Você está na página 1de 116

.........................

A ILUSÃO AMERICANA

Mesa Dire to ra Biê nio 2003/2004 Se na dor José Sarney Pre si den te

Mesa Dire to ra

Biê nio 2003/2004

Se na dor José Sarney

 

Pre si den te

Se na dor Pa u lo Paim

Se na dor Edu ar do Si que i ra Cam pos

1º Vice-Pre si den te

2º Vice-Pre si den te

Se na dor Ro meu Tuma

Se na dor Alber to Sil va

1º Se cre tá rio

2º Se cre tá rio

Se na dor He rá cli to Fortes

Se na dor Sér gio Zam bi asi

3º Se cre tá rio

4º Se cre tá rio

 

Su plen tes de Se cre tá rio

Se na dor João Alber to Souza

Se na dora Serys Slhessarenko

Se na dor Ge ral do Mes qui ta Júnior

Se na dor Mar ce lo

Cri vel la

 

Conse lho Edito ri al

Se na dor José Sarney

Jo a quim Cam pe lo Mar ques

Pre si den te

Vi

ce-Presidente

 

Con se lhe i ros

Car los Hen ri que Car dim João Almi no

Carl yle Cou ti nho Ma dru ga Ra i mun do Pon tes Cu nha Neto

.........................

Edições do Sena do Fede ral – Vol. 11

A ILUSÃO AMERICANA

Eduardo Prado

......................... Edições do Sena do Fede ral – Vol. 11 A I LUSÃO A MERICANA Eduardo

Bra sí lia – 2003

EDIÇÕES DO SENADO FEDERAL

Vol. 11

O Conse lho Edito ri al do Sena do Fede ral, cria do pela Mesa Di re to ra em 31 de jane i ro de 1997, bus ca rá edi tar, sem pre, obras de va lor his tó ri co e cul tu ral e de impor tân cia re le van te para a compre en são da his tó ria polí ti ca, eco nô mi ca e so ci al do Bra sil e re fle xão so bre os des ti nos do país.

Pro je to grá fi co: Achil les Milan Neto

© Sena do Fede ral, 2003 Congres so Na ci o nal Praça dos Três Pode res s/nº – CEP 70165-900 – Bra sí lia – DF CEDIT@sena do. gov.br http://www.se na do.gov.br/web/con se lho/con se lho.htm

......................................

Prado,

Edu ar do, 1860-1901.

A ilu são ame ri ca na / Edu ar do Pra do. -- Bra sí lia :

Sena do Fe de ral, Con se lho

Edi to ri al, 2003.

118 p. – (Edi ções do Se na do Fe de ral ; v. 11)

1. Re la ções ex te ri o res, Estados Uni dos, Bra sil. 2. Dou tri na Mon roe. I. Tí tu lo. II. Sé rie.

CDD 327.73098

......................................

.........................

Aos Entusiastas da Amizade Americana

E QUANDO Ulysses Grant, mais tar de, vin do à Eu ropa co bi çou a hon ra de vi si tá-lo (Vic tor Hugo), o po e ta re pu bli ca no re cusou-se a re ceber na sua casa un tel gou jat. As nos sas con tas com os ne go ci an tes de fra ter ni da de nor - te-ame ri ca na são ain da mais sé ri as. Entre tan to, há, en tre nós, na ti vi tas, que pro je tam es tá tuas a Mon roe, jul gam pra ti car ato de re pu bli ca nos, sus ci tan do para am pa ro do Bra sil o pro te to ra do dos Esta dos Uni dos. Se es ses en tu si as tas qui ses sem re fle tir, eu lhes en co men da ria o fo lhe to pre ci o so, com que o Sr. Edu ar do Pra do aca ba de en ri que cer a li - te ra tu ra bra si le i ra: A Ilu são Ame ri ca na (2ª edi ção). Esse li vro teve sin gu lar des ti no: no Bra sil foi pro i bi do uma hora de po is de pos to à ven - da, isto é, pro i bi do an tes de lido; em Por tu gal, de po is de com pos to na Impren sa Naci o nal, não pôde ser edi ta do por ela. A sua pu bli ca ção em São Pa u lo com pro me tia as boas re la ções en tre o Ma re chal Pe i xo to e o Pre si den te Cleve land ; a sua ti ra gem em Lis boa em ba ra ça va a re con ci li a ção en tre o Mi nis té rio Hint ze e o Ma re chal Pe i xo to. Se ja mos gra tos à po lí cia flori a nis ta e à po lí ti ca lu si ta na. A pri me i ra fez pas sar o li vro pelo ca di nho de no vos es tu dos, ha bi li tan do o au tor a re ti fi car, pelo exa me das fon tes no Bri tish Mu se um, os ele men tos da sua nar ra ti va; a se gun da le vou-o a

8

Eduar do Prado

sair à luz em ple no Pa ris. Uma e ou tra cons pi ra ram para dar a ma i or no to ri e da de a esse opús cu lo, ab so lu ta men te novo no as sun to, em que, como re po si tó rio de ver da des ig no ra das, é o mais opor tu no ser vi ço ao Bra- sil. Se, lido ele, ain da res ta rem, nes se País, fun di do res de mo nu mentos mon ro i nos e cu nha do res de me da lhas be nha mi tas, es ta rão, nes se caso, con fir ma dís si mas as pala vras, em que o fa mo so Almi ran te, no seu dis cur so ao Uni ted Sta tes Ser vi ce Club, se re fe riu às ma ni fes ta ções ofi ci a is da sim pa tia bra si le i ra, que se la ram a nos sa hu mi lha ção como re co nhe ci men to dos hu mi lha dos. O egré gio Be nham atri bu ía pu bli ca men te es sas fes tas a um sen ti men to, que teve a gen ti le za de não de fi nir, mas cuja na tu re za li- son je i ra à nos sa hon ra as gar ga lha das do au di tó rio mi li tar em Nova Ior - que não de i xam dú vi da ra zoá vel: “Essa ami za de ba se ia-se no res pe i to, e tal vez em al gu ma co i sa mais. That fri end ship is foun ded on res- pect with perhaps a lit tle tin ge of so met hing else.”

RUI BARBOSA

(Obras comple tas , vol. XXIII, 1896, Tomo 1 – Cartas de Ingla- terra, edição do Minis té rio da Educa ção e Saú de – 1946, págs. 42 e 43.)

.........................

Prefá cio da 2ª Edi ção

ESTE tra ba lho, já edi ta do no Bra sil e ago ra re im pres so no es tran ge i ro, me re ce vir de novo à luz, ain da na fal ta de pró prio in te resse.

Este des pre ten ci o so es cri to foi confis ca do e pro i bi do pelo go ver no re pu bli ca no do Bra sil. Pos su ir este li vro foi de li to, lê-lo, cons pi ra ção, cri me, havê-lo es cri to. 1 Antes da do lo ro sa pro va ção que sob o nome de re pú bli ca tan to tem amar gu ra do a Pá tria bra si le i ra, ne nhum go verno se jul gou fra co e cul pa do ao pon to de não po der to le rar con tra di ções ou ver da des, nem mes mo as de uma crí ti ca im pes so al e ele va da. Eram jo vens os nos sos bi sa vós quan do foi ex tin to o San to Ofí cio. Des de en tão, em nos so País, nun ca mais o po der ou sou in ter - por-se en tre os nos sos ra ros es cri to res e o seu es cas so pú bli co. Jul ga vam to dos de fi ni ti va esta con quis ta li be ral, mas o go ver no re pu bli ca no do Bra - sil, tris te men te pre des ti na do a agir sem pre con tra a ci vi li za ção, a to dos de sen ga nou. Na Re pú bli ca o li vro não teve mais li ber da de do que o jor nal, do que a tri bu na, nem mais ga ran ti as do que o ci da dão.

10

Eduar do Prado

Dis se um ro ma no que os li vros têm o seu des ti no. O deste não foi dos pi o res, hon ra do, como foi, com as iras dos ini mi gos da li ber da de. A pró pria ver da de não pro cla mou fe li zes os que so frem per se gui ção pela jus ti ça?

Lon dres, 7 de no vem bro de 1894.

EDUARDO PRADO

.........................

A Ilu são Ame ri ca na

PENSAMOS que é tempo de rea gir contra a insa ni da de da abso lu ta confra ter ni za ção que se preten de impor entre o Brasil e a grande re - pú bli ca anglo-sa xô nia, de que nos acha mos sepa ra dos não só pela gran - de distân cia, como pela raça, pela re li gião, pela índo le, pela língua, pela histó ria e pelas tradi ções do nosso povo. O fato de o Brasil e os Estados Unidos se acharem no mes - mo conti nen te é um aciden te geo grá fi co ao qual seria pue ril atribu ir uma exage ra da impor tân cia.

I

Onde é que se foi desco brir na histó ria que todas as nações de um mes mo con ti nen te de vem ter o mes mo gover no? E onde é que a histó ria nos mostrou que essas nações têm por força de ser irmãs? Em plena Euro pa monár qui ca não existem a França e a Suí ça repu bli ca nas? Que frater ni da de há entre a França e a Alema nha, entre a Rússia e a Áustria, entre a Dina mar ca e a Prússia? Não perten cem estas nações ao mes mo conti nen te, não são próxi mas vi zi nhas, e dei xam, porven tu ra, de ser inimi gas fi ga da is? Preten der identi fi car o Brasil com os Estados Uni - dos, pela razão de serem do mes mo conti nen te, é o mes mo que querer dar a Portu gal as insti tu i ções da Suí ça, porque ambos os paí ses estão na Eu ro pa.

12

Eduar do Prado

A frater ni da de ameri ca na é uma menti ra. To me mos as ações ibéri cas da Améri ca. Há mais ódios, mais inimi za des entre elas do que entre as nações da Euro pa. O Méxi co depri me, opri me e tem, por vezes, inva di do a Gua te ma la, que em sangren tís si mas guerras com a Repú bli ca de El Salva dor, inimi ga ranco ro sa da Nica rá gua, feroz adver sá ria de Hondu ras, que não morre de amores pela Re pú bli ca da Costa Rica. A embru lha da e horrí vel histó ria de todas estas nações é um rio de sangue, é um contí nuo morti cí nio. E onde fica a soli da ri e da de ameri ca na, onde fica a con fra ter ni za ção das repú bli cas? A Colôm bia e a Vene zu e la odei am-se de morte. O Equador é víti ma, nunca resig na da, ora das vio lên ci as colom bi anas, ora das preten - sões do Peru. E o Peru? Já não assaltou a Bolí via, já não se uniu depo is a ela numa guerra injus tís si ma ao Chile? E o Chile, já não inva diu duas vezes a Bolí via e o Peru, não fez um ho rorro so morti cí nio de boli vi a nos e peru a nos na últi ma guerra, talvez a mais sangren ta deste sécu lo? E o Chile não tem somente estes inimi gos: o seu grande adver sário é a Re - pú bli ca Argenti na. Este país, que tem usurpa do terri tóri os à Bolí via, obriga o Chile a conser var um exército nume ro so, e nin guém igno ra que um confli to entre aqueles paí ses é uma catás trofe que, de um momen to para o outro, pode rá re ben tar. O dita dor Frância , o verdu go taci tur no do Para guai, que Augus to Comte colo ca entre os santos da huma ni da de venera dos no calen dá rio posi ti vis ta, 2 por ódio aos argen ti nos e aos ou - tros povos ameri ca nos, encla usu rou o seu país duran te deze nas de anos. A Re pú bli ca Argenti na é a adver sá ria nata do Para guai. López atacou-a, e ela secun dou o Brasil na sua guerra contra o Para guai. E que senti - mento tem a Re pú bli ca Argenti na pelo Uruguai? Não há um só ho mem de esta do argen ti no que não confes se que a supre ma ambi ção do seu país é a recons ti tu i ção do anti go vice-rei na do de Bue nos Aires, pela conquis ta do Para guai e do Uruguai. Eis aí a frater ni da de ameri ca na.

*

*

*

Voltan do para o sol que nasce, tendo, pela faci lida de da via - gem, os seus centros po pu lo sos mais pertos da Euro pa que da mai o ria

A Ilusão Americana 13

dos outros paí ses ameri ca nos; sepa ra do deles pela diver si da de da ori gem e da língua; nem o Brasil físi co, nem o Brasil moral for mam um siste ma com aquelas nações. Di zem os geólo gos que o Prata e que o Amazo nas foram em tempo dois longos mares inte ri o res que se comu ni ca vam. O Brasil, ilha imensa, era por si só um conti nen te. As aluviões, os levan ta - mentos do fundo daque le anti go Medi ter râneo solda ram o Brasil às ver tentes orien ta is dos Andes. Esta junção é, porém, super fici al; são propri a men te suas e inde pen den tes as raí zes profun das e as bases eter - nas do maci ço brasi le i ro. Por isso não vem até as prai as brasi le i ras as convul sões vulcâ ni cas do outro siste ma. Quan do mui to, che gam as vib rações longín quas, tênu es e sutis que os instru men tos regis tram, mas que os senti dos não perce bem. Conta o missi o ná rio jesu í ta Samu el Fritz que, em 1698, uma terrí vel erupção andi na trans mu dou o So li mões, o rio brasi le i ro, num “rio de lama”, e que, apavo ra dos, os índi os viam na quilo a cóle ra dos deu ses. Pare ce que, na or dem polí tica, tais têm sido as erupções espa nho las revo lu ci o ná ri as que, afinal, contur ba ram as águas bra si le i ras. A torren te, porém, não é só de lama, porque é de lama e é de sangue.

Estudem-se, um por um, todos os paí ses ibéri cos ameri ca nos. O traço carac te rís tico de todos eles, além da contí nua tragi co mé dia da dita du ra, das cons ti tu in tes e das sedi ções, que é a vida desses paí ses, é a ruína das finan ças.

E na ruí na das finan ças o ponto princi pal é o calo te siste má ti co, o roubo desca ra do fei to à boa-fé dos seus credo res euro pe us. Os minis - tros da Fazen da das repú bli cas es pa nho las, por meio de emprés timos que não são pagos, têm extor qui do mais dinhe i ro das algi be i ras euro pé ias do que jama is a Euro pa tirou das minas de ouro e prata da Améri ca. Tome mos os fantás ti cos orça men tos destes paí ses; e, no meio dos defi cits pavo ro sos e das mais inde cen tes falsi fi ca ções, na irre gu lar conta bi li da de pú bli ca que conser vam estes paí ses, onde os dinhe iros do esta do são gastos e apro pri a dos pelos presi den tes com uma sem-ceri mô nia de que é inca paz o Czar da Rússia, o que é que vemos? Lá está o ce le bér ri mo orça men to da guerra a tudo devo rar. Lá estão as deze nas de gene ra is, as cente nas de coro néis e os milha res de ofici a is.

É a prova de que não existe frater ni da de ameri ca na.

14

Eduar do Prado

Se as nações ameri ca nas vives sem ou pudes sem sequer viver como irmãs, não preci sa ri am esma gar de impos tos o contri bu in te nem arre ben tar os respec ti vos tesou ros, defra u dan do os credo res com a compra desses arma men tos e apara tos béli cos tão destru ido res da pros - peri da de na ci o nal.

Fale mos agora da grande re pú bli ca nor te-ame ri ca na, e veja - mos quais os senti men tos de frater ni da de que ela tem demons tra do pela Améri ca Lati na, e qual influên cia moral ela tem tido na ci vi li za ção de todo o conti nen te.

*

*

*

No últi mo quartel do sécu lo passa do, homens extra ordi ná ri o s, da velha estir pe saxô nia, revi go ra da pelo puri ta nis mo, e alguns deles ba fe ja dos pelo filo so fis mo, surgi ram nas treze colô ni as ingle sas da Améri ca do Norte. Resol ve ram consti tuir em nação inde pen den te a sua pátria, e não lhes entrou nunca pela mente fazer prose li tis mo de in de pen dên cia ou de for ma repu bli ca na na Améri ca. Nem isso era pró prio da sua raça.

O fim que tive ram em vista foi um fim imedi ato, restri to e práti co. Fazen do a inde pen dên cia da sua pátria, ti nham como alia dos os reis de França e de Espanha. Como pode ri am eles querer que este úl ti mo, a quem eram gratos pela sua in ter ven ção em favor da inde - pendên cia, perdes se as suas ricas colô nias ameri ca nas? Se algu ma simpa tia houve entre eles pela emanci pa ção de outros paí ses da Amé- rica, essa simpa tia apare ceu trinta ou quaren ta anos depo is quando já toda a Améri ca Lati na, à custa de sacri fí ci os, ulti ma va a sua inde pen - dência sem auxí li os norte-ame ri ca nos. É alta mente cômi ca a igno ran te pre ten são com que escri to res france ses super fi cia is procu ram ligar a Revo lu ção Ameri ca na à Revo lu ção France sa, queren do por força que as idéias re vo lu ci o ná ri as france sas te nham influ í do na Améri ca, quando, a ter havi do algu ma influên cia, foi antes da Améri ca sobre a Fran ça. A pessoa de Franklin , com os seus calções pretos, sem espa - da ao lado, nem borda dos, nem plumas, com os seus grossos sapa tos de enfi ar, com o seu prestí gio de sábio e de li ber ta dor, passe an do através das gale ri as de Versa lhes; a fama de ter ele sido um simples operá rio na sua moci da de, isso, sim, foi uma influên cia real em França.

A Ilusão Americana 15

Qu an do ele, no seu ceti cis mo cheio de bono mia, ria-se da pompo sa di - visa que lhe arran jou Turgot , o céle bre: Eripu it coe lo fulmen scep trum que tyrannis , dava uma prova de que ao seu terrí vel bom-senso não esca pava a insen sa tez sui ci da da aristo cra cia france sa. Quan do reben tou a revo lu ção, quando ela come çou a matar e a incen diar, houve em toda a Améri ca uma grande simpa tia por Luís XVI e Maria Antoni e ta, os anti gos alia dos, os gene ro sos prote to res da inde pen dên cia ameri ca na. Pouco tempo de - pois o gover no de Washing ton rompeu rela ções diplo máti cas com a re - pú bli ca france sa. Onde a soli da ri e da de repu bli ca na, onde a frater ni da de?

Ve ja mos na histó ria: Que auxí lio prestou o gover no ameri ca - no à inde pen dên cia das colô ni as ibéri cas da Améri ca – Qual tem sido a atitu de dos Estados Unidos quando estes paí ses têm sido ataca dos pelo gover nos euro pe us – Como os tem trata do o gover no de Washing ton – Qual tem sido o papel dos Estados Unidos nas lutas inter na ci o na is e ci vis da Améri ca Lati na – Qual a sua influên cia polí tica, moral e econô - mica sobre estes paí ses.

Tudo o que se vai ler neste traba lho é refe ren te a esses pon - tos, que serão todos discu ti dos, embo ra nem sempre na or dem da sua enume ra ção.

*

*

*

À Inglater ra, princi pal men te, e não aos Estados Unidos deve a Améri ca Lati na a força moral que lhe permi tiu fazer a sua inde pen dên cia. Foi Willi am Burke a prime i ra voz que na Euro pa se decla rou em seu favor escre ven do um vibran te panfle to, advo gan do a inde pen dên cia da Améri ca do Sul, 3 o Abbé de Pradt e pos te ri or men te Can ning, que foi quem pratica - mente tornou possí vel, isto é, tornou efeti va e certa esta inde pen dência, já ofici al men te acon se lha da por Lord Welling ton no congres so de Ve rona .

4

A inde pen dên cia das nações lati nas da Améri ca em nada foi pro te gi da pelos Estados Unidos.

À Inglater ra deve ram então servi ços consi de rá ve is as nações que luta vam pela sua emanci pa ção polí ti ca.

  • 3 Wil li am Burke, South Ame ri can inde pen den ce, or the eman ci pa ti on of South Ame ri ca, the glory and in te rest of England, London, 1807.

16

Eduar do Prado

O Sr. Carlos Calvo diz que a atitu de dos Estados Unidos e a procla ma ção da doutri na de Monroe pesa ram de uma mane i ra deci si va no âni mo do gover no inglês quando este, em agosto de 1822, pelo ór - gão de Lorde Welling ton , to mou no con gres so de Vero na a defe sa dos paí ses hispa no-ame ri ca nos, contra quem a Santa Alian ça preten dia inter - vir em favor da Espanha.

Esta afirma ção é errô nea. Em prime i ro lugar a chama da dou - trina de Monr oe só foi procla ma da pelos Estados Unidos quinze meses mais tarde, isto é, em dezem bro de 1823. E qual foi a atitu de dos Estados Unidos em re la ção às colô ni as revol ta das? Um autor hispa no-ame ri ca no, o Sr. Samper, da Colôm bia, diz: “Enquanto á los Estados Unidos, es curi o so ob - servar que sien do esa poten cia la más inte re sa da en favo re cer nues tra inde pen den cia, bajo el punto de vista polí ti co y no poco bajo el comer ci al, se mostró sin embar go mucho menos favo ra ble que Inglater ra, indi fe ren te por lo comun hácia nues tra revo luci on y muy tardia en sus mani fes ta ci o nes ofici a les, como parci mo ni o sa en pro cu rar-nos los auxí li os de ar ma men to que soli ci ta ba mos, con nues tro dine ro, de los nego cian tes y arma do res.” 5

Mui to antes da mensa gem de Monroe , o emba ixa dor ameri ca - no Rush tinha rece bi do de Canning a confi dên cia de que a Santa Alian ça pensa va em inter vir na Améri ca a favor da Espanha, e Canning acres - centa ra estar dispos to a se opor dire ta men te a esse plano se tives se a co o - pe ra ção dos Estados Unidos. Rush mandou as de cla ra ções de Canning ao seu gover no, que as rece beu com grande satis fa ção porque até àquela ocasião, segun do o contou depo is Ca lhoun, que fazia parte do gabi nete, os Estados Unidos não ti nham julga do pruden te inter vir, em vista do grande poder da Santa Alian ça. Monroe trata va os seus secre tá rios com consi de ra ção diver sa da que usam os se mibár ba ros presi dentes de ou tras repú bli cas da Améri ca com os irres pon sá veis que se prestam a ser seus minis tros; comu ni cou a notí cia de Londres ao gabi ne te, e consul tou a Jeffer son se devia acei tar o propos to auxí lio da Inglater ra. 6 Até en - tão, a atitu de dos Estados Unidos tinha sido toda de reser va, de abs - tenção, e, para uma nação que se quer apresen tar como a pro te to ra

  • 5 J. M. Sam per, Ensa yo so bre las re vo lu ci o nes po lí ti cas y la condi ci on so ci al de las re pu bli cas his - pa no-ame ri ca nas, pág. 195. Pa ris, 1861.

A Ilusão Americana 17

dos lati no-ameri ca nos, é forço so confes sar que essa polí tica não era de frater ni da de, mas sim de egoís mo. Ainda em 1819 o gover no ameri cano recu sa ra rece ber os cônsu les nome a dos por Vene zue la e pelo gover no de Bue nos Aires, alegan do vári os pre tex tos, 7 e só a 9 de março de 1823 é que reco nhe ceu a inde pen dên cia das repú bli cas espa nho las.

Forta le ci do e ani ma do pela inici a ti va da Inglater ra, em 2 de dezem bro de 1823, o presi den te Monroe disse na sua mensa gem:

“Deve mos decla rar, por amor da franque za e das rela ções amigá ve is que existem entre os Estados Unidos e aquelas potên ci as (euro péi as), que consi de ra re mos qualquer tenta ti va da sua parte para esten der o seu siste ma a qualquer parte deste hemis fé rio como coi sa tão peri go sa para a nossa tran qüi li da de como para a nossa segu ran ça. Com as colô ni as existen tes e as depen dên ci as das mesmas potên ci as, não te mos inter vin do nem in ter vi re mos. Em rela ção, porém, aos go - vernos que decla ra ram a sua inde pen dên cia e que a têm manti do, inde - pendên cia que, depo is de grande refle xão e por justos princí pi os, nós reco nhe ce mos, toda inter fe rên cia, por parte de qualquer potên cia eu - ropéia, com o fim de oprimi-los e de qualquer modo domi nar os seus des ti nos, não pode rá ser enca ra da por nós senão como uma ma ni fes ta - ção pouco amigá vel para com os Estados Unidos.”

Eis aí a famo sa doutri na!

A

nunca assaz ludi bri a da e es car ne ci da inge nu i dade sul-ameri ca -

na viu nesta decla ra ção um compro mis so formal, sole ne e de fi ni ti vo, de ali ança com os Estados Unidos, aliança tão sensa ta aliás como a do pote de ferro com o pote de barro. Há seten ta e um anos que o gover no ameri ca no tem acumu la do decla ra ções sobre decla ra ções, que equiva lem quase que a retra ta ções; há seten ta e um anos que escri to res, orado res, polí ti cos ameri - canos expli cam que aquilo não é um compro mis so nem uma alian ça; há se - tenta e um anos que, por pa la vras, atos e omissões, o gover no de Washing - ton pra ti ca men te demons tra a signi fi ca ção restri ta, e, por assim dizer, platô - nica das pala vras de Monroe , e, ainda hoje, há quem tenha a supers ti ção de tomar aquilo ao pé da letra. A estul tí cia pare ce que é inven cí vel.

18

Eduar do Prado

Pode ría mos encher pági nas e pági nas de extra tos de livros, de jorna is e de discur sos de ame ri ca nos inter pre tan do a chama da doutri na num senti do bem diver so da inter pre ta ção jaco bi na que hoje é acredi ta - da no Brasil. Prefe ri mos, porém, rela tar simples men te os fatos.

Quem conhe ce os docu men tos ofici a is ame ri ca nos daque la época sabe que toda a polí ti ca inte ri or e exte ri or dos Estados Unidos esta - va subor di na da aos inte res ses da insti tu i ção pecu liar, eufe mismo com que

se costu ma va

desig nar a es cra vi dão. Os Estados Unidos, desde que sabi am

que qualquer país ameri ca no esta va dispos to a abolir a escra vi dão, eram imedi a ta men te hostis à inde pen dên cia desse país. O pobre Hai ti era o obje to de ódio ame ri ca no. Hamil ton , da Caro li na do Sul, decla rou na Câ mara dos Repre sen tan tes que a in de pen dên cia do Hai ti, por for ma algu ma, devia ser tole ra da; Hayne , acompa nha do por todo o seu parti do, queria que o simples fato de um país qualquer reco nhecer a inde pen dên cia do Hai ti fosse moti vo para a ruptu ra das rela ções diplo má ti cas com os Esta dos Unidos. Em 1825, o gover no de Was hing ton pediu ao Czar da Rússia a sua inter ven ção junto à corte de Espanha, para que esta cessas se de hosti li zar as suas anti gas colô ni as, já de fato inde pen den tes, espe ci al - mente a Colôm bia e o Méxi co. E isto, dizia o secre tá rio de esta do Henry Clay a Middle ton , minis tro ameri ca no em S. Peters bur go, porque o Méxi - co e a Colôm bia, prosse guin do em sua hosti li da de contra a Espanha, po - diam even tu al men te tomar conta de Cuba e ali acabar com a es cra vi dão. Henry Clay mandou tam bém pedir ao Méxi co e à Colôm bia que adias sem a sua ex pe di ção li ber ta do ra de Cuba, e Midd leton rece beu or dem para in - sistir junto ao Czar, chefe da Santa Alian ça, porque os Estados Unidos fa - ziam questão de impe dir a in de pen dên cia de Cuba. Por esse tempo jul - gou-se que a França, então em guerra contra a Espanha, ia mandar uma expe di ção a Cuba. O Méxi co e a Colôm bia lembra ram aos Estados Uni - dos o cumpri men to da sua promes sa conti da na céle bre mensa gem de Monroe . Henry Clay respon deu que a mensa gem conti nha com efei to uma promes sa, mas que os Estados Unidos tinham-na fei to a si mes mos e não a um outro país, e que por isso ne nhum país tinha o dire i to de exi - gir o cumpri men to da mes ma promes sa.

8

A Ilusão Americana 19

Os paí ses hispa no-ame ri ca nos quise ram, pare ce, mais que

uma lição práti ca da doutri na

de Monroe . Convo ca ram o céle bre con -

gresso de Pana má, assem bléia desti na da a la allian ça de todas las Ameri cas , à mútua frater ni da de, etc., etc. Compa re ce ram só os repre sen tan tes de quatro paí ses. Os Estados Unidos, depo is de mui ta hesi ta ção, nome a ram dois repre sen tan tes que nunca chega ram ao Pana má. As ins tru ções da - das a estes (1826) são talvez o melhor comen tá rio da doutri na de Mon- roe. Delas resul ta princi pal men te que os Estados Unidos não esta vam por forma algu ma dispos tos a fazer suas as brigas da Améri ca Lati na com as potên ci as euro péi as. E nunca, mas nunca, os Estados Unidos muda ram o modo de pensar e de proce der.

Va mos ver os mui tos fatos em que aquele gover no, por seus atos, deu a in ter pre ta ção autên ti ca da doutri na que os sul-ameri - canos têm false a do. Antes, porém, dare mos uma opinião vali o sa, e que destrói pela base a crendi ce que se quer espa lhar no Brasil que os Estados Unidos não consen tem na Améri ca outro gover no senão o re- publi ca no.

Os sul-ameri ca nos que isto di zem afir mam uma falsi da de e os que se rego zi jam com isso bem mere cem o desprezo que os ameri ca nos lhes votam. Have rá coisa menos digna do que um cida dão dese jar que a sua pátria não tenha a livre dis po si ção dos seus desti nos e este ja, quando se trata da esco lha ou da mudan ça da sua for ma de gover no, depen den te da vonta de do estran ge i ro?

Feliz men te a nação ameri ca na, te nham sido embo ra grande as faltas dos po li ti que i ros que tanta vez a têm deson ra do, conta no mundo do pensa men to homens do mais alto valor, herde i ros legíti mos dos heróis da inde pen dên cia.

Eis aqui como um desses homens julga a doutri na de Mon- roe, na in ter pre ta ção força da e indig na que lhes querem dar os jaco bi nos brasi le i ros, que põem a re pú bli ca aci ma da pátria:

“Que rer firmar o princí pio de que os Estados Unidos não po - dem consen tir na Améri ca ne nhum siste ma polí ti co dife rente do seu, ou que não po dem tole rar ne nhu ma mudan ça polí tica tendo por fim substi - tuir a for ma repu bli ca na pela for ma mo nár qui ca, seria ir além das pre - tensões do congres so da Laybach e de Ve rona que, pelo menos, ti nham

20

Eduar do Prado

tem or da des tru i ção da sua obra polí tica, enquan to que os Estados Uni dos não po dem ter esse temor.” 9

Em 1786, um jo vem brasi le i ro, Maia, estu dan te de Mont- peli er , disfar çan do-se com o pseu dô ni mo de Wan dek e rode an do-se de mil misté ri os, tentou aproxi mar-se de Jeffer son , então emba i xa - dor dos Estados Unidos em Versa lhes. Aprove i tan do-se de uma via - gem de Jeffer son pelo sul da França, encon trou-se com ele em Ni - mes, e aí falou-lhe da in de pen dên cia do Brasil, com que sonha va, e pe diu-lhe o auxí lio dos Estados Unidos. Jef fer son desa ni mou-o, como se eviden cia das cartas que o emba ixa dor escre veu a Jay, Se - cretá rio de Estado, dando-lhe conta da entre vis ta que tive ra com o

jovem brasi le i ro. Em 1817, um emissá rio pernam buca no foi aos Esta dos Unidos pedir auxí lio; foi lu di bri a do, e o gover no de Was hing ton apres sou-se em dar conta de tudo ao minis tro portu guês Corre ia da Serra. Por ocasião da inde pen dên cia do Brasil, não re ce be mos pro va algu ma de boa vonta de por parte dos ameri ca nos, e só depo is de outros paí ses reco nhe ce rem a eman ci pa ção do Brasil é que os Esta - dos Unidos reco nhe ce ram a nossa auto no mia. Note-se que a céle - bre doutri na de Monroe data de 1823; foi na mensa gem presi den ci al

desse ano que aquele

pre si den te esta be le ceu a não-inter venção da

Euro pa nas coi sas da Améri ca. Ora, dois anos depo is, em 1825, é que a nossa inde pen dên cia foi reco nhe ci da por Portu gal, pela inter - venção ingle sa, repre sen ta da na pessoa de Sir Charles Stu art, de po is Lor- de Rothe say . Mais tarde é que os Estados Unidos cele bra ram com o Brasil um trata do de amiza de, comér cio e nave ga ção. O minis tro ame - ri cano no Rio, Raguet , opôs grandes emba ra ços à nossa nascen te naci o - nali da de, emba ra ços que foram só em parte remo vi dos pelo seu suces - sor, Willi am Tudor .

Para se fazer uma idéia do que foi a missão de Raguet basta percor rer, rapida men te, a sua cor res pon dên cia. 10 Raguet acusa a nos- sa esqua dra no rio da Prata de covar dia (pág. 20); diz que com o povo brasi le i ro é inútil apelar para a razão e para a justi ça (pág. 32); Raguet em termos grosse i ros amea ça o minis tro dos Estran ge iros de uma

  • 9 Wo!sey, Intro duc ti on to the Study of Inter na ti o nal Law, § 74.

A Ilusão Americana

21

guerra com os Estados Unidos (pág. 27): “Isto não é um povo civi li - zado” (pág. 54).

Tal foi o proce di men to de Raguet e tais foram as suas gros - seri as, que Henry Clay, Secre tário de Estado, mandou-lhe um despa - cho (pág. 108), estra nhan do as suas ma ne i ras, e dizen do-lhe que era preci so não esque cer que, afinal de contas, o Brasil era um país cristão.

O gover no ameri ca no ligou-se por esta época inte i ra men te aos gover nos que fazi am pressão sobre o Brasil por moti vo de questões de presas marí ti mas no rio da Prata.

Du ran te as nossas lutas no rio da Prata, encon tra mos sem - pre a oposi ção norte-ame ri ca na entor pe cen do a ação das nossas es - quadras, desres pe i tan do os nossos bloque i os, conlu i ando-se com os nossos inimigos, e para depo is, valen do-se das difi cul da des inici a is da nossa inde pen dên cia polí ti ca, fazer-nos exi gên ci as desme di das e exorbi tan tes recla ma ções. O prime i ro re pre sen tan te ameri ca no que veio ao Rio de Jane i ro, ao findar o perío do colo ni al, deu ori gem a um desa gra dá vel inci den te diplo má ti co, faltan do com o respe ito à famí lia real, o que era uma injú ria fei ta ao País.

O repre sen tan te ameri ca no que tratou das recla ma ções de presas no rio da Prata, depo is de atrope lar as nego ci ações, rompeu brus - camen te e reti rou-se sem que houves se moti vo para essa desfe i ta, que foi aliás repa ra da pelo suces sor daque le diplo ma ta Willi am Tudor , que firmou conos co um trata do de amiza de, comér cio e nave ga ção.

Lei am-se as inso len tes mensa gens do Pre si den te Jack son ao Congres so ameri ca no, refe rin do-se ao Brasil e aos outros paí ses da Améri ca do Sul.

Aquele gene ral sem es crú pu los, que foi o patri ar ca da cor- rupção na sua pátria, em suas mensa gens ao Con gres so, expri me-se com grosse i ra arro gân cia em rela ção ao Brasil e aos outros paí ses da Amé ri ca do Sul. Em 1830, não haven do mais guerra no Prata nem no Pací fi co, o Secre tá rio da Mari nha insis te pelo aumen to da força naval nas costas da Améri ca do Sul: “É preci so”, diz o secre tá rio John Branch, “não dimi nu ir as nossas forças, que são indis pen sá v eis

22

Eduar do Prado

para a defe sa dos nossos interes ses peran te aqueles gover nos instá ve is e inca pa zes.” 11 As exi gên ci as do gover no ameri cano foram enormes, e da pró pria corres pon dên cia do Minis tro Tudor se eviden cia o desar ra zo a do de algu mas das recla ma ções. Assim, trata va-se, por exemplo, da escu na United States cap - tura da pela nossa esqua dra quando tenta va forçar o bloque io le vando muni ções de guerra aos nossos inimi gos. Era porven tura possí vel du- vidar da legi ti mi da de da apreen são? Willi am Tudor , num dos seus despa chos ao seu gover no, re fere-se a exage ra ções das recla ma ções, e noutro despa cho pare ce sentir que as coisas se tives sem arran ja do pa - cifi ca men te, e compraz-se em dar o plano de uma possí vel expe di ção naval ameri ca na contra o Brasil para bloque ar Pernam bu co, a Bahia e o Rio de Jane i ro. E enquan to assim se expri mia o diplo ma ta ameri ca - no, da sua própria corres pon dên cia resul ta que, por esse tempo, a es cuna de guerra brasi le i ra Ismênia salva va de pira tas na costa de África um nego ci an te ameri ca no, conser van do-lhe um gran de carre ga mento de mar fim.

