Você está na página 1de 23

Resumo de Geografia Humana – EsSA

Federação Brasileira

O Brasil possui 26 estados e o Distrito Federal.
Não faz fronteira apenas com Chile e Equador e é banhado pelo
Oceano Atlântico.

Regiões
Norte: É formada por sete
estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.
Maior região do país.
Nordeste: É a região brasileira que possui o maior número de estados
(nove no
total): Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba,Piauí, Pernambuco, Rio
Grande do Norte e Sergipe.
A região é dividida em quatro sub-regiões: meio-
norte, sertão, agreste e zona da mata.
Centro-Oeste: É formada por três estados: Goiás, Mato Grosso, Mato
Grosso do Sul, mais o Distrito Federal, onde se localiza Brasília, a capital do
país e a cidade mais populosa da região.
É a segunda maior região do Brasil
Sudeste: É composta por quatro estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio de
Janeiro e Espírito Santo.
Sul: Divide-se em três unidades federativas: Paraná, Santa Catarina e Rio
Grande do Sul.

Fusos do Brasil

As regiões afetadas pelo horário de verão, adiantamento de uma hora do
seu fuso original, são: Sul, Sudeste, Goiás, Distrito Federal e Mato Grosso
do Sul.
Essa mudança gera economia no consumo de energia.

Demografia
A demografia é a ciência que estuda a população e o seu
comportamento na sociedade

Teorias demográficas

 Teoria Malthusiana
Thomas Malthus foi o primeiro estudioso sobre o comportamento
populacional.

Segundo Malthus. já que os jovens necessitam de investimentos sociais em educação e saúde. sem o controle sobraria menos recursos para pleno desenvolvimento das atividades econômicas que melhoram as condições de vida. Para os neomalthusianos. os países subdesenvolvidos deveriam controlar a natalidade. . Centro-Oeste (atividades econômicas que não fizeram grandes contingentes populacionais).G e a produção de alimentos crescia em uma progressão aritmética P. No Brasil. a população crescia em uma progressão P. por conta da concentração de atividades econômicas. a pobreza e a miséria mundial. Sudeste. era frutos dos grandes crescimentos populacional nos países subdesenvolvidos. Estado mais populoso é o de São Paulo e menos populoso é Roraima. eram consequência da exploração capitalista dos países desenvolvidos sobre os países subdesenvolvidos. Áreas anecúmenas: Vazios demográficos como: desertos. Quando este número é alto o país é considerado populoso. Transição demográfica: Vem se reduzindo a participação da população jovem e aumentando a de idosos no conjunto total da população. Área litorânea: Ocupação histórica. montanhas florestas equatoriais. para promover uma melhor distribuição de renda.A. Região mais populosa é o Sudeste e menos populosa o Centro- Oeste. Amazônia. À medida que as famílias obtêm condições dignas de vida tendem a ter menos filhos. No século XVIII Thomas Malthus publicou a obra “Ensaio sobre a população”. redução da taxa de natalidade e aumento da expectativa de vida. População absoluta: Número total de habitantes. zonas polares.  Teoria neomalthusiano Para os neomalthusianos. Indicadores sociais Áreas ecúmenas: Áreas com grande ocupação populacional.  Teoria reformistas ou marxistas Para os reformistas ou marxista a pobreza e a miséria.

