Você está na página 1de 25

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO STELMACHUK

ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA


ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

UNIÃO DA VITÓRIA

2010
APRESENTAÇÃO GERAL DA DISCIPLINA

1.1 Dimensão Histórica


Foi no ano de 1837, que a História passou a ser disciplina escolar obrigatória
no Brasil. Isso se deu com a criação do Colégio D.Pedro II, no Rio de Janeiro.
Com o nascimento do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB),
História passa também a ser disciplina acadêmica.
Eram os intelectuais do IHGB os responsáveis pela elaboração dos
programas escolares, manuais didáticos e conteúdos a serem ensinados. Estes
sofriam grande influência da escola metódica e positivista com características da
história política, orientada pela linearidade dos fatos pelo uso restrito de documentos
oficiais escritos e pela valorização dos heróis.
Sob essa ótica, o modelo de nação brasileira seria mera extensão da Europa
Ocidental. A nacionalidade era a síntese das raças branca, índia e negra com
predominância da ideologia do branqueamento.
O currículo oficial tinha então por objetivo legitimar os valores aristocráticos
onde eram o s líderes que conduziam a História sem espaço para pessoas comuns.
Esse modelo de ensino de História manteve-se com o advento da República.
Houve pequena mudança em 1901, quando a História do Brasil passou a ser
contida dentro da História Universal e na maioria das vezes nem era tratada por
professores e professoras.
Na ditadura do Estado Novo, o projeto político nacionalista fez com que a
História do Brasil retornasse aos currículos escolares por força da lei orgânica do
Ensino Secundário de 1942..
O acesso à disciplina era restrito às elites que se preparavam para conduzir
os destinos da nação. Seu conteúdo reforçava o caráter moral e cívico do ensino.
Desde 1930, discutia-se a inclusão dos estudos sociais no ensino de História.
Sob influência norte-americana, a Lei 5692/71, implanta o ensino de Estudos
Sociais, no primeiro grau. Essa mesma lei que organiza o primeiro grau em 8 anos e
o segundo grau profissionalizante. Com isso as disciplinas da área de ciências
humanas perdem espaço nos currículos.
No primeiro grau, História e Geografia são condensadas como área de
Estudos Sociais, dividindo ainda a carga horária com Educação Moral e Cívica
(EMC).
No segundo grau, a carga horária de História foi reduzida. E a disciplina
Organização Social e Política Brasileira (OSPB) passaram a compor o currículo.
Proliferam com isso os cursos de licenciatura curta em Estudos Sociais. O
ensino de História desta época, era de caráter estritamente político, pautado no
estudo de fontes oficiais e narrado apenas do ponto de vista factual, com a presença
dos “grandes heróis”, exemplos a serem seguidos e não contestados pelas novas
gerações.
O Estado figurava como o principal sujeito histórico, responsável pelos
grandes feitos da nação, exemplificado nas obras dos governantes e das elites
condutoras do país.
Com a abertura democrática na década de 1980, o ensino de Estudos Sociais
começou a ser bastante contestado. E, no início da década de 1990, buscavam-se
reformas democráticas no ensino de História.
Prova disso foi a tentativa da produção acadêmica da História com o ensino
desta disciplina, no primeiro grau, fundamentada na pedagogia histórica-crítica, por
meio do currículo básico para a escola pública do estado do Paraná (1990). Essa
proposta tinha como pressupostos teóricos, a historiografia social pautada no
materialismo histórico-dialético e alguns elementos da nova história.
A década de 1990 então foi a busca na superação dos estragos que sofrem tanto o
ensino de História, quanto a produção acadêmica de História, nos anos do Regime
Militar.
Com o fortalecimento do neoliberalismo, nos 1990, o Ministério da Educação
divulgou os parâmetros curriculares nacionais (PCNs), para os ensinos fundamental
e médio. E o estado do Paraná, de uma forma autoritária, apesar da autonomia das
escolas ser garantida na LDBN/96, implantou os PCNs.
Ainda que se propusesse o ensino humanístico, as novas propostas de
ensino confrontaram-se com a necessidade de preparar indivíduos para o mercado
de trabalho.
Mais uma vez, a área de Ciências Humanas perde espaço no currículo
escolar. Foram contratados menos profissionais por concursos públicos, bem como
se investiu pouco ou quase nada em formação continuada destes profissionais.
A partir de 2003, a Secretaria Estadual do Paraná - SEED - trabalha na
elaboração das diretrizes curriculares para o ensino de História, buscando superar
os problemas diagnosticados, na organização curricular da disciplina e ainda atender
as demandas dos movimentos sociais organizados, como a aprovação da lei
13.381/01, que torna obrigatória no ensino fundamental e médio da rede pública de
ensino, os conteúdos de história do Paraná, além da lei 10.639/036, que obriga a
inserção dos estudos da temática História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Lei nº 11.645/08, inclui no currículo oficial a obrigatoriedade do ensino da Historia e
cultura dos povos indígenas do Brasil.

