Você está na página 1de 293

AMOSTRA GRÁTIS

Sumário
DIREITOS E DEVERES............................................................................................................... 6
MOTIVAÇÃO ............................................................................................................................. 24
Planejamento............................................................................................................................ 31
Quanto tempo estudar e como estudar? .................................................................................... 33
Quando eu era lavador de carros. .......................................................................................... 36
MELHOR TÉCNICA DE ESTUDO. ............................................................................................ 38
Grupo de psicólogos norte-americanos analisou 10 técnicas de estudo de acordo com o nível
de eficiência de cada uma. ..................................................................................................... 38
Técnicas de chute .................................................................................................................... 45
Como tirar o maior proveito desta apostila? ......................................................................... 51
Estudo por ciclos ..................................................................................................................... 53
Tabelas de estudo .................................................................................................................... 55
Resolva a última prova ............................................................................................................ 57
Conheça o Perfil da banca examinadora Vunesp. ................................................................ 90
Dicas De Como Estudar Leis Para Concurso ........................................................................ 93
Como estudar Leis para concurso ......................................................................................... 93
questões ................................................................................................................................... 96
DIREITO PENAL ....................................................................................................................... 97
Código Penal - com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 293 a 305;
307; 308; 311-A; 312 a 317; 319 a 333; 335 a 337; 339 a 347; 350; 357 e 359. ..................... 97
Subindo de nível! ................................................................................................................... 221
REVISAÇO: Legislção em Áudio ......................................................................................... 263
Quais vantagens da legislação em áudio? ....................................................................... 263
Qual a melhor maneira de estudar usando leis em áudio? .................................................. 263
Como estudar a lei seca ou a letra da lei? .......................................................................... 265
Vade Mecum – Direito Penal.............................................................................................. 268
DIREITO PENAL: Código Penal - com as alterações vigentes até a publicação do
Edital - artigos 293 a 305; 307; 308; 311-A; 312 a 317; 319 a 333; 335 a 337; 339 a 347;
350; 357 e 359. ................................................................................................................. 268
Direito Constitucional ............................................................................................................ 285
Constituição Federal – com as alterações vigentes até a publicação do Edital: Título II -
Capítulos I, II e III; e Título III - Capítulo VII com Seções I e II; e também o artigo 92. ..... 285
REVISAÇO- Legislação em áudio ........................................................................................ 413
Vade Mecum – Direito Constitucional................................................................................... 414
DIREITO CONSTITUCIONAL: Constituição Federal – com as alterações vigentes até a
publicação do Edital: Título II - Capítulos I, II e III; e Título III - Capítulo VII com Seções I e
II; e também o artigo 92. ................................................................................................... 414
DIREITO PROCESSUAL CIVIL: Código de Processo Civil - com as alterações vigentes até
a publicação do Edital - artigos 144 a 155; 188 a 275; 294 a 311 e do 318 a 538; 994 a
1026. ........................................................................................................................................ 434
Como estudar Processo Civil para o TJSP.......................................................................... 434
Resolução Nº 185 de 18/12/2013 ......................................................................................... 496
Treino intenso NCPC............................................................................................................ 544
REVISAÇO – Legislção em Áudio ........................................................................................ 700
Vade Mecum – Novo CPC ................................................................................................... 702
DIREITO PROCESSUAL CIVIL: Código de Processo Civil - com as alterações vigentes até
a publicação do Edital - artigos 144 a 155; 188 a 275; 294 a 311 e do 318 a 538; 994 a
1026. ................................................................................................................................. 702
DIREITO PROCESSUAL PENAL: Código de Processo Penal - com as alterações vigentes
até a publicação do Edital - artigos 251 a 258; 261 a 267; 274; 351 a 372; 394 a 497; 531 a
538; 541 a 548; 574 a 667 ....................................................................................................... 798
REVISAÇO – Legislação em áudio ...................................................................................... 848
Vade Mecum - Processo Penal ........................................................................................... 849
DIREITO PROCESSUAL PENAL: Código de Processo Penal - com as alterações vigentes
até a publicação do Edital - artigos 251 a 258; 261 a 267; 274; 351 a 372; 394 a 497; 531 a
538; 541 a 548; 574 a 667 ................................................................................................ 849
Lei nº 9.099 de 26.09.1995 (artigos 3º ao 19) e (artigos 60 a 83; 88 e 89). ....................... 895
REVISAÇO- Legislação em áudio ........................................................................................ 951
Vade Mecum – Lei nº 9099 .................................................................................................. 953
Lei nº 9.099 de 26.09.1995 (artigos 3º ao 19) e (artigos 60 a 83; 88 e 89). .................... 953
Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de São Paulo (Lei n.º 10.261/68) -
artigos 239 a 323; ................................................................................................................... 968
REVISAÇO – Legislõ em áudio .......................................................................................... 1087
Vade Mecum – Direito Adminstrativo ................................................................................. 1089
DIREITO ADMINISTRATIVO: Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de São
Paulo (Lei n.º 10.261/68) - artigos 239 a 323;................................................................. 1089
lEI Nº 10.261, DE 28 DE OUTUBRO DE 1968 ...................................................................... 1089
(Atualizada até a Lei Complementar nº 1.310, de 04 de outubro de 2017) ...................... 1089
Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado ............................. 1089
NORMAS DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA (disponíveis no portal do Tribunal
de Justiça – site: www.tjsp.jus.br, na área Institucional / Corregedoria / Normas
Judiciais), com as alterações vigentes até a data da publicação do Edital: .................. 1106
REVISAÇO – Legislação em áudio .................................................................................... 1178
Vade Mecum – Normas da Corregedoria ........................................................................... 1180
NORMAS DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA (disponíveis no portal do Tribunal
de Justiça – site: www.tjsp.jus.br, na área Institucional / Corregedoria / Normas Judiciais),
com as alterações vigentes até a data da publicação do Edital: ..................................... 1180
CAPÍTULO II ................................................................................................................... 1180
CAPÍTULO III. ................................................................................................................. 1184
CAPÍTULO XI . ............................................................................................................... 1215
Estatuto das pessoas com Deficiência .............................................................................. 1220
LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. ............................................................................ 1220
REVISAÇO – Legislação em áudio .................................................................................... 1329
Vade Mecum – Estatuto das pessoas com Deficiência ...................................................... 1331
LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa
com Deficiência - (Estatuto da Pessoa com Deficiência). ............................................... 1331
Resolução Nº 230 de 22/06/2016 ....................................................................................... 1338
LEI DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA ......................................................................... 1350
REVISAÇO – Legislação em áudio .................................................................................... 1523
Vade Mecum – Lei de Improbidade Administrativa ............................................................ 1525
LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. ...................................................................... 1525
Revisando Português .......................................................................................................... 1534
QUESTÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA ............................................................................ 1593

Link para Videoaulas Gratuitas De Língua Portuguesa................................1709

TJ-SP

SEDE DO SEU NOVO EMPREGO


DIREITOS E DEVERES
NOVOS ESCREVENTES

O Regulamento Interno dos Servidores do Tribunal de Justiça obedece ao


regime jurídico e aos conceitos básicos estabelecidos pelo Estatuto dos Funcionários Públi-
cos Civis do Estado de São Paulo.
Aplica-se aos servidores com posto de trabalho nas unidades cartorárias
e administrativas do Tribunal de Justiça das Comarcas da Capital e do Interior do Estado de
São Paulo.
JORNADA DE TRABALHO DO SERVIDOR

A Jornada de trabalho do servidor é de 8 horas diárias, no período


compreendido entre 9 h. e 19 h., com 30 minutos para almoço e tolerância de 15 minutos, a
critério do superior, conforme a necessidade e a conveniência do serviço.

PONTO BIOMÉTRICO

O cadastramento da digital é realizado pela Administração do prédio


onde o servidor irá trabalhar.
O registro do ponto deve ser realizado diariamente, na entrada e na saída
do expediente.
Atente para o aviso sonoro: um apito, o ponto foi registrado, dois apitos,
o ponto não foi registrado.
Aparecerá uma mensagem no visor informando “Ponto Registrado”,
juntamente com o “Nome do Servidor”.