Da corres pon dên cia de Raguet vêem-se os contra ban dos fei tos na costa do Brasil pela Mor ning Star de Fila dél fia ; a inso lên cia do coman dan te Biddle da Cyane com a nossa floti lha ao mando do al miran te Pinto Gue des; vê-se a mano bra frau du len ta do navio ame - rica no Presi dent Adams, sain do de Monte vi déu com falso mani fes to para Boston , e tentan do ir abaste cer o porto de Bue nos Aires que o Brasil bloque a va.

12

O Brasil teve de ceder às impo si ções norte-ame ri canas, e pa gou pelas recla ma ções a quantia de 427:259$546 réis, que naque le tempo vali am seis ou sete vezes o que valem hoje. 13

Le i am-se os State Papers ameri ca nos do tempo, e há de se ver que, quando trata va com o nosso gover no o al mi ran te francês Rous sin, que se apresen tou na barra do Rio de Jane i ro com a sua esqua dra a nos

  • 11 U. S. Se na te Do cu ments: Con gress, 12st Sess. 2. 1830 e 31, vol. 1, pág. 38. Doc. 1.

  • 12 Exe cu ti ve docu ments pre sen ted to the H. of Re pre sen ta ti ves, 25th Congress. Doc. 32, pág. 32.

A Ilusão Americana 23

fazer exigên ci as, o minis tro ameri ca no deu-lhe o seu apoio moral, e es - teve bem esque ci do de Monroe e da doutri na. 14 Qu an do a Inglater ra e a França in ter vi e ram na Re pú bli ca Argenti na contra Rosas, o gover no ameri ca no, que convi via em perfe i ta harmo nia com aquel e monstro, o que fez? Nada.

Entre as re co men da ções que o gover no de Washing ton faz a Willi am Tudor há a de prepa rar o espí ri to do gover no brasi lei ro para a notí cia que logo lhe seria dada do gover no ameri cano haver reco nheci do D. Miguel como rei de Portu gal. Com efei to, no dia 1º de outu bro de 1830, o presi den te dos Estados Unidos rece beu ofici al men te o Sr. Torla - des, en car re ga do de negó ci os de D. Miguel. O gover no ameri ca no foi o único gover no que reco nhe ceu o rei abso lu to e usurpa dor de Portu gal!

Por essa época, o gover no dos Estados Unidos tinha já orga - niza do o seu plano de guerra contra o Méxi co, outra prova da soli dari e - dade e da frater ni da de ameri ca na. A má-fé do gover no de Washing ton come çou com a questão do Texas. Fa vo re ceu quanto pôde a revol ta da - quele terri tó rio, animou-o a sepa rar-se do Méxi co para mais depres sa absor vê-lo e depo is decla rou a guerra ao Méxi co, verda de i ra guerra de conquis ta, humi lhou aquela re pú bli ca até ao extre mo, e ar re ba tou-lhe meta de do seu terri tó rio. Ó frater ni da de!

  • 14 Lis tas das quan ti as (ca pi tal e

ju ros) pagas em vir tu de das recla ma ções ame ri ca nas:

Navio

Quan ti as

Tell-tale ............................

37:924$850

Pion ner .............................

21:134$676

Sarah Geo ger ........................

42:472$199

Rio ................................

8:081$034

Panther

4:229$918

Hero

12:048$979

3:313$178

30:939$993

Hannah ............................

37:197$774

Sper

92:245$803

Hussar .............................

28:337$824

Amily ..............................

16:922$878

Ruth ...............................

29:428$440

Ontario

1:742$000

Spark

61:250$000

427:259$545

24

Eduar do Prado

E a doutri na de Monroe , o que era fei to dela? A Inglater ra es - tendia as suas conquis tas ao oeste do Cana dá até chegar ao ocea no Pací - fico. Antes já ar re ba ta ra, contra todo o dire i to, as ilhas Malvi nas, ou Falkland , à Confe de ra ção Argenti na.

E será possí vel falar nas ilhas Malvi nas sem recor dar um dos ma i o res atenta dos contra o dire i to das gentes, neste sécu lo, atenta do perpe tra do por uma força naval dos Estados Unidos e aprova do e sanci o - nado pelo gover no de Washing ton? Em 1831, os argen ti nos ti nham uma colô nia nas ilhas Malvi nas. Alguns navi os de pesca, ameri ca nos, não qui - seram obede cer a umas ordens do gover na dor da colô nia. Daí um con - flito admi nis tra ti vo e diplo má ti co entre o cônsul ameri cano em Bue nos Aires e o gover no argen ti no.

Estava a questão neste pé quando a corve ta ameri ca na Lexing - ton saiu de Bue nos Aires, coman da da pelo capi tão Silas Dun can, foi às ilhas Malvi nas, bom bar de ou o esta be le ci men to argen ti no, desem bar cou tropa, matou mui tos colo nos, in cen di ou todas as casas, arra san do as planta ções e levan do os sobre vi ven tes presos, uns para os Estados Unidos, e aban do nan do outros em grande misé ria na costa deser ta do Uruguai. Destru í do o esta be le ci men to argen ti no, a Inglater ra to mou conta das ilhas.

O gover no argen ti no, em 1839, recla mou satis fa ção.

E o que lhe respon deu o gover no ameri ca no, pela pala vra do Secre tá rio de Estado Dani el Webster ?

Que o gover no ameri ca no aguarda va a deci são final do confli - to existen te entre a Inglater ra e a Re pú bli ca Argenti na a respe i to da so - bera nia das ilhas Malvi nas.

Ora, em 1831, por ocasião do atenta do ameri cano nas Malvi - nas, a sobe ra nia argen ti na existia de dire i to e de fato sobre as Malvi nas. De dire i to, reco nhe ce ram-no os mes mos Estados Unidos, porque na mensa gem presi den ci al de 17 de novem bro de 1818, refe ren te à inde - pendên cia das anti gas províncias unidas do rio da Prata, atribu ía-se-lhe a sobe ra nia dentro dos limi tes do anti go vice-rei na do de Bue nos Aires, que compre en dia as Malvi nas; de fato, eram argen ti nas as Malvi nas, por - que eram colo ni za das por argen ti nos e admi nis tra das por auto ri da des argen ti nas desde 1829; só dois anos depo is é que a Inglater ra se apossou dessas ilhas.

A Ilusão Americana 25

Como é que os Estados Unidos, de quem tantas vezes tem-se dito que não consen ti rão que um país euro peu se aposse de uma pole ga da de terri tó rio ameri ca no, não duvi da ram, no caso presen te, da sobe ra nia argen ti na nas Malvi nas em confli to com a usurpa ção ingle sa?

E a Re pú bli ca Argenti na, em 1884, reno vando a sua recla m ação obte ve a mes ma respos ta. Propôs subme ter o caso a arbi tra men to; o go verno de Washing ton negou-se.

Eis aí a since ri da de ameri ca na quando fala na doutri na de

Monroe e susten ta a teo ria do arbi tra men to para a solu ção dos confli tos inter na ci o na is.

Mais tarde, em Hondu ras, alargou a Inglater ra impu ne men te os seus domí ni os sem que saís se a campo a tal doutri na, e quando Schomburgh intro me teu-se em terri tó rio brasi lei ro na lagoa dos Piraras, na fronte i ra da Gui a na Inglesa, reti rou-se dian te da energia da diplo m acia brasi le i ra, que nessa ocasião não encon trou, e alti va nem pediu então o menor apoio de Washing ton, apesar de Monroe e da sua doutri na.

Correm os tempos e o Brasil, a Repú bli ca Argenti na e o Uru - guai, em legí ti ma defe sa, empre en dem a mais justa das guerras contra López, do Para guai. Lá encon tra mos a diplo ma cia ameri ca na a nos criar emba ra ços e, repre sen ta da nas pesso as dos minis tros Washburn e gene - ral Mac-Mahon , ínti mos de López, espec ta do res mudos e im pas sí ve is das suas cruel da des, seus verda de i ros cúmpli ces pelo silên cio e até pelo louvor.

Quan tas difi cul da des não cria ram esses homens aos exérci tos alia dos? Ainda aí mostra ram os ameri ca nos do norte qual a sua compre - ensão da frater ni da de ameri ca na. Washburn e Mac-Mahon , abusan do das suas imuni da des, eram espi as e auxi li a res de López, train do o exérci to alia do.

E o proce di men to do Brasil tinha sido todo de corre ção e le alda de em emergên ci as bem graves para a re pú bli ca nor te-ame ri ca na.

Aquele grande país dera ao mundo um exemplo bem des mo - rali za dor pelo seu apego à escra vi dão. Enquanto no Brasil não houve es - cra vocra tas que tives sem o cinis mo de querer legi ti mar a iníqua insti tu i ção, nos Estados Unidos, onde os senho res de escra vos foram mui to mais cruéis que no Brasil, publi ca ram-se livros, sermões, com a apolo gia cien -

26

Eduar do Prado

tífi ca e até reli gi o sa da escra vi dão, e chegou o momen to em que meta de do país julgou que, para conser var e esten der a es cra vi dão, valia a pena sacri fi car a própria pátria ameri ca na. O escra vis mo sobre pujou o patri o - tismo. E rompeu a guerra civil mais terrí vel e mais sangren ta de que reza a histó ria. O gover no de Washing ton dei xou, logo, aos prime i ros tiros do forte Sumter , em Charles ton , de domi nar parte do terri tó rio. Os re - beldes cria ram uma ver da de i ra esqua dra de corsá ri os. O gover no ameri - cano, que a igno rân cia ou a má-fé estão agora queren do apresen tar aos brasi le i ros como in de fes so pro pug na dor do progres so e das idéias libe - rais e huma ni tá ri as em maté ria de dire i to inter na ci o nal, tinha-se recu sa - do a aderir ao trata do de Paris, de 1856, pelo qual fora aboli do o corso como recur so bárba ro abando na do pelas nações cultas. Por uma puni - ção provi den ci al, foi contra os interes ses do gover no ameri ca no que se orga ni zou o corso mais ativo e terrí vel de que há notí cia. Os corsá ri os sulis tas corre ram todos os mares do globo. Nesse tempo, a mari nha mercan te ameri ca na era talvez a segun da do mundo. Com o desen vol vi - mento da corru ção polí ti ca nos Estados Unidos, o favor fei to aos pou - cos ricos arma do res naci o na is, a pretex to de prote ci o nis mo, tornou por tal for ma cara a constru ção naval que a mari nha mercan te ameri cana, por assim dizer, desa pa re ceu. Os corsá ri os sulis tas tinham, pois, naque le tempo, presas ricas e nume ro sas em que saci ar a sua sede de vingan ça e princi pal men te de lucro.

Dian te do incre men to to ma do pela revol ta sulis ta, não foi possí vel às nações estran ge i ras desco nhe cer, nas rela ções in ter na ci o na is, a perso na li da de jurí di ca dos confe de ra dos, nome esse que os revol to sos assu mi ram. De fato, senho res de vári os pontos, dispon do de forta le zas, os rebel des domi na vam uma parte do terri tó rio de que o gover no de Washing ton, ao cabo de mui to tempo, não se tinha podi do apode rar. As nações estran ge i ras não podi am dei xar de consi de rar os con fe de ra dos como be li ge ran tes. Nem outra doutri na podia preva le cer. De outro modo, basta ria a qualquer gover no decla rar simples mente rebel des ou pira tas as forças de terra ou de mar ao servi ço dos seus adver sá rios para pri vá-las de todos os dire i tos de guerra. Ora, a re vo lu ção é um dire i to, segun do as teo ri as moder nas, e as nações estran ge i ras não de vem entor - pecer, por qualquer modo, ainda que indi re to, o exercí cio desse dire i to. Grócio diz que uma nação onde há uma revol ta deve ser consi de ra da

A Ilusão Americana 27

pelos terce i ros, isto é, pelos outros paí ses, como duas nações sepa radas, cada uma com os seus dire i tos de beli ge ran te. Os trata dis tas de dire i to inter na ci o nal di zem que para isso é preci so: 1º que a revol ta tenha já al - gum tempo de dura ção, não tendo podi do o gover no sufo cá-la; 2º que os recur sos da revol ta sejam impor tan tes; 3º que ela domi ne uma parte do terri tó rio, quer marí ti mo quer terres tre. Ora, os con fe de ra dos esta - vam nesse caso, e o próprio gover no ameri ca no cria ra um pre ce den te contra si quando, em 1837, reco nhe ce ra como beli ge ran tes os revol to - sos do Texas, sem fazer caso das recla ma ções do Méxi co.

O reco nhe ci men to dos insur gen tes como beli ge rantes é cousa mui to das tendên ci as do dire i to inter na ci o nal moder no. É uma medi da aconse lha da pelos própri os interes ses da huma ni da de. O títu lo de beli - geran te confe re certos di re i tos; mas, a esses dire i tos corres pon dem cer - tos deve res que, a bem de todos, de vem ser cumpri dos pelos beli geran - tes. Se se nega todos os dire i tos aos insur gentes, como preten der im - por-lhes os deve res gera is da guerra? E ao interes se da huma ni dade con - vém que esses deve res sejam respe i ta dos. Ora, se não há dire i to a que não corres pon da um dever, tam bém não há deve res a que não corres - pon dam tam bém dire i tos. Bluntschli, o orácu lo do dire i to inter na ci o nal, diz que, desde que os rebel des se acham mili tarmen te orga ni za dos, de vem ser reco nhe ci dos como beli ge ran tes, e diz, mais, que o dire i to in - terna ci o nal atual fez um progres so mostran do-se dispos to a conce der a qua li da de de beli ge ran te a um parti do revo lu ci o ná rio. As leis da huma ni - dade, diz ele, assim o exigem. 15

Não tarda ram os corsá ri os sulis tas em apare cer nos portos do Brasil, e o gover no brasi le i ro mante ve-se na mai or discri ção e na atitu de a mais corre ta, somen te permi tin do que os navi os fizes sem água e rece - bessem carvão apenas em quanti da de sufi cien te para, em marcha lenta, se transpor ta rem ao mais próxi mo porto estran ge iro. O gover no ameri - cano julgou dever recla mar pro forma , e o minis té rio dos negó ci os estran - gei ros do Brasil, numa nota lumi no sa e digna, nota que é hoje clássi ca em dire i to inter na ci o nal, defen deu o proce di men to do gover no impe ri al, e o próprio secre tá rio de esta do do gover no de Washing ton, o eminen te Mr. Seward , um dos mais notá ve is esta distas ameri ca nos, deu-se por

28

Eduar do Prado

sa tisfe i to com a justi fi ca ção conti da na nota brasi lei ra, assi na da pelo mi - nistro de estran ge i ros, o conse lhe i ro Maga lhães Taques. Seward disse, em respos ta, que se rendia à evidên cia demons trada naque la nota habi - líssi ma (most able note). 16 O amor-próprio brasi le iro, naque le tempo, po - dia ter satis fa ções destas.

Termi na da a guerra civil, houve o grande

lití gio entre a Ingla -

terra e os Estados Unidos, a céle bre conten da conhe ci da pelo nome de Ques tão Alaba ma. O gover no do Brasil foi esco lhi do pelas altas partes li tigan tes para ser um dos árbi tros entre as duas grandes nações. Não podia ser mais sole ne men te reco nhe ci da do que foi então a leal da de e a corre ção do gover no do Rio de Jane i ro. 17 Anos mais tarde, surgiu um li tígio deri va do ainda da guerra civil ameri ca na. O confli to era entre as duas grandes repú bli cas do mundo, entre a França e os Estados Unidos. O árbi tro único es co lhi do foi o Impera dor do Brasil. No tribu nal que

funci o nou em Washing ton, repre sen tou o sobe ra no brasi le i ro o Sr. ba rão de Arinos. No tribu nal do Alaba ma , que funci o nou em Gene bra, o juiz brasi le i ro foi o fale ci do barão, depo is viscon de de Itaju bá . Vê-se, por isso, qual não era o prestí gio do Brasil. Hoje, queren do os Estados Unidos fechar o mar de Behring , e, retro ce dendo estra nha men te para épocas passa das, res ta be le cer o mare clau sum , que Selden e Frey tas defen - deram no sécu lo XVII contra Grócio , o funda dor do dire i to inter na cio - nal moder no, a Inglater ra opôs-se à preten são, e os dois paí ses recor re -

ram a um arbi tra men to. Pare ce que os tempos esta vam muda dos

Os

... Estados Unidos já não apela ram para o gover no do Brasil, e o gover no de Washing ton, que querem agora apresen tar como o pala di no da fra terni da de ameri ca na, nem por sombras pensou em recor rer aos seus co le gas presi den tes de repú bli cas lati nas. Os Estados Unidos pre fe ri ram a arbi tra gem de algu mas anacrô ni cas chance la ri as de velhas e carco mi das monar qui as euro péi as!

Não sería mos comple tos em nossa demons tra ção de que os Estados Unidos, embo ra contem ilustres escri to res de dire i to inter na ci o nal, são mais egoís tas e prepo ten tes em suas práti cas do que as monar qui as euro péi as, se não nos refe rís se mos ao céle bre inci den te do Trent. O

  • 16 Hou se of Re pre sen ta ti ves Exec. Docs. 5th ses si on, vol. IV, 38th Congress.

A Ilusão Americana 29

va por deste nome, vapor inglês, leva va, como passa ge i ros, dois envi a dos diplo má ti cos repre sen tan tes dos Estados Confe de ra dos, os Srs. Sliddel e Mason , que iam como envi a dos extra or di nári os e minis tros ple nipo ten - ciári os , em missão espe ci al, um deles para Londres outro para Paris. Pois bem, um navio de guerra ameri ca no, em alto mar, dete ve o vapor inglês e vio len ta men te arran cou de bordo os dois passa ge i ros. Esse ato, con - trário ao dire i to das gentes, esse desres pe i to ao pavi lhão de uma nação neu tra, essa felo nia contra os dois diplo ma tas desper tou a indig na ção de todos os gover nos, e o gover no de Washing ton viu-se obriga do a censu - rar o ofici al que perpe trou tão feia ação, mas aprove itou-se dela conser - vando por mui to tempo os dois prisi o ne iros. Este ato é apenas menos conde ná vel do que a vila nia que contra nós prati cou Sola no López, apri- sio nan do em plena paz o vapor brasi le i ro Marquês de Olinda , vapor que leva va o coro nel Carne i ro de Campos, presi den te de Mato Grosso. Esta proe za pare ce que foi viva men te aconse lhada a López pelo cida dão uru - guaio o Sr. Varquez Sagas tu me , hoje minis tro no Rio de Jane i ro, e por - tanto um dos cori fe us da frater ni da de ameri ca na.

Com o seu imedi a to vizi nho me ri di o nal, o Méxi co, a polí tica dos Estados Unidos terá sido uma polí ti ca de frater nida de?

O fato mais impor tan te dessa polí ti ca, qual foi? Foi uma guerra.

E essa guerra contra

o Méxi co é pinta da com verda de

e

elo qüên cia pelo histo ria dor ameri ca no H. H. Bancroft :

“A guerra dos Estados Unidos contra o Méxi co foi um negó - cio preme di ta do e deter mi na do de ante mão. Foi o re sul ta do de um pla - no de salte io, que o mais forte orga ni zou deli be rada men te contra o mais fraco. As altas posi ções po lí ti cas de Was hing ton eram ocupa das por ho mens sem princí pi os, tais como os sena do res, os membros do con - gresso, sem falar do pre si den te e do seu gabi nete, e havia a grande hor - da dos de ma go gos e dos poli ti que i ros, que se compra zia em satis fa zer os instin tos dos seus parti dá ri os. Estes eram os senho res de escravos, os contra ban dis tas, os assas si nos de índi os, que, com as suas ímpias bocas macu la das de taba co, jura vam pelos sagra dos princí pi os, de 4 de julho, que havi am de esten der o predo mí nio ameri ca no do Atlânti co até o Pa cífi co. E esta gente, despi da das noções do justo e do injus to, esta va

30

Eduar do Prado

dispos ta cini ca men te a reter tudo quanto pudes se saque ar, e invo can do para isso o princí pio único da força.

“O Méxi co, pobre, fraco, lutan do para obter um lugar entre as nações, vai agora ser humi lha do, espe zi nha do, alge ma do e vergas ta do pela bruta li da de do seu vizi nho do norte. E este é um povo que tem o mai or orgu lho da sua liber da de cristã, dos seus ante ce dentes puri ta nos! Ve re mos como os Estados Unidos come ça ram, então, a empre gar toda a sua energia em desco brir plau sí ve is pretex tos para roubar a de um vizi - nho mais fraco uma vasta exten são de terra. E para que? Para aí esta be - lecer a escra vi dão.” 18

A guerra foi prece di da da intru são ameri ca na no Texas, dos subsí di os que os ameri ca nos deram à revol ta por eles mes mos fomen ta - da naque le terri tó rio, cuja inde pen dên cia não tarda ram em reco nhe cer, como medi da prepa ra tó ria da anexa ção, que foi a gota de água que fez transbor dar a paciên cia dos mexi ca nos. E esta paciên cia já tinha sido posta à prova de mil modos, por anos e anos numa longa série de vexa - mes. As recla ma ções ame ri ca nas multi pli ca vam-se. Extintas hoje, isto é, pagas a bom dinhe i ro pelo Méxi co, renas ci am daí a meses. E as recla ma - ções eram ex tra or di ná ri as. Bancroft , entre outras, cita a recla ma ção de um ame rica no que por cinqüen ta e seis dúzi as de garra fas de cerve ja re cebeu 8:260 dóla res. 19

Uma vez, o comis sá rio ameri ca no Voss rece beu o di nhe i ro, e este não apare ceu (Bancroft , pág. 320).

Em 1818, estan do os Estados Unidos em paz com a Espa nha, o gene ral Jackson inva diu a fronte i ra da Flóri da, captu rou e guarne ceu um forte espa nhol, apode ran do-se de Pen sa co la e de Bar ran cas.

Mais tarde, tam bém sem decla ra ção de guerra, o gene ral Ga i - nes fez in cur sões no Méxi co. Estava, pois, nas tradi ções do gover no de Washing ton ao come çar a guerra contra o Méxi co, sem prévia decla ra -

ção para de surpre sa romper as hos ti li da des e inva dir o terri tó rio. E assi m foi.

  • 18 H. H. Ban croft, Works, San Fran cis co, 1885, vol. XIII, cap. 13.

A Ilusão Americana

31

Ve ja mos agora como foi fei ta a guerra. Os ameri ca nos fize - ram-na de um modo bárba ro. “O bom bar de io de Vera Cruz durou qua - tro dias; foi horrí vel e inte i ra men te desne ces sá rio” (Bancroft , pág. 547). “O saque, as matan ças de feri dos no campo de bata lha, os prisi o ne i ros quei ma dos vivos, são fatos confir ma dos pelas mais eleva das au to ri da des ofici a is.” 20 “As bar ba ri da des ile gí ti mas come ti das quase sempre com im - puni da de por uma massa indis ci pli na da como era o exérci to ameri cano estão, infe liz men te, por dema is ve ri fi ca das (Bancroft , pág. 547). E isto esta va de acordo com a opinião públi ca.

Le i a mos as expres sões dos jorna is ameri ca nos:

Dizia um: “Deve mos destru ir a cida de do Méxi co, arra san - do-a ao nível do solo. Faça mos o mes mo com Pue bla Pero te , Jala pa , Saltil l o e Monte rey , e, fei to isto, deve mos ainda aumen tar as nossas exi - gên ci as.”

Dizia outro: “Aniqui le mos os mexi ca nos: leve mos a destru i - ção e a morte a todas as famí li as, faça mo-lhes sentir um jugo de ferro, e assim sere mos respe i ta dos.” 21

E o Méxi co perdeu quase meta de de seu terri tó rio.

Faz-se mui to cabe dal do fato dos Estados Unidos terem mais tarde inti ma do à França a reti ra da das suas tropas do Méxi co. Foi um servi ço, mas como não tem o Méxi co pago caro este servi ço? O gover - no de Ma xi mi li a no não se pôde manter, embo ra tenha sido o gover no mais hones to que o Méxi co tem tido desde a inde pen dên cia. Ma xi mi li a - no era um estran ge i ro. Houves se um prínci pe me xi ca no, que aquela po - pula ção de índo le monár qui ca acei ta ria unâni me a monar quia. Dema is, Maxi mi li a no não quis sanci o nar os grandes abusos do clero, sobre tudo em rela ção aos bens da Igreja. Não esque ça mos que o decre to abolin do os contra tos agríco las dos peo nes , revo ga ção de uma lei anti ga pela qual os traba lha do res das ha ci en das fica vam verda de i ros escra vos, suje itos até aos açoi tes, atraiu, contra o prínci pe libe ral, os ódios das chama das clas - ses con ser va do ras, que sabe mos o que são, em toda a Améri ca Lati na. Pare ce que há uma fata li da de para os chefes de esta dos liber ta do res:

  • 20 Li ver mo re, War with Me xi co, pág. 263.

32

Eduar do Prado

Alexan dre II da Rússia, despe da ça do pelas bombas nihi listas , Ma xi mi li a- no fu zi la do, Lin coln assas si na do, e D. Isabel do Brasil exila da. O martí - rio é a consa gra ção dos grandes fei tos em prol da huma ni da de! No Mé- xico, o senti men to monár qui co é irre sis tí vel. Não pode resta u rar a mo - narquia mas tem torna do impos sí vel a repú bli ca. Porque no Méxi co não há, não houve, nem há de haver repú bli ca. O notá vel escri tor ameri ca no Gronlund diz que, se os Estados Unidos, na época da sua inde pen dên - cia, tives sem encon tra do um prínci pe inglês, como o Brasil en con trou um prínci pe portu guês, a monar quia se teria esta be le ci do nos Estados Uni dos. 22 E o tempo teria fei to desta monar quia um regi me bem dife - rente do regi me de opressi vo mono pó lio e de cruel pluto cra cia que é hoje a essên cia mes ma do gover no norte-ame ri cano. Se se pode dizer isto dos Estados Unidos, com mui to mais razão se dirá o mes mo do Méxi co. A repú bli ca, no Méxi co, como noutros paí ses da Améri ca Lati na nunca será uma cousa imp es so al; a re pú bli ca aí será sempre um ho mem. Foi Juárez , ho mem repre sen ta ti vo, ho mem que repre sen tou o ódio ao estran ge i ro. Ora, o ódio pode destru ir; o ódio pode ser a ver da de i ra ex - pressão do senti men to naci o nal num momen to dado, mas o ódio não cria cousa algu ma. Augus to Comte tem uma das suas intu i ções geni a is, quando quer que as soci e da des huma nas te nham o amor por base. Só o amor é cria dor. Por isso Juárez nada criou. Don Sebas ti an Lerdo de Te - jada , minis tro e suces sor de Juárez , foi uma transi ção entre a polí tica do ódio indí ge na e a concep ção jurís ti ca da soci e da de. Ho mem de lei, juris - con sul to, preten deu por tudo, em arti gos de códi gos. Espia va-o o mili ta - rismo, sorte co mum e inevi tá vel de toda a Améri ca ibéri ca. Depos to e ex pul so Lerdo, pelo gene ral Díaz, voltou o Méxi co ao mili ta ris mo siste - máti co. O gene ral Díaz e o gene ral González reve zam-se, há vinte e tan- tos anos, no poder, e o poder deles é prati ca mente abso lu to. A Consti - tui ção, copi a da da Consti tu i ção ameri ca na, dá ao Pre si den te quase todos os pode res. O Congres so é nada, as elei ções, uma far ça.

O furor imita ti vo dos Estados Unidos tem sido a ruí na da Améri ca. Péri cles, no seu céle bre discur so do Cera mi co, disse: “Dei-vos, ó, ateni en ses, uma Consti tu i ção que não foi copi a da da Consti tui ção de

  • 22 Gron lund, Co-opera ti ve Com mon we alth. Lon don, 1891. Swan & Son nens che in. Pág.
    157.

A Ilusão Americana 33

ne nhum outro povo. Não vos fiz a injú ria de fazer, para vosso uso, leis copi a das de outras nações.” Há mui ta grande za na excla ma ção do gênio grego. Há uma presciên cia de tudo quanto desco briu a ciência soci al moder na que, afinal, se pode resu mir nisto: As soci e da des de vem ser reg idas por leis saí das da sua raça, da sua histó ria, do seu cará ter, do seu desen vol vi men to natu ral. Os legis la do res lati no-ame ri ca nos têm uma vai dade inte i ra men te inver sa do nobre orgu lho do ate ni en se. Glori am-se de copi ar as leis de outros paí ses.

Todos os paí ses espa nhóis na Améri ca, decla ran do a sua inde - pendên cia, adota ram as fórmu las nor te-ame ri ca nas, isto é, rene ga ram as tradi ções da sua raça e da sua histó ria, sacri fican do o princí pio insen sat o do arti fi ci a lis mo polí ti co e do exotis mo legis lati vo.

O que colhe ram desse absur do, diz a triste histó ria hispa - no-ameri ca na deste sécu lo. O Brasil, mais feliz, instin ti vamen te obede - ceu à grande lei de que as nações de vem refor mar-se dentro de si mes - mas, como todos os orga nis mos vivos, com a sua própria substân cia, depo is de já esta rem lenta men te assi mi la dos e incor po ra dos à sua vida os elemen tos exte ri o res que ela natu ral men te tiver absor vi do. No Brasil tive mos a inde pen dên cia, fato lógi co do desen vol vimen to da soci eda de colo ni al; a monar quia manti da foi o respe ito da tradi ção e a conser va ção do país na sua índo le histó ri ca que nin guém pode mudar. O consti tu ci o - nalis mo e o siste ma parla men tar adota dos foram, até certo ponto, uma revi ves cên cia do passa do, uma repro du ção das cortes lusi ta nas, e cousa que mui to se harmo ni za va com a or ga ni za ção quase espon tâ nea, mas sempre repre sen ta ti va e mais pode ro sa do que se julga dos governos muni ci pa is e loca is da colô nia.

As idéias libe ra is do sécu lo, consa gra das nas ins ti tu i ções coe va s da inde pen dên cia, acharam uma base histó ri ca em que se fir ma- ram. E isto deu ao Brasil seten ta anos de liber da de.

Mais tarde, foi em 1889 come tido no Brasil o mes mo grande erro em que os hispa no-ame ri ca nos ti nham caí do no prime i ro quarto do sé cu lo, isto é, quando arti fi ci al men te se quis impor ao Brasil a fórmu la norte-ame ri ca na.

A perda da liber da de foi a con se qüên cia imedi ata, fatal, da desgra ça da idéia. E nós, tar di a men te, fo mos tomar parte na fasti di o sa e desa len ta do ra tare fa em que vivem, há noven ta anos, os hispa no-ame ri -

34

Eduar do Prado

canos, isto na longa, vã, tormen to sa, sangren ta e já degra dan te e inútil tenta ti va, quase secu lar, de querer im plan tar na Améri ca Lati na as insti - tui ções de uma raça es tra nha.

O grande orador ameri ca no Henry Clay fala va, uma vez, em 1818, no Congres so ameri ca no em favor das colô ni as espa nho las revol - tadas contra a metró po le: “Acredi ta-se geral men te em nosso País que os sul-ameri ca nos são mui to atrasa dos e supers ti ci o sos para se consti tu í - rem em nações livres. É uma injus ti ça. E a prova de que eles não estão tão atrasa dos é que estão adotan do as nossas insti tu i ções e as nossas leis.” 23 O insig ne histo ri a dor Von Holst diz que Clay afir ma um contra- senso; porque esta imita ção servil, essa sim, é prova de inca pa ci da de. 24

O Méxi co copi ou pois a Consti tu i ção nor te-ame ri ca na. Uma dispo si ção consti tu ci o nal dizia mais que o Presi den te era inele gí vel para o perío do presi den ci al imedi a to à sua presi dên cia. Daí o híbri do e imo - ralís si mo pacto de Díaz e de Gonzá lez . Díaz elege Gonzá lez com a con- dição de Gonzá lez eleger de novo a Díaz. E isto dura há mais de vinte anos. Agora, pare ce que Díaz não quer largar, e já fez refor mar a Cons - ti tu i ção, revo gan do a incom pa ti bi li da de, vai-se fazer re e le ger, e Gonzá - lez vai ficar logra do. Fala-se já em revo lu ção gonza lis ta , e o esta do de síti o funci o na no Méxi co com a mais inve já vel regu la ri da de.

Eis aí o servi ço que os Estados Unidos presta ram ao Méxi co livran do-o de um gover no que, embo ra incri mi nado de estran ge iro, foi o mais brando, o mais civi li za do, numa pala vra, que jama is teve aquele desgra ça do país. E não se limi ta ram a isso os bons ofíci os da irmã repú - blica. Depo is de haver re ta lha do o terri tó rio mexi ca no em 1848, e so - bre tu do depo is da vitó ria defi ni ti va da re pú bli ca no Méxi co, os Estados Unidos consti tu í ram sobre aquele país um verda dei ro prote to ra do, que mexi ca nos impre vi den tes foram acei tan do, sem ver que era a ruí na e o descré di to da sua pátria. O duun vi ra to Díaz–Gon zá lez atraiu para o Mé xico uma nu vem de aventu re i ros que, patro ci na dos pela lega ção ame- rica na, apresen ta vam-se, queren do conces sões e pri vi lé gi os, que lhe eram dados a troco de favo res pesso a is, de ações be ne fi ciá ri as e de ou - tras mil formas de frau de finan ce i ra. O Méxi co, a pretex to de ar ma -

  • 23 Henry Clay, Spe e ches, vol. 1, págs. 89 e 90.

A Ilusão Americana 35

rem-no com todos os instru men tos moder nos de progres so, foi a presa submis sa e opi ma dos ameri ca nos. Tudo foi ali obje to de privi lé gio, tudo moti vo para conces sões com garan tia de juros e outras vanta gens one - rosas para o tesou ro. Os conces si o ná ri os corri am para Nova Iorque, e na bolsa de Wall Street obti nham dos inca u tos o dinhe i ro que dese ja - vam. Quer im peras se Díaz ou rei nas se Gonzá lez, o méto do era sempre o mesmo. Mu itas vezes, membros do gover no de Washing ton eram sóci os dessas alican ti nas, e se o gover no mexi ca no fazia algu ma peque na difi - cul da de em entre gar o di nhe i ro, logo agia sobre ele a pressão di plo má ti - ca. Díaz e Gonzá lez amonto a vam grandes fortu nas, e Washing ton reju - bila va. Os jorna is ameri ca nos anunci a vam com entu si asmo os progres - sos da inici a ti va ameri ca na, dizen do que a conquis ta finan ce i ra do Méxi - co era apenas o prelú dio da conquis ta polí tica que mais tarde viria. Nes - se tempo, o ilustre Lerdo de Teja da, que vivia em Nova Iorque exila do, dizia a quem escre ve estas linhas: “Os gene ra is mexi ca nos, no meu tem - po, rouba vam nas estra das; agora rou bam nas compa nhi as. É um pro - gresso.” A princi pal figu ra desta rouba lhe i ra, figu ra pouco simpá ti ca, mas pare ce que um pouco inocen te nesses crimes, foi o gene ral Grant. Aquele solda do feliz era um ho mem de curta inte li gên cia, igno ran te em ma té ria de negó ci os e, em todo o caso, um in di ví duo sem grandes deli - cade zas. Logo que se trata va de um assal to qualquer às pias tras mexi ca - nas, o inici a dor da idéia ia ter com o gene ral Grant, e este logo dava-lhe o seu nome, o seu prestí gio e a sua in fluên cia. Chegou então ao auge a joga ti na e a imora li da de. O Méxi co, a pretex to de aplica ção no seu solo de capi ta is yanke es , era prati ca men te go ver na do pela lega ção ameri ca na. O Méxi co dei xou de ser dos mexi ca nos. Alguns patri o tas protes ta vam; mas os gene ra is Díaz ou Gonzá lez dis pu nham logo do recur so de pren - der os patri o tas e de procla mar o esta do de sítio. O ilustre orador, o notá - vel poe ta do Méxi co, o Sr. Altami ra no, no meio do abai xa men to geral, er - gueu, contra a alian ça ameri ca na, a sua voz eloqüen tís si ma: “Não!”, bra - dava ele no Congres so, “mil vezes a nossa pobre za anti ga do que a igno - mínia que presen ci a mos. O leão mexi ca no era livre na li ber da de ampla das nossas serra ni as. O es trange i ro desle al e corru tor tem-no agrilho a - do, e julga-se ainda seu benfe i tor, dizen do que são de ouro as cade i as com que o subju ga! Não! “Vincu la quamvis aurea tamen vincu la sunt!” Enquanto esta voz ilustre se levan ta va no Méxi co, em Nova Iorque,

36

Eduar do Prado

num grande banque te de confra ter ni da de (finan ce i ra já se vê) entre figu - rões ameri ca nos e notá ve is mexi ca nos, banque te presi di do pelo gene ral Grant, o Sr. Evarts, um dos mais conhe ci dos esta dis tas ameri ca nos, anti - go secre tá rio de Estado, usava de lingua gem que bem justi fi ca va a indig - nação patrió ti ca de Altami ra no. O Sr. Evarts passa va por ser o ho mem mais espi ri tu o so dos Estados Unidos, mas, mui tas vezes, apesar de ho - mem letra do, toca va a rai as da vul ga ri da de. Isto é mui to co mum nos Estados Unidos. Há ali mui ta gente com re pu ta ção de espi ri tuo sa, mas na que le país que, tendo tido a honra de ser a pátria de Edgard Poe, o dei xou morrer na misé ria e no despre zo geral, ne gan do-lhe até hoje um monu men to; as chocar ri ces dos profes si o nal wits ou espi ri tu o sos de profis - são, são mui ta vez acolhi das com en tu si as mo. Eis o que dizia o Sr. Evarts, entre as garga lha das dos yanke es e os sorri sos amare los dos mexi - canos: “A doutri na de Monroe é por certo uma boa cousa, mas, como todas as cousas boas anti qua das, preci sa ser refor ma da. Essa doutri na resu me-se nesta frase: A Améri ca para os ameri ca nos. Ora, eu propo ria com prazer um adita men to: Para os ameri ca nos, sim senhor, mas, enten - damo-nos, para os ameri ca n os do norte (aplau sos). Come ce mos pelo nos - so caro vizi nho, o Méxi co , de que já co me mos um boca do em 1848. To- memo-lo (hila ri da de ). A Améri ca Central virá depo is, abrindo nosso ape - tite para quando chegar a vez da Améri ca do Sul. Olhando para o mapa vemos que aquele conti n ente tem a for ma de um presun to. Uncle Sam é bom garfo; há de devo rar o presun to (aplau sos e hila ri dade prolon ga da ). Isto é fatal, isto é apenas questão de tempo. A bande i ra estre la da é bastan te grande para esten der a sua sombra glori osa de um ocea no a outro. Um dia ela flutu a rá única e ovante do pólo norte ao pólo austral.”

