Você está na página 1de 18

REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA

ESTUDO DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA EM


ESTRUTURAS DE AÇO GALVANIZADO DE CARROCERIAS
DE ÔNIBUS PARA USO EM AMBIENTES AGRESSIVOS

Alessandro José Büsemayer – Faculdade Anhanguera de Joinville - Unidade 1


Enori Gemelli – Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi de apresentar os principais fatores que 



  


  

  




) 
  



  

 
* 
  

  
 




  

 


 

 

 


 

 


 
!


   

 

"#

  


   
"

  
 
 

   

  

) 

 
 



$

 
 %


 
* 

ABSTRACT: &






 


 




  


 '
  



 
 '

   
 

(



 
 
&





 
(

 



 
' !


 
 '

"'



 
&
"



 

 

 '



  






 
 





'  (
 ) #!*#!*!"#$

 ) #%*"!*!"#%
(
 ) #+*",*!"#%

Publicação
Anhanguera Educacional Ltda.

Coordenação

  

    
   

Correspondência
Sistema Anhanguera de
Revistas Eletrônicas - SARE

 

    !"#$   #%##&




 /0   
/ 1

 
2(    (    

1. INTRODUÇÃO
+

 
 
$

$ 

, -  

  

 

  .



$

 
  

  
 


" 



 




 

   

$ 


  
 
 
 

 

/
 
0


 


$ 
 
 
$

  


  $

 %



1
2 
 



  
 

  

, 


  
,




 
+
,

*

  

  



  



,
    


 
 


3

 


 
 

 %
 

  


 

 

.

  

 %
/  
 

.

 
4, 

 
  


   
 
 

 %

)  
5 

6

  


   
7

 
  

  


 -


 

 

7
*
  
 







    

  .




  $ 

8 
 

 
%
    

  

  

 
  





  




 
) 
 
 



 







 



 


  
 



 
6

   

 %





 
 
  
 

  

 . 


 



 

9

  

1
 

  

   
 
7
 

 


    

  

  


 



 
+
&

:);



 




 

 
*



 



 

 

 

 

   


  

 
5


+
&
,




 
 2

 
 


  

<=>?
,
 


@?>>
A

9
+
$ 

B 
CD

 

  
E  
F 
  $
 

 

 
  


?>>@=G
 

 
"

@><<
    
?=GH


+
&
 

<>I

 
 

 
1


  


  
,
$ 



  


 


 




   


 

 




$ 
 

  



 
"  
<

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#%!
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

Figura 1 – Entrada da mina Figura 2 – Interior da mina – área de concentração de


umidade
Fonte: AUTOR (2009)
FONTE: AUTOR (2009)

5
 %








 


   



/* 

 
J 
 

  
 

 




 


  
<H
  
 


"  
>@

1
 

  .
 


  



  

 
 

  


*

 
 

 



  
) 

"  
K

   

 





/* 


 
  

 %
 
7
 

 

Figura 3 – Interior da mina Figura 4 – Região da caixa de roda

FONTE: AUTOR (2009) FONTE: AUTOR (2009)


   


  

 
 
  


  
 

 

9 

2
 0
"  
?
+
9 


2
 
,
$ 
 

 


 
 



 

   


   


 



  
7
  


 


 

 
 
*

 

.

 


  
 ,
 
  
 %
 
7
  



 
   


 "

 
  

9 





   

    !"#$   #%##&


#%$


 /0   
/ 1

 
2(    (    


  


 
,
  

  




5


.