1.2 – Correntes Historiográficas


São os “conflitos” entre correntes historiográficas que fazem com que novas
configurações e construções apareçam dentro da História. As Diretrizes Curriculares
tem sua fundamentação teórica apoiada na Nova História Cultural incluindo
historiadores da Nova História e da Nova Esquerda Inglesa.
Dentro da Nova História, alguns descompassos e críticas trocados entre
intelectuais fez com que ocorressem migrações para a História Cultural, entendida
como um campo de investigação resultante das tendências que nasceram dos
trabalhos dos historiados italiano Carlo Ginzburg, do francês Roger Charter e do
inglês Eduaward P.Thompson, este último representante da Nova Esquerda Inglesa.
Segundo Peter Burke, tanto a Nova História Cultural quanto a nova História da
década de 1970, se utilizam do termo nova para distinguirem-se das produções
historiográficas das formas anteriores, muito embora a palavra “cultura” aqui ganhe
nova dimensão dada à influência da antropologia nesta nova História Cultural. Além
disso, historiadores culturais passam a utilizar-se em suas produções conceitos
como descrição densa, dialogismo, polifonia, representações, práticas culturais,
descontinuidades culturais, rupturas, entre outros.
A Nova Esquerda Inglesa surge em 1956 dadas à divergência dentro do
Partido Comunista Inglês. Intelectuais membros do Partido, descontentes com o
Regime Stalinista rompem com o partido e passam a reescrever a História britânica
a partir de uma revisão crítica damarxismo e contribuindo para os estudos da
História Social.
Além disso, esses historiadores passam a utilizar novos métodos e a fazer
uma releitura das fontes históricas já pesquisadas e divulgadas em outros trabalhos.
Eles pautam seus estudos na experiência do historiador, na sua dimensão social e
investigativa, possibilitando novos questionamentos sobre o passado, a partir dos
quais têm surgido novos métodos de pesquisa histórica.
Essa concepção de História, enquanto experiência de homens e mulheres e
sua relação dialética com a produção material valorizam a possibilidade de luta e
transformação social. Justifica-se assim a concepção de História que se pretende, a
qual não se vincula ás teorias deterministas da estrutura e nem as teorias
voluntaristas da consciência que reduzem a produção historiográfica á categoria de
ficção.
A nova História Cultural e a Nova Esquerda Inglesa como fundamentação
teórica nestas diretrizes são oportunas à necessária superação da História que vem
se desenvolvendo desde o Colégio D. Pedro II.
A produção historiográfica brasileira contemporânea está relacionada com as
referências teóricas e metodológicas presentes nas correntes apresentadas nas
Diretrizes. Contudo, os historiadores brasileiros ligados aos estudos sobre a
escravidão na América Portuguesa e Brasil Imperial utilizam princípios teóricos e
metodológicos correspondentes aos da Nova Esquerda Inglesa.
Entretanto, é preciso atentar para os limites e possibilidades dessas correntes
historiográficas; elas não são modelos explicativos. A historiografia brasileira
também se relaciona às tradições de pensamento nacionais, tais como as advindas
de Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), Gilberto Freyre (1900-1987), Caio
Prado Júnior (1907-1990), Nelson Werneck Sodré (1911-1999) e Celso Furtado
(1920-2004), por exemplo. Existem, portanto, permanências e rupturas nas relações
entre a nova historiografia brasileira e essas tradições historiográficas. Outro
aspecto a ser levado em consideração é que a valorização dos múltiplos sujeitos
introduz temporalidades distintas das produzidas pelos europeus; as fontes
produzidas por esses sujeitos e suas respectivas perspectivas permitem o
surgimento de explicações e interpretações histórias distintas das européias, embora
sejam relacionadas com elas.
A proposta delineada nestas Diretrizes Curriculares estabelece articulações
entre abordagens teórico-metodológicas distintas, resguardadas as diferenças e até
a oposição entre elas, por entender que esse é um caminho possível para o ensino
de História, porque possibilita aos alunos compreenderem as experiências e os
sentidos que os sujeitos dão a elas.
A macro-história e a micro-história, por exemplo, são abordagens que podem
ser combinadas. Uma História das experiências ligadas à micro-história tais como o
sofrimento e a miséria de uma localidade, de uma família, de um indivíduo, mostra
pontos de vista e ações de um determinado passado que permitem uma reavaliação
dialética das explicações macro-históricas.
O que fundamentam o ensino de História a partir dessa nova racionalidade
histórica apresentada nestas Diretrizes Curriculares é o pesquisador alemão Jörn
Rüsen (1938) que fornece algumas sólidas pontes teórico-metodológicas que
relacionam esse novo modo do pensamento histórico e a aprendizagem da História.
Segundo o historiador Jörn Rüsen (2001, p. 58), a consciência histórica é o conjunto
“das operações mentais com as quais os homens interpretam sua experiência” da
mudança temporal “de seu mundo e de si mesmos, de forma tal que possam
orientar, intencionalmente, sua vida prática no tempo”.
Segundo Rüsen, a aprendizagem histórica é uma das dimensões e
manifestações da consciência histórica. Está articulada ao modo como a experiência
do passado é vivenciada e interpretada de maneira a fornecer uma compreensão do
presente e a construir projetos de futuro.
Para Rüsen as orientações e os métodos da pesquisa histórica são distintos
das orientações e dos métodos de ensino de História.
No ensino, considera-se o aprendizado de conceitos históricos que explicam os
processos de mudança da consciência histórica nos alunos.
Apresentaram-se, nestas Diretrizes Curriculares, as contribuições advindas
das correntes da Nova História, Nova História Cultural e Nova Esquerda Inglesa, a
partir da matriz disciplinar da História proposta por Rüsen. Espera-se que, por meio
dessas orientações, a prática do professor contribua para a formação da consciência
histórica nos alunos a partir de uma racionalidade histórica não-linear e
multitemporal.
Para que esse objetivo ligado à aprendizagem histórica seja alcançado, sob a
exploração de metodologias ligadas à epistemologia da História, é importante
considerar, na abordagem dos conteúdos temáticos:
• múltiplos recortes temporais;
• diferentes conceitos de documento;
• múltiplos sujeitos e suas experiências, numa perspectiva de diversidade;
• formas de problematização em relação ao passado;
• condições de elaborar e compreender conceitos que permitam pensar
historicamente;
• superação da idéia de História como verdade absoluta por meio da percepção
dos tipos de consciência histórica expressas em narrativas históricas

