Você está na página 1de 3

Resenha de Livros: O que

aprendi sendo xingado na


internet –
Leonardo Sakamoto
Bom dia, leitores.

Minhas postagens sempre são de Segunda, Quarta e Sexta-feira, mas não


consegui postar a resenha ontem porque faltava a foto do livro, portanto
estou publicando hoje. Decidi a partir de agora seguir tópicos fixos sobre
os livros lidos para ajudar na organização da resenha. Vamos lá,

Motivo da compra: Gosto bastante dos textos do Leonardo, até o sigo no


Facebook e acho suas visões bastante válidas, por isso comprei o livro.

Referências: Sabia tratar-se de um livro de histórias particulares


dele baseadas em suas opiniões na internet e como as pessoas lidam e
manifestam-se nas redes sociais. Por tratar-se de uma pessoa que tem a
mesma base ideológica que a minha, a esquerda, tinha expectativa de
aprender mais sobre o tema.

Capa: Simples, com referencia as “hastags” que dominam o twitter e


instagram, com o símbolo “#”. A orelha do livro é assinada por Gregório
Duvivier, que compactuo com alguns de seus pensamentos.

Formato do livro: Pequeno no formato largura e cumprimento e no


volume do livro, sabia que a leitura seria rápida e o li em um dia.
Escrita: Em primeira pessoa, é claro, por tratar-se de livro não ficcional.
Palavras de fácil entendimento que tornaram a leitura bem rápida.
Dividida por tópicos.

História: Um livro contra a intolerância e o ódio que sim, existem


bastante na “vida real”, mas que parece ganhar uma nova dimensão
ainda pior nas redes sociais, salvas pelo suposto anonimato de quem
escreve – Com a notícia do Sr. Luiz Carlos Ruas que foi morto na estação
de metrô esta semana sem qualquer motivo a não ser o ódio gratuito,
pergunto-me cada vez mais o porquê do ser humano tem tanta
dificuldade em aceitar o que lhe é diferente – revelando como é
complicado ser um defensor dos direitos humanos no Brasil nos dias
atuais e o impacto disso na internet. Os textos são bons, porém não
aprofundados ou melhor detalhados a um ponto que levaria o leitor a
refletir e interagir com o texto. Achei-o bem mais neutro ou isento no
livro em relação aos seus textos do blog. Ele mesmo repete diversas vezes
que não é/precisa ser preto no branco, oito ou oitenta, como se não fosse
bom ou necessário escolher um lado. Mas a partir da ideia de que se você
não escolhe um lado, a sua escolha na verdade é pelos mais fortes, fiquei
confusa quanto ao que ele idealiza ou planeja para o futuro. Por outro
lado, entendo o que ele quis mostrar, que é preciso respeito, educação e
ética, principalmente dentro do Jornalismo, até para opinar e discordar.
Para conviver com as diferenças. Bem oportuno. Algumas dicas são
inteligentes e bem aproveitáveis.

Observações: A melhor parte do livro para mim foi quando o autor pede
que o leitor interprete o texto “A vovó viu a uva” e achei hilário, pois
apesar de parecer óbvio, é real que as pessoas interpretem as coisas mais
loucas e absurdas e esqueçam a lógica ao ler um texto. Aproveito para
escrever que eu não conhecia a vida acadêmica e profissional do autor e
me surpreendeu bastante positivamente.
Recomendo? Não me surpreendeu, talvez por já estar familiarizada com
os textos apresentados, mas gostei e sim, recomendo.

Sinopse oficial: Um manifesto contra o ódio e a favor da tolerância na


internet. Um dos blogueiros mais conhecidos da atualidade, Leonardo
Sakamoto divide opiniões sempre apaixonadas. Possui uma legião de
seguidores que diariamente acessa seu blog, hospedado no portal UOL,
e compartilha seus textos, ao mesmo tempo em que cultivou um sem
número de detratores que, com o acirramento das disputas políticas
entre direita e esquerda, dedicam-se a xingá-lo, espezinhá-lo e, em casos
extremos, ameaçá-lo. O que eu aprendi sendo xingado na internet
nasceu da reflexão do autor sobre a facilidade com que se disseminam
ódio e boatos na internet. Escrevendo com conhecimento de causa,
Sakamoto produz um manifesto a favor da liberdade de opinião e
expressão na rede, e disseca os mecanismos que permitem que
informações incorretas se espalhem, causando danos irreparáveis.
Sobre o autor: Leonardo Sakamoto é paulistano. Jornalista e doutor em
ciência política pela Universidade de São Paulo, cobriu conflitos no
Timor Leste, em Angola e no Paquistão e o desrespeito aos direitos
humanos no Brasil. Foi professor de jornalismo na ECA-USP (entre
2000 e 2002) e na PUC-SP (desde 2011). É diretor da ONG Repórter
Brasil e conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas
Contemporâneas de Escravidão.

E aí, gostaram da forma que desenvolvi a resenha? Deixem


seus comentários. Beijos e até amanhã.