Você está na página 1de 49

Redes

de Longa Distância
Aula 01

Prof. Esp. Ronnaro S. Jardim


ronnaro@hotmail.com
Por que estudar redes WAN ?
Muito antes da Internet as redes WAN já
possibilitavam a interconexão dos vários sites das
organizações.

Mesmo após o surgimento da Internet outras


redes WAN estão sendo criadas para superar
algumas dificuldades técnicas que a Internet .

2
Tecnologias de redes Wan são utilizadas
principalmente por operadores telecomunicações.

E muitos concursos públicos e certificações


(Cisco, Microsoft, etc...) exigem conhecimento de
redes de longa distancia do candidato.

3
Tipos de Comutação
qPodem ser nos formatos:
q Comutação de circuitos
q Comutação por mensagem
q Comutação por pacotes

4
Comutação de Circuitos
É um tipo de alocação de recursos para transferência de
informação que se caracteriza pela utilização permanente
destes recursos durante toda a transmissão.
Antes de ser enviada qualquer informação, procede-se ao
estabelecimento de uma ligação física ponta a ponta entre
os terminais que pretendem comunicar.
Estabelece um caminho físico dedicado

Ex: Telefonia Analógica

5
Comutação de Circuitos

Comutação de circuitos

6
Comutação de Circuitos
VANTAGENS:
q Garantia de recursos;
q Disputa pelo acesso somente na fase de conexão;
q Não há processamento nos nós intermediários (menor
tempo de transferência);
q Controle nas extremidades.

7
Comutação de Circuitos
DESVANTAGENS:
qDesperdício de banda durante períodos de silêncio
(problema para transmissor de dados)
qSem correção de erros
qProbabilidade de bloqueio (Circuitos ocupados em um
instante)

8
Comutação por mensagem
q Não é estabelecido nenhum caminho físico
q Dedicado entre o emissor e o receptor
qA troca da informação ocorre por etapas
q As mensagem são armazenadas nos nós para posterior
envio (STORE and FORWARD)
q A unidade básica da informação é a mensagem
q Mensagens são enviadas somente ao nó seguinte se
recebidas pelo nó anterior
q Maior Delay na transmissão da informação
q Principal utilização : É e-mail privativo X400
9
Comutação por mensagem

10
Comutação por mensagem
VANTAGEM
qMaior aproveitamento das linhas de comunicação
qUso otimizado do meio

DESVANTAGEM
q Aumento do tempo de transferência das mensagens

11
Comutação por Pacotes
q Não há estabelecimento de nenhum caminho físico
dedicado entre o emissor e o receptor
q Assemelha-se a comutação de mensagens, contudo as
informações a serem enviadas são quebradas em
pacotes(unidades de tamanho limitado)
q Cada pacote contém um cabeçalho com informação que
permite o seu encaminhamento pela rede;
qEX: X25 e Internet

12
Comutação por Pacotes

13
Comutação por Pacotes
VANTAGENS
qUso otimizado do meio
qIdeal para dados
qErros recuperados no enlace onde ocorreram
qDividir uma mensagem em pacotes e transmiti-los
simultaneamente reduz o atraso de transmissão total da
mensagem

14
Comutação de Pacotes
DESVANTAGENS
qSem garantias de banda, atraso e variação do atraso
(jitter) - Por poder usar diferentes caminhos, atrasos
podem ser diferentes.
qRuim para algumas aplicações tipo voz e vídeo
q Overhead de cabeçalho
qDisputa nó-a-nó
qAtrasos de enfileiramento e de processamento a cada nó

15
Comutação por Pacotes
TIPOS DE COMUTAÇÃO
Pode ainda ser efetuada de duas formas distintas:

q CIRCUITO VIRTUAL
q DATAGRAMA

16
Comutação de Circuito vs Pacotes
COMUTAÇÃO DE COMUTAÇÃO DE
ITEM
CIRCUITOS PACOTES

Configuração de chamadas Obrigatória Não necessária

Caminho físico dedicado Sim Não

Pacotes seguem o mesmo


caminho
Sim Não

Pacotes chegam na mesma


ordem
Sim Não

Reserva da largura de banda Fixa Dinâmica

Largura de banda
desperdiçada
Sim Não

A falha de um equipamento é
fatal
Sim Não

Comparação entre comutação de circuitos e pacotes

17
Datagramas
Cada pacote tem um tratamento independente, sem
qualquer ligação com o tratamento dado nos nós aos
pacotes anteriores.

