Você está na página 1de 2

A perda fenomenologia do lar (o porquê)

A casa e a perda de identidade/ desfiguração para um propósito vazio

“the buildings of our own time way arouse our curiosity with their daring or
inventiveness, but they hardly give us any sense of meaning of our world or our
existence.” geometry of feeling

Esta reflexão procura esclarecer o problema do lar contemporâneo, na

Explicar o problema?

O museu, montra para a exibição da arte para o mundo e espectador, com objetivos
nobres de enaltecer a cultura e promover a instrução, com capacidade de desenvolver
a sociedade, dar ferramenteas e conhecimentos, colocar problemas etc representa a
erudição. servir o homem – propósito interventivo

Apesar do nobre objetivo do museu, o modelo de interação do museu foi explorado de


forma, um pouco perversa, pela sociedade. Modelo de negócio

Porquê?

O museu que devia propiciar o conhecimento tornou-se num modelo que confunde
ainda mais a cultura social, e que deixou, bem o homem.

Conflito económico/cultural –

Deve existir um equilíbrio entre este conflito num tipo de instituição como esta porque
se não existir o museu perde o propósito original, e não transmite o propósito da arte.
e acaba por intensificar este problema em vez de o combater

Procura pelo maior número de peças – análise superficial das matérias – serve para
quê? – Reflexo da velocidade dos tempos contemporâneos. e do problema da obceção
pela visão – superficialidade

Cultura das massas

-distorção do objetivo da arte

O exemplo do museu é só para demonstrar o que se passa também no contexto


habitacional

Distorção dos símbolos que representam o lar


A arquitetura é sobretudo uma questão de tempo. O tempo altera o contexto, o
espaço, a sociedade ao qual a arquitetura vai intervir.

Conflito novo vs rural – contemporâneo? Não. isto é outro tema pa tese.

Isto foi o erro da arquitetura moderna.

O louvor da atual da sociedade em torno da imagem desprovida demasiadas vezes de


significado, apenas assente em valores supérfluos e códigos estéticos tem se refletido
na arquitetura tanto através do cliente como arquiteto. A arquitetura é naturalmente
um reflexo das inquietudes sociais.

É impossível a arquitetura se desligar da imagem, a arquitetura é imagem q

“A arquitetura trata de aspectos do mundo, da vida e dos significados existenciais, mais


do que estéticos. “ Não queremos ver a obra de arte, mas o mundo de acordo com a
obra”” Habitar p113

distorcer o sentido original das coisas

Lareira

janela

mesa jantar

o tapete

o gurda roupa

a estante dos livros

os espaços – espaços não necessários

“A própria transparência de uma porta contemporânea reduz o poder da imagem; a


porta tornou-se janela… a cobertura perdeu sua qualidade protetora… a parede
reduziu… Habitar p.104