Você está na página 1de 110

Patrocinio:

Anuário Anepac 2011


Guia de Fornecedores | Catálago de Produtores
Editorial

O primeiro Anuário da ANEPAC reproduziu matérias


relevantes publicadas durante os 10 anos da Revista Areia & Brita. Neste
segundo Anuário, resolvemos abordar um tema que assombra produtores de
agregados de todo o mundo: acesso aos recursos minerais para a produção de
areia, cascalho e brita.
Rochas e sedimentos são as fontes primordiais para a produção dos
referidos agregados. Qualquer rocha, em princípio, pode ser usada para a
produção de pedra britada. Areia e cascalho são obtidos do acúmulo de
sedimentos resultantes de diversos processos erosivos que rochas sofrem na
Natureza. Rochas e sedimentos são abundantes na Natureza e se supõe que os
recursos minerais para a produção de areia, cascalho e pedra britada.
Embora abundantes, os sedimentos estão localizados em regiões onde há
muita disputa pelo espaço. A água sempre foi essencial para a Humanidade
e o homem sempre buscou estar próximo para se abastecer dela. Com o
desenvolvimento da sociedade humana e florescimento do comércio, o
transporte também se tornou essencial e as proximidades de rios, lagos e mares
se tornaram locais preferenciais para o estabelecimento das aglomerações
humanas. Enquanto a produção de areia e cascalho pôde conviver com o Um exemplo claro do fator NIMBY é a luta que trava a empresa
crescimento das cidades, não houve problema de acesso a estes recursos. Granite Construction Company para abrir sua operação Liberty Quarry
Contribuíram também para o acesso a tais recursos naturais o desenvolvimento no condado de Riverside, no estado da Califórnia, Estados Unidos.
das máquinas e o descobrimento da dinamite, que permitiram que o trabalho Embora tenha tido aprovação de todos os órgãos técnicos envolvidos e
em rocha deixasse de ser artesanal e se tornasse industrial, fazendo com que tenha apresentado um extenso relatório de impacto ambiental, a Granite
a pedra britada passasse a ser largamente usada em substituição ao cascalho. Construction ainda luta nas audiências públicas com a oposição de
O pós-guerra com a necessidade da reconstrução das cidades; o crescimento grupos organizados. Os estudos e os desdobramentos do licenciamento
da malha rodoviária com a crescente indústria automobilística, e a preferência da Liberty Quarry podem ser vistos e acompanhados no sítio “Liberty
dada ao transporte sobre rodas; e o êxodo rural que fez crescer a urbanização, Quarry Facts” e no blog “aggregateresearch.com”.
fizeram com que a construção civil florescesse e com ela o consumo dos Por todos estes fatos, tornou-se essencial para a indústria de produção de
agregados. No artigo de Jorge Carvalho e Luiz Martins que republicamos agregados que os recursos minerais dos agregados sejam considerados nos
(originalmente publicado no nº 36 de AREIA & BRITA), há um gráfico que planejamentos regionais e, principalmente, que sejam preservados e tenham
mostra o comportamento das reservas de agregados. Até 1950, a redução é acesso facilitado. Areia, cascalho e pedra são produtos essenciais para a
praticamente imperceptível. A partir daí, ela passa a ser brusca. Nos anos 60 e construção civil e são insubstituíveis. Mesmo com a grande queda observada
70, outros fatores como a proteção ambiental, junto com a maior urbanização e nos países desenvolvidos a partir da crise imobiliária e bancária de 2008, o
o maior consumo, tornam essa redução alarmante. mundo ainda consumiu mais de 30 bilhões de toneladas de agregados em
O que o gráfico mostra é a realidade de hoje. Poucos recursos e grande 2010. Esse nível de consumo não vai reduzir e, portanto, o acesso aos recursos
dificuldade de acesso a eles. A dificuldade de acesso é a crença da maioria, de agregado é fundamental para que seja mantido o nível de vida nos países
incluindo aí as autoridades responsáveis pelo licenciamento, de que os recursos desenvolvidos e para que a população dos demais países possa desfrutar o
são abundantes. Também entra neste contexto o fator NIMBY (Not In My Back conforto da vida moderna.
Yard), ou seja, “no meu quintal não”. Fernando Valverde - Presidente

Anuário anepac 2011 3


Sumário

Anuário anepac 2011

73 79

3 Editorial

8 Acesso aos depósitos de agregados: uma questão mundial

10 Políticas de planejamento e procedimentos de licenciamento para assegurar o abastecimento sustentável de agregados na europa

22 Acesso aos recursos minerais de agregados na Austrália

24 planejamento para agregado e sua extração na Nova Zelândia

32 Agregados para construção civil e ordenamento territorial no brasil

43 Panorâmica da extracção de agregados em Portugal, ambiente e ordenamento do território

54 Ordenamento territorial da mineração

63 Aplicação de britagem truckless com glory hole

65 Catálogo de fornecedores para o setor de agregados

73 Catálogo de produtores de agregados - Areia

79 Catálogo de produtores de agregados - Brita

4 Anuário anepac 2011


Expediente

Publicação da ASSOCIAÇÃO NACIONAL DAS ENTIDADES


DE PRODUTORES DE AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO
CIVIL - ANEPAC
Rua Itapeva, 378 Conj. 131
CEP: 01332-000 São Paulo – SP
E-mail: anepac@uol.com.br
Site: www.anepac.org.br

Conselho Editorial Conselheiros EDITORA


Fernando Mendes Valverde Eduardo Rodrigues Machado Luz (SP)
Milton Akira Kiyotani Carlos Toniolo (RS)
Gláucia Cuchierato Marco Aurélio Eichstaedt (SC)
Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio (SP)
Diretoria Antero Saraiva Junior (SP) Editora KD Comunicação e Propaganda
Presidente Executivo Luiz Eulálio Moraes Terra (SP) Presidente: Carla Kós Duboc
Fernando Mendes Valverde José Luiz Machado (RS) End: Av. Washington Luis, 4489
Diretor Pedro Antonio Reginato (RS) Cep: 04627-001
Daniel Debiazzi Neto Sandro Alex de Almeida (RS) Tel: (11) 5095-2322
Cel: (11) 9723-2506
Fábio Rassi (GO)
Nextel: (11) 7703-3199
Conselho Administrativo Fauaz Abdul Hak (PR)
ID: 107*63808
Presidente Rogério Moreira Vieira (RJ) email: carlakosduboc@gmail.com
Ednilson Artioli (SP)
Vice-presidente Conselho Fiscal *A pesquisa de fornecedores foi efetuada pela ANEPAC.

Sérgio Pedreira de Oliveira Souza (BA) Luiz Eulálio M. Terra **O cadastro de produtores tem como base listagem enviada pelas
entidades associadas à ANEPAC e as empresas mantenedoras.
Pedro Antonio Reginato
As empresas que não constaram neste segundo ano pedimos que
Fábio Rassi entrem em contato para o respectivo cadastro para a 3º Edição -
e-mail: carlakosduboc@gmail.com”

“ERRATA: O anuncio da Volvo constante na página 99 do Anuário Anepac 2010 foi publicado sem autorização da empresa.

6 Anuário anepac 2011


Anuário anepac 2011 7
Reportagem

ACESSO AOS DEPÓSITOS DE


AGREGADOS: UMA QUESTÃO MUNDIAL
Levantamentos mostram que o concreto é o segundo produto mais consumido no mundo,
só ficando atrás da água. Concreto é essencial em todas as obras de construção, sejam elas
de infraestrutura (rodovias, ferrovias, canais, portos, aeroportos, hidrelétricas, termelétricas,
etc.), sejam elas edificações (moradias, prédios industriais, comerciais, escolas, hospitais,
etc.). Concreto é uma mistura de agregados (areia e pedra britada), cimento, água e aditivos,
sendo que 70% em volume do concreto é constituído de agregados.

G
rosso modo, pode-se então afirmar que areia e brita muitos dos recursos existentes. No caso da areia e do cascalho, a
são os produtos minerais mais consumidos no mundo, extração no leito de rios e lagos é proibida em muitos países ou sofre
pois além de constituírem 70% do concreto, são usados restrições severas. Muitos depósitos sedimentares de origem fluvial e
em mistura com o asfalto na pavimentação; constituem lacustre estão dentro de áreas protegidas ambientalmente e também
a base de toda rodovia, rua ou avenida pavimentada; servem como há restrições a seu aproveitamento. No caso de rochas, há fatores
base e lastro em ferrovia; e fazem parte da argamassa. Entretanto, no como proteção de encostas, de escarpas, de cavernas e paisagística,
mundo inteiro, governos não sabem disso e pouca importância é dada e localização em parques ou áreas de proteção de florestas, que
a estes recursos minerais. Embora haja regiões ou mesmo países onde também restringem os recursos minerais passíveis de aproveitamento.
os depósitos de areia e cascalho ou de rocha para britagem sejam O crescimento da urbanização também é um fator importante.
raros e até não existam, pode-se afirmar que estes recursos minerais Muitos depósitos minerais foram esterilizados pela urbanização.
são abundantes em todo mundo. Esta percepção de abundância faz Áreas em mineração e áreas virgens com depósitos que poderiam ser
com que a maioria dos governos não considere necessária a proteção lavradas por décadas foram envolvidas pelo crescimento das cidades.
a esses depósitos e até criem restrições a seu acesso. Originalmente, longe do centro urbano, eram propriedades de baixo
Sendo os produtos minerais mais consumidos do mundo, pode- valor e tinham como uso predominante a agricultura, a pecuária e a
se ter ideia do volume de areia e de brita movimentado no mundo. extrativa mineral, principalmente de sedimentos, como areia, cascalho
O mundo consumiu em 2010 quase 3,3 bilhões de toneladas de e argila (tijolos e telhas), e de rochas para produção de pedra de
cimento. Para cada tonelada de cimento consumida, cerca de 3,5 talhe e de pedra britada. Com a industrialização, o êxodo rural e a
m³ de areia e 2,2 m³ de brita foram consumidos, significando que instalação do comércio e das atividades de serviços, muitas cidades
mais de 18 bilhões de metros cúbicos de agregados (30 bilhões se expandiram, na maioria das vezes de forma desordenada. Assim
de toneladas) foram movimentados em caminhões, trens e barcos, sendo, as atividades que originariamente ocupavam o espaço foram
sendo o transporte rodoviário responsável pela maior parte. Como são expulsas para locais cada vez mais distantes. No caso dos depósitos
materiais básicos, pouco sofisticados, não necessitando de grande minerais, estas foram irremediavelmente perdidas.
preparo para serem colocados no mercado, areia e brita têm baixo Outro fator, também de certa forma ligado à urbanização, é o
valor unitário, o que faz deles produtos praticamente insubstituíveis. chamado NIMBY, acrônimo na língua inglesa para “Not In My Back Yard”
Pelo seu baixo valor, o transporte torna-se fator primordial para seu ( “não no meu quintal”). São atividades que a maioria das pessoas não
preço final na obra. Uma distância de transporte de 50 km mais do quer por perto, como depósitos de lixo (lixões), feiras livres e mesmo ruas
que duplica seu preço final. A necessidade de que tenha um preço de lazer. Atividades permanentes e de longa vida média como lixões e
final baixo para permitir que construções possam ser feitas a baixo minerações são as mais rejeitadas. Minerações de agregados como
custo reduzem a possibilidade de que todos os recursos minerais de pedreiras ou cavas de areia sofrem com o fator NIMBY por estarem
agregados sejam aproveitáveis economicamente. muito próximas às comunidades. Elas reclamam dos ruídos, da poeira
Além da economicidade, outros fatores também interferem. Os e do tráfego de caminhões. A pressão dos munícipes, de organizações
cuidados ambientais reduziram bastante a possibilidade de aproveitar não governamentais e de grupos organizados muitas vezes faz com

8 Anuário anepac 2011


que governantes e legisladores criem regras para impedir a instalação A matéria traz o prefácio feito por Jim O’Brien ao relatório da
de minerações em seu território. Muitas vezes, o argumento é que areia Universidade Leoben, a síntese deste relatório e o posicionamento da
e rocha são abundantes e que podem ser obtidas em qualquer lugar. UEPG em relação ao Comunicado da União Europeia.
Agregados para construção dificilmente podem ser substituídos. A matéria também traz exposição feita por Ken Slattery, executivo
Mesmo que se aproveitem todos os resíduos de construção e de chefe da Associação Australiana do Cimento, Concreto e Agregados
desmonte (entulhos), eles não representarão mais do que 10% (CCCA), que representa o setor de agregados na Austrália, sobre os
da demanda. O consumo de agregado cresce com a melhoria de principais problemas que os produtores de agregados da Austrália
condições de vida das populações e reflete o nível de vida dos povos. têm para garantir o acesso aos recursos de agregados. Expõe
Países desenvolvidos consomem de 5 a 12 toneladas de agregados também os sistemas vigentes de planejamento e procedimento de
por habitante por ano, enquanto países pouco desenvolvidos licenciamento em cada um dos estados que formam a Austrália,
consomem menos de 2 toneladas. Estudos mostram que o consumo Victoria, Queensland e Nova Gales do Sul.
cresce com o desenvolvimento econômico e se estabiliza em um Outro sistema de planejamento importante é o da Nova
patamar alto pela necessidade de manutenção e pelo ciclo de vida Zelândia. O mais interessante é que ele foi desenvolvido pela
das construções. Associação de Agregados e Indústria Extrativa da Nova Zelândia
Então, a demanda por agregados vai continuar alta mesmo em (AQA – Aggregate and Quarry Association) em parceria com o
países desenvolvidos e será crescente em países em desenvolvimento, Ministério para o Meio Ambiente e Governos Locais da Nova
o que torna premente que o acesso a futuras fontes e a manutenção Zelândia. Foi criada uma Norma Reguladora “como uma forma de
das atuais extrações de agregados naturais sejam garantidos. Embora promover as melhores práticas para lidar com as questões difíceis
sejam abundantes, nem todo recurso mineral de agregados pode ser do alcance e da escala do gerenciamento de recursos associados
aproveitado, seja por fator econômico, seja por fator ambiental. Então aos agregados e sua indústria extrativa.” Questões chaves foram
todos os depósitos que não se enquadrassem nestas restrições deveriam levantadas e posteriormente discutidas com outras questões que
ser protegidos para garantir fontes seguras para atender à demanda. surgiram na “Conferência para o Planejamento do Agregado e de
sua Indústria Extrativa” realizada em junho de 2009 e foram a base
Luta pela preservação dos recursos e pela da Norma Reguladora.
garantia de acesso
Essa é a luta que travam produtores de agregados em várias Matérias assinadas
partes do mundo. Nesta matéria, vamos expor o que a Associação Além das questões expostas pela UEPG, CCCA e AQA, duas
Europeia de Produtores de Agregados (UEPG) vem fazendo junto à matérias assinadas, apresentadas no 2º Seminário Internacional
Comissão Européia para que os Países Membros da União Europeia Minería, Medio Ambiente y Ordenamiento Territorial, realizado em
criem políticas de proteção e acesso aos recursos minerais e fevereiro de 2006, em Bogotá, foram incluídas. A primeira é a palestra
desburocratizem os procedimentos de concessão. Desde 2008, existe “Agregados para Construção Civil e o Ordenamento Territorial no
na Comissão Europeia uma iniciativa para valorizar as matérias primas Brasil” apresentada por Fernando Mendes Valverde, presidente
minerais e a UEPG é uma ativa participante dessa Iniciativa, tendo da ANEPAC. A segunda é a palestra “Panorâmica da Extração de
produzido um estudo encomendado à Universidade de Leoben. Em Agregados em Portugal, Ambiente e Ordenamento do Territórios”, de
fevereiro de 2011, a Comissão fez um comunicado sobre a Estratégia Jorge Carvalho e Luiz Martins, que também foi publicada na edição nº
para as Matérias Primas, mas por pressão de um Estado Membro 36 da revista Areia & Brita.
incluiu no Comunicado estudo sobre mercado de commodities, o que
de certa forma frustrou as expectativas da UEPG.
Indagado a respeito, Jim O’Brien, presidente da UEPG, disse
que, de fato, a Associação ficou um pouco desapontada por ter a
Comissão Europeia incluído as commodities no documento sobre a
Estratégia, mas que as necessidades reais do setor mineral e dos
agregados em particular foram reconhecidas. O’Brien disse ainda que
o lobby que a UEPG faz na Estratégia pelas Matérias Primas é “um
trabalho em desenvolvimento” (work in progress) e que “a campanha
continua em diferentes níveis de modo a chegar aos resultados que
realmente precisamos”. Afirmou ainda que “seguramente, o setor
mineral está agora recebendo muito mais reconhecimento positivo em
relação a: os produtos essenciais que fornece; os muitos empregos
que proporciona; as boas relações que operadores responsáveis têm
com as comunidades locais; e a enorme contribuição positiva que dá
à biodiversidade.”

Anuário anepac 2011 9


Reportagem

Políticas de Planejamento
e procedimentos de licenciamento para assegurar o
abastecimento sustentável de agregados na Europa

Jim O’Brien - presidente da Union Européenne des Producteurs de Granulats (UEPG)

UEPG, Associação Europeia de Agregados, representa as associações de produtores


de agregados e produtores de 26 países da Europa. Cerca de 3 bilhões de tonela-
das de agregados (principalmente pedra britada, areia e cascalho) são consumidos
anualmente na Europa, usados principalmente como sub-bases estruturais em pavi-
mentação, concreto e asfalto que por sua vez são partes vitais de construção da infra-
-estrutura doméstica, comercial e social da sociedade europeia. Agregados naturais
só podem ser extraídos de pedreiras e cavas onde depósitos geológicos economica-
mente viáveis ocorrerem. Ter acesso a esses depósitos cada vez mais raros está se
tornando cada vez mais difícil em toda a Europa por causa de usos de solo concor-
rentes, particularmente nas regiões mais desenvolvidas densamente povoadas. Como
agregados são pesados e volumosos, é altamente desejável, sob qualquer ponto de
vista, que sejam extraídos de locais próximos do mercado onde é consumido, parti-
cularmente onde transporte ferroviário ou de cabotagem não é possível, como nor-
malmente é o caso. Por conseguinte, acesso a recursos locais de agregados é uma
questão chave, fundamental e crítica para UEPG.

10 Anuário anepac 2011


P
or esse motivo, UEPG tem participado ativamente da demanda de agregados vai continuar a crescer com o desenvolvimento
Proposta das Matérias-Primas Minerais (RMI) da Comissão econômico tanto da Europa como de seus países. Evidência empírica
Europeia desde sua concepção, tendo apresentado, em mostra que economias desenvolvidas podem exigir até 12 toneladas
dezembro de 2009, um documento sobre como encara o de consumo per capita por ano, embora isso possa sofrer influências
problema em dezembro de 2009. A UEPG agora quer que as principais positivas ou negativas de curto prazo, isto é, de boom econômico ou
preocupações da indústria de agregados sejam compreendidas pela recessão. Consequentemente, é razoável prever que a demanda Europeia
RMI e que recomendações básicas para as principais necessidades de agregados em breve irá recuperar seu nível de 2008 de 3,5 bilhões
da indústria estejam incluídas nas conclusões finais da RMI. de toneladas e alcançará 4 mil milhões de toneladas a médio prazo,
Para dar mais peso e credibilidade impulsionada princi­palmente pelo
a sua posição, UEPG procurou a crescimento econômico nas
ajuda da Universidade de Leoben, re­ gi­
ões Cen­ tral e Sudeste da
um instituto líder neste campo e que Europa. Esta demanda crescente
tem reconhecimento internacional. A de agregados de­ ve, pois, ser
Universidade de Leoben nos atendeu aborda­da por Políticas Minerais e
com muito profissionalismo. Após por Planos nacionais.
aprovação da Assembléia da UEPG, O relatório, em seguida,
este relatório final é agora apresentado analisa as políticas de minerais
como documento oficial da UEPG em toda a Europa e mais
para a RMI. UEPG sinceramente especificamente Políticas de
agradece à Universidade de Leoben, Planejamento para Agregados
em especial aos professores Peter do Estados-Membros. Conclui-
Moser e Horst Wagner, e também se que poucos Estados-
ao Dr. Günter Tiess e ao estudante Membros têm uma abordagem
Alexander Kriz pela dedicação ex­ estruturada para enfrentar o futuro
trema na conclusão deste trabalho fornecimento sustentável de
seminal em um prazo muito apertado. agrega­dos. Is­so pode refletir uma
Jim O’ Brien, presidente da UEPG falta de compre­ ensão do papel
Bruxelas, 4 de junho de 2010. vi­tal dos agregados para atender
as necessidades físicas da
SUMÁRIO EXECUTIVO sociedade. Assim, na ausência
Agregados (isto é, cascalho, areia de tais políticas, o supri­ mento
e pedra britada) são ingredientes de agre­ga­dos po­de tornar crítico
essenciais dos ma­teriais de construção crítica em várias regiões, levando
que fazem a infra-estrutura residen­ a deficiências de abastecimento
cial, co­mercial e social da sociedade local, com graves consequências
Europeia moderna. no transporte, no uso de energia
A Europa necessita atualmente e nas emissões de CO2. Daí
de cerca de 3 bilhões de toneladas a necessidade de estabelecer
de agregados por ano, o equivalente Políticas de Planejamento para
a mais de 6 toneladas per capita. Cerca de 90% destes agregados Agregados em todos os Estados-Membros.
vêm de depósitos que ocorrem naturalmente e os restantes 10% de Posteriormente, o Relatória analisa os Sistemas de
materiais reciclados, agregados marinhos e industriais. A produção de Licenciamento para extra­ ç ão de agregados nos Estados-
agregados reciclados e marinhos vai continuar a crescer, porém por Membros. Conclui-se que, na maioria dos casos, eles são
longo prazo cerca de 85% da demanda ainda terá de vir de agregados demasiado complexos e lentos, restringindo des­n e­c essariamente
naturais. Como agregados são pesados e volumosos, é imperativo por o acesso aos re­­cur­s os minerais e que muitas permis­s ões even­
razões econômicas e ambientais que eles se originem de depósitos tual­
mente conce­ didas são de­ ma­s iado curtas para justificar
próximos dos principais mercados, particularmente onde transporte investimentos ade­ quados. Em alguns Estados-Membros, sis­
ferroviário ou de cabotagem não seja possível, como normalmente temas de licen­c iamento são tão inconsistentes ou defeituosos
é o caso. Por conseguinte, acesso a recursos locais de agregados de modo que fomentar operações ilícitas, muitas vezes trazendo
é uma questão chave, fundamental e essencial para a indústria de descrédito a todos os pro­du­tores de agregados. A indústria de
agregados e para a sociedade europeia. agregados melhorou muito seu desempenho ambiental nos
Com base em uma análise extensiva, o Relatório conclui que a últimos anos, e há cada vez interesse em atingir excelência em

Anuário anepac 2011 11


Reportagem

se concentram em um único local, mas são distribuídos por vastas


zonas. Daí, o transporte dos agregados do produtor para o usuário
ser uma questão fundamental devido a seu volume, peso e baixos
preços dos preços unitários e contabilizar a maior parte das emissões
de CO2 do setor de agregados.
A indústria tem feito progressos significativos em termos de
seu desempenho ambiental e de saúde & segurança, sendo agora
também reconhecida como líder em projetos de biodiversidade.
Apesar disso, ela enfrenta crescente dificuldade para ganhar
acesso aos vitais recursos de agregados. Isso tem afetado não só
o suprimento de minerais essenciais para a economia da UE, mas
também o desempenho econômico da indústria, uma condição
condição necessária para o desenvolvimento sustentável de longo
prazo. A indústria também sabe da necessidade de preservar
os recursos minerais e ativamente incentiva a utilização de
agregados reciclados. Em alguns Estados-Membros, a quantidade
biodiversidade nas áreas designadas como áreas Natura 2000. de agregados reciclados já está próxima ao ponto de saturação
Assim, cada Estado-Membro precisa desenvolver um sistema em relação a materiais de demolição utilizáveis, que, na melhor
de licenciamento simplificado e mais rápido, de preferência das hipóteses, representa apenas cerca de 20% da produção de
com a adoção de uma “porta de entrada” ou o equivalente, agregados desses países. Portanto, o suprimento de agregados
racionalizando links e procedimentos entre agências nacionais, continuará vindo predominantemente de recursos naturais.
regionais e locais envolvidas, sem perder o foco na exigência da A demanda de agregados na Europa em 2008 foi 3.5 mil
excelência no desempenho ambiental e social para os produtores. milhões de toneladas por ano, produzida principalmente por
O Relatório termina com recomendações para a Proposta das PME (pequenas e médias empresas) em 22.000 locais em toda a
Matérias-Primas Minerais (RMI), exortando as instituições da UE Europa. O consumo médio de agregados na UE em 2008 foi de 6,2
para desenvolver uma Estratégia Europeia para agregados. Isso toneladas per capita. A indústria de agregados é de longe o maior
deve concentrar-se especificamente sobre o desenvolvimento de setor produtor de minerais por tonelagem produzida e conta com
Políticas de Planejamento de Agregados e consistentes Sistemas o maior número de locais de produção e de pessoas empregadas.
de Licenciamento em todos os Estados-Membros, para garantir Tomando um preço médio unitário de €7-8/tonelada, o setor de
acesso de longo prazo aos depósitos em toda a Europa de modo a agregados representa um volume de negócios de 20-25 bilhões,
garantir suprimento sustentável de agregados. embora tenha sofrido fortemente com a atual crise econômica,
acusando um declínio médio de cerca de 20% em 2009 em relação
Capítulo 1 - Bases da Análise a 2008. Em vários países, novas perdas de volume estão sendo
1.1 Introdução às preo­cupações da Indústria relatadas em 2010, mostrando a gravidade da recessão atual,
dos Agregados possivelmente exacerbada também pelo Inverno severo.
UEPG, Associação Euro­peia de agregados, acolheu a Proposta
das Matérias-Primas Minerais (RMI) e exortou as instituições da UE 1.2 Estrutura do Relatório
a desenvolverem uma Política Euro­péia abrangente para matérias- O Capítulo 2 analisa a demanda atual e futura dos agregados na
primas minerais de modo a garantir um suprimento sustentável e de Europa. Conclui-se que, com base em dados sobre o consumo por
longo prazo para os agregados. país e Europa e nível de desenvolvimento econômico, a procura de
Embora não haja dispo­nibilidade de agregados em todas as agregados na Europa vai continuar a aumentar. Como as economias
regiões da Europa e de seus Estados Membros, o abastecimento continuam a crescer, isso poderia fazer a demanda de agregados
regional e local economicamente viável dos agregados muitas subir das atuais 6 toneladas per capita para o nível de 9 a12 toneladas
vezes é restrito por dificuldades em conseguir acesso a depósitos per capita, indicando forte demanda futura. Agregados reciclados
e pela excep­cionalmente longa duração de pro­ces­sos de licencia­ atualmente compreendem apenas cerca de 6% do total consumido
mento. Assim, a menos que haja aceita­ção de toda a Europa de (embora isto possa estar subavaliado), sendo que alguns países já
uma estratégia comum para oferecer suprimento local viável, o atingiram o limite: é pouco provável que a médio prazo agregados
abastecimento futuro de agre­gados se tornará ainda mais crítico, reciclados sejam mais do que 10% do total da produção de agregados
resultando em aumento das distâncias de trans­ porte agre­ gada na Europa. Isto evidencia a necessidade de uma política para garantir
com os custos de ener­­gia associada e as emissões de CO2. o abastecimento de agregados naturais na Europa no futuro e, por
A ênfase no abastecimento local resulta da natureza do razões econômicas e ambientais, isto exige acesso a recursos de
consumo de agregados, que, ao contrário de outros minerais, não matéria-prima local.

12 Anuário anepac 2011


O Capítulo 3 analisa as políticas minerais em toda a Europa e, processo, sem abdicar da exigência de excelência no desempenho
mais especificamente, Políticas de Planejamento para Agregados ambiental e sócia dos produtores.
nos Estados-Membros. Conclui-se que poucos Estados- O Capítulo 5 resume as conclusões dos capítulos anteriores
Membros têm uma abordagem estruturada para enfrentar o e faz uma série de recomendações importantes para adoção
futuro abastecimento sustentável de agregados. Infelizmente, isto pela RMI a fim de para garantir o abastecimento sustentável de
parece refletir falta de compreensão do papel vital dos agregados agregados na Europa. O anexo do relatório apresenta informações
no atendimento das necessidades físicas da sociedade. Assim, relevantes para cada capítulo.
na ausência de tais políticas, o fornecimento de agregados
pode tornar-se crítico em várias regiões, causando problemas
de abastecimento, com consequências na infraestrutura de
transportes, consumo de excessivo de combustíveis e aumento
das emissões de CO2. Daí a necessidade urgente de Políticas de
Planejamento para Agregados em todos os Estados-Membros.
O Capítulo 4 estuda sistemas de licenciamento para extração
de agregados dos Estados-Membros. Conclui-se que, na maioria
dos Estados-Membros, os sistemas de licenciamento são muito
complexos e lentos, desnecessariamente restringindo acesso
a recursos, e que muitas licenças concedidas têm duração
demasiadamente curtas para justificar investimentos adequados. A
indústria de agregados melhorou muito seu desempenho ambiental
nos últimos anos e há crescente foco em atender às exigências em
áreas do Projeto Natura 2000. Cada Estado-Membro deve, pois,
desenvolver um sistema de licenciamento mais simplificado e mais
expedito, de preferência com “uma porta de entrada” (“one-stop-
shop”), ou equivalente, racionalizando as relações e procedimentos
entre as agências nacionais, regionais e locais envolvidos no

Anuário anepac 2011 13


Reportagem

(foto: Associação da Indústria de Pedra e Cerâmica da Áustria)


Pedreira na Áustria

COMUNICADO DA COMISSÃO EUROPEIA


PARA O PARLAMENTO EUROPEU, O CONSELHO, O COMITÊ ECONÔMICO
E SOCIAL E O COMITÊ DAS REGIÕES (Bruxelas, 02/02/2011)
“Enfrentando os desafios no mercado de commodities e sobre matérias -primas”

A iniciativa européia para as matérias primas Promovendo o suprimento sustentável dentro da


Além dos acontecimentos relacionados à volatilidade dos preços União Europeia (pilar 2)
e à interação entre mercados físicos e financeiros das commodities, a A Estratégia Europa 2020 chama a atenção para a necessidade de
questão do suprimento físico de matérias primas continua essencial. promover tecnologias que façam crescer os investimentos nos bens
Em 2008, a Comissão lançou a “Iniciativa para as Matérias Primas” naturais da União Europeia. A indústria extrativa cai nesta categoria,
(RMI), que estabeleceu uma estratégia integrada para responder a mas seu desenvolvimento é contido por uma estrutura regulatória
diferentes desafios relacionados ao acesso a matérias-primas não pesada e competição por outros usos do solo. Muitas das questões
energéticas e não-agriculturáveis. regulatórias nesta área são de competência dos Estados-Membros. A
A RMI é baseada em três pilares: garantir concorrência leal no Comissão, portanto, tem primordialmente o papel de facilitador para a
acesso a recursos em outros países; promover o suprimento sustentável troca das melhores práticas.
de matérias primas de fontes Europeias; e encorajar a eficiência Ao mesmo tempo, a extração na EU deve ser feita em condições
no uso dos recursos, promovendo a reciclagem. Um elemento da de segurança. Isto é importante, seja para a imagem do setor, seja
estratégia é a necessidade de uma “diplomacia para matérias primas” como precondição para a aceitação pública. A Comissão considera
ancorada em políticas abrangentes em relação a outros países, tais que as práticas seguintes são particularmente importantes para
como promoção dos direitos humanos, boa governança, resolução de promover investimentos nas indústrias extrativas:
conflitos, não proliferação e estabilidade regional. Esta seção examina • definir uma Política Mineral Nacional a fim de assegurar
os resultados obtidos até agora em identificar matérias-primas críticas que recursos minerais sejam explorados de uma forma
e em áreas de comércio, desenvolvimento, pesquisa e eficiência no economicamente viável, harmonizada com outras políticas
uso dos recursos e reciclagem. A Seção 5 prevê os próximos passos. nacionais, baseada em princípios de desenvolvimento

...

14 Anuário anepac 2011


sustentável e incluindo compromisso para estipular uma papel recuperado levando em conta a demanda potencial tanto
apropriada estrutura legal e de informação; para indústrias baseadas em florestas como para o setor de
• estabelecer uma política de planejamento do uso do solo para energia renovável (biomassa);
minerais que incorpore uma base digital de informação geológica, • continuar a apoiar a criação de comitês setoriais de habilitações
uma metodologia transparente objetivando a identificação de no nível europeu, quando a iniciativa vier de intervenientes tais
recursos minerais, estimativas de longo prazo para demandas como parceiros sociais ou observatórios relevantes;
locais e regionais e a identificação e proteção de recursos • promover pesquisa e desenvolvimento na cadeia de valorização de
minerais (levando-se em conta outros usos do solo), incluindo sua matérias primas, incluindo extração, processamento e substituição.
proteção dos efeitos dos desastres naturais;
• implementar um processo visando auto­ inovação: uma questão
rizar a pesquisa e a extração de mine­ transversal
rais que seja claramente compreensível, Matérias primas são fatores
proporcione segurança e ajude a simplificar essenciais para a competitividade da
o processo administrativo (ex. introdução indús­tria e para o desenvolvimento de
de definição de prazo, requerimentos de aplica­ções ambientalmente amigas e
licenças em paralelo e guichê único). tecnologicamente limpas. Inovação é a
A Comissão propõe diligenciar junto aos chave para o potencia da UE nessa área
Estados-Membros, respeitando o princípio da e pode ter um papel importante para
subsidiaridade, a viabilidade de estabelecer lidar com os desafios dos três pilares da
mecanismos para monitorar as ações dos RMI. Há necessidade por inovação ao
Estados-Membros nas áreas referidas, inclu­ longo de toda cadeia produtiva, incluindo
indo o desenvolvimento de indicadores. extração, processamento sustentável,
É também importante reforçar a base de desenho ecológico, reciclagem, novos
conhecimento necessária a fim de se elaborar materiais, substituição, uso eficaz dos
estratégia eficiente para as matérias-primas. A recursos e planejamento do uso do solo.
curto prazo, a Comissão propõe diligenciar junto A Comissão vai avaliar se lança uma
aos Estados Membros a oportunidade para Parceira de Inovação sobre matérias
aumentar sinergias entre serviços geológicos primas dentro do Lema União na
nacionais que permitiria economia de escala, Inovação para Europa 2020.
reduziria custos e aumentaria o potencial para
se engajar em projetos conjuntos (ex. base Caminho a seguir
de dados minerais harmonizados, Anuário O acesso a commodities e a ma­
Europeu de Matérias Primas). A médio prazo, térias-primas é essencial para manter a
qualquer sinergia deve contribuir de uma capacidade produtiva da economia e o
forma coordenada para uma base melhorada bem estar dos cidadãos. As commodities e
de conhecimento sobre matérias primas, em as matérias primas são obtidas em várias
particular levando em conta oportunidades partes do mundo, assim como dentro da
futuras dentro do programa GMES (Global Europa. O desafio é assegurar que as
Monitoriang for Environment and Security necessidades de commodities e matérias-
• Monitoramento Global para Meio Ambiente e Segurança). primas sejam atingidas de uma forma que apóie a obtenção de metas
Para algumas matérias primas, tais como madeira, a demanda de desenvolvimento em países de onde são obtidas, proteção ambiental,
crescente por energia renovável continua a aumentar a competição livre troca e estabilidade dos mercados que não imponha riscos para a
por elas. Demanda crescente nem sempre é acompanhada por economia global.
aumento de suprimento correspondente, levando portanto a Por todas as classes de commodities e matérias-primas, tem
preços maiores. havido um crescimento da atividade financeira. Assegurar que
A Comissão pretende: esse desenvolvimento apóie e não solape o acesso a commodities
• promover o trabalho da UNECE (United Nations Economic e matérias-primas ou desestabilize a economia europeia ou as
Commission for Europe – Comissão Econômica das Nações economias de países em desenvolvimento é, portanto, a preocupação
Unidas para a Europa) na área de normatização em relação a política chave nos níveis europeu e internacional. Estes mercados
reservas e recursos no nível da União Europeia; precisam continuar a servir à economia real, ajudando na formação do
• fazer uma análise apropriada da disponibilidade de madeira e preço e permitindo a compensação de risco de mercado.

Anuário anepac 2011 15


Reportagem

COMO ESTÁ A LUTA DA uepg PELO


ORDENAMENTO TERRITORIAL NA EUROPA
A edição nº 84, de fevereiro de 2011, do Boletim Eletrônico da UEPG “EU Inside” deu a seguinte
informação dos desdobramentos sobre a luta do setor mineral europeu e particularmente dos
produtores de agregados pelo acesso aos recursos minerais de agregados.

Estratégia para as matérias-primas minerais Acesso aos recursos continua um desafio político
No dia 2 de fevereiro, a Comissão Européia publicou o novo Na nova Comunicação, os três pilares da Iniciativa das Matérias
“Comunicado sobre a Estratégia sobre as Matérias Primas”. O título do Primas de 2008 são precedidas por 10 páginas falando dos mercados
documento é “Enfrentando os Desafios dos Mercados de Commodities e de commodities. A verdadeira Iniciativa das Matérias Primas começa na
sobre as Matérias Primas”. O Comunicado da Comissão estava previsto página 11 (item 4), iniciando-se com um apanhado das conquistas dos
para sair em 26 de janeiro, mas a Comissão pediu mais prazo para publicá- últimos dois anos. O segundo pilar da Iniciativa sobre “promovendo o
lo. A razão alegada foi um pedido urgente de um Estado-Membro da suprimento sustentável dentro da União Europeia” está nas páginas17 e
União Europeia para que fossem incluídos os mercados de commodities 18 antes que o Comunicado acabe com “Caminho a seguir” na página 20.
para petróleo, gás natural, eletricidade, agricultura e segurança alimentar.
Isto infelizmente dilui o foco sobre as matérias-primas minerais e Necessidade de novamente
especificamente sobre os agregados, questão sobre a qual a UEPG se focar a atenção da alta política
manifestou para o vice-presidente da Comissão Antonio Tajani. A UEPG está atualmente revendo sua estratégia sobre o

16 Anuário anepac 2011


POSICIONAMENTO DA UEPG SOBRE A
“INICIATIVA PELAS MATÉRIAS PRIMAS”
A UEPG, Associação Europeia dos Agregados, representa a maior
indústria extrativa mineral não-energética. Agregados constituem-se de
pedra britada, areia e cascalho usados para construir a infraestrutura
essencial da Europa, nela incluídos moradias, estradas, ferrovias, escolas
e hospitais. Cerca de três (3) bilhões de toneladas de agregados por ano
são produzidas por 17.000 empresas (a maioria das quais pequenas
e médias – PME) em 24.000 locais de extração, garantindo empregos
diretos e indiretos para mais de 300.000 pessoas. UEPG agora representa
associações nacionais e produtores de agregados de 26 países da Europa.
A UEPG participou ativamente da “Iniciativa pelas Matérias Primas”
(RMI) da Comissão Europeia desde sua concepção. UEPG contribuiu
positivamente para dois Grupos de Trabalho, um sobre “Questões Críticas”
e outro sobre “Planejamento do Uso do Solo”. A posição detalhada da
UEPG foi colocada de forma compreensível em junho de 2010 no relatório
feito pela Universidade de Leoben intitulado “Políticas de Planejamento e
Procedimentos de Licenciamento para Garantir Suprimento Sustentável de
Agregados na Europa”, que está à disposição na UEPG se pedido.
Por meio de análise detalhada, o Relatório provou que o suprimento
econômico e sustentável de agregados está diretamente ligado ao
crescimento econômico. O setor dos agregados foi amplamente
devastado pela recente crise econômica e agora espera pela retomada do
crescimento no nível europeu em 2011 e 2012. O retorno ao crescimento
pode ser somente atingido por meio de um futuro acesso adequado
aos recursos de agregados, o que está se tornando uma questão séria
por toda Europa devido à crescente competição pelo uso do solo, à
falta freqüente de planejamento mineral, ao desnecessariamente lento
processo de licenciamento e às frequentemente inapropriadas restrições
ambientais.
A UEPG, saúda esta importante Comunicação da Comissão Europeia,
embora lamente o foco diluído sobre matérias primas minerais e especifi-
camente sobre os agregados. Portanto, para retomar a atenção política do
alto escalão nos níveis europeu e nacional sobre a necessidade do acesso
aos recursos das matérias primas minerais e especificamente aos recursos
minerais dos agregados, a UEPG submete agora este documento sumá­rio
acesso aos recursos com vistas à Iniciativa das Matérias-Primas, de posicionamento:
que agora perdeu o foco. O Documento de Posicionamento da O objetivo chave e fundamental da UEPG é conseguir futuro aces-
UEPG é baseado no Relatório Leoben feito a pedido da UEPG. so ade­quado aos recursos mi-
O documento pretende retomar a atenção política da Comissão nerais dos agregados para o
Europeia e das nações sobre a necessidade do acesso aos desenvolvimento da Economia
recursos de matérias-primas minerais e particularmente para os Europeia, sua infraestrutura físi-
recursos dos agregados. ca e a necessidade de constru-
ções de sua sociedade.
Debate no Comitê Parlamentar da Indústria Assim, a UEPG requer:
A UEPG participou do debate no Comitê da Indústria do
Parlamento Europeu em 28 de fevereiro em Bruxelas. Foi uma 1 - Futuro acesso
evolução positiva que a maioria dos membros do Parlamento local adequado para
estava ainda focada na estrutura dos três pilares. O vice- recursos minerais de
presidente Tajani também falou sobre os três pilares de uma forma agregados Área de beneficiamento e transbordo
equilibrada, o que é uma boa notícia para o setor. Agregados naturais po- de agregado marinho

Anuário anepac 2011 17


Reportagem

área de classificação e depósito de areia e cascalho da Lafarge em Paris (foto UEPG)

dem some­nte ser obtidos de pedreiras e cavas onde depósitos ade- 2 - Acesso prioritário aos
quados ocorrem geologicamente. Obter acesso a esses depósitos recursos minerais em planos
cada vez mais críticos está se tornando mais difícil devido à competi- Agregados não são considerados em planos de uso de solo na maioria
ção pelo uso do solo por toda a Europa, particularmente em regiões dos países e, mesmo quando o são, há uma infeliz e frequente predisposição
mais desenvolvidas e mais densamente habitadas. Enquanto a dis- desequilibrada contra atividades extrativas dos agregados. Portanto,
ponibilidade geológica dos agre- políticas de planejamento e procedimentos de licenciamento precisam
gados não é crítica, o acesso local ser claramente expressados para assegurar o suprimento sustentável
aos recursos é crítico. Como os de agregados na Europa. Dadas as localizações geologicamente
agregados são pesados e volumo- determinadas dos recursos de agregados, estes realmente merecem o
sos, eles precisam ser produzidos mesmo status no planejamento do uso do solo como outras questões
próximos aos pontos de consumo importantes como a água ou outros recursos ambientais para assegurar
para minimizar distâncias de trans- um acesso adequado de longo prazo aos recursos de agregados.
porte, emissões de CO2, impacto
ambiental, congestionamentos e 3 - Planos e processos de
custos associados. O acesso aos licenciamento simplificados
recursos locais de agregados é a O processo de autorização é complexo e muito lento em
questão chave, fundamental e crí- muitos países, levando-se normalmente 5 a 10 anos para se
Draga com agregado marinho
retorna ao porto tica para o setor. obter autorização de extração para uma nova área, e, além

18 Anuário anepac 2011


disso, as licenças são frequentemente dadas para períodos
similares, isto é, somente 5 a 10 anos, período muito curto
para justificar investimentos grandes de capital. Um documento
diretor apropriado da Comissão Europeia reco­ mendando uma
estrutura é necessário, de modo a requerer uma implementação
apropriada em nível nacional para conseguir a designação clara
de auto­r idades e competências e pro­c edimentos com prazo limi­
tado (digamos um limite de 3 anos). São também essenciais
processos de requerimento ra­ c io­
n ais que estejam a car­
g o de
uma só autoridade (guichê único) ou ao menos procedimentos
coordenados entre todas as autoridades, se existem muitas.
Quando se concedem licenças, sua duração deve sempre estar
ligada à vida útil do depósito: sustentabilidade exige a exaustão
do depósito.

4 - Reconhecimento da compatibilidade da atividade


extrativa mineral com a proteção ambiental
A Indústria Extrativa dos
Agregados na Europa é reco-
nhecida como um setor que
contribui positivamente para a
biodiversidade. Muitos sítios de
extração de agregados ativos ou
recuperados foram declarados
como áreas Natura 2000. Espé-
cies animais e vegetais raros são
encontrados frequentemente em
áreas intocadas de pedreiras e Draga de extração de agregados
cavas, seja durante a operação, marinhos

Anuário anepac 2011 19


Reportagem

área recuperada da Otley Quarry, da Hanson, Reino Unido (foto: Hanson-Heidelberg )

seja após a recuperação. O setor tem inúmeras parcerias com países, embora o suprimento futuro predominante de agregados
ONGs ambientais e promove ativamente a biodiversidade e par- na Europa (mais que 85%) ainda terá de vir de recursos naturais
cerias dentro da indústria, assim demonstrando a compatibilidade de agregados. Isto, de novo, enfatiza a importância do acesso
das atividades extrativas com a proteção do meio ambiente. A futuro adequado aos recursos de agregados.
Comissão Europeia reconheceu em documento diretor da Natu-
ra 2000, recentemente publicado, para indústria extrativa mineral
não-energética que a extração mineral em áreas Natura 2000 não
está a priori proibida e de fato também reconhece a bem demons-
trada compatibilidade da extração com a biodiversidade.

5 - Remoção das barreiras


sem sentido para a reciclagem
A UEPG promove ativamente a reciclagem de resíduos
da construção e demolição (C&D) através de assistência ao
desenvolvimento de normas técnicas, campanhas contra
regulamentos restritivos desnecessários e produção de estatísticas
de reciclagem para medir seu progresso. Reuso, recuperação
e reciclagem assim como eficiência no uso do recurso são
prioridades para a indústria dos agregados. Alguns países já
reciclam mais que 90% de resíduo de C&D disponível, embora isso
equivalha no máximo 20% da demanda nacional por agregados.
Outros países têm taxas mais baixas de reciclagem, até agora
prejudicados por barreiras técnicas, regulatórias e econômicas. área recuperada da Gravera El Puente, operada pela Holcim, em Seseña,
Todo esforço será feito para encorajar mais reciclagem nesses Toledo (Espanha) – foto Holcim

20 Anuário anepac 2011


Anuário anepac 2011 21
Reportagem

ACESSO AOS RECURSOS MINERAIS


DE AGREGADOS NA AUSTRÁLIA

A
gregados para construção são produtos de baixo valor impactos regionais ou estaduais.
unitário e de grande volume produzido. Isso significa que • Avaliações de Risco e Instalação: O prazo para liberação de
devem ser buscados perto das comunidades que os licenças de instalação é longo e caro e pode estar sujeito a
utilizam. Quanto mais longe estiverem de seus mercados, interferências políticas, o que aumenta o risco.
maior será seu custo final para o consumidor. Devido aos custos de • Interferência Urbana: planejamento mal feito tem frequentemente
investimento e o planejamento envolvido para instalar pedreiras e resultado em interferência da urbanização. Isto afeta a
cavas, operadores e investidores precisam que lhes seja assegurado capacidade operacional das pedreiras e cavas e as empurra
que regras de planejamento sejam aplicadas consistentemente e de para locais distantes do mercado, impactando negativamente os
modo justo por todo o período de vida do recurso. custos de transporte, desgastando as rodovias e aumentando a
Há uma série de riscos associados com a atual estrutura de emissão de gases-estufa.
planejamento na Austrália, tais como: Para evitar estes riscos, CCAA defende o modelo Áreas de Recurso-
• Garantia do Recurso: garantir o acesso a novas fontes de Chave, já que ele oferece segurança e reconhece a importância da
matéria-prima é vital para o contínuo suprimento dos mercados atividade na economia australiana. As características mais eficazes do
de edificações (habitação, indústria, comércio e serviços), modelo são:
construção e infraestrutura. O acesso está sendo cada vez mais • Identifica uma área de materiais para extração, define os locais mais
limitado por diferentes níveis de regulação governamental. favoráveis e uma rota de transporte associada.
• Importância Regional, Planejamento Local: A localização de • Estipula uma área de exclusão no entor­no da área identificada para
uma mina é determinada pelas condições geológicas e os impedir a interferência de usos de solo incompatíveis.
recursos finitos produzidos têm relevância regional ou estadual. A área identificada de recurso-chave fornece uma estrutura para ser
Mecanismos de planejamento dos governos locais não têm usada por governos locais no processo de planejamento ou quando
necessariamente a capacidade ou expertise para avaliar estiver avaliando um loteamento, e protege o acesso ao recurso mineral.