1.3 - Conteúdos Estruturantes


Como há muito a ser trabalhado em pouco tempo, faz-se necessária a
seleção de conteúdos que nos pareçam essenciais serem trabalhados. Importância
fundamental é sabermos a realidade de nossa comunidade escolar e a partir daí
traçar a melhor maneira de trabalho. Para o Ensino Fundamental, a abordagem dos
conteúdos estruturantes está apresentada nas Diretrizes Curriculares como
dimensões: política, econômico-social e cultural em consonância com a concepção
da fundamentação teórica.

Dimensão Política
É necessária para ressaltar a importância de sujeitos comuns na História e
corrigir a “injustiça histórica” do ensino tradicional da História pautada nos grandes
“heróis”, grandes guerras, etc.

Dimensão Econômico-Social
Essa dimensão propõe superar a abordagem economicista e reducionista que
tem marcado o ensino de História. Através da busca de seu referencial teórico
metodológico, e também o intercâmbio com a antropologia, e o uso de fontes orais
que possibilitem o resgate do passado de sujeitos excluídos da história tradicional.

Dimensão Cultural
Ao longo dos tempos a humanidade criou conjuntos de significados para
explicar o mundo a seu redor. As Ciências Sociais ampliaram o conceito de cultura
nos séculos XIX e XX e contribuíram às novas leituras. Com isso cada comunidade
pode ser notada como resultado da cultura de cada indivíduo. Cultura não é mais só
a cultura das elites.
Prova disso foi a tentativa de aproximação da produção acadêmica da
História com o ensino desta disciplina no Primeiro Grau, fundamentada na
pedagogia histórico-crítica, por meio do Currículo Básico para a Escola Pública do
Estado do Paraná (1990). Essa proposta tinha como pressupostos teóricos a
historiografia social, pautada no materialismo histórico dialético e alguns elementos
da Nova História.
Com o fortalecimento do neoliberalismo nos anos 1990 o Ministério da
Educação divulgou os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental e Médio. E o Estado do Paraná, de uma forma autoritária, apesar da
autonomia das escolas ser garantida na LDBEN/96, implantou os PCNs.
A partir de 2003, a secretaria Estadual do Paraná -SEED - trabalha na
elaboração das diretrizes curriculares para o ensino de História buscando superar os
problemas diagnosticados na organização curricular da disciplina e ainda atender ás
demandas dos movimentos sociais organizados, como a aprovação da Lei 13381/01
que torna obrigatória no Ensino Fundamental e médio da rede pública de ensino
os conteúdos de História do Paraná, além da lei 10639/036 que obriga inserção dos
estudos da temática História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. E a Lei 11.645/08,
que inclui no currículo a obrigatoriedade do ensino da Historia e da cultura dos
povos indígenas do Brasil.
5ª SÉRIE
DAS ORIGENS DO HOMEMAO SÉCULO XVI – DIFERENTES TRAJETÓRIAS,
DIFERENTES CULTURAS.

CONTEÚDOS ESPECÍFICOS CONTEÚDOS


COMPLEMENTARES
C Produção do conhecimento A Humanidade e a História
O histórico  De onde viemos quem somos,
M  O historiador e a produção como sabemos?
T do conhecimento histórico;
E  Tempo, temporalidade;
Ú  Fontes, documentos;
D  Patrimônio material e
O imaterial;
DIMENSÕES  Pesquisa;
E POLÍTICA Articulação da História com
S ECONOMI outras áreas do conhecimento
T CO, SOCIAL  Arqueologia, antropologia,
R E CULTURAL paleontologia, geografia,
U geologia, sociologia, etnologia
T e outras.
U
R *Observação: o estudo da
A produção do conhecimento
N histórico e a articulação da
T História com outras áreas do
E conhecimento se fazem
necessário em todas as séries
do ensino fundamental, não
necessariamente no início do
ano letivo como está posto
para a 5ª série.
Arqueologia no Brasil Surgimento, desenvolvimento da
 Lagoa Santa: Luzia (MG); humanidade e grandes
 Serra da Capivara (PI) migrações
 Sambaquis (PR)  Teorias do surgimento do
homem na América;
 Mitos e lendas da origem do
homem;
 Desconstrução do conceito de
Pré-história;
 Povos ágrafos, memória e
história oral.
Povos indígenas no Brasil e no As primeiras civilizações na
Paraná América
 Ameríndios do território  Olmecas, Mochicas,
brasileiro; Tiwanacus, Maias, Incas e
 Kaingang, Guarani, Xetá e Astecas;
Xokleng.  Ameríndios da América do
 Lei 10,639 e Lei 11,645 norte.
:cultura africana e indígena e
suas contribuições para a As primeiras civilizações na
cultura brasileira; África. Europa e Ásia
 Egito, Núbia, Gana e Mali*
 Hebreus, gregos e romanos*
(reflexões sobre questões
referentes a gênero e
diversidade sexual)