ATRASOS

O servidor poderá, até cinco vezes por mês, sem desconto em sua
remuneração e sem necessidade de posterior compensação, entrar com atraso de no máxi-
mo 15 minutos.

ENTRADA TARDIA/SAÍDA ANTECIPADA OU DURANTE O EXPEDIENTE

O servidor poderá, até três vezes ao mês, entrar após o início do


expediente, retirar-se temporariamente ou dele sair definitivamente, por no máximo duas ho-
ras, a critério do superior hierárquico imediato, quando houver motivo justo.
Nesse caso a compensação é obrigatória e deverá ocorrer nos três dias
úteis subsequentes, podendo ter início no mesmo dia da utilização.

Regras para Compensação


1) A compensação será efetuada no período entre 9 h. e 19 h., exceto se a unidade tiver
horário diferenciado.
2) A compensação deverá ocorrer, impreterivelmente, em até 3 dias consecutivos, po-
dendo ter início no mesmo dia da utilização.
3) Será considerada a compensação mínima de 15 minutos diários, exceto se o saldo a
ser reposto for inferior.

ATRASOS E PERDAS

Caso o servidor já tenha utilizado 3 (três) vezes ao mês, as duas horas


para atraso ou saída antecipada, caberá a seguinte regra para atrasos:
➢ O servidor perderá 1/3 da remuneração do dia, quando entrar em serviço
dentro da hora seguinte à marcada para início dos trabalhos ou retirar-se
dentro da última hora do expediente

➢ O servidor perderá a totalidade da remuneração do dia, quando compa-


recer no serviço duas horas após o início do trabalho ou retirar-se do
serviço duas horas antes do término do trabalho.

AUSÊNCIAS

Implicam no desconto dos auxílios transporte e alimentação.

1) Abonada
• por motivo de saúde ou relevante;
• concessão a critério do superior hierárquico;
• sem desconto pecuniário;
• máximo de 6 vezes ao ano, uma por mês.
2) Justificada
• com desconto pecuniário;
• concessão a critério do superior hierárquico.
3) Injustificada
• com desconto pecuniário.
• interrompe a contagem para licença-prêmio.

4) Médica
• poderá ser utilizada nos casos em que haja a recomendação de
repouso por um dia ou servidor optar pela falta no caso de per-
manecer mais de três horas em consulta;
• máximo de 6 ausências ao ano, uma por mês ;
• apresentação obrigatória de atestado constando o horário de iní-
cio e término em que o paciente permaneceu no local da consulta
ou tratamento;
• sem desconto pecuniário;
5) Compensada
• Trata-se da utilização do Banco de Horas (horário extraordinário
– somente poderá fazer horário extraordinário se houver au-
torização da E. Presidência, caso contrário não serão compu-
tadas as horas extras)
Consulta Medica - O servidor poderá ausentar-se por até 3 horas, para
comparecer à consulta médica ou realização de exames, sendo obrigatória a apresentação
de atestado médico constando o horário de início e término em que o paciente permaneceu
no local.

HORÁRIO ESPECIAL DE ESTUDANTE

O servidor poderá requerer horário especial de estudante, válido apenas


para os dias de comparecimento às aulas, com registro do ponto até uma hora após o início
da jornada de trabalho ou até uma hora antes de seu término.
A concessão do benefício fica a critério da Administração e somente será
concedido quando entre o horário de aulas e o expediente do trabalho mediar tempo inferior
a noventa minutos.
Cursos contemplados:
• Pré-Vestibular;
• Superior;
• Pós-Graduação;
• Cursos Preparatórios para ingresso nas carreiras de Magistratura, Minis-
tério Público, Procuradorias do Estado e Delegado de Polícia.
PROGRAMA CRECHE ESCOLA

O programa Creche Escola possui vagas limitadas e beneficia o servidor


que possui no máximo 2 (dois) filhos que estejam na pré-escola e tenham idade entre 6 me-
ses e 6 anos.
O Creche Escola Especial é para filhos com deficiência e não tem limite de
idade.
Dúvidas: entrar em contato com a sgp.crecheescola@tjsp.ju.br.

DIREITOS E VANTAGENS PECUNIÁRIAS – SALÁRIO

Salário: pagamento sempre no 4º dia útil do mês.


• Necessário entregar os dados da conta bancária;
• O primeiro pagamento nem sempre ocorrerá no mês seguinte à posse.

DIREITOS E VANTAGENS PECUNIÁRIAS – DESCONTOS OBRIGATÓRIOS

➢ Contribuição Social - SPPREV


➢ IAMSPE – Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual
• desconto de 2% ao mês;
• inscrição de agregados (pai, mãe, padrasto e madrasta): prazo de 180 dias a
partir da posse, inclusive para egressos de outras estatais;
• será descontado do salário 2% ao mês de cada agregado;
• o servidor pode optar pelo desligamento, que será efetuado após 180 dias da
solicitação, durante esse período ele pode desistir;
• o servidor que solicitar desligamento não poderá voltar a ser associado ao
IAMSPE.
➢ Imposto de Renda
DIREITOS E VANTAGENS PECUNIÁRIAS – BENEFÍCIOS

Auxílio Transporte
• pago por dia trabalhado.
Auxílio Alimentação
• pago por dia trabalhado.
Auxílio Saúde
• pago todo o mês.
O valor dos auxílios é depositado diretamente na folha de pagamento.
Adicional por Tempo de Serviço
A cada cinco anos de serviço o servidor terá o acréscimo de 5% sobre o
salário-base e a gratificação judiciária.
Sexta-Parte
Quando completar 20 anos de serviço o servidor terá o acréscimo de 1/6
da sua remuneração. Férias
• 30 dias por ano
• remuneradas com acréscimo de 1/3
• divisíveis em dois períodos iguais (cultura do Tribunal de Justiça, o que
não impede solicitar 30 dias – negociar com o gestor)
13º Salário
• 50% é pago no mês de aniversário e 50% no mês de dezembro.

LICENÇAS

• Saúde: sem limite


• Gestante: 6 meses
• Adoção: 180 dias
• Paternidade: 5 dias com prorrogação de mais 15 dias, desde que comunique ao ges-
tor.
• Após 5 anos de exercício, para tratar de interesses particulares, sem remuneração, a
critério da Presidência, por prazo máximo de dois anos.
• Outras: casamento, morte de parente, etc.
• Licença-Prêmio
A cada 5 anos de trabalho, tendo no máximo 30 faltas, o servidor terá direito a
90 dias de licença prêmio, que poderão ser usufruídas em blocos de 15 dias cada.
Contam como faltas: licença-saúde de familiar, ausência médica e as faltas abonada e
justificada.
A falta injustificada zera a contagem do período, reiniciando uma nova contagem no
dia posterior à ocorrência.
OBS.: Atualmente a licença saúde (própria) não é considerada falta. Mas pode ser
julgada inconstitucional e voltar a contar como falta para contagem de licença prêmio.

SP-PREVCOM
O Tribunal de Justiça oferece uma previdência complementar que é

administrada pela SP-PREVCOM.


A Previdência complementar é facultativo com desconto em folha de
pagamento.
Os servidores efetivos que recebem remuneração acima do teto do INSS
e optarem pela adesão à previdência complementar terão a contrapartida paritária do patro-
cinador até o limite de 7,5% sobre a parcela do salário que ultrapassar o valor do referido
teto.
Para os servidores efetivos com remuneração abaixo do teto do INSS a
adesão também é permitida, porém, não há contrapartida do patrocinador, uma vez que o
governo do Estado já contribui sobre o valor do teto.
Para solicitar a adesão o servidor deve preencher o formulário de
inscrição que está disponível na área de formulário do portal do servidor, no site do
TJ(www.tjsp.jus.br) e enviar o original à SGP – Rua da Consolação, 1483 – São Paulo/SP.
SP-PREVCOM – www.spprevcom.sp.gov.br.
Rua Bela Cintra, nº 934 – Consolação – Fone: 3150-1943/1944

DEVERES DOS SERVIDORES – (ART. 241 DA LEI 10.261/68 – ESTATUTO)

• Representar aos superiores sobre todas as irregularidades de que tiver conhecimento


no exercício de suas funções.
• Zelar pela economia do material do Estado e pela conservação do que for confiado a
sua guarda ou utilização.
• Estar em dia com as leis, regulamentos, regimentos, instruções e ordens de serviço
que digam respeito as suas funções.
• Proceder na vida pública e privada na forma que dignifique a função pública.