Comen tá ri os são estes do sen ti men to geral do povo ameri ca no. Em 1836, no Congres so ameri ca no, excla ma va o sena dor

Preston :

“A bande i ra estre la da não tarda rá em flutu ar sobre as torres do Méxi co, e dali segui rá até o cabo Horn, cujas ondas agita das são o único limi te que o yankee re co nhe ce para a sua ambi ção.”

*

*

*

Con ti nu a va, porém, no Méxi co a orgia dos melho ra mentos. A repar ti ção mexi ca na de es ta tís ti ca come çou a ser de uma fanta sia e de

A Ilusão Americana 37

uma ima gi na ção pasmo sas. Conces são de cami nho de ferro que fosse obje to de um decre to do Execu ti vo era imedi a ta mente inscri ta nos rela - tóri os e nos outros docu men tos ofici a is, não como um simples ato legis - lati vo, mas como uma rea li da de efeti va. Eram mais tantos e tantos mi - lhares de quilô me tros de linha que se da vam como fei tos, e que os ma - pas do gover no, des ti na dos ao estran ge i ro, traça vam orgu lho samen te em longos riscos multi co res. Qual quer tenta ti va de uma nova indús tria, de uma cultu ra es tra nha, era imedi a ta men te classi fi ca da como uma fonte já cria da e abundan te de rique zas imensas. Foi então que no Brasil houve in - gênu os que come ça ram a se in qui e tar com a grande bale la do café do Méxi co, e foi, depo is de ler algu mas daque las esta tís ti cas ultra fanta sis tas , que o Sr. Quin ti no Boca i ú va fez pro pa gan da repu bli ca na nuns arti gos com este títu lo: Olhemos para o Méxi co . Mui ta outra gente quis, mais ou me - nos por esse tempo, que os brasi le i ros olhassem tam bém para a Repú bli ca Argenti na, e via jan tes boça is que dali vinham, depo is de curto passe io, vin ham repu bli ca nos. Ti nham visto os resta uran tes luxu o sos de Bue nos Aires, admi ra do as carru a gens das cocot tes e dos empre ga dos públi cos pre - vari ca do res, ti nham contem pla do a ar qui te tu ra riquís si ma dos bancos sem ver a frau de e a ruí na que lá iam por dentro. Volta vam para o Brasil, e vendo os nossos minis tros e parla men ta res andan do de bonde, vendo os

mo des tos edifí ci os dos nossos bancos (então ainda

acredi ta dos), conclu í am

que o Brasil era um país atrasa do e que a culpa era da monar quia.

É, porém, mui to grande a força das coi sas. Antes de reben tar a

falên cia frau du len ta, não da Repú bli ca Argenti na,

mas dos maus gover nos

daq uele belo país, termi nou es can da lo sa men te o consór cio finan ce iro do Méxi c o e dos Estados Unidos. Parti ram as prime i ras recla mações dos pobres acio nis tas defra u da dos; os infe li zes que contri bu í ram para as extra or diná ri as empre sas, pompo sa men te patro ci na das pelos gene ra is de uma e de outra rep úbli ca, come ça ram a perce ber, embo ra tar di a men te, que ti nham sido atrozmen te espo li a dos. As minas nada rendi am, as terras con ce di das eram lhanos esté re is, serras inaces sí ve is ou pânta nos e mangues pesti len tos nas cost as inóspi tas do golfo ou do Pací fi co. E nessas fantás ti cas cria ções, nos orde n ados das dire to ri as, nos esti pên di os à impren sa, nas remu ne ra ções a func io ná ri os mexi ca nos e a diplo ma tas dos Estados Unidos, esco a ram-se, vola ti li za ram-se os milhões de dóla res subscri tos. O grito das víti mas foi

me do nho. A princí pio, o grande prestí gio do gene ral Grant foi um dique que

38

Eduar do Prado

por al gum tempo conte ve a onda da indig na ção que afinal irrom peu por toda a parte, nos mee tings , na impren sa e nos tribu na is de Nova Iorque. A céle bre empre sa do cami nho de ferro do Tehu an te pec foi decla ra da em falên cia; os bancos suspen de ram paga men tos, houve sui cí di os entre os figu rões compro meti dos, um filho de Grant foi ar ras ta do aos tribu na is, e o pobre gene ral sofr eu grande men te na sua popu la ri da de, quando o seu nome se achou env olvi do em tantos lití gi os escan da lo sos. A mai or parte dos decan - ta dos me lho ra men tos do Méxi co fica ram adia dos inde fi nida mente, o tesou ro daque la repú bli ca saiu arre ben ta do da luta, mas, conti nu an do deba i x o do domí nio de Díaz e de Gonzá lez , o Méxi co é ainda hoje uma víti ma, depa u pe ra da, da amiza de e da frater ni da de norte-ame rica na.

*

*

*

Esta rápi da expo si ção de mons tra o que é a frater nida de dos Estados Unidos para os paí ses lati nos. Vi mos o Méxi co; va mos agora à Améri ca Central.

“Está no desti no de nossa raça”, dizia na sua mensa gem de 7 de jane i ro de 1857 o presi den te Bucha nan , “o esten der-se por toda a Améri ca do Norte, e isto aconte ce rá dentro de pouco tempo se os aconte ci men tos segui rem o seu curso natu ral. A emigra ção segui rá até o sul, nada pode rá detê-la. A Améri ca Central, dentro de pouco tempo, conte rá uma popu la ção ameri ca na, que traba lha rá para o bem dos indí ge nas.” O sena dor G. Brocon em 1858: “Te mos in te res se em possu ir a Nica rá gua. Te mos mani fes ta ne ces si da de de tomar conta da Améri ca Central, e, se te mos essa neces sida de, o melhor é ir mos já como senho res àquelas terras. Se os seus habi tan tes quise rem ter um bom gover no, mui to bem e tanto melhor. Se não quise rem, que vão para outra parte. Vão-me dizer que há trata dos, mas que impor tam os trata dos se te mos ne ces si da de da Améri ca Central? Sai ba mo-nos apode rar dela, e se a França e se a Inglater ra quise rem inter vir, avante ó doutri na de Monroe !”

A extra or di ná ria histó ria do flibus te i ro Wal ker é das que me - lhor pintam a má-fé norte-ame ri ca na e o despre zo profun do que os go - vernos dos Estados Unidos têm pela sobe rania, pela digni da de e pelos dire i tos das nações lati nas da Améri ca. Houve um momen to em que os ameri ca nos julga ram chega da a ocasião de con quis tar a Améri ca Central.

A Ilusão Americana 39

Tendo já conquis ta do meta de do Méxi co, a conquis ta da Améri ca Cen - tral dei xa ria o que hoje resta do Méxi co inde pen den te, aperta do entre dois terri tó ri os ameri ca nos, isto é, fada do a uma absor ção rápi da. Um aventu re i ro, Willi am Walker , saiu em 1853 de S. Francis co, à frente de um peque no exérci to de bandi dos, for ma do deba i xo das vistas prote to - ras das auto ri da des ameri ca nas. Este bando ar ma do inva diu o terri tó rio mexi ca no de Sono ra, e Walker procla mou-se presi den te do novo terri tó - rio, anexan do-o por sua própria auto ri da de aos Estados Unidos. Teve, porém, de desis tir do seu propó si to e de render-se às auto ri dades fede ra is ameri ca nas de San Dio go, que o tive ram de julgar pelo cri me come ti do e pela quebra da neu tra li da de, mas que, como era de espe rar, absol ve - ram-no. Por esse tempo, na infe liz repú bli ca de Nica rá gua trata va-se de uma elei ção presi den ci al, o que nas repú bli cas hispa no-ame ri ca nas é si nôni mo de guerra civil. Esta vam em campo dois candi da tos, gene ra is, já se vê, por sinal chama dos, um Cas tel lon e outro Cha mar ro. Mais ou menos elei to Chamar ro , foi meio depos to por seu rival Cas tel lon que, para forta le cer a sua situ a ção, teve a idéia desas tra da de convi dar a Wal ker a vir a Nica rá gua ajudá-lo a defen der a Consti tu ição e o princí pio da au to ri da de. Walker for mou novo exérci to, e partiu de S. Francis co em maio de 1855.

Imedi a ta men te, o minis tro da Nica rá gua em Washing ton, o Sr. Marco le ta , quei xou-se energi ca men tes , mas o Secre tá rio do Estado Marcy fingiu igno rar o caso e não atendeu ao re cla man te. Logo teve lug ar a prime i ra bata lha . Os ni ca ra güen ses alia dos de Walker pare ce que fugi ram aos prime i ros tiros, mas os 56 ameri ca nos que ele coman da va leva ram tudo de venci da, dando a Walker um imenso prestí gio.

Logo depo is, outras vitó ri as do mes mo teor na Baía das Vir - gens, San Juan del Sur e Rivas , e sem resis tên cia, Wal ker entrou em Gra - nada. A cida de foi saque a da duran te três dias, e Walker tendo fei to uma procla ma ção garan tin do a vida dos mora do res, os princi pa is destes vol - taram às suas casas e foram fuzi la dos sem demo ra nem proces so. O mi - nistro ameri ca no Whee ler , que esta va fei to com Walker , empe nhou-se sobre tu do para que apa re ces se um cida dão impor tan te cha ma do Ma yor ga, a quem deu todas as garan ti as, di zen do-lhe que fica va deba i xo da prote - ção da bande i ra estre la da dos Estados Unidos. Mayor ga caiu na arma di - lha, e o minis tro ameri ca no entre gou-o a Walker que o fuzi lou logo com

40

Eduar do Prado

mui tos outros cida dãos da Nica rá gua. 25 Wal ker arran jou logo uma espé - cie de trata do de paz com um gene ral Corral , e fez presi den te nomi nal da re pú bli ca D. Patrí cio Rivas que, sob a pressão do medo, logo que pôde, fugiu das mãos de Walker , no que andou com pru dên cia, porque dias depo is o gene ral Corral (outro prote gi do da lega ção ameri ca na) foi

fu zi la do. Walker ficou senhor abso lu to do país, e a 12 de julho de 1856 procla mou-se dita dor, tendo já o seu emba ixa dor Vigil sido rece bi do so- lene men te pelo gover no de Washing ton a 12 de maio do mes mo ano. A

  • 22 de setem bro, Walker expe diu um decre to resta bele cen do a escra vi dão

na Nica rá gua. A escra vi dão havia sido aboli da ali havia trinta e dois anos. Grande parte da impren sa ameri ca na e a mai o ria do Congres so sa u - dou com júbi lo este decre to escra va gis ta . As outras nações da Améri ca Central reco nhe ce ram o peri go, decla ra ram guerra a Wal ker, que co me - çou a rece ber grandes recur sos dos Estados Unidos. A guerra seguiu com vária sorte. Walker in cen di ou comple ta mente a cida de de Grana da e reco lheu-se a Rivas , praça que se rendeu ao gene ral Mora em 1º de maio de 1857; e graças à inter ven ção do capi tão Da vis, coman dan te do

navio

de guerra ameri ca no Saint Mary’s, Walker pôde esca par, refu gi an -

do-se com o seu esta do mai or e 260 solda dos a bordo do mes mo navio

de guerra, que os transpor tou para Nova Orléans, onde foram rece bi dos no meio de aplau sos popu la res.

26

Em Nova Iorque houve um me eting em honra e favor de Walker . O presi den te dos Estados Unidos, Bucha nan , mandou um te le gra ma

  • 25 Wal ker on Ni cara gua, pág. 6. Co ju te pec, 1856.

  • 26 Haydn’s, Dic ti o nary of Da tes, 1889, pág. 635. O rela tó rio do mi nis tro da ma ri nha Tou cey em 1857 fala a res pe i to do asi lo con - cedi do a Wil li am Walker nos seguin tes ter mos: “Jul gou o go ver no neces sá rio, como me di da de hu ma ni da de e de po lí ti ca, dar ins- tru ções ao como do re Mer vi ne (che fe da di vi são na val), no sen ti do de fa ci li tar ao ge ne ral Walker e aos seus com pa nhe i ros, no caso de les so li ci ta rem a re ti ra da da Ni ca rá gua. A ação do co man dan te Da vis, fa ci li tan do por meio do na vio Sa int Mary’s a re ti ra da da Ni ca rá gua ao ge ne ral Walker e aos seus sol da dos, foi pois apro va da por este mi nis té rio.” Inglês: “It was de e mend ne ces sary, as a me a su re of hu ma nity and po licy, to di rec com mo do re Mer vi ne to give ge ne ral Walker and such of his men, as were wil ling to em bra ce it, an opor tu nity to re tre at from Ni ca ra gua. And the ac ti on of com - man der Da vis, so for as he aided ge ne ral Walker and his men, by the use of the Sa int Mary’s to re tre at from Ni ca rá gua, was ap pro ved by this De par te ment.” Con gres si o nal Glo be, part. I, 1.st ses si on, 35.th congress, 1857-1858, pág. 356.

A Ilusão Ameri ca na

41

enco miás ti co a respe i to de Walker , dizen do que “os héro icos esfor ços de Walker exci ta vam a sua ad mi ra ção e sua soli citu de”. 27

Em Nova Orléans, sempre com a bene vo lên cia do gover no de Washing ton, come çou o aventu re i ro a or ga ni zar outra expe di ção. De - nunci a do pelos agentes diplo má ti cos centro-ame ri ca nos, foi preso, sen - do, porém, logo solto medi an te peque na cau ção. Equipan do o navio Fashi on , partiu a 11 de novem bro para Punta Arenas, onde desem bar cou com 400 homens, sem que se opuses se a isto o Sara to ga , vaso de guerra ameri ca no. O capi tão Paul ding , da mari nha ameri ca na, chegan do depo is, obrigou Walker a render-se e trouxe-o para Nova Iorque. Walker foi en - tregue aos tribu na is, mas estes não o proces sa ram, sendo, porém, pro - cessa do e repre en di do o capi tão Paul ding , por ter exce di do às suas ins - tru ções e ter contra ri a do o gover no de Washing ton, decla ra do prote tor de Walker . Em agosto de 1860, Walker desem barcou em Truxil lo (Hon - duras), apode rou-se da forta le za e saque ou a cida de. O capi tão Salmon , coman dan te do Icarus , navio de guerra inglês, in ti mi dou Walker a resti tu ir a propri e da de rouba da. Walker recu sou e fugiu. Foi perse gui do, apanha - do, e o gover no de Hondu ras fê-lo julgar e fuzi lar. 28 O desas tre final de Walker produ ziu indig na ção nos Estados Unidos. Qui seram fazer dele um herói subli me. O poe ta Joa quim Miller exaltou-o e atribu iu-lhe:

A pier cing eye, a princely air A presen ce like a che va li er Half angel , half Luci fer .

*

*

*

Quem há, versa do na histó ria lati no-ame ri ca na, que não tenha na lembran ça o bárba ro bom bar de a men to de S. João de Nica rá gua (Greytown ) em 1854? O coman dan te de um vapor ameri cano matou cruel men te com um tiro de cara bi na, à entra da daque le porto, o patrão de um barco de pesca. As auto ri da des exigi ram a entre ga do cri mi no so. O minis tro ameri ca no opôs-se; houve mani fes ta ções de desa gra do ao minis tro, e tanto bastou para que os Estados Unidos mandas sem à Ni cará gua a corve ta Cyane , que exigiu todas as re pa ra ções, o paga men to

  • 27 Von Holst, Cons ti tu ci o nal His tory of the Uni ted Sta tes, 1856-1859, pág. 160.

42

Eduar do Prado

de uma longa lista de preten di dos preju í zos sofri dos por ameri ca nos e 30.000 dóla res de inde ni za ção ao minis tro pelas assu a das. Isto sob pena de bombar de io em vinte e quatro horas. A popu la ção, julgan do que o caso se limi ta ria a algu mas bombas arre mes sadas contra a peque na cida - de, que apenas conta ria umas qui nhen tas casas, reti rou-se para o inte ri or . O coman dan te do vaso de guerra inglês Bermu da protes tou sole ne men te, decla ran do que só a fraque za do seu navio impe dia-o de opor-se pela força ao bombar de io. No dia seguin te, depo is de atirar algu mas bombas, o coman dan te operou um desem bar que, e as suas tropas incen di a ram todas as casas. A cida de ficou inte i ra men te destru í da, e o preju í zo cau - sado a estran ge i ros pela des tru i ção de merca dori as subiu a mais de 2.000.000 de dóla res. 29

Este cri me não teve outra puni ção além do justo estig ma da

histó ria.

Qu an do a Inglater ra come çou a se apode rar dos terri tóri os que cercam Beli se e das ilhas Hondu ra nas que consti tu em hoje a Hon - duras ingle sa, a pobre repú bli ca de Hondu ras em vão apelou para a pro- teção do gover no de Washing ton, alegan do contra a vi o lên cia que lhe era fei ta a doutri na de Monroe .

Nesta questão da Centro-Amé ri ca, longe de se opor à inter - venção eu ro péia, o gover no ameri ca no soli ci tou até a inter fe rência da Inglater ra no assun to, pelo trata do de 19 de abril de 1850, conhe ci do pelo nome de trata do Clayton-Bul wer . Por esse trata do os Estados Uni - dos asso ci a ram-se à monar quia euro péia para regu la rem a constru ção e a neu tra li da de do proje ta do canal de Nica rá gua. E, coi sa notá vel, uma das conse qüên ci as deste trata do foi os Estados Unidos reco nhe ce rem sole ne men te o domí nio inglês em Hondu ras em detri men to das repú blicas

  • 29 Calvo, Tra i té the o ri que et pra ti que de dro it inter na ti o nal. Von Ho ist, vol. IV, pág. 11. Na gran de obra do Sr. Calvo, a data do bom bar de io é dada como em 1834, e nou - tra sua obra, como em 1835. Erros de re vi são des ta or dem são nume ro sos nas pre ci o sas e uti lís simas com pi la ções do Sr. Calvo. Por isso é pre ci so um cer to cu i da do com as in for ma ções que elas nos for ne cem, sen do sem pre bom ir ve ri fi - car as fon tes ci ta das que, sen do nu me ro sís si mas, nem to das pu de ram ser con ve ni - ente men te re su mi das pelo au tor. Assim, o Sr. Cal vo não fala do pro tes to, im por - tantís si ma aliás, do co man dan te do Ber mu da, e é de es tra nhar que epi só di os da im- por tân cia das ex pe di ções Walker não se jam se quer tra ta dos pelo escri tor ar gen tino.

A Ilusão Americana 43

espa nho las do Centro-Amé ri ca. Na cláusu la primeira deste trata do, os dois gover nos concor da vam que nem um nem outro pode ria ocupar, forti fi car, colo ni zar, assu mir ou exercer qualquer domí nio sobre, Nica rá gua, Costa Rica, Costa dos Mosqui tos ou qualquer parte da Améri ca Cen tral. Em 29 de junho de 1850 o minis tro inglês em Washing ton Sir Henry Lytton Bulwer de cla ra va que o gover no inglês exclu ía daque la cláusu la os es ta be le ci men tos ingle ses de Hondu ras, e a 4 de julho o se cretá rio de Estado anuía numa nota admi tindo que fica vam fora do tra ta do os es ta be le ci men tos ingle ses em Hondu ras. 30 Só em 1855 o minis tro ameri ca no em Londres, Bucha nan, so lici tou que a Inglater ra abando nas se a ilha de Ru atan e outras de que a Inglater ra se tinha apode ra do na costa de Hondu ras, assim como o ter - ritó rio entre os rios Sibun e Sarsto on , e que a posses são ingle sa de Be li - se se li mi tas se à parte dos trata dos anglo-es pa nhóis de 1783 e 1786, e que a Inglater ra abando nas se a Costa dos Mosqui tos. Lorde Cla rendon , minis tro dos negó ci os entran ge i ros da Inglater ra, respon deu com uma redon da nega ti va. E Monroe ? 31 Qu an do se for mou na Euro pa, com sede em França, a malo - grada compa nhia do canal inte ro ceâ ni co, que obte ve uma conces são do Congres so colom bi a no, o gover no de Washing ton saiu-se logo com a doutri na de Monroe , fazen do um terri vel escar céu. O velho Les seps,

  • 30 Hert slet, A com ple te col lec ti on of trea ti es, etc., vol. VIII, pág. 969,

e vol. X, pág. 645.

  • 31 Eli sée Ré clus, Ge o graphie uni ver sel, tomo XVII, pág. 484, diz: “La cóte dite de Mos- qui tia ou des Mos qui tos fut re ven di quée par le gouver ne ment an gla is, et si les E’tats Unis n’étaient in ter ve nus, tout l’espace com pris entre la re vié re de Ni ca ra gua et la baie de Hon du ras se ra it de ve nu ter ri to i re bri tan ni que com me l’est ac tu el le ment le pays de Be li ze. En ver tu de la doc tri ne de Mon roe, l’Amérique res te aux Amé ri- ca ins et le lit to ral de la mer des Ca ra i bes est res ti tué à la Re pu bli que du Nica ra gua.” Esta afir ma ção do ilustre geó gra fo é in te i ra men te fal sa. A inter ven ção dos Estados Unidos foi se gui da da ne ga ti va de Lor de Cla ren don. Em 1860, pe los tra ta dos de 28 de ja ne i ro e 11 de fe ve re i ro, as si na dos em Ma ná gua, a re pú bli ca de Ni ca rá gua fez mu i tas conces sões à Ingla ter ra quan to ao trân si to do ist mo; a Ingla ter ra garan tiu a ne u tra li da de do ist mo e ce deu à re pú bli ca de Ni ca rá gua o pro te to ra do da Cos ta do Mos qui to. Em tro ca de con ces sões aná lo gas fe i tas por Hon du ras, a Ingla ter ra re co nhe ceu, com vá ri as res tri ções, o do mí nio des sa re pú bli ca so bre as ilhas de Hon du ras pelo tra ta do de 28 de no vem bro de 1859. Nos Estados Unidos esses tra ta dos foram con si de ra dos como vitó ri as da diplo - ma cia in gle sa e foram mu i to ataca dos, pro va de que não foram ce le bra dos, gra ças aos Estados Uni dos, como diz o Sr. Ré clus.

44

Eduar do Prado

porém, foi de Pana má a Nova Iorque, foi a Washing ton e, como por en - canto, toda a oposi ção cessou, por parte da secre ta ria de Estado. Anos

depo is, tudo isto ficou expli ca do por ocasião do céle bre proces so de Pa -

namá, e soube-se porque as influên ci as ameri ca nas, os homens de go -

verno de Washing ton dei xa ram de lado Monroe e a sua doutri na. No proces so de Pana má veri fi cou-se que milhões de francos foram miste ri o sa - mente gastos para acalmar escrú pu los e sua vizar a doutri na de Monroe . Eis qual tem sido o papel dos Estados Unidos em rela ção à grandi osa idéia do canal inte ro ceâ ni co. Aquele país tem empre ga do toda a sua in - fluência para atrasar e em ba ra çar por todas as formas a grandi osa em - presa, prome te do ra de bene fí ci os para a huma ni da de, e isto para não preju di car as compa nhi as dos cami nhos de ferro transcon ti nen ta is. É mais um servi ço que lhe de vem a Colôm bia, o Equador, o Peru, a Bolí via e o Chile, paí ses cuja prospe ri da de tanto neces si ta do canal de Pana má.

Qu an do em 1888 a esqua dra itali ana amea çou os portos da Colôm bia e do Equador, exigin do vio len tamen te satis fa ções e inde ni za - ções, que prote ção às suas irmãs vio len ta das deu a re pú bli ca norte-ame - rica na?

Nenhu ma.

Quer-se apresen tar o gover no ameri cano aos brasi lei ros como o grande amigo das nações deste conti nen te, como o seu prote tor nato. Há jorna is brasi le i ros, de tão atrofi a do patri o tis mo, que che gam a colo car o Brasil como que deba i xo do prote to ra do ameri ca no, fazen do do Rio de Jane i ro o vassa lo e de Washing ton o suze ra no . É contra esta falsa idéia, contra este esque ci men to do pundo nor naci o nal, que quere mos rea gir, relem bran do aos nossos compa tri otas o que tem sido a polí tica ameri ca na.

Para o Méxi co, ela tem sido um algoz, e para a Améri ca Cen tral, um inimi go.

*

*

*

Conti nu e mos agora a ver o que os Estados Unidos têm fei to contra outros paí ses, sem esque cer a pobre repú bli ca do Hai ti, a quem os Estados Unidos tanto tem atormen ta do, a pretex to de inde ni zação por preju í zos sofri dos por ameri ca nos, nas mui tas revo luções hai ti a nas. Hai ti e S. Domin gos já têm sido vári as vezes amea ça dos por navi os de

A Ilusão Americana 45

guerra da união ameri ca na, sempre a pretex to de inde ni za ções recla ma das. E aqueles pobres paí ses julga vam-se isentos destas recla ma ções; todos os seus gover nos ti nham decer to, cau te lo samen te, expe di do decre tos di - zendo de ante mão que não se res pon sa bi li za vam pelos preju í zos que as suas revol tas cau sas sem, tanto em terra como no mar!

Não é tão grande como se pensa no Brasil o empe nho que têm os Estados Unidos de que a Euro pa não possua terri tóri os na Amé - rica.

A Dina mar ca já lhes quis ceder a ilha de S. Tomás; os habi tan - tes acei ta ram a idéia, mas os Estados Unidos recu sa ram. No momen to domi na va naque le país uma polí ti ca de retra i mento, rea ção do perío do ante ri or das inva sões do Méxi co e da Améri ca Central. O pre si den te Grant mostrou-se dispos to a adqui rir Cuba, e hoje, que os Estados Uni - dos prepa ram-se com uma nova esqua dra para fazer polí tica exte ri or, 32 as vistas ameri ca nas são para outro porto das Antilhas, para o porto magní fi co do Hai ti, o Molhe S. Nico las , cuja posse é exigi da pela mari - nha ameri ca na para centro da esta ção naval do golfo e para domi nar com ple ta men te a passa gem dos es tre i tos anti lha nos. O gover no ameri - cano, nestes últi mos tempos, tem já tido as neces sá rias compli ca ções com o Hai ti, desa ven ças prepa ra tó ri as para a conquis ta, que em docu men tos ofici a is já ulti ma men te tem sido acon se lha da e recla mada.

Deve mos, a respe i to de

Cuba, menci o nar de

passa gem a

expe d ição que fracas sou em Round Island em 1849, a que foi bati da em Card enas em 1850, a de 1851, co man da da pelo cau di lho López, que, bati do, foi execu ta do, com cinqüen ta dos seus compa nhei ros. 33

Os patri o tas cuba nos que têm sonha do com a inde pen dên cia da péro la das Antilhas puse ram, a princí pio, grandes espe ran ças na dou - trina de Monroe . Julga ram que os Estados Unidos não podi am dei xar de prote gê-los contra a metró po le. Como pode ria a águia ameri ca na con - sentir que, à sombra das suas asas pode ro sas, conti nu as se uma parte do

  • 32 A cons tru ção des ta es qua dra

foi en se jo para grandes es cân da los ad mi nis tra ti vos

en tre o mi nis té rio da ma ri nha e os cons tru to res. Ficou pro va do que os cons tru to - res e em pre ga dos su pe ri o res da ma ri nha rou ba ram des ca ra da men te o te sou ro. Bas ta dizer que o go ver no pa gou como en cou ra ça dos na vi os que o não são.

46

Eduar do Prado

livre solo ameri ca no deba i xo do jugo espa nhol? Nova Iorque por mui tas vezes tem-se torna do o quar tel-ge ne ral dos conspi ra do res cuba nos. A lega ção da Espanha, em Washing ton, diver sas vezes tem protes ta do contra a quebra das leis da neu tra li da de por parte do gover no ameri ca - no, que tem dei xa do orga ni za rem-se verda de i ras expe di ções arma das contra esse gover no, sem falar na céle bre expe di ção López? A princí pio, dei xa que a cons pi ra ção gaste dinhe i ro em Nova Iorque, frete navi os, compre armas, e à últi ma hora vira-se contra ela, a polí cia ameri ca na põe-se de acordo com o servi ço de vigi lân cia manti do pela lega ção espa - nhola, e os pobres patri o tas são burla dos nas suas espe ranças. Mais de uma vez, as expe di ções têm chega do a sair de portos ameri ca nos, têm aporta do a Cuba e têm sido inva ri a vel men te bati das pelos espa nhóis. Os patri o tas cuba nos, talvez injus ta men te, acusam sempre os seus auxi li a - res, ameri ca nos mer ce ná ri os, de trai ção. Uma vez, a tri pu la ção in tei ra de um navio, compos ta de ameri ca nos, foi inexo ra velmen te fuzi la da em Cuba e, apesar da emoção que este fato produ ziu nos Estados Unidos, o gover no de Washing ton nem por isso to mou a defe sa da cau sa da inde - pendên cia cuba na. Tem sempre abando na do esta cau sa, venden do à Espanha a posse inde fi ni da de Cuba, a troca de favo res co mer ci a is, isen- ções de dire i tos para produ tos ameri ca nos, etc. O frio egoís mo e o re - quinta do maqui a ve lis mo não são, pois, privi lé gio ex clu si vo da ne gre ga - da diplo ma cia das cortes euro péi as.

Ninguém igno ra que a repú blica, então chama da de Nova Gra na da (hoje Colúmbia ), conclu iu com os Estados Unidos um trata do a respe i to da constru ção de um cami nho de ferro no ist mo de Pana má, o mes mo cami nho de ferro que Mr. de Les seps comprou depo is por verti gi no sa quanti da de de milhões, por conta dos pobres acio nis tas da compa nhia do Canal.

Fez-se o cami nho de ferro, e Pana má tornou-se um lugar de um trânsi to espan to so. Trânsi to do ouro que vinha da Cali fór nia e de ameri ca nos que iam para a Cali fór nia. Do ouro nada fica va em Pana má, mas dos ameri ca nos alguns fica vam, e estes exerci am dia ri a men te a sua bruta li da de contra os pobres habi tan tes, desgra çados south ameri cans des - ti na dos a su cumbir ao conta to do yankee . No dia 15 de abril de 1856 as pro vo ca ções ameri ca nas cansa ra m a paciên cia dos natu ra is de Pana má.

A Ilusão Americana 47

Os ame ri ca nos come ça ram a fazer fogo de revól ver contra os passan tes; estes rea gi ram a pedra, depo is a tiro. Numa pala vra, houve um tumul to enor me e mui tos mortos de parte a parte. Resul ta do: inter - venção ameri ca na, in ti ma ção para o gover no do ist mo ser inde pen den te de Bogo tá (isto é, entre gue aos yanke es ) e 400:000 dóla res de inde ni z a ção.

Quem, porém, devia pagar as vidas dos neo-grana di nos , tira - das pelos ameri ca nos, e as suas casas in cen di a das por estes? Veio o cos - tuma do ul ti ma tum e o gover no de Bogo tá deu-se por mui to feliz por ter somen te de pagar a exorbi tân cia que lhe era exigi da pela força e contra todo o dire i to. 34

Os Estados Unidos têm mui tas rela ções com o Peru, e estas rela ções não têm trazi do grandes bene fí ci os para esta re pú bli ca lati na.

A re pú bli ca do Peru sofreu tam bém vio lên ci as ameri ca nas.

Duran te uma das mui tas revo lu ções daque le país, vári os navi os ameri ca nos, entre outros a Lizzie Thompson e a Geor gi a na , aprove i tan - do-se do fato dos navi os de guerra peru a nos esta rem com os re vol to sos, empre ga ram-se ativa men te no contra ban do do guano contra dispo si ção expres sa das leis peru a nas. Os navi os de guerra revol to sos entre ga - ram-se ao gover no, fato que deu mui to prestí gio ao princípio da auto ri - dade e con so li da ção da re pú bli ca no Peru, que depo is disso (1860) tem goza do de inalte rá vel feli ci da de de rique za e pode rio, como sabe mos. Um desses navi os revol to sos, o Tumbes , logo que voltou ao servi ço da lega li da de, aprisi o nou, como era dire i to e dever do gover no peru a no, os navi os con tra ban dis tas. O que fez o gover no de Washing ton? Recla mou cada vez mais inso len te men te, rompeu as rela ções diplo má ti cas, andou procu ran do nos arqui vos quanta espé cie de recla ma ção havia, juntou tudo, lançou um ul ti ma tum, e o pobre Peru teve de pagar. 35

A his tó ria do Peru, depo is do grande perío do trági co e herói co da conquis ta e depo is de findo o domí nio colo ni al, é bem simples. Tem sido seten ta anos de desgra ça, que transfor maram a mais rica posses são

  • 34 Vide Nu eva Gra na da

y los Esta dos Uni dos de Ame ri ca, Fi nal con tes ta ci on

plo ma ti ca.

di

Bo go tá, 1857; Ma ni fes to diri gi do á la na ci on por al gu nos repre sen tan tes so bre el con ve nio Herran – Cass. Bo go tá, 1858.

48

Eduar do Prado

da coroa espa nho la num dos paí ses mais pobres e infe li zes do mundo. Qua tor ze lustros de regi me repu bli ca no! Houve, porém, um perío do de ilusó ria pros pe ri da de, e é de estra nhar que então al guém tam bém não nos disses se: Olhemos para o Peru! O grande perío do da nevro se e da me - galo ma nia finan ce i ra na Argenti na foi o perío do da grande impor ta ção do ouro euro peu; o perío do corres pon den te, no Brasil, foi o da funda - ção das finan ças repu bli ca nas, foi a época do papel. No Peru, a época pode ser chama da a época do guano.

Du ran te cente nas se não milha res de anos, segun do os cálcu - los do sábio Raymon di , os pe li ca nos do mar, as aves dos roche dos, as gai vo tas das prai as, reves ti ram as fraldas dos penhas cos, as planu ras e encos tas dos ilhotes e das ense a das frago sas, de uma grande e profun da cober ta de deje ções que consti tuí ram uma enor me massa de maté ria al - cali na e fosfa ta da com que a indús tria come çou, há uns trinta anos, a re - vigo rar as terras exaus tas pelas cultu ras secu la res. Para os vales da Virgí - nia depa u pe ra dos pela esgo tan te cultu ra do taba co, para os campos da Inglater ra e da Alema nha, foi leva do, em grandes carre ga men tos , o adu - bo salva dor, compra do a peso de ouro no Peru. Isto que devia ser a ri - queza da infe liz nação foi uma cau sa de desgra ça. O esterco, que ia ao longe ferti li zar as terras es té re is, serviu para ativar a putre fa ção do go - verno e do país todo. O guano foi decla ra do propri e da de naci o nal e a sua extra ção era obje to de conces sões fei tas a parti cu lares. Os parti cula - res eram, em regra, paren tes ou amigos dos homens do gover no, e tor - navam-se, em todo o caso, seus sóci os. O tesou ro rece bia grandes pro - ventos do guano, já em troca das conces sões, já sob a for ma de dire i tos de expor ta ção. Foi nesse tempo que o gover no peru a no viu-se presa de um bem singu lar moti vo de in qui e ta ção ou de susto, susto que pare ce ser próprio aos esta dis tas finan ce i ros, em véspe ras de grandes desas tres. Tam bém no Peru se pergun ta va na impren sa, no congres so, em conver - sas parti cu la res: O que fazer dos saldos do tesou ro? Pergun ta insen sa ta!