 
 
 

 



 
"  
H

5 

 .
7
 




  
  
  #
 



 

 
$
  

 
:L&5;

 

   
"  
M

N

Figura 5 – Corrosão do escapamento Figura 6 – Corrosão da ligação com chassis

FONTE: AUTOR (2009) FONTE: AUTOR (2009)

5
  







 %



    

 " 

 

 



  
) 



 

 

 
 %

  

Figura 7 – Suporte da suspensão Figura 8 – Corrosão da estrutura

FONTE: AUTOR (2009) FONTE: AUTOR (2009)



 



,
   

"  
H

N

 

 
  


 *   



 
8 

*

 

 

  

  




 



 



  

  

   



 

  



   

 
 
 

1.1. Corrosão
5
 

 
 
  
 

  
 
  
 

 

  

  

  


 


 



Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#%%
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli




#
7
 
 

,
 
7
$





 


 
:P+1&DQ
<=NG;
5
 
 

" 
  
B 
:@>>?;
R
 







 







,
  


 



S 

 


 

  


 
#
2

  
  


  

 
  
,
*   
 

 


    
:B54515&T51
@>>?

<G;U
+
 

 
 
 

 .




 

 










  

 

 ,
 

 


 
 
+

 




" 
,

 



 


*

  


"  




 



 %


 


  


 





* 
:V3B&58
@><>

K;
) 
V  
:@><>;

R
 

 

 
-

 
  

!

  


 




 0
 "


 !



  -


0



 
  -



 
 

0


 
9  

 
 
, 


 



7



: .
 . ;0

 






 





 

 $ 

 

 



"
.
:V3B&58
@><>

?;U

1.2. Aspectos Eletroquímicos da Corrosão em Metais


5
 
,
 


 
  .


 
%

* 


 
 




 
* 
:T+3JQ+B


<=N=

P+4+QQD
@>><;

W
* 



 


 
 . 
,

* 
  

"  
=

:P+4+QQD
@>><;

Figura 9: Corrosão do ferro em meio ácido.

FONTE: GEMELLI (2001).

    !"#$   #%##&


#%&


 /0   
/ 1

 
2(    (    

+

 

  

 
 !
V:;
X
@T)
Æ
V)@:;
X
T@: ;

Y<Z
P $ 
 -

!
5 
 
X
 
* 
Æ
  

 
X
* 
 $ 
8 



.
 

  
  





 

 " !
V
X
@TX
Æ
V@X
X
T@
Y@Z
W 
P 
:@>><;


. 


  #

 

 

 [


  #

 
 

 
 
  

  


 

: /;
+


 
,
  



 . 


 


 

 



9  

  

5

B
Y@Z
,
 

 . 0
 
 

 






: /;
 
, 

 

  
  

 


  #
:P+4+QQD
@>><
H;

2. PROTEÇÃO DA ESTRUTURA DA CARROCERIA DE ÔNIBUS


1
  

 
  



$


 
 
 


 
 
 



, -  0
  






$ 0




 

  
 
2

 
 

 

+


$ 

  

$

 
 

 .




 


 
  
 
 
/ 
:P+1&DQ
@>>@;
\

 

  
 


 
 
 

 
 

  



 
 

 

 
2
 




 

2

 
 

 /


 
5
$






 
  
 "

$


  
 
  -
 
 
 
 
W 
W
:@>>>;
*


 
 

  


$ !
a eletrogalvanização ou galvanização eletrolítica

 



$
,

   


 
 




  
   
) 




 
 



  

$


 







:WD1T]
@>>>;0


a galvanização por imersão a quente





 









$
  
 -





1
 


 

 





  

 







   

 





  #
/


W

  
 
  
 

  

 

 

 

 
  
:WD1T]
@>>>;

) 

 

  
,


  



Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#%,
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

2.1. Processo de Galvanização a Quente em Banho de Zinco



 
$ 
 
  
  .!
 
 


  $

   





  

  #

 


$- 0

 

  

$
 

   
 
??>
^
?N>_)



 



 

<

@
0
  

 2  

 


.
 

 

M>>-G>> [ @0
 
  

$- 

$
 


 
 


:P+1&DQ
<=NG;
B 
:@>>?;
 

  


 
R
 



 

,
  


  



 U
5 
  
B 
:@>>?;!