PROIBIÇÕES (ART. 242 DA LEI 10.261/68 – ESTATUTO)

• Retirar, sem prévia permissão da autoridade competente, qualquer documento ou ob-


jeto existente na repartição.
• Empregar material do serviço público em serviço particular.
• Tratar de interesses particulares na repartição.
• Exercer comércio entre companheiros de serviço, promover ou subscrever listas de
donativos dentro da repartição.
• Fazer contratos de natureza comercial e industrial com o governo, por si, ou como re-
presentante de outrem.
• Exercer, mesmo fora das horas de trabalho, emprego ou função em empresas, esta-
belecimentos ou instituições que tenham relações com o Governo, em matéria que se
relacione com a finalidade da repartição ou serviço em que esteja lotado.
• Valer-se de sua qualidade de funcionário para desempenhar atividades estranhas às
funções ou para lograr, direta ou indiretamente, qualquer proveito.

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS/SINDICÂNCIA

A instauração de procedimentos administrativos pode ser causada por


ação (procedimento não condizente) ou omissão (procedimento não realizado).
PENALIDADES:
Repreensão
Suspensão
Suspensão Convertida em Multa
Demissão
Demissão a Bem do Serviço Público
Cassação de Aposentadoria

FÉ PÚBLICA

Refere-se à presunção de verdade dada aos atos do servidor, dentro do


processo digital.
A fé pública é uma autenticação, presume-se que o conteúdo do
documento, lançamento de dados e movimentação processual sejam verdadeiros até prova
em contrário.
“Presunção de veracidade das certidões emanadas dos órgãos auxiliares
do juízo. As declarações emanadas dos servidores estatais que atuam no âmbito das Secre-
tarias dos Tribunais Judiciários consubstanciadas em certidões exaradas em razão de seu
ofício, revestem-se essencialmente em função da fé pública de que gozam tais agentes auxi-
liares do Juízo de presunção juris tantum de legitimidade e veracidade (RTJ 133/1235), pre-
valecendo, sempre, aquilo que nelas se achar atestado, até que se produza prova idônea e
inequívoca em sentido contrário (STF, Ag. Reg. Em Ag. De Inst. Criminal-Agora-375124/MG,
Relator Ministro Celso de Mello, 2ª Turma)”

TERMO DE SIGILO

O servidor deve estar atento a Política de Segurança da Informação


descrita no Termo de Responsabilidade e Sigilo – TRS assinado na posse.

LEI 1.111/2010 - PLANO DE CARGOS


E CARREIRAS

Para Novos Escreventes

A Lei 1111/2010 de 25 de maio de 2010 instituiu o Plano de Cargos e Carreira do


servidor do Tribunal de Justiça de São Paulo.
Entre os assuntos tratados na lei está a Progressão de Grau e a Avaliação
de Desempenho.
Progressão de Grau: é a passagem do servidor de cargo de provimento
efetivo de um grau para o imediatamente superior, dentro da mesma referência e nível.
Para progredir de grau, o servidor deverá participar da avaliação de
desempenho, ser avaliado positivamente, além de outras condições.
O servidor será avaliado pelo seu chefe imediato e além dessa avaliação
poderá ganhar no máximo mais um ponto pela participação em cursos, palestras, workshops,
entre outros.

ADICIONAL DE QUALIFICAÇÃO

A Lei complementar nº 1217 de 12/11/2013 altera a Lei complementar


nº 1.111 de 25/05/2010 – Planos de Cargos e Carreira e institui o Adicional de Qualificação –
AQ:
O adicional não será concedido quando o curso constituir requisito ou
estiver no mesmo nível de escolaridade para ingresso no cargo efetivo ou em comissão.
Somente serão reconhecidos os cursos e as instituições reconhecidas
pelo Ministério da Educação, na forma da legislação.
Serão admitidos cursos de pós-graduação “latu-sensu” somente com
duração mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas.
O Adicional de Qualificação – AQ incidirá sobre os vencimentos brutos
equivalentes à base de contribuição previdenciária do cargo em que o servidor estiver em exer-
cício, da seguinte forma:
12,5% (doze inteiros e cinco décimos por cento), em se tratando de título
de Doutor;
10% (dez por cento), em se tratando de título de Mestre;
7,5% (sete inteiros e cinco décimos por cento), em se tratando de
certificado de Especialização;
5% (cinco por cento), em se tratando de diploma de graduação em curso
superior.

APRESENTAÇÃO PESSOAL E POSTURA


APRESENTAÇÃO PESSOAL
É recomendado um traje adequado ao ambiente forense.
Terno e gravata: os servidores que deverão trajar terno e gravata serão informa-
dos
pelos Chefes ou Diretores a quem estiverem subordinados.
Vestuário inadequado: decotes profundos, saias e vestidos muito curtos, calças
ou
saias muito baixas.
Não é permitido o uso de camisetas regata, bermudas e bonés.
A higiene pessoal deve ser observada com unhas, cabelos, trajes limpos e bem
cuidados.

POSTURA
Procure sentar-se de forma adequada.
Utilize um tom de voz apropriado ao ambiente de trabalho.
Evite comer na mesa de trabalho, mantendo-a em ordem, principalmente no final
do
expediente.
Seja discreto no atendimento ao usuário (evite chiclete, celular, etc.)
Use o bom senso. Em caso de dúvida consulte alguém mais experiente e peça
auxílio.

PERFIL PROFISSIONAL
O perfil do profissional que se busca atualmente engloba uma série de qualidades
e aptidões que contribuirão para um atendimento de qualidade, bem como para o
desempenho de todas as demais atividades profissionais.
Apontamos a seguir algumas delas que necessitam ser desenvolvidas ao longo
da vida profissional:
• Proatividade – As pessoas proativas são aquelas que se antecipam aos
acontecimentos, são responsáveis e estão sempre atualizadas. Buscam soluções e se res-
ponsabilizam por suas escolhas, não transferindo as responsabilidades. Procuram se atualizar
e estão sempre prontas a agir.
• Gostar do que faz – deve ser muito difícil trabalhar em uma atividade, dia
após
dia, sem gostar do que se faz. Ficamos horas no trabalho, muitas vezes mais tempo do que
nos dedicamos à família, casa ou outras atividades, e se não gostamos do que fazemos sere-
mos infelizes. Portanto, se não gostamos, precisamos aprender a gostar.
• Flexibilidade - Flexibilidade é a capacidade que temos de nos adaptar às
mudanças, às situações diversas e a grupos de pessoas diferentes. Esta capacidade nos ajuda
a conduzir e lidar com as situações e com as pessoas de forma mais tranquila e positiva.
• Empatia – A empatia é a capacidade de compreender o sentimento ou rea-
ção da outra pessoa imaginando-se nas mesmas circunstâncias. É o colo-
car-se no lugar do outro para entender como ele percebe e sente determi-
nada a situação/fato.
• Criatividade – capacidade de criar, produzir coisas novas.
• Trabalho em Equipe: possibilita a troca de conhecimento e agilidade no
cumprimento de metas e objetivos compartilhados, uma vez que otimiza o tempo de cada pes-
soa e ainda contribui para conhecer outros indivíduos e aprender novas tarefas. Saber traba-
lhar em equipe implica em entender e respeitar o fato de que as pessoas são diferentes: nem
melhores, nem piores. Todos temos qualidades e defeitos e devemos buscar a harmonia no
ambiente de trabalho.
• Autoconhecimento: através do autoconhecimento podemos identificar as
nossas necessidades de melhoria e dessa maneira nos tornamos pessoas melhores.

HABILIDADES IMPORTANTES NAS RELAÇÕES DE


TRABALHO

Comunicação – é fator essencial nas relações de trabalho e também nas pesso-


ais. Qualquer comunicação envolve o emissor e o receptor, portanto, é um mecanismo de mão
dupla. A comunicação só se efetiva quando a pessoa com quem estamos falando compreende
a mensagem que queremos transmitir. Quando não há esta compreensão pode-se dizer que há
“falação”, mas não comunicação.