22 Anuário anepac 2011


Aprovação de Planos Trabalho tenha sido negociado com a aprovação de todas as partes
e de Trabalhos (requerente, governo estadual, governo local e população), a fiança
Cada um dos Estados da Aus- para recuperação da área é paga e a Autorização de Operar é dada.
trália regula o acesso aos recursos O prazo para a obtenção de Autorização de Operar referente a
de agre­ga­dos através de di­fe­ren­ uma nova mina varia entre 2 e 8 anos, dependendo da complexidade
tes estruturas de regula­mentação, dos problemas identificados no Plano de Trabalho.
sejam elas regulamentos de
Ken Slattery - chefe executivo da minera­ção, sejam de planejamen- Lei dos Recursos Minerais (Vitória)
Cement Concrete and Aggregates to. Entretanto, cada mecanismo A Lei para o Desenvolvimento Sustentável dos Recursos Minerais,
Austrália
opera geralmente de um modo pa- de 1990, do estado de Vitória, está em revisão. Foi dado conhecimento
recido e há poucas discrepâncias entre os Estados. Todos os Estados de que a revisão vai racionalizar (simplificar) o processo de avaliação
exigem uma Autorização de Trabalho para ter acesso a um recurso. Elas para a obtenção da Autorização para Trabalhar de modo que somente
são obtidas seguindo um processo similar ao que segue: agências do governo estadual sejam consultadas na fase de pré-
1 - Pré-requerimento: A em­ pre­
sa interessada levanta informações requerimento. Governos locais não poderão mais encaminhar um
referentes ao recurso e desenvolve um plano para operar a mina. Isto Plano de Trabalho a agências durante a avaliação de planejamento,
significa preparar um esboço do Plano de Trabalho ou um projeto de reduzindo-se prazo e custos.
operação detalhando o que vai ser feito na mina. A empresa negocia Como parte desta revisão da legislação, a CCAA está trabalhando para:
com agências do governo estadual a fim de assegurar a consistência da • Um sistema de fiança para recuperação da área melhorado e
proposta com todas as legislações importantes. mais eficaz do ponto de vista do custo.
Em todos os Estados para operar uma mina faz-se necessário • Que o Departamento da Indústria Primária seja indicada como
um Plano de Trabalho que cubra os detalhes da operação em relação agência líder e coordenadora das aprovações de planejamento.
a: saúde e segurança, gerenciamento da vegetação, reabilitação • Ganhar um plano de proteção para recursos estratégicos
progressiva e final, gestão de acessos e de tráfego, localização das de agregados.
instalações, ruído, poeira e qualidade do ar, perfuração, controle
de desmonte, talude, drenagem e gestão de água, disposição de Regulamentos de Proteção Ambiental (Queensland)
rejeitos, estocagem de produtos químicos e paisagismo. O Estado de Queensland trabalha com um sistema de avaliação
2 - Processo de planejamento: estando pronto o Plano de trabalho, de planejamento conhecido como modelo Área de Recurso-Chave, que
a empresa requer, em relação a uma legislação importante, uma identifica e protege recursos de usos de solo incompatíveis. Contudo,
Permissão dentro do Planejamento com o governo local. Este avalia o apesar do modelo ARC, alguns recursos minerais em Queensland estão
plano para se assegurar que ele atenda às exigências legais e convoca sendo esterilizados. Isto é motivado por regulamentos ambientais cada vez
audiências públicas. mais numerosos, tais como proteção ao koala e à gestão de vegetação
Nota: em alguns Estados, para casos de propostas complexas e nativa, que estão se sobrepondo à proteção oferecida pelo ARC.
de grande magnitude, o governo pode tomar às mãos o controle das É preocupante que haja um contínuo encolhimento dos recursos
decisões de planejamento e, nestes casos, a empresa requerente protegidos dentro do modelo ARC. Em relação a isso, CCAA está
precisa consultar o governo local e sua população. sempre advertindo sobre a importância fundamental de se manter
3 - Procedimento final de requerimento: Uma vez o Plano de o suprimento de agregados para construção para o mercado de
edificações residenciais, comerciais e de infraestrutura.

Planejamento (Nova Gales do Sul)


Tomou posse um novo governo no Estado de Nova Gales do Sul
que teve como promessa de campanha a revogação da Seção 3ª
da Lei de Planejamento e Avaliação Ambiental, de 1979. A Seção 3ª
da Lei delega decisões de planejamento para projetos de ‘Interesse
Estadual’ ao Ministro de Planejamento ao invés de conceder o poder
de decisão aos conselhos locais.
É uma grande preocupação para o setor, já que governos locais
têm um histórico incoerente quanto à aprovação de instalação de
minas. Em relação a isso, CCAA está advogando que o Governo
Estadual adote uma nova política para projetos de ‘Interesse para o
Desenvolvimento do Estado’ que dará ao Ministro poderes de decisão
para projetos que sejam vitais ao desenvolvimento econômico do
Estado, tais como as minas de agregados.

Anuário anepac 2011 23


Reportagem

planejamento para agregado e sua


extração na Nova Zelândia
A construção da infraestrutura e de edificações nas áreas urbanas e rurais da Nova
Zelândia depende da possibilidade de acesso, extração, processamento e transporte de
agregados (pedra britada, cascalho e areia) de pedreiras e cavas. Assim, é importante
que recursos de agregados sejam entendidos e eficientemente gerenciados, incluindo
os efeitos de sua extração sobre o meio ambiente.

Os efeitos potenciais da extração variam de acordo com


tipo, escala de produção, localização, meio ambiente
receptor e distância do mercado. Os efeitos da extração
de agregados podem ser quase sempre mitigados
ou corrigidos, mas nem sempre evitados. Isso cria a
possibilidade de a extração tanto afetar como ser afetada
pelo uso do solo das áreas vizinhas. Tanto os Conselhos
regionais, quanto as autoridades territoriais têm uma grande
responsabilidade na inclusão planejada dos recursos de agregados e no gerenciamento dos
efeitos da extração nos planos distritais e regionais e no processo de concessão.

A norma reguladora estabelece as principais linhas para o planejamento da extração de


agregados, descreve as principais consequências da extração e os métodos existentes
para gerenciar estes efeitos, de acordo com a Lei do Gerenciamento de Recursos de
1991, incluindo exemplos de métodos em uso.

O foco desta norma reguladora é o planejamento e o gerenciamento da extração


de agregados de média e grande escala do subsolo, incluindo leito de rios e
praias. Ela não envolve extração de pequena escala, dragagem geral, extração
em área costeira abaixo da maré baixa média ou a extração de outros recursos
minerais tais como carvão, ouro ou petróleo. Contudo, muitos dos problemas de
gerenciamento de recursos e métodos gerenciais associados para extração de
Matatoki Quarry,
operada por HG Leach agregados são geralmente relevantes para outras formas de extração mineral e
em Matatoki, Nova
Zelndia (foto AQA) atividades de extração de agregados de pequena escala.

24 Anuário anepac 2011


Abordagem do gerenciamento integrado para
planejar a extração de agregados
Tanto conselhos regionais como autoridades territoriais têm
papel-chave no planejamento dos recursos dos agregados e
no gerenciamento dos efeitos da sua extração sobre a Lei de
Gerenciamento dos Recursos (LGR).
Recursos em agregados são limitados em quantidade,
localização e disponibilidade com a demanda e o suprimento
de agregados frequentemente cruzando fronteiras regionais e
territoriais. Conselhos regionais e autoridades territoriais devem
trabalhar juntos para estrategicamente levantarem as necessidades
futuras por agregados, sua disponibilidade e métodos que garantam
o acesso futuro aos recursos de agregados e, ao mesmo tempo,
evitarem, remediarem ou mitigarem os efeitos da extração.
Conselhos devem estar cientes das relações entre atos da LGR
e entre planos e estratégias fora da LGR ao desenvolver um enfoque
integrado para gerenciar a produção de agregados. Métodos usuais
que podem ser usados para integrar e planejar estrategicamente
recursos de agregados e gerenciar os efeitos de sua produção em
NORMA REGULADORA níveis regionais e distritais incluem:
Esta norma é estruturada da seguinte forma:
• Gerenciamento integrado de extração de agregados Relacionados a LGR
• Passos de planejamento e cronograma para recursos de agregados • Definições de Diretrizes Regionais (DDR) identificam
• Questões relativas à extração, efeitos e métodos de gerenciamento. objetivos, políticas e métodos para atingir o manejo
A norma reguladora foi uma iniciativa da Associação dos integrado dos recursos naturais e físicos e da infraestrutura
Agregados e da Indústria Extrativa da Nova Zelândia (Aggregate que planos distritais e regionais precisam aplicar. Isto
and Quarry Association of New Zealand – AQANZ) em parceria inclui recursos de agregados e seu papel na construção e
com o Ministério do Meio Ambiente e Governos Locais da Nova manutenção da infraestrutura.
Zelândia, como uma forma de promover as melhores práticas • Planos Regionais identificam objetivos, políticas e regras
para lidar com as questões difíceis do alcance e da escala do para atingir os objetivos das DDR, incluindo aqueles do plano
gerenciamento de recursos associados aos agregados e sua estratégico para produção de agregados e o gerenciamento de
indústria extrativa. seus efeitos em solo, água e ar. O plano costeiro regional atinge
A criação desta norma reguladora iniciou-se a partir de um essa função para áreas costais marinhas.
relatório base, que identificou as questões-chave do gerenciamento • Planos Distritais identificam objetivos, políticas, regras e outros
da extração de agregados. As principais questões incluíam: métodos para garantir proteção, quando necessário, para
• Plano estratégico para os recursos dos agregados, incluindo a recursos de agregados e evitar, remediar ou mitigar qualquer
necessidade e o aprovisionamento dos agregados para atender efeito adverso da produção de agregados por meio de controle
às infraestruturas e edificações atuais e futuras sobre subdivisão e atividades de uso do solo.
• Gerenciamento dos efeitos da produção de agregados dentro • Um plano combinado pode ser preparado para estabelecer
e fora da área de extração, que variam com o tipo de atividade, acesso aos agregados, se isso for uma questão significativa além
escala de produção, localização, meio ambiente receptor e das fronteiras de conselhos regionais/autoridades territoriais.
distância do mercado consumidor • Regras, incluindo normas de conformidade, podem ser usadas
• Reverter pressões no gerenciamento das operações e ou definidas através de zoneamentos, servidões ou recuos em
expansão das minas existentes ou o estabelecimento de novas planos para identificar áreas onde atividades extrativas podem
extrações em áreas onde haja conflitos ou restrições com usos ser admitidas e identificadas condições ou considerações para
de solo adjacentes gerenciar efeitos adversos.
Estas e outras questões foram discutidas com governos locais • Concessões de recursos definem efeitos ambientais locais
e produtores na “Conferência para o Planejamento do Agregado específicos da atividade de extração por meio de avaliação e
e de sua Indústria Extrativa”, realizada em junho de 2009, e são uso de condicionantes.
consideradas nesta norma reguladora. Outros participantes • Documentos de planejamentos de assentamento indígenas
envolvidos no desenvolvimento desta norma reguladora são referidos (incluindo planos de gerenciamento) identificam áreas que
no fim desta norma. podem ser sensíveis a atividades de extração de agregados

Anuário anepac 2011 25


Reportagem

ou efeitos associados à produção, junto com expectativas de alocação de recursos que conselhos devem considerar quando revirem
engajamento e participação nos procedimentos da LGR. planos e processarem concessão de recursos.
• Monitoramento informa e acompanha o desempenho O planejamento dos agregados e a sua produção variará de acordo
das Definições de Diretrizes Regionais e condições para com as necessidades, pressões e disponibilidade de agregados na região.
concessões relacionados com a produção de agregados. Isto Devido à natureza finita e à dependência estratégica por agregados, é
inclui identificar o desempenho das cláusulas do plano ou das importante que estes fatores sejam considerados adequadamente contra
condicionantes para a concessão e qualquer necessidade quaisquer prováveis muda­ nças na demanda e suprimento de curto,
para revisão como conseqüência da mudanças na demanda médio e longo prazo tanto dentro como nas vizinhanças da região.
e suprimento de agregados ou efeitos de sua produção no Um horizonte de planejamento de 30 a 50 anos corresponde
ambiente receptor. consistentemente a com outros procedimentos de planejamento tais
como PLPCC e ETRT e estratégias de crescimento, mas na demanda
Não relacionado com LGR entre a empresa Road Metal Company e os conselhos da cidade de
• Estratégias de crescimento integram o planejamento para o Christchurch e da região de Canterbury, um período introdutório de 50
crescimento dentro de uma região/distrito com o gerenciamento a 100 anos foi considerado prazo mais apropriado devido a restrições
dos recursos de agregados, incluindo o gerenciamento dos sobre a disponibilidade de agregados dentro de uma região e a
efeitos da extração. necessidade de garantia do desenvolvimento da infraestrutura no futuro.
• Os Planos de Longo Prazo do Conselho Comunitário (PLPCC) Um planejamento eficaz para os recursos de agregados é um
preparados de acordo com a Lei dos Governos Locais de 2002 processo em movimento e requer um número de componentes
podem indicar as necessidades futuras de agregados listando básicos inter-relacionados:
os projetos futuros de infraestrutura. • Projetar a demanda
• Estratégias do Transporte Regional por Terra (ETRT) podem • Identificar os recursos dos agregados
identificar necessidades futuras de agregados listando projetos- • Avaliar e proporcionar acesso adequado
chave de infraestrutura rodoviária, alguns dos quais devem estar Conselhos devem trabalhar em estreita relação com a indústria
nos PLPCC e nas definições de diretrizes regionais. produtora de agregados e proprietários do solo atingidos para
• Planos de Gerenciamento de Produção de Agregados desenvolver um enfoque sólido para gerenciar os recursos de
fornecem plano abrangente e adaptável para gerenciar agregados e os efeitos de sua produção.
efeitos ambientais associados com uma extração específica,
incluindo procedimentos de queixas, consulta à comunidade, Prospecção da demanda
protocolos de comunicações, normas de reabilitação e de por recursos de agregados
fechamento da mina. Entender a demanda futura por agregados em uma região ajuda
• Parâmetros e protocolos produzidos com ou para a indústria a definir os recursos que deverão ser identificados e gerenciados
a fim de melhorar o gerenciamento e os procedimentos no em planos.A escala e o detalhamento desse exercício devem ser
entorno da extração. adequados ao propósito.
• Memorandos de Informação do Solo (MIS) podem ser
usados para fornecer informação clara sobre quaisquer
restrições ligadas à propriedade, tais como estar dentro da
zona de proteção da extração ou onde um compromisso de
não fazer queixas se aplica para um local e está registrado
em um título.
Geralmente, uma combinação destes métodos pode ser usada
pelos conselhos para atingir um gerenciamento integrado da
produção de agregados.

Passos do planejamento e cronograma


para os recursos de agregados
Muitos fatores fazem com que o planejamento da a extração de
agregados seja desafiador. Sem um plano eficaz para os recursos de
agregados, há um grande risco de atividades incompatíveis limitarem
ou impedirem o acesso aos recursos no futuro. Contudo, a necessidade
de ter acesso a eles precisa ser balanceada com os efeitos da produção
de agregados sobre o ambiente e com quaisquer restrições impostas
sobre o direito à propriedade privada. Esta é a questão-chave da

26 Anuário anepac 2011


III
SEMINÁRIO INTERNACIONAL
SOBRE AGREGADOS
PARA CONSTRUÇÃO CIVIL
R E L A Ç Õ E S C O M U N I T Á R I A S

08 a 10 de novembro 2011 - Bourbon Atibaia Spa Resort


Painel 1 – Experiência Internacional das Relações Comunitárias
Painel 2 – Experiência da Mineração Brasileira em Relações Comunitárias
Painel 3 – Ordenamento Territorial como Garantia de Suprimento Futuro
Painel 4 – Exigências dos Consumidores: Requisitos Socioambientais e de Qualidade na Produção de Agregados
Painel 5 – A Imagem Pública do Setor de Agregados

Inscrições: www.anepac.org.br - Preço promocional até 31/08.

Patrocínio Organização

CULTURA
MARKETING E EVENTOS

Realização

PP&C
Audit Ta x Advisory

Anuário anepac 2011 27


Agência de Turismo Oficial AFS Viagens & Turismo Tel.: 55.11.3258.0470 – afsturismo@terra.com.br - www.afsturismo.com.br
Reportagem

recurso de agregados e os subsequentes níveis de proteção que


devem receber e garantir sua extração. É também importante saber
que condições mudam no tempo (ex. novas rodovias, crescimento
urbano) e isso pode também afetar a viabilidade do recurso.
Informações que ajudam a identificar recursos estratégicos e
Matatoki Quarry, operada por HG Leach em Matatoki, NZ (foto AQA) restrições podem ser obtidas por:
• Levantamentos geológicos que podem ser usados como base
A necessidade e a localização da futura demanda por para ações mais detalhadas;
agregados podem ser identificadas por uma série de métodos • Obtenção de dados monitorados de minas que estimem quanto
como os seguintes: de reserva ainda existe, incluindo aí áreas concedidas mas
• Projeções sobre a população e habitações por regiões e distritos ainda não em lavra;
• Programas Nacional e Regional de Transporte (PNRT) que • Mapas de planejamento municipais (regionais), sobreposições
fornece detalhes da construção de estradas planejada e futura e programação;
• PLPCC, ETRT e PNRT que fornecem detalhes dos projetos • Planos gerenciais de transporte;
planejados e futuros de infraestrutura • Ações de consulta às comunidades;
• Estratégias econômicas que fornecem detalhes do crescimento • Estudos relevantes sobre valores culturais e patrimoniais.
industrial e comercial previsto
• Estratégias de crescimento e planos de gestão de ativos que Avaliar e fornecer acesso
identificam infraestrutura e áreas para futura implantação de apropriado a recursos de agregados
projetos. Estes são frequentemente baseados com estudos Uma vez que a demanda por agregados e a localização dos
mais detalhados que podem fornecer informação genérica recursos são conhecidos, então objetivos, políticas e métodos
sobre a demanda potencial futura de recursos de agregados podem ser transformados em planos para dar acesso aos recursos.
na região Ao executar uma avaliação deve-se levar em conta a localização
• Estudos de demanda que projetam a demanda futura com base e as circunstâncias. Entretanto, uma série de pontos que se deve
em uma série de indicadores e sua relação com o suprimento considerar ao avaliar objetivos, políticas e métodos adequados
passado de agregados pode incluir:
• Monitorar dados de produtores que são fornecidos • O nível de conhecimento sobre o recurso de agregado;
voluntariamente (pesquisa) ou por meio de condições da • O valor estratégico do recurso em relação à demanda dentro e
concessão do recurso ou pela Agência Governamental. Esses fora da região, incluindo a quantidade de agregado necessária,
dados podem mostrar demanda atual e passada por agregados quando a demanda vai existir e a escassez de recursos e
que pode ajudar a prever tendências futuras localizações alternativas;
• Médias de consumo de agregados que podem ajudar • Os benefícios que a extração traz;
a obter quantidades aproximadas. P. ex. consomem-se • Como as minas existentes atendem as necessidades atuais e
aproximadamente 4.000 toneladas de agregado para cada futuras e a necessidade de novos locais;
quilômetro de estada pavimentada e 250 toneladas para • Os diferentes tamanhos e qualidade dos recursos, a atividade
construir uma nova casa. de extração e seus efeitos;
Ao considerar a demanda futura, conselhos devem também • Todo tipo de uso de solo sensível à extração, áreas de valor
levar em conta a necessidade de agregados, o impacto de obter e o paisagístico e corpos d’água;
suprimento e demanda de agregados de regiões próximas. • Custo de restringir o direito dos proprietários do solo;
• Valor competitivo por um local;
Identificar recursos de agregados • Perda potencial de valor da terra para as outras atividades; e
Identificar recursos de agregados exige que se compreendam a • Proximidade do sítio ou dos recursos
locação, o tamanho, o tipo e o acessibilidade ao recurso. Métodos em relação ao sistema de transporte.
usados para identificar recursos variam em seu nível de detalhe e Ao avaliar o nível apropriado de
escala dependendo das necessidades, pressões e existência do acesso aos recursos, o planejador precisa
agregado na região. Um método comum é identificar o recurso em considerar todo local com direitos de
termos de seus componentes geológicos e tamanho. uso em vigor. É importante estabelecer
A identificação de recursos estratégicos de agregados deve patamares para os distúrbios causados
também buscar outros fatores-chave que podem inviabilizar o pelas minas para que elas possam
acesso e a viabilidade da extração devido à sua localização e ao continuar sua atividade. Direitos de uso
uso de solos ao redor. A utilização de critérios corretos garante existentes precisam ser considerados nas
transparência quando for considerar o valor e a viabilidade do cláusulas de planos de desenvolvimento

28 Anuário anepac 2011


para extração e no desenvolvimento de mecanismos para gerir os empreendimento. A necessidade de internalizar efeitos ao
efeitos da extração. desenvolver objetivos, políticas e outros métodos também aplica-se
Uma série de métodos que pode informar, desenvolver e à concessão de recursos em que o ônus recai sobre os requerentes
entregar uma estrutura de política para garantir acesso apropriado a para demonstrar que eles internaram os efeitos de suas atividades
recursos de agregados inclui estratégias de crescimento, objetivos e na medida do razoavelmente prático. Somente em situações
políticas reconhecendo a importância e o gerenciamento de recursos em que a internação dos efeitos não pode ser feita medidas de
de agregados e métodos como zoneamento (incluindo zonas de mitigação externa devem ser consideradas.
amortecimento e áreas potenciais para extração de agregados), Os efeitos positivos da extração devem ser considerados em
recuos e pactos de evitar disputas. comparação a qualquer efeito adverso. Isto inclui:
• Contribuição ao desenvolvimento social e econômico de uma
Questões sobre gestão de recursos, área através da fornecimento de matérias primas para manter e
efeitos e métodos de produção de agregados assegurar instalações à comunidades, serviços e infraestrutura
Produzir agregados pode gerar uma série de efeitos como estações de tratamento de água, hospitais, escolas,
ambientais no local da produção e fora dele devido a desmonte por aeroportos, estradas, pontes e novas construções;
explosivos, escavação, britagem, peneiramento, empilhamento • Oportunidades de empregos diretos e indiretos;
e transporte. O grau e a natureza dos efeitos causados pela • Diversificação da economia local e suporte a serviços auxiliares
extração de agregados variam de acordo com o tipo da operação tais como de engenharia e construções;
e sua escala, métodos de lavra, geologia da área, meio ambiente • Custos sociais e econômicos reduzidos pelo fato de ter
circundante e usos de solo vizinhos. recursos de agregados próximo à demanda;
Os efeitos podem ocorrer tanto no local, na vizinhança ou • Oportunidade de ter áreas de novo uso após o fim da atividade,
mesmo longe, como o caso do transporte do agregado. Os efeitos como os recreacionais ou de habitat.
ambientais da extração incluem prioritariamente:
• Distúrbio da terra e da vegetação
• Distúrbio no canal de rios ou áreas costais Estabelecer objetivos e políticas para
• Poeira evitar, remediar ou mitigar efeitos da produção
• Vibração Planos devem avaliar várias questões para estabelecer
• Ruído objetivos, políticas e métodos adequados para evitar, remediar ou
• Tráfego
• Efeitos visuais
• Impacto em valores culturais e históricos
• Descarga de contaminantes no ar, água e terra e mar.
Os efeitos da extração precisam ser considerados quando
se desenvolvem objetivos, políticas e métodos adequados em
planos de gerenciamento atividades de extração de agregados.
Embora os efeitos possam ser frequentemente mitigados, eles
não podem ser sempre evitados.
Quando se estabelecerem parâmetros em torno de objetivos,
políticas e métodos para controlar os efeitos da extração,
será importante encorajar que eles fiquem restritos à área do Drury Quarry, operada por Winstone Aggregates em Auckland, NZ (foto AQA)

Anuário anepac 2011 29


Reportagem

de uma forma integrada. Esta forma de trabalhar pode ser estabelecida


por meio de encontros antes do requerimento entre os conselhos mais
envolvidos e depois outros encontros conjuntos com partes envolvidas
para análise do requerimento, audiências conjuntas (quando notificados)
e a divulgação de esboço das condições para as partes envolvidas.
Conselhos podem também não notificar ou fazer a audiência de um
requerimento, caso considerem, com base em informações relevantes,
que outras concessões são necessárias e precisam ser dadas antes do
processamento, objetivando, dessa forma, um melhor entendimento
acerca da natureza da proposta.
Ao avaliar os efeitos de um requerimento de extração, é
frequentemente necessário buscar informação especializada sobre
medição e quantificação dos efeitos.

MELHORES PRÁTICAS
Abordagem integrada para identificar e gerenciar minas de
agregados.Essa abordagem identifica problemas estratégicos e pressões
em uma região. Acesso a recursos de agregados e efeitos adversos da
extração são considerados junto com previsões sobre crescimento,
incluindo planejamento de transporte e infraestrutura, que foi integrado
no plano do distrito.

Provisão para recursos


futuros potenciais de agregados
Alguns planos reconhecem a necessidade de garantir acesso a
recursos significativos de agregados no futuro e a necessidade de limitar
Jardim do Eden, em Auckland, Nz, antiga pedreira fechada em 1916
e transformada em jardim pelo horticultor Jack Clark a partir de 1964, atividades incompatíveis nestas áreas. Isto é geralmente atingido por meio
tortando-se uma grande atração de Auckland. de processo de concessão de recursos e considerações. Um deles vai
mitigar os efeitos de produzir agregados. O enfoque de gerenciar mais longe ao usar um conjunto de critérios específicos para definir quais
os efeitos é muito comum em planos. Os objetivos e políticas recursos exigem considerações adicionais em oposição à proteção a todos
podem ter caráter genérico ou ser especialmente pensados para os recursos potenciais. Embora essa abordagem seja relativamente nova
as atividades de extração de agregados. e precisa ser testada em caso real, ela garante uma melhor identificação e
Muitos planos têm objetivos e políticas que destacam uma série consideração de alguns recursos de agregados. Isso também aumenta a
de considerações para refletir pressões e valores específicos dentro confiança dos proprietários da terra e dos mineradores.
de uma área. Estes podem incluir considerações como impacto sobre
atividades sensíveis e incompatíveis. Objetivos e políticas são tipicamente Planos de gerenciamento
implementados por meio de regras possuem uma ou mais categorias de de extração de agregados
atividades (ex. atividade permitida, controlada, restrita ou discricionária). Embora nem sempre uma exigência formal (dentro das diretrizes
Regras incluem geralmente normas de performance que estabelecem ou das condições para concessão), planos de gerenciamento são úteis
os níveis adequados de efeitos e matérias para consideração quando se para descrever um conjunto de detalhes da operação relacionados ao
avaliam as atividades de extração de agregados. Estes podem se aplicar a uso e ao gerenciamento de aspectos do sítio.
extração em uma zona ou área particular ou a toda uma região ou distrito. Um exemplo prevê reuniões periódicas do grupo de sintonia formado
por representantes do minerador, conselho e da comunidade. Nessas
Efeitos e métodos de gestão reuniões regulares, questões associadas com a operação que afetam a
A tabela seguinte lista questões e efeitos associados à produção comunidade ou de mútuo interesse são discutidas.
de agregados e uma série de métodos que podem ser usados para
evitar, remediar ou mitigar os efeitos. (tabela na próxima pág) Formulários de requerimento para minas
Os formulários cobrem todas as descargas associadas no ar, na terra e
Concessão de recursos na água feitas pela mineração e fornecem diretrizes úteis sobre o que incluir
Propor a instalação de uma operação de agregados geralmente no requerimento inicial. Os formulários também exigem informações sobre
desencadeia a necessidade de se conceder recursos de agregados tanto o uso da água e depósito da cobertura e fornecem diretrizes detalhadas
pelos conselhos como pela autoridade territorial. É uma boa solução os do que incluir na avaliação dos efeitos ambientais para requerimentos
conselhos trabalharem juntos a fim de avaliarem os efeitos da proposta relacionados com operação de extração de agregados.

30 Anuário anepac 2011


Problema/Efeito
Métodos de Sensibilidade Reversa e
e Métodos para Métodos e Exemplos para Controlar os Efeitos
Exemplos
Gerenciar

Normas gerais de emissão de ruídos


Normas para ruídos associados a um tipo particular de atividade
Isolamento acústico de moradias perto
Normas associadas com zonas de amortecimento
de atividades geradoras de ruídos
Ruído Restrições de horários
Compromisso de evitar disputas
Plano de gerenciamento da extração de agregados
Requisitos de recuos
Uso de barreiras contra ruídos como diques de terra ou cercas acústicas
Equipment type and insulation

Aplicação de limites mais baixos de


Normas gerais para vibrações vibração para estruturas sensíveis a
Vibração Restrição de horário vibrações em áreas adjacentes
Planos de gerenciamento de atividades extrativas Compromisso de evitar disputas
Requisitos de recuos

Norma de performance para um problema definido


Critérios de avaliação para definer os efeitos da poeira
Poeira e efeitos Regra de atividade permitida com métodos de gerenciamento
sobre a Opção pela melhor prática
qualidade do ar Controle do uso do solo para evitar efeitos de sensibilidade reversa
devido ao pó
Plano de gerenciamento

Terraplanagem, Plano de gerenciamento (que frequentemente inclui um plano de


empilhamento gerenciamento de movimentação de terra)
e decapeamento Consignar responsabilidade do Conselho

Identificação de rotas de tráfego pesado a


Normas gerais de tráfego partir das minas
Tráfego Plano de gerenciamento (que frequentemente iclui plano de Isolamento acústico de novas moradias
gerenciamento de tráfego) localizadas ao longo de rotas de alto
ruído

Parâmetros
Qualidade da água
Normas de performance da atividade
e uso
Plano de gerenciamento

Estudos e relatórios integrados para extração de cascalho


Políticas para extração em áreas fluviais em ambientes marinhos
Ligar extração com gerenciamento de enchentes e realimentação de praias
Extração em rios e
Normas de performance para a atividade
costa marinha
Critérios de avaliação
Condições e duração da concessão de recursos
Parâmetros

Remoção de Normas de performance para arividade


vegetação e Compensações
efeitos ecológicos Plano de gerenciamento para mina e paisagem

Normas gerais de localização


Plano de gerenciamento
Efeitos visuais
Reabilitação e restauração progressivas
Uso de barreiras visuais como diques de terra ou cercas sólidas

Políticas relacionadas a sítios arqueológicos


Valores culturais e Políticas de consultas e acordos
herança histórica Avaliação de impactos culturais e relatórios de valorização cultural
Plano de gerenciamento

Plano de gerenciamento
Reabilitação Plano de reabilitação
Títulos (depósitos)

Anuário anepac 2011 31


Artigo

32
32 Anuário
Anuário anepac 2011
AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO
CIVIL E ORDENAMENTO
TERRITORIAL NO BRASIL
por Fernando Mendes Valverde

A mudança da característica da economia brasileira na metade do


século XX, passando de economia agrícola para industrial, provocou
uma grande migração da população para os principais centros
urbanos do país. Com a urbanização crescente, a necessidade de
planejar o crescimento das cidades criou o zoneamento das atividades.
Nas grandes cidades, zonas estritamente residenciais, industriais e
comerciais passaram a existir mescladas com zonas mistas. De tempos
em tempos, o zoneamento é revisto, fruto da evolução das cidades.

A rápida industrialização do país induziu uma urbanização explosiva.


Em poucos anos, os limites municipais se tornaram indistintos em
torno das principais capitais estaduais e, nestas, os centros urbanos
se unificaram, tornando cidades isoladas em uma única só. Essa
nova realidade exigiu que o planejamento das cidades deixasse de
ser preocupação só dos municípios, passando a exigir um maior
envolvimento dos Estados e da União.

No final da década de 60, foram estabelecidas regiões metropolitanas


em torno das principais capitais do país para planejar o crescimento
de toda uma metrópole. Entre as grandes preocupações, estavam
o transporte coletivo, o fornecimento de água potável, a coleta, o
tratamento dos esgotos e o problema ambiental, que passava a ser
considerado, principalmente a poluição atmosférica provocada pela
emissão de gases pela indústria e pelos veículos.

Anuário anepac 2011 33


Artigo

Planejamento Metropolitano foi uma atividade básica e importante para o Estado de Minas
O planejamento metropolitano iniciou-se de fato com a Gerais. Ainda assim, mesmo em Belo Horizonte, a mineração não
criação, em 1967, do Grupo Executivo da Grande São Paulo pelo era preocupação dos planejadores urbanos e metropolitanos.
Governo do Estado de São Paulo. De 1967 a 1970, foi elaborado Em outras regiões metropolitanas, a mineração era representada
o Plano Metropolitano de Desenvolvimento Integrado (PMDI), pela produção de agregados para a construção e de minerais
primeiro passo para o planejamento global da região. Até 1974, foi industriais e os planejadores simplesmente desconheciam
criado todo um sistema de consulta, gerenciamento, implantação sua existência.
e controle do planejamento metropolitano.
Em todos os planos urbanos anteriores e mesmo no PMDI, Legislação Mineral - O Código de Mineração de 1967
pouca preocupação foi dada a tudo que não se referia à O Código de Mineração de 1967 modificou o regime de
urbanização. Embora as cidades crescessem e se conurbassem, extração de rocha para brita e areia. Até 1967, a produção de
ainda havia grandes extensões territoriais dentro dos municípios agregados esteve praticamente fora da legislação mineral no
onde atividades como agricultura e mineração preponderavam. Brasil. Embora o Código de Minas de 1934 relacionasse rochas e
Na Região Metropolitana de São Paulo, por exemplo, a produção areia e cascalho entre as substâncias minerais submetidas a ele,
de hortaliças, legumes e frutas sempre foi uma atividade agrícola na realidade somente quem as fornecesse para obras públicas
importante, abastecendo não somente a Região, mas também deveria obter concessão federal. Mesmo essa exigência era
outras cidades do Estado de São Paulo e do país. raramente cumprida.
Menos considerada ou praticamente desconhecida na Região Pelo Código de Minas, para se extrair qualquer substância
Metropolitana de São Paulo era a atividade extrativa de minerais. mineral, pessoas físicas e jurídicas eram obrigadas a fazer
Embora houvesse, no início da década de 70, mais de 30 pedreiras, pesquisa mineral por meio de uma autorização de período limitado
onde se produziam pedra britada e pedras aparelhadas, mais de (2 anos) e depois obter uma concessão mineral. Competia
uma centena de extrações de areia, dezenas de extrações de ao Departamento Nacional da Produção Mineral – DNPM – a
argila, caulim, quartzito e feldspato, nunca a existência dessas aplicação do Código de Minas.
atividades foi considerada por nenhum governante, seja municipal As extrações de areia e cascalho e rochas para brita e
ou estadual. aparelhamento quase sempre eram licenciadas pelos poderes
O mesmo ocorria em outras regiões metropolitanas do municipais, sob a forma de Regime de Licenciamento. Os
país, como Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador, Recife e outras. A órgãos pú­b licos, como prefeituras, departamentos de estradas,
grande exceção era Belo Horizonte, onde grandes minas de ferro departamentos de obras, etc. extraíam areia e cascalho e rochas.
e pedreiras de calcário da indústria de cimento e cal estavam As licenças eram dadas para o proprietário do terreno ou para
instaladas. É importante ressaltar que a mineração sempre quem possuísse autorização dele.

34 Anuário anepac 2011


A revisão constitucional de 1946, que deu preferência à concessão
ao proprietário do solo, praticamente tornou desnecessária a
obtenção de concessão federal para essas substâncias.
O Código de 1967, que foi idealizado para atrair investimentos
na mineração e diminuir a dependência nacional de insumos
minerais carentes, principalmente de metais, recriou o conceito
de prioridade. Quem solicitasse em primeiro lugar uma área livre
de decretos minerais federais, independente de ser proprietário
ou não do terreno, teria direito a pesquisar a área e, encontrando
uma jazida, obter uma concessão federal para minerar. Somente
empresas podem obter concessões minerais e o DNPM continua
a ser o responsável pela aplicação do Código.
Contraditoriamente, em relação às substâncias para uso em
construção – como areia e cascalho e rochas – o Código de
1967 ainda permitia que a extração fosse feita através de uma
licença municipal, pois entendia que essas substâncias minerais
não precisavam ser pesquisadas para serem, posteriormente,
extraídas (Regime de Licenciamento).
Enquanto para as demais substâncias minerais eram
obrigatórios dois títulos minerais federais para poder minerar – uma
autorização para encontrar e definir uma jazida e uma concessão
para extrair–, para areia e cascalho e rochas, bastava uma licença
municipal, desde que o interessado fosse proprietário do terreno
ou tivesse contrato com seu proprietário. Entretanto, quem
quisesse obter uma concessão federal para essas substâncias
minerais, teria de cumprir as mesmas exigências do Código de
Mineração e teria os mesmos direitos.
Na realidade, nada mudara basicamente para quem queria
extrair areia e cascalho ou rochas para brita no Código de 1967.
Entretanto, o Regulamento que o detalhou, tornou obrigatório que
todas as licenças municipais, autorizando a extração de areia e
cascalho e rochas para brita e aparelhamento fossem registradas
no Departamento Nacional da Produção Mineral (DNPM), órgão
federal que tinha o poder de fazer cumprir a lei mineral. Antes
desse Regulamento do Código de Mineração, não existia essa
obrigação. Este registro tornou-se necessário, pois, com o novo
Código, era fundamental saber onde cada mina estava localizada,
já que o proprietário do terreno não tinha mais nenhum direito
sobre jazidas minerais.

O Relacionamento da Mineração
com o Uso e Ocupação do Solo
A facilidade para obtenção de concessão federal foi o fator
que acabou trazendo uma atenção especial para a mineração.
Esta atenção foi muito negativa para a atividade, principalmente
onde havia grande competição pelo uso do solo, como nas áreas
de expansão das cidades e nas áreas de produção agropecuária.
No Estado de São Paulo, o problema assumiu características
de confronto agudo. Na Região Metropolitana de São Paulo e em
regiões agrícolas onde a mineração era importante, houve conflitos
entre os mineradores e os proprietários de terra. A facilidade de
acesso ao subsolo objetivando a localização de jazidas fez com

Anuário anepac 2011 35


Artigo

que muitas propriedades industriais e agrícolas se tornassem alvo Esta integração assumiu caráter prático a partir do Convênio
de requerimentos de pesquisa mineral. firmado em 1976 entre o Governo federal e o Estadual, no qual
Mesmo produtores minerais, particularmente de rocha para a administração federal se comprometia a ouvir o governo do
britagem e areia para construção, que trabalhavam no Regime Estado antes daquela autorizar qualquer atividade mineral dentro
de Licenciamento, foram alvo de especuladores. Como a maioria dos limites da região metropolitana.
não registrou suas licenças no DNPM, suas propriedades minerais Entretanto, ficou evidente que tal forma de atuação conjunta
eram consideradas pelo DNPM livres para requerimento de foi uma resposta imediata destes órgãos frente aos problemas
pesquisa mineral. críticos existentes na época, carecendo de bases mais sólidas que
Em 1972, o Governo do Estado de São Paulo editou lei de permitissem direcionar, ao longo do tempo, um desenvolvimento
proteção ambiental – a primeira do país – e criou uma empresa, estável e harmônico da mineração, com as demais atividades
a CETESB- Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental, econômicas da região. Ciente deste problema, ficou estabelecido
para licenciar qualquer atividade econômica e executar a no próprio convênio que o DNPM e a SNM desenvolveriam estudos
legislação ambiental. Em 1976, o DNPM e Secretaria dos Negócios posteriores com a maior profundidade possível, no sentido de
Metropolitanos do Estado de São Paulo assinaram convênio, ordenar de uma maneira segura o setor mineral, dentro das diretrizes
estabelecendo que qualquer autorização, concessão ou registro que estavam sendo desenvolvidas pela Secretaria dos Negócios
de licenciamento mineral na Região Metropolitana deveria sofrer Metropolitanos, e cujos resultados comporiam um Plano Diretor de
análise conjunta dos dois órgãos. Mineração para a Região Metropolitana de São Paulo.
A reação dos proprietários contra a facilidade que o Código Em consonância com este compromisso, os estudos para a
de Mineração permitia para o requerimento mineral obrigou ela­b oração do Plano Diretor de Mineração foram iniciados um
o Ministério das Minas e Energia a patrocinar, em 1978, uma ano após o estabelecimento do Convênio (1977) e encerrados em
mudança na Legislação Mineral, em que os proprietários dos Dezembro de 1979.
terrenos voltassem a ter preferência sobre as jazidas de várias Em linhas gerais, o plano constou de uma primeira fase
substâncias: areia e cascalho; granito, gnaisse, diabásio e basalto destinada ao levantamento do Potencial Mineral da Região na
para britagem; argila para cerâmica estrutural (telhas, tijolos, etc.); escala 1:100.000, com a finalidade de oferecer informações não
e calcário para corretivo agrícola. só de caráter geológico, como também de cunho econômico,
Concomitantemente, iniciou-se a elaboração de um plano indicando as áreas mais promissoras e favoráveis à ocorrência
diretor de mineração para a Região Metropolitana de São Paulo, e exploração de bens minerais na região. O levantamento
cujo objetivo era colocar a mineração dentro do planejamento foi realizado por fotointerpretação em fotografias aéreas
metropolitano, separando-se áreas onde a mineração teria convencionais, escala 1:40.000 com base em cartas geológicas
prioridade sobre os demais usos do solo. preexistentes, acrescidas de informações de campo, em especial,
aqueles referentes às jazidas visitadas.
Plano Diretor de Mineração para É de se ressaltar que o entendimento desta carta geológica
a Região Metropolitana de São Paulo não foi privilégio somente dos técnicos ligados à geologia, mas
O Plano Diretor de Mineração para a Região Metropolitana de pelo contrário, foi um instrumental simples que podia ser utilizado
São Paulo foi o resultado dos esforços conjuntos das administrações por qualquer profissional que lidasse com os diferentes aspectos
federal e estadual no sentido de organizar uma atividade largamente do planejamento metropolitano.
difundida na região, a mineração, dentro do espaço metropolitano. Com os dados geológicos levantados, acrescidos das
À época de sua realização, os estudos desenvolvidos catalogaram diretrizes de uso e ocupação do solo definidas pela Secretaria
257 fontes produtoras de minérios. Estes números indicavam a dos Negócios Metropolitanos, a segunda fase dos trabalhos
difusão da atividade e por consequência os problemas que ela partiu basicamente para uma análise de custos e benefícios,
podia provocar. É importante salientar que até meados de 1976, resultando no mapa de zoneamento para a mineração na Região
somente o Governo Federal, por competência legal, acompanhava a Metropolitana de São Paulo, que constitui o Plano Diretor de
mineração na região. Paralelamente, os contornos do planejamento Mineração, propriamente dito.
da metrópole de São Paulo estavam sendo desenvolvidos na esfera Os seus objetivos básicos estão expressos em 4 situações
estadual, sem que tenha sido, contudo, abrangida dentro deste alternativas e orientadoras, a saber:
planejamento a atividade mineral, embora ela fosse fator importante 1 – Estabelecimento de áreas permitidas à mineração, sem
no ordenamento do território metropolitano. qualquer tipo de restrição face às outras alternativas de uso
No entanto, a crescente valorização dos imóveis urbanos, a do solo metropolitano;
crescente disputa pelos espaços físicos existentes e a gradativa 2 – Estabelecimento de áreas onde a mineração poderá atuar com
conscientização da sociedade para os problemas ligados ao restrições face a outras alternativas de uso do solo metropolitano.
meio ambiente, tornaram inevitável que a mineração viesse Entende-se como restrições a obrigatoriedade do minerador
também a integrar as diretrizes do planejamento metropolitano. recuperar, dentro de critérios técnicos e econômicos admissíveis,

36 Anuário anepac 2011


as áreas mineradas e que futuramente terão outro uso alternativo maior parte da areia que consumia e, portanto, delimitar e preservar
tão logo cessar a atividade mineral; o tratamento de efluentes, os depósitos de areia era fundamental, já que seu transporte
procedimento técnico para evitar a poluição do ar e da água; onerava demais o preço final, com o aumento dos custos da
transmissão de vibrações mecânicas oriundas de detonações; o construção. A escassez do produto a médio prazo era bastante
nível de ruído; e outros; evidente.Porém, o objetivo de preservar novos depósitos não se
3 – Áreas onde a atividade mineral não é permitida; e, concretizou por falta de uma base legal. Os políticos da época não
4 – Casos especiais, ou seja, situação tais que só com um endossaram o plano e somente as áreas tradicionais, já em lavra,
estudo local mais detalhado poder-se-á admitir ou não a se preservaram.
atividade mineral. A partir da experiência que adquiriu em São Paulo, o DNPM
Assim, ao término da segunda fase, com todos os levantamentos passou a executar planos diretores de mineração para outras
necessários executados e analisados, o DNPM e a Secretaria regiões metropolitanas críticas do país. Foram executados os
dos Negócios Metropolitanos partiram para a elaboração de um planos para a Região Metropolitana de Salvador (1992), Recife
documento, agrupando em forma de medidas de aplicação imediata (1995), Fortaleza (1998) e outras.
e proposições de estudos ou projetos complementares, um elenco
de recomendações definido como Plano Diretor de Mineração, que Consequências do Plano Diretor de Mineração
constituiu-se no primeiro instrumental para uma tomada de posição Embora o objetivo maior – reservar áreas de interesse para
do poder público na ordenação da mineração na região. a mineração – não tivesse sido atingido com o Plano Diretor de
O Plano Diretor de Mineração da Região Metropolitana de Mineração para a Região Metropolitana de São Paulo, a mineração,
São Paulo não foi bem sucedido, pois a dinâmica da urbanização principalmente de areia e cascalho e rochas para britagem, passou
e a falta de interesse das administrações estadual e federal de o a ser uma das preocupações dos planejadores.
implantarem contribuíram para seu insucesso. Houve, em 1997, O município de São Paulo, o mais importante do país, criou
uma tentativa de viabilizar um dos seus objetivos – preservação de o Grupo de Controle da Mineração dentro da área de supervisão
jazidas – com a delimitação de depósitos de areia (Diretrizes para e controle do uso e ocupação do solo para se preocupar
a Mineração de Areia para a Região Metropolitana de São Paulo), exclusivamente com a atividade. Diversos trabalhos foram
feita em conjunto entre o programa de mineração do Estado de São desenvolvidos junto com outros órgãos estaduais e federais e
Paulo (Pró-Minério) e o DNPM. Durante os estudos para o Plano entidades de produtores de minerais. Em dezembro de 1994,
Diretor, tinha se verificado que a Região Metropolitana importava a este Grupo promoveu o “I Encontro de Mineração no Município

Anuário anepac 2011 37


Artigo

de São Paulo” em conjunto com as associações de produtores de


minerais e a Universidade de São Paulo.
A Câmara Municipal de São Paulo criou, em 1997, uma
comissão especial para estudar a mineração no município que
resultou em proposta de lei para ordenar a atividade.
O fato mais auspicioso foi a aprovação do novo zoneamento
do Município de São Paulo em 2002 em que são asseguradas
Zonas Especiais de Produção Agrícola e de Extração Mineral para
manter e promover atividades agrícolas e de extração mineral.
Outros municípios da Região Metropolitana de São Paulo
também reservam áreas para mineração. Por exemplo, o município
de Barueri (30 km de São Paulo), por meio de Decreto municipal,
criou uma zona especial para a produção de rocha britada em
uma área onde existem quatro grandes pedreiras.
Também junto ao Governo do Estado de São Paulo, a
mineração passou a ser encarada de outra forma. Em 1981, foi
criado o Programa de Desenvolvimento de Recursos Minerais –
Pró-Minério com os recursos da parte que lhe cabia do imposto
federal sobre minerais. Até então, esse dinheiro era empregado
em investimentos que quase nada tinham a ver com a mineração.
O Pró-Minério financiou diversos estudos e elaboração de mapas
geológicos dentro do Estado. Entre esses está o já citado
Diretrizes para a Mineração de Areia para a Região Metropolitana
de São Paulo.
Em outubro de 1989, o Pró-Minério promoveu o Seminário
Internacional sobre Mineração em Áreas Urbanas, trazendo
especialistas do Canadá, França, Inglaterra e Estados Unidos
em impactos ambientais, recuperação de áreas mineradas,
mineração planejada, legislação mineral para cavas e pedreiras e
inventário de planejamento para agregados.
A preocupação em evitar que a urbanização acabe impedindo
o trabalho normal de uma empresa mineradora levou o Governo de
São Paulo a editar, em 1998, um Decreto criando uma Comissão
de Trabalho para “proceder estudos e propor diretrizes para o
gerenciamento do entorno das áreas de produção mineral no
Estado de São Paulo”. Busca-se criar medidas que impeçam que
atividades incompatíveis sejam implantadas ao redor de minas a
fim de assegurar a continuidade da mineração e evitar acidentes.
As faculdades de engenharia e de geologia que não se
preocupavam em estudar esses insumos minerais passaram a
estudá-los. Muitas dissertações de mestrado e teses de doutorado
tiveram como tema desde então os agregados para a construção
civil e minerais industriais. Nos cursos de graduação, passou a se dar
atenção especial a aspectos ligados a essas substâncias minerais.
No âmbito da sociedade em geral, o Plano Diretor também
trouxe frutos. Em 1982, a Associação Brasileira de Normas
Técnicas – ABNT – criou uma comissão para estudar o efeito do
uso de explosivos em minerações em meio urbano. A partir dos
estudos desta comissão, foram instituídas as normas brasileiras
NBR 7497, sobre terminologia de vibrações mecânicas e choques;
NBR 7731, procedimentos para execução de serviços de medição
de ruído e avaliação dos seus efeitos sobre o homem; e NBR