Índice de desenvolvimento humano (IDH) É calculada através de alguns indicadores sociais como expectativa de vida. As pirâmides etárias indicam também o grau de desenvolvimento de um país através das pirâmides. Rio Grande do Sul.  Acesso a métodos anticoncepcionais. População relativa: Número de habitantes por quilômetro quadrado. Maiores do Brasil: Distrito Federal. . Piores: Alagoas. Estrutura etária: Jovens 0 a 19 anos. Santa Catarina. Crescimento vegetativo: Indica a taxa de crescimento de uma população. O Brasil é o quinto mais populoso do planeta. É calculada pela diferença entre a natalidade e a mortalidade Crescimento Vegetativo = Taxa de Natalidade .  Aborto. Quando este número é alto o país é bastante povoado Rio de Janeiro é o mais povoado e Pará menos povoado. Pirâmides etárias: As pirâmides etárias são gráficos que indicam as proporções de jovens. renda per capita. Goiás. Paraná.. Expectativa de vida: É a média de vida de uma população.  Acesso a assistência médica. seguido por Maranhão e Piauí. Um dos principais motivos para a queda mundial das taxas de mortalidade e natalidade foi o êxodo rural. os países fazem investimentos em diversos setores. Sudeste é a região maios povoada e Norte menos povoada. Taxa de natalidade: Indica o índice de nascimento. São Paulo. Rio de Janeiro. O Brasil é muito populoso.  Trabalho feminino extradomiciliar. nível de escolaridade. que gera consequências como:  Maior custo para criar filhos na cidade. saneamento básico e programas de vacinação.Taxa de Mortalidade + Taxa de Migração (Diferença entre entrada e saída de pessoas). mas não tão povoado assim. Taxa de fecundidade: Indica os índices de gravidez. adultos 20 a 59 anos e idosos 60 ou mais. Taxa de mortalidade: Indica o índice de óbito.. etc. adultos e idosos de uma determinada população.

..  Jovens 0 a 19 anos.  Aposentados. o percentual de jovens no conjunto da população é alto.Atividade Terciária. Setores da economia  Primário (rural) 23. pode se dizer que apresenta baixa taxa de natalidade e alta expectativa de vida. Se a pirâmide não aprestar grande diferença da base ao topo.  Terciário (urbana) 56.5% – Setor industrial. 13. O topo estreito indica uma pequena participação percentual de idosos (expectativa de vida baixa)..1% Setor de transformação Construção civil. População Economicamente Ativa (PEA) Parte da população que trabalha ou procura emprego Sustenta a economia de um país 20.5% . Produção de alimentos e matéria prima Mineração. A base larga indica que nasce muita gente (taxa de natalidade alta). 57..4% do país.6% – Atividade agrícola. Se a pirâmide apresenta um aspecto triangular. agropecuária.7% . Alta taxa de natalidade e baixa expectativa de vida são características de subdesenvolvimento.  Secundário 20. Não fazem parte da PEA:  Dona de casa.

Hipertrofia do terciário: Crescimento do mercado de trabalho informal (subemprego) como: Camelo. bicos. ao meio ambiente e ao desenvolvimento estão intimamente vinculadas. Motivado pela crise econômica. malária e outras doenças.  Reduzir a mortalidade infantil. Esse encaminhamento foi ratificado na Conferência Mundial sobre População e Desenvolvimento e na Cúpula do Milênio. Terceirização Contratação de terceiros para realizar algumas etapas da produção visando redução de custos (limpeza.). desemprego estrutural. exército de reserva.  Promover igualdade entre os sexos. Terceirização da economia Possui motivos como: Modernização agrícola. patrocinada pela ONU tinha objetivos como:  Erradicar a pobreza e fome.  Atingir o ensino básico universal. flanelinha. tecnologia.. automação e robotização industrial. Espanha e Brasil (dias atuais). barbeiro. comum nas regiões metropolitanas. Emprega a maior parte da população. Rio – 92 As questões relativas à população..  Melhorar a saúde materna. transportes. Transporte combinado É o termo empregue para se referir a todo o tipo de carga ou mercadoria que utiliza mais de um meio de transporte para ir do ponto de partida ao ponto de chagada.  Garantir sustentabilidade ambiental. como: Eua (1929)..  Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento. . próprio do sistema capitalista.Comércio e prestação de serviços.  Combater HIV/AIDS. Cúpula do Milênio O maior encontro de chefes e de Governo de 191 países.. segurança.