Assim os pacotes , devidamente numerados com número


de sequência pelo emissor, transportam sempre consigo
informação relativa ao endereço do destinatário e do
remetente da mensagem.

18
Datagramas

19
Circuito Virtual
Antes de se iniciar a transmissão dos dados
propriamente ditos, tem lugar uma fase que
designaremos por " call setup ", em que é definida
uma rota ou caminho (Circuito Virtual) para os
pacotes, através dos vários nós intermédios até ao
destino final.

20
Circuito Virtual

21
Circuito Virtual

22
Velocidade de Transmissão
Capacidade de transmissão ou largura de
banda que a rede WAN oferece em seus circuitos
individuais para acesso a um site da rede.

Normalmente as velocidades de circuitos


numa rede WAN podem variar de 1200 bps para
ordem de dezenas de Gbps.

23
Ainda hoje os circuitos normalmente são
entregues em múltiplos acessos de 2 Mbps (em
virtude ainda da padronização da interface E1,
limitada individualmente a 2 Mbps).

Todavia, a tecnologia Carrier Ethernet irá


trazer uma inovação no setor de redes WAN, pois
pretende entregar circuitos de padrões Ethernet ou
FastEthernet/GigaEthernet em circuitos de longa
distância.
24
DELAY
Tempo que leva um pacote de dados para ir de um
extremo a outro da rede WAN.

Normalmente medido na entrada e na saída do nó


intermediário da rede WAN.

O delay é prejudicial às aplicações que dependam


da transmissão em tempo real como
videoconferência, telefonia IP, etc

25
Características Básicas
PORTA
◦ Interface no backbone que recebe o circuito de um
computador ou LAN a uma determinada velocidade.

Circuito Virtual – CV
◦ Conexão Logica entre dois pontos da rede WAN
◦ Usado pela maioria da tecnologias de redes de longa distância.

26
Características Básicas
MEIO DE ACESSO
É o acesso físico construído entre o PPE e a rede local do
site onde vai ser implantada a rede WAN.

O tipo do meio físico usado no meio de acesso é


importante, pois vai nos indicar o delay total entre redes
locais de um site a outro.

Por exemplo, se o meio físico é a fibra ótica, o delay é


baixo e não vai influenciar no delay entre o site A e B,
numa determinada rede WAN.

27
Características Básicas
ROTEADOR
◦ Equipamento de camada de rede que interliga redes diferentes.

JITTER
◦ Termo empregado para identificar se há diferença de delay entre dois
ou mais pacotes transmitidos entre dois pontos da rede WAN.

Da mesma forma de que o Delay, o Jitter também é muito


prejudicial às aplicações que dependam da transmissão em
tempo real, como a videoconferência, telefonia IP,
etc.,devendo ser evitado ou atenuado a sua existência tanto
quanto possível.

28
Características Básicas
PPE
◦ Local físico onde a operadora concentra equipamentos de
transmissão, do seu backbone E1 e das demais tecnologias
de redes WAN.

Em inglês PoP (Point of Presence), ou seja, o PPE marca a


presença da operadora como prestadora de serviço num
determinado local ou região. Para a operadora, quanto mais
PPEs existirem, maior será sua área de atuação.

29
Point of Presence

Pontos de presença da Hurricane Electric (maio de 2017)


30
Backbone
q É o conjunto de hardware e software utilizado
pela operadora para implantar determinada rede
WAN.

q Espinha dorsal de uma rede onde passa a maior


capacidade de banda para a distribuição.

31
Backbone

Backbone da RNP (fevereiro de 2014)

32
Quanto maior a quantidade de PPEs, maior a
possibilidade de atendimento a uma empresa que
deseja implantar uma rede corporativa através de
uma determinada tecnologia de rede WAN.