38 Anuário anepac 2011


9653, guia para avaliação dos efeitos provocados pelo uso de Em função de haver muitas leis e regulamentos a serem
explosivos nas minerações em áreas urbanas – danos estruturais. cumpridos pelas empresas de mineração, estabeleceu-se um
impasse. Elas não conseguiam registrar licenças municipais e,
Exemplo concreto de ordenamento territorial em conseqüência, não conseguiam licenças ambientais, nem
Respondendo por cerca de 10% da produção nacional, o Vale registrar a mina no DNPM.As minerações de areia do Vale do
do Rio Paraíba do Sul no Estado de São Paulo é a região onde mais Paraíba respondiam por cerca de 60% de todo consumo de areia
se produz areia para construção no Brasil.. Registros indicam que da Região Metropolitana de São Paulo. A areia era transportada
desde o final da década de 1940 existe produção regular de areia. por caminhões em percursos que atingem até 200 km.
A partir da década de 1950, a produção se intensificou devido à Em 1986, o Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA
construção da Rodovia Presidente Dutra, que liga a cidade do – editou resolução condicionando qualquer licença ambiental à
Rio de Janeiro a São Paulo e ao declínio da produção nos leitos apresentação de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) o Relatório
dos rios Tietê e Pinheiros, no município de São Paulo e em outras de Impacto sobre o Meio Ambiente (RIMA). Em 1989, Governo
áreas de produção próximas a São Paulo, devido à urbanização Federal editou o Decreto 97.632/89 regulamentando o Plano de
intensa que a região viveu neste período. Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD).
A produção de areia se dava exclusivamente em bancos de areia As minerações do Vale do Paraíba foram processadas pelo
no leito do Rio Paraíba, por meio da utilização de equipamentos Ministério Público Estadual (promotores públicos) por crime
manuais. Na década de 1960, a mecanização começou a ser ambiental e por trabalharem sem as licenças exigidas. A CETESB
implantada e gradativamente substituiu a extração manual. iniciou a interdição das minerações. Estas reagiram com ‘lock-out’ e
Em 1966, foi editado o Decreto nº 58.706/66 que regulamentou criam grande problema de desabastecimento de areia, prejudicando
a extração de areia nos cursos d’água beneficiados pelo as empresas construtoras, obras públicas e a população, obrigando
Departamento Nacional de Obras de Saneamento – DNOS. Por a CETESB a recuar e buscar novas soluções.
este decreto, o DNOS poderia extrair e vender a areia e cascalho Em 1995, para tentar solucionar definitivamente o problema,
extraídos ou transferir a execução do serviço e a venda dos a Secretaria do Meio Ambiente criou um grupo de trabalho. Em
produtos a empresas. No Rio Paraíba do Sul, o DNOS contratou oito meses, foi apresentada proposta com regras passíveis de
empresas que já extraíam areia para executar o serviço. cumprimento para a recuperação das áreas degradadas pela
Em 1967, o Código de Mineração foi promulgado e, em atividade mineral e para o prosseguimento da extração de areia
1968, seu Regulamento, abrindo-se prazo de um ano para quem com menor impacto ambiental possível. A proposta foi discutida e
possuísse licenciamento, a registrar no DNPM. A maioria dos aprovada pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente – CONSEMA.
mineradores de areia do Vale do Paraíba não registraram as Em setembro de 1996, a Secretaria do Meio Ambiente editou a
licenças (contratos) feitas com o DNOS no DNPM. Especuladores Resolução SMA nº 42/96 disciplinando o licenciamento ambiental
aproveitaram as facilidades que proporcionava o novo Código para das minerações do Vale do Paraíba e obrigando as minerações
requererem extensas áreas no Vale do Paraíba e mineradores que a adotarem vários procedimento operacionais para mitigar os
tentavam registrar suas licenças não conseguem, pois as áreas impactos ambientais. A Resolução também previa várias medidas
não estavam livres nos critérios do DNPM. Inicia-se discussão para a recuperação das áreas de mineração. Para implantação
sobre quem tem autoridade para autorizar a extração de areia no das medidas e verificação de seu cumprimento, foi criado a
Rio Paraíba do Sul. vistoria conjunta feita por todos os órgãos envolvidos.
Na década de 1970, devido à construção de barragens no Em seguida, a Coordenadoria de Planejamento Ambiental da
Rio Paraíba e em seus afluentes, não se formavam mais bancos Secretaria do Meio Ambiente (CPLA/SMA) coordenou estudos
de areia no leito do rio. As minerações passaram a ocupar as para implantar um zoneamento ambiental para a mineração de
várzeas. Em 1972, Governo estadual editou lei ambiental e areia no Vale do Paraíba. A execução dos estudos foi feita pelo
criou uma empresa, a CETESB-Companhia de Tecnologia de Instituto Geográfico e Geológico do Estado.
Saneamento Ambiental, para emitir licenças ambientais e fazer o O relatório denominado “Projeto Paraíba do Sul – Potencialidade
controle ambiental de todas as atividades econômicas no Estado de Areia” foi apresentado em 1997 e constituiu-se em dois volumes.
de São Paulo. O primeiro contém texto ilustrado abordando: aspectos fisiográficos;
Em 1978, o Governo Federal alterou novamente a lei síntese dos estudos anteriores feitos na região; levantamento das
mineral, obrigando as minerações de areia a se submeterem leis e regulamentos, dos empreendimentos e dos títulos minerários;
exclusivamente ao Regime de Licenciamento, dando um poder características do sistema fluvial; morfologia dos antigos canais
significativo às autoridades locais. Muitas prefeituras municipais do Rio Paraíba do Sul, caracterização dos depósitos de areia;
do Vale do Paraíba dificultam as licenças, alegando que as compartimentação da planície aluvionar e potencialidade de areia
minerações de areia criavam problemas, chegando algumas no trecho Jacareí-Pindamonhangaba. O segundo volume traz
Câmaras Municipais a aprovarem leis proibindo a mineração 16 desenhos na escala 1:25.000 envolvendo os assuntos: mapa
nos municípios. geológico e de potencialidade de areia; mapa dos empreendimentos

Anuário anepac 2011 39


Artigo

minerários; mapa de uso institucional e mapa de títulos minerários. Campos, Caçapava, Taubaté, Tremembé e Pindamonhangaba”,
Foram identificados 19.895 ha como áreas potenciais para entrando em vigor o zoneamento.
exploração de areia, dos quais cerca de 5% - 1.053 ha – estão A área objeto do zoneamento é dividida em quatro zonas: proteção,
em exploração. Para estabelecer o zoneamento e o planejamento mineração de areia, recuperação e conservação da várzea. A zona
da região foram feitas diversas reuniões de análise e estudos, de proteção tem por objetivo resguardar o ecossistema formado
com participação intensa das prefeituras municipais envolvidas, pelo rio Paraíba do Sul, a vegetação remanescente preservada,
institutos de pesquisa, universidades, ONGs, mineradores e especialmente as associadas aos meandros abandonados. A
demais interessados. zona de mineração de areia é onde a atividade mineral pode ser
Em 05/08/98, foi realizada audiência pública na cidade de São desenvolvida, obedecendo a alguns critérios. A zona de recuperação
José dos Campos com todos os interessados. compreende aquelas definidas como prioritárias à recuperação
Em seguida, houve a avaliação da Comissão Especial de ambiental, com o objetivo de torná-las compatíveis com outros usos
Mineração do Conselho Estadual do Meio Ambiente – CONSEMA do solo e a zona de conservação de várzea, onde a extração mineral
– e posteriormente do próprio CONSEMA. Finalmente, houve a é proibida, visando proteger e conservar a planície aluvionar.
aprovação final do zoneamento ambiental do Vale do Paraíba em
15/12/98, com a publicação da Deliberação CONSEMA nº 28. Ação Comunitária dos Produtores
Esta Deliberação CONSEMA, foi transformada na Resolução de Agregados para a Construção Civil
SMA nº 28, de 22/09/99, que “dispõe sobre zoneamento ambiental Não basta aos produtores de agregados para a construção
para mineração de areia no subtrecho da bacia hidrográfica do rio lutarem por seus direitos, como a implantação de zoneamento onde
Paraíba do Sul inserido nos municípios de Jacareí, São José dos sua atividade seja reconhecida. Devido ao fato de sua atividade

40 Anuário anepac 2011


Quadro 1 – Exemplos de Abordagem de Relações Comunitárias

UF Projeto Empresa Local Custo Características Resultados


Margens do 10% do Parceria com a comunidade para projetos Reflorestamento das margens do rio com 200.000
RS Jacuí - Verde Vida Smarja
Rio Jacuí faturamento bruto ecoturistícos mudas, repovoamento do rio, recolhimento de lixo
Associação de Vale do 3% da renda Auto-fiscalização, revitalização de rios, Coleta seletiva de lixo, educação ambiental para
SP Viva Ribeira
Mineradores Ribeira líquida turismo, recuperação de imagem escolas, plantio de mata ciliar
Viterbo Machado O empreendimento tornou-se referência escolar
2% do Gestão ambiental, jardinagem, criação de
SP Viterbo Machado Luz Luz Mineração São Paulo e técnica com a implantação de reserva florestal
faturamento bruto barreiras visuais, proteção de drenagens
Ltda particular com 500.000 m2
Criação de reserva florestal de uso
semi-aberto com visitas monitorizadas.
Embu SA-
SP Reserva Juruaçu São Paulo N.D Contribuição para a melhoria do ensino Constituição de reserva florestal com 1.000.000 m2
Engenharia
escolar e da qualidade de vida da
população local
Implantação de gerenciamento ambiental Certificado ISSO 9000, educação e recuperação
Holcim Brasil 3% do
SP Pedreiras Cantareira Mairiporã integrado, certificação ISO14.000, ambiental, coexistência entre mineração e
SA faturamento bruto
integração com a comunidade local comunidade
Funcionamento da pedreira até a exaustão da jazida
Pedreira Itaquera Preparação da Pedreira para servir de aterro , viabilização da implantação do aterro de inertes,
SP Aterro de Inerte São Paulo ND
SA após a exaustão da jazida conscientização da comunidade da importância da
pedreira
Agregados na Região 5% do custo
Integração com associações de moradores Recuperação ambiental e coexistência pacifica com
BA Metropolitana de Pedreiras Valéria Salvador final dos
locais a população
Salvador produtos
Instalação de pedreira em área ocupada por Recuperação da área do aterro sanitário antecipada
Pedra Sul depósito de lixo, utilização do capeamento em 14 anos, criação de reserva particular de proteção
MG Pedra Sul Juiz de Fora ND
Mineração para aterro sanitário, ações sociais com a natural, educação ambiental com fornecimento de
comunidade material didático, alimentação e transporte

Fonte: Relação da Mineração de Agregados com a Comunidade. In” Anais do Seminário Internacional sobre Mineração de Agregados”. 2002

ser sempre muito próxima dos centros urbanos, ela sempre está Comentários Finais
sendo atentamente observada pela comunidade. Além de trabalhar Os agregados para a construção civil dependem da cidade,
dentro das regras vigentes, os produtores vêm continuamente das concentrações urbanas, para tornarem-se viáveis. Muitas
se preocupando em serem vistos como membros ativos da vezes, as lavras podem não estar contidas na mancha urbana ou
comunidade. Produtores de agregados no Brasil, individualmente ou nos arredores, podem até estar distantes, mas são minerações
coletivamente em associações, desenvolvem diversas ações para que dependem, quase que totalmente, das construções que as
demonstrar que seu trabalho é importante para toda a sociedade. cidades geram.
Exemplos de ações comunitárias podem ser observadas com Ao mesmo tempo que dependem da urbanização para
os exemplos do quadro nº 1. existirem, não raramente, acabam sendo vítimas da expansão
urbana. Todos conhecem muitos exemplos de pedreiras e portos
Recuperação de áreas degradadas pela mineração de areia que tiveram que ser fechados quando a urbanização os
A partir de 1981, com a promulgação da Lei 6938/81, que alcançaram e as sufocaram.
instituiu a Política Nacional de Meio Ambiente, importantes Como os recursos de areia e de rochas parecem abundantes
trabalhos de reabilitação de áreas foram e estão sendo feitos e inesgotáveis, pouca atenção foi dada a este tipo de atividade
por empresas de mineração de agregados visando não só ao de mineração. Poucos se importavam quando alguma delas
cumprimento da legislação, como também à valorização das deixavade operar, muitas vezes nem mesmo o dono. A valorização
áreas degradadas. que a urbanização trazia para o terreno compensava o pequeno
Exemplos de áreas recuperadas podem ser observadas no quadro nº 2. transtorno e não seria difícil achar outra área. A norma sempre foi

Anuário anepac 2011 41


Artigo

expulsar esse tipo de atividade para que a cidade crescesse. Era QUADRO 2 - Exemplos de Abordagem de Recuperação
consensual que a indústria de transformação e os loteamentos
UF LOCAL TIPO EFEITO
eram mais importantes do que explorar pedras ou areia. Não
só no Brasil, mas no mundo inteiro, essa era a realidade. Nem SP Raia Olímpica da modelagem do espaço para novo lazer
mineração de fato, pedreiras e portos de areia eram considerados. Cidade Universitária ambiente
Entretanto, com o crescimento intensivo das cidades, SP Praça de Toronto modelagem de espaço para novo lazer
principalmente na segunda metade do século, com o fenômeno da ambiente
conurbação, isto é, manchas urbanas de cidades outrora distantes SP Pedreira (PedrasBrasil- criação de espaço ordenado industrial
se juntando, a realidade passou a ser outra. Principalmente a partir Campinas) adaptável
dos anos 60, começou a haver uma reavaliação deste consenso. SP Pedreira-Vila Albertina criação de espaço ordenado aterro sanitário
Primeiro, os mineradores de agregados começaram a adaptável
questionar o fato de que deveriam desocupar as áreas para outras
SP Parque Ecológico do modelagem do espaço para novo lazer e reserva
atividades. Depois, começaram a demonstrar que a pretendida
Tietê ambiente ecológica
abundância de recursos era relativa. A urbanização acelerada já
PR Pedreira Leminski- criação de espaço ordenado lazer
havia comprometido a possibilidade de explorar boa parte dos
Curitiba adaptável
recursos que havia. Aos poucos, departamentos governamentais
especializados na questão começaram a corroborar os estudos SP Pedreira Itatinga criação de espaço ordenado aterro sanitário
apresentados pelos extratores e a lutar pela preservação da adaptável
atividade nos locais onde já atuavam. Passaram também a atuar SP General Motors(São estabilização de terreno industrial
no sentido de preservar os recursos ainda não comprometidos Caetano)
com a urbanização. PR Parque do Iguaçu- modelagem do espaço para novo lazer
Em muitos países, a questão avançou bastante. Legislações Curitiba ambiente
específicas foram criadas, não só para atender às reivindicações dos SP Pedreira Anhanguera Criação de espaço ordenado aterro sanitário
mineradores, mas também para atender à demanda crescente destes adaptável
insumos minerais que a urbanização exige.
SP Carrefour-São Vicente criação de espaço ordenado comercial
O Brasil ainda não avançou muito na questão. Em princípio,
adaptável
existe hoje o reconhecimento que a mineração de agregados é
SP Pedreira São João criação de espaço ordenado depósito
uma atividade importante para a melhoria do padrão de vida dos
adaptável de resíduos
habitantes das cidades. Entretanto, institucionalmente, pouco foi
sólidos
feito. Ainda persiste entre os administradores públicos a noção
distorcida de que os recursos minerais necessários à produção de SP Torres da Marginal estabilização de terreno habitação
agregados para a construção civil são abundantes. Uma pedreira SP Parque do Ibirapuera modelagem de espaço para novo lazer
ou um porto de areia não passam de um estorvo. Quanto mais ambiente
longe estiverem dos olhos dos cidadãos, melhor. Se o problema SP Parque Villalobos estabilização de terreno habitação
deve existir, que seja com o vizinho. SP Hori-ECC-Mogi das modificação do solo adequando a agricultura
Ao contrário de outros países, não temos levantamentos Cruzes novo uso
sistemáticos de recursos de areia e rochas nem nos grandes
SP SARP-Rodovia Castelo estabilização de terreno galpões
Estados consumidores, nem se planeja fazê-lo. Não há
Branco industriais
preocupação em solucionar os entraves legais e burocráticos
SP Porto de Areia Viterbo criação de espaço ordenado loteamento
à atividade. Não se pensa em descentralizar a administração
Machado Luz adaptável
da mineração de agregados, nem os organismos regionais em
assumi-la. Em Estados como o Rio de Janeiro e São Paulo, o PR Parque do Costa modelagem de espaço para novo lazer
problema se tornou grave na década de 70 e muito pouco foi ambiente
feito para saná-lo. Apesar de tudo, comparados com o quadro de SP Parque Francisco Rizzo modificação do solo adequando a lazer
20 anos passados, um expressivo avanço ocorreu por força de novo uso
trabalhos realizados por órgãos públicos e empresas. Fonte: in “Mineração: Uma Questão Urbana”. Anais do Ecourbs 93. São Paulo.

42 Anuário anepac 2011


PANORÂMICA DA EXTRACÇÃO DE
AGREGADOS EM PORTUGAL, AMBIENTE
E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO
Jorge Carvalho1 e Luís Martins1

Desde sempre e em toda a plenitude da palavra, os agregados têm sido elementos estruturantes
das nossas sociedades. São imprescindíveis à construção das vias rodoviárias e ferroviárias
por onde se dá o escoamento da produção, à construção de obras de saneamento básico,
de escolas, de hospitais, casas e de toda a panóplia de infraestruturas necessárias ao bem
estar das populações e que caracterizam as nossas sociedades. O seu consumo per capita é,
assim, um factor que traduz de forma muito directa o estado de desenvolvimento económico
e social da sociedade.

No entanto, a esta elevada importância, não tem sido dado o merecido destaque e
reconhecimento, muito por força da institucionalização duma consciência ambiental
contra a actividade extractiva, quanto a nós mal direccionada por mal informada.

Esta breve panorâmica da exploração de agregados em Portugal pretende contribuir para


um melhor conhecimento do estado actual da indústria extractiva de agregados neste país,
sendo de realçar a importância que cada vez mais deve assumir a metodologia de recolha e
tratamento da informação estatística relativa a esta actividade, bem como a sua integração
no planeamento territorial a fim de salvaguardar o suprimento de matéria prima à sociedade.

Anuário anepac 2011 43


Artigo

Figura 1- Explorações de agregados calcários no MCE (em cima) e em Santiago do Cacém (ao lado).

AGREGADOS: O QUE SÃO? Já no que respeita aos chamados agregados reciclados, cada vez mais
O termo “agregados” refere-se, dum modo muito simples e em acordo em uso devido aos constrangimentos que hoje se colocam à actividade
com a Associação Europeia de Produtores de Agregados (UEPG), aos extractiva, devemos considerar aqueles que resultam do reaproveitamento
materiais granulares usados na construção, podendo ser de origem natural, da matéria-prima anteriormente utilizada noutras construções. Dentre
artificial ou reciclados. Sendo que sem dúvida os agregados se podem os mais comuns devemos considerar os resultantes dos resíduos de
englobar no grande grupo das Rochas e Minerais Industriais, esta definição demolições de edifícios, incluindo o betão e os resultantes da reparação
prende-se, quanto a nós, com a necessidade de os distinguir dos materiais de vias rodoviárias.
de natureza idêntica mas utilizados em outras actividades industriais que Neste trabalho e tendo em conta o âmbito em que se insere,
envolvem, por vezes, complexos processos químicos e metalúrgicos, centramos a nossa atenção unicamente nos agregados naturais utilizados
como a do vidro, a do papel, das tintas, cosméticos, etc. Assim, o conceito para a construção civil e obras públicas. De modo mais concreto, cabem
Agregados está, antes de mais, relacionado com o fim a que se destina neste quadro, fundamentalmente, os agregados utilizados para betão
a matéria prima e não tanto com a sua natureza. Como veremos mais à e argamassas, pavimentos rodoviários ligados e não ligados e vias
frente, esta opção acarreta consequências como seja a sua integração nos ferroviárias. São estas aplicações que mais agregados consomem, quer
chamados materiais de construção, onde muitas vezes não são tomadas em Portugal, quer a nível mundial. A título elucidativo refira-se que de acordo
em consideração as suas especificidades. com dados da americana National Sand, Stone and Gravel Association, os
Indubitavelmente, os agregados mais comuns são os agregados pavimentos asfálticos são constituídos por 94% de agregados e os betões
naturais (de origem mineral), compreendendo as areias, cascalheiras por cerca de 80% (certamente não tomando aqui em linha de conta, a
(ou cascalho) e rochas britadas. São dos recursos mais vastos do nosso origem mineral do próprio cimento). A construção dum quilómetro de auto-
planeta e obtêm-se por exploração mineira. Apresentam granulometria estrada requer cerca de 30 000 tons de agregados e a de uma pequena
muito variável, com dimensões desde algumas centésimas de milímetros escola, cerca de 10 000 tons.
de diâmetro, para o caso das areias finas, até alguns metros cúbicos de Ao nível da União Europeia, dados fornecidos pela UEPG – União
volume, para o caso dos blocos para armaduras de protecção costeira. Europeia de Produtores de Agregados, referem uma produção anual de
As areias e cascalheiras podem ser constituídas por grãos minerais 2860 milhões de toneladas, correspondentes a um consumo per capita
individualizados, dos quais o mais comum é o quartzo, ou mesmo por grãos de 6,9 toneladas. Existem cerca de 27000 centros de produção que dão
líticos, em que os mais comuns são os quartzitos, granitos e calcários. No 250000 empregos directos.
que respeita às rochas britadas, a diversidade também é muito grande,
sendo as mais comuns as de natureza calcária, granítica e basáltica. ESTADO ACTUAL DA PRODUÇÃO
Consoante a natureza mineralógica e litológica dos agregados DE AGREGADOSEM PORTUGAL
naturais, bem como as suas propriedades físicas em termos de De acordo com o gráfico apresentado na figura 2, constata-se o papel
granulometria e forma, diferentes serão as suas especificidades em de relevo assumido pela produção de rochas industriais em Portugal
termos de aplicação final. relativamente às outras substâncias. Incluídos neste grande grupo das
No que respeita aos agregados artificiais devemos considerar os Rochas Industriais estão os agregados, os quais constituem o principal
materiais granulares subprodutos ou resíduos de outras actividades contribuinte para os elevados valores de produção. Tal resulta do carácter
industriais. Caem neste campo e a título de exemplo, as escórias. A sua estruturante que os agregados assumem numa resposta muito directa
utilização que cada vez mais se tem vindo a tentar implantar tem, por outro às solicitações de desenvolvimento das sociedades, em particular pelo
lado, vindo a ser condicionada por questões de ordem ambiental em sector da construção civil. Em Portugal isso é por demais evidente devido à
termos da carga poluente a que eventualmente podem corresponder. importância que este sector industrial assume.

44 Anuário anepac 2011


INDÚSTRIA EXTRACTIVA EM PORTUGAL
500.000
450.000
400.000
350.000 Minérios metálicos
Euros x 1000

300.000 Minérios Industriais

250.000 Rochas Industriais


(argilas, agregados, etc.)
200.000
Rochas Ornamentais
150.000
100.000 Agregados

50.000
0
1993

1994

1995

1996

1997

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2004
Figura 1 - Evolução do sector extractivo em Portugal

A análise do referido gráfico permite constatar ainda outras em Portugal (minas de Neves Corvo e Panasqueira, respectivamente), com
particularidades do sector extractivo em Portugal, nomeadamente o reduzido ultrapassagem dos valores respeitantes às Rochas Ornamentais. Traduz de
valor de produção dos chamados minerais industriais, onde se incluem modo muito directo o crescimento mundial da cotação destes metais e as
substâncias como o quartzo e feldspato para a indústria cerâmica, o gesso dificuldades que o sector das Rochas Ornamentais tem vindo a sofrer nos
e o sal-gema, etc., por comparação com as restantes matérias primas. últimos anos em Portugal. No respeitante à produção de agregados é de
Destaque ainda para o salto na produção mineral metálica registado de realçar um crescimento contínuo de 1996 a 2000, ano a partir do qual se
2003 para 2004 e que respeita aos minérios de cobre e volfrâmio produzidos entrou num período de recessão.

CAIXAS DE DISTRIBUIÇÃO MÓVEIS PCE

A SOB traz para o Brasil a linha de caixas de distribuição móveis da empresa


austríaca, PC Electric. As caixas são feitas em borracha sólida de excelente qualidade,
com alto grau de proteção contra líquidos e materiais sólidos alcançando IP65.
Todos os modelos possuem hastes que facilitam a mobilidade das mesmas. Possui
7 séries diferentes com inúmeras configurações e acessórios. Internamente possuem
diversas áreas recartilhadas que possibilitam a fixação em parede ou painel na posição
ideal para cada aplicação, alem de possuir saídas para cabos em todos os 4 lados
da caixa, fazendo assim que a ligação elétrica fique a mais organizada possível.

SOB Schurter + OKW do Brasil


Rua Novo Cancioneiro, 93 - Brooklin 04704-080 São Paulo - SP
Tel: 11 5090 0030
info@sob-brasil.com
www.sob-brasil.com

Anuário anepac 2011 45


Artigo

PRODUÇÃO 2004 se compreende a distribuição dos principais centros de produção de


Grauvaque e xisto agregados que se apresenta no já referido mapa da figura 5.
Quartz ito A produção de agregados a partir de rochas calcárias verifica-se, então,
Granitos nas orlas Ocidental e Algarvia a partir de formações carbonatadas de idade
R. carbon, cimento
Jurássica e em menor escala, de idade Cretácica (arredores de Lisboa).
Também as areias e cascalheiras são exploradas nestas orlas. No entanto,
R. carbonatadas
as maiores produções advêm das actividades que ocorrem nos extensos
Basaltos
depósitos arenosos Pliocénicos da Bacia do Tejo e Sado e dos aluviões
Areias e saibros
e depósitos costeiros recentes, Quaternários. Assim se compreende a
0 5000 10000 15000 20000 25000 30000 35000 40000 45000
distribuição de explorações de areias e cascalheiras um pouco por todo
Tons X 103
o território, acompanhando as principais linhas de água e orla marítima.
Figura 3 - Volume da produção no ano 2000 de agregados em Portugal

VALOR PRODUÇÃO 2004

Grauvaque e xisto
Quartz ito

Granitos
R. carbon, cimento
R. carbonatadas

Basaltos
Areias e saibros
0 20 40 60 80 100 120 140 160
Euro X 106

Figura 4 - Valor da produção no ano 2000 de agregados em Portugal.

De acordo com a sua natureza genética, que em grande parte reflecte


as suas especificidades técnicas, podemos agrupar os agregados para a
construção em Portugal nos seguintes grandes grupos:
- Areias e cascalheiras
- rochas basálticas (basaltos, doleritos, gabros, ofitos)
- Rochas carbonatadas (calcários, calc. dolomíticos e mármores)
- Rochas carbonatadas para cimento (calcários e margas)
- Rochas graníticas (granitos, sienitos, pórfiros e dioritos)
- Xistos e Grauvaques
- Quartzitos
Nestes termos, os valores respeitantes à sua produção, em volume
e valor monetário, são os representados nos gráficos das figuras 3 e 4.
Neles ressaltam os elevados valores de produção de rochas britadas de
natureza granítica e carbonatada, secundadas a grande distância pelas
areias e cascalheiras. Podemos, então, concluir que em Portugal o grande
consumo de agregados se faz à custa da britagem de rochas calcárias
e graníticas. Destas e como também se pode constatar pela análise dos
gráficos apresentados, as britas de natureza granítica apresentam um
maior valor económico.

Distribuição da Indústria Extractiva


de Agregados Em Portugal
Como é óbvio, embora hoje em dia tal pareça estar um pouco
“esquecido”, os agregados, como recursos naturais que são, só
podem ser explorados nos locais em que ocorrem. Também de modo
óbvio, o tipo de agregados passíveis de exploração no território
Figura 5 - Mapa Geológico de Portugal sim­pli­ficado com representação
nacional depende da distribuição dos tipos litológicos do país. Assim dos pri­nci­pais centros produtores de agregados.

46 Anuário anepac 2011


Como seria de esperar, os principais centros de produção de A produção de britas cal-
agregados de natureza granítica ocorrem no centro e Norte do país, cárias no distrito de Lisboa
associados aos grandes maciços graníticos. É grande a profusão assenta nas explorações exis-
de pedreiras nesta região do território nacional, grande parte tentes na região de Alenquer e
inactivas, o que acarreta consequências de âmbito ambiental e de Bucelas. Já no distrito de Leiria,
ordenamento territorial. são as pedreiras da região do
No gráfico que se apresenta na figura 6 encontra-se traduzida a Maciço Calcário Estremenho e
distribuição dos valores de produção de agregados nos diferentes Alcobaça as principais forne-
distritos de Portugal continental. O que se constata numa primeira análise cedoras. No distrito de Setúbal,
é o enorme peso com que contribuem os distritos de Leiria, Lisboa e são as da região da Serra da Arrábida.
Setúbal para os valores da produção nacional. Tal justifica-se por duas Ainda no respeitante ao distrito de Leiria e Setúbal é de realçar a for-
ordens de razões. A primeira tem a ver com a proximidade a grandes te produção de areias comuns, assente em vários tipos de explorações,
centros consumidores, com destaque para a região da Grande Lisboa. desde as aluviões, dunas litorais e depósitos continentais Pliocénicos.
Não podemos olvidar que pelo facto destas matérias-primas terem um Secundariamente aos três distritos atrás mencionados ressaltam os
baixo valor monetário, os centros de produção têm obrigatoriamente distritos de Coimbra e Porto, este último com uma grande produção as-
de estar próximos dos centros de consumo, de forma a diminuir os sente, exclusivamente, em britas graníticas. Tal produção que em 2004
custos de transporte. A segunda razão tem a ver com o tipo de matéria- foi de cerca de 8 milhões de toneladas, provem das diversas pedreiras
prima e sua utilização. Com efeito, nestes distritos a produção assenta, existentes no maciço granítico que caracteriza a região. Tal volume jus-
fundamentalmente, em britas de rochas calcárias, dado, como vimos tifica-se pela elevada solicitação que deriva da proximidade a diversos
anteriormente, serem estes tipos litológicos os predominantes na região. centros urbanos em expansão – a região do Grande Porto. Na região de
Há grande solicitação por parte da indústria cimenteira existente nestes Coimbra os elevados valores de produção de britas de natureza calcá-
distritos e também para o fabrico de argamassas, o que justifica, assim, o ria são justificados parcialmente pela indústria cimenteira aí implantada,
elevado consumo deste tipo de matéria-prima. mais propriamente em Souselas.

Anuário anepac 2011 47


Artigo

No outro extremo, ou seja, em termos de baixas produções Na realidade e não pretendendo dissimular situações pontuais e
de agregados, destacam-se os distritos de Beja, Bragança, específicas, o impacto associado às explorações de agregados
Castelo Branco, Évora, Portalegre e Vila Real que no ano 2004 não verifica-se fundamentalmente ao nível do desordenamento territorial
ultrapassaram dois milhões de toneladas. Quanto a nós estes valores e paisagístico. Os agregados são tradicionalmente considerados
justificam-se pelos problemas de interioridade que tipicamente têm como substâncias inertes, nome pelo qual também são conhecidos.
caracterizado estas regiões, nomeadamente ao nível da não fixação No entanto, dada a necessidade das nossas sociedades em
da população e consequente não desenvolvimento do tecido urbano consumir elevadas quantidades de matérias-primas minerais, em
e sazonal baixo investimento em infraestruturas públicas. particular agregados para a construção e admitindo o desenvolvimento
destas mesmas sociedades nos moldes que actualmente se preconizam,
PROBLEMÁTICA AMBIENTAL ASSOCIADA torna-se imperioso combater esta “desinformação” da opinião pública.
ÀS EXPLORAÇÕES DE AGREGADOS Sabe-se que o afastamento dos centros de produção para locais cada vez
Tradicionalmente, a opinião pública vê a exploração de mais afastados dos centros de consumo, quando tal é geologicamente
agregados como uma fonte de intensa poluição ambiental. possível, não é uma solução viável económica e ambientalmente:
Trata-se, a nosso ver, de má informação que deriva de algumas encarece a matéria-prima devido ao custo do transporte e produz
características próprias desta actividade extractiva: a solicitação efectivos problemas ambientais associados à poluição decorrente do
de grandes volumes desta matéria-prima de baixo custo obriga à tráfego intenso de veículos pesados ao longo de grandes distâncias.
proximidade aos centros de consumo, de forma a diminuir os custos Pensamos que a solução terá de passar por dois pontos essenciais.
associados ao seu transporte. Assim, regra geral, os centros de Um será o cumprimento das chamadas regras de boas práticas ambientais
extracção, ou mesmo pedreiras isoladas, fazem parte do quotidiano por parte das entidades exploradoras. Recentemente, diversos documentos
paisagístico dos arredores de muitos centros urbanos. No entanto, têm abordado esta temática, de entre os quais se podem destacar:
a opinião pública associa o impacto na paisagem a eventuais outros • Good Environmental Practice in the European Extractive Industry.
impactos, de elevada perigosidade, nomeadamente os decorrentes A Reference Guide; F. Brodkom (Centre Terre & Pierre - Belgium),
de poluições agressivas a nível químico. Isto tem derivado na DG Entreprise, 2000
adopção de políticas com consequências negativas para o sector, • COM (2000) 265 final: Promoção do desenvolvimento sustentável
de que é exemplo a Comunicação da Comissão Europeia COM na indústria extractiva não energética da EU.
572 de 2003 relativa a uma proposta para discussão pública no • Berlin II: Guidelines for Mining and Sustainable Development;
que concerne a uma estratégia para a utilização sustentável United Nations 2002
dos recursos naturais, em que expressamente se refere que os • GRI (Global Reporting Initiative): Sustainability Reporting
impactes ambientais decorrentes da utilização de recursos minerais Guidelines, 2002, 2004
são actualmente mais inquietantes que a sua eventual escassez. O segundo ponto deverá assentar no desenvolvimento de

PRODUÇÃO DE AGREGADOS EM 2004


14

12
Milhões toneladas

10

0
RE
 

J
A

LO
JA

IA

AL

RA
O

DA

AL
EM
ÇA

CO

SB
RO
BR

EG

RT
IR

IR
AG

R
BE

RE
TE
UB
O

R
AN

AR

VI
AN

FA
E

LE
IM

PO
LE

AL
UA
EV
BR

AS
AV

SE

LA
NT
AG

CO
BR

V.C

VI
SA
RT
BR

C.

PO

Areia e saibros Basaltos R. carbonatadas R. carbon. cimento

Granitos Quartzito Grauvaque e xisto

Figura 6 - Distribuição da produção de agregados no território nacional.

48 Anuário anepac 2011


campanhas de informação/sensibilização junto das populações publicitar dados relativos aos recursos para que as decisões políticas
e irremediavelmente, no aumento a médio-longo prazo do nível sejam suportadas num adequado nível de conhecimento científico. Outro
de cultura científica da sociedade. Neste processo é fundamental significativo avanço prende-se com o apoio por parte das instâncias
a disponibilização dos dados referentes à actividade extractiva, europeias à implementação duma plataforma tecnológica de discussão
como os que são parte deste trabalho, de forma metódica, dedicada ao uso sustentável dos recursos minerais.
atempada e o mais próximo possível da realidade.
Com efeito, algum trabalho tem vindo a ser feito neste sentido, pelo O ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO
menos ao nível da União Europeia, por parte de diversos grupos de O futuro da actividade extractiva de agregados em Portugal,
pressão relacionados com o sector extractivo de que um bom exemplo na Europa e, de um modo geral, em todo o mundo, está, quanto a
são as campanhas de sensibilização da opinião pública realizadas pela nós, intimamente dependente dos seguintes factores:
IMA-Europe - The European Industrial Minerals Association, respeitantes • Procura do mercado
à divulgação da importância deste grupo de matérias primas no nosso • Disponibilidade da matéria prima
quotidiano (www.ima-eu.org). Como consequência mais evidente e • Políticas globais e regionais
de relevante importância podemos considerar a recente comunicação Se o previsível constante aumento populacional, em particular
da Comissão Europeia COM(2005) 670 – Estratégia Temática sobre junto dos grandes centros habitacionais é factor que assegura a
a Utilização Sustentável dos Recursos Naturais. Como o próprio certeza de uma procura de agregados no mercado, a disponibilidade
nome indica, vem na sequência da discussão pública que se seguiu à de matéria prima e as políticas que se venham a implementar são
COM(2003) 572 e denota alterações significativas, com destaque para duas variáveis intimamente relacionados que em muito podem
a exclusão do anteriormente mencionado ao nível dos recursos minerais condicionar este sector industrial. Com efeito, embora os agregados
versus preocupações ambientais decorrentes da sua utilização e para a nível de políticas regulamentares sejam institucionalmente
o facto de focalizar o seu papel para o desenvolvimento económico. considerados no âmbito dos materiais de construção, onde o seu
Neste documento destaca-se também a necessidade de implementar suprimento à sociedade para a construção de infra-estruturas
um centro de informação europeia dedicada a investigar, recolher e rodoviárias, habitacionais, etc., é erroneamente tido como um dado

Anuário anepac 2011 49


Artigo

adquirido (como se surgissem “do nada”), a realidade é que são Europeu dos Produtores de Materiais de Construção que é uma
recursos minerais não renováveis, pelo que estão, simultaneamente, confederação das associações nacionais de produtores de
sujeitos às que regulamentam a utilização sustentável dos recursos materiais de construção; http://www.cepmc.org/) visa defender
minerais, de protecção ambiental e ordenamento do território. A este os interesses do sector dos agregados como materiais de
propósito e a título de exemplo, vejam-se as directivas europeias construção mas em que englobam ainda outros recursos como as
respeitantes à utilização e normalização dos materiais de construção, pedras ornamentais, o gesso, materiais cerâmicos, etc., muitos
bem como a segmentação proposta para os recursos minerais dos quais têm também uma associação específica para defesa
enunciada no relatório “Raw MAterials Supply Group – DG Entreprise, dos seus interesses a nível europeu (EUROGYPSUM, EUROSIL,
2001” intitulado “Sustainable Development Indicators for the EU non- CEMBUREAU, EURO-ROCK, etc.).
energy extractive industry” e que vem na sequência da Comunicação Esta dispersão que caracteriza o modo como são abordados
da União Europeia nº 265 de 2000 (Promoção do desenvolvimento os agregados tem, quanto a nós, repercussões ao nível daquela
sustentável na indústria extractiva não energética da EU): que entendemos como a problemática que mais pode condicionar
• o segmento dos minerais para a construção a evolução futura do sector de extracção de agregados: a
• o segmento dos minerais industriais e disponibilidade de recursos. Não em termos da quantificação
• o segmento mineiro de metais. volumétrica dos recursos existentes, pois a esse nível é bem
Até que ponto este tipo de abordagem e de individualização conhecida a abundância global deste tipo de matéria-prima, mas
dos agregados como materiais de construção é o mais correcto sim em termos da acessibilidade territorial a esses recursos.
para fazer valer as especificidades do sector é uma questão que Esta problemática prende-se directamente com as questões
se levanta. A realidade parece mostrar que mesmo a nível das ambientais e com o ordenamento do território.
associações empresariais não há um entendimento quanto a As especificidades deste sector relativamente à grande
este assunto e portanto, a defesa dos interesses do sector acaba dimensão das áreas que afectam na necessária proximidade
por se dispersar. Isto tanto pode ser entendido como uma mais com os centros populacionais não constituem o cerne das
valia, em que a defesa dos interesses do sector se faz em várias preocupações das políticas que o abordam, seja no âmbito da
frentes, como pode constituir um factor penalizante, devido a essa sustentabilidade da indústria mineral, seja no âmbito da sua
mesma diuspersão. Também a título de exemplo, a EUROMINES utilização como materiais de construção. A temática do momento
(Associação Europeia de Indústrias Mineiras; http://www. prende-se com a dissociação entre consumo e crescimento
euromines.org/) dá particular atenção à defesa dos interesses de económico, com a preservação dos recursos e com análises
recursos minerais como as areias siliciosas ou calcários utilizados de ciclo de vida dos materiais visando maiores rendimentos por
como materiais de construção para a indústria vidreira ou do menor consumo de recursos minerais e energéticos. Se hoje em
papel, respectivamente, não particularizando relativamente à dia estas abordagens já começam a entrar um pouco em linha
sua utilização para o fabrico de cimento, betão e agregados não de conta com o facto de os recursos minerais só poderem ser
ligados para infra-estruturas rodoviárias. Já o CEPMC (Conselho explorados onde efectivamente existem e com a importância

Floresta

Àreas com
edificações
Redução das
Estradas,etc reservas de
agregados por
Proteção da
outros usos
natureza
Recursos de
agragados Reservas Proteção de
em 1850 de aquíferos
agragados
Redução dos
recursos e reservas
de agregados por
Extração de
exploração
Agregados

Tempo

1850 1950 2000


Figura 7 – A variação dos recursos em agregados face à ocupação do território (Adaptado de Wellmer F.W. & Becker-Platen J.D. 2001)

50 Anuário anepac 2011


do sector dos agregados para o desenvolvimento económico e
social, raramente se abordam as suas especificidades.
Embora, como se referiu anteriormente, a solução não passe por
afastar dos centros de consumo a actividade extractiva, a realidade
actual assenta numa competição pelo uso do território. O espaço
territorial acaba por ser em si mesmo um recurso. Nesta competi-
ção, norma geral, vencem os espaços destinados à protecção da
natureza, os destinados ao alargamento dos centros urbanos e in-
dustriais de transformação e os destinados à agricultura. Resulta que
os recursos em agregados usualmente considerados como vastos,
começam a ser, na realidade e face a esta competição pelo uso do
território, escassos. A resolução desta situação, bem ilustrada pela
figura 7, passa obrigatoriamente por uma consciencialização pública
da importância dos agregados para o desenvolvimento das socieda- exploração do recurso, procurando-se que se faça de modo racio-
des, pelas boas práticas ambientais por parte da indústria e pela sua nal, promovendo-se o uso das melhores tecnologias disponíveis.
integração nos planos de ordenamento do território. Nas áreas consideradas de Reserva restringe-se o uso do território,
Em Portugal a temática da inclusão da Indústria Extractiva e em par- não sendo permitidas outras actividades para além da exploração
ticular do sector dos Agregados no Ordenamento do Território tem esta- do recurso em causa.
do sempre muito condicionada pela tipologia dos recursos. Com efeito, No entanto, se estes dois instrumentos se têm revelado
os agregados são considerados recursos do domínio priva­do, em que eficazes para a preservação das condições de acesso aos
não há lugar ao instrume­nto Concessão Mineira. Há sim lugar a uma recursos nos locais onde estão implementados, a realidade
Licen­ça de Exploração passada ao explorador mediante a aprovação mostra dificuldades para a sua implementação, em particular
junto dos organismos competentes de um Plano de Pedre­ira (que inclui para a defesa de recursos como os agregados e que derivam da
o Plano de Lavra e o Plano de Recuperação Ambiental) e de um Estudo inércia que tipifica as administrações centrais.
de Impacto Ambiental. Ora em Portugal existem duas figuras principais de Ordenamento
Para a defesa das condições de acesso ao território por par- do Território e é aí que se têm vindo a desenvolver os principais
te da Indústria Extractiva, em Portugal existem dois mecanismos esforços para a inclusão de áreas para a indústria extractiva. Essas
tradicionais: as Áreas Cativas e as Áreas de Reserva. São imple- figuras correspondem aos Planos Directores Municipais (PDM) e
mentadas por parte do poder central e têm como fim a defesa de aos Planos Regionais de Ordenamento do Território (PROT) e neles
recursos minerais que sejam considerados relevantes para a eco- é voluntária a consideração ou não de áreas destinadas à indústria
nomia nacional. As Áreas Cativas estabelecem regras ao modo de extractiva, dependendo do entendimento político feito a nível local ou

Anuário anepac 2011 51


Artigo

georreferenciada tem vindo a revelar-se eficaz pela


aceitação que tem tido junto das entidades com
responsabilidades no Ordenamento do Território. A
título ilustrativo mostra-se na figura 8 um extracto
da Carta de Ordenamento Sectorial da região do
Algarve, em Portugal, onde estão em evidência alguns
recursos geológicos sob exploração, nomeadamente,
argilas vermelhas, calcários para agregados (inclusive
cimento) e para calçada e salgema. Apresentam-se,
tal como foram consideradas, as respectivas áreas
consolidadas, complementares e potenciais.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Sendo a temática dos agregados minerais tão extensa,
qualquer breve panorâmica como a que tivemos a ousadia
de apresentar, pecará sempre por grande defeito. Maior
será o pecado quando restringimos a nossa abordagem
unicamente aos agregados naturais utilizados vulgarmente
nas indústrias da construção civil e obras públicas.
Contudo, pensamos ter dado um passo que poderá
despoletar trabalhos mais profundos, não só no respeitante
à recolha e tratamento da informação disponível, como
também relativamente à sua análise e interpretação.
A importância económica e social desta matéria-
prima não pode unicamente ser abordada à luz de
conceitos genéricos à globalidade dos recursos
minerais. As suas especificidades, em particular as
Figura 8 – Extracto da Carta de Ordenamento Sectorial do Algarve. relacionadas com a distância dos centros produtores
aos centros de consumo versus logística de transporte,
regional acerca da importância da indústria extractiva versus impacto ambiental. Os obrigam a uma abordagem particular na qual assume
organismos responsáveis pela gestão dos recursos geológicos nacionais têm vindo a especial relevo a integração do sector extractivo nos
promover a inclusão de espaços destinados à indústria extractiva neste instrumentos planos de ordenamento do território a fim de garantir as
de ordenamento do território de acordo com a seguinte tipologia: condições de acessibilidade aos recursos.
• Área Licenciada: Área para a qual já existem direitos de exploração de Esta ausência de recursos disponíveis, por falta
Recursos Geológicos do domínio privado. de condições de acesso ao território tem sido uma
• Área de Exploração Consolidada: Área onde ocorre uma actividade produtiva das causas que tem levado muitos países à procura
significativa, e cujo desenvolvimento deverá ser objecto de uma abordagem de novas fontes para o fornecimento de agregados,
global, tendo em vista o aproveitamento do recurso geológico dentro dos nomeadamente no “offshore”, ou seja, nos fundos
valores de qualidade ambiental. Pode incluir áreas licenciadas e outras áreas marinhos das plataformas continentais, nas respectivas
de progressão imediata da actividade. É passível de classificação em “Área Zonas Económicas Exclusivas. Estão neste caso nações
de Reserva”. como o Reino Unido, os Estados Unidos da América e o
• Área de Exploração Complementar: Área de exploração que poderá, ou não, ser Japão, nas quais uma parte considerável dos agregados
adjacente à Área de Exploração Consolidada consigo relacionada. O ritmo e as destinados à construção tem essa proveniência. A este
áreas de exploração serão condicionados pelo nível de esgotamento das reservas tipo de actividade está associada a vantagem dum tipo
disponíveis e/ou pela evolução da recuperação paisagística da(s) respectiva(s) Área(s) de transporte (marítimo) compatível economicamente.
de Exploração Consolidada(s). É passível de classificação em “Área de Reserva”. Resta saber até que ponto este “esconder” da actividade
• Área Potencial: Área de reconhecido potencial geológico, em que o aprofundar do extractiva não se traduzirá em efectivos fortes impactos
seu conhecimento a torna passível de dar origem a eventuais “Áreas de Exploração”. ambientais, nomeadamente ao nível da biodiversidade e
• Área em Recuperação: Área já explorada onde se deve proceder à riscos associados a erosão costeira.
recuperação paisagística para posterior desafectação do Espaço da Portugal não foge a esta regra. Com base em estudos
Indústria Extractiva. preliminares de reconhecimento das potencialidades em
Esta metodologia associada ao uso de ferramentas de gestão de informação agregados da plataforma continental foram feitos pedidos

52 Anuário anepac 2011


anuncio_agregados.ai 1 5/2/2010 15:51:57

para a sua prospecção e pesquisa no “offshore”, mas cuja apreciação tem sido retardada por falta
de enquadramento legal
Reveste-se de extrema importância a recolha metódica e disponibilização pública, da forma mais
atempada possível, da informação relativa a esta tão importante actividade económica. Sem dados que
qualifiquem e quantifiquem os recursos disponíveis, bem como dados estatísticos relativos a produção

Daqui também
e consumo, poderemos estar a hipotecar, por desconhecimento, o futuro ao nível das opções de
suprimento regional de agregados nas condições que se apresentem mais vantajosas económica e
ambientalmente, o que poderá conduzir a maiores impactos ambientais, maiores custos económicos
e piores benefícios sociais. se extrai
um futuro
sustentável

CM

REFERÊNCIAS
MY

Brodkom, F. (2000). As Boas Práticas Ambientais na Indústria Extractiva: Um Guia de Referência. Divisão de Minas e
Pedreiras do Instituto Geológico e Mineiro. Versão Online no site do Instituto Geológico e Mineiro: http://www.igm.pt/ CY

edicoes_online/diversos/praticas_ambientais/indice.htm CMY

Berlin II: Guidelines for Mining and Sustainable Development; United Nations 2002 K

COM(2000) 265 - Promoção do desenvolvimento sustentável na indústria extractiva não energética da EU.
COMMISSION OF THE EUROPEAN COMMUNITIES.

COM(2003) 572 - Para uma Estratégia Temática sobre a Utilização Sustentável dos Recursos Naturais. COMMISSION
OF THE EUROPEAN COMMUNITIES

COM (2005) 670 - Thematic Strategy on the sustainable use of natural resources.

HENRIQUES, P. & FALÉ, P (2002) - “Carta de Ordenamento Sectorial da Região do Algarve”, na escala
1:200.000, IGM. Dezembro de 2002 (não publicada).

Moreira, J. C. Balacó (1997). Matérias-primas minerais não-metálicas – Situação actual e perspectivas. Boletim de
Minas, Lisboa, vol. 34, nº 4, pp. 379-432.

NSSGA - National Sand, Stone and Gravel Association: http://nssga.org

Regueiro, M. Ed. (2000). Aggregates in Europe. Foregs Non Metallic Minerals & Industrial Rocks Working Group.
Unpublished report. CDRom.

SUSTAINABLE DEVELOPMENT INDICATORS FOR THE EU NON-ENERGY EXTRACTIVE INDUSTRY IN 2001. A report
from the Raw Materials Supply Group, Directorate-General for Enterprise, European Commission February 2004 (http://
europa.eu.int/comm/enterprise/steel/non-energy-extractive-industry/sd-indicators.htm

UEPG - European Aggregates Association: http://www.uepg.org

Informação Estatística da Indústria Extractiva da Direcção Geral de Geologia e Energia, Ministério da Economia e
Inovação, Portugal (http://www.dgge.pt/)

Wellmer F. W.., Becker-Platen J. D. - 2001 - World Natural Resources Policy (With focus on Mineral Resources)- in:
Our Fragile World., Challenges and Opportunities for Sustainable Development - Volume 1 - p.183-207 - EOLSS
Publishers., Oxford - UK

www.smarja.com.br
Anuário anepac 2011 53
Artigo

ORDENAMENTO TERRITORIAL
DA MINERAÇÃO Por Ayrton Sintoni

1 - Fundamentos Constitucionais
• Art.21: Compete à União..., inciso IX: "elaborar e executar planos
nacionais e regionais de ordenação do território e de desenvolvimento
econômico e social".
• Art.30: Compete aos Municípios..., inciso VIII: "promover, no que
couber, adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e
controle do uso, do parcelamento e da ocupação do solo urbano".
• Art.225: parágrafo 1º: ...incumbe ao Poder Público: inciso III: "definir,
em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus
componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração
e a supressão permitidas somente através de lei, vedada qualquer
utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem
a sua proteção".
• Art. 231: "são reconhecidos aos índios... , os direitos originários
sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à
União demarcá-las,...".