Há um conto orien tal – do ho mem a quem o desti no deu um milhão por dia com a condi ção do ho mem gastá-lo todo no tempo compre en di do entre duas auro ras.

A falta do cumpri men to desta condi ção era a morte do infe liz. Praze res, gozos , pro di ga li da des, tudo isto bastou, nos prime i ros dias, para consu mir o milhão diário. Em pouco tempo vem a fadi ga, o esgo -

A Ilusão Americana 49

ta men to e debal de traba lha va a ima gi na ção do ho mem para achar o meio de esva zi ar os últi mos sacos de ouro que ainda esta vam chei os quando já alvo re cia a auro ra do novo dia. Apare ceu o Anjo da Morte e anunci ou ao des gra ça do o seu fim. Lamen tou-se o ho mem: Não conse gui gastar o meu milhão! E o Anjo da Morte respon deu-lhe: – É que tu es - queces te o único meio que havia para isso! – Qual era? – Fazer o bem!

Ora, os paí ses, viti ma dos pela supe ra bun dância de di nhe i ro, só têm um meio de esca par a esse mal, aliás singu larís si mo . É fazer o bem. E há tantos modos de um gover no ser benfa ze jo! Não fala mos de socor ros públi cos, de grandes esmo las cole ti vas, de dinhe iro distri bu ído pelos pobres ou pelos solda dos, sina is certos estes do esfa ce la men to do cará ter naci o nal, fatos própri os das tira ni as expi ran tes e dos pre to ri a nis- mos insa ciá ve is. A ciência polí ti ca cami nhou desde a anti gui dade. Hoje, o dinhe i ro públi co, que vem do impos to, sendo mais do que é neces sá rio para os servi ços públi cos, o que há a fazer é pagar as dívi das do esta do, se o esta do tem dívi das. Se as não tem ou se não con vém liqui dá-las por qualquer razão, não há outro alvi tre hones to senão a dimi nu i ção dos im - postos.

Os Estados Unidos, há bem pouco tempo, ti nham um saldo emba ra ço so, uma grande reser va metá li ca que mui to deu que falar. Por alguns anos preva le ceu, até certo ponto, nesse parti cular, a polí tica ho - nesta e sensa ta de aplicar esse saldo à amorti za ção da dívida. Os prote ci - onis tas não queri am consen tir na dimi nu i ção dos impos tos de entra da, que eram os que mais avolu ma vam o saldo. A tenta ção era, porém, mu i to grande e mui to peque nos eram os escrú pu los dos polí ticos. Em pensões escan da lo sas, em subsí di os in jus ti fi cá ve is foi malba ra ta do o saldo.

Apare ceu o défi cit no orça men to. O tesou ro, para favo re cer

os ricos propri e tá ri os das minas, conti nu ou a permi tir a livre cunha gem

da prata, foi transfor man do um metal desva lori za do numa moe da tam bém

depre ci a da e, em virtu de da céle bre lei de Gresham – que a moe da de preci a da faz emigrar a moe da de valor –, o ouro emigrou para a Eu - ropa, e o país todo caiu na pavo ro sa crise econô mi ca em que hoje se de - bate, sobre na dan do no nau frá gio os grandes capi ta lis tas e os homens do mono pó lio, sendo, porém, a classe pobre, os operá ri os, mergu lhados

na misé ria a mais negra.

50

Eduar do Prado

O Peru, di zía mos, achou-se em séri as difi cul da des dian te de tanto dinhe i ro. Não lhe veio à mente a idéia de fazer o bem, que seria, no seu caso, o paga men to das dívi das naci o na is ou a dimi nu i ção dos im postos. Por essa época, o minis tro das rela ções exte ri o res mandou uma circu lar às lega ções peru a nas, orde nan do-lhes que, convo can do os princi pa is econo mis tas dos paí ses onde se achassem acredi ta das, expu - ses sem-lhes a situ a ção finan ce i ra do Peru e pedis sem àqueles lumi na res da ciência conse lho e opiniões para aquele grave caso. O Peru sofria, o Peru ia morrer talvez e deses pe ra do recor ria à ciência, pergun tan do-lhe quais os remé di os para o seu mal, para a terrí vel doen ça: a pleto ra de di nhe i ro. Vari a ram talvez os alvi tres, mas a doen ça desa pa re ceu por si, antes de ser aplica do ao enfer mo o rece i tuá rio da douta facul da de. Dois gene ra is de boa vonta de, os gene ra is Pardo e Prado, secun da dos por ou tros cole gas, por mui tos coro néis e por um exérci to todo meti do a po lí ti co, acaba ram com os saldos, e o Peru dei xou de ser exce ção na Améri ca espa nho la, ficou tão fali do como qualquer outra repú bli ca, dando-se a inte gra li za ção na quebra de i ra hispa no-ame ri ca na.

Nessa época de desmo ra li za ções ad mi nis tra ti vas que che gam até à legen da, foi grande no Peru a malé fi ca influên cia dos Estados Uni dos. Os aventu re i ros ame ri ca nos enchi am Lima. Como no Méxi co, esses aventu re i ros eram apresen ta dos pela lega ção ameri ca na, por ela patro ci - nados, e o posto de minis tro ameri ca no no Peru tomou-se mui to lucra ti v o. De vez em quando, lá iam boas somas de inde ni za ções a yanke es conces - si o ná ri os de guanos ou de qualquer outra cousa e que se preten di am lesa dos pelo gover no. Ora, esses movi men tos de capi ta is não se dão sem dei xar algu mas aparas nas mãos da diplo ma cia de Washing ton. Fala - va-se também, às vezes, em doutri na de Mon roe, o que não impe diu a Espanha de agredir o Peru e o Chile, bombar dear Valpa raí so sem que dos Estados Unidos partis se uma voz sequer em favor dos paí ses víti - mas da vi o lên cia daque la nação eu ro péia. A esse propó si to escre via um ilustre argen ti no:

“A doutri na de Monroe não con vém à Améri ca do Sul, e o exemplo mais curi o so que citei é o desse bom bar de io de Valpa raí so . A esqua dra norte-ame ri ca na dos mares do sul assis tiu impas sí vel ao bom - bar de io de Valpa raí so , porque, em virtu de da doutri na de Monroe , as potên ci as euro péi as ficam excluí das de toda a inter ven ção na Améri ca.

A Ilusão Americana

51

Em virtu de dessa doutri na aquela esqua dra deve ria opor-se ao bombar - deio, mas para se opor eficaz men te ela preci sa ria do apoio das esqua dras da França e da Inglater ra presen tes no porto, e essas esqua dras, ainda em virtu de da tal doutri na, absti ve ram-se e deu-se o bombar de io. Por este exemplo vê-se de que utili da de pode ser a doutri na Monroe para a Améri ca do Sul.” 36

Volte mos, porém, ao Peru. O guano foi dimi nu in do pouco a pouco.

O gover no do Peru lançou mão do traba lho dos chins, redu - zidos nas guane i ras a verda de i ros galés e na rea lida de escra vi zados nas estân ci as e nas fazen das de açúcar. Esse tráfi co de escra vos amare los era fei to por umas casas ameri ca nas, e quase sempre sob a bande i ra estre la da que prote gia a escra vi dão asiáti ca, já no Peru, já em Cuba. O porto de saí da desses desgra ça dos era Macau. O gover no portu guês come çou a se impres si o nar com o escân da lo, e o rela tó rio que Eça de Que i roz, cônsul de Portu gal em Hava na , apresen tou ao gover no demons tran do as monstru o si da des come ti das contra os chins apressou talvez o fecha - mento do porto de Macau à emigra ção chine sa. Houve ame ri ca nos esta - bele ci dos no Peru e liga dos aos agricul tores peru a nos que se enfu re ce - ram com a supres são do tráfi co amare lo, e foi então que se or ga ni zou uma das mais hedi on das empresas de pira taria de que há notí cia. Foi ar ma do um grande navio, que saiu mar em fora e de man dou o peque no grupo de ilhas perdi do no ocea no Pací fi co conhe ci do pelo nome de ilha da Páscoa, e que hoje foi anexa do pelo Chile.

  • 36 Alber di, tra du ção de Th. Man ne quin, Pa ris, 1866. Anto go nis me et so li da ri té des états ori en ta ux et des états oc ci den ta ux de l’Amérique du Sud, pág. 155 – Enquan to os Estados Unidos mos tra vam esta in di fe ren ça di an te do as sal to da Espanha às re pú bli cas do

Pa cí fi co,

o Brasil mo nár qui co, em bo ra a bra ços

com as di fi cul da des da guer ra do

Pa ra guai,

res pon dia ao ape lo do Chi le pela se guin te

forma:

“Cor res pon den do ao hon ro so ape lo do go ver no chi le no, o go ver no de Sua

Ma jes ta de o Impe ra dor au to ri za o abai xo-as si na do a asse gu rar a V. Exª que, de

per fe i to acor do com as con si de ra ções exa ra das por V. Exª, o go ver no im pe ri al

não va ci la rá em pres tar com o mai or prazer o con cur so dos seus bons ofí ci os e do

seu apo io mo ral para que não pre va le çam prin cí pi os que ofen dam a au to no mia e

os le gí ti mos in teres ses dos es ta dos do con ti nen te sul-ame ri ca no.”

Estas pa la vras são de uma nota di ri gi da a 7 de ju nho de 1864 a D. Ma nu el A.

To cor nal, mi nis tro das re la ções ex te ri o res do Chi le pelo con se lhe i ro João Pe dro

Dias Vi e i ra, mi nis tro dos ne gó ci os es tran ge i ros do im pé rio.

52

Eduar do Prado

Essas ilhas, céle bres pelos es tra nhos monu men tos graní ti cos

que lá dei xou uma raça desa pa re ci da, pelos vultos colos sa is de pedra

escul pi da planta dos nas encos tas das

mon ta nhas, por uma ci vi li za ção

ign ota, eram povo a das de poli né si os, raça sua ve e inofen si va, de uma ino cência para di sía ca, que o contá gio exter mina dor do ho mem civi liza do ainda não viti ma ra. Os flibus te i ros desem bar ca ram na ilha, mata ram as crian ças, os velhos e quase todas as mulhe res, e acorren ta ram e alge ma - ram os homens váli dos que, atira dos ao porão do navio, foram trazi dos para o Peru como escra vos. Quan do a notí cia deste horrí vel atenta do ecoou na Euro pa, o gover no inglês como veu-se e orde nou ao minis tro da Inglater ra em Lima que infor mas se sobre o assun to. Veri fi ca da a exa - tidão da notí cia, o gover no inglês exigiu inexo ra velmen te que os infe li - zes escra vi za dos lhe fossem entre gues pelos cida dãos repu bli ca nos da Améri ca.

Reco lhi dos a bordo de um navio de guerra inglês, os desgra - çados que ti nham esca pa do à fero ci da de ameri ca na foram resti tu í dos às suas ilhas, deven do sua salva ção ao espíri to cristão da Inglater ra, às so- ci eda des huma ni tá ri as compos tas de bur gue ses, de mulhe res reli gi osas e de curas de alde ia, que naque le país, que é o mais pode ro so e livre do mundo, têm bastan te influên cia para mover a impren sa, a opinião e o gover no em favor de uns míse ros sel va gens, perse guidos a milha res de léguas de distân cia.

Era esta, e origi na va fatos desta ordem, a situ ação polí ti ca e fi nance i ra do Peru, quando houve a guerra com o Chile. Depo is da utili - zação das guane i ras que esta vam quase esgo ta das, no extre mo sul do país e na costa boli vi a na, desco bri ram-se, ou antes, come ça ram a ser utili - zados os chama dos campos de nitra to de soda, isto é, grandes e espe ssas ca ma das dessa substân cia provin das pare ce que de feldspa tos de com- postos pela ação das águas terma is e sepul ta dos hoje nos area is do de ser to de Ata ca ma. Esses nitra tos são, como o guano, adubos de gran de valor para as terras. Assim, aquela região de abso lu ta aridez come çou a dar a terras distan tes a ferti li da de que ela mes ma não tinha. Afluíram para Ataca ma os grandes capi ta is e as grandes energi as dos chile nos. A concor rên cia foi fatal a peru a nos e a boli vi a nos. O Chile foi logo senhor da indús tria dos nitra tos. Come ça ram as auto ri da des boli vi a nas a vexar

A Ilusão Americana 53

por todas as formas fisca is e ad mi nis tra ti vas os chile nos. Daqui inci den - tes diplo má ti cos, confli tos, questões e, por fim, a guerra.

Nessa guerra havia, de um lado, o peque no exérci to chile no tri - plica do pelo núme ro de volun tá ri os; do outro, havia dois exérci tos des - mora li za dos por longos anos de inter ven ções na po lí ti ca, desor ga ni za dos pelos pronun ci a men tos, despres ti gi a dos pelas confra ter ni za ções, avilta dos pelas trai ções e pelas fal si da des que são a sorte co mum da vida de todo o exérci to que se mete em po lí ti ca. A vitó ria, árdua, glori o sa nas suas difi - culda des, terrí vel nos seus efei tos, coro ou a energia da admi nis tra ção chi - lena. A guerra esta va a findar quando se deu a céle bre inter ven ção nor - te-ameri ca na, episó dio curi o sís si mo da histó ria da Améri ca do Sul.

O minis tro ameri ca no Hurlbuth era o legíti mo repre sen tante dos interes ses fundi dos das casas ame ri ca nas e dos polí ti cos peru a nos nos escân da los da explo ra ção do guano e dos mil negó ci os que, à som - bra da diplo ma cia nor te-ame ri ca na, ti nham já arru i na do o Peru. A vitó - ria chile na era a desor ga ni za ção de toda aquela fede ra ção de interes ses e de corru ção . Era presi den te dos Estados Unidos o gene ral Garfi eld e chefe do gabi ne te ou secre tá rio de esta do, o fa mo so James C. Blai ne .

Singu lar e estra nha perso na li da de era a deste quase grande ho -

mem! Havia nele como que um últi mo alento do sopro herói co dos tem - pos da in de pen dên cia e da grande za inte lectu al dos esta distas ameri ca nos. Ele era uma espé cie de Hamil ton , de Clay, de Webster ou de Seward , mas

era incom ple to,

era desi gual e dese qui li bra do.

Falta va-lhe a grande za moral

daque les vultos ou talvez simples men te a sua estre la. Na audá cia, na vasti - dão dos seus proje tos, era de um arro jo quase geni al. Na execu ção, os seus mei os eram fracos, as suas hesi ta ções eram longas, os seus recur sos pare - ciam poucos, os seus alia dos eram ig nó be is, seus moti vos dir-se-iam pess oa is e mesqui nhos, talvez imora is; a sua polí ti ca era tortu osa e a mise-en-scène, emb ora espe ta cu lo sa, nunca deu-lhe, aos olhos dos seus com - patri o tas, senão esse prestí gio incom ple to que sempre lhe bastou para dar-lhe a audá cia dos grandes intu i tos sem, contu do, garan tir-lhes o suces so. A razão de tudo isto era, quem sabe, se simples men te a dife ren ça que há entre o tempo dos grandes homens a quem Blai ne suce deu na polí ti ca e a dege ne res cên cia da anti ga tradi çã o dos velhos esta dis tas ameri ca nos.

Os pais da pátria ameri ca na, os funda do res da Cons ti tu i ção, vi ve ram num perío do histó ri co de pure za moral, em tempos de patri o -

54

Eduar do Prado

tismo e de abne ga ção. Blai ne flores ceu no impé rio do indus tri a lis mo e da finan ça, na expan são de todos os despo tis mos do mono pólio e de to- das as corru pções da pluto cra cia. Não é uma simples bana li dade a velha propo si ção do Montes quieu de que as repú bli cas preci sam ter como funda men to a virtu de. Esse foi o fun da men to da repú bli ca norte-ame ri - cana. Será inviá vel e uma fonte pere ne de males qualquer outra repú bli - ca que não tiver o seu berço banha do na at mos fe ra da virtu de cívi ca. As soci e da des polí ti cas e as formas do gover no preci sam nascer puras para ter a vida longa e próspe ra. Os orga nis mos po lí ti cos são como os orga - nismos anima is e vege ta is; quanto mais perfe itos nas cem e quanto mais robus ta é a sua infân cia, mais garan ti as apresen tam de dura ção.

Nunca se viu uma re pú bli ca nascer disfor me para a vida da vio lên cia, do crime, da discór dia, da corru pção e do erro para daí se adi - antar até à virtu de, à paz e à verda de.

Imagi na rá al guém por ventu ra a re pú bli ca roma na nascen do com Sylla e Cati li na e acaban do em Fabrí cio e Cin ci na to? A crença uni - versal sempre atribu iu à huma ni da de em seu apare ci men to a frescu ra de todas as forças vivas.

A podri dão é própria dos túmu los e não dos berços. O que há a espe rar de um existên cia huma na cuja infân cia não tiver sido inocen te?

Que rer justi fi car a corru pção e o cri me quando apare cem, por assim dizer, identi fi ca dos e consubs tan ci a dos com uma re pú bli ca que come ça, dizen do que tudo isto é próprio das insti tu i ções novas, é false ar a verda de histó ri ca. Não; o nascer das repú bli cas, se não for rode a do do perfu me da abne ga ção, se não fume ga rem em roda do seu berço o in - censo puro e a mirra in cor rup tí vel do sacri fí cio e do patri o tis mo, não prome te e não dará nunca no futu ro senão crimes e desgra ças.

A re pú bli ca norte-ame ri ca na não teve a sua infân cia corro í da pela cor rup ção, nem a sua pue rí cia se passou nos jogos sangren tos das guer ras civis. Era ela já quase secu lar quando o seu solo foi fra trici da - mente rega do pelo sangue de seus filhos; e os víci os contra os quais lu tam hoje os patri o tas, as faltas que lhe apontam os pensa do res, são víci os de hoje, faltas atua is, que se não po dem justi fi car no exemplo dos ante pas - sados. A lição da histó ria da inde pen dên cia e os exemplos das gera ções extin tas são espe lhos de virtu de.

Blai ne foi e tinha que ser o esta dis ta da sua época.

A Ilusão Americana 55

Tinha bela presen ça, a sua voz era insi nu ante, o seu olhar era agudís si mo , o seu sorri so era cheio de finu ra. Foi cha ma do o ho mem mag - né ti co. Era um grande orador e um escri tor de raça. A sua ilustra ção era vasta em assun tos da políti ca naci o nal, defi ci en te no resto dos conhe cimen - tos huma nos, mas o seu talen to supria tudo. Fez-se grande e subiu por si. Os seus adver sá ri os atribu íam-lhe grande núme ro de capi tu lações de cons - ciên cia com os inte res ses de grandes finan cei ros, e a sua pobre za sabi da era um pouco contra di tó ria com o luxo de sua vida, com o seu belo palá cio de Washing ton, com os vastos salões, chei os de obje tos de arte e de retra tos, bustos, está tu as, meda lhas, quadros, gravu ras e mil outras recor da ções de Napo leão, herói da espe ci al admi ra ção de Blai ne. O esta dista repu blica no ti nha idéias do mi na do ras e o tempe ra men to cesa ri ano. De todas as pare des da casa de Blai ne , o olhar profun do de Bona par te crava-se nos visi tan tes. Napo leão não termi na ra a conquis ta da Euro pa e nos abis mos dos seus pen sa men tos esta va a ambi ção de domi nar o Orien te e a Ásia. Blai ne via na polí ti ca mais do que a arte de ganhar elei ções; o seu talen to de orador pedia talvez um tea tro igual ao tea tro em que repre sentam os Gladsto ne e os Sa - lisbury . Deba i xo das ogivas de West mins ter, a pala vra da eloqüên cia pode de ci dir a sorte de um povo. Nas estre i te zas do siste ma presi den ci al, o presi - dente pode ser um inca paz, um incom pe ten te tei mo so, ar ma do de imenso poder contra o qual são inúte is todos os esfor ços do talen to. Blai ne sen - tia-se afoga do naque le meio, e toda a sua ima gi na ção volvia-se para a polí ti - ca ex te ri or. Na polí ti ca exte ri or ele foi o lison jei ro por exce lência do espí rit o da domi na ção ameri ca na sobre todo o conti nen te. Ele imagi na va a águia ameri ca na pa i ran do, de pólo a pólo, com as asas pode ro sas ex pan di das. A águia simbó li ca ele não a via prote gen do os fracos com a sua sombra, como acredi ta a inge nu i da de de alguns sul-ameri ca nos. Ele queria que ela domi nas se, que o seu olhar perscru tas se as soli dões gela das do pólo, os va - les profun dos dos Andes, as planu ras do Amazo nas, a vasti dão dos pampas e o infi ni to dos mares. Ele queria que o bico adunco daque le pás - saro apoca líp ti co rasgas se os inimi gos, e que as garras co los sa is se apode ras - sem de todo o conti nen te de Colom bo. Blai ne no poder era uma amea ça para toda a Améri ca.

Qu an do chega va ao seu termo a guerra do Pací fi co, Blai ne era secre tá rio de Garfi eld , e teve uma ocasião de tentar fazer pre va le cer a polí ti ca que ele mes mo cha mou a polí ti ca impe ri al dos Estados Unidos.

56

Eduar do Prado

O presi den te Hayes , embo ra tives se sido derro ta do pelos elei - tores, acaba va de exercer o seu manda to usurpa do, ocupan do ilegal men te a cade i ra de presi den te em que o colo ca ra um voto frau du len to do Su premo Tribu nal en car re ga do da apura ção ele i to ral. O patri o tis mo de seu compe ti dor, o presi den te elei to, Tilden , prefe riu dei xar o usurpa dor na supre ma magis tra tu ra a abrir um confli to que leva ria, com certe za, o país a uma nova guerra civil. O gene ral Garfi eld , apenas elei to, confi ou a di re ção da polí ti ca inter na ci o nal a Blai ne , e a atenção deste volveu-se logo para a luta entre o Chile, o Peru e a Bolí via.

A prime i ra destas nações esta va em véspe ras de colher o fruto das suas árdu as vitó ri as, impon do aos venci dos uma paz garan ti do ra dos interes ses, da tranqui li da de e da segu ran ça do Chile no presen te e no futu ro. Come ça ram a se agitar no Peru e em Nova Iorque os inte res sados ameri ca nos, sóci os de peru a nos e boli vi a nos nas conces sões de guanos e na extra ção dos nitra tos. A consa gra ção da vitó ria chile na era o fim defi ni ti vo do regi me das conces sões, dos privi lé gi os e dos mil abusos, tão úteis aos ameri ca nos, na desor dem finan ce i ra do Peru e da Bolí via. O minis tro ame - rica no Hurlbuth , em Lima, os seus cole gas gene ra is Adams, em La Paz, e Kilpa trik , em Santi a go, entra ram na combi na ção. Era preci so uma inter - ven ção dos Estados Unidos em favor dos venci dos, e contra o Chile, e em bene fí cio dire to dos es pe cu la do res ameri ca nos e seus sóci os.

Já disse mos que, por ocasião da guerra do Para guai, os minis - tros ameri ca nos Washburn e o gene ral Mac-Mahon consti tu íram-se os defen so res acérri mos de López, foram seus comen sais, teste mu nhas, e, pelo silên cio, cúmpli ces das suas horrí ve is atroci dades. Iludi do pelas no - tíci as dos seus diplo ma tas, o gover no de Washing ton consi de rou López, por mui to tempo, como a víti ma simpá ti ca do bárba ro exérci to alia do. Foi preci so que o ilustre coro nel Von Versen , que há pouco morreu ge - neral do exérci to ale mão e ajudan te de ordens do Impera dor Gui lher me II, foi preci so que este euro peu, um dos prisi o ne i ros de López que mais sofre ram na sua tira nia, fosse liber ta do depo is de Lomas Valen ti nas pelo marquês de Caxi as e, indo aos Estados Unidos, escre ves se a verda de sobre López, para desfa zer no espí ri to do gover no de Washing ton indis - posi ção que, contra o Brasil, tinha cria do a falsi da de das infor mações di- plomá ti cas. O gover no ameri ca no este ve até em termos de mandar uma esqua dra à Améri ca do Sul para prote ger López.

A Ilusão Americana 57

Em rela ção ao Chile, deu-se a mes ma cousa. O gover no ameri - cano quis arran car do Chile o re sul ta do das suas vitó ri as. As infor ma ções dos minis tros ameri ca nos no Pací fi co medra ram depres sa no âni mo de Bla ine , sempre dispos to à poli ti ca da inter venção, da arro gân cia e de quase despo tis mo em rela ção aos outros paí ses da Améri ca. Os espe cu la do res do guano e dos nitra tos fala ram-lhe de grandes lucros para o comér cio ameri - cano e, entre a admi nis tra ção ameri ca na e os espe cu lado res, houve acordos,

com bi na ções e arran jos

mui to suspe i tos. Em re sul ta do disto tudo, Blai ne

despa chou para o Chile, como medi a ne i ro de paz, Mr. Trescott , que leva va como seu secre tá rio Mr. Walker Blai ne , filho do Secre tá rio de Estado. O envi a do extra or di ná rio, em missão espe ci al, leva va ins tru ções de prote ger a todo o transe os inte res ses dos homens dos gua nos e dos nitra tos e or dem para, es go ta dos os mei os sua só ri os e de conci li a ção des ti na dos a apressar a paz, dar um ulti ma tum ao Chile, impon do-lhe dentro de certo prazo a reti ra da das suas tropas do terri tó rio do Peru e da Bolí via. Era a mais brut al inter ven ção, a mais injus ti fi cá vel das prepo tên cias.

Mr. Trescott , em Lima e em Santi a go, tinha-se posto de acordo com o minis tro da França, e sua ação contra o Chile devia ser conjun ta com a da diplo ma cia france sa. Era inte res sa da nesta questão dos guanos uma grande casa judia, os Dreyfus , de Paris, de quem fora advo ga do o en - tão presi den te da Repú bli ca france sa, que os jorna is repu bli ca nos, nesse tempo, cha ma vam ainda o ínte gro Grévy, alguns anos antes do proces so em que ficou prova do que o seu genro Wil son tinha, no palá cio do presi - dente, agência monta da de venda de empre gos e conde co ra ções.

Onde esta vas ó doutri na de Monroe !? As duas grandes repú - blicas do mundo achavam-se reu ni das num esforço co mum em razão dos interes ses pesso a is dos seus chefes. Os Estados Unidos, que são contra a inge rên cia euro péia em negó ci os ameri ca nos, asso ci a ram-se a uma nação euro péia contra uma nobre re pú bli ca sul-ameri ca na numa em presa de ver da de i ra ex tor são.

Neste ínte rim, numa esta ção de cami nho de ferro, em Washing - ton, ao lado de Blai ne , caía as sas si na do pelo faná ti co Gui te au o presi den te dos Estados Unidos, o gene ral Garfi eld . Em menos de vinte anos, dois pre - siden tes dos Estados Unidos eram assim truci da dos: Lin coln e Garfi eld .

O pre si den te assas si na do foi substi tu í do pelo vice-presi den te Arthur. Diz-se que os prínci pes herde i ros são em geral os chefes da opo -

58

Eduar do Prado

sição. Nas re pú bli cas, o vice-pre si den te é o inimi go natu ral do pre si den te efeti vo. Quem é segun do é sempre contra quem é prime i ro. Nas repú bli - cas sul-ameri ca nas, o vice-pre si den te acaba, quase sempre, conspi ran do contra o presi den te, mui tas vezes depon do-o, a menos que, mais pronta - mente, o pre si den te em exercí cio não supri ma por qualquer for ma o seu rival. Nos Estados Unidos as cousas não che gam a este ponto, mas os vice-presi den tes que têm assu mi do o gover no têm fei to sempre o contrá - rio dos seus an te ces so res. A subi da de Arthur foi um grande golpe para Blai ne e para a sua polí ti ca. Enquanto o diplo ma ta Tres cott achava-se no Chile, foram pouco a pouco transpi ran do na libér ri ma impren sa ameri ca - na, impren sa que atraves sou mais de um sécu lo sem a menor coer ção, im - prensa que, mes mo duran te a tremen da guerra civil, não sofreu grandes pei as nem restri ções as notí ci as vagas a princí pio e depo is afirma tivas e posi ti vas do conlu io de Garfi eld , de Blai ne , e dos ne go ci an tes de Nova Iorque contra o Chile. Achava-se reu ni do o Con gres so, e nos Estados Unidos o gover no não ousa sone gar docu men tos nem escla re ci mentos de certa or dem ao Poder Legis la ti vo. A comis são dos negó ci os estran ge i ros, da Casa dos Re pre sen tan tes, ocupou-se da missão Tres cott e, numa reu - nião, le van tou-se o depu ta do de mo cra ta Perry Belmont que, com provas nas mãos, demons trou a iniqüi da de e a vergo nha do gover no ameri ca no ir ser o procu ra dor dos es pe cu la do res peru a nos e ameri ca nos junto ao Chil e. A impres são foi imensa nos Estados Unidos. O gover no chile no, com uma audá cia extra or di ná ria, mandou apare lhar os seus encou ra ça dos, em - penha dos na guerra contra o Peru, à espe ra do ul tima tum de Mr. Tres cott. Vies se esse ul ti ma tum, e os navi os de guerra chile nos parti ri am para S. Francis co para vingar a afronta. O presi den te Arthur, porém, pôs um ter - mo ao grande escân da lo. Despe diu Blai ne do poder e substi tu iu-o pelo Sr. Freling huy sen . Este tele gra fou logo a Trescott dizen do-lhe que se reti ras s e do Chile, e teve a franque za de dar ao minis tro chile no em Washing ton uma cópia das instru ções de Blai ne a Mr. Tres cott. Deu-se então um inci - dente de um cômi co singu lar. O minis tro dos negó ci os estran ge i ros do Chile pergun tou a Mr. Trescott se era verda de que ele tinha or dem de apresen tar-lhe um ulti ma tum . Trescott negou a pés juntos. Então o minis tro chile no mostrou-lhe a cópia das própri as instru ções dadas a Tres cott. Desmo ro nou-se tudo, e assim termi nou, no opróbrio e na vergo nha, a or gulho sa em ba i xa da que os Estados Unidos manda ram ao Pací fi co!

A Ilusão Americana 59

Blai ne , porém, e o espí ri to de intru são e de prepo tência diplo - máti ca que existe em certos mei os ameri ca nos, tive ram, anos depo is, a sua desfor ra. Rompe ra a guerra civil no Chile, e Blai ne achava-se de novo na secre ta ria de Estado, servin do desta vez com o presi den te Harri son , que mais tarde tam bém o despe diu. Os homens de grande supe ri o rida de inte - lectu al são, nas repú bli cas, pouco compa tí ve is com a medi o cri da de dos círcu los gover na men ta is. Desde o come ço da guerra civil chile na o minis - tro ameri ca no Patrick Egan, anarquis ta irlan dês de mau nome, de cla rou-se em favor dos insur gen tes, prote gen do-os por todos os modos com que - bra mani fes ta dos seus deve res. Como é sabi do, os princi pa is chefes da re vo lu ção eram os homens mais ricos do Chile, grandes capi ta lis tas, in - dus tri a is e banque i ros opulen tos. Esta circuns tân cia expli ca talvez a singu - lar atitu de da lega ção ameri ca na. Derro ta do e ani qui la do o parti do de Bal - mace da , houve recla ma ções ameri ca nas, já por preju í zos sofri dos, já por desa ca tos fei tos a mari nhe i ros ameri ca nos. O novo gover no chile no, ainda em luta com mil di fi cul da des, pediu um prazo. A respos ta que lhe deu o gover no ameri ca no foi a or dem à esqua dra de mandar alguns encou ra ça - dos a Valpa raí so e um in so len tís si mo ulti ma tum . O gover no chile no teve que ceder. Blai ne tirou a sua desfor ra, e mais uma vez o gover no de Washing ton humi lhou uma repú bli ca sul-ameri ca na.

Te mos visto que não há país lati no-ame ri ca no que não tenha sofri do as inso lên ci as e às vezes a rapi na gem dos Estados Unidos. Para termi nar, lembra re mos dois fatos aconte ci dos com o Para guai e com a Vene zu e la.

Em 1853 o Para guai fez um trata do-ge ral de comér cio e nave ga -

ção com os Estados Unidos. O Sena do ameri ca no não rati fi cou o trata do,

mas

apesar disso o gover no de Washing ton

no me ou seu cônsul no Para -

guai o Sr. Hop kins. Este senhor, apesar das suas funções con sula res , pre - tendeu logo, à moda ameri ca na, ganhar mui to dinhe i ro em mil espe cula - ções. Embalde tentou levan tar capi ta is em Londres e em Paris. Teve então a idéia geni al de comprar em Nova Iorque um navio em péssimo esta do (não é de hoje que ali se ven dem navi os avari a dos!) e fê-lo segu rar por 60:000 dóla res.

Este navio natu ral men te na u fra gou na via gem, e com o dinh ei ro do segu ro Hopkins achou-se à testa do capi tal neces sário para fundar a “Compa nhia do comér cio e nave ga ção do Para guai”.

60

Eduar do Prado

Este cônsul tornou-se logo exi gentís si mo junto do gover no para gua io, e foi tão inso len te que o gover no de Assunção cassou-lhe o exe qua tur. Para se ver livre de emba ra ços, Hopkins decla rou que a sua se - guran ça pesso al esta va amea ça da, assim como a dos seus compa tri o tas, e re clamou o auxí lio do navio de guerra ameri ca no Water Witch, e este auxí lio lhe foi dado. O Sr. Hopkins , à testa de mari nhe iros arma dos, dese mbar cou e foi ao consu la do buscar os papéis da tal compa nhia.

Estavam as coisas neste pé quando a situ a ção ainda mais se agravou. O coman dan te da Water Witch quis passar por um canal, cujo trânsi to era proi bi do aos navi os. O forte de Itapi ru fez alguns tiros de pólvo ra seca para preve nir o ameri ca no. Este, porém, despre zou o aviso, e respon deu com uma descar ga geral de bala contra o forte, que por sua vez fez-lhe fogo vivo e certe i ro que cau sou séri as avari as a Wa ter Witch, onde morre ram mui tos mari nhe i ros, mas, e só então, o navio ameri cano virou de bordo, desis tin do do seu propó sito.

O gover no de Washing ton mandou contra o Para guai uma es - quadra de vinte navi os e de dois mil homens de desem bar que, para extor - quir à pobre repú bli ca um milhão de dóla res que lhe recla ma va o Sr. Hop- kins. Esta esqua dra custou ao gover no perto de sete milhões de dóla res de despe sas, e voltou de Monte vi déu graças à medi a ção do gover no argen ti no, sendo cele bra do um trata do em virtu de do qual as recla mações de Hop kins foram suje i tas a uns árbi tros, e estes decla ra ram, como não podi am dei xar de decla rar, inte i ra men te fantás ti cas as recla ma ções do cônsul ame ri ca no.

O Para guai, porém, não obte ve re pa ra ção algu ma pela vio la ção do seu terri tó rio come ti da pelo agente ameri ca no. 37

O fato com Vene zu e la é tam bém ca rac te rís ti co. O gover no ameri ca no tinha uma porção de recla ma ções contra a Vene zu e la, a pro - pósi t o de preju í zos sofri dos por cida dãos ameri ca nos duran te as guer- ras civis vene zu e la nas. Pela conven ção de 25 de abril de 1866 foi no - mea da uma comis são mista que, em 1868, deu senten ça contra a Vene - zue la, obrigan do esta a pagar 1.253:310 dóla res.

Ve rifi cou-se mais tarde que o comis sá rio ameri ca no David M. Tal ma ge, e que o minis tro ameri ca no em Cara cas, ajuda dos pelo

A Ilusão Americana

61

ameri ca no Willi am P. Murray , for ma ram uma so ci e da de para ganhar di - nhei ro com o negó cio, já defra u dan do os própri os recla man tes ameri ca - nos, exigin do-lhes 40 e 60 por cento das inde ni za ções conce di das, já preju - di can do o gover no da Vene zu e la, admi tin do recla ma ções frau du lentas, au mentan do mes mo estas recla ma ções para mais folga da mente pode rem os recla mantes pagar-lhes as percen ta gens. Isto ficou prova do peran te a

comis são dos negó ci os estran ge i ros do Sena do ameri cano em 1878.