Cooperação e respeito – fundamentais para o estabelecimento de um bom


relacionamento com as pessoas. Respeito e urbanidade são condições necessárias para qual-
quer atividade, notadamente quando lidamos com o público.

Discrição - lidamos com situações vividas por outras pessoas, relacionadas à vi-
da,
liberdade, patrimônio, família, etc., muitas dos quais tramitam em segredo de justiça. É nosso
dever não comentar fatos de que temos conhecimento em função de nosso exercício profissio-
nal.
Ética – são os valores morais que orientam a maneira de agir do ser humano.

ATENDIMENTO AO PÚBLICO EXTERNO


E INTERNO

PÚBLICO INTERNO E EXTERNO

Atendemos a dois públicos distintos: o público externo e interno.


O Público externo, que pode ser denominado usuário, procura a Instituição
buscando a prestação jurisdicional, tais como advogados, estagiários de direito e as par-
tes, que são os cidadãos envolvidos no processo judicial. O público interno são os servi-
dores que trabalham conosco, o escrivão e o juiz.

O SERVIDOR PÚBLICO

Entende-se que o servidor é o agente de melhoria do serviço público.


O servidor, geralmente, é o primeiro contato que o usuário tem com a Insti-
tuição. Neste sentido diz-se que o servidor é o “cartão de visita” da instituição represen-
tando-a frente ao usuário.
O nome “servidor público”, por si só, indica a função de servir, o que deve
ser feito com cordialidade e eficiência.
Dessa forma, o atendimento prestado é fundamental para que o usuário
tenha uma impressão positiva da Instituição e sinta-se acolhido em suas necessidades.

PROCESSO DA COMUNICAÇÃO

Par que possamos dar um atendimento de qualidade é necessário


entendermos sobre o processo da comunicação.
COMUNICAÇÃO: a palavra comunicar vem do latim communicare, que
significa tornar comum. É a capacidade de trocar ou discutir ideias, de dialogar, de con-
versar, visando ao bom entendimento entre as pessoas.
A comunicação não é simples transmissão; envolve interatividade entre
as partes. Sem compreensão não há comunicação, há “FALAÇÃO”.

COMUNICAÇÃO VERBAL E NÃO VERBAL

As relações entre as pessoas se estabelecem por meio da comunicação.


Daí a importância de se comunicar com eficiência, transmitindo a mensagem de forma
clara e precisa.
A comunicação pode ser: verbal ou não verbal.
Para que se tenha uma comunicação verbal adequada é importante
observar alguns aspectos:
➢ Fale de forma objetiva e clara, com foco na mensagem a ser transmi-
tida, pronunciando bem as palavras.
➢ Não fale muito depressa, tornando a mensagem incompreensível,
nem muito devagar, cansando o ouvinte.
➢ A linguagem utilizada deve ser adequada ao usuário que está sendo
atendido. Exemplo: no caso de atendimento a advogados, é possível
utilizar uma linguagem técnica que, no caso de atendimento às par-
tes, provavelmente não será compreendida. O CORPO FALA: a co-
municação não verbal se estabelece por gestos,
expressões, postura corporal e tom de voz. Conforme se observa de pesquisas realiza-
das, os sinais não verbais são o fator predominante nesse processo. Por vezes falamos
uma coisa e a nossa postura corporal ou o próprio tom da nossa voz expressa outra.

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE UM ATENDIMENTO

DE QUALIDADE

1. Mostre respeito pelo atendido independentemente de raça, sexo, idade e condição


social.
2. Adapte seu atendimento a cada situação, observando o vocabulário e a linguagem
corporal.
3. Use o tratamento adequado: senhor/senhora, doutor/doutora, nunca trate o usuário
por você, nem por diminutivos. Nunca utilize gírias.
4. Olhe para o usuário. Sinalize sua presença.
5. Conheça seu trabalho, mantendo-se atualizado sobre eventuais alterações nos
procedimentos.
6. Não permita que problemas pessoais interfiram no seu atendimento. Lembre-se: o
público não tem nada a ver com seus problemas pessoais.
Importante, ainda, que se respeite a ordem de chegada e as normas sobre aten-
dimento preferencial para gestantes, idosos, deficientes físicos e mães com crian-
ça no colo.

ATITUDES A SEREM EVITADAS NO ATENDIMENTO

➢ APATIA
Ocorre quando os servidores não demonstram que se importam com o usuário.
As pessoas ficam bravas, ofendem-se.

➢ MÁ VONTADE
Os servidores tentam livrar-se do usuário, sem resolver o problema dele.

➢ FRIEZA
O usuário é tratado de forma distante, até desagradável.

➢ DESDÉM
Há servidores que se comportam com arrogância, tratando o usuário como se ele
não soubesse nada ou não tivesse o direito de saber.

➢ ROBOTISMO
O servidor deixa de agir como se fosse uma pessoa, repete sempre a mesma coisa,
da mesma maneira, com os mesmos movimentos, sem interagir com o usuário.

➢ JOGO DE RESPONSABILIDADES
A síndrome do vai-para-lá-e-vai-para-cá. Há pessoas que mandam os usuários de
um lugar para outro, sem nunca resolver nada.

REGRAS PARA ATENDIMENTO TELEFÔNICO

Identifique-se corretamente, nunca diga “alô”, muito menos a sigla


correspondente a sua unidade, prefira identificá-la com sua principal atividade. Ex.: Boa
tarde, 3ª Vara Cível, Bom dia Setor de Posse, etc.
Use um tom de voz adequado – não fale nem muito alto, nem muito
baixo. Procure passar alegria e disponibilidade.
Mantenha certa formalidade, sem exageros ou intimidades.
Fale com clareza e saiba ouvir, dando tempo para a outra pessoa se
manifestar.
Reaja. Procure pontuar a fala do usuário com palavras breves, de forma
que o usuário perceba que existe alguém escutando do outro lado da linha.
Faça anotações. Ao atender o telefone sempre tenha em mãos um bloco
e lápis para anotações, evitando assim que a pessoa fique aguardando para passar um
recado.
Anote recados com precisão. Ao anotar um recado, escreva com letra
legível, o nome da pessoa que telefonou, seu posto de trabalho (se for o caso), o assunto
e também o horário da ligação, além de outros dados que julgar necessário.
Atenção!
Não é permitido fornecer informações do processo por telefone.

DICAS PARA LIDAR COM USUÁRIO NERVOSO

Controle o tom da voz, a raiva do usuário não é com você.


Escute com interesse e atenção. Não o interrompa.
Demonstre empatia, coloque-se no lugar do usuário.
Faça perguntas de forma clara e objetiva.
Sinalize ao usuário que entendeu o seu problema.
Busque alternativas, identifique soluções que possam atender o usuário
ou encontre alguém que o faça.

ATENDIMENTO PREFERENCIAL

Atendimento preferencial somente para gestantes, idosos, pessoas


portadoras de necessidades especiais e mães com criança de colo.
Não faça de conta que a deficiência não existe. Aceite a deficiência. Ela
existe e você precisa levá-la na sua devida consideração.
Não subestime as possibilidades, nem superestime as dificuldades e vice-
versa.
As pessoas com deficiência têm o direito, podem e querem tomar suas
próprias decisões e assumir a responsabilidade por suas escolhas.

✓ PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Nunca ajude sem perguntar antes como deve fazê-lo.


Mantenha seu tom de voz normal. Ele é cego, não surdo.
✓ PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

Se a pessoa usar uma cadeira de rodas e a conversa for demorar mais tempo do
que alguns minutos, procure sentar-se, para que você e ela fiquem com os olhos
num mesmo nível.
✓ PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

Seja expressivo ao falar. Fale de maneira clara, pronunciando bem as palavras. Os


gestos e o movimento do seu corpo serão excelentes indicações do que você quer
dizer.
MOTIVAÇÃO
O que te motivou a estudar para
Concurso Público?
Satisfação pessoal ou um bom
salário?

Não importa qual seja a sua motivação para come-


çar a estudar. Você precisa ter uma. É essa motiva-
ção que vai fazer você estudar enquanto seus ami-
gos estiverem se divertindo.
É essa motivação que vai ter fazer acordar mais cedo para
estudar um pouco mais...
É essa motivação que vai fazer você ir dormir mais tarde,
ou até mesmo fazer você não querer dormir.