2 - Competências
• Compete à União elaborar e executar planos nacionais e regionais de
ordenação do território e de desenvolvimento econômico e social.
• Compete ao Poder Público (União, Estados, Distrito Federal as estratégias concorrenciais do mercado e as demandas sociais
e Municípios) elaborar e institucionalizar os instrumentos de oriundas da sociedade civil.
ordenamento territorial. • O ordenamento territorial resulta do arranjo institucional dessas
articulações e envolve ações de gestão do território, desenvolvimento
3 - Conceituação regional e planejamento territorial.
• O conceito de Ordenamento Territorial contém implicitamente a idéia • A gestão do território deve corresponder à pratica das relações de
de organizar a ocupação, uso e transformação do território a fim de poder (nos três níveis do poder público) necessárias para dirigir,
satisfazer as demandas econômicas, sociais e ambientais. no tempo e no espaço, a coerência das múltiplas finalidades do
• Pressupõe um modelo de governabilidade que possibilita a território, decisões e ações, pactuando, em diferentes escalas, as
conjugação de ações de governo com o mercado e com a propostas de desenvolvimento.
sociedade civil para que exista a capacidade de implementação • A busca do desenvolvimento regional deve definir um conjunto de
e administração dos processos decisórios incorporados nas ações para promover processos socioeconômicos em áreas definidas
políticas territoriais. do território, que induzam ao bem estar social e à redução das
• A configuração territorial (espaço físico) define e condiciona uma desigualdades, com uma visão integradora e sustentável.
série de possibilidades de investimentos e dirige os processos • O planejamento territorial deve envolver um conjunto de diretrizes,
de concentração e desconcentração da economia, sendo a sua políticas e ações programadas, com objetivo de alcançar um
materialização resultado de articulações entre a ação do Estado, ordenamento e uma dinâmica de ocupação desejáveis.

54 Anuário anepac 2011


4 - Ordenamento Territorial Geomineiro (OTGM)
• O adequado planejamento territorial deve amparar-se no
conhecimento do meio físico para permitir o aproveitamento
das potencialidades de recursos naturais (minerais, hídricos e
florestais) e respeito às suas fragilidades.
• Essa preocupação define o Ordenamento Territorial Geomineiro
(OTGM) como base fundamental para o ordenamento territorial, como
tem sido recomendado por diversas entidades, inclusive na definição
da Política Nacional de Ordenamento Territorial - PNOT.
• O Ordenamento Territorial Geomineiro consiste em análise criteriosa,
segundo as metas que se deseja atingir na consolidação dos
programas de desenvolvimento socioeconômico, de uma série de
informações geológicas, lançadas em bases georreferenciadas ou
"planos de informação".

5 - Planos de informação plano de informações pode ser detalhado em mapas temáticos por
• Entre os planos de informação (textos e mapas temáticos) a serem tipo ou grupo de substâncias minerais;
integrados, que devem ser conduzidos com maior ou menor grau • potencial hídrico: levantamento da malha hidrográfica da região,
de detalhamento, ou adquirir importância diferenciada na região a caracterizando a UGRHI na qual está inserida e suas regras de
ser investigada, são recomendados: aproveitamento, lembrando sempre que os recursos hídricos
• caracterização do meio físico: contendo informações disponíveis superficiais pertencem ao Estado ou à União, pois constitucionalmente
sobre geologia, geomorfologia, pedologia, hidrogeologia e não existem "águas municipais" e também "águas particulares",
geotecnia, podendo, em alguns casos específicos, apresentar sendo o seu aproveitamento sempre condicionado a atos de outorga
detalhamento quando à suscetibilidade do meio físico (cartas e em alguns casos à cobrança pelo uso. Também é importante
geotécnicas) e do meio biótico (mapeamento de biótopos) detalhar neste plano de informações a disponibilidade de águas
e também com relação ao levantamento de paisagens e subterrâneas, recursos hídricos de domínio do Estado.
monumentos naturais notáveis; • À caracterização do meio físico faz-se necessário agregar
• potencial geológico para recursos minerais: estabelecido em função outros planos de informação que, em decorrência de
do conhecimento geológico do território estudado, avaliando sua atividades antrópicas pré-estabelecidas, condicionam o
vocação para abrigar, efetiva ou potencialmente, depósitos de território analisado, sendo recomendados:
recursos minerais de interesse econômico, lembrando sempre que • zoneamento institucional: estabelecido pela plotagem em mapas
os recursos minerais são bens da União. Circunstancialmente este de parcelas do território em estudo oneradas na forma de leis,

Anuário anepac 2011 55


Artigo

incluindo áreas de proteção ambiental e de amortecimento formação de depósitos minerais, e nessa situação, não podendo
(parques, APAs, APP, APM e demais unidades de conservação), ser remanejadas, disputam espaço para sua instalação com outras
áreas especialmente reservadas (terras indígenas, terras de formas de uso e ocupação do solo.
quilombolas, terrenos da Marinha, faixas de fronteira e outras), • Tentativas de ordenamento espacial da mineração: iniciaram-se
zoneamentos de uso e ocupação do solo, perímetros urbanos e em São Paulo no final da década de 1970, com a elaboração
leis de parcelamento do solo; do “Plano Diretor de Mineração da Região Metropolitana de São
• uso e ocupação do solo: reunião das informações sobre a situação Paulo”, por iniciativa do Departamento Nacional da Produção
de uso e ocupação do solo abrangendo áreas de cobertura vege­tal Mineral e da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais.
nativa, atividades agrícolas, pastagens, áreas urbanas e industriais; Também nessa época iniciaram-se ações de planejamento dos
• perfil socioeconômico da região: análise das bases da “Distritos Mineiros”. Na década seguinte, nos mesmos moldes do
economia regional e do papel dos recursos naturais no PDM/RMSP, foram desenvolvidos planos diretores de mineração
contexto geoeconômico (local, regional e nacional), previsão para outras regiões metropolitanas e capitais de estados.
de demandas, fluxos de mercado e logística de transporte, • Desarticulação com os instrumentos de gestão territorial:
abastecimento de energia e de água, caracterização da infra- amparados na definição de depósitos minerais e reservas
estrutura, mecanismos de cooperação, e outros. lavráveis, nenhuma das tentativas de ordenamento territorial
• Cada um dos itens anteriormente relacionados pode, por si, indicar continha a preocupação de inserção da atividade de mineração
condicionamentos favoráveis, restritivos ou impeditivos para o em instrumentos de gestão territorial, estes de âmbito municipal,
planejamento do desenvolvimento socioeconômico do município. como por exemplo, as leis de parcelamento do solo ou eventuais
• Montada a base do "Ordenamento Territorial Geomineiro", planos de expansão urbana.
para cada vetor de desenvolvimento considerado devem • Planos Diretores Municipais: a Constituição Federal trouxe para os
ser agregados novos planos de informação, como é o caso, municípios, em 1988, a obrigatoriedade de elaboração de Planos
comentado na sequência, das atividades de mineração. Diretores Municipais, enfocando apenas aspectos de planejamento do
desenvolvimento urbano.
6 - Aplicação do OTGM para o Zoneamento Minerário • Ampliação da Obrigatoriedade: Inicialmente obrigatório, e
• Importância da mineração: Nunca é demais repetir a importância limitado ao solo urbano, apenas para os municípios com mais
da mineração no desenvolvimento socioeconômico e melhoria da de 20.000 habitantes, hoje, o Estatuto da Cidade (Lei nº 10.257,
qualidade de vida das populações, pelo fornecimento de matérias- de 10/01/2001), relaciona uma série de situações em que,
primas e insumos, servindo de base para a construção civil, às independente do número de habitantes, os municípios têm
indústrias de transformação, à agroindústria e como supridora de obrigatoriedade de elaborar planos diretores, incluindo também
insumos energéticos. o solo rural. Desde 1989, para o Estado de São Paulo, todos os
• Rigidez locacional: as atividades de mineração somente são possíveis municípios são atingidos por essa obrigação.
nos locais em que condicionamentos geológicos propiciaram a • Inclusão da mineração nos PDMs: a preocupação de inserir a

56 Anuário anepac 2011


mineração como item de análise na elaboração de planos diretores
surge em trabalhos do IPT, atendendo programas da SICCT (hoje
SD), demonstrando a necessidade de preservar a mineração,
principalmente de bens minerais de uso na construção civil, pela sua
função na construção e manutenção das cidades. Vários estados
incorporaram em suas constituições o planejamento das atividades
de mineração com a preocupação de garantia de suprimentos de
origem mineral, e o Estado de Goiás foi além, tornando obrigatória,
na elaboração dos planos diretores municipais, a identificação de
jazidas de minerais de uso imediato na construção civil.
• Zoneamento Minerário: para o zoneamento minerário, seguindo a
metodologia OTGM deve ser integrado um novo plano de informações,
específico para o setor, ou seja:
• Caracterização do setor produtivo mineral: que abrange o conhecimento
dos aspectos da situação legal (mapeamento de áreas oneradas por
títulos ou requerimentos perante o DNPM, cadastros de licenciamento conduzida pela ponderação dos fatores positivos (potencial mineral,
ambiental); aspectos técnicos (métodos de lavra e de beneficiamento, produções e projeções de demanda) com os fatores competidores ou
produção e capacidade instalada, projetos de expansão, áreas conflitantes (restrições ambientais, outras formas de uso e ocupação,
operacionais, impactos ambientais e medidas de controle, segurança e áreas especialmente reservadas).
salubridade, reabilitação de áreas mineradas) e aspectos econômicos • Definição de zonas aptas à atividade de mineração: A
(geração de emprego e renda, tributação, procedimentos gerenciais, integração dos indicadores possibilita a delimitação de pelo
mercado, aglomeração (APL), verticalização, oportunidades). menos três zonas pertinentes à atividade de mineração,
• Planejamento e gestão municipal: Para efeito de planejamento e podendo haver outras classificações de acordo com as
gestão municipal, no que diz respeito às atividades de mineração, necessidades da região em estudo:
interessa ao poder público conhecer em seqüência: • Zonas Preferenciais para Mineração (ZPM): áreas mais indicadas
• o potencial mineral - vocação natural do meio físico para a existência ao desenvolvimento da mineração e praticamente sem restrições
de substâncias minerais de interesse econômico; relevantes, além daquelas já definidas em leis;
• a situação da atividade produtiva – existência efetiva de • Zonas Controladas para Mineração (ZCM): áreas com alguma
empreendimentos ou com expectativa de operação, escalas de restrição relevante ou com suscetibilidade acentuada do meio físico
produção, capacidade instalada, áreas ocupadas, vida útil das e biótico, que impõem limitação à produção mineral, carecendo de
reservas, condições do licenciamento ambiental e da regularidade maior controle; e
dos títulos, planos de reabilitação das áreas mineradas, geração • Zonas Bloqueadas para Mineração (ZBM): áreas onde não é permitida
de emprego e renda; a mineração em decorrência de impedimentos legais, ambientais ou
• a disponibilidade de recursos minerais – cuja avaliação deve ser de ocupação local.

Anuário anepac 2011 57


Artigo

7 - Exemplo de aplicação
• A metodologia OTGM tem sido aplicada em todos os trabalhos
desenvolvidos pelo IPT no atendimento das demandas do
Programa Patem, desde 1999, com enfoques diferenciados,
porém sempre buscando a inserção das atividades de
mineração nos instrumentos de planejamento e gestão territorial
dos municípios.
• O sucesso desses trabalhos depende de vários fatores,
citando-se como importantes: a vontade política dos
poderes públicos, o entendimento das questões envolvidas
pela sociedade e pelos órgãos de licenciamento, outorga e
fiscalização, mas, principalmente, a intenção empresarial de
garantir a continuidade de seus empreendimentos, mesmo
que a custa de atendimento de negociações que envolvam
questionamentos sobre “direitos adquiridos”.
• Selecionado para exposição como exemplo de aplicação o
• Diretrizes para a mineração: nas áreas enquadradas com “Zoneamento Minerário da Região Norte do Município de Mogi das
“zonas controladas para mineração” devem ser estabelecidas Cruzes – Vale do Parateí", no Estado de São Paulo, forneceu ao
diretrizes técnicas que permitam a convivência das atividades poder público municipal ferramentas para avançar as discussões
de mineração com as restrições ali estabelecidas. Tais diretrizes, sobre o “Plano de Aproveitamento de Potencial de Urbanização
que mais se assemelham a recomendações, podem referir- das Áreas do Vale do Parateí”.
se aos métodos de lavra e de beneficiamento empregados, • Embora não contemplado integralmente no Plano Diretor,
às escalas de produção e vida útil dos empreendimentos, o estudo permitiu o estabelecimento de ZED - M – Zonas
ao controle dos impactos ambientais e de vizinhança, à Especiais de Desenvolvimento para a mineração, garantindo-
recuperação da área degradada ou às compensações se a coexistência dos empreendimentos de mineração com as
ambientais e socioeconômicas. demais formas de uso e ocupação do solo no planejamento
• Dinâmica de análise: Evidentemente os estudos que conduzem do município.
ao zoneamento minerário não são estáticos podendo ocorrer, • As figuras a seguir, extraídas do Parecer Técnico 9872-301 do
em conseqüência de eventos posteriores, migração de áreas IPT, demonstram a evolução dos trabalhos desenvolvidos no
específicas de uma para outra categoria. Vale do Parateí, em Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo.

58
58 Anuário
Anuário anepac 2011
I Potencial geológico para recursos minerais: a Figura 1 mostra a previsão do potencial de ocorrência de recursos minerais em
função da geologia da área

Figura 1 – Potencial geológico para ocorrência de recursos minerais

UNIDADES GEOLÓGICAS COMPOSIÇÃO LÍTICA POTENCIAL MINERAL

- colúvios argiloarenosos, com lentes mais argilosas ou


conglomeráticas- aluviões, constituídos por conglomerados basais
Depósitos aluvionares (Qa) Argila, areia e cascalho
sobrepostos por areias grossas a conglométricas, que gradam
para areias finas a médias, com porções de argilas arenosas

- arenitos grossos, conglomeráticos, siltiticos e argilitos e de


Formação São Paulo (Osp) Areia e cascalho, água mineral
arenitos de granulação média a grossa.
(Orf) Orf - lamitos arenosos e argilosos; Argila e areia
Formação Resende
(Orf) Orf - lamitos seixosos água mineral
(p v go
- granitos, grandioritos, monzogranitos, granitóides indiferenciados, Rochas para brita, cantaria e
Corpos e complexos em parte gnássicos, geralmenre porfiróides, predominantemente revestimento
graníticos pv gn) orientadas e/ou foliadas, de granulação variada, incluindo porções Água mineral
gnássicas. migmáticas e blastomilioníticas subordinadas. Caulim

Supracrustais metamorficadas - quartzitos e micaxistos, com ocorrências subordinadas de Quartzito


(pvqx) metassiltitos Água Mineral

_ Contato geológico --- Falhas

Anuário anepac 2011 59


Artigo

II Zoneamento Institucional: a Figura 2 mostra a delimitação das áreas oneradas em função de leis federais, estaduais ou
municipais, representando alguma restrição de uso e ocupação.

Figura 2 – Zoneamento Institucional

III Uso e ocupação do solo: a Figura 3 mostra as diversas caracterizações de uso e ocupação do solo incidentes na região e que
também podem significar restrições às atividades de mineração.

Figura 3 – Uso e ocupação do solo

60 Anuário anepac 2011


IV Suscetibilidade do meio físico: a Figura 4 mostra a carta geotécnica da região, que induz certos controles no manejo do solo.

Unidade
FORMAS DE RELEVO PRINCIPAIS PROBLEMAS AMBIENTAIS
Geot.
Planícies e terraços Áreas sujeitas a inundação. Áreas sujeitas a alagamentos. Nível dágua subterrâneo raso. Solos
1
aluvionares com baixa capacidade de suporte.
Grande quantidade de partículas finas implicando a geração de maior quantidade de rejeito
Colinas
2 na extração de areia. No que tange a erosão, comparativamente a Unidade 2b, o solo de
alteração, devido a presença de partículas finas, é menos suscetivel a erros.
2b Colinas Presença de argila expansível. Maior suscetibilidade a erosão comparativamente a Unidade 2a.
Comparativamente a Unidade 2b, o solo de alteração, devido a presença de partículas finas, é
2c Colinas
menos suscetível a erosão.
Acamamento da rocha potencializando planos preferenciais de escorregamento,
principalmente, nos setores com declividades mais altas.Muito alta a suscetibilidade
3 Morros e morrotes
a erosão, particularmente, nas áreas onde predomina o metarenito enos setores com
declividades mais altas.
Morros e pequenos Presença de blocos de rocha pequenos, imersos, no solo de alteração acarretando problemas
4a trechos de serras para fundação de edificações. alta suscetibilidade a erosão, particularmente nos setores com
alongadas atividades mais altas.
Serras alongadas Presença marcante de blocos de rochas grandes, imersos no solo de alteração acarretando
(Serra do Mar) e problemas para fundação de edificações e, principalmente, nos setores com declividades
4b
serras restritas (Serra mais altas, podendo ocorrer queda ou rolamento de blocos.Alta suscetibilidade a erosão,
do Itapeti) particularmente, nos setores com declividades mais altas.

Anuário anepac 2011 61


Artigo

V Zoneamento minerário: a Figura 5 mostra o resultado da integração e análise dasinformações técnicas obtidas nas diversas
fases anteriores, configurando o ordenamento territorial geomineiro, pela delimitação das zonas preferenciais, controladas ou
bloqueadas para mineração.

Figura 5 – Zoneamento Minerário

8 - Conclusões
• O ordenamento territorial geomineiro é ferramenta fundamental • O poder público municipal deve incorporar a mineração como
para permitir a existência da mineração em convivência forma de uso e ocupação do solo e contemplá-la nos planos de
harmônica com as outras formas de uso e ocupação do solo gestão territorial.
e respeito ao meio ambiente e deveria ser parte integrante dos • O poder público estadual (licenciador) deve (e pode) considerar
Planos Diretores Municipais. o ordenamento territorial geomineiro como “estudo ambiental” na
• Convém considerar ainda que os limites de jazimentos não definição das condições de licenciamento.
obedecem os limites políticos dos municípios recomendando-se • O poder púbico federal (concedente), valendo-se do seu poder
que os zoneamentos minerários sejam regionalmente integrados. discricionário, pode (e deve) incorporar condições de operação e
• A metodologia empregada pelo IPT, aparentemente simples, limitação de áreas em seus atos de outorga.
e em tese do conhecimento comum, traz um roteiro dos • A sociedade precisa entender que a mineração é desenvolvida
elementos que devem ser estudados com acurácia, para que para suprir suas necessidades e em seu benefício.
seu resultado mais se aproxime da realidade e dos anseios de
toda a comunidade.
• Sua eficiência, no entanto, depende de uma série de mudanças
de comportamento, aproximando-se os agentes públicos e
privados e toda a sociedade em uma espécie de TAC – Termo de
Compromisso de Ajuste de Conduta.
• Os mineradores precisam incorporar a ideia de que sua atividade
trata da apropriação de recursos naturais e, ainda mais, de
Artigo apresentado no XV Encontro de Mineradores e Consumi-
bens da União, que devem ser lavrados atendendo ao interesse dores da Associação Brasileira de Cerâmica, realizado em São
nacional e a responsabilidade social. Paulo/SP, entre os dias 11 e 12 de março de 2009.

62 Anuário anepac 2011


Aplicação de britagem
truckless com glory hole
por Toshihiko Ohashi *

A aplicação de britagem móvel in-pit


vem sendo cada vez mais difundida por
permitir redução significativa nos cus-
tos operacionais de uma operação mi-
neira. Dentro do conceito de britagem
in-pit, a modalidade denominada truck-
less, ou seja, o transporte do ROM feita
sem o uso de caminhões vem ganhan-
do maior destaque.

Aliado a este novo conceito de britagem in-pit, o uso de glory-


hole(1) abre novas possibilidades para a exploração jazidas de
difícil acesso, com reduzido custo operacional, baixo impacto
ambiental e alto nível de segurança. O uso do glory-hole reduz
significativamente o custo de transporte visto que a movimentação
vertical, que é o componente mais dispendioso no transporte do
ROM quando envolve grandes desníveis, sai a custo zero.
Apesar do alto custo de implantação, uma vez que além do
glory-hole, é necessário também construir um túnel horizontal,
várias minerações ao redor do mundo, incluindo plantas
para produção de agregados de médio porte, como é o case
apresentado neste artigo.

Case Bernegger tendo muitos problemas ambientais pela grande exposição.


O exemplo mostrado neste artigo é o de Bernegger, uma Estando próxima à exaustão, a empresa tinha a necessidade de
empresa austríaca que atua em vários ramos, sendo a exploração buscar uma nova jazida. (Veja foto 2)
mineral para produção de agregados um dos seus principais A reserva mais próxima ficava no topo da mesma montanha.
negócios. A pedreira fica na região centro-norte da Áustria , Além do grande desnível, a jazida situa-se no lado oposto à
próxima à cidade de Linz. A topografia é bastante montanhosa instalação de britagem a aproximadamente 3km.
devido à proximidade com os Alpes. A operação da pedreira, A complicada situação topográfica aliada à neve abundante
objeto deste artigo, é de médio porte, com capacidade de no inverno e pesadas neblinas, inviabilizava a exploração
550.000t/ano. convencional. O projeto foi viabilizado com o uso de glory-hole e
A jazida original de calcário explorada até 2005, situada para reduzir ainda mais o custo operacional e impacto ambiental,
próxima à instalação de britagem,era tipicamente de encosta, foi adotado o conceito de britagem in-pit truckless. (Veja foto 3)

Anuário anepac 2011 63


Artigo

3
Britagem In-Pit
A britagem primária é feita com o Lokotrack LT1620 e
dois Lokolinks LL12 (1,2m x.32m). O LT1620 é composto de
alimentador vibratório e britador de impacto NP1620 com potência
de 500kW. A capacidade é de 700 – 1300t/h variando em função
da granulometria do ROM, gerando produto abaixo de 90mm.
Para reduzir o custo operacional e emissão de poluentes,
o Lokotrack é acionado por meio de energia elétrica para a
operação de britagem. Na sua movimentação dentro da cava,
para além do alcance dos Lokolinks (raio de 100m), é usado o
sistema acionado por meio de motor diesel.
A britagem primária é alimentada por meio de pá-carregadeira
A concepção adotada, de baixo impacto ambiental, permitiu à Berrneger
(quando a mina estiver mais desenvolvida, será adotado obter licença ambiental e concessão de lavra até 2090
escavadeira na configuração mais usual de operação truckless)

4
e o seu operador é a única pessoa de operação atuando no
sistema, até a rocha britada chegar aos silos pulmão, localizado
no pé da montanha. (Veja foto 4)

Sistema de Transporte
O calcário britado é transferido do Lokolink para um
transportador de correia de 100m de comprimento que descarrega
diretamente no glory-hole. (Veja foto 5)
O glory-hole tem 1,6m de diâmetro (2) e altura de 150m, sendo
revestido de chapa de aço de 12mm de espessura. Neste projeto,
o glory-hole serve somente como canal de passagem, não tendo
função de estoque pulmão.
No fundo do glory-hole está instalado um alimentador de
sapatas que faz a dosagem da alimentação ao sistema de
transportador de correia que leva o material até os silos pulmão
da instalação de britagem e peneiramento. (Veja foto 6)
O sistema de transportadores de correia tem 3.000m de
5
comprimento total, sendo dividido em três segmentos. Os
transportadores estão instalados dentro de túnel com declividade
negativa de 15°, o que os tornam regenerativos, ou seja, quando
em regime, geram energia. A capacidade média de transporte é
de 500t/h e gera 500kW de energia, suficiente para abastecer todo
o sistema de britagem in-pit. O aproveitamento desta energia gera
uma economia diária equivalente a 1.000 litros de diesel.
O túnel tem seção de 8,5m de largura e 6,5m de altura, com
comprimento total de 3.500m. A grande seção do túnel se justifica,
pois serviu para a passagem do Lokotrack e atualmente todos os
veículos de manutenção utilizam o túnel para acessar a cava.
6
(1) Glory-hole. É um poço vertical construído usando o método de “raise boring”.
(2) O diâmetro se mostrou limitado. É recomendável diâmetro em torno de 3m.

*Autor: Toshihiko Ohashi - gerente de aplicação de sistema


de britagem América do Sul

64 Anuário anepac 2011


Catálogo de Fornecedores
para o Setor de Agregados

Anuário anepac 2011

Patrocinio:
Anuário anepac 2011 65
Fornecedores

AÇOS TMSA: www.tmsa.ind.br ARTEFATOS DE BORRACHA


Alvenius: www.alvenius.ind.br Verdés: www.verdes.com.br Kallrubber: www.krbr.com.br

Britaço: www.britaco.com.br ZL: www.zlequipamentos.com.br Borracha do Brasil: www.borrachadobrasil.com.br


Guia de Fornecedores para o Setor de Agregados

Cruzaço: www.cruzaco.com.br ATBL: www.atbl.com.br

Dedini: www.dedini.com.br ALUGUEL DE EQUIPAMENTOS Multibor: www.multibor.com.br

Ecoplan: www.metalurgicaecoplan.com.br Atlas: Copco: www.atlascopco.com.br Eurorubber: www.eurorubber.com.br

Esco: www.escocorp.com Desmontec: www.desmontec.com Melting: www.melting.com.br

Fundiaço: www.fundiaco.ind.br Escad Rental: www.escad.com.br Rubberflex: www.rubberflex.com.br

Furlan: www.furlan.com.br ITT Flygt: www.ittwww.com.br Vimax: www.vimax.com.br

Jano: www.jano.ind.br Netzsch: www.netzsch.com.br Weir: www.weirminerals.com

Piacentini: www.piacen.com.br Primos: www.primosterraplanagem.com.br

SSAB: www.ssab.com Proeletro: www.perfproeletro.com.br BALANÇAS


Romptec: www.romptec.com.br ABS: www.absbalancas.com.br

ALIMENTADORES, BARRAS, Sandivik: www.sandivik.com Bauru: www.balancasbauru.com.br

CALHAS, GRELHAS Sempre Viva: www.sviva.com.br Cascavel: www.balancascascavel.com.br

Britamec: www.britamec.com.br Solaris: www.solaris.com.br Chialvo: www.chialvobalancas.com.br

Cruzaço: www.cruzaco.com.br Trator Master: www.tratormaster.com.br Coimma: www.coimma.com.br

Dedini: www.dedini.com.br U&M: www.uem.com.br Confiança: www.balancasconfianca.com.br

Ecoplan: www.metalurgicaecoplan.com.br Umarizal: www.umarizal.com Digitron: www.digitronbancas.com.br

Esco: www.escocorp.com Jundiaí: www.bjjundiai.com.br

Furlan: www.furlan.com.br ANÁLISE DE MINERAIS Lider: www.liderbalancas.com.br

Graneisa: www.graneisa.com.br Biominerais: www.biominerais.com.br Mercosul: www.balancasmercosul.com.br

Haver&Boecker: www.haverbrasil.com.br Geominas: www.geominas.com.br Omega: www.balancaomega.com.br

IMIC: www.imic.com.br Geosol: www.lakefieldgeosol.com.br Rinnert: www.rinnert.com.br

Jano: www.jano.ind.br Intefusão: www.intefusao.com.br Saturno: www.saturno.ind.br

Marca: www.marcacomercial.net Intertek: www.intertek-ab.com/brazil Toledo: www.toledobrasil.com.br

MDE: www.mde.ind.br L A Teixeira: www.lateixeira.com.br

Metso: www.metso.com Laborsolo: www.laborsolo.com.br BOMBAS: Equipamentos, peças


Omini: www.omnics.com.br Labtron: www.labtron.com.br Altona: www.altona.com.br

Piacentini: www.piacen.com.br Lamir: www.lamir.ufpr.br Caimex: www.caimex.com.br

Pricemaq: www.pricemaq.com.br LTR Demin: www.ltr.demin.ufmg.br Finke: www.finke.com.br

Proeletro: www.perfproeletro.com.br MGA: www.mgaminercao.com.br FL Smidth: www.flsmidth.com

Sandivik: www.sandivik.com Nomos: www.nomoslaboratorio.com.br Gardner Denver: www.gd-elmorietschle.com

Schenck: www.schenckprocess.com.br Puriquima: www.puriquima.com.br Goodwin Latina: www.goodwinlatina.com

66 Anuário anepac 2011


Hidropoços: www.hidropocos.com.br Metramaq: www.metramaq.com.br IMIC: www.imic.com.br

Imbil: www.imbil.com.br Metso: www.metso.com MDE: www.mde.ind.br

Larox: www.larox.com MGS: www.mgs.ind.br Ecoplan: www.metalurgicaecoplan.com.br

Metso: www.metso.com Nortec: www.nortec.tc Furlan: www.furlan.com.br

Nash: www.gdnash.com.br Omni: www.omnics.com.br Incomeq: www.incomeq.com.br

Reval: www.revalbombas.com.br Piacentini: www.piacen.com.br Jonap: www.jonap.com.br

Sidrasul: www.sidrasul.com.br Pricemaq: www.pricemaq.com.br Metso: www.metso.com.br

SPV: www.spvbombas.com.br Proeletro: www.perfproeletro.com.br Mundial: www.mundialbritagem.com.br

Tetralon: www.tetralon.com.br Sandvik: www.sandvik.com Piacentini: www.piacen.com.br

Thebe: www,thebe.com.br Simplex: www.simplex.ind.br Proeletro: www.perfproeletro.com.br

Weir: www.weirmineral.com Terex: www.terexla.com Sandvik: www.sandivik.com

BRITAGEM MÓVEL BRITAGEM: Mandíbulas, CAÇAMBAS, PEÇAS


Atlas Copco: www.atlascopco.com.br peças de desgaste E ACESSÓRIOS
Ciber: www.ciber.com.br Altona: www.altona.com.br Baresi: www.baresi.com.br

Delp: www.delp.com.br Cruzaço: www.cruzaco.com.br Basco: www.basco.com.br

IMIC: www.imic.com.br Ecoplan: www.metalurgicaecoplan.com.br Esco: www.escocorp.com

Nortec: www.nortec.tc Esco: escocorp.com Ganasini: www.ganasini.com.br

MDE: www.mde.ind.br Fundiaço: www.fundiaco.com.br Geomac: www.geomac.com.br

Metso: www.metso.com Furlan: www.furlan.com.br Indusplan: www.indusplancarrocerias.com.br

MGS: www.mgs.ind.br Incomeq: www.incomeq.com.br Jert: www.basculantealaska.com.br

Piacentini: www.piacen.com.br Jonap: www.jonap.com.br Librelatto: www.librelatto.com.br

Sandvik: www.sandvik.com Metso: www.metso.com.br Randon: www.randon.com.br

Simplex: www.simplex.ind.br Mundial: www.mundialbritagem.com.br Rossetti: www.rodossetti.com.br

Terex: www.terexla.com Piacentini Piacentini: www.piacen.com.br Tratorgel: www.tratorgel.com.br

Proeletro: www.perfproeletro.com.br

BRITAGEM: Equipamentos Sandvik: www.sandivik.com CAMINHÕES BASCULANTES


Delp: www.delp.com.br Vimax: www.vimax.com.br Ford: www.ford.com.br

FL Smidth: www.flsmidth.com Welding: www.welding-alloys.com Iveco: www.iveco.com

Furlan: www.furlan.com.br Mercedes-Benz: www.mercedes-benz.com.br

IMIC: www.imic.com.br BRITAGEM: Peças e serviços Scania: www.scania.com.br

MDE: www.mde.ind.br Alem mar: www.alemmar.com.br Volvo: www.volvo.com.br

Jok’s: www.joks.com.br Cruzaço: www.cruzaco.com.br

Mapre: www.mapreequipamentos.com.br Esco: www.escocorp.com CAMINHÕES FORA DE ESTRADA


Caterpillar: brasil.cat.com

Anuário anepac 2011 67


Fornecedores

DCLM: www.dcml.com.br Sempre Viva: www.sviva.com.br Omni: www.omnics.com.br

Mercedes-Benz: www.mercedes-benz.com.br Soder Tecno: www.sodertecno.com.br P&HMinePro: www.minepro.com.br

Metramaq: www.metramaq.com.br Trator Master: www.tratormaster.com.br Piacentini: www.piacen.com.br


Guia de Fornecedores para o Setor de Agregados

P&H MinePro: www.minepro.com Play Tex: www.correiasplaytex.com.br

Randon: www.randon.com.br COMPRESSORES Pricemaq: www.pricemaq.com.br

Romac: www.romac.com.br Air Service: www.airservice.com.br Proeletro: www.perfproeletro.com.br

Scania: www.scania.com.br Atlas-Copco: www.atlascopco.com.br Sampla: www.sampla.com.br

Volvo CE: www.volvoce.com Chicago Pneumatic: www.chicagopneumatic.com.br Sandvik: www.sandvik.com

Doosan: www.doosanportable.com TMSA: www.tmsa.ind.br

CLASSIFICADORES/LAVADORES FS Curtis: //sapt.fscurtis.com ZL: www.zlequipamentos.com.br

Finke: www.finke.com.br Ingersoll: www.ingersollrandproducts.com

FL Smidth: www.flsmidth.com Kaeser: www.kaeser.com.br DESMONTE DE ROCHA:


IMIC: www.imic.com.br Proeletro: www.perfproeletro.com.br Serviços
MDE: www.mde.ind.br Ricom: www.ricombr.com Blaster: blasterexplosivos.com.br

Metso: www.metsominerals.com.br Schulz: www.schulz.com.br Britanite: britanite.com.br

Netzsch: www.netzsch.com.br Sullair: www.sullair.com.br Bueno: www.buenodesmonte.com.br

Weir: www.weirminerals.com Wolf: www.wolf.com.br Desmontex: www.desmontex.com.br

Westech: www.wwwestech.com.br Dinacon: www.dinacon.ind.br

CORREIAS TRANSPORTADORAS Eco Blasting: www.ecoblasting.com.br

CICLONES E HIDROCICLONES Britamec: www.britamec.com.br Engex: www.engex.com.br

Centraltech: www.centraltech.com.br Cicab: www.cicab.com.br Gouvêa & Gouvêa: www.desmontederochas.com.br

FL Smidth: www.flsmidth.com Cofaco: www.cofaco.com.br Irmãos Gouvêa: www.irmaosgouvea.com.br

Hidromaquinas: www.hidromaquinas.com.br Compmetal: www.compmetal.com.br Maxam: www.maxambrasil.com

Netzsch: www.netzsch.com.br Copabo: www.copabo.com.br Nitro Prill: www.nitroprill.com.br

Roche Mining: www.rochemt.com.br ELC: www.elcequipamentos.com.br Nitrosul: www.nitrosulexplosivos.com.br

VLC: www.vlc.com.br Elemec: www.elemec.com.br Orica: www.oricaminingservices.com/BR

Weir: www.weirminerals.com.br Furlan: www.furlan.com.br Tec Ramser: www.tecramser.com.br

Isomonte: www.isomonte.com.br Tecnoblast: www.tecnoblast.com.br

COMBOIO DE LUBRIFICAÇÃO Jason: www.jason.com.br Thor: www.thorexplosivos.com.br

Andrade: www.bombasandrade.com.br Masterpen: www.masterpen.com.br

Bozza: www.bozza.com Maxbelt: www.maxbelt.com.br DRAGAS


Cobel: www.cobelsa.com.br MDE: www.mde.ind.br Aquamec: www.aquamec.ind.br

Gascom: www.gascom.com.br Mercurio: www.correiasmercurio.com.br Cemmi: www.cemmidragas.com.br

Jok’s: www.joks.com.br Metso: www.metso.com Finke: www.finke.com.br

LDA Tanques: www.ldatanques.com.br

68 Anuário anepac 2011


Hefpel: www.dragashafpel.com.br Caterpillar: www.brasil.cat.com Geomin: www.geomin.com.br

Hidromaquinas: www.hidromaquinas.com.br DCML: www.dcml.com.br Geopesquisa: www.geopesquisa.com.br

Mecvale: www.mecvale.com.br JCB: www.jcb.com Geoprospec: www.geoprospec.com.br

Mondini: www.mondini.ind.br Komatsu: www.komatsu.com.br Geosol: www.lakefieldgeosol.com.br

Olivetti: www.fundicaoolivetti.com.br LIiebherr: www.liebherr.com Geotrak: www.geotrak.com.br

Samel: www.samelmetalurgica.com.br Maxxor: www.maxxor.com.br Geovalle: www.geovalle.com.br

Sidrasul: www.sidrasul.com.br New Holland: www.newholland.com.br GGES: www.gges.com.br

Weir: www.weirminerals.com P&H MinePro: www.minepro.com GMA: www.gmaengenharia.com.br

Romac: www.romac.com.br MGA: www.mgamineracao.com.br

EQUIPAMENTOS DE Soma Tratores: www.somatratores.com.br Minaplan: www.minaplan.com.br

PROTEÇÃO (EPI) Sunward: www.sunwardbrasil.com.br Minerali: www.minerali.com.br

3M: www.3m.com.br Volvo: www.volvoce.com.br Minerconsult: www.minerconsult.com

Agena: www.agenaepi.com.br Multigeo: www.multigeo.com.br

Danny: www.danny.com.br EXPLOSIVOS E ACESSÓRIOS Nova Terra: www.novaterrageo.com.br

Fugiwara: www.fugiwara.com.br Blaster: blasterexplosivos.com.br Petrus Consult: www.petrusconsult.com.br

Intrab: www.intrab.com.br Britanite: britanite.com.br Progel: www.progel.com.br

JGB: www.jgb.com.br Desmontex: www.desmontex.com.br Prominer: www.prominer.com.br

Kallrubber: www.krbr.com.br Dinacon: www.dinacon.ind.br Senior: www.senior.com.br

Líder: www.liderfortline.com.br Engex: www.engex.com.br Terra Engenharia: www.terraminer.com.br

Maicol: www.maicol.com.br Maxam: www.maxambrasil.com Vogber: www.vogbr.com.br

Master: www.epimaster.com.br Nitro Prill: www.nitroprill.com.br

Plastcor: plastcor.com.br Nitrosul: www.nitrosulexplosivos.com.br GRAXAS, LUBRIFICANTES


Porto EPI’s: www.portoepis.com.br Orica: www.oricaminingservices.com/BR E ÓLEOS
Prenemax: www.prenemax.com.br Thor: www.thorexplosivos.com.br 3m: www.3M.com

Promat: www.promat.com.br Implastec: www.implatec.com.br

Protej: www.protej.com.br GEOLOGIA: Consultoria, Ipiranga: www.ipiranga.com.br

Roan: www.roan.com.br pesquisa mineral, IPS: www.ips.ind.br

Somhar: www.somhar.com.br mapeamento Lubrag: www.lubrag.com.br

Venus: www.venuepi.com.br CMB: www.cmbconsultoria.com.br Lubrisol: www.lubrisol.com

Engeo: www.engeo.com.br Móbil: www.cosan.com.br

ESCAVADEIRAS E Gemma: www.gemmageologica.com.br Molybras: www.molybras.com.br

RETROESCAVADEIRAS Geoexec: www.geoexec.com.br Petrobras: www.br.com.br

BMC: www.brasilmaquinas.com Geofocus: www.geofocus.com.br Petroquim: www.petroquim.com.br

Case: www.casece.com Geoklock: www.geoklock.com.br Pizzani: www.graxalubrificante.com

Anuário anepac 2011 69


Fornecedores

Raiden: www.raiden.com.br Terra Engenharia: www.terraminer.com.br PÁS CARREGADEIRAS


Shell: www.shell.com Vogber: www.vogbr.com.br BMC: www.brasilmaquinas.com
Siva Siroll: www.sivasiroll.com.br Case: www.casece.com
Guia de Fornecedores para o Setor de Agregados

SKF: www.skf.com.br MINERAÇÃO: Consultoria, Caterpillar: www.brasil.cat.com


Texaco: www.texaco.com.br estudos de viabilidade, DCML: www.dcml.com.br
Tinkem: www.tinkem.com avaliações JCB: www.jcb.com
CMB: www.cmbconsultoria.com.br Komatsu: www.komatsu.com.br
LEILÃO DE EQUIPAMENTOS Enal: www.enal.com.br LIiebherr: www.liebherr.com
Sold Leilões: www.sold.com.br Engeo: www.engeo.com.br Maxxor: www.maxxor.com.br
EPC: www.epc.com.br New Holland: www.newholland.com.br
MEIO AMBIENTE: Fidens: www.fidens.com.br P&H MinePro: www.minepro.com
Consultoria, EIA/RIMA, Gemma: www.gemmageologica.com.br Romac: www.romac.com.br
monitoramento Geoexec: www.geoexec.com.br Soma Tratores: www.somatratores.com.br
Brandt: www.brandt.com.br Geofocus: www.geofocus.com.br Sunward: www.sunwardbrasil.com.br
CMB: www.cmbconsultoria.com.br Geoklock: www.geoklock.com.br Volvo: www.volvoce.com.br
Enal: www.enal.com.br Geomin: www.geomin.com.br

Gemma: www.gemmageologica.com.br Geoprospec: www.geoprospec.com.br PENEIRAS


Geoexec: www.geoexec.com.br Geotrak: www.geotrak.com.br Borracha do Brasil: www.borrachadobrasil.com.br
Geoklock: www.geoklock.com.br Geovalle: www.geovalle.com.br Britamec: www.britamec.com.br
Geomin: www.geomin.com.br GGES: www.gges.com.br Furlan: www.furlan.com.br
Geopesquisa: www.geopesquisa.com.br GMA: www.gmaengenharia.com.br Graneísa: www.graneisa.com.br
Geoprospec: www.geoprospec.com.br Lavrita: www.lavrita.com.br Haver&Boecker: www.haverbrasil.com.br
Geotrak: www.geotrak.com.br MGA: www.mgamineracao.com.br IMIC: www.imic.com.br
GGES: www.gges.com.br Minaplan: www.minaplan.com.br Incomec: www.incomec.com.br
GMA: www.gmaengenharia.com.br Minerali: www.minerali.com.br Mapre: www.mapreequipamentos.com.br
MGA: www.mgamineracao.com.br Minerconsult: www.minerconsult.com Marca: www.marcacomercial.net
Minaplan: www.minaplan.com.br Multigeo: www.multigeo.com.br Mecvale: www.mecvale.com.br
Minerconsult: www.minerconsult.com Nova Terra: www.novaterrageo.com.br Metso: www.metsominerals.com.br
Multigeo: www.multigeo.com.br Petrus Consult: www.petrusconsult.com.br MVL: www.mvlmaquinas.com.br
Nova Terra: www.novaterrageo.com.br Progel: www.progel.com.br Omni: www.omnics.com.br
Petrus Consult: www.petrusconsult.com.br Prominer: www.prominer.com.br Piacentini: www.piacen.com.br
Progel: www.progel.com.br Senior: www.senior.com.br Pricemaq: www.pricemaq.com.br
Prominer: www.prominer.com.br Terra Engenharia: www.terraminer.com.br Sandvik: www.sandvik.com
Senior: www.senior.com.br Vogber: www.vogbr.com.br Vimax: www.vimax.com.br

ZL: www.zlequipamentos.com.br

70 Anuário anepac 2011


PERFURAÇÃO DE ROCHA: PERFURAÇÃO DE ROCHA: PNEUS
Brocas, bits, luvas, hastes Marteletes, carretas Agropneus: www.agropneus.com.br

Airservice: www.airservice.com.br Airservice: www.airservice.com.br Bridgestone: www.bridgestone.com.br

Atlas Copco: www.atlascopco.com.br Atlas Copco: www.atlascopco.com.br Continental: www.conti-online.com

Caimex: www.caimex.com.br Caimex: www.caimex.com.br Fronttyres: www.fronttyres.com

Christensen: www.roder.com.br Chicago Pneumatic: www.chicagopneumatic.com.br Maxxis: www.braziltyres.br

Cofermin: www.cofermin.com.br Cofermin: www.cofermin.com.br Pirelli: www.pirelli.com

Copex: www.copex.com.br Copex: www.copex.com.br Solideal: www.solideal.com.br

DHT: www.perfuratrizdht.com.br DHT: www.perfuratrizdht.com.br Standard: www.standardtyres.com.br

Drillco: www.drillcobrasil.com.br Drillco: www.drillcobrasil.com.br Trelleborg: www.trelleborg.com.br

Nortec: www.nortec.tc Machbert: www.machbert.com.br

PW Hidropneumatica: www.pwhidro.com.br Nortec: www.nortec.tc POEIRA: Abatimento


Rodopar: www.rodopar.ind.br P&H Minepro: www.minepro.com.br Lavrita: www.lavrita.com.br

Sandvik: www.sandvik.com Proeletro: www.perfproeletro.com.br/antigo/ Rasper: www.rasper.com.br

Sarzi: www.sarzicomex.com.br PW Hidropneumatica: www.pwhidro.com.br Spraying: www.spray.com.br

Steroc: www.steroc.com.br Sandvik: www.sandvik.com

Sunward: www.sunwardbrasil.com.br Sarzi: www.sarzicomex.com.br REVESTIMENTOS


Tornibras: www.tornibras.com.br Suward: www.sunwardbrasil.com.br Autotravi: www.autotravi.com.br

Wolf: www.wolf.com.br Tornibras: www.tornibras.com.br Borracha do Brasil: www.borrachadobrasil.com.br

Wolf: www.wolf.com.br Braskem: www.braskem.com.br

Anuário anepac 2011 71


Fornecedores

Casquel: www.casquel.com.br
ROSCAS TRANSPORTADORAS TRATORES E
Gendra: www.gendra.com.br
Compmetal: www.compmetal.com.br MOTONIVELADORAS
Guia de Fornecedores para o Setor de Agregados

ELC: www.elcequipamentos.com.br BMC: www.brasilmaquinas.com


Itner: www.itner.com.br
Elemec: www.elemec.com.br Case: www.casece.com
Metso: www.metso.com
J Fernandes: www.jfernandes.ind.br Caterpillar: www.brasil.cat.com
Monder: www.monder.com.br
Marca: www.marcacomercial.net DCML: www.dcml.com.br
Plastec: www.plastecrevestimentos.com.br
Padix: www.padix.com.br JCB: www.jcb.com
Polistar: www.polistar.com.br
Wan: www.wan.com.br Komatsu: www.komatsu.com.br
Solidur: www.solidur.com.br
LIiebherr: www.liebherr.com
Vedapar: www.vedapar-com.br

Weir: www.weirminerals.com
SOFTWARE PARA MINERAÇÃO Maxxor: www.maxxor.com.br

Acai: www.acai.com.br New Holland: www.newholland.com.br

Soft Expert: www.softexpert.com.br P&H MinePro: www.minepro.com


ROMPEDORES DE ROCHA
Weir: www.weirminerals.com Romac: www.romac.com.br
AGF: www.agfequipamentos.com
Soma Tratores: www.somatratores.com.br
Airservice: www.airservice.com.br

Atlas Copco: www.atlascopco.com.br


TELAS PARA PENEIRAS Sunward: www.sunwardbrasil.com.br

Borracha do Brasil: www.borrachadobrasil.com.br Volvo: www.volvoce.com.br


Caimex: www.caimex.com.br
Gold Metal: www.goldmetal.com.br
Chicago Pneumatic: www.chicagopneumatic.com.br

Cofermin: www.cofermin.com.br
Grampotela: www.grampotela.com.br TUBOS, MANGUEIRAS,
Copex: www.copex.com.br
Mapre: www.mapreequipamentos.com.br VÁLVULAS, CONEXÕES
Metametalicos: www.metametalicos.com.br Alvenius: www.alvenius.ind.br
DHT: www.perfuratrizdht.com.br
Metso: www.metso.com Atlas Copco: www.atlascopco.com.br
Drillco: www.drillcobrasil.com.br
Proeletro: www.perfproeletro.com.br Borracha do Brasil: www.brrachadobrasil.com.br
Machbert: www.machbert.com.br
Qualitela: www.qualitela.com.br Haver&BOECKER: www.haverbrasil.com.br
Nortec: www.nortec.tc
Teciam: www.teciam.com.br Hidropoços: www.hidropocos.com.br
P&H Minepro: www.minepro.com.br
Tecima: www.tecima.com.br JMB Zepellin: www.jmbzepellin.com.br
Proeletro: www.perfproeletro.com.br/antigo/
Telas Máxima: www.telasmaxima.com.br Majestic: www.majestic.com.br
PW Hidropneumatica: www.pwhidro.com.br
Telbaq: www.telbaq.cjb.net Metso: www.metsominerals.com.br
RHT: www.gruporht.com.br
Vimax: www.vimax.com.br Pipe: www.pipest.co.br
Romac: www.romac.com.br
Weir: www.weirminerals.com Proeletro: www.perfproeletro.com.br
Sandvik: www.sandvik.com
Protubo: www.protubo.com.br
Sarzi: www.sarzicomex.com.br
Reval: www.revalbombas.com.br
Suward: www.sunwardbrasil.com.br
Sidrasul: www.sidrasul.com.br
Tornibras: www.tornibras.com.br
Valmec: www.valmec.com.br
Wolf: www.wolf.com.br
Weir: www.weirmineral.com.br

72 Anuário anepac 2011


Catálogo de Produtores
de Agregados - AREIA

Anuário anepac 2011

Patrocinio:
Anuário anepac 2011 73
Areia

espirito santo Costa Iguaçu


AREAL COSTA LTDA Iguaçu Com. Areia ltda.
RUA NICOLA PELANDA , 8665 - UMBARÁ Rua Nicola Pelanda, 1441 - Pinheirinho
Jaguarussu
CEP: 81.930-360 - CURITIBA/PR CEP: 81.880-000 - Curitiba/PR
Jaguarussu Areal Ltda
TEL.: (41)3348-1251/9229-1290 Tel.: (41)3349-4224
R. DESEMB. JOÃO M.CARVALHO, 190/APT.503 -
Catálogo de Produtores de Agregados

E-MAIL: arealcosta@arealcosta.com.br
ED.COLINA - BAIRRO VERMELHO
CEP 29055-430 - VITÓRIA/ES
Irmãos Stanski
TEL.: (27) 3244.0040
Cotragon Irmãos Stanski ltda.
Cotragon ltda. Rua Matias Vieira de Alvarenga s/n,
FAX: (27) 3244.0303
Rua Norberto de Brito, 1066 - Centro Campo de Dentro
E-MAILjagurussu@terra.com.br
CEP: 81.035-170 - São José dos Pinhais/PR CEP: 83.650-000 - Balsa Nova/PR
Tel.: (41)3282-0903 Tel.: (41)3636-1285

PARANÁ das Ilhas Itabaúna.