38

Ainda ulti ma men te desem bar cou em Nova Iorque um gene ral ve ne zu e lano que, como gover na dor de um esta do, era acusa do de ter ca usa do certo preju í zo, em Vene zu e la, a um cida dão ameri ca no.

Contra todas as leis, este gene ral foi preso a pedi do do ameri - cano e suje i to em proces so por ato de gover no prati cado na sua pátria!

Não há nação la ti no-ame ri ca na que não tenha sofri do nas suas rela ções com os Estados Unidos.

Demons tra do isto, volte mos de novo a falar do que tem sido as rela ções entre o Brasil e os Estados Unidos.

II

Já mostramos, de passa gem, a frie za com que no sécu lo pas - sado Jeffer son acolheu a idéia da inde pen dên cia do Brasil, e o proce di - mento indig no do gover no de Washing ton denun ci an do ao gover no portu guês as abertu ras dos revol to sos de Pernam bu co em 1817. Vi mos a demo ra no reco nhe ci men to da nossa inde pen dên cia, vi mos o minis tro ameri ca no no Rio fazen do cau sa co mum com a vi o lên cia do gover no de Carlos X contra o Brasil e, de passa gem, aludi mos as intri gas ameri ca nas em favor de López e contra o Brasil, a Repú bli ca Argenti na e o Uruguai.

Nesses confli tos, porém, o amor-próprio brasi lei ro sempre saiu vence dor, porque de um lado esta va a inte gri da de dos nossos ho mens de Estado, e do outro a diplo ma cia flibus te i ra e ganan cio sa dos Estados Uni dos. O minis tro ameri ca no Washburn , que tanto intri gou contra o Brasil no acampa men to para gua io, traiu por fim os seus amigos López e ma da me Lynch, que o acusa vam de ter desen ca mi nha do valo res que lhe havi am confi a do em depó si to.

62

Eduar do Prado

Washburn escre veu um livro, que é a sua conde na ção, 39 e, ao mes mo tempo, a prova de que aquele diplo ma ta ameri ca no, como todos aqueles com quem nos encon tra mos neste traba lho, votou aversão espe - cial ao Brasil. Da própria narra ti va de Washburn (vol. II, pág. 180) tira-se a prova da vera ci da de da acusa ção de espi o na gem que era fei ta contra ele.

Adi an te (pág. 558) confes sa que os valo res lhe foram real men - te entre gues por mada me Lynch, que esti ve ram na sua casa guarda dos, mas que ele, Washburn , igno ra o seu para de i ro, supon do que foram en - terra dos algu res (!).

O exérci to brasi le i ro e a arma da são cober tos de ridí cu lo e de calú ni as pelo minis tro ameri ca no.

A bata lha de Ria chu e lo é descri ta como uma cousa ver go nho sa para nós (pág. 10, vol. II), e Caxias é vili pen di a do.

As inde li ca de zas, as incor re ções, as faltas de Washburn foram tão graves que os ofici a is da mari nha ameri ca na, que se acha vam no Pa - raguai, rompe ram com ele. Washburn ataca-os com vio lên cia, quali fican - do de “perver sa e de anti pa trió ti ca” a atitu de dos ofici a is supe ri o res, seus com pa tri o tas (pág. 467, vol. II).

Depo is de Washburn veio Mac-Mahon , cuja amiza de pelo mé - nage López-Lynch foi sempre firme. Mac-Mahon e Washburn dizem-se cousas bem desa gra dá ve is nos seus escri tos pos te ri o res. Só estão de acordo nas injú ri as contra os brasi le i ros.

Esta polê mi ca fez escân da lo nos Estados Unidos, e o gover no abriu um inqué ri to em que figu ra vam Wash burn, Mac-Mahon , os ofici a is Davis , Kirkland , Ramsey e dois aventu re i ros Bliss e Master man . Toda a

gente in ju ri ou-se no inqué ri to, fize ram-se graves acusa ções uns aos outr os, sendo uma ver da de i ra vergo nha aquela lava gem ofici al de roupa suja, aquela briga de minis tros com almi ran tes, de almi ran tes com minis -

tros, etc. 40

Duran te a guerra do Para guai o minis tro ameri cano gene ral Mac-Mahon , em despre zo de todos os usos inter naci o na is, escre via para

  • 39 Wash burn, His tory of Pa ra guay, 2 vols.

A Ilusão Americana 63

os jorna is ameri ca nos 41 arti gos difa ma tó ri os dos alia dos. Dizia que López era inocen te das cruel da des que calu ni o samen te lhe impu tavam os alia dos, que as cente nas de mortes atribu ídas a López ti nham sido perpe tra das pelos brasi le i ros, enquan to os para gua ios traba lha vam nas trinche i ras; 42 que o povo brasi le i ro era fraco e efemi na do; 43 que o seu exérci to (a cuja covar dia o diplo ma ta ameri cano constan te men te alude) era compos to de escra vos e galés ; 44 que a “honra naci o nal” como nós a enten de mos na zona tórri da é coi sa bem diver sa da honra naci o nal ame - rica na, etc.

  • 41 Vide Harper’s New Monthly Ma ga zi ne, vol. XL.

  • 42 Vide Harper’s New Monthly Ma ga zi ne, vol. XL, pág. 423.

  • 43 Ibi dem, pág. 428.

  • 44 Ibi dem. Se gun do um cor res pon den te do País de New York, este nos so velho ini mi go vol- tou ago ra à cena numa cir cuns tân cia hu mi lhan te para o Bra sil. “O Uni ted Sta tes Ser vi ce Club re ce beu so le ne men te o almi ran te Be nham. O dis - cur so de fe li ci ta ção foi profe ri do pelo ge ne ral Mr. T. Mac-Ma hon, mu i to co nhe ci - do no Brasil como

ami go parti cu lar de So la no Ló pez e nos so im pla cá vel di fa ma -

dor du ran te a guer ra do Pa ra guai.

“Eis o dis cur so: ‘Almiran te. Pre fe ri ria nada dizer para não co lo car-vos na con tin -

gên cia de fazer um dis cur so, o que será para vós uma pres pec ti va ter rí vel; entre -

tan to é ne ces sá rio que eu ex pri ma a sa tis fa ção de vos ver entre nós, e vos ma ni -

fes te quan to nos en che is de jus to or gu lho, não só como ci da dão ameri ca no como

na qua li da de de ofi ci al da nos sa ar ma da. O vos so pro ce di men to no Brasil foi ins -

pi ra do pelo dever em hon ra da nação e da sua ban de i ra. Que ele era indis pen sá vel,

pos so afir má-lo pela ex pe riên cia pes so al de um quar to de sé cu lo. Era ne ces sá rio

para con ven cer aque les ami gos nossos (se são com efe i tos ami gos) que a nação

ame ri ca na nada per deu ain da do seu pres tí gio, que será man ti do sem pre à face

do mun do inte i ro. O vos so pro ce der de mons trou que o di re i to in ter na ci o nal das

re la-

ções do nos so país não pode ser des res pe i ta do im pu ne men te. As re pú bli cas

sul-ame ri ca nas de vem ser-nos agra de ci das pelo que fi ze mos e es ta mos fa zen do

por elas, ou an tes, pela hu ma ni da de, com o exemplo que lhe da mos.’

“O al mi ran te res pon deu: ‘Do fun do do co ra ção agra de ço-vos cor di al re cep ção que

me fa ze is. Qu an to ao meu pro ce di men to no Brasil e aos efe i tos que ele tenha pro -

duzi do, pen so que, sem contes ta ção, con cor reu para tornar-nos bons ami gos

da que le país. Esta ami za de ba se ia-se no res pe i to, e tal vez em al gu ma cou sa mais (That fri end-

ship is founded on res pect with per harps a lit tle tin ge of so met hing else).’

“Estas pa la vras”, diz o cor res pon den te do País, “pro vo ca ram uma tem pes ta de de

apla u sos e gar ga lha das.”

“Segui ram-se os cock ta ils do es ti lo e um gran de bró dio, em que foi nota do mi nan te

do hu mor yankee a pi lhé ria do al mi ran te, con si de ra da ge nu í na e rude ex pres são da

ver da de.”

Eis como um al mi ran te ameri ca no diz dever ser a ami za de do Brasil para com os

Estados Uni dos. Res pe i to e

...

al gu ma coi sa mais, isto é, medo e subser viên cia!

64

Eduar do Prado

Entretan to os fatos eram os fatos, e, sendo inegá ve is as vitó ri as brasi le i ras, o ameri ca no nosso inimi go ex pli ca va o suces so das armas bra si le i ras pela seguin te forma:

“D. Pedro, no modo por que tem diri gi do a guerra, dá a melhor prova da sua extra or di ná ria habi li da de; é um rei sábio e perfe i to. E além disso, está cerca do de con se lhe i ros que, se tives sem a hones ti da de co mum que só a nossa raça saxô nia dá aos indi ví du os como aos gover nos (!), pode riam ser co lo ca dos ao par dos prime i ros esta dis tas do nosso tempo. Isto dá grande força à diplo ma cia do Brasil, enquan to que a habi li da de dos seus finan ce i ros tem-lhe permi ti do manter ileso o seu crédi to.” Washburn teve vári as confe rên ci as com o gene ral em chefe do exérci to alia do, o marquês de Caxi as, e diz cini ca mente que, em troco de uma grande quantia, López devia acei tar a paz nas condi ções que o Brasil queria. Nos arqui vos do Minis té rio da Guer ra, no Rio de Jane i ro, há ofíci o s

do marquês de Caxi as bem pouco honro sos para Washburn .

45

Não foi só pela corrup ção que a diplo ma cia norte-ame ri ca na se distin guiu. Fala mos já da vio la ção do terri tó rio marí timo do Brasil por um navio de guerra ameri ca no. Veja mos as parti cu la ri dades do fato.

No mês de outu bro de 1864, o vapor confe de ra do Flóri da e o navio fede ral Wa chus set achavam-se anco ra dos no porto da Bahia. O pri- mei ro desses navi os, que tinha entra do no porto para conser tar as suas ava ri as e para tomar víveres, rece beu a ordem, que execu tou, de se colo - car ao lado da corve ta brasi le i ra Dona Januá ria. Na manhã do dia 7 de outu bro, o navio fede ral ameri ca no dei xou o seu anco ra dou ro e aproxi - mou-se do Flóri da . Ao passar pela proa da corve ta brasi lei ra, rece beu or- dem de voltar para o seu anco ra dou ro. Esta or dem foi deso bede ci da e, momen tos depo is, ouvi am-se tiros troca dos entre os dois navi os ameri - canos. O coman dan te brasi le i ro mandou um ofici al a bordo do Wa chus- set, e o coman dan te deste vaso de guerra prome teu ao ofici al nada tentar contra o Flóri da . Faltan do indig na men te à sua promes sa, o coman dan te ameri ca no to mou repen ti na men te a rebo que o Flóri da e foi sain do com ele fora do porto sem dar tempo ao navio brasi le i ro, que confiara na pala vra de um mili tar de opor-se ao atenta do. O que aumen ta ainda a revol tan te

  • 45 Ofíci os de Ca xi as ao mi nis tro bra si le i ro em Bu e nos Ai res, de 13 de mar ço de 1867; idem de 15 do mes mo mês e ano ao mi nis tro da Gu er ra.

A Ilusão Americana 65

desle al da de é que o cônsul ameri ca no na Bahia tinha dado sua pala vra de honra às au to ri da des brasi le i ras de que o Wa chus set respe ita ria a neu - trali da de do terri tó rio do Brasil e, na ocasião em que o atenta do foi co - meti do, o cônsul esta va a bordo do Wa chus set. O coman dante do Flóri da, confi an do na neu tra li da de do terri tó rio do Brasil e na pala vra do co - manda nte ameri ca no, tinha dei xa do desem bar car quase toda a sua mari - nhagem, e, aprove i tan do-se disso, o Wa chus set trai ço ei ro o atacou. O gover no de Washing ton deu todas as sa tis fa ções possí veis ao Brasil, mas come teu a inde li ca de za final de mandar pôr a pique o Flóri da no por to de Hampton Roads , para não entre gá-lo ao Brasil, e depo is disse ofi cial men te que um inciden te impre vis to tinha cau sa do a perda do Flóri da. Outro fato:

Em 1842 a barca peru a na Caro li na , em con se qüên cia de gros sas avari as, arri bou ao porto de Santa Cata ri na. Não havia ali cônsul peru a - no, e as au to ri da des nome a ram uma comis são de exa me que conde nou o navio, o qual por isso foi vendi do de confor mi da de com as leis co merci a is brasi le i ras. O navio esta va segu ro em Nova Iorque e em Fila dél fia , e as compa nhi as acio na ram peran te os tribu na is do Brasil o capi tão ameri ca no, acu sando-o de ter obti do por frau de a conde na ção. A con de na ção foi revo - gada e a venda anula da, mas o capi tão tinha desa pa re ci do com o di nhe i ro. Um certo Wells, anti go cônsul ameri cano demi ti do por inde li - cade zas no exercí cio do seu empre go, comprou os dire i tos das compa - nhias de segu ros e inten tou uma ação contra o gover no do Brasil. O go ver no ameri ca no transmi tiu a recla ma ção ao minis tro dos Estados Uni dos no Rio de Jane i ro, mas o gover no brasi le i ro, com toda a razão, re cusou-se a pagar, e o gover no ameri ca no, que então luta va com as difi cul da des da guerra civil, reco men dou até ao seu minis tro que não leva sse as cousas por dian te. Era minis tro ameri ca no no Rio o Sr. Webb, que por essa ocasião reco nhe ceu a injus ti ça da re cla ma ção. Ora, em 1867 o Sr. Webb mudou de opinião e, depo is de se ter encon tra do com Wells, nos Estados Unidos, o minis tro come çou a fa zer exigên ci as, e no momen to em que ia sair um paque te para a Eu ropa o Sr. Webb amea çou romper as suas rela ções diplo má ti cas com o gover no do Brasil se este não pagas se. O gover no arca va então com as grandes difi cul da des da guerra do Para guai e te meu o mau efei to que

66

Eduar do Prado

produ zi ria na Euro pa a notí cia de um rompi mento com os Estados Unidos. Pagou, mas deb ai xo de protes to, a quantia de £ 14:252 ao câm - bio de 16, taxa que naque la época se consi de ra va desas tro sa, porque ainda não se tinha m visto os câmbi os de 10, de 9 e 8¾ que fa zem hoje a glória das finan ças re pu bli ca nas.

Em 1872, o minis tro do Brasil em Washing ton, Sr. Carva lho Bor ges, soli ci tou da Secre ta ria de Estado um novo exa me da questão, e o advo ga do do gover no ameri ca no opinou que o Brasil tinha sido víti - ma de uma ex tor são, e que a quantia lhe devia ser res ti tu í da com os res - pecti vos juros.

De confor mi da de com esse pare cer, o gover no ameri cano man dou entre gar à lega ção brasi le i ra a quantia de £ 5:000. Falta vam pois £ 9:252 que a lega ção recla mou, pois Webb tinha rece bi do £ 14:252, confor me mostrou com reci bo do próprio Webb; este diplo ma ta tinha desvi a do, pois, £ 9:252, de cujo para de i ro não pôde dar conta. Só em 1874 é que final men te o gover no de Washing ton reem bol sou o Brasil da quantia total. 46

Não foi esta a única recla ma ção de dinhe i ro que, com mais vio lê ncia que razão, nos fize ram os ameri ca nos, além das recla ma ções de Raguet e Tudor .

Em 1849, o gover no brasi le i ro viu-se constran gi do a ceder a uma nova e impor tan te recla ma ção fei ta então pelo minis tro ameri cano David Tod. Adian te vere mos a justi ça e a mora li da de dessa recla ma ção. O fato, porém, é que a 20 de jane i ro de 1850 foi rati fi ca da uma conven ção ameri ca no-bra si le i ra pela qual o Brasil paga va aos Estados Unidos qui - nhentos e trinta contos (530:000$000 réis) que o gover no ameri cano distri bu i ria entre os recla man tes.

David Tod exultou. A 23 de agosto de 1840 escre ve ra ao seu gover no: “Quan to mais exami no este assun to e refli to sobre ele mais me conven ço de que este negó cio foi mui to satis fató rio, e a quantia re - cebi da mui to sufi ci en te para serem pagos todos os re cla man tes.” Tod, porém, órgão dos recla man tes ne go ci an tes ameri ca nos do Rio, insis tia

A Ilusão Americana

67

para que a distri bu i ção fosse fei ta no Rio e não em Washing ton deba i xo das vistas do gover no ameri ca no. 47 O minis tro Tod e os ameri ca nos do Rio não conse gui ram, po- rém, que o comis sá rio en car re ga do de distri bu ir esse dinhe iro vies se fa - zer este traba lho no Rio de Jane i ro. O gover no ameri cano no me ou para essa comis são o Sr. Geo P. Fisher , e o rela tório deste funci o ná rio é curi o - sís si mo. Desse rela tó rio vê-se que os recla man tes ameri ca nos, em regra, não podi am apresen tar prova ne nhu ma dos seus dire i tos, que eram na mai or parte fan tás ti cos. Depo is de, duran te dois anos, ouvir todas as recla ma ções, o comis sá rio Geo P. Fisher dizia:

“A quantia paga pelo gover no do Brasil, em virtu de da con - venção de 1849, foi de 500:000$000 réis que per fi ze ram 300:000 dóla res. “Ora, pagas as quanti as que já foram atribu ídas e as quanti as recla ma das resta rá um saldo de 130:000 a 150:000 dóla res, isto é, mais ou menos, meta de do que o Brasil pagou. “Acho que o nosso gover no vai ficar em posi ção esquer da em re la ção ao gover no do Brasil, que terá razão de se quei xar da injus tiça

48

que sofreu.” Este docu men to, melhor

do que qualquer outra demons tra ção,

prova a cônscia má-fé com que foram fei tas as recla mações norte-ame ri canas.

*

*

*

Nos paí ses sul-ameri ca nos, e alguns há onde, apesar das revo lu - ções, os cargos de minis tro são ocupa dos por homens instru í dos e conhe - ce do res da histó ria diplo má ti ca; há uma grande preven ção contra a polí ti ca absor ven te, inva so ra e tirâ ni ca da diplo ma cia norte-ame ri ca na. A últi ma vez que foi minis tro de negó ci os estran ge i ros do Brasil o viscon de de Aba e té, este esta dis ta teve notí cia de que se trama va em Nova Iorque uma expe di - ção de flibus te i ros contra o Pará e o Amazo nas e, se a lega ção brasi le ira em Washing ton não contra ri as se ativa men te a conspi ra ção, talvez chegas se a se repro du zir no vale do Amazo nas um novo atenta do, igual ao da expe di ção do pira ta Walker contra a Améri ca Central.

  • 47 U. S. Hou se of Re pre sen ta ti ves docs. 31 st. Congress, vol. 7, doc. 19.

68

Eduar do Prado

Estas preten sões ameri ca nas sobre o Amazo nas torna ram-se então amea ça do ras. Em segui da à explo ra ção fei ta no grande rio pelo te - nente Herndon , da mari nha ameri ca na (que acon se lha ra aos brasi le i ros o uso da força para os índi os, em vez da ca te que se), 49 come çou a agita ção ameri ca na a propó si to do Amazo nas. Foram despa cha dos agentes diplo má ti cos para o Peru e para a Bolí via, com o fim de levan ta rem os gover nos daque les paí ses contra o Brasil e de os aconse lha rem a pedir o auxí lio dos Estados Unidos.

O céle bre geógra fo e mete o ro lo gis ta ameri ca no Maury escre - veu um vio len to panfle to contra o Brasil, 50 que foi vito rio sa men te res - pondi do por De Angelis . 51 Fala va Maury , não na conve niência que o Brasil teria com a abertu ra do Amazo nas à nave ga ção, mas no dire i to dos Estados Unidos de nos força rem a isso.

As intri gas ameri ca nas não foram bem rece bi das no Peru, mas a Bolí via hesi tou um pouco, e tanto bastou para come çar nos Esta - dos Unidos a conspi ra ção flibus te i ra a que aludi mos.

Prepa ra va-se eviden te men te uma inva são arma da do Amazo nas quando o minis tro do Brasil em Washing ton inter pe lou numa nota posi ti va o gover no ameri ca no, pergun tan do-lhe se seria permi tida tal pira ta ria.

O Secre tá rio de Estado, respon den do ao minis tro 52 que tão oportu na e energi ca men te re cla ma va pelos inte res ses do Brasil, res - pondeu por duas vezes 53 que “os fun ci o ná ri os da União, com co nhe ci- men to de cau sa, não faci li ta ri am a parti da de ne nhum navio que fosse vio la r as leis do Brasil”, e que “a empre sa que tives se por fim forçar a

entra da do rio seria ilegal e impli ca ria vio la ção dos dire i tos do Brasil, e

que, se al gum cida dão da União tives se a teme ri da de de

inten tá-la,

sob re ele cai ria o rigor da lei”. Decla ra ções igualmen te ca te gó ri cas tinha já fei to o gover no

ameri ca no ao Méxi co em rela ção ao Texas, e devia mais tarde fazê-las à Améri ca Central, e estas decla ra ções não im pe di ram os atenta dos que conhe ce mos.

  • 49 Vide Hern don. The Valley of the Ama zon.

  • 50 The Amazon and the Atlan tic slo pes of South Ame ri ca. Was hing ton, 1853.

  • 51 De la na ve ga ci on del Ama zo nas. Mon te vi déu. 1854.

  • 52 O Sr. barão do Pe ne do.

A Ilusão Americana 69

O gover no do Brasil não dimi nuiu a sua vigi lância, denun ci ou mais de uma conspi ra ção plane a da por Maury , ofici al da mari nha ameri - cana e funci o ná rio públi co, e por seus compa nhei ros. Uma vez este ve apare lha da uma expe di ção, e só à últi ma hora foi deti da em Sandy Hook à saí da do porto de Nova Iorque.

Todos estes ameri ca nos, nos seus es cri tos, fala vam mui to dos inte res ses comer ci a is dos Estados Unidos nos seus capi ta is imensos que esta vam ansi o sos por um empre go no Amazo nas. Chegou o momen to das circuns tân ci as da polí ti ca permi ti rem a decre ta ção da liber da de da nave ga ção, e não apare ce ram os tais capi ta is ameri ca nos. Os magní fi cos vapo res que hoje sulcam o Amazo nas são os de uma compa nhia ingle sa, que tem sido o mai or propul sor do progres so e do enri que ci men to da região ama zô ni ca. Isto, porém, não quer dizer que os ameri ca nos não te - nham mais vistas sobre o grande rio sul-ameri ca no.

O gene ral Grant, num discur so pronun ci a do em 1883, numa recep ção ao gene ral mexi ca no Porfi rio Díaz, chegou a dizer que os Estados Unidos neces si ta vam de três coi sas somen te, porque o resto tudo ti nham no seu país. As três coi sas eram: café, açúcar e borra cha. E o gene ral disse: Seja como for, ha ve mos de ter café, açúcar e borra cha.

O gene ral acentu ou bem a frase Seja como for (by any means ), e no Méxi co esta frase foi toma da quase como uma amea ça. O probl ema do açúcar esta va até certo ponto re sol vi do pela absor ção das ilhas Havaí, que, embo ra não admi ti das na União ameri ca na, estão, para to dos os fins prá ti cos, como que anexa das aos Estados Unidos;

O café, julga va o gene ral Grant que viria com o Méxi co. A borra cha, para tê-la, é preci so ter o Amazo nas.

No Havaí a usurpa ção ameri ca na foi simples e rápi da. A raça in dí ge na, isto é, perto de um milhão de habi tan tes, raça que tem a bran - dura de índo le própria de todo os poli né si os, havia perto de um sécu lo que ia sendo educa da por missi o ná ri os de vári as nações, e tinha chega do já a um grau de civi li za ção que lhe permi tiu consti tu ir um gover no regu - lar. Há no ar qui pé la go uns quinhen tos ameri ca nos e uns seis ou oito mil portu gue ses. Pois bem, os ameri ca nos, auxi li a dos por um vaso de guerra do seu país, expe li ram do gover no os indí ge nas, e, fazen do desem bar car tropa, to ma ram conta de todo o país, ex clu in do inte ira men te os hava i a - nos de toda a admi nis tra ção de sua terra. Os gover nan tes ameri ca nos, im - postos pelas bai o ne tas, decre ta ram a fe de ra ção com os Estados Unidos tal qual queri am talvez os insen sa tos brasi le i ros que em 1834 apresen ta -

70

Eduar do Prado

ram um proje to análo go na Câma ra dos Depu ta dos. O Congres so de Washing ton não quis a anexa ção do Havaí, mas ficou aquele país sempre gover na do pelos ameri ca nos. Esta grande e clamo ro sa iniqüi da de, este abuso da força, não encon tra justi fi ca ti va.

Os empre ga dos públi cos e jorna listas ofici a is e ofici o sos que escre vem no Brasil dizem-se mui to entu si as ma dos pela amiza de dos Estados Unidos, e facil men te conse gui rão talvez iludir a boa fé dos bra - sile i ros.

A polí ti ca in ter na ci o nal dos Estados Unidos é egoís ti ca, ar - rogan te às vezes , outras vezes submis sa, segun do os inte res ses da oca - sião. E, em todo o caso, ela nunca se dei xa guiar por senti men ta lis mos de for ma de gover no.

Du ran te a guerra franco-prus si a na, depo is de 4 de setem bro, isto é, depo is da procla ma ção da repú bli ca, quando a França con ti nu a va a arcar com o inimi go alemão, os Estados Unidos ma ni fes ta ram, por to - das as formas, as suas simpa ti as pelo impé rio te u tô ni co contra a repú bli - ca lati na. A rea le za e a aristo cra cia euro péia têm um imenso prestí gio nos Estados Unidos. Toda a ambi ção da enor me colô nia ameri ca na na Euro pa é aproxi mar-se das cortes. Não há famí lia ameri ca na de algu ma for tu na que não tenha, nos seus pratos ou nas suas colhe res, al gum bra - são, um mote nobi liár qui co, um elmo ou qualquer outra cousa herál di ca. É com desva ne ci men to que elas querem, à força, ligar os seus apeli dos obscu ros aos nomes fidal gos do Rei no Unido, preten dendo sempre des - cender da nobre za. O livro da nobre za ingle sa Burke’s Pee ra ge and Baro ne - tage é sabi do de cor pelas senho ras ameri ca nas, cuja mai or ambi ção é sempre casar com fidal gos euro pe us, ir viver na Euro pa, dei xan do o velh o Uncle Sam lá do outro lado do Atlânti co.

Essa tendên cia admi ra ti va em rela ção a todos os ouro péis da rea le za provém, decer to, de que, a mui tos respe i tos, os Estados Unidos são ainda uma colô nia. A ci vi li za ção vem-lhe da Euro pa, e por isso o ameri ca no, desde o mais rude até ao ho mem mais eminen te, pergun ta sempre ao estran ge i ro: Então o que acha deste país? Tal qual como o parve nu enri que ci do gosta de mostrar a sua casa, os seus carros, ao hom em de boa so ci e da de e, dando a beber ao gen tle man elegan te os seus vinhos preci o sos, pergun ta-lhe com insis tên cia: Então, que tal acha?

Ora, as ameri ca nas enten dem que o fidal go é mais com pe ten te em maté ria de elegân cia e de apuro soci al do que qualquer outro indi ví -

A Ilusão Americana

71

duo. Daí a prefe rên cia das ame ri ca nas pelas nações aristo crá ti cas da Eu ropa. Isto quanto aos indi ví du os. Quan to ao gover no, tam bém não há dúvi da que os Estados Unidos são mais amigos da Inglater ra e da Alema nha, apesar da França ser repú bli ca.

E esta prefe rên cia pela Alema nha, por parte do gover no ame - rica no, chegou até à bruta li da de por ocasião da guerra franco-prus si a na. O minis tro ameri ca no em Berlim, Bancroft , ho mem ilustre por seu sab er, o que é rarís si mo entre a diplo ma cia ameri ca na, que é ordi na ri a - mente a escó ria da poli ti ca gem, priva va com o Impera dor Gui lher me e com Bismarck , e a sua atitu de foi sem gene ro si da de e sem tato. Acom - panhou o Rei da Prússia em campa nha, e os seus despa chos para Was - hington, publi ca dos pouco depo is, eram in sul tu o sos para a França. Gir ando ao redor das nego ci a ções de armis tí ci os e de paz, foi sempre um servi dor zelo so da Alema nha. O gene ral ameri ca no She ridan jul - gou-se talvez mui to honra do por ser admi ti do como ajudan te de ordens do prínci pe Frede ri co Carlos, e to mou parte em toda a campa nha, pres - tando bons servi ços ao exérci to alemão. Sheri dan era um ameri ca no not ável, um ilustre gene ral, e com ele servi ram contra a re pú bli ca fran - cesa grande núme ro de ofici a is nor te-ame ri ca nos. E o gene ral Grant? Esse era pre si den te dos Estados Unidos, e numa mensa gem ao Con - gresso ameri ca no, em 1870, feli ci tou a Alema nha pelas suas vitó ri as, e mostrou-se jubi lo so com a derro ta da França.

Foi a 7 de feve re i ro de 1871, isto é, seis meses depo is da qued a de Napo leão III, contra quem o gover no ameri cano podia ter ressen ti - mentos em razão da guerra mexi ca na, foi seis meses depo is da procla - mação da repú bli ca na França, que o presi den te Grant expe diu a sua cél ebre mensa gem ao Congres so, mensa gem insul tu o sa para a França, e em que exalta va o gover no livre da Alema nha e aprova va a guerra de 1870, e a conse qüen te anexa ção da Alsácia e da Lore na. Dias depo is, Grant, rece ben do o minis tro da Alema nha, disse-lhe que o gover no ameri ca no não podia dei xar de simpa ti zar com a Alema nha na luta que ela acaba va de susten tar, e por esse tempo Bancroft escre via a Bismarck feli ci tan do-o pela sua obra “desti na da”, dizia o ameri cano “a reju ve nes - cer a Euro pa”. Todas estas bai xe zas que ti nham um mesqui nho fim elei - toral, isto é, ganhar os votos dos alemães nos Estados Unidos, fica ram imorta li za das por Victor Hugo, que pergun tava:

72

Eduar do Prado

Est-ce donc pour cela que vint sur sa fréga te Lafa yet te donnant la main à Ro cham be au? 54

  • 54 Cer tes, que le Peau Rou ge ad mi re le Borus se . C’est tout sim ple; il le voit aux bri gan da ges prêt Fa u ve atroce ; et ce bois com prend cet te Fo rêt; Mais que l’hom me in car nant le dro it de vant’ l’Europe. L’homme que de ra yons Co lom bie en ve lop pe L’homme en qui tout un mon de hé roï que est vivant , Que cet hom me se jet te a plat ventre devant L’affreux scep tre de fer des vi e ux âges funè bres Qu’il te don ne, ó Pa ris, le souf flet des ténè bres, .................................................................................. Qu’il montre à l’univers sur un im mon de char L’ Amé ri que ba i sant le talon de Cé sar, Oh! cela fait trem bler tou tes

les grandes tom bes!

Cela re mue, au fond des pâ les ca ta com bes,

Les os des fi ers va in que urs et des pu is sants va in cus!

Kos ci us ko fré mis sant ré ve il le Sparta cus;

Et Ma di son se dres se et Jef fer son se lève;

Jackson met ses deux ma ins de vant ce hi de ux rêve;

“Déshon ne ur!” crie Adams; et Lin coln éton né

Saig ne, et c’est au jourd’hui qu’il est as sas si né.

..................................................................................

Ban croft, este fica para sem pre imor ta li za do pela ex tra or di ná ria ode que o po e ta

lhe de di cou:

BANCROFT

Qu’est ce que cela fait à cet te gran de Fran ce?

Son tra gi que dé da in va jus qu’à l’ignorance,

Elle exis te te ne sait ce que dit d’elle un tas

D’inconnus, chez les rois ou dans les gale tas.

Sa yez un va nu pieds ou soyez un minis tre,

Vous n’avez po int du mal la ma jes té si nis tre;

Vous bour don nez

eu vain sur son éter ni té.

Vous l’insultez. Qui donc avez-vous in sul té?

ElIe n’aperçoit pas dans ses de u ils ou ses fê tes,

L’espèce d’ombre obs cu re et va gue que vous êtes.

Tâchez d’être quel qu’un. Tibè re, Gen gis kan

So yez l’homme fléau, so yez l’homme vol can,

Ou exami ne ra si vous va lez la pe i ne

Qu’on vous mé pri se. Sinon, al lez-vous en. Un nain

Peut à sa pe ti tes se ajou ter son ve nin

Sans ces ser d’être un nain et qu’importe l’atome?

Qu’importe l’affront vil qui tom be de cet hom me?

Qu’importent les néants qui pas sent et s’en vont?

Sans fai re re mu er la tête énor me, au

fond,

Du désert où l’on voit rô der le lynx féro ce ,

Le ster co ra i re peut pren dre avec le co los se

Immo bi le à ja ma is sous le ciel éto i lé,

Des

fa mi li a ri tés d’oiseau vite envo lé .

Vid. Aron, Les ré pu bli ques so e urs.

A Ilusão Americana 73

Esta inqua li fi cá vel grosse ria, esta quebra dos usos da mais come zi nha urba ni da de entre as nações, esta falta de gene rosi dade, env ergo nha ria decer to a sombra dos grandes homens que funda ram os Estados Unidos, que fize ram a sua inde pen dên cia com o auxí lio da França, e que junto aos muros de Yorktown foram os com pa nhe i ros de Lafa yet te e de Rocham be au . Quan do, anos depo is, o gene ral Grant fez uma via gem ao redor do mundo, quis em Paris apartar-se um pouco do que aconse lha o Bae de ker , guia dos via jan tes, e dese jou ver Victor Hugo. Sem dúvi da havia chega do aos ouvi dos de Grant o nome do poe ta das Orien ta is , embo ra, igno ran te como era o gene ral, decer to nunca ti - vesse lido um só verso do vate imortal. Mandou pedir uma audiên cia. Foi terrí vel a cóle ra do velho Hugo. Em ter mos vio len tos, disse ao envi a do de Grant que nunca rece be ria seme lhan te mise rá vel alarve (un tel goujat ). Este episó dio da vida de Victor Hugo é bem dife ren te da convi vên cia do Impera dor do Brasil com o autor de Notre Dame de Paris .

Outro fato:

Em 1891 (o caso foi pu bli ca do e discu ti do), o capi tão Borup , adido naval dos Estados Unidos em Paris, foi surpre en dido em flagran te espi o na gem fei ta a favor da Alema nha. Ficou veri fica do que docu men tos

que este diplo ma ta ameri ca no soli ci tou para o seu gover no do minis tério da guerra francês, ele os co mu ni cou trai ço e i ra men te à Alema nha.

*

*

*

Em 1883, fale cen do nos Estados Unidos o chefe soci a lis ta alemão, Lasker , o Congres so de Washing ton, no mes mo ano em que eram presos e enfor ca dos os so ci a lis tas de Chica go, mandou uma men - sagem de pêsa mes pela morte de Lasker , ao Reich stag alemão, e nessa mensa gem elogi a vam-se as idéias e os servi ços do soci a lis ta. O Congres - so achava mui to bons na Alema nha os mes mos princí pi os que o gover - no ameri ca no perse guia no seu terri tó rio.

O gover no ale mão devol veu a mensa gem estra nhan do-a, o que não dei xou de enver go nhar os seus auto res. Por essa época, havia o céle bre confli to entre os Estados Unidos e a Alema nha, porque esta re - cusa va rece ber a carne de porco infec ci ona da de triqui na que lhe vinha da Améri ca, e Bismarck decla rou que não trata ria mais com um tal Mr. Sargent , minis tro ameri ca no em Berlim, que se tinha mostra do incor re to

74

Eduar do Prado

e incon ve ni en te. A mora li da de de tudo isto é que a subser viên cia do go - verno ameri ca no à Alema nha em 1870-1871 não con quis tou a esti ma do gover no do Impera dor Gui lher me.

Não foi somen te naque la época que houve ameri ca nos entu si as - tas pelo vence dor e pelo mais forte. Na guerra da China, em 1859, uma es - quadra ameri ca na, neu tra, pois a ex pe di ção contra a China era anglo-fran - cesa, esta va anco ra da no Pei ho , quando, a 25 de junho daque le ano, houve comba te entre os beli ge ran tes. Inespe ra da men te, sem moti vo nem aviso, os navi os neu tros ameri ca nos, ao mando do como do ro Tatt nal, rompe ram fogo contra os chins. Esta desle al da de não teve outro moti vo senão o de - sejo de figu r ar, foi um sport. É verda de que, com chins não fa zem os ameri - canos grandes ce ri mô ni as. Os pobres chins são lincha dos nos Estados Uni - dos sem ne nhu ma for ma de proces so, sendo até às vezes quei mados vivos.