 Transporte combinado: É uma restrição da definição de transporte multimodal ao comboio e ao barco cujo percurso inicial ou final se termina na estrada.  Transporte intermodal: Transferências de mercadorias entre modos de transportes distintos. o transporte em comboio de veículos de utilização rodoviária. em uma determinada época do ano. quer dizer.  Estrada-comboio: É a passagem da estrada ao comboio.  Guindagem: O embarcar/desembarcar da Unidade de Transporte Intermodal é feito com um guindaste. Migrações Brasileiras Migração: Movimento populacional.  Transporte combinado acompanhado: É uma variante do transporte combinado na qual o condutor também é transportado. utilizando a técnica do carregamento-descarregamento num vagão adaptado para esse feito. É o caso de trabalhadores rurais que se deslocam em certas épocas do . Migração Intra Regionais Sazonal: São realizadas temporariamente. geralmente em contentor.  Serviço Federer: Serviço de transporte marítimo.  Transporte multimodal: É o transporte de uma mercadoria utilizando dois ou mais meios de transporte. Emigrar Sair Imigrar Entrar As questões socioeconômicas são as maiores motivadoras para as migrações.  Estrada rolante: É o transporte de veículos rodoviário completos. de um vagão ou de uma Unidade de Transporte Intermodal de um veículo rodoviário.  Transbordagem: Movimento de uma Unidade de Transporte Intermodal de um meio de transporte a outro.  Transroulagem: Embarcar/desembarcar de um navio. para concentrar/redistribuir a mercadoria.

.. concentração fundiária. concentração fundiária. divisão de terras por herança familiar. modernização agrícola. Transumância: Migração Sazonal temporária. relacionados às estações do ano ou às atividades econômicas.  O êxodo rural gera urbanização. Brasiguaios Brasileiros no Paraguai. Dekasseguis Brasileiros com descendência japonesa.. Migração pendular: Casa-trabalho-casa. Drain Brain Migração de cérebros. Sul – Modernização agrícola..  Intensificou nos anos 50. na colheita de algum produto) e retornam após alguns meses. Migrações Internacionais . melhores salários. subemprego e baixos salários e rendimentos. Centro-Oeste e Norte – Ideia de existência de terras livres e baratas. Brazucas Brasileiro nos Estados Unidos. Sudeste – Maior concentração de atividades econômicas.. com o término do trabalho.  Formação de cidades dormitórios. Programa de Ocupação da Amazônia desenvolvida pelo governo federal nos anos 50/60/70. logo. Migração Inter Regionais Regiões de repulsão: crescente desemprego. por conta da má qualidade de vida.ano (por exemplo. Êxodo Rural: Migração campo-cidade...  Intensa nas regiões metropolitanas.. melhores condições de vida. Regiões de Atração: melhores perspectivas de emprego e salário e. Nordeste – Má qualidade de vida.

SC e RS Tchecos.. O Período Varguista é caracterizado pela redução da emigração internacional. ES e SC Chineses Principais centros urbanos Alemães RS. africanos. Há duas décadas que o processo voltou a crescer (chineses. RJ e PR Libaneses Italianos SP. SP.. RS. haitianos. Bolivianos.  Ocupação de território.  Branqueamento da população. sul- americanos. PR e PA Haitianos SP e PR Africanos SP e RJ Coreanos SP Urbanização Brasileira Função importante de algumas cidades brasileiras Brasília Polo administrativo Aparecida Religiosa . SP e RJ ES e RJ Paraguaios e Peruanos Japoneses SP. SC. Poloneses.).  Mão de obra. Principais grupos e áreas de colonização Portugueses Todo o país Ucranianos. PR. PR.A chegada de imigrantes foi intensificada no século XIX. Russos e Bielorrussos Espanhóis SP e RJ Sírios e SP.

