Você está na página 1de 21

ESCOLA DE REFERÊNCIA EM ENSINO MÉDIO

DR. ALEXANDRINO DA ROCHA

APOSTILA DE
EDUCAÇÃO
FÍSICA

PROF.º EDVILSON VITAL

EREM - 1º ANO

2014
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA – 1º ANO – Nº 1 – PARTE 1
A história da educação física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e
o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado à situações
de ser pensante, desempenhou, em todas as etapas da vida, um papel importante na
história da educação física, a qual se propõe a investigar a origem e o desenvolvimento
progressivo de suas atividades físicas, através do tempo: sua importância, as causas de seu
apogeu e da sua decadência.
A educação física evolui à medida que se processa a evolução cultural dos povos. Assim, a
sua orientação no tempo e no espaço está em sintonia com os sistemas políticos, sociais,
econômicos e científicos vigentes nas sociedades humanas.
Na Pré-História havia a preocupação do desenvolvimento da força bruta, sob o ponto de
vista utilitário-guerreiro, sem ideia definida do ponto de vista moral.
Na Antiguidade, os gregos, entretanto, mais evoluídos, visavam ao desenvolvimento físico
e moral do homem. Nesse período, a educação física visava o aspecto somático, harmonia
de formas, musculatura saliente, sem exagero, de onde surgiram os atletas de porte esbelto.
É a fase anatômica da educação física. Já entre os romanos, que herdaram com a conquista
da Grécia as atividades físicas dos gregos, em plena decadência, orientavam a educação
física, objetivando o desenvolvimento das massas musculares. Pouco se dedicavam à
cultura intelectual e muito menos a da moral.
Origem dos exercícios físicos
Quando se fala em educação física forma-se logo no pensamento a imagem de movimento
ou locomoção. Logo, não se pode pensar em exercícios físicos sem primeiro atentar para a
sua origem: Os antropólogos e paleontólogos, pesquisando certos terrenos geológicos,
descobriram que o homem apareceu entre o fim Plioceno e o começo do Pleistoceno.A
existência humana determina necessidades econômicas. Estas obrigaram o homem a
locomover-se, de uma região para outra, numa mesma época do ano, ou em épocas
diferentes, iniciando, assim, inconscientemente o adestramento do corpo, melhorando,
através de milhões de anos, o seu aspecto físico para vencer melhor a luta pela vida, quer
procurando os bens econômicos, quer defendendo-se ou atacando, sem, no entanto,
constituir-se uma preocupação diária, em virtude de ser uma prática natural, do
saltar, trepar, correr, lançar, nadar, aprimorando, consequentemente, as funções
orgânicas. O elevado grau de desenvolvimento físico, decorrente do trabalho
orgânico, agudeza dos sentidos de que eram dotados os povos selvagens, são provas
irrefutáveis de que os exercícios físicos, nasceram instintivamente com o homem, em razão
de suas necessidades econômicas e biológicas.
A observação que se faz e a conclusão a que se chega, no recém-nascido, por onde,
constata-se que "o movimento é o seu gesto mais pronunciado". O instinto de mover o
tronco e as extremidades primeiramente arrastando-se, depois andando de gatinhas
(quadruptação), logo depois andando, trepando, correndo, saltando e, quando já adulto,
sentindo-se forte, surge-lhe o instinto da luta, procurando dominar os mais fracos,
depois os de igualdade de condições e às vezes os mais fortes. Esses movimentos e meios
de locomoção, certamente, eram mais acentuados nos recém-nascidos primitivos do
que nos civilizados, os quais sofreram os influxos progressivos do regime e do meio que
passaram a viver.Nessa altura compreende-se, pois, que a educação física teve
origem com o ser vivo e sua racionalização. Com o homem, quando compreendeu ser, o
desenvolvimento da potência física, necessária à sobrevivência, remontando a sua prática
aos mais antigos povos orientais.
Educação física pelo homem primitivo
Surgiu, como já vimos, com o aparecimento do homem. Porém, na pré-história, não se
encontram indícios concretos de como foram praticados tais exercícios pelo homem
primitivo, além da imitação. Partindo, todavia, da Lei do Uso (Lamarck), segundo a qual a
utilização frequente dos diferentes órgãos, sistemas e aparelhos, em época e situações
também diferentes, de acordo com os estágios pelos quais passou o homem, desenvolveu-
se e, ao mesmo tempo, aperfeiçoou as funções determinando mudanças
morfofuncionais; e do seu aforismo: "A função cria o órgão" (Lamarck), conclui-se que,
existindo a espécie animal, existe movimento e, portanto, exercícios físicos, os quais,
pela sua repetição, aperfeiçoam e desenvolvem os órgãos, sistemas e aparelhos.

O homem primitivo
Deslocava-se de um lugar para outro a procura de alimentos, marchando, trepando,
nadando, saltando e lançando as suas diferentes armas de arremesso.Pela repetição
contínua desses exercícios, na luta pela sobrevivência, aperfeiçoava as funções
educando-as gradativa e inconscientemente, segundo as leis naturais de criação
(biológicas), confirmando pelo aforismo: "Natura non facit saltus" (Cuvier).
Conclusões
As atividades físicas dos povos primitivos desenvolveram-se tendo em vista, não somente
as necessidades fisiológicas, mas, acima de tudo, a sua aplicação utilitária, tudo com base
na imitação das diferentes fases das ocupações diárias. Os exercícios corporais se
caracterizam pelas lutas.

EXERCÍCÍO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA – PARTE 1

1) Defina Educação Física.


2) Segundo a história, qual a relação da Educação Física com a sociedade?
3) Qual a relação da Educação Física com a Pré-história?
4) Por quê a fase anatômica da educação física, tem haver com os gregos na
Antiguidade?
5) Fale em síntese da origem dos exercícios.
6) Fale sobre a relação da educação física com o homem primitivo.
7) O que você pode concluir sobre o histórico da Educação Física.