Nem com eles há respe i to pela fé inter na ci o nal. Os Estados Unidos obti ve -

ram da China um

trata do de amiza de, comér cio

e nave ga ção, em virtu de do

qual era livre a entra da e saí da dos chins e dos ameri ca nos, reci pro ca men te, nos dois paí ses. Pois, não obstan te a sole ni da de desse compro mis so naci o - nal, o Congres so ameri ca no votou uma lei proi bin do a entra da dos chins nos Estados Unidos. Não teria mais audá cia na quebra da pala vra da nação, a mais maqui a vé li ca chance la ria carun cho sa da Euro pa decré pi ta.

A polí ti ca ameri ca na, em rela ção aos índi os que ela ainda não acabou de ex ter mi nar, é uma polí ti ca de fero ci da de inacre ditá vel neste final do sécu lo XIX. Os docu men tos ofici a is que se refe rem à admi nis - tração dos índi os são trági cos. 55

Os inqué ri tos suces si vos têm demons tra do que o roubo é a re gra, quase sem exce ção, no trato do gover no ameri cano com os índi os. O gover no falta com cinis mo à fé dos trata dos, mata os índi os à fome e a tiro, rouba-lhes as terras onde os insta la. Os empre gados na admi nis - tração dos índi os são de uma de so nes ti da de pro ver bi al nos Estados Unidos. Não há uma voz que contes te isto, e há mui tos livros ameri ca nos em que as parti cu la ri da des desta longa campa nha de sangue, de morti cínio, de roubo e de incên dio vem miu da men te narra dos. 56

  • 55 Offi ci al Reports of the war de part ment or the de part ment of the in te ri or.

  • 56 Re su me mu i to bem essa ques tão e con fir ma com mil casos o que di ze mos o se guin te li vro: A cen tury of Disho nour by H. X. Lon don, 1881.

A Ilusão Americana 75

A histó ria dos trata dos dos Estados Unidos com os paí ses do Extremo Orien te está cheia de impo si ções vio lentas, de trapa ças e de atos de má-fé. Os ameri ca nos têm sido na China os mai o res contra ban - distas de ópio, e é péssi ma a sua repu ta ção. 57 Em 1828 o gover no chim expe diu um decre to espe ci al contra as frau des nor te-ame ri ca nas. Esse de cre to foi a respos ta dada a uma súpli ca dos ne go ci an tes ameri ca nos de Cantão. Veja mos o tom em que aqueles orgu lho sos repu bli ca nos se diri gi am ao vice-rei de Cantão:

“Pros tra dos”, dizi am eles “prostra dos aos pés de V. Exª supli - camos-lhe que se digne lançar as suas vistas sobre nós e esten der até nós a sua compa i xão ” ...

“Não há melhor prova da exa ge ra ção das recla ma ções ameri - canas contra a China, diz o ameri ca no James A. Whit ney, 58 do que o fato da soma que a China nos pagou ultra pas sar as exi gên ci as dos recla - mantes ao ponto de um grande saldo estar ainda no tesou ro ameri cano sem haver quem o recla me. E é preci so lembrar”, conti nua o mes mo au - tor, “que as recla ma ções origi na ram-se de preju ízos rea is ou supos tos que os ameri ca nos dizi am ter sofri do em 1856, por ocasião do bombar - deio de Cantão pelas forças ingle sas ou dos traba lhos de defe sa então efetu a dos pelo gover no chim. E deve-se lembrar ainda que o nosso pró- prio gover no virtu al men te simpa ti za va com o bombar de io. Dois anos depo is, um ofici al da nossa esqua dra, embo ra esti vés se mos em paz com a China, secun dou a ação dos ingle ses contra as forti fi ca ções da embo - cadu ra do Pei ho . Cinco anos depo is, estan do nós liga dos à China por um trata do de paz e amiza de, dois navi os ameri ca nos e quatro lanchas quise ram, à força, levan tar carta de um canal. Os ame ri ca nos já esta vam prepa ra dos para uma recu sa por parte dos chins, o que era mui to justo e natu ral. Os chins opuse ram-se, mas os canhões ameri ca nos im pu se ram silên cio às bate ri as de terra, e, alguns dias depo is, cinco dos fortes chine - ses foram ar ra sa dos pelos navi os ameri ca nos, sendo mortos 250 chins.

“Quan to ao peri go que corre ram as nossas forças, faça-se facil me nte uma idéia dele dizen do que perde mos três homens.”

  • 57 Quar terly Re vi ew, vol. LXII, pág. 150.

76

Eduar do Prado

Ao Japão os Estados Unidos extor qui ram um trata do, e assim foi nas ilhas Sa moa onde os ameri ca nos não só acei ta ram uma espé cie de prote to ra do ou condo mí nio conjun to com a Alema nha e a Inglater ra, como to ma ram aos indí ge nas parte da ilha de Tu tu i la, como depó si to de carvão. Assim foi em Sião e em Ma da gas car, paí ses onde a indús tria ameri ca na quer intro du zir os seus produ tos de fanca ria, falsi fi can do as marcas, e, a despe i to das conven ções in ter na ci o na is, rotu lan do, como in- gleses, os seus algo dões infe ri o res e outros produ tos de manu fa tu ra dis - farça dos fra u du len ta men te.

Trata dos de comér cio! Eis aí a grande ambi ção norte-ame ri ca - na, ambi ção que não é propri a men te do povo, mas sim da classe pluto crá - tica, do mundo dos mono po li za do res que, não conten tes com o merca do in ter no de que eles têm o mo no pó lio contra o estran ge i ro, em virtu de das tari fas proi bi ti vas nas al fân de gas, em detri men to do pobre que se vê pri - vado de grande bene fí cio que a concor rên cia univer sal lhe traria com o força do abai xa men to dos preços. Esta classe pluto crá ti ca gover na o povo ameri ca no com mui to mais rigor e tira nia do que o Czar da Rússia empre - ga na supre ma dire ção de seu povo. Ela suga a sei va ame ri ca na, e, prati ca - mente, pelo poder do ouro, tem privi lé gi os rea is e posi ti vos mui to mai o - res do que os da nobre za e do clero na Euro pa, nos tempos passa dos. A mi li o no cra cia domi na os cami nhos de ferro, as docas, as fábri cas e, das sobras dos seus proven tos , tira com que gover nar, e subsi di ar e conver ter em seus servos obedi en tes todos os polí ti cos dos Estados Unidos, país único na histó ria do mundo em que a simples desig nação do polí ti co (poli ti - cian ) tornou-se, com mui ta e mui ta razão, uma verda de i ra injú ria.

Os pluto cra tas ameri ca nos não se satis fa zem já com o merca do naci o nal que o prote ci o nis mo lhes entre gou. Nas suas indús tri as empre ga - ram eles já capi ta is enormes que exi gem remu ne ração. Em igualda de de condi ções, eles não po dem concor rer nos merca dos do mundo com os produ tos manu fa tu ra dos da Euro pa. O prote ci onis mo que permi tiu nos Estados Unidos a cria ção das imensas fortu nas indus tri a is trouxe tam bém o enca re ci men to da vida e, com ele, a eleva ção dos salá ri os, que já de si seri am mais eleva dos do que na Euro pa pela rari da de rela ti va da mão-de-obra peri ta e técni ca (killed labour ). Sendo os salá ri os mais eleva dos, o custo da produ ção é mai or do que na Euro pa, e por isso, na concor rên cia univer sal, os Estados Unidos são venci dos pelos produ to res euro pe us.

A Ilusão Americana 77

Sendo assim, a indús tria ameri ca na sucum be sob o peso da sua produ ção exage ra da. Daí a crise in dus tri al, agrava da pelo desva lor de parte da moe da, a moe da de prata, porque, como já disse mos, até em maté ria de cunha gem de moe da os legis la do res ameri ca nos têm queri do e têm conse - guido prote ger os mili o ná ri os em detri men to do povo. Como conse guiri am os propri e tá ri os das grandes minas de prata vender por bom preço o seu metal, se o valor deste não se manti ves se pelas compras contí nu as do te - souro ameri ca no que adqui ria barras de prata para trans for má-las em moe - das? Tanta moe da de prata cunhou o tesou ro ameri ca no que rompeu o

equilí brio do valor entre a moe da de prata e a moe da de ouro. A supe ra - bundân cia reba i xou a prata, enca re ceu o ouro e o ouro emigrou para o es - trange i ro. Moe da desi gual e em parte de pre ci a da, eis o que o prote ci o nis mo produ ziu no siste ma da circu la ção mone tá ria dos esta dos. A estag na ção da indús tria, prove ni en te do exces so de produ ção e da sua inca paci da de para con cor rer no es tran ge i ro com os produ tos euro pe us, agrava-se de dia em dia. Há quinze anos, os ameri ca nos dizi am que no seu país não havia ques - tão soci al, que os tumul tos operá ri os, as lutas e as crises prove ni en tes das difi cul da des do prole ta ri a do eram males das velhas soci e da des euro péi as,

que na livre Améri ca havia espa ço, luz e comi da

para todos os pobres, sob

o regi me do traba lho. Hoje, o que é que vemos? A questão operá ria é mais terrí vel e mais ame a ça do ra nos Estados Unidos do que na Euro pa. O prole tá rio ameri ca no tem uma orga ni za ção de ataque e de de - fesa contra a soci e da de que na Euro pa ainda não foi iguala da. Pare ce que, na Euro pa, a chama da paz arma da, com a cons ciên cia do peri go que corre a própria existên cia naci o nal em vista da hosti li da de de vizi nhos pode ro sos, dá ainda a cons ciên cia de que é neces sá ria a união para garan tir a existên cia da própria pátria. Nos Estados Unidos, a questão soci al tem uma gravi da de única. Grande parte da massa operá ria é estran ge i ra, estan do ainda na pri - mei ra fase da existên cia do imi gran te, fase inter mé dia, na qual tendo-se des - prendi do da pátria anti ga ainda não adotou a pátria nova. A massa dos imi - gran tes é consti tu í da por uma verda de i ra sele ção de entre os operá rios dos res pec ti vos paí ses de origem. Sele ção de fortes, de enérgi cos, de reso lutos, pois, o simples ato de emigrar é uma prova de espí ri to auda ci oso. Quem não duvi dou abando nar a pátria do seu nas ci men to não tem escrú pu los em per turbar a pátria ado ti va. Por isso, nas difi cul da des da luta soci al, o exér - cito operá rio, nos Estados Unidos, é mais de temer do que na Euro pa.

78

Eduar do Prado

A polí ti ca finan ce i ra e econô mi ca dos Estados Unidos produ - ziu, depo is de uma notá vel expan são indus trial, uma rea ção extra or di ná - ria. O operá rio hoje não tem traba lho, ou, quando o tem, o patrão não pode remu ne rar esse traba lho como noutro tempo, embo ra o operá rio preci se sempre do mes mo dinhe i ro, porque o preço da vida não bai xou.

Sem dúvi da, a questão operá ria é de todos os paí ses, e o pro - blema da rique za e da pobre za é tão anti go como o mundo. Todas as so - luções desse proble ma são solu ções mui to rela ti vas e sempre pro vi só ri as.

A anti gui da de tinha a es cra vi dão, que é um modo de dar uma certa esta bi li da de e or ga ni za ção ao pro le ta ri a do coa gin do-o a traba lhar e obede cer. O cristi a nis mo acal mou as revol tas da misé ria huma na quando exac erba da pela pobre za, prome ten do o céu e a feli ci da de futu ra e fa - zendo do próprio sofri men to um títu lo à ventu ra eterna. A soci eda de pagã apela va para a força mate ri al domi nan do ma te ri al men te o prole tá - rio; a so ci e da de cristã prendia-o pelas cade i as, ainda mais fortes, da es - pe ran ça e da fé. O espí ri to moder no supri miu a escra vidão e dei xou de fal ar no céu. O operá rio foi abando na do, e a ciência não en con trou ainda uma fór mula que substi tu ís se a escra vi dão da anti guida de ou a crença na outra vida que o cristi a nis mo infun dia.

Nos Estados Unidos, a agita ção operá ria é mais grave do que na Euro pa, porque o operá rio não tem ne nhu ma das pei as ma te ri a is e não tem os incen ti vos mora is que em parte o do mi nam na Euro pa e de que ele se acha liber to na Améri ca.

As monar qui as euro péi as preo cu pam-se seri a men te em melho - rar a sorte dos operá ri os. As monar qui as têm todo o inte res se em adiar e evitar a grande crise do prole ta ri a do, porque as dinas ti as sa bem que, numa grande catás tro fe soci al, os tronos desa pa re ce ri am. 59 Nas repú bli cas não há esse inte res se de conser va ção que leva os gover nan tes a querer bem gover nar por inte res se próprio. Na repú bli ca tudo é transi tó rio; os ho - mens sa bem que, quer encham o seu país de bene fí ci os, quer acu mu lem

  • 59 Ain da ul ti ma men te, num con gres so, em Mi lão, vi mos os repre sen tan tes da Ale - ma nha ce sa ris ta e da Itá lia mo nár qui ca ma ni fes ta rem-se a favor das pen sões aos in vá li dos do traba lho, en quan to que os en vi a dos da

re pú bli ca fran ce sa Yves Gu yot

e Léon Say, re pu bli ca nos, opu se ram-se com ar dor a essa me di da hu ma ni tá ria, já

ado ta da na Alema nha.

A Ilusão Americana 79

erros sobre erros e che guem até ao crime, terão, em certo perío do, de dei - xar o poder, e, se a repú bli ca come te faltas graves, mudam-se os homens, con ti nu an do sempre a repú bli ca, ainda que seja para repe tir as faltas que se procu ra, em vão, repri mir com a peri o dici dade das re vo lu ções. A repú - blica, bem que seja pesso a lís si ma quanto à influên cia dos funci o ná ri os, be ne fi cia de uma espé cie de imper so na li dade que a torna irres pon sá vel. Na gestão dos negó ci os e dos dinhe i ros públi cos, a mo nar quia arris ca a sua própria existên cia; é como que uma fir ma soli dá ria que respon de com a sua pessoa e com a tota li da de de seus bens. A repú bli ca é uma compa - nhia anôni ma de respon sa bi li da de limi ta da. E conhe ce mos paí ses onde o simples nome de compa nhia é quase sinô ni mo de deso nes ti da de.

A histó ria de mons tra que as repú bli cas, uma vez false a das, nunca se rege ne ram. Cada for ma de gover no tem a sua ten dên cia, e tem o seu modo pecu li ar de resol ver os suces si vos proble mas da histó ria na cio nal. Tome mos, por exemplo, os Estados Unidos e o Brasil, ambos em frente do mes mo proble ma: a aboli ção da escra va tu ra.

Ti ve ram os Estados Unidos a sua solu ção genu i na mente re - pu bli ca na e nor te-ame ri ca na, isto é, a solu ção pela vio lên cia, pela força, pelo grande fragor da guerra fratri ci da. Teve o Brasil uma solu ção genu i - na men te brasi le i ra e mo nár qui ca, a solu ção que todos vimos, solu ção que exce deu os sonhos dos otimis tas mais huma ni tá rios. Porven tu ra de vere mos enver go nhar-nos da solu ção que soube mos e pode mos dar ao proble ma e sentir o não ter mos imita do os Estados Unidos tam bém nesse ponto? Disse mos que no Brasil o proble ma escra vo teve uma so - lução mo nár qui ca, não só porque a monar quia brasi le i ra teve a glória de ser puni da pela sua ação liber ta do ra, como porque, desde que o mundo é mundo, ne nhu ma grande refor ma soci al se rea li zou sem ser deba i xo da ação de um gover no monár qui co. Ouça mos um dos mais profun dos pens ado res do sécu lo, Dollin ger : “O teste mu nho da histó ria nos de mons - tra que a solu ção das questões soci a is, a refor ma das insti tu i ções, a abo - lição de abusos tradi ci o na is, rea li zam-se com mais faci lida de e se gu ran ça num gover no monár qui co do que numa repú bli ca. Quan do a corrup ção da repú bli ca roma na chegou aos seus extre mos limi tes, todos os ro ma - nos inte li gen tes ad mi ti ram a im pos si bi li da de da re pú bli ca refor mar-se a si mes ma e a inevi tá vel neces si da de da monar quia. O mes mo aconte ceu com a repú bli ca pola ca e com a repú bli ca france sa no tempo do dire t ório.

80

Eduar do Prado

“Se os Estados Unidos, em 1862, tives sem um monar ca em vez de um presi den te elei to por poucos anos, cer ta men te lhes teria sido possí vel diri gir o proble ma servil para uma solu ção pací fi ca, evitan do uma sangren ta guerra civil, cujos efei tos ainda per du ram.” 60 Isto dizia o ilustre pensa dor em 1880, e oito anos depo is os fatos vie ram dar-lhe ra zão, porque o único país monár qui co da Améri ca foi tam bém o único país que paci fi ca men te extin guiu a escra vi dão. O seu desti no mani fes to, o seu natu ral instin to de conser va ção leva as monar qui as a procu ra rem resol ver os proble mas soci a is, enquan to que as oligar qui as repu bli ca nas te mem esses proble mas e adiam-lhes in defi ni da men te as solu ções. E é por isso que ve mos as monar qui as euro péias, compre en - dendo o peri go e o encar go da sua respon sa bili da de, en ca ran do de fren te o proble ma do pro le ta ri a do que, nos Estados Unidos, é desle i xado pelos pode res públi cos. Na Euro pa há, na velha tradi ção monár qui ca, a re mo ta lembran ça da anti ga alian ça da rea le za com os burgue ses contra os senho res feu da is, que eram os opresso res dos fracos. Hoje, os opresso res são os burgue ses que confis ca ram em seu prove i to todas as chama das conquis tas da revo lu ção de 1789. O capi talis mo semi ta ou não semi ta goza hoje de privi lé gi os rea is e efeti vos mui to mais vexa tó ri os do que os privi lé gi os anti gos da nobre za e do clero. No anti go regi me, a nobre za pouco a pouco ia-se enfra que cen do, e o terce i ro esta do ia-se forta le cen do. Na vida moder na o capi tal cresce por si mesmo, cada vez mais se avolu ma, e é fora de dúvi da que a fata li da de faz com que os ri cos fi quem cada vez mais ricos e os pobres, cada vez mais pobres. A for ma re pu bli ca na burgue sa, como existe na França o nos Estados Unidos é a que mais prote ge os abusos do capi ta lis mo. Há como que uma reper cus são de anti gas eras, nos tempos de hoje, quando ve mos de um lado a fero ci da de burgue sa contra o prole tá rio, abroque lan do-se em leis prote ci o nis tas, em mono pó li os indus tri a is, e falan do a todo o momen to em princí pio da auto - rida de, em dire i to da lega li da de , em obediên cia .

61

  • 60 J. I. von Dol lin ger, tra du ção in gle sa sob o tí tu lo: Stu di es in Eu ro pe an History , trans - la ted by Mar ga ret War re.

Lon don, 1890, pág. 24.

  • 61 Di zia Stend hal que quan do se co me ça a

fa lar mu i to no princí pio de al gu ma cou sa é

porque essa cou sa já não existe. Fala-se mu i to hoje no Bra sil em prin cí pio de au to-

ri da de. É por que já não exis te a au to ri da de, que foi subs ti tu í da pela opres são.

A Ilusão Americana 81

Do outro lado ve mos o repre sen tan te das velhas tradi ções do Santo Império Ro ma no e o Papa, pro cu ran do esten der a mão aos ope - rári os, que afinal são a força, são o núme ro, são a justi ça e serão o poder de amanhã. O Papa e o Impera dor, com a compre en são supe rior que lhes dá a fé nos seus desti nos, estão vendo que novos tempos de reno - vação soci al se aproxi mam, e que é preci so, na imensa Basti lha em que a bur gue sia revo lu ci o ná ria encar ce rou o prole ta ri ado, rasgar uma jane la para o azul. A alian ça da Igreja e do Império, com a multi dão infe liz contra a burgue sia goza do ra que se diz repu bli ca na ou pelo menos de mocrá ti ca, é o grande fato do findar deste sécu lo. A Alema nha preo - cupa-se com a sorte dos operá ri os; Bismarck fez votar a céle bre lei garan - tindo a velhi ce e a inva li dez do traba lha dor; o soci a lis mo pene trou nas altas esfe ras do gover no inglês, e ele já existe de fato na grande de mo - cracia russa consa gra do em usos e insti tu i ções secu la res. Ainda há mui to por fazer, mas as grandes monar qui as deram o sinal, e este foi princi pal - mente o congres so euro peu que o Impera dor Gui lher me II forçou a se reu nir em Berlim para estu dar os mei os de melho rar a sorte dos prole tá - rios. O mo vi men to está inici a do; onde ele encon tra mais re sis tên cia é na França, balu ar te da burgue sia repu bli ca na, e nos paí ses lati nos que mais ou menos se inspi ram do espí ri to francês. A Igreja patro ci na o soci a li s mo cristão, e não o faz somen te por pala vras. Por um instin to admi rá vel, o prole ta ri a do inglês compre en deu que nada podia espe rar da sua Igreja ofici al, e, na grande crise de 1890, o seu arau to, o seu chefe, o juiz da sua cau sa, o seu pala di no, foi o velho carde al Manning, que recon cili ou patrões e operá ri os, fei to digno dos tempos herói cos da Igreja. Nos Estados Unidos e na Austrá lia há a alian ça táci ta da Igreja e do prole ta ri a - do. Vejam-se os esfor ços do carde al Gibbons e de Monse nhor Ireland, e admi re-se como o movi men to operá rio nos Estados Unidos ganhou em grande za com o influ xo da Igreja. A classe dos donos de cami nhos de ferro, dos mono polis tas e dos in dus tri a is que a fero ci da de do prote ci o nis mo enri que ceu em detri - mento do confor to e do bem-estar do pobre, armam-se, nos Estados Uni dos, de grandes recur sos para a bata lha supre ma que têm de travar, mais dia menos dia, com o povo ameri ca no. O gover no e os po lí ti cos de Washing ton são os repre sen tan tes dire ta men te inte res sados ou indi re ta - mente subsi di a dos que hão de procu rar por todos os mei os prote ger os

82

Eduar do Prado

ricos e os satis fe i tos contra os famin tos. Os finan cei ros e os mono po lis - tas ameri ca nos votam ódio à Euro pa, porque para lá se esco ou o ouro ameri ca no, e porque na Euro pa os gover nos estão dando o exemplo da defe sa das classes operá ri as. O defen sor desses mono po lis tas, mais co nheci dos, é o Sr. Andrew Carne gie, um esco cês prodi gi o samen te enri - que ci do nos Estados Unidos, e que, no fim da vida, figu ra em todas as ma ni fes ta ções anti e u ro péi as ou antes anti li be ra is que se dão nos Esta dos Unidos. O Sr. Carne gie é dono de umas fundi ções gigan tes cas e autor de uns livros em que exalta o capi ta lis mo, a feli cida de da rique za e a su pe ri o ri da de dos Estados Unidos, país que ele apresen ta como o pri - mei ro do mundo. O mais conhe ci do dos livros do Sr. Carne gie cha - ma-se Demo cra cia Triun fan te, livro rica men te impres so que na prime i ra pá - gina traz uma coroa real inver ti da e um cetro quebra do para indi car a vi- tória da demo cra cia. O livro é mal escri to, é inso len te e, para dar uma idéia do seu modo de argu men tar, dire mos apenas que, queren do provar a supe ri o ri da de artís ti ca dos Estados Unidos sobre a Euro pa, ele diz que as sa las de espe tá cu lo são mai o res em Denver e em Cincin na ti do que em Paris e Londres. No mais, o Sr. Carne gie entoa um hino entu si as ta à feli - cida de do povo ameri ca no, cuja existên cia, segun do o autor, é um idílio sem fim. O Sr. Carne gie fala do bem-estar do operá rio ameri ca no, da sua ca sinha riso nha à bei ra de campos sempre verdes e de águas mur mu- ran tes e, em raptos bíbli cos, quase que diz que os rios são de lei te e de mel. Ora, a ser isso verda de, que para í so não devia ser o esta be le ci - mento in dustri al do Sr. Carne gie, as céle bres fundi ções de Homes te ad? Pois bem! Em 1891 rompeu em Homes te ad uma greve terrí vel, provo ca - da, como depo is demons trou o inqué ri to ofici al, pela dure za do propri e - tá rio que, do infe liz operá rio, exigia um horrí vel máxi mo de traba lho a troco de um míni mo ridí cu lo de salá rio. Não parou aí o patri ar cal e idíl ico Sr. Carne gie. Nos Estados Unidos, a polí cia consen te que existam gran - des e pode ro sas agênci as que se encar re gam de fazer a polí cia por conta dos parti cu la res, e são mui tas vezes empre ga das em obras de vingan ça e de eviden te cri mi na li da de. A mais conhe ci da destas agênci as, a agência Pin ker ton, orga ni zou por conta de Carne gie um verda de i ro exérci to de dete - tives , arma dos de revól ve res e de cara bi nas, desti na dos a repri mir os ope - rári os revol ta dos, verda de i ros bravi como os da Itália medi eval ou antes capan gas, como diría mos no Brasil. Os Pinker tons entra ram em guerra

A Ilusão Americana 83

com os operá ri os, houve grandes tiro te i os, mui tas mortes, ataques por terra e por água, as sé di os, uma ver da de i ra guerra. A impren sa indig - nou-se e exigiu ex pli ca ções do gover no, de como dei xa va haver no seu terri tó rio uma ver da de i ra guerra sem inter vir a auto rida de, e verbe rou o escân da lo de se consen tir que um mili oná rio pudes se ter assim tropas or ga ni za das ao seu servi ço. Onde iria parar, pergun ta vam os jorna is, este abuso? Os Pinker tons foram algu mas vezes bati dos e noutras truci da - ram sem pie da de os operá ri os que ti nham a feli cida de de viver na livre Améri ca, tendo como patrão o intran si gen te re pu bli ca no Sr. Carne gie. Apesar do imenso escân da lo que produ ziu na opinião públi ca ameri ca na a carni fi ci na de Homes te ad, as tropas fede rais e do Estado respec ti vo manti ve ram-se inertes. Quan to a Carne gie, logo aos prime i ros sina is do tumul to, refu gi ou-se na velha, na tirâ ni ca Euro pa, porque, alvo do jus to ódio dos operá ri os e incur so nas leis pena is, a perma nên cia na tal Demo - cracia Triun fan te pode ria ser-lhe desa gra dá vel. Com o gover no e com os tri bu nais, Carne gie, na sua quali da de de mili o ná rio, mui to facil men te se ar ran ja ria. Não tinha sido ele o grande prote tor elei to ral do presi den te Harri son? Com os operá ri os, a coi sa era mais difí cil, e o apolo gis ta da demo cra cia pluto crá ti ca dei xou-se ficar tranqüi la men te na Euro pa. Este episó dio de Homes te ad nós o menci o na mos porque é tí- pico e cheio de reve la ções para o futu ro da Améri ca repu bli ca na. O po - der do mili o ná rio não encon tra nos Estados Unidos ne nhum corre ti vo eficaz nas leis ou na ação da auto ri da de públi ca. Tudo lhe é líci to, tudo lhe é possí vel. Isto entrou tanto na consciên cia naci o nal que os homens mais cultos do país, os seus es cri to res, os seus sábi os, os seus poe tas, os seus filan tro pos, evitam todo o conta to com a polí ti ca, por que sa bem que as posi ções polí ti cas são dadas a homens sub ser vi en tes, pelos mag - natas da finan ça. Noutros paí ses do conti nen te, os homens de valor des - denham ser polí ti cos, porque não querem ser títe res irres pon sá ve is nas mãos do mili ta ris mo. Em todo o caso o re sul ta do é o mesmo, porque, quer tenha de ser servi dor dos finan ce i ros, quer tenha de ser o instru - mento dos mili ta res, o ho mem públi co perde, com a sua digni da de, a sua inde pen dên cia. Eis aí a situ a ção do polí ti co na Améri ca. O mili o ná rio empre ga rá até agora a arma pode ro síssi ma da cor - rupção. O Sr. Carne gie foi um inova dor; com o dinhe i ro orga ni zou uma força e com ela bateu os que pertur ba vam a sua indús tria. Isto foi talvez

84

Eduar do Prado

um ensa io. Em pouco tempo, os mi li o ná ri os e bili o ná ri os ameri ca nos orga - niza rão exérci tos. Haven do dinhe i ro, há mei os para se defen der qualquer indi ví duo, e quem sabe se, no futu ro, não have rá nos Estados Unidos guer - ras indi vi du a is como as da idade média? A insti tu ição dos merce ná ri os pode dei xar de ser pri vi lé gio dos gover nos que, sentin do-se fracos no inte - rior, procu ram no es tran ge i ro braços para defen dê-los e cora gem e ambi - ções para susten tá-los. Em breve have rá merca dos francos de arma men tos e de in ven ções béli cas; alugar-se-ão, por meio de agênci as, capi tães valen tes, solda dos deci di dos, que re no va rão os fei tos das tropas merce nári as de Carta go ou dos suí ços e lansque ne tes da Renas cen ça. Quan to custa um ge neral? Por quanto um almi ran te? Alu gar-se-ão Temís to cles por mês, Nel sons por empre i ta da e Na po leões a tanto por dia, com comi da. Os gover nos que têm cha ma do merce ná ri os, tarde ou cedo ti veram de se ar re pen der. A leal da de do merce ná rio é nula, e o país que lhes cabe defen der é mui ta vez a sua prime ira víti ma. O estran ge iro chama do para, a qualquer títu lo, tomar parte nas lutas naci o na is, tor na-se, depo is da luta, uma ca la mi da de. O mes mo aconte ce rá talvez com o capi ta lis mo; os braços que ele tiver ar ma do contra o prole tari a do se vol tarão um dia contra ele. O imagi no so nove lis ta Edmund Bois gil bert, escre ven do no intu i to de adivi nhar o que vai ser a vida das gera ções fu turas, no seu roman ce Coe sar’s Column descre ve a grande luta arma da que os pensa do res vêem como inevi tá vel no porvir norte-ame ri cano. 62 Nesse livro, vê-se o capi tal onipo ten te domi nan do exérci tos e tudo ven - cendo à força do ouro, que põe ao seu servi ço todos os pro gres sos da ciência aplica da, todos os requin tes do gozo e todos os mei os ma te ri a is de destru ir e subju gar as multi dões. Há contra essa longa tira nia uma imensa revol ta; o capi tal defen de-se, a mortan da de é horrí vel e a soci e - dade ameri ca na rui com en tron do, numa catás trofe ab so lu ta. A imagi na - ção do lite ra to é grande, mas a inven ção do escri tor corres ponde a um secre to instin to de todos. Hoje, o indus tri a lis mo ainda tem algu mas es peran ças de se salvar e o povo não tem ainda a consciên cia níti da da sua força. As difi cul da des do presen te já são, portan to, bastan te graves para o capi ta lis mo, e a pluto cra cia ameri ca na procu ra, a todo o transe,

  • 62 Estas li nhas foram escri tas em fins de 1893. Em 1894 as es pan to sas pa re des de Chi ca go vi e ram dar ra zão ao au tor.

A Ilusão Americana

85

sair das suas difi cul da des e para isso volta-se para o estran ge iro. É para o estran ge i ro que os po lí ti cos norte-ame ri canos querem abrir uma vál - vula para o exces so da produ ção. Não é só o fim de lucro mo ne tá rio imedi a to que guia esses homens, é uma neces si da de abso lu ta de segu ran ça naci o nal. Fecha dos os merca dos estran ge i ros, como já expli ca mos, a produ ção ameri ca na terá de se retra ir, e, retra í da, cresce rá em enor me propor ção o núme ro de operá ri os desem pre ga dos, que aumen ta rão o já tão peri go so exérci to dos descon ten tes. Neste empe nho de salva ção públi ca, foi uma missão espe ci al de repre sen tan tes do Tesou ro ameri ca no à Euro pa soli citar dos gover nos euro pe us a adoção do bime ta lis mo para dar saí da à quanti da de de prata que tantos emba ra ços está crian do aos Estados Unidos. A Eu ropa, na confe rên cia de Bruxe las, recu sou atender ao pedi do. Foi no mes mo intu i to, de dar saí da a seus produ tos e de criar-lhes vanta gens espe ci a is nos merca dos estran ge i ros, que os Estados Unidos quise ram impor tra tados de reci pro ci da de comer ci al a todos os paí ses da Améri ca. Essa empre sa, de extor quir trata dos dos paí ses lati no-ame ri ca nos a troco de vanta gens ilusó ri as, este ve confi a da a Blai ne quando ele foi Secre tá rio de Estado pela segun da vez.

III

Qu an do o am bi ci o so esta dis ta voltou ao poder em 1889, com a elei ção do Pre si den te Harri son , voltou dispos to a tirar a sua desfor ra do descré di to em que caí ra em 1881, quando se desco briu a inde li ca de za dos seus proces sos e dos seus intu i tos na in ter ven ção na luta entre o Chile, o Peru e a Bolí via. Em 1884 ele ousa ra já ser candi dato à presi - dência da Repú bli ca, e isto bastou para um grande núme ro de votos, do seu próprio parti do, conver gir para o seu ad ver sá rio, o candi dato Cleve - land, que foi então elei to pela prime i ra vez. Em 1888, Blai ne não fora candi da to, mas empre ga ra toda a sua influên cia em favor de Harri son com a condi ção deste entre gar-lhe a Secre ta ria de Estado, de onde Blai ne , com o seu extra or di ná rio talen to, acharia facil mente o meio de diri gir todo o país. Assim foi. O regi me pre si den ci al leva a absur - dos dessa ordem; um ho mem repe li do po si ti va men te pelas urnas, pela vonta de expres sa do elei to ra do, basta que ele tenha por si a von - tade do presi den te para que esse ho mem tome conta do gover no e

86

Eduar do Prado

exerça-o sem haver meio al gum de fazê-lo sair enquan to durar o pre - siden te, a não ser por uma revo lu ção. Blai ne, pois, asse nho re ou-se da Secre ta ria de Estado. Em 1881, um dos pontos do grande plano de Blai ne fora a reu nião de um congres so pan-ameri ca no onde, sob a égide e a prote ção dos Estados Unidos, deve riam os repre sen tan tes de todos os paí ses da Améri ca discu tir assun tos de inte resse recí pro - co. As reve la ções con se qüen tes à frustra da inter venção no Pací fi co desa cre di ta ram comple ta men te os proje tos de Blai ne , e o prime iro ato do seu suces sor consis tiu em expe dir aviso às nações con vi da das para o congres so, dizen do-lhes que a grande reu nião dos repre sen - tantes de toda a Améri ca fica va inde fi ni da men te adia da.

Blai ne , voltan do ao poder em 1889, trazia um plano de dupla vingan ça: queria humi lhar o Chile e reu nir o Congres so. Conse guiu as duas coisas. Teve ocasião de lançar, como mostra mos, um ul ti ma tum ao gover no chile no, exigin do em prazo dado satis fa ções e inde ni za ções, e viu reu ni dos em congres so em Washing ton, deba i xo da sua pre si dên cia, os repre sen tan tes de todos os paí ses da Améri ca.

A prime i ra parte do congres so consis tiu em

ban que tes, pas -

sea tas, re cep ções e festas. Os envi a dos da Améri ca Lati na, pela lingua - gem da impren sa, pela atitu de geral do gover no, fica ram logo conven ci - dos de que só o inte res se dos Estados Unidos lucra ria com o que se pre ten dia deles no tal Congres so. O gover no ameri cano pôs em discus - são três pontos: 1º, a adoção do arbi tra men to obriga tó rio para a solu ção dos confli tos inter na ci o na is; 2º, a cele bra ção de trata dos com o gover no de Washing ton es ta be le cen do uma parci al ou total e recí pro ca isenção de dire i tos de impor ta ção entre o país contra tan te e os Estados Unidos; 3º (este apenas para encher tempo), o estu do de um cami nho de ferro dos Esta dos Unidos à Pata gô nia, ligan do entre si as repú bli cas ameri c anas.