Megalópoles: Conurbação entre duas ou mais regiões metropolitanas No Brasil: Rio-São Paulo.Conjunto de cidades conurbadas Periferização: Crescimento do espaço urbano de um município. Conurbação: Junção de áreas urbanas de diferentes municípios Região metropolitana: Áreas formadas por cidades conurbadas e dependentes economicamente da metrópole. motivadas pela desigualdade social. passando pelo Vale do Paraíba e estendendo-se até as regiões metropolitanas de Campinas e da Baixada Santista. Exemplos de periferias nobres: Barra da Tijuca.Ouro preto Turística ou lazer Santos Portuária Cubatão Industrial São Paulo Múltiplas funções Urbanização: Maior crescimento da população urbana do que a população rural. .  Metrópoles . especulação imobiliária e atuação seletiva do espaço.  Horizontal (novos bairros)  Vertical (prédios) No Brasil a maior parte das periferias são ocupadas pela população mais pobre. No Brasil: São Paulo. Segregação socioespacial: Separação entre classes sociais no espaço urbano. Leblon. Êxodo Rural: Saída do campo para à cidade. Alphaville (SP). Megacidades: Cidades com mais de dez milhões de habitantes. processo intensificado nos anos 50 Metropolização: Concentração da urbanização em algumas cidades.

Curitiba. Tóquio. até período recente. crescimento econômico. Essa desigualdade gera violência: Rio de Janeiro – Estado rico e desigual que tem o maior índice de violência do país. terreno de propriedade alheia (pública ou particular) e estando dispostas de forma desordenada e densa. Favelas x Condomínios Aglomerado subnormal: É o termo utilizado pelo IBGE para se referir às favelas. fora dos padrões vigentes. melhor qualidade de vida.. Hierarquia urbana  Metrópoles ou cidades globais: Nova Iorque.  Metrópoles Regionais: Belém.  Centros e Subcentros Regionais: Cuiabá. Rio de Janeiro. Motivos: Desconcentração industrial.  Insere-se na área de infuência de empreendimento Desmetropolização: Maior crescimento das cidades médias.. São unidades habitacionais carentes. Manaus e Goiânia. processo intensificado nos anos 90. São Paulo. São Luís. São Paulo – Rico e desigual com um dos maiores índices de violência. com precariedade de serviços públicos essenciais. Belo Horizonte e Brasília.  Integra regiões metropolitanas e aglomerações urbanas.  Integra áreas de especial interesse turístico.  Cidades pequenas e Vilas: Macuco. Ribeirão Preto. Salvador. habitantes das grandes cidades fogem do caos urbano. Maranhão – O estado menos violento e um dos mais pobres do Brasil. Londres. Londrina. Solicitando que as cidades tenham as seguintes características:  Abriga mais de mil habitantes.. Porto Alegre. ocupando ou tendo ocupado. O Plano Diretor: Conjunto de leis que estabelece as diretrizes para o desenvolvimento socioeconômico e a preservação ambiental dos municípios.  Metrópoles Nacionais: Recife.. refletido por vias de circulação estreitas e de alinhamento irregular. . lotes de tamanhos e formas desiguais e construções não regularizadas por órgãos públicos. Fortaleza.

produzindo uma valorização de terrenos. Medição criada pelo Estatuto da Terra Minifúndio  Propriedade com tamanho inferior a 1MR. que receberam investimentos ou passaram por projetos de revitalização urbana..  Maior parte dos agricultores brasileiros.Gentrificação: É o enobrecimento de certas zonas ou bairros da cidade. terceiro. Latifúndio de exportação  Tamanho de 1 a 600MR. .  Meeiro. tornando mais difícil a permanência de antigos moradores com menor renda. sendo substituídos por moradores de maior renda.  Elevada produtividade.  Toda família participa da produção. Latifúndio por dimensão  Tamanho superior a 600MR. uma mudança do perfil social do bairro.. Parceria  Latifundiário cede terra ao agricultor em troca de parte da produção. casas e apartamentos. Ocorre.  Pode ser produtivo ou não. então. Esses moradores se mudam para bairros mais pobres e baratos. Geografia Agrária Tipos de propriedades Módulo Rural (MR): Tamanho mínimo de uma propriedade que possa gerar o sustento de uma família de agricultores. Relações de trabalho Agricultura familiar  Minifúndio.