Areal das Ilhas Ltda Areal Itabaúna Ltda.
Accordi
Rua dos Flamboians, 401 - J. Samambaia Rua Darcy Alves de Souza, 130
Areal Accordi ltda.
CEP: 83.212-120 - Paranaguá/PR Campo Comprido
Rua Nicola Pelanda, 7665 - Umbará
Tel.: (41)3423-7049 CEP: 81.210-320 - Curitiba/PR
CEP: 81.930-360 - Curitiba/PR
Tel.: (41) 3339-1288
Tel.: (47) 3643-7263/3643-7607
Durau
Água Azul Areal Durau ltda. SSR Mineração
Rua Damasio Soares da Silva, 612 - Centro SSR Mineração Ltda.
Areal Água Azul ltda.
CEP: 83.650-000 - Balsa Nova/PR Rua Nilo Peçanha, 2555 - Bom Retiro
Av. Visconde de Guarapuava, 4326, Sala 84,
Tel.: (41)3636-1366 CEP: 82.120-440 - Curitiba/PR
Batel,
Tel.: (41)3353-5553/3353-3424
CEP: 80.250-220 - Curitiba/PR
Tel.: (41) 3022-6496
Entre Rios
Areal Entre Rios Ltda. J.A. Gai
Armensul Rua Pedro Gusso, 565 - Capão Raso J.A. Gai Comércio de Areia ltda.
CEP: 81.050-200 - Curitiba/PR Estr. Del. Bruno Almeida 5581 sl A
Armensul Mineração ltda.
Tel.: (41) 3346-5664/3346-2209 Campo Santana
Caixa Postal 675,
CEP: 81.940-000 - Curitiba/PR
CEP: 83.601-150 - Campo Largo/PR
Tel.: (41)3392-2468/3392-3308
ETR Tel.: (41)3265-2334/3265-6919
ETR Extr. Com. Areia Ltda

AVP Avenida Alfred Charvett, 603 - Vila Nova JLS


CEP: 83.700-970 - Araucária/PR JLS Ext. Com. Areia ltda.
AVP Estração de Areia ltda.
Tel.: (41)3031-2347 Rua José Scroccaro 140 - Umbará
Rua Nicola Pelanda, 8346 - Umbará
CEP: 81.930-360 - Curitiba/PR
CEP: 81.930-360 - Curitiba/PR
Tel.: (41)3348-1579
Excoleto Tel.: (41)3348-1782
Excoleto ltda.

Balsa Nova Rua Nicola Pelanda, 7125 - Umbará João do Valle Lemos
CEP: 81.930-360 - Curitiba/PR Areal João do Valle Lemos ltda.
Ext. Minérios Balsa Nova ltda.
Tel.: (41)3348-1830 Caixa Postal 59 - Palmital
Rua Prof. Francisco Basseti Jr. 351
CEP: 83.700-000 - Araucária/PR
casa 13 - Cascatinha
CEP: 82.010-010 - Curitiba/PR
Extrabel Tel.: (41) 3244-3785/3244-9563
Extrabel ltda.
Tel.: (41)3636-1125
Caixa Postal 98 Jofi
Bozza CEP: 83.090-990 - São José dos Pinhais/PR ESCRITÓRIO
Tel.: (41)9181-9548/3282-3275 SAIBREIRA JOFI LTDA .
Areal Saibreira Bozza ltda.
AVENIDA RUI BARBOSA, 9140, 1º ANDAR
Rua Antonio Teixeira de Andrade, 184
Pinheirinho
Flórida CEP: 83.005-340 - SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR
Areal Flórida Ltda. TEL.: (41) 3382-3860/3382-6789
CEP: 81.880-100 - Curitiba/PR
Estrada do Ganchinho, 344 - Ganchinho
Tel.: (41) 3265-1064
CEP: 81.930-160 - Curitiba/PR Luiz Nabosne
Tel.: (41) 3289-4377/3289-1822 Luiz Nabosne Me
Rua Colomba Merlim, 471 - Umbará
CEP: 81.930-430 - Curitiba/PR
Tel.: (41)3348-1873

74 Anuário anepac 2011


Mélrito Três Rios Guerra
CONSTRUTORA MÉLRITO LTDA . Três Rios Ext. Com. Areia ltda. Guerra Comércio e Extração de Areia
AVENIDA RUI BARBOSA, 10601 - ARISTOCRATA Estrada do Ganchinho, 310 - Ganchinho BR 158, Km 331, 968 - Cerrito
CEP: 83.025-010 - SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR CEP: 81.390-160 - Curitiba/PR CEP: 97060-090 - Santa Maria/RS
TEL.: (41)3382-1814/3282-1236/9975-5499 Tel.: (41) 3289-4229 Tel.:/Fax (55) 3222-2130
EMAIL: maderito@melrito.com.br e-mail: guerraareiaebrita@hotmail.com
Wosniak
M.T. Tortatto Areal Wosniak ltda. JK
M.T. Tortatto ltda. Rua Nicola Pelanda, 8981 - Umbará JK Minerais
Rua José Julio Tortatto, 14 - Campo Santana CEP: 81.930-360 - Curitiba/PR Av. Ponciano Luis Rodrigues, 1549
CEP: 81.940-410 - Curitiba/PR Tel.: (41)3348-3150 CEP 96640-000 - Rio Pardo/RS
Tel.: (41)3396-4192/3396-4165 Tel.:/Fax (51) 3731-1998 / 3731-3766
e-mail: jkminerais@hotmail.com
Nelson Ianik e Cia RIO GRANDE DO SUL
Nelson Ianik e Cia Ltda. Johrmann
Caixa Postal 07 - Balsa Nova/ Arealsul Johrmann Mino e Terraplenagem Ltda
PR - 83.650-000 Arealsul Ltda Rua Dos Andradas, 829
Tel.: (41) 3636-1437/ 8803-2996 Rua João Moreira Maciel, 2600 - Humaitá Mascarenhas de Moraes
CEP 90250-680 - Porto Alegre/RS CEP 97510-431 - Uruguaiana/RS
Nossa Rainha da Paz Tel.:/Fax (51) 3375-0011 Tel.:/Fax (55) 3412-5504 / 3411-6301 /
Areal nossa Rainha da Paz ltda. e-mail: arealsul@terra.com.br 0800 8805050
Caixa Postal 65 - Centro Site www.arealsul.com.br
CEP: 83.190-000 - Tijucas do Sul/PR Joinville
Tel.: (41) 9972-4864 Aro Joinville Mineração Ltda
Aro Mineração Ltda Rua Luiz Pasteur, 49 / 02 - Três Portos
Paulo Aluir Chueda Rua Dr . Barros Cassal 180 / 701 CEP 93270-120 - Esteio/RS
Paulo Aluir Chueda Me Independência Tel/Fax (51) 3451-1200
Rua Antonio Chueda, 105 - Ganchinho CEP 90035-030 - Porto Alegre/RS e-mail: joinvillemineracao@gmail.com
CEP: 81.930-160 - Curitiba/PR Tel.:/Fax (51) 3286-1808
Tel.: (41) 3289-1812/3289-7662 Rauber
COMMEPP Rauber Minerais
Pianaro COMMEPP - Min Obras e Serviços Ltda Av. Ponciano Luiz Rodrigues, 1555 / 1
Mineração Pianaro ltda. Av. Farrapos, 146 / 123 - Floresta CEP 96640-000 - Rio Pardo/RS
Rua Caetano Munhoz da Rocha, 2885 CEP 90220-004 - Porto Alegre/RS Tel.:/Fax (51) 3731-1547/ 3719-1699
Guabiroba Tel.:/Fax (51) 3226-4456 / 3212-4124 e-mail: rauber.m@terra.com.br
CEP: 83.606-270 - Campo Largo/PR e-mail: commepp@terra.com.br
Tel.: (41) 3292-1870/3292-3847 Site: www.commepp.com.br Silva
Comercial de Areia Silva Ltda
Prata D&L Rua José de Souza Lima, 130 - Pq. Sarandi
Areal Prata ltda. D & L Mineração Ltda CEP 97095-340 - Santa Maria/RS
Rua Major Heitor Guimarães, 155 Rua Padre Aloes Kades, 331 – Jd. Ipiranga Tel.:/Fax (55) 3226-1497
Seminário CEP 91360-000 - Viamão/RS e-mail: comercialdeareiasilva@gmail.com
CEP: 80.440-120 - Curitiba/PR Tel /Fax (51) 8418-0044/9169-1248
Tel.: (41) 3243-1374 e-mail: delmineracao@hotmail.com SMARJA
SMARJA - Soc dos Min Areia do Rio Jacuí Ltda
Purex Dionel Rua Júlio de Castilhos, 1001 / 801 - Centro
Purex Engenharia Ambiental Dionel Barbosa da Silva CEP 95900-000 - Lajeado/RS
Rua Alagoas, 2383 - Guaíra - Curitiba/PR Rua Percival Brenner, 1893 – Em frente a Tel.:/Fax (51) 3710-2311
Cep: 80.630-050 delegacia, Bela Vista e-mail: smarja@smarja.com.br
Tel.: (41) 3229-6164 CEP: 97340-000 - São Sepé / RS Site: www.smarja.com.br
Tel.:/Fax (55) 3233-3395
SSR Email: contass2011@hotmail.com Sol Brilhante
SSR Mineração Ltda. Depósito de Areia Sol Brilhante Ltda
Rua Nilo Peçanha, 2555 - Bom Retiro Guaíba Rua Hugo Gerdau, 650 - São Jorge
CEP: 82.120-440 - Curitiba/PR Depósito de Areia Guaíba CEP 93212-260 - Sapucaia do Sul/RS
Tel.: (41)3353-5553/3353-3424 Rua Dr. José Montauri, 31 Tel.:/Fax (51) 3451-7034
CEP 92500-000 - Guaíba/RS e-mail depositosolbrilhante@terra.com.br
Tel.:/Fax (51) 3480-1099 / 3480-7034
e-mail: depositoguaiba@terra.com.br
Anuário anepac 2011 75
Areia
SOMAR Cubatão Jose Mario Pires
SOMAR - Sociedade Mineradora Ltda Cubatão Dragagens Ltda Jose Mario Pires
Rua Felipe Neri, 428 / 502 Rua Dona Francisca, 11100 Estrada Geral Santa Luzia Limoeiro
CEP: 90440-150 - Porto Alegre/RS Distrito De Pirabeirada caixa postal 37
Tel.:/Fax (51) 3333-4343 Caixa Postal 7162 CEP 88390-000 - Barra Velha/sc
Catálogo de Produtores de Agregados

e-mail: somarltd@terra.com.br CEP: 89239-270 - Joinville/Sc Tel.: (47) 9984-0820


Tel.: (47) 3424-6277
Lauro Mar
Santa Catarina Deschamps Lauro Mar Extração E Com. De Areia Ltda
Extração De Areia Deschamps Ltda Rua: Estanislau Vick, 8465
ADE Rua: Vinte Um De Junho, 1725 caixa postal 29
Com de Mat de Constr J C Jaraguá Ltda-ME CEP 88320-000 - Ilhiota/sc CEP: 89270-000 - Guamiranga/sc
RUA MANOEL FRANCISCO DA COSTA, 1200, VIEIRA Tel.: (47) 3343-1206 Tel.:(47) 3373-0755/9112-1299
CEP: 89257-000 - Jaraguá do Sul/SC
TEL/FAX: (47) 3370-2901 Deschamps e cia Maiomaq
E-MAIL: joicecg@gmail.com Deschamps E Cia Ltda Maiomaq Terraplanagem Ltda
UNidade I Rua Cesar Augusto Dalçoquio, 3655
Aguas Do Pirai Rua: Anfiloquio Nunes Pires, 2604 - Figueira Salseiros
Extração De Areia Aguas Do Pirai CEP: 89110-000 - Gaspar/sc CEP: 88311-550 - Itajai/sc
Br 101 Km 75 Nº696 - Itapocu Tel.: (47) 3335-9180/3397-3547 Tel.: (47) 3346-2376
CEP: 892450–000 - Araquari/SC
Tel.: (47) 3452-0089/9142-1743 UNidade II Marcos Adriano Prusse
Rodovia Jorge Lacerda Km 22 - Poço Grande Marcos Adriano Prusse Me
Barra Velha CEP: 89110-000 - Gaspar/sc Rua Estrada Geral Guamiranga S/N
Extração De Areia Barra Velha Tel.: 9987-5523/3332-1468 CEP: 89245-000 - Araquari/sc
Rodovia Br 101 Km 75, 696 - Itapocu Tel.:: (47) 3373-0470/3373-0060
CEP: 89245-000 - Araquari/SC Fantoni
Tel.: (47) 3452-0089/3452-0079/9994-6392 Extração De Areia Fantoni Ltda Mario Vieira
Estrada Geral, 450 - Barranco Alto Mario Vieira Com. Madeiras E Terrrapl. Ltda
Bartsch Caixa postal 34 Rua Prefeito Valdemar Grubba, 1611
Dragagem De Areia Bartsch Ltda CEP: 8320-000 - Ilhota/sc CEP: 89256-500 – Jaragua Do Sul/sc
Rua Republica Argentina, 2550 Tel.: (47) 3332-0829/9979-7334 Tel.: (47) 3275-1675/9979-3308
Ponte Aguda
CEP: 89050-101 - Blumenau/Sc G.S. Martins Kienem
Tel.: (47) 3397-3739/9979-6472 G.S. Extração E Comercio De Areia Ltda Ext. E Com. De Areia Martins Kienem Ltda
Est. Geral Morro Grande, 5814 - Itapocu Rodovia Br 280 Km 55
Balneario CEP 89245-000 - Araquari/sc CEP: 89270-000 - Guaramirim/sc
Balneario Mat. Para Construção Ltda Me Tel.: (47) 9963-3031/3452-0494 Tel.: (47) 3275-0387/Fax 3373-0399
Av: Santa Catarina, 102 - Centro
CEP: 88340-000 – Camboriu/sc Hort Mondini
Tel.: / Fax: (47) 3365-2323/8808-1671 Extração E Transporte De Areia Hort Ltda Mondini Extração De Areia Ltda
Rua Anfiloquio Nunes Pirea,4010 - Bela Vista Br 470 Km 83,5 - Rio Morto
Codejas CEP 89110-000 - Gaspar/sc CEP: 89136-000 - Rodeio/sc
Codejas-Cia Desen. De Jaragua Do Sul S/A Tel.: (47) 3397-3739/9979-6292 Tel.: (47) 3384-9900/8802-9656
Caixa postal 1130
CEP: 89259-970 - Jaragua Do Sul/sc INFRASUL Mondini E Schnaider
Tel.: (47) 370-7696 INFRASUL INFRAESTRUTURA Extração De Areia Mondini E Schnaider Ltda
RUA EUGENIO MOREIRA Nº 187 ANITA GARIBALDI Br 470 Km 83,5 - Rio Morto
Concremax CEP: 89202-100 - J0NVILLE/SC CEP: 89136-000 - Rodeio/sc
Concremax Industrial Ltda TEL: 3028-0100 Tel.: (47) 3384-9900
Rua Mariano Soares S/N
Caixa Postal 43 Irmãos Zimmemann MS MINÉRIOS
CEP:89245-000 – Araquari/sc Ext. E Trans. De Areia Irmãos Zimmemann Ltda MS MINÉRIOS DO BRASIL LTDA
Tel.: (47) 3492-2724/9963-9198 Rua Bruno Celso Zimmermann, 165 Escritório:
Bela Vista AV. MASCARENHAS DE MORAES, 1000, SALA 01,
CEP: 89110-000 - Gaspar/sc SANTA CÂNDIDA
Tel.: (47) 3397-4444/9979-1834 CEP 82620-300 - CURITIBA/PR

76 Anuário anepac 2011


Nilson T.J.F. ALEIXO
Mineração Nilson Ltda T.J.F. Extração E Comercio De Areia Ltda EXTRAÇÃO ALEIXO LTDA - ME
Rodovia Br 101 Km 65 S/N Estrada Bananal Do Sul, S/N MINERADORA: ESTRADA IPERÓ À TATUÍ, KM 4 -
caixa postal 16 caixa postal 141 SAPETUBA
CEP 89245000 - Araquari/sc CEP 89270-000 - Guaramirim/sc 18560-000 - IPERÓ - SP
Tel.: (47) 3492-2762/3452-0245/9964-2454 CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 3
Vegini 18560-970 - IPERÓ - SP
TEL/FAX: (15) 3266-1311 / 3266-1424 /
Odorizzi Vegini E Comercio De Areia Ltda
7811-0014 - ID: 96*22598
Tornearia E Comercial Odorizzi Rua: Martim Stahl Nº142 - Vila Nova
SITE: www.grupoaleixo.com
Rua: Rua Br 280 Km70 - Agua Verde CEP 89259-310 - Jaragua Do Sul/sc
E-MAIL: extracaoaleixo@grupoaleixo.com
CEP: 89254-700 - Jaragua Do Sul/sc Tel.: (47) 3275-1297/9967-5601
Tel.:(47) 9975-2278
Veiga
AMILCAR MARTINS
MINERAÇÃO AMILCAR MARTINS LTDA
Ottomar Mineracao Veiga Ltda
MINERADORA: ESTRADA DO BARRINHA, KM 4,5
Extração E Comercio De Areia Ottomar Ltda Rodovia Br 101 Km 67 - Corveta - BARRINHA
Estrada Bananal Do Sul S/N caixa postal 15 06890-000 - SÃO LOURENÇO DA SERRA - SP
Caixa Postal 213 CEP: 89.245-000 - Araquari/SC CORRESPONDÊNCIA: AV. ERAVISTO DELFINO
CEP: 89270-000 - Guaramirim S/C Tel.: (47) 3492-2770/3452-0207/3452-0315 PINTO, Nº 126 - SALA 1 - CENTRO
Tel.: (47) 3456-5248/9922-5341 06890-000 - SÃO LOURENÇO DA SERRA - SP
Wigando Sell TEL: (11) 4686-2800 / FAX: (11) 4686-2800
Parisi Wigando Sell E Cia Ltda E-MAIL: alexandremartins.amx@gmail.com
Parisi E Transporte Terraplanagem Rua Jose Pasqualini, 89 - Centro
Rua Germano Wagner 184 - Centenário CEP 89278-000 - Corupa/sc AQUAREIA
CEP: 89256-800 - Jaragua Do Sul/sc Tel.: (47) 3375-2555/9177-1317 EXTRATORA AQUAREIA LTDA
Tel.: (47) 3370-2641 MINERADORA: SITIO ILHA DO RAPOSO, S/Nº -
Winter GUEDES
12120-000 - TREMEMBÉ - SP
Poço Grande Winter Com. De Mat. De Construção Ltda
CORRESPONDÊNCIA: RUA PROF. JOSÉ FRANCISCO S.
Extração De Areia Poço Grande Ltda Rua: Walter Marguardt, 2270
DOS SANTOS, Nº 620 - JD. AMÁLIA
Rodovia Jorge Lacerda, Km 18 Nº 8355 CEP 89259-700 - Jaragua Do Sul/sc
12280-017 - CAÇAPAVA - SP
caixa postal 226 Tel.: (47) 3370-8300
TEL: (12) 9782-1487 / 9782-1242
CEP 89110-000 - Gaspar/Sc E-MAIL: valeform@valeform.com.br
Tel.: (47) 3332-1644/3332-0632
São Paulo AREAL BRUM
Porto Uniao AREAL BRUM E SOUZA LTDA ME
Porto Uniao Extração De Areia Ltda MINERADORA: RODOVIA DOS TROPEIROS, KM 68
Rodovia Br 470 – Km 12 - Porto Escalvado A B Areias 12850-000 - BANANAL - SP
cep: 88375-000 - Navegantes/sc AURICCHIO BARROS EXTR. COM. AREIA PEDRA LTDA CORRESPONDÊNCIA: RUA ADOLFO DE OLIVEIRA
Tel.:/Fax: (47) 3391-5000/3319-0707 MINERADORA: ESTRADA JOÃO MARCONDES DOS RAMOS, Nº 35
SANTOS, Nº 27 - BREJÃO 12870-000 - ARAPEÍ- SP
Salseiros 12400-000 - PINDAMONHANGABA - SP TEL: (12) 9112-7243
Extração De Areia Salseiros Ltda CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 543 -
Rua Cesar E Augusto Dalçoquio, 2280 Salseiros DISTRITO DE MOREIRA CÉSAR AREIAL
CEP 88311-500 - Itajai/sc 12441-970 - PINDAMONHANGABA - SP AREIAL EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA LTDA
TEL/FAX: (12) 3641-2580 / 3641-1159 MINERADORA: AV: JULIANO FERRAZ LIMA, KM
Tel.: (47) 3346-2682
E-MAIL: caco@abareias.com.br 1,7 - ORLA
19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP
Schnaider
Extração De Areia Schnaider Ltda Me
ÁGUAS CLARAS CORRESPONDÊNCIA: AV: JULIANO FERRAZ LIMA,
MINERADORA ÁGUAS CLARAS LTDA KM 1,7 - ORLA
Rua Prefeito Leopoldo Schrann 1815
MINERADORA: FAZENDA ÁGUAS CLARAS, S/Nº - 19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP
CEP: 89110-000 - Gaspar/sc
DISTR. PIRAMBOIA TEL: (18) 3281-1006 / FAX: (18) 3281-1555
Tel.: (47) 9979-6976/3332-0721 E-MAIL: areial.mineracao@uol.com.br
18600-000 - ANHEMBI - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA ORDELE, Nº 332 -
Schrann CENTRO
Extração De Areia Schrann Ltda 18500-000 - LARANJAL PAULISTA - SP
Rod 470 Km 40 - caixa Postal 153 TEL: (15) 3283-1288 / 3383-9083 /
CEP: 89110-000 - Gaspar/sc FAX: (15) 3383-9085
Tel.: (47) 3332-2310 E-MAIL: viviane@supermarcon.com.br

Anuário anepac 2011 77


Areia

AREÍSCA BERTELLI BRASIL


MINERAÇÃO AREÍSCA LTDA EXTRAÇÃO DE AREIA E PEDR. BERTELLI LTDA MINERAÇÃO PORTO BRASIL LTDA
MINERADORA: ESTRADA DA PARTEIRA, Nº 3800 MINERADORA: RUA PROJETADA, Nº 125 - MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL DO
- BONSUCESSO PARAGUAI JAGUARI, Nº 1001 - RIO ABAIXO
07010-000 - GUARULHOS - SP 11900-000 - REGISTRO - SP 12334-400 - JACAREI - SP
Catálogo de Produtores de Agregados

CORRESPONDÊNCIA: ALAMEDA GALAXI, Nº 145 - CORRESPONDÊNCIA: RUA SÃO FRANCISCO CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 1.375
ARUJÁ HILLS - SÃO BENTO XAVIER, Nº 129 - CENTRO 12308-990 - JACAREÍ - SP
07400-000 - ARUJÁ - SP 11900-000 - REGISTRO - SP TEL: (12) 3953-2722
TEL: (11) 6436-1244 TEL: (13) 3821-3069 / 3821-6583 / FAX: (13) E-MAIL: porto.brasil@uol.com.br
E-MAIL: areisca@itelefonica.com.br 3821-4829
E-MAIL: piramide@areiapiramide.com.br; ricardo. CAETANO
ARIEBIR dir@areiapiramide.com.br WAGNER WANDERLEI CAETANO DE ABREU FI
EXTRAÇÃO DE AREIA ARIEBIR LTDA MINERADORA: FAZENDA ITABAQUARA, S/Nº -
MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL, Nº 600 - BOFETE ITABAQUARA
ZONA RURAL EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA BOFETE LTDA 12620-000 - PIQUETE - SP
11900-000 - REGISTRO - SP MINERADORA: SÍTIO TRICOLOR, S/Nº - ZONA CORRESPONDÊNCIA: AV. LUIZ ARANTES JUNIOR,
CORRESPONDÊNCIA: RUA PROF. MONJARDINO, RURAL Nº 245
Nº 12 - VILA SÔNIA 18590-000 - BOFETE - SP 12620-000 - PIQUETE - SP
05625-160 - SÃO PAULO - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 8 TEL/FAZ: (12) 3156-1457
TEL: (13) 3972-5682 / (11) 9904-9799 18590-000 - BOFETE - SP E-MAIL: minerais.caetano@hotmail.com;
E-MAIL: vitorpavone@hotmail.com TEL: (14) 3883-1690 elianarosecontabilidade@hotmail.com

BARROCÃO BOM JESUS CAJ


MINERAÇÃO BARROCÃO LTDA ME MINERAÇÃO BOM JESUS LTDA MINERAÇÃO CAJ LTDA
MINERADORA: FAZEBDA SÃO JOSÉ II, S/Nº - ZONA MINERADORA: FAZENDA BANHAÇA, S/Nº - MINERADORA: ESTRADA POÇO GRANDE, Nº 3100
RURAL ARARITAMA - POÇO GRANDE
13550-000 - ANALÂNDIA - SP 12400-000 - PINDAMONHANGABA - SP 12120-000 - TREMEMBÉ - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA VITÓRIO DE MARCHI, CORRESPONDÊNCIA: TRAV. MARQUES DUERVAL, CORRESPONDÊNCIA: AV: PROFº. JOSÉ MUNHOZ,
Nº 605 - VILA JOEST Nº 77 - APTO 23 Nº 317 - JD. MUNHOZ
13614-150 - LEME - SP 12400-200 - PINDAMONHANGABA - SP 07033-000 - GUARALHUS - SP
TEL: (19) 3566-7490 / 3571-4645 TEL: (12) 3643-9041 / 3674-9268 TEL: (12) 3672-3022 / FAX: (12) 3672-3022
E-MAIL: carpam@terra.com.br
BEIRA RIO TUPÃ BOM RETIRO
EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA BEIRA RIO MINERAÇÃO BOM RETIRO LTDA CAJU
TUPÃ LTDA MINERADORA: ESTRADA LEME À AJAPI, KM 6 - MINERAÇÃO CAJU LTDA
MINERADORA: RODOVIA SP 52 - KM 23,5 BARRO PRETO - SITIO SÃO LUIZ MINERADORA: SÍTIO SÃO SEBASTIÃO, S/Nº -
17600-971 - TUPÃ - SP 13610-831 - LEME - SP CAPITINGA
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 15 CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 144 - 13840-970 - MOGI GUAÇÚ - SP
17600-970 - TUPÃ - SP BARRO PRETO CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 142
TEL: (14) 3441-4099 / FAX: (14) 3441-6530 13610-970 - LEME - SP 13610-970 - LEME - SP
E-MAIL: g10@g10concreto.com.br TEL: (19) 3555-9069 TEL: (19) 3911-0041
E-MAIL: mineracao@mineracaobomretiro.com.br E-MAIL: mineracao@mineracaobomretiro.com.br
BENJAMIN SITE: www.mineracaobomretiro.com.br
BENJAMIN CAMPOS DO AMARAL ME CANHÃO
MINERADORA: FAZENDA INDUÁ, S/Nº - BOMBASE CANHÃO PINDAMONHANGABA EXTR. DE MIN.
TOMBADOURO BOMBASE EXTRAÇÃO TERRAPLANAGEM E LTDA
13347-460 - INDAIATUBA - SP INCORPORAÇÃO LTDA MINERADORA: AV. CINCO, Nº 561 -
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL Nº 214 - MINERADORA: AV.: PACÍFICO MONEDA, S/Nº - VL. SÃO BENEDITO
CENTRO CAPOTUNA 12445-280 - PINDAMONHANGABA - SP
13330-970 - INDAIATUBA - SP 13820-000 - JAGUARIÚNA - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL Nº 193
TEL: (19) 3875-1313 CORRESPONDÊNCIA: AV.: PACÍFICO MONEDA, S/ 06013-970 - OSASCO - SP
E-MAIL: gpamaral@terra.com.br Nº - CAPOTUNA - CAIXA POSTAL 44 TEL: (12) 3637-4881 / FAX: (12) 3637-4881
13820-000 - JAGUARIÚNA - SP E-MAIL: robertomach@hotmail.com
TEL: (19) 3867-4145 / FAX: (19) 3867-5272
E-MAIL: bombaseareia@yahoo.com.br

78 Anuário anepac 2011


CARAVELAS CÉU ROSA CONSMAR
EMPRESA DE MINERAÇÃO CARAVELAS LTDA TRANSPORTADORA CÉU ROSA LTDA CONSMAR EXTR. COM. E TRANSP. DE MINÉRIOS
MINERADORA: RUA DAVID BOURBOW, Nº 500 - END. DA MINERADORA: FAZENDA PEDRINHAS, KM LTDA
VL. SÃO FRANCISCO 236,5 - ZONA RURAL MINERADORA: ESTR. FAZENDA MARAMBAIA, S/
08735-270 - MOGI DAS CRUZES - SP 13560-970 - SÃO CARLOS - SP Nº - ROSEIRA
CORRESPONDÊNCIA: RUA DAVID BOURBOW, Nº CORRESPONDÊNCIA: RUA DOMINGOS 12281-590 - CAÇAPAVA - SP
500 - VL. SÃO FRANCISCO DELIBERALLI, Nº 98 - JD. PARISI CORRESPONDÊNCIA: AV: PROFº LUIZ IGNÁCIO DE
08735-270 - MOGI DAS CRUZES - SP 13515-000 - CHARQUEADA - SP ANHAIA MELLO, Nº 4.200 - VILA PRUDENTE
TEL: (11) 4727-1448 / FAX: (11) 4727-1448 TEL: (19) 3486-1543 / FAX: (19) 3486-1220 03297-100 - SÃO PAULO - SP
E-MAIL: antoniosantan@pajoan.com.br E-MAIL: arezan@terra.com.br TEL: (12) 3953-4610 / (11) 6916-3000 / FAX: (11)
6916-3034
CARLOS EDUARDO CIAREIA E-MAIL: a_loucatelli@cortesiaconcreto.com.br
CARLOS EDUARDO BRANDÃO CARDOSO ME CIAREIA EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA LTDA
MINERADORA: RUA RANGEL PESTANA, Nº 4 EPP CPA
12630-000 - CACHOEIRA PAULISTA - SP ENDREÇO DA MINERADORA: RODOVIA SP 191, S/ CPA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA
CORRESPONDÊNCIA: RUA RANGEL PESTANA, Nº 4 Nº - ARAQUÁ MINERADORA: MARGEM DIREITA DO RIBEIRÃO
12630-000 - CACHOEIRA PAULISTA - SP 13520-000 - SÃO PEDRO - SP BAURU, S/Nº - SÍTIO VARGEM LIMPA
CORRESPONDÊNCIA: RUA CAETANO PARISI, Nº 17034-290 - BAURU - SP
CARREIRA 142 CORRESPONDÊNCIA: ALAMEDA DAS TULIPAS, Nº
EXTRAÇÃO DE AREIA CARREIRA LTDA - RP 13515-000 - CHARQUEADA - SP 4-10 - PQ. VISTA ALEGRE
MINERADORA: FAZ. VARJÃO SÃO JOÃO, KM 1,5 - TEL: (19) 3483-7690 17020-390 - BAURU - SP
ZONA RURAL E-MAIL: ciareia@bol.com.br TEL/FAX: (14) 3237-3029
14830-000 - RINCÃO - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA MAL. DEODORO DA CINCO LAGOS CRC
FONSECA, Nº 409 - CX. POSTAL 7 EXTRAÇÃO DE AREIA CINCO LAGOS LTDA CRC MONTENA TRANSPORTES LTDA ME
15820-000 - PIRANJI - SP MINERADORA: ESTRADA MUN. QUIRIRIM - MINERADORA: RUA JOÃO PEDRO BLUMENTAL, Nº
TEL: (16) 3973-1259 TREMEMBÉ, S/Nº - BAIRRO DOS GUEDES 600 - CUMBICA
E-MAIL: ea.carreira@bol.com.br 12120-000 - TREMEMBÉ - SP 07224-150 - GUARULHOS - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA MAURÍCIO TEIXEIRA, CORRESPONDÊNCIA: RUA JOÃO PEDRO
CASCALHO Nº 55 - VL. NEIDE BLUMENTAL, Nº 600 - CUMBICA
CASCALHO - EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA, 12040-240 - TAUBATÉ - SP 07224-150 - GUARULHOS - SP
CASCALHO E ARGILA LTDA EPP TEL: (12) 9114-0334 TEL: (11) 6412-3139 / FAX: (11) 36412-3139
MINERADORA: FAZ. NOSSA SENHORA D E-MAIL: cinco.lagos@yahoo.com.br E-MAIL: eduardo@montena.com.br
LOURDES, S/Nº - CASCALHO
13920-000 - PEDREIRA - SP COMAPE CRISTINA
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 173 - CENTRO COMAPE EXTR. E COM. DE AREIA E PEDR. LTDA CRISTINA EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA E PEDRA
13920-000 - PEDREIRA - SP MINERADORA: SÍTIO SÃO LUIZ, S/Nº - ZONA LTDA
TEL: (19) 9219-8414 / 9219-8354 RURAL MINERADORA: ESTR. VELHA RIO SÃO PAULO, KM
E-MAIL: cascalho.mina@hotmail.com 14115-000 - GUATAPARÁ - SP 161 - BAIRRO DOS TAIPAS
CORRESPONDÊNCIA: RUA TIPOANAS, 160 12440-970 - PINDAMONHANGABA - SP
CESSI 14115-000 - GUATAPARÁ - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 543 -
CESSI COMÉRCIO DE MAT.CONSTRUÇÃO LTDA TEL: (16) 3973-1090 / FAX: (16) 3973-0225 DISTRITO DE MOREIRA CÉSAR
MINERADORA: ESTR. MORRO GRANDE, S/Nº - E-MAIL: comapeporto@yahoo.com.br 12441-970 - PINDAMONHANGABA - SP
TABOÃO TEL/FAX: (12) 3641-2580 / 3641-1159
08700-000 - MOGI DAS CRUZES - SP CONCRESP E-MAIL: caco@abareias.com.br
CORRESPONDÊNCIA: AV. PRES. CASTELO CONCRESP MINERAÇÃO E COMÉRCIO LTDA
BRANCO, Nº 95 - JD. CERQ. LEITE MINERADORA: MARGEM ESQUERDA DO RIO CRISTO REI
09321-375 - MAUÁ - SP PARANÁ, S/Nº - FAZENDA CAFEEIRA PORTO DE AREIA CRISTO REI LTDA
TEL: (11) 4547-3066 / 4543-0115 16920-000 - CASTILHO - SP MINERADORA: RODOVIA SP 321 - ZONA RURAL
E-MAIL: grupocessi@uol.com.br CORRESPONDÊNCIA: RUA LUIZ ÓBICE, Nº 55 - 17180-000 - IACANGA - SP
PARQUE INDUSTRIAL CORRESPONDÊNCIA: RUA JOSÉ DE AZEVEDO
16900-000 - ANDRADINA - SP MARQUES, 1-29 - JD. CONTORNO
TEL: (18) 3722-1914 17047-110 - BAURU - SP
E-MAIL: bruno@concresp.com.br TEL/FAX: (14) 3203-2455

Anuário anepac 2011 79


Areia

CURUMIM DUTRA FELIZ


MINERADORA CURUMIM LTDA DUTRA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA MINERAÇÃO PORTO FELIZ LTDA
MINERADORA: SÍTIO TAPERÃO, S/Nº - SÃO MINERADORA: ESTRADA DO LAMBARI, Nº 1000 MINERADORA: EST. MUNICIPAL, S/Nº - FAZENDA
BERNARDO - TABOÃO ALBERTINA
Catálogo de Produtores de Agregados

13370-000 - RAFARD - SP 08700-000 - MOGI DAS CRUZES - SP ROSEIRA - SP


CORRESPONDÊNCIA: SÍTIO TAPERÃO, S/Nº - SÃO CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL Nº 193 CORRESPONDÊNCIA: ROD. FLORIANO R.
BERNARDO 06013-970 - OSASCO - SP PINHEIRO, KM 6
13370-000 - RAFARD - SP TEL: (11) 4724-9544 / FAX: (11) 4724-9544 12042-000 - TAUBATÉ - SP
TEL: (19) 3496-2838 / 3496-1466 / FAX: (19) E-MAIL: robertomach@hotmail.com TEL: (12) 3686-2461
3496-1466 E-MAIL: p.tubarao@uol.com.br
E-MAIL: curumim@cereaiscurumim.com.br EMBÚ
EMBÚ S/A ENGENHARIA E COMÉRCIO FERRES
DAKTARI MINERADORA: AV. RAIMUNDO PEREIRA FERRES & CIA LTDA
PORTO DE AREIA DAKTARI LTDA MAGALHÃES, KM 25,5 MINERADORA: FAZENDA ÁGUA LIMPA, S/Nº -
MINERADORA: ESTRADA DO RIO VERDE, KM 6 05220-000 - PERUS - SP BONITO
12120-000 - TREMEMBE - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA FERREIRA DE ARAÚJO, 16270-000 - GLICÉRIO - SP
CORRESPONDÊNCIA: AV. PROF. JOSE MUNHOZ, Nº 202 - 4º ANDAR - PINHEIROS CORRESPONDÊNCIA: AV. JOÃO ANTONIO
317 - JD. MUNHOZ 05428-000 - SÃO PAULO - SP CASTILHO, Nº 310 - CENTRO
07033-000 - GUARULHOS - SP TEL: (11) 3035-2999 / 3031-8458 / FAX: (11) 16300-000 - PENÁPOLIS - SP
TEL: (12) 3672-3022 / FAX: (12) 3672-3022 3031-8458 TEL: (18) 3647-6279 / 9129-1115 / FAX: (18)
E-MAIL: carpam@terra.com.br E-MAIL: gandrade@embusa.com.br 3652-4627
E-MAIL: portoferres@terra.com.br
DAMASCENO EMIC
PORTO DE AREIA DAMASCENO & DAMASCENO EMIC DE JACAREI EXTRAÇÃO E MINERAÇÃO LTDA FIORI DO TABOÃO
LTDA ME MINERADORA: ESTRADA DO TANQUINHO, 805 - EMPRESA DE MINERAÇÃO FIORI DO TABOÃO
MINERADORA: ACESSO MARGEM ESQUERDA DO JD. NOVA ESPERANÇA LTDA
RIO TIETÊ, S/Nº - POUSO ALEGRE 12324-590 - JACAREI - SP MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL SÃO BENTO
17290-000 - MACATUBA - SP CORRESPONDÊNCIA: AV. SENADOR JOAQUIM - LAMBARI
CORRESPONDÊNCIA: RUA DUQUE DE CAXIAS, Nº MIGUEL MARTINS, 177 - APTO 38 08700-000 - MOGI DAS CRUZES - SP
832 - CENTRO 12327-695 - JACAREI - SP CORRESPONDÊNCIA: AV. ANGÉLICA, Nº 1.260 -
17290-000 - MACATUBA - SP TEL: (11) 4974-4672 / FAX: (11) 4974-4672 CJ. 11 - SANTA CECÍLIA
TEL/FAX: (14) 3268-1130 E-MAIL: emic.jem@gmail.com 01228-100 - SÃO PAULO - SP
E-MAIL: areiadamasceno@bol.com.br TEL: (11) 3822-5411 / 3822-4616 / FAX: (11)
ESTRUTURAL 3822-5411
DIBÁSICOS BASALTO PEDREIRA E PAVIMENTAÇÃO LTDA E-MAIL: multiplaimoveis@uol.com.br
DIBÁSICOS EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA LTDA MINERADORA: AV. PAULO GUILGUER REIMBERG,
MINERADORA: ESTRADA IPERÓ À TATUI, KM 4 - KM 5 - PQ. MARIA FERNANDES FLAVIA ROMIO
SAPETUBA 04858-570 - SÃO PAULO - SP FLAVIA ROMIO MARCHIONNO ME
18560-970 - IPERÓ - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA MINAS DA PRATA, Nº MINERADORA: SITIO ADA, S/Nº - BERIZAL
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 18 30 - 9º ANDAR - ED. PLAZA JK - VILA OLÍMPIA 12120-000 - TREMEMBÉ - SP
18560-970 - IPERÓ - SP 04552-080 - SÃO PAULO - SO CORRESPONDÊNCIA: RUA ALMIRANTE
TEL: (15) 3266-1918 / FAX: (15) 3266-1918 TEL: (11) 3702-6606 / FAX: (11) 3702-6600 TAMANDARE, Nº 02 - JD PLATINA
E-MAIL: dibasicosquevedo@fasternet.com.br E-MAIL: rosilene@grupoestrutural.com.br 06273-090 - OSASCO - SP
TEL: (11) 3601-5302
DOURADA EXTRABASE
PORTO DE AREIA DOURADA LTDA EXTRABASE - EXTRAÇÃO COM. E TRANSP. LTDA FLOR DO VALE
MINERADORA: ROD. VICINAL DE MIRA ESTRELA MINERADORA: RODOVIA SANTOS DUMONT, KM EXTRAÇÃO E COM. DE MINÉRIOS FLOR DO VALE
À CARDOSO, KM 6 - ZONA RURAL 42 - LAGEADO LTDA
15580-000 - MIRA ESTRELA - SP 13329-800 - SALTO - SP MINERADORA: ESTRADA SÍTIO SANTA LUZIA, S/
CORRESPONDÊNCIA: ROD. VICINAL MIRA CORRESPONDÊNCIA: CAIX POSTAL - 149 Nº - MARAMBAIA
ESTRELA À CARDOSO, KM 6 13320-970 - SALTO - SP 12280-000 - CAÇAPAVA - SP
15580-000 - MIRA ESTRELA - SP TEL: (11) 4028-0535 CORRESPONDÊNCIA: PRAÇA DA BANDEIRA, Nº
TEL: (17) 3453-1395 / 3231-6445 / FAX: (17) E-MAIL: pechio@sobase.com.br 128 - CJ. 53 - BL. 2
3231-6445 12281-630 - CAÇAPAVA - SP
E-MAIL: jose.maximo@superig.com.br TEL: (12) 3653-5277 / 3653-4577 / FAX: (12)
3653-4577

80 Anuário anepac 2011


FLORESTA NEGRA IRMÃOS CARDOSO ITAQUAREIA
EMPRESA DE MINERAÇÃO FLORESTA NEGRA IRMÃOS CARDOSO & CIA LTDA ITAQUAREIA IND. EXTRATIVA DE MINÉRIOS LTDA
LTDA MINERADORA: RUA CAP. OCTÁVIO RAMOS, Nº MINERADORA: RUA RIO PARANÁ, Nº 155
MINERADORA: ESTRADA DA PARTEIRA, Nº 3000 25 - CENTRO 08599-310 - ITAQUAQUECETUBA - SP
- BONSUCESSO 12730-110 - CRUZEIRO - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA RIO PARANÁ, Nº 155 -
07178-130 - GUARULHOS - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA CAP. OCTÁVIO RAMOS, CAIXA POSTAL 6
CORRESPONDÊNCIA: RUA PANAMBI, Nº 487 - Nº 25 - CENTRO 08599-310 - ITAQUAQUECETUBA - SP
CAPUTERA 12730-110 - CRUZEIRO - SP TEL: (11) 4645-1544 / 4645-1267 / FAX: (11)
07400-000 - ARUJÁ - SP TEL: (12) 3144-0215 / 3144-2529 / FAX: (12) 4645-1267
TEL: (11) 6436-1210 / FAX: (11) 6436-1210 3144-2529 E-MAIL: diretoria@itaquareia.com.br
E-MAIL: florestanegraltda@hotmail.com E-MAIL: portodeareiacardoso@ig.com.br
ITIRAPINA
GUANABARA IRMÃOS ROMANI ANDRÉ LUÍS GERÔNIMO ROCHA ME
EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA E PED. IRMÃOS ROMANI LTDA MINERADORA: PÁTIO DA SUBSTAÇÃO, Nº 0
GUANABARA LTDA MINERADORA: MARGEM ESQ. RIO GRANDE, S/ 13530-000 - ITIRAPINA - SP
MINERADORA: RUA DINAMARCA, Nº 710 - Nº - ZONA RURAL CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 62
LAMBARI 14795-000 - COLÔMBIA - SP 13530-000 - ITIRAPINA - SP
08900-000 - GUARAREMA - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 38 TEL: (19) 3575-3466
CORRESPONDÊNCIA: RUA DINAMARCA, Nº 710 14795-000 - COLÔMBIA - SP E-MAIL: miner.itirapina@yahoo.com.br
- LAMBARI TEL: (17) 3335-1146 / 3335-1145 / FAX: (17)
08900-000 - GUARAREMA - SP 3335-1444 J. J.
TEL: (11) 4693-4104 / FAX: (11) 4693-9101 E-MAIL: areiaromani@ig.com.br J. J. EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA LTDA
MINERADORA: ESTRADA FAZENDA MENINO
HÉLIO ITABRÁS JESUS, S/Nº - MENINO JESUS
HÉLIO PADILHA ITABRÁS MINERAÇÃO LTDA - EPP 12289-010 - CAÇAPAVA - SP
MINERADORA: FAZENDA LAGOA PRETA, S/Nº MINERADORA: AV: PREFEITO LUIZ LATORRE, Nº CORRESPONDÊNCIA: RRUA OSÓRIO DA CUNHA
14230-000 - SERRA AZUL - SP 2247 - ENGORDADOURO LARA NETO, Nº 41
CORRESPONDÊNCIA: RUA RAMOS DE AZEVEDO, 13208-430 - JUNDIAÍ - SP 12282-030 - CAÇAPAVA- SP
Nº 284 - APTO 11 CORRESPONDÊNCIA: RUA AGOSTINHO TEL/FAX: (12) 3652-6416
14090-180 - RIBEIRÃO PRETO - SP CAODAGLIO, Nº 40 - JD. ESPLANADA E-MAIL: rosangelafranciscate@terra.com.br
TEL: (16) 9169-2706 13202-230 - JUNDIAÍ - SP
E-MAIL: ricardogpadilha@hotmail.com TEL: (11) 4526-3970 / 4587-5136 / FAX: (11) JAGUARI
4587-5136 EXTRATORA DE AREIA JAGUARI LTDA
ILHA CAROLINA E-MAIL: itabras@terra.com.br MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL DO
PORTO DE AREIA ILHA CAROLINA LTDA MARAMBAIA, S/Nº - FAZENDA BUTA
MINERADORA: BARRANCA DO RIO PARANÁ, S/ ITAGUAÇÚ 12291-440 - CAÇAPAVA - SP
Nº - PORTO EXTRATORA DE MINERAIS ITAGUAÇÚ LTDA CORRESPONDÊNCIA: AV. PROF. JOSE MUNHOZ,
17990-000 - PAULICÉIA - SP MINERADORA: ROD. WASSHINGTON LUIZ, KM 170 317 - JD. MUNHOZ
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 03 - VELOSO 07033-000 - GUARULHOS - SP
17990-970 - PAULICÉIA - SP 12580-000 - ROSEIRA - SP TEL: (11) 2422-0202 / FAX: (11) 2421-8544
TEL: (18) 3876-1376 / FAX: (18) 3876-1362 CORRESPONDÊNCIA: RUA ISAAC FERREIRA E-MAIL: carpam@terra.com.br
E-MAIL: porto.ilhacarolina@gmail.com ENCARNAÇÃO, Nº 300 - JD. PARAÍBA
12570-000 - APARECIDA - SP JBS
TEL: (12) 3105-1582 / 3105-1817 / FAX: (12) EMPRESA MIN. IND. ART. CIMENTO JBS LTDA
IRMÃOS AGUIAR 3105-1817 MINERADORA: ESTRADA MUN. NAGANO, KM
PORTO DE AREIA IRMÃOS AGUIAR LTDA ME E-MAIL: mineraiscontabil@uol.com.br 2 - TABOÃO
MINERADORA: ESTRADA BAURU - PEDERNEIRAS, 08740-000 - MOGI DAS CRUZES - SP
KM 22 ITAPEVA CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 291
17280-000 - PEDERNEIRAS - SP PORTO ITAPEVA LTDA 07400-000 - ARUJÁ - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA JOSÉ DE AZEVEDO MINERADORA: ESTRADA DA FAZENDA TEL: (11) 4612-9268 / FAX: (11) 4612-9268
MARQUES, 1-29 - JD. CONTORNO CONCEIÇÃO, Nº 2539 - PQ. MEIA LUA E-MAIL: lapazini@terra.com.br
17047-110 - BAURU - SP 12300-000 - JACAREI - SP
TEL: (14) 3203-2455 CORRESPONDÊNCIA: RUA PLÍNIO COLAS, Nº 278
? AP. 135/A - LAUZANE PAULISTA
02435-030 - SÃO PAULO - SP
TEL: (11) 9970-2805
E-MAIL: garridolucas@globo.com

Anuário anepac 2011 81


Areia

JCO JUSANTE LUSO


JCO MINERAÇÃO LTDA EPP JUSANTE - MINERAÇÃO E SERVIÇOS PORTO DE AREIA, PEDR. E SAIBRO LUSO LTDA
MINERADORA: ESTRADA MOGI SALESOPOLIS - GEOLÓGICOS LTDA MINERADORA: ESTRADA DO TABOÃO, S/Nº - TABOÃO
ROD. SP 88, KM 75 - ZONA RURAL MINERADORA: MARGEM ESQUERDA DO RIO 08701-000 - MOGI DAS CRUZES - SP
Catálogo de Produtores de Agregados