*Observação: não se trata aqui,


de “esgotar” a história destas
civilizações, mas sim, levantar
alguns aspectos como
religiosidade, organização
social...
A chegada dos europeus na Península Ibérica nos séculos
América XIV E XV: cultura, sociedade e
 (des) encontros entre política
culturas;  Reconquista do território;
 Resistência e dominação;  Religiões: judaísmo,
 Escravização; cristianismo e islamismo;
 Catequização;  Comércio (África, Ásia,
América e Europa).
Formação da sociedade Os reinos e sociedades africanas
brasileira e americana e os contatos com a Europa
 América portuguesa;  Songai, Benin, Ifé, Congo,
 América espanhola; Monomotapa (Zimbábue) e
 América franco-inglesa; outros;
 Organização político-  Lei 10,639:cultura africana e
administrativa (capitanias suas contribuições para a cultura
hereditárias, sesmarias); brasileira;
 Manifestações culturais  Comércio;
(sagrada e profana);  Organização político-
 Organização social (família administrativas;
patriarcal e escravismo);  Manifestações culturais;
 Escravização de indígenas e  Organização social;
africanos;  Uso de tecnologias: engenho
 Economia (pau-brasil, cana- de açúcar, a batea, construção
de-açúcar e minérios). civil...
 Educação Ambiental: Lei
9,795/99 e a interação
homem/meio-ambiente;

Diáspora Africana

6ª SÉRIE
DAS CONTESTAÇÕES A ORDEM COLONIAL AO PROCESSO DE
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL – SÉCULO XVII AO XIX

CONTEÚDOS ESPECÍFICOS CONTEÚDOS


COMPLEMENTARES
Expansão e consolidação do Consolidação dos estados
território nacionais europeus e Reforma
 Missões; Pombalina
 Bandeiras;  Reforma e contra-reforma;
 Invasões estrangeiras;
C
O Colonização do território
N DIMENSÕES “paranaense”
T POLÍTICA  Economia;
E ECONOMICO  Organização social;
Ú -SOCIAL E  Manifestações culturais;
D CULTURAL  Organização político-
O administrativa.
E Movimentos de contestação Independência das treze
S  Quilombos (BR e PR); colônias inglesas da América do
T  Irmandades: manifestações Norte
R religiosas sincretismo;
U  Revoltas Nativistas e Diáspora africana
T Nacionalistas;
U  Inconfidência mineira; Revolução Francesa
R  Conjuração baiana;  Comuna de Paris.
A  Revolta da cachaça;  Cidadania e direitos humanos
N  Revolta do maneta;
T  Guerra dos mascates.
E
Chegada da família real no Invasão napoleônica na
Brasil Península Ibérica
 De colônia a Reino Unido;
 Missões artístico-científicas;
 Biblioteca Nacional;
 Banco do Brasil
 Urbanização na Capital;
 Imprensa régia.

O processo de Independência O processo de independência


do Brasil das Américas
 Governo de D. Pedro I;  Haiti;
 Constituição outorgada de  Colônias espanholas.
1824;
 Unidade territorial;
 Manutenção da estrutura
social;
 Confederação do Equador;
 Província Cisplatina;
 Haitianismo;
 Revoltas regenciais: Malês,
Sabinada, Balaiada,
Cabanagem, Farroupilha.
7ª SÉRIE
PENSANDO A NACIONALIDADE: DO SÉCULO XIX AO XX – A CONSTITUIÇÃO
DO IDEÁRIODE NAÇÃO NO BRASIL

