se-á no capítulo seguinte. No ponto
3.2 são descritos os parâmetros caracterizadores de secções, o que contempla a geometria, os
materiais e as limitações de esbeltezas que estão cobertas experimentalmente. No ponto 3.3
são apresentados os cálculos aproximados de propriedades de secções; descreve-se,
nomeadamente, o processo para obtenção das linhas médias e a necessidade de
contabilização da influência dos cantos curvos. No ponto 3.4 são descritos sucintamente os
processos de cálculo “exactos” de propriedades. No ponto 3.5 são apresentados organigramas
onde se expõem de forma sintética todos os procedimentos necessários ao cálculo de
propriedades de secções.

3.2. DADOS GERAIS

3.2.1. Geometria e dimensões

Devido ao processo de fabrico, as secções de aço enformadas a frio exibem simultaneamente


(i) um conjunto de paredes planas (placas) e (ii) um conjunto de cantos “arredondados” que
correspondem às zonas de dobragem das chapas. Devido à existência destas zonas, a
geometria das secções de aço enformadas a frio está longe de ser simples e existem algumas
formas de abordar a sua geometria. Na Figura 3.1 apresentam-se duas geometrias comuns de
secções em C e Z com reforços duplos. Em geral, os dados relativos à geometria de uma
secção enformada a frio consistem em:

• Dimensões medidas pelo exterior da secção (hg, bg1, bg2, cg1, cg2, dg1, dg2)
• Espessura (tg)
• Raios de dobragem interiores (r1, r2, r3, r4)
• Ângulos formados entre as paredes da secção (α1, α2, α3, α4)

49
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

bg2 bg2

cg2

cg2
r2 r4 r2 r4
180-α4 180-α4
r6 r6

dg2 dg2
tg tg
hg

hg
dg1 dg1

r5 r5
r1 r3 180-α3 180-α3 r3 r1
cg1

cg1
bg1 bg1

Figura 3.1 – Dados geométricos de um C e de um Z – secção bruta real.

3.2.2. Propriedades do material

No que diz respeito ao material constitutivo das secções enformadas a frio, o Eurocódigo 3
[3.7; 3.8] considera as seguintes propriedades e factores de segurança:

• Módulo de elasticidade: E = 210 GPa (ou N/mm2).


• Coeficiente de poisson: ν = 0,30.
E
• Módulo de distorção: G = =80,77≈81 GPa (ou N/mm2).
2 ⋅ (1+ ν )
• Coeficientes parciais de segurança da resistência: γM0, γM1 e γM2. Estes podem variar em
cada país de acordo com o respectivo D.N.A. (Documento Nacional de Aplicação). No
entanto, o Eurocódigo 3 [3.7; 3.8] propõe os seguintes valores:
- γ M 0 =1.00 é um factor parcial de segurança relativo à resistência de secções a
esforços internos;
- γ M1=1.00 é um factor parcial de segurança relativo à resistência de barras
instabilidade;
- γ M 2 =1.25 é um factor parcial de segurança relativo a resistência de ligações;

No entanto, existem outras propriedades igualmente importantes que variam conforme o tipo
de aço e processo de enformagem. Entre estas, sublinham-se as seguintes:

• Tensões de cedência base (fyb) e média (fya) do aço.


• Tensão de última do aço (fu).

3.2.2.1. Tensão de cedência média do material (fya)

Tal como descrito em 1.2.3, o processo de fabrico das secções de parede fina enformadas a
frio conduz à ocorrência de endurecimento nas zonas das dobras (cantos da secção), o que faz
aumentar a tensão de cedência média da secção. Assim, é usual tirar partido deste
“enrigecimento” do aço no dimensionamento das barras e, por isso, utiliza-se um valor médio

50
CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

da tensão de cedência do aço (fya), cujo valor é superior à tensão de cedência base do aço (fyb).
O valor da tensão de cedência média do aço pode ser obtido por

k ⋅ n ⋅ t 2 fu + fyb
fya = fyb + ( fu − fyb ) ⋅ ≤ (3.1)
Ag 2
onde
• A g é a área de secção bruta.

• k é um factor que depende do tipo de enformagem, e que toma o valor de 7 para


laminagem a frio (“cold forming”) e 5 para outros processos de fabrico (e.g.,
quinagem).
• n é o número de dobras a 90º com um raio interno de dobragem r ≤ t g presentes na
secção. Fracções de 90º deverão ser tidas em conta como fracções de n:
⎧ 2φ i
⎪ se ri ≤ 5 ⋅ t g
n = ∑ ni ni = ⎨ 90º (3.2)
i ⎪0 se ri > 5 ⋅ t g

• tg é a espessura das chapas de aço antes do processo de dobragem.

Finalmente refere-se que em barras onde não seja passível a ocorrência de fenómenos de
instabilidade local, pode utilizar-se o valor da tensão de cedência média ( fya ) em vez da tensão
de cedência base (fyb).

3.2.3. Limitações

Embora o processo de fabrico de secções enformadas a frio permita a concepção de secções


de qualquer dimensão, o Eurocódigo 3 [3.7; 3.8] impõe algumas limitações às dimensões das
mesmas. É óbvio que o dimensionamento e verificação de segurança de elementos estruturais
de acordo com o Eurocódigo 3 apenas serão possíveis se tais limites forem satisfeitos. Por
exemplo, o cálculo de larguras efectivasp (a apresentar no capítulo 4) é apenas válido para
determinados valores das esbeltezas das paredes, os quais foram aferidos por resultados
experimentais [3.9]. Para além da condição base relativa ao raio de dobragem r≤0,04E/fy, os
restantes limites para os quais é válido o cálculo de resistência pelos métodos propostos no
EC3 [3.8] são apresentados na Tabela 3.1. É ainda possível ao projectista utilizar dimensões
fora destes limites; no entanto, o dimensionamento e verificação de segurança destes
elementos estruturais deverá ser realizada através (i) da realização de ensaios experimentais
e/ou (ii) de análises sofisticadas que tenham em conta todos os fenómenos do seu
comportamento geometrica e fisicamente não linear (e.g., análises elasto-plásticas com
elementos finitos de casca).

51
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Tabela 3.1 – Esbeltezas máximas (EC3-1-3 – Quadro 5.1 [3.8]).

3.3. SECÇÃO BRUTA APROXIMADA

Entende-se por secção bruta a secção que não é corrigida por forma a ter em conta fenómenos
de instabilidade local e/ou distorcional. Como se referiu anteriormente, e devido à existência
das zonas de dobragem (cantos), a geometria das secções de aço enformadas a frio é
complexa e existem algumas formas de obter uma geometria aproximada, apenas com partes
rectas (paredes planas). O cálculo aproximado baseia-se numa linearização por troços rectos
da linha média da secção. O EC3-1-3 [3.8] apresenta duas formas de obtenção desta secção
aproximada:

Secção bruta idealizada (“idealised gross cross-section”) − A intersecção das linhas médias
dos troços rectos (paredes) conduz à identificação de um conjunto de pontos A nas zonas dos
cantos da secção (ver Figura 3.2). A largura de cada uma das paredes rectas da secção bruta
idealizada corresponde à distância entre dois pontos consecutivos do tipo A. Se as condições
r≤5t e r≤0,10bp forem satisfeitas o EC3-1-3 [3.8] apenas exige a consideração das larguras
idealizadas, obrigando, no entanto, a corrigir por um factor δ (ver 3.3.1) as propriedades assim
obtidas que estejam relacionadas com rigidezes axiais, de flexão e constante de empenamento.

52
CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

α1 / 2

c1s
2
α1 /

cg1
tg / 2

tg / 2
linha A
média
φ1

tg / 2
φ1

Δ1
b1s Δ1
bg1

Figura 3.2 – Definição das larguras idealizadas (idealised flat widths).

Secção bruta nominal (“nominal gross cross-section”) − O raio de curvatura (segmento)


dirigido de cada ponto A para o centro do respectivo circulo intersecta a linha média real da
secção em pontos do tipo B (ver Figura 3.3). Fazendo a projecção destes pontos B na
perpendicular à linha média idealizada, obtém-se os pontos do tipo C que constituem as
extremidades dos elementos da secção bruta nominal. As larguras nominais de cada uma das
paredes rectas da secção bruta nominal correspondem às distâncias entre dois pontos
consecutivos do tipo C. As propriedades (área, inércia) da secção bruta nominal são calculadas
sem recorrer a correcções posteriores.

tg / 2
α1 / 2
c1 p
2

c1s
α1 /

C
tg / 2

linha B
média
C A
tg / 2

gr1

b1p gr1

b1s

Figura 3.3 – Definição das larguras nominais (notional flat widths).

Refere-se ainda que as duas formas de obter as propriedades das secções brutas têm alguma
precedência entre si, como se irá mostrar mais adiante. Com o objectivo de ilustrar as
definições apresentadas anteriormente, descreve-se em seguida, e para o caso das secções em
C e Z mostradas na Figura 3.1, as operações efectuadas para a determinação das dimensões
da secção aproximada.

53
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

No caso da secção bruta idealizada (ver Figura 3.2 e 3.4), os valores da largura bruta
idealizada de cada parede podem ser obtidos através de,

• h s = hg − Δ 1 − Δ 2 • Δ1 = t g 2 ⋅ tan(φ1 ) • φ1 = (180º − α 1 ) 2
• b1s = b1g − Δ1 − Δ 3 • Δ 2 = t g 2 ⋅ tan(φ 2 ) • φ 2 = (180º − α 2 ) 2
• b 2 s = b 2g − Δ 2 − Δ 4 • Δ 3 = t g 2 ⋅ tan(φ 3 ) • φ 3 = (180º − α 3 ) 2
• c1s = c1g − Δ 3 − Δ 5 • Δ 4 = t g 2 ⋅ tan(φ 4 ) • φ 4 = (180º − α 4 ) 2
• c 2 s = c 2g − Δ 4 − Δ 6 • Δ 5 = t g 2 ⋅ tan(φ 5 ) • φ 5 = (180º − α 5 ) 2
• d1s = d1g − Δ 5 • Δ 6 = t g 2 ⋅ tan(φ 6 ) • φ 6 = (180º − α 6 ) 2
• d 2 s = d 2g − Δ 6 (3.3)

b2s b3s
cg2
c2s

c2s
d2s b4s
hs

hs

d1s b1s
c1s

c1s

b1s b2s

Figura 3.4 – Secção bruta idealizada de secções em C e Z.

No caso da secção bruta nominal (ver Figuras 3.3 e 3.5), os valores da largura bruta
nominal de cada parede podem ser obtidos através de,

• hp = hs − gr1 − gr 2 • gr1 = ( r1 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ1 ) − sin(φ1 ) )


• b1p = b1s − gr1 − gr 3 • gr 2 = ( r2 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 2 ) − sin(φ 2 ) )
• b 2p = b 2s − gr 2 − gr 4 • gr 3 = ( r3 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 3 ) − sin(φ 3 ) )
• c1p = c1s − gr 3 − gr 5 • gr 4 = ( r4 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 4 ) − sin(φ 4 ) )
• c 2p = c 2s − gr 4 − gr 6 • gr 5 = ( r5 + t g 2 ) ⋅ ( tan( φ5 ) − sin(φ5 ) )
• d1p = d1s − gr 5 • gr 6 = ( r6 + t g 2 ) ⋅ ( tan( φ6 ) − sin(φ6 ) )
• d 2p = d 2s − gr 6 (3. 4)

54
CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

b2p b2p

c2p

c2p
d2p d2p

hp
d1p d1p

c1p
c1p

b1p b1p

Figura 3.5 – Secção bruta nominal das secções em C e Z.

3.3.1. Cálculo de propriedades – Método do anexo C do EC3-1-3

O anexo C do EC3-1-3 [3.8] fornece uma forma aproximada e expedita para o cálculo das
propriedades da secção (área, inércias, constante de empenamento). As fórmulas necessárias
encontram-se no anexo A do presente documento.

Caso a influência dos cantos curvos não seja elevada, é possível obter as propriedades da
secção a partir da secção bruta idealizada corrigidas por factor dado por,

∑r m
δ = 0.43 ⋅ m
(3. 5)
∑b k
p,k

onde
• rm é o raio interno do elemento curvo m.
• bp,k é a largura do elemento plano k para uma secção idealizada.

As propriedades aproximadas da secção (área, inércias, constante de empenamento) obtêm-se


através de
A ≈ As ⋅ (1 – δ) (3. 6a)

Iu ≈ Iu,s ⋅ (1 – 2δ) ou Iv ≈ Iv,s ⋅ (1 – 2δ) (3. 6b)

Iw ≈ Iw,s ⋅ (1 – 4δ) (3. 6c)


onde
• A é a área da secção real (com cantos curvos).
• Iu e Iv são os momentos principais centrais de inércia da secção real (com cantos
curvos).
• Iw é a constante de empenamento da secção real (com cantos curvos).
• As é a área da secção idealizada (com cantos rectos).

55
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• Iu,s e Iv,s são os momentos principais centrais de inércia da secção idealizada (com
cantos rectos).
• Iw,s é a constante de empenamento da secção idealizada (com cantos rectos).

3.3.2. Tensões axiais associadas a esforços máximos na secção bruta (sem instab.)

A escolha do tipo de secção bruta a adoptar (idealizada ou nominal) tem uma implicação
directa nos valores das tensões normais devidas aos esforços internos na barra. Em função da
geometria e das propriedades da secção, pode obter-se uma distribuição de tensões normais
iniciais dada por (ver Figuras 3.6a e 3.6b)

N Mu M
σ= + u− v v (3. 7)
A Iu Iv

É com base nesta distribuição de tensões normais que se classifica a secção e se calculam as
larguras efectivas das paredes da secção, como se verá adiante no capítulo 4.

No caso do esforço axial N actuar isolado na barra (tracção ou compressão), as tensões


normais produzidas na secção são uniformes em todos os seus pontos e podem ser obtidas por
σ N = N A . No caso de a barra estar submetida a flexão simples ou desviada (i.e., sujeita aos
momentos Mu e/ou Mv), as tensões normais têm uma distribuição que varia linearmente com u
e/ou v, tal que σ Mvu = Mu Iu ⋅ v ou σ uM v = M v Iv ⋅ u . No estado limite último, considera-se para
valor máximo das tensões o valor de σ max .Ed = fyb / γ M 0 . No caso do estado limite de serviço,
são necessários os esforços de serviço para se obter a distribuição de tensões, a qual deve ser
razoavelmente inferior a fyb / γ M0 (caso contrário, o elemento estará muito provavelmente sub-
dimensionado).

σ0;13 Mv σumax Mv
σ5b;8a Mv σσ2b;11a
Mv
2a;11b
σumin Mv σ5a;8b Mv
Mv

8a 8b 11a 11b σvmax N σvmax Mu


σ8b;11a N σ8b;11a Mu
σ11bNN σ11bMuMu
σ8a σ8a
13
σ13 N σ13 Mu

cg.p σcg.p N

0
σ0 N σ0 Mu

σ5b N σ5b Mu
σ2a N N σ2a Mu
σ2b;5a σ2b;5a Mu
5b 5a 2b 2a σvmin N σvmin Mu
Figura 3.6a – Tensões na secção bruta nominal de uma secção em C com reforços simples.

56
CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

σ0 Mv σ13 Mv
σumin Mv σ8a σ5b σumax Mv
σ2aMv Mv Mv
σ11a σ11b Mv
Mv

σ2b Mv σ8b Mv
σ5a Mv

11a 11b σvmax N σvmaxMuMu


σ11a NN σ11a Mu
σ11bN σMu
11b

8a 8b
σ8b σ8b
v σ8a N σ8aMu
Mu
13
σ13 N σ13

cg.p
u σcg.p N

σ0 N σ0 Mu
0
σ5b N σ5b Mu
5a 5b σ5a NN σ5a MuMu
σ2a N σ2a Mu
σ2b N σ2b Mu
2a 2b
σvmin σvmin
Figura 3.6b – Tensões na secção bruta nominal de uma secção em Z com reforços simples.

3.4. PROPRIEDADES “EXACTAS”

As características geométricas da secção real (com cantos curvos – ver Figura 3.7) são
calculadas através de métodos analíticos e/ou numéricos exactos ou que estejam associados a
margens de erro muito reduzidas (secção bruta exacta ou “exact gross cross-section”). De entre
os vários métodos existentes, referem-se os seguintes:

a) Métodos analíticos, os quais são baseados em expressões analíticas específicas de cada


configuração de secção.
b) Métodos de natureza analítica, os quais são baseados em funções analíticas (e.g.,
funções TSP) e são generalizáveis a qualquer configuração de secção [3.2].
c) Métodos de natureza numérica, os quais recorrem à discretização da secções em
elementos cuja contribuição para a propriedade global da secção é conhecida a priori e
generalizáveis a qualquer configuração de secção (e.g., Autocad).

As metodologias do tipo b) são bastante interessantes, por serem generalizáveis a qualquer tipo
de secção e, comparativamente aos métodos numéricos, por serem computacionalmente mais
leves. Destas metodologias, merece especial destaque a baseada nas funções TSP [3.2], a qual
permite transformar o integral de linha (ao longo da linha média da secção) num integral de
área, mediante a definição do perímetro da secção e através do teorema de Green.

De referir ainda que o Eurocódigo 3 [3.8; 3.9], ao impor que a obtenção das larguras
efectivasp seja feita com base em larguras do tipo idealizado/nominal, faz perder o interesse em
metodologias “exactas” para obtenção de propriedades efectivasp. Isto deve-se ao facto de os
nós do tipo A ou C, referidos anteriormente, serem nós fictícios que não se encontram em
nenhum ponto da linha média da secção real, o que, caso se pretendesse fazer o cálculo
“exacto” de propriedades, teria como consequências: (i) a distribuição de tensões obtidas na
secção bruta exacta não ter relação directa com os pontos da secção bruta nominal ou

57
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

idealizada; (ii) as larguras efectivasp (ver capítulo 4) idealizadas/nominais terem de ser


convertidas em larguras efectivasp equivalentes na secção real; (iii) existir um conjunto de
grandezas auxiliares (e.g.: molas para o cálculo da tensão crítica devido a instabilidade
distorcional – ver capítulo 4) que teriam de ser definidas alternadamente em secção real e em
secção idealizada/nominal.
z z

sc.e cg.e cg.e,sc.e

zcg.e,zsc.e
zcg.e,zsc.e

y y

ysc.e ycg.e

Figura 3.7 – Secção real (com cantos curvos) de uma secção em C e Z.

Isto não acontece, nas abordagens das regulamentações Norte-Americana e Australiana/Neo-


Zelandesa [3.10, 3.11] já que consideram os cantos curvos sempre efectivos e, como tal, a
utilização de metodologias de cálculo de propriedades exactas torna-se bastante interessante.

3.5. ORGANIGRAMAS

Apresentam-se de seguida organigramas que resumem os procedimentos necessários aos


cálculos de propriedades de secções brutas. Em alguns destes organigramas estão
apresentados procedimentos que não foram aprofundados na presente dissertação, mas que se
julgam ser importantes colocar para uma exposição clara do problema.

Optou-se por apresentar o cálculo de propriedades sem correcções posteriores para incluir o
efeito dos cantos curvos na Figura 3.8, considerando essas correcções na Figura 3.8, para que
se possa fazer referência a estas figuras isoladamente para o caso de propriedades de secções
efectivas que partilha com as propriedades de secções brutas bastantes procedimentos.

Os valores b(*)
k .p apresentados nas Figuras 3.8a e 3.8b, podem ser quaisquer das larguras

nominais hp , b1p , b 2p , c1p , c 2p , d1p e d2p .

58
CÁLCULO DE PROPRIEDADES DE SECÇÕES

t ig , ri e α i
hg , b ig , c ig e dig

Δ i e φi
hs , b is , c is e dis
gri
hp , b ip , c ip e dip

rk ≤ 5 ⋅ t g
rk ≤ 0.10 ⋅ b(*)kp ?

y0.ik .p , z 0.ik .p , y0.jk .p , z 0.jk .p , y0.cg.p e z 0.cg.p


yik .p , z ik .p , yjk .p , z jk .p , A p , Iy.p , Iz.p e Iyz .p
βp , Iu.p , Iv.p , uik .p , vik .p , ujk .p e v jk .p

y0.sc .p , z 0.sc .p , y sc .p , z sc .p , usc .p e v sc .p


y0.ik .s , z 0.ik .s , y 0.jk .s , z 0.jk .s , y0.cg.s e z 0.cg.s Iw.p , It.p , Ip.p , uj.p e vj.p
yik .s , z ik .s , yjk .s , z jk .s , A s , Iy.s , Iz.s e Iyz .s
βs , Iu.s , Iv.s , uik .s , vik .s , ujk .s e v jk .s
umin .p , umax .p , vmin .p , vmax .p
Mu
σ σjkM.up σikM.vp σjkM.vp
y 0.sc .s , z 0.sc .s , y sc .s , z sc .s , usc .s e v sc .s ik .p
, , ,
Iw.s , It.s , Ip.s , uj.s e v j.s σmax .Ed σmax .Ed σmax .Ed σmax .Ed
σMv min
u
.p σM u σM v σuMmax
v

, v max .p , umin .p , .p

σmax .Ed σmax .Ed σmax .Ed σmax .Ed


umin .s , umax .s , v min .s , v max .s
Mu
σ ik .s σ jkM.us σ Mv σ jkM.vs
, , ik .s ,
σ max .Ed σ max .Ed σ max .Ed σmax .Ed
σ Mv min
u
.s σ Mu σ Mv σ Mv
, v max .s , umin .s , umax .s
σ max .Ed σ max .Ed σ max .Ed σ max .Ed

Figura 3.8a – Cálculo de propriedades de secções.

59
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

A aprox = A s ⋅ (1 − δ)
In.aprox = In.s ⋅ (1 − 2 ⋅ δ)
n = y, z, yz , u, v

Iw.aprox = Iw.s ⋅ (1− 4 ⋅ δ)

∑r m
δ = 0.43 ⋅ m

∑b
k
(*)
kp

Figura 3.8b – Correcção de propriedades para incluir cantos curvos.

60
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

CAPÍTULO 4

4. RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

4.1. RESUMO

No presente capítulo apresenta-se a metodologia disposta no Eurocódigo 3 [4.4] para o


cálculo de resistência de secções. No ponto 4.2 é feita uma abordagem sucinta da
determinação da resistência de secções com inclusão dos efeitos dos diversos tipos de
instabilidade, bem como da plasticidade. É introduzido o conceito de classes de secções em
função da sua capacidade de atingir a resistência plástica e da sua capacidade de rotação. No
ponto 4.3 introduz-se o conceito de larguras efectivasp e descreve-se a metodologia prescrita
pelo Eurocódigo 3 para a obtenção das mesmas. Apresentam-se os diferentes métodos
apresentados em várias versões do EC3 [4.3; 4.4; 4.5] e inclusivamente na mesma versão
(método base e método do anexo D). No ponto 4.4 é descrita a metodologia prescrita pelo
EC3 [4.2; 4.4] para a obtenção da resistência de secções com a consideração do efeito de
instabilidades local e distorcional. No ponto 4.5 são apresentados organigramas onde se
expõem de forma sintética todos os procedimentos necessários ao cálculo de resistência de
secções

4.2. CLASSIFICAÇÃO DE SECÇÕES


Conceptualmente, uma barra é composta por um conjunto de infinitas secções transversais que
evoluem ao longo do seu desenvolvimento axial (longitudinal) segundo uma determinada lei de
variação (barras prismáticas e de secção variável). Por outro lado, e na ausência de fenómenos
de instabilidade local ou global, é reconhecido que a capacidade resistente máxima de uma
barra é igual à resistência plástica da sua secção mais fraca. No entanto, a ausência de
fenómenos de instabilidade local ou global constitui uma situação ideal, que raramente se
verifica. Por isso, é necessário reduzir frequentemente o valor da resistência plástica das
secções para ter em conta aqueles efeitos. Essa redução de resistência é efectuada a dois
níveis:

(i) Ao nível das secções, reduzindo a resistência destas por forma a ter em conta os
fenómenos de instabilidade local, os quais são condicionados pela deformação das
paredes que constituem a barra. O cálculo desta resistência “reduzida” das secções será
objecto de análise neste capítulo;
(ii) Ao nível da barra, reduzindo a resistência da barra devido a fenómenos de instabilidade
global, os quais são condicionados pelo comportamento da barra integrada num
sistema estrutural. O cálculo desta resistência “reduzida” das barras será abordado no
capítulo 5;

A forma como o Eurocódigo 3 aborda a problemática das secções compactas e das secções
esbeltas e a sua capacidade de desenvolver deformação plástica sem ocorrência de fenómenos
de instabilidade baseia-se no conceito de classificação da secção. O objectivo da classificação
de secções é o de identificar se a resistência e capacidade de rotação das secções pode ou

61
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

não ser limitada por fenómenos de instabilidade local. Deste modo, o EC3 permite definir
quatro classes de secções (observar Figura 4.1), as quais se apresentam de seguida:

• Classe 1: secções onde se pode atingir a resistência plástica e existe capacidade de


rotação suficiente para que se forme uma rótula plástica.
• Classe 2: secções onde se pode atingir a resistência plástica mas não se pode garantir
capacidade de rotação suficiente para se formar (é necessário verificar – depende da
ordem de formação da rótula plástica).
• Classe 3: secções onde se pode atingir a resistência elástica (tensão de cedência na
fibra mais solicitada), mas fenómenos de encurvadura local impedem que se atinja a
resistência plástica.
• Classe 4: secções onde a ocorrência de fenómenos de encurvadura local impede que
se atinja sequer a tensão de cedência na fibra mais solicitada.
R= k/kp-1
Momento / Momento Plástico (M/Mp)

1.0
M/My Classe 1
Classe 2
Classe 3 (Mmax≥Mp e R<Rreq) (Mmax≥Mp e R>Rreq)
(My≤Mmax<Mp)
0.5 Classe 4
(Mmax<My)

0
0 2 4 6 8 10
Curvatura / Curvatura Plástica (k/kp)
Figura 4.1 – Curvas momento-curvatura para as diversas classes de secção preconizadas pelo EC3.

A classificação de uma secção é efectuada com base na classificação dos seus elementos
(paredes) comprimidos. Entende-se por elemento comprimido aquele que está submetido a
compressão total ou parcial (e.g., basta que um ponto do elemento esteja comprimido para
que a sua classificação seja obrigatória). Daqui em diante e por simplificação, um “elemento
comprimido” passa a ser designado simplesmente por “elemento”. Assim, a classificação de
uma secção depende dos seguintes parâmetros:

• Esbelteza (c/t) dos elementos, em que t é a espessura do elemento e c é a sua largura


livre, isto é, excluindo a largura dos cantos (raio de curvatura de secções enformadas a
frio e laminadas a quente) ou a largura dos cordões de soldadura (no caso de secções
soldadas).
• Condições de apoio do elemento na secção. O elemento pode ser classificado como
interior (se a parede possuir dois pontos de apoio na secção – elemento simplesmente
apoiado) ou saliente (se a parede possuir apenas um ponto de apoio na secção –
elemento em consola).
• Tensão de cedência do aço ( fy ) que constitui a secção. Dependendo da classe do aço,
assim se obtém o parâmetro ε=(235/ fy )0.5.
• Posição da linha neutra (plástica ou elástica) na secção, a qual se reflecte nos
parâmetros ψ (elástica) ou α (plástica). O parâmetro ψ relaciona as tensões nas fibras

62
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

extremas do elemento ( ψ = σ 2 / σ1 – Figura 4.2), em que, de acordo com o EC3, σ1 é


sempre a sempre a máxima tensão de compressão no elemento (de acordo com o
EC3, a compressão considera-se sempre com sinal positivo). Para facilitar a
implementação numérica, considerou-se sempre, σ1 como a tensão do nó inicial do
determinado elemento, pelo que para tensões σ1 de tracção, a relação ψ a utilizar é a
inversa, ou seja, 1/ ψ = σ 1 / σ 2 (ver Equação 4.1). O parâmetro α corresponde à
relação entre a largura da zona do elemento submetida a compressão (αc) e a largura
total do elemento (c). Enquanto que secções de classe 1 ou 2 estão associadas a uma
distribuição plástica de tensões normais, às secções de Classes 3 ou 4 corresponde
sempre uma distribuição elástica de tensões normais.
• Coeficiente de encurvadura (kσ) do elemento (neste caso, apenas para elementos
salientes intersectados pela linha neutra elástica).
σ2
σ1

Figura 4.2 – Distribuição de tensões num elemento interior.

Os diversos elementos que compõem uma secção (como banzos ou almas) podem ser de
diferentes classes. A classe da secção é sempre a maior classe (i.e., a mais desfavorável) dos
seus elementos comprimidos. A classe de uma barra é sempre a maior classe das suas secções
transversais. Alternativamente, existe a hipótese, menos comum, de classificar a secção listando
as classes dos seus componentes. A classificação nestes moldes, terá eventualmente interesse se
se pretender aplicar o disposto nas alíneas (a), (b) e (c) no final do presente ponto e, que
basicamente permite reduzir a classe da secção, devido à presença de uma tensão máxima
inferior à de cedência ou apenas em função da classe dos banzos.

A classificação de uma secção faz-se classificando os seus elementos comprimidos através dos
Quadros 4.1 e 4.2 (semelhantes às tabelas 5.2 de [4.1] EC3-1-1) a partir dos diagramas de
tensões normais actuantes e de condições limites aí dispostas. A um elemento que não respeite
a condição limite associada a uma determinada classe, deve proceder-se à verificação da
condição relativa à classe seguinte. Por exemplo, são de classe 4 todos os elementos que não
verificarem as condições relativas à classe 3. No caso de secções de aço enformadas a frio,
refere-se que a largura c, tal como está apresentada nos Quadros 4.1 e 4.2, deve ser tomada
como a largura idealizada ou nominal do elemento, de acordo com a metodologia aplicada
(tal adopção assegura total coerência com a posterior determinação de larguras efectivasp e de
propriedades das secções).

Para secções de Classe 4, devem usar-se larguras efectivasp para ter em conta as reduções de
resistência devido ao efeito dos fenómenos de instabilidade local, como disposto no ponto 4.3
do presente documento.

Como se referiu anteriormente, a classificação da secção deve ser baseada no diagrama de


tensões normais da secção, as quais podem estar associadas a esforço normal e/ou a
momento-flector. No que diz respeito à forma do diagrama de tensões normais a utilizar para a
classificação da secção, existem duas abordagens possíveis: (i) considerar o diagrama de
tensões normais resultante da actuação simultânea de esforço axial N e momento flector M ou
(ii) considerar dois diagramas de tensões normais, um associado a esforço normal N e outro a
momento flector M. Embora a primeira abordagem seja a mais complexa, na medida em que

63
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

envolve um diagrama misto N+M e exige o conhecimento a priori dos esforços na secção (ou
pelo menos a sua relação), é também a mais rigorosa pois envolve o diagrama de tensões
normais realmente existente. A segunda abordagem, sendo mais fácil pois não requer o
conhecimento a priori dos esforços N e M, permite ainda uma classificação diferenciada para o
esforço axial e para a flexão. Do ponto de vista do dimensionamento em projecto, será mais
comum adoptar esta segunda abordagem devido à sua facilidade de implementação num
código pois não requer o conhecimento da relação entre N e M. No entanto, a segunda
abordagem constitui claramente uma solução mais conservativa e menos económica que a
primeira abordagem. Neste último caso, a existência simultânea de compressão e flexão é
sempre menos penalizante (a situação mais desfavorável para um elemento é estar submetido a
compressão uniforme e a mais favorável é estar submetido a flexão simples). A consideração
de tensões reais (primeira abordagem) permite, em geral, aumentar os valores limites das
classes dos elementos, quando comparado com os obtidos para distribuições com os esforços
isolados (segunda abordagem). Esta metodologia pode, no entanto, mostrar-se muito laboriosa
para secções que se encontrem na fronteira entre as Classes 2 e 3, pois pode implicar a
utilização de métodos iterativos para a determinação da linha neutra plástica.

Quadro 4.1 – [4.2] EC3-1-1 - Quadro 5.2 (folha 1): Elementos interiores à compressão.

64
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

Em virtude da reduzida espessura das chapas de aço com que são fabricadas as secções
enformadas a frio, estas têm, em geral, paredes com elevadas esbeltezas e por isso são muito
susceptíveis a instabilidades locais. Desta forma, a grande maioria dos elementos estruturais de
aço enformados a frio (analisados neste documento) é, regra geral, de classe 3 ou 4.

Quadro 4.2 – [4.2] EC3-1-1 - Quadro 5.2 (folha 2): Elementos salientes à compressão.

A distribuição de tensões num elemento está directamente relacionada com a forma do


diagrama de tensões normais na secção. O caso mais simples é o de uma secção submetida a
compressão, no qual todos os elementos estão submetidos a compressão uniforme e a
ψ=α=+1 (2ª coluna do Quadro 4.1 e 1ª coluna do Quadro 4.2). Do ponto de vista da
classificação, este é o caso mais desfavorável (conduz à classe mais alta) pois também é o que
mais favorece a instabilidade local da barra. Em seguida, surge o caso de uma secção
monosimétrica (secção em C reforçada) submetida a flexão simples em torno do eixo de maior
inércia. Neste caso, tem-se (i) ψ=-1 ou α=0.5 na alma (a linha neutra intersecta a alma a
meio e as duas tensões extremas são iguais − 1ª coluna do Quadro 4.1), (ii) ψ=α=+1 nos
banzos (1ª coluna do Quadro 4.2) e (iii) 0<ψ<1 (2ª/3ª coluna do Quadro 4.2) ou α=+1 (1ª
coluna do Quadro 4.2) nos reforços. Um caso um pouco mais complexo é o de uma secção
monosimétrica (secção em C reforçada) submetida a flexão simples em torno do eixo de menor
inércia. Neste caso, os dois banzos estão submetidos a flexão composta (-1<ψ<0 ou 0< α<1
− 3ª coluna do Quadro 4.1) devido à ausência de simetria da secção em relação ao eixo de
flexão, embora a secção esteja submetida a flexão simples.

65
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

No caso de elementos interiores de classe 3 e 4, as expressões apresentadas no Quadro 4.1


podem ainda escrever-se na forma mais geral, consoante:

⎧ ψ ≤ −1: (c / t )lim = 62ε ⋅ (1 − ψ ) ⋅ − ψ


⎪σ 1 de compressão :
⎪ ψ > −1: (c / t )lim = 42ε /(0.67 + 0.33 ⋅ ψ )


⎪ ψ < −1: (c / t )lim = 42ε /[ 0.67 + 0.33 ⋅ (1/ ψ ) ]
⎪σ 1 de tracção :
⎪ − 1≤ ψ < 0 : (c / t )lim = 62ε ⋅ [ 1 − (1/ ψ ) ] ⋅ − (1/ ψ )
⎩ (4.1)

Finalmente, e no que diz respeito à classificação de secções, [4.1] EC3-1-1 insere ainda alguns
casos especiais:

a) Os elementos de classe 4 podem ser tratadas como de classe 3 se as suas esbeltezas forem
inferiores aos valores limites associadas a classe 3 (Quadros 4.1 e 4.2) multiplicados pelo
factor fyb ( γ M0 ⋅ σ com,Ed ) , em que σ com,Ed é a máxima tensão de compressão presente no
elemento obtida de uma análise de primeira, ou eventualmente segunda ordem (ver
cláusula 5.5.2.(9) de [4.2]). No entanto, e para a verificação de segurança à instabilidade
global da barra, os valores limite das esbeltezas para elementos de classe 3 devem ser
obtidos directamente, sem recurso a nenhum tipo de correcção, a partir dos Quadros 4.1 e
4.2 (ver cláusula 5.5.2.(10) de [4.2]).
b) As secções com alma de classe 3 e banzos de classe 1 ou 2, podem ser classificadas como
sendo de classe 2 se se considerar uma alma efectivap de acordo com o art.º 6.2.2.4 de [4.2].
c) Quando a alma for considerada apenas para resistir a esforço transverso e os banzos para
resistir aos momentos flectores e esforço axial, pode classificar-se a secção (classe 2, 3 ou
4) apenas em função da classe dos banzos.

4.3. SECÇÕES DE CLASSE 4 - PROPRIEDADES EFECTIVASp


Como se referiu anteriormente, a reduzida espessura das chapas de aço com que são
fabricadas as secções enformadas a frio conduz a paredes com elevadas esbeltezas e a barras
muito susceptíveis a encurvadura local. Por isso, uma grande maioria dos elementos estruturais
de aço enformados a frio é de classe 4, isto é, possui secções onde a ocorrência de
encurvadura local impede que se atinja a tensão de cedência na fibra mais solicitada. Por
forma a ultrapassar esta dificuldade, é necessário substituir (i) a secção bruta submetida a uma
tensão máxima na fibra mais solicitada inferior à tensão de cedência ( σ max < fy ) por (ii) uma
secção efectiva (reduzida, isto é, inferior à bruta) submetida a uma tensão máxima na fibra
mais solicitada igual à tensão de cedência σ max = fy ) – de facto, uma secção de classe 4 é
tratada como uma secção efectiva mas de classe 3. Desta forma, só faz sentido falar de uma
secção efectiva se esta for de classe 4.

A obtenção de uma secção efectiva e as suas propriedades efectivasp pode ser obtida através
de um procedimento simples (não iterativo) ou através de um procedimento iterativo. O
procedimento simples envolve o cálculo de larguras e propriedades efectivasp iniciais com base
na distribuição de tensões primária. No entanto, e em muito casos, a modificação da secção
bruta para a secção efectiva gera uma distribuição de tensões secundária, a partir da qual se

66
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

obtêm as larguras e propriedades efectivasp finais. Segundo o EC3, o procedimento simples


inclui sempre estas duas etapas. No entanto, podem ainda admitir-se distribuições de tensões
de ordem superior (terciária, ...), facto que dá origem a um procedimento iterativo, o qual
também é permitido pelo EC3.

Em geral, a determinação de uma secção efectiva baseia-se no conceito de instabilidade local.


Tal deve-se ao facto de grande parte das secções de aço não serem “reforçadas” (as secções
laminadas a quente e, frequentemente, as secções soldadas, não possuem reforços). No
entanto, as secções de aço enformadas a frio são geralmente “reforçadas”, apresentando
frequentemente “reforços de extremidade” e/ou “reforços intermédios”. Como se viu no
Capítulo 2, a adição de reforços induz o aparecimento de instabilidades do tipo distorcional.
Desta forma, quando se aborda a secção efectiva há que discernir entre secção efectiva para o
modo local e secção efectiva para o modo distorcional. Também do ponto de vista
regulamentar esta diferença se faz sentir: enquanto a secção efectiva para o modo local se
baseia nos procedimentos existentes em [4.5] EC3-1-5 (relativos a placas e estruturas laminares
de aço), a secção efectiva para o modo distorcional se baseia nos procedimentos específicos
de [4.4] EC3-1-3 relativos a elementos estruturais de aço enformados a frio. Assim, para uma
secção não reforçada (secção em U e cantoneira) há que obter apenas a secção efectiva para
a instabilidade local. Por outro lado, secções com reforços de extremidade (casos abordados
neste trabalho) requerem o cálculo de uma secção efectiva que tenha em conta ambas as
instabilidades (local e distorcional).

Por outro lado, a metodologia de cálculo da secção efectiva para o modo local difere
claramente da metodologia de cálculo da secção efectiva para o modo distorcional. Enquanto
a primeira (local) se baseia no conceito de largura efectiva (a redução é efectuada na
dimensão da largura do elemento), a segunda (distorcional) baseia-se no conceito de
espessura reduzida (a redução é efectuada na dimensão da espessura do elemento). Nas
secções seguintes, abordam-se separadamente os dois procedimentos referidos. Por outro lado,
recorde-se que a classificação da secção é apenas baseada na tensão crítica de instabilidade
local, não dependendo nunca da tensão crítica de instabilidade distorcional. Este facto pode
afectar, de alguma forma, o conceito de classificação para uma secção “reforçada”. Por
exemplo, uma secção “reforçada” pode ser de classe 3 e no entanto ser necessário a
determinação da secção efectiva para a instabilidade distorcional, a qual envolverá apenas
redução da espessura dos reforços.

Embora a classificação da secção possa ser efectuada com base (i) no diagrama de tensões
real (devido a N+M) ou (ii) nos diagramas de tensões individuais de N e de M (classificações
diferenciadas), a determinação da secção efectiva é sempre efectuada com base nos
diagramas de tensões individuais devidos a N e a M. Isto é, se a secção estiver submetida a
flexão uniaxial (M) composta com compressão, devem determinar-se duas secções efectivas,
uma para N e outra para M. Desta forma, e no caso mais geral, as verificações de segurança
de secções de classe 4 requerem o conhecimento dos valores das seguintes propriedades
geométricas:

a) Área efectiva Aeff e excentricidades eNu e eNv. Os valores de Aeff, eNu e eNv são calculados
com base numa secção efectiva obtida com base na secção bruta actuada apenas por
Nc,Ed (compressão). As excentricidades são devidas à mudança do centro de massa da
secção bruta para a secção efectiva. É óbvio que eNu=eNv=0 em secções bi-simétricas,
eNu=0 ou eNv=0 em secções monosimétricas e eNu≠0 e eNv≠0 em secções sem qualquer
simetria.

67
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

b) Módulo de flexão efectivo Weff,u,min. O valor de Weff,u,min é calculado com base numa
secção efectiva obtida com base na secção bruta actuada apenas por Mu,Ed (flexão em
torno do eixo u).
c) Módulo de flexão efectivo Weff,v,min. O valor de Weff,v,min é calculado com base numa
secção efectiva obtida com base na secção bruta actuada apenas por Mv,Ed (flexão em
torno do eixo v).
Desta forma, e no caso mais complexo (flexão bi-axial composta com compressão), é
necessário o cálculo de três secções efectivas.

4.3.1. Secção efectivap para a instabilidade local – cálculo das larguras efectivasp

A primeira etapa na determinação de uma secção efectiva consiste no cálculo da tensão crítica
de instabilidade local σcr.l. Este valor pode ser determinado de duas formas distintas:
a) Exactamente (cláusula 5.5.1(6)-(7) de [4.4] EC3-1-3), recorrendo a métodos numéricos
(método dos elementos finitos de casca [4.17], método das faixas finitas [4.14, 4.15],
teoria generalizada de vigas [4.16]) para obter o valor da tensão correspondente ao
mínimo local da curva σb(L) relativo ao modo de instabilidade local (ver Capítulo 2).
b) Aproximadamente, considerando a tensão crítica local igual à tensão crítica (ou factor
de encurvadura kσ) de cada elemento da secção considerado rotulado nos seus apoios
laterais (cantos da secção) e submetido a um gradiente de tensões definido por ψ. Desta
forma (em alguns casos, bastante conservativa), o valor da tensão crítica local é
diferente de elemento para elemento.

A segunda opção (procedimento aproximado) é adoptada muito frequentemente. Seguindo


esta via, o primeiro passo na determinação de uma secção efectiva consiste no cálculo das
larguras efectivas dos seus elementos comprimidos de classe 4. Em primeiro lugar, deve ter-se
em atenção a distribuição de tensões a adoptar em cada elemento (parede) da secção. De
acordo com o art.º 5.5.2.(3) do EC3-1-3 [4.4], define-se que ao aplicar o método disposto no
art.º 4.4 de [4.5] EC3-1-5 se deve seguir o seguinte procedimento:
• O parâmetro ψ a utilizar no cálculo da largura efectivap do banzo comprimido de uma
secção submetida a flexão (relação de tensões na extremidades do banzo), deve ser
baseado numa distribuição de tensões com propriedades da secção bruta (obtidas no
Capítulo 3).
• O parâmetro ψ a utilizar no cálculo da largura efectivap do alma de uma secção
submetida a flexão (relação de tensões na extremidades da alma), deve ser baseado
numa distribuição de tensões com propriedades de uma secção composta pela parte
efectiva do banzo comprimido e pela parte bruta da alma.
• A secção efectivap final pode ser optimizada utilizando distribuições de tensões
baseadas em propriedades efectivasp calculadas após os passos anteriores, repetindo-
-os até as larguras efectivas convergirem. Os dois passos anteriores constituem o
número mínimo de etapas iterativas para secções sujeitas a flexão (o processo iterativo
é facultativo).

De acordo com o referido anteriormente, e de uma forma mais geral, pode afirmar-se que o
cálculo de uma secção efectiva sujeita a flexão deve seguir as seguintes etapas:
(i) Determinação dos valores de ψ nos elementos paralelos ao eixo de flexão, com base no
diagrama de tensões actuantes devidas a M e nas propriedades brutas da secção.

68
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

(ii) Determinação dos valores das larguras efectivas nos elementos comprimidos paralelos
ao eixo de flexão.
(iii) Determinação dos valores de ψ nos elementos perpendiculares ao eixo de flexão, com
base no diagrama de tensões actuantes devidas a M e nas propriedades de uma secção
constituída pelas (iii1) áreas brutas dos elementos perpendiculares ao eixo de flexão e
(iii2) áreas efectivas dos elementos paralelos ao eixo de flexão (determinadas em (ii)).
(iv) Determinação dos valores das larguras efectivas nos elementos perpendiculares ao eixo
de flexão.
(v) Cálculo das propriedades efectivas relevantes (Weff,y,min e/ou Weff,z,min).

Os pontos (ii) e (iv), que incluem a determinação das larguras efectivas, serão abordados em
detalhe na próxima secção.
No caso de secções sujeitas a compressão uniforme, não existe qualquer gradiente de tensões
na secção e, tem-se sempre ψ=1. Por isso, não é necessário cumprir nenhum dos pontos
referidos anteriormente visto que a distribuição de tensões é constante em toda a secção. No
entanto, e como se referiu anteriormente, pode ser necessário calcular as excentricidades eNu
e/ou eNv devidas à mudança do centro de massa da secção bruta para a secção efectiva,
existente em secções monosimétricas ou sem simetria.
Finalmente, apresentam-se dois comentários. Em estado limite último todo o cálculo de secções
efectivasp não depende da distribuição “real” de tensões, pois fixa-se o valor da máxima tensão
em σmax .Ed = fyb / γ M0 . A distribuição de tensões reais, apenas será relevante em estado limite de
serviço, caso se queira tirar partido da menor redução de propriedades devido aos valores mais
baixos dos esforços em relação aos do estado limite último. Por outro lado, a distribuição
“real” de tensões pode ser utilizada, para verificações ao estado limite último, apenas em casos
em que os estados limites de encurvadura ou de instabilidade lateral não sejam relevantes na
medida em que se vão gerar tensões inferiores ou iguais às de cedência (ver alínea (a) no fim
do ponto 4.2 e ponto 4.3.1.1).

