Você está na página 1de 35

BREVE INTRODUÇÃO

AO SIMBOLISMO ASTROLÓGICO TRADICIONAL

“De todas as especulações que atualmente se podem fazer sobre o mundo, nenhuma teria sido possível se os homens não tivessem visto nem os astros, nem o Sol, nem o

Céu. Mas a verdade é que existem o dia e a noite, os equinócios, os solstícios, coisas que nos deram o conhecimento do número e nos permitiram especular sobre a essência do universo. Graças a isso foi-nos dada essa espécie de ciência, da qual se pode dizer que

nenhum bem maior foi jamais dado ao homem

O motivo pelo qual Deus criou a visão

foi sua presciência de que, tendo nós, homens, observado os movimentos periódicos e regulares da inteligência divina nos céus, poderíamos fazer uso deles em nós mesmos:

tendo estudado a fundo esses movimentos celestes, que são partícipes da retidão da inteligência divina, poderemos então ordenar por eles nossos próprios pensamentos, os

quais, entregues a si mesmos, não cessam de errar.”

Platão

2

PARTE I O QUE É ASTROLOGIA TRADICIONAL

Ciência Tradicional e Ciência Moderna

Este é um curso de introdução à Astrologia Tradicional. Por isso, antes de mais nada, precisamos procurar definir, ou pelo menos clarear, o que é a ciência tradicional em geral. Para tanto, vamos distingui-la da ciência moderna.

A ciência natural moderna é o estudo dos aspectos matematizáveis dos entes naturais, que

correspondem aproximadamente às causas material e eficiente dos fenômenos, ao passo que a ciência tradicional é o estudo do aspecto qualitativo dos mesmos entes, que corresponde às causas formal e final 1 . Ao estudar a água, por exemplo, o cientista moderno vai procurar saber do que ela é feita (causa material), como surge (causa eficiente) e como se comporta e vai dizer que a água é feita de H e O, surge pela exposição desses dois elementos a um determinado tipo de energia num determinado meio e apresenta determinados tipos de movimento, expressos segundo certas fórmulas matemáticas.

Os elementos H e O são a causa material da água,. mas a água só existe realmente quando H e O estão ordenados de tal modo que essa matéria passa a fazer parte de um novo ser, distinto tanto de H quanto de O e dotado de propriedades específicas, diferentes das de H e de O. O modelo das propriedades específicas da água é a sua causa formal, e é mais adequado dizer que a água é esse modelo do que dizer que ela é H 2 O.

Tudo o que ocorre sempre ou com muita freqüência com um determinado ente é expressão de uma intenção natural desse ente. A intenção natural não é necessariamente uma intenção consciente; significa apenas o fim natural para o qual tende o ente. Esse fim natural é a causa final do ente. Em todo ente natural, seu fim próprio é atingir, em sua ordem material, o estado mais semelhante ao seu modelo. Na água, por exemplo, o fato de procurar sempre o lugar mais baixo deve-se ao fato de o baixo ser, na ordem terrestre, o reflexo mais adequado da Passividade Universal, que é o modelo representado pela água.

Em suma, o objetivo de toda ciência tradicional é conhecer não principalmente as causas material e eficiente, mas a causa formal e a causa final das coisas, ou seja, o modelo delas e o estado que mais se assemelha a esse modelo na ordem natural a que pertencem. Para estudar um determinado fenômeno, o cientista tradicional vai, em primeiro lugar, estudar quais são as condições mais gerais para a existência desse fenômeno; depois, quais são as determinações que diferenciam essas condições; e, por fim, com essas determinações, vai construir um sistema simbólico.

A Astrologia, por exemplo, é a ciência que estuda o tempo e quer conhecer quais são as

diferenças que existem entre as coisas simplesmente pelo fato de essas coisas existirem em tempos diferentes. Os tempos se diferenciam pelos movimentos dos astros. Esses movimentos, estudados e compreendidos quanto à sua forma essencial e à sua finalidade, vão ser os elementos componentes

do sistema simbólico pelo qual se estudam as diferenças dos tempos.

Está clara, portanto, a distinção que existe entre ciência tradicional e ciência moderna.

1 Segundo Aristóteles, todo fenômeno envolve quatro ordens de causas: causa material, causa eficiente, causa formal e causa final, sendo que a causa material é subordinada à causa formal (pois toda matéria é matéria de alguma forma) e a causa eficiente é subordinada à causa final (pois todo movimento tende necessariamente para um fim próprio).

3

Acrescentamos que a Astrologia Tradicional não se interessa, de modo algum, em saber se existe um processo de causalidade eficiente entre os astros e os acontecimentos terrestres, ou seja, se os planetas e estrelas emitem algum tipo de “energia” que determina o destino da Terra e dos seres que nela vivem. O interesse da Astrologia Tradicional, como já dissemos, é o de usar os astros e seus movimentos como símbolos das determinações gerais do tempo.

A Cosmologia Tradicional: Uma Síntese Simbólica

Qualquer situação particular envolve, para a sua determinação, um conjunto indefinido de variáveis. Tomemos como exemplo o caso do cão e do meteoro: um cão caminhava pela rua quando um meteoro caiu do céu e atingiu-o na cabeça. Ora, é impossível a qualquer ser humano conhecer de modo distinto e exaustivo todas as causas que levaram à queda do meteoro sobre o cão. A cosmologia tradicional, porém, oferece uma solução para esse problema, pois, do seu ponto de vista, tudo o que acontece, mesmo a coisa mais improvável como a queda de um meteoro sobre a cabeça de um cachorro imita ou atualiza certos modelos universais que são uma expressão direta das condições de existência dos entes naturais. Esses modelos (como o mapa astrológico de um acontecimento, a carta geomântica de um edifício, um hexagrama do I Ching, etc.) são sínteses simbólicas de todas as causas e condições que estão em jogo num determinado momento e num determinado lugar. O conhecimento dessas sínteses simbólicas nos leva a ter uma idéia da resultante qualitativa dessas causas e condições.

Exemplo Simplificado de Interpretação

Tomemos como exemplo o caso de uma pessoa que quer organizar um piquenique para seus amigos. As causas do piquenique, a rigor, encontram-se todas dentro da pessoa do organizador: são, pela ordem, (a) a imagem do piquenique e do seu prazer na imaginação do sujeito; (b) a inclinação ou desejo que isso gera no apetite concupiscível do sujeito; e (c) o consentimento da vontade do sujeito. Tais são as causas do piquenique enquanto ação humana. Porém, toda ação humana tem uma matéria na qual acontece; no caso, essa matéria é constituída pelo lugar e o momento em que o piquenique vai se realizar e pela disposição da vontade de cada uma das pessoas nele envolvidas. Em outras palavras, fora da ordem causal interna do organizador, para que o piquenique aconteça são necessários um lugar propício, um tempo bom e o contentamento dos participantes. Ora, os fatores que podem determinar a coincidência desses três elementos são de fato em número indefinido e não podem ser apreendidos e calculados exaustivamente pelo organizador.

O que ele faz? Como não pode saber diretamente se o piquenique será um sucesso ou um

fracasso, consulta um astrólogo, que lhe diz que um piquenique é naturalmente significado pelo planeta Vênus, o qual é o significador natural dos divertimentos, dos prazeres, do contentamento, da imaginação e do apetite concupiscível. Para se ter uma idéia razoável do resultado do piquenique, basta examinar a condição de Vênus no céu no mapa astrológico do momento do piquenique. Se Vênus estiver bem colocado, se estiver em bom aspecto com o planeta ou os planetas que significam as pessoas que dele vão participar, e se o mapa do nascer do Sol naquele dia indicar bom tempo, pode-se ter a forte expectativa de que o piquenique será um sucesso.

E o que o astrólogo fez? Pegou vários grupos de fatores e foi sintetizando-os em uma coisa

só, a qual pôde então ser avaliada segundo os parâmetros da arte. É impossível, por exemplo, conhecer todos os fatores que vão determinar o humor de cada uma das pessoas naquele dia; assim, o astrólogo “junta” todas as pessoas em um só planeta e vê como esse planeta está colocado no mapa. Essa síntese, porém, é feita segundo rigorosos critérios de analogia formal.

4

Os Princípios do Aprendizado

No sistema de síntese utilizado que, na Astrologia, é o céu visível , cada uma das peças ou elementos que o compõem corresponde rigorosamente a um princípio universal que necessariamente opera em todos os entes naturais; e essa correspondência é o fundamento científico da arte. Portanto, o primeiro passo para o aprendizado de qualquer arte e ciência tradicional é a compreensão dos princípios universais das coisas. Como este é um curso breve, não poderemos, nele, estudar sistematicamente esses princípios. Teremos de apresentá-los segundo a ótica do simbolismo astrológico e logo fazer a relação deles com os símbolos da Astrologia. A primeira etapa do curso, portanto, consistirá numa introdução ao sistema simbólico da Astrologia, com a explicação dos seus símbolos fundamentais.

Daremos, no final, uma introdução às técnicas do ramo mais básico da Astrologia, que é a Astrologia Horária a arte de responder a uma pergunta com base na hora em que ela foi feita.

5

PARTE II OS ELEMENTOS DO SISTEMA SIMBÓLICO DA ASTROLOGIA

Todo o sistema simbólico da astrologia se baseia nos aspectos do céu visível que servem para medir o tempo. Daremos a seguir uma lista desses aspectos, com suas principais propriedades.

O Equador Celeste e os Pólos Celestes, a Eclíptica e o Zodíaco

Se imaginarmos o céu como uma grande esfera, o Equador Celeste será simplesmente a projeção do Equador Terrestre sobre essa esfera; ídem os pólos celestes em relação aos pólos terrestres.

A Eclíptica é o círculo, traçado sobre essa esfera, do caminho que o Sol percorre durante o ano contra o pano de fundo das estrelas fixas 2 . É um círculo inclinado cerca de 23 graus em relação ao Equador Celeste e cruza este em dois pontos, correspondentes à posição do Sol nos dois equinócios.

O Zodíaco é uma faixa de mais ou menos 16 graus de largura, no centro da qual passa a Eclíptica. Seu nome significa “Roda da Vida” ou “Roda dos Viventes”.

Os Signos

Os signos são subdivisões da Eclíptica, definidos por um processo puramente geométrico de divisão do círculo em doze partes a partir do ponto vernal, ou seja, de um dos pontos em que a Eclíptica cruza o Equador celeste o ponto no qual o Sol se encontra quando do equinócio de primavera no hemisfério norte (equinócio de outono no hemisfério sul). Os signos, portanto, não são conjuntos de estrelas, mas divisões geométricas da Eclíptica.