CONTEÚDOS CONTEÚDOS
ESPECÍFICOS COMPLEMENTARES
A construção da Nação Revolução Industrial e relações de
 Governo de D. Pedro II; trabalho (XIX e XX)
 Criação do IHGB;  O cercamento das terras;
 Lei de Terras, Lei Euzébio  Ludismo;
de Queiroz – 1850;  Socialismos;
C  Divisão social e territorial;  Anarquismo;
O  Início da imigração
N europeia; Relacionar: Taylorismo, Fordismo,
T  Definição do território; Toyotismo.
E  Movimento Abolicionista e Reflexões: o homem do campo;
Ú DIMENSÕES emancipacionista.
D POLÍTICA Emancipação política do
O ECONOMICO Paraná (1853)
-SOCIAL E  Economia;
E CULTURAL  Organização social;
S  Manifestações culturais;
T  Organização político-
R administrativa;
U  Migrações: internas
T (escravizados, libertos e
U homens livres pobres) e
R externas (europeus);
A Os povos indígenas e a
N política de terras.
T A Guerra do Paraguai e/ou a Guerra da Tríplice Aliança
E O processo de abolição da Colonização da África e da Ásia
escravidão A Guerra do Ópio: prevenção ao
 Legislação; uso indevido de drogas
 Resistência e negociação;
 Abolição; Guerra Civil e Imperialismo
 Imigração – senador estadunidense;
Vergueiro; Valorização do afro-brasileiro
 Branqueamento e
miscigenação (Oliveira Carnaval na América Latina:
Vianna, Nina Rodrigues, entrudo, murga e candomblé;
Euclides da Cunha, Silvio
Romero, no Brasil,
Sarmiento na Argentina).
Os primeiros anos na Questão Agrária na América
República Latina
 Idéias positivas; Revolução Mexicana
 Imigração asiática;  Questão da reforma agrária no
 Oligarquia, coronelismo e Brasil;
clientelismo;
 Movimentos de
contestação: campo e Primeira Guerra Mundial
cidade;
 Movimentos messiânicos;
 Revolta da vacina e
urbanização do Rio de Revolução Russa
Janeiro;
 Movimento operário:
anarquismo e comunismo;
 Guerra do contestado;
 Greve de 1917 – Curitiba; Comemoração dos 100 anos de
 Paranismo: movimento acontecimento da Guerra do
regionalista – Romário Contestado.
Martins, Zaco Paraná,
Langue de Morretes, João
Tutim.
8ª SÉRIE
REPENSANDO A NACIONALIDADE BRASILEIRA: DO SÉCULO XX AO
SÉCULOXXI – ELEMENTOS CONSTRUTIVOS DA CONTEMPORANEIDADE

CONTEÚDOS CONTEÚDOS
ESPECÍFICOS COMPLEMENTARES
A Semana de 22 e o Crise de 29
repensar da nacionalidade
 Economia;
 Organização social;
 Organização político-
administrativa;
Manifestações culturais;
C  Coluna Prestes.
O
M A “Revolução” de 30 e o Ascensão dos regimes totalitários
T período Vargas (1930 a na Europa
E DIMENSÕES 1945)
Ú POLÍTICA  Leis trabalhistas;
D ECONOMICO-  Voto feminino; Movimentos populares na América
O SOCIAL E  Ordem e disciplina no Latina
CULTURAL trabalho;
E  Mídia e divulgação do
S regime; Segunda Guerra Mundal
T  Criação do SPHAN,
R IBGE;
U  Futebol e carnaval;
T  Contestações a ordem;
U  Integralismo;
R  Participação do Brasil na
A II Guerra Mundial.
N Populismo no Brasil e na Independência das colônias afro-
T América Latina asiáticas
E  Cárdenas – México;
 Perón – Argentina;
 Vargas, JK, Jânio Guerra Fria
Quadros e João Goulart –
Brasil.
Construção do Paraná atual Guerra Fria
 Governos: Manoel Ribas,
Moyses Lupion, Bento
Munhoz da Rocha Netto e
Ney Braga;
 Frentes de colonização
do Estado, criação da
estrutura administrativa;
Copel, Banestado,
Sanepar, Codepar...
Movimentos Culturais;
 Movimentos sociais no
campo e na cidade;
Ex.: Revolta dos
colonos década de 50 –
Sudoeste;
 Os xetá.

O Regime Militar no Paraná Guerra fria e os Regimes Militares


e no Brasil na América Latina
 Repressão e censura uso  Política de boa vizinhança;
ideológico dos meios de  Revolução cubana;
comunicação;  11 de setembro no Chile e a
 O uso ideológico do deposição de Salvador Allende;
futebol na década de 70;  Censura aos meios de
 O tricampeonato comunicação;
mundial  O uso ideológico do futebol na
 A criação da liga década de 70;
nacional (campeonato  A copa as Argentina – 1978;
brasileiro)  Enfrentamento a violência na
 Cinema novo; escola e na sociedade;
 Teatro;
 Itaipu, Sete Quedas e a
questão da terra.
Movimentos de contestação Movimentos de contestação no
no Brasil mundo
 Resistência armada;  Maio de 68 – França;
 Tropicalismo;  Movimento Negro;
 Jovem Guarda;  Movimento Hippie;
 Novo sindicalismo;  Movimento Homossexual;
 Movimento Estudantil.  Movimento feminista;
 Gênero e diversidade sexual na
sociedade contemporânea;
 Movimento Punk;
 Movimento Ambiental;

Paraná no contexto atual


Redemocratização Fim da bipolarização mundial
 Constituição de 1988;  Desintegração do bloco
 Movimentos rurais e socialista;
urbanos: MST (Movimento  Neoliberalismo;
dos sem Terra), MNLM  Globalização;
(Movimento Nacional de  11 de novembro nos EUA.
Luta pela Moradia) CUT
(Central Única de África e América Latina no
Trabalhadores), Marcha contexto atual
Zumbi dos Palmares, etc. Questões da atualidade – A
 Mercosul; Educação Fiscal e a Cidadania
 Alça.