Agronegócio ou agricultura de excedentes  Latifúndios monocultores. mas qualificados. técnicas arcaicas e piores solos.  Pagamento em espécie. Plantation  Latifúndios monocultores.  Elevado índice de modernização..  Gera desigualdade social.  Altos custos de produção..  Trabalhador temporário.  Mercado externo e muitos trabalhadores  Melhores solos.Arrendamento  Agricultor aluga terra para produzir.  Policultura.  Produtividade e renda são baixas.  Boia Fria. Revolução Verde: Conjunto de mudanças técnicas na produção agropecuária incentivada pelos Estados Unidos e a ONU. . cacau.  Poucos trabalhadores. Posseiro: Pessoa que se apropria de terra teoricamente sem dono (Lei do Usocapião). Pluriatividade: Agricultor realiza atividade paralela para aumentar a renda familiar.  Associado à indústria...  Trabalhador permanente.  Monocultura. Grileiro: Pessoas que se apoderam de terra utilizando documentos falsos. laranja. Peão. que gerou sérios impactos ambientais.  No Brasil: cana.  Pode ser itinerante. Sistema de cultivos Agricultura de subsistência  Minifúndio e agricultura familiar  Mercado interno e alimentos.

 Técnicas modernas e profissionais qualificados.  Associação à indústria.  Biotecnologia: Processo intensificado nos anos da “Revolução Verde”. Pecuária Intensiva  Animais criados em confinamento.  Crescimento do espaço agricultável. cana (SP).  Praticada na maior parte das regiões brasileiras. Consequências:  Aumento de produtividade.  Elevado custo de produção.  Modernização Agrícola.  Animais soltos no pasto e técnicas arcaicas.  No Brasil: Soja.  Insumos químicos.  Adoção de novas técnicas de cultivo e criação de gado.  Elevada produtividade.  Baixa produtividade.  Desigualdade social e Êxodo Rural.  Mecanização.  Desemprego e expulsão de pequenos proprietários.  Expansão dos latifúndios. Pecuária Extensiva  Criação de animais em grandes proporcionalidades. Estatuto da Terra e a reforma agrária Industrialização Brasileira Tipos de Indústrias .  Comum na região sul.  Grande produtividade. algodão.  Problemas ambientais. milho.  Aumento dos custos de produção.

 Rodoviarismo e industrialização. móveis. mecânica.  “Milagre Brasileiro” (1968-73). extração mineral .  Construção do mercado consumidor (CLT.  Não duráveis: têxtil. petroquímica .  Industrialismo Nacionalista.  Duráveis: automobilística.Base e Bens de Produção.Chesf.  Grande endividamento externo.. equipamentos.CSN (Companhia Siderúrgica Nacional).  Construção de infraestrutura de base. .  Anos 80: “Década rápida”.Primeira Guerra Mundial. Ciclos Industriais 1º Fase (1500-1929)  Era Pré-Industrial.FNM.  Produzem para a população.Era Mauá (Séc. eletros domésticos.  Siderúrgicas. metal.  Sustentar outras atividades econômicas. calçados. como: siderúrgica ..  Surtos industriais. 1. Bens de Consumo. petroquímicas.Internacionalização da economia (1956- 61)  Fortes investimentos em infraestrutura e atração de multinacionais. alimentícia.  Capital Estatal + Capital Provado Nacional + Capital Internacional.Petrobrás e bens de capital ( Fábrica Nacional de Motores . XIX) 2. 3º Fase: Juscelino Kubitschek .salário mínimo).CVRD (Vale do Rio Doce) e a produção de energia hidrelétrica . 2º Fase: Era Vargas (1930-54)  Revolução Industrial Brasileira.