4.3.1.1. Cálculo da largura efectivap de um elemento

Para a obtenção da largura efectivap de um elemento (parede) de uma secção de aço


enformada a frio deve aplicar-se o disposto no art.º 5.5.2 do [4.4] EC3-1-3, que por sua vez
remete para o art.º 4.4 de [4.5] EC3-1-5. Apesar do EC3 não ser explícito nos passos
necessários à determinação da largura efectivap de um elemento de classe 4, pode afirmar-se
que a mesma segue as seguintes etapas:

(i) Com base no valor de ψ= σ2/σ1 (relação entre as tensões actuantes nas extremidades
do elemento), calcula-se o valor do coeficiente de encurvadura local da parede kσ. Para
tal, o Quadro 4.4 (elementos interiores) e o Quadro 4.5 (elementos salientes) apresenta
expressões do tipo kσ=kσ(ψ). Note-se que o valor da tensão crítica de instabilidade local
do elemento é obtida através de
2
π2 ⋅ E ⎛ t ⎞
σ cr .k = kσ ⋅ ⋅⎜ k ⎟ (4.2)
12 ⋅ (1− ν ) ⎜⎝ b p.k
2 ⎟

Recorde-se ainda que os elementos (interiores e salientes) se consideram simplesmente


apoiados e, por isso, kσ=4 quando o elemento é interior e está submetido a

69
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

compressão uniforme.

(ii) Com base no valor de kσ, calcula-se o valor da esbelteza normalizada local do
elemento (placa), a qual é dada por
bp.k / t k
λ p.k = (4.3a)
28.4ε k σ

onde fyb é a tensão de cedência do aço, bp.k é a largura livre do elemento k e t é a sua
espessura. Esta expressão tem origem numa outra mais geral,

fyb b p.k 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb


λ p.k = = (4.3b)
σ cr .k tk π2 ⋅ E ⋅ k σ

onde se substituiu E=210000MPa, ν=0.3 e fyb =235MPa/ε2. Note-se que o parâmetro


de cedência do aço é dado por ε=(235/ fyb )0.5.

(iii) Com base no valor da esbelteza normalizada local do elemento ( λp ), calcula-se o valor
do factor de redução de largura efectiva (ρ), o qual é dado por
λ p.k − K ρ
ρk = se λ p.k > λ lim
λ2p.k (4.4)

ρ k = 1.0 se λ p.k ≤ λ lim

onde (a) Kρ=0.055(3+ψ) e λ lim = 0.673 para elementos interiores e (b) Kρ=0.188 e
λ lim = 0.748 para elementos salientes.

(iv) Com base no valor do factor de redução de largura efectiva (ρ), calcula-se a largura
efectiva da zona de compressão do elemento que é fornecida por
b eff .k = ρ k bk (4.5a)

no caso de todo o elemento estar submetido a compressão, ou por


b eff.k = ρ k b c.k (4.5b)

no caso de o elemento estar submetido parcialmente a compressão (na largura bc). No


caso de um elemento interior e com base no valor da largura efectiva beff.k, determina-se
subdivisão da largura efectiva total beff.k nas parcelas be1.k e be2.k, de acordo com a
distribuição apresentada no Quadro 4.3.

Para elementos salientes, o anexo D do EC3-1-3 [4.4] apresenta uma metodologia alternativa
que consiste na utilização mista de larguras e espessuras efectivasp como disposto no
Quadro 4.5. Utilizando este método, para além das larguras efectivasp, define-se uma largura
teff que deverá substituir a espessura nula das parcelas inefectivasp em elementos salientes
comprimidos. Com as larguras e/ou espessuras efectivasp definidas por elemento, é então
possível calcular as propriedades efectivasp da secção.

70
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

O EC3-1-5 [4.5] permite ainda utilizar uma metodologia alternativa à apresentada


anteriormente, a qual se baseia no cálculo de uma esbelteza normalizada reduzida do
elemento (placa) dada por σ max .Ed = fyb / γ M0

σcom.Ed.k ⋅ γ M0
λp.red.k = λp.k ⋅ (4.6)
fyb

onde γM0 é factor parcial de segurança do aço para a resistência da secção e σcom.Ed.k é a
tensão de compressão máxima na linha média do elemento k, obtida a partir da distribuição de
tensões devida aos esforços de dimensionamento (NEd e MEd) e limitada a σ max .Ed = fyb / γ M0 nas
fibras extremas da secção. No entanto, este procedimento é iterativo na medida em que obriga
ao cálculo dos valores de ψ obtidos a partir do diagrama de tensões na secção efectiva
determinada no passo anterior (obviamente, no primeiro passo a secção é bruta).
Comparativamente à metodologia normal (utilização de λp ), esta metodologia é menos
conservativa (menos do lado da segurança) mas conduz a um dimensionamento mais
económico (a secção efectiva final é maior do que no caso da utilização de λp ) e é também
mais rigorosa na medida em que se aproxima melhor da solução exacta (dimensionamento
óptimo). Enquanto a metodologia normal com base na utilização da esbelteza normalizada de
placa λp pode ser utilizada em todas as verificações de estabilidade de barras à encurvadura
global, a metodologia baseada na esbelteza reduzida só pode ser aplicada na verificação de
segurança de barras à encurvadura global se os valores de σ com.Ed.k e λ p,red forem calculados
com base em esforços obtidos de análises de 2ª ordem com incorporação das imperfeições
globais da estrutura (ver cláusula 4.4.(5) de [4.5] EC3-1-5). Isto entra parcialmente em
confronto com o ponto 5.5.2.(10) de [4.2] EC3-1-1 onde se diz explicitamente que para
verificação do Estado Limite de Encurvadura só se pode utilizar a esbelteza normalizada de
placa λ p .

Em relação ao factor de redução ρ para o cálculo da largura efectiva de um elemento, o


Anexo E do EC3-1-5 também permite utilizar uma expressão modificada em relação à
expressão (4.4), dada por

λ p.red.k − K ρ.k λ p.k − λ p.red.k


ρk = + 0.18 ⋅ se λ p.k > λ lim
λ2p.red.k λ p.k − 0.6 (4.7)

ρ k = 1.0 se λ p.k ≤ λ lim

onde (i) Kρ=0.055(3+ψ) e λ lim = 0.673 para elementos interiores e (ii) Kρ=0.188 e
λ lim = 0.748 para elementos salientes.

Basicamente, utilizando a equação (4.7), obtêm-se parcelas efectivasp maiores tanto no cálculo
de larguras efectivasp devidas a instabilidade local como distorcional, e uma mais rápida
convergência no caso de instabilidade distorcional.
Em estado limite de serviço, o nível de tensões actuantes é necessariamente inferior ao da
tensão de cedência. Por isso, e caso se queira tirar partido dos valores mais baixos dos esforços
em serviço em relação aos do estado limite último, o Anexo E de [4.5] EC3-1-5 permite utilizar
uma distribuição de tensões associada aos esforços em serviço, substituindo σ com.Ed.k por
σ com.Ed.ser.k (máxima tensão de compressão em serviço na linha média do elemento k) e λp.red.k

71
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

por λp.ser.k (esbelteza normalizada em estado limite de serviço), dada através de

σ com.Ed.ser.k ⋅ γ M0
λ p.ser.k = λ p.k ⋅ (4.8)
fyb

As disposições regulamentares do EC3-1-5 dizem respeito a elementos principais da secção


(banzos e almas são considerados elementos principais da secção). Embora à luz do EC3-1-1
se possam aplicar as regras do EC3-1-5 para os “reforços de extremidade” de secções,
considerando-os como elementos salientes, a verdade é que EC3-1-3 tem regras específicas
para a determinação da largura efectiva de reforços. Tal é devido ao facto de o reforço
constituir um elemento bastante peculiar: saliente, de largura bastante menor que os restantes
elementos da secção, normalmente submetido a tensão variável e cuja função principal é
acrescentar capacidade resistente à encurvadura local. Aliás, o EC3-1-3 considera que a
largura c de um reforço de extremidade simples deve obedecer à condição 0.2b ≤ c ≤ 0.6b (b
é a largura do banzo). Desta forma, e sempre que o reforço simples satisfaça esta(s)
condição(ões), a determinação da sua largura efectiva deve ser efectuada de acordo com a
cláusula 5.5.3.2(5).
bg2 bg2

cg2
cg2

r2 r4 r2 r4
α4 180-α4
r6

dg2
tg tg
hg
hg

dg1

α3 r5
180-α3
cg1

r1 r3 r3 r1
cg1

bg1 bg1

(a) (b)
Figura 4.3 – Secções com: (a) reforços de extremidade simples e (b) reforços de extremidade duplos.

Em secções com reforços de extremidade simples (ver Figura 4.3a), a largura efectiva é
fornecida por
c eff = ρ c ⋅ c (4.9)

onde c é a largura do reforço simples (considerado como elemento saliente) e ρc é o factor de


redução de largura efectivap, obtido através equações (4.4) ou (4.7). No entanto, a principal
diferença faz-se sentir ao nível do valor do factor de encurvadura kσ, o qual deve ser dado por,

⎧0.5 se c/b ≤ 0.35


kσ = ⎨ 2 (4.10)
⎩0.5 + 0.83 ⋅ (c/b − 0.35) se 0.35 < c/b ≤ 0.60
3

em vez dos valores fornecidos pelo Quadro 4.4. Em secções com reforços de extremidade
duplos (Figura 4.3b), a largura efectivap dos dois reforços é fornecida por

c eff = ρ ⋅ c e d eff = ρ ⋅ d (4.11)

72
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

onde c é a largura do elemento interior ligado ao banzo (1º elemento do reforço duplo), d é a
largura do elemento saliente ligado ao 1º elemento do reforço duplo e ρ é o factor de redução
de largura efectivap correspondente a cada um. Neste caso particular do reforço duplo,
aplicam-se as regras gerais de [4.5] EC3-1-5 – o factor de redução é obtido através das
equações (4.4) ou (4.7) usando valores de kσ obtidos do Quadro 4.3 caso se trate de um
elemento interior (1º elemento do reforço duplo) e do Quadro 4.4 caso se trate de um
elemento saliente (2º elemento do reforço duplo). Pode ainda utilizar-se o Quadro 4.5 caso se
trate de um elemento saliente e do método disposto no anexo D de [4.4] EC3-1-3.

Quadro 4.3 – [4.5] EC3-1-5 - Quadro 4.1: Elementos interiores comprimidos.

Quadro 4.4 – [4.5] EC3-1-5 - Quadro 4.2: Elementos salientes comprimidos.

73
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Quadro 4.5 – [4.4] EC3-1-3 - Quadro D.1 do anexo D: Elementos salientes comprimidos.

4.3.2. Secção efectivap para a instab. distorcional – cálculo de espessuras reduzidas

A primeira escolha a efectuar aquando da determinação de uma secção efectiva para a


instabilidade distorcional consiste na opção para o cálculo da tensão crítica de instabilidade
distorcional σcr.d. Tal como no caso da tensão crítica local σcr.l, o valor de σcr.d também pode ser
determinado de duas formas distintas:
a) Exactamente (cláusula 5.5.1(6)-(7) do [4.4] EC3-1-3), recorrendo a métodos numéricos
(método dos elementos finitos de casca [4.17], método das faixas finitas [4.14, 4.15],
teoria generalizada de vigas [4.16]) para obter o valor da tensão correspondente ao
mínimo local da curva σb(L) relativo ao modo de instabilidade distorcional
(ver Capítulo 2).

74
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

b) Aproximadamente, considerando a tensão crítica distorcional da secção igual à tensão


crítica global do banzo comprimido σcr,s, modelado como uma coluna elasticamente
restringida por uma mola de rigidez Kst equivalente ao reforço e à alma. Este método
conduz a valores de σcr,s que podem ser muito conservativos mas também pouco não
conservativos, dependendo muito da geometria da secção [4.18]

Tal como na determinação da secção efectivap para a instabilidade local, também neste caso a
segunda opção (procedimento aproximado, mas bastante complexo e moroso) pode ser
adoptada. Seguindo esta via, pode afirmar-se que o cálculo de propriedades efectivasp devido
à instabilidade distorcional inclui diversos procedimentos utilizados no cálculo das larguras
efectivasp para a instabilidade local. A principal diferença ocorre na análise dos banzos
comprimidos com reforços intermédios e/ou de extremidade. No presente trabalho, abordar-se-
-à apenas o caso de banzos com reforços de extremidade (excluem-se os reforços intermédios).
Tal como no caso da definição da secção efectivap para a instabilidade local (cálculo de
larguras efectivasp), também a determinação da secção efectivap para a instabilidade
distorcional (cálculo de espessuras reduzidas) pode ser efectuada num só passo ou em vários
passos (iterações). Embora neste trabalho se tenha implementado ambos os procedimentos, vai
abordar-se em primeiro lugar o procedimento clássico (não iterativo) de [4.4] EC3-1-3 e, em
seguida, explicar a sua extensão ao procedimento iterativo. No entanto, deve afirmar-se desde
já que qualquer dos procedimentos é misto “local-distorcional”, no sentido em que é
necessário calcular as larguras efectivasp em primeiro lugar para a seguir se poder determinar
as espessuras reduzidas. Desta forma, pode afirmar-se que o processo não iterativo de
determinação das espessuras reduzidas baseia-se nas seguintes etapas:

(i) Determinação da secção efectiva para a instabilidade local, isto é, calcular as larguras
efectivas dos elementos da secção de acordo com as regras referidas anteriormente
(secção 4.3.1). A partir deste momento, designa-se por “reforço” ao conjunto composto
pelo reforço de extremidade e pela parte efectiva do banzo junto do reforço de
extremidade (ver Figura 4.4). Note-se ainda que o efeito dos cantos arredondados deve ser
tido em conta utilizando as larguras nominais (hp , b1p , b 2p , c1p , etc.) . Para pequenos valores
de r (raio do canto) podem utilizar-se as larguras idealizadas (hs, b1s, b2s, c1s, etc.) –
– ver 3.3.1.

Figura 4.4 –Determinação da rigidez equivalente ao banzo reforçado.

75
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(ii) Com base nas larguras efectivas calculadas em (i), deve proceder-se à determinação da
rigidez equivalente do “reforço” Kst. Como se referiu anteriormente, o dimensionamento de
elementos à compressão com reforços de extremidade é efectuado assumindo a hipótese
de o elemento (banzo) estar restringido parcialmente ao deslocamento vertical na
extremidade reforçada e à rotação junto à alma. A rigidez de uma mola equivalente
depende das condições de apoio e da rigidez de flexão dos elementos adjacentes, sendo
fornecida por [4.4],
E ⋅ t3 1
K st.i = ⋅ 2 (4.12)
4 ⋅ (1− ν ) y cg.i ⋅ [y cg.i + h ⋅ (1+ k *fi )]
2

onde (i) y cg.i é a distância desde a ligação banzo-alma ao centro de gravidade do


“reforço” i (corresponde a b1 na ver Figura 4.4a), (ii) h é a largura da alma, (iii) e k *fi e kfi
são coeficientes dados por
⎧ y cg.2
⎪0.5 ⋅ ⋅ k f1 se i = 1
* ⎪ y cg.1
k fi = ⎨ (4.13a)
⎪0.5 ⋅ y cg.1 ⋅ k se i = 2
⎪ y
f2
⎩ cg.2

⎧ A st.eff .2
⎪ se i = 1
⎪compressão ou flexão em A st.eff .1
⎪torno de um eixo paralelo à alma A st.eff .1
k fi = ⎨ se i = 2 (4.13b)
⎪ A st.eff .2
⎪flexão em torno de um eixo
⎪ 0
⎩perpendicular à alma

e A st.eff .i é a área efectivap do “reforço” i. Note-se que se faz a distinção entre “reforço” 1
ou 2 pois, na grande maioria dos casos, qualquer secção de aço enformada a frio
apresenta dois banzos e dois “reforços” (superior e inferior).

(iii) Após o cálculo da rigidez Kst da mola equivalente, procede-se à determinação da tensão
crítica do “reforço” i elasticamente restringido (σcr.st.i). Este valor é obtido através de

2 ⋅ K st.i ⋅ E ⋅ Ist.i
σ cr.st.i = (4.14)
A st.i

onde (iii1) Kst.i é a rigidez da mola para o “reforço” i, (iii2) Ist.i é o momento de inércia do
“reforço” i em torno do eixo a-a (ver Figura 4.5), (iii3) A st.i é a área do “reforço” i. No caso
mais frequente (“reforços iguais”), obtém-se σcr.st.1=σcr.st.2= σcr.st (tensão crítica distorcional
σcr.d). No entanto, em casos muito particulares (“reforços diferentes”), obtém-se dois valores
σcr.st.1 e σcr.st.2 distintos, podendo:

(a) Atribuir-se a σcr.st (tensão crítica distorcional σcr.d) o menor de ambos os valores σcr.st.1 e
σcr.st.2. Embora tratando-se de uma abordagem conservativa, é a mais correcta na
medida em que existe sempre um dos “reforços” (o mais fraco, i.e., o de menor σcr.st.i)
que faz despoletar a instabilidade distorcional da secção.

76
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

(b) Prosseguir o cálculo com valores distintos para σcr.st.1 e σcr.st.2, como também para as
quantidades a calcular subsequentemente. Esta abordagem, em princípio menos
conservativa, irá conduzir a valores de espessuras reduzidas distintos nos dois
“reforços”.

Se em secções com banzos iguais (simétricas), as duas abordagens conduzem a resultados


iguais, no caso de secções não simétricas o EC3-1-3 não é explicito em relação a qual
destas abordagens se deve utilizar.

(iv) Com base no valor de σcr,st, procede-se à determinação da esbelteza normalizada


distorcional λd, a qual é dada por

λd = fyb σ cr.st (4.15)

(v) Com base no valor de λd e numa curva de dimensionamento proposta pelo EC3-1-3 [4.4]
especificamente dedicada à instabilidade distorcional, determina-se o valor do factor de
redução para a instabilidade distorcional χd, fornecido por
⎧1.0 se λd ≤ 0.65

χ d = ⎨1.47 − 0.723 ⋅ λd se 0.65 < λd < 1.38 (4.16)
⎪0.66 λ se λd ≥ 1.38
⎩ d

(vi) Tendo por base o valor de χd, deve proceder-se à determinação da espessura reduzida do
“reforço” i dada por
t red.i = t i ⋅ χ d ≤ t i (4.17)

onde ti é a espessura do “reforço” i.

(vii) Finalmente, e após o cálculo das larguras efectivas (ponto (i)) e das espessura reduzidas
(ponto (vi)), obtém-se a secção efectivap final para a instabilidade local e distorcional (por
isso se referiu anteriormente que este procedimento é misto “local-distorcional”) e podem
determinar-se as propriedades efectivas da secção (área e/ou módulos de flexão).

Em vez do conceito de espessura reduzida (tred), o EC3-1-3 permite utilizar o conceito de tensão
de cedência reduzida ( χ d ⋅ fyb ) na secção do “reforço”. São conceitos totalmente equivalentes
na medida em que se pode optar por ter o “reforço” (i) com uma espessura reduzida (tred) e
submetido a uma tensão de cedência não reduzida ( fyb ) ou (ii) com uma espessura não
reduzida (t) e submetido a uma tensão de cedência reduzida ( χ d ⋅ fyb ). Do ponto de vista da
resistência, é perfeitamente igual utilizar um ou outro conceito.

Embora a abordagem aqui explicada seja não iterativa (mas a mais conservativa), o EC3-1-3
permite efectuar uma abordagem mais rigorosa na medida em que torna possível efectuar
várias iterações neste processo. Assim, as etapas (i) a (vi) podem ser repetidas iterativamente
em virtude de, no final da etapa (vi) (cálculo das espessuras reduzidas dos “reforços”) existir
uma mudança do centro de massa da secção devido às novas espessuras e, deste modo, o
diagrama de tensões passar a ter uma forma diferente da utilizada na iteração anterior
(designada por “iteração 0”). Após se ter calculado a nova posição do centro de massa da
secção efectiva da iteração 0 e os novos valores do parâmetro ψ baseados no digrama de
tensões, pode proceder-se ao cálculo das novas larguras efectivas dos elementos da secção

77
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(ponto (i) na iteração 1). Com base nas novas larguras efectivas, percorrem-se os passos (ii) a
(vi) na iteração 1 e, assim, sucessivamente. Após efectuadas algumas iterações, os valores das
larguras efectivas e das espessuras reduzidas atingem a convergência desejada e o processo
iterativo termina. Finalmente, procede-se ao ponto (vii), no qual se calculam as propriedades
da secção efectiva final (área e/ou módulos de flexão). Este procedimento iterativo, é
apresentado de uma forma mais pormenorizada no Anexo E.

a) Secção bruta do conjunto banzo+reforço


de extremidade e suas condições de apoio

b) Passo 1: Determinação da secção


efectivap do conjunto banzo + reforço de
extremidade (com K=∞ e σcom.Ed=fyb/γM0). O
conjunto de largura be2 e ceff designa-se por
“reforço”.

c) Passo 2: Cálculo da rigidez da mola e da


tensão crítica σcr do “reforço”.

d) Passo 3: Cálculo do factor de redução


para a instabilidade distorcional χd.

e) Passo 4: Cálculo da espessura reduzida


do “reforço” e determinação da secção
efectiva final.

Figura 4.5 – Representação esquemática da determinação da secção efectiva para a


instabilidade distorcional (método não iterativo).

Como se referiu anteriormente, a determinação da secção efectiva é sempre efectuada com


base nos diagramas de tensões individuais devidos a N e a M, isto é, devem determinar-se
duas secções efectivasp, uma para N e outra para M. No caso mais geral, as verificações de
segurança de secções de classe 41 requerem o conhecimento dos valores (i) da área efectiva
Aeff (N de compressão) e das excentricidades eNu e/ou eNv (secção sem dupla simetria), e (ii) dos
módulo de flexão efectivos Weff,u,min e Weff,v,min.

1
A classificação de uma secção é apenas baseada na tensão crítica de instabilidade local, não dependendo
nunca da tensão crítica de instabilidade distorcional. Por exemplo, uma secção “reforçada” pode ser de classe 3 e
no entanto ter uma secção efectiva inferior à secção bruta por via da redução da espessura dos “reforços”.

78
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

De salientar ainda os seguintes aspectos particulares:

• Para secções assimétricas ou com simetria radial (e.g., secção em Z), os eixos centrais
principais de inércia u-v não têm a orientação do referencial central y-z (y e z são
normalmente paralelos às paredes da secção). A distribuição de tensões normais na
secção bruta para obtenção das propriedades efectivasp deverá ser obtida no
referencial u-v;
• Em secções monosimétricas (e.g., secção em C) de classe 4 submetidas a flexão em
torno do eixo de maior inércia (eixo u) exibem uma distribuição assimétrica de larguras
efectivas. Num procedimento iterativo, a configuração assimétrica da secção efectiva
provoca simultaneamente (i) uma translação do centro de gravidade e (ii) uma rotação
dos eixos principais de inércia em relação aos eixos da secção bruta. Este último efeito
não se encontra explicitamente citado no Eurocódigo nem foi abordado em qualquer
dos elementos bibliográficos pesquisadas. Isso deve-se, muito provavelmente, ao facto
deste efeito não produzir alterações significativas na resistência das secções, pelo
menos na gama de relações geométricas abrangidas pelo Eurocódigo.

4.4. RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

4.4.1. Esforço axial de tracção

O valor de dimensionamento do esforço axial de tracção NEd em cada secção deve satisfazer:
|NEd |
ηNt = ≤ 1.0 (4.18a)
N t.Rd

sendo o esforço axial resistente da secção dado por


A g ⋅ fya
N t.Rd = (4.18b)
γ M0

em que (i) A g é a área de secção bruta, (ii) fya é a tensão de cedência média do material
(ver 3.2.2.1) e (iii) γ M 0 é o factor parcial de segurança para a resistência de secções
(ver 3.2.2). Em secções com furos, o esforço axial resistente de tracção Nt.Rd deve ser obtido de

⎧ A g ⋅ fya ⎫
N t.Rd = min ⎨ ; Fn.Rd ⎬ (4.18c)
⎩ γ M0 ⎭
onde Fn.Rd é a força de resistência última da secção com furos para conectores, a qual depende
do tipo de conector e se obtém ao abrigo do artigo 8.4 de [4.4] EC3-1-3.

4.4.2. Esforço axial de compressão

O valor de dimensionamento do esforço axial de compressão actuante (NEd) e o valor


característico do esforço axial de compressão resistente (Nc.Rk) devem satisfazer a seguinte
relação,
| NEd |
η c,Nc = ≤ 1.0 (4.19a)
Nc.Rk / γ M0

79
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

O valor característico do esforço axial resistente de compressão Nc.Rk deve ser obtido por

⎧⎪ A eff ⋅ fyb se A eff < A g


Nc.Rk = ⎨ (4.19b)
⎪⎩ A g ⋅ fya−b se A eff = A g

onde (i) A eff e A g são as áreas efectiva e bruta da secção, respectivamente, (ii) fyb é a tensão
de cedência base do aço (ver 3.2.2.1), (iii) fya−b é uma tensão de cedência ponderada, a qual
permite considerar o acréscimo de tensão, em relação a fyb , associado ao facto da secção
poder desenvolver parcialmente a sua capacidade plástica resistente em virtude dos fenómenos
de instabilidade local estarem ausentes. Note-se que tal só acontece se A eff = A g , isto é, não
existindo qualquer redução da área bruta da secção (secções de classe 3 sem espessuras
reduzidas). Caso contrário (secções de classe 4 ou de classe 3 com espessuras reduzidas), tem-
-se sempre A eff < A g em virtude dos fenómenos de instabilidade local e/ou distorcional
poderem ocorrer. O valor da tensão de cedência ponderada é dado por,

fya−b = fyb + ( fya − fyb ) ⋅ 4 ⋅ (1− λ rel,max ) (4.19c)

onde λ rel,max é a esbelteza relativa máxima da secção, a qual corresponde ao valor máximo das
esbeltezas relativas de todos os elementos (parede) da secção,
λ rel,max = max k λ rel,k (4.19d)

A esbelteza relativa de cada elemento (parede) λrel corresponde à relação entre (i) a esbelteza
normalizada de cada elemento λp e (ii) a esbelteza limite λ lim do tipo de elemento. Desta
forma, podem adoptar-se as seguintes expressões para o cálculo da esbelteza relativa de um
elemento, dependendo do seu tipo,

⎧ λp
⎪ para elementos interiores (não reforçados)
⎪ 0.673
⎪ λp
λrel = ⎨ para elementos salientes (não reforçados)
⎪ 0.748
⎪ λd
(4.19e)
para elementos reforçados
⎪ 0.650

Se Aeff=Ag, então os valores da esbelteza relativa λrel de todos os elementos (parede) são
inferiores à unidade (λrel<1) e o valor da esbelteza relativa máxima da secção λ rel,max deverá
ser o valor mais próximo da unidade. O valor de λ rel,max é um indicador da incapacidade da
secção em desenvolver esforços plásticos devido à ocorrência de fenómenos de instabilidade
local e/ou distorcional (quanto mais próximo de 1, mais “incapaz” é a secção). Obviamente, se
λrel<1, então trata-se de (i) uma secção de classe 4 ou (ii) de classe 3 com espessuras
reduzidas.

De salientar ainda que os valores das esbeltezas limite ( λ lim ) para elementos não reforçados,
apresentados anteriormente na expressão (4.19e) (0.673 e 0.748), não correspondem
exactamente aos referidos no EC3-1-3 mas sim aos apresentados na versão definitiva do
EC3-1-5. De facto o EC3-1-3 adopta os valores de esbelteza limite λ lim estipulados na versão
anterior do EC3-1-5 e, de acordo com este, a expressão (4.19e) passaria a tomar a forma,

80
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

⎧ λp
⎪ para elementos interiores (não reforçados)
⎪ 0.5 + 0.25 − 0.055 ⋅ (3 + ψ )

⎪ λ
⎪ p para elementos salientes (não reforçados)
λ rel = ⎨ 0.673
⎪ (4.19f)
⎪ λ
⎪ d para elementos reforçados
⎪ 0.650

Note-se que para ψ=1, ambas as expressões conduzem a λlim=0.673 para elementos
interiores não reforçados. No entanto, existe alguma disparidade entre os valores para
elementos salientes nas expressões (4.19e) (λlim=0.748) e (4.19f) (λlim=0.673).

Finalmente, abordam-se ainda alguns pontos de interesse muito particular:

(i) Art.º 6.2.4.(3) de [4.2] EC3-1-1 – Excepto para furos de grandes dimensões, como
definido em EN 1090, não é necessário considerar o efeito dos furos na resistência de
compressão da secção desde que os mesmos estejam preenchidos por parafusos ou
conectores.
(ii) Art.º 6.2.4.(4) de [4.2] EC3-1-1 – No caso de secções que não sejam bi-simétricas de
Classe 4, deve ter-se em consideração os momentos adicionais ΔMEd = NEd ⋅ eN devidos
à presença de esforço axial de compressão excêntrica em relação ao centro de massa
da secção efectiva (excentricidades e Nu e/ou e Nv ). No caso de existir apenas esforço
axial de compressão numa secção de classe 4 não bi-simétrica, deve ser sempre
efectuada uma verificação à flexão composta.
(iii) Art.º 6.1.3.(3) de [4.4] EC3-1-3 – Quando as excentricidades e Nu e/ou e Nv originarem
um efeito favorável dos momentos adicionais ΔMEd (sinal de ΔMEd contrário ao de MEd),
os seus valores deverão ser (i) desprezados nas verificações de segurança se tiverem sido
calculados para valores de tensão fyb / γ M0 nas fibras extremas e (ii) contabilizados se
tiverem sido calculados para os valores “reais” das tensões nas fibras extremas.

4.4.3. Momento-flector em torno dos eixos principais de inércia

4.4.3.1. Definições auxiliares

Ainda antes de apresentar a regra de verificação de segurança de secções submetidas a flexão,


abordam-se algumas definições auxiliares relativas ao conceito de módulo de flexão. O
módulo de flexão elástico ou efectivop em torno de um eixo principal corresponde à relação
entre o momento de inércia em torno desse eixo e a distância desse eixo à fibra mais solicitada
da secção. Para o cálculo do momento resistente no caso de flexão simples em torno de um
eixo principal, o módulo de flexão a considerar corresponde ao menor dos módulos em torno
dessa direcção e corresponderá forçosamente à fibra mais distante do eixo (fibra mais
solicitada). Para se poder efectuar uma análise mais sistematizada dessas situações, definem-se
em seguida as seguintes grandezas:

81
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

a) Módulos de flexão associados às fibras extremas da secção, em que Wu,v min e Wu,v max são
os módulos de flexão em torno do eixo u associados, respectivamente, a pontos da secção
com coordenadas v min e v max (ver figura 4.4),
Wu,v min = Iu / v min (4.20a) Wu,v max = Iu / v max (4.20b)

e onde Wv,umin e Wv,umax são os módulos de flexão em torno do eixo v associados,


respectivamente, a pontos da secção com coordenadas umin e umax (ver Figura 4.6)

Wv,umin = Iv / umin (4.20c) Wv ,umax = Iv / umax (4.20d)

- Iu e I v são, respectivamente, os momentos de inércia (elásticos ou efectivosp) em torno


dos eixos principais de inércia u e v;
- umin e umax são, respectivamente, a coordenada da fibra extrema com menor valor de
u e a coordenada da fibra extrema com maior valor de u (ver Figura 4.6);
- v min e v max são, respectivamente, a coordenada da fibra extrema com menor valor de
v e a coordenada da fibra extrema com maior valor de v (ver Figura 4.6);

b) Módulos de flexão associados às máximas tensões de tracção e de compressão


Os módulos de flexão associados às máximas tensões de tracção e de compressão
dependem do sinal (combinação) dos momentos flectores actuantes, pelo que existem
múltiplas combinações possíveis para as fibras sujeitas a maior tracção e compressão
(ver Figura 4.6).

Para as combinações de momentos flectores apresentadas na Figura 4.7, obtém-se as


seguintes relações:
+ +
• σ Mcom
u
= σ Mv min
u
⇔ Wu,com = Wu,vmin (4.21a) • σ Mtenu = σ Mv max
u
⇔ Wu,ten = Wu,vmax (4.21b)

− −
• σ Mcom
u
= σ Mv max
u
⇔ Wu,com = Wu,vmax (4.21c) • σ Mtenu = σ Mv min
u
⇔ Wu,ten = Wu,vmin (4.21d)

+ +
• σ Mcom
v
= σ uMmax
v
⇔ Wv,com = Wv,umax (4.21e) • σ Mtenv = σ uMmin
v
⇔ Wv,ten = Wv,umin (4.21f)

− −
• σ Mcom
v
= σ uMmin
v
⇔ Wv,com = Wv,umin (4.21g) • σ Mtenv = σ uMmax
v
⇔ Wv,ten = Wv,umax (4.21h)

em que:
- σ com e σ ten são, respectivamente, as máximas tensões de compressão e de tracção
para um determinado momento-flector;
- σuMmin
v Mv
e σumax são as tensões nas fibras extremas para momento-flector em torno de v,
associadas, respectivamente, a pontos com as coordenadas umin e umax ;
- σ Mv min
u Mu
e σ v max são as tensões nas fibras extremas para momento-flector em torno de u,
associadas, respectivamente, a pontos com as coordenadas v min e v max ;
- Wu,com e Wu,ten são os módulos de flexão associados, respectivamente, às maiores
tensões de compressão e de tracção, para momento-flector em torno de u;
- Wv ,com e Wv ,ten são os módulos de flexão associados, respectivamente, às maiores
tensões de compressão e de tracção, para momento-flector em torno de v;

82
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

σumax Mv
σuminMv
umin umax

σvmax Mu

vmax
v v

cg u u
vmin

σvminMu

Figura 4.6 – Distâncias do centro de gravidade às fibras extremas. Distribuição de tensões.

σcom Mv+ σtenMv-


σten Mv+ σcomMv-

σcom Mu- σcomMu-


compressão compressão
máxima máxima

v v

u u

tracção tracção
máxima máxima
σten Mu-
σtenMu-

Mu<0 e Mv>0 Mu<0 e Mv<0


σtenMv- σcom Mv+
σcom Mv- σtenMv+

σtenMu+ σtenMu+
tracção tracção
máxima máxima

v v

u u

compressão compressão
máxima máxima
σcom Mu+
σcom Mu+

Mu>0 e Mv<0 Mu>0 e Mv>0

Figura 4.7 – Zonas de máxima compressão e tracção em função do sinal dos momentos flectores.

83
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

c) Módulos de flexão associados a flexão simples


Em secções de classe 3 ou 4, assume-se em geral que a sua resistência máxima está
associada ao aparecimento da tensão de cedência do aço nas fibras extremas da secção
bruta (classe 3) ou secção efectivap (classe 4). Por esta razão, as equações de interacção
que se irão apresentar nos pontos seguintes estão escritas em termos dos esforços actuantes
e resistentes mas são equivalentes à verificação de segurança em termos de tensões
actuantes e resistentes. Como referido anteriormente, a localização do(s) ponto(s)
condicionante(s) é completamente dependente do sinal (combinação) dos momentos
flectores em secções assimétricas.

Para flexão simples, os módulos de flexão (elásticos ou efectivosp) são

• Wu = min( Wu,v min ; Wu,v max ) = min( Wu,com ; Wu,ten ) (4.22a)

• Wv = min( Wv,u min ; Wv,u max ) = min( Wv, com ; Wv, ten ) (4.22b)

em que Wu e Wv são, respectivamente, os módulos de flexão em torno dos eixo u e v, para


flexão simples. eNu Como se verificará nos pontos seguintes, para situações muito
particulares que envolvem invariavelmente a existência de pelo menos monosimetria da
secção, os módulos de flexão a considerar no dimensionamento e verificação de segurança
podem contemplar, de forma aproximada, a influência de alguma plasticidade da secção.

4.4.3.2. Flexão simples

O valor de dimensionamento do momento-flector actuante (MEd,i) e o valor característico do


momento flector resistente (Mc.Rk,i) devem satisfazer a seguinte relação,

| M Ed,i |
η c,Mi = ≤ 1.0 (4.23a)
M c.Rk ,i / γ M0

O valor característico do momento-flector resistente Mc.Rk,i deve ser obtido por

⎧⎪Wi,eff ⋅ fyb se Wi,eff < Wi,el.g


M c.Rk ,i = ⎨ (4.23b)
⎪⎩Wi,el−pl ⋅ fyb se Wi,eff = Wi,el.g

onde (i) Wi,eff e Wi,el.g são os módulos de flexão em torno do eixo i da secção efectiva e bruta,
respectivamente, (ii) fyb é a tensão de cedência base do aço (ver 3.2.2.1), (iii) Wi,el−pl é o valor
ponderado do módulo de flexão em torno do eixo i da secção bruta elástica e bruta plástica. A
adopção de Wi,el−pl permite considerar o acréscimo do módulo de flexão, em relação a Wi,el.g ,
associado ao facto da secção poder desenvolver parcialmente a sua capacidade plástica
resistente em virtude dos fenómenos de instabilidade local estarem ausentes. Note-se que tal só
acontece se Weff = Wg , isto é, não existindo qualquer redução do módulo de flexão da secção
bruta (secções de classe 3 sem espessuras reduzidas). Caso contrário (secções de classe 4 ou
de classe 3 com espessuras reduzidas), tem-se sempre Weff < Wg em virtude dos fenómenos de
instabilidade local e/ou distorcional poderem ocorrer.

84
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

O valor ponderado do módulo de flexão em torno do eixo principal de inércia i tem em conta
o possível desenvolvimento de plasticidade para secções de classe 3 e assume um valor
intermédio entre os módulos de flexão elástico e plástico, dado por

Wi,el−pl = ( Wi,el.g + ( Wi,pl.g − Wi,el.g ) ⋅ 4 ⋅ (1− λ i,rel,max )) ≤ Wi,pl.g (4.24)

onde (i) Wi,el.g é o módulo de flexão elástico em torno do eixo principal de inércia i, (ii) Wi,pl.g é
o módulo de flexão plástico (para secções onde não ocorram fenómenos de instabilidade local
e que possuam suficiente capacidade de rotação) em torno do eixo principal de inércia i e
(iii) λ rel,max é a esbelteza relativa máxima da secção, a qual corresponde ao valor máximo das
esbeltezas relativas de todos os elementos (parede) da secção,

λ rel,max = max k λ rel,k (4.25a)

A esbelteza relativa de cada elemento (parede) λrel corresponde à relação entre (i) a esbelteza
normalizada de cada elemento λ e (ii) a esbelteza limite λlim do tipo de elemento. Desta forma,
podem adoptar-se as seguintes expressões para o cálculo da esbelteza relativa de um
elemento, dependendo do seu tipo,

⎧ λp
⎪ para elementos interiores (não reforçados)
⎪ 0.5 + 0.25 − 0.055(3 + ψ )
⎪⎪ λp
λ rel =⎨ para elementos salientes (não reforçados)
⎪ 0.748
⎪ λd
(4.25b)
para elementos reforçados
⎪ 0.650
⎪⎩

onde ψ é a relação entre as tensões nas extremidades dessa parede interior não reforçada. No
entanto, refere-se que a segunda expressão (4.23b) é aplicável se estiverem reunidas as
seguintes condições:

(i) O momento flector actua apenas segundo um dos eixos principais de inércia;
(ii) A barra não está sujeita a torção ou a instabilidades por modos de torção, flexão-torção
(devido a compressão ou a flexão) ou distorcionais;
(iii) O ângulo entre a alma e os banzos é superior a 60º;

Relativamente às condições referidas anteriormente, deve referir-se que:


- Para perfis que não sejam pelo menos monosimétricos (os quais têm obrigatoriamente
os eixos principais de inércia rodados em relação aos eixos centrais y-z), os momentos
em torno de y ou z são decompostos em momentos em torno de u e de v, o que
invalida automaticamente as condições referidas anteriormente. Caem nesta categoria
perfis assimétricos em geral ou perfis em “Z”.
- Perfis em “C” ou “U” (C’s, tipo “rack” e tipo “hat”) que tenham banzos desiguais são à
partida assimétricos, no entanto, se essa diferença não for significativa, consideram-se
razoáveis as condições referidas anteriormente.

85
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Caso tais condições não sejam satisfeitas, deve aplicar-se a expressão seguinte:

M c.Rk ,i = Wi,el ⋅ fya se Wi,eff = Wi,el.g (4.26)

Claro que, dependendo do sinal do momento-flector, os módulos de flexão Wi,eff , Wi,el−pl ou


Wi,el.g , podem assumir, respectivamente, (i) Wi,eff ,com ou Wi,eff ,ten , (ii) Wi,el−pl,com ou Wi,el−pl,ten , e (iii)
Wi,el.g,com ou Wi,el.g, ten , caso as fibras extremas fiquem sujeitas às maiores tensões de compressão
ou de tracção (ver ponto 4.4.3.1).

4.4.3.3. Flexão desviada

No caso de se ter a secção submetida a flexão desviada, a segurança é satisfeita se seguintes


equações de interacção forem satisfeitas:
• η c,M, t = η c,Mu, t + η c,Mv, t ≤ 1.0 (4.27a)

com
| M Ed,u | | M Ed,v |
• η c,Mu,t = ≤ 1.0 (4.27b) • η c,Mv ,t = ≤ 1.0 (4.27c)
M c.Rk ,u / γ M0 M c.Rk ,v / γ M0

em que, (i) M c.Rk ,u e M c.Rk ,v são, respectivamente, os momentos resistentes característicos em


torno de u e v (eixos principais de inércia) (ver ponto 4.4.3.1). Finalmente, refere-se que
qualquer momento flector actuante orientado segundo um dos eixos y ou z (eixos centrais de
inércia, mas não principais) pode ser decomposto nas suas componentes segundo os eixos
principais centrais de inércia – e.g., em secções monosimétricas (C’s), os sistemas de eixos u-v
e y-z coincidem.

4.4.4. Esforço transverso

A segurança em relação ao corte é assegurada se o valor de dimensionamento do esforço


transverso actuante na direcção do eixo i (VEd,i) e o valor característico do esforço transverso
resistente na mesma direcção (Vb.Rk,i) satisfizerem a seguinte relação

VEd
ηV = ≤ 1.0 (4.28a)
Vb.Rk / γ M0

O esforço transverso resistente característico Vb.Rk obtém-se por:

Vb.Rk = s w ⋅ t ⋅ fbv (4.28b)

onde (i) s w é a distância fictícia entre as extremidades da alma, (ii) t é a menor espessura dos
elementos que compõem a alma e (iii) fbv é o valor da tensão resistente ao esforço transverso
com a influência da encurvadura por corte. No caso particular de almas sem reforços
intermédios longitudinais tem-se s w = h w / sin(φ) , em que h w é a altura da alma e φ é o ângulo
que a linha que une as extremidades da alma faz com os banzos. Por outro lado, a tensão de
cedência ao esforço transverso fbv depende (i) da esbelteza normalizada ao esforço transverso
λ w e (ii) da existência (ou não) de reforços nos apoios (ver Quadro 4.6).

86
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

Esbelteza ao esforço transv. s/ reforço dos apoios c/ reforço dos apoios


λ w ≤ 0.83 fbv = fyb / 3 fbv = fyb / 3

0.83 < λ w < 1.40 fbv = 0.48 ⋅ fyb / λ w fbv = 0.48 ⋅ fyb / λ w

λ w ≥ 1.40 fbv = 0.67 ⋅ fyb / λ2w fbv = 0.48 ⋅ fyb / λ w

Quadro 4.6 – Tensão resistente ao esforço transverso em função da esbelteza.

A esbelteza normalizada para a instabilidade por esforço transverso λ w obtém-se através de

fyb / 3 sw fyb ⋅ 12 ⋅ (1 − ν 2 )
λw = = ⋅ (4.29a)
τ cr t 3 ⋅ π2 ⋅ E ⋅ k τ

Após a substituição das propriedades do aço (E, ν, fyb) pelos seus valores, obtém-se as
seguintes expressões:

• para almas sem reforços longitudinais,


sw / t
λw = (4.29b)
86.4 ⋅ ε

• para almas com reforços longitudinais,


sd / t sp / t
λw = ≥ (4.29c)
37.4 ⋅ ε ⋅ k τ 86.4 ⋅ ε

onde (i) k τ é o coeficiente de encurvadura local de placa para a instabilidade por esforço
transverso ou corte dado por
2.10 ⎛⎜ ∑ I s
1/ 3

k τ = 5.34 + ⋅ ⎟ (4.29d)
t ⎜ s ⎟
⎝ d ⎠
(ii) ε = 235 / fyb é o parâmetro de cedência do aço, (iii) s d é o comprimento total da linha
média da alma, (iv) sp é o comprimento do maior elemento plano da alma e (iv) é a soma dos
momentos de inércia individuais de cada reforço longitudinal em torno do eixo a-a, como
definido no ponto 5.5.3.4.3(7) de [4.4] EC3-1-3 (ver também Figura 4.8). As expressões
(4.29a) e (4.29c) permitem ter em conta situações de reforço mais complexas, utilizando
diferentes valores do coeficiente k τ . Refere-se ainda que as expressões (4.29b) e (4.29c)
correspondem às apresentadas em [4.5] EC3-1-5 no ponto 5.3, e são em tudo equivalentes às
expressões do ponto 6.1.5 de [4.4] EC3-1-3: a única diferença consiste no facto de estas
últimas não terem todas as propriedades dos materiais inseridas. Apenas as situações de barras
com reforço nos apoios são consideradas na presente dissertação.

87
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 4.8 – Alma reforçada longitudinalmente.

Finalmente, refere-se que consideração do esforço transverso resistente com e sem influência
da encurvadura por corte, apresentado em [4.2, 4.3 e 4.5], está presente implicitamente em
[4.4] EC3-1-3:
- Para h w / t ≤ 72ε a tensão resistente ao corte não sofre qualquer redução devido a
instabilidade da alma por esforço transverso. A utilização deste valor limite permite obter
um valor da esbelteza normalizada para instabilidade de esforço transverso igual a
0.83, o qual está associado a uma tensão de cedência ao esforço transverso fbv sem
redução para a instabilidade por corte.
- O mesmo sucede para almas com reforços longitudinais e/ou transversais intermédios,
para as quais se tem valor limite h w / t ≤ 31ε ⋅ k τ .

- Os factores de redução χ w presentes em [4.5] EC3-1-5, que multiplicam o esforço


transverso plástico resistente por forma a ter em conta a instabilidade, estão de acordo
com os valores reduzidos da tensão de cedência ao esforço transverso (fbv) apresentado
no EC3-1-3 [4.3, 4.4], existindo pequenas diferenças para as esbeltezas maiores e para
almas apenas com reforços de extremidade.