08.940-000 - BIRITIBA-MIRIM TURVO, S/Nº - DISTRITO DE JURUPEBA CORRESPONDÊNCIA: RUA COM. MATEUS DEREKSE, Nº
CORRESPONDÊNCIA: AV: SIQUEIRA CAMPOS, Nº 15470-000 - PALESTINA - SP 195
232 - SALA 02 - CENTRO CORRESPONDÊNCIA: RUA MAJOR ALVARINO 08570-690 - ITAQUAQUECETUBA - SP
12308-190 - JACAREI - SP SILVA, Nº 587 A - JD. SÔNIA TEL: (11) 4727-2515 / 4727-3476
TEL: (12) 3961-3218 / FAX: (12) 3952-9410 15050-380 - SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP E-MAIL: portoluso@ig.com.br
E-MAIL: mineracaotrevo@gmail.com TEL: (17) 3225-5591 / 3225-9746
E-MAIL: jusantemineração@uol.com.br MARAMBAIA
JOÃO BOSCO MARAMBAIA EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA LTDA
JOÃO BOSCO ANTUNES DE OLIVEIRA ME JUSTO MINERADORA: ESTRADA DA MARAMBAIA, Nº 5825
MINERADORA: AV. ALFREDO SARTORELLI, 650 - JUSTO EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA 12280-000 - CAÇAPAVA - SP
CENTRO MINERADORA: ESTRADA DO LAMBARI, S/Nº CORRESPONDÊNCIA: RUA PROF. BENEDITO REPUBLICANO
18560-000 - IPERÓ - SP 08770-000 - MOGI DAS CRUZES - SP DO BRASIL, Nº 138
CORRESPONDÊNCIA: RUA GERALDO ANTONIO CORRESPONDÊNCIA: RUA CARLOS DE CAMPOS, 12287-160 - CAÇAPAVA - SP
ANDRADE, 650 - VÁRZEA Nº 140 TEL: (12) 3653-2070
18560-000 - IPERÓ - SP 07400-000 - ARUJÁ - SP
TEL: (15) 3266-3621 TEL: (11) 4727-7957 MARCOS ALESSANDRO
E-MAIL: faleterra@terra.com.br; jrdm@fasternet. E-MAIL: portojusto@ig.com.br MARCOS ALESSANDRO DE QUEVEDO
com.br MINERADORA: ESTRADA IPERÓ À TATUI, KM 4 - SAPETUBA
L. PAVAN 18560-970 - IPERÓ - SP
JOÃO FRANCISCO L. PAVAN & CIA LTDA CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 18
JOÃO FRANCISCO - EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE MINERADORA: RUA DA SEREIA, S/Nº - JD. NOVO 18560-000 - IPERÓ - SP
AREIA LTDA HORIZONTE TEL: (15) 3266-1918 / FAX: (15) 3266-1918
MINERADORA: ROD. JOÃO MELLÃO (SP 255), KM 04856-280 - SÃO PAULO - SP E-MAIL: marcosquevedo1@hotmail.com;
218 - ZONA RURAL CORRESPONDÊNCIA: RUA JÚLIA SANTOS PAIVA cquevedo05@hotmail.com
18660-000 - PRATÂNIA - SP RIO, Nº 147 - CAMPO GRANDE
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 3 04679-000 - SÃO PAULO - SP MARIA ROSA
18660-000 - PRATÂNIA - SP TEL: (11) 5526-2923 / 5526-2922 / FAX: (11) MINERAÇÃO MARIA ROSA LTDA
TEL: (14) 3844-7346 5526-2922 MINERADORA: ESTRADA MOGI - SANTA IZABEL, KM 18 -
E-MAIL: palmeiradaserra@hotmail.com E-MAIL: roseli-rf@ig.com.br TABOÃO
08774-350 - MOGI DAS CRUZES - SP
JOÃO MELO LAGEADO CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 1375
JOÃO MELO NETO & CIA LTDA MELIS & LOPES LTDA ME 12308-990 - JACAREÍ - SP
MINERADORA: ROD. SP 247, KM 210 - FAZENDA MINERADORA: RODOVIA RAPOSO TAVARES, KM TEL: (12) 3953-2722
SÃO LUIZ 240 - FAZENDA QUATRO RIOS E-MAIL: porto.brasil@uol.com.br
18620-000 - ANHEMBI - SP 18725-000 - PARANAPANEMA - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA IVAN FLEURY CORRESPONDÊNCIA: RUA DAS AMEIXAS, Nº 20 - MARÍLIA
MEIRELES, 210 - VL. NARCISA DISTR. DE CAMPOS DE HOLAMBRA PORTO DE AREIA MARÍLIA LTDA - ME
17340-000 - BARRA BONITA - SP CAIXA POSTAL 496 MINERADORA: ROD. SP 333, KM 345,5 - ZONA RURAL
TEL/FAX: (14) 3641-9586 18725-000 - PARANAPANEMA - SP 17500-970 - MARÍLIA - SP
E-MAIL: wsdespachante@bol.com.br TE/FAXL: (14) 3769-1511 CORRESPONDÊNCIA: AV. CARLOS GOMES, Nº 167
E-MAIL: quatrorios@uol.com.br 17501-000 - MARÍLIA - SP
JOMANE TEL: (14) 3432-4815
JOMANE PORTO DE AREIA LTDA LUCASAN E-MAIL: leandro_ov@hotmail.com
MINERADORA: AV: JULIANO FERRAZ DE LIMA, 45-62 LUCASAN EXTRAÇÃO E COMÉRCIO LTDA
- ORLA MINERADORA: FAZENDA SERTÃOZINHO, S/Nº - MARIMBONDO
19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP SERTÃOZINHO MARIMBONDO MINERAÇÃO LTDA
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 65 17290-000 - MACATUBA - SP MINERADORA: FAZENDA BARREIRINHA, S/Nº - ZONA RURAL
19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 123 15460-000 - ICEM - SP
TEL: (18) 3281-2600 / FAX: (18) 3281-2600 17280-000 - PEDERNEIRAS - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA SÃO SIMÃO, Nº 175 - JD. SANTA
E-MAIL: jomaneepit@uol.com.br; portojomane@ TEL: (14) 3284-1737 CATARINA
hotmail.com E-MAIL: vendas@pnfl.com.br; lucasan@pnfl. 15080-150 - SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP
com.br TEL: (17) 3227-6825 / 3227-5682 / FAX: (17) 3227-5682
E-MAIL: coagro.rp@ig.com.br /
coagro.rp1@superig.com.br

82 Anuário anepac 2011


MARTINS LARA MINTERCOL MÚLTIPLA
MARTINS LARA & LARA LTDA MINTERCOL MINERAIS, TERRAPLENAGEM E MÚLTIPLA MINERAÇÃO PINDAMONHANGABA
MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL DO JARDIM, CONSTRUÇÕES LTDA LTDA
KM 8 - VISTA ALEGRE MINERADORA: AV: ITAGUAÇÚ, Nº 3.534 - MINERADORA: AV. THEODORICO CAVALCANTE DE
12630-000 - CACHOEIRA PAULISTA - SP ITAGUAÇÚ SOUZA, Nº 645 - LOT. BEIRA RIO
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 52 12570-000 - APARECIDA - SP 12401-120 - PINDAMONHANGABA - SP
12630-000 - CACHOEIRA PAULISTA - SP CORRESPONDÊNCIA: AV: ITAGUAÇÚ, Nº 3.534 - CORRESPONDÊNCIA: EST. MUNICIPAL DO
TEL: (12) 3101-1878 / 3101-1993 / FAX: (12) ITAGUAÇÚ SOCORRO, Nº 1.000 - SOCORRO
3101-1993 12570-000 - APARECIDA - SP 12424-710 - PINDAMONHANGABA - SP
E-MAIL: eduardo_lara@terra.com.br TEL: (12) 3105-1554 TEL: (12) 3642-3442 / FAX: (12) 3642-3442
E-MAIL: bepi.vieira@bol.com.br E-MAIL: multiplamineracao@hotmail.com
MAZIERO
MAZIERO PORTO DE AREIA E TRANSPORTES MOGI GUAÇÚ NASCIMENTO
LTDA MINERAÇÃO MOGI GUAÇÚ LTDA - EPP PAULINO DE OLIVEIRA NASCIMENTO FILHO LTDA
MINERADORA: AV. WALDEMAR PEREIRA DA MINERADORA: FAZENDA SÃO JOSE DO CONCHAL, MINERADORA: AV. IVO MÁRIO ISAAC PIRES, Nº
SILVEIRA, 4-45 - DISTR. INDUSTRIAL I S/Nº - ZONA RURAL 1.200 - BAIRRO DAS PEDRAS
BAURU - SP 13800-970 - MOGI MIRIM - SP 06720-480 - COTIA - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA PADRE NÓBREGA, 7-60 CORRESPONDÊNCIA: RUA VER. DANIEL MANARA, CORRESPONDÊNCIA: AV. IVO MÁRIO ISAAC
- BOA VISTA Nº 591 - PQ. DA IMPRENSA PIRES, Nº 1.200 - BAIRRO DAS PEDRAS
17060-450 - BAURU - SP 13806-344 - MOGI MIRIM - SP 06720-480 - COTIA - SP
TEL: (14) 3234-5646 / 3232-1502 TEL: (19) 3805-3669 / 3805-3670 / FAX: (19) TEL: (11) 4616-8253 / 4616-8445 / FAX: (11)
E-MAIL: mazieropa@hotmail.com 3805-3670 4703-4806
E-MAIL: minareia@ig.com.br E-MAIL: nascimentoagua@hotmail.com
MEIA LUA
MINERAÇÃO MEIA LUA LTDA MONTE ALEGRE NAVEGANTES II
MINERADORA: ROD. PRESIDENTE DUTRA, KM 161 - PORTO DE AREIA MONTE ALEGRE LTDA - EPP MINERAÇÃO NAVEGANTES II LTDA
PARQUE MEIA LUA MINERADORA: ROD. RAPOSO TAVARES, KM 208 MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL DO
123000-000 - JACAREÍ - SP - ENG. ERMILO JAGUARI, Nº 1.300 - RIO ABAIXO
CORRESPONDÊNCIA: RUA FRANZ DE CASTRO 18245-000 - CAMPINA DO MONTE ALEGRE - SP 12334-400 - JACAREI - SP
HOLZWARTH, Nº 57 - SALA 211 - CENTRO CORRESPONDÊNCIA: RUA SÃO PAULO, Nº 1.299 CORRESPONDÊNCIA: ESTRADA MUNICIPAL DO
12327-696 - JACAREÍ - SP - TABOÃO JAGUARI, Nº 1.300 - RIO ABAIXO
TEL: (12) 3951-4818 / FAX: (12) 3951-4818 18135-125 - SÃO ROQUE - SP 12334-400 - JACAREI - SP
E-MAIL: mineracaomeialua@ig.com.br TEL: (15) 3271-7500 TEL: (12) 3953-2732
E-MAIL: portomontealegre@hotmail.com E-MAIL: mineracao.navegantes@terra.com.br
MINERGUITA
MINERGUITA - MINERAÇÃO INDÚSTRIA E MORRO VERMELHO N&R
COMÉRCIO LTDA BENEDITO NOVAES GUIMARÃES N & R EXTRATORA DE AREIA LTDA
MINERADORA: RODOVIA SP 191, KM 6 - GRAMA MINERADORA: AV. PADROEIRA DO BRASIL, S/Nº - MINERADORA: AV: MARECHAL CASTELO
13520-000 - SÃO PEDRO - SP MORRO VERMELHO BRANCO, S/Nº - VILA BANDEIRANTES
CORRESPONDÊNCIA: RUA JOÃO TEIXEIRA DA 12500-000 - GUARATINGUETÁ - SP 12286-580 - CAÇAPAVA - SP
FROTA, Nº 912 - SANTA CRUZ CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 52 CORRESPONDÊNCIA: RUA PROF. BENEDITO REP.
13520-000 - SÃO PEDRO - SP 12630-000 - CACHOEIRA PAULISTA - SP DO BRASIL, Nº 138
TEL: (19) 3483-7738 / FAX: (192) 3481-2377 TEL: (12) 3103-3194 / 3101-1993 / 3101-1878 12287-160 - CAÇAPAVA - SP
E-MAIL: olaria.aranha@hotmail E-MAIL: eduardo_lara@terra.com.br TEL: (12) 3653-2070

MINERPAL MULTIAREIA NOSSA SENHORA


MINERPAL MINERAÇÃO E COMÉRCIO LTDA MULTIAREIA MINERAÇÃO LTDA - ME APARECIDA
MINERADORA: RODOVIA SP 139 - KM 14 - MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL DO MANDU, EMPRESA DE MINERAÇÃO CASTILHO LTDA EPP
ITOPAMIRIM S/Nº - MANDU MINERADORA: RUA TARO MORIMOTO, Nº 3.663 -
11910-000 - SETE BARRAS - SP 12400-000 - PINDAMONHANGABA - SP BEIRA RIO
CORRESPONDÊNCIA: RUA GABRIEL DE BRITO, Nº CORRESPONDÊNCIA: RUA FABIO JOSE BEZERRA, 16920-000 - CASTILHO - SP
47 - JD. DAS BANDEIRAS Nº 1.222 - ERMELINO MATARAZZO CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 26
05411-010 - SÃO PAULO - SP 03805-000 - SÃO PAULO - SP 16920-000 - CASTILHO - SP
TEL: (11) 3871-4788 / 3801-2501 / (13) 3872- TEL: (11) 7836-7192 / 6142-8181 / FAX: (11) TEL/FAX: (18) 3741-1213
8102 / 3872-8092 / FAX: (11) 3801-2501 6142-7887 E-MAIL: atendimento@portodeareia.com
E-MAIL: minerpal@ig.com.br E-MAIL: cesar@aremaster.com.br SITE: www.portodeareia.com

Anuário anepac 2011 83


Areia

NOVA AMÉRICA OURO BRANCO PARAÍSO


NOVA AMÉRICA MINERAÇÃO E COMÉRCIO LTDA MINERAÇÃO OURO BRANCO SALTO DE PIRAPORA PARAÍSO EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA LTDA
MINERADORA: RODOVIA SP 255, KM 280,2 - LTDA MINERADORA: ROD. PEDRO CELETE, Nº 1160 - KM
CHÁCARA MARIA CRISTINA MINERADORA: ESTRADA DA BARRA, KM 6,5 - DA 2 - ATERRADO
Catálogo de Produtores de Agregados

18730-970 - ITAÍ - SP BARRA 12120-000 - TREMEMBÉ - SP


CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 40 18160-000 - SALTO DE PIRAPORA - SP CORRESPONDÊNCIA: ROD. FLORIANO R. PINHEIRO,
18700-970 - AVARÉ - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA PADRE ÂNGELO SOFIA, KM 6
TEL: (14) 3733-2250 Nº 40 - JD. PAULISTANO 12042-000 - TAUBATÉ - SP
E-MAIL: naareia@gmail.com 18160-000 - SALTO DE PIRAPORA - SP TEL: (12) 3686-2461
TEL: (15) 3292-1566 E-MAIL: p.tubarao@uol.com.br
NOVA CACHOEIRA E-MAIL: uilsonromanha@uol.com.br
MINERAÇÃO NOVA CACHOEIRA LTDA PERISSOTTO
MINERADORA: ESTR. ANTIGA LORENA / P. C. LOPES EXTRATIVO DE AREIA PERISSOTTO LTDA ME
CACHOEIRA, KM 5 - VISTA ALEGRE P. C. LOPES ME MINERADORA: SITIO PLANALTO - ZONA RURAL -
12630-000 - CACHOEIRA PAULISTA - SP MINERADORA: FAZENDA DO PINHO, S/Nº - ÁGUA BARRO PRETO
CORRESPONDÊNCIA: AV. PROF. JOSÉ MUNHOZ, DO PINHO 13.625-000 - STA CRUZ DA CONCEIÇÃO - SP
Nº 317 - JD. MUNHOZ 19900-000 - OURINHOS - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA VITÓRIO DE MARCHI, Nº
07033-000 - GUARULHOS - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA ALBERTO ULIANA, Nº 331 - VILA JOEST
TEL: (11) 2421-8544 37 - JD. OURO VERDE 13614-150 - LEME - SP
E-MAIL: carpam@terra.com.br 19906-025 - OURINHOS - SP TEL: (19) 3572-7511 / FAX: (19) 3571-4594
TEL: (14) 3322-4542 / 3324-1335 / FAX: (14) E-MAIL: extrativadeareiaperissotto@yahoo.com.br
NOVA ERA 3324-1335
MINERAÇÃO NOVA ERA LTDA - ME E-MAIL: portopaulista@uol.com.br PINHEIRINHO
MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL POÇO PINHEIRINHO EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA
GRANDE, S/Nº - POÇO GRANDE PAINEIRAS LTDA
12120-000 - TREMEMBÉ - SP PORTO DE AREIA PAINEIRAS LTDA MINERADORA: FAZENDA INDIANI, S/Nº -
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTA, Nº 5 MINERADORA: ESTRADA DO SCHIMIDT, Nº 1000 - PINHEIRINHO
12120-000 - TREMEMBÉ - SP SANTO AMARO 12061-590 - TAUBATÉ - SP
TEL: (12) 3672-4204 / FAX: (12) 3672-4204 04709-000 - SÃO PAULO - SP CORRESPONDÊNCIA: AV. DR. JOSE DE MOURA
E-MAIL: porto.piloto@ig.com.br CORRESPONDÊNCIA: RUA PADRE AZEVEDO, Nº RESENDE, Nº 570 - VERA CRUZ
260 12287-640 - CAÇAPAVA - SP
NOVA ESPERANÇA 02044-120 - SÃO PAULO - SP TEL: (12) 3652-3322 / FAX: (12) 3652-3322
CONEGLIAN & CONEGLIAN AREIA LTDA ME TEL: (11) 5528-4522 E-MAIL: sdelamico@uol.com.br
MINERADORA: CRT 208 B, S/Nº E-MAIL: portopaineiras@terra.com.br
17532-000 - MARÍLIA - SP PIRÂMIDE
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 136 PANORAMA PIRÂMIDE EXTR. E COM. DE AREIA LTDA
17500-970 - MARÍLIA - SP EMPRESA DE MINERAÇÃO PANORAMA LTDA MINERADORA: ESTRADA DO ARAPONGAL, S/Nº -
TEL: (14) 3479-5534 / FAX: (14) 3413-2519 MINERADORA: CHÁCARA NOSSA SENHORA DA ARAPONGAL
E-MAIL: coneglianconeglian@yahoo.com.br APARECIDA, S/Nº - QUINTA DAS IARAS 11900-000 - REGISTRO - SP
17980-000 - PANORAMA - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA SÃO FRANCISCO XAVIER,
OÁSIS CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 90 Nº 129 - CENTRO
OÁSIS MINERAÇÃO DE AREIA LTDA 17980-970 - PANORAMA - SP 11900-000 - REGISTRO - SP
MINERADORA: ROD. PRESIDENTE DUTRA, KM TEL: (18) 3871-1195 TEL: (13) 3821-3069 / 3821-6583 / FAX: (13)
162 - PQ. MEIA LUA E-MAIL: portodeareia@uol.com.br 3821-4829
12335-010 - JACAREI - SP E-MAIL: piramide@areiapiramide.com.br; ricardo.
CORRESPONDÊNCIA: ROD. PRESIDENTE DUTRA, PARAÍBA DO SUL dir@areiapiramide.com.br
KM 162 - PQ. MEIA LUA MINERAÇÃO DE AREIA PARAÍBA DO SUL LTDA
12335-010 - JACAREÍ - SP MINERADORA: RODOVIA FLORIANO RODRIGUES PODE
TEL: (12) 3951-5431 / 3951-4168 / FAX: (12) PINHEIRO, KM 4 - QUIRIRIM ANTONIO M. DINIZ JUNIOR ME
3951-4168 12040-000 - TAUBATÉ - SP MINERADORA: SÍTIO MANGUEIRO GRANDE, S/Nº
E-MAIL: oasismineracao@uol.com.br CORRESPONDÊNCIA: AV. ITÁLIA, Nº 1551 18440-000 - ITABERÁ- SP
(R3 / RUA 9, Nº 425) - INDEPENDDÊNCIA - CORRESPONDÊNCIA: RUA APARÍCIO FERRAZ DE
CONDOMINIO VILLAGE CAMARGO, Nº 47 - JD. SANTA INÊS II
12030-212 - TAUBATÉ - SP 18440-000 - ITABERÁ - SP
TEL: (12) 3686-3603 / 3686-1586 / FAX: (12) TEL: (15) 3562-1759
3686-1586 E-MAIL: itajtmelo@ig.com.br
E-MAIL: mareiapsul@terra.com.br

84 Anuário anepac 2011


PORTAL QUEVEDO E SILVA REGHINE
PORTAL COM. E EXTRAÇÃO DE AREIA E EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA QUEVEDO E SILVA PORTO DE AREIA D. M. REGHINE LTDA EPP
PEDREGULHO LTDA LTDA ME MINERADORA: ESTR. MUNICIPAL BAURU À GUAIANAZ, S/
MINERADORA: MARGEM ESQUERDA DO RIO MINERADORA: VIA MUNICIPAL OLÍVIO TEIXEIRA, Nº - ZONA RURAL
TIETÊ, S/Nº - ZONA RURAL KM 6 - GUAXINGU 17280-000 - PEDERNEIRAS - SP
17160-000 - AREALVA - SP 18270-000 - TATUÍ - SP CORRESPONDÊNCIA: AV. AURELIANO CARDIA, 3-96
CORRESPONDÊNCIA: RUA JOAQUIM PELEGRINA CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 18 17013-410 - BAURU- SP
LOPES, 4-65 - DISTR. INDUSTRIAL 18560-970 - IPERÓ - SP TEL: (14) 3234-2400 / FAX: (14) 3223-2108
17064-851 - BAURU - SP TEL: (15) 3266-1918 E-MAIL: portoreghine@terra.com.br
TEL/FAX: (14) 3878-1500 E-MAIL: dibasicosquevedo@fasternet.com.br
E-MAIL: portalrays@terra.com.br RENASCER
QUIRIRIM MINERAÇÃO RENASCER LTDA
PORTO DAS TELHAS MINERAÇÃO QUIRIRIM LTDA MINERADORA: ESTRADA DO WATANABE, 275 - GOIABEIRA
MINERAÇÃO DE AREIA PORTO DAS TELHAS LTDA MINERADORA: ROD. FLORIANO RODRIGUES 08900-000 - GUARAREMA - SP
MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL BAIRRO PINHEIRO, KM 6 - QUIRIRIM CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL Nº 188
ALBERTINA, S/Nº - ALBERTINA 12042-000 - TAUBATÉ - SP 08900-970 - GUARAREMA - SP
12580-000 - ROSEIRA- SP CORRESPONDÊNCIA: ROD. FLORIANO TEL: (11) 4693-4725 / 4693-2048 / FAX: (11) 4693-4725
CORRESPONDÊNCIA: ROD. FLORIANO RODRIGUES PINHEIRO, KM 6
RODRIGUES PINHEIRO, KM 6 - QUIRIRIM 12042-000 - TAUBATÉ - SP RIBEIRINHA
12042-000 - TAUBATÉ - SP TEL: (12) 3686-2481 / 3686-2461 / FAX: (12) EXTRAÇÃO DE AREIA E PEDREGULHO RIBEIRINHA S/S LTDA
TEL: (12) 3686-2461 / FAX: (12) 3686-2662 3686-2461 MINERADORA: AV. JULIANO FERRAZ LIMA, KM 1,03 - ZONA RURAL
E-MAIL: p.tubarao@uol.com.br E-MAIL: p.tubarao@uol.com.br 19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA IRACEMA CARVALHO DE
PORTO MOGI RANCHO ALEGRE NORONHA, Nº 346 - CENTRO
A. G. DE SOUZA - EPP RANCHO ALEGRE - INDÚSTRIA, COMÉRCIO E 19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP
MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL OBARA, Nº SERVIÇOS LTDA TEL: (18) 3281-4673 / 3281-8250
200 - JUNDIAPEBA MINERADORA: MARGEM ESQUERDA DO RIO E-MAIL: e.ribeirinha@uol.com.br
08750-000 - MOGI DAS CRUZES - SP TIETÊ, S/Nº - RIO TIETÊ
CORRESPONDÊNCIA: RUA DOLORES DE AQUINO, 17350-000 - IGARAÇÚ DO TIETÊ - SP RIBEIRO FILHO
Nº 2083 - JUNDIAPEBA CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 39 PORTO DE AREIA RIBEIRO FILHO LTDA
08750-790 - MOGI DAS CRUZES - SP 17350-000 - IGARAÇÚ DO TIETÊ - SP MINERADORA: AV. DOMINGOS FERREIRA DE MEDEIROS,
TEL: (11) 4727-1288 TEL: (14) 3644-1688 / FAX: (14) 3644-1105 KM 0,5 - DISTR. INDUSTRIAL
E-MAIL: ricardo@terraforte.com.br E-MAIL: rancho.alegre@yahoo.com.br 19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 134
PORTOVALE RAYS 19470-970 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP
PORTOVALE EXTRATORA DE AREIA LTDA AREIA RAYS COM. EXTRAÇÃO E SERVIÇOS LTDA TEL: (18) 3281-2234 / FAX: (18) 3281-2549
MINERADORA: ROD. FLORIANO RODRIGUES MINERADORA: SP 191, KM 169 E-MAIL: manoel_beirario@hotmail.com
PINHEIRO, KM 6 - QUIRIRIM 18603-970 - BOTUCATU - SP
12042-000 - TAUBATÉ - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA RICARDO ZANOTTO, RIGHI
CORRESPONDÊNCIA: ROD. FLORIANO Nº 172 MINERAÇÃO RIGHI LTDA
RODRIGUES PINHEIRO, KM 6 18608-290 - BOTUCATU - SP MINERADORA: FAZENDA CHAPADA DA SERRA, S/Nº
12042-000 - TAUBATÉ - SP TEL: (14) 3815-2333 13515-000 - CHARQUEADA - SP
TEL: (12) 3686-2461 E-MAIL: edu.rays@hotmail.com CORRESPONDÊNCIA: AV. REGINA VICENTINI DIEHL, Nº 250
E-MAIL: p.tubarao@uol.com.br - SANTA LUZIA
REALMIX 13515-000 - CHARQUEADA - SP
QUARTZOLIT REALMIX AGREGADOS MINERAIS LTDA TEL: (19) 3486-1712 / FAX: (19) 3486-1912
SAINT GOBAIN DO BRASIL PROD. IND. E P/ MINERADORA: ROD. PRES. CASTELO BRANCO, E-MAIL: mineracaorighi@terra.com.br
CONSTR. LTDA KM 189 - GLEBA 3
MINERADORA: ESTRADA 10 DA FAZENDA 18590-000 - BOFETE - SP RIO BRANCO
RIBEIRO, S/Nº - SANTO INÁCIO CORRESPONDÊNCIA: RUA ATANÁZIO SOARES, Nº PORTO DE AREIA RIO BRANCO LTDA ME
18590-000 - BOFETE- SP 3.578 - JD. MARIA EUGÊNIA MINERADORA: AV. PREFEITO LUIS LATORRE, 10.400 -
CORRESPONDÊNCIA: VIA DE ACESSO JOÃO DE 18074-385 - SOROCABA- SP ENGORDADOURO
GÓES, 2.127 - JD. ALVORADA TEL/FAX: (15) 3226-1388 13209-430 - JUNDIAÍ - SP
06612-000 - JANDIRA - SP E-MAIL: diretoria@dibloco.com.br CORRESPONDÊNCIA: RUA SENADOR BENTO PEREIRA
TEL: (11) 2196-8056 BUENO, Nº 666 - VL. PROGRESSO
E-MAIL: dimitri.nogueira@saint-gobain.com 13202-240 - JUNDIAÍ- SP
TEL: (11) 4526-3970 / FAX: (11) 4587-5136
E-MAIL: itabras@terra.com.br

Anuário anepac 2011 85


Areia
RIO DO PEIXE SAHARA SANTA CRUZ
MINERAÇÃO RIO DO PEIXE LTDA SAHARA EXTRAÇÃO, COMÉRCIO E TRANSPORTE AREÃO SANTA CRUZ LTDA
MINERADORA: ESTR. MUNICIPAL, S/Nº - DE AREIA LTDA MINERADORA: SÍTIO OURIVES, S/Nº - BAIRRO DOS
CARAPIRANGA MINERADORA: ESTRADA DO JAGUARI, KM 2,5 - GUEDES
11900-00 - REGISTRO - SP RIO ABAIXO 12120-000 - TREMEMBÉ - SP
Catálogo de Produtores de Agregados

CORRESPONDÊNCIA: RUA SÃO FRANCISCO 12334-400 - JACAREÍ - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA EDMUNDO MOREWOOD,
XAVIER, Nº 129 - CENTRO CORRESPONDÊNCIA: RUA AFONSO CÉSAR DE Nº 209 - ESTIVA
11900-000 - REGISTRO - SP SIQUEIRA, Nº 51 - APTO 22 12050-000 - TAUBATÉ - SP
TEL: (13) 3821-3069 / 3821-6583 / FAX: (13) 12243-710 - SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP TEL/FAX: (12) 3674-9298
3821-4829 TEL: (12) 7812-1914 E-MAIL: areao.santacruz@hotmail.com
E-MAIL: piramide@areiapiramide.com.br; ricardo. E-MAIL: evaldopferreira@yahoo.com.br
dir@areiapiramide.com.br SANTA ELIZA
SAITA EXTRAÇÃO DE AREIA SANTA ELIZA LTDA
ROLANDO SAITA & CIA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA MINERADORA: BAIRRO SANTA ELIZA, KM 1 - SANTA
ROLANDO COMÉRCIO E EXTRAÇÃO DE AREIA MINERADORA: SÍTIO SAITA, S/Nº - JURITIS ELIZA
LTDA 16270-000 - GLICÉRIO - SP 11900-000 - SETE BARRAS - SP
MINERADORA: ESTR. MUNICIPAL, S/Nº - PQ. MEIA CORRESPONDÊNCIA: RUA SILVARES, Nº 560-A CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 300
LUA 16201-013 - BIRIGUI - SP 11900-000 - REGISTRO - SP
12315-540 - JACAREI - SP TEL: (18) 3641-9384 - FAX: (18) 3642-3565 TEL: (13) 3872-1345 / 3821-3069 / FAX: (13) 3821-
CORRESPONDÊNCIA: RUA MALEK ASSAD, Nº E-MAIL: portoareia@ig.com.br 4829
2.010 E-MAIL: amavales@uol.com.br
12328-080 - JACAREÍ - SP SALIONI
TEL: (12) 3951-8022 SALIONI - ENGENHARIA, INDÚSTRIA E COMÉRCIO SANTA ISABEL
E-MAIL: jatclas@jatclas.com.br LTDA PEDREIRA SANTA ISABEL LTDA
MINERADORA: AV. JULIANO FERRAZ DE LIMA, KM MINERADORA: RODOVIA ARTHUR MATHEUS, 2371 -
ROMA 1,3 - VL. INDUSTRIAL MORRO GRANDE
MINERAIS ROMA LTDA 19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP 07500-000 - SANTA ISABEL - SP
MINERADORA: ESTR. VELHA ROSEIRA - CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 100 CORRESPONDÊNCIA: RODOVIA ARTHUR MATHEUS,
APARECIDA, KM 2 - VELOSO 19470-000 - PRESIDENTE EPITÁCIO - SP 2371 - MORRO GRANDE
12580-000 - ROSEIRA - SP TEL: (18) 3281-2299 07500-000 - SANTA ISABEL - SP
CORRESPONDÊNCIA: CX. POSTAL 42 E-MAIL: salioni@salioni.com.br TEL: (11) 4656-1099 / FAX: (11) 4656-1099
12580-000 - ROSEIRA - SP E-MAIL: marcos@grupopsi.com.br
TEL: (12) 7812-8843 / FAX: (12) 3104-3247 SALIONI
E-MAIL: mineraisroma@hotmail.com AREIAS SALIONI LTDA SANTA IZABEL
MINERADORA: RODOVIA LINS-SABINO, KM 16 - PORTO DE AREIA SANTA IZABEL LTDA - EPP
ROSA MAR ZONA RURAL MINERADORA: SÍTIO BARRINHA, S/Nº
ROSA MAR EXTR. E COM. DE AREIA LTDA 16400-140 - LINS - SP 18650-000 - SÃO MANUEL - SP
MINERADORA: ESTRADA MARAMBAIA, S/Nº - CORRESPONDÊNCIA: AV. CARLOS TOSIN, Nº 325 CORRESPONDÊNCIA: RUA ANA AMADO, Nº 365 - JD.
MARAMBAIA - SITIO SÃO LEOPOLDO - DISTRITO INDUSTRIAL ZARA
12289-170 - CAÇAPAVA - SP 17512-120 - MARÍLIA - SP 14092-330 - RIBEIRÃO PRETO - SP
CORRESPONDÊNCIA: AV. BANDEIRANTESNDO TEL/FAX: (14) 3425-2323 TEL: (14) 3644-4916 / 3644-2788 / FAX: (14) 3644-
SUL, Nº 969 - VILA MARIA E-MAIL: contato@salioni.com; junior@salioni.com 2788
02165-000 - SÃO PAULO - SP E-MAIL: contabilpicolli@uol.com.br
TEL: (12) 3655-3077 SAN MARCO
SAN MARCO EXTRATORA E COM. DE AREIA LTDA SANTA LUZIA
ROSEIRA MINERADORA: ESTRADA TATUABA, SÍTIO EXTRATORA DE AREIA SANTA LUZIA LTDA
ROSEIRA EXTRAÇÃO E COM. DE AREIA LTDA PITANGUEIRAS II MINERADORA: EUGÊNIO DE MELO FAZ. VILA FRANCA,
MINERADORA: FAZENDA SANTANA, S/Nº - 12043-280 - TAUBATÉ - SP Nº 4214 - EUGÊNIO DE MELO
BARRETINHO CORRESPONDÊNCIA: AV. PROF. ABRAÃO DE 12227-788 - SÃO JOSE DOS CAMPOS - SP
12580-000 - ROSEIRA - SP MORAES, Nº 2077 - SAÚDE CORRESPONDÊNCIA: AV. CIDADE JARDIM, 3.141 -
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 543 - 04123-011 - SÃO PAULO - SP COND. 5ª DAS FLORES - BOSQUE DOS EUCALIPTOS
DISTRITO DE MOREIRA CÉSAR TEL: (12) 3653-3430 / (11) 5077-2877 12233-002 - SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP
12441-970 - PINDAMONHANGABA - SP E-MAIL: santilitoral@yahoo.com.br TEL: (12) 3652-3480
TEL/FAX: (12) 3641-2580 / 3641-1159 E-MAIL: waltertoscano@bol.com.br;
E-MAIL: caco@abareias.com.br waltertoscanojunior@gmail.com

86 Anuário anepac 2011


SANTA ROSA SÃO SEBASTIÃO TEC-MAQ
PEDREIRA SANTA ROSA LTDA COM. E EXTR. DE AREIA E PEDR. SÃO SEBASTIÃO TEC-MAQ TECNOLOGIA EM MINERAÇÃO DE AREIA
MINERADORA: MARGEM DO RIO TIETE, PROX. LTDA DE QUARTZO LTDA
PONTE PAIM PAMPLONA, MINERADORA: RUA NORBERTO FRANCO, Nº 133 MINERADORA: FAZENDA SANTA TEREZINHA II,
14955-000 - BORBOREMA - SP - JD. LORENA KM 84 - BARRA GRANDE
CORRESPONDÊNCIA: CHACARA SANTA ROSA, 11960-000 - ELDORADO - SP 18590-000 - BOFETE- SP
S/N CAIXA POSTAL 2 CORRESPONDÊNCIA: RUA NORBERTO FRANCO, CORRESPONDÊNCIA: RUA MAL. HERMES DA
14955-000 - BORBOREMA - SP Nº 133 - JD. LORENA FONSECA, 314 / 131-B - SANTANA
TEL: (16) 3266-1811 / 3266-1818 / FAX: (16) 11960-000 - ELDORADO - SP 02020-000 - SÃO PAULO- SP
3266-1811 TEL: (13) 3871-1497 / 3871-1498 / FAX (13) TEL/FAX: (11) 3976-3060
E-MAIL: pedreirasrosa@uol.com.br 3871-1498 E-MAIL: radaidone@gmail.com
E-MAIL: saosebastiao@extracaosaosebastiao.
SÃO CARLOS com.br TERCÍLIO
PORTO DE AREIA SÃO CARLOS LTDA - RP TERCÍLIO ANTONIO DALL´AGNOL
MINERADORA: ROD. ARARAQUARA - RIBEIRÃO TABOÃO MINERADORA: ESTRADA FAZENDA CONCEIÇÃO,
PRETO, KM 40 EXTRAÇÃO DE AREIA TABOÃO LTDA Nº 4486 - PQ. MEIA LUA
14830-000 - RINCÃO - SP MINERADORA: EST. TABOÃO À LAMBARI, S/Nº - 12300-970 - JACAREI - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA SGTO. NILSON C. TABOÃO CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 92 - PQ.
RIBEIRO, Nº 231 - CAIXA POSTAL 505 08700-000 - MOGI DAS CRUZES - SP MEIA LUA
14808-015 - ARARAQUARA - SP CORRESPONDÊNCIA: AV. JOÃO BERNARDO DE 12327-970 - JACAREÍ - SP
TEL: (16) 3322-2822 / FAX (16) 3322-2822 MEDEIROS, Nº 615 TEL: (12) 3951-1300
E-MAIL: areiamunhoz@uol.com.br 07197-010 - GUARULHOS - SP E-MAIL: mineracaonavegantes@gmail.com
TEL: (11) 4727-7484 / 4721-3643 / FAX (11)
SÃO DIMAS 4721-3643 TERRADRAGA
PORTO DE AREIA SÃO DIMAS LTDA E-MAIL: portotaboao@uol.com.br TERRADRAGA GUAÇÚ LTDA
MINERADORA: ROD. ARARAQUARA - RIBEIRÃO MINERADORA: ESTRADA CACHOEIRA DE CIMA,
PRETO, KM 57 - FAZ. RAINHA DOS MONTES TAKEO INABA S/Nº
14825-000 - SANTA LÚCIA - SP TAKEO INABA - MINERAÇÃO SANTA TEREZA 13840-970 - MOGI GUAÇÚ - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA SGTO. NILSON C. MINERADORA: ESTRADA MUNICIPAL GUARACI - CORRESPONDÊNCIA: RUA BENEDITO PEREIRA,
RIBEIRO, Nº 231 - CAIXA POSTAL 505 - RIO GRANDE, S/Nº - FAZENDA SANTA GLÓRIA Nº 540 - CAIXA POSTAL 268
14808-015 - ARARAQUARA - SP 15420-000 - GUARACI - SP 13845-971 - MOGI GUAÇÚ - SP
TEL: (16) 3322-2822 CORRESPONDÊNCIA: RUA CASEMIRO CÉZAR, Nº TEL: (19) 3861-6110
E-MAIL: areiamunhoz@uol.com.br 1.087 - CENTRO E-MAIL: terradraga@terra.com.br
15420-000 - GUARACI - SP
SÃO LOURENÇO TEL: (17) 3815-7763 TIETZ
PORTO SÃO LOURENÇO LTDA E-MAIL: takeoinaba@hotmail.com TIETZ EXTRAÇÃO E COM. DE MINÉRIOS LTDA
MINERADORA: RODOVIA JABOTICABAL - MINERADORA: ROD. PIRACICABA -
PRADÓPOLIS - ZONA RURAL TANQUÃ CHARQUEADA SP 308 - KM 16,4
14840-000 - GUARIBA - SP AREIÃO TANQUÃ EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE 13400-000 - PIRACICABA - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA SAMPAIO VIDAL, Nº 223 - MINÉRIOS LTDA CORRESPONDÊNCIA: AV. LIMEIRA, Nº 457 - VL.
CENTRO MINERADORA: RODOVIA SP 191, KM 12 - RESENDE
14840-000 - GUARIBA - SP TANQUÃ 13414-018 - PIRACICABA - SP
TEL: (16) 3251-1132 13520-000 - SÃO PEDRO - SP TEL: (19) 3421-3094
CORRESPONDÊNCIA: RUA DO ROSÁRIO, Nº E-MAIL: edvaldotietz@ig.com.br
SÃO PEDRO 1.682 - APTO 61 - CENTRO
EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE AREIA SÃO PEDRO LTDA 13400-186 - PIRACICABA - SP TOSCANO
MINERADORA: RODOVIA SP 304, S/Nº, KM 197 - TEL: (19) 3302-6401 / FAX: (19) 3486-1623 TOSCANO EXTRATORA DE AREIA LTDA
AEROPORTO E-MAIL: elaine@linksat.com.br; areiaotanqua@ MINERADORA: BAIRRO DA GRAMA, S/Nº
13520-000 - SÃO PEDRO - SP yahoo.com.br 12283-510 - CAÇAPAVA - SP
CORRESPONDÊNCIA: RUA JOAQUIM TEIXEIRA DE CORRESPONDÊNCIA: AV. CIDADE JARDIM,
BARROS, Nº 610 - CENTRO TBK 3.141 - COND. 5ª DAS FLORES - BOSQUE DOS
13520-000 - SÃO PEDRO - SP TBK MINERAÇÃO LTDA EUCALIPTOS
TEL: (19) 3481-1011 / FAX (19) 3481-1011 MINERADORA: ESTRADA FAZENDA RECREIO, S/ 12233-002 - SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP
E-MAIL: portodeareia@speedybrasil.com.br Nº - RECREIO TEL: (12) 3652-3480
13190-000 - MONTE MOR - SP E-MAIL: waltertoscano@bol.com.br
CORRESPONDÊNCIA: RUA JOSÉ MARIA
MIRANDA, Nº 915 - CENTRO - CX. POSTAL 79
13170-970 - SUMARÉ - SP
TEL: (19) 3879-3351
E-MAIL: tbkmineracao@gmail.com

Anuário anepac 2011 87


Areia
TRÊS COROAS UNIÃO VALPA
PORTO E EXTR. DE AREIA TRÊS COROAS LTDA EMPRESA DE MINERAÇÃO UNIÃO LTDA VALPA MINERAÇÃO E TERRAPLANAGEM LTDA
MINERADORA: ESTRADA DO LAMBARI, Nº 1000 MINERADORA: FAZENDA UNIÃO, ZONA RURAL MINERADORA: ESTRADA DO TANQUINHO, Nº
- TABOÃO 14830-000 - RINCÃO - SP 1683 - PQ.IMPERIAL
08770-490 - MOGI DAS CRUZES - SP CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL, Nº 38 12329-054 - JACAREÍ - SP
Catálogo de Produtores de Agregados

CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL Nº 193 14830-000 - RINCÃO - SP CORRESPONDÊNCIA: ESTRADA DO TANQUINHO,


06013-970 - OSASCO - SP TEL: (16) 3395-7272 / 3395-1422 / FAX (16) Nº 1683 - PQ. IMPERIAL
TEL: (11) 4724-8272 / FAX (11) 4724-8272 3395-1422 12329-054 - JACAREÍ - SP
E-MAIL: robertomach@hotmail.com E-MAIL: portouniao@gol.net.br TEL: (12) 3956-1316 / 3956-1986
E-MAIL: valpamineracao@hotmail.com
TRÊS ESTADOS UNIDOS
MINERAÇÃO TRÊS ESTADOS LTDA COMERCIAL DE AREIA UNIDOS LTDA VIEIRA
MINERADORA: ROD. EUCLIDES DA CUNHA, ZONA MINERAÇÃO: RODOVIA ARLINDO BETTIO, S/Nº - AREIAS VIEIRA S/A
RURAL FAZENDA ITAPORÃ III MINERADORA: AV. NOSSA SENHORA DE FATIMA,
15790-000 RUBINÉIA - SP 19274-000 - ROSANA - SP Nº 456 - JD. SANTA MARIA
CORRESPONDÊNCIA: RUA PASCHOAL CORRESPONDÊNCIA: RUA DOURADO, Nº 1194 - 11085-202 - SANTOS - SP
BEVILACQUA, Nº 3.926 - ALTO RIO PRETO CENTRO CORRESPONDÊNCIA: AV. NOSSA SENHORA DE
15020-280 - SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP 19274-000 - PRIMAVERA - SP FATIMA, Nº 456 - JD. SANTA MARIA
TEL: (17) 3661-7276 TEL: (18) 3284-3368 11085-202 - SANTOS - SP
E-MAIL: ferarant@terra.com.br E-MAIL: comercialdeareia@uol.com.br; porto. TEL: (13) 3203-3113
dolago@yahoo.com.br
TREVO VITAL ALVES
MINERAÇÃO TREVO LTDA UNIVERSAL VITAL ALVES PEREIRA & IRMÃOS LTDA
MINERADORA: ROD. GEN. EURYALE DE JESUS UNIVERSAL EXTRAÇÃO E COMÉRCIO DE MINERADORA: SÍTIO PONTILHÃO, S/Nº - FAZENDA
ZERBINI, KM 88 - ITAPEVA MINÉRIOS LTDA SANTA CLARA
12340-010 - JACAREI - SP MINERADORA: ROD. SP 191 - S/Nº - KM 148 - 14230-000 - SERRA AZUL - SP
CORRESPONDÊNCIA: AV: SIQUEIRA CAMPOS, Nº MATÃO CORRESPONDÊNCIA: AV. DEOLINDA ROSA, Nº
232 - SALA 02 - CENTRO 17370-000 - SANTA MARIA DA SERRA - SP 345 - JD. BOA VISTA
12308-190 - JACAREÍ - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA JOAQUIM TEIXEIRA DE 14150-000 - SERRANA - SP
TEL: (12) 3691-1040 BARROS, Nº 610 - CENTRO TEL: (16) 3987-1027
E-MAIL: mineracaotrevo@gmail.com 13520-000 - SÃO PEDRO - SP
TEL: (19) 3481-1011 / FAX (19) 3481-1011 VITERBO
TUBARÃO E-MAIL: portodeareia@speedybrasil.com.br VITERBO MACHADO LUZ MINERAÇÃO LTDA
PORTO DE AREIA TUBARÃO LTDA MINERADORA: AV. PAULO GUILGER REIMBERG, S/
MINERADORA: ROD. FLORIANO RODRIGUES VALE DO BUQUIRA Nº - KM 5 - JD. MARIA FERNANDES
PINHEIRO, KM 6 - QUIRIRIM VALE DO BUQUIRA EXTR. E COM. DE AREIA LTDA 05858-570 - SÃO PAULO - SP
12042-000 - TAUBATÉ - SP MINERADORA: ESTR. BAIRRO DAS PALMEIRAS, CORRESPONDÊNCIA: AV. GUILHERME D.
CORRESPONDÊNCIA: ROD. FLORIANO S/Nº - KM 1 - DISTR.BAIRRO DAS PALMEIRAS VILLARES, Nº 1.230 - 11ª A - CJ. 111 - VL.
RODRIGUES PINHEIRO, KM 6 12180-000 - NATIVIDADE DA SERRA - SP SUZANA
12042-000 - TAUBATÉ - SP CORRESPONDÊNCIA: RUA BERNARDINO DE 05640-002 - SÃO PAULO - SP
TEL: (12) 3686-2461 / 3686-2462 CAMPOS, Nº 161 - CENTRO TEL: (11) 5526-2825 / FAX (11) 5526-2825
E-MAIL: p.tubarao@uol.com.br; marco@ 12250-000 - MONTEIRO LOBATO - SP E-MAIL: minerviterbo@terra.com.br
areiastubarao.com.br TEL: (12) 3942-2438
E-MAIL: airtonauricchio@yahoo.com.br VLADIMIR
UILSON V. DE C. MOISES TREMEMBÉ ME
UILSON ROMANHA E CIA LTDA VALE DO RIO GRANDE MINERADORA: ESTRADA TAUBATÉ CAMPOS DO
MINERADORA: BAIRRO DA CHAPADINHA, S/Nº - MINERAÇÃO DE AREIA VALE DO RIO GRANDE JORDÃO, S/Nº - KM 10 - POÇO GRANDE
CHAPADINHA LTDA 12120-000 - TREMEMBÉ - SP
18206-420 - ITAPETININGA - SP MINERADORA: ROD. ANHANGUERA, S/Nº - KM CORRESPONDÊNCIA: RUA DAS MELISSAS, Nº 62
CORRESPONDÊNCIA: CAIXA POSTAL 37 450 - SANTA HELENA - COND. RESIDENCIAL SANTA
18200-970 - ITAPETININGA - SP 14540-000 - IGARAPAVA - SP HELENA
TEL: (15) 3392-9001 / FAX: (15) 3292-3024 CORRESPONDÊNCIA: ROD. ANHANGUERA, KM 12294-320 - CAÇAPAVA - SP
E-MAIL: cmtrans@uol.com.br; areiaromanha@ 450 - CAIXA POSTAL 17 TEL: (12) 3653-1057
hotmail.com 14540-000 - IGARAPAVA - SP
TEL: (16) 3172-6969 / 3172-6868
E-MAIL: areiavrg@sernet.com.br

88 Anuário anepac 2011


Catálogo de Produtores
de Agregados - BRITA

Anuário Anepac 2011

Patrocinio:
Anuário anepac 2011 89
Brita

AMAZONAS Civil BRITANE


CIVIL INDUSTRIAL E COMERCIAL LTDA BRITANE - BRITAGEM NORDESTE LTDA
EBAM EST DA BASE NAVAL DE ARATU, KM 1,5 - PIRAJÁ Rua Sítio Recreio, 400 – Centro
EBAM – EMP. BRAS. AGREGADOS MINERAIS LTDA CEP 40810-010 - SALVADOR/BA CEP 61880-000 – Itaitinga/CE
Tel/Fax: (85) 3377-1054
Catálogo de Produtores de Agregados