GINÁSTICA – PARTE 2

A ginástica é um conceito que engloba modalidades competitivas e não


competitivas e envolve a prática de uma série de movimentos exigentes de força,
flexibilidade e coordenação motora para fins únicos de aperfeiçoamento físico e
mental.
Desenvolveu-se, efetivamente, a partir dos exercícios físicos realizados pelos
soldados da Grécia Antiga, incluindo habilidades para montar e desmontar um cavalo
e habilidades semelhantes a executadas em um circo, como fazem os chamados
acrobatas. Naquela época, os ginastas praticavam o exercício nus (gymnos – do
grego, nu), nos chamadosgymnasios, patronados pelo deus Apolo. A prática só voltou
a ser retomada - com ênfase desportiva e militar - no final do século XVIII, na Europa,
através de Jean Jacques Rousseau, do posterior nascimento da escola alemã de
Friedrich Ludwig Jahn - de movimentos lentos, ritmados, de flexibilidade e de força - e
da escola sueca, de Pehr Henrik Ling, que introduziu a melhoria dos aparelhos na
prática do esporte. Tais avanços geraram a chamada ginástica moderna, agora
subdividida.
Anos mais tarde, a Federação Internacional de Ginástica foi fundada, para
regulamentar, sistematizar e organizar todas as suas ramificações surgidas
posteriormente. Já as práticas não competitivas, popularizaram-se e difundiram-se
pelo mundo de diferentes formas e com diversas finalidades e praticantes.
Etimologia e significado

O termo ginástica originou-se do grego gymnádzein, que tem por tradução aproximada
"treinar" e, em sentido literal, significa "exercitar-se nu", a forma como os gregos
praticavam os exercícios. Seu sentido advém da ideia primeira, que é a prática milenar
de exercícios físicos metódicos, ao contrário da ginástica surgida como modalidade
esportiva.A denominação ginástica, foi ainda inicialmente utilizada como referência
aos variados tipos de atividade física sistematizados, cujos fins variavam de atividades
para a sobrevivência, como na pré-história, aos jogos, ou à preparação militar, para o
atletismo e as lutas.
A ginástica é a ciência racional de nossos movimentos, de suas relações com
nossos sentidos, inteligência, sentimentos e costumes, e o completo
desenvolvimento de nossas faculdades. É a ciência do movimento racional, sujeito
a uma disciplina e a um fim prático.

História: surgimento e evolução

Na Grécia Antiga, a ginástica era praticada nas chamadas palestras e nos


ginásios, junto a filósofos e artistas, que esculpiam com perfeição o corpo
harmônico dos atletas. Na imagem, cópia romana em mármore do original
Apoxyomenos, em bronze, de Lisipo. O nome significa "aquele que esfrega", e
ilustra o preparo para a atividade física esfregando óleo sobre o corpo nu.
Milenar, a ginástica fez parte da vida do homem pré-histórico enquanto
atividade física, pois detinha um papel importante para sua sobrevivência,
expressada, principalmente, na necessidade vital de atacar e defender-se. O
exercício físico utilitário e sistematizado de forma rudimentar era transmitido através
das gerações e fazia parte dos jogos, rituais e festividades. Mais tarde, na
antiguidade, principalmente no Oriente, os exercícios físicos apareceram nas várias
formas de luta, na natação, no remo, no hipismo e na arte de atirar com o arco,
além de figurar nos jogos, nos rituais religiosos e na preparação militar de maneira
geral.
Como prática esportiva, a ginástica teve sua oficialização e regulamentação
tardiamente, se comparada a seu surgimento enquanto mera condição de prática
metódica de exercícios físicos, já encontrados por volta de 2 600 a.C., nas
civilizações da China, da Índia e do Egito, onde valorizava-se o equilíbrio, a força, a
flexibilidade e a resistência, utilizando, inclusive de materiais de apoio, como pesos
e lanças. Este conceito começou a desenvolver-se pela prática grega, que o levou
através do Helenismo e do Império Romano. Foram os gregos os responsáveis
pelo surgimento das primeiras escolas destinadas à preparação de atletas para
exibições ginásticas em público e nos ginásios.Seu estilo nascia da busca pelo
corpo são, mente sã e do ideal da beleza humana, expressado em obras de arte
deste período: socialmente, os homens reuniam-se para apreciar as artes
desenvolvidas na época, entre pintura, escultura e música, discutiam a filosofia,
também em desenvolvimento e, para divertirem-se e cultuarem seus corpos,
praticavam ginástica, que, definida por Platão e Aristóteles, era uma prática que
salientava a beleza através dos movimentos corporais.Foi ainda na Grécia Antiga,
que a ginástica adquiriu seu status de educação física, pois esta desempenhava
papel fundamental no sistema educativo grego para o equilíbrio harmônico entre as
aptidões físicas e intelectuais. Já em Esparta, na mesma época, este conceito
servia unicamente ao propósito militar, treinando as crianças desde os sete anos de
idade para o combate. Tal pensamento fez sua participação nos Jogos diminuir
com o passar dos anos. Em Atenas, todavia, só a partir dos quatorze anos, os
rapazes praticavam a educação física: exercitavam-se nas palestras, que eram
locais fechados e, sob os conselhos dos sábios, praticavam os exercícios.
Aprovados, seguiam, ao completarem dezoito anos, para os ginásios, nos quais,
tutelados pelos ginastes, formavam-se inseridos num ambiente em que se exibiam