U
 
 
 

  



 ,-  
 "

  



/-  U
<

pré-tratamento 
 *
 

*  

@
5  

,

 




: ;
 

 .



 
  


/* 



 

 

 
  $ 
 
 
 .
  
 

K
5
imersão a quente
 

 / 
 
  


  

 




  



 
8  

 $

 

:
"
 

 
;

  
 

.



 
D   
/
  

 




 

  
  
  $ 
 
  

 
5
 

  

 

 


 

  


   


S 

 
,

  


  


 
  


. 

 

 


  

. 


   

 .


 

 

?

pós-tratamento

 
 
 $

 


  


  




 
 


,

 -
 


 

   


 

 
 

/-
  

  

  
$
$ 



 

$
 
 

 
 

 
  

 

 $

 
 $ 

 
:B54515&T51
@>>?

@K@;

J  
P
:<=NG;
R
$
,

 


#
7
 

 


 
$


   
  


 

 

 

$U

3. INIBIDORES DE CORROSÃO

 

 

  

  


,



 

 $ 

 

  
 

 $ 0
  
)
:@>>M;
R



, -  


 %

 %

 


 


 



 
/ U
1


, -  

 

  

#

 

 
)
:@>>M;
U
  

2

 
  

 


 %
 
*
 

   
:) 
@>>M
H@<;
    !"#$   #%##&
#%+


 /0   
/ 1

 
2(    (    

+*
 
 
 


 




  


, -  
 
EA
:<=NM;
 

4'
`$ 
E A


JA 
:@>>@;

R 

   

   

  
 

as características das   

     nos substratos, incluindo a inibição por
interface, 

 .U
5 
 
EA
:<=NM;
 

4'
`$ 
E A

JA 

:@>>@;

“inibição por  U ocorre quando o inibidor ,
     

 de
substrato e  
 
     


inibição de superfície  %

    


 inibidor ,
  
  o substrato e 
 / corrosivo.”
4'
`$ 
E A

JA 
:@>>@;
" 

R
 
 zinco
a polifosfatos não gera  
 
 "

   
  , mas
 
    
  
 
   .

 U
) 



  
.
 

 



 
 


,

 
 

$ 
W 
V  
:@><>;
U
 

 

  
.
 




   



 
,

9 

 


  



* 
 
 

 



 




 



:V  
@><>

<K;
5 
  
V  
:@><>;

 
 

  

 

!
B 
4

 

 





  


 
0
B 
D 2


2
 2


 
  
  0
B 
) 2 
 



   0


B 
 2


$ 

  



   

 


 $
 


 
/
  :V3B&58
@><>


<K;

 
<
 

  .

 
 
 

 
Quadro 1: Principais Caracteristicas que uma Pintura Deve Apresentar

Características Indispensáveis Outras características desejáveis

Poder de cobertura

Quimicamente inertes Estabilidade

Contínuas Beleza

Aderentes Durabilidade

Boas propriedades mecânicas Secagem e cura convenientes

Espessura conveniente Facilidade de aplicação

Impermeáveis Economia

Facilidade de reparo e manutenção


FONTE: Furtado(2010), p 15

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#%
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

3.1. 

   
) 

 
  

 

 
 







 
 
  
 




 

 
$ 


 

  

 
  
,

  
 
2





/*
 " 
B
/*

  
P
:@>>=
@M<;

R
.  
 

 

 

   

  



 
    
 -

/ 

. 

