Você está na página 1de 14

Sobre o livro

Neste e-book reúno as melhores técnicas de Coaching e PNL - Programação Neurolinguística, além de vastos conhecimentos acumulados ao longo de 35 anos de experiências lidando com pessoas.

Em treze páginas, consolido um conjunto de conhecimentos, estatísticas e técnicas, relacionadas ao desenvolvimento de liderança e a criação de equipes de alto desempenho, que irão contribuir no desenvolvimento pessoal e profissional de futuros líderes.

Autor

Rilton Campos

Copyright

Copyright © 2017 Rilton Campos Todos os direitos reservados

Sobre o Autor

Rilton Campos é um profissional com 35 anos de experiência. palestrante, analista de sistema, bacharel em contabilidade, especialista em gestão estratégica de negócios pela USP-SP, especialista em políticas públicas pela UFRN, especialista em capital humano (cursando), personal, professional, executive e master coach, membro da SBC - Sociedade Brasileira de Coaching, membro do CAC - Center For Advanced Coaching, practitioner em PNL Licenciado, com certificação internacional pela The Society of NLP™ e Richard Bandler®, sócio fundador da Lapidary Coaching. Hoje atuando como Coach Executivo, especializado no desenvolvimento de liderança, atuando em várias empresas brasileiras.

Introdução

Neste e-book abordaremos um tema que representa o sonho de todos nós chefes que comandamos equipes de colaboradores: ter um time altamente comprometido com o trabalho e que apresente um alto nível de resolutividade, conseguindo entregar os resultados esperados por nós e pelas nossas empresas.

A possibilidade de poder se ausentar, assumir outros projetos, investir mais na nossa carreira, dedicando mais tempo aos nossos estudos ou, simplesmente, tirar férias e poder viajar com a família e desfrutar do prazer de se desligar totalmente das atividades do dia a dia, sem, no entanto, ter que se preocupar como a nossa equipe vai se comportar na nossa ausência, e se efetivamente, ela vai caminhar com as suas próprias pernas.

Outro grande desejo é a realização pessoal, desenvolver e motivar a nossa equipe, extrair o potencial máximo de cada um, alcançar resultados extraordinários e, consequentemente, ter o reconhecimento da nossa empresa, do nosso mercado, conseguindo aumentar a nossa receita e proporcionar uma melhor qualidade de vida para nós e para nossas famílias.

As dificuldades do dia a dia

Por outro lado, vivemos hoje num mundo disruptivo, extremamente competitivo, onde nós líderes somos cobrados, cada vez mais, a perseguir e cumprir metas extremamente audaciosas, o que tem exercido uma enorme pressão sobre nós, deixando-nos estressados e fazendo com que exijamos cada vez mais das nossas equipes.

Ao chegar ao trabalho, nos deparamos com uma lista enorme de problemas, uma quantidade irracional de e-mails para responder, planilhas e mais planilhas para preencher, decisões a tomar, chefes mal-educados, gritando, exigindo resultados, colaboradores insatisfeitos, enfim, um verdadeiro inferno.

E, nesse cenário, uma das nossas grandes preocupações é o medo de falhar, medo de não conseguir entregar os resultados estipulados, de não cumprir as metas, cada vez mais audaciosas, de ser demitido ou ver o faturamento da nossa empresa despencando, medo de chegar ao final do mês e não ter dinheiro para pagar as contas, o colégio dos filhos.

Diante da ameaça, nós começamos a trabalhar mais, a olhar tudo, tomar conta de tudo, acreditamos que nós não podemos falhar, não podemos deixar nada passar despercebido. Começamos a trabalhar dez, doze, catorze horas por dia. É o momento da superação. Nós internalizamos que, se nos dedicarmos mais e mais, conseguiremos afastar o fantasma da demissão ou do fracasso.

Eu também vivi esse problema

Infelizmente, eu também já passei por esse problema. fui sócio e diretor comercial de uma empresa que passava por algumas dificuldades na prospecção de novos clientes. Tínhamos uma equipe de gerentes comerciais, espalhados estrategicamente, nas principais regiões do país.

Proporcionamos a nossa equipe as melhores condições de trabalho: bons produtos, suporte para venda, bons salários e comissões sobre vendas. No entanto a coisa não prosperava, a equipe de gerentes comerciais não conseguia vender, não conseguia cumprir as metas estipuladas e a pressão dos investidores por melhores resultados aumentava dia a dia.

Passei a viver dias de angústia e de muita pressão. De um lado os investidores, ávidos por resultados e retorno do investimento, do outro, os gerentes comerciais, insatisfeitos por não cumprirem suas metas, e, consequentemente, não ter direito as suas comissões. Imagine a pressão, investidor vive de retorno de investimento e vendedor vive de comissão!

Comecei a olhar tudo, rever planos, estratégias, cobrar maior empenho da equipe, acompanhar os horários de trabalho, tentar, a todo custo, entender porque não conseguíamos atingir as metas estabelecidas. Em resumo, horas e horas a mais de trabalho, finais de semana desperdiçados buscando possibilidades e alternativas para resolver o problema.