obras de arte e onde os filósofos reuniam-se para discutir sobre a união corpo e
mente.Apresentado à Roma, este conceito esportivo atingiu fins estritamente
militares, de prática nas palestras, para os jovens acima dos quatorze anos, e
adquiriu um novo nome, o de ginástica higiênica, aplicada nas termas, já que os
romanos viam o culto físico como algo satânico e, em nome de Deus e da moral,
decretaram o fim dos Jogos Olímpicos antigos, nos quais estava inserida a
ginástica enquanto festividade e preparação. No entanto, parte do povo manteve o
culto ao corpo e a educação física como práticas secretas.
Na Idade Média, a ginástica perdeu sua importância devido a rejeição do culto
ao físico e à beleza do homem, ressurgindo somente na fase renascentista,
influenciada pela redescoberta dos valores gregos, aparecendo assim nos teatros
de rua, que motivavam os espectadores a praticarem em grupo as atividades
físicas. Estruturalmente, ressurgiu o termo ginástica higiênica, voltada para a
prática do exercício apenas direcionada para a manutenção da saúde do indivíduo,
descrita na obra Arte Ginástica, de JeronimusMercurialis. Por volta do século XVIII,
recuperou-se e desenvolveu-se conceituada em duas linhas, como expressão
corporal e como exercício militar, após a publicação de Émile, livro do
pedagogoJean-Jacques Rousseau, que defensor da aprendizagem indutiva.
Desse momento em diante, inúmeroseducadores voltaram-se para a prática
esportiva, na busca de uma melhor elaboração de métodos especializados e
escolas de educação física.Entre os destacados estiveram o espanholFrancisco
Amoros, que desenvolveu um estudo voltado para a resistência física, o alemão
Friedrich Ludwig Jahn, que desenvolveu aparelhos e deu início a sistematização da
ginástica artística,o sueco Pehr Henrik Ling, que iniciou a separação da ginástica
em categorias, como a de fins militares e a para a formação, e o dinamarquês Niels
Bukh, que desenvolveu vestimentas, novas formas de toque na prática coletiva e
envolveu o conceito, assim como Jahn, com a política.Enquanto Jahn utilizou dos
conceitos da ginástica para restaurar o espírito alemão humilhado por Napoleão e
desenvolver a força física e moral dos homens através da prática desta atividade
para assim reunir seguidores militares contra as tropas do governantes francês,
Bukh cooperou, com seus estudos, para o regime nazista, enquanto melhorias na
preparação dos combatentes.
Com a evolução da educação física, a ginástica especializou-se, de acordo
com as finalidades com que é praticada ou então em correspondência com os
movimentos que a compõem. Enquanto modalidade esportiva, não parou de se
desenvolver. Dentre as provas esportivas dos Jogos Olímpicos, é uma das mais
antigas. Por isso e por seu desenvolvimento, sua história é constantemente
confundida com a de sua primeira ramificação, a artística, o que não fere suas
individualidades.Fora das escolas e dos ginásios, a ginástica conquistou espaço
por desempenhar função na sociedade industrial, apresentado-se capaz de corrigir
os vícios da postura acarretados pelos esforços e repetições físicas no ambiente de
trabalho. Tal capacidade mostrava sua vinculação com a medicina e isso lhe
rendeu status entre os adeptos e estudiosos dessas questões, adquirindo então
uma nova ramificação em sua história evolutiva.Durante o século XIX, a ginástica
passou a refletir apenas o significado de prática esportiva moderna, deixando para
trás a preparação militar e a preparação para e junto a outras atividades, como o
atletismo praticado nos Jogos Olímpicos antigos. Nesta época, surgiram e
aprimoraram-se as escolas inglesa, alemã, sueca e francesa. Exceto a inglesa,
destinada unicamente a elaboração de jogos e a atividade atlética, as demais
determinaram e expandiram os métodos ginásticos, passados através dos
movimentos europeus que resultaram na criação das Lingiadas, festival
internacional de ginástica criado em comemoração aos cem anos da morte de Ling.
Estes movimentos ainda influenciaram-se e universalizaram os conceitos
ginásticos, posteriormente trabalhados dentro de cada modalidade.
Nesse mesmo século, surgiu a entidade que passou a regrar as práticas do
desporto: a Federação Européia de Ginástica (em francês: Fédération Européenne
de Gymnastique), fundada por Nicolas J. Cupérus e que contou com a participação
de três países - Bélgica, França e Holanda. Em 1921, a FEG tornou-se a
atualmente conhecida FIG (Federação Internacional de Ginástica), quando os
primeiros dezesseis países não europeus foram admitidos na entidade, sendo os
Estados Unidos, o primeiro. Nos dias atuais, é considerada a organização
internacional mais antiga responsável pela estruturação da ginástica.Mesmo sem
carácter competitivo, a modalidade tem figurado em cerimônias de abertura de
jogos, caracterizando-se como um dos pontos mais belos destes eventos, nos
quais a criatividade, a plasticidade e a expressão corporal tornam-se presentes na
participação sincronizada de um grande número de ginastas. Na era moderna, a
ginástica, inicialmente tida como prática física, passou a ser dividida e estruturada
em cinco campos de atuação, que desenvolvem-se unidas pelo conceito e
separadas nos fins: condicionamento físico, de competições, fisioterapêuticas, de
demonstração e de conscientização corporal.