ÁRIES

Símbolo: A Os chifres do carneiro. Elemento: Fogo Qualidades Sensíveis: Quente e seco Triplicidade: Cardinal Séquito: Lunar Regente: Marte Exaltação: Sol Exílio: Vênus Queda: Saturno Clima: No hemisfério norte, o degelo da primavera e a aparição dos primeiros brotos. No sul do Brasil, o abrandamento do calor do verão com as primeiras chuvas de outono.

2 Pouco importa que esse seja somente o círculo aparente descrito pelo Sol; o fato é que o tempo, na Terra, é medido exatamente por esse círculo “aparente”.

6

TOURO

Símbolo: B A cabeça do touro ou da vaca, com chifres em forma de crescente lunar. Elemento: Terra Qualidades Sensíveis: Frio e seco Triplicidade: Fixo Séquito: Lunar Regente: Vênus Exaltação: Lua Exílio: Marte Queda: Clima: No hemisfério norte, a época em que as plantas aprofundam suas raízes e se firmam e fortalecem sobre a terra. No sul do Brasil, o exato ponto intermediário entre a pujança do verão e o recolhimento do inverno, a época em que a vegetação se estabiliza depois de atingir o seu máximo crescimento, o que lhe define as formas e ressalta as cores.

GÊMEOS

Símbolo: C Os gêmeos são representados pelos dois traços verticais ou, de preferência, pelos horizontais, pois trata-se sempre de um par de gêmeos não idênticos: um mortal e outro imortal (os Dióscuros), um homem e uma mulher (Apólo e Ártemis), etc. Elemento: Ar Qualidades Sensíveis: Quente e úmido Triplicidade: Mutável Séquito: Lunar Regente: Mercúrio Exaltação: Exílio: Júpiter Queda: Clima: No hemisfério norte, a época em que os brotos se diferenciam em caule, folha e botão de flor. No sul do Brasil, a época em que as árvores decíduas começam a perder suas folhas e, de maneira geral, em que a vegetação velha morre; os ventos de outono, que agitam a vegetação para que caiam as partes caducas.

CÂNCER

Símbolo: D As garras do caranguejo. Elemento: Água Qualidades Sensíveis: Frio e úmido Triplicidade: Cardinal Séquito: Lunar Regente: Lua Exaltação: Júpiter Exílio: Saturno Queda: Marte Clima: No hemisfério norte, a época em que se formam os frutos e eles crescem, sem porém amadurecer. No sul do Brasil, a época de maior recolhimento da natureza em geral e da vegetação em específico.

7

LEÃO

Símbolo: E A cauda do leão. Elemento: Fogo Qualidades Sensíveis: Quente e seco Triplicidade: Fixo Séquito: Solar Regente: Sol Exaltação: Exílio: Saturno Queda: Clima: No hemisfério norte, a época em que os frutos amadurecem, depois de já crescidos. No sul do Brasil, é a época em que as forças do verão voltam a mostrar sua influência no meio do inverno: o tempo permanece frio, mas os raios do Sol, quando ele aparece, são penetrantes. Início do período das queimadas.

VIRGEM

Símbolo: F Elemento: Terra Qualidades Sensíveis: Frio e seco Triplicidade: Mutável Séquito: Solar Regente: Mercúrio Exaltação: Mercúrio Exílio: Júpiter Queda: Vênus Clima: No hemisfério norte, é a época das colheitas. No sul do Brasil, é a época em que os botões de flor se destacam da vegetação abatida pelo inverno.

LIBRA

Símbolo: G A balança. Elemento: Ar Qualidades Sensíveis: Quente e úmido Triplicidade: Cardinal Séquito: Solar Regente: Vênus Exaltação: Saturno Exílio: Marte Queda: Sol Clima: Época temperada, nem muito fria, nem muito quente. No sul do Brasil, o ar já está quente, mas as águas dos rios, por exemplo, ainda estão frias. Aparecem as primeiras flores.

8

ESCORPIÃO

Símbolo: H O escorpião com seu ferrão. Elemento: Água Qualidades Sensíveis: Frio e úmido Triplicidade: Fixo Séquito: Solar Regente: Marte Exaltação: Exílio: Vênus Queda: Lua Clima: No hemisfério norte, é o começo do frio e da morte da vegetação, que cai na terra para formar o húmus que a fertilizará no ano seguinte; no sul, a natureza manifesta-se em toda a sua intensidade: o mês de Escorpião é o ápice do florescimento da vegetação na primavera.

SAGITÁRIO

Símbolo: I A flecha do centauro-arqueiro. Elemento: Fogo Qualidades Sensíveis: Quente e seco Triplicidade: Mutável Séquito: Solar Regente: Júpiter Exaltação: Exílio: Mercúrio Queda: Clima: No sul do Brasil, época quente, mas de um calor que, por não ser excessivo, incita à atividade e não à preguiça.

CAPRICÓRNIO

Símbolo: J A cabra com cauda de peixe. Elemento: Terra Qualidades Sensíveis: Frio e seco Triplicidade: Cardinal Séquito: Solar Regente: Saturno Exaltação: Marte Exílio: Lua Queda: Júpiter Clima: No hemisfério norte, o rigor do inverno. No sul do Brasil, o calor opressivo de dezembro-janeiro.

9

AQUÁRIO

Símbolo: K Dupla seqüência de ondas. Elemento: Ar Qualidades Sensíveis: Quente e úmido Triplicidade: Fixo Séquito: Lunar Regente: Saturno Exaltação: Exílio: Sol Queda: Clima: No hemisfério norte, o começo da preparação da terra para a semeadura. No sul do Brasil, o calor de verão do mês de Aquário se distingue pelo caráter incisivo e cortante dos raios solares. Ao passo que em Capricórnio o calor é como um bloco que comprime o corpo por todos os lados, em Aquário é mais fruto da ação aguda do Sol.

PEIXES

Símbolo: L Dois peixes nadando em direções opostas. Elemento: Água Qualidades Sensíveis: Frio e úmido Triplicidade: Mutável Séquito: Lunar Regente: Júpiter Exaltação: Vênus Exílio: Mercúrio Queda: Mercúrio Clima: No hemisfério norte, o abrandamento do frio do inverno. No sul do Brasil, o signo de Peixes se faz sentir principalmente num frescor e transparência do ar no mês que lhe corresponde.

Os Planetas

A Astrologia Tradicional só leva em consideração os planetas visíveis, pois os elementos do seu sistema simbólico são exatamente os fenômenos que servem para medir o tempo; ora, não se pode medir o tempo com planetas invisíveis.

LUA

Símbolo: R Qualidades: Fria (normal) e úmida (-) Ciclo: 28 dias Passiva Aspecto: Luminar noturno, de cor branca mas luminosidade azulada (as coisas por ela iluminadas ficam todas com um mesmo tom azulado), cresce e diminui, chegando a desaparecer; é o mais rápido dos planetas. Traço Simbólico: Princípio de geração, nutrição e crescimento.

10

MERCÚRIO

Símbolo: S Qualidades: Seco (normal) e frio (-) Ciclo: o mesmo do Sol, com ciclo de anomalia de 88 dias Neutro Aspecto: Aparece só antes do nascer do Sol e depois do pôr do Sol; tem uma luminosidade cintilante, como se estivesse emitindo faíscas. Traço Simbólico: Princípio de adaptação, articulação, relação e comunicação.

VÊNUS

Símbolo: T Qualidades: Úmida (+) e fria (-) Ciclo: O mesmo do Sol, com ciclo de anomalia de 223 dias Pequeno Benéfico Aspecto: Aparece só antes do nascer do Sol e depois do pôr do Sol, como Estrela da Manhã e Estrela da Tarde; depois do Sol e da Lua, é o astro mais brilhante do firmamento. Seu brilho caracteriza-se pela suavidade e doçura. Traço Simbólico: Princípio de atração e união.

SOL

Símbolo: Q Qualidades: quente (+) e seco (normal) Ciclo: 1 ano Ativo Aspecto: Luminar diurno, de luz amarela quente, o mais brilhante; evidencia em cada coisa sua cor própria; tem luz e calor. Traço Simbólico: Princípio de poder e carisma.

MARTE

Símbolo: U Qualidades: Seco (++) e quente (+) Ciclo: 686 dias Pequeno Maléfico Aspecto: Luz avermelhada; é, dos planetas, o que tem a cor mais intensa e mais quente. Traço Simbólico: Princípio de esforço e superação.

JÚPITER

Símbolo: V Qualidades: Quente (+) e úmido (-) Ciclo: 12 anos Grande Benéfico Aspecto: Depois de Vênus, é o planeta mais brilhante, de luz branco-azulada. Sua luz tem uma qualidade irradiante. Traço Simbólico: Princípio de expansão e plenitude.

11

SATURNO

Símbolo: W Qualidades: Frio (++) e seco (+) Ciclo: 29 anos e meio Grande Maléfico Aspecto: É o menos brilhante dos planetas e tem a cor amarelo-pálida. Traço Simbólico: Princípio de contração e limite, dificuldade.

As Casas

As casas são uma divisão do Zodíaco em doze partes, feita a partir do horizonte, que corta o

Zodíaco em duas metades, uma acima do horizonte e outra abaixo, e do grande círculo do meridiano (a projeção vertical, sobre a esfera celeste, da linha norte-sul), que corta o Zodíaco também em duas partes, uma oriental e outra ocidental. Os quatro quadrantes assim obtidos são por sua vez divididos em três, e o Ascendente é o ponto de interseção do zodíaco com o horizonte oriental.

objeto

A CASA

I

ou

ASCENDENTE representa

a

qualidade

distintiva

do

sujeito

ou

representado pelo mapa, aquilo que ele torna presente no mundo.

A CASA II representa os meios necessários para sustentar, reforçar ou manter presente a

qualidade representada pela Casa I.

A CASA III representa as relações de semelhança e diferença entre a qualidade que o sujeito

torna presente, representada pela casa I, e as qualidades dos outros seres.

A CASA IV ou FUNDO DO CÉU representa o limite último de manifestação da qualidade

representada pela Casa I. Esse limite é tradicionalmente entendido de dois modos: como um limite espacial, e nesse caso a Casa IV representa o lugar próprio da qualidade representada pela Casa I; ou como um limite temporal anterior, ou seja, o passado, os antepassados e a história do sujeito.

A CASA V representa as capacidades de realização do sujeito, o que ele mesmo pode criar ou

tornar presente no mundo.

tornar

permanentes ou maximamente eficientes.

A CASA VII ou DESCENDENTE representa as relações de harmonia e desarmonia entre a

realização das capacidades do sujeito e as realizações das capacidades dos outros seres.

A CASA

VI

representa

os

recursos

pelos

quais

essas

capacidades

podem

se

A

CASA VIII representa o limite da capacidade de realização do sujeito, ou seja, por um lado,

o

aspecto sob o qual as realizações se tornam um limite para o próprio sujeito (o caráter

maléfico das realizações) e, por outro lado, a morte.