4.4.5. Forças Concentradas

A elevada esbelteza das paredes que constituem os perfis de aço enformados a frio faz com
que estes sejam muito susceptíveis a forças concentradas, em particular as almas das vigas que
resistem ao esforço transverso. De entre os fenómenos mais condicionantes para o colapso de
vigas de aço enformadas a frio submetidas a forças concentradas, descreve-se o fenómeno de
esmagamento da alma, frequentemente designado por “web crippling”. A abordagem do
EC3-1-3 [4.3, 4.4] para os perfis de aço de parede fina enformados a frio é completamente
distinta da abordagem do EC3-1-5 [4.5] relativa a elementos laminares compostos por placas.
Segundo o EC3-1-3 [4.3, 4.4], a segurança em relação ao esmagamento da alma é
assegurada se o valor de dimensionamento da força concentrada actuante (FEd) e o valor de
dimensionamento da força concentrada resistente (Rw.Rd) satisfizerem a seguinte relação

FEd
η c,F = ≤ 1.0 (4.30)
R w.Rd

Note-se que na determinação da força concentrada resistente na alma ( R w.Rd ) de uma secção,
existem três situações distintas: (i) secções com uma única alma não reforçada, (ii) secções com

88
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

múltiplas almas não reforçadas (incluindo chapas perfiladas e/ou painéis) e (iii) secções com
alma reforçada (esta situação não será abordada no presente trabalho). Nas secções seguintes,
abordam-se isoladamente as três situações. Em particular, referem-se ainda os seguintes casos:

(i) Se a carga concentrada ou reacção de apoio forem aplicadas por meio de dispositivos
que previnam a distorção da alma e que tenham sido dimensionados para resistir a essa
força, a verificação de segurança da alma a forças concentradas considera-se satisfeita.
(ii) Sempre que se obtenham secções compostas por ligação de secções simples (por
exemplo, uma secção em “I” pode ser obtida por ligação de dois perfis em “C”), as
suas ligações devem ser localizadas o mais próximo possível dos banzos das secções
simples a ligar.

4.4.5.1. Secções com uma única alma não reforçada

a) Almas susceptíveis à rotação sem qualquer dispositivo de restrição

(a) (b) (c) (d)


Figura 4.9 – Secções com alma única com susceptibilidade de rotação sem dispositivos impeditivos

Para secções com uma única alma não reforçada (ver Figura 4.9), o valor da força
concentrada resistente na alma ( R w.Rd ) de uma secção obtém-se através das expressões
presentes nos Quadros 4.7a e 4.7b desde que se verifiquem as seguintes condições:

• hw / t ≤ 200 • r/t≤6 • 45º ≤ φ ≤ 90º

onde (i) hw é a altura da alma entre as linhas médias dos banzos, (ii) t é a espessura da alma,
(iii) r é o raio interno dos cantos, (iv) φ é o ângulo da alma em relação aos banzos. As
constantes presentes nos Quadros 4.7a e 4.7b são fornecidas por,

• k 1 = 1.33 − 0.33 ⋅ k • 0.50 ≤ k 2 = 1.15 − 0.15 ⋅ r / t ≤ 1.0 • k 3 = 0.7 + 0.3 ⋅ (φ / 90)2


• k 4 = 1.22 − 0.22 ⋅ k • k 5 = 1.06 − 0.06 ⋅ r / t ≤ 1.0

onde (i) k = fyb / 228 é um coeficiente adimensional, que tem em conta a tensão de cedência
do aço e (ii) ss é a largura real do apoio.

b) Almas não susceptíveis à rotação ou com dispositivo que lhe ofereça suficiente restrição
Para secções com uma única alma não reforçada (ver Figura 4.10), o valor da força
concentrada resistente ( R w.Rd ) obtém-se através das expressões presentes nos Quadros 4.8a e
4.8b.

89
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(a) (b)
Figura 4.10 – Secções com alma única sem susceptibilidade de rotação

(i) Uma carga concentrada ou reacção


(i.1) c ≤ 1.5 ⋅ h w de uma extremidade livre

• secção com banzos reforçados


⎡ h / t⎤ ⎡ s ⎤
k 1 ⋅ k 2 ⋅ k 3 ⋅ ⎢9.04 − w ⎥ ⋅ ⎢1+ 0.01⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 60 ⎦ ⎣ t ⎦
R w.Rd = (4.31a)
γ M1

• secção com banzos não reforçados


- ss / t ≤ 60:
⎡ h / t⎤ ⎡ s ⎤
k 1 ⋅ k 2 ⋅ k 3 ⋅ ⎢5.92 − w ⎥ ⋅ ⎢1+ 0.01⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 132 ⎦ ⎣ t ⎦
R w.Rd = (4.31b)
γ M1
- ss / t > 60:
⎡ h /t⎤ ⎡ s ⎤
k 1 ⋅ k 2 ⋅ k 3 ⋅ ⎢5.92 − w ⎥ ⋅ ⎢0.71+ 0.015 ⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 132 ⎦ ⎣ t⎦
R w.Rd = (4.31c)
γ M1

(i.2) c > 1.5 ⋅ h w de uma extremidade livre

- ss / t ≤ 60:
⎡ h / t⎤ ⎡ s ⎤
k 3 ⋅ k 4 ⋅ k 5 ⋅ ⎢14.7 − w ⎥ ⋅ ⎢1 + 0.007 ⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 49.5 ⎦ ⎣ t ⎦
R w.Rd = (4.31d)
γ M1

- ss / t > 60:
⎡ h / t⎤ ⎡ s ⎤
k 3 ⋅ k 4 ⋅ k 5 ⋅ ⎢14.7 − w ⎥ ⋅ ⎢0.75 + 0.011⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 49.5 ⎦ ⎣ t ⎦
R w.Rd = (4.31e)
γ M1
Quadro 4.7a – Secções com uma alma única – Uma única carga ou reacção de apoio.

90
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

(ii) Duas cargas concentradas ou apoios opostos com afastamento inferior a 1.5 ⋅ h w

(ii.1) c ≤ 1.5 ⋅ h w de uma extremidade livre

⎡ h / t⎤ ⎡ s ⎤
k 1 ⋅ k 2 ⋅ k 3 ⋅ ⎢6.66 − w ⎥ ⋅ ⎢1 + 0.01⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 64 ⎦ ⎣ t ⎦
R w.Rd = (4.31f)
γ M1

(ii.2) c > 1.5 ⋅ h w de uma extremidade livre

⎡ h / t⎤ ⎡ s ⎤
k 3 ⋅ k 4 ⋅ k 5 ⋅ ⎢21.0 − w ⎥ ⋅ ⎢1 + 0.0013 ⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ 16.3 ⎦ ⎣ t ⎦
R w.Rd = (4.31g)
γ M1

Quadro 4.7b – Secções com uma alma única – Duas cargas ou reacções de apoio opostas.

As constantes presentes nos Quadros 4.8a e 4.8b são:

• k *5 = 1.49 − 0.53 ⋅ k < 0.6 • k 9 = 0.82 + 0.15 ⋅ t / 1.9


• k 6 = 0.88 − 0.12 ⋅ t / 1.9 • k 10 = (0.98 − s s / t / 865) / k
⎧1+ s s / t / 750 s s / t < 150
• k7 = ⎨ • k 11 = 0.64 + 0.31⋅ t / 1.9
⎩1.20 s s / t ≥ 150

⎧1/ k s s / t < 66.5


• k8 = ⎨
⎩(1.10 − s s / t / 665) / k s s / t ≥ 66.5

91
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(i) Uma carga concentrada ou reacção


(i.1) c ≤ 1.5 ⋅ h w (perto de uma extremidade livre)

⎡ s ⎤
k7 ⋅ ⎢8.8 + 1.1⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ t⎦
R w.Rd = (4.32a)
γ M1

(i.2) c > 1.5 ⋅ hw (afastado de uma extremidade livre)

⎡ s ⎤
k *5 ⋅ k 6 ⋅ ⎢13.2 + 2.87 ⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ t⎦
R w.Rd = (4.32b)
γ M1

Quadro 4.8a – Secções com uma alma única – Uma única carga ou reacção de apoio.

(ii) Duas cargas concentradas ou apoios opostos com afastamento inferior a 1.5 ⋅ h w
(ii.1) c ≤ 1.5 ⋅ h w (perto de uma extremidade livre)

⎡ s ⎤
k 10 ⋅ k11 ⋅ ⎢8.8 + 1.1⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ t⎦
R w.Rd = (4.32c)
γ M1

(ii.2) c > 1.5 ⋅ h w (afastado de uma extremidade livre)

⎡ s ⎤
k 8 ⋅ k 9 ⋅ ⎢13.2 + 2.87 ⋅ s ⎥ ⋅ t 2 ⋅ fyb
⎣ t⎦
R w.Rd = (4.32d)
γ M1

Quadro 4.8b – Secções com uma alma única – Duas cargas ou reacções de apoio opostas.

92
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

4.4.5.2. Secções com múltiplas almas não reforçadas

(a) (b)

(c) (d)
Figura 4.11 – Secções com múltiplas almas sem susceptibilidade de rotação

Para secções com múltiplas almas como as apresentadas na Figura 4.11, a resistência para
forças concentradas em almas não reforçadas obtém-se pela expressão (4.33) e pelos
Quadros 4.9a e 4.9b desde que (i) a distância livre (c) entre a face interna do apoio e uma
extremidade livre seja maior ou igual a 40mm e (ii) as seguintes condições sejam satisfeitas:

• hw / t ≤ 200 ⋅ sin φ • r / t ≤ 10 • 45º ≤ φ ≤ 90º

O valor da força concentrada resistente (por cada alma) obtém-se através de,

R w.Rd = α ⋅ t 2 ⋅ fyb ⋅ E ⋅ (1− 0.1⋅ r / t ) ⋅ (0.5 + 0.02 ⋅ la / t ) ⋅ (2.4 + (φ / 90)2 ) / γ M1 (4.33)

onde (i) la é a largura efectiva do apoio e (ii) α é um coeficiente que depende do carregamento.
Ambos os valores dependem da categoria de secção (carga+apoio), a qual se identifica nos
Quadro 4.9a (categoria 1) e Quadro 4.9b (categoria 2). O valor da largura efectiva do apoio
(la) obtém-se de,
⎧Categoria 1: la = 10

⎪⎪ ⎧ss se βv ≤ 0.2
⎨ ⎪
⎪ 10 − ss (4.34)
⎪Categoria 2 : la = ⎨ss + 0.1 ⋅ (βv − 0.2) se 0.2 < βv ≤ 0.3
⎪ ⎪
⎪⎩ ⎪⎩10 se βv ≥ 0.3

com os valores de la e ss em mm. Considere-se ainda o seguinte:

(i) O máximo valor de la é 200 mm.


(ii) Quando o apoio for constituído por perfis de aço de parede fina enformado a frio com
uma única alma, ou por um tubo redondo, o valor a utilizar para ss deverá ser 10 mm.

93
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• Carga concentrada aplicada com e ≤ 1.5 ⋅ hw do


apoio mais próximo.
Categoria 1

• Carga concentrada aplicada com c ≤ 1.5 ⋅ hw de


uma extremidade livre.

• Reacção de apoio com c ≤ 1.5 ⋅ hw de uma


extremidade livre.

Quadro 4.9a – Secções com múltiplas almas – Categoria 1.

• Carga concentrada aplicada com e > 1.5 ⋅ hw do


apoio mais próximo

• Carga concentrada aplicada com c > 1.5 ⋅ hw de


uma extremidade livre.
Categoria 2

• Reacção de apoio com c > 1.5 ⋅ hw de uma


extremidade livre.

• Reacção num apoio interior.

Quadro 4.9b – Secções com múltiplas almas – Categoria 2.

94
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

O coeficiente de distribuição do esforço transverso (βv) depende da distribuição esforço


transverso na vizinhança da carga concentrada em análise e pode ser obtido através de
| VEd,1 | − | VEd,2 |
βv = (4.35)
| VEd,1 | + | VEd,2 |

onde | VEd,1 | e | VEd,2 | são os valores absolutos dos esforços transversos de cada lado da carga
concentrada ou apoio, sendo que | VEd,1 | ≥ | VEd,2 | e ss é a largura real do apoio.

Finalmente, o coeficiente α que depende do carregamento, toma os seguintes valores,


⎧ ⎧⎪0.075 para chapas onduladas
⎪Categoria 1: α = ⎨
⎪ ⎪⎩0.057 para perfis em " hat" e " liner trays"

⎨ (4.36)
⎪ ⎧0.15 para chapas onduladas
⎪Categoria 2 : α = ⎪⎨
⎪ ⎩⎪0.115 para perfis em " hat" e " liner trays"

4.4.6. Flexão desviada composta com tracção

Em secções submetidas a flexão desviada composta com tracção, as seguintes condições


(equações de interacção) devem ser satisfeitas:
η c,Nt + η c,M,t ≤ 1.0 (4.37)

onde (i) η c,Nt é a relação entre o esforço axial de tracção actuante e resistente
(ver ponto 4.4.1) e (ii) η c,M,t é a soma das relações dos momentos flectores actuante e
resistente para cada uma das direcções principais de inércia (ver ponto 4.4.3). Note-se ainda
que, como o esforço axial é de tracção, não existem momentos adicionais devidos a eventuais
desvios do centro geométrico da secção efectivap em relação à secção bruta.

4.4.7. Flexão desviada composta com compressão

Em secções submetidas a flexão desviada composta com compressão, as seguintes condições


(equações de interacção) devem ser satisfeitas:
η c,Nc + η c,M,c ≤ 1.0 (4.38a)

com
η c,M,c = η c,Mu,c + η c,Mv ,c ≤ 1.0 (4.38b)

| M Ed,u + ΔM Ed,u |
η c,Mu,c = (4.38c)
M c.Rd,u

| M Ed,v + ΔM Ed,v |
η c,Mv ,c = (4.38d)
M c.Rd,v

onde (i) η c,M,c é a soma das relações dos momentos flectores actuante e resistente para cada
uma das direcções principais de inércia (ver ponto 4.4.3) considerando momentos adicionais
devidos a compressão e eventuais desvios do centro geométrico da secção efectivap em relação

95
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

à secção bruta, (ii) ΔM Ed,u = NEd ⋅ e Nu é o momento adicional devido ao desvio segundo v (eNu)
do centro de gravidade da secção efectivap devido à acção de esforço axial de compressão e
(iii) ΔM Ed, v = NEd ⋅ e Nv é o momento adicional devido ao desvio segundo u (eNv) do centro de
gravidade da secção efectivap devido à acção de esforço axial de compressão.

Finalmente, refere-se que (i) segundo a nota (iii) do ponto 4.4.2, os valores de ΔM Ed,u e ΔM Ed, v ,
apenas deverão ser tidos em conta nas curvas de interacção se produzirem efeitos
desfavoráveis, e (ii) segundo a nota (ii) do ponto 4.4.2, mesmo que não haja momentos
flectores, se a secção for de classe 4 e tenha havido desvios do centro de gravidade da secção
efectivap em relação à secção bruta, deve fazer-se uma verificação em flexão composta
entrando em conta com ΔM Ed,u e ΔM Ed, v .

4.4.8. Flexão desviada composta e esforço transverso

Em secções submetidas a flexão composta com esforço axial (tracção ou compressão) e esforço
transverso, as seguintes condições (equações de interacção) devem ser satisfeitas:

Esforço axial de tracção


η c,Nt + η c,M,t + η c,M+ V ≤ 1.0 (4.39a)

Esforço axial de compressão


η c,Nt + η c,M,t + η c,M + V ≤ 1.0 (4.39b)

com,
η c,M + V = η c,( M + V )u + η c,( M + V )v (4.39c)

⎧⎪0 se η Vv ≤ 0.5
η c,( M + V )u = ⎨ (4.39d)
⎪⎩(1− M f.Rd.eff ,u / M pl.Rd.eff ,u ) ⋅ (2 ⋅ η Vv − 1)
2
se η Vv > 0.5

⎧⎪0 se η Vu ≤ 0.5
η c,( M + V )v = ⎨
⎪⎩(1− M f.Rd.eff ,v / M pl.Rd.eff ,v ) ⋅ (2 ⋅ η Vu − 1)
(4.39e)
2
se η Vu > 0.5

onde (i) M f.Rd.eff é o momento plástico resistente de uma secção composta pelas partes efectivasp
dos banzos e (ii) M pl.Rd.eff é o momento plástico resistente de uma secção composta pelas partes
efectivasp dos banzos e com a alma completamente efectivap. Note-se ainda que as secções
efectivasp dos banzos utilizadas para o cálculo de M f.Rd.eff e M pl.Rd.eff obtém-se das secções efectivasp
finais devido à acção de determinado momento flector.

4.4.9. Flexão desviada composta e força concentrada ou reacção de apoio

Para secções que estejam sujeitas a acção simultânea de momento flector e de uma carga
concentrada ou reacção de apoio devem verificar-se simultaneamente as expressões (4.30),
(4.37) ou (4.38) e (4.39) e as seguintes condições:

Esforço axial de tracção


η c,Nt + η c,M,t + η c,F ≤ 1.25 (4.40a)

96
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

Esforço axial de compressão


η c,Nc + η c,M,c + η c,F ≤ 1.25 (4.40b)

Finalmente, refere-se que a verificação das condições (4.37), (4.38) e (4.39) e (4.40) implica
que as condições (4.18), (4.19), (4.27), (4.28) e (4.30) também sejam satisfeitas.

4.5. ORGANIGRAMAS

Em seguida, apresentam-se alguns organigramas que resumem os procedimentos necessários ao


cálculo da resistência secções de perfis de aço enformados a frio. Em alguns destes organigramas
apresentam-se procedimentos que não foram aprofundados na presente dissertação, mas cuja
incorporação se julgam relevante para uma exposição clara do problema.

Figura 4.12a – Cálculo de resistência de secções e verificação da segurança.

97
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Figura 4.12b – Classificação de secções.

Figura 4.12c – Cálculo de propriedades efectivas.

98
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

INÍCIO Figura
4.12c

Sim
i=i+1 i=0 i≥2?

Sim Não Não /


i=0? / Sim (Não iterativo) Não

Instab. Não Δρ(ki) ≈ 0


Distribuições distorcional? e
n=0
Distribuições de tensões (**) Qρ(ki) ≤ 1?
de tensões obtidas em
obtidas na secções Sim (iterativo)
secção bruta. efectivas Sim
globais. Em cada conjunto banzo-reforço efectivo:
y(0i..ncg) .k , z (0i..ncg) .k , A (ki.n) , I(yi..kn) , I(zi..kn) , K (ki.n) , σ(cri.n.k)
Calcular larguras efectivasp (ver 4.3) λ(di.n.k) , φ(di..nk ) , χ(di..nk )
ψ(ki) , k (σi).k , λp(i.)k , λp(i.)red .k , λp(i.)ser .k , ρ(ki) Δχ(di..nk ) = χ(di..nk ) − χ(di.−k1.n)
b(ei1)*.k , b(i.ik)* , b(ei)2*.k , t (ei.)k , t (i.ik) Qχ(di..nk ) = χ(di..nk ) / χ(di.−k1.n)
λ(eli) .k , λ(reli ) .k , λ(reli) .max σ(com
i.n) ( i.n) ( i.n) ( i.n)
.Ed .k , t e.k , t i.k , σ com .Ed .red .k

Δρ(ki) = ρ(ki) − ρ(ki−1) e Qρ(ki) = ρ(ki) / ρ(ki−1)


Não
n=n+1 n≥2?
FIM
Sim
Calcular propriedades do tipo 1 e 3 da
secção com larguras efectivas obtida Não
anteriormente (ver Figura 3.8a). Δχ(di..nk ) ≈ 0
e
Qχ(di..nk ) ≤ 1?
Sim

Figura 4.12c.1 – Cálculo de propriedades efectivas (método iterativo).

(*) Os valores b(ei1)*.k , b(i.ik)* e b(ei)2*.k apresentados nas Figuras 4.12c.1 e 4.12c.2, podem ser
quaisquer das larguras efectivas nominais ou idealizadas associadas às larguras brutas:
hg , b1g , b 2g , c1g , c 2g , d1g e d2g .

(**) Consideram-se elegíveis para o cálculo de propriedades devido a instabilidade distorcional


(i) secções aproximadamente monosimétricas com reforços de extremidade sujeitas a esforços
axiais de compressão ( Nc ), de flexão em torno do eixo principal aproximadamente
perpendicular à alma ( Mu+ e Mu− ) e de flexão em torno do eixo principal aproximadamente
paralelo à alma para o qual ocorram tracções na alma e compressão nos reforços de
extremidade ( M +v ) e (ii) secções em “Z” com reforços de extremidade sujeitas a Nc , Mu+ e Mu− .

O cálculo das larguras e/ou espessuras efectivas, pode ser feito segundo diversas
metodologias, como descrito no ponto 4.3.

99
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

y(0i..ncg) .k , z (0i..ncg) .k , A (ki.n) , I(yi..kn) , I(zi..kn) , K (ki.n) , σ(cri.n.k)


λ(di.n.k) , φ(di..nk ) , χ(di..nk )
Δχ(di..nk ) = χ(di..nk) − χ(di.−k1.n)
Qχ(di..nk) = χ(di..nk) / χ(di.−k1.n)
σ(com
i.n )
.Ed .k , t e.k , t i.k , σ com .Ed .red .k
( i.n ) ( i.n ) ( i.n )

ψ(ki) , k (σi).k , λp(i.)k , λp(i.)red .k , λp(i.)ser .k , ρ(ki)


b(ei1)*.k , b(i.ik)* , b(ei)2*.k , t (ei.)k , t (i.ik)
λ(eli) .k , λ(reli) .k , λ(reli) .max
Δχ(di..nk ) ≈ 0
Δρ(ki) = ρ(ki) − ρ(ki−1) e Qρ(ki) = ρ(ki) / ρ(ki−1)
Qχ(di..nk ) ≤ 1?

Figura 4.12c.2 – Cálculo de propriedades efectivas (método “standard”).

100
RESISTÊNCIA DE SECÇÕES

Figura 4.12d – Cálculo de resistência de secções.

101
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

102
RESISTÊNCIA DE BARRAS

CAPÍTULO 5

5. RESISTÊNCIA DE BARRAS

5.1. RESUMO

No presente capítulo apresenta-se a metodologia disposta no Eurocódigo 3 para o cálculo de


resistência de barras simples ou integradas num sistema estrutural. No ponto 5.2 é feita uma
pequena introdução relativamente à determinação da resistência de barras com inclusão dos
efeitos dos diversos tipos de instabilidade, bem como da plasticidade. No ponto 5.3 são
introduzidos alguns conceitos complementares ao escrito no capítulo 2 relativamente aos
esforços críticos elásticos (associados a instabilidades globais). Nos pontos 5.4 é descrita a
metodologia prescrita pelo Eurocódigo 3 para a obtenção de resistência de barras com
inclusão do efeito de encurvadura (instabilidades globais), e dos efeitos de segunda ordem com
não linearidades geométricas e físicas. No ponto 5.5 são apresentados organigramas onde se
expõem de forma sintética todos os procedimentos necessários ao cálculo de resistência de
barras.
5.2. INTRODUÇÃO

O comportamento dos sistemas estruturais reticulados (e.g., pórticos e treliças), constituídos por
barras de aço com secção transversal de parede fina, é frequentemente afectado pela
interacção e acoplamento entre fenómenos de instabilidade de diferente natureza,
nomeadamente fenómenos de instabilidade (i) global da estrutura (deformação de várias barras
da estrutura), (ii) global de uma barra – local da estrutura (deformação de uma única barra) e
(iii) local de uma barra (deformação das suas paredes). Nos dois primeiros casos, os modos de
instabilidade envolvem apenas a deformação do(s) eixo(s) longitudinal(ais) da(s) barra(s),
sofrendo as respectivas secções transversais apenas deslocamentos de corpo rígido. No último
caso, por outro lado, o modo de instabilidade local de uma barra envolve apenas a
deformação das respectivas secções transversais (nos seus próprios planos), permanecendo o
eixo longitudinal da barra indeformado.

Assim, procede-se claramente à distinção entre a instabilidade local de uma barra (local de
placa e distorcional) e a instabilidade global de uma estrutura. Como se observou nos capítulos
anteriores, a instabilidade local de uma barra (local de placa e/ou distorcional) pode afectar
unicamente os seus esforços resistentes (NRd, MRd), segundo o EC3. Verificou-se que a
encurvadura local de placa podia implicar uma redução na largura efectiva das paredes da
secção, enquanto a encurvadura distorcional podia conduzir a uma redução nas espessuras
das paredes dos reforços da secção.

Por outro lado, e segundo o EC3, a instabilidade global de uma estrutura pode influenciar
tanto (i) os esforços actuantes (NSd, MSd) como (ii) os esforços resistentes (NRd, MRd). A influência
da instabilidade global de uma estrutura nos esforços actuantes (NSd, MSd) é devida unicamente

103
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

à susceptibilidade que a estrutura pode ter para a deformabilidade lateral (efeitos P-Δ − ver
capitulo 2). Por isso, os esforços actuantes (NSd, MSd) devem ser amplificados para ter em conta
a susceptibilidade da estrutura a modos com deslocamentos laterais (“sway modes”, na
designação anglo-saxónica – ver Figura 5.1). O EC3 prevê que a necessidade de amplificar os
esforços depende do valor do parâmetro de carga crítica num modo “sway” αcr (relação entre o
carregamento crítico e o carregamento de dimensionamento), o qual pode ser obtido

(i) exactamente, através de uma análise linear de estabilidade do pórtico, ou


(ii) aproximadamente, utilizando o Anexo E do EC3 [5.1] para calcular os comprimentos de
encurvadura Lcr num modo “sway” – ver, adiante, secção 5.3.1.

Figura 5.1 – Modo de instabilidade com deslocamentos laterais (“sway mode”)

Note-se que é sempre possível determinar o valor de αcr através dos valores de Lcr, identificando
a barra mais condicionante da estrutura. Definido o valor de αcr, o EC3 estipula que
(i) se αcr>10, não é necessário amplificar os esforços de dimensionamento pois a
susceptibilidade do pórtico à deformabilidade lateral é desprezável (efeitos P-Δ são
insignificantes).
(ii) se αcr<10, é necessário amplificar os esforços de dimensionamento pois o pórtico é
susceptível à deformabilidade lateral em modos “sway” (os efeitos P-Δ podem ser
significativos). Neste caso, pode ainda afirmar-se que
(ii.1) se 3<αcr<10, é permitido obter os esforços de dimensionamentos
aproximadamente através da seguinte amplificação:
1/(1− 1/ α cr ) ⋅ M Sd (5.1)

(ii.2) se αcr<3, é obrigatória a realização de uma análise geometricamente não linear


exacta (incremental-iterativa), pois os efeitos P-Δ são muito relevantes neste caso.

Em virtude da influência da deformabilidade lateral da estrutura (efeitos P-Δ) ter sido


considerada nos esforços actuantes, tem agora de se considerar a influência da instabilidade
global da barra inserida agora numa estrutura de nós fixos (sem efeitos P- Δ). Por isso, os
valores de dimensionamentos dos esforços resistentes (NRd, MRd) são calculados com base na
carga/momento crítico da barra (Ncr, Mcr) sem deslocamentos laterais das suas extremidades.
Assim, os valores dos esforços resistentes da secção (NRd, MRd), já com a influência da
instabilidade local (local de placa e/ou distorcional), devem ser reduzidos para ter em conta a
instabilidade global da barra com as extremidades fixas (sem deslocamentos laterais). Como se
observará mais à frente, esta redução será efectuada por meio da adopção de curvas de
dimensionamento (a0, a, b, c, d) e da determinação de um factor de redução χ para a
instabilidade global (flexão ou flexão-torção). Para tal requer-se a determinação de Ncr (flexão
ou flexão-torção) e/ou Mcr (flexão-torção) num modo de instabilidade global da barra com as
extremidades sem deslocamentos laterais. Por isso, é muito fácil determinar o valor de Ncr

104
RESISTÊNCIA DE BARRAS

(flexão) com base no valor do comprimento de encurvadura Lcr da barra num modo sem
deslocamentos laterais (“non-sway modes”, na designação anglo-saxónica – ver Figura 5.2).
Na secção seguinte, abordar-se-à a determinação dos comprimentos de encurvadura de barras
comprimidas Lcr uma vez que, como se observou, podem ser úteis (i) no cálculo do parâmetro
αcr num modo “sway” e (ii) no cálculo de Ncr num modo “non-sway”.

Figura 5.2 – Modos de instabilidade sem deslocamentos laterais (“non-sway mode”)

5.3. ESFORÇOS CRÍTICOS DE ENCURVADURA GLOBAL

A obtenção dos valores dos esforços críticos é vital para a determinação dos esforços resistentes
nas verificações de segurança de barras à encurvadura global. Em particular, pretende-se
determinar o valor de Ncr (carga crítica) em modos de instabilidade (i) por flexão ou (ii) por
flexão-torção, e/ou o valor de Mcr (momento crítico) num modo de instabilidade lateral por
flexão-torção. O valor da carga crítica Ncr num modo de instabilidade por flexão corresponde ao
caso de cálculo mais simples, pois pode obter-se directamente da fórmula de Euler

π 2EI
Ncr = 2 (5.2)
L cr

Para uma barra inserida numa estrutura, pode calcular-se o comprimento de encurvadura da
barra Lcr tendo em consideração a restrição devida aos elementos adjacentes (vigas e colunas),
como se abordará na secção seguinte.

O cálculo do valor da carga crítica Ncr e/ou momento crítico Mcr num modo de instabilidade
por flexão-torção não é tão simples como para a flexão. No entanto, no capítulo 2 (secção
2.4.1.2) foi abordada aprofundadamente a determinação da carga crítica de flexão-torção Ncr
bem como o cálculo do momento crítico para a instabilidade lateral por flexão-torção. Assim,
neste capítulo apenas serão apresentadas expressões e conceitos complementares ao descrito
no capítulo 2.

De referir ainda que, para certas condições de fronteira (apoio) e determinadas situações de
carga, não é possível obter expressões analíticas exactas para o cálculo de Ncr e/ou Mcr. No
entanto, estes valores podem ser obtidos com o recurso a análise numéricas baseadas no
(i) Método dos Elementos Finitos (MEF [5.10]), (ii) Método das Faixas Finitas (MFF [5.7, 5,8]) e
(iii) Teoria Generalizada de Vigas (GBT [5.9]).

5.3.1. Comprimento de encurvadura de colunas comprimidas

O conceito de comprimento de encurvadura num modo global de uma barra comprimida


inserida numa estrutura está invariavelmente presente no Eurocódigo 3 [5.1]. Designa-se por
comprimento de encurvadura de uma barra num modo global (flexão) pelo comprimento
fictício entre pontos de inflexão da configuração deformada associada ao modo de

105
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

instabilidade em causa. A versão provisória do EC3-1-1 [5.1] continha no seu Anexo E uma
metodologia de cálculo dos comprimentos de encurvadura de barras comprimidas, a qual foi
retirada na versão final do EC3-1-1 [5.2] e a sua determinação deixada ao critério do
projectista. No entanto, e porque o cálculo dos comprimentos de encurvadura é quase sempre
necessário quando se analisam estruturas metálicas reticuladas, apresenta-se, em seguida, a
metodologia de cálculo dos comprimentos de encurvadura de colunas presentes no EC3-1-1
[5.1].

5.3.1.1. Factores de distribuição de rigidez

O primeiro passo na determinação do comprimento de encurvadura de uma coluna inserida


num pórtico corresponde à determinação dos factores de distribuição de rigidez das suas
secções extremas (apoios), as quais nem sempre são completamente rígidas (encastramento) ou
rotuladas. Os factores de distribuição de rigidez (η1 e η2) permitem contabilizar a restrição à
rotação providenciada pelas outras barras concorrentes nos nós extremos (1 e 2) da barra em
análise e são calculados através de

Kc Kc
η1 = e η2 = (5.3)
K c + K 11 + K 12 K c + K 21 + K 22

onde (i) K c = I c \ L é um coeficiente de rigidez de flexão da barra em análise e


(ii) K ij = k ij ⋅ Iij \ L são coeficientes de rigidez de flexão das barras adjacentes nas extremidades
da barra em análise. O valor do coeficiente kij depende da condição de fronteira das barras
adjacentes na extremidade opostas aos nós 1 e 2 e pode ser obtido das Tabela 5.1 a Tabela
5.3. Para vigas onde o esforço axial é nulo (ou se considera desprezável), os coeficientes de
rigidez de flexão podem ser calculados com base na Tabela 5.1. Em edifícios com estruturas
reticuladas de pilares e vigas que apoiam lajes de betão armado, desde que a malha de
elementos estruturais tenha uma distribuição regular e o carregamento seja uniforme, é
razoavelmente rigoroso assumir os valores de k ij dispostos na Tabela 5.2. Sempre que as vigas
estiverem sujeitas a esforços axiais de compressão não desprezáveis, os coeficientes de rigidez
de flexão deverão ser minorados para ter em conta a degradação de rigidez devido à
compressão. Apesar de se poder utilizar funções de estabilidade para contabilizar
rigorosamente essa degradação, o Anexo E do EC3-1-1 [5.1] permite a utilização dos valores
de k ij dispostos na Tabela 5.3. Claro que, o aumento da rigidez devido a esforço axial de
tracção pode ser desprezado.

(a) (b)
Figura 5.3 – Factores de distribuição para colunas sem continuidade: (a) modo de instabilidade sem deslocamentos
laterais (“non-sway mode”); (b) modo de instabilidade com deslocamentos laterais (“sway mode”) [5.1, 5.6]

106
RESISTÊNCIA DE BARRAS

Note-se ainda que esta determinação depende da forma do modo de instabilidade global da
estrutura que se pretende analisar. Esta configuração pode estar associada (i) a modos de
instabilidade sem deslocamentos laterais dos nós (designado em língua inglesa por “non-sway
mode” – ver Figura 5.3a) ou (ii) a modos de instabilidade com deslocamentos laterais dos nós
(designado em língua inglesa por “sway mode” – ver Figura 5.3b).

Condições de fronteira da Factores kij


viga na extremidade (desde que a viga perma-
afastada do nó neça em fase elástica)

Encastrada 1.0
Rotulada 0.75
Rotação igual à do nó
1.5
(dupla curvatura)
Rotação igual, mas de sinal
contrário à do nó 0.5
(curvatura simples)
Caso geral θ
b
Rotação θa no nó e θb na 1 + 0.5 ⋅
extremidade afastada do nó θa

Tabela 5.1 – Factores kij: esforço axial ausente ou desprezável [5.1, 5.6]

Condições de Factores kij


carregamento da viga “Non-Sway Mode” “Sway Mode”
Vigas que apoiam
1.0 1.0
lajes de betão
Outras vigas com
0.75 1.0
cargas directas
Vigas apenas com
momentos de extremidade 0.5 1.5

Tabela 5.2 –Factores kij: grelha de vigas apoiando lajes de betão armado [5.1, 5.6]

Condições de fronteira da Factores kij


viga na extremidade (desde que a viga perma-
afastada do nó neça em fase elástica)

Encastrada 1.0 ⋅ ( 1 – 0.4 ⋅ N / NE )


Rotulada 0.75 ⋅ ( 1 – 0.4 ⋅ N / NE )
Rotação igual à do nó
1.50 ⋅ ( 1 – 0.4 ⋅ N / NE )
(dupla curvatura)
Rotação igual, mas de sinal
contrário à do nó 0.5 ⋅ ( 1 – 0.4 ⋅ N / NE )
(curvatura simples)

com NE = π² ⋅ E ⋅ I / L²

Tabela 5.3 – Factores kij: esforço axial presente [5.1, 5.6]

107
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Os modelos apresentados na Figura 5.3, podem ainda ser adaptados à situação de colunas
com continuidade (ver Figura 5.4), assumindo que a rotação das extremidades (1 e 2) da
coluna em análise estão restringidas pelas extremidades das colunas adjacentes superior e
inferior. Neste caso, os factores de distribuição de rigidez definem-se na forma

K c + K1 Kc + K2
η1 = e η2 = (5.4)
K c + K 1 + K 11 + K 12 K c + K 2 + K 21 + K 22

onde K1 e K2 são coeficientes de rigidez de flexão das colunas superior e inferior.

Figura 5.4 – Factores de distribuição para colunas com continuidade [5.1, 5.6]

5.3.1.2. Comprimentos encurvadura

Definindo por k=Lcr/L a relação entre o comprimento de encurvadura de uma coluna (Lcr) e o
seu comprimento real (L), pode observar-se nas Figuras 5.5 e 5.6 dois ábacos que permitem
obter o valor de k em função dos factores de distribuição de rigidez da coluna (η1 e η2). Note-
se que enquanto (i) o ábaco da Figura 5.5 diz respeito a modos de instabilidade sem
deslocamentos laterais dos nós (“non-sway mode” – ver Figura 5.3a), (ii) o ábaco da
Figura 5.6 diz respeito a modos de instabilidade com deslocamentos laterais dos nós (“sway
mode” – ver Figura 5.3b). Observe-se que no ábaco da Figura 5.5 o valor de k varia entre 0 e
1 pois o modo de instabilidade não tem deslocamentos laterais dos nós (“non-sway mode” –
ver Figura 5.3a). Contrariamente, no ábaco da Figura 5.6 verifica-se que o valor de k pode
variar entre 1 e ∞ pois o modo de instabilidade tem deslocamentos laterais dos nós (“sway
mode” – ver Figura 5.3b). Alternativamente à utilização dos ábacos, o Anexo E do
EC3-1-1 [5.1] permite utilizar as seguintes expressões

a) Modos de instabilidade sem deslocamentos laterais (“non-sway modes”)


L cr
k= = 0.5 + 0.14 ⋅ (η1 + η 2 ) + 0.055 ⋅ (η1 + η 2 )2 (5.5a)
L
ou alternativamente:
L cr 1+ 0.145 ⋅ (η1 + η 2 ) − 0.265 ⋅ η1 ⋅ η 2
k= = (5.5b)
L 2 − 0.364 ⋅ (η1 + η 2 ) − 0.247 ⋅ η1 ⋅ η 2

108
RESISTÊNCIA DE BARRAS

b) Modos de instabilidade com deslocamentos laterais (“sway modes”)

L cr 1− 0.2 ⋅ (η1 + η 2 ) − 0.12 ⋅ η1 ⋅ η 2


k= = (5.6)
L 1− 0.8 ⋅ (η1 + η 2 ) + 0.60 ⋅ η1 ⋅ η 2

Figura 5.5 – Comprimento de Encurvadura na forma k = Lcr/L para colunas num


modo sem deslocamentos laterais (“non-sway mode”) [5.1, 5.6]

Figura 5.6 – Comprimento de Encurvadura na forma k = Lcr /L para colunas num


modo com deslocamentos laterais (“sway mode”) [5.1, 5.6]

109
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Estes valores de k, podem ser utilizados em conjunto com as expressões (2.14) para se obterem
os esforços críticos elásticos para quaisquer condições de fronteira. De referir que os valores de
k apresentados estão associados à rigidez de flexão; no entanto, podem utilizar-se raciocínios
idênticos para modos de instabilidade que envolvam torção e empenamento. Na maior parte
dos casos, é difícil avaliar o grau de restrição que as ligações ou rigidificadores conseguem
conferir ao empenamento e torção da barra. Na parte 1-3 do Eurocódigo 3 [5.3, 5.4] são
apresentados valores típicos para o comprimento de encurvadura de torção/empenamento.
Dependendo da restrição à rotação por torção e empenamento de ligações de perfis
enformados a frio, apresentam-se de seguida os valores sugeridos:

• k w = L cr ,w / L =1.0 para ligações que promovam restrição parcial à rotação por torção
e empenamento (ver Figura 5.7a);
• k w =0.7 para ligações que promovam restrição significativa à rotação por torção e
empenamento (ver Figura 5.7b);

Figura 5.7a – Ligações que promovem restrição parcial à rotação por torção e empenamento [5.3]

Figura 5.7b – Ligações que promovem restrição significativa à rotação por torção e empenamento [5.3]

5.4. RESISTÊNCIA DE BARRAS

A resistência de uma barra submetida a compressão e/ou flexão é, em geral, condicionada por
fenómenos de encurvadura global (flexão, flexão-torção). A forma como o EC3 permite
verificar a segurança das barras a fenómenos de instabilidade global é apresentada na Parte 1
[5.1, 5.2], embora se possa aplicar a perfis laminados a quente, perfis soldados ou, neste caso,
enformados a frio. A metodologia proposta baseia-se na determinação de factores de redução
de resistência que têm em conta a susceptibilidade da barra à encurvadura global. Para tal, o
EC3-1-1 propõe a utilização de curvas de dimensionamento devidamente calibradas com base

110
RESISTÊNCIA DE BARRAS

numa vasta quantidade de resultados experimentais de barras de diversas geometrias,


processos de fabrico e classes de aço. Finalmente, e visto que apenas compressão e/ou flexão
podem conduzir à encurvadura global, torna-se óbvio que barras submetidas unicamente a
tracção não são susceptíveis a este fenómeno e por isso satisfazem automaticamente esta
verificação, tendo de satisfazer apenas a resistência das suas secções (ver 4.4.1).

5.4.1. Esforço axial de compressão

O valor de dimensionamento do esforço axial de compressão actuante (NEd) e o valor


característico do esforço axial de compressão resistente à encurvadura (Nb.Rk) devem satisfazer a
seguinte relação,
| NEd |
η b,Nc = ≤ 1.0 (5.7a)
Nb.Rk / γ M1

O esforço axial característico resistente à encurvadura Nb.Rd obtém-se de

⎧⎪ A eff ⋅ fyb se A eff < A g


Nb.Rk = χ ⋅ Nc.Rk (5.7b) Nc.Rk = ⎨ (5.7c)
⎪⎩ A g ⋅ fyb se A eff = A g

em que (i) χ é o factor de redução de resistência devido a encurvadura global, (ii) A g e A eff
são, respectivamente, as áreas bruta e efectivap da secção (ver capítulos 3 e 4), (iii) fyb e
fya−b são tensões de cedência do aço (ver 4.4) e (iv) γ M1 é o factor parcial de segurança à
encurvadura (ver 3.2.2), o qual se toma igual a 1.0 EC3-1-1 [5.2]. O factor de redução de
resistência à encurvadura global deve ser obtido através de
1
χ= ≤ 1.0 (5.8a)
Φ + Φ 2 − λ2
onde
Φ = 0.5 ⋅ [1+ α ⋅ ( λ − 0.2) + λ2 ] (5.8b)

representa um parâmetro adicional e (i) λ é a esbelteza normalizada da barra de instabilidade


global e (ii) α é o parâmetro de imperfeição. A esbelteza normalizada da barra de instabilidade
global é definida por
Nc.Rk
λ= (5.9)
Ncr

onde Ncr é a carga crítica associada ao modo de instabilidade global sem deslocamentos
laterais das suas secções extremas. Se λ ≤ 0.2 ou NEd/Ncr≤0.04, os efeitos de encurvadura
global podem ser ignorados, sendo necessário apenas verificar a resistência das secções.
Refere-se que o modo crítico de instabilidade global pode ser de flexão, torção ou flexão-
-torção, dependendo da geometria e características da secção. Recorde-se que Ncr associado
ao modo de flexão pode ser determinado através do conceito de comprimento de encurvadura
enquanto o Ncr associado ao modo de torção ou flexão-torção pode ser obtido das expressões
presentes no Capitulo 2. Adicionalmente, refere-se que o valor de Ncr deve ser calculado com
base nas propriedades da secção bruta (ver capítulo 2 e ponto 5.3), independentemente da
secção ser de Classe 3 ou 4.

111
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Eixo de Curva de
Tipos de secção
Encurvad. Encurvad.
v

Se se usar fyb Qualquer b

u u

Se se usar fya *) Qualquer c

v
v v

u-u a

u u u u

v-v b

v v
v v

u
u u
Qualquer b
u

v v

v v v v

u
u u u u u u
u Qualquer c

v
v v v

*) A tensão de cedência média fya só deverá ser utilizada se A eff = A g

Quadro 5.1 – [5.4] EC3-1-3 - Quadro 6.3: Selecção da curva de encurvadura para determinada secção.

Por outro lado, a escolha do valor do parâmetro de imperfeição α está intimamente ligada à
selecção de uma das cinco curvas de dimensionamento que o EC3-1-1 propõe (a0, a, b, c, d) –
– ver Figura 5.8. No caso dos perfis de aço enformados a frio, esta escolha é efectuada com
base no Quadro 5.1 e depende (i) da configuração da secção e (ii) do eixo em torno do qual
ocorre a encurvadura. No caso dos perfis laminados a quente e soldados, o EC3-1-1 estipula
que esta escolha deva ainda depender do processo de fabrico, da classe do aço e também de
algumas dimensões da secção (espessura dos banzos). Após a escolha da curva de
dimensionamento, selecciona-se o valor do parâmetro de imperfeição α a partir do

112
RESISTÊNCIA DE BARRAS

Quadro 5.2. Da observação conjunta dos Quadros 5.1 e 5.2, verifica-se que secções em
cantoneira e em U e Z sem reforços são mais penalizadas (curva c) pois são mais susceptíveis
às imperfeições. Contrariamente, secções reforçadas e compostas (almas interligadas) são
menos susceptíveis e têm uma curva de dimensionamento menos gravosa (curvas a e b).

Figura 5.8 – [5.2] EC3-1-1: Figura 6.4 – Curvas de encurvadura.

Curva de Encurvadura a0 a b c d
Factor de imperfeição α 0.13 0.21 0.34 0.49 0.76
Quadro 5.2 – [5.2] EC3-1-1 - Quadro 6.1: Factor de imperfeição para as curvas de encurvadura.

5.4.2. Flexão simples

Uma barra submetida a flexão em torno do eixo de maior inércia pode instabilizar lateralmente
num modo global misto de flexão (menor inércia) e torção (“lateral-torsional”, na designação
anglo-saxónica). A abordagem do Eurocódigo 3 para a verificação de segurança de barras
flectidas à encurvadura lateral é, em muitos aspectos, semelhante à abordagem utilizada para
a verificação de segurança à instabilidade de colunas. Como se observará adiante, a principal
diferença prende-se com a maior complexidade exigida na determinação do momento crítico
Mcr, uma vez que apenas é possível obter uma solução analítica exacta em casos muito
particulares de secções, de carregamento e de condições de apoio.