O Brasil no contexto atual


 A comemoração dos “500 anos do Brasil”: Análise e reflexão.

CONTEÚDOS ESTRUTURANTES PARA O ENSINO MÉDIO


“A proposta curricular reconhece a importância do conhecimento
sistematizado, fundamentado na idéia de conteúdos estruturantes das disciplinas
escolares. Pra a disciplina de História do Ensino Médio, os conteúdos estruturantes
são as relações de trabalho, relações de poder e as relações culturais, os quais dão
seqüência aos conteúdos estruturantes trabalhados no Ensino Fundamental.
No Ensino Médio, esses conteúdos assumem um recorte mais específico,
apontando para o estado das relações humanas.
“Os conteúdos estruturantes da disciplina de História estão interligados entre
si e permitem a busca do entendimento da totalidade das ações humanas.”

RELAÇÕES DE TRABALHO:
“Expressa a relação que o ser humano estabelece entre si e a natureza”. A
execução do trabalho requer o emprego físico e mental. Estes esforços transformam
elementos natureza em bens que satisfazem as necessidades humanas.
A investigação sobre as relações de trabalho, a partir de problemáticas do
presente tais como: impactos ambientais, movimentos sociais e culturais,
desemprego, desigualdade social, fome, violência e articulações aos demais
conteúdos estruturantes, permitem aos alunos e professores entender como as
relações de trabalho forma construídas no decorrer do processo histórico’.
RELAÇÕES DE PODER
“O poder não possui forma de coisa ou de objeto, mas se manifesta como
relações sociais e ideológicas, estabelecidas entre aquele que exerce e aquele se
submete. Portanto, o que existe são relações de poder”.
O estudo das relações de poder geralmente remete à idéia de poder político.
Porém as relações de poder não se limitam somente à dimensão política. Essas
relações encontram-se também na dimensão econômico-social e na dimensão
cultural, ou seja, em todo o corpo social.
O entendimento que as relações de poder são exercidas nas diversas
instâncias sócio-históricas, como o mundo do trabalho, as políticas públicas e as
diversas instituições permitem ao aluno perceber que estas relações fazem parte de
seu cotidiano. Assim ele poderá identificar onde se localizam as arenas decisórias,
porque determinada decisão foi tomada e de que forma ela foi executada ou
implantada, para que ele entenda como, quando e onde reagir nas medidas do
processo em definição.

RELAÇÕES CULTURAIS
“O conceito de cultura“ aqui proposto, parte de Raymond Williams (2003), o
qual afirmava que esta é comum a todos os seres humanos, na medida em que
existe uma estrutura comum de modos de pensar, agir e perceber o mundo que leva
à constituição de organizações sociais diferentes.
Assim, na forma de organizar a vida político-econômica, as sociedades
contemporâneas não são tão diferentes, pois são poucas as sociedades que
destoam de padrão cultural imposto pelo capitalismo contemporâneo. Em outras
palavras, as classes dominadas, existem numa relação de poder com as classes
dominantes, de tal modo que ambas partilham um processo social comum, portanto
de uma experiência histórica comum, produto dessa história coletiva. No entanto, os
benefícios produzidos por esta sociedade e seu controle se repartem desigualmente.
O estudo das relações culturais deve considerar a especificidade de cada
sociedade e relações entre elas. O processo histórico constituído na relação entre as
diversas sociedades é o que pode ser chamado de cultura comum.
OBJETIVO
O principal objetivo do estudo de História é contribuir na formação do sujeito
histórico, uma vez que permite a análise, a crítica e o debate em torno dos diversos
aspectos da sociedade humana, podendo estabelecer relações com a realidade
atual e tirar conclusões a partir dela para buscar a solução de problemas de sua
realidade.
Promover práticas pedagógicas que conduzam ao desenvolvimento do
espírito crítico do aluno.
Favorecer a produção do conhecimento histórico pela utilização de
metodologias diferenciadas.
Refletir historicamente os conteúdos apresentados pela ação dos homens, do
cotidiano, sua mentalidade e as relações do presente e passado.