+

 

 
 
 


 

 


.  
,
 $ 

 0

 


 
 

 


.  
,
 
7

 

 
 

/*



  
 

 

   
 
:P+1&DQ
@>>=;

5 
  
P
:@>>=;


/*
 

    


  #
#
. 
#
7
 


 0
 





 


$
  

 

  


   

4. MÉTODO EXPERIMENTAL
5
  




$ 


 


L5B
@K>

 



    

 

 
@
Quadro 2 - Composição química e propriedades mecânicas do aço zincado ZAR 230

Composição Química
Propriedades Mecânicas
Norma
Grau (% máxima)
Técnica
C P S
Alongamento
(máx) (máx) (máx) Limite de Limite de
Escoamento Resistência Base de
(MPa) (MPa) Espessura
Medida Valor Mínimo (%)
NBR ZAR (mm)
0,20 0,04 0,04 (mm)
10735 230
230 310 Qualquer 50 22

FONTE: CSN “Aço na Construção Civil” Disponível no site: http://coral.ufsm.br/decc/ECC8058/Downloads/Aco_na_Construcao_Civ-


il_CSN.pdf, acessado em 15/03/2013


 

 
 
  

 
. 

<>>
 @
   


 

 
 


 
 
 


 



  


5
 
$ 


  
 
2
E- 





/*
 " 
+
  
 
  

,

 

*
 
 

  #
 


$ 


 
K
 


    

   

    !"#$   #%##&


#%4


 /0   
/ 1

 
2(    (    

Quadro 3 – Propriedades do primer anticorrosivo galvânico

Cor Componente B Brilho/Aspecto


Verde Wegpoxi Galvânico Eletrostático Componente B – Ultra Fosco
11009973 (100,0 L)
Relação da Mistura Viscosidade Original Sólidos por Volume Vida útil da Mistura
2A X 1B em volume 75 ± 3” (CF4) 21 ± 3% 8 horas a 25°C
OBS Quanto mais alta a temperatura a vida útil da mistura é reduzida. Validade 12 meses
Método de aplicação Espessura por Rendimento teórico
camada de pintura
Pistola Convencional, Pistola 30 – 40 micrometros 6,0 m²/litro na espessura de 35 micrometros seco. Sem
Airless, Pistola Eletrostática e seco. considerar os fatores de perda na aplicação.
Trincha
Resistência ao calor seco Resistividade
Temperatura máxima 90°C. Revestimentos orgânicos podem sofrer alter- Mínimo 25 Mega Ohms/cm
ações de cor, brilho e aderência quando expostos em temperaturas superi-
ores aos 90°C.
FONTE: WEG Boletim Técnico “Wegpoxi Galvânico Eletrostático Bicomponente” Disponível no site: http://ecatalog.weg.net/files/weg-
net/WEG-wegpoxi-galvanico-eletrostatico-bicomponente-boletim-tecnico-portugues-br.pdf , acessado em 18/03/2013

)
 
, 

  
  

@N?
   
 
 
  
7

?KM
   
 

  


 
   








,




- '

4.1. Ensaio de Névoa Salina (Salt-spray)





,


salt spray 

 

 

 


 
  


HI




   
  
,
 $ 
 





 
 . 
 

 /

"  
<>
* "


 





 $



J 

 

 $



  
9  
 

 





 "



* 


  





 





$

 
1EB
N>=?
^
4 

 



 
-
) 

*
7
,



5J&4
E
<<G
^
Salt Spray Testing.

Figura 10: Máquina de teste da corrosão do pulverizador de sal

FONTE: BBOSCH “Galvanização a fogo” Disponìvel no site: http://pt.made-in-china.com/co_haidaequipment/product_Salt-Spray-Corro-

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#&"
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

sion-Testing-Machine_heeuoysyg.html, acessado em 16/10/2013.

J  

P
)
:@><<;!
R
 /



 
  
,



 / 

 
 
 

 


  
+

  



  


  



  U
:P
)
^
.

!
![[((($  ["[ [
PD1[PD1gKg? 
 

<M[>M[@><K

5 
  

P
)
:@><<;

 
 *  
 
HI

  

 

   

 

 
 

$ 
:$ ;




,

,

<>
 

 

 
 
  

@>
 



2  

,


5
  
$



,

 


 #

  

 



2  

,



 

*



 , 
+

  
@?>
 

2  

,

7
H



*

 

+
 


 

  


 

 


 
 %

 


9  

   

) 


 

*


 
 

 


  .
 
