Você está na página 1de 7

MAGIAS RÚNICAS

A maioria das pessoas está familiarizada com o aspecto divinatório das


Runas, mas elas também podem ser utilizadas em trabalhos de magia para o
bem ou para o mal. Enquanto alguns podem se preocupar com as
implicações éticas, o Ásatrú prega essencialmente um caminho espiritual do
indivíduo. Portanto cabe a cada um julgar aquilo que acredita ser o certo
para si, agir de acordo com suas crenças e aceitar as conseqüências de
suas ações.

Amaldiçoar era uma prática muito comum de quase todos os povos antigos
e consiste basicamente, na invocação de poderes ocultos para se vingar de
alguém ou para fazer algo contra um inimigo. As formas de se lançar
maldições varia de cultura para cultura. Na tradição Nórdica, há duas
práticas muito utilizadas. A primeira delas é com a “Runa dos Trolls”.

A Runa dos Trolls é Thurisaz, e quando usada três vezes consecutivas irá
ativar uma Seqüência Rúnica de Troll. Isto altera ou inverte o sentido das
Runas posteriores. Em Numerologia Rúnica, três é o número de invocação
de um anão (personagem da mitologia nórdica), que amplia o poder de uma
Seqüência Rúnica de Troll. O número total de Runas em uma Seqüência
Rúnica de Troll, também pode ser de quatro ou seis runas.

Um seqüência de quatro Runas é utilizado para provocar irritação,


aborrecimento, angústia e desconforto ao inimigo. Seis Runas são usados
para subjugar alguém, causar-lhe hostilidade e trazer-lhe que o que é
indesejável. Outros números podem ser usados, mas esses são os mais
comuns. Quando se lança uma Seqüência Rúnica de Troll, o significado de
cada uma das Runas utilizadas geralmente torna-se contrário aos seus
significados normais. Por exemplo:

Fehu - Pobreza
Uruz - Perda de força
Ansuz - Fracasso
Raido - Prisão
Kenaz – Caminhos fechados
Gebo - Separação
Wunjo - Tristeza/ Frustração
Hagalaz - Destruição
Nauthiz - Doenças
Isa - Obstáculos / bloqueio
Jera - Fome
Eihwaz - Perda de habilidade
Perthro - Má Sorte
Algiz - Vulnerabilidade
Sowelu - Derrota
Teiwaz - Fraqueza
Berkana - Esterilidade
Ehwaz - Incerteza
Mannaz - Abandono
Laguz - Lágrimas
Inguz - Luxúria
Othila - Perda de herança
Dagaz - Trevas

Um exemplo do uso das Runas de Troll vem do Lenda de Skirnir que


relatamos à seguir: O deus Freyr estava apaixonado por Gerd (uma bela
giganta). Seu servo Skirnir é enviado para convencê-la a aceitar a sua
proposta. Ele tenta várias abordagens incluindo subornos. Gerd continua
relutante até que Skirnir recorre às ameaças e invoca contra ela uma Runa
de Troll:

“E te lanço uma Runa de Troll e lanço com três letras,


Feiura, frenesi e luxúria e posso retirá-las como as lancei.
Se encontrar um motivo justo.”

Então finalmente ela cede, porém não se livra de receber a maldição. Skirnir
diz que só removerá a Runa de Troll quando ela firmar um compromisso
com Freyr. Desta forma, a maldição não era permanente… o feiticeiro
poderia remover um ou todos os seus aspectos, então seus efeitos
cessariam.

Em segundo lugar, está a utilização do Nidstang (Mastro de Maldição) contra


um Nithing (Amaldiçoado).

Um Nithing era uma pessoa que havia perdido toda honra e


respeito devido à inércia, ou a sua incapacidade para executar
ações ou funções que se esperava deles. Covardia, quebra de
juramento, comportamento criminoso, ou por agir fortemente
contra costumes estabelecidos. Um comportamento
inadequado era suficiente para tornar uma pessoa um nithing.

Então o feiticeiro erigia um mastro chamado Nidstang (Em


nórdico antigo, Níðstöng), a fim de atrair um mau augúrio
sobre o maldito. Neste Mastro geralmente entalhava-se as
runas de feitiço e no topo colocava-se uma cabeça de cavalo,
que apontava na direção da casa do Nithing. A idéia do Nidstang é que ele
iria terrificar aqueles que moravam nas imediações do delinqüente,
alertando-os para que se mantivessem à distância do maldito e para que não
lhe concedesse empréstimo ou ajuda.