Exercício Histórico da Ginástica – PARTE 2

1. O que é Ginástica?
2. Qual o país que originou-se a ginástica?
3. Qual o significado da palavra ginástica?
4. Qual o papel da ginástica com a pré-história?
5. Onde a ginástica adquiriu status na educação física e qual seu
papel?
6. Qual a relação entre a ginástica e a história dos gregos?
7. O que levou a ginástica na idade média a perder sua
importância?
8. O que significa ginástica higiênica?
9. Qual a função da ginástica fora das escolas e dos ginásios?
10. Mesmo em caráter competitivo, quais são as características nas
cerimônias de abertura dos jogos.
11. Quais os campos de atuação da ginástica na era moderna?
Síntese texto: Ginástica – PARTE 2
 Modalidades competitivas e não competitivas
 Série de movimentos – força, flexibilidade, coordenação motora:
aperfeiçoamento físico e mental.
 Surgimento: soldados da Grécia Antiga (exercícios) – montar a cavalo e
desmontar um cavalo e habilidades de um circo.
 Exercícios nus nos ginásios (Deus Apolo)
 Novos aparelhos e movimentos, surgiu a ginástica moderna
 Surgimento da FIG
 Ginástica: vem do grego, significa treinar no sentido literal: exercitar-se
nu
 Antes eram exercícios metódicos, hoje modalidades esportivas.
 Antes ginástica era referência para qualquer tipo de esporte.
 Ginástica e pré-história: relação de sobrevivência
 O exercício era transmitido através de gerações e fazia parte dos jogos
 A oficialização da ginástica foi tardia devido ao seu tempo de
surgimento.
 O conceito desenvolveu-se pelos gregos, que são responsáveis pelos
primeiras escolas.
 Platão e Aristóteles: ginástica é a prática que salienta a beleza através
dos movimentos corporais.
 Grécia – ginástica – status de E. F. : papel fundamental no sistema
educativo grego – equilíbrio entre aptidões físicas e intelectuais.
 Esparta – propósito militar, treinamento para combate
 Atenas – 14 anos para praticar a E. F. para homens, 18 anos – ginastas.
 Chegando em Roma, o conceito tornou-se militar: ginástica higiênica
(culto ao físico) religião.
 Mas, alguns mantiveram a visão de culto ao corpo e E. F. sendo secreto.
 Idade média: ginástica perde importância pela rejeição do culto ao físico
e beleza do homem; voltando na fase renascentista
 Ginástica Higiênica: exercício de manutenção da saúde do indivíduo
 Volta como duas linhas: expressão corporal e exercício militar.
 Surgimento da ginástica artística através do alemão Friedrich
 Especialização: finalidade com que é praticada ou movimento
desenvolvido
 Esporte: continua desenvolvendo e é uma das mais antigas
 História: confundida com sua primeira ramificação (artística)
 Função: Sociedade industrial – correção dos vícios de postura
 Século XIX: prática esportiva moderna, sem preparação militar e jogos
 Surgimento FEG (Federação Européia de Ginástica) e alteração para
FIG (Federação Internacional de Ginástica); 16 países, 1º EUA
 Apresentação: cerimônia de abertura de jogos
 Moderna, campos de atuação: condicionamento físico, competição,
fisioterapêuticas, demonstração e conscientização corporal.
1º ano – Nº 2
PAR-Q (QUESTINÁRIO DE PRONTIDÃO PARA A ATIVIDADE FÍSICA)
AutoridadesCanadense desenvolveram esse questionário que deve ser aplicado antes do início de um
programa de atividade física regular, visando identificar prováveis restrições e limitações à saúde.
PRECISO FAZER EXAME MÉDICO ANTES DE ME EXERCITAR ?
Atividades fisicas devem ser recomendadas para a maioria das pessoas, mas é desnecessário
e inviável financeiramente submeter todo mundo a um exame médico prévio, ou seja, o
exame médico pedido em algumas academias, clubes , etc... já não é necessário para todos.
Para evitar que portadores de patologias especialmente cardiovasculares, sejam colocadas
em risco durante as atividades físicas, foram desenvolvidos procedimentos que selecionam
aqueles que podem iniciar o programa imediatamente, remetendo os demais ao exame
médico. O método/teste deve ser feito com todos os indivíduos inclusive crianças,
adolescentes e idosos antes da avaliação fisica ou de iniciar um programa de atividades
fisicas. (ACMS,1998a). Os dois testes abaixam devem ser preenchidos e as pessoas que
responderam "não"a todas as perguntas do PAR-Q (1) e possuem menos de dois fatores de
risco no outro teste (2), não precisam de exame médico prévio e podem procurar um
professor de E.F para a avaliação funcional (física) e prescrição de exercícios. Mas os que
responderem "sim" a alguma das perguntas no PAR-Q (1) ou que possuam 2 ou mais fatores
de risco no teste (2), devem procurar um médico para uma avaliação prévia.
Uma vez liberadas pelo médico devem procurar o profissional competente a cada caso, veja:
Recomendações para a atividade física de acordo com a classificação do grupo.
Teste 2: Fatores de Risco para
Teste 1 : PAR-Q Doença Coronariana (ACSM
1998a)
1 - Seu médico já disse que você
1 - IDADE: Homem acima de 45 anos
possui um problema cardíaco e
ou mulher acima de 55 anos?
recomendou atividades físicas apenas
sob supervisão médica?
Sim Não
Sim Não 2 - COLESTEROL - Acima de 240 mg/l
ou desconhecida (não sabe)
2 - Você tem dor no peito provocada
por atividades físicas?
Sim Não
Sim Não 3 - PRESSÃO ARTERIAL -Acima de
3 - Você sentiu dor no peito no último 140/90 mmgHg , desconhecida ou
usa medicamento para a pressão
mês?
Sim Não
Sim Não
4 - Você já perdeu a consciência em 4 - TABAGISMO - fuma?
alguma ocasião ou sofreu alguma
queda em virtude de tontura? Sim Não
5 - DIABETES - Tem diabetes de
Sim Não qualquer tipo?
5 - Você tem algum problema ósseo
ou articular que poderia agravar-se Sim Não
com a prática de atividades físicas? 6 - HISTÓRIA FAMILIAR DE ATAQUE
CARDÍACO - Pai ou irmão antes de 55
Sim Não anos ou Mãe ou irmã antes dos 65
6 - Algum médico já lhe prescreveu anos
medicamento para pressão arterial ou
para o coração? Sim Não
7 - SEDENTARISMO - Atividade
Sim Não profissional sedentária e menos de 30
7 - Você tem conhecimento, por minutos de atividade fisica pelo
informação médica ou pela própria menos 3 vezes por semana
experiência, de algum motivo que
poderia impedí-lo de participar de Sim Não
atividades fisicas sem supervisão 8. OBESIDADE - mais de 10 kg de
médica? excesso de peso (comparar tabela)

Sim Não Sim Não


IMC

O que é o IMC - Índice de Massa Corporal?


O Índice de Massa Corporal (IMC) é um número calculado a partir do peso e altura da pessoa. O
IMC é um indicador da gordura corporal. Apesar do IMC não medir a gordura diretamente,
pesquisas mostram que ele se relaciona aos métodos de medição direta. O Índice de Massa
Corporal pode ser considerado uma alternativa prática, fácil e barata para a medição direta de
gordura corporal.
Como o Índice de Massa Corporal (IMC) é usado?
O IMC é usado como uma ferramenta para identificar possíveis problemas de peso para adulto.
Entretanto, o IMC não é uma ferramenta de diagnóstico. Por exemplo, a pessoa pode ter um
IMC alto, porém para determinar se o excesso de peso é um risco para a saúde o médico
precisa fazer mais análises que podem incluir medição das dobras cutâneas, avaliação da dieta,
atividade física, histórico familiar, etc.
Como calcular o IMC
O IMC é calculado pela seguinte fórmula: Peso em kg / (altura em metros) 2
Interpretação e tabela do IMC

O padrão de classificação pelo IMC é dado pela seguinte tabela:

IMC Classificação
Abaixo de 18,5 Abaixo do peso
Entre 18,5 e 24,9 Peso normal
Entre 25,0 e 29,9 Sobrepeso
Acima de 30 Obesidade

O quanto confiável é o IMC como indicador de gordura corporal?


A correlação entre o IMC e a gordura corporal é bastante forte, porém varia conforme sexo, etnia
e idade. Essas variações incluem os seguintes exemplos:
* No mesmo IMC mulheres tendem a ter mais gordura que homens.
* No mesmo IMC, idosos em geral tendem a ter mais gordura corporal do que adultos jovens.
* Atletas bem treinados tendem a ter IMC mais alto devido mais à quantidade de músculos do
que de gordura.
Também é importante lembrar que o IMC é somente um dos fatores relacionados ao risco de
doenças devido ao peso. Para avaliar a probabilidade de desenvolver doenças relacionadas à
obesidade também é recomendável:
* Medir a circunferência da cintura, uma vez que a gordura abdominal representa mais riscos à
saúde.
* Avaliar outros fatores de risco da pessoa como pressão alta ou sedentarismo.

CURIOSIDADE
Se um atleta ou pessoa musculosa tiver um IMC maior que 25, ainda assim considera-se
que está acima do peso?
É importante lembrar que o IMC não mede a gordura corporal diretamente e que o peso da
pessoa inclui não só gordura, mas músculos também. Como resultado, algumas pessoas com
IMC elevado podem não ter alto percentual de gordura corporal. Por exemplo, atletas bem
treinados podem ter IMC maior devido aos músculos e não à gordura corporal.