A CASA IX representa os fins ou ideais que orientam a realização das capacidades do sujeito.

A CASA X ou MEIO DO CÉU representa os meios pelos quais esses ideais se efetivam ou se

fixam na vida do sujeito.

A CASA XI representa as relações de conveniência ou inconveniência entre os fins e ideais

que orientam as realizações do sujeito e os que orientam as realizações de outros seres.

A CASA XII representa o limite de realização dos ideais e, logo, as provações que o sujeito

encontra em sua vida.

12

As Casas I, IV, VII e X são angulares e qualquer planeta situado nelas se encontra fortalecido. As casas II, V, VIII e XI são as casas sucedentes, e os planetas nelas situados têm um grau intermediário de poder. As casas III, VI, IX e XII são as casas cadentes, e, em princípio, os planetas nelas situados se encontram enfraquecidos.

Os Elementos Secundários do Sistema Simbólico da Astrologia

Os signos, os planetas e as casas são os elementos primários do sistema simbólico da Astrologia. Há um outro conjunto de três elementos secundários os aspectos, as estrelas e as partes cujo simbolismo é derivado do simbolismo dos elementos primários. Os aspectos derivam seu simbolismo das relações entre os signos que formam aspectos entre si no Zodíaco. O simbolismo das estrelas é derivado do simbolismo dos planetas, e o das partes é derivado do das casas.

Os Aspectos

O simbolismo dos aspectos é derivado das relações entre as qualidades dos signos que

formam entre si determinados ângulos, que são sempre divisões exatas do círculo.

A conjunção (!) é a divisão do círculo por 1 (360 o ou 0 o ), e representa justamente a

conjunção de dois princípios que tendem a realizar a mesma coisa. A conjunção desses dois

princípios nem sempre é benéfica, pois, embora o seu fim seja o mesmo, eles podem ser naturalmente incompatíveis entre si.

A oposição (") é a divisão do círculo por 2 (180 o ), e representa justamente a oposição ou

incompatibilidade entre dois princípios que tendem à realização de coisas contrárias.

O trígono ($) é a divisão do círculo por 3 (120 o ), e representa a harmonia entre dois

princípios que tendem à realização de fins diferentes mas complementares.

A quadratura (#) é a divisão do círculo por 4 (90 o ), e representa a luta e a tensão entre dois princípios que procuram, cada qual, subordinar a ação do outro à sua ação.

O sextil (') é a divisão do círculo por 6 (60 o ), e representa as oportunidades que dois

princípios oferecem um ao outro e que facilitam as realizações próprias desses princípios; as tendências dos dois princípios não são necessariamente complementares ou harmônicas, mas acidentalmente colaboram entre si.

Os ângulos dos aspectos apresentam uma certa elasticidade, ou seja, podem variar um pouco para mais ou para menos, dependendo dos objetos que formam esses ângulos entre si. Essa variação possível chama-se orbe. O maior orbe é o do Sol, que chega a 16 o para mais ou para menos (em relação ao ângulo-base do aspecto considerado). O orbe da Lua é de 12 o ; o de Júpiter, 10 o ; o de Saturno, 9 o ; o de Marte e o de Vênus, 8 o ; o de Mercúrio, 7 o ; o das casas angulares, 5 o ; o das outras casas, 3 o ; o das partes, 3 o . Para saber o orbe de um aspecto formado entre dois elementos do mapa, tomam-se os orbes dos dois elementos, somam-se e divide-se o resultado da soma por dois. Num aspecto de Sol com Júpiter, por exemplo, somamos 16 o e 10 o e obtemos 26 o . Dividindo 26 o por dois, obtemos 13 o , que é o orbe admissível para esse aspecto. Ou seja, um trígono de Sol e Júpiter pode ir de 107 o a 133 o .

É preciso deixar claro, porém, que os orbes só são admitidos quando os planetas encontram- se em signos que formam entre si o aspecto considerado. “A importância fundamental das quatro qualidades básicas [quente, frio, seco e úmido] para a compreensão dos aspectos tem sido tão

13

esquecida que os modernos chegaram a ignorar totalmente os limites entre os signos ao avaliar se dois planetas fazem aspecto entre si. Pode-se admitir um orbe em torno da medida exata do aspecto; porém, esse orbe termina onde termina o signo. Se um planeta está no primeiro grau de Touro e outro, no quinto grau de Touro, os dois estão conjuntos. Se um planeta está no primeiro grau de Touro e outro, no último grau de Áries, o astrólogo moderno os reconheceria como conjuntos; mas, como não partilham do mesmo elemento e da mesma qualidade sígnica que produziria entre eles uma perfeita compatibilidade, a idéia de conjunção, neste caso, é absurda embora os planetas estejam mais próximos, em graus, do que no primeiro caso.” (John Frawley, The Real Astrology, p.

87)

As Estrelas Fixas

O simbolismo das estrelas fixas é derivado do simbolismo dos planetas. Com efeito, as estrelas, classificadas sempre em benéficas e maléficas, levam cada qual a “marca” ou o estilo de um planeta ou de um par de planetas. Seu caráter benéfico ou maléfico não depende, porém, do fato de os planetas com os quais partilham o simbolismo serem benéficos ou maléficos. Ou seja, uma estrela pode ter a natureza de Saturno, que é o Grande Maléfico, e ainda assim ser benéfica: no caso, a contração ou limitação, que é a característica de Saturno, se manifesta na estrela de maneira benéfica, como uma purificação ou uma proteção contra um mal. Do mesmo modo, uma estrela de caráter jupiterino pode ser maléfica e, nesse caso, a expansão jupiterina vai representar um excesso ou uma dissipação de uma qualidade.

A ação das estrelas fixas só se exerce por conjunção (ou seja, um trígono perfeito entre um planeta e uma estrela fixa, por exemplo, nada significa), e o orbe admitido para a conjunção é de no máximo 1 o .

Algumas das principais estrelas fixas 3 :

Maléficas

Benéficas

Vértex (U e R): 27 o A 57Aldebaran (U): 9 o C 56

Sharatan (U e W): 4 o B 07

Algol (W e V): 26 o B 19Regulus (U e V): 29 o E 59

Praesepe (U e R): 7 o E 23Spica (U e T): 23 o G 59

Facies (Q e U): 8 o J 28Lucida Lancis (V e U): 15 o H 14

Pollux (U): 23 o D 22

Antares (U e V): 9 o I 55

As Partes

As partes são pontos do Zodíaco determinados pelas relações e proporções entre certos planetas e certas casas, escolhidos de acordo com o tema que se quer conhecer. Sua função é idêntica à das casas: representam um setor da existência, que pode ser bastante específico, e que é avaliado segundo a colocação por signo e casa, a disposição e a aspectação.

3 Posições das estrelas para Agosto de 2010.

14

O grau de especificidade das partes chega a ser impressionante. Existe, por exemplo, a “parte do feijão”, que, aplicada ao mapa de um determinado ano, pode nos dizer como vai ser a safra de feijão daquele ano. Mas as partes mais importantes são:

Parte da Fortuna R

Parte do Espírito Q

Parte do Amor T

Parte da Necessidade S

Parte da Coragem U

Parte da Vitória V

Parte da Justiça W

Asc. + R - Q

Asc. + Q

Asc. + T - Parte do Espírito

Asc. + Parte da Fortuna - S

Asc. + Parte da Fortuna - U

Asc. + V - Parte do Espírito

Asc. + Parte da Fortuna - W

- R

Para aplicar as fórmulas de cálculo das partes, precisamos acrescentar a longitude do planeta, casa ou parte no signo à longitude do signo no Zodíaco. Um planeta situado a 10 o de Touro, por exemplo, está a 10 o + 30 o (longitude do 0 o de Touro), ou seja, 40 o . Um planeta situado a 22 o de Escorpião está a 22 o + 210 o (longitude do 0 o de Escorpião), ou seja, 232 o .

Lua

Vamos calcular a Parte da Fortuna para um mapa com Ascendente em 15 o de Touro, em 28 o de Sagitário e Sol em 7 o de Virgem:

Primeiro, convertemos esses graus em graus de longitude zodiacal:

Asc. em 15 o de Touro = 15 o + 30 o = Asc. em 45 o Lua em 28 o de Sagitário = 28 o + 240 o = Lua em 268 o Sol em 7 o de Virgem = 7 o + 150 o = Sol em 157 o Então aplicamos a fórmula:

Parte da Fortuna = Asc. + Lua - Sol = 45 o + 268 o - 157 o = 156 o = 150 o + 6 o = 6 o de Virgem. Ou seja, nesse caso, a Parte da Fortuna está em 6 o de Virgem. Se o resultado for superior a 360 o , basta subtrair dele 360 o . Se for negativo, basta acrescentar-lhe 360 o .

Longitudes do grau 0 de cada signo:

A

B

C

Áries

Touro

Gêmeos

Câncer

Leão

F Virgem

E

D

G

H

I

J

Libra

Escorpião

Sagitário

Capricórnio

K Aquário

L Peixes

0 o

30

60

90

120

150

180

210

240

270

300

330

o

o

o

o

o

o

o

o

o

o

o

15

PARTE III

O SIMBOLISMO DOS NÚMEROS

A Noção de Número

Para compreender o simbolismo dos números, é preciso compreender, antes de mais nada, que o número é uma medida; e que existem coisas que são essencialmente medidas pelos números, e outras que só o são acidentalmente.

Nas coisas que são essencialmente medidas pelos números, cada uma das unidades que compõem o número que as mede tem, em relação às outras unidades, uma diferença qualitativa; e cada uma das qualidades referentes a cada uma das unidades simboliza um tipo universal. Além disso, o número é intrínseco à natureza das coisas que ele mede essencialmente: elas só existem naquele número. Tal é o caso, por exemplo, das três cores primárias, que não podem ser senão três, independentemente do nosso cômputo. Por fim, as coisas medidas essencialmente pelos números pertencem sempre ao mesmo nível de realidade; não pode haver entre elas uma hierarquia, caso em que não se trataria mais de um número, mas da soma de tantos números quantos forem os níveis hierárquicos de que se trata 4 .

Nas coisas acidentalmente medidas pelos números, o número é extrínseco à natureza da coisa. Tal é o caso, por exemplo, de três pedras escolhidas ao acaso e contadas. É o caso também, por exemplo, do número total de pedras que existem na Terra. Esses dois casos se diferenciam porque o primeiro depende de um cômputo feito pela nossa mente, ao passo que o segundo é um dado da natureza. Em ambos, porém, os números são acidentais e extrínsecos à natureza das coisas que estão medindo.

Como o essencial sempre tem prioridade sobre o acidental, o próprio conhecimento dos números acidentais só é possível pelo conhecimento dos números essenciais.