AVALIAÇÃO:
A avaliação deve estar colocada a serviço da aprendizagem de todos os
alunos, de modo que permeie o conjunto das ações pedagógicas, e não como um
elemento externo ao processo.
O professor não deve avaliar o aluno como uma pratica de caráter
classificatório, autoritário, que se desvincula da função da aprendizagem, que não se
ocupam dos conteúdos conforme a concepção pedagógica expressa no projeto
político pedagógico da escola. “A avaliação deverá ser assumida como um
instrumento de compreensão do estágio de aprendizagem em que se encontra o
aluno, tendo em vista tomar decisões suficientes e satisfatórias para que possa
avançar no seu processo de aprendizagem” (Luckesi), 2002, p.8l).
Como parte do processo avaliativo o professor poderá fazer uso dos mais
variados instrumentos de avaliação entre eles provas escritas, trabalhos, pesquisas
bibliográficas ou demais formas de pesquisas, debates, seminários trabalhos orais
com apresentação na classe e, produção de narrativas históricas com ou sem o
auxilio do professor.
Assim, a partir da avaliação diagnóstica, tanto o professor quanto os alunos
poderão revisar as práticas desenvolvidas e juntos verificar as lacunas no processo
de ensino e aprendizagem, bem como planejar e propor outros encaminhamentos
que visem superar os obstáculos encontrados. Para o pleno êxito dessa avaliação é
necessário um diálogo entre os alunos e o professor, envolvendo questões relativas
aos critérios adotados, a função de avaliação e a necessidade de tomada de
decisões a partir do que foi constatado, tanto individualmente ou coletivamente,
dando um caráter de avaliação compartilhada, contínua, processual e diversificado,
permitindo uma análise crítica das práticas do professor, que podem constantemente
serem retomadas e reorganizadas.
Caso se perceba que não houve um satisfatório aproveitamento dos
conteúdos a recuperação de estudos deve acontecer a partir de uma lógica simples:
osconteúdos selecionados para o ensino são importantes para a formação do aluno,
então, é preciso investir em todas as estratégias e recursos possíveis para que ele
aprenda. A recuperação é justamente isso: o esforço de retomar, de voltar ao
conteúdo, de modificar os encaminhamentos metodológicos, para assegurar a
possibilidade de aprendizagem. Nesse sentido, a recuperação da nota é simples
decorrência da recuperação de conteúdo(DCE História 2009).
Deseja-se que, ao final do trabalho na disciplina de História, os alunos tenham
condições de identificar processos históricos, reconhecer criticamente as relações
de poder neles existentes, bem como intervirem no mundo histórico em que vivem,
de modo a se fazerem sujeitos da própria História. Neste sentido as DCEs de
História propõe que ao final do Ensino Fundamental os alunos sejam capazes de
principalmente de:
Terem experiências no estabelecimento de limites históricos, como antes de
Cristo e depois de Cristo, geração, década e século. Serem capazes de estabelecer
sequência de datas e períodos, determinar sequência de objetos e imagens e
relacionar acontecimentos com uma cronologia.Serem capazes de compreender
tipos de testemunho que o historiador utiliza. Distinguirem fontes primárias de
secundárias.
Serem conscientes da necessidade de serem críticos na análise de
documento. Terem consciência de como os historiadores empregam os testemunhos
para chegarem a uma explicação do passado. Analizarem as diferentes conjunturas
históricas a partir das relações de trabalho, de poder e culturais. Compreenderem o
significado de determinadas palavras num contexto histórico. Apropriarem-se de
conteúdos e conceitos históricos.Empregar conceitos históricos para analisarem
diferentes contextos.
Compreenderem que o conhecimento histórico é produzido com base no
método da problematização de distintas fontes documentais e textos historiográficos
a partir dos quais o pesquisador produz a narrativa histórica. Compreenderem que a
produção do conhecimento histórico pode validar, refutar ou complementar a
produção historiográfica já existente. Estabelecerem “comparações” simples entre
passado e presente, com diferenças referência a uma diversidade de períodos,
culturas e contextos sócio-históricos. Entendem que a História é tanto um estudo da
continuidade como da mudança e da simultaneidade. Compreenderem que um
acontecimento histórico pode responder a uma multiplicidade de causas.
Serem capazes de se identificar como sujeitos que viveram no passado e
cujas opiniões, atitudes, culturas e perspectivas temporais são diferentes das suas.
Explicitarem o respeito à diversidade étnico-racial, religiosa, social e econômica, a
partir do conhecimento dos processos históricos. Compreenderem a História como
experiência social de sujeitos que constroem e participam do processo histórico.
(Adaptado de SCHMIDT e CAINELLI, 2004, p. 149-150 apud PLUCKAROSE, 1996).

DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO
O ensino de História visa desenvolver o senso crítico, rompendo com a
valorização do saber enciclopédico, socializando a produção da ciência histórica,
passando da reprodução do conhecimento à compreensão das formas como esse
se reproduz, formando um homem político, capaz de compreender a estrutura do
mundo, da produção, onde ele se insere e nela interfere.
O aluno que será motivado a desenvolver e a expressar seu pensamento,será
colocado em situações que o conduzirão ao levantamento das hipóteses, à coleta de
dados e à reflexão do seu conhecimento prévio. Segundo Rüsen, a consciência
histórica se caracteriza pela percepção das experiências do passado dos seres
humanos, investigado por historiadores ou por professores de história e seus alunos,
e realiza-se por interpretações feitas no presente à luz de uma expectativa de futuro.
Nesse sentido, as noções de tempo e espaço devem compor os procedimentos
metodológicos, pois articulados aos Conteúdos Estruturantes, possibilitam a
delimitação e a contextualização das relações humanas a serem problematizadas.
Essa reflexão partirá da produção individual para a coletiva, na qual serão
valorizados o debate, a discussão e a troca de idéias e informações. Desse
aprendizado será realizada a síntese que pode ser apresentada por meio de várias
linguagens: produção de textos, desenhos, interpretações de texto, dramatizações,
história em quadrinhos, charges, vídeos, estudos de gravuras e fotografias.
CONTEÚDOS - 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