Escritório: Tel.: (71) 3215-8080


Rua 32, 182 – Setor Marista Fax: (71) 3215-6268 E-MAIL: britane@rapix.com.br
CEP: 74150-210 – Goiânia/GO e-mail: gileno@civil.com.br / pedreira@civil.com.br
TEL/FAX: (62) 3541-3747 BRITAP
EMAIL: darantes @amzgold.com.br Parafuso BRITAP – BRITAGEM PONTES LTDA
SITE: www.pedreirabritacet .com.br Pedreiras Parafuso Ltda Escritório
Caixa Postal 3070 CIA RUA TOMAZ RODRIGUES, 79 A - ALDEOTA
Pedreira : CEP 43700-000 - Simões Filho/BA CEP: 60175-080 – FORTALEZA/CE
Pedreira Manaus Tel.: (71) 3396-3603 TEL/FAX: (85) 3265-7200
Escritório: Fax: (71) 3396-3630 E-MAIL: britagem@glogo.com
Fazenda Joel , Sn e-mail: ricardo@pedreirasparafuso.com.br
Caixa Postal 39 Pedreira:
CEP: 69735-000 – Pres. Figueiredo/AM Pedreiras Bahia BR 222 km 26 – Santa Rosa
TEL: (92) 9204-3200 MINERCON – MINERAÇÃO E CONSTRUÇÕES LTDA. CEP 61605-600 – Caucaia/CE
BR 324 SALVADOR / FEIRA SANTANA KM 15
MURUÁ SANTO ANTONIO DO RIO DAS PEDRAS CEBRITA
CONSTRUTORA E MINERADORA MURUÁ LTDA CEP 43700-000 - SIMÕES FILHO/BA CEBRITA – CEARÁ BRITAGEM LTDA
Escritório: Tel.: (71) 3301-7548 /3301-9133/3301-9843 Escritório:
Rua Barão do Triunfo, 427 – cj. 710 Fax: (71) 3301-7055 Av. Des. Moreira, 2001 – 10º an/sl.1005-
CEP: 04602-001 – São Paulo/SP e-mail: gerencia@pedreriasbahia.com.br Aldeota
TEL: (11) 5093-8355 CEP: 60170-001 – Fortaleza/CE
EMAIL: csj@murua.com.br Rio Branco e-mail: antonio_cebrita@yahoo.com
SITE: www.murua .com.br Pedreiras Rio Branco Ltda.
Escritório Manaus: Av. Miguel Pinto de Santana, s/n Pedreira:
Beco União, 36 – Coroado Bairro Nova Esperança RUA JOSÉ BATISTA DA SILVA, 300
CEP: 69080-520 – Manaus/AM Caixa Postal 49 CEP: 61880-000 – ITAITINGA/CE
CEP 44001-970 - Feira de Santana/Ba TEL: (85) 33377-1110 / 3377-1117
Pedreira : Tel./fax.: (75) 3603-7400 FAX: (85) 3377-2099
BR 174 km 140 – Ramal do Canastra km 7 Fax: (75) 3603-7413
CEP: 69735-000 – Presidente Figueiredo/AM e-mail: riobranc@uol.com.br ESTRELA
ESTRELA BRITAGEM PREMOLDADOS LTDA
Bahia Valéria AV. LÍDIA ALVES CAVALCANTE, 2477
Pedreiras Valéria S.A CEP. 61880-000 - ITAITINGA/CE
Aratu RUA TERRA NOVA, S/N KM 14 - BR 324 TEL.: 3377-1008 - FAX: 3377-1413
ARATU MINERAÇÃO CONSTRUÇÃO LTDA. BAIRRO VALÉRIA E-MAIL: estrelabritagem@fortalnet .com.br
Rua Pedreira Aratu, S/N Tel.: (71) 2103-1000
Barragem de Ipitanga Fax: (71) 3301-9129 ITAITINGA
CEP 41410-200 - SALVADOR/BA CEP: 41300-570 - SALVADOR/BA PEDREIRA DE ITAITINGA LTDA
Tel. (71) 2104-2333 e-mail: pedreirasvaleria@pedreirasvaleria.com.br AV. CEL. VIRGÍLIO TÁVORA, 34
Fax (71) 3365-0055 CEP: 61880-000 - ITAITINGA/CE
e-mail: aratu@atarde.com.br TEL.: 3377-1300 / FAX: 3377-1100
CEARÁ EMAIL: stone@secrel.com.br
Carangi
Pedreiras Carangi Ltda BRITACET NATASHA
ESTRADA DO AEROPORTO, KM 10 - Raposo BRITACET – BRITA COM. TRANS. LTDA PEDREIRA NATASHA LTDA.
CEP 41500-690 - SALVADOR/BA Escritório Rua José Batista da Silva, 280
Tel.: (71) 3365-0303 RUA CEL. SÓLON, 290 – FÁTIMA CEP 61880-000 – Itaitinga/CE
Fax: (71) 3365-0260 CEP: 60040-270 – FORTALEZA/CE Tel. (85) 3377-1111 / Fax. (85) 3377-1102
e-mail: ruybds@uol.com.br TEL: (85) 3252-5166 / 3252-4879 e-mail: pedreiranatasha@yahoo.com.br
FAX: (85) 3252-6291
E-MAIL: vendas@pedreirabritacet.com.br NORDBRITA
SITE: www.pedreirabritacet.com.br NORDBRITA – NORDESTE MINERAÇÃO LTDA
Rua Pedro Lourenço, 1100 – Mucunã
Pedreira: CEP: 61900-970 – Maracanaú/CE
OLHO D’ÁGUA DO PITAGUARI, SN Tel/Fax: (85) 3383-2663
CEP 61901-410 – MARACANAU/CE e-mail: nordestemineracao@hotmail.com

90 Anuário anepac 2011


OCS MINERAÇÃO DISTRITO FEDERAL PEDRACON
OCS MINERAÇÃO E EMPREENDIMENTOS LTDA PEDRACON MINERAÇÃO LTDA
AV. MANOEL MAVIGNIER, 4920 KM BRICCAL Rodovia DF 205, km 4
CEP: 61760-000 - SAPIRANGA EUZÉBIO-CE BRICCAL - IND. COM. E MINERAÇÃO LTDA Caixa Postal 7635
CAIXA POSTAL 72041 – Cid. dos Funcionários QD. 25, LT.18 – SETOR INDUSTRIAL – CEP: 73001-970 - SOBRADINHO/DF
CEP: 60822-131 - FORTALEZA/CE TAGUATINGA NORTE TEL.: (61) 8434-9326
TEL.: 3270-1132 / 3270-1134 CEP: 72135-250 – BRASILIA/DF e-mail: pedracon@uol.com.br/ pr.fh@uol.com.br
FAX: 3270-1102 TEL.: (61) 3355-9900/3338-1377
E-MAIL: orlando@ocs .ind.br Fax: (61) 3355-9919/9271-5564 VOTORANTIM
SITE: www.ocs.ind.br e-mail: pedro.rezio@bsb.grupofroylan.com.br/ VOTORANTIM CIMENTOS BRASIL LTDA
froylan.filho@bsb.grupofroylan.com.br RODOVIA DF 150 KM 18 – FERCAL
PEDRALEZA CEP 73001-043 – SOBRADINHO/DF
PEDRALEZA – PEDRA FORTALEZA LTDA BRITA BRASILIA TEL.: (61)2195-9561
Rua Antonio Cavalcante Rangel s/n - Ponta BRITA BRASILIA LTDA E-MAIL: alex.almeida@vcimentos.com.br
da Serra SAI TRECHO 4, LOTE 2.000, SALA 208 - EDIFICIO
CEP: 61880-000 – Itaitinga/CE SALVADOR AVERSA
Tel: (85) 3377-2020 / 3377-2122 CEP: 71.200-040 – BRASÍLIA/DF Espírito Santo
E-mail: comercial@pedraleza.com.br TEL.: (61) 3964-4700/ 3964-4701/ 9988-9888 /
Site: www.pedralezapedreira .com.br 9951-7894 Alvorada
e-mail: moacyr.rabello@gmail.com/ Britador Alvorada Ltda
PYLA mr@asfaltobrasilia.com.br R HUMBERTO LORENZUTTI, S/Nº N S DA PENHA
PYLA PEDREIRA YOLITA LTDA CEP 29110-180 - VILA VELHA/es
BR 222 KM 24 - BOQUEIRÃO DAS ARARAS BRITACAL TEL.: (27) 3229.0233
CAIXA POSTAL 25 Ind. Com. de Brita e Calcário Brasília Ltda. FAX: (27) 3229.0762
CEP: 1600-000 - CAUCAIA-/CE Escritório: E-MAIL: britadoralvorada@veloxmail.com.br
TEL.: 3342-6777 SIA SUL QD.03 LT.335-4º Pavimento-Guará
FAX: 3342-5878 CEP: 71200-030 – BRASÍLIA/DF Brasitália
E-MAIL: ronaldopyla@hotmail.com Tel.: (61)2106-0600-Fax:(61)3234-0974 BRASITÁLIA MINERADORA ESPÍRITO SANTENSE LTDA.
SITE: www.pylapedreira.com.br e-mail: britacal@solar.com.br ROD BR 101 - KM 291 - CONTORNO VITÓRIA, S/Nº ANIL
CEP: 29149-680 - CARIACICA/ES
QUEIRÓZ GALVÃO Pedreira: TEL.: (27) 3336.4349
CONSTRUTORA QUEIRÓZ GALVÃO S/A CEP:73300-000 - Planaltina/DF FAX : (27) 3336.4413
AV. DOM LUIS, 1200 TORRE I - SALA E-MAIL: loreto@concrevit.com.br
1906 - MEIRELES CIPLAN
CEP: 60160-230 - FORTALEZA/CE CIPLAN CIMENTO PLANALTO SA Britamar
TEL: 3215-7100 RODOVIA DF 205 - KM 2,7 Britamar Indústria E Comércio Ltda
FAX: 3215-7170 CEP 73001-970 – SOBRADINHO/DF AV. PADRE JOSÉ DE ANCHIETA, S/Nº
E-MAIL: wsoares@queirozgalvao.com TEL.: (61) 3487-9000 PORTAL DE GUARAPARI
SITE: www.ciplan.com.br Caixa postal 39
TECBRITA CEP 29200-970 - GUARAPARI/ES
TECBRITA – TECNOLOGIA EM BRITAGEM LTDA CONTAGEM TEL.: (27) 3361.3177
Escritório: PEDREIRA CONTAGEM LTDA FAX: (27) 3361.3228
Rua Senador Pompeu, 1645 – Centro Escritório: E-MAIL: britamar@uol.com.br
CEP: 60025-001 – Fortaleza/CE QD. 07, Área Especial, 04 - sala 209
Edifício Multi Shopping Concresul
Pedreira: CEP: 73035-078 - SOBRADINHO/DF Concresul Concreto Sul Ltda
BR 222 km 27 – Guararu TEL.: (61) 3500-0602/ 9260-9511/ 9981-6066 RUA RODRIGO SOARES, S/Nº IBC
CEP 61690-000 – Caucaia/CE e-mail: pedreiracontagem@uol.com.br/ CEP 29312-450 - COLATINA/ES
Tel.: (85) 3455-4000 / Fax. (85) 3226-2701 salviomatos@uol.com.br TEL.: (28) 3521.2360
e-mail: tecbrita@tecbrita.com.br FAX: (28) 3521.2360
Pedreira: E-MAIL concresul@veloxmail.com/
VOTORANTIM Rodovia DF 205, KM 61 algustinho_concresul@veloxmail.com.br
VOTORANTIM CIMENTOS BRASIL LTDA CEP: 73151-010 - SOBRADINHO/DF
A PERIMETRO AYRES DE SOUSA - JAIBARAS
CEP: 62107-000 - SOBRAL/CE Pedra Negra
TEL.: (11) 2184- 7171 PEDREIRA PEDRA NEGRA LTDA
E-MAIL: silene.carvalho@vcimentos.com.br RODOVIA DF 205 KM 04
CEP 73151-010 – SOBRADINHO/DF
TEL.: (61)3483-5036
E-MAIL: alex.almeida@vcimentos.com.br

Anuário anepac 2011 91


Brita

Ibrata ANHANGUERA EMFOL


Ibrata Mineração Ltda PEDREIRAS ANHANGUERA S/A EMPRESA DE MINERAÇÃO FORMOSA LTDA
ROD CONTORNO/BR 101 - KM 274, S/Nº - Av. Perimetral Norte, Gleba 4-A, s/n° Escritório:
CARAPINA Vila João Vaz SIA SUL QD.03 LT.335 - 4º. Pavimento - Guará
Caixa postal 51 CEP: 74445-190 - GOIÂNIA/GO CEP:71200-030 - BRASÍLIA/DF
Catálogo de Produtores de Agregados

CEP 29177.430 - SERRA/ES Tel.: (62) 3586-2922/ 3528-1144/ 9637-2545 Tel.: (61) 2106-0600 - Fax: (61)3234-0974
TEL.: (27) 3228-0503 e-mail: rdxgo@cultura.com.br e-mail: britacal@solar.com.br
FAX: (27) 3328-2769
E-MAIL: carloseduardo@ibratamineracao.com.br ARAGUAIA Pedreira:
PEDREIRA ARAGUAIA LTDA CEP: 73800-000 – FORMOSA/GO
Indaiá Rod BR153, KM 9,5 - Faz sto Antônio -
Pedreira Indaiá Ltda - Me Zona Rural GOIANÉSIA
ROD BR 262 - KM 117,5 - INDAIÁ CEP: 74923-650 - APARECIDA DE GOIÂNIA/GO CALCARIO GOIANÉSIA LTDA.
CEP 29370-000 - CONCEIÇÃO DO CASTELO/ES Tel: (62) 3284-8484/ 9607-2812 Rua 27, 438 - Setor Sul
TEL.: (28) 3546-1644 e-mail: weblank@pedreiraaraguaia.com.br CEP: 76380-000 – GOIANÉSIA/GO
FAX: (28) 3546-6533 Tel.: (62) 3353-1410/ 9299-6978
E-MAIL: pedreiraindaia@ig.com.br BRITACAL e-mail: grupoamaro@grupoamaro.com.br
Ind. Com. de Brita e Calcário Brasília Ltda.
Rydien Escritório: Pedreira:
Rydien Mineração Ind. Comércio Ltda SIA SUL QD.03 LT.335-4º Pavimento - Guará Rodovia GO-080, Km 43, S/Nº - Zona Rural
AV. VITÓRIA RÉGIA, 1260 - JARDIM ASTECA CEP: 71200-030 - BRASÍLIA/DF CEP: 76380-000 – Goianésia/GO
CEP 29104-035 - VILA VELHA/ES Tel.: (61)2106-0600 -Fax:(61)3234-0974 PABX: (62) 3353-1410
TEL.: (27) 3200-4474 e-mail: britacal@solar.com.br
FAX: (27) 3339-0555 GOIAS
E-MAIL: rydien.vix@terra.com.br Pedreira: PEDREIRA GOIAS LTDA
Unidade Cabeceiras Avenida Engenheiro Portela, 152 – Centro
Sobrita Fazenda Brejinho – Zona Rural CEP: 75.024-100 - ANÁPOLIS/GO
Sobrita Indústria S/A CEP: 73300-000 – Cabeceiras/GO Tel/fax: (62) 3324-0616/ 3324-7075/ 8127-8279
ROD. BR 101 NORTE- KM 262 e-mail: nadiapedreiragoias@yahoo.com.br
PARQUE RESIDENCIAL LARANJEIRAS BRITAGO
CEP 29160-000 - SERRA/ES BRITAGO INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA GOIASCAL
TEL.: (27) 3341-1753 Rodovia GO, 060 - KM 42 - Zona Rural GOIASCAL-MINERAÇÃO E CALCÁRIO LTDA.
FAX: (27) 3341-1753 CEP: 75390-000 - SANTA BARBARA DE GOIÁS/GO Rua T-51, 321- Setor Bueno
E-MAIL: sobrita.industrial@terra.com.br Tel/Fax: (62) 9691-1120 CEP: 74510-000 - GOIÂNIA/GO
E-mail: britago@britago.com.br Tel.: (62) 3285-2333- Fax: (62) 3285-7511/
Tervap - Pitanga 8112-1313
Tervap-Pitanga Mineração E Paviment. Ltda BRITAGRAN e-mail: goiascal@terra.com.br/ vitti@grupovitti.com.br
AV. MIGUEL JOSÉ, S/Nº - PITANGA BRITAGRAN – BRITAS E AREIAS DE GRANITOS
CEP 29176-160 - SERRA/ES Rodovia GO 222, KM06 - Zona Rural GOYAS BRITAS
TEL.: (27) 3341-1235 CEP:75470-000 - NOVA VENEZA/GO GOYAS BRITAS LTDA
FAX: (27) 3341-0676 Tel.: (62) 9679-7356 Pedreira:
E-MAIL: projetos@incospal.com.br E-mail: financeiro@britagran.com.br Rodovia GO 210, Km 2,5 - Zona Rural
CEP: 75.580-000 - PANAMA/GO
BRITENG
GOIÁS BRITENG BRITAGEM E CONSTRUÇÕES LTDA correspondência:
Pedreira: Avenida Washington Luis, 1.937 – Centro
ANÁPOLIS Est Velha p/ Bela Vista, KM 9,5 – Zona Rural CEP: 65.490-000 - EDÉIA/GO
PEDREIRA ANÁPOLIS LTDA CEP: 74900-000 - APARECIDA DE GOIANIA/GO Caixa Postal 20
Rod GO 437, KM 05 Faz Extrema – zona rural Tel/fax: (64) 3492-1342/ 3479-1220/ 3495-1037/
CEP: 75.045-190 - ANÁPOLIS/GO CORRESPONDENCIA: 3492-1318/ 3479-1233/ 3479-1220/ 9983-5184
Tel.: (62) 3316-1444 Caixa Postal 22.814 - Jardim da Luz
e-mail: weblank@pedreiraaraguaia.com.br / CEP: 74850-970 - GOIÂNIA/GO ITAUNA
eduardo@pedreiraaraguaia.com.br Tel.: (62) 3532-1188/8129-2300 PEDREIRA ITAUNA LTDA
Tel.: (19) 3806-5022/8187-2397 Rodovia BR 153, KM 20 – Zona Rural
e-mail: alberto.roxo@pedreirabriteng.com.br/ CEP: 74.980-970 - APARECIDA DE GOIÂNIA/GO
rh@pedreirabriteng.com.br Tel: (62) 3094-2222/ 9299-1161
e-mail: briteng@uol.com.br / e-mail: itauna@pedreiraitauna.com.br
diretoria@simosso.com.br

92 Anuário anepac 2011


IZAIRA RIO CLARO GRANORTE
PEDREIRA IZAIRA IND. COM. LTDA PEDREIRA RIO CLARO LTDA Granorte Mineração S/A
Est Velha p/ Bela Vista, KM 0,4 - Zona Rural Av. Said Abdala, 197 - Jardim Rio Claro Escritório:
CEP: 74850-970 - APARECIDA DE GOIÂNIA/GO Caixa Postal 405 Rua Rio Branco, 248
CEP: 75800-000 - JATAÍ/GO CEP: 65020-490 – São Luis/MA
Correspondência: Tel.: (64) 3632-1900/ 3632-6797/ 9988-9363 Tel: (98) 3261-9000
Caixa Postal 22.809 e-mail: pedril@brturbo.com.br/ Fax: (98) 3261-9001
CEP: 74850-970 – GOIÂNIA/GO khaliltumpedril@brturbo.com e-mail: granorte@granorte.ind.br
Tel: (62) 3284-8000/ 9972-3765/ 8118-2222
e-mail: izaira@topnet.com.br/ flaviorassi@gmail.com RIO VERDE Pedreira:
PEDREIRA RIO VERDE LTDA BR 135 km 43 – Periz de Baixo
JANDÁIA SGCZ SUL, LOTE 02 - SOF SUL CEP: 65103-000 – Bacabeira/MA
JANDÁIA CALCÁRIO LTDA. CEP: 71.215-100 - BRASÍLIA/DF Tel/Fax: (98) 3262-0125
Rua 07, 206 - Setor Oeste Tel/fax: (61) 3503-3434/ 9943-1190 e-mail: expedição@granorte.ind.br
CEP: 74110-090 – GOIÂNIA/GO e-mail: bmsilva@bmsilva.com.br
Tel/fax: (62) 3212-3645/ 3212-1565/ 9973-4487 SERVENG
e-mail: jandaiacalcario@terra.com.br Pedreira Serveng -Civilsan S/A Emp Assoc de Eng
CEP: 72975-000 - Cocalzinho de Goiás/GO Escritório:
JARAGUA Rua Deputado Vicente Penido, 255 - Vila Maria
PEDREIRA JARAGUA LTDA SANTANA CEP: 02064-120 - São Paulo /SP
Rua 27, 438 - Setor Sul SANTANA MINERAÇÃO LTDA Tel.: (11) 2142-3000 / 2142-3083
CEP: 76380-000 – GOIANÉSIA/GO Rua Claudiano Rocha, 90 – Centro Fax: (11) 2142-3070 / 2142-3015
Tel.: (62) 3353-1410/ 9299-6978 CEP: 73801-640 - FORMOSA/GO
e-mail: grupoamaro@grupoamaro.com.br Tel/fax: (61) 3631-1784/ 9961-9144/ 9978-0762 Pedreira:
e-mail: elmomabadio@hotmail.com Pedreira São Luis
Pedreira: Estrada Vicinal do Itamirim, s/nº - Itamirim
Rod GO - 427, Km 10 – Itaguaru - Zona Rural SANTA TEREZA CEP: 65100-000 - Rosário/MA
CEP: 76330-000 – Jaraguá/GO CALCÁRIO SANTA TEREZA LTDA. Tel.: (98) 3345-2735
PABX: (62) 3353-1410 Rod GO 241 - Km 17
CEP: 76470-000 - FORMOSO DE GOIÁS/GO
MONTIVIDIU Tel/fax : (62) 3377-6285 MATO GROSSO DO SUL
MINERAÇÃO DE CALCÁRIO MONTIVIDIU LTDA e-mail: calcariost@brturbo.com.br
Escritório: São Luiz
Rua 17A, 623 – St. Aeroporto SÃO JOSÉ Construtora Industrial São Luiz S/A.
CEP: 74070-100 - GOIÂNIA/GO BRITAGEM SÃO JOSÉ LTDA Escritório:
Tel: (62) 4006-8787 – Fax: (62) 3229-0188 Avenida Anhanguera, 191 – Setor Oeste Rua Piraí, 301 - Jardim Aeroporto
e-mail: daniloreis@montividiu.com.br Caixa Postal 175 CEP 79103-240 - Campo Grande/MS
CEP: 75500-000 - SANTA BARBARA/GO Tel.: (67) 3363 2250 / 3383 3661 /
Pedreira: Tel/fax: (64) 3431-8599/ 3559-1010 / 9999-5763 3363 2059 / 3363 1992
CEP: 76230-000 – Piranhas/GO Fax: (67) 3363 1101
SUCAL
PIRECAL SUCAL MINERAÇÃO LTDA Pedreira:
PIRECAL PIRENOPOLIS CALCARIO LTDA Av Dep Manuel da Costa lima, 926 – Centro Rodovia BR 262, Km 04 - Fazenda Sapé
Avenida Goiás, 195 – Centro CEP: 75800-000 - JATAÍ/GO CEP: 79103 -000 - Campo Grande/MS
CEP: 76380-000 - GOIANÉSIA/GO Tel: (64) 3632-1565 Tel.: (67) 3363 1380
Tel/fax: (62) 3353-3400/ 3353-5282/ 9969-7639 e-mail: postosucal@jatainet.com.br E-mail: saoluiz@vsp.com.br/
e-mail: pirecal@cultura.com.br jair-mendonca@uol.com.br

PIRINEUS MARANHÃO Votorantim


MINERAÇÃO PIRINEUS LTDA. Votorantim Cimentos Brasil Ltda
Escritório: ANHANGUERA ESTRADA CG 040 KM 3 - ZONA RURAL
Rua 134, 104 - Setor Sul Pedreiras Anhanguera S/A Emp. de Min. CEP 79002-970 - Campo Grande/MS
CEP:74120 -170 -GOIÂNIA/GO Escritório: tel.: (67) 3365-6969
Tel: (62)3214-3000 - Fax: (62) 3215-4157 Rua Dom José de Barros, 152 -8º Andar e-mail: elian.nogueira@vcimentos.com.br
e-mail: raimundoviana_34@hotmail.com/ CEP 01038-902 - São Paulo /SP
nilobgomes@hotmail.com/ Tel.: (011) 3231-2733 / Fax: (011) 3259-6450
domingos45@hotmail.com E-mail: diretoria@pedreiraanhanguera.com.br

Pedreira: Pedreira:
Rod BR-414-Km 90 – Zona Rural Povoado Mojo, s/nº
CEP: 72975-000 – COCALZINHO DE GOIÁS/GO CEP: 65110-000 – Rosário/MA
Tel.: (98) 9143-5915
Anuário anepac 2011 93
Brita

Votorantim Boscardin Demétrio Rocha


Votorantim Cimentos Brasil Ltda Pedreiras Boscardin Ltda Demétrio Rocha & Cia Ltda
escritório: escritório: escritório
AVENIDA RIO BRANCO - CORUMBÁ Rua Nicolau Gravina, 01 Rua Tenente Djalma Dutra, 175/185
CEP 79304-900 - Corumbá/MS CEP: 80000-000 - Curitiba/pr CEP: 83.005-360 - São José dos Pinhais/PR
Catálogo de Produtores de Agregados

tel.: (67) 3624-2200 Tel.:(41) 3374-3735 / 3272-8732 Tel.: (41) 3635-1411 / 9997-9490 / 9973-1637
e-mail: alex.almeida@vcimentos.com.br e-mail: boscardin@onda.com.br e-mail saojosedospinhais@yahoo.com

Pedreira: mineração mineração


RODOVIA BR 262 KM 407 - ZONA RURAL Rua Principal, s/n Estrada das Gamelas s/n - Colônia Murici
CEP 79300-010 - Corumbá/MS CEP: 83420-000 - Piraquara/pr CEP: 83.185-000 - São José dos Pinhais/PR
tel.: (67) 3231-5704 Tel.: (41) 3673-2330 Tel.: (41) 3635-1411 / 9997-9490/ 9973-1637
e-mail: alex.almeida@vcimentos.com.br E-MAIL boscardin@onda.com.br
Estrutural
BRITABRASIL Construtora Estrutural Ltda
MINAS GERAIS ESCRITÓRIO escritório
TEL.: (41) 3569-2570/9693-9822 Rua Minas de Prata, 30 - Vila Olímpia
central beton E-MAIL: leonidesdreveck@bol.com.br CEP: 04552-080 - São Paulo/SP
central beton ltda. Tel.: (19) 3707-6600 / 3245-2444
Anel Rod. BR 262 – km 15, 15.040 Cal Rio Grande
Alto Caiçara Indústria de Cal Rio Grande Ltda mineração
CEP: 30750-920 - Belo Horizonte/MG Rodovia dos Minérios, Km 19 Estrada da Cantareira, 1.727
Tel.: (31) 3419-8400 / 3419-8446 CAIXA POSTAL 21 CAIXA POSTAL 10
CEP: 83.513-000 - Almirante Tamandaré/pr CEP: 83.420-000 - Quatro Barras/PR
SBC Tel.: (41) 3672-1321 / 3672-2232
SBC - Serviços Brasileiro de Construção Catedral
Avenida Emilio Patrocínio Nogueira nº 608 PEDREIRA CATEDRAL LTDA Expressa
CEP 37443-000 - Baependi/MG ESCRITÓRIO: Pedreira Expressa Ltda
Tel.: (35) 3343-2360 RUA BRAZ IZELI, 501 C.I.M. escritório / mineração
e-mail: josegeraldopelucio@sbcpierres.com.br CEP: 87070-772 - MARINGÁ/PR Rod. Celso Garcia Cid, Pr-455, km 364
TEL.: (44) 3028-5070 / 9973-3019 CAIXA POSTAL 8012
Votorantim cep: 86057-000 - Londrina/PR
Votorantim Cimentos Brasil Ltda MINERAÇÃO: Tel.: (43) 3343-3030 / 9139-7183
ACAMPAMENTO RODOVIA MG 050 - TABOCA EST CARAN Á, LOTE 71 - E-1, KM 11 e-mail: pedreiraexpressa@yahoo.com.br
cep 37975-000 - Itau de Minas/mg GLEBA RIBEIRÃO AQUIDABAN
Tel.: (61)9974 5137 CEP: 86990-000 - MARIALVA/PR Extracon
e-mail: alex.almeida@vcimentos.com.br TEL.: (44) 9973-7295 / 3014-5070 Extracon – Mineração e Obras Ltda
Estrada Carlos Borges, s/n
Central Km 06 – lote 55 – Z.Rural
PARANÁ PEDREIRA CENTRAL LTDA CAIXA POSTAL 866
ESCRITÓRIO: CEP: 87060-000 - Maringá/PR
Boa Esperança RODOVIA BR-376, 5300 Tel.: (44) 3259-2266 / 8407-9872
SAIBREIRA BOA ESPERANÇA LTDA CEP: 83015-000 – SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR
ESCRITÓRIO: TEL.: 43-33821244/3283-1993 Inecol
AL. BOA ESPERANÇA, 1224 E-MAIL marc.construtora@uol.com.br Inecol – Ind. Com. Pedras Britadas Ltda
CX. POSTAL 373 ESCRITÓRIO
83005-970 – SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR MINERAÇÃO Rua Brigadeiro Franco, 3.049
TEL.: (41)3634-1188/8407-4974 RODOVIA BR – 277, S/N - KM 7,5 CEP 80.250-030 - Curitiba/pr
CEP: 83600-000 - CAMPO LARGO/PR Tel: (41) 3322-8583 / 9928-9327
MINERAÇÃO: TEL.: (41) 3372-2634 E-MAIL: tecnicoandraus@ig.com.br
ESTRADA VELHA DE JOINVILE, KM 5
CEP: 83185-000 - SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR mineração
TEL.: (41)3634-1204/9972-4868 Rodovia Br – 277, s/nº Km 8,5
CEP 83600-970 - Campo Largo/pr
Tel.: (41) 3649-1888
E-MAIL: inecol@ig.com.br

94 Anuário anepac 2011


Guarapuava Itambé SANTANA
Pedreira Guarapuava Ltda Pedreira Itambé Ltda ESCRITÓRIO
Rod. Pr.-170, km 08 mineração Itambé SAIBREIRA SANTANA LTDA .
CAIXA POSTAL 355 Tel: (44) 3025-9824 / 3025-9810 / 8808-8948 AVENIDA RUI BARBOSA, 9140, 1º ANDAR
CEP 85.020-510 - Guarapuava/PR CEP: 83.005-340 - SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR
Tel.: (42) 3623-4292/9977-1380 Marc TEL.: (41) 3382-3860/3382-6789
e-mail: pedreira - guarapuava@almix.com.br Marc – Construtora de Obras Ltda E-MAIL: saibreirajofi.santana@gmail.com
Rod. Br-376, 5.300
Guaravera CEP: 83.015-000 - São José dos Pinhais/PR MINERAÇÃO
Pedreira Guaravera Ltda Tel.: (41) 3382-1244 / 3283-1993 EST. ARCINDO CLAUDINO BARBOSA S/N – AGARAU
Rod Pr. 445 km 37 - Sítio Perobal - Guaravera EMAIL: marc.construtora@uol.com.br CEP: 83181-000 – SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR
cep 86044-000 - Londrina/Pr TEL.: (41) 3382-6787/ 3282/ 3157
Tel.: (43) 3399-3891 MRM
e-mail: pedreiraguaravera@hotmail.com MRM – Mineração Ltda São Jorge
Rod. Br-376, km 650 PEDREIRA SÃO JORGE LTDA
Hobi CEP: 83005-970 - São José dos Pinhais/PR ESCRITÓRIO
PEDREIRA HOBI LTDA Tel.: (41) 3634-1314 / 3634-1314 RUA MONSENHOR ALOIZIO DOMANSKI, 143
ESCRITÓRIO CEP 83601-200 - CAMPO LARGO/PR
AUTO VIA JOÃO PAULO REOLON , 2.105 Nova Prata TEL.: (41)3392-3270
CAIXA POSTAL 1.038 Saibreira Nova Prata Ltda
CEP 83900-000 - UNIÃO DA VITÓRIA/PR Rod Cel Elísio Pereira A. Filho/Pr-508 km 16 MINERAÇÃO
TEL.: (42) 3522-1983 CAIXA POSTAL 687 RODOVIA BR – 277 - KM 128
E-MAIL: pedreira@grupohobi.com.br cep: 83203-970 - Paranaguá/pr CAIXA POSTAL 12
Tel.: (41) 9978-3644 / 9972-1239 CEP: 83650-000 - BALSA NOVA /PR
MINERAÇÃO TEL.: (41) 3631-1101
RODOVIA BR-158, KM 547 Prisma
CEP: 83900-000 - UNIÃO DA VITÓRIA/PR Prisma – Const. Terrap. Pav. Ltda São Tomé
TEL.: (47) 3623-5244 Est Mun Alm Tamandaré Colombo, s/nº Pedreira São Tomé Ltda
Mata Dentro Estrada Indianópolis, s/n - Gleba Jacatia
HOBI MINERAÇÃO CAIXA POSTAL 21 CEP: 87220-000 - São Tome/PR
HOBI MINERAÇÃO TRANS EPP CEP: 83513-000 - Almirante Tamandaré/pr tel.: (44) 3631-3316 / 3637-2979 / 9961-5408
LOCALIDADE DA DIVISA S/N Tel.: (41)3657-1396
CAIXA POSTAL 1038 Serra da Prata
CEP 83900-000 - UNIÃO DA VITÓRIA/PR Rio do Meio Construtora Serra da Prata Ltda
TEL.: (46) 3225-0303 PEDREIRA RIO DO MEIO LTDA escritório
E-MAIL: rodrigohobi@yahoo.com.br ESCRITÓRIO Avenida Paraná, 4.540 - sl. 06
RUA BRIGADEIRO FRANCO , 3.049 CEP: 82.620-360 - Curitiba/pr
Ica CEP: 80250-030 - CURITIBA/PR Tel.: (41) 3256-0310 / 3236-2117
Pedreira Ica Ltda TEL.: (41)3322-8583 E-MAIL: csprata@serradaprata.com.br
Rua Clotário Portugal, S/N – Água do Tupi E-MAIL: inecol@ig.com.br
CAIXA POSTAL 199 mineração
CEP: 86.200-000 - Ibiporã/PR MINERAÇÃO Estrada do Encanamento, S/N - Ribeirão
Tel.: (43) 3258-4458 ESTRADA DA GRACIOSA ,18.800 CEP: 83203-970 - Paranaguá/pr
CEP: 83420-000 - QUATRO BARAS /PR E-MAIL: csprata@serradaprata.com.br
Ingá TEL.: (41) 9112-2037 / 9232-8879
Pedreira Ingá Ltda Stone
escritório ROÇA GRANDE Stone – Com. de Pav. e Industria Ltda
Av. Nildo Ribeiro da Rocha, 468 PEDREIRA ROÇA GRANDE LTDA escritório
CAIXA POSTAL 651 ESCRITÓRIO Rua Carlos Pioli, 88
CEP: 87053-330 - Maringá/PR RUA JOÃO NEGRÃO, 2226 CEP: 80520-170 - Curitiba/PR
Tel.: (44) 3227-3344 / 9972-8582 CEP: 80230-150 – CURITIBA/PR Tel.: (41) 3352-2345 / 3252-1383
e-mail: pedreirainga@wnet.com.br TEL.: (41) 3330-4700/ 3332-4755 e-mail: eron@construtoraempo.com.br

mineração MINERAÇÃO mineração


Estrada Borba Gato, km4 TEL.: (41) 3621-3772 Estrada da Colônia Malhada
CEP: 87015-470 - Maringá/PR CEP: 83.185-000 - São José dos Pinhais/PR
Tel.: (44) 3259-1919 / 9972-8582 Tel.: (41) 3384-2244 / 3384-2244
e-mail: pedreirainga@wnet.com.br e-mail: saojosedospinhais@yahoo.com

Anuário anepac 2011 95


Brita
TIBAGI CISPEL JUNDIÁ
TIBAGI – MINERAÇÃO LTDA CISPEL EMPRESA DE MINERAÇÃO LTDA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PEDRAS JUNDIÁ LTDA
ESCRITORIO AV. CARLOS ERMELINDO MARINS, 71 / JURUJUBA ESTRADA DA IMBOASSICA, S/Nº / IMBOASSICA
AVENIDA IGUAÇU CEP: 24370-190 – NITERÓI/RJ CEP: 27920-340 - MACAÉ/RJ
CEP: 80230-020 - CURITIBA/PR TEL.: (21) 2710-9797 TEL.: (22) 2773-6522
Catálogo de Produtores de Agregados

TEL.: (41) 3232-4711 FAX: (21) 2702-6677 FAX: (22) 2773-6443


E-MAIL: cispelnit@terra.com.br E-MAIL: jundia@pedreirajundia.com.br
MINERAÇÃO
ROD. BR 376, KM 65 CONCRETRAN LAFARGE
CEP: 83005-970 – SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR CONCRETRAN S/A (LAFARGE) LAFARGE BRASIL S/A
TEL.: (41) 3634-1314 PRAÇA PROFESSOR SÃO PAULO, 30 / INHAÚMA PRAÇA PROFESSOR SÃO PAULO, 30 / INHAUMA
CEP: 20766-550 - RIO DE JANEIRO/RJ CEP: 20766-560 - RIO DE JANEIRO/RJ
Votorantim TEL.: (21) 2591-4145/ 2573-81153 TEL.: (21) 2573-8109
Votorantim Cimentos Brasil Ltda FAX: (21) 3868-1480
estrada rio branco cerro azul - itacuri SITE: www.lafarge.com.br MDC
CEP: 83540-000 - rio branco do sul/PR MDC AGREGADOS LTDA
tel.: (41) 2126-1254 CONVÉM AV. SANTOS REIS S/Nº / IMBARIE
e-mail: jose.leandro@vcimentos.com.br CONVÉM MINERAÇÃO LTDA CEP: 25266-970 - CX. POSTAL 94944 - DUQUE
ROD. BR 464 - KM 14 / SANTA DALILA DE CAXIAS/RJ
CEP: 25900-000 - MAGÉ/RJ TEL.: (21) 3666-6828 FAX: (21) 2787-6249
PERNAMBUCO TEL.: (21) 2647-5190/ 2647-5195 E-MAIL: mdc@britta.com.br
FAX: (21) 2647-5190
Guarany E-MAIL: convem@convemmineracao.com.br PEDRINCO
Guarany PEDRINCO S/A - PEDREIRA E INDÚSTRIA
Guarany Siderurgia e Mineração S/A EMASA DE CONCRETO
Engenho Comporta s/n - Prazeres EMASA MINERAÇÃO S/A RUA MARIA DUQUES ESTRADA LAGINESTRA,
CEP :54345-625 – Jaboatão dos Guararapes /PE AV. SANTA CRUZ, 7.333 / SENADOR CAMARÁ 900 / OLARIA
Tel.: (81) 3476-2344 CEP: 21830-008 - RIO DE JANEIRO/RJ CEP: 28625-230 - NOVA FRIBURGO/RJ
e-mail: pguarany@hotlink.com.br TEL.: (21) 2404-0355 TEL.: (22) 2522-5672
FAX: (21) 2404-1123 FAX: (22) 2522-5672
E-MAIL: contato@emasamineracao.com.br E-MAIL: pedrinco@pedrinco.com.br
RIO DE JANEIRO SITE: www.emasamineracao.com.br SITE: www.netflash.com.br/pedrinco

A 21 FLAPA pombal
A 21 MINERAÇÃO LTDA FLAPA MINERAÇÃO E INCORPORAÇÃO LTDA. VALLE SUL PAVIMENTAÇÃO E MINERAÇÃO LTDA.
GLEBA DO PAU CHEIROSO / SANTA ALICE ESTRADA DO CARRETÃO Nº 20 / SÃO MIGUEL ROD PRESIDENTE DUTRA, KM 284 / POMBAL
CEP: 23890-000 - SEROPÉDICA/RJ CEP: 26460-970 - CX. POSTAL 78305 – JAPERI/RJ CEP: 27365-000 - BARRA MANSA/RJ
TEL.: (21) 9640-1693 E-MAIL: flaparj@hotmail.com TEL.: (24) 3323-3346 / 3323-0059
E-MAIL: dante.mendes@vcimentos.com.br FAX: (24) 3323-2804
grama E-MAIL: pedreirapombal@gmail.com
ANHANGUERA VALLE SUL CONSTRUTORA E MINERADORA LTDA.
PEDREIRA ANHANGUERA S/A RODOVIA RJ 155, KM 4 / SERRA D’AGUA SANTA LUZIA
PEDREIRA: CEP: 23900-000 - ANGRA DOS REIS/RJ MINERAÇÃO SANTA LUZIA DE ITAGUAÍ LTDA
RUA CHERENTE, 340 / INHAUMA TEL.: (24) 3367-7373 / 3367-7224 ESTRADA ALBERTINA ALVES GOMES S/Nº /
CEP: 20766-590 - RIO DE JANEIRO/RJ E-MAIL: grama@vallesul.com.br IBITUPORANGA
TEL.: (21) 2597-2542 CEP: 23800-000 - ITAGUAÍ/RJ
HOLCIM TEL.: (21) 2687-4911 / 2687-4907
PEDREIRA: HOLCIM BRASIL S/A FAX: (21) 2687-4916
ESTRADA DA CARIOCA, 201 / B. DO ROCHA ESTRADA RIO TERESÓPOLIS S/N KM 18 / SURUI E-MAIL: pedrastluzia@hotmail.com
CEP: 24420-340 - SÃO GONÇALO/RJ CEP: 25900-000 - MAGE/RJ
TEL.: (21) 2724-4020 TEL.: (21) 3632-2858 SÃO PEDRO
E-MAIL: sandra.bomfim@holcim.com PEDREIRA SÃO PEDRO LTDA
CARIOCA ESTRADA SÃO JOSÉ, 17 – CERAMICA
PEDREIRA CARIOCA LTDA IBRATA CEP: 26030-650 - NOVA IGUAÇU/RJ
RUA MAJOR JANUÁRIO RIBEIRO, 368 / IBRATA MINERAÇÃO LTDA. TEL.: (21) 2667-3649 / 2667-9408
LINDO PARQUE ESTRADA DOS BANDEIRANTES, 13.840 / FAX: (21) 2667-3649
CEP: 24420-330 - SÃO GONÇALO/RJ CURICICA
TEL.: (21) 2712-0877 CEP: 22786-112 - RIO DE JANEIRO/RJ
FAX: (21) 3707-8681 TEL.: (21) 2442-2000 / 2442-2520
E-MAIL: pedreiracarioca@uol.com.br E-MAIL: ibrata@ibratamineracao.com.br

96 Anuário anepac 2011


SÃO SEBASTIÃO Basel Caxiense
PEDREIRA SÃO SEBASTIÃO LTDA Basel Basalto Serrano Ltda Pedreira Caxiense Ltda
RUA SEBASTIÃO FERREIRA DE ALMEIDA, 458 / Rod RS 324, s/n km 38 - Povoado Migliavacca Vila Maestra, 1500 - Barragem da Maestra
VILA IZABEL Caixa Postal 15 Caixa Postal 9010
CEP: 25815-220 - TRÊS RIOS/RJ CEP: 99260-000 - Casca/RS CEP: 95020-970 - Caxias do Sul/RS
TEL.: (24) 2255-6707 Tel/Fax (54) 3477-1335 / 3477-1511 Tel/Fax (54) 3289-3200 / 3504-2559
FAX: (24) 2255-6672 e-mail: basel@adylnet.com.br e-mail: fagundes@fagundes.com
E-MAIL: argamil@grupomil.com.br site: www.fagundes.com
Brasília Guaíba
SEPETIBA Brasília Guaíba Obras Públicas S/A Chemello
PEDREIRA SEPETIBA LTDA (LLX LOGISTICA S/A) Av. Independência, 1299 / 502 - Centro Indústria de Britas Chemello Ltda
RUA FELIX LOPES COELHO, 222 / ILHA DA MADEIRA CEP: 90035-077 - Porto Alegre/RS BR 116, Km 123 s/n° - Distr. Pedras Brancas
CEP: 23821-390 - ITAGUAÍ/RJ Tel/Fax (51) 3311-3622 / 3311-3601 CEP: 95190-000 - São Marcos/RS
TEL.: (21) 2688-2309 / 2688-2603 / 2688-3591 e-mail: brasilia@brasiliaguaiba.com.br Tel/Fax (54) 3280-1060 / 3280-1139
FAX: (21) 2688-7195 Site: www.brasiliaguaiba.com.br e-mail: ibchem@terra.com.br/
SITE: www.llx.com.br ibc.chemello@terra.com.br
BRIPAC
SPAR BRIPAC - Construção e Serviços Ltda Concresul
MINERAÇÃO SPAR LTDA Av Flores da Cunha, 1184 / 302 - Centro Concresul Britagem Ltda
ESTRADA AMARAL PEIXOTO, KM 13 / INOÃ CEP: 99500-000 - Carazinho/RS Rua Celeste Magagnin, 133 - Vila Nova
CEP: 24910-000 - MARICÁ/RJ Tel/Fax (54) 3329-6104/9981-1549/3329-6139 Caixa Postal 456
TEL.: (21) 2636-5346 / 2636-5192 e-mail: bripac@razaoinfo.com.br CEP: 95700-000 - Bento Gonçalves/RS
FAX: (21) 2636-5346 Tel/Fax (54) 2105-3355
E-MAIL: spar@riospar.com.br BRIPAVE e-mail: concresul@concresul.com.br
SITE: www.riospar.com.br BRIPAVE - Extração de Pedras Ltda Site: www.concresul.com
Estrada Conceição S. do Funil, s/n° - Funil
VIGNÉ Caixa Postal 02 CONPASUL
PEDREIRA VIGNÉ LTDA CEP: 95630-000 - Parobé/RS CONPASUL CONSTRUÇÃO E SERVIÇOS LTDA
AV. ABÍLIO AUGUSTO TÁVORA, 1.061 / CENTRO Tel/Fax (51) 3598-7996 Linha Santa Rita, s/n°
CEP: 26265-090 - NOVA IGUAÇU/RJ e-mail: bripave@bripave.com.br Caixa Postal 107
TEL.: (21) 2667-4100 CEP: 95880-000 - Estrela/RS
FAX: (21) 2667-1902 Britanato Tel/Fax (51) 3712-2033 / 3720-2701
E-MAIL: vigne@pedreiravigne.com.br Construtora Britanato Ltda e-mail: conpasul@conpasul.com.br
SITE: www.pedreiravigne.com.br Rodovia BR 472, Km 166 - Suburbios (Imbaá) Site: www.conpasul.com.br
CEP: 97500-970 - Uruguaiana/RS
VOLTA REDONDA Tel/Fax (55) 3411-1133/ 3411-1187 Construbrás
PEDREIRA VOLTA REDONDA LTDA e-mail: areeiravitoria@pavanato.com.br Construbrás Const. de Obras Rodov. Ltda
AV. AERO CLUB, 319 - SALA 103 / AERO CLUB Rua Paulo Dall Oglio, 1031 / 04 - Centro
CEP: 27283-010 - VOLTA REDONDA/RJ Britaforte CEP: 99560-000 - Sarandi/RS
TEL.: (24) 3346-3042 / 3342-3248 Britaforte e Comércio de Brita Ltda Tel/Fax (54) 3361-3307
FAX: (24) 3346-4947 Rua João Stella, 137 - Centro e-mail: construbras@construbras-rs.com.br
E-MAIL: voltaredonda@almeidaefilho.com.br CEP: 95305-000 - Ibiraiaras/RS Site: www.construbras-rs.com.br
Tel/Fax (54) 3355-1362/3355-1268/3355-1288
e-mail: brita.forte@bol.com.br Dall’Aqua
Rio Grande do Sul Dall'Aqua Ind e Com de Ladrilhos Ltda
Capilheira Rua Padre Gay, s/n° - Mons. Wolski
A. G. Penna Pedreira Capilheira Ltda Caixa Postal 61
A. G. Penna Construção e Saneamento Ltda BR 158, Km 5 CEP: 97800-000 - São Luiz Gonzaga/RS
RS 239, 707 - Operário CEP: 97575-320 - Santana do Livramento/RS Tel/Fax (55) 3352-4205
CEP: 93352-000 - Novo Hamburgo/RS Tel/Fax (55) 3243-1799 e-mail: britadallaqua@terra.com.br
Tel/Fax: (51) 3598-1280 e-mail: elias@iccila.com.br
e-mail: pavicon@pavicon.com.br Diamante Negro
Carpenedo Pedreira Diamante Negro Ltda
Andreetta Carpenedo & Cia Ltda Rua Valêncio Manuel Floriano, 1571
Andreetta & Cia Ltda Rua Palmeira, 345 - Centro Vila São João
Linha São Bras s/nº - Distrito Passo Fundo CEP: 98900-000 - Santa Rosa/RS CEP: 95560-000 - Torres/RS
Caixa Postal 108 Tel/Fax (55) 3512-5400 / 3512-5820 Tel/Fax (51) 3605-2444
CEP: 99010-000 - Passo Fundo/RS e-mail: ccl@ccl-rs.com.br e-mail: pedreiradiamantenegro@ibest.com.br
Tel/Fax: (54) 3315-5688/ 2107-1000
e-mail: comercial@andreetta.com.br
Site: www.andreetta.com.br

Anuário anepac 2011 97


Brita

DELLA PASQUA Henrique J. Tomazelli Minassul


Della Pasqua Engenharia e Construções Ltda. Henrique J. Tomazelli e Cia Minassul - Ind e Com de Britas Ltda
Rua. Gal. Agostini, 78 - Vila alegria Rua Garibaldi, 517 - Centro Caravaggio, s/n° - 1° Distrito
CEP: 97001-400 - Santa Maria/RS Caixa Postal 323 CEP: 95180-000 - Farroupilha/RS
Catálogo de Produtores de Agregados