Definição de Número

O número tem a natureza de uma forma, porque é o que diferencia uma quantidade da outra.

Se diferencia, é porque dá à quantidade uma determinação. Ora, é a matéria que é o indeterminado. Se o número dá uma determinação à quantidade, é porque ele é a forma, o determinante da quantidade. Numa definição:

“O número é a forma essencial da multiplicidade, que é dada pela medida da multiplicidade pela unidade.”

O

Simbolismo do Um

O

tipo da unidade é o Ser absoluto ou o Princípio de todo ser relativo, o Real, Aquele Que É.

Assim como todo ser relativo é uma medida do Ser absoluto, todo número é uma medida da unidade. Por isso, tudo o que é tudo a que se pode atribuir o ato de ser é em alguma medida um. Porém, os símbolos próprios do Um são aqueles objetos que, dentro de uma determinada ordem, são o princípio da definição dos elementos que pertencem a essa ordem. Tal é o caso, por

4 Por outro lado, não é por acidente que os elementos de um conjunto hierárquico por exemplo, Céu, Homem, Terra somam um determinado número; o resultado da soma, nesse caso, é um dos aspectos da realidade de que se trata, embora nunca seja o aspecto central.

16

exemplo, do Sol entre os planetas; da unidade na série dos números; do ponto em relação à

extensão espacial e às figuras; de todas as diversas “localizações” do centro, como, por exemplo, o templo na cidade, o coração no organismo, a origem temporal na história. O Um corresponde ainda

à forma mais perfeita dentro de uma ordem de formas: o ouro entre os metais; o modelo na mente do artista em relação à sua obra.

O

Simbolismo do Dois

O

tipo da dualidade é o par Infinitamente Determinante/Infinitamente Determinável, ou o

Absoluto e o Infinito. Não são consideradas como verdadeiras dualidades aquelas que se baseiam na posse e na privação de algum atributo (exceto, em certa medida, quando a privação tem algum aspecto de positividade em relação a outro ser como a noite, que é privação de luz solar, tem em relação a nós). A dualidade se expressa no par Sol e Lua; no masculino e no feminino; na atividade

e no repouso; na essência e na substância; no céu e na terra; no vento e na água; em objeto e sujeito.

O

Simbolismo do Três

O

tipo do três é o das relações principiais de Unidade, Verdade e Bondade entre as partes

essenciais do ser em ato (tanto o Ser absoluto quanto os seres particulares).

Por relações principiais queremos dizer relações estabelecidas pelo próprio ato de ser da coisa, e não uma relação entre a coisa e outras coisas.

As partes essenciais do ser em ato são:

1. aquilo que é: a substância ou o sujeito, o determinável;

2. o que ele é: a essência ou natureza, o determinante;

3. o ato de ser: o ato pelo qual ele é, a determinação.

As relações principiais entre as partes essenciais do ser em ato são:

1. Se considerarmos o ato de ser em si mesmo, ele possui a perfeição da Unidade, pois é por ele que cessa a divisão entre essência e substância. Na medida em que essência e substância estão separadas ou divididas, não há ser; é pelo ato de ser, que é um ato simultâneo da essência e da substância, que cessa a divisão entre elas.

2. Se considerarmos o ato de ser enquanto ato da substância em relação à essência, ele possui a perfeição da Verdade, pois a substância necessariamente reflete em alguma medida a essência; caso contrário, não seria definida de modo algum por essa essência.

3. Se considerarmos o ato de ser enquanto ato da essência em relação à substância, ele necessariamente possui a perfeição da Bondade, porque comunica e preenche: é uma medida atual da essência, e isso é um bem.

Como o ato de ser é simultaneamente essas três coisas pelo mesmo ato, todo ser é em alguma medida um, bom, e verdadeiro.

O número Três se manifesta em começo, meio e fim, ou juventude, maturidade e velhice;

nas três dimensões do espaço (longitude, latitude e a dimensão vertical); nas três cores primárias; no ternário hindu sat, chit, ananda; no Sol, em forma, luz e calor.

O Simbolismo do Quatro

17

O tipo fundamental do quaternário é o dos aspectos do Princípio na sua relação com a manifestação: Pureza ou Exclusividade, Atração ou Interioridade, Serenidade ou Inclusividade, Força ou Atividade. Por um lado, o Princípio exclui tudo o que é distinto dele, pois é o único real; por outro, sua própria realidade inclui toda positividade e toda perfeição, e, portanto, toda possibilidade. O Princípio é Força ou Atividade porque projeta permanentemente a sua realidade na manifestação, dando continuamente a existência aos seres manifestados; mas é também Atração ou Interioridade porque ordena todos eles a Ele mesmo como fim e repouso. “Eu sou o Alfa e o Omega, o Princípio e o Fim.”

O quaternário se reflete nas quatro direções cardeais do espaço; nas quatro estações do ano; nos quatro elementos; nas quatro fases da Lua; nos quatro animais protetores da geomancia chinesa.

18

PARTE IV O SIMBOLISMO DOS SIGNOS 5

A Importância do Ternário e do Quaternário nas Ciências Tradicionais

A Essência e a Substância universais, como vimos na parte referente ao simbolismo dos números, são significadas por 1 e 2. Já o par 3-4 significa uma “localização” da Essência e da Substância, ou seja, a essência e a substância de um ser determinado ou de uma determinada ordem de seres 6 . De todos os pares compostos de um número celeste e outro terrestre, o par 3-4 é o mais importante para o conhecimento das diferenças entre as ordens de seres ou entre os seres de uma mesma ordem 7 .

Nesse par, o 3 é o pólo celeste e o 4, o pólo terrestre. De certo modo, por ser o pólo celeste, o 3 representa o conteúdo de um ser, e o 4, o receptáculo ou o continente do ser.

Na divisão do Zodíaco, a divisão ternária é celeste, o que é indicado pelo fato de ser uma divisão intrínseca à própria natureza do círculo 8 . Já a divisão quaternária do Zodíaco depende da sua situação espacial, que permite que quatro de seus pontos sejam associados às quatro direções cardeais do espaço.

A Divisão do Zodíaco

As quatro direções cardeais são uma projeção, num plano, do círculo do Equador e do eixo dos pólos. A linha leste-oeste é a projeção do Equador, que tem por atributo natural o calor, uma qualidade yang; o eixo norte-sul corresponde à frieza, que é um atributo natural dos pólos e uma qualidade yin. O eixo leste-oeste, portanto, é relativamente yang, e o eixo norte-sul, relativamente yin.

No eixo leste-oeste, embora seus dois pólos sejam yang, o leste é yang em relação ao oeste, que é relativamente yin. Isso porque o leste é a direção do Sol nascente um princípio de atividade ou expansão , e o oeste, a direção do Sol poente um princípio de passividade ou contração 9 . Portanto, o leste é yang/yang, ou quente e seco, e corresponde ao elemento fogo na Astrologia. O oeste é yang/yin, ou quente e úmido, e corresponde ao elemento ar.

As estrelas que giram em torno do pólo norte voltam para ele o seu lado direito 10 , que é o

5 Não poderemos, aqui, desenvolver demasiado longamente o simbolismo dos signos. Isso se deve, em primeiro lugar, à brevidade do curso; e, em segundo, ao fato de que, na Astrologia Horária, os signos são importantes sobretudo enquanto lugares de dignidade ou debilidade dos planetas.

6 Se o 2 significa a matéria prima universal, o 4 significa a matéria segunda, a matéria imediata de um mundo ou de um ser. Do mesmo modo, se o 1 significa um arquétipo (que pode ser arquétipo de diversas formas), o 3 significa a forma imediata de um mundo ou de um ser.

7 São muitos os exemplos de sistemas simbólicos formados a partir dos números 3 e 4. Podemos citar aqui o I Ching com seus 64 hexagramas (64 = 4 3 ); a astrologia chinesa das nove estrelas, com seus 81 tipos de personalidade (81 = 3 4 ); e a própria Astrologia, com seus 12 signos (3 x 4) e 7 planetas (3 + 4).

8 Vamos lembrar que o círculo é um símbolo da manifestação ou desdobramento de todos os aspectos possíveis de um princípio, representado pelo centro.

9 “Toda força de expansão é yang e toda força de contração é yin.” (René Guénon, A Grande Tríade, p. 40.) 10 Para compreender essa afirmação, temos de nos imaginar caminhando em torno do pólo norte no mesmo sentido das estrelas. Nesse caso, nosso lado direito ficaria voltado para o pólo. No pólo sul, aconteceria exatamente o inverso.

19

lado ativo ou yang. Ora, o yang busca sempre o seu complementar, o yin 11 ; logo, o pólo norte é yin 12 . Uma vez que o eixo norte-sul já é yin por natureza, o norte corresponde a um princípio yin/yin, ou frio e úmido, representado pela água na Astrologia. Já as estrelas que giram em torno do pólo sul voltam-lhe o seu lado yin, evidenciando que ele é yang. O sul corresponde, portanto, a um princípio yin/yang, ou frio e seco, representado na Astrologia pelo elemento terra.

Os signos correspondentes às direções cardeais são Áries (elemento fogo) para o leste, Câncer (elemento água) para o norte, Libra (elemento ar) para o oeste e Capricórnio (elemento terra) para o sul. São esses os signos chamados cardinais, que refletem a característica distintiva dos elementos, as diferenças entre os elementos. Podem ser associados, por isso, ao princípio ternário Unidade, explicado no texto sobre o simbolismo dos números.

Se aplicarmos a divisão ternária a cada um desses elementos, fazendo de cada um desses signos o vértice de um triângulo eqüilátero inscrito no círculo do Zodíaco, teremos nos outros dois vértices de cada triângulo as outras formas ou modos dos mesmos elementos.

Os vértices do triângulo construído sobre Áries revelarão os aspectos do elemento fogo, ou melhor, mostrarão como o fogo, enquanto elemento de base, pode servir para manifestar cada uma das qualidades ternárias 13 . Na ordem, depois de Áries temos Leão. Em Leão, o fogo se torna veículo de manifestação da Bondade. Os signos que manifestam a qualidade de Bondade são chamados fixos e caracterizam-se por evidenciar não os elementos nas suas qualidades distintivas, mas os efeitos desses elementos sobre os seres. Além de Leão, esses signos são Escorpião (elemento água), Aquário (elemento ar) e Touro (elemento terra).

O último vértice do triângulo de fogo cai no signo de Sagitário, onde o fogo serve de base para a manifestação da qualidade Verdade. Os signos que manifestam a Verdade são chamados mutáveis e manifestam especificamente, cada qual, o fim para o qual tende o seu elemento o estado no qual o elemento se aproxima ao máximo do seu modelo 14 . Os signos mutáveis, além de Sagitário, são Peixes (elemento água), Gêmeos (elemento ar) e Virgem (elemento terra).