Após analisar todas as possibilidades, entendi que os gerentes comerciais não estavam se dedicando o suficiente para que conseguíssemos cumprir as metas estipuladas. Precisávamos reunir a equipe e exercer uma grande pressão para que pudéssemos obter melhores resultados, inclusive, alertando-os da possibilidade de demissão para aqueles que não se empenhassem.

Tomamos a decisão e chamamos a equipe para comunicar a necessidade de um maior engajamento e dedicação para que pudéssemos enfrentar o momento de dificuldade. Logo no início da reunião identificamos muita resistência, percebemos que os nossos gerentes não tinham comprado a ideia, não estavam motivados, acreditavam que o problema não era só deles. Mas, decisão tomada, decisão a ser cumprida! Colocamos a equipe em campo.

Passados os primeiros meses, percebemos que os resultados não estavam aparecendo, a equipe estava cada vez mais desmotivada. Veio-me então aquele desespero, “preciso fazer alguma coisa”. Fui buscar ajuda, conversei com amigos, comprei livros sobre vendas, liderança e realizei incansáveis pesquisas na internet.

Por coincidência, em uma das minhas inúmeras pesquisas sobre desenvolvimento de liderança, tirei a seguinte conclusão: sempre que você tiver um problema e tiver que tomar uma decisão importante na sua empresa, chame a sua equipe de colaboradores, compartilhe o problema, permita que cada um contribua com sua opinião, e tome a decisão. Com certeza você terá tomado a decisão mais assertiva da sua vida.

E foi exatamente isso que fizemos, reunimos a nossa equipe, compartilhamos o problema e deixamos que cada um desse a sua contribuição. Identificamos que o problema estava no nosso mix de produtos, que deveríamos incorporar novos itens ao portfólio para que pudéssemos aumentar o nosso faturamento e atingir as metas estipuladas.

Obtendo resultados extraordinários

Agora, eu quero te ensinar duas estratégias que eu utilizei para fazer minha equipe entregar os tão sonhados resultados:

1. Desenvolva habilidades de liderança: uma reportagem da revista Exame de Abril de 2014 aponta que estamos passando por um apagão de liderança a nível mundial.

2. Desenvolva equipes de alto desempenho: pesquisas comprovam que uma equipe motivada pode render o dobro do que uma desmotivada.

Eu vou te explicar em detalhes como que eu solucionei esses problemas:

Desenvolva Habilidades de Liderança

Pesquisas demonstram que existe uma grande demanda mundial por desenvolvimento de liderança:

Instituto Kienbaum Para 63% dos executivos brasileiros faltam líderes na sua companhia.

HayGroup Apenas 19% dos líderes criam ambientes de alta performance.

Instituto Galup 66% das pessoas se demitem do líder.

Revista Você S/A 92% dos líderes não sabem dar feedback.

Esses indicadores evidenciam que estamos realmente passando por um apagão mundial de liderança.

O processo de desenvolvimento de liderança não é um produto de prateleira que pode ser comprado em qualquer esquina, passa, necessariamente, pelo autoconhecimento e pelo desenvolvimento de novas habilidades e competências.

Desenvolva equipes de alto desempenho

Agora apresentarei, em maiores detalhes, as etapas que você deve seguir para criar equipes de alto desempenho:

Existem cinco fatores que contribuem para a motivação das equipes:

1. Estabelecer uma visão de futuro;

2. Estabelecer metas claras;

3. Criar uma cultura de feedback;

4. Se posicionar como um parceiro estratégico;

5. Reconhecer os que tiveram melhor desempenho.

1. Estabelecer uma visão de futuro:

Os colaboradores precisam saber qual é a visão de futuro da sua equipe, onde a equipe, como um todo, precisa chegar.

Estabelecer uma visão de futuro consiste em trazer para a equipe um norte, um leme que vai apontar para os colaboradores qual o destino final. Vai mostrar onde a equipe deve concentrar todos os seus esforços.

Definido o ponto de chegada, cada um poderá contribuir com uma sugestão de como atingir os resultados esperados, desta forma, eles se sentirão corresponsáveis pela decisão e todos estarão remando para o mesmo lado e cada um contribuindo com as suas habilidades para chegar no ponto desejado.

2. Estabelecer Metas Claras:

Ter metas claras e audaciosas é um dos pré-requisitos para motivar e desenvolver pessoas, no entanto, essas metas devem ser discutidas com a equipe e devem ser, embora desafiadoras, exequíveis. Não adianta o chefe definir as metas e compartilha-las com o time, é preciso ter a cumplicidade, o compromisso da equipe em persegui-las. Pesquisas tem demonstrado que as pessoas se desmotivam, simplesmente, por não terem metas.

Quando definimos metas para os nossos colaboradores, na verdade, estamos delegando tarefas e os desafiando, e isso é extremamente importante para o crescimento pessoal e profissional deles.

