Você está na página 1de 2

Atividade Logística de Suprimento 1-1

CAPÍTULO 1

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL

ARTIGO 1

GENERALIDADES

1.1 - INTRODUÇÃO
Como é sobejamente conhecido, sem contudo ser demais repetir, Henry Fayol diz que ad-
ministrar é prever, organizar, comandar, coordenar e controlar. Entendemos também que a admi-
nistração compreende três campos básicos: pessoal, material e financeiro.
Do acima exposto depreende-se que a administração de material é a ramificação da Admi-
nistração Geral, constituindo-se um importante fator no seu conjunto.
Dentro de uma conceituação moderna, administração de material é uma atividade que a-
brange a execução e gestão de todas as tarefas de suprimento, transporte e manutenção do mate-
rial de uma organização.
A administração do material corresponde, portanto, no seu todo, ao planejamento, organi-
zação, direção, coordenação e controle de toda as tarefas necessárias à definição de qualidade,
aquisição, guarda, controle e aplicação dos materiais destinados às atividades operacionais de
uma organização, seja de natureza militar, industrial, comercial ou de serviços.
A administração do material tem por objetivo:
• Preços baixos;
• Alto giro de estoques;
• Baixo custo de aquisição e posses;
• Continuidade de suprimento;
• Consistência de qualidade;
• Pouca despesa com pessoal;
• Relações favoráveis com os fornecedores;
• Aperfeiçoamento do pessoal;
• Bons registros.

1.2 - DEFINIÇÕES E ABRANGÊNCIA

A administração de material é a parte da administração geral que trata da área específica


dos materiais. Nas empresas é uma atividade integrada da Logística Empresarial (não confun-
dir com Logística Militar), que abrange a execução e gestão de todas as tarefas de suprimento,
transporte e manutenção.
Os materiais podem ser classificados conforme a necessidade e cultura de cada empresa.
Assim existem classificações segundo diversos critérios.
Quanto à utilização podem se classificar em: equipamentos, material de consumo, ma-
térias primas e insumos.
Quanto ao valor econômico (não é necessariamente o preço), os materiais podem ser
classificados segundo diversos aspectos, tais como facilidade de obtenção, produção nacional ou
estrangeira, possibilidade de substitutivos, multiplicidade de emprego, etc.
Quanto ao valor estratégico, pode ser classificada diferentemente se sua utilização está li-
gada a segurança nacional, se sua existência está ligada a escassez ou abundância de jazidas mi-
nerais ou vegetais
A política de material de cada empresa varia conforme estão classificados os seus materiais
e conforme seu ramo de atividade. Contudo algumas técnicas básicas são comuns e serão trata-
das no decorrer desta publicação, naquilo que se aplica à Atividade de Suprimento.
Atividade Logística de Suprimento 1-2

Assim uma técnica básica da política de materiais é a padronização dos materiais em uso
na organização. Esta padronização se dá pela aplicação de especificações técnicas e pela existên-
cia de um programa de classificação e catalogação de materiais.
Outra política básica é o acompanhamento do ciclo dos materiais. Este programa visa pre-
parar e programar a introdução dos materiais na organização. Com isso evita-se dispêndio exces-
sivo de recursos, paralisação da empresa pela falta do referido material, além da eliminação de
estoques mortos e sucatas excessivas ao fim da vida útil do material.
Deve-se ter especial atenção ao processo de procura e obtenção dos materiais. Atualmen-
te com a tendência de globalização da economia as fontes fornecedoras multiplicaram-se em nú-
mero, fazendo com que as equipes encarregadas destas atividades tenham uma crescente com-
plexidade no seu trabalho.
O transporte faz parte das preocupações básicas do administrador de materiais. Seja ele
interno ou externo, um baixo desempenho na sua execução pode comprometer a atividade fim da
organização. Deve-se estar sempre atento às modernas técnicas e equipamentos de transporte,
além da evolução das relações comerciais com aquelas empresas prestadoras de serviço nesta
área, que podem vir a ser empregadas como uma importante maneira de economia de tempo e
recursos.
A armazenagem de materiais também é uma preocupação constante do administrador. A
armazenagem, embora não se aperceba disso facilmente têm um custo (posse e conservação da
área, conservação dos próprios materiais, custo de pessoal, etc), além do próprio custo do esto-
que imobilizado. Assim pela padronização e pelo planejamento deve-se procurar reduzir a quan-
tidade de material armazenado e aumentar a velocidade com que ele entra e sai dos locais de
armazenagem. Deve-se também estar atento às modernas técnicas e equipamentos de armazena-
gem e embalagem, para aumento da eficiência e redução de custos.
A administração de estoques é também uma tarefa da qual o administrador de materiais
não deve se descuidar. Sua eficiência leva à redução de materiais armazenados, citada acima,
permite uma previsão de consumo e aquisições, além de permitir todo o planejamento do ciclo de
materiais da empresa.
Por fim, pouco adianta a atenção a todas as técnicas da Administração de Materiais numa
empresa, caso ela esteja desorganizada, caso estejam descoordenados seus órgãos internos e
caso ela não consiga processar adequadamente seus dados, suas estatísticas e não consiga moti-
var suficientemente seu pessoal para a realização de um bom trabalho. Assim destaca-se uma
série de providências para que uma organização atinja níveis altos de eficiência na sua atividade:
1) Organização & Métodos - realiza um estudos métodos administrativos e de produ-
ção na organização, além da adequação da organização aos métodos otimizados e vice versa.
Termos como reengenharia, otimização de processos, são versões atuais ou subconjuntos des-
ta prática;
2) Qualidade - Por qualidade entende-se fundamentalmente o atendimento às necessi-
dades do cliente, seja quem ele for, seja quais sejam suas necessidades (de preço, de prazo, de
assistência técnica, etc). A implantação da qualidade passa pela mudança da mentalidade indivi-
dual, da cultura coletiva da organização e pela quebra de paradigmas. Só ocorre de cima para
baixo, ou seja com liderança e participação efetiva do comando da organização desde os mais
altos níveis;
3) Informatização - Trata-se da adoção pela empresa de uma das mais eficientes fer-
ramentas para a gestão e administração modernas. Mas não passa disto, uma ferramenta, que
para ser útil deve ser empregada segundo suas complexas técnicas, que envolvem o levantamento
das necessidades de informação, delimitação das possibilidades versus custo e investimento em
pessoal, instalações, programas e equipamentos. Sem investimento balanceado em qualquer um
dos itens citados a informatização deixa de ser o paraíso para tornar-se um pesadelo, que vai
drenar recursos e energia, sem o retorno esperado e adequado.