A questão do arbi tra men to não ofere ceu grandes di fi cul da des. Em maté ria de promes sas, de trata dos e de compro missos inter na ci o na is, as repú bli cas da Améri ca não são di fí ce is. O Cor pus Diplo mati cum sul-ameri ca no, isto é, a cole ção dos seus trata dos, dos seus acordos e das suas conven ções, é enorme. Fazem-se, des fa zem-se, esque cem-se e vio lam-se trata dos com a mai or fa ci li da de. Qua se todas as repú bli cas concor da ram que, no futu ro, deci di ri am as suas questões por arbi tra - mento. Era um acordo platô ni co, de boni to efei to, que pare cia dar pra zer

A Ilusão Americana 87

a Blai ne e que, em suma, a nada obriga va. O gover no chile no, porém, foi mais corre to e since ro, e não assi nou a cláusu la do arbi tra men to. O Presi den te do Chile jus ti fi cou esta recu sa peran te o Congres so do seu país, pronun ci an do as seguin tes pala vras:

“Foi tam bém propos ta e acei ta por alguns repre sen tan tes do Congres so de Washing ton a arbi tra gem in ter na ci o nal na for ma mais compres si va e obriga tó ria. Não presta mos assen ti mento a este proje to, porque o Chile não neces si ta, para o exercí cio da sua sobe ra - nia no mundo ci vi li za do, de outra lei que não seja a lei geral das na - ções. Os povos, como o nosso, que vi vem do seu traba lho, e que cum prem fiel men te as suas obriga ções e compro missos inter na ci o na is, terão de recor rer a arbi tra gem nos casos es pe ci a is e concre tos em que assim o aconse lha rem a justi ça públi ca, a prudên cia e o respe i to recí pro co dos esta dos sobe ra nos; julgo, porém, que não nos será líci - to limi tar à arbi tra gem a ação das gera ções futu ras para fazer vingar o dire i to. Só a elas compe te apreci ar e resol ver sobre os mei os que a lei inter na ci o nal lhes facul ta para a defe sa do seu dire ito. A restri ção dos dire i tos do Estado por meio da adoção obriga tó ria de um proces so excep ci o nal, como é o da ar bi tra gem, não se coa du na com a liber da - de, que, em qualquer eventu a li da de, dese jo reser var aos pode res pú - blicos da minha pátria e aos meus conci da dãos. ” Esta é a lingua gem de um ver da de i ro ho mem de Estado, ex pli - cando uma reso lu ção das mais pa trió ti cas e base a da na mais ver da de i ra compre en são dos dire i tos e dos deve res inter na ci o na is. Salva dor, Gua te ma la, Hai ti e S. Domin gos assi naram a obri - gação de recor rer ao arbi tra men to, mas poucos meses depo is houve uma guerra mortí fe ra entre Salva dor e Gua te ma la e as tropas de S. Domin gos e Hai ti. Ó frater ni da de, ó leal da de ameri ca na e repu blica na! Na parte comer ci al, as repú bli cas hispa no-ame rica nas, embo ra assi nas - sem algu mas das conclu sões impos tas pelos Estados Unidos, não se apressa ram em conclu ir os trata dos que os Estados Unidos tanto ambi - cio na vam. O minis tro do Chile nos Estados Unidos, num banque te que lhe foi ofere ci do em Chica go, teve a franque za de decla rar que, em vista das exi gên ci as do gover no norte-ame ri ca no, o Chile tinha de conti nu ar a ter só em vista a Euro pa, e a traba lhar por estre itar cada vez mais as suas rela ções com o velho mundo.

88

Eduar do Prado

A re pú bli ca brasi le i ra, então ainda na prime i ra das suas diver - sas e suces si vas dita du ras, foi o prime i ro país que cedeu aos dese jos dos Estados Unidos, as si nan do o trata do de reci pro cida de comer ci al, que fi cará co nhe ci do na histó ria pelo nome de trata do Bla i ne–Sal va dor, por - que os seus signa tá ri os são aquele esta dis ta ameri ca no e o minis tro bra sile i ro em Washing ton, Sr. Salva dor de Mendon ça. Esse trata do foi moti vo para o Brasil ser preju di ca do sem a míni ma vanta gem, e deu ocasião a uma grande desle alda de por parte do gover no nor te-ame ri ca no. O que conce de ram os Estados Unidos ao Brasil por esse tra - tado? A isenção de dire i tos de impor ta ção sobre o café brasi le iro e so - bre alguns tipos de açúcar. Ora, o café já não paga va dire i tos nos Estados Unido s desde 1873. E por que naque la época supri mi ram os Estados Unidos aquele impos to? Não foi para obse qui ar o Brasil; foi porque assim convi nha aos inte res ses do povo ame ri ca no. A tari fa adu a ne i ra ameri ca na é prote ci o nis ta; as suas eleva das taxas não têm por fim aumen tar os rendi men tos do Tesou ro, mas simples men te pro - teger as indús tri as e as cultu ras naci o na is. Os Estados Unidos têm por força impor tar café, gêne ro que não produ zem. Um impos to sobre a en trada do café viria a reca ir, na verda de, sobre o consu mi dor ameri ca no. Grande produ tor de café, pelas condi ções geo grá fi cas e pelo seu mo - no pó lio dessa produ ção no ociden te, o Brasil tinha fatal mente de abas - tecer o merca do ame ri ca no. Não é uma verda de i ra burla querer fa - zer-nos acredi tar que a isenção de dire i tos sobre o café brasi le iro é um favor fei to ao Brasil? Se os Estados Unidos voltas sem de novo a impor dire i tos sobre o café, o Brasil nem por isso perde ria o merca do ameri - cano onde não te mos concor rên cia. Somen te o consu midor ameri ca no paga ria mais caro aquela bebi da que lhe é indis pen sá vel. Quan to ao açúcar, a isenção de dire i tos seria na rea li da de útil à indús tria açuca re ira do Brasil, se esta isenção fosse conce di da só ao produ to brasi lei ro. Ora, um trata do ante ri or e em vigor já dava livre entra da no terri tó rio ameri ca no aos açúca res do Havaí, mas, apesar disso, o Brasil lucra ria mui to se não tives se outro concor ren te senão aquelas ilhas, a gozar da livre entra da. Qu an do em feve re i ro de 1891 foi publi ca do no Brasil o texto do trata do Blai ne–Sal va dor, todo o mundo enten deu que só o Brasil se

A Ilusão Americana 89

bene fi ci a ria da isenção de dire i tos sobre o açúcar. Imedi a ta men te depo is, o Jornal do Comér cio anun ci ou, em tele gra ma de Madri, que o gover no ame- rica no fize ra abertu ras à corte de Espanha, soli ci tan do a cele bra ção de um tra ta do em virtu de do qual os açúca res de Cuba e de Porto Rico entra ri am nos Estados Unidos livres de dire i tos. Desa pa re cia assim para o Brasil a única vanta gem que se espe ra va do trata do. Postos os produ tos do Brasil em pé de igualda de com os das colô ni as es pa nho las, trata da a jo vem repú - blica de modo igual à velha monar quia que mantém em ferre nho jugo colo - nial uma parte riquís si ma da livre Améri ca, onde fica vam as vanta gens para o Brasil, onde esta va a frater nal prefe rên cia que a grande re pú bli ca devia também à outra repú bli ca, que, embo ra menor, é ainda grande? Como era possí vel que o gover no de Washing ton equipa ras se no trata men to fiscal a carun cho sa e anti pá ti ca mo nar quia da Euro pa decré pi ta com a viren te e frater nal novís si ma re pú bli ca da Améri ca do Sul? Não! Era im - possí vel. Assim pensou por certo o gover no da re pú bli ca brasi lei ra, que se apressou em desmen tir o jornal no Diário Ofici al, dizen do que era falso que se esti ves se tratan do de um convê nio comer ci al qualquer entre os Estados Unidos e a Espanha. O minis tro do Brasil em Washing ton, quando aconse lha va para o Rio o trata do comer ci al com os Estados Uni dos, afirma va que os Estados Unidos não dari am livre entra da aos açúca res de ne nhum outro país. Essa era a promes sa que lhe tinha fei to o gover no de Washing ton, e só a confi ança nessa promes sa é que fazia com que o gover no no Rio fosse tão afirma ti vo. O Jornal do Comér cio in sistiu, deu es cla re ci men tos, anunci ou que o Sr. Foster ia à Espanha tratar – tudo foi em vão. O gover no mante ve a sua nega ti va. Sema nas dep ois era assi na do o trata do! Os açúca res de Porto Rico e de Cuba tinham livre entra da nos Estados Unidos, e desa pa re cia assim a única vanta gem que ao Brasil pode ria trazer o trata do Bla i ne–Sal va dor. E não parou aí o gover no de Washing ton; fez logo outros trata dos com a Améri ca Cen - tral, com a Alema nha e com a Holan da. A Vene zue la tam bém fez um trata do, mas o Congres so vene zu e la no reje itou-o.

O Gover no brasi le i ro foi assim ludi bri a do pela esper te za ameri ca na. Em troca de um favor fictí cio e ilusó rio, em segui da a uma nego ci a ção em que a má-fé norte-ame ri ca na tornou-se eviden te, o Brasil conce deu isenção de dire i tos às fari nhas de trigo dos Estados Unidos, deu igual isenção a vári os outros arti gos ameri ca nos, e para todos os ou -

90

Eduar do Prado

tros intro du ziu uma redu ção de 25 por cento nas tari fas da alfân de ga. Esta conces são trouxe con si de rá vel preju í zo para a renda do Tesou ro, 63 que já não atraves sa va época para tanta gene rosi dade. E mais do que isto, ela cau sou dano mui to grande às indús tri as já esta be le ci das no Bra - sil e em via de prospe ri da de. Há uma vanta gem mui to grande para os paí ses im porta do res de pão em transpor tar de prefe rên cia o trigo para re du zi-lo a fari nha nos merca dos ou próxi mo dos merca dos consu mi do - res. O con su mi dor bene fi cia dupla men te por esta forma, já porque o frete é mui to menor (pois num volu me redu zi do se transpor ta mai or quanti da de de substân cia alimen tá ria), já porque a quali da de é supe ri or, pois o transpor te por mar e o tempo facil men te alte ram a fari nha que até corre o risco de grande avaria, risco que, junto ao mai or frete, é tudo compu ta do pelo vende dor em detri men to do consu mi dor. Havia no Brasil mui tos moi nhos de moer trigo em que esta vam empre gados capi ta is impor tan tes e grande núme ro de traba lha do res. Estas empre sas fica ram arru i na das, os traba lha do res sem traba lho e o con su mi dor lesa do, desde que as fari nhas ameri ca nas, pelo trata do, foram ad mi ti das livres de dire i tos. Não há quem tenha es que ci do os impor tan tís si mos depo i - mentos em que a grande mai o ria dos nego ci an tes, dos indus tri a is e dos finan ce i ros do Brasil, em cartas escri tas ao Jornal do Comér cio , se mani fes - taram, em quase una ni mi da de, contra o desas tro so trata do.

Estas ma ni fes ta ções e estas quei xas de nada vale ram. Manda va quem podia, e o mal esta va fei to, sofres se embo ra o povo brasi le iro, ge messem embo ra as nossas indús tri as.

Eis aí mais um bene fí cio que re ce be mos dos Estados Unidos. 64

  • 63 A Co mis são do Orça men to da Câ ma ra dos De pu ta dos do Bra sil, em 1894, ava liou o pre ju í zo do te sou ro em 3:000 por tri mes tre, se jam 12:000 con tos de réis por ano. Ora, o tra ta do durou quatro anos, dan do as sim ao Brasil um pre ju í zo de 48:000 con tos de réis!

  • 64 As úl ti mas ele i ções ame ri ca nas foram con trá ri as à poli ti ca ul tra pro te ci o nis ta e de re ci pro ci da de. Com quebra da fé in ter na ci o nal que es ti pu la va um pra zo de três me ses de avi so à ou tra par te con tra tan te, para a ces sa ção do tra ta do, os Estados Unidos res ta be le ceram os an ti gos di re i tos, dan do gran de pre ju í zo aos pro du to res de açúcar do nor te do Brasil e ao co mér cio bra si le i ro, que con ta va com os três me ses de avi so. No mo men to em que es cre ve mos, a Ale ma nha re cla ma ener gi ca- men te con tra fato idên ti co, em re la ção aos seus pro du tos. O go ver no do Brasil denun ci ou o tra ta do Bla i ne-Sal va dor, e de ja ne i ro de 1895 em di an te os pro du tos ame ri ca nos pa gam os mes mos di re i tos adu a ne i ros que os de ou tras na ções.

A Ilusão Americana

91

IV

Seria um erro colos sal acredi tar que nos Estados Unidos há simpa ti as pela Améri ca do Sul, Brasil e espe ci al mente pela for ma de go verno que lhe foi aplica da há quatro anos.

Por mil modos se reve la o despre zo ameri cano pelos irmãos do sul do conti nen te. Em frente ao ca pi tó lio de Was hing ton há uma es tátua do funda dor da inde pen dên cia ameri ca na. O escul tor Gree - nough fez-lhe uns bai xos rele vos simbó li cos tira dos da histó ria de Hér - cules. Hércu les e seu ir mão Iphicles , in fan tes, repou sa vam no mes mo berço e foram assal ta dos por duas ser pen tes. Iphicles , simples mortal, fi lho de Anfitrião e de Alcmene , rompeu em clamo res; Hércu les, fruto do adul tério olímpi co de Alcmene e de Jove, com as mãos estran gu lou as serpen tes, mostran do assim a sua ori gem divi na. Esta é a cena que o es cultor pôs no pedes tal da está tua de Washing ton. O que quis o artis ta sim bo li zar? Os guias descri ti vos das grande zas da cida de de Washing ton escla re cem o pen sa men to do esta tuá rio. Depo is de nos indi ca rem minu - cio sa men te (como con vém a uma críti ca de arte à moda ameri ca na) o preço da está tua, o seu volu me, o seu peso, a quali da de do mármo re, as peri pé ci as do seu transpor te desde Floren ça até às margens do Poto mac , dizem-nos final men te os guias que os dois meni nos de mármo re, os dois gême os da fábu la, repre sen tam a Améri ca do Sul e a Améri ca do Norte. Aquela é a cobar dia, a fraque za de Iphicles , e esta é a majes ta de divi na de Hércu les. 65

Nos Estados Unidos, a pala vra Améri ca signi fi ca a parte do novo conti nen te que obede ce ao gover no de Washing ton. Respe i tam os ameri ca nos a sobe ra nia da Inglater ra no Cana dá e, por todas as outras nações, há, nos bené vo los, numa grande indi fe rença e nos outros, um senti men to de acentu a da su pe ri o ri da de que é fei to de amor-próprio e de despre zo pelos sul-ameri ca nos. Basta dizer que, entre os norte-ame ri - canos, é moti vo de chaco ta haver paí ses como o Méxi co, Vene zu e la, Co lôm bia e um outro que conhe ce mos, que têm a petu lân cia de se

inti tu lar Esta dos Unidos

Isto pare ce-lhes de um cômi co irre sis tí vel.

... Qu ando se fala desses United States , há nos lábi os ame ri ca nos o mes mo

92

Eduar do Prado

sorri so que teria o duque de Welling ton, ouvin do nome ar um dos pre si den tes do Hai ti, o gene ral Salo mon, que se inti tu la va duque de

Cri que-Mouil lée.

O Impera dor D. Pedro II tinha grande prestí gio nos Estados Unidos. O seu amor à liber da de, o seu espí ri to aberto a todas as novi da des do sécu lo, a sua ati vi da de, a singe le za da sua pessoa, impres si o na ram sempre os ameri ca nos, que de um rei só fazi am a idéia de um ho mem rode a do de faus to, de um defen sor do passa do contra o espí ri to inova dor. Os discur sos pronun ci a dos no Sena do ameri ca no, quando se discu tiu o reco nhe ci men to da Re pú bli ca brasi le i ra, consis ti ram, quase que exclu si - vamen te, não no elogio dos vence do res, mas na exalta ção das virtu des do grande venci do. O gover no ameri ca no foi o últi mo, de todos os gover - nos do novo conti nen te, que reco nhe ceu a Repú bli ca no Brasil, e se ins - pirou, decer to, para essa demo ra, na frie za, na quase hosti li da de, com que a impren sa rece beu a revo lu ção. Ainda há bem pouco tempo, o cor - res pon den te do País, em Nova Iorque, reme mo ra va estes fatos, insis tin- do na pouca simpa tia que os ame ri ca nos mani fes ta vam pela nova or dem de cousas no Brasil. Basta lembrar o que disse ram os jorna is ame ri ca nos quando, em 1890, chegou a Nova Iorque uma es qua dri lha brasi le i ra que, segun do dizi am os jorna is do Rio, ia parti ci par ao gover no ameri cano a procla ma ção da Repú bli ca e apresen tar os cumpri mentos do novo gov erno ao presi den te dos Estados Unidos.

Com a preci pi ta ção com que foi orga ni za da a esqua dri lha, es quece ram-se no Rio de que os navi os iam chegar a Nova Iorque em pleno inver no. O frio em 1890–91 foi inten sís si mo, e os pobres mari - nhei ros, vesti dos lige i ra men te, sofre ram imenso. O gover no ameri cano forne ceu-lhes roupas grossas e cober tas. Era de ver como os jorna is de Nova Iorque noti ci a vam estes fatos. Uns, descre vi am os negros brasi - lei ros choran do de frio, escon di dos no porão, os navi os abando na - dos, o convés não varri do, os ofici a is com frie iras nos pés, enfim, um destro ço comple to. Tudo isto acompa nha do de ditos pican tes e de uma insis tên cia enor me nos favo res com que o gover no ameri ca no esta va acu dindo à misé ria e à desgra ça daque les maltra pi lhos. No mes - mo ano, veio uma esqua dra ameri ca na ao Rio, dizen do-se que vinha ex pressa men te cumpri men tar o gover no. O gene ra lís si mo Deo do ro convi - dou-os para um bai le; o coman dan te da esqua dra pediu-lhe que apres -

A Ilusão Americana

93

sasse o bai le, e, como houves se algu ma demo ra, a esqua dra partiu sem sequer espe rar pelo tal bai le.

Dois anos depo is, uma outra esqua dra brasi le i ra vai a Nova Iorque a pretex to da ex po si ção de Chica go e do cente ná rio de Colom - bo. Os ofici a is brasi le i ros fica ram vexa dos da lingua gem da impren sa a seu respe i to e da descon si de ra ção com que foram trata dos. Sempre co - loca dos em últi mo lugar, sempre prete ri dos em todas as atenções, o seu des gos to, se não faltou à verda de o corres pon den te do País, foi mui to grande e não se ocultou.

Qu an do houve o convi te à ofici a li da de para ir a Chica go, os ofici a is brasi le i ros todos recu sa ram, decla ran do a um repre sen tan te da impren sa que o fazi am por se acharem jus ta men te melin drados. Não lhes foi dada satis fa ção algu ma, e, de volta ao Brasil, vie ram decer to mui to pouco incli na dos a acredi tar ainda na pilhé ria da frater nida de ameri ca na.

O minis tro do Brasil em Washing ton, o Sr. Salva dor de Men donça, tem expe ri men ta do, mui tas vezes, à sua própria custa, que, nos Estados Unidos, a sua enti da de de minis tro dos Estados Unidos do Brasil não mere ce ne nhum respe i to por parte da impren sa. S. Exª tem tido na sua carre i ra inci den tes desa gra dá ve is, que a impren sa ameri ca na há longa e mali ci o sa men te glosa do, sem ter em vista que S. Exª, na sua qua li da de de re pu bli ca no intran si gen te, histó ri co e tudo o mais, e pelo seu títu lo de minis tro de uma repú bli ca, devia ser trata do com mais res - pei to. O Senhor minis tro é amador de belas artes; tinha uma gale ria de quadros to dos assi na dos pelos mai o res pinto res anti gos e moder nos. Era uma gale ria que valia mui tos milhões; S. Exª mandou-a para Paris para ser vendi da em lei lão. Os peri tos pari si en ses, encar re ga dos da ava lia ção, de clara ram que os quadros eram todos falsos; S. Exª, em tele - grama para Paris, disse que esta va de boa fé e que tinha sido enga na do. Reti rou os quadros, e, mais tarde, ofere ceu alguns deles à Acade mia de Belas-Artes do Rio de Jane i ro, que co meu por lebres pri mo ro sas todos aqueles gatos a óleo, 66 pois esta anedo ta, que é apenas um pouco cômi ca para o nosso minis tro, e que só prova que S. Exª não enten de de pintu ra,

  • 66 To das as par ti cu la ri da des des te in ci den te acham-se na obra de Paul Eu del, L’Hotel Drou ot em 1885. Pa ris, 1886, pág. 145.

94

Eduar do Prado

e que foi rouba do, compran do por enor me soma aquela gale ria, foi de - canta da nos jorna is de Nova Iorque, e o repre sen tan te do Brasil cober to de ridí cu lo. Outro fato: O Sr. Salva dor de Mendon ça foi encar re ga do pelo gover no de com prar uma grande quanti da de de prata nos Esta - dos Unidos. Os minis tros da Fazen da do Brasil têm todos, depo is disso, preten di do que as contas não estão certas, que falta prata ou que falta di - nhei ro, confor me se tem visto pelas cor res pon dên ci as ofici a is publi ca - das. Que tem a impren sa ameri ca na com esta questão inte i ra mente brasi - lei ra? É um ponto que deve ser venti la do entre dois altos funci o ná ri os da Re pú bli ca brasi le i ra, entre o minis tro da Fazen da e o minis tro diplo má ti - co. Assim não têm pensa do, porém, os jorna is ameri ca nos e vári as vezes têm volta do a esta desa gra dá vel histó ria da prata, publi can do arti gos depri - mentes para o repre sen tan te do Brasil. Sem dúvi da que o gover no de Washing ton não pode prote ger o repre sen tan te da Repú bli ca irmã con - tra a impren sa, porque esta é livre. Mas a má vonta de é eviden te em toda a soci e da de ame ri ca na. O repre sen tan te repu bli ca no do Brasil pare ce sentir isto, porque, seguin do o exemplo de diplo ma tas de outros paí ses que já foram pesso al men te agredi dos pela impren sa, S. Exª podia, dei xan do de lado as suas imuni da des, chamar os seus detra to res aos tri buna is. S. Exª tem com certe za confi an ça na justi ça da sua cau sa, e se não lançou ainda mão deste recur so é porque não acredi ta mui to na justi ça ameri ca na quando esta tem de deci dir entre um compa tri o ta e um sul-ameri ca no. O gover no norte-ame ri ca no, ainda há pouco, deu uma nova prova da pouca consi de ra ção que lhe mere ce a Re pú bli ca brasi lei ra. O go ver no de Washing ton elevou à cate go ria de emba i xado res o seu mi nistro em Paris e os seus repre sen tan tes junto às cortes de Londres, Ber lim, Vie na, Roma, Madri e S. Pe ters bur go. Ora, o Brasil é a segun da nação da Améri ca, por todos os títu los; há a consi de ra ção im por tan tís si ma de que, pelo ist mo do Pana má, te mos a honra de estar presos ao mes mo conti nen te ocupa do pelos Estados Unidos; temos, como eles, presi den - tes, minis tros irres pon sá ve is, etc. Sendo assim, está claro que o Brasil mere ce mui to mais dos Estados Unidos do que as carun cho sas e decré - pitas monar qui as euro péi as. Não obstan te tudo isto, o gover no de Washing ton conser va no Rio um qualquer repre sen tan te diplo máti co de segunda cate go ria, não dando ao Brasil a confi ança de tratar o seu go verno com a con si de ra ção com que trata o gover no espa nhol ou o

A Ilusão Americana

95

gover no austría co. É mister confes sar que Washing ton usa para com o Brasil de frater ni da de em dose mui to mode ra da. Desde que fala mos em impren sa, deve mos falar de outro modo, pelo qual tam bém se mani fes ta sempre, pela mane i ra que te mos visto, a amiza de dos nor te-ame ri ca nos pelo Brasil. Fala mos da notí cia alarman te falsa ou verda de i ra. Nem tudo são rosas na vida do corpo diplo máti co sul-ameri - cano. Repre sen tan tes do gene ral A, nome a dos pelo gene ral B, estão prontos a servir o gene ral C. Um belo dia chega um tele gra ma: “O ge neral C atacou o gene ral A.” O que dirá o pobre diplo ma ta aos repór te res que o assal tam e pergun tam quem tem razão, coi sa já grave, e, coi sa ain da mais grave, quem vence rá? É difi cí li ma a respos ta. Alguns há que se ar riscam; se acertam, mui to bem. Mas, se se enga nam, estão perdi dos, porque o vence dor demi te-os sem pie da de. Os esper tos calam-se. A re porta gem, porém, é feroz; a repor ta gem ganha por linha de notí cia forne ci da; e um re pór ter, quando não tem essa notí cia, inven ta-a. Mui ta vez há ingê nu os que enxer gam profun dos maqui ave lis mos, intri gas habi - líssi mas e pérfi dos intu i tos de parti dá ri os ou conspi ra do res miste ri o sos numa notí cia que foi ar ran ja da num pobre quinto andar, numa água fur tada de um repór ter qual quer, que forjou essa notí cia para equili brar o seu orça men to da sema na. Há, porém, outro gêne ro de notí cia falsa que deve cair, e cai dentro da ação dos tribu na is. É a notí cia falsa, com fins de espe cu la ção, para a qual há pena li da de nas legis lações de certos paí ses. Ora, estas notí ci as falsas para fazer subir ou descer o café nos merca dos, para fazer subir a cota ção dos títu los brasi le i ros, nem sempre são notí ci as contrá ri as ao Gover no do Brasil. A es pe cu la ção é de uma im par ci a li da de prova da; às vezes anuncia os mais lison je i ros aconte ci - mentos, outras vezes as catás tro fes as mais ter rí ve is. Em todo o caso Nova Iorque é que é o ponto de concen tra ção e de expe di ção destas no - tíci as. Os jorna is ameri ca nos têm gasto mui to dinhe iro para ter notí ci as do Brasil nas dife ren tes crises agudas e perió di cas da Repú bli ca; mas, em vez de rece be rem dire ta men te estas notí ci as, rece bem-nas via Bue nos Aires e Monte vi déu, onde as notí ci as são todas exa ge ra das e apimen ta das com a má vonta de dos nossos irmãos argen ti nos e urugua i os que são nossos inimi gos, apesar de nós ter mos segui do o seu exemplo adotan do a for ma de gover no da Argenti na e do Uruguai. Os Estados Unidos são,

96

Eduar do Prado

para o resto do mundo, o veí cu lo transmis sor da bílis argen ti na contra o Brasil; são os corres pon den tes de jorna is ameri ca nos que atacam o Bra sil; são as agênci as tele grá fi cas ameri ca nas que envi am, para todos os pon tos do globo, as notí ci as depri men tes do Brasil, notí ci as mui tas vezes falsas, por vezes exage ra das, e, ai de nós! às vezes tam bém verda de i ras. E o que é curi o so é que os jorna is da Euro pa, que rece bem dos Estados Unidos essas notí ci as, que transcre vem-nas, é que passam por difa ma do res do Brasil. Se os jorna is ameri ca nos são inso lentes para com o Brasil, o que pode veri fi car facil men te toda a gente, o mundo comer ci al dos Estados Unidos tam bém nos é adver so. Nunca dos Estados Unidos veio o míni mo auxí lio para as nossas in dús tri as, para a nossa lavou ra ou para a nossa via ção férrea. Há perto de quatro cen tos mil contos de réis da Inglater ra empre gados no Brasil, quer em emprés ti mos ao Gover no, quer em cami nhos de ferro e outras indús tri as. O Brasil era pobre quando inici ou a sua existên cia, era despo vo a do, tinha às portas inimi gos ame a ça do res, tinha proble mas in - ternos gravís si mos – e a Inglater ra teve confi an ça no Brasil, a Inglater ra nos confi ou os seus capi ta is, mes mo em épocas críti cas. E o povo inglês é tão supe ri or que, em 1865 estan do o Brasil de rela ções rotas com a Inglater ra, por moti vo de questão Christie 67 (questão de que a digni da de do Brasil saiu ilesa), conse guiu levan tar em Londres um emprés ti mo, na ocasião em que iniciá va mos uma guerra terrí vel. E os capi ta is ingle ses não corri am peque no risco; aventu ra vam-se a todas as emergên ci as da guerra com o Para guai, e aos possí ve is e mes mo prová ve is desas tres da aboli ção. E em quantas empre sas estes ca pi ta is, em ações ou em obriga - ções, não estão por assim dizer enter ra dos? Se se aponta a S. Pau lo Rail - way como empre sa até há pouco tempo remu ne ra dora, e a Rio Claro Rail way, em todas as outras estra das fei tas com capi tal inglês os acio nis tas não rece bem di vi den dos, ou rece bem-nos míni mos. E que enor me capi tal não há empre ga do na Alago as Rail way, Bahia e São Francis co, ramal do

  • 67 Como se sabe a ques tão foi su je i ta ao ju í zo ar bi tral do Rei dos Bel gas, que deu ra zão ao Bra sil. Qu a se toda a im pren sa in gle sa foi a nos so fa vor. Na câ ma ra dos co muns luta ram por nós ora do res ilus tres como John Bright, Cob den, Lor de Ce cil (hoje Lor de Sa lis bury) e mu i tos ou tros. O mi nis tro Chris tie apre sen tou-se can di da to à Câma ra dos Co muns por Oxford, de cla ran do que a sua ele i ção se ria con si de ra da a apro va ção do seu pro ce di men to no Bra sil. Oxford der ro tou-o. Encon tra ría mos por ven tu ra nos Estados Unidos tan to amor à jus ti ça?

A Ilusão Americana 97

Timbó, Brasil Great Southern, Imperi al Bahia Company, Natal e Nova Cruz, Campos e Caran go la, Conde d’Eu, Cara velas Navi ga ti on Com - pany, Dona Tere za Cristi na, Leo pol di na, Macaé e Campos, Porto Alegre e Nova Hambur go, Reci fe São Francis co, Norte do Rio, Southern Brazi - lian, Bahia Central Sugar C.º, North Brazi lian Sugar Facto ri es, Rio de Ja - nei ro Flour Mills C.º, Gaz da Bahia, Gaz do Pará, do Cea rá, Gaz do Rio (capi ta is belgas), Águas de Pernam bu co, etc.? Todas estas empre sas, que enume ra mos, repre sen tam milhões de libras ester linas que nada, ou qua - se nada, ren dem aos capi ta lis tas. Entretan to estes capi ta is aí estão fruti fi - cando para o Brasil, manten do a faci lida de de transpor te em regiões que dela se aprov ei tam, e dando luz e água às popu la ções. E as empre sas que dão algu ma remu ne ra ção, de quantos bene fí ci os não enchem o Brasil? E que enor me preju í zo já não têm dado aos capi ta lis tas euro pe us as nossas desgra ças? Confi a dos num longo passa do de tranqüi li da de, os capi talis tas euro pe us ti nham os títu los brasi le i ros no mes mo apreço que os das pri - mei ras nações do mundo. O 4% brasi le i ro esta va a 90 a 14 de novem bro de 1889; hoje vale 54. 68 Os capi ta lis tas confi a ram em nossa estre la; esta - vam ao nosso lado nos dias próspe ros, per dem hoje conos co nos dias maus. E, se al gum capi ta lis ta euro peu se quei xa, não so mos nós, os de -

vedo res, que deve mos protes tar. As nossas desgra ças não pro vêm de ca - usas físi cas; se esti vés se mos arru i na dos por algu mas cau sas na tu ra is, se o café tives se tido uma molés tia destru i do ra, como Hemi le ia vas ta trix de Cei lão e de Java, se terre mo tos, secas ou inunda ções nos tives sem re- duzi do ao ponto em que esta mos, então a quei xa seria insen sa ta. Mas,

não

tudo cami nha, na parte que compe te à Provi dência ou ao acaso,

... admi ra vel men te; agora, na parte que cabe aos homens, sabe mos todos o que têm tido. Dizem, porém, que há por aí uma coi sa que preci sa se conso li dar e que, para essa con so li da ção se dar, é preci so que todos os brasi le i ros so fram. As víti mas têm o seu bom-senso e elas já di zem ou pensam: se é preci so sofrer mos tanto, é melhor que a tal coi sa não se conso li de! Esta opinião é fatal men te a de todo o ho mem isento da su - pers ti ção parti dá ria.

Voltan do aos ameri ca nos, deve mos per gun tar: De que auxí lio têm eles sido para o desen vol vi men to da prospe ri da de mate ri al do Bra -

98

Eduar do Prado

sil? Os capi ta is deles para cá não vêm, os seus braços para cá não emi - gram. As duas empre sas de nave ga ção que orga ni zaram acaba ram na fa - lência culpo sa e mes mo fra u du len ta, fugin do o ameri cano geren te de uma delas com o dinhe i ro dos acio nis tas brasi lei ros e com a subven ção que lhe pagou o gover no. Fala-se que os ame ri ca nos são nossos grandes fregue ses de café. Em prime i ro lugar, é absur do fazer-se deste fato moti vo para uma grati dão sen ti men tal. Os ame ri ca nos não compram café por amiza de, nem por filan tro pia. Compram porque querem bebê-lo, e, não o tendo em casa, procu ram-no onde encon tram, e o país produ tor que mais lhes convém é o Brasil. Mais, ainda em rela ção ao café, é força confes sar que a fei ção dos merca dos euro pe us é mais fa vo rá vel ao Brasil do que o merca do de Nova Iorque. Seja pelo que for, o moti vo, a tendên cia cons - tante dos merca dos euro pe us é para a alta, e em Nova Iorque é para a bai xa. Sem dúvi da, de um e de outro lado, o que deter mina esta atitu de é a es pecu la ção, mas é inegá vel que deve mos ter mais simpa tias por aqueles que, embo ra só por inte res se próprio, pro mo vem a valo ri za ção de um produ to brasi le i ro, valo ri za ção que redun da em prove i to do Brasil. Fala-se que a França impõe um pesa do dire i to de entra da sobre o café; mas quem paga esse dire i to é o próprio consu midor francês. Dema is o Havre, Antuér pia e Hambur go, têm, no seu papel de merca dos distri bu ido res, es - palha do pela Euro pa toda o nosso café e desen vol vi do mui to o seu comér - cio. Nova Iorque, porém, pesa sempre no merca do do mundo pelos seus grandes esfor ços para fazer cair o café; quando a lavou ra do Brasil este ve quase desa ni ma da pela bai xa do café, foi porque a espe cu lação de Nova Iorque esta va triun fan te! E hoje mesmo, afrou xem os merca dos euro pe us os seus esfor ços, e o fazen de i ro verá que os ameri ca nos envi le cem logo o seu produ to e se verá câmbio bai xo e café tam bém bai xo, o que não é impos sí vel, como mui ta gente crê.

*

*

*

Te mos visto o que os Estados Unidos têm sido para toda a Améri ca Lati na.

Insisti mos espe ci al men te no que têm sido para nós na diplo - macia e na or dem econô mi ca. Termi na re mos vendo qual a influên cia daque le país na or dem moral e inte lec tu al.