 

* 




 


 

  


1

 
 




   





"#

 

 
  

 

4.2. Preparação dos Corpos de Prova



 

 
 
 

 

 



$ 


 %

 

<>>
 @
 
  
7
 $



 $



 .

 

  
 
2
5/

 




 
 
 



salt spray

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES

 

 
 
 


.





 

 



 
 


 , 
" 



   




"#

  
5
 
 
  

 
 

 , 

 


 " 

 

 

5.1. 

  
     

 

 

 

 
 
 


>
 
"  
<N

    !"#$   #%##&


#&#


 /0   
/ 1

 
2(    (    


 


 .
$ 
 

1

K

M
 

"  
<<

<@
 -

 

* 
 


 

 .

 

 


  


  

 .


  

$

+
 
 
 

$



 
 

2
 



 
 

 


$
 

2 
+
* 
 
,

 


 /* 

$
5
  

$




   
 





,

 

 /* 

 
 

 

* 
 


  

 

 

$ 
 

 




+
 


   


$

 

 

 
 


 

Figura 11 – Dia 0 Figura 12 – Dia 3 Figura 13 – Dia 6

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

 -






 

 


 

 


 
  

 ,

 

 

$

+

 

* 


$%0

   
,


$
* -


  



   

 
 

 
 ,
 


 


 

 
 

$


 

 0

  
  

 

 
 

 




 

 

 





  





  
 
  
 
 



  

 

* 

5
 


<K
<H

@>
 

"  
<?<H

<M

 
  

 $ 

* 
 

 
 

 

5
* 
 
  $

  

 
1
 
    

 

 

 /* 
 
:V:T;@;YKZ

* 

 

 


* #
:@;

 
:T@;
 
 
  

 


 
Y<Z


 


* #
 

 
Y@Z

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#&!
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

Y<Z

V(s)
w
V@X
X
@-
Y@Z


T@
X
:<[@;@
X
@–
w
@T–
YKZ

V@X
X
@T–
w
V:T;@
+
 /* 
 

 

* #
* 
  

 /* 

 

DDD
:V:T;K;
Y?Z
+


$

 
 
 

/* 

 
DDD
  

:V@OK

T@;YHZ
Y?Z

@V:T;@
X
T@
X
<[@@
w
@
V:T;K
YHZ

@V:T;K w
V@OK 
T@O X
@T@O

Figura 14 – Dia 13 Figura 15 – Dia 15 Figura 16 – Dia 20

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

5
"  
<G
 



 %

 
 

* 
 

 "






   


+
* 

7
 




 .$
7
    

 

) 
   

 2  

R@?>
 U

$
 
 

#


 

Figura 17 – Detalhe das regiões mais afetadas no corpo de prova no vigésimo dia

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

    !"#$   #%##&


#&$


 /0   
/ 1

 
2(    (    

5.2. 

  
 
    

    

 

 

 
  

 

  
 
2
 



>
 
"  
<N

 


 .
 
 
 " 





 
 

 

 

1

K

M
 

"  
<=

@>
 -




 


* 
 

 .

 

 


  


 




 

* 
+
 
 
 

 
 
 
 

  
 

 /



 
 

 

* 
 


 

 
+
 


   

$

Figura 18 – Dia 0 Figura 19 – Dia 3 Figura 20 – Dia 6

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

1
 
 



 

 

 


 
* 

 0

 
 



  
* 
+


*


 *   

 
 




 $

,

 


 
  


9  

 

  
,

 

  

 
  
  



 
2

5
 
 

  
* 

 

$





 

 

 
 ,

  

 
5
 


<K
<H

@>
"  
@<@@

@K
 
 

  


* 
 

 %
  
  
) 

 .
 


 
 
  



 

 
 




 
* 

+

 

" 


 



,
   


 

*


 

$


 

  

 

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#&%
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

Figura 21 – Dia 13 Figura 22 – Dia 15 Figura 23 – Dia 20

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

5.3. 

