Você está na página 1de 27

Nuno Correia 08-09 1

COMPREENDER A ESTRUTURA E A
DINÂMICA DA GEOSFERA
Sismologia – Definições e causas
Sismos
2

 Ou tremores de terra, de cujo estudo se ocupa a


Sismologia, são movimentos vibratórios com origem
nas camadas superiores da Terra, provocados pela
libertação de energia.

Nuno Correia 08-09


Causa dos Sismos
3

 A maior parte dos


sismos ocorre nas
imediações da
fronteira entre
placas tectónicas -
são os sismos
tectónicos.

Nuno Correia 08-09


Outras causas
4

Nuno Correia 08-09


Teoria do Ressalto Elástico

5
Teoria do Ressalto Elástico
6

 Se a determinada altura, a tensão ultrapassar a capacidade de


resistência/deformação elástica do material rochoso, ele acaba por
fracturar (origina-se uma falha) e desloca-se, libertando-se
instantaneamente por Ressalto Elástico, parte da energia acumulada, o que
provoca um sismo.

Nuno Correia 08-09


7

 A energia libertada
propaga-se através de
ondas sísmicas que, ao
atingirem a superfície
terrestre, transferem
parte da sua energia
aos materiais que aí se
encontram, fazendo-os
vibrar
Nuno Correia 08-09
8

 A energia sísmica dispersa-se,


a partir do foco, em todas as
direcções e sentidos,
obrigando as partículas que
constituem os materiais
rochosos a vibrarem,
originando ondas sísmicas que
fazem tremer a Terra.

terremoto de Sichuan de 2008

Nuno Correia 08-09


Terramotos
9

 Por vezes, a libertação de


energia sísmica é tal que se
faz sentir em todo o planeta;
neste caso, os sismos designam-
se terramotos, sendo terremoto de Sichuan de 2008
precedidos e sucedidos por Data 12 de maio, 2008

sismos menores, aos quais se Magnitude


Países afetados
8.0 Richter[1]
China

dá o nome de, 62.664 (mortos)


358.816 (feridos)

respectivamente, abalos Vítimas


23.775
(desaparecidos)nº
oficial, à data de
premonitórios e réplicas. 24 de Maio de
2008.[2]

Nuno Correia 08-09


Falhas activas
10

 Após a formação da falha, esta pode permanecer


activa, isto é, pode originar novos sismos, por actuação
continuada das tensões tectónicas.

Duas falhas activa : Falha de Santo André,


(E.U.A), Falha da Anatólia (Turquia)

Nuno Correia 08-09


Falha activa
11

 falha activa como sendo uma estrutura


geológica que resulta da fractura de rochas
com formação de blocos que se deslocam uns
em relação aos outros

Nuno Correia 08-09


12

 A fronteira entre placas tectónicas é um


exemplo de falha activa

Nuno Correia 08-09


ONDAS SÍSMICAS

podem ser

ONDAS PROFUNDAS ONDAS SUPERFICIAIS

ONDAS P ONDAS S ONDAS LOVE ONDAS RAYLEIGH


Ondas P
14

 São as mais rápidas.


 São ondas longitudinais.
 Comprimem e distendem
as estruturas.
 Incidem verticalmente
nas estruturas.
 Propagam-se em
Sólidos, líquidos e gases

Nuno Correia 08-09


Ondas S
15

 São ondas transversais


 São ondas de corte – deformam o material sem alteração de volume.
 Nunca se propagam em líquidos.
 Induzem deformação e distorção.
 Incidem transversalmente nas estruturas.

Nuno Correia 08-09


16

 A interacção das ondas P e S à superfície geram


ondas :
L (Love)
 R (Reyleigh)

Nuno Correia 08-09


Ondas L (Love)
17

 Não se propagam na água


 Varrem a superfície horizontalmente (Esquerda-Direita)
 Movimento de torção
 Atacam dos alicerces dos edifícios.

Nuno Correia 08-09


Ondas R (Rayleigh)
18

 Agitam o solo segundo uma trajectória elíptica.


 Semelhantes às ondas do mar.
 A sua amplitude diminui com a profundidade.
 Propagam-se em sólidos e líquidos.

Nuno Correia 08-09


19 Nuno Correia 08-09
Sismógrafos e sismogramas
20

 As vibrações sísmicas do solo num dado local podem


ser registadas, sob a forma de sismogramas, por
instrumentos denominados sismógrafos.

Nuno Correia 08-09


21

Nuno Correia 08-09


Determinação do epicentro de um
22
Sismo

Ficha de apoio

Nuno Correia 08-09


23

Actividade prática nr. 3

Material necessário :
Compasso

Nuno Correia 08-09


Intensidade de um sismo

AVALIAÇÃO DA
INTENSIDADE DE UM
SISMO

Estragos provocados nas construções e


reacções/sensações das pessoas (por
inquéritos)

Escala de Mercalli
(modificada)
Magnitude
25

 Para calcular a quantidade de energia libertada


no foco utiliza-se a Escala de Magnitude de Richter.
 A relação entre a magnitude (M) e a energia (E)
libertada num sismo, expressa em Joules, pode ser
calculada pela fórmula:

Nuno Correia 08-09


26

Nuno Correia 08-09


27

Nuno Correia 08-09