 Região metropolitana de Belo Horizonte. englobamento E falência empresariais.  Vale do Itajaí (SC).  Zona franca de Manaus.  Privatizações.  Atração de Novas multinacionais. Superávit primário.  Plano Real e dolarização da economia.  Maior mercado consumidor.  Processo intensificado nos anos 90 e permitido pelas evoluções nos meios de comunicação e transportes.  Maior infraestrutura.  Flexibilização das Leis Trabalhistas. Desconcentração industrial.  Região metropolitana de Porto Alegre.  Fatores Locacionais.  Vale do Aço (MG).  Região metropolitana do Rio de Janeiro.  Aumento da concorrência econômica.  Matéria Prima e energia.  São Paulo: Café. Concentração Industrial Sudeste: maior concentração de empresas (50%).  Regional da cidade grande para cidadãos menores. Grandes concentrações  São Paulo e ABCD Paulista.4º Fase: Globalização e o neoliberalismo  Estado mínimo.  Queda de barreiras Alfandegárias.  Anos 2000.  Vale do Paraíba (SP/RJ).  Nacional: Do Sudeste para – Noroeste – Sul – Centro-Oeste.  Isenções fiscais. diminuição da dívida PAC.  Mão de obra barata.  Fusões.  Rio de Janeiro – Capital. .  Disponibilidade de mão de obra.

As usinas mais utilizadas no país são: Itaipu (PR).  Fuga de sindicatos trabalhistas. Ilha Solteira (SP) e Itumbiara (MG). Terceira energia mais utilizada do país.  Urânio . embora tenha grande potencial não é atrativo.  Gás Natural  Carvão Mineral: Apenas em Santa Catarina. A Bacia Amazônica. Paulo Afonso (BA). por conta da pequena densidade da ocupação humana. porém o carvão é de baixa qualidade. Segunda maior do país. Produção de energia do Brasil Energias renováveis  Biomassa: Série de materiais orgânicos como árvores. Tucuruí (TO). dividida em lenha e carvão vegetal e derivados da cana. plantas. No Rio Grande do Sul encontra-se a jazida de Candiota. responsável por mais de 80% da exploração nacional.  Busca por tecnopolos.  Fuga do caos dos grandes centros. Rio Grande do Sul e Paraná as camadas de carvão apresentam viabilidade econômica para exploração. Energias não renováveis:  Petróleo: Mais usado no país (quase metade da energia produzida no país). resíduos agrícolas que podem ser queimados ou transformados em outros elementos capazes de serem utilizados como combustíveis.  Hidráulica e eletricidade: O maior potencial hidrelétrico instalado encontra-se na Bacia do Rio Paraná. Destaque para a Bacia de Campos (costa norte do Rio de Janeiro até o sul do Espírito Santo). maior do país.

Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF): Autarquia do Ministério da Agricultura que deveria responder pelas políticas de proteção ambiental e pela gestão de unidades de conservação.  Uso direto: Poderiam existir atividades econômicas controladas pelo poder público. Código Florestal: Os proprietários não poderiam desmatar mais do que três quartos das florestas presentes em suas terras. SP e MG. Industrial 2. Residências 4. RJ e PR) Código das Águas: Definiu o caráter público das águas superficiais brasileiras e estabeleceu regras para a exploração dos recursos hídricos.Ordem dos maiores consumidores de energia por setor: 1. e que ficariam obrigados a preservar integralmente as matas e as espécies raras.  As indústrias que plantavam madeiras foram obrigadas a replantar a quantidade de árvores que derrubassem. Em plena ditadura militar.  Criação de uma guarda florestal. divisa RJ. Parque Nacional da Serra dos Órgãos. . Transportes 3. o Código foi reformulado e as unidades de conservação foram separadas em duas grandes categorias:  Uso indireto: Não permitido exploração de recursos naturais. Agropecuária Políticas Territoriais Meio Ambiente Os primeiros passam para que o poder público passasse a ter uma atuação mais significativa na proteção do meio ambiente brasileiro foi a promulgação do Código Florestal e Código das Águas.  Atribuiu aos governos estaduais a função de criar as próprias unidades de conservação e estabelecia base para criação dos parques nacionais (Parque nacional de Itatiaia.