O valor de dimensionamento do momento flector actuante em torno do eixo i (MEd,i) e o valor


característico do momento flector em torno do eixo i resistente à encurvadura lateral (Mb.Rk,i)
devem satisfazer a seguinte relação,
| MEd,i |
ηb,Mi = ≤ 1.0 (5.10a)
Mb.Rk ,i / γ M1

Os valores característicos dos momentos-flectores resistentes à encurvadura lateral em torno do


eixo u (mair inércia – Mb.Rk,u) e em torno do eixo v (menor inércia – Mb.Rk,v) são determinado
através de

113
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Mb.Rk ,u = χLT ⋅ M c.Rk ,u ⎧⎪Wi,eff ⋅ fyb se Wi,eff < Wi,el.g


(5.10b) M c.Rk ,i = ⎨ (5.10c)
Mb.Rk , v = Mc.Rk , v ⎪⎩ Wi,el.g ⋅ fyb se Wi,eff = Wi,el.g

onde (i) χLT é o factor de redução de resistência devido a encurvadura lateral de vigas, (ii)
Wi,el.g e Wi,eff , são, respectivamente, os módulo de flexão das secções bruta e efectivasp para
momento flector em torno do eixo principal i (ver 4.4.3) e (iii) fyb e fya são tensões de cedência
do aço (ver 3.2.2). O factor de redução de resistência devido à encurvadura lateral obtém-se
de forma semelhante à da encurvadura de colunas, através da expressão,

1
χ LT = ≤ 1.0 (5.11a)
2 2
Φ LT + Φ − λ LT LT

onde
Φ LT = 0.5 ⋅ [1+ α LT ⋅ ( λLT − 0.2) + λ2LT ] (5.11b)

é um parâmetro auxiliar e (i) λLT é a esbelteza normalizada relativa ao modo crítico de


instabilidade lateral e (ii) α LT é o parâmetro de imperfeição, a que estão associadas as mesmas
curvas de encurvadura das colunas (ver 5.4.1). Segundo o EC3-1-1, a escolha da curva de
dimensionamento a utilizar depende do tipo de secção, do tipo de instabilidade e do processo
de fabrico. No entanto, o EC3-1-3 [5.4] é pouco explicito relativamente às curvas a adoptar,
referindo apenas que se deve escolher as curvas a ou b, não fazendo qualquer distinção entre
o processo de escolha de uma ou outra.
A esbelteza normalizada relativa ao modo de instabilidade lateral é dada por
Mc.Rk,i
λLT = (5.12)
Mcr

onde Mcr é o valor crítico do momento flector em torno do eixo de maior inércia) que conduz à
instabilidade lateral da viga por flexão-torção, cujo cálculo deve ser sempre efectuado com
base nas propriedades da secção bruta (ver capítulo 2 e ponto 5.3), independentemente de se
tratar de uma barra de classe 3 ou 4.
Como as secções de aço enformadas a frio possuem, na sua grande maioria, secções mono-
-simétricas (secção em L, U e C) ou com simetria radial em torno de um ponto (secção em Z), a
existência de um solução analítica exacta é de muito difícil obtenção. Como as secções de aço
de parede fina enformadas a frio podem, em geral, ter formas ainda mais complexas e
apresentar assimetrias razoáveis, o recurso a métodos numéricos para a determinação dos
momentos críticos será talvez a melhor opção.

5.4.3. Flexão desviada composta com compressão

A verificação de segurança à encurvadura lateral de uma viga sujeita a flexão desviada


composta com compressão deve satisfazer as seguintes equações de interacção,
| NEd | | M + ΔMEd,u | | M + ΔMEd, v |
+ k uu ⋅ Ed,u + k uv ⋅ Ed, v ≤ 1.0 (5.13a)
χu ⋅ Nc.Rk / γ M1 Mb.Rk ,u / γ M1 Mb.Rk , v / γ M1

|NEd | | M + ΔMEd,u | | M + ΔMEd,v |


+ k vu ⋅ Ed,u + k vv ⋅ Ed,v ≤ 1.0 (5.13d)
χ v ⋅ Nc.Rk / γ M1 Mb.Rk ,u / γ M1 Mb.Rk ,v / γ M1

114
RESISTÊNCIA DE BARRAS

em que (i) Mb.Rk,u e Mb.Rk , v são, respectivamente, os momentos característicos resistentes à


encurvadura lateral em torno de u e v (eixos principais de inércia – ver pontos 5.4.2 e 4.4.3.1),
(ii) χu e χ v são, para cada direcção principal, o mínimo entre os factores de redução de
resistência devido à encurvadura por flexão e a encurvadura por torção ou flexão-torção
condicionante da coluna (ver 5.4.1) e (iii) kuu, kuv, kvu e kvv são factores de interacção
apresentados nos anexos A e B do EC3-1-1 [5.2]. Finalmente, refere-se que

⎧⎪e N,i ⋅ NEd se A eff < A g


Δ Ed,i = ⎨
M (5.14)
⎪⎩0 se A eff = A g

corresponde ao momento flector adicional devido à actuação do esforço de compressão NEd e


à mudança do centro de massa da secção bruta para a secção efectiva (esta componente só é
não nula em secções de classe 4). Refere-se ainda que, segundo a nota (iii) do ponto 4.4.2, os
valores de ΔM Ed,u e ΔM Ed, v apenas devem ser tidos em consideração nas equações de
interacção se produzirem efeitos desfavoráveis (i.e., adicionarem ao momento actuante).
Segundo a nota (ii) do ponto 4.4.2, mesmo que não haja momentos flectores e tenha havido
uma mudança do centro de gravidade da secção efectivap em relação à secção bruta (se a
secção for de classe 4), deve fazer-se a verificação de segurança entrando em conta com
ΔM Ed,u e ΔM Ed, v .

As curvas de interacção presentes em [5.2] EC3-1-1 estão melhor ajustadas aos perfis
laminados a quente, ou constituídos por chapas soldadas, em que os modos de instabilidade
global sejam os clássicos modos de encurvadura e/ou encurvadura lateral. Para situações
onde a instabilidade por torção e/ou flexão-torção seja relevante (bastante comuns nos perfis
enformados a frio de parede fina), tem de se ter algum cuidado na aplicação destas curvas. Da
forma como aí estão apresentadas, fazem intervir os factores de redução de resistência axial χ u
e χ v devido a modos de instabilidade de flexão em torno dos eixos de, respectivamente, maior
e menor inércia, o que se considera incorrecto nas situações referidas anteriormente, pelo que:
• Na parcela associada a esforço axial, estes factores devem ser substituídos por χu e
χ v , como apresentado na expressão (5.14);
• No respeitante aos factores de interacção kuu, kuv, kvu e kvv, os esforços axiais críticos
elásticos a considerar devem ser os indicados pelo [5.2] EC3-1-1. Dado tratarem-se de
factores de amplificação de momentos, os modos de instabilidade a considerar devem
ser de flexão, excepto onde se considerem explicitamente modos de torção.

5.4.4. Flexão desviada composta com tracção

A actual versão do Eurocódigo 3 [5.2] prEN EC3-1-1 é omissa em relação à verificação de


segurança de barras submetidas a flexão desviada composta com tracção. Por esta razão,
optou-se aqui por considerar uma formulação mista entre o disposto no [5.2] prEN EC3-1-1
para as equações de colunas-viga (flexão composta com compressão – ponto 5.4.3)
assumindo o esforço axial igual a zero (dimensionamento conservativo) e um momento flector
actuante reduzido como disposto na pré-norma europeia [5.1] DDENV EC3-1-1.

115
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Para flexão desviada composta com tracção deve verificar-se a seguinte equação de
interacção,
| M eff ,u | | MEd,v |
+ ≤ 1.0 (5.15a)
Mb.Rk ,u / γ M1 Mb.Rk ,v / γ M1
com
M eff ,u =| M Ed,u | − Ψvec ⋅ Wu,com ⋅|NEd | / A ≥ 0 (5.15b)

onde (i) Ψvec = 0.8 é um factor de redução que tem em conta a possibilidade de os esforços
axiais e momentos flectores não serem o resultado de uma mesma acção, mas sim de uma
envolvente de combinações de acções, (ii) Wu,com é o módulo de flexão associado à maior
tensão de compressão quando a secção está sujeita a momento flector em torno de u e (iii) A é
a área da secção efectivap devido a compressão.

Para situações em que o momento MEd,u for nulo a equação de interacção a verificar será a
referente à resistência de secções, já que não há instabilidade lateral de vigas para momentos
em torno do eixo de menor inércia.

5.5. ORGANIGRAMAS

Apresentam-se de seguida alguns organigramas que resumem os procedimentos necessários ao


cálculo de resistência de barras (à encurvadura). Em alguns destes organigramas estão
apresentados procedimentos que não foram aprofundados na presente dissertação, mas que se
julga ser importante colocar para uma exposição clara do problema.

λu , λv e λLT Ncr , Mcr, u ou Mcr, v

χu , χ v e χLT

k uu , k uv , k vu e , k vv

Figura 5.9 – Cálculo de resistência de barras e verificação da segurança.

116
CONCLUSÃO

CAPÍTULO 6

6. CONCLUSÃO

6.1. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A forma como os Eurocódigos são apresentados e a ordenação das suas disposições


regulamentares nem sempre é a mais fácil e directa para a compreensão de todos os
utilizadores, sejam eles projectistas, investigadores ou alunos. Em particular, o Eurocódigo 3
relativo a estruturas de aço padece do mesmo problema. E quando os elementos estruturais a
dimensionar (perfis de aço enformados a frio) não se encontram no grupo de maior utilização e
uso (perfis laminados a quente), o problema supracitado aumenta e torna-se muito difícil ao
projectista conciliar as disposições entre o documento base que contém as regras gerais
(EC3-1-1 [6.7]) e o documento particular relativo a esse tipo de estrutura (EC3-1-3 [6.8]) que
insere todas a regras de dimensionamento e verificação de segurança especificas dos perfis de
aço enformados a frio. Desta forma, a realização do presente trabalho teve como principais
objectivos (i) apresentar, explicar e sistematizar as disposições do Eurocódigo 3, em particular a
sua Parte 1.3, para dimensionar e verificar a segurança de elementos estruturais de aço
enformados a frio, bem como (ii) “fazer a ponte” entre as disposições do EC3-1-1 [6.7] (regras
gerais) e do EC3-1-3 [6.8] (regras para estruturas de aço enformadas a frio).

O capítulo 1 iniciou-se com uma breve retrospectiva histórica da origem e aplicação de perfis
de aço enformados a frio na indústria da construção civil, salientando as principais vantagens
da sua aplicação em comparação com perfis laminados a quente de aplicação corrente. Em
particular, referiram-se os principais tipos de elementos estruturais de aço enformados a frio, os
processos de fabrico correntemente utilizados e caracterizou-se, de forma sucinta, o seu
comportamento estrutural típico. Em último lugar, apresentaram-se os objectivos e a
organização da presente dissertação.

No capítulo 2, abordaram-se os principais conceitos subjacentes à “estabilidade de estruturas”,


com especial ênfase no comportamento de estruturas com secção de parede fina. Apresentou-
-se o conceito de estabilidade do equilíbrio e descreveram-se os tipos de instabilidade estrutural
(instabilidade bifurcacional e instabilidade por ponto limite), analisando a instabilidade
bifurcacional com maior detalhe. Apresentaram-se e caracterizaram-se os tipos de instabilidade
que ocorrem em barras com secção de parede fina aberta, nomeadamente as instabilidades
(i) local de placa, (ii) distorcional e (iii) global. Desenvolveram-se algumas expressões analíticas
para o cálculo de (i) cargas e momentos críticos de instabilidade global (instabilidade por
flexão-torção de colunas e instabilidade lateral de vigas) e (ii) tensões críticas de bifurcação
local de placas. Em seguida, abordou-se sumariamente o comportamento de pós-encurvadura
dos mesmos elementos estruturais referidos anteriormente e, em particular, explicou-se o

117
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

conceito de “largura efectiva” de placas comprimidas. Neste capítulo pôde concluir-se que as
expressões analíticas apresentadas são válidas apenas para situações muito particulares de (i)
geometria das secções, (ii) de tipos de carregamento e (iii) condições de apoio, verificando-se
que para casos mais complexos (e.g., secções assimétricas, com vários reforços intermédios)
torna-se necessário recorrer a análises rigorosas através de métodos numéricos “exactos”.

Em virtude dos perfis de aço enformados a frio apresentarem correntemente secções de alguma
complexidade, nomeadamente com dobras (cantos) arredondados, torna-se premente uma
correcta avaliação das propriedades geométricas da secção. Desta forma, e no capítulo 3,
estudaram-se as metodologias disponíveis para obtenção de propriedades de secções brutas
com base em análises (i) exactas ou (ii) aproximadas, tendo em consideração as regras
apresentadas no Eurocódigo 3 (EC3-1-3) [6.6–6.9].

No capítulo 4 introduziu-se a classificação de secções de acordo com o EC3 em função da sua


capacidade de atingir a resistência plástica e da sua capacidade de rotação. No caso de
secções de classe 4 (maioria das secções de aço enformadas a frio), abordou-se o conceito de
largura efectivap associada à resistência devido a modos de instabilidade local de placa (MLP) e
apresentou-se a metodologia prescrita pelo Eurocódigo 3 [6.6–6.9] para a obtenção das
secções efectivas. No que diz respeito ao modo de instabilidade distorcional (MD), descreveu-
-se a metodologia estipulada pelo pelo Eurocódigo 3 para o cálculo das espessuras reduzidas
que permite obter a resistência das secções a modos de instabilidade distorcionais. Em
particular, refere-se que se apresentou o método “standard” para o cálculo de propriedades
efectivas, o qual requer passos sequenciais e abordou-se, de forma sumária, o método
“iterativo”, para o qual o EC3 permite vários níveis de iteração na obtenção das tensões críticas
associadas ao MLP e ao MD.

A utilização de metodologias “exactas” (ver ponto 3.4) para o cálculo de propriedades,


nomeadamente, através das funções TSP, não terá muito interesse na medida em que o EC3
obriga à consideração das larguras nominais das paredes, as quais não têm qualquer
correspondência directa com a secção real. Desta forma, concluiu-se que a utilização de
larguras nominais segundo o EC3 torna o processo de implementação computacional bastante
mais complexo do que no caso dos regulamentos Americanos [6.11], Autralianos e Neo-
Zelandeses [6.12], os quais consideram os cantos (dobras) sempre efectivos.

No capítulo 5, começou-se por explicar a filosofia do EC3 para contabilizar a influência das
instabilidades globais. Para tal, explicou-se a diferença entre uma estrutura com e sem
deslocamentos laterais e aludiu-se ao facto de, no primeiro caso, a instabilidade global poder
aumentar os esforços actuantes. Em seguida, introduziram-se alguns conceitos complementares
ao capítulo 2, nomeadamente o conceito de comprimento de encurvadura por flexão e o
cálculo da carga crítica de flexão. Finalmente, descreveu-se a metodologia prescrita pelo EC3
[6.6–6.9] para a obtenção de resistência de barras à encurvadura global, nomeadamente de
(i) colunas submetidas a compressão, (ii) vigas sujeitas a flexão e (iii) vigas-coluna.

Como observação final conclui-se que a verificação de segurança à instabilidade global de


barras segundo o EC3 está muito direccionada para os casos mais simples, nos quais a
instabilidade global de colunas ocorre por flexão. Sabendo que a grande maioria das secções
de aço enformadas a frio são mono-simétricas, a instabilidade global de colunas pode ocorrer
por flexão-torção. Também no caso da instabilidade global de vigas o EC3 está muito
vocacionado para secções bi-simétricas ou mono-simétricas em que o eixo de flexão é
perpendicular ao eixo de simetria. As barras de aço enformadas a frio com secção mono-
-simétrica em que o eixo de flexão é perpendicular ao eixo de simetria (e.g., secções em C

118
CONCLUSÃO

flectidas em torno do eixo de maior inércia) instabilizam lateralmente por flexão-torção mas o
formulário do EC3 (Anexo E [6.6]) não é directamente aplicável. Desta forma, conclui-se que o
EC3-1-3 tem um âmbito muito restrito no que diz respeito às verificações de segurança à
instabilidade global e, frequentemente, existe uma má interligação entre as suas partes 1 e 3.

6.2. ALGUNS COMENTÁRIOS FINAIS

Actualmente, na maior parte dos regulamentos e em aplicações práticas correntes, o cálculo da


resistência de uma barra é efectuada em duas etapas: (i) o cálculo de resistência de secções
com o recurso a esforços críticos de instabilidades locais (local de placa e distorcional) e aos
conceitos de largura efectiva e espessura reduzida e (ii) o cálculo de resistência de barras com
o recurso a esforços críticos de instabilidades globais e à utilização de curvas de
dimensionamento.

A metodologia de cálculo preconizada pelo Eurocódigo 3 [6.6–6.9] é muito dirigida à


utilização de perfis de utilização corrente (secções em C, Z, “Rack” e “Hat”). No caso de perfis
com secções fora deste grupo (como muitas secções que constantemente surgem no mercado
com um crescente número de reforços), a utilização metodologia de cálculo preconizada pelo
Eurocódigo 3 é deveras duvidosa e requer um elevadíssimo número de cálculos, tornando o
processo muito complexo. Em muitos casos, será preferível recorrer a métodos numéricos e
computacionais para o cálculo da resistência última “exacta” destes elementos, incorporando
os efeitos das não linearidades físicas e geométricas bem como das imperfeições das barras.

Foi precisamente por se ter considerado muito complexa toda a metodologia de cálculo de
larguras efectivas e espessura reduzidas, que foi desenvolvida uma metodologia alternativa
bastante mais simples, a qual se denomina por Método da Resistência Directa (DSM, “Direct
Strenght Method”) [6.4, 6.5]. Este método, já incorporado na regulamentação Americana
[6.10] e Australiana/Neo Zelandesa [6.12], tem a grande (enorme) vantagem de utilizar
algumas curvas de dimensionamento devidamente calibradas com ensaios experimentais. A
utilização destas curvas apenas requer o conhecimento das tensões/esforços críticos elásticos
locais e globais, as quais são determinadas através da realização de análises lineares de
estabilidade utilizando para tal programas de cálculo automático disponíveis livremente. Neste
contexto, citam-se o programa CUFSM [6.1, 6.2] baseado no Método das Faixas Finitas (MFF)
e o programa GBTUL [6.3] baseado na Teoria Generalizada de Vigas (GBT). Desta forma, a
utilização do Método da Resistência Directa envolve um número incomparavelmente inferior de
cálculos e permite obter estimativas tão precisas quanto as obtidas pelas metodologias do EC3.
Apesar de ainda existirem reservas por parte de alguns investigadores europeus [6.13],
acredita-se que o futuro da regulamentação Europeia no dominio das estruturas de aço
enformadas a frio passe por contemplar metodologias do tipo do DSM.

119
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

120
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

ANEXOS

121
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

122
CÁLCULO APROXIMADO DE PROPRIEDADES

ANEXO A

A.CÁLCULO APROXIMADO DE PROPRIEDADES

A.1. MÉTODO DO ANEXO C DO EC3-1-3

Para o cálculo das propriedades de secções, o Eurocódigo 3 – parte 1-3, fornece uma forma
aproximada e expedita no anexo C. Esta formulação pode ser aplicada quer para secções
brutas (secções idealizadas e nominais com troços rectos) , quer para áreas e inércias de
secções efectivas.

A.1.1. Ângulo (positivo) do elemento k com a horizontal

z'

linha y'
média

Figura A.1 – Ângulo da linha média dos elementos com a horizontal - θ.

⎧0 º se Δy > 0 e Δz = 0
⎪arctg (( z − z 0.i.k ) ( y 0.j.k − y 0.i.k )) se Δy > 0 e Δz > 0
⎪ 0.j.k

⎪90 º se Δy = 0 e Δz > 0

⎪arctg (( z 0.j.k − z 0.i.k ) ( y 0.j.k − y 0.i.k )) + 180 º se Δy < 0 e Δz > 0
• θk = ⎨
⎪180 º se Δy < 0 e Δz = 0
⎪arctg (( z 0.j.k − z 0.i.k ) ( y 0.j.k − y 0.i.k )) + 180 º se Δy < 0 e Δz < 0

⎪270 º se Δy = 0 e Δz < 0
⎪arctg (( z 0.j.k − z 0.i.k ) ( y 0.j.k − y 0.i.k )) + 360 º se Δy > 0 e Δz < 0
⎩ (A.1)

123
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

A.1.2. Cálculo do comprimento do elemento k

• s k = ( y 0.j.k − y 0.i.k )2 + ( z 0.j.k − z 0.i.k )2 (A.2)

A.1.3. Cálculo da área da secção

• A k = sk ⋅ t k (A.3) – Área do elemento k

• A = ∑ Ak (A.4) – Área da secção


k

A.1.4. Cálculo do centro geométrico do elemento k

• y 0.cg.k = ( y 0.j.k + y 0.i.k ) 2 (A.5) – Coordenada y0 do centro de gravidade do elemento k

• z 0.cg.k = ( z 0.j.k + z 0.i.k ) 2 (A.6) – Coordenada z0 do centro de gravidade do elemento k

A.1.5. Momento estático da secção em torno de y0 no ponto O

• S y 0.k = A k ⋅ z 0.cg.k (A.7) – Momento estático do elemento k em torno de y0 no ponto O

• S y 0 = ∑ S y 0.k (A.8) – Momento estático da secção em torno de y0 no ponto O


k

A.1.6. Momento estático da secção em torno de z0 no ponto O

• S z 0.k = A k ⋅ y 0.cg.k (A.9) – Momento estático do elemento k em torno de z0 no ponto O

• S z 0 = ∑ S z 0.k (A.10) – Momento estático da secção em torno de z0 no ponto O


k

A.1.7. Coordenadas do centro de gravidade da secção segundo os eixos y0 e z0

• y 0.cg = S z 0 A (A.11) – Coordenada y0 do centro de gravidade da secção

• z 0.cg = S y0 A (A.12) – Coordenada z0 do centro de gravidade da secção

A.1.8. Coordenadas do elemento k segundo os eixos y e z no centro de gravidade

• y n.k = y 0.n.k − y 0.cg (A.13) – Coordenada y do nó n do elemento k

• z n.k = z 0.n.k − z 0.cg (A.14) – Coordenada z do nó n do elemento k

• y cg.k = ( y j.k + y i.k ) 2 (A.15) – Coordenada y do centro de gravidade do elemento k

• z cg.k = ( z j.k + z i.k ) 2 (A.16) – Coordenada z do centro de gravidade do elemento k

A.1.9. Inércia do elemento k em torno dos seus eixos principais de inércia

• Iyθ.k = t k ⋅ sk3 12 (A.17) – Inércia do emento k em torno de y θ.k no seu centro de gravidade

124
CÁLCULO APROXIMADO DE PROPRIEDADES

• Izθ.k = t k3 ⋅ sk 12 (A.18) – Inércia do emento k em torno de z θ.k no seu centro de gravidade


• y θ.k – Eixo (local) principal de inércia perpendicular à linha média do elemento k
• z θ.k – Eixo (local) principal de inércia paralelo à linha média do elemento k

A.1.10. Inércia da secção em torno de y no seu centro de gravidade

• Iy 0l.k = Iyθ.k ⋅ sin2 (θk ) + Izθ.k ⋅ cos 2 (θk ) (A.19) – Inércia do emento k em torno de y0l no cgk

• Iy 0.k = Iy 0l.k + A k ⋅ z 02.cg.k (A.20) – Inércia do emento k em torno de y0 no ponto O

• Iy 0 = ∑ Iy 0.k (A.21) – Inércia da secção em torno de y0 no ponto O


k

• Iy = Iy 0 − A ⋅ z 02.cg (A.22) – Inércia da secção em torno de y (centro de gravidade)


• y 0l.k – Eixo (local) paralelo ao eixo y0 (global) no centro de gravidade do elemento k
• z 0l.k – Eixo paralelo ao eixo z0 (global) no centro de gravidade do elemento k

A.1.11. Inércia da secção em torno de z no seu centro de gravidade

• Iz 0l.k = Iyθ.k ⋅ cos 2 (θk ) + Izθ.k ⋅ sin2 (θk ) (A.23) – Inércia do emento k em torno de z0l no cgk

• Iz 0.k = Iz 0l.k + A k ⋅ y 02.cg.k (A.24) – Inércia do emento k em torno de z0 no ponto O

• Iz 0 = ∑ Iz 0.k (A.25) – Inércia da secção em torno de z0 no ponto O


k

• Iz = Iz 0 − A ⋅ y 02.cg (A.26) – Inércia da secção em torno de z (centro de gravidade)

A.1.12. Inércia da secção em torno de yz no seu centro de gravidade

• Iyz 0l.k = 1 2 ⋅ (Iyθ.k − Izθ.k ) ⋅ sin(2 ⋅ θk ) (A.27) – Inércia do emento k em torno de yz0l no cgk

• Iyz 0.k = Iyz 0l.k + S y 0.k ⋅ S z 0.k / A k (A.28) – Inércia do emento k em torno de yz0 no ponto O

• Iyz 0 = ∑ Iyz 0.k (A.29) – Inércia da secção em torno de yz0 no ponto O


k

• Iyz = Iyz 0 − S y 0 ⋅ S z 0 / A (A.30) – Inércia da secção em torno de yz (centro de gravidade)

A.1.13. Inércia aproximada da secção em torno de y0 no seu centro de gravidade

• Iy 0.k * = ( z 02.j.k + z 02.i.k + z 0.j.k ⋅ z 0.i.k ) ⋅ A k 3 (A.31) – Inércia aprox. do elem. k em torno de y0
no ponto O
• Iy 0 * = ∑I k
y 0.k * (A.32) – Inércia aproximada da secção em torno de y0 no ponto O

• Iy * = Iy 0 * − A ⋅ z 02.cg (A.33) – Inércia aprox. da secção em torno de y (centro de gravidade)

NOTA: No anexo C do Eurocódigo 3 – parte 1-3, as inércias em torno dos eixos y, z e yz, são
aproximadas, e são as que têm de ser utilizadas no cálculo dos centros de corte, no

125
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

entanto, para além destas, optou-se por calcular as inércias exactas de paredes
rectangulares como apresentado em 2.2.1.3.i) a k).

A.1.14. Inércia aproximada da secção em torno de z0 no seu centro de gravidade

• Iz 0.k * = ( y 02.j.k + y 02.i.k + y 0.j.k ⋅ y 0.i.k ) ⋅ A k 3 (A.34) – Inércia aprox. do elem. k em torno de z0
no ponto O
• Iz 0 * = ∑ Iz 0.k * (A.35) – Inércia aproximada da secção em torno de z0 no ponto O
k

• Iz * = Iz 0 * − A ⋅ y 02.cg (A.36) – Inércia aprox. da secção em torno de z (centro de gravidade)

A.1.15. Inércia aproximada da secção em torno de yz no seu centro de gravidade

• Iyz 0.k * = (2 ⋅ y 0.i.k ⋅ z 0.i.k + 2 ⋅ y 0.j.k ⋅ z 0.j.k + y 0.i.k ⋅ z 0.j.k + y 0.j.k ⋅ z 0.i.k ) ⋅ A k 6 (A.37) – Inércia aproxi-
-mada do elemento k em torno de yz0 no ponto O
• Iyz 0 * = ∑ Iyz 0.k * (A.38) – Inércia aproximada da secção em torno de yz0 no ponto O
k

• Iyz * = Iyz 0 * −S y 0 ⋅ S z 0 / A (A.39) – Inércia aproximada da secção em torno de yz (centro


gravid.)

A.1.16. Eixos principais de inércia da secção

⎧0 º se I z − Iy > 0 e 2 ⋅ I yz = 0
⎪ ⎛ ⎞
⎪0.5 ⋅ arctg ⎜ 2 ⋅ I yz ⎟ se I z − Iy > 0 e 2 ⋅ I yz > 0
⎪ ⎜I −I ⎟
⎪ ⎝z y⎠
⎪0.5 ⋅ 90 º = 45 º se I z − Iy = 0 e 2 ⋅ I yz > 0
⎪ ⎧⎪ ⎛ 2 ⋅ I yz ⎞ ⎫ Ângulo entre os
⎪0.5 ⋅ ⎨arctg ⎜ ⎟ − 180 º ⎪⎬ se I z − Iy < 0 e 2 ⋅ I yz > 0 eixos y e z e os
⎪ ⎪⎩ ⎜I −I ⎟ ⎪⎭
• βk = ⎨ ⎝z y⎠ − eixos principais de
0º se I z − Iy < 0 e 2 ⋅ I yz = 0
⎪ inércia u e v
⎪ ⎧⎪ ⎛ 2 ⋅ I yz ⎞ ⎫
⎪0.5 ⋅ ⎨arctg ⎜⎜ ⎟ + 180º ⎪⎬ se I z − Iy < 0 e 2 ⋅ I yz < 0 (1.º e 4.º quadrantes)

⎪ ⎩⎪ ⎝ Iz − Iy ⎠ ⎭⎪
⎪− 0.5 ⋅ 90 º = − 45 º se I z − Iy = 0 e 2 ⋅ I yz < 0
⎪ (A.40)
⎪ ⎛ 2 ⋅ I yz ⎞
⎜ ⎟
⎪0.5 ⋅ arctg ⎜ I − I ⎟ se I z − Iy > 0 e 2 ⋅ I yz < 0
⎩ ⎝ z y ⎠

[
• Iu = 1 2 ⋅ Iy + Iz + (Iz − Iy )2 + 4 ⋅ I2yz ] (A.41) – Inércia do emento k em torno de u no centro
de gravidade da secção

[
• Iv = 1 2 ⋅ Iy + Iz − (Iz − Iy )2 + 4 ⋅ I2yz ] (A.42) – Inércia do emento k em torno de v no centro
de gravidade da secção
• u – Eixo principal de inércia – maior inércia
• v – Eixo principal de inércia – menor inércia

126
CÁLCULO APROXIMADO DE PROPRIEDADES

A.1.17. Inércia de torsão de Saint-Venant da secção

• It.k = A k ⋅ t k2 3 (A.43) – Inércia de torsão de Saint-Venant do elemento k

• It = ∑ It.k (A.44) – Inércia de torsão de Saint-Venant da secção


k

• Wt = It min( t k ) (A.45) – módulo de torsão

A.1.18. Coordenadas sectoriais

• ω0.k = − ( y i.k ⋅ z j.k − y j.k ⋅ z i.k ) (A.46) – coordenada sectorial do elemento k

• ωi.k = ωj.k −1 (A.47) – coordenada sectorial no nó i do elemento k

• ωi.k k =1 = ωi.1 = ωj.k −1 k =1 = ωj.0 = 0 (A.48) – coordenada sectorial no nó i do elemento 1

• ωj.k = ωi.k + ω0.k (A.49) – coordenada sectorial no nó j do elemento k

A.1.19. Coordenadas sectoriais médias

• Sω0.k = (ωi.k + ωj.k ) ⋅ A k 2 (A.50)

• Sω0 = ∑ Sω0.k (A.51)


k

• ωmean = Iω A (A.52) – coordenada sectorial média

A.1.20. Constantes sectoriais

• Iyω0.k = (2 ⋅ y i.k ⋅ ωi.k + 2 ⋅ y j.k ⋅ ωj.k + y i.k ⋅ ωj.k + y j.k ⋅ ωi.k ) ⋅ A k 6 (A.53)

• Iyω0 = ∑ Iyω0.k (A.54)


k

• Iuω = Iyω0 − S z 0 ⋅ Sω0 A (A.55)

• Izω0.k = (2 ⋅ z i.k ⋅ ωi.k + 2 ⋅ z j.k ⋅ ωj.k + z i.k ⋅ ωj.k + z j.k ⋅ ωi.k ) ⋅ A k 6 (A.56)

• Izω0 = ∑ Izω0.k (A.57)


k

• Ivω = Izω0 − S y 0 ⋅ Sω0 A (A.58)

• Iωω0.k = (ωj2.k + ωi2.k + ωj.k ⋅ ωi.k ) ⋅ A k 3 (A.59)

• Iωω0 = ∑ Iωω0.k (A.60)


k

• Iωω = Iωω0 − S2ω0 A (A.61)

127
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

A.1.21. Coordenadas do centro de corte da secção segundo os eixos y0, z0, y e z

Izω ⋅ Iz * − Iyω ⋅ Iyz *


• y 0.sc = − 2
(A.62) – Coordenada y0 do centro de corte da secção
Iy * ⋅Iz * − Iyz *

Iyω ⋅ Iy * − Izω ⋅ Iyz *


• z 0.sc = 2
(A.63) – Coordenada z0 do centro de corte da secção
Iy * ⋅Iz * − Iyz *
• y sc = y 0.sc − y 0.cg (A.64) – Coordenada y do centro de corte

• z sc = z 0.sc − z 0.cg (A.65) – Coordenada z do centro de corte

A.1.22. Constante de empenamento da secção

• Iw = Iωω − z 0.sc ⋅ Iyω + y 0.sc ⋅ Izω (A.66) – Constante de empenamento da secção

A.1.23. Coordenadas sectoriais em relação ao centro de corte

• ωs.n = ωn − ωmean − z 0.sc ⋅ ( y 0.n − y 0.cg ) − y 0.sc ⋅ ( z 0.n − z 0.cg ) (A.67) – coord. sectorial do nó n

• ωmax = max n (| ωs.n |) (A.68) – máxima coordenada sectorial em relação ao centro de corte

• Ww = Iw ωmax (A.69) – módulo de empenamento

A.1.24. Coordenadas dos nós do elem. k segundo os eixos u e v no centro de


gravidade

• un.k = y n.k ⋅ cos( − β) − z n.k ⋅ sin(− β) (A.70) – Coordenada u do nó n do elemento k


• v n.k = y n.k ⋅ sin(− β) + z n.k ⋅ cos(− β) (A.71) – Coordenada v do nó n do elemento k
• ucg.k = (uj.k + ui.k ) 2 (A.72) – Coordenada u do centro de gravidade do elemento k

• v cg.k = ( v j.k + v i.k ) 2 (A.73) – Coordenada v do centro de gravidade do elemento k

A.1.25. Momento de Inércia Polar em relação ao centro de corte

• Ip = Iy + Iz + A ⋅ ( y 2sc + z 2sc ) (A.74) – Momento de Inércia Polar em rel. ao centro de corte

A.1.26. Coordenadas das fibras extremas do elemento k segundo os eixos u e v


tk
• uk.min = min (ui.k ; uj.k ) + ⋅ min (sin (θk + β) ; − sin (θk + β)) (A.75) – Menor coord. u do el. k
2
t
• uk.max = max (ui.k ; uj.k ) + k ⋅ max (sin (θk + β) ; − sin (θk + β)) (A.76) – Maior coord. u do el. k
2
t
• v k.min = min (v i.k ; v j.k ) + k ⋅ min (cos (θk + β) ; − cos (θk + β)) (A.77) – Menor coord. v do el. k
2
t
• v k.max = max (vi.k ; v j.k ) + k ⋅ max (cos (θk + β) ; − cos (θk + β)) (A.78) – Maior coord. v do el. k
2

128
CÁLCULO APROXIMADO DE PROPRIEDADES

NOTA: Por se terem considerado as inércias exactas de secções rectangulares na obtenção


das inércias da secção global, as fibras extremas não são coincidentes com as
extremidades da linha média, mas sim de um valor que tem em conta a contribuição
da espessura do elemento k.
z' v'

θ k+ β
θk
y'
tk / 2 β
d
dz u'
θ k+ β
du dv
β dy
m ha
ia
lin
éd

Figura A.2 – Fibras extremas segundo os eixos u e v.

A.1.27. Coordenadas das fibras extremas da secção segundo os eixos u e v

• umin = mink (uk.min ) (A.79) – Menor coordenada u da secção


• umax = max k (uk.max ) (A.80) – Maior coordenada u da secção
• v min = mink (v k.min ) (A.81) – Menor coordenada v da secção
• v max = max k (v k.max ) (A.82) – Maior coordenada v da secção

A.1.28. Factores uj e vj para o cálculo de esforços críticos elásticos da secção

0.5
I*z ∫A
• uj = usc − ⋅ (u2 + v 2 ) ⋅ u ⋅ dA (A.83)

⎡ 3 ⎡ Δuk2 Δv k2 ⎤ ⎡ Δu ⋅ Δv k ⎤ ⎤
∫A (u + v ) ⋅ u ⋅ dA = ∑k ⎢uc.k + uc.k ⋅ ⎢⎣ 4 + v c.k + 12 ⎥⎦ + v c.k
2 2 2
• ⋅⎢ k ⎥ ⎥ ⋅ A k (A.84)
⎣ ⎣ 6 ⎦⎦
0.5
• v j = v sc − * ⋅ ∫ (u2 + v 2 ) ⋅ v ⋅ dA (A.85)
Iu A
⎡ 3 ⎡ Δv 2 Δu2 ⎤ ⎡ Δu ⋅ Δv k ⎤ ⎤
∫A (u + v ) ⋅ v ⋅ dA = ∑k ⎢v c.k + v c.k
2 2
• ⋅ ⎢ k + uc2.k + k ⎥ + uc.k ⋅⎢ k ⎥ ⎥ ⋅ A k (A.86)
⎣ ⎣ 4 12 ⎦ ⎣ 6 ⎦⎦

• Δuk = uj.k − ui.k (A.87) – Distância em u das coordenadas das extremidades do elemento k
• Δv k = v j.k − v i.k (A.88) – Distância em v das coordenadas das extremidades do elemento k
• uc.k = ucg.k − ucg (A.89) – Dist. em u entre os centros de gravidade da secção e do elem. k
• v c.k = v cg.k − v cg (A.90) – Dist. em v entre os centros de gravidade da secção e do elem. k

129
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

A.1.29. Tensões axiais para esforços máximos no nós do elem. k segundo os eixos u e v

Obtêm-se as tensões axiais nos nós em função da relação com a tensão axial máxima na
secção, apenas mediante considerações geométricas.

σ nMu v n.k
• .k
= (A.91) – Tensão axial relat. devida a Mu no nó n do elem. k
σ max .Ed max(| v max |;| v min |)

σ nMv.k un.k
• = (A.92) – Tensão axial relat. devida a Mv no nó n do elem. k
σ max .Ed max(| umax |;| umin |)

A.1.30. Tensões axiais para esforços máximos nas fibras extremas segundo os eixos u e v
Mu
σ min v min
• = (A.93) – Tensão axial relat. mínima devida a Mu da secção
σ max .Ed max(| v max |;| v min |)
Mu
σ max v max
• = (A.94) – Tensão axial relat. máxima devida a Mu da secção
σ max .Ed max(| v max |;| v min |)
Mv
σ min umin
• = (A.95) – Tensão axial relat. mínima devida a Mv da secção
σ max .Ed max(| umax |;| umin |)
Mv
σ max umax
• = (A.96) – Tensão axial relat. máxima devida a Mv da secção
σ max .Ed max(| umax |;| umin |)

130
SECÇÕES SEM REFORÇOS

ANEXO B

B. SECÇÕES SEM REFORÇOS

B.1. DADOS INICIAIS

B.1.1. Secção real

bg2 bg2

r2 r2

tg tg
hg
hg

r1 r1

bg1 bg1

Figura B.1 – Dados geométricos de C’s e de Z’s sem reforços – secção bruta real.

B.2. MÉTODOS APROXIMADOS

B.2.1. Propriedades da secção bruta

B.2.1.1. Secção e linha média

B.2.1.1.a) Secção e linha média idealizada com troços rectos

As larguras brutas idealizadas apresentadas nas Figuras B.2 e B.3, podem ser obtidas por:

• hs = hg − Δ1 − Δ 2 • Δ1 = t g 2 ⋅ tan(φ1 ) = t g 2 • φ1 = (180º − α1 ) 2 = 45º


• b1s = b1g − Δ1 • Δ 2 = t g 2 ⋅ tan(φ 2 ) = t g 2 • φ 2 = (180º − α 2 ) 2 = 45º
• b 2 s = b 2g − Δ 2 (B.1)

131
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

α1 / 2

c1
2
α1 /

cg1
tg / 2

tg / 2
linha
média
φ1

tg / 2
φ1

Δ1
b1 Δ1
bg1

Figura B.2 – Linha média e larguras idealizadas com troços rectos (idealised flat widths).

b2s z0

5 3 6 7

z;v
4

sc.s 2 cg.s y;u


hs

z0.cg.s,z0.sc.s

y0
2 1 1 0

b1s y0.sc.s y0.cg.s

z0;z
b2s

5 4 6 7

3 cg.s,sc.s y
hs

β
u
z0.cg.s,z0.sc.s

y0
0 1 2 2

b1s

Figura B.3 – Secção bruta idealizada de um C e de um Z sem reforços.

132
SECÇÕES SEM REFORÇOS

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y 0 = b1s ⋅ k c y 2 = y 0 − b1s ⋅ k c y 5 = y 2 − hs ⋅ cos(2 ⋅ φ1 ) y 7 = y 5 + b 2s


• • • •
z0 = 0 z2 = z0 z 5 = z 2 − hs ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) z7 = z 5 (B.2)

em que:
C s/ reforço kc = 1 Z s/ reforço k c = −1
• C c/ reforço simples kh = 1 ou Z c/ reforço simples kh = 1
C s/ reforço duplo kr = 1 Z s/ reforço duplo kr = 1

" Hat" s/ reforço kc = 1 kc = 1


• " Hat" c/ reforço simples k h = −1 ou " Rack" kh = 1
(B.3)
kr = 1 k r = −1

Os elementos que constituem a linha média e a secção bruta idealizada são:

• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2 – (y2 ; z2)


• Elem.2: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3: Nó 11 – (y11 ; z11) a Nó 13 – (y13 ; z13)

B.2.1.1.b) Secção e linha média nominal com troços rectos

tg / 2
α1 / 2
cp1
2
α1 /

c1
tg / 2

linha
média
tg / 2

gr1

bp1 gr1

b1

Figura B.4 – Larguras nominais (notional flat widths).

As larguras brutas nominais apresentadas nas Figuras B.4 e B.5, podem ser obtidas por:

• hp = hs − gr1 − gr 2 • gr1 = ( r1 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ1 ) − sin(φ1 ) ) = ( r1 + t g 2 ) ⋅ 1− 2 2 ( )


• b1p = b1s − gr1 • gr 2 = ( r2 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 2 ) − sin(φ 2 ) ) = ( r2 + t g 2 ) ⋅ 1− 2 2 ( )
• b 2p = b 2s − gr 2 (B.4)

133
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y 0 = (b1p + gr1 ) ⋅ k c y 2b = y 2a + gr1 ⋅ ( −k c + cos(2 ⋅ φ1 )) y 5b = y 5a + gr 2 ⋅ (1+ cos( 2 ⋅ φ1))
• • •
z0 = 0 z 2b = z 2a + gr1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1 ) z 5b = z 5a + gr 2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1)

y 2a = y 0 − b 1p ⋅ k c y 5a = y 2a + hp ⋅ cos( 2 ⋅ φ1 ) y 7 = y 5b + b 2p
• • •
z 2a = z 0 z 5a = z 2a + hp ⋅ sin( 2 ⋅ φ1 ) z 7 = z 5b (B.5)

Os elementos que constituem a secção bruta nominal são:

• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2a – (y2a ; z2a)


• Elem.2: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 7 – (y7 ; z7)

b2p z0

5a 5b 3 6 7

z;v
4

sc.p cg.p y;u


hp

2
z0.cg.p,z0.sc.p

y0
2b 2a
1 1 0
b1p y0.sc.p y0.cg.p

z0;z
b2p

5a 5b 3 6 7

cg.p,sc.p y
hp

2
β
u
z0.cg.p,z0.sc.p

y0
0 1 1 2a 2b
b1p

Figura B.5 – Secção bruta nominal de um C e de um Z sem reforços.

134
SECÇÕES SEM REFORÇOS

B.2.1.2. Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta (sem instab.)
σumax Mv
σuminMv σ2;5 Mv

5 7 σvmax N σvmax Mu
σ5;7 N σ5;7 Mu

cg.s σcg.s N

σ0;2 N σ0;2 Mu
2 0 σvminN σvminMu
σumin Mv σ0 Mv σ7 Mv σumax Mv
σ5 Mv σ2 Mv

7 σvmax N σvmax Mu
σ7 N σ7 Mu
5
σ5 N σ5 Mu
v

u σcg.s N

2 σ2 N σ2 Mu
0
σ0 N σ0 Mu
σvmin N σvmin Mu
Figura B.6 – Tensões na secção bruta idealizada de um C e de um Z sem reforços.

135
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

σ2b;5a Mv σumax Mv
σumin Mv σ2a;5b Mv

5a 5b 7 σvmax N σvmax Mu
σ5b;7 N σ5b;7 Mu
σ5a N σ5a Mu

cg.p σcg.p N

σ2b N σ2b Mu
σ0;2a N σ0;2a Mu
2b 2a 0 σvmin N σvmin Mu

σ0 Mv σ7Mv
σuminMv σ5a σ2b
Mv Mv σumax Mv
σ5b Mv
σ2a Mv
σvmax N σvmax Mu
σ7b N σ7b Mu
σ5b N σ5b Mu
7
5a 5b

v σ5a N σ5a Mu

cg.p
u σcg.p N

σ2b N σ2b Mu
2a 2b σ2a N σ2a Mu
0
σ0 N σ0 Mu
σvminN σvminMu

Figura B.7 – Tensões na secção bruta nominal de um C e de um Z sem reforços.

136
SECÇÕES SEM REFORÇOS

B.2.2. Propriedades de secções efectivas

B.2.2.1. Secção efectiva

B.2.2.1.a) Secção efectiva idealizada

As larguras efectivasp idealizados apresentados na Figura B.8, podem ser obtidos por:

• hs.i = hs − hs.e1 − hs.e 2 • b is.i = b is − b is.e


N Mu Mv
• hs.e1 = hs.e1 ; hs.e1 ; hs.e1
N Mu Mv N Mu Mv
• hs.e2 = hs.e2 ; hs.e2 ; hs.e2 • b is.e = b is.e ; b is.e ; b is.e • i=1e2 (B.6)

z0
b2s.e

5 3e 6
hs.e2

2e2
z;v
4

cg.seff y;u

3
z0.cg.seff
hs.e1

2e1
y0
1e 2 1e 1

b1s.e y0.cg.seff

z0;z
b2s.e

5 3e 6

v
hs.e2

2e2

cg.seff y
β
u
z0.cg.seff,z0.sc.seff

3
hs.e1

2e1
y0
1e 1 1e 2

b1s.e

Figura B.8 – Secção efectiva idealizada de um C em reforços.

137
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y 0 = b1s ⋅ k c y 3 = y 2 + hs.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ1 ) y 6 = y 5 + b 2s.e


• • •
z0 = 0 z 3 = z 2 + hs.e1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) z6 = z5
y 1 = y 0 − b1s.i ⋅ k c y 4 = y 3 + hs.i ⋅ cos(2 ⋅ φ1) y 7 = y 6 + b 2s.i
• • •
z1 = z 0 z 4 = z 3 + hs.i ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) z7 = z 6

y 2 = y 1 − b1s.e ⋅ k c y 5 = y 4 + hs.e 2 ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )


• •
z 2 = z1 z 5 = z 4 + hs.e 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) (B.7)

Os elementos que constituem a secção efectiva idealizada são:


• Elem.1i: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 1 – (y1 ; z1)
• Elem.1e: Nó 1 – (y1 ; z1) a Nó 2 – (y2 ; z2)
• Elem.2e1: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2i: Nó 3 – (y3 ; z3) a Nó 4 – (y4 ; z4)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3e: Nó 5 – (y5 ; z5) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3i: Nó 6 – (y6 ; z6) a Nó 7 – (y7 ; z7)
B.2.2.1.b) Secção efectiva nominal

As larguras efectivasp nominais apresentados na Figura B.9, podem ser obtidos por:

• hp.i = hp − hp.e1 − hp.e 2 • b ip.i = b ip − b ip.e − b ip.e


N Mu Mv
• hp.e1 = hp.e1 ; hp.e1 ; hp.e1
N Mu Mv N Mu Mv
• hp.e 2 = hp.e 2 ; hp.e 2 ; hp.e 2 • b ip.e = b ip.e ; b ip.e ; b ip.e • i=1e2 (B.8)

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y 0 = (b1p + gr1) ⋅ k c y3 = y 2b + hp.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ1) y5b = y5a + gr 2 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ1))
• • •
z0 = 0 z 3 = z 2b + hp.e1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z 5b = z 5a + gr 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1)

y1 = y 0 − b1p.i ⋅ k c y4 = y3 + hp.i ⋅ cos(2 ⋅ φ1) y 6 = y 5b + b 2p.e


• • •
z1 = z 0 z 4 = z 3 + hp.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z 6 = z 5b

y 2a = y1 − b1p.e ⋅ k c y5a = y 4 + hp.e2 ⋅ cos(2 ⋅ φ1) y 7 = y 6 + b 2p.i


• • •
z 2a = z1 z 5a = z 4 + hp.e2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z7 = z6

y2b = y2a + gr1 ⋅ (−k c + cos(2 ⋅ φ1))



z 2b = z 2a + gr1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) (B.9)

138
SECÇÕES SEM REFORÇOS

b2p.e z0

5a 5b 3e 6 7

hp.e2
2e2
z;v
4

cg.peff y;u

z0.cg.peff
hp.e1

2e1
y0
2b 2a
1e 1 0
b1p.e y0.cg.peff

b2p.e z0;z

5a 5b 3e 6 7

v
hp.e2

2e2

cg.peff y
β
u
z0.cg.peff,z0.sc.peff

3
hp.e1

2e1
y0
0 1 1e 2a 2b
b1p.e

Figura B.9 – Secção efectiva nominal de um C e de um Z sem reforços.