É essa motivação que vai fazer você ficar em casa estu-


dando trancado em pleno feriado.
É essa motivação que vai fazer você deixar o futebol de
lado para continuar estudando.
Repito, não importa qual seja sua motivação. O im-
portante é que ela seja forte o suficiente para não
deixar você desistir.

Muita gente sonha com a estabilidade do serviço público e se


você estiver lendo isso agora, com certeza você também tem
esse sonho.

Sem dúvida alguma o serviço público atrai muitas pessoas.


pois dentre as muitas vantagens, destaca-se além da estabili-
dade a remuneração que chega a ser bem mais elevada que a
remuneração da iniciativa privada.

Por exemplo o salário inicial do escrevente do Tribunal de Jus-


tiça de São Paulo é de Aproximadamente 5 mil reais soman-
do-se todos os benefícios.
E é um cargo de nível médio.
https://escreventetjsp.wordpress.com/2017/08/14/tabela-salarial-atualizada-2017/

Quem ganha esse salário na iniciativa privada com apenas o segundo


grau hoje em dia?

Como falei o cargo público é o sonho de muita gente, mas


poucos estão prontos para pagar o preço de realizar este
sonho.
Tem uma frase que acho muito boa, infelizmente não sei quem é
autor. Que diz o seguinte: sonhar não custa nada, mas realizar um
sonho tem o seu preço.

Você está disposto a pagar esse preço?

Essa reposta você deve dar a você mesmo.


A vida é feita de escolhas. Faça a sua!
PLANEJAMENTO

Você tem um planejamento? Ou você só estu-


da quando sai um edital?
Muitas pessoas já me perguntaram quanto
tempo eu estudei para passar no concurso do
Tribunal de Justiça de São Paulo.

Geralmente eu digo que estudei as matérias


específicas depois que saiu o edital, ou seja,
mais o menos 3 meses.

Mas tem uma coisa que geralmente eu esque-


ço de falar. Que eu sempre estudei português
e matemática porque sempre soube que essas matérias eram exigidas em todos
os concursos de nível médio.
Ou seja, eu estudei a parte de direito apenas 3 meses, porém a mais de 3 anos
eu vinha estudando português e matemática diariamente e isso fez muita dife-
rença. Lembro que errei apenas uma questão de língua portuguesa.

Então, dificilmente você que só estuda apenas após a abertura do edital conse-
guirá ser aprovado em um concurso. É lógico que há exceções.
Você precisa de um plano, de um projeto de estudo a médio ou longo prazo.

Você prefere estudar ou ficar perdendo tempo no facebook? O


Facebook vai sempre ganhar porque você ver o estudo como
uma coisa chata, como obstáculo.

Você já parou para pensar que estudar é o único caminho que


pode te levar a ser aprovado em um concurso público? Você já
parou para pensar que o estudo é a porta para se chegar à tão
sonhada estabilidade?
Você acha que um Juiz de Direito, um promotor de Justiça, ou um delegado fo-
ram aprovados porque tiveram sorte ou porque estudaram até passar?

Você já parou para pensar quantas, baladas eles perderam, quantas noites mal
dormidas, quantos amores foram perdidos, quantas amizades foram desfeitas só
porque eles decidiram estudar até passar em seus concursos?

Tenha um objetivo.
Você precisa ter um objetivo claro e a sua
visão sobre como alcançar esse objetivo de-
ve ser voltada para realidade a partir daí é
preciso ação pois apenas ela transforma a
realidade. O primeiro passo é acreditar no
seu sonho. Mas a realização de um sonho só
acontece quando nós agimos trabalhamos e
nos esforçamos.

O mais importante é ter objetivos claros e tra-


balhar por eles se você não sabe qual é o seu
objetivo nunca vai alcançá-lo.

Provavelmente a frase mais repetida pelos


concurseiros seja: Força, foco e fé.
Mas apenas compartilhar esta frase não vai adianta muito.
Você precisa sim ter força para estudar, quando poderia estar se diver-
tido, você precisa ter força para acordar cedo ou ir dormir para se pre-
parar, você precisa ter força para abrir mão das facilidades do dia-a-dia
para não parar de estudar.

Da mesma forma você precisa ter foça na sua pre-


paração para não desviar do caminho e seguir
aquele objetivo que é a sua aprovação.

E precisa ter fé, ter fé é ter a certeza que você é capaz é acreditar em si mesmo
enquanto todos desacreditam.

QUANTO TEMPO ESTUDAR E COMO ESTUDAR?

Muita gente diz que vai estudar 12 horas por dia,


ou 16 horas.
No entanto, estudos indicam que após 8 horas de
estudo nosso cérebro não aprende mais nada ou
não absorve mais nada.
Então não adianta você ficar 12 horas se matando pois vai
ficar mentalmente cansado e isso vai prejudicar seu de-
sempenho diário.
Você tem que cuidar do corpo e da mente. Precisa fazer
um pouco de exercícios, se alimentar bem e descansar um
pouco por ninguém e de ferro.

Como estudar?

Muita gente vende a ideia da fórmula mágica para ser aprovado em concurso,
se existisse uma fórmula mágica não haveria tantos cursinhos com métodos di-
ferentes de ensino.

Não há fórmula mágica porque as pessoas são diferentes.


O que existe são pessoas determinadas e com foco e que
são inteligentes para escolherem aquelas armas que melhor
se adequam às suas necessidades.

Por exemplo: há pessoas que precisam de uma


simples leitura para fixar um conteúdo, eu, por
exemplo, preciso copiar para poder fixar.

Você é quem tem que descobrir qual a melhor


maneira de estudo para você.
Você só vai descobrir isso tentando.

Tente estudar com vídeo aula, tente estudar fazendo resumos ou copiando a
apostila, faça um teste com áudios das leis, tente fazer exercícios de provas an-
teriores veja qual o melhor método para você.
Atenção! Nenhuma técnica vai ser eficiente se não se basear em RE-
SUMOS, REVISÕES, RESOLUÇÃO DE QUESTÕES E no famoso ciclo de es-
tudos. Dicas sobre isso você encontra facilmente no YouTube.

Você acredita em você ou


acredita no que dizem sobre você?
QUANDO EU ERA LAVADOR DE CARROS.
Antes de ser aprovado no concurso do Tri-
bunal eu fui lavador de carros e nessa épo-
ca abriu um concurso para oficial de Justi-
ça, escrevente e auxiliar do Tribunal.
É lógico que fiz a inscrição para auxiliar
porque seria muita ousadia fazer um con-
curso para o cargo de escrevente ou de
oficial de justiça.
Veja que eu mesmo não acreditava em mim. Imagina só um lavador de carros
prestando concurso para Oficial de Justiça ou para Escrevente. Eu ganhava
meio salário mínimo e o salário de escrevente era equivalente, naquela época
(1996-1998) a 10 salários mínimos.

E eu fui reprovado no concurso para auxiliar de serviços do tribunal de justiça.


Foi a partir dessa reprovação que eu acordei para a vida dos concursos e decidi
que na verdade eu não queria trabalhar como auxiliar de serviços gerais (com o
devido respeito aos colegas auxiliares ), eu queria ser Escrevente.
Isso pode acontecer com você também.

Você pode não estar acreditando em você, você po-


de não se achar capaz, pode estar dizendo que isso
é demais para mim.
Deixa eu te falar uma coisa: Nada é demais para vo-
cê, nada é impossível se alguém já conseguiu che-
gar lá. Você também consegue.

Você pode dizer que é burro, que não entende nada,


que não é capaz!
Se você acredita nisso, ninguém vai te convencer do contrário.

Se eu continuasse acreditando que nunca iria conseguir ganhar mais que


meio salário, provavelmente estaria até hoje lavando carros.

Então, reveja suas crenças, tenha um pla-


no, acredite em você, mas acredite e faça
a semeadura para poder colher os frutos
depois. Acreditar em você e ficar esperan-
do algo cair do céu não parece ser inteli-
gente.
Falando em cair algo do céu, já vi muita gente dizendo que tem certeza que
vai passar porque Deus vai ajudá-la na aprovação.

Por que que Deus vai te ajudar e não vai


ajudar a outra pessoa? Será que você é
tão especial assim?
Estude e Deus vai te mandar as questões
na proporção do quanto você estudou.