Delegar é uma das habilidades mais importante no desenvolvimento da liderança. Ela precisa ser desenvolvida para que possamos obter os resultados desejados.

3. Criar uma cultura de Feedback:

Uma reclamação constante que tenho recebido em todas as empresas que passei e assunto recorrente em publicações sobre desenvolvimento de pessoas, é a ausência de uma cultura de feedback.

Os colaboradores precisam receber um retorno (Feedback) de como está o desempenho deles. Se o desempenho é positivo, eles necessitam receber um retorno positivo, se é negativo, um feedback negativo.

No entanto, precisamos ter muito cuidado de como damos esses retornos. Existem algumas técnicas que devem ser seguidas:

Precisamos estar preparados para dar feedback e receber, tanto positivo, quanto negativo;

O feedback deve ocorrer no momento que aconteceu o evento;

O Feedback deve, sempre, ser autorizado. Você precisa pedir autorização para dar o feedback;

O feedback positivo pode ser em público, mas o negativo, obrigatoriamente no privado;

O feedback deve, sempre, ser com relação ao comportamento, nunca em relação a pessoa.

o insumo para o processo de

melhoria contínua das pessoas. É um balizador que vai nortear o colaborador de como vai o desempenho dele. Se ele não recebe feedback, fica difícil saber como ele está indo.

O feedback

não

é

crítica, é

4. Se posicionar como um parceiro estratégico:

Estabelecer uma visão de futuro, metas claras e definir as responsabilidades de cada um, são passos significativos na construção e desenvolvimento de times de alto desempenho, no entanto, a responsabilidade não para por aí, o líder deve se posicionar com um parceiro estratégico da sua equipe, entendendo as dificuldades de cada um e apoiando no que for necessário.

Essa postura vai proporcionar maior segurança aos colaborares, pois enxergarão no líder uma fonte de apoio e recursos para que possam atingir as suas metas, além de gerar mais cumplicidade e entrosamento entre a liderança e a equipe.

5. Reconhecer os que tiveram melhor desempenho:

Dar feedback e recompensar os colaboradores que atingiram suas metas é fundamental para o processo de melhoria contínua da sua equipe.

O reconhecimento é você premiar aquele colaborador que, normalmente, com muita dedicação e esforço, conseguiu atingir as metas que foram, espera-se, de comum acordo, estipuladas. É a certeza de que, todo o empenho e dedicação, valeram a pena, que a empresa sabe reconhecer e premiar aqueles que vestem a sua camisa e que estão comprometidos com os seus objetivos estratégicos.

Uma oportunidade de exercer a liderança

Em 2008, já com as minhas habilidades e competências de liderança bastante desenvolvidas, recebi um convite para ser gerente regional de uma multinacional de tecnologia da informação. O cargo que me ofereceram era para assumir a gerência regional no Nordeste, onde eu responderia pelas filiais e pelos contratos nos estados da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Na primeira reunião que tive com o diretor nacional, que viria a ser o meu chefe imediato, ele me apresentou um cenário assustador:

Ele me disse que, das três equipes de colaboradores, duas eram muito trabalhosas, a de Recife, com 15 funcionários, e a de João Pessoa, com 48 colaboradores, compostas de analistas de sistemas e programadores alocados nos respectivos clientes.

Ele me relatou que a relação com essas duas equipes estava muito desgastada, a produtividade muito baixa e o nível de satisfação dos clientes muito ruim, que a tendência era encerrar os dois contratos e demitir todos os colaboradores, pois as margens de lucros estavam muito baixas e a gestão dos contratos muito onerosa e complicada.

Na primeira reunião que tive com as duas equipes percebi que tínhamos um problema de liderança, os grupos não tinham uma visão de futuro, não tinham metas definidas, não tinham uma cultura de feedback, o clima organizacional era péssimo e os poucos colaboradores que atingiam as metas não eram reconhecidos ou recompensados pelos seus esforços.

Finalmente, após um período inicial onde me dediquei, exclusivamente, a ouvir os colaboradores, suas queixas, angustias e pleitos não resolvidos, conseguimos trazer uma nova visão de futuro, definir metas audaciosas, criar uma cultura de feedback, melhorar o clima organizacional e estabelecer um sistema de recompensas para premiar os colaboradores que atingiram suas metas.

Em pouco tempo, revertemos todos os cenários negativos. Aumentamos a motivação e a produtividade das duas equipes, a satisfação dos clientes e melhoramos, consideravelmente, as margens de lucro dos nossos contratos.

Entre em Ação Agora!

Agora eu quero te convidar a entrar em ação! desafiar você a agir!

Ao chegar no trabalho amanhã, a primeira coisa que você vai fazer é escolher um liderado que executou bem uma tarefa, olha nos olhos dele e dar um FEEDBACK POSITIVO:

Eu quero

PARABÉNS, VOCÊ EXECUTOU UM BOM TRABALHO!

nha

ue

E, olha a pupila dele!

Ela dilata, ele dá um sorriso!