Séquito Solar e Séquito Lunar; Domicílios

Há um outro princípio de distinção que nos ajuda a compreender as qualidades dos signos. Para apresentá-lo, imaginemos o céu como um reino cujo rei é o Sol e cuja rainha é a Lua; metade do reino pertence ao rei, e metade, à rainha. Cada um deles concede aos cinco membros da corte um território sobre o qual podem exercer o seu domínio. A metade solar do reino vai de Leão a Capricórnio. Nela, o rei pega para si a primeira porção, um sexto do total: o signo de Leão. Concede

11 Não podemos dissertar longamente, aqui, sobre a teoria das atrações ou dos movimentos segundo a perspectiva tradicional; mas podemos dizer que todas as coisas se caracterizam por uma composiçào de yin e yang na qual prdomina um ou predomina o outro; e as situações de existência de cada ser vão como que alterando essa fórmula essencial ou natural de yin e yang do ser, gerando as privações, seja do princípio yin, seja do princípio yang, que movem o ser a usar uma força para buscar a força contrária. Um ser privado da sua medida natural de yin fica por isso mesmo dotado de um excesso de força yang, que é exatamente a força que ele usa para recuperar a sua medida original

de yin, e vice-versa. Essa doutrina sutil, baseada na complementaridade do yin e do yang e na contrariedade entre posse e privação, explica todos movimentos naturais dos entes e é o fundamento da difundida idéia de que “os opostos se atraem”.

12 “O Norte [

capítulo, intitulado “Questões de Orientação”.

13 Unidade, Verdade, Bondade.

é yang” (René Guénon, A Grande Tríade, p. 48). Ver também o restante desse

]

é yin, [

]

o Sul [

]

14 Assim, em Sagitário, por exemplo, o fogo ilumina, e assim realiza o seu fim natural, que é o de explicitar o aspecto manifestante do Intelecto Divino, cuja manifestação sempre foi associada à idéia de Luz.

20

a segunda parte, o signo de Virgem, a Mercúrio; a terceira, Libra, a Vênus; a quarta, Escorpião, a

Marte; a quinta, Sagitário, a Júpiter; e a sexta, Capricórnio, a Saturno. Já a metade lunar do reino vai de Aquário a Câncer. A primeira parte, Aquário, a rainha concede a Saturno; a segunda, Peixes,

a Júpiter; a terceira, Áries, a Marte; a quarta, Touro, a Vênus; a quinta, Gêmeos, a Mercúrio; e a sexta, Câncer, toma para si mesma. Esses signos, sendo como domínios ou territórios dos planetas aos quais foram concedidos, são lugares adequados para que eles ajam cada qual segundo a sua natureza. Os planetas como que se sentem em casa nos signos que lhes pertencem 15 .

Um Esclarecimento sobre os Signos

Os signos, multiplicação do 3 pelo 4, constituem um desdobramento mínimo dos aspectos do Puro Ser e, nesse sentido, não podem ser considerados eles mesmos como seres particulares; são,

antes, arquétipos presentes em todos os seres, aspectos dos seres e pontos de vista pelos quais eles podem ser encarados. Aliás, um mesmo objeto, quando encarado sob diversos pontos de vista ou

sob diferentes aspectos, pode corresponder a mais de um signo ou mesmo a todos eles. “[

signos são naturalmente relacionados com todas as manifestações cósmicas, as quais são elas mesmas devidas às diversas combinações de suas qualidades [dos signos]. Na medida em que essas combinações são ilimitadas, as analogias que se podem traçar entre as manifestações cósmicas e os signos também não têm fim.” 16

os

]

15 O fato de se apresentar sob forma mítica não torna esta descrição menos verdadeira. Pelo contrário, as descrições míticas ou simbólicas geralmente correspondem melhor às verdades fundamentais que são as determinantes da existência das coisas e que, justamente por serem fundamentais, não encontram expressão literal.

16 Seyyed Hossein Nasr, An Introduction to Islamic Cosmological Doctrines (Cambridge, Mass., 1964), pp. 155-56.

21

PARTE V

O SIMBOLISMO DOS PLANETAS

Todas as doutrinas tradicionais, sem exceção alguma, estabelecem uma distinção entre o Absoluto e o relativo, entre o Princípio e a manifestação ou, em termos cristãos, entre o Criador e a criatura. O campo do relativo, da manifestação ou da criatura é dividido em três mundos hierarquizados e dotados cada qual de suas qualidades próprias: o mundo dos anjos, o mundo da alma e o mundo do corpo; ou céu, atmosfera e terra; ou manifestação pura, manifestação sutil e manifestação grosseira 17 . Esses mundos são uma sucessão de imagens cada vez menos perfeitas do Princípio. Além disso, os mundos inferiores são sempre imagens dos mundos superiores. Portanto, do ponto de vista da Astrologia Tradicional, os planetas que nós vemos são somente as imagens corpóreas, ou da manifestação grosseira, de uma realidade sutil, que são as potências da alma; e estas, por sua vez, são somente imagens sutis de qualidades da manifestação pura, as quais são a imagem mais direta que se pode ter do Princípio mesmo.

Entender o simbolismo astrológico, portanto, é conhecer as relações entre os planetas, as potências da alma e as qualidades ou hierarquias da manifestação pura. Todas as demais significações que os planetas podem apresentar a relação de Marte com os militares e a de Saturno com os monges, por exemplo são uma expansão horizontal desse simbolismo vertical primeiro. Com efeito, sob o ponto de vista tradicional, o exercício de uma profissão exige habilidades que decorrem do aperfeiçoamento ou da plenitude de uma potência específica da alma por isso, a profissão é significada por esse planeta, que por sua vez é a tradução sensível dessa potência. No mundo tradicional, além disso, o exercício da profissão em questão envolve a realização de ritos de invocação dos atributos divinos dos quais a própria profissão, o planeta e a potência da alma são imagens. Esse encadeamento simbólico universal é expresso de modo magistral por René Guénon:

Tudo o que é, seja qual for o modo do seu ser, participa necessariamente dos princípios universais e nada é senão por participação nesses princípios, que são as essências eternas e imutáveis contidas na permanente atualidade do Intelecto Divino; em conseqüência, pode-se dizer que todas as coisas, por mais contingentes que sejam em si mesmas, traduzem ou representam os princípios à sua maneira e segundo a sua ordem de existência, pois, se assim não fosse, não passariam de um puro nada. Assim, de uma ordem a outra, tudo se encadeia e se corresponde a fim de concorrer para a harmonia universal e total, pois a harmonia, como já indicamos, não é outra coisa senão o reflexo da unidade principial na multiplicidade do mundo manifestado; e essa correspondência é o verdadeiro fundamento do simbolismo. É por isso que as leis de um domínio inferior sempre podem ser tomadas para simbolizar as realidades de uma ordem superior, nas quais têm a sua razão profunda, que é a um só tempo seu princípio e seu fim [

Guénon faz, então, a crítica das desvirtuações modernas da idéia de simbolismo e nos dá uma indicação de o que é a verdadeira astrologia:

18

“[

“naturalistas” das antigas doutrinas tradicionais, interpretações que invertem pura e

aproveitaremos para assinalar, nesta ocasião, o erro das modernas interpretações

]

17 A primeira é uma designação tradicional cristã; as duas seguintes, designações tiradas da tradição hindu.

18 René Guénon, Autoridade Espiritual e Poder Temporal, Capítulo I: “Autoridade e Hierarquia”.

22

simplesmente a hierarquia das relações entre as diversas ordens de realidade. Por exemplo, para não falar senão de uma das teorias mais difundidas em nossa época, os símbolos ou os mitos jamais tiveram a finalidade de representar o movimento dos astros; o que ocorre amiúde é que encontram-se neles figuras inspiradas nesse movimento, mas destinadas a expressar analogicamente outra coisa, uma vez que as leis desse movimento traduzem fisicamente os princípios metafísicos dos quais dependem; e é nisto que se fundamenta a verdadeira astrologia dos antigos”. 19

Passaremos, então, à consideração do simbolismo de cada um dos planetas, correlacionando-

o com uma faculdade da alma e um princípio celeste ou divino e dando indicações sobre o seu sentido geral.

A LUA

Na alma humana, a Lua corresponde ao sentido comum. Segundo os ensinamentos tradicionais, além dos cinco sentidos externos, nós possuímos o sentido comum, que é o órgão sutil que reúne os dados de todos os sentidos 20 . O sentido comum transforma em imagem interna as qualidades e características dos objetos exteriores a nós. Por meio dele, podemos portar internamente as qualidades sensíveis dos objetos. O sentido comum é comparável à Lua por diversos motivos. Em primeiro lugar, assim como a Lua reflete a luz do Sol, o sentido comum reflete os objetos sensíveis. Além disso, esse reflexo interior dos objetos sensíveis é capaz de gerar em nós um prazer ou um desprazer, ou seja, uma variação interna do próprio sujeito, que é comparável ao crescer (prazer) e ao diminuir (desprazer) da Lua no seu ciclo mensal. Por fim, o prazer ou o desprazer nos levam a atribuir aos objetos sensíveis um determinado valor ou desvalor,

o qual não se baseia na qualidade intrínseca dos objetos, mas na nossa reação a eles. Isso se

compara ao fato de a luminosidade lunar homogeneizar as cores dos objetos, tornando-as todas semelhantes à própria cor da Lua, como se pode ver facilmente em noites de Lua cheia.

A Lua simboliza o Princípio enquanto “O Evidente”, ou “O Que Evidencia”. Por um lado, sob o seu aspecto mais imediato, a percepção sensível é o que evidencia para nós a existência das coisas. Por outro lado, no homem perfeito ou santificado, são as coisas percebidas pelo sentido comum que evidenciam a existência e a presença do Absoluto.

A água, de maneira geral, é relacionada à Lua. Só quando a água repousa no lugar mais

baixo de uma região (um lago) é que ela reflete perfeitamente o céu. Do mesmo modo, enquanto a alma é perturbada pelos valores e desvalores, pelo prazer e desprazer, ela é incapaz de refletir puramente a realidade. Sabe-se, por exemplo, que uma pessoa perturbada por um sentimento intenso, de amor ou ódio, por exemplo, é incapaz de julgar imparcialmente os valores das coisas.

A Lua é a significadora natural da mulher, da mãe e da maternidade em geral; significa

também o povo, que tomado em seu conjunto, é essencialmente passivo em relação à autoridade espiritual e ao poder temporal 21 ; os agricultores e a atividade agrícola.