Dificilmente você vai ser aprovado em um


concurso apenas por meio da sorte.

Uma coisa que sempre digo é a seguinte: Quanto mais você estudar mais
sorte você terá.
Se você realmente quer ser um funcionário público, comece a se preparar desde
já porque muita gente está se preparando há muito tempo.

Faça seu planejamento de estudo, veja se é


possível estudar pelo menos 4 horas por dia,
veja se o concurso que você almeja é exigido
matérias como português, matemática, racio-
cínio lógico e informática, por exemplo, por-
que você já pode começar a estudar essas ma-
térias desde já.

Não comenta o erro de só estudar quando o


edital for publicado, você só vai perder tempo e
dinheiro e colecionar reprovações.
MELHOR TÉCNICA DE ESTUDO.
Grupo de psicólogos norte-americanos analisou 10 técnicas de estudo de
acordo com o nível de eficiência de cada uma.
Você é desses que estuda sempre com uma caneta em
mãos para grifar tudo o que vê pela frente, ou adora fazer
resumos para fixar o conteúdo da matéria? Mesmo assim,
não acha que está rendendo nas provas o quanto gostaria?
Pois é, talvez você esteja estudando errado. Isso foi o que
mostrou uma pesquisa desenvolvida por um grupo de psicó-
logos nos Estados Unidos.

De acordo com os pesquisadores norte-americanos, hábitos como grifar textos ou


fazer resumos, por exemplo, têm pouca eficácia na hora dos estudos. De acordo
com a análise, as técnicas mais úteis são a realização de testes práticos, como os
simulados, e a distribuição organizada dos estudos, ou seja, não deixar tudo para a
véspera das provas.
A pesquisa analisou, no total, a utilidade de dez métodos de estudo e dividiu cada
um deles em três categorias, de acordo com a sua eficiência: utilidade baixa, mode-
rada e alta. O trabalho foi publicado pela Association for Psychological Science, uma
organização norte-americana não lucrativa.

Os especialistas tiveram a preocupação de escolher técnicas que pudessem ser im-


plantadas sem nenhum tipo de assistência adicional, ou seja, sem a necessidade de
equipamentos de última geração ou sem a ajuda de um professor particular, por
exemplo. “Pode requerer algum treinamento para aprender a usar as técnicas com
fidelidade, mas, a princípio, os estudantes estão aptos a usar as propostas sem su-
pervisão”, explicam os pesquisadores.

Veja abaixo como você pode usar cada método para aperfeiçoar seus estudos!
Fonte: https://journals.sagepub.com/stoken/rbtfl/Z10jaVH/60XQM/full
Repito: o segredo de quem passa em concurso é uma boa es-
tratégia e muito estudo. E tudo isso só depende de você!

Estude!
TÉCNICAS DE CHUTE

Dicas sobre como "chutar" certo em provas de


concursos

Por mais que você estude, sempre haverá questões duvidosas. O que fa-
zer nesta hora? Muitas pessoas começam a chutar aleatoriamente as questões,
ou seja, atiram no escuro. Mas os concurseiros experientes usam algumas téc-
nicas para chutar as questões que não sabem de jeito nenhum.
Esse tal "chute" que muita gente pratica por aí pode ter uma probabilidade
de acerto muito maior caso os candidatos utilizem algumas dicas simples ao in-
vés de simplesmente chutar ao acaso.

É claro que o ideal é que o candidato esteja sempre muito bem preparado
para que saiba responder todas as questões.
Mas isso é um pouco difícil, então na hora do desespero vale a pena chutar,
mas chutar com técnica.

Vejamos algumas dicas compartilhadas na web.


Dica 1 : Eliminação das alternati-
vas absurdas:
Essa é primeira atitude que a maioria dos concurseiros toma na hora de respon-
der uma questão.
A eliminação das respostas absurdas, ou seja, aquelas que atentam contra a
lógica, que não faz nenhum sentido. Isso aumenta a probabilidade de acertos.

Veja um exemplo:

Provas: IADES - 2011 - PG-DF - Técnico Jurídico - Apoio Administrativo:


Quanto mais elevado o cargo que ocupa o servidor público, maior é sua respon-
sabilidade para com a idoneidade, entendida como aptidão técnica, legal e moral
para o acesso e exercício da função pública. Assinale a alternativa que ilustra
corretamente ação adequada de servidor do Distrito Federal frente aos princí-
pios da conduta ética.

a) Ao deparar-se com uma crítica da imprensa, um servidor público demons-


trou um grau de tolerância maior que um cidadão comum, atuando com
sobriedade e moderação no trato com o público.
b) Ao receber uma determinação de seu superior hierárquico, o servidor pú-
blico não deu cumprimento à mesma por não ser sua obrigação ou res-
ponsabilidade.
c) Ao ser designado para um cargo para o qual não tinha aptidão, o servidor
público imediatamente prontificou-se a aceitar, com base na legalidade e
no privilégio do exercício da função.
d) Ao deparar-se com um processo administrativo interno, um servidor públi-
co optou pela adequação da solução legal para um resultado mais justo,
ainda que executado em contrariedade aos fins perseguidos pela lei.
e) Um servidor público utilizou-se do veículo oficial de seu órgão para fins
particulares, uma vez que o bem estava confiado para o desempenho de
suas funções.

Veja que mesmo que você não tenha noção do código de ética dos servido-
res do DF, logo de cara vai perceber que as alternativas “B”, “C” e “E” são com-
pletamente absurdas e ferem o bom senso.
Nesse caso, restariam DUAS alternativas, aumentando as chances de acerto.
A resposta certa seria a letra “A”. Note que mesmo que você não saiba a letra
“D”, a “A” é politicamente correta. E respostas politicamente corretas tendem a
estar certas.
COMO TIRAR O MAIOR PROVEITO DESTA APOSTILA?

https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/guiaenem/sensacoes-que-so-quem-esta-estudando-sem-parar-entende-20186025

1º - Tente resolver 20 questões por vez;


2º - Faça a conferência dessas questões;
3º - Copie em seu caderno as respostas das questões que você errou;
4 º- se possível leia os artigos ou os conceitos relacionados às questões que
você errou;
5 º- Agora tente responder novamente as 20 primeiras questões até chegar
40ª questão. Quando chegar à 40ª questão, repita os passos 2º, 3º e 4º....

Atenção! Isso é apenas uma dica. Você é quem deve


criar sua melhor estratégia.
Você não adquiriu apenas uma apostila de questões, você adquiriu
um manual de treinamento que irá fazer você a conquistar o tão
concorrido cargo de escrevente do TJ-SP. Seguindo as orientações
básicas contidas aqui você estará dando um passo muito importan-
te para a sua aprovação. Acredite, você é capaz!

1º - leia todos os artigos indicados aqui o


mais rápido possível.

2º - escolha as palavras que você conside-


ra importantes em cada artigo.

Por exemplo art. 312:

Peculato

Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem mó-
vel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito
próprio ou alheio:

Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa.

§ 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do


dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio ou
alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário.

Peculato art. 312 => apropriar-se, desviá-lo, subtrair

Obs.: não é para digitar no computador é para copiar em um ca-


derno.

3º - responda as questões lendo o enunciado e as alternativas uma única vez.


4º - marque a alternativa que considerar correta, sem perder tempo.
5º- passe logo em seguida para a próxima questão adotando os procedimentos
anteriores.
6º - Após a correção das alternativas copie a resposta correta da questão que
por ventura você tenha errado.

Isso vai condicionar seu cérebro a pensar rápido.

E vai deixar você mais confiante.