Veja neste link um exemplo de um "Nidstang Virtual" erigido contra um


"Nithing" : http://www.runehof.org/nithing/dokken.html

Na Saga de Egil Skallagrimsson ( um conto islandês / norueguês do século X


). Conta a lenda que havia um litígio entre o Rei Eirik e Egil Blodyx
("Machado Sangrento"). Egil teria repreendido o Rei que havia cometido
muitas ilegalidades e resolveu confrontá-lo. Esta situação terminou de forma
sangrenta, com muitos mortos de ambos os lados.

Quando Egil havia morto um grande número de aliados do Rei Eiriks, na ilha
de Herdla (fora da Islândia), com raiva ele coloca um poste de madeira no
local mais alto desta ilha, e no topo do mastro ele coloca uma caveira de
cavalo, apontando para a terra. Sobre o mastro ele entalhou Runas
Sagradas, com uma maldição para o Rei Eirik e também proferiu, este "Nid"
(maldição) contra o Rei:

"Eu declaro maldita esta terra e condeno todos que nela habitam, inclusive
todas as formas de vida selvagem, a não encontrar suas casas, até que o Rei
Eiríkr e Gunnhildr sejam conduzidos para fora desta terra."

Segundo a lenda, a maldição logo teve seu efeito, e o Rei Eirik e sua rainha
Gunnhildr fugiram para as Ilhas Britânicas.

Lançar um "Nid" em alguém era uma forma de maldição verbal, um ritual


mágico que foi considerado muito poderoso durante a era Viking. O poder
das palavras não era subestimado, por isso, uma maldição deste tipo era
considerada uma coisa muito séria para enviar à alguém.
Este trabalho não tem como objetivo incentivar o lançamento de maldições,
apenas descrevemos aqui as “técnicas” como eram utilizadas e não
entramos no mérito de eventuais aspectos éticos. Somente a pessoa que se
sente injustiçada, pode realmente decidir se uma maldição é sua única
opção. Portanto, cabe somente a ela tomar uma decisão e lidar com as
conseqüências dessa escolha.

Essa é a Lei do Ásatrú.

Carlos Roberto ( Amon Sol )


NUMEROLOGIA NÓRDICA
A Numerologia Nórdica está intrinsecamente ligada ao trabalho com Runas
utilizando interpretações numéricas. A base para este sistema é a atribuição
de um número equivalente à determinada letra, associando essa letra com a
Runa correspondente, para depois poder interpretar a natureza mágica ou
espiritual de uma inscrição rúnica. Veja tabelas abaixo:

Tabela Nórdica - Atribuições e características dos números.

1 - Número de inícios de causas profundas, solidão, vigor.


2 - Cooperação, forças trabalhando em conjunto, força física, poder dos
pares.
3 - Número Sagrado de processo concluído, função na raiz do dinamismo,
realização.
4 - Solidez, espera, poder contido, direções cardeais.
5 - Ordenação de tempo e espaço, assuntos jurídicos, invocações.
6 - Vibração da vida, força vibrante, criação e destruição.
7 - Morte, passividade, contato com outros mundos, astrologia.
8 - Conclusão, manifestação, integridade, simetria.
9 - Número holístico, raiz dos poderes cósmicos, poderes psíquicos,
intenções.

Ao compararmos com a Numerologia Pitagórica, percebemos que a


Numerologia Nórdica difere da primeira, na medida em que nesta não há
necessariamente características opostas entre os números, mas antes tem
sentidos opostos contidos na mesma atribuição de cada número. Por
exemplo, ao número 6 é atribuído tanto o poder de criação quanto o de
destruição que são conceitos considerados naturalmente opostos. Além
disso, ao número 2 é atribuído o poder dos pares em vez de ser considerado
como oposto ao número 1. No entanto, aqui também existe uma
semelhança: O número 1 está associada com a força solitária, enquanto que
2 está associado com forças trabalhando juntas.

3, 9, e múltiplos de 3 e 9 são considerados muito potentes magicamente.


