Você está na página 1de 4

1) Por que pode-se dizer que a imagem projetada na retina é fragmentada (pulverizada) ao ser

transduzida pelo sistema nervoso?

A imagem que é projetada na retina é completamente fragmentada quando chega no


sistema nervoso, devido ao fato dos fotorreceptores serem capazes de detectar apenas uma
parte da luz que entrou e transformá-la em um determinado pixel. Por isso, é preciso que a
imagem seja degradada em inúmeros pedaços para que depois seja reconstruída de acordo com
as informações captadas e transformadas; esse tipo de mecanismo exige um alto custo
energético e utiliza mais de um terço do córtex cerebral.

2) Diferencie os sistemas de Cones e de Bastonetes.

Os fotorreceptores do tipo bastonete apresentam um segmento externo longo e cilíndrico


que contém discos, por sua estrutura e por possuírem maior concentração de fotopigmentos
eles são mais sensíveis a luz, possuem um tipo de pigmento (visão monocromática) e permitem
a visão noturna. Já os fotorreceptores do tipo cone apresentam um segmento externo mais
curto e que gradualmente diminui de espessura e contém vilosidades, possuem três tipos de
pigmento (visão tricromática), menor sensibilidade a luz, e permitem a visão diurna.

3) Caracterize a organização dos os campos receptores das células ganglionares da retina.


O campo receptivo de uma célula ganglionar é localizado por meio de registros obtidos
nos axônios do neurônio no nervo óptico. Um pequeno ponto de luz é projetado em várias
partes da retina; o campo receptivo consiste nas localizações onde a luz determina um aumento
ou diminuição da taxa de disparos da célula ganglionar. A maior parte das células ganglionares
da retina apresenta a mesma organização concêntrica de seus campos receptivos em centro-
periferia. Essas células disparam potenciais de ação quer estejam ou não expostas à luz, e a
incidência de luz no centro ou na periferia do campo receptivo aumenta ou diminui a taxa de
disparos. Uma célula centro-OFF disparará menos potenciais de ação quando um pequeno
ponto de luz for projetado no centro de seu campo receptivo; ela responderá com maior taxa
de potenciais de ação para um ponto escuro projetado sobre o centro de seu campo receptivo.
Já uma célula ganglionar centro-ON será despolarizada e responderá com uma rajada de
potenciais de ação quanto um pequeno ponto de luz for projetado sobre o centro de seu campo
receptivo.
4) Quais as consequências funcionais da organização dos campos receptores das células
ganglionares retinianas?
A consequência dessa organização é que a maior parte das células ganglionares da retina
não é particularmente responsiva a mudanças na iluminação que incluam, ao mesmo tempo, o
centro e a periferia do campo receptivo. Pelo contrário, parece que as células ganglionares são
responsivas principalmente a diferenças na iluminação que ocorram dentro de seus campos
receptivos.

5) Diferencie as células ganglionares retinianas M e P.

As células ganglionares retinianas P são pequenas, cromáticas, possuem resolução


espacial e menor resolução temporal. Já as células ganglionares retinianas M são grandes,
acromáticas e possuem alta resolução temporal.
6) Caracterize as vias sub-corticais das eferências retinianas.

Os núcleos subcorticais estão situados no pré-tecto, uma região do cérebro entre o


mesencéfalo e o diencéfalo. Essa região controla a tríade da acomodação para perto, um reflexo
visuomotor, formada por convergência dos olhos, miose e aumento da curvatura do cristalino.
Já acomodação para longe, também controlada por essa região, envolve a divergência dos olhos,
midríase e a diminuição da curvatura do cristalino. Núcleos dessa região recebem terminações
de fibras provenientes da retina, que captam até mesmo a mínima desfocalização da imagem
caso ocorra movimentação do objeto em nosso foco, ou movimento próprio. A partir daí, a
ativação dos neurônios pré-tectais é levada aos núcleos oculomotor e abducente de cada lado,
que acionam os músculos retos laterais e mediais, a fim de adequar a visão a cada situação. Os
neurônios pré-tectais também controlam a musculatura lisa intraocular através de circuitos
axônicos com outros núcleos do tronco encefálico. Para promover a constrição pupilar e o
relaxamento da zônula, os neurônios pré-tectais acionam os neurônios do núcleo de Edinger-
Westphal, no mesencéfalo, cujos axônios se incorporam ao nervo oculomotor. Estes alcançam
o gânglio ciliar do sistema nervoso autônomo, que possuem fibras inervando o músculo circular
da íris e o músculo ciliar.

7) Caracterize a decussação das projeções retinianas no quiasma óptico.

Os axônios das células ganglionares deixam a retina através de uma região circular na sua
porção nasal denominada disco óptico (ou óptica), onde se unem formando um feixe, o nervo
óptico. Os axônios no nervo óptico percorrem uma via direta até o quiasma óptico, onde ocorre
um cruzamento parcial dos axônios permitindo que a informação sobre os pontos
correspondentes das suas retinas seja processada na mesma região em cada hemisfério.