IMC

O que é o IMC - Índice de Massa Corporal?


O Índice de Massa Corporal (IMC) é um número calculado a partir do peso e altura da
pessoa. O IMC é um indicador da gordura corporal. Apesar do IMC não medir a gordura
Flexibilidade: Teste de Sentar e Alcançar – Banco de Wells
Sentar e Alcançar - Masculino - com banco (em Centímetros)
Idade 15 - 19 20 - 29 30 - 39 40 - 49 50 - 59 60 - 69
Excelente > 39 > 40 > 38 > 35 > 35 > 33
Acima da
34 - 38 34 - 39 33 - 37 29 - 34 28 - 34 25 - 32
média
Média 29 - 33 30 - 33 28 - 32 24 - 28 24 - 27 20 - 24
Abaixo da
24 - 28 25 - 29 23 - 27 18 - 23 16 - 23 15 - 19
média
Ruim < 23 < 24 < 22 < 17 < 15 < 14

Sentar e Alcançar - Feminino - com banco (em Centímetros)


Idade 15 - 19 20 - 29 30 - 39 40 - 49 50 - 59 60 - 69
Excelente > 43 > 41 > 41 > 38 > 39 > 35
Acima da
38 - 42 37 - 40 36 - 40 34 - 37 33 - 38 31 - 34
média
Média 34 - 37 33 - 36 32 - 35 30 - 33 30 - 32 27 - 30
Abaixo da
29 - 33 28 - 32 27 - 31 25 - 29 25 - 29 23 - 26
média
Ruim < 28 < 27 < 26 < 24 < 24 < 22

Fonte: Canadian Standardized Teste of Fitness (CSTF)

Sentar e Alcançar - com banco (em Centímetros) - Masculino e Feminino


Excelente 22 ou mais
Bom entre 19 - 21
Médio entre 14 - 18
Regular entre 12 - 13
Fraco 11 ou menos

Fonte:Pollock, M. L. & Wilmore J. H., 1993


Teste de flexão de braços
Homens

Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-65

Excelente >56 >47 >41 >34 >31 >30

Bom 47-56 39-47 34-41 28-34 25-31 24-30

Acima da
35-46 30-39 25-33 21-28 18-24 17-23
média

Média 19-34 17-29 13-24 11-20 9-17 6-16

Abaixo da
11-18 10-16 8-12 6-10 5-8 3-5
média

Fraco 4-10 4-9 2-7 1-5 1-4 1-2

Muito fraco <4 <4 <2 0 0 0

Mulheres

Idade 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-65

Excelente >35 >36 >37 >31 >25 >23

Bom 27-35 30-36 30-37 25-31 21-25 19-23

Acima da média 21-27 23-29 22-30 18-24 15-20 13-18

Média 11-20 12-22 10-21 8-17 7-14 5-12

Abaixo da média 6-10 7-11 5-9 4-7 3-6 2-4

Fraco 2-5 2-6 1-4 1-3 1-2 1

Muito fraco 0-1 0-1 0 0 0 0


AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA MUSCULAR LOCALIZADA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA MUSCULAR LOCALIZADA - Tabela do


teste de Abdominal

CLASSIFICAÇÃO PARA HOMENS (número de repetições por minuto)


Idade Excelente Acima da Média Média Abaixo da Média Fraco
15 - 19 + 48 42 a 47 38 a 41 33 a 37 - 32
20 - 29 + 43 37 a 42 33 a 36 29 a 32 - 28
30 - 39 + 36 31 a 35 27 a 30 22 a 26 - 21
40 - 49 + 31 26 a 30 22 a 25 17 a 21 - 16
50 - 59 + 26 22 a 25 18 a 21 13 a 17 - 12
60 - 69 + 23 17 a 22 12 a 16 07 a 11 - 06

CLASSIFICAÇÃO PARA MULHERES (número de repetições por minuto)


Idade Excelente Acima da Média Média Abaixo da Média Fraco
15 - 19 + 42 36 a 41 32 a 35 27 a 31 - 26
20 - 29 + 36 31 a 35 25 a 30 21 a 24 - 20
30 - 39 + 29 24 a 28 20 a 23 15 a 19 - 14
40 - 49 + 25 20 a 24 15 a 19 07 a 14 - 06
50 - 59 + 19 12 a 18 05 a 11 03 a 04 - 02
60 - 69 + 16 12 a 15 04 a 11 02 a 03 - 01

Fonte: Pollock, M. L. & Wilmore J. H., 1993


Classificação do Teste do Quadrado (PROESP-BR)
Classificação do Teste de Agilidade – Teste do quadrado (PROESP-BR, 2009)

Abaixo as tabelas de classificação referentes aos rapazes e moças.


Frequência Cardíaca de Repouso
A Sua Frequência de Repouso pode ser utilizada como um indicador da saúde e da
aptidão física. Se esta for alta, pode ser uma indicação de doença ou baixo
condicionamento físico. Se ela for baixa, seu músculo cardíaco é eficiente e bombeia
mais sangue com cada batimento. Isso pode ser uma indicação de um bom
condicionamento físico e boa FC no repouso e no exercício. Isso faz com que eles
tenham mais consciência de sua saúde e lembre-se que FC de repouso pode ser
afetada pela medicação, condições ambientais, estresse, cafeína, nicotina, dentre
outros fatores.

Uma FC de repouso confiável é aquela medida por 3 manhãs, logo ao acordar e


antes delevantar da cama, depois tira-se a média, na posição supinada(de barriga
para cima). Há alteração para medição sentado.

Como Medir a FC de Repouso:


1. A FC é mais bem mensurada na artéria radial localizada na porção lateral do
punho, alinhada com a base do polegar;
2. As pontas do indicador e do dedo médio devem ser utilizadas em vez do polegar.
O polegar tem um pulso próprio.
3. Inicie o cronômetro simultaneamente com o batimento;
4. Conte o primeiro batimento como zero;
5. Continue a contagem por 30" e depois multiplique por dois para ter a FC por
minuto.

Obs: Para medir a FC de repouso para cálculo rápido antes do exercício poderá
fazer sentado mas espere por 5' sem movimento e comece a contar quando a FC
cardíaca estiver no valor mais baixo (somente com o Frequencímetro). Para
exercícios aquáticos isso deve ser feito dentro da água.