Os elementos que constituem a secção efectiva idealizada são:


• Elem.1i: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 1 – (y1 ; z1)
• Elem.1e: Nó 1 – (y1 ; z1) a Nó 2a – (y2a ; z2a)
• Elem.2e1: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2i: Nó 3 – (y3 ; z3) a Nó 4 – (y4 ; z4)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3e: Nó 5 – (y5b ; z5b) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3i: Nó 6 – (y6 ; z6) a Nó 7 – (y7 ; z7)

139
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

140
SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES

ANEXO C

C. SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES

C.1. DADOS INICIAIS

C.1.1. Secção real

bg2 bg2
cg2

cg2
r2 r4 r2 r4
α4 α4

tg tg
hg

hg

α3
α3
cg1

r1 r3 r3 r1
cg1

bg1 bg1
cg2

r4

r2 bg2

tg
hg

bg1
r1

r3
cg1

Figura C.1 – Dados geométricos de C’s e de Z’s com reforços simples – secção bruta real.

141
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

C.2. MÉTODOS APROXIMADOS

C.2.1. Propriedades da secção bruta

C.2.1.1. Secção e linha média

C.2.1.1.a) Secção e linha média idealizada com troços rectos

As larguras brutas idealizadas apresentadas na Figura C.2, podem ser obtidas por:

• hs = hg − Δ1 − Δ 2 • Δ1 = t g 2 ⋅ tan(φ1 ) • φ1 = (180º − α 1 ) 2
• b1s = b1g − Δ 1 − Δ 3 • Δ 2 = t g 2 ⋅ tan(φ 2 ) • φ 2 = (180º − α 2 ) 2
• b 2 s = b 2g − Δ 2 − Δ 4 • Δ 3 = t g 2 ⋅ tan(φ 3 ) • φ 3 = (180º − α 3 ) 2
• c1s = c1g − Δ 3 • Δ 4 = t g 2 ⋅ tan(φ 4 ) • φ 4 = (180º − α 4 ) 2
• c 2 s = c 2g − Δ 4 (C.1)

b2s z0

8 9 4 10 11
c2s

5
12

z;v 13
7

sc.s cg.s y;u


hs

3
z0.cg.s,z0.sc.s

6
0
1

1
c1s

y0
5 4 2 3 2

b1s y0.sc.s y0.cg.s

b2s z0;z

8 9 4 10 11
c2s

v 5
12
13
7

3 cg.s,sc.s y
hs

β
u
z0.cg.s,z0.sc.s

0
1

1
c1s

y0
2 3 2 4 5

b1s

Figura C.2 – Secção bruta idealizada de um Z com reforços simples.

142
SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y 0 = b1s + c1s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y 5 = y 4 − b1s.e 2 ⋅ k c y10 = y 9 + b 2s.i
• • •
z 0 = 0 + c1s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z5 = z4 z10 = z 9

y1 = y 0 − c1s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y 6 = y 5 + hs.e1 ⋅ cos( 2 ⋅ φ1) y11 = y10 + b 2s.e 2


• • •
z1 = z 0 − c1s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k h z 6 = z 5 + hs.e1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z11 = z10
y 2 = y1 − c1s.e ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y7 = y 6 + hs.i ⋅ cos( 2 ⋅ φ1) y12 = y11 + c2s.e ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )
• • •
z 2 = z1 − c1s.e ⋅ sin(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k h z 7 = z 6 + hs.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z12 = z11 − c2s.e ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ kh

y 3 = y 2 − b1s.e1 ⋅ k c y 8 = y7 + hs.e 2 ⋅ cos( 2 ⋅ φ1) y13 = y12 + c2s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )


• •
z3 = z2 z 8 = z 7 + hs.e 2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z13 = z12 − c2s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ kh

y 4 = y 3 − b1s.i ⋅ k c y 9 = y 8 + b 2s.e1
• •
z4 = z3 z9 = z8 (C.2)

Os elementos que constituem a secção efectiva idealizada são:


• Elem.1e: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2 – (y2 ; z2)
• Elem.2e1: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3e1: Nó 5 – (y5 ; z5) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3e2: Nó 7 – (y7 ; z7) a Nó 8 – (y8 ; z8)
• Elem.4e1: Nó 8 – (y8 ; z8) a Nó 9 – (y9 ; z9)
• Elem.4e2: Nó 10 – (y10 ; z10) a Nó 11 – (y11 ; z11)
• Elem.5e: Nó 11 – (y11 ; z11) a Nó 12 – (y12 ; z12)

143
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

C.2.1.1.b) Secção e linha média nominal com troços rectos

b2p z0

8a 8b 9 4 10 11a 11b

c2p
5
12

z;v 13
7

sc.p cg.p y;u


hp

z0.cg.p,z0.sc.p
6
0
1

1
c1p

y0
5b 5a 4 2 3 2b 2a
b1p y0.sc.p y0.cg.p

z0;z
b2p

8a 8b 9 4 10 11a 11b
c2p

v 5
12
13
7

cg.p,sc.p y
3
hp

β
u
z0.cg.p,z0.sc.p

6
0
1

1
c1p

y0
2a 2b 5a 5b
3 2 4
b1p
Figura C.3 – Secção bruta nominal de um C e de um Z com reforços simples.

As larguras brutas nominais apresentadas na Figura C.3, podem ser obtidas por:

• h p = h s − g r1 − g r 2 • gr1 = ( r1 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ1 ) − sin(φ1 ) )


• b1p = b1s − gr1 − gr 3 • gr 2 = ( r2 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 2 ) − sin(φ 2 ) )
• b 2p = b 2s − gr 2 − gr 4 • gr 3 = ( r3 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 3 ) − sin(φ 3 ) )
• c1p = c1s − gr 3 • gr 4 = ( r4 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 4 ) − sin(φ 4 ) )
• c 2p = c 2s − gr 4 (C.3)

144
SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y 0 = ( b1p + gr1 + c1p ⋅ cos(2 ⋅ φ 3 ) + y 8a = y 5b + hp ⋅ cos(2 ⋅ φ1)


• z = z + h ⋅ sin(2 ⋅ φ )
• + gr 3 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 3 )) ⋅ k c 8a 5b p 1

z 0 = 0 + (c1p + gr 3 ) ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h

y 2a = y 0 − c1p ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y 8b = y 8a + gr 2 ⋅ (cos(2 ⋅ φ1) + 1)


• •
z 2a = z 0 − c1p ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 8b = z 8a + gr 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )
y 2b = y 2a − gr 3 ⋅ (1 + cos( 2 ⋅ φ 3 )) ⋅ k c y11a = y 8a + b 2p
• •
z 2b = z 2a − gr 3 ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 11a = z 8a

y 5a = y 2b − b1p ⋅ k c y11b = y11a + gr 4 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 4 ))


• •
z 5a = y 2b z 11b = z 11a − gr 4 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 5b = y 5a + gr1 ⋅ ( −k c + cos(2 ⋅ φ1)) y13 = y11b + c 2p ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )

z 5b = z 5a + gr1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1) z 13 = z 11b − c 2p ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h (C.4)

Os elementos que constituem a secção bruta nominal são:

• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2a – (y2a ; z2a)


• Elem.2: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 8a – (y8a ; z8a)
• Elem.4: Nó 8b – (y8b ; z8b) a Nó 11a – (y11a ; z11a)
• Elem.5: Nó 11b – (y11b ; z11b) a Nó 13a – (y13 ; z13)

145
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

C.2.1.2. Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta (sem instab.)

σ0;13 Mv σumax Mv
σ5b;8a σσ2b;11a
Mv
Mv 2a;11b
σumin Mv σ5a;8b Mv
Mv

8a 8b 11a 11b σvmax N σvmax Mu


σ8b;11a N σ8b;11a Mu
σ11bNN σ11bMuMu
σ8a σ8a
13
σ13 N σ13 Mu

cg.p σcg.p N

0
σ0 N σ0 Mu

σ5b N σ5b Mu
σ2a N N σ2a Mu
σ2b;5a σ2b;5a Mu
5b 5a 2b 2a σvmin N σvmin Mu
σ0 Mv σ13 Mv
σumin Mv σ8a Mv σ5b Mv σ11a Mvσ11b Mv σumax Mv
σ2aMv

σ2b Mv σ8b Mv
σ5a Mv

11a 11b σvmax N σvmaxMuMu


σ11a NN σ11a Mu
σ11bN σMu
11b

8a 8b
σ8b σ8b
v σ8a N σ8a Mu
13
σ13 N σ13 Mu

cg.p
u σcg.p N

σ0 N σ0 Mu
0
σ5b N σ5b Mu
5a 5b σ5a NN σ5a MuMu
σ2a N σ2a Mu
σ2b N σ2b Mu
2a 2b
σvmin σvmin
Figura C.4 – Tensões na secção bruta nominal de um C e de um Z com reforços simples.

146
SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES

C.2.2. Propriedades de secções efectivas

C.2.2.1. Secção efectiva

C.2.2.1.a) Secção efectiva idealizada

b2s.e1 b2s.e2 z0

8 4e1 9 10 4e2 11

c2s.e
5e
hs.e2

3e2 12

z;v
7

cg.seff y;u

z0.cg.seff,z0.sc.seff 6
hs.e1

3e1 1

1e y0
c1s.e

5 2e2 4 3 2e1 2

b1s.e2 b1s.e1 y0.cg.seff


b2s.e1 b2s.e2
z0;z
c2s.e

8 4e1 9 10 4e2 11
hs.e2

v 5e
3e2 12

cg.seff y
β
u
6
z0.cg.seff
hs.e1

1 3e1
c1s.e

1e y0
b1s.e1 b1s.e2 2 2e1 3 4 2e2 5

Figura C.5 – Secção efectiva idealizada de um Z com reforços simples.

As larguras efectivas idealizadas apresentadas na Figura C.5, podem ser obtidas por:
N Mu Mv N Mu Mv N Mu Mz
• hs.e1 = hs.e1 ; hs.e1 ; hs.e1 • b is.e1 = b is.e1 ; b is.e1 ; b is.e1 • c is.e = c is.e ; c is.e ; c is.e

• c is.i = c is − c is.e
N Mu Mv N Mu Mv
• hs.e2 = hs.e2 ; hs.e2 ; hs.e2 • b is.e 2 = b is.e 2 ; b is.e2 ; b is.e 2

• hs.i = hs − hs.e1 − hs.e 2 • b is.i = b is − b is.e1 − b is.e 2 • i=1e2 (C.5)

147
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y 0 = b1s + c1s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y 5 = y 4 − b1s.e 2 ⋅ k c y10 = y 9 + b 2s.i
• • •
z 0 = 0 + c1s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z5 = z4 z10 = z 9

y1 = y 0 − c1s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y 6 = y 5 + hs.e1 ⋅ cos( 2 ⋅ φ1) y11 = y10 + b 2s.e 2


• • •
z1 = z 0 − c1s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k h z 6 = z 5 + hs.e1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z11 = z10
y 2 = y1 − c1s.e ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y7 = y 6 + hs.i ⋅ cos( 2 ⋅ φ1) y12 = y11 + c2s.e ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )
• • •
z 2 = z1 − c1s.e ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 7 = z 6 + hs.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z12 = z11 − c2s.e ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ kh

y 3 = y 2 − b1s.e1 ⋅ k c y 8 = y7 + hs.e2 ⋅ cos( 2 ⋅ φ1) y13 = y12 + c2s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )


• •
z3 = z2 z 8 = z 7 + hs.e2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1) z13 = z12 − c2s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ kh

y 4 = y 3 − b1s.i ⋅ k c y 9 = y 8 + b 2s.e1
• •
z4 = z3 z9 = z8 (C.6)

Os elementos que constituem a secção efectiva idealizada são:


• Elem.1e: Nó 1 – (y0 ; z0) a Nó 2 – (y2 ; z2)
• Elem.2e1: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3e1: Nó 5 – (y5 ; z5) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3e2: Nó 7 – (y7 ; z7) a Nó 8 – (y8 ; z8)
• Elem.4e1: Nó 8 – (y8 ; z8) a Nó 9 – (y9 ; z9)
• Elem.4e2: Nó 10 – (y10 ; z10) a Nó 11 – (y11 ; z11)
• Elem.5e: Nó 11 – (y11 ; z11) a Nó 12 – (y12 ; z12)

148
SECÇÕES COM REFORÇOS SIMPLES

C.2.2.1.b) Secção efectiva nominal

b2s.e1 b2s.e2 z0

8 4e1 9 10 4e2 11

c2s.e
5e
hs.e2

3e2 12

z;v
7

cg.seff y;u

z0.cg.seff,z0.sc.seff
6
hs.e1

3e1 1

1e y0
c1s.e

5 2e2 4 3 2e1 2

b1s.e2 b1s.e1 y0.cg.seff


b2s.e1 b2s.e2
z0;z
c2s.e

8 4e1 9 10 4e2 11
hs.e2

v 5e
3e2 12

cg.seff y
β
u
6
z0.cg.seff
hs.e1

1 3e1
c1s.e

1e y0
b1s.e1 b1s.e2 2 2e1 3 4 2e2 5

Figura C.6 – Secção efectiva nominal de um Z com reforços simples.

As larguras efectivas nominais apresentadas na Figura C.6, podem ser obtidas por:
N Mu Mv N Mu Mv N Mu Mz
• hp.e1 = hp.e1 ; hp.e1 ; hp.e1 • b ip.e1 = b ip.e1 ; b ip.e1 ; b ip.e1 • c ip.e = c ip.e ; c ip.e ; c ip.e

• c ip.i = c ip − c ip.e
N Mu Mv N Mu Mv
• hp.e2 = hp.e 2 ; hp.e 2 ; hp.e 2 • b ip.e2 = b ip.e 2 ; b ip.e2 ; b ip.e 2

• hp.i = hp − hp.e1 − hp.e 2 • b ip.i = b ip − b ip.e1 − b ip.e2 • i=1e2 (C.7)

149
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y 0 = ( b1p + gr1 + c1p ⋅ cos(2 ⋅ φ 3 ) + y 7 = y 6 + hp.i ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )


• z = z + h ⋅ sin(2 ⋅ φ )
• + gr 3 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 3 )) ⋅ k c 7 6 p.i 1

z 0 = 0 + (c1p + gr 3 ) ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h

y1 = y 0 − c1p.i ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y 8a = y 7 + hp.e2 ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )


• •
z 1 = z 0 − c1p.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 8a = z 7 + hp.e2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )
y 2a = y1 − c1p.e ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y 8b = y 8a + gr 2 ⋅ (cos(2 ⋅ φ1 ) + 1)
• •
z 2a = z 1 − c1p.e ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 8b = z 8a + gr 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )

y 2b = y 2a − gr 3 ⋅ (1 + cos( 2 ⋅ φ 3 )) ⋅ k c y 9 = y 8a + b 2p.e1
• •
z 2b = z 2a − gr 3 ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 9 = z 8a

y 3 = y 2b − b1p.e1 ⋅ k c y10 = y 9 + b 2p.i


• •
z 3 = z 2b z 10 = z 9

y 4 = y 3 − b1p.i ⋅ k c y11b = y11a + gr 4 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 4 ))


• •
z4 = z3 z 11b = z 11a − gr 4 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 5a = y 4 − b1p.e2 ⋅ k c y12 = y11b + c 2p.e ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )
• •
z 5a = z 4 z12 = z11b − c 2p.e ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h

y 5b = y 5a + gr1 ⋅ ( −k c + cos(2 ⋅ φ1 )) y13 = y12 + c 2p.i ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )


• •
z 5b = z 5a + gr1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) z 13 = z 12 − c 2p.i ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 6 = y 5b + hp.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )

z 6 = z 5b + hp.e1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) (C.8)

Os elementos que constituem a secção efectiva nominal são:

• Elem.1e: Nó 1 – (y0 ; z0) a Nó 2a – (y2a ; z2a)


• Elem.2e1: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3e1: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3e2: Nó 7 – (y7 ; z7) a Nó 8a – (y8a ; z8a)
• Elem.4e1: Nó 8b – (y8b ; z8b) a Nó 9 – (y9 ; z9)
• Elem.4e2: Nó 10 – (y10 ; z10) a Nó 11a – (y11a ; z11a)
• Elem.5e: Nó 11b – (y11b ; z11b) a Nó 12 – (y12 ; z12)

150
SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

ANEXO D

D. SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

D.1. DADOS INICIAIS

D.1.1. Secção real

bg2 bg2
cg2

cg2
r2 r4 r2 r4
180-α4 180-α4
r6 r6

dg2 dg2
tg tg
hg

hg

dg1 dg1

r5 r5
r1 r3 180-α3 180-α3 r3 r1
cg1

cg1

bg1 bg1

dg2
bg2

r6
cg2

α6

r2 r4
cg2

α4 r6
r4

r2 bg2
dg2
tg tg
hg
hg

dg1 bg1
r1
α 3
r3
r5
cg1
cg1

r1 r3
α5

r5
bg1
dg1

Figura D.1 – Dados geom. de C’s e Z’s e “Hat’s” c/ ref. duplos e “Racks” – secção bruta real.

151
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

D.2. MÉTODOS APROXIMADOS

D.2.1. Propriedades da secção bruta

D.2.1.1. Secção e linha média

D.2.1.1.a) Secção e linha média idealizada com troços rectos

As larguras brutas idealizados apresentadas na Figura D.2, podem ser obtidas por:

• h s = hg − Δ 1 − Δ 2 • Δ1 = t g 2 ⋅ tan(φ1 ) • φ1 = (180º − α 1 ) 2
• b1s = b1g − Δ1 − Δ 3 • Δ 2 = t g 2 ⋅ tan(φ 2 ) • φ 2 = (180º − α 2 ) 2
• b 2 s = b 2g − Δ 2 − Δ 4 • Δ 3 = t g 2 ⋅ tan(φ 3 ) • φ 3 = (180º − α 3 ) 2
• c1s = c1g − Δ 3 − Δ 5 • Δ 4 = t g 2 ⋅ tan(φ 4 ) • φ 4 = (180º − α 4 ) 2
• c 2 s = c 2g − Δ 4 − Δ 6 • Δ 5 = t g 2 ⋅ tan(φ 5 ) • φ 5 = (180º − α 5 ) 2
• d1s = d1g − Δ 5 • Δ 6 = t g 2 ⋅ tan(φ 6 ) • φ 6 = (180º − α 6 ) 2
• d 2 s = d 2g − Δ 6 (D.1)

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y0 = [b1s + c1s ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) − d1s ⋅ kr ] ⋅ kc y11 = y 8 + hs ⋅ cos( 2 ⋅ φ1 )


• •
z 0 = 0 + c1s ⋅ sin(2 ⋅ φ3 ) ⋅ kh z 11 = z 8 + hs ⋅ sin( 2 ⋅ φ1 )
y 2 = y 0 + d1s ⋅ k r ⋅ k c y14 = y11 + b 2s
• •
z2 = z0 z 14 = z 11
y 5 = y 2 − c1s ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y17 = y14 + c 2s ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )
• •
z 5 = z 2 − c1s ⋅ sin( 2 ⋅ φ3 ) ⋅ k h z17 = z14 − c 2s ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ k h

y 8 = y 5 − b1s ⋅ k c y19 = y17 − d2s ⋅ k r


• •
z8 = z5 z19 = z17 (D.2)

Os elementos que constituem a linha média e a secção bruta idealizada são:

• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2 – (y2 ; z2)


• Elem.2: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3: Nó 5 – (y5 ; z5) a Nó 8 – (y8 ; z8)
• Elem.4: Nó 8 – (y8 ; z8) a Nó 11 – (y11 ; z11)
• Elem.5: Nó 11 – (y11 ; z11) a Nó 14 – (y14 ; z14)
• Elem.6: Nó 14 – (y14 ; z14) a Nó 17 – (y17 ; z17)
• Elem.7: Nó 17 – (y17 ; z17) a Nó 19 – (y19 ; z19)

152
SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

z0
b2s

11 12 5 13 14

c2s
15 6
19 18 16

z;v 17
7
d2s 10

sc.s 4 cg.s y;u


hs

d1s

z0.cg.s,z0.sc.s
9
1 2

0 1 3
4 2 y0

c1s 8 7 3 6 5

b1s y0.sc.s y0.cg.s


z0;z
b3s

11 12 5 13 14
cg2

c2s

v 15 6
19 18 16

17
7
b4s 10

4 cg.s,sc.s y
hs

β
b1s u
z0.cg.s,z0.sc.s

2 1
3 1 0
2 4
y0
c1s

5 6 3 7 8

b2s

Figura D.2 – Secção bruta idealizada de um C e de um Z com reforços duplos.

D.2.1.1.b) Secção e linha média nominal com troços rectos

As larguras brutas nominais apresentadas na Figura D.3, podem ser obtidos por:

• hp = hs − gr1 − gr 2 • gr1 = ( r1 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ1) − sin(φ1 ) )


• b1p = b1s − gr1 − gr 3 • gr 2 = ( r2 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 2 ) − sin(φ 2 ) )
• b 2p = b 2s − gr 2 − gr 4 • gr 3 = ( r3 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 3 ) − sin(φ 3 ) )
• c1p = c1s − gr 3 − gr 5 • gr 4 = ( r4 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ 4 ) − sin(φ 4 ) )
• c 2p = c 2s − gr 4 − gr 6 • gr 5 = ( r5 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ5 ) − sin(φ5 ) )
• d1p = d1s − gr 5 • gr 6 = ( r6 + t g 2 ) ⋅ ( tan(φ6 ) − sin(φ6 ) )
• d 2p = d 2s − gr 6 (D.3)

153
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y 0 = ( b1p + gr1 + c1p ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) + y11a = y 8b + hp ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )


• z = z 8b + hp ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )
+ gr 3 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ3 ) + 11a

+ gr 5 ⋅ (cos(2 ⋅ φ3 ) − k r ) − d1p ⋅ k r ) ⋅ k c y11b = y11a + gr 2 ⋅ (cos(2 ⋅ φ1 ) + 1)
z 0 = 0 + (c1p + gr 3 + gr 5 ) ⋅ sin(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k h • z = z 11a + gr 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )
11b

y 2a = y 0 + d1p ⋅ k r ⋅ k c y14a = y11a + b 2p


• •
z 2a = z 0 z 14a = z 11a

y 2b = y 2a + gr 5 ⋅ (k r − cos( 2 ⋅ φ 3 )) ⋅ k c y14b = y14a + gr 4 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 4 ))


• •
z 2b = z 2a − g r 5 ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 14b = z 14a − gr 4 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 5a = y 2b + c1p ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y17a = y14b + c 2p ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )
• •
z 5a = z 2b − c1p ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 17a = z 14b − c 2p ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h

y 5b = y 5a − gr 3 ⋅ (cos(2 ⋅ φ 3 ) + 1) y17b = y17a + gr 6 ⋅ (cos(2 ⋅ φ 4 ) − k r )


• •
z 5b = z 5a − gr 3 ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 17b = z 17a − gr 6 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h

y 8a = y 5b − b1p ⋅ k c y19 = y17b − b 2p ⋅ k r


• •
z 8a = z 5b z 19 = z 17b

y 8b = y 8a + gr1 ⋅ ( −k c + cos(2 ⋅ φ1 ))

z 8b = z 8a + gr1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) (D.4)

Os elementos que constituem a secção bruta nominal são:

• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2a – (y2a ; z2a)


• Elem.2: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 8a – (y8a ; z8a)
• Elem.4: Nó 8b – (y8b ; z8b) a Nó 11a – (y11a ; z11a)
• Elem.5: Nó 11b – (y11b ; z11b) a Nó 14a – (y14a ; z14a)
• Elem.6: Nó 14b – (y14b ; z14b) a Nó 17a – (y17a ; z17a)
• Elem.7: Nó 17b – (y17b ; z17b) a Nó 19 – (y19 ; z19)

154
SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

b2p z0

11a 11b 12 5 13 14a 14b

c2p
15 6
19 18 16
17a

z;v 17b
7
d2p 10

sc.p cg.p y;u


4
d1p

z0.cg.p,z0.sc.p
9
1 2a

0 1 2b
3
4
2 y0
c1p

8b 8a 5b 5a
7 3 6
b1p y0.sc.p y0.cg.p

z0;z
b2p

11a 11b 12 5 13 14a 14b


c2p

v 15 6
16
19 18 17a
17b
7
d2p 10

cg.p,sc.p y
hp

4
β
d1p u
z0.cg.p,z0.sc.p

2a 1
2b 1 0
3
2 4
y0
c1p

5a 5b 8a 8b
6 3 7
b1p

Figura D.3 – Secção bruta nominal de um C e de um Z com reforços duplos.

155
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

D.2.1.2. Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta (sem instab.)

σ2a;17b MvMv σ2b;17a σumax Mv


Mv

σumin Mv σ8b;11a Mv σσ5b;14a


5a;14b
Mv
σ8a;11b Mv Mv
σ0;19

11a 11b 14a 14b σvmax N σvmax Mu


σ11b;14a N σ11b;14a Mu
σ14b NN σ14b Mu
σ11a σ11a Mu
19 17a σ17a N σ17a Mu
17b σ17b;19 N σ17b;19 Mu

cg.p σcg.p N

2a
σ0;2a N σ0;2a Mu
0 2b σ2b N σ2b Mu
σ8b N σ8b MuMu

σ5a N N σ5a Mu
σ5b;8a σ5b;8a
8b 8a 5b 5a σvminN σvmin Mu
σ2b Mvσ2a Mv σ17b Mv σ17a Mv
σumin Mv σumax Mv
σ5a Mv σ11a Mv σ8b Mv σ14a Mvσ14b Mv
σ5b Mvσ0 Mv σ11b Mv σ19 Mv
σ8a Mv

14a 14b σvmax N σvmaxMuMu


σ14a NN σ14aMu
σ14b σ14b
11a 11b
σ11b NN σ11bMu
Mu

17a σ17a N σ17a Mu


v σ11b N σ11b
19 17b
σ17b σ17b Mu
σ19 N σ19 Mu

cg.p
u σcg.p N

σ0 N σ0 Mu
σ2a NN σ2a Mu
2a
0
σ8b N σ8b Mu
σ2b N σ2b Mu
σ8a N σ8a MuMu
2b
8a 8b
σ5a N σ5a Mu
σ5b N σ5b Mu
5a 5b
σvmin σvmin

Figura D.4 – Tensões na secção bruta nominal de um C e de um Z com reforços duplos.

156
SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

D.2.2. Propriedades de secções efectivas

D.2.2.1. Secção efectiva

D.2.2.1.a) Secção efectiva idealizada

As larguras efectivasp idealizadas apresentadas na Figura D.5, podem ser obtidos por:

• c is.i = c is − c is.e1 − c is.e2


N Mu Mv N Mu Mv
• hs.e1 = hs.e1 ; hs.e1 ; hs.e1 • b is.e 2 = b is.e 2 ; b is.e2 ; b is.e 2

• b is.i = b is − b is.e1 − b is.e 2


N Mu Mv N Mu Mv
• hs.e2 = hs.e2 ; hs.e2 ; hs.e2 • dis.e = dis.e ; dis.e ; dis.e

• hs.i = hs − hs.e1 − hs.e 2 • d is.i = dis − dis.e


N Mu Mz
• c is.e1 = c is.e1 ; c is.e1 ; c is.e1
N Mu Mv N Mu Mv
• b is.e1 = b is.e1 ; b is.e1 ; b is.e1 • c is.e 2 = c is.e 2 ; c is.e2 ; c is.e 2 • i=1e2 (D.5)

b2s.e1 b2s.e2 z0
c2s.e

11 5 e1 12 13 5 e2 14
11
1

6 e1
c2s.e

15
h.s.e2

16
4e2 19 18 6 e2
2

z;v 17
7e
d2s.e 10

cg.seff y;u

d1s.e
9
z0.cg.seff

1e 2
h.s.e1

4e1 2 e1
c1s.e1

0 1 3
4
2e2 y0
c1s.e2

8 3e2 7 6 3e1 5

b1s.e2 b1s.e1 y0.cg.seff

z0;z
b2s.e1 b2s.e2
c2s.e1

11 5e1 12 13 5e2 14

6e1
v
c2s.e2

15
hs.e2

16
4e2 19 18 6e2
17
7e
d2s.e 10

cg.seff y
β
d1s.e u
9
z0.cg.seff

2 1e
hs.e1

2e1 1 0 4e1
c1s.e1

3
4
2e2 y0
c1s.e2

5 3e1 6 7 3e2 8

b1s.e1 b1s.e2

Figura D.5 – Secção efectiva idealizada de um C e de um Z com reforços duplos.

157
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y0 = [b1s + c1s ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) − d1s ⋅ kr ] ⋅ kc y10 = y 9 + hs.i ⋅ cos( 2 ⋅ φ1 )


• •
z 0 = 0 + c1s ⋅ sin(2 ⋅ φ3 ) ⋅ kh z10 = z 9 + hs.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ1 )

y1 = y0 + d1s.i ⋅ kr ⋅ k c y11 = y10 + hs.e 2 ⋅ cos( 2 ⋅ φ1 )


• •
z1 = z 0 z11 = z10 + hs.e 2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1 )

y 2 = y1 + d1s.e ⋅ kr ⋅ k c y12 = y11 + b 2s.e1


• •
z 2 = z1 z12 = z11
y3 = y 2 − c1s.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y13 = y12 + b 2s.i
• •
z 3 = z 2 − c1s.e1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ3 ) ⋅ kh z13 = z12
y 4 = y3 − c1s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y14 = y13 + b 2s.e 2
• •
z 4 = z 3 − c1s.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ3 ) ⋅ kh z14 = z13
y5 = y 4 − c1s.e2 ⋅ cos(2 ⋅ φ3 ) ⋅ k c y15 = y14 + c2s.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )
• •
z 5 = z 4 − c1s.e2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ3 ) ⋅ kh z15 = z14 − c 2s.e1 ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ k h

y 6 = y 5 − b1s.e1 ⋅ k c y16 = y15 + c2s.i ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )


• •
z6 = z5 z16 = z15 − c 2s.i ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ k h
y 7 = y 6 − b1s.i ⋅ k c y17 = y16 + c 2s.e2 ⋅ cos(2 ⋅ φ4 )
• •
z7 = z6 z17 = z16 − c2s.e2 ⋅ sin(2 ⋅ φ4 ) ⋅ k h
y 8 = y 7 − b1s.e 2 ⋅ k c y18 = y17 − d2s.e ⋅ k r
• •
z 8 = z7 z18 = z17
y 9 = y 8 + hs.e1 ⋅ cos( 2 ⋅ φ1 ) y19 = y18 − d2s.i ⋅ k r
• •
z 9 = z 8 + hs.e1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ1 ) z19 = z18 (D.6)

Os elementos que constituem a secção efectiva idealizada são:


• Elem.1i: Nó 0 – (y1 ; z1) a Nó 1 – (y1 ; z1)
• Elem.1e: Nó 1 – (y1 ; z1) a Nó 2 – (y2 ; z2)
• Elem.2e1: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2i: Nó 3 – (y3 ; z3) a Nó 4 – (y4 ; z4)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3e1: Nó 5 – (y5 ; z5) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3i: Nó 6 – (y6 ; z6) a Nó 7 – (y7 ; z7)
• Elem.3e2: Nó 7 – (y7 ; z7) a Nó 8 – (y8 ; z8)
• Elem.4e1: Nó 8 – (y8 ; z8) a Nó 9 – (y9 ; z9)
• Elem.4i: Nó 9 – (y9 ; z9) a Nó 10 – (y10 ; z10)
• Elem.4e2: Nó 10 – (y10 ; z10) a Nó 11 – (y11 ; z11)

158
SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

• Elem.5e1: Nó 11 – (y11 ; z11) a Nó 12 – (y12 ; z12)


• Elem.5i: Nó 12 – (y12 ; z12) a Nó 13 – (y13 ; z13)
• Elem.5e2: Nó 13 – (y13 ; z13) a Nó 14 – (y14 ; z14)
• Elem.6e1: Nó 14 – (y14 ; z14) a Nó 15 – (y15 ; z15)
• Elem.6i: Nó 15 – (y15 ; z15) a Nó 16 – (y16 ; z16)
• Elem.6e2: Nó 16 – (y16 ; z16) a Nó 17 – (y17 ; z17)
• Elem.7e: Nó 17 – (y17 ; z17) a Nó 18 – (y18 ; z18)
• Elem.7i: Nó 18 – (y18 ; z18) a Nó 19 – (y19 ; z19)

D.2.2.1.b) Secção efectiva nominal

b2p.e1 b2p.e2 z0
c2p.e

11a 11b 5 e1 12 13 5e2 14a 14b


1

2e2
c2p.e

15
16 2e1
hp.e2

19 18
2

4e2 17a
z;v 17b
1e
d2p.e 10

cg.peff y;u

d1p.e
9
z0.cg.peff

1e 2a
hp.e1

2b
4e1 0 1
2e1
1

3
c1p.e

4
2e2 y0
c1p.e2

8b 8a 5b 5a
3e2 7 6 3e1
b1p.e2 b1p.e1 y0.cg.peff

b2p.e1 b2p.e2 z0;z


c2p.e

11a 11b 5 e1 12 13 5e2 14a 14b


1

2e2
c2p.e

v 15
hp.e2

16 2e1
2

19 18
4e2 17a
17b
1e
d2p.e 10

cg.peff y
β
d1p.e u
9
z0.cg.peff

2a 1e
hp.e1

2b
1 0 4e1
2e1
c1p.e

3
4
y0
1

2e2
c1p.e2

5a 5b 8a 8b
3e1 6 7 3e2
b1p.e1 b1p.e2

Figura D.6 – Secção efectiva nominal de um C e de um Z com reforços duplos.

159
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As larguras efectivasp nominais apresentadas na Figura D.6, podem ser obtidas por:
• cip.i = cip − cip.e1 − cip.e 2
N Mu Mv N Mu Mv
• hp.e1 = hp.e1 ; hp.e1 ; hp.e1 • bip.e2 = bip.e 2 ; bip.e2 ; bip.e2
• bip.i = bip − bip.e1 − bip.e 2
N Mu Mv N Mu Mv
• hp.e 2 = hp.e 2 ; hp.e2 ; hp.e 2 • dip.e = dip.e ; dip.e ; dip.e
• hp.i = hp − hp.e1 − hp.e2 • dip.i = dip − dip.e
N Mu Mz
• cip.e1 = cip.e1 ; cip.e1 ; cip.e1
N Mu Mv N Mu Mv
• bip.e1 = bip.e1 ; bip.e1 ; bip.e1 • cip.e2 = cip.e 2 ; cip.e 2 ; cip.e 2 • i=1e2 (D.7)

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y 0 = ( b1p + gr1 + c1p ⋅ cos(2 ⋅ φ 3 ) + y10 = y 9 + hp.i ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )

+ gr 3 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 3 ) + z 10 = z 9 + hp.i ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )

+ gr 5 ⋅ (cos(2 ⋅ φ 3 ) − k r ) − d1p ⋅ k r ) ⋅ k c y11a = y10 + hp.e 2 ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )
z 0 = 0 + (c1p + gr 3 + gr 5 ) ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h •
z 11a = z 10 + hp.e 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )
y1 = y 0 + d1p.i ⋅ k r ⋅ k c y11b = y11a + gr 2 ⋅ (cos(2 ⋅ φ1 ) + 1)
• •
z1 = z 0 z 11b = z 11a + gr 2 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 )
y 2a = y1 + d1p.e ⋅ k r ⋅ k c y12 = y11a + b 2p.e1
• •
z 2a = z 1 z 12 = z 11a
y 2b = y 2a + gr 5 ⋅ (k r − cos( 2 ⋅ φ 3 )) ⋅ k c y13 = y12 + b 2p.i
• •
z 2b = z 2a − g r 5 ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 13 = z 12
y 3 = y 2b + c 1p.e1 ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y14a = y13 + b 2p.e2
• •
z 3 = z 2b − c1p.e1 ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 14a = z 13
y 4 = y 3 + c1p.i ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y14b = y14a + gr 4 ⋅ (1+ cos(2 ⋅ φ 4 ))
• •
z 4 = z 3 − c1p.i ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 14b = z 14a − gr 4 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 5a = y 4 + c1p.e 2 ⋅ cos( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k c y15 = y14b + c 2p.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )
• •
z 5a = z 4 − c1p.e 2 ⋅ sin( 2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 15 = z 14b − c 2p.e1 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 5b = y 5a − gr 3 ⋅ (cos(2 ⋅ φ 3 ) + 1) y16 = y15 + c 2p.i ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )
• •
z 5b = z 5a − gr 3 ⋅ sin(2 ⋅ φ 3 ) ⋅ k h z 16 = z 15 − c 2p.i ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 6 = y 5b − b1p.e1 ⋅ k c y17a = y16 + c 2p.e2 ⋅ cos(2 ⋅ φ 4 )
• •
z 6 = z 5b z 17a = z 16 − c 2p.e2 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 7 = y 6 − b1p.i ⋅ k c y17b = y17a + gr 6 ⋅ (cos(2 ⋅ φ 4 ) − k r )
• •
z7 = z6 z 17b = z 17a − gr 6 ⋅ sin(2 ⋅ φ 4 ) ⋅ k h
y 8a = y 7 − b1p.e 2 ⋅ k c y18 = y17b − d 2p.e ⋅ k r
• •
z 8a = z 7 z 18 = z 17b
y 8b = y 8a + gr1 ⋅ ( −k c + cos(2 ⋅ φ1 )) y19 = y18 − d 2p.i ⋅ k r
• •
z 8b = z 8a + gr1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) z 19 = z 18
y 9 = y 8b + hp.e1 ⋅ cos(2 ⋅ φ1 )
• •
z 9 = z 8b + hp.e1 ⋅ sin(2 ⋅ φ1 ) (D.8)

160
SECÇÕES COM REFORÇOS DUPLOS

Os elementos que constituem a secção efectiva nominal são:

• Elem.1i: Nó 0 – (y1 ; z1) a Nó 1 – (y1 ; z1)


• Elem.1e: Nó 1 – (y1 ; z1) a Nó 2a – (y2a ; z2a)
• Elem.2e1: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2i: Nó 3 – (y3 ; z3) a Nó 4 – (y4 ; z4)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3e1: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3i: Nó 6 – (y6 ; z6) a Nó 7 – (y7 ; z7)
• Elem.3e2: Nó 7 – (y7 ; z7) a Nó 8a – (y8a ; z8a)
• Elem.4e1: Nó 8b – (y8b ; z8b) a Nó 9 – (y9 ; z9)
• Elem.4i: Nó 9 – (y9 ; z9) a Nó 10 – (y10 ; z10)
• Elem.4e2: Nó 10 – (y10 ; z10) a Nó 11a – (y11a ; z11a)
• Elem.5e1: Nó 11b – (y11b ; z11b) a Nó 12 – (y12 ; z12)
• Elem.5i: Nó 12 – (y12 ; z12) a Nó 13 – (y13 ; z13)
• Elem.5e2: Nó 13 – (y13 ; z13) a Nó 14a – (y14a ; z14a)
• Elem.6e1: Nó 14b – (y14b ; z14b) a Nó 15 – (y15 ; z15)
• Elem.6i: Nó 15 – (y15 ; z15) a Nó 16 – (y16 ; z16)
• Elem.6e2: Nó 16 – (y16 ; z16) a Nó 17a – (y17a ; z17a)
• Elem.7e: Nó 17b – (y17b ; z17b) a Nó 18 – (y18 ; z18)
• Elem.7i: Nó 18 – (y18 ; z18) a Nó 19 – (y19 ; z19)

161
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

162
SECÇÕES EFECTIVAS – PROCESSOS ITERATIVOS

ANEXO E

E. SECÇÕES EFECTIVAS – PROCESSOS ITERATIVOS

E.1. RESUMO

No presente anexo, apresentam-se os métodos iterativos propostos pelo EC3 [E.1-E.5] para o
cálculo das secções efectivas associadas às instabilidades devidas a modos locais e/ou
distorcionais. Em relação ao exposto no capítulo 4 da presente dissertação, os procedimentos
em cada passo são basicamente os mesmos, com a diferença de serem repetidos por meio de
processos iterativos até se atingir um determinado critério de convergência. Salienta-se que
qualquer um destes processos iterativos é facultativo.

E.2. SECÇÕES DE CLASSE 4 - PROPRIEDADES EFECTIVASp

E.2.1. Secção efectivap para a instabilidade local – cálculo das larguras efectivasp

A primeira etapa na determinação de uma secção efectiva consiste no cálculo da tensão crítica
de instabilidade local σcr.l. Este valor pode ser determinado Exacta ou Aproximadamente, como
descrito no capítulo 4.

A segunda opção (procedimento aproximado) é adoptada muito frequentemente. Seguindo


esta via, o primeiro passo na determinação de uma secção efectiva consiste no cálculo das
larguras efectivas dos seus elementos comprimidos de classe 4. Em primeiro lugar, deve ter-se
em atenção a distribuição de tensões a adoptar em cada elemento (parede) da secção. De
acordo com o art.º 5.5.2.(3) do EC3-1-3 [E.4], define-se que ao aplicar o método disposto no
art.º 4.4 de [E.5] EC3-1-5 se deve seguir o seguinte procedimento:
• O parâmetro ψ a utilizar no cálculo da largura efectivap do banzo comprimido de uma
secção submetida a flexão (relação de tensões na extremidades do banzo), deve ser
baseado numa distribuição de tensões com propriedades da secção bruta (obtidas no
Capítulo 3).
• O parâmetro ψ a utilizar no cálculo da largura efectivap do alma de uma secção
submetida a flexão (relação de tensões na extremidades da alma), deve ser baseado
numa distribuição de tensões com propriedades de uma secção composta pela parte
efectiva do banzo comprimido e pela parte bruta da alma.
• A secção efectivap final pode ser optimizada utilizando distribuições de tensões
baseadas em propriedades efectivasp calculadas após os passos anteriores, repetindo-
-os até as larguras efectivas convergirem. Os dois passos anteriores constituem o
número mínimo de etapas iterativas para secções sujeitas a flexão (o processo iterativo
é facultativo).

163
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

As grandezas e respectivas fórmulas e tabelas auxiliares envolvidas no cálculo das larguras


efectivas devidas a instabilidade por modo local estão apresentadas no Capítulo 4.

E.2.2. Secção efectivap para a instab. distorcional – cálculo de espessuras reduzidas

A primeira escolha a efectuar aquando da determinação de uma secção efectiva para a


instabilidade distorcional consiste na opção para o cálculo da tensão crítica de instabilidade
distorcional σcr.d. Tal como no caso da tensão crítica local σcr.l, o valor de σcr.d também pode ser
determinado Exacta ou Aproximadamente, como descrito no capítulo 4.

Tal como na determinação da secção efectivap para a instabilidade local, também neste caso a
segunda opção (procedimento aproximado, mas bastante complexo e moroso) pode ser
adoptada. Seguindo esta via, pode afirmar-se que o cálculo de propriedades efectivasp devido
à instabilidade distorcional inclui diversos procedimentos utilizados no cálculo das larguras
efectivasp para a instabilidade local. A principal diferença ocorre na análise dos banzos
comprimidos com reforços intermédios e/ou de extremidade. No capítulo 4, abordou-se o
método clássico não iterativo (“standard”), pelo que ir-se-á expôr de seguida alguma
informação complementar que permita descrever melhor a metologia iterativa. Desta forma,
pode afirmar-se que o processo iterativo de determinação das espessuras reduzidas baseia-se
nas seguintes etapas:

(i) Determinação da secção efectiva para a instabilidade local, isto é, calcular as larguras
efectivas dos elementos da secção de acordo com as regras referidas anteriormente
(secções 4.3.1 e E.2.1).

Figura E.1 –Determinação da rigidez equivalente ao banzo reforçado.

(ii) Com base nas larguras efectivas calculadas em (i), deve proceder-se à determinação da
rigidez equivalente do “reforço” i (Kst.i).

(iii) Após o cálculo da rigidez Kst.i da mola equivalente, procede-se à determinação da tensão

164
SECÇÕES EFECTIVAS – PROCESSOS ITERATIVOS

crítica do “reforço” i elasticamente restringido (σcr.st.i).

(iv) Com base no valor de σcr,st.i, procede-se à determinação da esbelteza normalizada


distorcional λd.i.
(v) Com base no valor de λd.i e numa curva de dimensionamento proposta pelo EC3-1-3 [E.4]
especificamente dedicada à instabilidade distorcional, determina-se o valor do factor de
redução para a instabilidade distorcional χd.i.
(vi) Caso se pretenda utilizar o método iterativo os pontos (i) a (v) repetem-se, com a diferença
de no cálculo das larguras efectivas que constituem o “reforço” i se utilizar uma tensão de
compressão máxima com o valor de σ(n) com.Ed.i = χ d.i ⋅ σ com.Ed , onde a tensão σ com.Ed é a
(n)

máxima tensão de compressão presente na secção (podendo ser inferior à tensão de


cedência, em verificações de segurança ao estado limite de utilização ou ao estado limite
último em que a encurvadura não seja relevante).
Nos casos em que a encurvadura não é relevante, pode ainda tirar-se partido de tensões
inferiores às tensões de cedência para obter propriedades efectivas mais favoráveis. Para
isso, é necessário determinar as tensão de compressão no centro de gravidade de cada
reforço, que pode ser obtida por considerações geométricas da distribuição de tensões
para a secção bruta, através de:

⎧− v (cgn).i / max( v max ;| v min |) se M uD +


σ (com
n) ⎪
.Ed.cg.i ⎪
= ⎨v (cgn).i / max( v max ;| v min |) se M uD − (E.1)
fyb / γ M 0 ⎪
⎪⎩1.0 se ND ou M vD +
(n) (n)
onde (vi1) ucg.i e v cg.i são, respectivamente, as coordenadas u e v do centro geométrico do
“reforço” i no referencial principal de inércia da secção bruta, (vi2) v max e v min são,
respectivamente, a maior e menor coordenada v (fibras extremas) da secção bruta no
referencial central principal de inércia u-v, (vi3) fyb é a tensão de cedência base do aço
(ver 3.2.2.1) e (vi4) γ M0 é o factor parcial de segurança para a resistência de secções
(ver 3.2.2).