.Secretaria Especial do Meio Ambiente (Sema): Criada durante a Conferência de Estocolmo. Lei de Gestão de Crime Ambiental: Crimes ambientais passaram a ser passíveis de ações administrativas. Conta com uma parte aérea. passou a ser o principal órgão executar da política ambiental.  Uso Sustentável . com a finalidade de assegurar o espaço aéreo da Amazônia. civis e penais. o Sistema de Proteção da Amazônia. é subordinado ao Ministério da Defesa do Brasil. estaduais e municipais em um Sistema Nacional do Meio Ambiente unificado e criou o Conselho Nacional do Meio Ambiente (prevê grande participação da sociedade civil nos programas de planejamento e gestão dos assuntos ambientais). Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama): Englobando a Sema e o IBDH. que tinha como finalidade fixar normas padrões referentes ao meio ambiente. Sivam: É um projeto elaborado pelos órgãos de defesa do Brasil. Política Nacional de Meio Ambiente: Integrou as esferas federais. Amazônia Projeto Calha Norte: É um programa de desenvolvimento e defesa da Região Norte do Brasil idealizado em 1985 durante o governo Sarney.Preservação da biodiversidade. objetivos e princípios comuns. industriais ou de transporte a serem implementados no território nacional. sendo implementado pelas Forças Armadas. Divide as Unidades de Conservação em duas categorias:  Proteção Integral . Sistema Nacional de Unidades de Conservação: Pretende articular todas as Unidades de Conservação em torno de diretrizes. Estudo de Impactos ambientais (EIA) e Relatório de Impactos Ambientais (Rima) para todos os grandes empreendimentos agrícolas. Lei de Gestão de Florestas Nacionais (Flonas): Prevê a concessão do uso de áreas florestais para exploração por empresas privadas. que previa a ocupação militar de uma faixa do território nacional situada ao Norte da Calha do Rio Solimões e do Rio Amazonas. Atualmente. ou SIPAM.Proteção de meio ambiente natural.

Amapá. A lei que criou a Sudam redefiniu a Amazônia Brasileira. serviram também para criar condições necessárias a esses investimentos. Amapá. O Projeto Ferro Carajás é a ponta-de-lança do PGC. A Amazônia passou a abranger todo o estado do Mato Grosso. As rodovias Belém-Brasília.Amazônia Internacional: Abrange Brasil. Fazem parte da Amazônia Legal: Acre. Rondônia e Rorâima. Programa Grande Carajás: Obras de infraestrutura que atraíram significativos fluxos migratórios. Guiana e Guiana Francesa. Colômbia. Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia (Sudam): Criada para substituir o SPVEA. que abrangia os estados do Pará e do Amazonas. Exploração de minério na Serra de Carajás (maior reserva de minério de ferro do mundo). ele produz cerca de 35 milhões de toneladas anuais de minérios. Gerenciado pela CVRD. Tocantins e Maranhão. a recém-criada capital federal e a malha rodoviária do Centro-Sul do país. Tocantins e oeste do Maranhão. . Amazonas. além de orientar fluxos migratórios. Amazônia Oriental: Constituída por Pará. primeira ligação terrestre entre a Amazônia Ocidental. Mato Grosso. Pará. O processo de dinâmica territorial dividiu-se em dois vetores principais de ocupação. os então territórios Acre. Rondônia. Amapá. A lei que criou a SPVEA definiu a Amazônia Brasileira. Peru. A construção da Rodovia Transamazônica e a implantação de núcleos de colonização dirigida ao longo de seu traçado fizeram parte de dinamizar a economia regional. Mato Grosso. foi construída sob os auspícios da SPVEA. Plano de Valorização da Econômica da Amazônia (SPEVEA): Tinha objetivo de coordenar os planos governamentais para a região amazônica. Brasília-Acre e A Cuiabá-Santarém. Roraima. além da parte do Maranhão. Goiás e Mato Grosso. a implantação da E. Bolívia. A Rodovia Belém – Brasília.F. Carajás e do Porto do Itaqui e a construção da hidrelétrica de Tucuruí reforçaram esse vetor. O novo órgão ganhou um poderoso braço financeiro com o estabelecimento do Banco da Amazônia (Basa). Equador. O Plano de Desenvolvimento da Amazônia aprovado pelo Sudam orientava no sentido da “ocupação de espaços vazios” e da “integração do Nordeste com a estratégia de ocupação da Amazônia”. Venezuela. que passava a se denominar Amazônia Legal.