Conteúdos Específicos Conteúdos Complementares


1º bimestre: De onde viemos? Quem somos? E o
Concepção de História; que sabemos?
Objetivo,História como ciência, Mitos e lendas.
fontes históricas, fatos, SistemaTransição Pré-História para História
feudal: O Feudalismo; dos povos ágrafos.
As Cruzadas: A Guerra em História oral.
nome da fé Religiões monoteístas, judaísmo,
islamismo e cristianismo.
2º bimestre: Trabalho, a guerra e a oração.
Poder da igreja medieval; O surgimento do homem na África;
Comércio na Idade Média: o Civilizações e Reinos africanos da
surgimento da burguesia - rotas antiguidade;
de comércio Transformações Gregos e romanos e a aceitação da
culturais e religiosas diversidade sexual;
desenvolvimento de novas A igreja e as questões referentes á
técnicas de comércio gênero e diversidade;
3º bimestre: A ruralização das civilizações: o
Guerra dos cem homem do campo;
anos;absolutismo monárquico O Brasil indígena;
Revolução comercial; A Revolução Verde;
nascimento do capitalismo; Direitos do Homem e do cidadão;
Tratado de Tordesilhas, Reforma Agrária.
conseqüências das conquistas.
Renascimento cultural, Reforma
Religiosa, Contra-reforma,
Tribunais da Inquisição,
Iluminismo Despotismo
Esclarecido
4º bimestre: Brasil
Administração colonial, Os
índios do Brasil, inicio da
colonização,Capitanias
Hereditárias, economia colonial,
escravismo, holandeses no
Brasil, bandeirantes, reduções
jesuíticas, os primeiros
habitantes do Paraná e as fazes
econômicas.
;
CONTEÚDOS - 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

Conteúdos Específicos Conteúdos Complementares


1º bimestre Ameríndios;
Revolução Industrial, Teoria Mitos e Ritos;
capitalistas, socialistas, Revolução Organização social;
Norte Americana, ,. Encontro entre culturas
2º bimestre Comércio;
Revolução Francesa;Império Kaigang, guarani, xetá, xokling;
Napoleônico, Guerra da Secessão, Bandeirantes;
Estado Liberal, Revolução de 1830, Tropeirismo.
3º bimestre
Unificação da Itália, Unificação da
Alemanha, Imperialismo, Comuna
de Paris, Paz Armada
Expansão territorial do Brasil:
Expansão rumo ao norte, rumo ao
sul
4º bimestre
Economia colonial, rebeliões:
indígenas, dos negros, pela
emancipação política. Família real
no Brasil, 1°Reinado, Regências, 2º
Reinado, Abolição da escravatura,
A Proclamação da Republica.
CONTEÚDOS - 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

Conteúdos Específicos Conteúdos Complementares


1º bimestre
1ª Guerra Mundial, efeitos da Movimentos populares;
guerra, Revolução Russa,causas Canudos
da revolução,socialistas no Revolução
poder, Nova política econômica, federalista
Stalinismo. Revolta da vacina
2º bimestre Revolta da chibata
Período entre - guerras: crise do Contestado 100 anos;
capitalismo liberal, Crak de
1929,New Deal , faxismo,
nazismo, 2ª Guerra Mundial,
entrada dos E.U.A e da Rússia.

3º bimestre
ONU, OTAN,e o PACTO DE
VASSÓVIA; Acordos de Paz,
Descolonização e Guerra Fria, Leis Trabalhistas, Voto feminino,
4º bimestre: Ordem e Disciplina;
Pós-Guerra; Participação do Brasil na 2ª Guerra
Populismo no Brasil; Mundial;
Constituição do Paraná Moderno:
Frentes de colonização do Repressão;
Estado, movimentos culturais, Resistência Armada
movimentos sociais no campo e Tropicalismo;
na cidade; Jovem Guarda
Ditadura Militar: O regime militar Enfrentamento á violência
no Paraná e no Brasil;

Neoliberalismo;Globalização;
Movimentos populares rurais e
urbanos: MST, MNLM, CUT,
MERCOSUL, ALCA.
REFERÊNCIAS

• PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação, Diretrizes Curriculares da


Educação Fundamental da Rede de Educação Básica do Estado do Paraná:
História, 2009.
• Lei 9795/99 Política Nacional de Educação Ambiental
• Lei 10.639/03 História e cultura afro-brasileira e africana
• Lei 11.525/07 Inclui o ECA nos estudos do E. F. e Médio.
• Lei 11.645/08 História e cultura dos povos indígenas
• Livro Didático. Projeto Araribá. Obra coletiva da Editora Moderna
• LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. 14 ed. São
Paulo:Cortez, 2002.
• Projeto Político Pedagógico do Colégio Estadual Pedro Stelmachuk
• Proposta Pedagógica Curricular.
• Regimento Escolar do Colégio Estadual Pedro Stelmachuk
• SCHMIDT, Maria Auxiliadora; CAINELLI, Marlene. Ensinar história. São
Paulo:
• Scipione, 2004. (Pensamento e ação no magistério).
• www.revistanovaescola.com.br