(vii) Tendo por base o valor de χ(n) d.i ,deve proceder-se à determinação da espessura reduzida
do “reforço” i ( t red.i ) dada por:
⎧⎪t i ⋅ χ (dn.i) ≤ t i ELU com encurvadur a
( n+1)
t red.i =⎨ (E.2)
(n) (n)
⎪⎩t i ⋅ χ d.i ⋅ ( fyb / γ M 0 ) / σ com.Ed.cg.i ≤ t i caso contrário

onde ti é a espessura do “reforço” i.

(vii) Finalmente, e após o cálculo das larguras efectivas (ponto (i)) e das espessura reduzidas
(ponto (vi)), obtém-se a secção efectivap final para a instabilidade local e distorcional (por
isso se referiu anteriormente que este procedimento é misto “local-distorcional”) e podem
determinar-se as propriedades efectivas da secção (área e/ou módulos de flexão).

165
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

a) Secção bruta do conjunto banzo+reforço


de extremidade e suas condições de apoio

b) Passo 1: Determinação da secção


efectivap do conjunto banzo + reforço de
extremidade (com K=∞ e σcom.Ed=fyb/γM0). O
conjunto de largura be2 e ceff designa-se por
“reforço”.

c) Passo 2: Cálculo da rigidez da mola e da


tensão crítica σcr do “reforço”.

d) Passo 3: Cálculo do factor de redução


para a instabilidade distorcional χd.

e) Passo 4: Opcionalmente, repetir passos 1


a 3, calculando as larguras efectivasp com
uma tensão de compressão de valor
σ (n) (n)
com.Ed.i = χ d.i ⋅ σ com.Ed, com χd da iteração
anterior, continuando até que χd(n) ≈ χd(n-1)
mas χd(n) ≤ χd(n-1)

f) Passo 5: Cálculo da espessura reduzida


(n)
do “reforço” ( t red ) e determinação da
secção efectiva final

Figura E.2 – Representação esquemática da determinação da secção efectiva para a


instabilidade distorcional (método iterativo).

E.2.3. Secções efectivasp – encadeamento dos processos iterativos

Os organigramas expostos no Capítulo 4 expõem de forma sistematizada o encadeamento dos


processos iterativos para cálculo das propriedades efectivas, mas de forma simplificada pode
dizer-se que a articulação das metodologias iterativas para as duas situações de instabilidade
local e distorcional passam por:

(i) Determinar os valores de ψ nos elementos paralelos ao eixo de flexão, com base no
diagrama de tensões actuantes devidas a M e nas propriedades brutas da secção.
(ii) Determinar os valores das larguras efectivas nos elementos comprimidos paralelos ao
eixo de flexão. No caso de elementos salientes, caso possuam reforços de extremidade
calculam-se as espessuras efectivas devidas a instabilidade por modo distorcional
através quer do método “standard” sem iteração, quer pelo método “iterativo” que tem

166
SECÇÕES EFECTIVAS – PROCESSOS ITERATIVOS

determinados critérios de paragem (ver Capítulo 4).


(iii) Determinar os valores de ψ nos elementos perpendiculares ao eixo de flexão, com base
no diagrama de tensões actuantes devidas a M e nas propriedades de uma secção
constituída pelas (iii1) áreas brutas dos elementos perpendiculares ao eixo de flexão e
(iii2) áreas efectivas dos elementos paralelos ao eixo de flexão (determinadas em (ii)).
(iv) Determinação dos valores das larguras efectivas nos elementos perpendiculares ao eixo
de flexão. Tal como no ponto anterior, no caso de elementos salientes, caso possuam
reforços de extremidade calculam-se as espessuras efectivas devidas a instabilidade por
modo distorcional através quer do método “standard” sem iteração, quer pelo método
“iterativo” que tem determinados critérios de paragem (ver Capítulo 4).
(v) Cálculo das propriedades efectivas relevantes (Weff,y,min e/ou Weff,z,min).
(vi) O método “standard” termina com a obtenção das propriedades efectivas de forma
sequencial não iterativa segundo os pontos (i) a (v). Caso se pretenda utilizar o método
iterativo, os pontos (i) a (v) repetem-se, com a diferença de se utilizar um diagrama de
tensões actuante devido a M e as propriedades efectivas obtidas na iteração anterior em
vez das propriedades da secção bruta.

Percebe-se facilmente, que o método iterativo no seu conjunto, acaba por ser o resultado da
articulação de dois sub-processos que podem ou não ser simultaneamente iterativos:
(i) no cálculo das larguras efectivas e (ii) no cálculo das espessuras efectivas.

167
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

168
EXEMPLO NUMÉRICO 1

ANEXO F

F. EXEMPLO NUMÉRICO 1

F.1. RESUMO

No presente anexo, determinar-se-á a resistência e far-se-á a verificação da segurança de uma


barra com secção em “C” com reforços de extremidade simples de acordo com EC3 [F.1-F.5].
Listar-se-ão as propriedades de secções brutas idealizadas e nominais, no entanto, para
classificação e cálculo de propriedades de secções efectivas e da resistência de barras apenas
serão cobertas as secções aproximadas nominais por se tratar do processo mais abrangente.

F.2. DADOS GERAIS

A secção em estudo foi analisasa por Batista na Universidade de Liège [F.6, F.7].
bg2

r3 r4
cg2

tg
hg

cg1

r2 r1

bg1

Figura F.1 – Dados geométricos – secção bruta real.

As dimensões da secção e o comprimento total da barra são:

• hg = 155 mm; • cg1 = cg2 = 31 mm; • tg = 2 mm;


• bg1 = bg2 = 77 mm; • r1 = r2 = r3 = r4 = 2 mm; • L = 2.279m

O que material que compõe a barra é um aço macio com: (i) fy = 360 MPa; (ii) fy. exp = 397 MPa e
(iii) fu. exp = 540 MPa. A secção está sujeita aos seguintes esforços: |N| = 20.0 kN; |Mu|= 4.7 kN/m;
|Mv|= 1.1 kN/m. Estudaram-se, todas as combinações possíveis destes esforços, quer de sinal, quer de
simultaneadade.

169
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

F.3. CÁLCULO DE PROPRIEDADES

Pretendeu-se com este anexo, expôr da forma mais clara e completa possível os procedimentos
e grandezas intermédias necessárias ao cálculo da resistência de barras. Por essa razão, foram
apresentados, em alguns casos, de forma bastante exaustiva valores intermédios de cálculo,
que tiveram, somente, o objectivo de permitir a alguém que consulte este documento confirmar
se os valores que está a obter no seu próprio cálculo estão correctos.

F.3.1. Propriedades da secção bruta

F.3.1.1. Secção e linha média

F.3.1.1.a)Secção e linha média idealizada

As larguras brutas idealizadas apresentadas nas Figuras F.2 e F.3, podem ser obtidas por:
• hs = 153.0 mm • ∆1= ∆2= ∆3= ∆4= 1.0 mm
• b1s = b2s = 75.0 mm • φ1 = φ2 = φ3 = φ4 = 45º
• c1s = c2s = 30.0 mm • n=4

α1 / 2
c1 s
2
α1 /

cg 1

tg / 2
tg / 2

linha
média
φ1
tg / 2

φ1
Δ1

b1s Δ1
bg1

Figura F.2 – Linha média e larguras idealizadas com troços rectos (idealised flat widths).
z
b2s

8 9 4 10 11
c2s

2
12

v 13
7

sc.s cg.s u
hs

3
zcg.s,zsc.s

6
0

1
c1s

1
y
5 4 2 3 2

b1s ysc.s ycg.s

Figura F.3 – Secção bruta idealizada.

170
EXEMPLO NUMÉRICO 1

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:

y0 = 75.0 mm y5 = 0.0 mm y11 = 75.0 mm


• • •
z0 = 30.0 mm z5 = 0.0 mm z11 = 153.0 mm

y2 = 75.0 mm y8 = 0.0 mm y13 = 75.0 mm


• • •
z2 = 0.0 mm z8 = 153.0 mm z13 = 123.0 mm

Os elementos que constituem a linha média e a secção bruta idealizada são:

• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2 – (y2 ; z2)


• Elem.2: Nó 2 – (y2 ; z2) a Nó 5 – (y5 ; z5)
• Elem.3: Nó 5 – (y5 ; z5) a Nó 8 – (y8 ; z8)
• Elem.4: Nó 8 – (y8 ; z8) a Nó 11 – (y11 ; z11)
• Elem.5: Nó 11 – (y11 ; z11) a Nó 13 – (y13 ; z13)

Cálculo de propriedades

Elem. Extremidades y0.ik.s z0.ik.s y0.jk.s z0.jk.s y0.cg.k.s z0.cg.k.s θk.s sk.s tk.s Ak.s
k i j mm mm mm mm mm mm º mm mm mm2

1s 0 1 75.0 30.0 75.0 30.0

1s 1 2 75.0 30.0 75.0 0.0 75.0 15.0 270.0 30.0 2.0 60.0

2s 2 3 75.0 0.0 37.5 0.0 56.25 0.0 180.0 37.5 2.0 75.0

2s 3 4 37.5 0.0 37.5 0.0

2s 4 5 37.5 0.0 0.0 0.0 18.75 0.0 180.0 37.5 2.0 75.0

3s 5 6 0.0 0.0 0.0 76.5 0.0 38.25 90.0 76.5 2.0 153.0

3s 6 7 0.0 76.5 0.0 76.5

3s 7 8 0.0 76.5 0.0 153.0 0.0 114.75 90.0 76.5 2.0 153.0

4s 8 9 0.0 153.0 37.5 153.0 18.75 153.0 0.0 37.5 2.0 75.0

4s 9 10 37.5 153.0 37.5 153.0

4s 10 11 37.5 153.0 75.0 153.0 56.25 153.0 00.0.0 37.5 2.0 75.0

5s 11 12 75.0 153.0 75.0 123.0 75.0 138.0 270.0 30.0 2.0 60.0

5s 12 13 75.0 123.0 75.0 123.0

Quadro F.1 – Coordenadas de nós, ângulos com a horizontal, comprim., espessuras e área dos elementos da secção bruta idealizada.

NOTA: Rigorosamente, para a análise da secção bruta, apenas se tem que considerar 1 sub-
-elemento por cada elemento da secção; no entanto, como para a análise de secções efectivas
se têm de considerar 3 sub-elementos (2 efectivos e 1 inefectivo) nos elementos interiores e 2
sub-elementos (1 efectivo e 1 inefectivo) nos elementos salientes, optou-se por se sub-dividir os
elementos da secção bruta, para se poder utilizar a mesma base de cálculo quer para secções
brutas como efectivas. O critério de sub-divisão da secção bruta foi o o seguinte:

171
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

⎧⎪biap,n = 0.5 ⋅ bn sub - elementos junto a apoios


• Em almas interiores: ⎨
⎪⎩bint,n = 0 sub - elementos interiores

⎧⎪biap,n = 0.5 ⋅ bn sub - elementos junto a apoios


• Em banzos ou reforços interiores: ⎨
⎪⎩bint,n = 0 sub - elementos interiores

⎧⎪biap,n = bn sub - elementos junto a apoios


• Em banzos ou reforços salientes: ⎨
⎪⎩blivre,n = 0 sub - elem. junto ao bordo livre

⎧ 1 ou 2 sub - elementos junto a apoios


• i=⎨
⎩1 sub - elementos junto ao bordo livre
• n = 1, 2, 3, 4… – elementos (banzos, almas, reforços) que compõem a secção.

Elem. Iyθ.k.s Izθ.k.s Iy0l.k.s Iz0l.k.s Iyz0l.k.s Sy0.k.s Iy0.k.s Sz0.k.s Iz0.k.s Iyz0.k.s
4 4 4 4 4 3 4 3 4
k mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm4

1s

1s 4500 20 4500 20 0 900 18000 4500 337520 67500

2s 8789 25 25 8789 0 0 25 4219 246094 0

2s

2s 8789 25 25 8789 0 0 25 1406 35156 0

3s 74616 51 74616 51 0 5852 298465 0 51 0

3s

3s 74616 51 74616 51 0 17557 2089253 0 51 0

4s 8789 25 25 8789 0 11475 1755700 1406 35156 215156

4s

4s 8789 25 25 8789 0 11475 1755700 4219 246094 645469

5s 4500 20 4500 20 0 8280 1147140 4500 337520 621000

5s

Quadro F.2 – Momentos de inércia próprios, Momentos estáticos e de Inércia dos elementos da secção em torno do referencial base y0-z0.

y0.cg.s z0.cg.s Σsk.s As Sy0.s Iy0.s Sz0.s Iz0.s Iyz0.s Iy0.s* Iz0.s* Iyz0.s*
2 3 4 3 4 4 4 4
mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm4

27.8926 76.5000 363.0 726.0 55539 7064308 20250 1237642 1549125 7064208 1237500 1549125

Quadro F.3 – Coordenadas do centro de gravidade no referencial y0-z0., Área, Momentos estáticos e de
inércia em torno do referencial y0-z0 com e sem inércia própria da secção

172
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Elem. It.k.s Iy0.k.s* Iz0.k.s* Iyz0.k.s* Elem. It.k.s Iy0.k.s* Iz0.k.s* Iyz0.k.s*
4 4 4 4 4 4 4
k mm mm mm mm k mm mm mm mm4

1s 3s

1s 80 18000 337500 67500 3s 204 2089253 0 0

2s 100 0 246094 0 4s 100 1755675 35156 215156

2s 4s

2s 100 0 35156 0 4s 100 1755675 246094 645469

3s 204 298465 0 0 5s 80 1147140 337500 621000

5s

Quadro F.4 – Inércia de torsão de Saint-Venant e Momentos de inércia dos elementos da


secção em torno do referencial base y0-z0., sem a inércia própria

Elem. Extremidades ω0k.s ωik.s ωjk.s Sω0.k.s Iyω0.k.s Izω0.k.s Iωω0.k.s


2 2 2 4 6 6
k i j mm mm mm mm mm mm mm6

1s 0 1

1s 1 2 2250 0 2250 67500 5062500 675000 101250000

2s 2 3 0 2250 2250 168750 9492188 0 379687500

2s 3 4

2s 4 5 0 2250 2250 168750 3164063 0 379687500

3s 5 6 0 2250 2250 344250 0 13167563 774562500

3s 6 7

3s 7 8 0 2250 2250 344250 0 39502688 774562500

4s 8 9 5738 2250 7988 383906 8542969 58737656 2170863281

4s 9 10

4s 10 11 5738 7988 13725 814219 47144531 124575469 9045105469

5s 11 12 2250 13725 15975 891000 66825000 122620500 13256662500

5s 12 13

Quadro F.5 – Coordenadas e constantes sectoriais dos elementos da secção.

y0.sc.s z0.sc.s ysc.s zsc.s usc.s vsc.s


mm mm mm mm mm mm

-41.1327 76.5000 -69.0253 0.0000 -69.0253 0.0000

Quadro F.6 – Coordenadas do centro de corte nos referenciais y0-z0 , y-z e u-v.

173
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Iuω.s Ivω.s Iωω.s Sω0.s Iyω0.s Izω0.s Iωω0.s


6 6 6 4 6 6
mm mm mm mm mm mm mm6

51459685 115808063 12930450271 3182625 140231250 359278875 26882381250

Quadro F.7 – Constantes sectoriais da secção.

Iy.s Iz.s Iyz.s βs Iu.s Iv.s Iw.s It.s Ip.s


mm4 mm4 mm4 º mm4 mm4 mm6 mm6 mm4

2815575 672818 0 0.0000 2815575 672818 4230286307 968.00 6947409

Quadro F.8 – Momentos de inércia em torno do referencial y-z, Ângulo β dos Eixos Principais de
Inércia u-z com o referencial y-z e respectivos Momentos de Inércia, Constante de
empenamento, Inércias de torsão de Saint-Venant e polar da secção.

Elem. ωsik.s ωsjk.s yik.s zik.s yjk.s zjk.s uik.s vik.s ujk.s vjk.s ucg.k.s vcg.k.s
k mm² mm² mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm

1s

1s -9900 -8884 47.107 -46.5 47.107 -76.5 47.107 -46.5 47.107 -76.5 47.107 -61.5

2s -8884 -6015 47.107 -76.5 9.607 -76.5 47.107 -76.5 9.607 -76.5 28.357 -76.5

2s

2s -6015 -3147 9.607 -76.5 -27.893 -76.5 9.607 -76.5 -27.893 -76.5 -9.143 -76.5

3s -3147 0 -27.893 -76.5 -27.893 0.0 -27.893 -76.5 -27.893 0.0 -27.893 -38.25

3s

3s 0 3147 -27.893 0.0 -27.893 76.5 -27.893 0.0 -27.893 76.5 -27.893 38.25

4s 3147 6015 -27.893 76.5 9.607 76.5 -27.893 76.5 9.607 76.5 -9.143 76.5

4s 6015 6015 9.607 76.5 9.607 76.5 9.607 76.5 9.607 76.5 9.607 76.5

4s

5s 8884 9900 47.107 76.5 47.107 46.5 47.107 76.5 47.107 46.5 47.107 61.5

5s

Quadro F.9 – Coordenadas sectoriais em relação ao centro de corte; Coordenadas dos nós nos referenciais y-z e u-v.

Mu Mu Mv Mv
ωmean.s ωs,max.s uj.s vj.s us.min us.max vs.min vs.max ∫(u2+v2)·u ∫(u2+v2)·v σ min.s σ max.s σ min.s σ max.s
mm2 mm2 mm mm mm mm mm mm mm5 mm5 σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed

4384 9900 -92.993 0.00 -28.893 48.107 -77.50 77.50 32245552 0 1.0 -1.0 -0.6006 1.0

Quadro F.10 – Coordenadas sectorial média e máxima, factores uj e vj ; Coordenadas das fibras extremas no referencial
u-v, Integrais para cálculo dos factores uj e vj ;Tensões axiais nas fibras extremas devidas a momentos em
torno de u e v como quociente com a máxima tensão.

174
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Mu Mu Mv Mv
Elem. ∆uk.s ∆vk.s ∫k(u2+vz2)·u ∫k(u2+v2)·v uk.s.min uk.s.max vk.s.min vk.s.max σ ik.s σ jk.s σ ik.s σ jk.s
k mm mm mm5 mm5 mm mm mm mm σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed

1s

1s 0.0 -30.0 17174507 -22975271 46.107 48.107 -76.5 -46.5 0.6 0.9871 0.9792 0.9792

2s -37.5 0.0 14904578 -38863426 9.607 47.107 -77.5 -75.5 0.9871 0.9871 0.9792 0.1997

2s

2s -37.5 0.0 -4311220 -34729225 -27.893 9.607 -77.5 -75.5 0.9871 0.9871 0.1997 -0.5798

3s 0.0 76.5 -11645088 -21677436 -28.893 -26.893 -76.5 0.0 0.9871 0.0 -0.5798 -0.5798

3s

3s 0.0 76.5 -11645088 21677436 -28.893 -26.893 0.0 76.5 0.0 -0.9871 -0.5798 -0.5798

4s 37.5 0.0 -4311220 34729225 -27.893 9.607 75.5 77.5 -0.9871 -0.9871 -0.5798 0.1997

4s

4s 37.5 0.0 14904578 38863426 9.607 47.107 75.5 77.5 -0.9871 -0.9871 0.1997 0.9792

5s 0.0 -30.0 17174507 22975271 46.107 48.107 46.5 76.5 -0.9871 -0.6 0.9792 0.9792

5s

Quadro F.11 – Diferença de dos valores u e v das coordenadas dos nós no referencial u-v; Integrais parciais para
obtenção dos factores uj e vj; Coordenadas das fibras extremas no referencial u-v; Tensões axiais nos nós
dos elementos da secção devidas a momentos em torno de u e v relativamente à máxima tensão.

A secção bruta idealizada possui as seguintes propriedades:

• y0.cg.s = 27.893 mm • Iy.s = 2815575 mm4 • βs = 0.0000 º


• z0.cg.s = 76.500 mm • Iz.s = 672818 mm4 • Iu.s = 2815575 mm4
• ysc.s = -69.025 mm • Iyz.s = 0 mm4 • Iv.s = 672818 mm4
• zsc.s = 0.000 mm • usc.s = -69.025 mm • uj.s = -92.993 mm
• As = 726.0 mm2 • vsc.s = 0.000 mm • vj.s = 0.000 mm
• Iw.s = 4.230 x109 mm6 • It.s = 968.0 mm6 • Ip.s = 6.947 x106 mm4
• fya.s = 387.77 MPa

175
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

F.3.1.1.b)Secção e linha média nominal

As larguras brutas idealizadas apresentadas nas Figuras F.4 e F.5, podem ser obtidas por:
• hp = 151.243 mm • b1p = b2p = 73.243 mm • n=4
• gr1= gr2= gr3= gr4= 0.879 mm • c1p = c2p = 29.121 mm

tg / 2
α1 / 2

c1p
2

c1s
α1 /
tg / 2

linha
média
tg / 2

gr1
b1p gr1

b1s

Figura F.4 – Larguras nominais (notional flat widths).

z
b2p

8a 8b 9 10 11a 11b
c2p

12

v 13
7

sc.p cg.p u
hp

zcg.p,zsc.p

6
0

1
c1p

y
5b 5a 4 3 2b 2a
b1p ysc.p ycg.p

Figura F.5 – Secção bruta nominal.

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y0 = 75.0 mm y5a = 0.879 mm y8b = 0.879 mm y11b = 75.0 mm
• • • •
z0 = 30.0 mm z5a = 0.0 mm z8b = 153.0 mm z11b = 152.121 mm

y2a = 75.0 mm y5b = 0.0 mm y11a = 74.121 mm y13 = 75.0 mm


• • • •
z2a = 0.879 mm z5b = 0.879 mm z11a = 153.0 mm z13 = 123.0 mm

y2b = 74.121 mm y8a = 0.0 mm


• •
z2b = 0.0 mm z8a = 152.121 mm

176
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Os elementos que constituem a secção bruta nominal são:


• Elem.1: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 2a – (y2a ; z2a)
• Elem.2: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 8a – (y8a ; z8a)
• Elem.4: Nó 8b – (y8b ; z8b) a Nó 11a – (y11a ; z11a)
• Elem.5: Nó 11b – (y11b ; z11b) a Nó 13a – (y13 ; z13)

Cálculo de propriedades

Elem. Extremidades y0.ik.s z0.ik.s y0.jk.s z0.jk.s y0.cg.k.s z0.cg.k.s θk.s sk.s tk.s Ak.s
k i j mm mm mm mm mm mm º mm mm mm2

1p 0 1 75.0 30.0 75.0 30.0

1p 1 2a 75.0 30.0 75.0 0.879 75.0 15.439 270.0 29.121 2.0 58.243

2p 2b 3 74.121 0.0 37.5 0.0 55.811 0.0 180.0 36.621 2.0 73.243

2p 3 4 37.5 0.0 37.5 0.0

2p 4 5a 37.5 0.0 0.879 0.0 19.189 0.0 180.0 36.621 2.0 73.243

3p 5b 6 0.0 0.879 0.0 76.5 0.0 38.689 90.0 75.621 2.0 151.243

3p 6 7 0.0 76.5 0.0 76.5

3p 7 8a 0.0 76.5 0.0 152.121 0.0 114.311 90.0 75.621 2.0 151.243

4p 8b 9 0.879 153.0 37.5 153.0 19.189 153.0 0.0 36.621 2.0 73.243

4p 9 10 37.5 153.0 37.5 153.0

4p 10 11a 37.5 153.0 74.121 153.0 55.811 153.0 0.0 36.621 2.0 73.243

5p 11b 12 75.0 152.121 75.0 123.0 75.0 137.561 270.0 29.121 2.0 58.243

5p 12 13 75.0 123.0 75.0 123.0

Quadro F.12 – Coordenadas de nós, ângulos com a horizontal, comprimentos, espessuras e área dos elementos da secção bruta nominal.

y0.cg.p z0.cg.p Σsk.p Ap Sy0.p Iy0.p Sz0.p Iz0.p Iyz0.p Iy0.p* Iz0.p* Iyz0.p*
2 3 4 3 4 4 4 4
mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm4

27.7028 76.5000 355.9706 711.94 54463 6900224 19723 1198329 1508794 6900127 1198189 1508794

Quadro F.13 – Coordenadas do centro de gravidade no referencial y0-z0., Área, Momentos estáticos e de
inércia em torno do referencial y0-z0 com e sem inércia própria da secção

Iy.p Iz.p Iyz.p βp Iu.p Iv.p Iw.p It.p Ip.p


mm4 mm4 mm4 º mm4 mm4 mm6 mm6 mm4

2733767 651951 0 0.0000 2733767 651951 4112827571 949.25 6768148

Quadro F.14 – Momentos de inércia em torno do referencial y-z, Ângulo β dos Eixos Principais de Inércia u-z com o
referencial y-z e respectivos Momentos de Inércia, Constante de empenamento, Inércias de torsão de
Saint-Venant e polar da secção.

177
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Elem. Iyθ.k.p Izθ.k.p Iy0l.k.p Iz0l.k.p Iyz0l.k.p Sy0.k.p Iy0.k.p Sz0.k.p Iz0.k.p Iyz0.k.p
4 4 4 4 4 3 4 3 4
k mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm4

1p

1p 4116 19 4116 19 0 899 18000 4368 327634 67442

2p 8186 24 24 8186 0 0 24 4088 236324 0

2p

2p 8186 24 24 8186 0 0 24 1405 35156 0

3p 72074 50 72074 50 0 5851 298464 0 50 0

3p

3p 72074 50 72074 50 0 17289 2048351 0 50 0

4p 8186 24 24 8186 0 11206 1714561 1405 35156 215038

4p

4p 8186 24 24 8186 0 11206 1714561 4088 236324 625421

5p 4116 19 4116 19 0 8012 1106238 4368 327634 600892

5p

Quadro F.15 – Momentos de inércia próprios, Momentos estáticos e de nércia dos elementos da secção em torno do referencial base y0-z0.

Elem. It.k.p Iy0.k.p* Iz0.k.p* Iyz0.k.p* Elem. It.k.p Iy0.k.p* Iz0.k.p* Iyz0.k.p*
k mm4 mm4 mm4 mm4 k mm4 mm4 mm4 mm4

1p 3p

1p 78 18000 327615 67442 3p 202 2048351 0 0

2p 98 0 236324 0 4p 98 1714537 35156 215038

2p 4p

2p 98 0 35156 0 4p 98 1714537 236324 625421

3p 202 298464 0 0 5p 78 1106238 327615 600892

5p

Quadro F.16 – Inércia de torsão de Saint-Venant e Momentos de inércia dos elementos da secção
em torno do referencial base y0-z0., sem a inércia própria

y0.sc.p z0.sc.p ysc.p zsc.p usc.p vsc.p


mm mm mm mm mm mm

-41.2246 76.5000 -68.9275 0.0000 -68.9275 0.0000

Quadro F.17 – Coordenadas do centro de corte nos referenciais y0-z0 , y-z e u-v.

Iuω.p Ivω.p Iωω.p Sω0.p Iyω0.p Izω0.p Iωω0.p


6 6 6 4 6 6
mm mm mm mm mm mm mm6

49863606 112694491 12573181808 3109562 136007303 350575968 26154887047

Quadro F.18 – Constantes sectoriais da secção.

178
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Elem. Extremidades ω0k.p ωik.p ωjk.p Sω0.k.p Iyω0.k.p Izω0.k.p Iωω0.k.p


2 2 2 4 6 6
k i j mm mm mm mm mm mm mm6

1p 0 1

1p 1 2a 2184 0 2184 63604 4770289 673297 92611401

2p 2b 3 0 2249 2249 164739 9194214 0 370536442

2p 3 4

2p 4 5a 0 2249 2249 164739 3161240 0 370536442

3p 5b 6 0 2248 2248 340062 0 13156790 764615289

3p 6 7

3p 7 8a 0 2248 2248 340062 0 38872757 764615289

4p 8b 9 5603 2382 7985 379664 8537907 58088656 2159665311

4p 9 10

4p 10 11a 5603 7985 13588 790047 45345469 120877264 8713633572

5p 11b 12 2184 13788 15972 866642 64998185 118907205 12918673302

5p 12 13

Quadro F.19 – Coordenadas e constantes sectoriais dos elementos da secção.

Elem. ωsik.p ωsjk.p yik.p zik.p yjk.p zjk.p uik.p vik.p ujk.p vjk.p ucg.k.p vcg.k.p
k mm² mm² mm mm mm mm mm mm mm mm mm mm

1p

1p -9903 -8919 47.297 -46.5 47.297 -75.621 47.297 -46.5 47.297 -75.621 47.297 -61.061

2p -8823 -6022 46.418 -76.5 9.797 -76.5 46.418 -76.5 9.797 -76.5 28.108 -76.5

2p

2p -6022 -3220 9.797 -76.5 -26.824 -76.5 9.797 -76.5 -26.824 -76.5 -8.514 -76.5

3p -3117 0 -27.703 -75.621 -27.703 0.0 -27.703 -75.621 -27.703 0.0 -27.703 -37.811

3p

3p 0 3117 -27.703 0.0 -27.703 75.621 -27.703 0.0 -27.703 75.621 -27.703 37.811

4p 3220 6022 -26.824 76.5 9.797 76.5 -26.824 76.5 9.797 76.5 -8.514 76.5

4p

4p 6022 8823 9.797 76.5 46.418 76.5 9.797 76.5 46.418 76.5 28.108 76.5

5p 8919 9903 47.297 75.621 47.297 46.5 47.297 75.621 47.297 46.5 47.297 61.061

5p

Quadro F.20 – Coordenadas sectoriais em relação ao centro de corte; Coordenadas dos nós nos referenciais y-z e u-v.

179
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Mv
ωmean.p ωs,max.p uj.p vj.p up.min up.max vp.min vp.max ∫(u2+v2)·u ∫(u2+v2)·v σ min.p
Mu
σ max.p
Mu
σ min.p
Mv
σ max.p

mm2 mm2 mm mm mm mm mm mm mm5 mm5 σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed

4368 9903 -93.301 0.00 -28.703 48.297 -77.50 77.50 31773567 0 1.0 -1.0 0.5943 -1.0

Quadro F.21 – Coordenadas sectorial média e máxima; Factores uj e vj ; Coordenadas das fibras extremas no referencial
u-v; Integrais para cálculo dos factores uj e vj ;Tensões axiais nas fibras extremas devidas a momentos em
torno de u e v como quociente com a máxima tensão.

Elem. ∆uk.p ∆vk.p ∫k(u2+vz2)·u ∫k(u2+v2)·v uk.p.min uk.p.max vk.p.min vk.p.max σ ik.p
Mu
σ jk.p
Mu
σ ik.p
Mv
σ jk.p
Mv

k mm mm mm5 mm5 mm mm mm mm
σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed σ max.Ed

1p

1p 0.0 -29.121 16627703 -21969034 46.297 48.297 -75.621 -46.5 0.6 0.9758 0.9793 0.9793

2p -36.621 0.0 14364680 -37843415 9.797 46.418 -77.5 -75.5 0.9871 0.9871 0.9611 0.2029

2p

2p -36.621 0.0 -3903438 -33822827 -26.824 9.797 -77.5 -75.5 0.9871 0.9871 0.2029 -0.5554

3p 0.0 75.621 -11202162 -20739815 -28.703 -26.703 -75.621 0.0 0.9758 0.0 -0.5736 -0.5736

3p

3p 0.0 75.621 -11202162 20739815 -28.703 -26.703 0.0 75.621 0.0 -0.9758 -0.5736 -0.5736

4p 36.621 0.0 -3903438 33822827 -26.824 9.797 75.5 77.5 -0.9871 -0.9871 -0.5554 0.2029

4p

4p 36.621 0.0 14364680 37843415 9.797 46.418 75.5 77.5 -0.9871 -0.9871 0.2029 0.9611

5p 0.0 -29.121 16627703 21969034 46.297 48.297 46.5 75.621 -0.9758 -0.6 0.9793 0.9793

5p

Quadro F.22 – Diferença de dos valores u e v das coordenadas dos nós no referencial u-v; Integrais parciais para obtenção
dos factores uj e vj; Coordenadas das fibras extremas no referencial u-v; Tensões axiais nos nós dos
elementos da secção devidas a momentos em torno de u e v relativamente à máxima tensão.

A secção bruta nominal possui as seguintes propriedades:


• y0.cg.p = 27.703 mm • Iy.p = 2733767 mm4 • βp = 0.0000 º
4
• z0.cg.p = 76.500 mm • Iz.p = 651951 mm • Iu.p = 2733767 mm4
• ysc.p = -68.928 mm • Iyz.p = 0 mm4 • Iv.p = 651951 mm4
• zsc.p = 0.000 mm • usc.p = -68.928 mm • uj.p = -93.301 mm
2
• Ap = 711.94 mm • vsc.p = 0.000 mm • vj.p = 0.000 mm
• Iw.p = 4.113 x109 mm6 • It.p = 949.25 mm6 • Ip.p = 6.768 x106 mm4
• fya.p = 388.32 MPa

180
EXEMPLO NUMÉRICO 1

F.3.1.1.c) Comparação de resultados

A secção bruta idealizada como apresentado anteriormente possui as seguintes propriedades:

• y0.cg.s = 27.893 mm • Iy.s = 2815575 mm4 • βs = 0.0000 º


• z0.cg.s = 76.500 mm • Iz.s = 672818 mm4 • Iu.s = 2815575 mm4
• As = 726.0 mm2 • fya.s = 378.91 MPa • Iv.s = 672818 mm4

A secção bruta idealizada tendo em conta os cantos curvos pelas expressões (3.5) e (3.6) tem
as seguintes propriedades corrigidas:

• δ= 0.0094766 • As,corr = 719.12 mm2 • Iu.s,corr = 2762210 mm4


4
• fya.s.corr = 379.14 MPa • Iv.s,corr = 660066 mm

E as propriedades exactas para a mesma secção são:

• y0.cg = 27.754 mm • Iy = 2754919 mm4 • β= 0.0000 º


• z0.cg = 76.500 mm • Iz = 657185 mm4 • Iu = 2754919 mm4
• A= 715.70 mm2 • fya = 379.26 MPa • Iv = 657185 mm4

Conclui-se por isso que :

• Ap = 99.47% ⋅ A • Iu.p = 99.23% ⋅ Iu • Iv.p = 99.20% ⋅ Iv

• As = 101.44% ⋅ A • Iu.s = 102.20% ⋅ Iu • Iv.s = 102.38% ⋅ Iv

• As,corr = 100.48% ⋅ A • Iu.s,corr = 100.26% ⋅ Iu • Iv.s,corr = 100.44% ⋅ Iv

• Ap = 98.06% ⋅ As • Iu.p = 97.09% ⋅ Iu.s • Iv.p = 96.90% ⋅ Iv.s

• Ap = 99.00% ⋅ As,corr • Iu.p = 98.97% ⋅ Iu.s,corr • Iv.p = 98.77% ⋅ Iv.s,corr

Existe uma grande aproximação entre todos os valores aproximados e os exactos, sendo que os
obtidos da secção idealizada se aproximam por excesso, enquanto os obtidos da secção
nominal por defeito. Salienta-se, no entanto, que as propriedades obtidas a partir da secção
idealizada nem sempre se aproximam de forma tão precisa, variando bastante com o aumento
do raio de curvatura dos cantos e com o aumento da inércia dos perfis.

F.3.1.2. Tensão de cedência média do material (fya)

k ⋅ n ⋅ t2 7 ⋅ 4 ⋅ 22 540 + 360
fya.s = fyb + ( fu − fyb ) ⋅ = 360 + (540 − 360) ⋅ = 387.77 ≤ = 450 (F.1)
As 726.00 2

k ⋅ n ⋅ t2 7 ⋅ 4 ⋅ 22 540 + 360
fya.p = fyb + ( fu − fyb ) ⋅ = 360 + (540 − 360) ⋅ = 388.32 ≤ = 450 (F.1)
Ap 711.94 2

181
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

F.3.1.3. Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta (sem instab.)

F.3.1.3.a)Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta idealizada

σ11;13 Mv σumax Mv
σumin Mv
σ5;8 Mv σ0;2 Mv

8 11
σvmax N σvmax Mu
σ8;11N σ8;11Mu

13 σ13 N σ13 Mu

cg.s σcg.s N

0
σ0 N σ0 Mu

σ2;5 N σ2;5 Mu
5 2 σvmin N σvmin Mu

Figura F.6 – Tensões na secção bruta idealizada.

F.3.1.3.a.1) Devida a esforço axial de compressão

• σN0.s = σN2.s = σN5.s = σN8.s = σ11


N N
.s = σ13.s = fy = 360.0 MPa

F.3.1.3.a.2) Devida a momento positivo em torno de u


M M Mu
• σ 0.us = 0.600·fy MPa • σ 8.us = -0.987·fy MPa • σ vmáx .s = -1.000·fy MPa

M M Mu
• σ 2.us = 0.987·fy MPa • σ11u.s = -0.987·fy MPa • σ v min .s = 1.000·fy MPa

M M
• σ 5.us = 0.987·fy MPa • σ13u.s = -0.600·fy MPa

F.3.1.3.a.3) Devida a momento positivo em torno de v


M M Mv
• σ 0.sv = 0.979·fy MPa • σ 8.sv = -0.580·fy MPa • σumáx .s = 1.000·fy MPa

M M Mv
• σ 2.vs = 0.979·fy MPa • σ11v.s = 0.979·fy MPa • σ umin .s = -0.601·fy MPa

M M
• σ 5.sv = -0.580·fy MPa • σ13v.s = 0.979·fy MPa

182
EXEMPLO NUMÉRICO 1

F.3.1.3.b)Tensões axiais para esforços máximos na secção bruta nominal

σ11b;13 Mv σumax Mv
σ0;2a Mv
σumin Mv σ5b;8a σ2b;11a Mv
Mv

σ5a;8b Mv

8a 8b 11a 11b σvmax N σvmax Mu


σ8b;11a N σ8b;11a Mu
σ8a;11b N σ8a;11b Mu

13 σ13 N σ13 Mu

cg.p σcg.p N

0
σ0 N σ0 Mu

σ2a;5b N σ2a;5b Mu
σ2b;5a N
σ2b;5a Mu
5b 5a 2b 2a σvminN σvminMu

Figura F.7 – Tensões na secção bruta nominal.

F.3.1.3.b.1) Devida a esforço axial de compressão


• σN0.p = σN2a.p = σN2b.p = σN5a.p = σN5b.p = σN8a.p = σN8b.p = σ11
N N N
a.p = σ11b.p = σ13.p = fy = 360.0 MPa

F.3.1.3.b.2) Devida a momento positivo em torno de u


M M M
• σ 0.pu = 0.600·fy MPa • σ 5bu.p = 0.976·fy MPa • σ11ub.p = -0.976·fy MPa
M M M
• σ 2au.p = 0.976·fy MPa • σ 8au.p = -0.976·fy MPa • σ13u.p = -0.600·fy MPa
M M Mu
• σ 2bu.p = 0.987·fy MPa • σ 8bu.p = -0.987·fy MPa • σ vmáx .p = -1.000·fy MPa

M M Mu
• σ 5au.p = 0.987·fy MPa • σ11ua.p = -0.987·fy MPa • σ v min .p = 1.000·fy MPa

F.3.1.3.b.3) Devida a momento positivo em torno de v


M M M
• σ 0.pv = 0.979·fy MPa • σ 5bv.p = -0.574·fy MPa • σ11bv .p = 0.979·fy MPa
M M M
• σ 2av.p = 0.979·fy MPa • σ 8av.p = -0.574·fy MPa • σ13v.p = 0.979·fy MPa
M M Mv
• σ 2bv.p = 0.961·fy MPa • σ 8bv.p = -0.555·fy MPa • σ umáx .p = 1.000·fy MPa

M M Mv
• σ 5av.p = -0.555·fy MPa • σ11va.p = 0.961·fy MPa • σ umin .p = -0.594·fy MPa

183
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

F.3.2. Classificação de secções


A distribuição de tensões a considerar é a que obtém considerando as propriedades brutas da
secção, tal como apresentado Figura F.7. Ver-se-á mais adiante que se trata de uma secção de
Classe 4. De referir que se entende por alma, um elemento (aproximadamente) perpendicular
ao eixo de maior inércia e, por banzo, um elemento (aproximadamente) paralelo ao eixo de
maior inércia.

F.3.2.1. Alma
Como a secção é monosimétrica os eixos principais de inércia são paralelos e perpendiculares
aos eixos da alma. A distribuição de tensões é linearmente variável com linha neutra a meia
altura da alma para momentos em torno de u, constante para momentos em torno de v e para
esforço axial, pelo que nem sequer seria necessário saber os valores das tensões.

Para a classificação apenas interessam distribuições onde exista compressão, daí que apenas
se considerem os esforços onde isso aconteça para cada elemento. A alma tem as seguintes
relações geométricas:

c = hp = 151.243 mm ⎫
• ⎬ c / t = 75.6
t = t p = 2.0 mm ⎭

(a) Devido a esforço axial de compressão

• σ N5b.p = σ N8a.p = fy ⇒ ψ = 1.0 ⇒ (c/t)elast.


lim
= 42ε = 33.9 (Quadro 4.1)
elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ A alma é da Classe 4 para esforço axial de compressão

(b) Devido a momento em torno de u (dada a simetria é indiferente o sinal)

σ M5bu.p = 0.976 ⋅ fy ⎫⎪ σ M8au.p


• ⎬ ψ = Mu
= −1.0 ⇒ (c/t)elast. = 124ε = 100.2 (Quadro 4.1)
σ Mu
8a.p = −0.976 ⋅ fy ⎪⎭ σ 5b.p
lim

elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ A alma é da Classe 3 para momento em torno de u

(c) Devida a momento negativo em torno de v (para momento positivo está à tracção)
− −
• σ M5bv.p = σ M8av.p = 0.574 ⋅ fy ⇒ ψ = 1.0 ⇒ (c/t)elast.
lim
= 42ε = 33.9 (Quadro 4.1)
elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ A alma é da Classe 4 para momento negativo em torno de v

F.3.2.2. Banzos

A secção analisada é monosimétrica, ou seja, a análise para um dos banzos é igual à do


outro, com excepção do sinal do momento flector que provoca instabilidade. A distribuição de
tensões é linearmente variável com linha neutra sem ser a meia altura do banzo para
momentos em torno de v, constante para momentos em torno de u e para esforço axial. No
caso de momentos em torno de v, trata-se de uma situação de flexão composta
(ver Figura F.7).

184
EXEMPLO NUMÉRICO 1

c = b p1 = 73.243 mm ⎫
• ⎬ c / t = 36.6
t = t bp1 = 2.0 mm ⎭

(a) Devido a esforço axial de compressão

• σ N2b.p = σ N5a.p = fy ⇒ ψ = 1.0 ⇒ (c/t)elast.


lim
= 42ε = 33.9 (Quadro 4.1)
elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ O banzo é da Classe 4 para esforço axial de compressão

(b) Devido a momento positivo em torno de u (dada a simetria é indiferente o sinal)


+ +
• σ M2bu.p = σ M5au.p = 0.987 ⋅ fy ⇒ ψ = 1.0 ⇒ (c/t)elast.
lim
= 42ε = 33.9 (Quadro 4.1)
elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ O banzo é da Classe 4 para momento positivo em torno de u

(c) Devida a momento em torno de v

(c.1) Momento positivo


+ +
σ M2bv.p = 0.961⋅ fy ⎪ σ M5av.p elast. 42ε
• ⎬ ψ = M v+ = −0.578 ⇒ (c/t) lim = (Quadro 4.1)
+
σ 5Mav.p = −0.555 ⋅ fy ⎪⎭ σ 2b.p 0.67 + 0.33 ⋅ ψ

elast .
• c / t < (c / t )lim = 70.81 ⇒ O banzo é pelo menos da Classe 3 para momento
positivo em torno de v.
(c.2) Momento negativo


+ +
σ M2bv.p = −0.961⋅ fy ⎪ σ 5Mav.p
• + ⎬ ψ = M +v = −0.578 ⇒ (c / t )lim = 62ε ⋅ [ 1 − (1/ ψ ) ] ⋅ − (1/ ψ )
σ 5Mav.p = 0.555 ⋅ fy ⎪⎭ σ 2b.p
elast .
• c / t < (c / t )lim = 180.12 ⇒ O banzo é pelo menos da Classe 3 para momento
negativo em torno de v.

NOTA: Em ambos os casos, poder-se-ia obter uma distribuição plástica de tensões para ver se
o banzo ainda podia ser classificado como sendo de Classe 1 ou 2, no entanto, dado a alma
ser de Classe 4, não há grande vantagem, pois a classe da secção não irá diminuir.

F.3.2.3. Reforços

A secção analisada é monosimétrica, ou seja, a análise para um dos reforços é igual à do


outro, com excepção do sinal do momento flector que provoca instabilidade. A distribuição de
tensões é linearmente variável não sendo, por isso, uma situação de flexão pura para
momentos em torno de u e, constante para momentos em torno de v e para esforço axial. No
caso de momentos em torno de u, trata-se de uma situação de flexão composta
(ver Figura F.7).

c = c p1 = 29.121mm ⎫
• ⎬ c / t = 14.6
t = t cp1 = 2.0 mm ⎭

185
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(a) Devido a esforço axial de compressão

• σ N0.p = σ N2a.p = fy ⇒ ψ = 1.0 ⇒ (c/t)elast.


lim
= 14ε = 11.3 (Quadro 4.2)
elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ O reforço é da Classe 4 para esforço axial de compressão

(b) Devida a momento positivo em torno de u


+ +
σ M0.pv = 0.600 ⋅ fy ⎪ σ M2av.p
• ⎬ ψ = M v+ = 1.626 ⇒ k σ = 0.609 ⇒ (c/t)elast. = 21ε ⋅ k σ
M v+
σ 0.p
lim
σ 2a.p = 0.976 ⋅ fy ⎪⎭
elast .
• c / t > (c / t )lim = 13.24 ⇒ O reforço é de Classe 4 para momento positivo em
torno de u.

NOTA: O valor de kσ é obtido de forma diferente por se tratar de um reforço de extremidade


simples (ver ponto 4.3.1.1).

(c) Devido a momento negativo em torno de v

• σ M0.pv = σ M2av.p = 0.979 ⋅ fy ⇒ ψ = 1.0 ⇒ (c/t)elast.


lim
= 14ε = 11.3
elast .
• c / t > (c / t )lim ⇒ O reforço é da Classe 4 para momento negativo em torno de u

A secção é da classe 4, pois é essa a pior classificação dos seus elementos.

