Você está na página 1de 9

Demonstrao da Derivada da Funo Seno

Esta demonstrao est dividida em duas partes, para melhor esclarecimento:

1) Inicialmente, vamos relembrar alguns conceitos:

a) Uma das frmulas de Prostafrese, onde se transforma diferena de senos em


produto:

b) O Limite Fundamental :

c) O conceito de derivada:

2) Seja a funo seno:

f (x) = sen(x)

Do conceito de derivada temos:

Ento:

Aqui temos em diferena de senos. Comparando com a frmula de prostafrese


( I ) e fazendo as devidas substituies, obtemos:
Neste momento, x passa a ser uma constante. Fazemos uma troca de varivel,
onde:

Ento, se:

Ento:

Portanto:

Aplicando o limite de t, obtemos:

Portanto:
Demonstrao da Derivada da Funo Cosseno
Esta demonstrao est dividida em duas partes, para melhor esclarecimento:

a) Inicialmente, vamos relembrar alguns conceitos:

Uma das frmulas de Prostafrese, onde se transforma diferena de


cossenos em produto:

(I)

O limite fundamental:

O conceito de derivada:

b) Seja a funo cosseno:

f(x) = cos(x)

Do conceito de derivada, temos:

Ento:

Aqui temos em diferena de cossenos. Comparando com a frmula de


prostafrese ( I ) e fazendo as devidas substituies, obtemos:
Neste momento, x passa a ser uma constante. Fazemos uma troca de varivel,
onde:

Ento, se:

Ento:

Portanto:

Aplicando o limite de t, obtemos:

Portanto:
Demonstrao da Derivada da Funo Exponencial
Esta demonstrao est dividida em duas partes, para melhor esclarecimento:

a) Para iniciar esta demonstrao, vamos primeiramente provar o limite abaixo:

Por Hiptese:

Para , fazemos uma mudana de varivel:

Se x tende a zero, ento t tende a zero tambm, pois:

Fazemos ento:

Assim podemos escrever:

Ento, tomando o limite inicial:

Aplicamos a mudana da varivel x para t:


Pela demonstrao do limite fundamental exponencial, o limite abaixo tende a e:

Ento, aplicando o limite, obtemos:

Como queramos demonstrar, comprovando a afirmao inicial.

b) Utilizando o conceito de derivada, temos:

Para uma funo exponencial do tipo:

Fazemos as devidas substituies:


Provamos em a) que o limite:

Aplicando o limite acima, podemos reescrever ( I ) como:

Portanto, podemos dizer que, se:

Mas, se a = e, temos:
Demonstrao da Derivada da Funo Logartmica
Seja a Funo Logartmica do logaritmo natural:

f (x) = ln (x)

Utilizando o conceito de derivada, temos:

Utilizando uma das propriedades dos logaritmos, que uma diferena de logaritmo
igual a o logaritmo de um quociente, temos:

Utilizando, agora, a propriedade dos expoentes dos logaritmos, fazemos:

Se aplicarmos uma mudana de varivel, onde:

Observamos que, quando , , ento essa troca equivalente e no


altera o limite. Ento:
No entanto, no limite fundamental exponencial, sabemos que o limite:

Logo:

Mas, ln e = 1, portanto:

Ento, se:

Você também pode gostar