Adene: Reforçou o controle do governo federal sobre o planejamento regional.O Projeto dos Polos de Alumínio é outra face da PGC. Obras financiadas por recursos federais funcionaram como meios de valorização das grandes propriedades. Na Serra do Navio localiza-se na área central do Amapá e tem grandes jazidas de manganês. Projeto Jari: Integrar verticalmente atividades florestais. Plano Amazônia Sustentável: Propõe a divisão da Amazônia em três macrorregiões: Amazônia Ocidental (manejo de produtos florestais e pesqueiros). agrícolas. em 1998. As fontes localizam-se na Serra de Oriximiná. . do Acre. Atividades de silvicultura e produção de celulose. além do estímulo à exportação de produtos da agricultura familiar) e Arco de Povoamento Adensado (contenção da expansão de soja e melhora dos serviços públicos). Com centros de transformação industrial da bauxita em alumina (Barbacena) e alumínio (Breu Branco). toda a porção mineira do Vale do Jequitinhonha e o norte do Espírito Santo foram incluídos na área da Sudene. minerais e industriais. Amazônia Central (regularização das Unidades de Conservação e das terras indígenas. mais tarde. Amazônia Ocidental Constituída pelos estados do Amazonas. Para viabilizar as exportações foi construída a Estrada de Ferro Amapá e o porto de Santana. Tem como missão "promover o desenvolvimento includente e sustentável de sua área de atuação e a integração competitiva da base produtiva regional na economia nacional e internacional" A área de atuação da Sudene é a totalidade de nove estados nordestinos e o extremo norte de Minas Gerais. O empreendimento com a ZFM teve forte impacto sobre a organização do espaço amazonense. de Rondônia e de Roraima. Nordeste Indústria da Seca: Ganhou atenção quando coronéis sertanejos completavam sua ascensão social durante a seca que dizimou certa de 500 mil nordestinos. Sudene: Nasceu como instrumento para a subordinação econômica e política das oligarquias nordestinas.

. Uruguai e Argentina. Alca: Era um projeto dos EUA que tinham interesse em criar uma Zona de Livre Comércio em toda a América. inicialmente. E tem como um dos objetivos a criação do Banco da América do Sul. que envolve desvio de água para as bacias do Ceará. Paraguai. As demandas de água para irrigação na porção setentrional do semiárido geraram o polêmico projeto. Conesul: Corresponde a uma área e também uma forma de se caracterizar os países do Sul da América do Sul. Unasul: Foi criado durante a Cúpula Energética Sul Americana com vários objetivos que visam a maior integração dos países da América do Sul. tendo o Panamá e o México como observadores. Composto por Brasil.Transposição do São Francisco: Não está concluída. econômica configurada atualmente em uma união aduaneira. Estabelece uma integração. do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Chile e Bolívia são estados associados. Exterior Mercosul: Organização intergovernamental fundada a partir do Tratado de Assunção de 1991. na qual há livre-comércio.