F.3.3. Propriedades de secções efectivasp


Apresenta-se de seguida o cálculo detalhado de propriedades por meio das larguras
aproximadas nominais.

F.3.3.1. Secções efectivasp – instabilidade local

Calcular-se-ão as larguras efectivasp iniciais devido a instabilidade local para os elementos


(aproximadamente) paralelos ao eixo de flexão (banzos*), que juntamente com as propriedades
brutas dos elementos (aproximadamente) perpendiculares ao eixo de flexão (almas*), permitem
calcular as propriedades efectivasp finais devido a instabilidade local da secção. Os reforços de
extremidade consideram-se como parte dos elementos a que ligam.

Para esforço axial e momento em torno da maior inércia (Mu), consideram-se como banzos* os
elementos (aproximadamente) paralelos ao eixo de maior inércia e como almas* os elementos
(aproximadamente) perpendiculares ao eixo de maior inércia. No caso de momento em torno
da menor inércia (Mv), tem-se o inverso, consideram-se como banzos* os elementos
(aproximadamente) perpendiculares ao eixo de maior inércia e como almas* os elementos
(aproximadamente) paralelos ao eixo de maior inércia (ver Figura F.8).

186
EXEMPLO NUMÉRICO 1

banzo* almas*

banzo*

almas*
Mv

banzo*
Mu

alma*

banzo*

almas*
banzo* almas*

Figura F.8 – Definição de banzo* e de alma*.

F.3.3.1.a) Larguras efectivasp devido a esforço axial de compressão

Para o caso de compressão, os desvios do centro de gravidade não afectam a distribuição de


tensões que é sempre constante, pelo que não existe a necessidade de calcular uma secção
inicial com os banzos* efectivos e alma* bruta à qual está associada uma distribuição de
tensões secundária e que permite o cálculo da secção efectiva final.

F.3.3.1.a.1) Larguras efectivasp iniciais e finais

(a) Alma*
Para compressão o elemento considerado como alma* corresponde à alma “real” da secção.

hp = 151.243 mm ⎫⎪
• h / t = 75.6
t = t hp = 2.0 mm ⎬⎪⎭ p
8.2
• σ N5b.p = σN8a.p = fy ⇒ ψ hp = 1 ⇒ k σ,hp = = 4.0
1.05 + ψ hp
• hp.c = 151.243 mm ; hp.t = 0.0 mm

hp 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb hp t 75.6


• λ p.hp = 2
= = = 1.647 = λ p.red.hp
t π ⋅ E ⋅ k σ,hp 28.4ε ⋅ k σ,hp 22.95 ⋅ 4.0

• K ρ.hp = 0.055 ⋅ (3 + ψ hp ) = 0.055 ⋅ 4 = 0.22


λ p.red.hp − K ρ.hp λ p.hp − λ p.red.hp 1.647 − 0.22
• ρ hp = + 0.18 ⋅ = = 0.526
2
λ
p.red.hp λ p.hp − 0.6 1.647 2

• hp.eff = ρ hp ⋅ hp.c = 0.526 ⋅ 151.243 = 79.55 mm

• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp.eff = 39.787 mm ; hp.i = hp.c − hp.eff = 71.668 mm

(b) Banzos*
Para compressão os elementos considerados como banzos* correspondem aos banzos “reais”
da secção. Para o banzo* correspondente ao banzo inferior “real” obtém-se:

187
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

b p1 = 73.243 mm ⎫
• ⎬ b / t = 36.6
t = t bp1 = 2.0 mm ⎭ p1
8.2
• σ N2b.p = σ N5a.p = fy ⇒ ψ bp1 = 1 ⇒ k σ,bp1 = = 4.0
1.05 + ψ bp1
• b p1.c = 73.243 mm ; b p1.t = 0.0 mm

b p1 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb b p1 t 36.6


• λ p.bp1 = = = = 0.797 = λ p.red.bp1
t 2
π ⋅ E ⋅ k σ,bp1 28.4ε ⋅ k σ,bp1 22.95 ⋅ 4.0

• K ρ.bp1 = 0.055 ⋅ (3 + ψ bp1 ) = 0.055 ⋅ 4 = 0.22


λ p.red.bp1 − K ρ.bp1 λ p.bp1 − λ p.red.bp1 0.797 − 0.22
• ρ b p1 = + 0.18 ⋅ = = 0.908
2
λ
p.red.bp1 λ p.bp1 − 0.6 0.797 2

• b p1.eff = ρ bp1 ⋅ b p1.c = 0.908 ⋅ 73.243 = 66.508 mm

• bp1.e1 = bp1.e 2 = 0.5 ⋅ bp1.eff = 33.254 mm ; bp1.i = bp1.c − bp1.eff = 6.735 mm

De forma semelhante, para o banzo* correspondente ao banzo superior “ obtém-se:


• b p 2.e1 = b p 2.e 2 = 33.254 mm ; b p 2.i = 6.735 mm

(c) Reforços
Os reforços são sempre associados ao elemento a que ligam (banzos “reais da secção) pelo
que para compressão se comportam como banzos*. No caso particular de secções com
reforços de extremidade simples, o factor de encurvadura (kσ) é independente da distribuição
de tensões. Por outro lado, pelo referido no ponto 4.3.1 a tensão a utilizar para a obtenção de
larguras efectivasp (para verificação do Estado Limite de Encurvadura) tem de ser igual a
σ max .Ed = fyb / γ M0 , mesmo que a tensão instalada seja inferior, pelo que as larguras efectivasp
para a compressão e momentos em torno de u e v tomam o mesmo valor. Para o reforço
inferior obtém-se:

c p1 = 29.121mm ⎫
• ⎬ c / t = 14.6
t = t cp1 = 2.0 mm ⎭ p1
• σ N0.p = σ N2a.p = fy ⇒ ψ bp1 = 1 ⇒ ψ cp1 = 1

• k σ,cp1 = 0.5 + 0.83 ⋅ (cp1 bp1 − 0.35)2 / 3 = 0.5 + 0.83 ⋅ (0.398 − 0.35)2 / 3 = 0.609

• c p1.c = 29.121mm ; c p1.t = 0.0 mm

c p1 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb c p1 t 14.6


• λ p.cp1 = = = = 0.813 = λ p.red.cp1
t 2
π ⋅ E ⋅ k σ , c p1 28.4ε ⋅ k σ,cp1 22.95 ⋅ 0.609

• K ρ.cp1 = 0.188

188
EXEMPLO NUMÉRICO 1

λ p.red.cp1 − K ρ.cp1 λ p.cp1 − λ p.red.cp1 0.813 − 0.188


• ρ c p1 = + 0.18 ⋅ = = 0.946
λ 2
p.red.c p1 λ p.cp1 − 0.6 0.813 2
• c p1.eff = ρ cp1 ⋅ c p1.c = 0.946 ⋅ 29.121 = 27.546 mm
• c p1.e = c p1.eff = 27.546 mm ; c p1.i = c p1.c − c p1.eff = 1.575 mm

De forma semelhante, para o reforço superior obtém-se:


• c p 2.e = 27.546 mm ; c p 2.i = 1.575 mm

(d) Cálculo de propriedades


As larguras efectivasp nominais apresentadas na Figura F.9, podem ser obtidas por:
NL NL NL NL NL
• hp.e1 = 39.787 mm • b1p.e1 = b 2p.e 2 = 33.254 mm • c1p.e = c 2p.e = 27.546 mm
NL NL NL NL NL
• hp.i = 71.668 mm • b1p.i = b 2p.i = 6.735 mm • c1p.i = c 2p.i = 1.575 mm
NL NL NL
• hp.e 2 = 39.787 mm • b1p.e 2 = b 2p.e1 = 33.254 mm
As coordenadas dos nós dos vários elementos são:
y0= 75.0 mm y4= 34.132 mm y8a= 0.0 mm • y11b= 75.0 mm
• • •
z0= 30.0 mm z4= 0.0 mm z8a= 152.121 mm z11b= 152.121 mm

y1= 75.0 mm y5a= 0.879 mm y8b= 0.879 mm • y12= 75.0 mm


• • •
z1= 28.425 mm z5a= 0.0 mm z8b= 153.0 mm z12= 124.575 mm

y2a= 75.0mm y5b= 0.0 mm y9= 34.132 mm • y13= 75.0 mm


• • •
z2a= 0.879 mm z5b= 0.879 mm z9= 153.0 mm z13= 123.0 mm

y2b= 74.121 mm y6= 0 mm y10= 40.868 mm


• • •
z2b= 0.0 mm z6= 40.666 mm z10= 153.0 mm

y3= 40.868 mm y7= 0.0 mm y11a= 74.121 mm


• • •
z3= 0.0 mm z7= 112.334 mm z11a= 153.0 mm

As parcelas efectivas e inefectivas da secção bruta idealizada são:


• Elem.1i: Nó 0 – (y0 ; z0) a Nó 1 – (y1 ; z1)
• Elem.1e: Nó 1 – (y1 ; z1) a Nó 2a – (y2a ; z2a)
• Elem.2e1: Nó 2b – (y2b ; z2b) a Nó 3 – (y3 ; z3)
• Elem.2i: Nó 3 – (y3 ; z3) a Nó 4 – (y4 ; z4)
• Elem.2e2: Nó 4 – (y4 ; z4) a Nó 5a – (y5a ; z5a)
• Elem.3e1: Nó 5b – (y5b ; z5b) a Nó 6 – (y6 ; z6)
• Elem.3i: Nó 6 – (y6 ; z6) a Nó 7 – (y7 ; z7)
• Elem.3e2: Nó 7 – (y7 ; z7) a Nó 8a – (y8a ; z8a)

189
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• Elem.4e1: Nó 8b – (y8b ; z8b) a Nó 9 – (y9 ; z9)


• Elem.4i: Nó 9 – (y9 ; z9) a Nó 10 – (y10 ; z10)
• Elem.4e2: Nó 10 – (y10 ; z10) a Nó 11a – (y11a ; z11a)
• Elem.5e: Nó 11b – (y11b ; z11b) a Nó 12 – (y12 ; z12)
• Elem.5i: Nó 12 – (y12 ; z12) a Nó 13 – (y13 ; z13)

b2p.e1 b2p.e2 z

8a 8b 4e1 9 10 4e2 11a 11b

c2p.e
5e
hp.e2

3e2 12

v
7

cg.peff,NL u
Δycg.peff,NL
6
zcg.peff,NL
hp.e1

3e1 1
c1p.e

1e y
5b 5a 2b 2a
2e2 4 3 2e1
b1p.e2 b1p.e1 ycg.peff,NL

Figura F.9 – Secção efectiva nominal devida a N – instab. local.

A secção efectivap nominal devida a N (instab. local) possui as seguintes propriedades:


NL NL NL NL
• y 0.cg.p = 34.070 mm • Ap = 535.36 mm2 • Iz.p ≡ Iv.p = 503412 mm4
NL NL NL NL
• z 0.cg.p = 76.500 mm • Iy.p ≡ Iu.p = 2500650 mm4 • Iyz.p = 0 mm4

F.3.3.1.b) Larguras efectivasp devido a momento em torno de u

Para o caso de momento flector, os desvios do centro de gravidade afectam a distribuição de


tensões, pelo é necessário calcular uma secção inicial com os banzos* efectivos e alma* bruta
à qual está associada uma distribuição de tensões secundária e que permite o cálculo da
secção efectiva final.

F.3.3.1.b.1) Larguras efectivasp iniciais

(a) Alma*
Para momento em torno de u o elemento considerado como alma* corresponde à alma “real”
da secção. Pelo descrito anteriormente, o cálculo de propriedades pressupõe um primeiro
passo em que para a secção efectiva inicial a alma* é considerada toda bruta.

• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp = 75.617 mm ; hp.i = 0 mm

190
EXEMPLO NUMÉRICO 1

(b) Banzos*
Para momento em torno de u os elementos considerados como banzos* correspondem aos
banzos “reais” da secção. Pelo referido a propósito da alma*, apesar da distribuição de
tensões ser diferente para compressão e para momento em torno de u, a tensão a utilizar para
a obtenção de larguras efectivasp tem de ser igual a σ max .Ed = fyb / γ M 0 , logo o apresentado para
a compressão é também válido para momento em torno de u para os banzos*.

(b.1) Momento positivo


Para momento positivo em torno de u, o banzo* superior é totalmente efectivo. Já o inferior
não é, sendo as larguras efectivasp as mesmas que as obtidas para a compressão.

• bp1.e1 = b p1.e2 = 33.254 mm ; bp1.i = 6.735 mm

• bp 2.e1 = bp 2.e 2 = 0.5 ⋅ bp 2 = 36.621mm ; bp 2.i = 0 mm

(b.2) Momento negativo


Para momento negativo em torno de u, a distribuição de tensões inicial é exactamente simétrica
à de momento positivo, pelo que as larguras efectivas dos banzos* são também simétricas.

• bp1.e1 = bp1.e 2 = 0.5 ⋅ bp1 = 36.621mm ; bp1.i = 0 mm

• bp 2.e1 = bp 2.e2 = 33.254 mm ; bp 2.i = 6.735 mm

(c) Reforços
Os reforços são sempre associados ao elemento a que ligam (banzos “reais da secção) pelo
que para momento em torno de u se comportam como banzos*.

(c.1) Momento positivo


Para momento positivo em torno de u, o reforço superior é totalmente efectivo. Para o inferior,
como para reforços simples o coeficiente de encurvadura (kσ) é independente da distribuição de
tensões e a tensão a utilizar tem de ser σ max .Ed = fyb / γ M0 , os resultados obtidos para o esforço
axial de compressão podem ser utilizados.

• c p1.e = 27.546 mm ; c p1.i = 1.575 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

(c.2) Momento negativo


Para momento negativo em torno de u, a distribuição de tensões inicial é exactamente simétrica
à de momento positivo, pelo que as larguras efectivas dos reforços são também simétricas.

• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

• c p 2.e = 27.546 mm ; c p 2.i = 1.575 mm

191
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(d) Cálculo de propriedades


(d.1) Momento positivo
• y M0.ucg
+
L
.p =
27.299 mm • IMy.pu+L = 2645883 mm4 • β pMu+L = -0.5040 º
• z M0.ucg
+
L
.p =
78.196 mm • IMz.pu+L = 643447 mm4 • IuM.pu+L = 2646038 mm4
• A pMu+L = 695.32 mm2 • IMyz.u+pL = 17618 mm4 • IMv.pu+L = 643292 mm4

(d.2) Momento negativo


• y M0.ucg

L
.p = 27.299 mm
• IMy.pu−L = 2645883 mm4 • βpMu−L = 0.5040 º
• z M0.ucg

L
.p = 74.804 mm
• IMz.pu−L = 643447 mm4 • IuM.pu−L = 2646038 mm4
• A pMu−L = 695.32 mm2 • IMyzu.−pL = -17618 mm4 • IMv.pu−L = 643292 mm4

NOTA: Como se pode observar nos resultados anteriores, dada a assimetria das larguras
efectivas, para além da translação do centro de gravidade, ocorre uma rotação dos eixos
principais de inércia da secção efectiva em relação aos da secção bruta. A abordagem do EC3
despreza estas rotações, assumindo os eixos principais da secção efectiva como paralelos aos
eixos principais da secção bruta. Para secções onde ocorram valores muito grandes dessa
rotação, a metodologia para o cálculo de resistência de secções e de barras definida em
EC3-1-3 [F.4] perde validade. Por esta razão, consideram-se os momentos de inércia em torno
dos eixos principais rodados como aproximadamente iguais aos momentos de inércia em torno
de eixos principais paralelos aos da secção bruta.

F.3.3.1.b.2) Distribuição de tensões secundária

A distribuição de tensões secundária obtém-se por meio de um processo sequencial, no qual as


larguras efectivasp dos banzos são baseadas na distribuição de tensões associadas à secção
bruta, mas as da(s) alma(s) são baseadas numa distribuição de tensões associada a uma
secção com os banzos efectivos e alma(s) bruta(s). Como existe uma distribuição de tensões
para cada secção efectivap, optou-se por não as apresentar integralmente no texto, mas
dispondo os valores relevantes para a obtenção das larguras efectivasp finais.

F.3.3.1.b.3) Larguras efectivasp finais

(a) Alma*
Tal como referido anteriormente o efeito da eventual instabilidade local nas paredes da alma*
é contabilizado pelo cálculo de larguras efectivasp com base numa distribuição de tensões
secundária numa secção com banzos* efectivos e almas* brutas.

(a.1) Momento positivo


Apesar da distribuição de tensões na secção bruta ser simétrica (dada a simetria da secção em
torno de u) a distribuição secundária de tensões pode não o ser, pois a existência de parcelas
inefectivas no banzo inferior, provoca a subida de linha neutra.
hp = 151.243 mm ⎫⎪
• h / t = 75.6
t = t hp = 2.0 mm ⎬⎪⎭ p

192
EXEMPLO NUMÉRICO 1

σM5bu.p = 0.976⋅ fy ⎫⎪ σ8Mau.p


• ψ
⎬ hp = Mu
= −0.956 ⇒ k σ,hp = 7.81− 6.29⋅ ψhp + 9.78⋅ ψh2p = 22.765
σ8Mau.p = −0.933⋅ fy ⎪⎭ σ5b.p

• hp.c = hp (1− ψ hp ) = 77.318 mm ; hp.t = hp - hp.c = 73.925 mm

hp 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb hp t 75.6


• λ p.hp = 2
= = = 0.690
t π ⋅ E ⋅ k σ,hp 28.4ε ⋅ k σ,hp 22.95 ⋅ 22.765

σ com.Ed.hp ⋅ γ M0
• λ p.red.hp = λ p.hp ⋅ = λ p.hp = 0.690
fyb

• K ρ.hp = 0.055 ⋅ (3 − 0.956) = 0.055 ⋅ 2.044 = 0.112


λ p.red.hp − K ρ.hp λ p.hp − λ p.red.hp 0.690 − 0.112
• ρhp = + 0.18 ⋅ = = 1.214
2
λ
p.red.hp λ p.hp − 0.6 0.6902
como ρ hp > 1 ⇒ ρ hp = 1.0

• hp.e1 = hp.e2 = 0.5 ⋅ 151.243 = 75.621 mm ; hp.i = 0.0 mm

(a.2) Momento negativo


Dada a simetria da secção, a distribuição de tensões secundária da alma associada a
momento positivo em torno de u é simétrica à distribuição de tensões associada a momento
negativo em torno de u. As larguras efectivasp na alma têm o mesmo valor, mas
posicionamento simétrico.

• hp.e1 = hp.e2 = 0.5 ⋅ 151.243 = 75.621 mm ; hp.i = 0.0 mm

(b) Banzos*
Para ambos os banzos* inferior e superior, as larguras efectivasp iniciais determinadas
anteriormente, são as que juntamente com as secundárias das almas* e dos reforços
constituem a secção efectivap final para momento em torno de u. Por essa razão não é
necessário fazer nenhum cálculo adicional de larguras efectivasp dos banzos* baseado na
distribuição de tensões secundária.

(b.1) Momento positivo


• bp1.e1 = b p1.e2 = 33.254 mm ; bp1.i = 6.735 mm

• bp 2.e1 = bp 2.e 2 = 0.5 ⋅ bp 2 = 36.621mm ; bp 2.i = 0 mm

(b.2) Momento negativo


• bp1.e1 = bp1.e 2 = 0.5 ⋅ bp1 = 36.621mm ; bp1.i = 0 mm

• bp 2.e1 = bp 2.e2 = 33.254 mm ; bp 2.i = 6.735 mm

193
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(c) Reforços
Tanto o reforço inferior como o superior, para momentos em torno de u são considerados
como parte dos banzos*, logo, as larguras efectivasp iniciais determinadas anteriormente,
constituem juntamente com as das almas* e dos banzos* a secção efectivap final para momento
positivo em torno de u. Por essa razão não é necessário fazer nenhum cálculo adicional de
larguras efectivasp dos reforços baseado na distribuição de tensões secundária.

(c.1) Momento positivo


• c p1.e = 27.546 mm ; c p1.i = 1.575 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

(c.2) Momento negativo


• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

• c p 2.e = 27.546 mm ; c p 2.i = 1.575 mm

(d) Cálculo de propriedades


Apenas será analisada o caso de momentos positivos em torno de u, para momentos negativos
a distribuição de tensões é simétrica em torno de u e as propriedades semelhantes. As larguras
efectivasp nominais apresentadas na Figura F.10, podem ser obtidos por:
+ + + +
• hpM.eu1L = 75.621 mm • b1Mp.ueL1 = 33.254 mm • b M2pu.Le1 = 36.621 mm • c1Mp.ueL = 27.546 mm
+
M+L + +
• hpM.iu L = 0.0 mm • b1p.ui = 6.735 mm • b M2pu.Li = 0.0 mm • c1Mp.uiL = 1.575 mm
+ + + +
• hpM.eu L2 = 75.621 mm • b1Mp.ueL2 = 33.254 mm • b M2pu.Le2 = 36.621 mm • c M2pu.Le = 29.121 mm
+
• c M2pu.Li = 0.0 mm
As coordenadas dos nós dos vários elementos são:
y0= 75.0 mm y4= 34.132 mm y8a= 0.0 mm • y11b= 75.0 mm
• • •
z0= 30.0 mm z4= 0.0 mm z8a= 152.121 mm z11b= 152.121 mm

y1= 75.0 mm y5a= 0.879 mm y8b= 0.879 mm • y12= 75.0 mm


• • •
z1= 28.425 mm z5a= 0.0 mm z8b= 153.0 mm z12= 123.0 mm

y2a= 75.0mm y5b= 0.0 mm y9= 37.5 mm • y13= 75.0 mm


• • •
z2a= 0.879 mm z5b= 0.879 mm z9= 153.0 mm z13= 123.0 mm

y2b= 74.121 mm y6= 0 mm y10= 37.5 mm


• • •
z2b= 0.0 mm z6= 76.5 mm z10= 153.0 mm

y3= 40.868 mm y7= 0.0 mm y11a= 74.121 mm


• • •
z3= 0.0 mm z7= 76.5 mm z11a= 153.0 mm

194
EXEMPLO NUMÉRICO 1

À semelhança, dos casos casos anteriores, a secção efectiva é constituída pelas parcelas
efectivas e inefectivas da secção bruta. A secção efectivap nominal devida a Mu+ (instab. local)
possui as seguintes propriedades:
+ + + +
• y M0.ucgL .p = 27.299 mm • A pMu L = 695.32 mm2 • IMz.pu L ≈ IMv.pu L = 643447 mm4
+ + + +
• z M0.ucgL .p = 78.196 mm • IMy.pu L ≈ IuM.pu L = 2645883 mm4 • IMyz.usL = 17618 mm4

NOTA: Tal como referido anteriormente, a eventual rotação dos eixos principais de inércia da
secção efectiva em relação aos eixos principais da secção bruta é desprezada. Para secções
valores muito grandes dessa rotação, a metodologia para o cálculo de resistência de secções e
de barras definida em [F.4] EC3-1-3 não é válida.
z
b2p.e1 b2p.e2

8a 8b 4e1 9=10 4e2 11a 11b


c2p.e

5e

Δzcg.peff,MuL+
v 12=13
hp.e2

3e2
cg.peff,MuL+
u β
Δycg.peff,MuL+
zcg.peff,MuL+

1
6
c1p.e
hp.e1

3e1 1e
y
5b 5a 2b 2a
2e2 4 3 2e1
b1p.e2 b1p.e1 ycg.peff,MuL+

Figura F.10 – Secção efectiva nominal devida a Mu+ – instab. local.

F.3.3.1.c) Larguras efectivasp devido a momento em torno de v


Para o caso de momento flector, os desvios do centro de gravidade afectam a distribuição de
tensões, pelo é necessário calcular uma secção inicial com os banzos* efectivos e alma* bruta
à qual está associada uma distribuição de tensões secundária e que permite o cálculo da
secção efectivap final.

F.3.3.1.c.1) Larguras efectivasp iniciais


(a) Almas*
Para momento em torno de v os elementos considerados como almas* correspondem aos
banzos “reais” da secção. Por se considerarem como almas*, neste passo da metodologia,
consideram-se as suas propriedades brutas. As larguras e propriedades efectivasp serão obtidas
com base numa distribuição de tensões secundária.

• bp1.e1 = bp1.e 2 = 0.5 ⋅ bp1 = 36.621mm ; bp1.i = 0 mm

• bp 2.e1 = bp 2.e2 = 0.5 ⋅ bp 2 = 36.621mm ; bp 2.i = 0 mm

195
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(b) Banzo*
Para momento em torno de v o elemento considerado como banzo* corresponde à alma “real”
da secção. Pelo descrito anteriormente, o cálculo de propriedades pressupõe um passo em
que, para a secção efectiva inicial, a alma* é considerada toda bruta e os banzos* efectivos.
Dada a falta de simetria em torno do eixo v, serão analisadas as situações de momentos
positivos e negativos.

(b.1) Momento positivo


Para momento positivo em torno de v, o banzo* está à tracção, logo é totalmente efectivo.

• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp = 75.617 mm ; hp.i = 0 mm

(b.2) Momento negativo


hp = 151.243 mm ⎫⎪

t = t hp = 2.0 mm ⎬ hp / t = 75.6
⎪⎭
8.2
• σ 5Mbv.p = σ M8av.p = 0.574 ⋅ fy ⇒ ψ hp = 1 ⇒ k σ,hp = = 4.0
1.05 + ψ hp
• hp.c = 151.243 mm ; hp.t = 0.0 mm

hp 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb hp t 75.6


• λ p.hp = 2
= = = 1.647
t π ⋅ E ⋅ k σ,hp 28.4ε ⋅ k σ,hp 22.95 ⋅ 4.0

σ com.Ed.hp ⋅ γ M0 σ max .Ed.hp ⋅ γ M0


• λ p.red.hp = λ p.hp ⋅ = λ p.hp ⋅ =λ p.hp = 1.647
fyb fyb

• K ρ.hp = 0.055 ⋅ (3 + ψ hp ) = 0.055 ⋅ 4 = 0.22


λ p.red.hp − K ρ.hp λ p.hp − λ p.red.hp 1.647 − 0.22
• ρ hp = + 0.18 ⋅ = + 0 = 0.526
2
λ
p.red.hp
λ p.hp − 0.6 1.647 2

• hp.eff = ρ hp ⋅ hp.c = 0.526 ⋅ 151.243 = 79.575 mm

• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp.eff = 39.787 mm ; hp.i = hp.c − hp.eff = 71.668 mm

NOTA: Como referido no ponto 4.3.1 a tensão de compressão a utilizar para a obtenção de
larguras efectivasp (para verificação do Estado Limite de Encurvadura) tem de ser igual a
σ max .Ed = fyb / γ M0 mesmo que a tensão instalada seja inferior. Para momentos negativos em
torno de v que geram a cedência das fibras com maior coordenada u por tracção, as fibras à
compressão (na alma) têm valores de tensão significativamente inferiores a σ max .Ed = fyb / γ M0
pois o centro de gravidade da secção não está equidistante de ambas)

(c) Reforços
Dado considerarem-se como parte do elemento a que ligam (neste caso os banzos “reais” da
secção) para momento em torno de v são considerados como parte da alma*, pelo que neste
passo de cálculo são considerados brutos quer para momentos negativos quer para positivos.

196
EXEMPLO NUMÉRICO 1

(c.1) Momentos positivo e negativo


• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

(d) Cálculo de propriedades

(d.1) Momentos positivo

• y M0.cg
+
vL
.p =
27.703 mm • IMy.p+v L = 2733767 mm4 • β pM +v L = 0.0000 º
• z M0.cg
+
vL
.p =
76.500 mm • IMz.p+v L = 651951 mm4 • IuM.p+v L = 2733767 mm4
• A pM +v L = 711.94 mm2 • IMyz.+vpL = 0 mm4 • IMv.p+v L = 651951 mm4

(d.2) Momentos negativo


− − −
• y M0.cg
vL
.p = 34.686 mm • IMy.pv L = 2672416 mm4 • β pM v L = 0.0000 º
− − −
• z M0.cg
vL
.p = 76.5 mm • IMz.pv L = 514171 mm4 • IuM.pv L = 2672416 mm4
− − −
• A pM v L = 568.61 mm2 • IMyz.vpL = 0 mm4 • IMv.pv L = 514171 mm4

F.3.3.1.c.2) Distribuição de tensões secundária

A distribuição de tensões secundária obtém-se por meio de um processo sequencial, no qual as


larguras efectivasp dos banzos são baseadas na distribuição de tensões associadas à secção
bruta, mas as da(s) alma(s) são baseadas numa distribuição de tensões associada a uma
secção com os banzos efectivos e alma(s) bruta(s). Como existe uma distribuição de tensões
para cada secção efectivap, optou-se por não as apresentar integralmente no texto, mas
dispondo os valores relevantes para a obtenção das larguras efectivasp finais.

F.3.3.1.c.3) Larguras efectivasp finais

(a) Almas*
Tal como referido anteriormente o efeito da eventual instabilidade local nas paredes da alma*
é contabilizado pelo cálculo de larguras efectivasp com base numa distribuição de tensões
secundária numa secção com banzos* efectivos e almas* brutas. Os elementos considerados
como almas* correspondem aos banzos “reais” da secção.

(a.1) Momentos positivo


Qualquer uma das almas* podem ser parcialmente inefectivos. As larguras efectivas calculam-
-se da forma seguinte:

b p1 = 73.243 mm ⎫
• ⎬ b / t = 36.6
t = t bp1 = 2.0 mm ⎭ p1
σM2bv.p = 0.961⋅ fy ⎫⎪ σM5av.p
• ψ
⎬ bp1 = Mv
= −0.578 ⇒ k σ,bp1 = 7.81− 6.29⋅ ψbp1 + 9.78⋅ ψb2p1 = 14.711
σ5Mav.p = −0.555⋅ fy ⎪⎭ σ2b.p

197
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• bp1.c = bp1 (1− ψ bp1 ) = 46.419 mm ; bp1.t = bp1 - bp1.c = 26.824 mm

bp1 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb b p1 t 36.6


• λ p.bp1 = 2
= = = 0.416 = λ p.red.bp1
t π ⋅ E ⋅ k σ,bp1 28.4ε ⋅ k σ,bp1 22.95 ⋅ 14.711

• K ρ.bp1 = 0.055 ⋅ (3 + ψ bp1 ) = 0.055 ⋅ 2.422 = 0.133


λp.red.bp1 − K ρ.bp1 λp.bp1 − λp.red.bp1 0.416 − 0.133
• ρbp1 = + 0.18 ⋅ = = 1.635
λ 2
p.red.bp1 λp.bp1 − 0.6 0.4162
como ρ bp1 > 1 ⇒ ρ bp1 = 1.0

• bp1.e1 = bp1.e2 = 0.5 ⋅ 73.243 = 36.621 mm ; bp1.i = 0.0 mm

Para a outra alma* (correspondente ao banzo superior “real” da secção) as larguras efectivas
são iguais.
• bp2.e1 = bp2.e2 = 0.5 ⋅ 73.243 = 36.621 mm ; bp1.i = 0.0 mm

(a.2) Momentos negativo


Para momento negativo o processo é semelhante.

b p1 = 73.243 mm ⎫
• ⎬ b / t = 36.6
t = t bp1 = 2.0 mm ⎭ p1
σ M2bv.p = −0.955 ⋅ fy ⎫⎪ σ M5av.p
• Mv
ψ
⎬ bp1 = = −0.857 ⇒ k σ,bp1 = 5.98 ⋅ (1− 1 ψ bp1 )2 = 28.067
σ 5a.p = +0.818 ⋅ fy ⎪⎭ Mv
σ 2b.p

NOTA: Na implementação computacional feita no presente trabalho, a relação de


tensões é sempre obtida por ψ = σ j σ i , em que σ i e σ j , são respectivamente, as
tensões no nó inicial e final do elemento em análise. Como no quadro 4.4,
ψ EC3 = σ1 σ 2 e σ1 e σ 2 , são respectivamente, as tensões de compressão e de tracção
nas extremidades do elemento em análise, para se obterem os valores correctos tem de
se entrar com um valor de ψ EC3 = 1 ψ no cálculo de k σ,bp1 , bp1.c e K ρ,bp1 .

• b p1.c = b p1 (1− 1 ψ bp1 ) = 33.808 mm ; b p1.t = b p1 - b p1.c = 39.435 mm

b p1 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb b p1 t 36.6


• λ p.bp1 = = = = 0.301 = λ p.red.bp1
t π ⋅ E ⋅ k σ,bp1
2
28.4ε ⋅ k σ,bp1 22.95 ⋅ 28.067

• K ρ.bp1 = 0.055 ⋅ (3 + 1 ψ bp1 ) = 0.055 ⋅ 1.834 = 0.101


λ p.red.bp1 − K ρ.bp1 λ p.bp1 − λ p.red.bp1 0.301− 0.101
• ρbp1 = + 0.18 ⋅ = = 2.209
λ2
p.red.bp1
λ p.bp1 − 0.6 0.3012
como ρ bp1 ≤ 1 ⇒ ρ bp1 = 1.0

• bp1.e1 = bp1.e2 = 0.5 ⋅ 73.243 = 36.621 mm ; bp1.i = 0.0 mm

198
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Para a outra alma* (correspondente ao banzo superior “real” da secção) as larguras efectivas
são iguais.
• bp2.e1 = bp2.e2 = 0.5 ⋅ 73.243 = 36.621 mm ; bp1.i = 0.0 mm

(b) Banzo*
Para o banzo* (correspondente à alma “real” da secção) as larguras efectivasp iniciais
determinadas anteriormente, são as que juntamente com as secundárias das almas* e dos
reforços constituem a secção efectivap final para momento em torno de v. Por essa razão não é
necessário fazer nenhum cálculo adicional de larguras efectivasp do banzo* baseado na
distribuição de tensões secundária.

(b.1) Momento positivo


• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp = 75.617 mm ; hp.i = 0 mm

(b.2) Momento negativo


• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp.eff = 39.787 mm ; hp.i = hp.c − hp.eff = 71.668 mm

(c) Reforços
Tanto o reforço inferior como o superior, para momentos em torno de v são considerados
como parte das almas* (banzos “reais” da secção), pelo que é necessário fazer o cálculo
adicional de larguras efectivasp dos reforços baseado na distribuição de tensões secundária.

(c.1) Momento positivo


Para momento positivo, como para reforços simples o coeficiente de encurvadura (kσ) é
independente da distribuição de tensões e a tensão a utilizar tem de ser σ max .Ed = fyb / γ M0 , os
resultados obtidos para o esforço axial de compressão podem ser utilizados.

• c p1.e = 27.546 mm ; c p1.i = 1.575 mm


• c p 2.e = 27.546 mm ; c p 2.i = 1.575 mm

(c.2) Momento negativo


Para momento negativo em torno de v, ambos os reforços são totalmente efectivos.
• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm
• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

(d) Cálculo de propriedades


(d.1) Momento positivo
As larguras efectivasp nominais apresentadas na Figura F.11, podem ser obtidas por:
+ + + +
• hpM.ev1L = 75.621 mm • b1Mp.veL1 = 36.621 mm • b M2pv.Le1 = 36.621 mm • c1Mp.veL = 27.546 mm
+ + + +
• hpM.iv L = 0 mm • b1Mp.viL = 0 mm • b M2pv.Li = 0 mm • c1Mp.viL = 1.575 mm
+ + + +
• hpM.ev L2 = 75.621 mm • b1Mp.veL2 = 36.621 mm • b M2pv.Le 2 = 36.621 mm • c M2pv.Le = 27.546 mm
+
• c M2pv.Li = 1.575 mm

199
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

b2p.e2 z
b2p.e1

8a 8b 4e1 9 10 11a 11b

4e2

c2p.e
5e
3e2
hp.e2

cg.peff,MvL+
6=7 u
Δycg.peff,MvL+

zcg.peff,MvL+
hp.e1

1
3e1
c1p.e 2e1 1e y
5b 5a 2b 2a
2e2 4 3
b1p.e2 b1p.e1 ycg.peff,MvL+

Figura F.11 – Secção efectiva nominal devida a Mv+ – instab. local.

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y0= 75.0 mm y4= 37.5 mm y8a= 0.0 mm • y11b= 75.0 mm
• • •
z0= 30.0 mm z4= 0.0 mm z8a= 152.121 mm z11b= 152.121 mm

y1= 75.0 mm y5a= 0.879 mm y8b= 0.879 mm • y12= 75.0 mm


• • •
z1= 28.425 mm z5a= 0.0 mm z8b= 153.0 mm z12= 124.575 mm

y2a= 75.0mm y5b= 0.0 mm y9= 37.5 mm • y13= 75.0 mm


• • •
z2a= 0.879 mm z5b= 0.879 mm z9= 153.0 mm z13= 123.0 mm

y2b= 74.121 mm y6= 0 mm y10= 37.5 mm


• • •
z2b= 0.0 mm z6= 76.5 mm z10= 153.0 mm

y3= 37.5 mm y7= 0.0 mm y11a= 74.121 mm


• • •
z3= 0.0 mm z7= 76.5 mm z11a= 153.0 mm

À semelhança, dos casos casos anteriores, a secção efectiva é constituída pelas parcelas
efectivas e inefectivas da secção bruta. A secção efectivap nominal devida a Mv+ (instab. local)
possui as seguintes propriedades:
+ + + +
• y M0.cg
vL
.p = 27.281 mm • A pM v L = 705.64 mm2 • IMz.pv L ≡ IMv.pv L = 637731 mm4
+ + + +
• z M0.cg
vL
.p = 76.5 mm • IMy.pv L ≡ IuM.pv L = 2719678 mm4 • IMyz.vpL = 0.0 mm4

NOTA: À semelhança dos casos de momentos em torno do eixo u, a eventual rotação dos
eixos principais de inércia da secção efectiva em relação aos eixos principais da secção bruta é
desprezada. Para secções valores muito grandes dessa rotação, a metodologia para o cálculo
de resistência de secções e de barras definida em [F.4] EC3-1-3 não é válida.

200
EXEMPLO NUMÉRICO 1

(d.2) Momento negativo


b2p.e1 z
b2p.e2

8a 8b 9 10 4e2 11a 11b

4e1

c2p.e
hp.e2 5e
3e2
v
7

cg.peff,MvL-u
Δycg.peff,MvL-

zcg.peff,MvL-
6
hp.e1

3e1

c1p.e
1e
2e2 y
5b 5a 2b 2a
4 3 2e1
b1p.e2 b1p.e1 ycg.peff,MvL-

Figura F.12 – Secção efectiva nominal devida a Mv- – instab. local.

As larguras efectivasp nominais apresentadas na Figura F.12, podem ser obtidas por:
− − − −
• hpM.ev1L = 39.787 mm • b1Mp.veL1 = 36.621 mm • b M2pv.Le1 = 36.621 mm • c1Mp.veL = 29.121 mm
− − − −
• hpM.iv L = 71.668 mm • b1Mp.viL = 0 mm • b M2pv.Li = 0 mm • c1Mp.viL = 0.0 mm
− − − −
• hpM.ev L2 = 39.787 mm • b1Mp.veL2 = 36.621 mm • b M2pv.Le 2 = 36.621 mm • c M2pv.Le = 29.121 mm

• c M2pv.Li = 0.0 mm
As coordenadas dos nós dos vários elementos são:
y0= 75.0 mm y4= 37.5 mm y8a= 0.0 mm • y11b= 75.0 mm
• • •
z0= 30.0 mm z4= 0.0 mm z8a= 152.121 mm z11b= 152.121 mm

y1= 75.0 mm y5a= 0.879 mm y8b= 0.879 mm • y12= 75.0 mm


• • •
z1= 30.0 mm z5a= 0.0 mm z8b= 153.0 mm z12= 123.0 mm

y2a= 75.0mm y5b= 0.0 mm y9= 37.5 mm • y13= 75.0 mm


• • •
z2a= 0.879 mm z5b= 0.879 mm z9= 153.0 mm z13= 123.0 mm

y2b= 74.121 mm y6= 0 mm y10= 37.5 mm


• • •
z2b= 0.0 mm z6= 40.666 mm z10= 153.0 mm

y3= 37.5 mm y7= 0.0 mm y11a= 74.121 mm


• • •
z3= 0.0 mm z7= 112.334 mm z11a= 153.0 mm

À semelhança, dos casos casos anteriores, a secção efectiva é constituída pelas parcelas
efectivas e inefectivas da secção bruta. A secção efectivap nominal devida a Mv– (instab. local)
possui as seguintes propriedades:
− − − −
• y M0.cg
vL
.p = 34.686 mm • A pM v L = 568.61 mm2 • IMz.pv L ≡ IMv.pv L = 514171 mm4
− − − −
• z M0.cg
vL
.p = 76.5 mm • IMy.pv L ≡ IuM.pv L = 2672416 mm4 • IMyz.vpL = 0.0 mm4

201
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

NOTA: À semelhança dos casos de momentos em torno do eixo u, a eventual rotação dos
eixos principais de inércia da secção efectiva em relação aos eixos principais da secção bruta é
desprezada. Para secções valores muito grandes dessa rotação, a metodologia para o cálculo
de resistência de secções e de barras definida em [F.4] EC3-1-3 não é válida.

F.3.3.2. Secções efectivasp – instabilidade distorcional

Para a obtenção das larguras e espessuras efectivas que permitem considerar o efeito da
instabilidade distorcional, pode optar-se (i) pelo método “standard” puro onde (i1) se usam as
larguras efectivas associadas à instabilidade local, para posteriormente se obterem as tensões
críticas devido a instabilidade distorcional do conjunto banzo-reforço e a espessuras reduzidas
sem nenhum tipo de iteração e (i2) um método sequencial ao nível da secção como um todo,
onde se obtêm num primeiro passo uma secção composta pelas propriedades efectivas dos
banzos* (eventuais espessuras reduzidas incluídas) e respectiva distribuição de tensões
secundárias e, num segundo passo a secção efectiva final baseada nessa distribuição de tensões
composta pelas propriedades efectivas do primeiro passo para os banzos e das propriedades
efectivas obtidas no segundo passo para as almas*; (ii) pelo método iterativo completo onde (ii1)
se fazem diversas iterações ao nível dos conjuntos banzo-reforço para obtenção das tensões
críticas de instabilidade distorcional e das correspondentes espessuras reduzidas e (ii2) se fazem
iterações ao nível da secção no seu conjunto para, em função das propriedades efectivas da
iteração anterior, se obterem novas distribuições de tensões a que irão corresponder novas
larguras e espessuras efectivas; (iii) por um método iterativo parcial onde não se realiza uma das
iterações referidas anteriormente. No exemplo numérico aqui realizado, optou-se por utilizar o
método iterativo parcial onde apenas se fazem iterações do tipo (ii1).

F.3.3.2.a) Larguras efectivasp devido a esforço axial de compressão

Para o caso de compressão, os desvios do centro de gravidade não afectam a distribuição de


tensões que é sempre constante, pelo que não existe a necessidade de calcular uma secção
inicial com os banzos* efectivos e alma* bruta à qual está associada uma distribuição de
tensões secundária e que permite o cálculo da secção efectiva final.

F.3.3.2.a.1) Larguras efectivasp iniciais e finais

(a) Alma*
Para compressão o elemento considerado como alma* corresponde à alma “real” da secção.
As larguras efectivas a considerar para a instabilidade distorcional são as mesmas que as
obtidas para a instabilidade local.

• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp.eff = 39.787 mm ; hp.i = hp.c − hp.eff = 71.668 mm

(b) Banzos* e Reforços


Para compressão os elementos considerados como banzos* correspondem aos banzos “reais”
da secção. No caso da instabilidade distorcional, os conjuntos banzo-reforço “reais”, são
analisados em conjunto.

202
EXEMPLO NUMÉRICO 1

(b.1) Propriedades efectivasp iniciais (iteração 0)


Banzos* (banzos superior e inferior “reais”)
Obtém-se o mesmo valor das larguras efectivasp que para o caso da instabilidade local.

• bp1.e1 = bp1.e2 = 33.254 mm ; bp1.i = 6.735 mm

• b p 2.e1 = b p 2.e 2 = 33.254 mm ; b p 2.i = 6.735 mm

Reforços superior e inferior


Obtém-se o mesmo valor das larguras efectivasp que para o caso da instabilidade local,
pois, tal como referido anteriormente, o factor de encurvadura a utilizar em reforços de
extremidade simples não depende da distribuição de tensões.

• c p1.e = 27.546 mm ; c p1.i = 1.575 mm

• c p 2.e = 27.546 mm ; c p 2.i = 1.575 mm

Para os cálculos posteriores, apresentar-se-ão apenas os cálculos para o conjunto banzo-


-reforço inferior, já que para o conjunto banzo-reforço superior os resultados são
equivalentes.

Propriedades dos reforços equivalentes


st1( 0 ) st1(0) st1(0)
• y 0.cg.p = 65.426 mm • A p = 121.60 mm2 • Iy.p = 9975 mm4
st1(0) st1(0)
• z 0.cg.p = 6.638 mm • I z.p = 15381 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

E ⋅ t3 1
• K st.1.p = ⋅ 2 (0) =
4 ⋅ (1 − ν ) y 0.cg.st1 ⋅ [y 0.cg.st1 + hp ⋅ (1 + k *f.st1 )]
2 (0)

210 ⋅ 10 3 ⋅ 2 3 1
= ⋅ = 0.3689
2 2
4 ⋅ (1 − 0.3 ) 65.426 ⋅ [65.426 + 151.243 ⋅ (1 + 0.5)]

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st0.)eff.1 2 ⋅ 0.3689 ⋅ 210 ⋅ 10 3 ⋅ 9975


• σ(cr0.)st.1 = = = 457.20 MPa
A (st0.)eff.1 121.6

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d0.st) 1 = fyb σ (cr0.)st1 = 360 457.20 = 0.8874

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior

• χ (d0.st) 1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.8874 = 0.8284

203
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 0)

σ (com .Ed.st1 = χ d.st1 ⋅ σ max .Ed = 0.8284 ⋅ 360 = 298.24 MPa


0) (0)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 0)

σ max .Ed 360


• t (red
1) (0)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8284 ⋅ = 1.6569
σ com.Ed.st1 360
NOTAS:
- Tal como referido anteriormente a propósito da instabilidade local, pelo referido no
ponto 4.3.1 a tensão a utilizar para a obtenção de larguras efectivasp (para verificação
do Estado Limite de Encurvadura) tem de ser igual a σ max .Ed = fyb / γ M0 , mesmo que a
tensão instalada seja inferior. A utilização de valores inferiores, é possível, desde que o
elemento a analisar esteja suficientemente travado (por forma a que a instabilidade por
encurvadura não seja relevante) ou que se estejam a analisar Estados Limites de
Utilização.
- Se o processo iterativo parasse aqui, as propriedades da secção efectivap devido a
instabilidade distorcional, seriam obtidas com as larguras efectivasp dos reforços
equivalentes e esta espessura e, com as larguras efectivasp e a espessura real das
paredes do resto da secção. De salientar, que por imposição do método, a iterar, têm
de se realizar pelo menos duas iterações;

(b.2) Propriedades efectivasp da iteração 1


Banzo* (banzos inferior “real”)
Calculam-se as novas propriedades efectivasp do conjunto banzo-reforço inferior,
mantendo os valores ψ bp1 e k σ,bp1 obtidos para a distribuição de tensões associadas à
secção bruta. De salientar, que apenas as larguras associadas ao reforço equivalente serão
modificadas, ou seja, as parcelas efectivasp adjacentes à alma, mantêm-se inalteradas.