A Ilusão Americana 99

A influên cia dos Estados Unidos sobre o Brasil fez-se sentir em nossa grande questão soci al – a es cra vi dão. Não tería mos conser va do por tanto tempo aquela insti tu i ção iníqua, se a mai or nação da Améri ca não tives se tenta do legi ti má-la, e se, da parte escra vo cra ta dos Estados Unidos, não nos vies se o incen tivo, se não chegas se até nós a notí cia do que se dizia e do que se fazia nos Estados Unidos para defen der a es cra vi dão. A corrup ção polí ti ca e admi nis tra ti va é a própria essên cia do funci o na men to do gover no ameri ca no. Os Estados Unidos são o país mais rico do mundo; rico pelas opulên ci as na tu ra is, pela sua enor me ex - tensão, pela ferti li da de do solo, pelos seus portos, suas baías, seus lagos, seus grandes rios nave gá ve is, suas minas incom pa rá ve is. Povo a do um solo destes pela raça saxô nia, como pode ria dei xar este país de ser uma nação forte e pode ro sa? O solo mais rico do mundo, habi ta do pela raça mais enérgi ca da espé cie huma na – eis o que são os Estados Unidos. Aquele país é grande, mas não é por cau sa de seu gover no. Ao amor-próprio de outras nações pobres ou, por outra, menos ricas em van ta gens natu ra is do que os Estados Unidos e habi tadas por indi ví du os de raças menos enérgi cas – repug na o confes sar esta infe ri o ri da de. Insensi vel men te, a gente é leva da a não reco nhe cer as alhei as supe ri o ri - dades ou atribuí-las a cau sas pouco desa gra dá ve is para a nossa vai da de. Não há desar al gum em dizer mos que há povos gover na dos com mais acerto do que nós – mas, quanto a confes sar mos que esses povos o que são é melho res do que nós, quanto a dizer mos que a terra deles é mais rica do que a nossa –, a isso é que nunca nos have mos de resig nar. Por essa razão, é expli cá vel que alguns brasi le i ros, de espí ri to simplis ta, quei - ram por força ver, nas vanta gens que nos le vam os Estados Unidos em prospe ri da de, um efei to, não de cau sas natu ra is e irre me diá ve is, mas uma resul tan te da dife ren ça dos gover nos. O solo não se pode trocar, a raça não se pode subs ti tu ir, mas, em todo o tempo, é possí vel mudar o gover no. Não poden do dar-nos o solo dos Estados Unidos, nem as qua - lida des éticas do seu povo, houve quem quises se dar-nos ao menos o seu gover no, isto é, o que de menos inve já vel tem a grande nação. E a esco la fatal dos imita do res de insti tu i ções não atende ao contra-sen so do seu siste ma, nem aos funes tos resul ta dos que produ zem as leis trans plan ta das arbi tra ri a men te de um país para outro. Quan do os

100

Eduar do Prado

roma nos ainda rudes conquis ta ram a culta Grande Grécia, Valé rio Messa - la trouxe de Catâ nia um reló gio solar que mandou colo car no Fórum, junto aos Rostros. Não atendeu Valé rio Messa la nem à dife ren ça de longi - tude nem à orien ta ção do gnomo, e dispô-lo ao acaso. Só um sécu lo mais tarde é que se desco briu em Roma que o reló gio solar marca va a hora com grande erro de tempo, e só então é que foi substi tu í do. O reló gio que dava o tempo certo em Catâ nia erra va em Roma. 69 Assim as insti tu i - ções po dem dar certo nos seus paí ses de origem, e trazer a confu são e a desor dem nos paí ses para onde ar bi tra ri a men te as transmu dam. No Brasil aconte ceu o mes mo com a idéia funes tís si ma de co piar os Estados Unidos nas suas leis polí ti cas. Co pi e mos, co pi e mos, pensa ram os insen sa tos, copi e mos e sere mos grandes! Deve ría mos antes dizer: Seja mos nós mesmos, seja mos o que somos, e só assim sere mos algu ma coi sa. Ima gi ne-se um indi ví duo qualquer que, ad mi ran do uma tela de Velás quez, dese je pintar como ele. De que servi rá ter a tela, os pincéis, a palhe ta e as tintas perfe i ta men te iguais, em maté ria-pri ma, ta ma nho e dosa gem às do pintor espa nhol? Debal de arran ja rá as tintas e esforçar-se-á para pintar como Velás quez. Terá tudo quanto tinha Velás - quez, menos o gênio, e, mes mo tendo gênio, terá outro gênio e não o gê nio de Velás quez. Assim, os paí ses sul-ameri ca nos querem ser ricos e próspe ros como os Estados Unidos, e pensam que conse guirão isto

co pian do arti gos da Consti tu i ção nor te-ame ri ca na. E como é mui to da natu re za huma na imitar mais facil men te os víci os do que as virtu des, a imita ção das práti cas corrup tas da admi nis tra ção ameri ca na é cousa mui to natu ral. “Nos Estados Unidos, rouba-se mui to”, pensa o empre ga do pú blico sul-ameri ca no, “e, apesar disso são um grande país; ora, porque também não será grande o meu país, apesar de eu roubar e dos meus co le gas rouba rem?” Este raci o cí nio apresen ta-se força damen te à fragi li -

dade do funci o ná rio, a tenta ção for ta le ce-se e

o resto te mos visto. Não

... há salte io à propri e da de que não encon tre escu sa no fato de ser esse sal teio mui to co mum nos Estados Unidos. Essa é a influên cia dele téria que os Estados Unidos exer cem na Améri ca. Os víci os dos grandes cor rom pem os peque nos, e o mau exemplo dos pode ro sos é a perdi ção dos humil des.

A Ilusão Americana

101

A ci vi li za ção norte-ame ri ca na pode des lum brar as natu re zas infe ri o res que não passam da concep ção mate ri a lís ti ca da vida. A civi li - zação não se mede pelo aper fe i ço a men to ma te ri al, mas sim pela eleva - ção moral.O verda de i ro termô me tro da ci vi li za ção de um povo é o res - pei to que ele tem pela vida huma na e pela liber da de. Ora, os ame ri ca nos têm pouco respe i to pela vida huma na. Não respe i tam a vida de outrem e nem a própria. Herbert Spencer dizia aos ameri ca nos que eles co me tem um erro funda men tal no progra ma da vida, gastan do-a com a febre, em que mutu a mente se exaltam, e que dá lugar ao depe re ci men to preco ce do animal ho mem, pela apari ção das mais medo nhas e freqüen tes formas de nevro se. A vida de outrem é cousa de pouca consi de ra ção nos Estados Unidos. Os tribu na is regu la - res matam juri di ca men te com freqüên cia, os assas si natos cri mi no sos são vul ga rís si mos e os lincha men tos cres cem em núme ro todos os dias. Tudo isto são formas acentu a das de despre zo pela vida huma na. O lin - chamen to é o as sas si na to cole ti vo, e o fato da víti ma ser, às vezes, crimi - nosa, em nada dimi nui, já pelos requin tes freqüen tes de fe ro ci da de, já pela irres pon sa bi li da de do ajun ta men to que resol ve e execu ta a preten - dida senten ça. No Brasil, há uma peque na colô nia ameri ca na; a parte dela esta be le ci da na zona cafe e i ra do sul veio, quase toda, ao findar a guerra de seces são e era compos ta de sulis tas que, priva dos de ter escra - vos na sua pátria, emigra vam para o país onde ainda lhes era permi ti do esse prazer. A popu la ção brasi le i ra viu chegar esses novos hóspe des, e viu os que se insta la ram na agricul tu ra exce derem em fero ci da de aos mais ru des e perver sos atormen ta do res de escra vos. Os ame ri ca nos intro du - ziam novas formas de tormen tos e novos apare lhos de suplí cio. Como os in gleses transpor tam-se aos confins do mundo levan do as suas pás de cric ket e as suas redes de lawn-tennis e conser vam o amor dos exercí ci os físi cos, que é a força da sua raça, os ameri ca nos trazi am, para usar nos escra vos, azorra gues aperfe i ço a dos e alge mas patent , e trata ram logo de propa gar o lincha men to. Nos vári os casos de lincha men tos de que te mos notí cia, há sempre um ameri ca no ins ti ga dor e co-parti ci pan te. Esses ca sos têm sido raros até e circuns cri tos à zona de São Pau lo onde há ameri ca nos. O exemplo é, porém, funes tís si mo, o contá gio, rápi do, tanto mais quan to a impu ni da de é certa.

102

Eduar do Prado

O espí ri to ameri ca no é um espí ri to de vio lên cia; o espí ri to la tino, transmi ti do aos brasi le i ros, mais ou menos detur pa do através dos sécu los e dos amálga mas diver sos do iberis mo, é um espí ri to jurí di co que vai, é verda de, à pulhi ce do ba cha re lis mo, mas conser va sempre um certo respe i to pela vida huma na e pela liber da de. O rábu la de alde ia é, sem dúvi da, um ente infe ri or, mas, em todo o caso, é supe ri or como uni da de soci al ao capan ga e ao mandão. O perío do de desbra va men to da terra, da derru ba da das matas, do es ta be le ci men to das prime i ras cul - tur as, é, no inte ri or e nas loca li da des novas, a idade do capan ga; o escri vão, o promo tor, o juiz, que vem depo is, expe lem e eli mi nam o capan ga. É a lei que substi tui a vio lên cia. O espí ri to ameri ca no in fun di do nas popu - la ções é antes fa vo rá vel ao capan ga do que à gente do foro; é o estran - gei ro, cujo prestí gio é sempre grande, é o ho mem de cabe lo louro e de olhos azuis sempre acata do pelos nossos negrói des, in flu in do em favor da vio lên cia, no bi li tan do-a pela sua pre po tên cia. O ameri ca no, mescla do com as cama das infe ri o res da po pu la ção rural, não é um fator de pro gres so. Ele age sobre o meio e o meio rea ge sobre ele, haven do uma comu ni ca ção recí pro ca de defe i tos que afoga as quali da des de ambos. Uma ou outra enxa da aperfe i ço a da que o ameri ca no traz, al gum cani ve te de mo las enge nho so, que ele intro duz na ferra men ta naci o nal, não são bene fíci os que compen sem os males que ele nos faz. 70 Já fala mos do mui to que con tri bu í ram os Estados Unidos para a dura ção da es cra va tu ra no Brasil pela força dano sa do seu exem - plo, e tam bém por ter inspi ra do aos tími dos o rece io de que a solu ção

  • 70 Po de ría mos ci tar vá ri os epi só di os de ten ta ti va de co lo ni za ção ame ri ca na no Bra sil, que mos tram quão gran de foi o seu in su ces so. O Sr. Qu in ti no Boca i ú va escre veu em1867 um fo lhe to acon se lhan do a vin da dos chins para o Bra sil. Em se gui da à sua pu bli ca ção re ce beu o Sr. Boca i ú va uma co mis são do go ver no im pe ri al para ir bus car esses co lo nos ameri ca nos nos Estados Uni dos. A co mis são re dun dou em pura per da; o Sr. Boca i ú va vol tou tra zen do bandos de de sor de i ros e as sas si nos que mu i to deram que fazer à po lí cia do Rio.Vide os jor na is do tem po. No re la tó rio do Sr. Sal da nha Ma ri nho, pre si den te de São Pa u lo (1868), lê-se: “Ten do mais de cem fa mí li as ame ri ca nas se es ta be le ci do em ter ras que de mo ram nas pro xi mi da des do rio S. Lou ren ço, mu ni cí pio de Igua pe, e preten den do-se a aber tu ra de uma es tra da que li gue tal co lô nia à ci da de de San tos, a lei vi gen te do orça men to pro vin ci al au to ri zou o go ver no a au xi li ar a aber tu ra des sa via de co mu- nica ção com a quan tia de cin co con tos de réis. Esta quan tia foi en tre gue, por or - dem do meu an te ces sor, ao co ro nel nor te-ame ri ca no Bo wen. Igno ra-se qual o em pre go que teve essa quan tia.”

A Ilusão Americana

103

do proble ma no Brasil fosse a mes ma tragé dia da Améri ca do Norte. Não deve mos, porém, esque cer que os ameri ca nos con tri bu í ram mui to para o tráfi co africa no no Brasil. O pre si den te Taylor, na sua mensa gem de 4 de dezem bro de 1849, dizia: “Não se pode negar que este tráfi co é fei to por navi os constru í dos nos Estados Unidos perten cen tes a ameri - canos e tripu la dos e coman da dos por ame ri ca nos.” E isto não nos deve cau sar mai or ad mi ra ção do que nos cau sa lermos, na mensa gem presi - denci al de 1856, que “é indu bi tá vel que o tráfi co africa no encon tra nos Estados Unidos mui tos e pode ro sos susten ta do res”. De entre as mui tas provas da grande parte que os ameri ca nos do Brasil to ma ram no tráfi co,

desta ca re mos o depo i men to jura men ta do do capi tão W. E. Anderson, ameri ca no, depo i men to presta do na lega ção ameri ca na do Rio de Jane i - ro no dia 11 de junho de 1851. Diz o capi tão Anderson que, em 1843, fez o conhe ci men to de Joshua M. Clapp, cida dão ameri ca no, que “antes e depo is daque la época ocupa va-se em larga esca la da compra e frete de navi os ameri ca nos para o tráfi co”. Refe re-se ainda Anderson a um outro ameri ca no, Franck Smith, que tam bém era negre iro. O minis tro ameri - cano no seu despa cho reme ten do este depo i men to, quei xa-se mui to de Clapp e de Smith como grandes negre i ros que, diz o minis tro, “deson -

ram a bande i ra dos Estados Unidos”. O depo i men to de Anderson rev ela

todos os ardis dos ameri ca nos do Rio na costa da África, as suas cruel - dades e os seus grandes lucros. 71 Isto quanto à massa popu lar é o que te mos obser va do no Sul do Brasil, onde, em pontos isola dos, houve, em tempos, peque nos nú cle os de colo nos ameri ca nos. No Norte do Brasil, cre mos que não há ameri ca - nos senão como ne go ci an tes no lito ral, além do clássi co dentis ta, e tal - vez de um ou outro médi co desgar ra do. Nos sertões do Norte, cre mos que o ameri ca no é co nhe ci do apenas sob a for ma nôma da de compra - dor de couros de cabra por conta dos ne go ci an tes da costa. Os Clapp e Smith, negre i ros de outro tempo, vari am de profis são, mas conser vam os mes mos instin tos. Na or dem inte lec tu al, os bene fí ci os da Améri ca do Norte em re lação ao Brasil não são em nada espe ci a is. O Brasil não tem be ne fi ci a do

  • 71 Este cu ri o so do cu men to acha-se nos U. S. Se na te Docs., Con gress 32, ses si on I,

104

Eduar do Prado

mais do que as outras nações do mundo, dos inven tos ameri ca nos. Têm sido via jan tes alemães, france ses, ingle ses e dina mar que ses que têm es - crito os melho res livros sobre o Brasil e melhor estu da do a nossa natu - reza. Se exce tu a mos Hart, ameri ca no, cujas mono gra fias são re ve la do ras de uma pro fun de za de obser va ção nota bi lís si ma, se exce tu a mos Orvilie Derby, cujos traba lhos são do mais alto valor e cujos servi ços à ciência brasi le i ra têm sido e hão de ser ainda inesti má ve is, onde estão os escri - tores ameri ca nos que se têm ocupa do de modo sério do nosso país? Os profes so res que aqui se apresen tam têm sido de uma medi o cri dade de - sespe ran te, nada têm fei to, nada têm cria do. E pode ría mos encher duas pági nas com os nomes dos euro pe us que pelo livro, pelo estu do, pela obser va ção e pelo ensi no, têm tra ba lha do no reco nhe ci men to cien tí fi co das nossas rique zas e eleva do o nosso nível inte lec tu al.

E dos via jan tes ameri ca nos que têm escri to sobre o Brasil, quais têm sido sim pá ti cos ao nosso país? Se não todos, a grande mai o - ria deles fala de nós com injus to desfa vor. Se euro peus da esta tu ra de Marti us, Augus te Saint-Hi la i re, Sir Richard Burton, Bates, Elisée Ré - clus e tantos outros nos são simpá ti cos, os ameri ca nos expri mem-se até com despre zo a nosso respe i to. Numa narra ti va de via gem, que é um docu men to ofici al ameri ca no, isto é, a rela ção da expe di ção explo ra - dora ameri ca na em 1838–1842, 72 so mos vili pen di a dos por tal modo que uma revis ta ameri ca na censu rou acremen te o gover no de Washing ton por ter consen ti do, numa publi ca ção na ci o nal, expres sões tão grosse i ras e bai xas contra um país estran ge i ro. 73

E o que dire mos dos estu dos que têm fei to brasi lei ros nos Estados Unidos? Salvo algu mas exce ções, pode-se dizer que os for - mados nos Estados Unidos são, na con cor rên cia brasi lei ra, os que me - nos sa bem e os que menos prepa ro têm. São enge nhe i ros inca pa zes, médi cos que, às vezes, nem ousam afrontar o exa me de su fi ciên cia e mui tos outros douto res em arti gos de fanta sia como agricul tu ra, arqui tetu - ra, etc., e a quem faltam os rudi men tos de toda e qualquer instru ção geral. É verda de que, em certas famí li as brasi le i ras, mandam-se para os Estados

  • 72 Nar ra ti ve of the U. S. Explorin Expedi ti on du ring the years 1838–1842, by Char les Wil - kes, U. S. N.

A Ilusão Americana

105

Unidos os inca pa zes, os repro va dos nas esco las do Brasil, enfim os mes mos rapa zes que, noutro tempo, iam para padres ou para solda dos. Seja como for, a verda de é que os torna-vi agens dos Estados Unidos, embo ra voltem um pouco desas na dos, não vêm em geral trazer, ao con- curso das ativi da des brasi le i ras, senão a sua pertur ba do ra, ou, pelo menos, inútil e grand e incom pe tên cia, agrava da pela presun ção. Isto pro vém de que, nos Estados Unidos, há univer si da des para todas as inte li gên ci as como há hotéis para todas as bolsas. Há tam bém grada ções nos di plo mas. Há para todas as ca pa ci da des e para todos os preços. E esta moci da de julga as cousas ameri ca nas, compa ra os Estados Unidos com o Brasil, não vê as nossas quali da des, não conhe ce os ante ce dentes da nossa his - tó ria, os fei tos dos nossos mai o res, e por isso quer lançar tudo ao despre zo, rompen do com o passa do, e, se eles pudes sem, transfor ma - ria m a so ci e da de brasi le i ra num arre me do simi es co dos Estados Unidos que eles jul gam o prime i ro país do mundo, porque há por lá mui ta ele trici da de e bons Water Closets . Não tendo a pon de ra ção que à raça saxô nia dá a harmo nia do seu desen vol vi men to, estes nossos pobres luso-índio-ne grói des dese qui li bram-se de todo, no meio da febri ci tação ameri ca na. E é mui to real a ação pertur ba do ra do nervo sis mo nor te-ame - rica no nas orga ni za ções lati nas. Te mos conhe ci do mui tos casos indi vi - dua is bastan te curi o sos. Uma vez entrá va mos em Nova Iorque vindo de Pa na má, e os passa ge i ros sobre a tolda contem pla vam o espe tá cu lo grande e cheio de vida daque le porto imenso. Ouvía mos já o alari do dos carre ga do res e dos operá ri os nas pontes de desem bar que. Nos esta lei ros marte la va-se infer nal men te o ferro; no vapor havia um rebo li ço rui do so das baga gens tira das do porão, puxa das pelos guin das tes. Junto a mim esta va um velho, não sei se da Nica rá gua, da Gua te ma la ou de Hondu ras, mas certa men te de um desses ilustres paí ses que, mais civi li za dos do que o Brasil de então, goza vam já dos bene fí ci os da for ma repu bli ca na. O velho contem pla va as três grandes cida des de Nova Iorque na frente, de Brooklyn à dire i ta e de Jersey à esquer da, que se espra i a vam cinzen tas e esfu ma ça das dian te de nós. O velho, mesti ço tal - vez de Azteca e de con quis ta dor espa nhol, olhava vaga men te com ins - tintos atávi cos de presa e de salte io:

106

Eduar do Prado

Qui en sabe? Excla mou ele, quem sabe um dia nós, os da Nica rá - gua, não vire mos a tomar Nova Iorque?! – Cente na res de vapo res, gran - des, pe que nos, lentos como elefan tes ou rápi dos como cervos, cruza - vam-se ao redor de nós, bada lan do as campa nhas de bronze e estru gin - do no ar os seus silvos agudos e as notas roucas e longas de seus uivos de vapor. – Nin guém respon deu à profe cia in ter ro ga ti va do velho, e este, sorrin do triste men te, disse: “Só com os asso bi os esta gente nos ha - via de enlou que cer.” (Solo con los pitos nos volve ri am locos .) Não quere mos dizer que os asso bi os das máqui nas ame ri ca nas enlou que çam os brasi le i - ros dos Estados Unidos; o que é certo, porém, é que não encon tra mos na vida da naci o na li da de brasi le i ra ne nhum traço lumi no so de um discí - pulo ameri ca no. Nem ao menos, por esse lado, te mos cousa algu ma que agra de cer à re pú bli ca norte-ame ri ca na.

V

Deve mos conclu ir de tudo quanto escre ve mos:

Que não há razão para querer o Brasil imitar os Estados Unidos,

porque sai ría mos da nossa índo le, e, princi pal mente, porque já estão paten -

tes e lamen tá ve is,

sob nossos olhos, os tristes resul ta dos da nossa imita ção;

Que os preten di dos laços que se diz existi rem entre o Brasil e a repú bli ca ameri ca na são fic tí ci os, pois não te mos com aquele país afi nida des de natu re za algu ma real e duradoura;

Que a histó ria da polí ti ca inter na ci o nal dos Estados Unidos não demons tra, por parte daque le país, bene vo lên cia algu ma para co nosco ou para com qualquer re pú bli ca lati no-ame ri ca na;

Que todas as vezes que tem o Brasil esta do em conta to com os Estados Unidos tem tido outras tantas ocasiões para se conven cer de que a amiza de ameri ca na (amiza de uni la te ral e que, aliás, só nós aprego a - mos) é nula quando não é inte res se i ra;

Que a influên cia moral daque le país, sobre o nosso, tem sido perni ci o sa.

*

*

*

Se a longa série de fatos que apresen ta mos, se as razões que expen de mos não bastas sem para chamar à verda de os espí ritos ainda os mais rebel des, basta ria citar mos a opinião do mai or dos ameri ca nos,

A Ilusão Americana 107

para dissi par as vele i da des de afeto e os ingê nu os senti men ta lis mos que nos querem impor a respe i to dos Estados Unidos. Não! Toda a tenta ti va para, em troca de qualquer servi ço, co locar a pátria livre e auto nônoma em qualquer espé cie de suje i ção para com o estran ge i ro é um ato de inépcia e é um crime. George Washing ton, na sua mensa gem de adeus, verda de i ro e subli me testa men to, escre veu as se guin tes pala vras que a ve ne ra ção ame - rica na tem conser va do por meio das ge ra ções:

“ ...

DEVEIS TER SEMPRE EM VISTA QUE É LOUCURA O

ESPERAR UMA NAÇÃO FAVORES DESINTERESSADOS DE

OUTRA, E QUE TUDO QUANTO UMA NAÇÃO RECEBE

COMO FAVOR TERÁ DE PAGAR MAIS TARDE COM UMA

PARTE DA SUA INDEPENDÊNCIA

...

NÃO PODE HAVER

MAIOR ERRO DO QUE ESPERAR FAVORES REAIS DE UMA

NAÇÃO A OUTRA ” ...

74

Que o conse lho de Washing ton não sirva somente para os

seus compa tri o tas

Os brasi le i ros de vem acei tar a lição, e, sejam quais

... forem as fata li da des do momen to, sai bam eles repe lir o estran ge i ro que

só conse gui rá aviltar o país que acei tar os seus servi ços.

......................................

No recan to do solo brasi le i ro de onde escre ve mos estas li nhas, os meses de setem bro e de outu bro deste ano de 1893 75 não se distin - guiram em cousa algu ma dos outros anos. Estas sema nas são as da pri - mei ra carpa das roças e do plantio do milho. Quan ta filo so fia incons - cie nte e práti ca, quanta sabe do ria inata neste povo! E quanto senti mos que a civi li za ção destru ís se em nossa alma a sere ni da de desta gente! Clama alto em nosso espí ri to a voz da ex pe riên cia fria e im pla- cável e, pessi mis ta, ela nos diz: A colo ni za ção ibéri ca da Améri ca foi um insu ces so, foi uma desgra ça para a civi li za ção do nosso plane ta. Não

  • 74 … cons tantly ke e ping in view that it is folly in one na ti on to look for de sin te res - ted fa vours from anot her; that it must pay with a por ti on of its in de pen den ce for wha te ver it may ac cept un der that cha rac ter. The re can be no gre a ter er ror than to ex pect or cal cu la te upon real fa vours from na ti on to na ti on.

108

Eduar do Prado

che gam a ser nações os agrupa men tos em que gângli os de popu la ções

mes ti ças, oriun das de todas as infe ri o ri da des huma nas, querem por força

fingir de povos

O amálga ma arti fi ci al cha ma do Brasil está desfe i to, ape sar

... de duas ou três gera ções terem chega do a viver e morrer na ilusão do

arti fí cio, que agora vai findar.

Vemos, porém, o bloco imenso de uma rocha fer ru gi no sa; ora decom pos ta, e que for ma uma monta nha de terra arro xada, como que embe bi da do sangue, ainda fresco, de heca tom bes recen tes. Aquela terra já existia há milha res de anos, antes de existir tudo quanto hoje exis te e faz ruí do. Ela existia antes do tempo em que o exérci to de Cé sar era contra a arma da de Pom peu. Existi rá ainda, quando, de outros ambi ci o - sos, não resta rem nem os nomes pouco ilustres.

7 de novem bro de 1893.

.........................

Apêndi ce

NO DIA 4 de dezem bro de 1893 foi posto este livro à venda nas livra ri as de São Pau lo. Vendi dos todos os exempla res prontos nesse dia, foi às livra ri as o chefe de polí cia e proi biu a venda. Na manhã seguin te a tipo gra fia em que foi impres so o livro amanhe ceu cerca da por uma força de cava la ria, e compa re ce ram à porta da ofici na um dele - gado de polí cia acompa nha do de um burro que puxa va uma carro ça. O de lega do entrou pela ofici na e mandou juntar todos os exempla res do livro, mandan do-os amonto ar na carro ça. O burro e o dele ga do leva ram o livro para a repar ti ção da polí cia. No mes mo dia a Platéa publi cava o seguin te:

Um in ter vi ew com o Dr. Eduar do Prado. – Como sa bem os nos - sos lei to res, apare ceu à venda o novo livro do Dr. Eduar do Prado, A

Ilus ão Ameri ca na , de folha.

cuja

apari ção nos ocupa mos no últi mo núme ro des ta

Todos os exempla res postos à venda no sába do foram vendi dos. Soube mos nesse dia que a polí cia proi biu a venda do livro.

O nosso cole ga Gomes Cardim, por ir lendo num bonde a obra proi bi da, foi leva do à polí cia. O mes mo aconte ceu com um cava - lhe i ro, de cujas mãos, na Pau li céia, foi arran ca do um exemplar por um polícia secre ta.

110

Eduar do Prado

Um reda tor desta folha foi procu rar o autor para ouvir da sua boca as suas impres sões rela ti vas ao suces so do seu livro e o seu pare cer sobre a proi bi ção. O Dr. Eduar do Prado rece beu mui to graci o sa men te o nosso compa nhe i ro, e não pare ceu dar mui ta impor tân cia nem ao livro nem à sua proi bi ção. Eis, mais ou menos, o que ele nos disse:

– Na minha infân cia, havia na rua de São Bento um sapa te i ro que tinha uma tabule ta onde vinha pinta do um leão que, rai vo so, metia o dente numa bota. Por bai xo lia-se: Rasgar pode – desco ser não. Dê-me licen ça para plagi ar o sapa te i ro e para dizer: Proi bir podem, res - ponder não.

Quan to ao honra do chefe de polí cia, penso que S. Exª li- sonje o u-me por extre mo julgan do a minha prosa capaz de derro tar ins- titu i ções tão fortes e con so li da das como são as insti tu i ções repu bli canas no Brasil.

De ma is, S. Exª pode dizer-se que, só por palpi te, proi biu o livr o. Saiu o volu me às quatro horas e, às cinco, foi proi bi do antes da auto ri d a de ter tempo de o ler.

Confes so que a publi ca ção foi um ato de inge nu i da de da mi - nha parte. Não quero dizer que confi ei, e por isso digo antes que es- tribei-me no art. 1º do Decre to nº 1.565 de 13 de outu bro passa do, reg ulan do o esta do de sítio. O vice-pre si den te da Re pú bli ca e o senhor seu minis tro do Interi or disse ram nesse arti go:

“Art. 1º É livre a mani fes ta ção do pensa men to pela im prensa, sendo garan ti da a propa gan da de qualquer doutri na polí ti ca.” E com suas assi na tu ras empe nha ram a sua pala vra nessa ga rantia. Escrevo um livro susten tan do a doutri na polí tica de que o Bra- sil deve ser livre e auto nômo peran te o estran gei ro, e adoto o afo rismo de Montes qui eu , de que as repú bli cas de vem ter como fun da men to a virtu de.

O gover no é contrá rio a essas opiniões, e está no seu dire i to. Manda, porém, proi bir o livro! Onde está a pala vra do gover no, dada so lene men te num decre to, em que diz garan tir a propa gan da de qualquer doutri na po lí ti ca?

A Ilusão Americana

111

A sa be do ria popu lar diz: Pala vra de rei não volta atrás. – O povo terá de inven tar outro provér bio para a pala vra do vice-presi den te da Repú bli ca.

*

*

*

O autor rece beu de todos os pontos do Brasil grande núme ro de cartas pedin do-lhe um exemplar do livro proi bi do. Estas cartas vi nham assi na das por nomes dos mais distin tos do País, e a todos estes corres - ponden tes peço descul pa por me ter sido impos sí vel aceder aos seus pe di dos. Menci o na rei somen te, para prova de que os repu bli canos brasi - lei ros, alguns não são inimi gos da liber dade de pensa men to, uma carta do Sr. Salda nha Mari nho, em que este patri ar ca do repu bli ca nis mo, sau - dos o decer to das práti cas libe ra is da mo nar quia e rebel de às idéias liber ti - cidas de hoje, protes ta va contra a proi bi ção deste traba lho. A to dos e a cada um ca bem o agrade ci men tos do autor.

N. B. Este traba lho, tal qual foi es cri to para a pri me i ra edi ção, foi re di gi do sem o

au tor ter os seus li vros à mão, nem as suas no tas. Na edição atu al todos os fa tos ci tados

são jus ti fi ca dos com a ci ta ção das fon tes ofi ci a is ou dos au to res que re la tam os mes mos

fa tos.

.............................

Índi ce Onomás ti co

A

ABAETÉ (vis con de de) – 67

ADAMS – 56, 72

ALBERDI – 51

ALCMENE – 91

ALEXANDRE II – 32

ALTAMIRANO – 35

ANDERSON, W. E. – 103

ANFITRIÃO – 91

ARINOS (ba rão) – 28

ARON – 72

ARTHUR – 57, 58

B

BAEDEKER – 73

BALMACEDA – 59

BANCROFT, H. H. – 29, 30, 31, 71, 72

BATES – 104

BELMONT, Perry – 58

BISMARCK – 71, 73, 81

BLAINE, Ja mes C. – 53, 54, 55, 56, 57,

58, 59, 85, 86, 87

BLAINE, Wal ker – 57

BRIGHT, John – 96

BROCON, G. – 38

BUCHANAN – 38, 40, 43

BULWER, Henry Lytton (sir) – 43

BURKE, Wil li am – 15

BURTON, Ri chard – 104

C

CAHTEUBRIANT – 15

CALHOUN – 16

CALVO, Car los – 16, 42, 60

CAMPOS, Car ne i ro de – 29

CANNING – 16

CARNEGIE, Andrew – 82, 83

CARVALHO BORGES – 66

CASTELLON – 39

CATILINA – 54

CAXIAS (mar quês de) – 56, 62, 64

CECIL (lor de) – 96

CÉSAR – 72, 108

CHAMARRO – 39

CINCINATO – 54

CLAPP, Jos hua M. – 103

BLISS – 62

CLARENDON (lor de)

– 43

BLUNTSCHILI – 27

CLAY, Henry – 18, 21, 34, 53

BOCAIÚVA, Qu in ti no – 37, 102

COBDEN – 96

BOISGILBERT, Edmund – 84

COMTE, Au gus to – 12, 32

BONAPARTE, Napo leão – 55

CORRAL – 40

BORUP – 73

COUTO, José Ferrer de – 45

BOWEN – 102

CRIQUE – MOUILÉE (du que de) – 92

114

Eduar do Prado

  • D GUITEAU – 57

DAVIS – 40, 62

DE ANGELIS – 68

DÍAZ, Por firio – 32, 34, 35, 38, 69

DOLLINGER, J. I. von – 79, 80

DREYFUS – 57

DUNCAN, Silas – 24

E

EGAN, Patrick – 59

EUDEL, Paul – 93

EVARTS – 35

F

FABRÍCIO – 54

FISHER, Geo P. – 67

FRÂNCIA – 12

FREDERICO CARLOS – 71

FRITZ, Sa mu el – 13

G

GAINES – 30

GARFIELD – 53, 55, 56, 57, 58

GENGISKAN – 72

GHUYSEN, Fre lin – 58

GIBBONS (car de al) – 81

GLADSTONE (os) – 55

GOMES, Car dim – 109

GONZÁLEZ – 34, 35, 38

GRANT – 35, 36, 37, 38, 45, 69, 71, 73

GRENOUGH – 91

GRÉVY – 57

GRÓCIO – 28

GROLUND – 32

GUILHERME II (im pe ra dor) – 56, 71,

GUYOT, Yves – 78

H

HAMILTON – 18, 53

HARRISON – 59, 83, 85

HART – 104

HAYDN’S – 41

HAYES – 56

HAYNE – 18

HÉRCULES – 91

HERTSLET – 43

HOLST, von – 16, 18, 34, 41

HOOK, Sandy – 69

HOPKINS – 59, 60

HORN – 36

HURLBUTH – 53, 56

 

I

IPHICLES – 91

IRELAND – 81

ISABEL – 32

 

J

JACKSON – 30, 72

JAY – 20, 31

JOVE – 91

JUÁREZ – 32

 

K

KILPATRIK – 56

KIRKLAND – 62

KOSCIUSKO – 72

 

L

A Ilusão Ameri ca na

115

LASKER – 73

LESSEPS – 43, 46

LINCOLN – 32, 57, 72

LIVERMORE – 31

LOPÉZ, F. So la no – 12, 25, 29, 45, 46,

56, 61, 63

LUÍS XVI – 15

LYNCH – 61, 62

P

PARDO – 50

PAULDING – 41

PEDRO II (dom) – 64, 92

PENEDO (barão de) – 68

PÉRICLES – 32

PINKERTONS (os) – 82, 83

PINTO GUEDES – 22

PLÍNIO – 100

  • M POE, Edgard – 36

MAC-MAHON, T – 25, 56, 62, 63

POMPEU – 108

MADISON – 72

PRADO, Edu ar do – 50, 109, 110

MAGALHÃES TAQUES – 28

PRADT, Abbé de – 15

MAIA – 20

Q

MANNING – 81

MARCOLETA – 39

QUEIROZ, Eça de – 51

MARCY – 39

R

MARIA ANTONIETA – 15

MARTIUS – 104

RAGUET – 20, 21, 22, 66

MASON – 29

RAMSEY – 62

RAYMONDI – 48

MASTERMAN – 62

MAURY – 68, 69

MAYORGA – 39

MENDONÇA, Sal va dor de – 88, 93, 94

RÉCLUS, Eli sée – 43, 104

RIVAS, Pa trí cio – 40

ROCHAMBEAU – 72, 73

ROSAS – 23

MERVINE – 40

ROTHESAY (lor de) – 20

MESSALA,Valé rio – 100

ROUSSIN – 22

MIGUEL (dom) – 23

RUSH – 16

MILLER, Jo a quim – 41

MONROE – 16, 17, 19, 20, 24, 25

MONTESQUIEU – 54, 110

MORA – 40

MURRAY, Wil li am P. – 61

N

S

SAGASTUME, Var quez – 29

SAINT- HILAIRE, Au gus te – 104

SALDANHA MARINHO – 102, 111

SALISBURY (lor de) – 96

SALISBURY (os) – 55

116

Eduar do Prado

SALOMON – 92

TUDOR, Wil li am – 20, 21, 22, 23, 66

SAMPER, J. M. – 16

TURGOT – 15

SARGENT – 73

SAY, Léon – 78

V

SELDEN – 28

VALENTINAS, Lo mas – 56

SEWARD – 27, 53

VELÁSQUEZ – 100

SHERIDAN – 71

VERSEN, Von – 56

SLIDDEL – 29

VICTOR HUGO – 71, 73

SMITH, Franck – 103

VIEIRA, João Pe dro Dias – 51

SPARTACUS – 72

VIGIL – 40

SPENCER , Her bert – 101

VOSS – 30

STENDHAL – 80

STUART, Char les – 20

W

SYLLA – 54

WALKER, Wil li am – 38, 39, 40, 42, 67

T

WARRE, Mar ga ret – 80

WASHBURN – 25, 56, 61, 62, 64

TALMAGE, David M. – 60

WASHINGTON, Geor ge – 15, 107

TATTNAL – 74

WEBB – 65, 66

TEJADA, Se bas ti an Ler do de (don) – 32

WEBSTER, Da ni el – 24, 53

THOMAS JEFFERSON – 16, 20, 61, 72

WELLINGTON (du que de) – 92

TIBÉRE – 72

WELLINGTON (lor de) – 15, 16

TILDEN – 56

WELLS – 65

TOCORNAL, Ma nu el A. (dom) – 51

WHEELER – 39

TOD, David – 66, 67

WHITNEY, Ja mes A. – 75

TRESCOTT – 57, 58

WILSON – 57

A Ilu são Ame ri ca na, de Edu ar do Pra do,

foi com pos to em Ga ra mond, cor po 12, e im pres so em

papel ver gê are ia 85g/m 2 , nas ofi ci nas da SEEP (Se cre ta ria

Espe ci al de Edito ra ção e Pu bli ca ções), do Se na do Fe de ral,

em Bra sí lia. Aca bou-se de impri mir em agos to de 2003,

de acor do com o pro gra ma edi to ri al e pro je to grá fi co

do Con se lho Edi to ri al do Se na do Fe de ral.