Valores para Frequência Cardíaca de Repouso


IDADE EM ANOS 15-25 26-35 36-45 46-55 56-65 >65

Gênero M F M F M F M F M F M F
Excelente 49-55 54-60 49-54 54-59 50-56 54-59 50-57 54-60 51-56 54-59 50-55 54-59
Bom 57-61 61-56 57-61 60-64 60-62 62-64 69-63 61-65 59-61 61-64 58-61 60-64
Acima da Média 63-65 66-69 62-65 66-68 64-66 66-69 64-67 66-69 64-67 67-69 62-65 66-68
Média 67-69 70-73 66-70 69-71 68-70 70-72 68-71 70-73 68-71 71-73 66-69 70-72
Abaixo da Média 71-73 74-78 72-74 75-76 73-76 74-78 73-76 74-77 72-75 75-77 70-73 73-76
Ruim 76-81 80-84 77-81 78-82 77-82 79-82 79-83 78-84 76-81 79-81 75-81 75-79
Muito Ruim 84-95 86-100 84-94 84-94 86-96 84-92 85-97 85-96 84-94 85-96 83-98 88-96

Fonte: Manual do Profissional de Fitness Aquático - AEA - 5ª Ed. 2008 Pág.168.


RESISTÊNCIA

É a capacidade que o corpo possui para suportar uma atividade atrasando a


aparição da fadiga.Cada movimento ou atividade requer uma forma diferente de
"resistência", para isso podemos dizer que também há diferentes classes de resistências. A
aeróbia, que é como uma base que tem o organismo para poder realizar posteriormente
outras atividades sem recair imediatamente no esgotamento, e a anaeróbia, que nos permite
realizar esforços de curta duração, mas de intensidade grande.
Mediante as diferentes situações nas que pomos o nosso corpo tratamos que pouco a
pouco vá superando o cansaço e a fadiga o mais rápido possível para assim continuar com
a atividade ao ritmo desejado.
A resistência aeróbia é a capacidade que o indivíduo tem para realizar um esforço de
média intensidade e durante um tempo o mais longo possível.
A resistência anaeróbia são aqueles esforços de curta duração, mas de intensidade
grande. Exemplos podiam ser: saltos, lançamentos, arrancadas, batidas, pontapés, socos.
Estes esforços são tão intensos que em breve recaem em "déficit de oxigênio", isto quer
dizer que o oxigênio que gastamos durante o esforço é maior do que a nosso sangue possa
mandar. Esta dívida será "paga" uma vez tenha finalizado dito esforço (trabalho), isto é, no
período de recuperação.

DIFERENÇA ENTRE FLEXIBILIDADE E ALONGAMENTO

INTRODUÇÃO
Muita gente acha que é sinônimo e outros ate confundem os dois termos.
Flexibilidade é definida como a total amplitude de um movimento na articulação
(grau 0) ou de grupos de articulações envolvidos num determinado esforço com ou
sem a ajuda de uma pessoa ou equipamento. Ela não é generalizada, ou seja,
podendo ate ser específica para um só movimento na articulação de determinado
movimento. Um exemplo seria uma pessoa com ótima flexibilidade nos joelhos e
péssima nos ombros.
O alongamento enquanto isso é um conjunto de técnicas, exercícios ou
manobras terapêuticas que tem por objetivo alongar (esticar) estruturas de tecido
mole para se manter ou aumentar a amplitude dos movimentos de determinada
flexibilidade.Assim sendo, podemos dizer que a flexibilidade é considerada uma
valência física e o alongamento o meio para desenvolver esta valência, a
flexibilidade.
FLEXIBILIDADE
“É a qualidade física responsável pela execução voluntária de um
movimento de amplitude angular máxima, por articulação ou conjunto de
articulações, dentro dos limites morfológicos, sem risco de provocar lesão.”
(DANTAS).A flexibilidade é a amplitude de movimentos (ADM), ou seja, o grau de
amplitude em que uma estrutura pode se afastar da outra, onde o máximo seria o
ângulo de 0º, ao passar disso seria considerada hiperflexibilidade.
ALONGAMENTO
"Forma de trabalho que visa à manutenção dos níveis de flexibilidade
obtidos e a realização dos movimentos de amplitude normal com o mínimo de
restrição física possível” (DANTAS). O alongamento é um conjunto de técnicas
utilizadas para se manter ou para se aumentar a amplitude de movimentos, pode
ser utilizado como aquecimento ou após atividades físicas, evita a nodosidade
muscular. Não tem risco de distensão e não há aumento da mobilidade
articular.Não força a articulação, os componentes plásticos são deformados pelo
trabalho, os componentes elásticos são estirados ao nível submáximo e os
mecanismos de propriocepção e os terminais nervosos da dor não são estimulados.
Ginástica e Saúde – 1º ANO – Nº 03
Porém, quanto aos aspectosqualitativos, no sentido de se pensar a partir de
quaisobjetivos a Ginástica tem se desenvolvido nesses diferentescontextos (não-
escolar) e quem tem tido acesso a essa prática, podemos dizerque, emnossoponto
de vista, os resultadosnão demonstram avançossignificativos. Suaprática vincula-se
somente ao mercadoemdetrimento da formação e emancipaçãohumana, daí a
criação de diferentesprodutos (do vestuário ao cosmético), de diferentesmétodos de
Ginásticaqueapesar de terem rótulosdiversos, possuem o mesmoobjetivo. O corpo
ao sertratadocomoconsumidor e objeto de consumo, acabou popularizando a prática
da Ginástica na sociedade, porém, utilizando de argumentosque se materializam
emdoispólos, do discurso da saúde e da busca do ideal de beleza. Então, a
Ginástica (escolar e não-escolar), possue algunspontos convergentes na
sociedadecontemporânea: a modelação dos corpos, a exaltação à estética, a lógica
do rendimento, a ênfase ao consumismo, etc.Historicamente a Ginástica aparece
noscurrículosescolaresbrasileiros marcada porprincípios eugênicos, higiênicos e
morais, sendo considerada,
[…] comoelementocapaz de promover a saúdeatravés do ‘saudável’
exercitar dos músculos (...). Portanto a ginásticanão deveria ficarfora da
escola (...). Uma educaçãopopularquenão contemplasse a ginástica seria
considerada indigna desse nome, porque esta deveria acompanhartodo o
ensino e plantar no homem o sentimento de suanecessidade (...). Soares
(1994: p. 111).