ESTUDO POR CICLOS


O estudo por ciclos constitui um método proporcional e alternado de estudos de todas as
matérias objeto do certame escolhido.
Assim, inicialmente, você deve delimitar o tempo que dedicará aos estudos. Feito is-
so, poderá adaptar o ciclo dentro da sua disponibilidade. Caso disponha de mais tempo diário
de estudos, por exemplo, 8 horas diárias, o ciclo ficará mais curto. Se você dispuser de 4 ho-
ras diárias, naturalmente o período do ciclo irá se alongar um pouco mais. Não isso não é pro-
blema, pois cada um tem um ritmo de estudos e um tempo para chegar à sonhada aprovação.
O importante é ter decidido estudar para concurso, fazê-lo de forma profissional, aproveitando
o tempo da melhor forma possível!
Mais uma observação quanto à delimitação do tempo de estudos. Não se empolgue! "Eu
irei estudar 12 horas diárias!" Pense que o projeto que você irá desenvolver é como se fosse
um emprego temporário. Registre ponto! Você deve estudar todos os dias, na forma como es-
tabeleceu esse contrato. Não serão admitidas faltas ou descompromisso. Portanto, não exage-
re, caso contrário você não irá conseguir cumprir o plano. Não dar conta do planejamento irá
desmotivá-lo.
Não raras vezes, iniciamos com muito vigor, mas cansamos. Em decorrência você acha
que o culpado é você, minimiza a sua capacidade, a sua força de vontade. Mas muito prova-
velmente não é isso! Pode ser que você tenha criado uma expectativa muito grande, não exe-
quível!
Em números! Se você estudar 4 horas diárias, de segunda a sábado, ao longo de 3 me-
ses você terá estudado 312 horas líquidas!

Além disso, independentemente do seu ritmo de estudos, se mais rápido ou mais lento,
ao final de cada ciclo você terá estudado todas as matérias do edital de acordo com a im-
portância de cada uma delas para a sua prova. É a melhor forma de organizar os estudos!

Algumas premissas relevantes:

(1) Você não deve estudar apenas uma matéria ao longo do dia. Isso deixará o es-
tudo mais cansativo quando você estiver diante de matérias que você não goste tanto. A falta
de motivação será prejudicial para o aproveitamento.
Por exemplo, se você gosta de Direito Constitucional e Direito Penal, mas não gosta de
Direito Administrativo, poderá iniciar os estudos com Direito Constitucional para iniciar com
força total. Após, com a empolgação anterior você estuda Direito Administrativo e, ao final,
para manter a motivação estuda Direito Penal. Não deixe para encerrar os estudos com Direito
Administrativo, pois você estará cansado e desmotivado. Não inicie com a disciplina para que
a má-disposição não afete o restante dos seus estudos.
Com isso, você aproveita a motivação extra de disciplinas que você tem mais apreço e
intercala com outra que você não gosta tanto. É uma forma inteligente de você usar a motiva-
ção a seu favor. Lembre-se: tudo o que fizer com vontade, de forma proativa, motivado,
verterá melhor resultado!

(2) Ao longo do período diário de estudos, é fundamental que você faça pausas. Há
estudos que demonstram que a capacidade de absorção é inversamente proporcional ao tem-
po de concentração ininterrupta. Na primeira hora a capacidade de aprendizado é ótima. Se
você seguir de forma ininterrupta na segunda hora a capacidade de absorção será reduzida.
Assim, sugere-se fazer pequenas pausas, de 10 a 15 minutos para retomada dos estudos com
vigor!

(3) Concurso público é condicionamento. De nada adianta você sair em disparada e, ao


final do primeiro mês estar rastejando. O estudo para concursos deve ser cadenciado e contí-
nuo. Desse modo, reserve um tempo para o descanso.
TABELAS DE ESTUDO
RESOLVA A ÚLTIMA PROVA

Antes de iniciar seus estudos resolva a


última prova de Escrevente para você
testar seus conhecimentos.

Faça uma análise do seu desempenho e


direcione seus estudos naquilo em que
você está estiver mais fraco.

ACREDITE, VOCÊ É CAPAZ!


PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

concurso público

001. Prova Objetiva

escrevente técnico judiciário


(Interior)

� Você recebeu sua folha de respostas e este caderno contendo 100 questões objetivas.
� Confira seus dados impressos na capa deste caderno e na folha de respostas.
� Quando for permitido abrir o caderno, verifique se está completo ou se apresenta imperfeições. Caso haja algum
problema, informe ao fiscal da sala.
� Leia cuidadosamente todas as questões e escolha a resposta que você considera correta.
� Marque, na folha de respostas, com caneta de tinta azul ou preta, a letra correspondente à alternativa que você escolheu.
� A duração da prova é de 5 horas, já incluído o tempo para o preenchimento da folha de respostas.
� Só será permitida a saída definitiva da sala e do prédio após transcorridos 2 horas e 30 minutos do início da prova.
� Ao sair, você entregará ao fiscal a folha de respostas e este caderno, podendo levar apenas o rascunho de gabarito,
localizado em sua carteira, para futura conferência.
� Até que você saia do prédio, todas as proibições e orientações continuam válidas.

Aguarde a ordem do fiscal para abrir este caderno de questões.

Nome do candidato

RG Inscrição Prédio Sala Carteira

25.03.2018
língua portuguesa 02. As informações textuais permitem afirmar corretamente
que

Leia o texto para responder às questões de números 01 a 05. (A) a proximidade entre a literatura e as novelas exige
que haja um senso estético aguçado em relação à
Quem assiste a “Tempo de Amar” já reparou no portu- linguagem, por isso essas artes primam pelo erudito.
guês extremamente culto e correto que é falado pelos per- (B) a linguagem coloquial atrai sobremaneira os autores
sonagens da novela. Com frases que parecem retiradas de de novelas, como é o caso de Alcides Nogueira, que
um romance antigo, mesmo nos momentos mais banais, os desconhecia o emprego de formas eruditas.
personagens se expressam de maneira correta e erudita.
Ao UOL, o autor da novela, Alcides Nogueira, diz que o (C) a linguagem erudita deixa de ser empregada na no-
linguajar de seus personagens é um ponto que leva a novela vela quando há necessidade de retratar os momen-
a se destacar. “Não tenho nada contra a linguagem coloquial, tos mais banais vividos pelas personagens.
ao contrário. Acho que a língua deve ser viva e usada em sin- (D) a opção por escrever uma novela de época implica
tonia com o nosso tempo. Mas colocar um português bastan- a transposição de elementos visuais e linguísticos
te culto torna a narrativa mais coerente com a época da tra- para o tempo presente, modernizando-os.
ma. Fora isso, é uma oportunidade de o público conhecer um
pouco mais dessa sintaxe poucas vezes usada atualmente”. (E) a harmonização entre a linguagem e a estética da
O escritor, que assina o texto da novela das 18h ao lado novela contribui para que a caracterização de uma
de Bia Corrêa do Lago, conta que a decisão de imprimir um época seja mais bem entendida pelo público.
português erudito à trama foi tomada por ele e apoiada pelo
diretor artístico, Jayme Monjardim. Ele revela que toma diver-
sos cuidados na hora de escrever o texto, utilizando, inclusi- 03. No texto, há exemplo de uso coloquial da linguagem na
ve, o dicionário. “Muitas vezes é preciso recorrer às gramáti- passagem:
cas. No início, o uso do coloquial era tentador. Aos poucos, a (A) ... então tudo foi pensado para que o público entras-
escrita foi ficando mais fácil”, afirma Nogueira, que também se junto com a gente nesse túnel do tempo.
diz se inspirar em grandes escritores da literatura brasileira e
portuguesa, como Machado de Assis e Eça de Queiroz. (B) Com frases que parecem retiradas de um romance
Para o autor, escutar os personagens falando dessa for- antigo, [...] os personagens se expressam de manei-
ma ajuda o público a mergulhar na época da trama de modo ra correta e erudita.
profundo e agradável. Compartilhou-lhe o sentimento Jayme (C) Quem assiste a “Tempo de Amar” já reparou no por-
Monjardim, que também explica que a estética delicada da tuguês extremamente culto e correto...
novela foi pensada para casar com o texto. “É uma novela
que se passa no fim dos anos 1920, então tudo foi pensado (D) ... o autor da novela [...] diz que o linguajar de seus
para que o público entrasse junto com a gente nesse túnel do personagens é um ponto que leva a novela a se
tempo. Acho que isso é importante para que o telespectador destacar.
consiga se sentir em outra época”, diz.
(E) Ele revela que toma diversos cuidados na hora de
(Guilherme Machado. UOL. https://tvefamosos.uol.com.br. escrever o texto, utilizando, inclusive, o dicionário.
15.11.2017. Adaptado)

04. Considere as passagens:


01. De acordo com o texto, entende-se que as formas lin-
guísticas empregadas na novela • ... os personagens se expressam de maneira correta e
erudita. (1o parágrafo)
(A) correspondem a um linguajar que, apesar de ser an- •C
 ompartilhou-lhe o sentimento Jayme Monjardim...
tigo, continua em amplo uso na linguagem atual. (4o parágrafo)
(B) divergem dos usos linguísticos atuais, caracteriza- • “... para que o telespectador consiga se sentir em outra
dos pela adoção de formas mais coloquiais. época”... (4o parágrafo)

(C) estão associadas ao coloquial, o que dá mais vivaci- Os pronomes, em destaque, assumem nos enunciados,
dade à linguagem e desperta o interesse do público. correta e respectivamente, os sentidos:

(D) harmonizam-se com a linguagem dos dias atuais (A) recíproco, possessivo e reflexivo.
porque deixam de lado os usos corretos e formais.
(B) recíproco, reflexivo e reflexivo.
(E) constituem usos comuns na linguagem moderna, po-
(C) reflexivo, possessivo e reflexivo.
rém a maior parte das pessoas não os entende.
(D) reflexivo, demonstrativo e enfático.