MERCÚRIO

Na alma humana, Mercúrio corresponde à estimativa. Além de perceber os objetos sensíveis,

19 Ibid.

20 Com efeito, cada um dos cinco sentidos só pode comparar dados pertencentes ao seu próprio campo. É o sentido comum que nos permite, por exemplo, comparar o “doce” com o “suave ao tato”, ou o som de uma trombeta com a cor vermelha, etc.

21 Ver René Guénon, A Crise do Mundo Moderno (Lisboa, Editorial Vega, 1977), p. 117.

23

nós percebemos o que eles representam em relação a nós. Quando o passarinho vê um graveto, percebe não só o graveto como também a possibilidade de esse graveto vir a fazer parte de um ninho percebe, em suma, uma utilidade possível do graveto, que este ainda não realizou sensivelmente. Quando a ovelha vê um lobo, percebe também a possibilidade de agressão que o lobo representa, mas que ainda não realizou. O sentido comum só percebe as propriedades atuais dos objetos. Já a estimativa percebe as intenções particulares dos entes 22 .

Todo ser é dotado de uma lógica interna que determina os seus fins particulares. É preciso que haja uma lógica universal que conecte as lógicas internas dos seres, de modo que os fins particulares de cada um possam servir também a outros. Assim, a chuva não existe por causa da semente; mas há uma lógica universal que faz com que as intenções particulares da chuva colaborem com a realização das intenções particulares da semente. A qualidade divina que cria essa ordem horizontal entre os seres e permite que eles auxiliem-se uns aos outros a realizar cada qual as suas possibilidades particulares é a do Princípio enquanto “Aquele Que Auxilia”, ou “O Auxiliador”.

Mercúrio sempre foi o significador dos símbolos e da linguagem em geral, pois a capacidade que um objeto tem de significar outro é uma intenção particular do dito objeto. Do mesmo modo a palavra, que se define por ser um objeto sensível com intenção significante. Mercúrio é ainda o significador dos comerciantes e do comércio, da troca de mercadorias, que permite a mútua realização de intenções particulares.

A luz do planeta Mercúrio é cintilante, como se ele emitisse faíscas. Essas faíscas simbolizam as intenções particulares que os seres como que “emitem” no meio cósmico, para serem aproveitadas por outros seres. Além disso, Mercúrio sempre aparece no céu antes de o Sol nascer ou pouco depois de ele se pôr; essa dualidade simboliza o fato de que as intenções particulares de um ente, quando são percebidas por um outro ente, sempre se apresentam sob a forma da dualidade útil/inútil, favorável/nocivo. Ou seja, as intenções particulares dos outros entes sempre são percebidas como favoráveis ou desfavoráveis à realização das nossas próprias intenções.

VÊNUS

Na alma humana, Vênus corresponde ao apetite concupiscível, que é a capacidade de inclinar-se na direção do que causa prazer. O prazer e o desprazer percebidos pelo sentido comum geram na alma os primeiros atos do apetite concupiscível: a simpatia e a antipatia 23 . Essas, por sua vez, geram respectivamente o desejo e a aversão, que são a inclinação a permanecer junto do objeto simpático e a inclinação a se afastar do objeto antipático. Os atos últimos do apetite concupiscível são, por um lado, a alegria, que advém da posse do objeto de desejo, e, por outro, a tristeza, quando se é obrigado a permanecer junto do objeto de aversão.

Vênus é o planeta que possui a luz mais suave, o que simboliza o caráter de atração pelo aprazível ou pela beleza. Por outro lado, apresenta grande variação de brilho, o que indica os pólos positivo e negativo, as duas séries de movimentos que podem ser geradas pelo apetite concupiscível. Por fim, o caráter excludente desses dois processos 24 é manifesto pelo fato de Vênus

22 Essas intenções não são necessariamente intenções conscientes; são finalidades para as quais um ente pode tender. O ninho, por exemplo, é um fim possível que decorre naturalmente das propriedades do graveto. Sob esse aspecto, todos os seres têm intenções.

23 No sentido etimológico: simpatia é sentir como um só, sentir que o outro é idêntico a nós; antipatia é sentir o outro como contrário a nós.

24 Com efeito, não se pode sentir prazer e desprazer pelo mesmo objeto, encarado sob o mesmo aspecto, ao mesmo

24

apresentar-se ora como Estrela da Tarde, ora como Estrela da Manhã.

O Nome divino ou qualidade divina relacionada a Vênus é “O Que Dá Forma”, pois é a proporcionalidade da forma do objeto em relação ao sujeito que torna esse objeto atraente ou não. Com efeito, a simpatia se origina de o sujeito ser um receptáculo proporcionado ao objeto do seu desejo. O objeto do desejo como que dá uma forma exterior e fugaz a uma possibilidade interna de perfeição do próprio sujeito. O Princípio, ao manifestar-se, realiza exteriormente, sob formas determinadas, as possibilidades que correspondem às suas Realidades íntimas; quando o apetite concupiscível sente-se atraído por um determinado objeto, é porque o sujeito, conscientemente ou não, atribui a esse objeto uma razão de semelhança ou correspondência com uma perfeição interior possível.

Vênus é o significador natural da arte, que nada mais é do que a perfeita expressão formal de um conteúdo universal (vide a noção platônica do Belo como esplendor do Verdadeiro); e dos artistas em geral.

MARTE

Na alma humana, Marte corresponde ao apetite irascível, que é a capacidade de gerar inclinação ou movimento em direção às dificuldades ou obstáculos à realização de um bem. Tomemos como exemplo o caso da gazela que está com sede, mas vê um leão entre ela e a água. Ela precisa de um princípio de movimento que a leve em direção à água passando pelo leão, ou seja, que a mova na direção do leão. Antes de mais nada, a estimativa avalia a possibilidade de superação da hostilidade representada pelo felino. Essa avaliação vai gerar, por sua vez, o primeiro ato do apetite irascível, que pode ser a esperança ou a desesperança de alcançar o objetivo. Dessas duas modalidades do primeiro ato decorrem as duas do segundo ato, que são a audácia, proveniente da esperança, e o temor, proveniente da desesperança. A audácia é uma inclinação a ir em direção ao obstáculo, dada a possibilidade de superá-lo; o temor é uma inclinação a fugir do obstáculo, dada a impossibilidade de superá-lo.

Realizada a superação pela audácia (a gazela que consegue fugir do leão e beber água), surge o terceiro ato do apetite irascível: a calma ou sensação de liberdade, conhecida de todos quantos transpuseram um obstáculo à realização ou obtenção de um bem. Por outro lado, quando o ser não consegue fugir da dificuldade, mas é atingido por ela (a gazela caindo nas garras do leão), surge a outra modalidade do terceiro ato, que é a ira: a reação que sobrevem quando o temor já de nada aproveita, quando o confronto temido torna-se inevitável ou já aconteceu.

O apetite irascível gera movimentos muito mais fortes, dotados de uma intensidade muito maior, que os do apetite concupiscível 25 . Além disso, os atos contrários do apetite irascível (esperança/desesperança; audácia/temor; calma/ira) não se excluem mutuamente de modo absoluto. Pelo contrário, cada um sempre contém uma medida do outro 26 . Esses dois fatos são simbolizados pela cor e pelo brilho do planeta Marte: de cor vermelha, é ele que tem o brilho mais intenso,

tempo; se há dúvida, é porque um objeto apresenta dois aspectos, um prazeroso e o outro, desprazeroso.

25 Inclusive, as patologias extremas do apetite concupiscível só ocorrem com a participação do apetite irascível: quando a ausência do objeto de desejo ou a presença do objeto de aversão dão a impressão de colocar em risco a própria vida do sujeito.

26 Se não houvesse na esperança uma medida de desesperança, já não se falaria de esperança, mas de certeza; e se não houvesse esperança na desesperança, não seria gerado o temor, que leva à fuga. Do mesmo modo, a audácia sempre contém um elemento de temor, e este, um de audácia; e tanto a calma quanto a ira caracterizam-se por uma expansão da energia vital, não-específica no primeiro caso e específica no segundo.

25

“concentrado”, de todos os planetas.

A qualidade divina correlata ao planeta Marte é “O Que Vivifica”, “O Que Dá a Vida”,

tomando-se “vida” num sentido muito particular, de intensidade de movimento. Com efeito, como já dissemos, os mais fortes movimentos que um ser pode sofrer são determinados pelo apetite irascível. Por outro lado, os extremos patológicos da ação dessa faculdade caracterizam-se por um entrave da vida: o covarde fica paralisado de pânico e o temerário caminha para a morte.

Marte é o significador natural da classe guerreira. Com efeito, nos guerreiros, a atividade do apetite irascível deve ser desenvolvida à sua plenitude, que se reflete num equilíbrio entre suas manifestações passiva e ativa e numa permanente prontidão a avaliar as situações e reagir a elas adequadamente, quer ofensivamente, quer defensivamente. É ainda o significador dos esportistas, que se dedicam à superação de obstáculos.

SATURNO E JÚPITER

Além de ter potências sensitivas e apetitivas, o ser humano é capaz de compreender a essência mesma dos objetos e dos entes não só as intenções particulares dos entes em relação a nós, mas as suas intenções universais, que expressam o que eles são em si mesmos. É essa a capacidade intelectiva do homem 27 , cujas potências intelectivas são o intelecto agente, simbolizado por Saturno, e o intelecto paciente, simbolizado por Júpiter.

Nós somos capazes de perceber a essência das coisas, mas não é pela simples percepção

sensível que essa essência se evidencia para nós. Para inteligir, temos de separar as diversas notas que percebemos no objeto do nosso estudo e, separando-as, vamos percebendo quais notas são particulares ou acidentais e quais são universais ou essenciais. Quando contemplamos só as notas universais, elas como que se “fundem” num todo ordenado que expressa a própria essência do objeto. A primeira atividade o trabalho de separação e classificação, ou hierarquização é a do intelecto agente, e a segunda pela qual percebemos a união entre as notas universais e, portanto,

a própria essência do objeto é a do intelecto paciente.

O intelecto agente é análogo a Saturno, porque a sua atividade é a mais difícil, a mais lenta e

a última a ser desenvolvida no processo da vida humana. Saturno, do mesmo modo, é o planeta

mais lento, o de brilho mais fraco (o mais difícil de ver) e o limite externo do nosso sistema planetário Além disso, é o único planeta cuja cor amarelo-pálida, semelhante à luz de uma vela é semelhante à do Sol. Se o Sol simboliza o Intelecto Divino, Saturno simboliza o reflexo desse Intelecto no ser humano.

Já o intelecto paciente é simbolizado por Júpiter, pois este é o planeta que tem a luz mais

irradiante, de cor branco-azulada, e seu brilho (ao contrário do de Vênus, que, embora seja mais forte, é como que contido em si mesmo, suave) dá a impressão de expandir-se, abrir caminhos luminosos no céu noturno. Assim também a atividade do intelecto paciente é a que mais abre possibilidades para o ser humano e, dentro da mente humana, é a mais irradiante.