Infere-se queessesentimento de necessidade da Ginásticacomo uma


práticasaudável à vida das pessoas, que deveria ser obtido pormeio de
suainclusãodurantetodo o processoescolar, não obteve êxitoemnossasociedade. E
basta buscarmos a literatura da áreapara entendermos isso, ou seja, a
Históriamostra os motivospelosquais a Ginástica/EducaçãoFísicanãoter sido
incorporada como uma atitudepermanente na vida das pessoas.
Ginástica e Hábitos Alimentares

Hábitos alimentares são tipos de escolha e consumo de alimentos feitos por um


indivíduo ou grupo, em resposta a influências fisiológicas, psicológicas, culturais e sociais.
Tais hábitos formam-se logo nos primeiros anos de vida e são consolidados nas idades
subseqüentes. Nos últimos anos, o aumento do poder econômico e a influência das crianças
têm representado fatores determinantes sobre as compras da família em diversas categorias
de produtos – principalmente cereais matinais, lanches e guloseimas –, e, nesse sentido,
torna-se fundamental atentar e zelar pela alimentação, para que não tenhamos no futuro
jovens e adultos precocemente doentes.
O ritmo acelerado da vida moderna também não favorece para a criação de hábitos
alimentares saudáveis, pois conduz a uma ingestão cada vez maior de energia, enquanto
limita a prática de atividade física. Por conta da correria cotidiana, questões básicas como o
respeito ao horário das refeições e a necessidade de um ambiente tranqüilo no momento da
alimentação são ignorados. Muitas pessoas não mastigam adequadamente e apenas
engolem o alimento, geralmente com a ajuda de grandes quantidades de refrigerante (que
“rouba” cálcio do organismo) ou suco, contribuindo para o surgimento de problemas
gástricos e para o aumento de peso. A informalidade está presente na maioria das refeições
do dia-a-dia. Pratos mais elaborados e a formalidade de ‘colocar a mesa’ faz parte de um
ritual apenas em datas especiais como Páscoa e Natal.
Apesar do arroz e feijão estarem presentes na mesa de todos os brasileiros e a
carne vermelha no prato de 70% da população, segundo pesquisa qualitativa e quantitativa
realizada pela Escola Superior de Publicidade e Marketing (ESPM) em dez capitais
brasileiras, com 2.136 pessoas, a tendência de mudanças no padrão alimentar da
população brasileira destaca a elevação do consumo de carnes e alimentos industrializados
(refrigerantes, biscoitos e refeições prontas) e a redução do consumo de leguminosas,
raízes e tubérculos, frutas, legumes e verduras.
As refeições prontas, que representavam baixo percentual de aquisição na década
de 1970, também passaram a apresentar uma fatia significativa das calorias disponíveis,
superior ao grupo das leguminosas, promovendo aumento calórico e redução no conteúdo
total de fibras. Além disso, é preciso destacar o alto conteúdo de sódio e as gorduras
saturada e trans contidos nos alimentos industrializados, o que pode contribuir para
elevação da prevalência de doenças cardiovasculares – principal causa de mortalidade em
todo o mundo.
É preciso dar preferência aos cereais integrais, aos legumes e verduras cruas ricas
em potássio, vitaminas e minerais. A televisão também está presente durante todas as
refeições para mais da metade da população, fazendo com que a interação entre os
familiares diminua e a ingestão calórica aumente, uma vez que o indivíduo deixa de prestar
a devida atenção ao que está ingerindo e à quantidade (o mesmo vale para o computador).
A influência salutar na alimentação do brasileiro trazida pelos negros, abundante em milho e
feijão, bem como a portuguesa, trazida pela colonização, com temperos naturais como alho,
cebola e outras ervas, deve ser preservada e estimulada, pois estes alimentos são fontes de
antioxidantes e outras substâncias benéficas para a saúde.
A ingestão de sucos de frutas naturais, e não apenas os de caixinha, deve ser rotina
em nossas casas, pois as vitaminas oferecem efeitos diversos daquelas ingeridas nos
medicamentos. Já dizia o pai da Medicina, Hipócrates: “faz do alimento teu remédio e do teu
remédio tua alimentação!” Quanto mais colorida for sua a refeição, mais apetitosa e
saudável ela será.
Ginástica na Obesidade
O que é obesidade?
É uma doença na qual a reserva natural de gordura aumenta até o ponto em que passa a estar
associada a certos problemas de saúde ou de aumento na taxa de mortalidade.
Dicas importantes para iniciar a atividade física
 Faça uma avaliação médica;
 Procure orientação de um professor de Educação Física;
 Use um calçado indicado para a sua atividade física;
 Evite os horários entre 10 e 16h para exercícios ao ar livre;
 Exercícios feitos de forma correta só trazem benefícios para a saúde .
Qual exercício começar?
a) Caminhada;
b) Exercícios de relaxamento (tai chi por exemplo);
c) Musculação leve;
d) Hidroginástica.
Tempo recomendável de exercícios para os iniciantes
O paciente deve realizar exercícios regulares de mais ou menos 30 a 40 minutos, ao menos 4 vezes
por semana inicialmente leves, como caminhada, por exemplo.
Dieta x Exercícios físicos
Pesquisas da Leeds MetropolitanUniversity e da Universityof Hull comprovam que exercicio é melhor
do que dieta
Tipos de obesidade
 Obesidade subcutânea (mais comum em mulheres)
 Obesidade visceral (mais comum em homens)
Prejuízos da obesidade
 Dificuldades respiratórias,
 Problemas dermatológicos,
 Distúrbios do aparelho locomotor,
 Problemas cardiovasculares,
 Diabetes,
 Hipertensão,
 Alguns tipos de câncer.
Benefícios da atividade física para os obesos
 a diminuição do apetite,
 o aumento da ação da insulina,
 a melhora do perfil de gorduras,
 a melhora da sensação de bem-estar e auto-estima.
Obesidade é genética?
Pesquisas comprovam que não são as crianças que nascem com obesidade e sim os costumes dos
pais que incentivam as crianças a se tornarem obesas
Motivos que fazem engordar
 Noites mal dormidas;
 Desreguladores endócrinos;
 Baixa variabilidade térmica;
 Gravidez tardia;
 Remédios;
 Mudanças na distribuição geográfica de etnias;
 Redução no numero de fumantes.
Importância da nutrição
Ingerir alimentos saudáveis também combatem a obesidade, uma vez que eles ajudam no
metabolismo e dão energia para a pratica de exercícios, porem exercícios físicos são essenciais.
EDUCAÇÃO FÍSICA, GINÁSTICA E DESNUTRIÇÃO

