Você está na página 1de 2

Os Lusíadas - Despedidas em Belém

Ficha de trabalho
Novo Plural 9 – Raiz Editora, páginas 215 e 216

1. As «Despedidas em Belém» são um momento crucial da Viagem que constitui o plano central da ação
d’Os Lusíadas.
 Como justificas a inserção deste episódio no final do Canto IV, numa fase já adiantada da epopeia?
o Este episódio só surge no final do Canto IV porque, segundo as normas da epopeia clássica, a
narração devia começar in medias res, ou seja, quando a ação se encontrava numa fase
adiantada. Os momentos iniciais deveriam surgir posteriormente, contados em retrospetiva.

2. Identifica o narrador do episódio e a posição que nele assume. Justifica com transcrições do texto.
o O narrador é Vasco da Gama que assume a posição de narrador participante, como se pode
ver pelas marcas linguísticas de primeira pessoa do singular: «estão pera seguir-me…»,
«Como fui destas praias…» e «…nos meus olhos ponho…»

3. Certifico-te, ó Rei… (estância 87)


 Identifica este rei, ouvinte e destinatário da narração deste episódio.
o É o rei de Melinde, onde a armada aportou a meio da viagem até à Índia.

4. Com base nas palavras do narrador (estância 84), especifica


 o local de onde partiram as naus;
 os grupos de pessoas que integravam a expedição.
o Partiram de Lisboa, mais precisamente junto à foz do rio Tejo, em Belém. Integravam a
expedição marinheiros e soldados.

5. Despois de aparelhados, desta sorte, / De quanto tal viagem pede e manda / Aparelhámos a alma pera a
morte (estância 86)
 A que preparativos se referem os dois primeiros versos?
 Como se efetuam os preparativos da alma pera a morte?
o Fizeram esses preparativos numa igreja próxima do local de embarque, rezando e implorando
a Deus que os guiasse e protegesse.

6. As personagens intervenientes neste episódio constituem dois grupos distintos: os que partem e os que
ficam.
 Os que partem: segundo a versão do próprio narrador, que emoções, por vezes contraditórias,
manifestam?
 Os que ficam: através do que fazem e do que dizem, procura explicar o que sentem.
 Que sentimentos comuns unem os dois grupos que, fisicamente, se separam?
o Os que partem, por um lado, sentem insegurança e medo perante aquilo que vão enfrentar e
dor por deixarem seus familiares. Por outro lado, sentem entusiasmo e excitação por partirem
para uma tão ousada aventura.
o Os que ficam sentem descontentamento, medo e até desespero. Mães e esposas, convencidas
de que poderão estar a despedir-se para sempre dos seus entes queridos, questionam-nos,
expõem as suas dúvidas: valerá a pena deixar a família ao desamparo por uma aventura?
o O medo e a dor da separação unem estes dois grandes grupos.

Despedidas em Belém – Ficha de trabalho: soluções – Documento de apoio ao estudo


7. Parece-te que os sentimentos e emoções revelados ao longo deste episódio retiram grandeza épica à ação
e ao herói? Justifica a tua opinião.
o Não retiram grandeza, pelo contrário. O medo do desconhecido, a dor de deixar as suas
famílias e a sua terra, provavelmente para sempre, foi o primeiro grande obstáculo que os
navegantes tiveram de superar. A grandeza épica está em ter consciência do perigo, do
sofrimento, do medo e enfrentá-los.

8. Com que intenção expressiva se utiliza a personificação na estrofe 92?


o Para mostrar que o sofrimento era tal que nem a natureza conseguia ficar indiferente,

9. Seleciona, das palavras apresentadas à margem, a que te convém para completares as frases A e B com
uma metáfora.

linho
A) As mulheres choram, embrulhadas em xailes de… dor
cor

madeira
B) Os homens partiram em naus feitas de… ferro
sonho

10. ó filho caro… (estância 90) / ó doce e amado esposo (estância 91)
 Que função sintática desempenham, nas respetivas frases, estas palavras ou expressões?
o A função sintática de vocativo.

Despedidas em Belém – Ficha de trabalho: soluções – Documento de apoio ao estudo