A qualidade divina a que Saturno corresponde é a do “Senhor”, Aquele que determina a ordem universal, o Princípio que hierarquiza todos os seres e coloca cada um no lugar que lhe cabe. Do mesmo modo, a função do intelecto agente é a de descobrir o lugar natural de cada coisa na ordem universal e fazer o mesmo com a alma, hierarquizando os elementos desta.

27 A palavra latina inteligere significa “ler dentro”, ou seja, conhecer a natureza íntima de uma coisa, que a distingue de todas as outras.

26

O intelecto paciente se caracteriza por um movimento de assimilação e orientação em

relação à ordem descoberta pelo intelecto agente. Uma vez conhecida a ordem, conhecemos o lugar que nela ocupamos, ou seja, o nosso fim próprio, que determina a nossa tendência universal. Assim, a qualidade divina a que Júpiter corresponde é a do Princípio enquanto “Aquele Que Orienta”, Aquele que dá direção e sentido à vida.

Saturno é o significador natural dos monges, cuja existência é inteiramente dedicada à obra interior de distinção entre o Real e o ilusório; é o significador das hierarquias; é o significador dos obstáculos e dificuldades em geral, e ainda de tudo aquilo que exige determinação, paciência e perseverança.

Júpiter é o significador natural dos sacerdotes, cuja função, segundo Guénon, é “antes de tudo uma função de conhecimento e ensino” 28 ; é ainda o significador de tudo quanto amplia possibilidades.

O SOL

Se somos capazes de conceber pelo intelecto a idéia universal de bem, na alma existe também uma potência cuja característica própria é a de inclinar-se ou gerar movimento na direção desse bem universal concebido. Tal faculdade é a vontade ou apetite intelectivo 29 , e é simbolizada pelo Sol. Os apetites concupiscível e irascível só podem, em princípio, ser movidos por algo percebido pelos sentidos ou pela imaginação; já o apetite intelectivo pode ser movido pela percepção de objetos inteligíveis, ou universais.

A vontade tem soberania sobre os dois apetites sensíveis e é capaz de subordiná-los em

função de um bem maior, de uma razão universal ou pelo menos entendida de modo universal. Essa soberania é um traço de majestade que vincula nitidamente a vontade ao Sol visível.

Além disso, é pelo pleno exercício da vontade ou apetite intelectivo que o ser humano realiza o bem universal em si mesmo. É o apetite do bem universal que, por seu poder soberano, ordena todas as atividades da alma segundo a virtude, realizando nelas esse bem. Do mesmo modo, é o Sol que torna luminosos todos os planetas e a própria Terra.

A qualidade divina a que o Sol corresponde é a do Princípio enquanto “Presença Realizadora” no centro de cada ser. É por meio dessa Presença, depositada nele como uma semente (a “centelha divina”), que o ser é capaz de realizar completamente a sua medida de ser, i.e., a plenitude das suas possibilidades. A Presença é um princípio de semelhança da criatura com o Criador 30 , pelo qual o Absoluto habita no coração de cada ser relativo.

O Sol é o significador natural do pai, que transmite o ser ao filho como o Sol transmite luz e

calor aos planetas; é ainda o significador dos reis e da realeza.

28 Autoridade Espiritual e Poder Temporal, Cap. II, “Funções do Sacerdócio e da Realeza”.

29 Deixemos bem claro que não se trata aqui de um “apetite pelas intelecções” ou “vontade de inteligir”, mas um apetite pelas realidades inteligidas ou vontade de realizá-las no próprio ser. 30 Notemos que o poder de escolher o bem, no ser humano, é absoluto na medida em que nada pode apagá-lo ou eliminá-lo. Um homem pode escolher um bem maior mesmo ao preço de sua morte física tal é o caso dos mártires. Se esse poder é, em sua medida, absoluto, é porque representa necessariamente, na ordem de existência a que pertence, a imagem direta do Princípio.

27

PARTE VI PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO

A arte da interpretação é a arte de encontrar a correspondência entre cada um dos elementos

de uma dada situação e os elementos do simbolismo astrológico. Suponhamos, por exemplo, que alguém queira saber se os seus bens materiais vão aumentar ou diminuir no ano que vem. O astrólogo que se propuser a responder a essa pergunta terá de encontrar, no mapa, o seguinte:

o que corresponde aos bens materiais;

o que corresponde aos agentes capazes de efetuar mudanças nos bens materiais;

o que corresponde ao resultado da ação desses agentes.

Em geral, as questões a ser interpretadas pelo simbolismo astrológico contêm esses três elementos, que podem ser definidos como segue:

1. Um sujeito passível de mudança, ou não passível de mudança 31 . Em geral, o sujeito

passível ou impassível de mudança mas que, de qualquer modo, não é capaz de mudar a

si mesmo é representado por uma casa do mapa astrológico ou, secundariamente, por

uma parte. A primeira pergunta que o astrólogo deve se fazer é: qual é a casa astrológica que

significa esse sujeito?

2. Um agente da mudança, que pode ser capaz ou incapaz de causar mudança no sujeito, e

que é, em geral, representado por um planeta. Há três maneiras de identificar o agente no mapa: a) pode ser o planeta regente do signo em que começa a casa mencionada no item 1; b) pode ser o planeta significador da atividade à qual se refere a pergunta; e c) pode ser o planeta regente da mesma casa, mas no mapa natal do sujeito. O agente de mudança pode ser representado, secundariamente, por estrelas fixas em conjunção com a cúspide da casa que representa o tema da pergunta, com a parte correlata, com o planeta-agente ou com algum outro planeta que aspecta o agente.

3. Um resultado da ação, que é geralmente representado por todas as qualidades que influem

sobre o agente, dentre as quais se destacam o signo em que ele está e os signos em que estão

os planetas que formam aspecto com ele.

As possibilidades de ação do agente são determinadas por três fatores:

1. A força do agente, sua capacidade intrínseca de agir, determinada por suas dignidades ou

debilidades essenciais ou acidentais.

2. Sua inclinação a agir, seu interesse pelo tema, determinado pelas recepções.

3. A ocasião da sua ação, determinada pelos aspectos.

“De maneira geral, a posição de um planeta, tanto pela casa quanto por suas próprias dignidades essenciais, evidencia o poder do planeta, a medida da sua capacidade de ação. As recepções, as diversas combinações das suas próprias dignidades com as de outros planetas com os quais ele tem relação de recepção, mostram quais são as suas inclinações e prioridades, e indicam assim de que maneira ele pode decidir fazer uso do poder de que dispõe. Os aspectos entre os vários planetas são uma expressão da ocasião: o que está acontecendo, já aconteceu ou ainda vai acontecer.” 32

31 O fato de o sujeito ser passível de mudança, ou não, é circunstancial e não absoluto. Na verdade, todos os fatos ou objetos aos quais se referem os mapas astrológicos são mutáveis, mas podem se encontrar numa circunstância em que a mutação é impossível.

32 John Frawley, The Real Astrology, p. 84.

28

PARTE VII

TÉCNICA DA ASTROLOGIA HORÁRIA

O Que É a Astrologia Horária

A Astrologia Horária é a arte de responder a uma pergunta por meio da interpretação do

mapa do momento em que a pergunta foi entendida pelo astrólogo.

Diretrizes para o Esclarecimento da Pergunta

Não se deve perturbar desnecessariamente a mente do cliente, pedindo-lhe esclarecimentos de modo incisivo. A clareza da resposta depende, por um lado, da premência da questão na mente do cliente, premência essa que pode ser perdida caso o astrólogo o confunda com excessivas perguntas; e, por outro lado, da capacidade do astrólogo de fazer seu o problema ou a dúvida do cliente, sem, porém, perturbar-se com a expectativa de uma resposta.

O astrólogo deve se perguntar, antes de mais nada, se a pergunta pode ser respondida clara e

completamente com um “sim” ou um “não”.

Quando a pergunta se refere a alguma ação, deve-se procurar definir claramente o que se espera como resultado da ação. Se o cliente quer saber, por exemplo, se um novo emprego será “bom” para ele, deve-se procurar saber o que o cliente espera do novo emprego.

O astrólogo deve ter certeza de qual resultado pode ser considerado positivo e qual deve ser

considerado negativo.

Tabela de Significados das Casas para Questões Horárias

Casa

Direto

Indireto

I

Consulente

Casa terminal dos pais

Empreendimento

Morte de pequenos animais

O

presente

Viagens ou educação superior dos filhos

II

Bens móveis

Economias, patrimônio e morte do

Bens perdidos

cônjuge ou sócio Carreira dos filhos

O

futuro

Saúde dos netos Saúde dos cunhados

III

Viagens curtas ou a lugares próximos Transportes Contratos, documentos Escritos, comunicação Educação primária Vizinhos, vizinhança Vendedor, agente

Filhos dos amigos Amigos dos filhos Doença dos pais Viagens longas do cônjuge ou sócio Educação superior do cônjuge ou sócio

29

Rumores

IV Os Pais

Pai

Lar, imóveis

Bens dos irmãos

Negócios ou carreira do cônjuge ou sócio

Doença de amigos ou de filhos adotivos

Fazendas, minas, poços

Morte de netos

Fim da questão

V Gravidez

Bens dos pais

Animais de estimação

Morte da mãe

Especulação, concurso

Áreas de recreação ou diversão

Invenção (objeto inventado)

Escolas

Relacionamento amoroso (se o consulente já for casado)

Doença de tios

VI Doença

Bens dos filhos

Trabalho, serviço voluntário

Viagens dos pais

Inquilinos

Serviço militar

Empregados

Propriedades de irmãos

Pequenos animais, filhotes

VII Casamento, divórcio, sociedade

Caso de amor

Os outros, outros lugares

Acordos, processos

Médico, advogado, ladrão

VIII Testamentos, heranças, empréstimos

Impostos, dívidas, seguros (como beneficiário)

Cirurgião, cirurgias

Morte

Casa terminal dos pais

Pequenas viagens dos filhos

O comprador ou vendedor, em assuntos de venda/compra

Guerra, inimigos declarados

Mudanças de residência

Dinheiro do cônjuge ou sócio

Lar dos filhos

Doença dos irmãos

Lucro proveniente de sociedade, mudanças

30

IX Viagens longas

Educação superior

Religião, clero, cerimônias

Filosofia

Empresas, companhia de seguros

Editoras

X Mãe

Doença dos pais

Reclusão dos pais

Casamento de irmãos

Doença dos filhos

Carreira, negócios

Morte de irmãos

Governo

Doença de animais de estimação

Empregador

Fim do casamento - Casa VII

Símbolo de autoridade

Lucros provenientes de publicações, viagens ou empresas

XI Amigos

Desejos

Organizações, grupos

Dinheiro ou lucro do negócio

Dinheiro do empregador

XII Hospitais, asilos, prisão

Isolamento (forçado ou voluntário)