Diante do silêncio incompreensível sobre a inadequação da educação física


para as crianças famintas ou famélicas, partes irretorquíveis desse quadro de
morbidade, considero imprescindível mais uma vez dedicar uma certa atenção
para o seguinte: Na concepção de mundo, de sociedade e de homem, concepção
dominante, o papel que cumpre a educação física para crianças e adolescentes,
temos que a cultura física racional estimula o crescimento, o alongamento dos
ossos e o aumento da musculatura (hipertrofia) em conseqüência de uma maior
síntese protéica, mormente, se às crianças são dados os valores protéicos por
quilo de peso corporal por idade.
Em se tratando de crianças que praticam qualquer tipo de cultura física, tal
prática deve ser acompanhada do aumento da ingesta de nutrientes e de
calorias. Neste sentido, e de fundamental importância que exames médicos
periódicos (anamnese, clínico-laboratoriais, ortopédico e funcional) e de máxima
relevância na detecção de "problemas" que, em não sendo tratados, poderão
tornar-se verdadeiros obstáculos de difícil transposição à prática da educação
física.
As proteínas, por exemplo, deficientes em quantidade e qualidade na
ingesta da maioria dos brasileiros, são imprescindíveis à formação do material
contrátil do músculo, de substâncias energéticas para o trabalho (com pouca
participação como geradora de energia) e ao desenvolvimento a contento do
sistema imunológico dos infantes. De maneira que, às crianças e aos jovens
desnutridos não devem fazer exercício físico intenso, e sim muito moderado, de
acordo com sua suplência nutricional e/ou com seu grau de desnutrição.
Curiosamente, na educação física esta afirmação não tem sido
considerada. Via de regra o que temos visto é a prática da educação física e dos
desportos sendo predicada para todos os brasileiros, com total ausência de
atenção à questão da nutrição e, obviamente, da suplência protéico-mineral. Tal
postura é profundamente incorreta e imperdoável. É elementar, pois a
desconsideração para com o aporte protéico demonstra falta de compreensão
sobre a função das proteínas na fisiologia humana, especificamente, no
crescimento, no sistema imunológico e na reparação dos tecidos.
Por outro lado, esta deficiência, pelo próprio mecanismo de adaptação
biológica, induz o desvio das proteínas de certas partes do organismo para suprir
as partes mais solicitadas, no caso dos músculos. Quer dizer então que a baixa
ingestão diária de proteínas trás conseqüências danosas para as crianças?
Lógico! A deficiência de qualquer uma das substâncias que participam dos
processos de desenvolvimento e de crescimento produz atraso ou alterações
morfológicas e fisiológicas.4
Diante disso, não há o menor cabimento em predicar a educação física ou
a ginástica como forma compensatória dos prejuízos físicos produzidos pelo
processo produtivo, mesmo porque o patronato não anda nada preocupado com
a saúde coletiva do trabalhador. Não é verdade que a educação física ou a
ginástica assegure proteção a ninguém da influência perniciosa das várias
indústrias capitalistas.
Ginástica aeróbica – 1º ANO – Nº 04

A Ginástica aeróbica, em sentido amplo, é uma combinação de ginástica


clássica com dança. É um treinamento dinâmico com movimentos rítmicos
flanqueado com música motivadora. Elementos principais da ginástica aeróbica
sãocoordenação motora.
Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, como as modalidades
artística, de trampolim e rítmica. Porém, já possui campeonatos realizados pela FIG
a nível internacional. Esta disciplina requer do ginasta um elevado nível de força,
agilidade, flexibilidade e coordenação.
Definição
Em sentido estrito, chama-se ginástica aeróbica as atividades físicas
caracterizadas por movimentos rítmicos e intensos com elevado gasto calórico e de
impacto sobre as articulações, movimentos estes causadores de esforço físico que
pode ser suprido pela oxigenação normal da respiração, quase sempre
acompanhados de música, e que produzem um aumento metabólico e uso de
substratos benéficos ao organismo.
Ginástica aeróbica pode ser qualquer atividade física caracterizada pela
prática de exercícios isotônicos, ou seja, esforços musculares em que existe a
manutenção da tonicidade muscular, com modificação do comprimento e volume da
mesma na medida do tempo. Geralmente são exercícios em que não há uma
exaustão por acúmulo excessivo de ácido láctico, onde o consumo de oxigênio pelo
músculo é proporcional, e que por conseguinte o ganho anabólico é menor quando
comparado com os exercícios anaeróbios.
Na década de 1990, esta disciplina foi uma "febre da moda" nas academias,
já que favorece a redução de percentual de gordura e produzem corpos esculpidos.
Características gerais
Os exercícios aeróbicos usam grandes grupos musculares rítmica e
continuamente, elevando os batimentos cardíacos e a respiração durante algum
tempo. O exercício aeróbico é longo em duração e moderada em intensidade.
Dentre algumas das atividades aeróbicas mais comuns estão: andar, correr, pedalar
e remar. Aeróbica por definição, significa com ar ou oxigênio. Além dos benefícios
para a queima de substratos (gordura, glicose e em último caso proteína) os
exercícios aeróbicos são muito benéficos também para melhorar a saúde de modo
geral.
Características específicas
É uma ginástica composta por exercícios que estimulam a melhora do
desempenho cardiovascular através da utilização do uso do oxigênio pelo corpo do
indivíduo e permitindo que o coração trabalhe com mais força e com maior
frequência. Como tem um ritmo constante e de longo período, que caracteriza
atividades aeróbicas, é considerado um exercício aeróbico.
Ginástica localizada – 1º ANO – Nº 04

A ginástica localizada nada mais é do que série de exercícios de ginástica


com número elevado de repetições para grupos musculares distintos, com o fim de
os moldar. É uma das modalidades ou atividades mais requisitadas nas
academias/ginásios, em especial para atendimento de grupo adultos, que
queremmelhorar o tônus muscular nas regiões abdominais, parte posterior de
membros superiores e também coxas e glúteos.
Consiste basicamente em sessões estruturadas de séries de exercícios com
número elevado de repetições para grupos musculares distintos, com a finalidade de
aprimorar: o tônus muscular, as capacidades aeróbia, anaeróbia, flexibilidade ou o
condicionamento físico como um todo. A ginástica é uma das atividades mais
requisitadas em academias, em especial para atendimento de grupos adultos.
A ginástica localizada é dita uma das formas mais tradicionais e populares de
prática do exercício físico, dentre as demais modalidades não esportivas e consiste
em exercícios priorizando séries para cada segmento muscular ou pelos segmentos
articulares. Com duração de aproximados sessenta minutos, as práticas da ginástica
localizada levam ao condicionamento físico, emagrecimento e fortalecimento
muscular. Sua prática lembra a ginástica aeróbica.
Seus exercícios são trabalhados separadamente e para cada parte do corpo é
realizada uma sequência de movimentação diferente, seja com pesos ou não,
individual ou em grupo. Bem como a localizada, sua prática lembra a ginástica
aeróbica, como assim também costuma ser chamada.