  
 
    

    

 

 


  

 
 


>
 
"  
@?


 


 .
 
 
 " 




 
 


 

 

1

K

M
"  
@H

@M
 -




 

* 

 

 .

 

 

 
 

 

* 
 


  

 


 
+
* 





   

 

 
 
  





 

 

 
D

"


%

 



  

 

 
+
  
 


  
 
  

  

 

$
 



  


 /

 -



* 

 .

 

 

 
 



1
 

 


 
* 
 

 0



 

 
 
* 
 

+


*


 


  

5
 
 

  
* 

 

$



  




 

 

 
 ,

  

 

    !"#$   #%##&


#&&


 /0   
/ 1

 
2(    (    

Figura 24 – Dia 0 Figura 25 – Dia 3 Figura 26 – Dia 6

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

5
 


<K
<H

@>
 

"  
@G
@N

@=0
 
 
  


* 
 

 

 
W ,

 .
 

 
 

 
  



 

 
 ,

 
* 



 

 
 



Figura 27 – Dia 13 Figura 28 – Dia 15 Figura 29 – Dia 20

Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013) Fonte: PRÓPRIO AUTOR (2013)

6. CONCLUSÃO
5
  

 
,
 
  
 *
 
, -  
 



 
 -  
 ,




 
 

* 

7
  

 

  




  $





 

  
"

 

  $

 


 

  

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#&,
Alessandro José Büsemayer, Enori Gemelli

1
*
 
  





   


  



    


 
+

 

 
.
 


 %

$

 
  

 
 


* 

 


 
 
 

   


  
 
7
   


 
*




 

 

 

 


5
 




  

 
  
 


 


 

  



, -  
  

 




K
: #;

."!
  
   

 

C "-




 
 
 


  

 


  
 


 
+

 
  

 

 



 
 "



 


 





 
+

9 



  

7
 "


 
  


  
 
2
 
 

$ 
 
 
 



 



%
+

 

 




 


 

  
W ,
"
 

  




 



 
 
  

7





"


 



, -  0





  

 

+  



 
  

 

$ 
  

"  

 


 

*

  





 
 



$ 
 
 
 
 ,


 
 $





 %

 

  
 
 
 

 





   
1




%
 
 

   


 
 
 
  

  
  2

1EB
N>=?
^
4 

 


 
-
) 

*
7

,


REFERÊNCIAS
54+BD)51
J)D+&x
VB
&+J&D1P
518
45&+BD5QJ

>@>H
W 
@>>@-
4, 

5J&4
E
<<G->@
J 
&
4

J
J '
:V ;
& U
5JJ)D5y]
EB5JDQ+DB5
8+
1B45J
&6)1D)5J
5E1&
1EB
N>=?!<=NK
4 


 


 
^
) 

*
7
,
0
B

\ 
<=NK
)5QQDJ&+B{
8
V  

)#

+  

4 
@|
 
@|
 
B


\ 
Q&)
@>>M
V3B&58
W
W 
5 

4
B

\ 
Q&)
@><>
P+4+QQD
+ 
) 

 



  $
B

\ !
Q&)
@>><
P+1&DQ
C
) 
K
 
B

\ !
Q&)
<=NG
gggggg
) 
K
 
B

\ !
Q&)
@>>@

    !"#$   #%##&


#&+


 /0   
/ 1

 
2(    (    

P+1&DQ
C
) 
H
 
B

\ !
Q&)
@>>=
4J5x+ED
E $
`5L+4+D1D
4  
E585`TJT51
5  
J5V+`B8D
5A 

4 




 
   

 

 
 
 



 

 

5-) 
4 

4 
@>>@
C
?=
D!
M

?@M

^
?K@
WD1T])
4 
4
5
$ 
 

 9 
 .
E18+J
@>>>
B54515&T51
Q  
C
) 


 
J
W!
T 
@>>?

Revista de Ciências Exatas e Tecnologia


#&