Tel/Fax (55) 3028-0122 / 3211-2102 CEP: 95670-000 - Gramado/RS Tel/Fax (54) 3268-0311 / 3260-5020
e-mail: dpasqua@dpasqua.com.br Tel/Fax (54) 3295-3006/ 3281-8120 e-mail: minassul.farroupilha@hotmail.com
e-mail: britastomazelli@yahoo.com.br
Eldorado NERVO
Eldorado Mineração Ltda INCOPEL Nervo Indústria e Comércio de Britas Ltda.
Estrada Monte Alegre Km 4,4 - Bom Retiro INCOPEL - Ind e Com de Pedras Ltda BR 285 Gruta Água Santa, s/nº – Interior
CEP: 92990-000 - Eldorado do Sul/RS BR 116, Km 232 s/n° São Sepé /RS
Tel/Fax: (51) 4063-6616/ 4063-6617 Caixa Postal 20 CEP: 99965-000
e-mail: eldorado@eldoradom.com.br CEP: 93900-000 - Estância Velha/RS Telefones: (54)3348-1148 / (54)3348-1279
Site: www.eldoradom.com.br Tel/Fax (51) 3563-1187 E-mail: nervobritas@netvisual.com.br
e-mail: incopel@ incopelpedras.com.br
EXPOPEDRAS Ouro Preto
Expopedras - Extração, Indústria e IvaM C. Paim Brita Ouro Preto Ltda
Comércio de Pedras Ltda. IvaM C. Paim & Cia Ltda Rua Ramiro Barcelos, 1349
RST 470, km 56 – Triângulo, BR 285, Km 340, 1020 - Zona Industrial Caixa Postal 324
Carlos Barbosa / RS CEP: 98700-000 - Ijuí/RS CEP 96810-050 - Santa Cruz do Sul/RS
CEP: 95185-000 Tel/Fax (55) 3332-9888 Tel/Fax (51) 3713-3533
Tel.: (54) 3461-1488 e-mail: sandro@pedreirapaim.com.br e-mail: brita@britaouropreto.com.br
E-mail: construtoradalmas@lottinet.com.br
J. A. Paduense
Fabrita J. A. Extração de Basalto Ltda Britagem Paduense Ltda
Fabrita Mineração Ltda Linha 19, s/n° Travessa Mutzel, s/nº - Interior
RST 470, Km 11 s/n° - Linha Alencastro CEP: 99260-000 - Casca/RS CEP: 95275-000 - Nova Pádua/RS
Caixa Postal 253 Tel/Fax (54) 3477-1335 Tel/Fax (54) 3296-1180
CEP: 95180-000 - Farroupilha/RS e-mail: basel@adylnet.com.br E-mail: marber@vscomp.com.br
Tel/Fax (54) 3261-1588 / 3268-2293
e-mail: fabrita@fabrita.com.br J. A. Silveira PAVITER
J. A. Silveira Paviter Comércio de Pavimentações e
Florense Av. Presidente João Goulart, 7415 Terraplanagem Ltda. Incluir
Mineração Florense Ltda CEP: 96040-000 - Pelotas/RS Rua Artur Milani, 177, Ipiranga
RS 122, Km 93, s/n° - Travessa Garibaldi Tel/Fax (53) 3271-9600 Frederico Westphalen / RS
Bairro Pérola e-mail: email@jasilveira.com.br CEP: 98400-000
Caixa Postal 209 (tirar caixa postal) Tel: (55) 3744-4422
CEP: 95270-000 - Flores da Cunha/RS Johrmann E-mail: paviter@fredon.com.br
Tel/Fax: (54) 3292-3032 Johrmann Min e Terraplenagem Ltda
e-mail: mineracaoflorense@mineracaoflorense.com.br Rua Dos Andradas, 829 Paulo Roberto Tomazelli
Mascarenhas de Moraes Pedreira Paulo Roberto Tomazelli Ltda
Griebeler CEP: 97510-431 - Uruguaiana/RS Rua Batista Luzardo, 382 - Centro
Pedreira Griebeler Ltda Tel/Fax (55)3412-5504/ 3411-6301/ 0800 880 5050 CEP: 95680-000 - Canela/RS
Rua Helmoch Schmidt, 320 - Centro Tel/Fax (54) 3282-6925 / 3378-5875
CEP: 97900-000 - Cerro Largo/RS Mario Natal Poletti
Tel/Fax: (55) 3359-1862 Mario Natal Poletti - ME Pedraccon
e-mail: sandrag.moscon@gmail.com Rua Marechal Floriano, 170 - Centro Pedraccon Mineração Ltda
CEP: 95970-000 - Muçum/RS Av. A. J. Renner, 2333 - Humaitá
Guerra Tel/Fax: (51) 3755-8141/ 3755-1308 CEP: 90250-000 - Porto Alegre/RS
Pedreira Guerra Ltda e-mail: btm@futurusnet.com.br Tel/Fax (51) 3375-8383
Av. Rio Branco, 1765 - Rio Branco E-MAIL: contato@zandona.com.br
CEP: 95096-000 - Caxias do Sul/RS Migbritas
Tel/Fax (54) 3226-2160 / 3226-1266 Migbritas - Ind e Com de Britas Ltda Pinhal
e-mail: pedreiraguerrars@brturbo.com.br Monsenhor Scalabrini, 530 - Centro Brita Pinhal
CEP: 99200-000 - Guaporé/RS Estrada Morro do Baú, s/n°
Tel/Fax (54) 3443-6692 / 3443-1900 CEP: 97185-000 - Itaara/RS
e-mail: mig.britas@terra.com.br Tel/Fax (55) 3227-1414 / 3227-1430
e-mail: financeiro@britapinhal.com.br

98 Anuário anepac 2011


Planterra RODOPLAN Simonaggio
Planterra Pavimentações Ltda Rodoplan Engenharia e Construções Ltda Simonaggio & Cia Ltda
Rodovia RS 344, 4001 - Sulino – Britasul Rua Alencar Araripe, s/n° - Simonaggio
CEP: 98900-000 - Santa Rosa/RS BR 116 Km 10,5 – Zona Rural CEP: 95720-000 - Garibaldi/RS
Tel/Fax (55) 3512-6644 / 3512-2533 Vacaria / RS Tel/Fax (54) 3462-1727
e-mail: planterra@brturbo.com.br CEP: 95200-000 e-mail: simonaggioecia@simonaggioecia.com.br
Tel: (54) 3218-1210
Ricci E-mail: rodoplan@rodoplanengenharia.com.br Sol Nascente
Ricci e Cia Ltda Pedreira e Britagem Sol Nascente Ltda
Av. Pres Vargas, 4455 - São Cristóvão São Joaquim Rua Germano Girotto, 845 - Linha Amarílio
CEP: 99064-000 - Passo Fundo/RS Pedreira São Joaquim Ltda CEP: 95250-000 - Antônio Prado/RS
Tel/Fax (54) 3315-1822 / 3315-1044 Estrada Mun. Teobaldo L. Machado, s/n° Tel/Fax (54) 3293-2836 / 3293-1962
e-mail: riccipedras@via-rs.net Barro Vermelho e-mail: britasolnascente@ibest.com.br
Caixa Postal 051
Rio Bonito CEP: 95500-000 - Sto Antônio da Patrulha/RS Soledade
Britagem Rio Bonito Ltda Tel/Fax: (51) 3409-3088/ 3409-3191 Britagem Soledade Ltda
BR 116, Km 232,5 - Travessão e-mail: comercial@pedreirasaojoaquim.com.br Estrada Campelo, s/nº - Via Rincão Araça
CEP: 93950-000 - Dois Irmãos/RS Site: www.gruposaojoaquim.com.br Campos dos Barcelos
Tel/Fax (51) 3563-7338 / 3563-1507 CEP: 99300-000 - Soledade/RS
e-mail: rh@britagemriobonito.com.br Tel/Fax: (54) 3218-1210/ 3381-3162
e-mail: britagem@britagemsoledade.com.br

Anuário anepac 2011 99


Brita

Sultepa VEPLAN BRITABAL


Sultepa - Materias e Construções Ltda VEPLAN - M. Schmidt & Cia Ltda BRITABAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA
BR 116, Km 232, s/n° RST 287, Km 80,5 RUA SÃO PEDRO, 3167, E – ENG° BRAUN
CEP: 93600-000 - Estância Velha/RS CEP 95800-000 - Venâncio Aires/RS CEP: 89803-400 - CHAPECÓ/SC
Catálogo de Produtores de Agregados

Tel/Fax: (51) 3561-3130 Tel/Fax (51) 3741-1229 TEL.: (49) 3361-4100


e-mail: sultepa@sultepa.com.br e-mail: projeta@viavale.com.br E-MAIL: britabal@concrebal.com.br

Tabille VILA RICA BRITADOR OLIVEIRA


Pedreira Tabille Ltda Pedreira Vila Rica Ltda. BRITADOR OLIVEIRA LTDA
Rua do Comércio, 856 - Centro Tel.: (51) 3657-1280 / (51) 3 657-1281 RUA JORGE LACERDA, 944 – CENTRO
CEP: 98700-000 - Ijuí/RS BR386 - Tabai Canoas KM 415, Vendinha CEP: 89930-000 - SÃO JOSÉ DO CEDRO/SC
Tel/Fax (55) 3332-8222 Montenegro / RS TEL.: (49) 3643-0990 / (49) 9127-6922 /
e-mail: tabilleltda@brturbo.com.br (49) 3643-0051
Zilli E-MAIL: britador_oliveira@hotmail.com/
Tio Hugo Brita Zilli Ltda charlesoliveira@hotmail.com
Britagem Tio Hugo ltda RS 324, Km 8
Rodovia RS 153, Km 39 Caixa Postal 27 BRITALAJE
CEP: 99345-000 - Tio Hugo/RS CEP 95320-000 - Nova Prata/RS BRITALAJE PEDREIRA E PRÉ-MOLDADOS LTDA
Tel/Fax (54) 3338-9096/ 3314-1258 Tel/Fax (54) 3242-1574 / 3242-2358 ROD SC 468, KM 94 – ÁREA INDUSTRIAL
e-mail: bth@dgnet.com.br CEP: 89990-000 - SÃO LOURENÇO DO OESTE/SC
Zilli lajes TEL.: (49) 3444-1100 / (49) 3344-1162
Três de Maio Zilli Lajes de Basalto Ltda E-MAIL: britalaje@yahoo.com.br
Pedras Basalto Três de Maio ltda Presidente Vargas, 2160 - São Cristovão
Av. Santa Rosa, 637 - Centro CEP 95320-000 - Nova Prata /RS BRITAPAR
Caixa Postal 40 Tel/Fax (54) 3242-1856 / 3242-1811 BRITAPAR BRITAGEM E APARELHAMENTO DE
CEP: 98910-000 - Três de Maio/RS e-mail: tiago.zilli@zillibritagem.com.br PEDRAS LTDA
Tel/Fax (55) 3535-1322 ROD BR 116, KM 53 – CENTRO
CEP: 89370-000 - PAPANDUVA/SC
Triunfense Santa Catarina TEL.: (47) 3653-2326
Pedreira Triunfense Ltda E-MAIL: britapar@yahoo.com.br
BR - 1º Distrito de Pesqueiro ATERPLAN
CEP: 95780-000 - Montenegro/RS Aterplan Serviços e Construções Ltda BRITAPLAN
Tel/Fax (51) 3632-2706 / 3632-3758 Rod SC 453, Km 39 – Dez de Novembro Britaplan Britagem Planalto Ltda
89580-000 - Fraiburgo/SC ROD. RS 116 KM 253 - ACESSO SUL
TecnoviaBrasil TEL.: (49) 3246-3166 CAIXA POSTAL 958
TecnoviaBrasil Soc de Empreitadas S/A e-mail: comercial@aterplan.com.br CEP 88514-400 - LAGES/SC
Rua Nunes Machado, 13 - Azenha TEL.: (49) 3226-0167
CEP: 90130-080 - Porto Alegre/RS BARRACÃO FAX: (49) 3226-0030
Tel/Fax (51) 3223-9414 BRITAGEM BARRACÃO E-MAIL: britaplan@yahoo.com.br
e-mail: tecnovia@terra.com.br RUA JOSÉ MELATON, 655 – BARRACÃO
CEP: 89110-000 - GASPAR/SC BRITAXAN
Toniolo Busnello TEL.: (47) 3332-8119 BRITAXAN BRITADEIRA LTDA
Toniolo Busnello S/A E-MAIL: britagembarracao@terra.com.br RUA NEREU RAMOS, 49
Estrada do Socorro, 555 - Caixa Postal 10 CEP: 89820-970 - XANXERÊ/SC
CEP: 93180-000 - Portão/RS BILHAR TEL.: (49) 3433-2903
Tel/Fax: (51) 3562-3322/3021-2120 BRITAGEM BILHAR LTDA FAX: (49) 3433-2566
e-mail: tbsa@tbsa.com.br CAIXA POSTAL 574 E-MAIL: britaxan@hotmail.com
Site: www.tbsa.com.br CEP: 89807-160 - CHAPECÓ/SC
TEL.: (49) 3328-0121 BRITTER
VACARIA E-MAIL: aderbalfzb@yahoo.com.br/ BRITTER LTDA
Pedreira Vacaria – Geraldo Andreola & Cia britagembilhar@yahoo.com.br ACESSO PLÍNIO ARLINDO DE NES, 2505-D, SALA B
Ltda CEP: 89805-290 - AGUA SANTA – CHAPECÓ/SC
BR 116 Km 43 - Saída para Campestre TEL.: (49) 3331-0000 / (49) 3361-9800
CEP: 95200-000 - Vacaria / RS E-MAIL: britter@britter.com.br
Tel.: (54) 3231-2234
E-mail: andreola1@hotmail.com

100 Anuário anepac 2011


BONALDO FRAGOSOS KLOTZ
BRITAGEM BONALDO LTDA PORTO DE AREIA FRAGOSOS LTDA PEDREIRA KLOTZ
RUA JOSÉ BONALDO, 410, CAIXA POSTAL 348, RUA ALFREDO ZIPPERER, 218 - PQ RES MARISTA RUA TRÊS BARRAS, nº 610
SALA 01 – FARROUPILHA CAIXA POSTAL 394 CAIXA POSTAL 11
CAIXA POSTAL 348 CEP: 89290-000 - SÃO BENTO DO SUL/SC CEP: 89650-000 - TREZE TÍLIAS/SC
CEP: 89560-000 - VIDEIRA/SC TEL.: (47) 3632-9665 / 36350225 TEL.: (49) 3537-0043
TEL.: (49) 3566-0265 E-MAIL: comercial@britadorfragosos.com.br FAX: (49) 3537-0188
E-MAIL: britagembonaldo@yahoo.com.br E-MAIL: pedreiraklotz@yahoo.com.br
GASPAR
MINEROCHA BRITAGEM GASPAR LTDA KNAPP
MINEROCHA CATARINENSE LTDA ROD BR 470 KM 45 N 9961 - BELCHIOR BAIXO BRITADOR KNAPP LTDA
SC 302 ESTRADA PARA CLUBE DOS 25 - KM 06 CEP: 89110-000 - GASPAR/SC AV. BRASIL, 1300 – CENTRO
CEP: 89159-000 - CAÇADOR/SC TEL.: (47) 3397-2440 CEP: 89887-000 - PALMITOS/SC
TEL.: (49) 3563-3388 E-MAIL: b.gaspar@terra.com.br TEL.: (49) 3647-0540 / (49) 3647-0578 /
FAX: (49) 3563-1833 (49) 3647-0085
E-MAIL: minerocha@provinet.com.br INFRASUL E-MAIL: britadorknapp@yahoo.com.br
INFRAESTRUTURA E EMPREENDIMENTOS LTDA
CEDRO EUGÊNIO MOREIRA, 187 – ANITA GARIBALDI LASCA MINERAÇÃO
CEDRO ENG COM E MINERAÇÃO LTDA CEP: 89202-100 - JOINVILLE/SC LASCA MINERAÇÃO E CONSTRUÇÕES LTDA
R DOMINGOS ANDRÉ ZANINI, 277 - SL 1016 - 10 AND TEL.: (47) 3492-0027 / 3028-0100 AVENIDA VINTE E UM DE JUNHO
CEP: 88117-200 - SÃO JOSÉ/SC E-MAIL: hamilton@infrasul.com.br CAIXA POSTAL 156
TEL.: (48) 3029-3200 CEP: 88780-000 - PAES LEME - IMBITUBA/SC
FAX: (48) 3029-3204 JANTSCH TEL.: (48) 3356-0291
E-MAIL: cedro@cedroecm.com.br PRESTADORA DE SERVIÇOS JANTSCH LTDA E-MAIL: lascamineracao@terra.com.br
AV. GUSTAVO FETTER, 2777, SALA 02 – CENTRO
Consbrita CEP: 89899-000 - IPORÃ DO OESTE/SC LM
Consbrita Ltda TEL.: (49) 3634-1302 MINERAÇÃO LM LTDA
Rua Salvador Inácio Pereira, 417, São José E-MAIL: jantschmc@smo.com.br RODOVIA DOS MÓVEIS, 2039 – SALA 2 ANEXO AO
CEP: 89520-000 - Curitibanos/SC POSTO ROTA 16 - MATO PRETO
tel.: (49) 3245-1004 JOAÇABA CEP: 89285-145 - BENTO DO SUL/SC
e-mail: consbrita@brturbo.com.br PEDREIRA JOAÇABA LTDA TEL.: (47) 3626-2872
RUA TIROLESA, 600 E-MAIL: marcos@netosbs.com/
CERB CAIXA POSTAL 562 maelisabeth@hotmail.com
CERB CONST E EXPL ROCHAS BRITAGEM LTDA CEP: 89600-000 - JOAÇABA - SC
RUA RIO MAMORÉ, 1888 RIO PEQUENO, S/N TEL.: (49) 3522-0849 MARAVILHA
CAIXA POSTAL 2144 FAX: (49) 3522-2093 FORNECEDORA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO
CEP: 88340-000 - CAMBORIÚ/SC E-MAIL: pedreirajoacaba@hotmail.com MARAVILHA LTDA
TEL.: (47) 3361-9940 AV. SETE DE SETEMBRO, 333 – CENTRO – MARAVILHA/
E-MAIL: cerb@san.psi.br KERBER SC
KERBER MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA CEP: 89874-000
CUBATÃO ROD. SC 283 KM 07 TEL.: (49) 3664-0037
CUBATÃO DRAGAGENS LTDA CAIXA POSTAL 232 E-MAIL: decocontrucao@hotmail.com
EST D. FRANCISCA KM 13, 11.100 - PIRABEIRABA CEP: 89700-000 - CONCÓRDIA/SC
CEP: 89239-270 - JOINVILLE/SC TEL.: (49) 3442-9060 MORRO GRANDE
TEL.: (47) 3424-6277 E-MAIL: regina@kerbermix.com.br/ PEDRAS MORRO GRANDE LTDA
FAX: (47) 3424-6266 magda@kerbermix.com.br ROD BR 101, KM 74 – MORRO GRANDE
E-MAIL: cubataodragagens@ig.com.br / CEP: 89245-000 - ARAQUARI/SC
usiconcompras@ig.com.br KERBER & CIA TEL.: (47) 3447-0062 / (47) 3446-0012
KERBER & CIA LTDA E-MAIL: pedrasmorrogrande@terra.com.br
FALCHETTI BAIRRO RIO DA AREIA S/N
PAVIMENTAÇÃO CONSTRUÇÃO FALCHETTI LTDA CAIXA POSTAL 268 OURO PRETO
AV.GETÚLIO VARGAS, 2593 CEP: 89400-000 - PORTO UNIÃO/SC OURO PRETO MINERAÇÃO LTDA
CEP: 88704-300 - TUBARÃO/SC TEL.: (42) 3522-3844 / 3522-4933 RUA VALE DO SELKE GRANDE, 1180
TEL.: (48) 3626-5333 / 3626-5335 E-MAIL: rodrigohobi@yahoo.com.br/ CAIXA POSTAL 155
E-MAIL: falchetti@falchetti.com.br adrianahobi@waw.com.br CEP: 89107-000 - POMERODE/SC
TEL.: (47) 3387-6169
E-MAIL: carla@opbeton.com.br

Anuário anepac 2011 101


Brita

PLANATERRA VANDERLEI MATERIAIS


PLANATERRA – TERRAPLENAGEM E PAVIMENTAÇÃO SÃO DOMINGOS DE CONSTRUÇÃO
LTDA BRITADOR SÃO DOMINGOS LTDA VANDERLEI MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA
RUA BLUMENAU, 20-D LINHA SÃO BRAZ – INTERIOR RUA DR. MARURI, 1160 – CENTRO
CEP: 89835-000 - SÃO DOMINGOS/SC
Catálogo de Produtores de Agregados

CEP: 89805-430 - LÍDER – CHAPECÓ/SC CEP: 89700-000 - CONCÓRDIA / SC


TEL.: (49) 3323-1924 TEL.: (49) 3443-1303 TEL.: (49) 3442-4599
E-MAIL: ptageraldo@planaterra.com.br E-MAIL: britador.sd@hotmail.com E-MAIL: vandemateriais@oi.com.br

POUSO REDONDO SETEP VANZ


MINERAÇÃO POUSO REDONDO LTDA SETEP CONSTRUÇÕES LTDA BRITAGEM VANZ LTDA
ROD BR 470, KM 192 S/Nº - SERRA DO ILHÉU RUA FRANCISCO MATINHAGO, 258 – PRÓX. MORRO ROD. BR 303, KM 70
CEP: 89172-000 - POUSO REDONDO/SC DA TV – MINA DO MATO CEP: 89560-000 - VIDEIRA/SC
TEL.: (47) 3545-1012/ 3591-9606 CEP: 88810-500 - CRICIÚMA/SC TEL.: (49) 3566-1409
E-MAIL: britaboa@ig.com.br/ TEL.: (48) 2102-5100 / 9947-1922 FAX: (49) 3566-0966
adm@lzkconstrutora.com.br E-MAIL: setep@setep.com.br E-MAIL: bv@netmaster.ins.br/
britagemvanz@gmail.com
REBELATTO & KUHN LTDA SCHMITZ
REBELATTO & KUHN LTDA – ME BRITADOR SCHMITZ LTDA VOGELSANGER
ROD. SC 471 – KM 09 – ZONA RURAL – LINHA ROD. BR 282 KM 591 - LINHA NAVEGANTES BRITAGEM VOGELSANGER LTDA
SANTO ANTONIO CEP: 89870-000 - PINHALZINHO/SC EST PIRAÍ, KM 03, n° 3300 - VILA NOVA
CEP: 89985-000 - PALMA SOLA – SC TEL.: (49) 3366-1137 CAIXA POSTAL 800
TEL.: (49) 3652-0643 FAX: (49) 3366-1568 CEP: 89237-600 - JOINVILLE/SC
E-MAIL: joao@palmasola.com.br E-MAIL: britadorschmitz@hotmail.com TEL.: (47) 3439-5009
FAX: (47) 3439-5019 / (48) 3341-0007
REPECAL SULCATARINENSE E-MAIL: vogelsanger@britagemvogelsanger.com.br/
REPECAL BRITAGEM LTDA SULCATARINENSE MIN ARTEF CIM E BRIT LTDA britagemvogelsanger@britagemvogelsanger.com.br
RODOVIA SC 478, SÃO CRITÓVÃO ESTRADA GERAL DE TIJUCAS, KM 03
CEP: 89850-000 - QUILOMBO/SC CAIXA POSTAL 63 - CEP: 88160-000 - BIGUAÇU/SC ZITA FACHINI
TEL.: (49) 3346-3037 TEL.: (48) 3279-7100 ZITA FACHINI E CIA LTDA
E-MAIL: artefatosquilombo@hotmail.com FAX: (48) 3243-3136 ROD. BR 470 – KM 162 – BRACATINGA
E-MAIL: sulcatarinense@sulcatarinense.com.br CEP: 89176-000 - TROMBUDO CENTRAL / SC
RIO BRANCO TEL.: (47) 3544-0444
PEDREIRA RIO BRANCO LTDA UNIMIM E-MAIL: altovalepedras@uol.com.br
RUA MARECHAL DEODORO, 1179 UNIMIM DO BRASIL LTDA
CEP: 89251-702 - JARAGUÁ DO SUL/SC ESTRADA GERAL DO MORRO BONITO, S/N – KM 02 -
TEL.: (47) 3370-4522 / 3371-1136 MORRO BONITO SÃO PAULO
FAX: (47) 3371-8524 CEP: 88715-000 - JAGUARUNA – SC
E-MAIL: pedreirariobranco@netuno.com.br TEL.: (48) 3624-2000 Adherbrita
E-MAIL: sbiff@unimin.com.br Adherbrita Produtos e Serviços Ltda.
RUDNICK Escritório:
RUDNICK MINÉRIOS LTDA VALE DO ITAJAÍ Alameda Araguaia, 933 – Cj. 93 - Alphaville
RUA DONA FRANCISCA, 10.015 - PIRABEIRABA IND E COM DE PEDRAS VALE DO ITAJAÍ LTDA Barueri - SP - CEP 06.455-000
CEP: 89239-270 - JOINVILLE - SC RUA HENRIQUE TODESCHINI, 300 - CENTRO Tel.: (011) 4193 6950 / Fax: (011) 4193 7052
TEL.: (47) 3424-6344 / 3431-6000 CEP: 88380-000 - BALNEÁRIO PIÇARRAS/SC
E-MAIL: rudnick@rudnickminerios.com.br TEL.: (47) 3345-0803 Pedreira:
FAX: (47)3345-4727 Caminho das Lavras s/nº - Piraporinha
SAIBRITA E-MAIL: baltt@terra.com.br Salto de Pirapora - SP
SAIBRITA MINERAÇÃO E CONSTRUÇÃO LTDA CEP 18160 -000
ROD. BR 101 KM 205, S/N - BARREIROS VALE DO SELKE Tel.: (015) 3292-3000 / 3292-6827 / 3292-6829
CEP: 88117-500 - SÃO JOSÉ/SC PEDREIRA VALE DO SELKE LTDA Fax: (015) 3292-3000
TEL.: (48) 3246-3055 Rod BR 470 Km 73,63 nº 3620, João Paulo II E-mail: adao.rodrigues@adher.com.br/
E-MAIL: carlost@saibrita.com.br/ CEP: 89130-000 - INDAIAL/SC fopag@adher.com.br
dalva@saibrita.com.br TEL.: (47) 3281-7000
FAX: (47) 3281-7001
E-MAIL: jcimardi@fey.com.br

102 Anuário anepac 2011


Anhanguera Basalto CJ
Pedreiras Anhanguera S/A Empresa de Min Basalto Pedreira e Pavimentadora Ltda. CJ Mineração Ltda.
Escritório: Escritório: Rua Prof Walter Ribas de Andrade, 01
Rua Dom José de Barros, 152 -8º Andar Rua Minas de Prata, 30 – 9º And Cj 92 CEP: 07.750 -000 - Cajamar/SP
CEP: 01038-902 - São Paulo/SP Ed. Plaza JK - Chácara Itaim Tel/Fax.: (11) 3534 8181
Tel.: (011) 3231-2733 / Fax: (011) 3259-6450 São Paulo – SP - CEP 04552-080 E-mail: cjmineracao@terra.com.br
E-mail: diretoria@pedreiraanhanguera.com.br Tel.: (11) 3702-6600
E-mail:ednilson@grupoestrutural.com.br/ Concremix
Pedreira: rosilene@grupoestrutural.com.br Concremix S/A.
Rodovia Anhanguera, Km 37 Escritório:
CEP: 07.750-000 - Cajamar/SP Pedreira: Avenida João Paulo I, 2100 - Vila Penteado
Tel.: (11) 4446-6568 / Fax: (11) 4446-6597 Rod Campinas Monte Mór Km 2,3 - Boa Vista CEP: 02842-280 - São Paulo/SP
CEP: 13015 -001 - Campinas/SP Tel.: (011) 3925 3000 / Fax: (011) 3924 0472
Pedreira: Tel.: (19) 3785-9300 / Fax: (19) 3245-2444
Av Elisio Teixeira Leite, s/nº Freguesia do Ó Pedreira:
CEP: 02801-000 - São Paulo/SP Pedreira Sítio dos Dias, s/nº - Bairro São Vicente
Tel/fax: (011) 3971-7493 Sítio São Sebastião s/nº CEP: 07.600-000 - Mairiporã/SP
CEP: 13.610 -000 - Leme/SP Tel/Fax: (011) 4482-1348
Pedreira: Tel/Fax: (19) 3572 1533 Tel.: (11) 4482-1211
Avenida Santa Clara, 1313 - Pilar Velho E-mail: concremix@uol.com.br /
CEP: 09432-000 - Ribeirão Pires/SP Pedreira: secretaria@concremix.com.br
Tel.: (11) 4828-3155 / Fax: (11) 4828-3709 Chácara Lory s/nº
CEP: 13.820-000 - Jaguariúna/SP Contil
Barbarense Tel/Fax: (19) 3867-2828 Contil Indústria e Comércio Ltda.
Mineradora Barbarense Ltda. Escritório:
Escritório: Pedreira: Rua Autamira do Paraná, 34 - Vila Jaguará
Rua José Coelho Prates Jr., 111 Rodovia Anhanguera, Km 140 CEP: 05.118 -020 - Itatiba/SP
Dist. Indl. Unileste CEP: 13.480-000 - Limeira/SP Tel.: (11) 3621-3622 / Fax: (11) 3621-3300
CEP: 13422-020 - Piracicaba/SP Tel/Fax: (19) 3442 4183
Tel/fax: (019) 3499-4039 Pedreira:
Pedreira Rod Alquindar Monteiro Junqueira - Km 39,5
Pedreira: Est Americana Paulínia s/nº Faz Salto Grande CEP: 13.250 -000 - Itatiba/SP
Sítio Santo Antonio, s/nº - Bairro Jamaica CEP:13.465-000 - Americana/SP Tel.: (011) 4538-7198 / Fax: (011) 4538 7197
Caixa Postal 157 Tel.: (19) 3469 1669 / Fax: (19) 3469 1179 E-mail: contersa@terra.com.br/
CEP: 13.450-970 - Santa Bárbara D’oste/SP nputini@uol.com.br / vera@conter-sa.com.br/
E-mail: mineradorabarbarense@cicat.com.br Pedreira: mssbarros@terra.com.br
Rodovia Lix da Cunha, SP 073 - Km 14,4 CEP:
13.000-000 - Campinas/SP
Tel/Fax.: (19) 3269-8474 / 3269-1955

Pedreira
Rodovia Régis Bittencourt, Km 294
Estr. Mato Dentro, s/nº - Potuverá
CEP: 06850-000 - Itapecerica da Serra/SP
Tel/Fax.: (011) 4147-1595

Pedreira
Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 15.222
Perus
CEP: 02938-000 - São Paulo/SP
Tel/Fax.: (11) 3948-6199
Tel.: (11) 3785 9300

Anuário anepac 2011 103


Brita

Embu Firpavi Holcim


Embu S/A Engenharia e Comércio Firpavi - Construtora e Pavimentadora S/A. Holcim (Brasil) S/A.
Escritório: Estrada Dona Ana Diniz, 7250 Escritório
Catálogo de Produtores de Agregados

Rua Ferreira de Araújo, 202 - 3º Andar CEP: 07075-210 - Guarulhos/SP Avenida Ipiranga, 104 -8º Andar - Centro
Pinheiros Tel.: (11) 6451-9622/2451-9622 CEP: 01.046-010 - São Paulo/SP
CEP: 05.828-000 - São Paulo/SP Fax: (11) 6451 9624 Tel.: (11) 3255-9255 / Fax: (11) 3258-2144
Tel/FAx: (11) 3035 2999 E-mail: firpavi@firpavi.com.br
E-mail: embusa@embusa.com.br Pedreira:
Fortuna Rod Fernão Dias, Km 67 - B. do Barreiro
Pedreira: Pedreira Fortuna Ltda. CEP: 07600-000 - Mairiporã/SP
Estrada do DAE, Km 30 - Itatuba Escritório: Tel.: (11) 4604 3111 / Fax: (011) 4604 3099
CEP: 06.845 -000 - Embu/SP Rod Raposo Tavares - Km 457 Água da Fortuna
Tel/FAx: (11) 4785 7000 Caixa Postal 116 Pedreira:
CEP 19.800-000 - Assis/SP Rod Raposo Tavares, Km 95,1 - B. Caputera
Pedreira: TEL/Fax: (18) 3325 6216 Caixa Postal 1578
Av. Raimundo Pereira de Magalhães, Km 25,5 Tel.: (18) 3322 6994 CEP: 01826-230 - Sorocaba/SP
Perus E-mail: fortuna_adriana@hotmail.com Tel.: (15) 3227-4400 / Fax: (015) 3227-4171
CEP 05.220 -000 - São Paulo/SP E-mail: meg.gualberto@holcim.com/
Tel.: (11) 3915-8800 / 3917-0879 / Galvani donizetti.rodrigues@holcim.com
3917-5218 / 3917-1002 Galvani Engenharia e Comércio Ltda.
Fax: (11) 3917-0927 Est Mun Faz São Bento, Km 02 - Faz São Bento Intervales
Caixa Postal 90 Intervales Minérios Ltda.
Pedreira: CEP: 13140-000 - Paulínia/SP Escritório:
Estrada de Itapeti, Km 11 - Itapeti Tel.: (19) 3844-9900 / 3874 1391 Rua Monte Negro, 196 -2º Andar – Cj. 25
Mogi das Cruzes - SP - CEP 08.701-970 Fax: (19) 3844-9903 / 3874 1391 Guarujá -S.P. - CEP -11410-040
Tel.: (11) 4749 3800 / Fax: (11) 4749 4355 E-mail: cnascimento@galvaniengenharia.com.br/ Caixa Postal 581 - Vicente de Carvalho
avitali@galvaniengenharia.com.br CEP: 11451-970 - Santos/SP
Engebrita Tel/fax: (013) 3355-7008
Pedreira Engebrita Ltda. Geocal
Rodovia Piaçaguera / Guarujá, km 72,5 Geocal Mineração Ltda. Pedreira:
Vicente de Carvalho Escritório: Rodovia Piaçaguera Guarujá, Km 73
Caixa Postal 501 Est Ana Procópio de Moraes, s/nº CEP: 11001-970 - Guarujá/SP
CEP 11451-790 - Santos/SP Bairro Várzea de Souza Tel.: (013) 3352 1601 / Fax: (013) 3352 3527
Tel/fax.: (13) 3352 3826 Caixa Postal 62 E-mail: intervales@intervales.com..br
tel: (13) 3352-3841 CEP: 06528-551 - Santana do Parnaíba/SP
E-mail: pedreira.engebrita@terra.com.br Tel.: (11) 4156-8999 Irmãos Quaglio
Fax: (11) 4156-3845 Irmãos Quaglio & Cia. Ltda.
Fazenda Velha Escritório:
Pedreira Fazenda Velha Ltda. Pedreira: Rua Santa Cruz, 636 - Bairro Santa Cruz -
Escritório: Estrada Vau Novo s/nº - Bairro Fazendinha CEP: 13.800 -000 - Mogi Mirim/SP
Rua Santa Cruz, 636 - Bairro Santa Cruz CEP: 06500-000 - Santana do Parnaíba/SP Tel/fax: (019) 3806 2255 /
CEP 13.800-000 - Mogi Mirim/SP E-mail: geocal@geocal.com.br E-mail: administracao@irmaosquaglio.com.br
Tel.: (19) 3806 5022 / Fax: (19) 3806 2255
E-mail: administracao@irmaosquaglio.com.br Glicério Iudice
Pedreira Glicério Ltda. Iudice Mineração Ltda.
Pedreira: Est Mun Glicério/Penápolis, Km 18 Av Frederick Von Voith, 1.900 - Pirituba
Sítio Fazenda Velha, s/nº CEP: 16270-000 Glicério/SP São Paulo -SP - CEP 02995-000
CEP 13.460-000 - Nova Odessa/SP Tel.: (18) 3647 1133 / Fax: (18) 3652 0781 Tel.: (011) 3948-0955 / Fax: (011) 3948-0989
Tel/fax.: (19) 3466-3786 / 3466-3789 E-mail: adm@iudice.com.br

Khouri
Ind. Com. de Ext de Areia Khouri Ltda.
Estrada Flávio Beneduce, s/nº - Km 34
Caixa Postal -010
Cajamar -S.P. - CEP -07.750 – 000
Tel/fax: (011) 4446-6581
E-mail: britakhouri@uol.com.br

104 Anuário anepac 2011


Brita
Lafarge Mongaguá Pedreira São Jerônimo
Lafarge Brasil S/A. Pedreira Mongaguá Ltda. Usina Pta de Britagem - Ped S Jerônimo Ltda
Escritório Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, Km 89 Escritório:
Estrada Flávio Beneduce, s/nº -Km 34 Caixa Postal 19 Rua João Bissoto, s/nº
Caixa Postal 010 CEP: 11730-000 - Mongaguá/SP Caixa Postal 227
Catálogo de Produtores de Agregados

Cajamar -S.P. - CEP -07.750-000 Tel.: (13) 3448-2929 / 3448-2920 CEP: 13270-970 - Valinhos/SP
Tel.: (011) 4446-7609 / 4446-7608 / 4446-7610 Fax: (13) 3448-3562 Tel.: (19) 3869-2544/ 3869-3950/ 3869 3951/
Fax: (011) 4446-7616 E-mail: pemoltda@uol.com.br 3869-3949
Fax: (019) 3869 3991
Pedreira: Pagliato E-mail: ps.jeronimo@terra.com.br
Est Dr Cícero B. de Moraes, s/n - S. Boa Vista Indústria Mineradora Pagliato Ltda.
CEP: 06402-970 - Barueri/SP Escritório: Pedrix
Tel/fax: (011) 4198 4300 Av Vitalino Pagliato, 1100 - Vossoroca Mineradora Pedrix Ltda.
E-mail: daniel.costa@lafarge-brasil.lafarge.com Caixa Postal 016 Rod dos Bandeirantes, Km 30 -
luiz.ciasca@lafarge-brasil.lafarge.com CEP: 18100 -000 - Votorantim/SP Morro do Tico Tico
Tel.: (015) 3242-8000 / 3411-7901 / 3411-7900 Caixa Postal 46813
Maria Teresa Fax: (015) 3242-1606 / 3418-0106 CEP: 07700-000 - Caieiras/SP
Pedreira Maria Teresa Ltda. E-mail: diretoria@minercal.com.br/ Tel.: (011) 4605-2999/ 4442-7790
Rod. Padre Manoel da Nóbrega, km 277 vendas@minercal.com.br Fax: (011) 4899-8033
Samaritá E-mail: pedrix@uol.com.br
CEP: 11346-300 - São Vicente/SP Pedreira:
Tel.: (13) 3565 3500/ 3406-2161 Bairro do Corvinho -s/nº Polimix
E-mail: comercial@pedreiramariateresa.com.br Salto de Pirapora -S.P - CEP -18.160 -000 Polimix Concreto Ltda.
Tel.: (015) 3292-1344 / Fax: (015) 3292-1673 Avenida Constran, 132 - Vila Industrial
Minerpav CEP: 06516-300 - Santana do Parnaíba/SP
Minerpav Mineradora Ltda. Pedreira: Tel.: (11) 4161-3711/ 4161-2807/ 2928-6909
Escritório: Fazenda São Bento do Parateí, s/nº Fax: (11) 4161-3363
Estrada da Pedreira s/nº - Jardim Belval Arujá -S.P. - CEP -07.400-970 E-mail: galid@polimix.com.br
Caixa Postal 171 Tel/fax: (011) 4654-1680
CEP: 06400 -000 - Barueri/SP Pontepedras
tel/Fax: (11) 4789-3993 Pedreira: Pontepedras-Mineração e Britagem Ltda.
Tel.: (011) 4789-3940 / 7929-3922 Rodovia sp 191, km 6,5 Escritório:
CEP: 13800-000 - Mogi Mirim/SP Rua Agenor Meira, nº 13 -41 - Centro
Pedreira Tel.: (019) 9677-2834 CEP: 17015-301 - Bauru/SP
Chácara Nazaré s/nº - Bairro do Enxofre Rua Virgilio Malta, 1185 - centro
CEP: 13401-260 - Piracicaba/SP Pedra Negra CEP: 17015-220 - Bauru/SP
Tel.: (19) 3433-9522 / Fax: (19) 3422-6849 Pedreira Pedra Negra LTDA Tel.: (14) 2108-9000 / 3253-1122 / 3253-1188
E-mail: jctoledo@concrepav.com.br pEDREIRA: Fax: (14) 3224-2233 / 3253-1154
est municipal pedra negra - pedra negra E-mail: pontepedras@pontepedras.com.br
Mogiana CEP: 12090-700 - taubaté/sp
Pedreira Mogiana Ltda. TEL.: (12) 3626-1115 Pedreira:
Escritório: E-MAIL: marcelo.reina@vcimentos.com.br Chácara Pedreira, s/nº
Rua Santa Cruz, 636 - Bairro Santa Cruz Caixa Postal 112
CEP: 13.800-000 - Mogi Mirim/SP pEDREIRA: CEP: 18650-000 - São Manoel/SP
Tel.: (19) 3806-5022 VIA DUTRA - CACHOEIRA
Fax: (19) 3806-2255 CEP 07400-000 - Arujá/SP Pedreira:
TEL.: (11) 4654-9009 Rod. Mal Rondon, km 305 - Virgilio Rocha
Pedreira: E-MAIL: adilson.junior@vcimentos.com.br CEP: 17015-301 - Lençóis Paulista/SP
Rodovia SP 147, Km 56
CEP: 13800-000 - Mogi Mirim/SP pEDREIRA: pedreira:
Tel.: (019) 9677-2837 ESTRADA MUNICIPAL S/Nº ITATINGUI distrito de guaianás, s/nº
E-mail: administração@irmaosquaglio.com.br CEP: 17280-000 - PEDERNEIRAS/SP cep: 17280-000 - pederneiras/sp
TEL.: (14) 3292-7170
E-MAIL: robinson.toneti@vcimentos.com.br Sant’ana
Pedreira Sant’ana Ltda.
Av. Coronel Sezefredo Fagundes, 19500
CEP: 02306-005 - São Paulo S/P
TEL/Fax: (011) 2995 2933
Tel.: (011) 3629-1300
E-mail: pedreira.santana@ig.com.br

106 Anuário anepac 2011


Santa Isabel Sarpav Siqueira
Pedreira Santa Isabel Ltda. Sarpav Mineradora Ltda. Pedreira Siqueira Ltda.
Rodovia Arthur Matheus, 2.371 Estrada da Pedreira s/nº - Jardim Belval Luiz Antonio Siqueira Barros
CEP: 07500-000 - Santa Isabel/SP Caixa Postal 171 Escritório:
Tel.: (011) 4656-1099 / Fax: (011) 4656-3275 CEP: 06400-000 - Barueri/SP Rodovia SP 284, KM 468,3
E-mail: keila@grupopsi.com.br Tel.: (011) 4789-3940 / 4789-3922 Caixa Postal 117
Fax: (011) 4789-3993 CEP: 197000-000 - Paraguaçu PAULISTA/S.P.
Santa Teresa E-mail: sarpav@sarpav.com.br/ Tel.: (018) 3265-2511 / 3322-8545 / 3302-7545
Pedreira Santa Teresa Ltda. smglio@sarpav.com.br Fax: (018) 3362-2800 / 3302-7545
Escritório: E-mail: pedreirasiqueira@uol.com.br/
Rodovia Rio-Santos, Km 245,5 Serveng jorge.vale@pedreirasiqueira.com.br
Caixa Postal 340 Serveng-Civilsan S/A Emp Assoc de Eng
CEP: 11001-970 - SantoS/SP Escritório: Stavias -Stanoski
Tel/Fax: (013) 3352-7001 Rua Deputado Vicente Penido, 255 - Vila Maria Stavias -Stanoski Terrap Pav e Obras Ltda.
TEL: (013) 3352-1684 CEP: 02064-120 - São Paulo/SP Rodovia Rio Claro / Piracicaba, Km 19,5
E-mail: pedreirasanter@uol.com.br Tel.: (11) 2142-3000 / 2142-3083 Caixa Postal 283
Fax: (11) 2142-3070 / 2142-3015 CEP: 13500-970 - Rio Claro/SP
São Matheus-Lageado Tel.: (19) 3534-4555
Pedreiras São Matheus-Lageado S/A. Pedreira: Fax: (19) 3534-1293
Av. Ragueb Chohfi, 2613 - Guaianazes Sítio Laranja Azeda - Cachoeira E-mail: stavias@pedreirastavias.com.br
CEP: 08475-000 - São Paulo/SP Rod. Castelo Branco, km 32
Tel.: (011) 2555-4038/ 2555-8611/ 2518-9201 Barueri -S.P. - CEP -06421-400 Stone
Fax: (011) 2518 4270 Tel/fax: (011) 4707-5077 / 4707-5478 Stone Building Ind. E Com. Ltda
E-mail: lageado.patrimonio@terra.com.br Rod. Fernão Dias, km 13,5 - Guaripocaba
Pedreira cep: 12900-000 - Bragança Paulista/SP
Sargon Rod Pres Dutra , Km 239 – Itaguassu Tel/Fax: (11) 4481-8200/ 6533-1000/ 2626-5248
Pedreira Sargon Ltda. CEP: 12570-000 - Aparecida/SP E-mail: rodrigo@globalmineracao.com.br
Av Airton dos Santos H. Galvez, Km 5, s/nº Tel.: (12) 3105-2112/ 3105 2113/ 3105-2115
Bairro do Retiro Fax: (12) 3105 2114
Caixa Postal 137
CEP: 07500-970 - Santa Isabel -S.P. Pedreira:
Tel/FAX: (011) 4655-3317 Estrada do Varadouro , s/nº - Varadouro
Fax: (011) 4655-1358 CEP: 12290-000 - Jambeiro/SP
E-mail: sargon@pedreirasargon.com.br tel/Fax: (12) 3953-2877/3951-2469
E-mail: bcabrera@serveng.com.br

Anuário anepac 2011 107


Brita

Taquaruçu Votorantim TOCANTINS


Pedreira Taquaruçu Ltda. Votorantim Cimento S/A.
Escritório: Unidade: Araçariguama ANHANGUERA
Catálogo de Produtores de Agregados

Av. Silvio Domingos Roncador, 95 - Dist Ind ESTRADA ARACARIGUAMA, S/N PEDREIRAs ANHANGUERA s/a
Caixa Postal 3.100 CEP: 18147-000 - ARAÇARIGUAMa/SP Fazenda anhanguera – Zona Rural
CEP: 19043-000 - Presidente Prudente/SP Tel.: (11) 4136-1429 CEP: 77270-000 TAQUARAL/TO
Tel/Fax: (018) 3222-2267 / 3222-7750 e-mail: waldomiro.gerbelli@vcimentos.com.br tel.:(62) 3586-2922/3528-1144/9637-2545
E-mail: salioni@salioni.com.br e-mail: rdxgo@cultura.com.br
Unidade: Santa Isabel
Pedreira: ROD VER ALBINO RODRIGUES NEVES, S/Nº FUJI
Bairro do Ovídio, s/nº GERE MUNIZ CALCÁRIO FUJI LTDA
CEP: 19200-000 - Narandiba/SP CEP: 07500-000 - SANTA ISABEL/sp Rua 27, 438 - Setor Sul
Tel.: (018) 3971 9970 Tel.: (11) 4657-1032 CEP: 76380-000 - GOIANÉSIA/GO
e-mail: adilson.junior@vcimentos.com.br Tel.: (62) 3353-1410/9299-6978
Tavares Pinheiro e-mail: grupoamaro@grupoamaro.com.br
Tavares Pinheiro Industrial Ltda. Unidade: Salto
Escritório FAZENDA MARIA PAULA, S/N - PIRAPORINHA Pedreira:
Rua Barão de Itapetininga, 163 -2º And Cj 202 CEP: 18160-000 - Salto de Pirapora/SP Rodovia TO-476, Km 05 - Zona rural
CEP: 01092-910 - São Paulo/SP Tel.: (15) 2102-2136 CEP: 77303-000 - Rio da Conceição/TO
Tel.: (11) 3255-7700 / Fax: (11) 3231-1750 e-mail: carlos.chizzolini@vcimentos.com.br
GURUPI
Pedreira Unidade: Lavrinhas PEDREIRA GURUPI LTDA
Rodovia Anhanguera, Km 49 ROD PEDRO RODRIGUES GARCIA KM 65, S/Nº Rua 27, 438 - Setor Sul
CEP: 13200-970 - Jundiaí/SP LAVRINHAS CEP: 76380-000 – GOIANÉSIA/GO
Tel/fax: (11) 4599-9177 CEP: 18400-010 - ITAPEVA/sp Tel.: (62) 3353-1410/ 9299-6978
tel: (11) 4599-9157 Tel.: (15) 3522-4828 e-mail: grupoamaro@grupoamaro.com.br
E-mail: tavarespinheiro@terra.com.br e-mail: paulo.nei@vcimentos.com.br
Pedreira:
Territorial Unidade: Itapecerica Faz Santo Antônio, Lote 30-A, Zona rural
Territorial São Paulo Ltda ESTRADA ABIAS DA SILVA, S/N - ITAQUACIARA CEP: 77460-000 - Peixe/TO
Escritório: CEP: 06864-000 - ITAPECeRICA DA SERRA/sp Tel.: (63) 3315-2474
R Bela Cintra, 24 -1º andar - consolação Tel: (11)4667-1688
CEP: 01415-000 - São Paulo/sP e-mail: michael.alves@vcimentos.com.br NACAL
Tel.: (011) 3017-8000 / Fax: (011) 3258-1047 NACAL - NATIVIDADE CALCARIO AGRICOLA LTDA
Unidade: Jaú Rua 27, 438 - Setor Sul
Pedreira ESTRADA MUNICIPAL JAU BARRA MANSA, S/Nº CEP: 76380-000 – GOIANÉSIA/GO
Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 1.400 BARRA MANSA - Tel.: (62) 3353-1410/ 9299-6978
J. Cidade - Pirituba CEP: 17204-220 - JAÚ/sp e-mail: grupoamaro@grupoamaro.com.br
CEP: 02938-010 - São Paulo/SP Tel.: (14)3626-8822
Tel/fax: (11) 3943 8018 e-mail: robinson.toneti@vcimentos.com.br Pedreira:
E-mail: robertocapobianco@construcap.com.br Rodovia TO-280, Km 257, S/Nº - Zona Rural
VPE CEP.: 77.370-000 – Natividade/TO
VPE Ltda. Tel: (63) 3372-1928
Escritório:
Rod Presidente Dutra, KM 198 - Cachoeira Votorantim
Caixa Postal 04 Votorantim Cimentos N/NE S/A
CEP: 07400-000 - Santa Isabel/SP ROD XAMBIOÁ CHAPADA KM 12 - ZONA RURAL
Tel.: (11) 4654 2888 / Fax: (11) 4654 1500 cep: 77880-000 - Xambioá/to
E-mail: mauro@britta.com.br / tel.: (63)3473-6490
britta@britta.com.br e-mail: aurival.santiago@vcimentos.com.br

108 Anuário anepac 2011


Anuário anepac 2011 109