33
QoS (Quality of Service)
Garantia de qualidade no de um serviço. As novas
tecnologias de redes WAN vêm sendo
desenvolvidas para oferecer a qualidade de serviço
nativamente.

qRedes MPLS (nativo)


qFrame Relay e ATM (parcial)

34
QoS (Quality of Service)

QoS – Protocolos e Filas de prioridades (Queues)

35
QoS (Quality of Service)

Controle de QoS

36
Importante Lembrar!

Vale lembrar que trata-se de um acordo de


priorização do tráfego, combinado entre o cliente e a
empresa prestadora do serviço WAN. É um acordo mútuo e
deve ser obedecido por ambas as partes envolvidas, para a
garantia real do funcionamento do QoS.

37
Topologia de uma rede WAN
TOPOLOGIAS DE REDES DE COMPUTADORES

Topologia é um termo que significa disposição física dos


componentes de uma rede de computadores. A topologia tem
a ver em como a rede de computadores está organizada
fisicamente.
A topologia nsica de uma rede refere-se à configuração
de cabos, computadores e outros periféricos. A topologia nsica
não deve ser confundida com a topologia lógica a qual é o
método usado para passar informação entre os nós da rede de
computadores.

38
Topologia de uma rede WAN
Duas categorias básicas formam a base da discussão
sobre topologias:
q Topologia Usica. Descreve o layout atual da mídia de
transmissão da rede de computadores.

q Topologia lógica. Descreve o caminho lógico que um sinal


segue quando ele passa ao longo dos nós de uma rede de
computadores.

39
Topologia Física
Topologia em barramento (rede LAN): todos os elementos
da rede se interligam a um barramento principal.

40
Topologia em Estrela
Topologia em estrela (rede LAN e WAN): todos os elementos
da rede se interligam a um ponto central

41
Topologia em Anel
Topologia em anel (rede LAN e WAN): todos os elementos
da rede estão ligados em série, ou seja, a entrada de um se
liga na saída do outro (também chamada de topologia
Token Ring)

42
Topologia em Malha (Full-
Meshed)
Rede onde cada estação de trabalho está ligada a todas as demais
diretamente. Dessa forma, é possível que todos os computadores da
rede, possam trocar informações diretamente com todos os demais,
sendo que a informação pode ser transmitida da origem ao destino por
diversos caminhos.

43
Topologia Híbrida
Às vezes, uma topologia pode utilizar princípios de outras
duas topologias, resultando numa topologia híbrida
(topologia em estrela e barramento, resultando numa
topologia em árvore ou híbrida).

44
Topologia de mídia compartilhada
(shared media)
Na topologia lógica de mídia compartilhada,
todos os computadores têm a habilidade de
acessar o meio físico quando eles necessitarem.

A principal vantagem na mídia compartilhada


é que os sistemas podem ter acesso irrestrito ao
meio físico.

45
Topologia de mídia compartilhada
(shared media)
A principal desvantagem dessa topologia
lógica é a existência de colisões.

Se dois sistemas enviarem informações no


meio físico ao mesmo tempo, os pacotes colidem e
ambos os pacotes são descartados. A Ethernet é
um exemplo da topologia lógica de mídia
compartilhada.

46
Carrier sense multiple access/collision
detection (CSMA CA/CD)
Nesse protocolo, cada computador monitora
o cabo físico, escutando por tráfego de dados. Se o
tráfego é detectado, o computador aguarda até
que ele perceba que não há mais tráfego antes de
enviar novos pacotes ao meio físico.

47
Se acontecer uma situação onde dois
computadores enviarem pacotes ao mesmo tempo
e uma colisão ocorrer, cada computador aguarda
um período de tempo (aleatório) antes de efetuar
nova tentativa.

48
Bibliografia
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:
1. TANENBAUM, Andrew S., Redes de Computadores, 4ª Ed. São Paulo:
Campus, 2003.
2. KUROSE, F.J. and ROSS W.K , Redes de computadores e a Internet. 3ª Ed.
São Paulo: Pearson Education / Makron Books, 2005.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:
1. DANTAS, Mario. Tecnologias de redes de Comunicação e Computadores.
Rio de Janeiro: Axcel Books, 2003.
2. L.L. Peterson & B. S. Davie, Redes de Computadores: Uma Abordagem de
Sistemas. Ed. Campus, 2004.

49