8) Caracterize funcionalmente a área visual primária (V1).

As principais propriedades funcionais do córtex visual primário é a de transmitir sinais


precisos através de conexões das estruturas visuais, tendo código de disparidade em termos de
correspondência da retina, sendo sensíveis à disparidade absoluta; a detecção de estímulo visual
simples; Detecção de linhas e contornos (colunas neuronais); processar a identificação da
disposição espacial dos objetos, da forma e da intensidade luminosa e a percepção visual.

9) Diferencie as vias corticais de processamento visual.

O córtex visual primário constitui o primeiro nível do processamento cortical da informação


visual. Dele, as informações são transmitidas através de duas vias principais:
- uma via ventral envolvida no reconhecimento de objetos, a qual se estende desde o córtex
visual primário até o lobo temporal.
- uma via dorsal, que conecta o córtex visual primário com o lobo parietal e, então, com os lobos
frontais. A região do córtex parietal usa a informação visual para dirigir movimento dos olhos e
dos membros, ou seja, para integração visuomotora.
Caso o professor queira nos fuder:
(legenda da figura acima, que estava no slide dele) Processamento visual. O olho envia
informação primeiramente a núcleos talâmicos, incluindo o núcleo geniculado lateral e o
pulvinar, e dali para as áreas corticais. As projeções corticais dirigem-se para a frente desde o
córtex visual primário até áreas no lobo parietal (via dorsal, que é responsável por guiar
visualmente o movimento) e áreas no lobo temporal (via ventral, responsável pelo
reconhecimento de objetos). O pulvinar do tálamo serve também como uma ligação de
retransmissão entre áreas corticais para suplementas suas conexões diretas.

10) Comente o reconhecimento de faces no córtex ínferior temporal.

Córtex Inferior Temporal (IT) é o córtex cerebral na convexidade inferior do lobo temporal
em primatas, incluindo humanos. É crucial para o reconhecimento visual de objetos e de faces
e é considerado o estágio final do sistema visual cortical ventral.

Os neurônios de TI individuais têm várias propriedades que ajudam a explicar o papel crucial
dessa área no reconhecimento de padrões:
1. As células de TI respondem apenas a estímulos visuais.
2. Os campos receptivos dos neurônios de TI sempre incluem a fóvea ou o centro do olhar,
ou seja, a parte da retina mais envolvida no reconhecimento de padrões.
3. Os campos receptivos dos neurônios de TI tendem a ser grandes, muito maiores do que
no córtex estriado, proporcionando a oportunidade de generalização do estímulo
dentro do campo receptivo.
4. Os campos receptivos dos neurônios de TI geralmente se estendem pela linha média em
ambos os campos visuais, unindo as duas metades do espaço pela primeira vez. Esta
propriedade depende das conexões inter-hemisféricas por meio do splenium e da
comissura anterior.
5. Os neurônios de TI geralmente são seletivos para a forma ou cor do estímulo ou ambos
os parâmetros e quase todos respondem mais a formas complexas do que simples.
6. Uma pequena porcentagem de unidades de TI é seletiva para imagens faciais. Alguns
são sensíveis à expressão emocional e outros à direção do olhar. As células seletivas da
face são muito mais comuns no sulco temporal superior. Macacos infantis e adultos
têm células seletivas. Células seletivas para as mãos também são encontradas.
7. Faces e provavelmente outras formas parecem ser codificadas pelo padrão de atividade
através de um conjunto de células, e não pelo disparo dedicado de uma célula de avó ,
isto é, uma célula que dispara apenas para uma percepção visual altamente específica,
como a avó de uma pessoa.
8. A seletividade das células de TI para a forma é geralmente invariante sobre as mudanças
no tamanho do estímulo, contraste, cor e localização exata na retina.
9. Parece haver uma organização vertical para a seletividade de estímulo dos neurônios de
TI.
10. A atividade dos neurônios de TI pode ser modulada pela atenção do animal.
11. As células de TI podem mostrar memória de curto ou longo prazo para estímulos visuais
e sua seletividade pode ser modificada pela experiência.

Nos seres humanos, a imagem magnética funcional mostra que os objetos visuais ativam o
córtex de TI. Além disso, há regiões restritas do córtex de TI que são seletivamente ativadas por
classes específicas de estímulos, por exemplo, faces em uma região do giro fusiforme (área da
face fusiforme ou AGL), posição do olho em uma região dorsal e anterior, cenas visuais em parte
do giro do hipocampo (área do lugar para-hipocampal ou APP) e partes do corpo em uma região
do giro fusiforme (área do corpo fusiforme ou FBA).

11) Comente a organização hierárquico-paralela do processamento visual.

A organização hierárquica consiste em que a cada nível do processamento a informação


é mais complexa, e a organização paralela é que cada submodalidade possui vias privadas
paralelas, ou seja, diferentes atributos visuais são processados simultaneamente utilizando vias
distintas.