Lugares remotos

Inimigos secretos

Grandes animais, gado

Morte dos pais

Casamento dos filhos

Doenças dos tios

Doenças de pequenos animais

Bens dos pais

Saúde do cônjuge ou sócio

Morte dos filhos

Negócios dos irmãos

Viagens pequenas dos pais

O passado

31

Tabela de Dignidades Essenciais

Signo

Regent

Exalta-

Triplicidade

 

Termo

 

Face

Exílio

Queda

e

   

ção

 

+5

+4

Dia

Noite

 

+2

+1

+1

+1

-5

-4

+3/2/1

+3/2/1

 

A

u

q

q/v/

v/q/

V

T

S

U

W

U

Q

T

t

w

19

w

w

6

14

21

26

30

10

20

30

B

t

r

t/r/u

r/t/u

T

S

V

W

U

S

R

W

u

 

3

8

15

22

26

30

10

20

30

C

s

 

w/s/

s/w/

S

V

T

W

U

V

U

Q

v

 

v

v

7

14

21

25

30

10

20

30

D

r

v

t/u/r

u/t/r

U

V

S

T

W

T

S

R

w

u

15

6

13

20

27

30

10

20

30

E

q

 

q/v/

v/q/

W

S

T

V

U

W

V

U

w

 

w

w

6

13

19

25

30

10

20

30

F

s

s

t/r/u

r/t/u

S

T

V

W

U

Q

T

S

v

t

15

7

13

18

24

30

10

20

30

G

t

w

w/s/

s/w/

W

T

V

S

U

R

W

V

u

q

21

v

v

6

11

19

24

30

10

20

30

H

u

 

t/u/r

u/t/r

U

V

T

S

W

U

Q

T

t

r

6

14

21

27

30

10

20

30

I

v

 

q/v/

v/q/

V

T

S

W

U

S

R

W

s

 

w

w

8

14

19

25

30

10

20

30

j

w

u

t/r/u

r/t/u

T

S

V

U

W

V

U

Q

r

v

28

6

12

19

25

30

10

20

30

k

w

 

w/s/

s/w/

W

S

T

V

U

T

S

R

q

 

v

v

6

12

20

25

30

10

20

30

l

v

t

t/u/r

u/t/r

T

V

S

U

W

W

V

U

s

s

27

8

4

20

26

30

10

20

30

32

Tabela de Dignidades Acidentais

DIGNIDADES ACIDENTAIS

DEBILIDADES ACIDENTAIS

Na Casa X ou na Casa I

5

Na Casa XII

 

-5

Nas Casas VII, IV ou XI

4

Nas Casas VIII ou VI

-4

Na Casa II ou na Casa V

3

Na Casa IX

 

2

Na Casa III

1

Na casa do seu gozo

2

Na casa oposta à do seu gozo

-1

Em movimento direto (menos Q e R)

4

Retrógrado

 

-5

Rápido

2

Lento

-2

Crescendo em latitude norte

2

Crescendo em latitude sul

-2

Halb ou Hayz

 

2/3

Partil

!

V ou T

5

Partil

! W

ou U

-5

Partil

!

<

4

Partil

!

>

-4

Partil

$

V ou

T

4

Partil

"

W

ou U

-4

Partil

'

V ou

T

3

Partil

# W

ou U

-3

Cercado por V e T

5

Cercado por W e U

-5

Não está combusto nem sob os raios

5

Combusto

 

-5

Cazimi

5

Sob os raios

 

-4

R

ocidental (crescendo em luz)

2

R oriental (diminuindo em luz)

-2

W V U orientais

2

W V U ocidentais

-2

T S ocidentais

 

2

T S orientais

 

-2

! Regulus (29 de Leão)

6

! Caput Algol (26 de Touro)

-5

!

Spica (23 de Libra)

5

A casa do gozo da Lua é a Casa III; de Mercúrio, a Casa I; de Vênus, a Casa V; do Sol, a Casa IX; de Marte, a casa VI; de Júpiter, a Casa XI; e de Saturno, a Casa XII.

Um planeta está em halb quando está numa posição “correta” em relação ao horizonte: se for um planeta diurno (Saturno, Júpiter e Sol), deve estar acima do horizonte durante o dia e abaixo durante a noite; e vice-versa se for um planeta noturno (Marte, Vênus e Lua). Para estar em hayz, um planeta deve estar em halb e, ainda, se for um planeta masculino (Saturno, Júpiter, Sol e Marte), deve estar num signo masculino; ou num signo feminino se for um planeta feminino (Vênus e Lua). Mercúrio é diruno quando nasce antes do Sol e noturno quando nasce depois do Sol.

Partil é um aspecto formado por dois planetas que encontram-se nos mesmos graus de seus respectivos signos.

33

Diz-se que um planeta está combusto quando está a menos de 8 graus e meio do Sol, e sob os raios quando está a menos de 17 graus. Porém, quando um planeta está a menos de 17 minutos do Sol, diz-se que ele está cazimi, ou seja, “próximo do coração” do Sol.

Algumas Partes Usadas em Questões Horárias

1. Desejo Urgente

Asc. + Regente do Asc. - Regente da hora

2. Informação Verdadeira ou Falsa

Asc. + R - S

3. Danos aos Negócios

Asc. + Parte da Fortuna - Regente do Asc.

4. Servos e Empregados

S + W - V

5. Senhores e Mestres

R + W - V

6. Casamento

Asc. + Cúspide da VII - T

7. Tempo de Agir

Asc. + V - Q

8. Vida ou Morte de Pessoa Ausente

Asc. + U - R

9. Animal Perdido

Asc. + U - Q

10. Ação na Justiça

Asc. + S - U

11. Resultado Favorável

Asc. + V - Q

Lua Fora de Curso

A Lua está fora de curso quando não forma aspecto com nenhum planeta antes de sair do signo em que está. Como a Lua sempre é co-significadora da pessoa que faz a pergunta, de duas, uma: ou os resultados que o mapa apresenta serão adiados ou não vão acontecer. Em geral, é melhor fazer a mesma pergunta em outro momento.

Refreamento

“Se, antes de os regentes completarem o aspecto, o planeta mais rápido entrar em

retrogradação, a ação ou o acordo prometidos deixam de se concretizar. [

lento mudar de signo antes de o mais rápido completar o aspecto, resultando num longo período antes de o aspecto completar-se, também se trata de um refreamento.” 33

Ou, se o planeta mais

]

Interferência (Frustração)

“A interferência ou frustração acontece quando os regentes do consulente e do objetivo caminham para uma conjunção ou um aspecto favorável, prometendo a realização, mas antes de o aspecto completar-se um terceiro planeta aspecta um dos regentes. Num caso desses, o assunto pode ser prejudicado, principalmente se o terceiro planeta afligir um dos regentes. Ou a situação termina

33 Sylvia de Long, A Arte da Astrologia Horária na Prática, p. 85.

34

de uma vez, ou é preciso superar algum obstáculo antes de chegar-se à realização da questão. A casa ocupada ou regida pelo planeta que intervém mostra, com freqüência, a origem [ou a natureza] da interferência.” 34

Translação de Luz

“Quando os regentes de uma pergunta estão em aspecto separativo e um terceiro planeta, mais rápido, aspecta primeiro um dos regentes e logo em seguida o outro, diz-se que ele translada a luz entre os dois regentes. O terceiro planeta mostra uma terceira pessoa ou alguma circunstância favorável capaz de concretizar a questão.” 35

Coleta de Luz

“Quando dois regentes importantes para a pergunta não fazem aspecto entre si, mas ambos se aplicam a um planeta mais lento, este terceiro planeta pode indicar a pessoa ou a situação que irá concretizar a questão.” 36

34 Ibid., pp. 85-86.

35 Ibid., p. 95.

36 Ibid., p. 97.

35

BIBLIOGRAFIA

I. Introdução René Guénon, A Crise do Mundo Moderno. Editorial Vega, Lisboa, 1977. Seyyed Hossein Nasr, O Homem e a Natureza. Zahar, Rio de Janeiro, 1977. Olavo de Carvalho, Astros e Símbolos. Nova Stella, São Paulo, 1985. Wolfgang Smith, Cosmos and Transcendence. Sherwood Sugden, Peru (Illinois), 1984. Mário Ferreira dos Santos, A Sabedoria das Leis Eternas. É Realizações, São Paulo, 2001.

II. Cosmologia -- Física Aristóteles, Física, Livros I, II e Capítulos 1, 2 e 3 do Livro III São Tomás de Aquino, Comentário à Física de Aristóteles. Tradução para o inglês disponível online em http://www.josephkenny.joyeurs.com/CDtexts/ São Tomás de Aquino, Commentary on the Book of Causes. The Catholic University of America Press, Washington, DC, 1996. Plotino, Enéada II, Tratados 1 ao 6 Plotino, Enéada III, Tratados 1, 2, 3, 5, 7 e 8 Plotino, Enéada VI, Tratados 1, 2 e 3

III. Cosmologia -- Psicologia Aristóteles, De Anima. São Tomás de Aquino, Comentário ao De Anima de Aristóteles. Tradução para o inglês disponível online em http://www.josephkenny.joyeurs.com/CDtexts/ Santo Agostinho, O Sermão da Montanha. Paulinas, São Paulo, sd.

IV. Astrologia Titus Burckhardt, Clé Spirituelle de l'Astrologie Musulmane. Arché, Milano, sd. (Clave Espiritual de la Astrologia Musulmana. José J. de Olañeta, Barcelona, 1983.) (Mystical Astrology According to Ibn ‘Arabi. Fons Vitae, Louisville [Kentucky],

2001.)

John Frawley, The Real Astrology. Apprentice Books, Londres, 2000. Abu ‘Ali al-Khayyat, The Judgements of Nativities. American Federation of Astrologers, Tempe (Arizona), 1988. William Lilly, Christian Astrology Books I-III. Ascella, Nottingham, 1999-2002. Abu’l-Rayhan Muhammad Ibn Ahmad Al-Biruni, The Book of Instruction in the Elements of Astrology. Ascella, Nottingham, sd. Ptolemy, Tetrabiblos. Harvard University Press, Cambridge (Massachusetts), 1980.

Vivian E. Robson, The Fixed Stars & Constellations in Astrology. Astrology Classics, New York (NY), 2001. Sylvia de Long, A Arte da Astrologia Horária na Prática. São Paulo, Editora Pensamento,

1991.

J. Lee Lehman, The Book of Rulerships. Whitford Press, West Chester (Pennsylvania), 1992.