Conta-se que Odin conhecia outras nove Runas mágicas além das 25
conhecidas. Segundo a cultura anglo-saxônica Odin realizava a magia
“wuldor tanas” (galhos de glória), utilizando ramos de nove ervas diferentes.
Nos ramos eram entalhadas essas nove runas (letras iniciais dos nomes
dessas nove plantas), que por sua vez, estavam relacionadas com as
propriedades dessas ervas. Atualmente nove wunjo são muitas vezes
entalhados em varinhas mágicas como símbolo da glória de Odin.

Na cosmologia nórdica o número 7 representa as sete esferas em que se


situam os diferentes mundos, à saber:
1) Vanaheim, o mundo do tudo e do nada de onde convergem os inícios e
para onde retornam todos os finais, sejam homens, deuses ou seres
inferiores.
2) Asgard, morada dos deuses e heróis, semelhante ao Olimpo da mitologia
Grega.
3) Alfheim o mundo dos Elfos, na superfície vivem os Elfos da luz, belas
criaturas brilhantes como o sol, nos subterrâneos vivem os Elfos da noite,
anões narigudos de aparência grotesca e pele encardida.
4) Midgard ou mundo do meio onde vivem os homens.
5) Jotunheim, o mundo do gelo onde vivem os gigantes do gelo.
6) Muspelsheim, o mundo do fogo onde vivem os gigantes do fogo.
7) Niflheim, o mundo dos mortos, império de Hella a deusa da morte, para
onde vão todos os mortos por velhice ou doença e, onde vivem anões,
gigantes e outros seres grotescos como os Trolls.

É importante salientar que a Numerologia Nórdica ou Rúnica, funciona


melhor para aqueles que estão familiarizados com as tradições nórdicas,
mais especificamente a germânica. Por esta razão, o estudo dessa técnica
pode ser um grande desafio para a maioria das pessoas.

APLICAÇÕES PRÁTICAS

Runa do Destino
Somar os números das letras do nome da pessoa e reduzir até encontrar um
número de 1 a 24. Localize na Tabela FUTHARK a Runa correspondente.
Ex: JOÃO DA SILVA
1+7+1+7+4+1+ 2+1+3+6+1 = 34 (3+4) = 7 = GEBO

Runa de nascimento
Somar o número do destino com o número da data de nascimento, reduzir
essa soma até encontrar um número de 1 a 24. Localize na tabela a Runa
correspondente. Ex: JOÃO DA SILVA
1+7+1+7+4+1+2+1+3+6+1 = 34 (3+4) = 7
01/12/1960 = 1+1+2+1+9+6+0 = 20 (20+7) = 27 (2+7) = 9 = HAGALAZ

Runa de Aniversário
Semelhante ao anterior, modificando apenas o ano de nascimento para o
ano atual.

Runa do Ano
Somar o número do destino com o número do ano atual, reduzir essa soma
até encontrar um número de 1 a 24. Localize na tabela a Runa
correspondente.

Runa do mês
Somar o número do destino com o número do mês e ano atual, reduzir essa
soma até encontrar um número de 1 a 24. Localize na tabela a Runa
correspondente.

Runa do Dia
Somar o número do destino com o número do dia, mês e ano atual, reduzir
essa soma até encontrar um número de 1 a 24. Localize na tabela a Runa
correspondente.

Após identificar a runa correspondente, deve-se buscar a sua interpretação.


Também pode-se continuar reduzindo até obter a soma de 1 a 9 e interpretar
conforme a tabela de atributos dos números. Por exemplo, o João da Silva
tem um número de destino 7 e nasceu sob um número 9, podemos deduzir
que essa pessoa tem habilidade para lidar com o ocultismo e que poderia
muito bem desenvolver uma carreira voltada à religiosidade e
espiritualidade.

Além das descrições disponíveis em livros e sites, procure entrar em


sintonia com a divindade que rege aquela runa e ouça os seus conselhos.
As runas, mais que um simples oráculo é sobretudo um instrumento mágico
que nos transporta à um mundo misterioso de magia e espiritualidade que
está localizado bem pertinho de você, é isso mesmo, está no seu interior, é o
mundo onde vive a sua alma.

Como podemos perceber, não existe uma maneira única de trabalhar com a
Numerologia Nórdica. Em vez disso, há muitas interpretações possíveis,
todas baseadas em diferentes aspectos da cosmologia e mitologia dos
povos nórdicos.

Carlos Roberto ( Amon Sol )

Já jap eu tiro isso