• ψ bp1 = 1 ; k σ,bp1 = 4.0

• b p1.c = 73.243 mm ; b p1.t = 0.0 mm

• λ p.bp1 = 0.797

• σ (com
1) (0)
.Ed.bp1 = σ com.Ed.st1

(1)
σ (com
1)
.Ed.bp1 ⋅ γ M 0 298.24 ⋅ 1.0
• λ p.red.bp1 = λ p.bp1 ⋅ = 0.797 ⋅ = 0.726
fyb 360

• K ρ.bp1 = 0.055 ⋅ (3 + ψ bp1 ) = 0.055 ⋅ 4 = 0.22

(1)
λ(p1).red.bp1 − K ρ.bp1 λ p.bp1 − λ2p(.1red
)
.bp1 0.726 − 0.22 0.797 − 0.726
• ρ b p1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.023
λ 2 (1)
p.red.bp1
λ p.bp1 − 0.6 0.726 2
0.797 − 0.6
como ρ (b1p)1 > 1 ⇒ ρ (b1p)1 = 1.0

204
EXEMPLO NUMÉRICO 1

• b (p11) .eff = ρ (b1p)1 ⋅ b p1.c = 1.0 ⋅ 73.243 = 73.243 mm

b (p11) .e1 = 0.5 ⋅ b (p11) .eff = 36.621mm⎫⎪


• ⎬ ⇒ b (p11) .i = b p1.c − b (p11) .e1 − b (p11) .e 2 = 3.368 mm
b (p11) .e 2 = 33.254 mm ⎪⎭

Reforço inferior

Calculam-se as novas propriedades efectivas do banzo e do reforço, mantendo os valores


ψ cp1 e k σ,cp1 obtidos para a distribuição de tensões associadas à secção bruta. De salientar,
que apenas as larguras associadas ao reforço equivalente serão modificadas, ou seja, as
parcelas efectivasp adjacentes à alma, mantêm-se inalteradas.

• ψ cp1 = 1 ; k σ,cp1 = 0.609

• c p1.c = 29.121mm ; c p1.t = 0.0 mm

• λ p.cp1 = 0.813

• σ (com
1) (0)
.Ed.c p1 = σ com.Ed.red.st1

(1)
σ (com
1)
.Ed.cp1 ⋅ γ M 0 298.24 ⋅ 1.0
• λ p.red.c p1 = λ p.cp1 ⋅ = 0.813 ⋅ = 0.741
fyb 360

• K ρ.cp1 = 0.188

(1)
λ(p1).red.cp1 − K ρ.cp1 λ p.cp1 − λ(p1).red.cp1 0.741− 0.188 0.813 − 0.741
• ρ cp1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅
λ 2 (1)
p.red.cp1 λ p.cp1 − 0.6 0.7412
0.813 − 0.6
=1.068 como ρ (c1p)1 > 1 ⇒ ρ (c1p)1 = 1.0

• c (p11) .eff = ρ (c1p)1 ⋅ c p1.c = 1.0 ⋅ 29.121 = 29.121mm

• c (p11) .e = c (p11) .eff = 29.121mm ; c (p11) .i = c p1.c − c (p11) .eff = 0.0 mm

Propriedades do reforço equivalente


st1(1) st1(1) st1(1)
• y 0.cg.p = 64.311 mm • A p = 131.485 mm2 • I y.p = 11874 mm4
st1(1) st1(1)
• z 0.cg.p = 6.839 mm • I z.p = 20152 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

• K st.1.p = 0.3689 – o mesmo valor que o da iteração 0.

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st1).eff.1 2 ⋅ 0.3689 ⋅ 210 ⋅ 10 3 ⋅ 11874


• σ(cr1).st.1 = = = 461.33 MPa
A (st1).eff.1 131.485

205
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d1.)st1 = fyb σ(cr1).st1 = 360 461.33 = 0.8834

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior

• χ(d1.)st1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.8834 = 0.8313


Critérios de paragem da iteração

• Δχ(d1.)st1 = χ(d1.)st1 − χ(d0.st) 1 = 0.8313 − 0.8284 = 0.00288

• Qχ(d1.)st1 = χ(d1.)st1 χ(d0.st) 1 = 0.8313 0.8284 = 1.00348

Os critérios de paragem apresentados na Figura E.2 podem também ser escritos da forma
como χ(dn.st) 1 − χ(dn.−st11) ≤ 0 e χ(dn.st) 1 χ (dn.−st11) ≈ 1. Se o segundo critério é verificado, já o segundo
não é, por isso tem de se continuar a iteração.

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 1)

σ (com .Ed.st1 = χ d.st1 ⋅ σ max .Ed = 0.8313 ⋅ 360 =299.275 MPa


1) (1)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 1)
σ max .Ed
• t (red
2) (1)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8313 = 1.6626
σ com.Ed.st1

(b.3) Propriedades efectivasp da iteração 2


Banzos* (banzos inferior “real”)

• σ (com
2) (1)
.Ed.bp1 = σ com.Ed.st1

( 2)
σ (com
2)
.Ed.bp1 ⋅ γ M 0 299.275 ⋅ 1.0
• λ p.red.bp1 = λ p.bp1 ⋅ = 0.797 ⋅ = 0.727
fyb 360

• K ρ.bp1 = 0.22

( 2)
λ(p2.)red.bp1 − K ρ.bp1 λ p.bp1 − λ(p2.)red.bp1 0.727 − 0.22 0.797 − 0.727
• ρb = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.023
p1
λ 2 ( 2)
p.red.bp1
λ p.bp1 − 0.6 0.727 2
0.797 − 0.6
como ρ (b2) > 1 ⇒ ρ (b2) = 1.0
p1 p1

• b (p21).eff = ρ (b2p)1 ⋅ b p1.c = 1.0 ⋅ 73.243 = 73.243 mm

b (p21).e1 = 0.5 ⋅ b p1.eff = 36.621mm⎫⎪


• ⎬ ⇒ b (p21).i = b p1.c − b (p21).e1 − b (p21).e 2 = 3.368 mm
b (p21).e 2 = 33.254 mm ⎪⎭

206
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Reforço de extremidade inferior

• σ (com
2) (1)
.Ed.c p1 = σ com.Ed.red.st1

( 2)
σ (com
2)
.Ed.cp1 ⋅ γ M 0 299.275 ⋅ 1.0
• λ p.red.c p1 = λ p.cp1 ⋅ = 0.813 ⋅ = 0.741
fyb 360
• K ρ.cp1 = 0.188

( 2)
λ(p2.)red.c p1 − K ρ.c p1 λp.c p1 − λ(p2.)red.c p1 0.741− 0.188 0.813 − 0.741
• ρ c p1 = 2 ( 2)
+ 0.18 ⋅ = 2
+ 0.18 ⋅
λp.red.c p1 λp.c p1 − 0.6 0.741 0.813 − 0.6
= 1.068 como ρ (c2p1) > 1 ⇒ ρ (c2p1) = 1.0

• c (p21).eff = ρ (c2p1) ⋅ c p1.c = 1.0 ⋅ 29.121 = 29.121mm

• c (p21).e = c (p21).eff = 29.121mm ; c (p21).i = c p1.c − c (p21).eff = 0.0 mm

Propriedades do reforço equivalente


st1( 2 ) st1(2) st1(2)
• y 0.cg.p = 64.311 mm • A p = 131.485 mm2 • I y.p = 11874 mm4
st1(2) st1(2)
• z 0.cg.p = 6.839 mm • I z.p = 20152 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

• K st.1.p = 0.3689 – o mesmo valor que o da iteração 0.

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

( 2)
2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st2.)eff.1 2 ⋅ 0.3689 ⋅ 210 ⋅ 10 3 ⋅ 11874
• σ cr .st .1 = = = 461.33 MPa
A (st2.)eff.1 131.485

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d2.st) 1 = fyb σ (cr2.)st1 = 360 461.33 = 0.8834

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior

• χ (d2.st) 1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.8834 = 0.8313

Critérios de paragem da iteração

• Δχ (d2.st) 1 = χ (d2.st) 1 − χ (d1.)st1 = 0.8313 − 0.8313 = 0.0

• Qχ(d2.st) 1 = χ(d2.st) 1 χ(d1.)st1 = 0.8313 0.8313 = 1.0

Por se terem efectuado as duas iterações mínimas e verificado os critérios de paragem, o


processo iterativo termina aqui. Neste caso em particular, os resultados da iteração 1 são
exactamente iguais aos da iteração 2, ou seja, há convergência total.

207
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 2)

σ (com .Ed.red.st1 = χ d.st1 ⋅ σ max .Ed = 0.8313 ⋅ 360 =299.275 MPa


2) ( 2)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 2)
σ max .Ed
• t (red
3) ( 2)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8313 = 1.6626
σ com.Ed.st1
(c) Cálculo de propriedades
z
b2p.e1 b2p.e2

8a 8b 4e1 9 10 4e2 11a 11b


c2p.e
5e
tred
hp.e2

3e2 12

v
7

cg.peff,ND u
Δycg.peff,ND
6
zcg.peff,ND
hp.e1

3e1 1
tred
c1p.e

1e y
5b 5a 2b 2a
2e2 4 3 2e1
b1p.e2 b1p.e1 ycg.peff,ND

Figura F.13 – Secção efectiva nominal devida a N – instab. distorcional.

As larguras efectivasp nominais apresentadas na Figura F.13, podem ser obtidas por:
ND ND ND ND ND
• hp.e1 = 39.787 mm • b1p.e1 = b 2p.e 2 = 36.621 mm • c1p.e = c 2p.e = 29.121mm
ND ND ND ND ND
• hp.i = 71.668 mm • b1p.i = b 2p.i = 3.368 mm • c1p.i = c 2p.i = 0.0 mm
ND ND ND ND
• hp.e 2 = 39.787 mm • b1p.e 2 = b 2p.e1 = 33.254 mm • t p.red = 1.663 mm

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y0= 75.0 mm y4= 34.132 mm y8a= 0.0 mm • y11b= 75.0 mm
• • •
z0= 30.0 mm z4= 0.0 mm z8a= 152.121 mm z11b= 152.121 mm

y1= 75.0 mm y5a= 0.879 mm y8b= 0.879 mm • y12= 75.0 mm


• • •
z1= 30.0 mm z5a= 0.0 mm z8b= 153.0 mm z12= 123.0 mm

y2a= 75.0mm y5b= 0.0 mm y9= 34.132 mm • y13= 75.0 mm


• • •
z2a= 0.879 mm z5b= 0.879 mm z9= 153.0 mm z13= 123.0 mm
y2b= 74.121 mm y6= 0 mm y10= 37.5 mm
• • •
z2b= 0.0 mm z6= 40.666 mm z10= 153.0 mm
y3= 37.5 mm y7= 0.0 mm y11a= 74.121 mm
• • •
z3= 0.0 mm z7= 112.334 mm z11a= 153.0 mm

208
EXEMPLO NUMÉRICO 1

Como referido anteriormente, a secção efectiva é constituída pelas parcelas efectivas e


inefectivas da secção bruta. A secção efectivap nominal devida a N (instab. distorcional) possui
as seguintes propriedades:

• I z.p ≡ I v.p = 464945 mm4


ND ND ND ND
• y 0.cg.p = 32.084 mm • Ap = 510.78 mm2
• I y.p ≡ Iu.p = 2374306 mm4 • Iyz.p =
ND ND ND ND
• z 0.cg.p = 76.5 mm 0 mm4

F.3.3.2.b) Larguras efectivasp devido a momento em torno de u

Para o caso de momento flector, os desvios do centro de gravidade afectam a distribuição de


tensões, pelo é necessário calcular uma secção inicial com os banzos* efectivos e alma* bruta
à qual está associada uma distribuição de tensões secundária e que permite o cálculo da
secção efectiva final. Apenas será analisada o caso de momentos positivos em torno de u, já
que para momentos negativos a distribuição de tensões é simétrica em torno de u e as
propriedades semelhantes.

F.3.3.2.b.1) Larguras efectivasp iniciais

(a) Alma*
Para momento em torno de u o elemento considerado como alma* corresponde à alma “real”
da secção. Pelo descrito anteriormente, o cálculo de propriedades pressupõe um primeiro
passo em que para a secção efectiva inicial a alma* é considerada toda bruta.

• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp = 75.617 mm ; hp.i = 0 mm

(b) Banzos* e Reforços


Para compressão os elementos considerados como banzos* correspondem aos banzos “reais”
da secção. No caso da instabilidade distorcional, os conjuntos banzo-reforço “reais”, são
analisados em conjunto.

(b.1) Propriedades efectivasp iniciais (iteração 0)


Banzos* (banzo superior e inferior “reais”)
Obtém-se o mesmo valor das larguras efectivasp que para o caso da instabilidade local.

• bp1.e1 = bp1.e 2 = 33.254 mm ; bp1.i = 6.735 mm

• b p 2.e1 = b p 2.e 2 = 0.5 ⋅ b p 2 = 36.621mm ; b p 2.i = 0 mm

Reforços superior e inferior


Obtém-se o mesmo valor das larguras efectivasp que para o caso da instabilidade local,
pois, tal como referido anteriormente, o factor de encurvadura a utilizar em reforços de
extremidade simples não depende da distribuição de tensões.

• c p1.e = 27.546 mm ; c p1.i = 1.575 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

209
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Para os cálculos posteriores, apresentar-se-ão apenas os cálculos para o conjunto banzo-


-reforço inferior, já que para o conjunto banzo-reforço superior, as larguras manter-se-ão
sempre totalmente efectivas.

Propriedades dos reforços equivalentes


st1( 0 ) st1(0) st1(0)
• y 0.cg.p = 65.426 mm • A p = 121.60 mm2 • Iy.p = 9975 mm4
st1(0) st1(0)
• z 0.cg.p = 6.638 mm • I z.p = 15381 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

E ⋅ t3 1
• K st.1.p = ⋅ 2 (0) =
4 ⋅ (1− ν ) y 0.cg.st1 ⋅ [y 0.cg.st1 + hp ⋅ (1+ k *f.st1 )]
2 (0)

210 ⋅ 10 3 ⋅ 2 3 1
= 2
⋅ 2
= 0.4976
4 ⋅ (1− 0.3 ) 65.426 ⋅ (65.426 + 151.243)

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

(0)
2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st0.)eff .1 2 ⋅ 0.4976 ⋅ 210 ⋅ 10 3 ⋅ 9975
• σ cr .st .1 = = = 531.02 MPa
A (st0.)eff .1 121.60

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d0.st) 1 = fyb σ (cr0.)st1 = 360 531.02 = 0.823

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior


• χ (d0.st) 1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.823 = 0.8747

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 0)


σ (com .Ed.st1 = χ d.st1 ⋅ σ max .Ed = 0.8747 ⋅ 360.0 = 314.893 MPa
0) (0)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 0)

σ max .Ed
• t (red
1) (0)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8783 = 1.7494
σ com.Ed.st1

NOTAS:
- Tal como referido anteriormente a propósito da instabilidade local, pelo referido no
ponto 4.3.1 a tensão a utilizar para a obtenção de larguras efectivasp (para verificação
do Estado Limite de Encurvadura) tem de ser igual a σ max .Ed = fyb / γ M0 , mesmo que a
tensão instalada seja inferior. A utilização de valores inferiores, é possível, desde que o
elemento a analisar esteja suficientemente travado (por forma a que a instabilidade por
encurvadura não seja relevante) ou que se estejam a analisar Estados Limites de
Utilização.

210
EXEMPLO NUMÉRICO 1

- Se o processo iterativo parasse aqui, as propriedades da secção efectivap devido a


instabilidade distorcional, seriam obtidas com as larguras efectivasp dos reforços
equivalentes e esta espessura e, com as larguras efectivasp e a espessura real das
paredes do resto da secção. De salientar, que por imposição do método, a iterar, têm
de se realizar pelo menos duas iterações;

(b.2) Propriedades efectivasp da iteração 1


Banzo* (banzos inferior “real”)
Calculam-se as novas propriedades efectivasp do conjunto banzo-reforço inferior,
mantendo os valores ψ bp1 e k σ,bp1 obtidos para a distribuição de tensões associadas à
secção bruta. De salientar, que apenas as larguras associadas ao reforço equivalente serão
modificadas, ou seja, as parcelas efectivasp adjacentes à alma, mantêm-se inalteradas.

• σ (com
1) (0)
.Ed.bp1 = σ com.Ed.st1

(1)
σ (com
1)
.Ed.bp1 ⋅ γ M 0 314.893 ⋅ 1.0
• λ p.red.bp1 = λ p.bp1 ⋅ = 0.797 ⋅ = 0.746
fyb 360

• K ρ.bp1 = 0.22

(1)
λ(p1).red.bp1 − K ρ.bp1 λ p.bp1 − λ2p(.1red
)
.bp1 0.746 − 0.22 0.797 − 0.746
• ρ bp1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 0.992
λ 2 (1)
p.red.bp1
λ p.bp1 − 0.6 0.746 2
0.797 − 0.6

• b (p11) .eff = ρ(b1p)1 ⋅ b p1.c = 0.992 ⋅ 73.243 = 72.684 mm

b (p11) .e1 = 0.5 ⋅ b (p11) .eff = 36.342 mm⎫⎪


• ⎬ ⇒ b (p11) .i = b p1.c − b (p11) .e1 − b (p11) .e 2 = 3.647 mm
b (p11) .e 2 = 33.254 mm ⎪⎭

Reforço inferior

Calculam-se as novas propriedades efectivas do banzo e do reforço, mantendo os valores


ψ cp1 e k σ,cp1 obtidos para a distribuição de tensões associadas à secção bruta. De salientar,
que apenas as larguras associadas ao reforço equivalente serão modificadas, ou seja, as
parcelas efectivasp adjacentes à alma, mantêm-se inalteradas.

• σ (com
1) (0)
.Ed.c p1 = σ com.Ed.red.st1

(1)
σ (com
1)
.Ed.cp1 ⋅ γ M 0 314.893 ⋅ 1.0
• λ p.red.c p1 = λ p.cp1 ⋅ = 0.813 ⋅ = 0.760
fyb 360

• K ρ.cp1 = 0.188

(1)
λ(p1).red.cp1 − K ρ.cp1 λ p.cp1 − λ(p1).red.cp1 0.760 − 0.188 0.813 − 0.760
• ρ cp1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.035
λ 2 (1)
p.red.cp1
λ p.cp1 − 0.6 0.760 2
0.813 − 0.6
como ρ (c1p)1 > 1 ⇒ ρ (c1p)1 = 1.0

211
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

• c (p11) .eff = ρ (c1p)1 ⋅ c p1.c = 1.0 ⋅ 29.121 = 29.121mm

• c (p11) .e = c (p11) .eff = 29.121mm ; c (p11) .i = c p1.c − c (p11) .eff = 0.0 mm

Propriedades do reforço equivalente


st1(1) st1(1) st1(1)
• y 0.cg.p = 64.425 mm • A p = 130.926 mm2 • I y.p = 11848 mm4
st1(1) st1(1)
• z 0.cg.p = 6.868 mm • I z.p = 19752 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

• K st.1.p = 0.4976 – o mesmo valor que o da iteração 0.

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

(1)
2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st1).eff .1 2 ⋅ 0.4976 ⋅ 210 ⋅ 10 3 ⋅ 11848
• σ cr .st .1 = = = 537.51MPa
A (st1).eff.1 130.926

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d1.)st1 = fyb σ (cr1).st1 = 360 537.51 = 0.8184

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior

• χ (d1.)st1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.8184 = 0.8783

Critérios de paragem da iteração

• Δχ (d1.)st1 = χ (d1.)st1 − χ (d0.st) 1 = 0.8783 − 0.8747 = −0.003607

• Qχ (d1.)st1 = χ (d1.)st1 χ (d0.st) 1 = 0.8779 0.8783 =1.004123

Os critérios de paragem apresentados na Figura E.2 podem também ser escritos da forma
como χ(dn.st) 1 − χ(dn.−st11) ≤ 0 e χ(dn.st) 1 χ (dn.−st11) ≈ 1. Ambos os critérios são verificados, no entanto,
apresentam-se os resultados associados a convergência total, o que ocorre na 6.ª iteração.

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 1)

σ (com .Ed.red.st1 = χ d.st1 ⋅ σ com.Ed.st1 = 0.8783 ⋅ 360.0 = 316.191 MPa


1) (1)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 1)
σ max .Ed
• t (red
2) (1)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8783 = 1.7566
σ com.Ed.st1

212
EXEMPLO NUMÉRICO 1

(b.3) Propriedades efectivasp da iteração 6


Banzo* (banzos inferior “real”)

• σ (com
6) (5)
.Ed.bp1 = σ com.Ed.red.st1

(6 )
σ (com
6)
.Ed.bp1 ⋅ γ M 0 316.313 ⋅ 1.0
• λ p.red.bp1 = λ p.bp1 ⋅ = 0.797 ⋅ = 0.748
fyb 360

• K ρ.bp1 = 0.22

( 6)
λ(p6.)red.bp1 − K ρ.bp1 λ p.bp1 − λ(p6.)red.bp1 0.748 − 0.22 0.797 − 0.748
• ρ bp1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 0.990
λ 2 ( 6)
p.red.bp1
λ p.bp1 − 0.6 0.748 2
0.797 − 0.6

• b (p61).eff = ρ (b6p)1 ⋅ b p1.c = 0.990 ⋅ 73.243 = 72.48 mm

b (p61).e1 = 0.5 ⋅ b (p61).eff = 36.240 mm⎫⎪


• ⎬ ⇒ b (p61).i = b p1.c − b (p61).e1 − b (p61).e 2 = 3.749 mm
b (p61).e 2 = 33.254 mm ⎪⎭

Reforço inferior

• σ (com
6) (5)
.Ed.cp1 = σ com.Ed.red.st1

(6)
σ (com
6)
.Ed.cp1 ⋅ γ M 0 316.313 ⋅ 1.0
• λ p.red.c p1 = λ p.cp1 ⋅ = 0.813 ⋅ = 0.762
fyb 360

• K ρ.cp1 = 0.188

(6)
λ(p6.)red.cp1 − K ρ.cp1 λ p.cp1 − λ(p6.)red.cp1 0.762 − 0.188 0.813 − 0.762
• ρ c p1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.032
λ 2 (6 )
p.red.cp1
λ p.cp1 − 0.6 0.762 2
0.813 − 0.6
como ρ (c6p1) > 1 ⇒ ρ (c6p1) = 1.0

• c (p61).eff = ρ (c6p1) ⋅ c p1.c = 1.0 ⋅ 29.121 = 29.121mm

• c (p61).e = c (p61).eff = 29.121mm ; c (p61).i = c p1.c − c (p61).eff = 0.0 mm

Propriedades do reforço equivalente


st1( 6 ) st1(6) st1(6)
• y 0.cg.p = 64.466 mm • A p = 130.723 mm2 • I y.p = 11838 mm4
st1(6) st1(6)
• z 0.cg.p = 6.879 mm • I z.p = 19608 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

• K st.1.p = 0.4976 – o mesmo valor que o da iteração 0.

213
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

(6 )
2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st6.)eff.1 2 ⋅ 0.4976 ⋅ 210 ⋅ 10 3 ⋅ 11838
• σ cr .st .1 = = = 538.13 MPa
A (st6.)eff .1 130.723

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d6.)st1 = fyb σ (cr6.)st1 = 360 538.13 = 0.8179

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior


• χ (d6.st) 1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.8179 = 0.8786

Critérios de paragem da iteração


• Δχ (d6.st) 1 = χ (d6.st) 1 − χ (d5.st) 1 = 0.8786 − 0.8786 = 0.0

• Qχ (d6.st) 1 = χ (d6.st) 1 χ (d5.st) 1 = 0.8786 0.8786 =1.0


Ambos os critérios são totalmente verificados e verifica-se a convergência total.

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 6)

σ (com .Ed.st1 = χ d.st1 ⋅ σ com.Ed.st1 = 0.8786 ⋅ 360.0 = 316.313 MPa


6) (6)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 6)


σ max .Ed
• t (red
7) (6)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2 .0 ⋅ 0.8786 = 1.7573
σ com.Ed.st1

NOTA: Como se pode verificar, os resultados obtidos para convergência total, são muito
próximos, pelo que não é necessário continuar o processo iterativo desde que se verifiquem
os critérios de paragem.

(c) Cálculo de propriedades

(c.1) Momentos positivo


+ + + +
• y 0M.ucgD.p = 26.766 mm • A pMu D = 688.58 mm2 • IMz.puD ≈ IMv.puD = 626997 mm4
+ + + +
• z M0.ucgD.p = 78.937 mm • IMy.puD ≈ IuM.puD = 2607463 mm4 • IMyz.upD = 45789 mm4

(c.2) Momentos negativo


− − − −
• y 0M.ucgD.p = 26.766 mm • A pMuD = 688.58 mm2 • IMz.puD ≈ IMv.puD = 626997 mm4
− − − −
• z M0.ucgD.p = 74.063 mm • IMy.puD ≈ IuM.puD = 2607463 mm4 • IMyzu.pD = -45789 mm4

NOTA: Tal como referido anteriormente, a eventual rotação dos eixos principais de inércia da
secção efectiva em relação aos eixos principais da secção bruta é desprezada. Para secções
valores muito grandes dessa rotação, a metodologia para o cálculo de resistência de secções e
de barras definida em [F.4] EC3-1-3 não é válida.

214
EXEMPLO NUMÉRICO 1

F.3.3.2.b.2) Distribuição de tensões secundária

A distribuição de tensões secundária obtém-se por meio de um processo sequencial, no qual as


larguras efectivasp dos banzos são baseadas na distribuição de tensões associadas à secção
bruta, mas as da(s) alma(s) são baseadas numa distribuição de tensões associada a uma
secção com os banzos efectivos e alma(s) bruta(s). Como existe uma distribuição de tensões
para cada secção efectivap, optou-se por não as apresentar integralmente no texto, mas
dispondo os valores relevantes para a obtenção das larguras efectivasp finais.

F.3.3.2.b.3) Larguras efectivasp finais

(a) Alma*
Tal como referido anteriormente o efeito da eventual instabilidade local nas paredes da alma*
é contabilizado pelo cálculo de larguras efectivasp com base numa distribuição de tensões
secundária numa secção com banzos* efectivos e almas* brutas.

(a.1) Momento positivo


Apesar da distribuição de tensões na secção bruta ser simétrica (dada a simetria da secção em
torno de u) a distribuição secundária de tensões pode não o ser, pois a existência de parcelas
inefectivas no banzo inferior, provoca a subida de linha neutra.
hp = 151.243 mm ⎫⎪

t = t hp = 2.0 mm ⎬ hp / t = 75.6
⎪⎭
σ5Mbu.p = 0.976⋅ fy ⎫⎪ σM8au.p
• ψ
⎬ hp = Mu
= −0.938 ⇒ k σ,hp = 7.81− 6.29⋅ ψhp + 9.78⋅ ψh2p = 22.304
σM8au.p = −0.916⋅ fy ⎪⎭ σ5b.p

• hp.c = hp (1− ψ hp ) = 78.058 mm ; hp.t = hp - hp.c = 73.184 mm

hp 12 ⋅ (1− ν 2 ) ⋅ fyb hp t 75.6


• λ p.hp = 2
= = = 0.697
t π ⋅ E ⋅ k σ,hp 28.4ε ⋅ k σ,hp 22.95 ⋅ 22.304
σ com.Ed.hp ⋅ γ M0
• λ p.red.hp = λ p.hp ⋅ = λ p.hp = 0.697
fyb

• K ρ.hp = 0.055 ⋅ (3 − 0.938) = 0.055 ⋅ 2.062 = 0.113


λ p.red.hp − K ρ.hp λ p.hp − λ p.red.hp 0.697 − 0.113
• ρhp = + 0.18 ⋅ = = 1.165
2
λ
p.red.hp λ p.hp − 0.6 0.6972
como ρ hp > 1 ⇒ ρ hp = 1.0

• hp.e1 = hp.e2 = 0.5 ⋅ 151.243 = 75.621 mm ; hp.i = 0.0 mm

215
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

(a.2) Momento negativo


Dada a simetria da secção, a distribuição de tensões secundária da alma associada a
momento positivo em torno de u é simétrica à distribuição de tensões associada a momento
negativo em torno de u. As larguras efectivasp na alma têm o mesmo valor, mas
posicionamento simétrico.
• hp.e1 = hp.e2 = 0.5 ⋅ 151.243 = 75.621 mm ; hp.i = 0.0 mm

(b) Banzos* e Reforços


Para ambos os banzos* inferior e superior, as larguras efectivasp iniciais determinadas
anteriormente, são as que juntamente com as secundárias das almas* e dos reforços
constituem a secção efectivap final para momento em torno de u. Por essa razão não é
necessário fazer nenhum cálculo adicional de larguras efectivasp dos banzos* baseado na
distribuição de tensões secundária.

(b.1) Momento positivo


• b p1.e1 = 36.240 mm ; b p1.e 2 = 33.254 mm ; b p1.i = 3.749 mm

• b p 2.e1 = b p 2.e 2 = 0.5 ⋅ b p 2 = 36.621mm ; b p 2.i = 0 mm

• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

• t red.st1 = 1.7573 mm

(b.2) Momento negativo


• b p1.e1 = b p1.e 2 = 0.5 ⋅ b p1 = 36.621mm ; b p1.i = 0 mm

• b p 2.e1 = 33.254 mm ; b p 2.e 2 = 36.240 mm ; b p 2.i = 3.749 mm

• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

• t red.st 2 = 1.7573 mm

(c) Cálculo de propriedades


(c.1) Momento positivo
As larguras efectivasp nominais apresentadas na Figura F.14, podem ser obtidas por:
+ + + +
• hpM.eu1D = 75.621 mm • b1Mp.ueD1 = 36.24 mm • b M2pu.De1 = 36.621 mm • c1Mp.ueD = 29.121 mm
+ + + +
MD
• hpM.iu D = 0.0 mm • b1p.ui = 3.749 mm • b M2pu.Di = 0.0 mm • c1Mp.uiD = 0.0 mm
+ + + +
• hpM.eu D2 = 75.621 mm • b1Mp.ueD2 = 33.254 mm • b M2pu.De 2 = 36.621 mm • c M2pu.De = 29.121 mm
+ +
• t pM.red
uD
= 1.757 mm • c M2pu.Di = 0.0 mm

216
EXEMPLO NUMÉRICO 1

z
b2p.e1 b2p.e2

8a 8b 4e1 9=10 4e2 11a 11b

c2p.e
5e

Δzcg.peff,MuD+
v 12=13

hp.e2 3e2
cg.peff,MuD+
u β
Δycg.peff,MuD+

zcg.peff,MuD+
7

tred 1
6

c1p.e
tred
hp.e1

3e1 1e
y
5b 5a 2b 2a
2e2 4 3 2e1
b1p.e2 b1p.e1 ycg.peff,MuD+

Figura F.14 – Secção efectiva nominal devida a Mu– – instab. distorcional.

As coordenadas dos nós dos vários elementos são:


y0= 75.0 mm y4= 34.132 mm y8a= 0.0 mm • y11b= 75.0 mm
• • •
z0= 30.0 mm z4= 0.0 mm z8a= 152.121 mm z11b= 152.121 mm

y1= 75.0 mm y5a= 0.879 mm y8b= 0.879 mm • y12= 75.0 mm


• • •
z1= 30.0 mm z5a= 0.0 mm z8b= 153.0 mm z12= 123.0 mm

y2a= 75.0mm y5b= 0.0 mm y9= 37.5 mm • y13= 75.0 mm


• • •
z2a= 0.879 mm z5b= 0.879 mm z9= 153.0 mm z13= 123.0 mm

y2b= 74.121 mm y6= 0 mm y10= 37.5 mm


• • •
z2b= 0.0 mm z6= 76.5 mm z10= 153.0 mm

y3= 37.881 mm y7= 0.0 mm y11a= 74.121 mm


• • •
z3= 0.0 mm z7= 76.5 mm z11a= 153.0 mm

À semelhança, dos casos casos anteriores, a secção efectiva é constituída pelas parcelas
efectivas e inefectivas da secção bruta.

Cálculo de propriedades

A secção efectivap nominal devida a Mu+ (instab. distorcional) possui as seguintes propriedades:
+ + + +
• y 0M.ucgD.p = 26.766 mm • A pMu D = 688.58 mm2 • IMz.pu D ≈ IMv.pu D = 629997 mm4
+ + + +
• z M0.ucgD.p = 78.937 mm • IMy.pu D ≈ IuM.pu D = 2607463 mm4 • IMyzu.pD = 45789 mm4

217
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

F.3.3.2.c) Larguras efectivasp devido a momento em torno de v

A instabilidade distorcional apenas pode ocorrer se os reforços de extremidade estiverem


sujeitos a compressão, o que só acontece para momentos positivos em torno de v.

F.3.3.2.c.1) Larguras efectivasp iniciais


(a) Almas* e Reforços
Para momento em torno de v os elementos considerados como almas* correspondem aos
banzos “reais” da secção. Por se considerarem como almas*, neste passo da metodologia,
consideram-se as suas propriedades brutas.

Os reforços de extremidade são considerados como parte dos elementos a que ligam (neste
caso os banzos “reais” da secção), logo para momento em torno de v são considerados como
parte da alma*, pelo que neste passo de cálculo são considerados brutos. As larguras e
propriedades efectivasp serão obtidas com base numa distribuição de tensões secundária.

• bp1.e1 = bp1.e 2 = 0.5 ⋅ bp1 = 36.621mm ; bp1.i = 0 mm

• bp 2.e1 = bp 2.e 2 = 0.5 ⋅ bp 2 = 36.621mm ; bp 2.i = 0 mm

• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

• c p 2.e = 29.121mm ; c p 2.i = 0 mm

(b) Banzo*
Para momento em torno de v o elemento considerado como banzo* corresponde à alma “real”
da secção. Pelo descrito anteriormente, o cálculo de propriedades pressupõe um passo em
que, para a secção efectiva inicial, a alma* é considerada toda bruta e os banzos* efectivos.

(b.1) Momento positivo


Para momento positivo em torno de v, a alma está à tracção, logo é totalmente efectiva.
• hp.e1 = hp.e 2 = 0.5 ⋅ hp = 75.617 mm ; hp.i = 0 mm

(c) Cálculo de propriedades

(c.1) Momentos positivo


+ + + +
• y M0.cg
vD
.p = 27.703 mm • A pMv D = 711.94 mm2 • IMz.pv D ≡ IMv.pv D = 651951 mm4
+ + + +
• z M0.cg
vD
.p = 76.500 mm • IMy.pv D ≡ IuM.pv D = 2733767 mm4 • IMyz.vpD = 0 mm4

F.3.3.2.c.2) Distribuição de tensões secundária

A distribuição de tensões secundária obtém-se por meio de um processo sequencial, no qual as


larguras efectivasp dos banzos são baseadas na distribuição de tensões associadas à secção
bruta, mas as da(s) alma(s) são baseadas numa distribuição de tensões associada a uma
secção com os banzos efectivos e alma(s) bruta(s). Como existe uma distribuição de tensões
para cada secção efectivap, optou-se por não as apresentar integralmente no texto, mas
dispondo os valores relevantes para a obtenção das larguras efectivasp finais.

218
EXEMPLO NUMÉRICO 1

F.3.3.2.c.3) Larguras efectivasp finais

(a) Almas* e Reforços


Tal como referido anteriormente o efeito da eventual instabilidade local nas paredes da alma*
é contabilizado pelo cálculo de larguras efectivasp com base numa distribuição de tensões
secundária numa secção com banzos* efectivos e almas* brutas. Os elementos considerados
como almas* correspondem aos banzos “reais” da secção.

(a.1) Propriedades efectivasp iniciais (iteração 0)


Almas* (banzo superior e inferior “reais”)
Obtém-se o mesmo valor das larguras efectivasp que para o caso da instabilidade local.
• bp1.e1 = bp1.e2 = 0.5 ⋅ 73.243 = 36.621 mm ; bp1.i = 0.0 mm
• bp2.e1 = bp2.e2 = 0.5 ⋅ 73.243 = 36.621 mm ; bp1.i = 0.0 mm

Reforços superior e inferior


Obtém-se o mesmo valor das larguras efectivasp que para o caso da instabilidade local,
pois, tal como referido anteriormente, o factor de encurvadura a utilizar em reforços de
extremidade simples não depende da distribuição de tensões.
• c p1.e = 27.546 mm ; c p1.i = 1.575 mm

• c p 2.e = 27.546 mm ; c p 2.i = 1.575 mm

Para os cálculos posteriores, apresentar-se-ão apenas os cálculos para o conjunto banzo-


-reforço inferior, já que para o conjunto banzo-reforço superior, as larguras efectivas são
simétricas em relação ao eixo u.

Propriedades dos reforços equivalentes


st1( 0 ) st1(0) st1(0)
• y 0.cg.p = 64.048 mm • A p = 128.335 mm2 • Iy.p = 10258 mm4
st1(0) st1(0)
• z 0.cg.p = 6.29 mm • I z.p = 19782 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico


Para a situação de momento em torno de v, não existe uma definição explícita de mola
equivalente a um apoio elástico em EC3-1-3 [F.4], pelo que a alternativa conservativa é a
de considerar uma mola equivalente como se de um problema de compressão se tratasse.
E ⋅ t3 1
• K st.1.p = ⋅ 2 (0) =
4 ⋅ (1− ν ) y 0.cg.st1 ⋅ [y 0.cg.st1 + hp ⋅ (1+ k *f.st1 )]
2 (0)

210 ⋅ 10 3 ⋅ 2 3 1
= 2
⋅ 2
= 0.3867
4 ⋅ (1− 0.3 ) 64.048 ⋅ (64.048 + 151.243 ⋅ (1+ 0.5))

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

(0)
2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st0.)eff.1 2 ⋅ 0.3867 ⋅ 210 ⋅10 3 ⋅10258
• σ cr .st .1 = = = 449.82 MPa
A (st0.)eff .1 128.335

219
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d0.st) 1 = fyb σ(cr0.)st1 = 360 449.82 = 0.895

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior

• χ (d0.st) 1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.895 = 0.8232

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 0)

σ (com .Ed.st1 = χ d.st1 ⋅ σ max .Ed = 0.8232 ⋅ 360.0 = 296.352 MPa


0) (0)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 0)

σ max .Ed
• t (red
1) (0 )
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8232 = 1.6464
σ com.Ed.st1

NOTAS:
- Tal como referido anteriormente a propósito da instabilidade local, pelo referido no
ponto 4.3.1 a tensão a utilizar para a obtenção de larguras efectivasp (para verificação
do Estado Limite de Encurvadura) tem de ser igual a σ max .Ed = fyb / γ M0 , mesmo que a
tensão instalada seja inferior. A utilização de valores inferiores, é possível, desde que o
elemento a analisar esteja suficientemente travado (por forma a que a instabilidade por
encurvadura não seja relevante) ou que se estejam a analisar Estados Limites de
Utilização.
- Se o processo iterativo parasse aqui, as propriedades da secção efectivap devido a
instabilidade distorcional, seriam obtidas com as larguras efectivasp dos reforços
equivalentes e esta espessura e, com as larguras efectivasp e a espessura real das
paredes do resto da secção. De salientar, que por imposição do método, a iterar, têm
de se realizar pelo menos duas iterações;

(a.2) Propriedades efectivasp da iteração 1


Alma* (banzos inferior “real”)
Calculam-se as novas propriedades efectivasp do conjunto banzo-reforço inferior,
mantendo os valores ψ bp1 e k σ,bp1 obtidos para a distribuição de tensões associadas à
secção bruta. De salientar, que apenas as larguras associadas ao reforço equivalente serão
modificadas, ou seja, as parcelas efectivasp adjacentes à alma, mantêm-se inalteradas.

• σ (com
1) (0)
.Ed.bp1 = σ com.Ed.st1

(1)
σ (com
1)
.Ed.bp1 ⋅ γ M 0 296.352 ⋅ 1.0
• λ p.red.bp1 = λ p.bp1 ⋅ = 0.416 ⋅ = 0.377
fyb 360

• K ρ.bp1 = 0.133

220
EXEMPLO NUMÉRICO 1

(1)
λ(p1).red.bp1 − K ρ.bp1 λp.bp1 − λp(1.)red.bp1 0.377 − 0.133 0.416 − 0.377
• ρ bp1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.679
λ 2 (1)
p.red.bp1 λp.bp1 − 0.6 0.377 2
0.416 − 0.6

como ρ(b1p)1 > 1 ⇒ ρ(b1p)1 = 1.0

• bp1.e1 = bp1.e 2 = 0.5 ⋅ bp1 = 36.621mm ; bp1.i = 0 mm

Reforço inferior
Calculam-se as novas propriedades efectivas do banzo e do reforço, mantendo os valores
ψ cp1 e k σ,cp1 obtidos para a distribuição de tensões associadas à secção bruta. De salientar,
que apenas as larguras associadas ao reforço equivalente serão modificadas, ou seja, as
parcelas efectivasp adjacentes à alma, mantêm-se inalteradas.

• σ (com
1) (0)
.Ed.cp1 = σ com.Ed.red.st1

(1)
σ (com
1)
.Ed.cp1 ⋅ γ M 0 296.352 ⋅ 1.0
• λ p.red.cp1 = λ p.cp1 ⋅ = 0.813 ⋅ = 0.737
fyb 360

• K ρ.cp1 = 0.188

(1)
λ(p1).red.cp1 − K ρ.cp1 λ p.cp1 − λ(p1).red.cp1 0.737 − 0.188 0.813 − 0.737
• ρ cp1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.075
λ 2 (1)
p.red.cp1
λ p.cp1 − 0.6 0.737 2
0.813 − 0.6
como ρ (c1p)1 > 1 ⇒ ρ (c1p)1 = 1.0

• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

Propriedades do reforço equivalente


st1(1) st1(1) st1(1)
• y 0.cg.p = 64.311 mm • A p = 131.485 mm2 • I y.p = 11874 mm4
st1(1) st1(1)
• z 0.cg.p = 6.839 mm • I z.p = 20152 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

• K st.1.p = 0.3867 – o mesmo valor que o da iteração 0.

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

2 ⋅ K st.1 ⋅ E ⋅ I(st1).eff.1 2 ⋅ 0.3867 ⋅ 210 ⋅10 3 ⋅ 11874


• σ (cr1).st.1 = = = 472.37 MPa
A (st1).eff.1 131.485

Esbelteza relativa do reforço de extremidade inferior

• λ(d1.)st1 = fyb σ (cr1).st1 = 360 472.37 = 0.8730

221
DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS ESTRUTURAIS DE AÇO ENFORMADOS A FRIO DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 3

Factor de redução para resistência à instabilidade distorcional do reforço inferior

• χ (d1.)st1 = 1.47 − 0.723 ⋅ 0.8730 = 0.8388

Critérios de paragem da iteração

• Δχ (d1.)st1 = χ (d1.)st1 − χ (d0.st) 1 = 0.8388 − 0.8232 = 0.015624

• Qχ (d1.)st1 = χ (d1.)st1 χ (d0.st) 1 = 0.8388 0.8232 =1.018979

Os critérios de paragem apresentados na Figura E.2 podem também ser escritos da forma
como χ(dn.st) 1 − χ(dn.−st11) ≤ 0 e χ(dn.st) 1 χ (dn.−st11) ≈ 1. Ambos os critérios são verificados, no entanto,
apresentam-se os resultados associados a convergência total, o que ocorre na 2.ª iteração.

Tensão resistente reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 1)

σ (com .Ed.red.st1 = χ d.st1 ⋅ σ com.Ed.st1 = 0.8388 ⋅ 360.0 = 301.977 MPa


1) (1)

Espessura efectivap reduzida do reforço de extremidade inferior (iteração 1)
σ max .Ed
• t (red
2) (1)
.st1 = t st1 ⋅ χ d.st1 ⋅ = 2.0 ⋅ 0.8388 = 1.6776
σ com.Ed.st1

(a.3) Propriedades efectivasp da iteração 2


Alma* (banzos inferior “real”)

• σ(com
2) (1)
.Ed.bp1 = σ com.Ed.red.st1

( 2)
σ(com
2)
.Ed.bp1 ⋅ γ M 0 301.977 ⋅ 1.0
• λ p.red.bp1 = λ p.bp1 ⋅ = 0.416 ⋅ = 0.381
fyb 360

• K ρ.bp1 = 0.133

( 2)
λ(p2.)red.bp1 − K ρ.bp1 λp.bp1 − λp( 2.red
)
.bp1 0.381− 0.133 0.416 − 0.381
• ρ bp1 = 2 ( 2)
+ 0.18 ⋅ = 2
+ 0.18 ⋅ = 1.674
λ p.red.bp1 λp.bp1 − 0.6 0.381 0.416 − 0.6

como ρ(b2p1) > 1 ⇒ ρ(b2p1) = 1.0

• bp1.e1 = bp1.e2 = 0.5 ⋅ bp1 = 36.621mm ; bp1.i = 0 mm

Reforço inferior

• σ (com
2) (1)
.Ed.cp1 = σ com.Ed.red.st1

( 2)
σ(com
2)
.Ed.cp1 ⋅ γ M 0 301.977 ⋅ 1.0
• λ p.red.cp1 = λ p.cp1 ⋅ = 0.813 ⋅ = 0.744
fyb 360

• K ρ.cp1 = 0.188

222
EXEMPLO NUMÉRICO 1

( 2)
λ(p2.)red.cp1 − K ρ.cp1 λ p.cp1 − λ(p2.)red.cp1 0.744 − 0.188 0.813 − 0.744
• ρ c p1 = + 0.18 ⋅ = + 0.18 ⋅ = 1.063
λ 2 ( 2)
p.red.cp1 λ p.cp1 − 0.6 0.744 2
0.813 − 0.6
como ρ(c2p1) > 1 ⇒ ρ(c2p1) = 1.0

• c p1.e = 29.121mm ; c p1.i = 0 mm

Propriedades do reforço equivalente


st1( 2 ) st1(2) st1(2)
• y 0.cg.p = 64.311 mm • A p = 131.485 mm2 • I y.p = 11874 mm4
st1(2) st1(2)
• z 0.cg.p = 6.839 mm • I z.p = 20152 mm4

Mola equivalente a um apoio elástico

• K st.1.p = 0.3867 – o mesmo valor que o da iteração 0.

Tensão crítica de encurvadura do reforço inferior

( 2)
2 ⋅