(E) reflexivo, enfático e possessivo.

3 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
05. Sem prejuízo de sentido ao texto, as passagens “Quem 06. No texto, o autor defende que
assiste a ‘Tempo de Amar’ já reparou no português extre-
(A) a transformação das formas de comunicação está
mamente culto...” (1o parágrafo) e “Aos poucos, a escrita
restrita à linguagem oral, normalmente menos formal
foi ficando mais fácil”… (3o parágrafo) estão corretamen-
que a escrita.
te reescritas em:
(B) a linguagem deve atender às necessidades comuni-
(A) Quem assiste a “Tempo de Amar” já corrigiu o por- cativas das pessoas, nem que para isso suas regras
tuguês excepcionalmente culto... / Seguramente, a tenham de ser violadas.
escrita foi ficando mais fácil.
(C) o estilo dos escritores rompe com a tradição da lin-
(B) Quem assiste a “Tempo de Amar” já se deu conta guagem, o que implica que eles, cada vez mais, es-
do português agudamente culto... / Rapidamente, a tão submissos a ela.
escrita foi ficando mais fácil. (D) os discursos lógicos e artísticos, para serem mais
coerentes, têm evitado as violações linguísticas a
(C) Quem assiste a “Tempo de Amar” já percebeu o por-
que poderiam recorrer.
tuguês muitíssimo culto... / Paulatinamente, a escrita
foi ficando mais fácil. (E) a forma como muitas pessoas se comunicam coti-
dianamente tem deturpado a essência da língua,
(D) Quem assiste a “Tempo de Amar” já reconheceu o comprometendo-lhe a clareza.
português ocasionalmente culto... / Curiosamente, a
escrita foi ficando mais fácil.
07. Assinale a alternativa em que, ao contrário da construção
(E) Quem assiste a “Tempo de Amar” já se aborreceu “aquela rapaz”, segue-se a lei fundamental da concor-
com o português sagazmente culto... / Lentamente, dância, de acordo com a norma-padrão.
a escrita foi ficando mais fácil.
(A) Quando o despacho chegou, a primeira coisa que
o advogado fez foi conferir os documentos anexos.

(B) Era um dia ensolarado, e não se sabe como foi atro-


Leia o texto para responder às questões de números 06 a 08.
pelado aquela mulher em uma avenida tranquila.
Se determinado efeito, lógico ou artístico, mais forte­ (C) Parece-me que este ano está chovendo muito, mas
mente se obtém do emprego de um substantivo masculino ainda assim há menas chuvas do que em anos an-
apenso a substantivo feminino, não deve o autor hesitar em teriores.
fazê-lo. Quis eu uma vez dar, em uma só frase, a ideia – pou-
co importa se vera ou falsa – de que Deus é simultaneamente (D) As crianças brincavam no jardim, colhendo flores
o Criador e a Alma do mundo. Não encontrei melhor maneira colorida e presenteando-se num gesto emocionante.
de o fazer do que tornando transitivo o verbo “ser”; e assim (E) Quando entraram na casa abandonada, uma cobra
dei à voz de Deus a frase: estava escondido ali. Assustaram-se, pois era um bi-
– Ó universo, eu sou-te, cho perigoso.
em que o transitivo de criação se consubstancia com o
intransitivo de identificação.
Outra vez, porém em conversa, querendo dar incisiva, 08. Assinale a alternativa que atende à norma-padrão de
e portanto concentradamente, a noção verbal de que certa colocação pronominal.
senhora tinha um tipo de rapaz, empreguei a frase “aquela
(A) A prosódia, já disse-o alguém, não é mais que fun-
rapaz”, violando deliberadamente e justissimamente a lei fun-
ção do estilo.
damental da concordância.
A prosódia, já alguém o disse, não é mais que função do (B) Se consubstancia o transitivo de criação com o in-
estilo. transitivo de identificação na frase: – Ó universo, eu
A linguagem fez-se para que nos sirvamos dela, não para sou-te.
que a sirvamos a ela. (C) Tendo referido-me a Deus simultaneamente como o
(Fernando Pessoa. A língua portuguesa, 1999. Adaptado) Criador e a Alma do mundo, recorri à frase: – Ó uni-
verso, eu sou-te.

(D) Sirvamo-nos da linguagem para quaisquer efeitos,


sejam eles lógicos ou artísticos.

(E) Para expressar minha ideia, juntariam-se o transiti-


vo de criação com o intransitivo de identificação na
frase.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 4
Leia o texto para responder às questões de números 09 a 18. 10. Observe as passagens do texto:
• O que a gente deve aos professores! (1o parágrafo)
Ai, Gramática. Ai, vida.
• ... mas quem, professoras, nos ensina a viver? (4o pa-
O que a gente deve aos professores!
rágrafo)
Este pouco de gramática que eu sei, por exemplo, foram
Dona Maria de Lourdes e Dona Nair Freitas que me ensina- Observando-se o contexto em que ocorrem e a pontua-
ram. E vocês querem coisa mais importante do que gramá- ção nelas presentes, conclui-se que as frases apontam,
tica? La grammaire qui sait régenter jusqu’aux rois – dizia correta e respectivamente, para os seguintes sentidos:
Molière: a gramática que sabe reger até os reis, e
Montaigne: La plus part des ocasions des troubles du monde (A) o narrador sente que está em dívida com os pro-
sont grammairiens – a maior parte de confusão no mundo fessores, por tudo o que aprendeu; o narrador
vem da gramática. acredita que o papel da gramática no cotidiano é
incompreendido.
Há quem discorde. Oscar Wilde, por exemplo, dizia de
George Moore: escreveu excelente inglês, até que desco-
(B) o narrador demonstra reconhecimento pelo que lhe
briu a gramática. (A propósito, de onde é que eu tirei tan-
foi ensinado pelos professores; o narrador questiona
tas citações? Simples: tenho em minha biblioteca três livros
qual é o papel da gramática na vida cotidiana das
con­tendo exclusivamente citações. Para enfeitar uma crôni-
pessoas.
ca, não tem coisa melhor. Pena que os livros são em inglês.
Aliás, inglês eu não aprendi na escola. Foi lendo as revistas (C) o narrador ironiza a educação e os ensinamentos de
MAD e outras que vocês podem imaginar). seus professores; o narrador sugere que a gramática
Discordâncias à parte, gramática é um negócio importan- não tem importância nenhuma na vida das pessoas.
te e gramática se ensina na escola – mas quem, professoras,
nos ensina a viver? Porque, como dizia o Irmão Lourenço, no (D) o narrador expressa certo descontentamento com o
schola sed vita – é preciso aprender não para a escola, mas que os professores lhe ensinaram; o narrador tem
para a vida. plena certeza de que a gramática transforma a vida
Ora, dirão os professores, vida é gramática. De acordo. das pessoas.
Vou até mais longe: vida é pontuação. A vida de uma pessoa
é balizada por sinais ortográficos. Podemos acompanhar a (E) o narrador questiona os ensinamentos gramaticais
vida de uma criatura, do nascimento ao túmulo, marcando as que recebeu dos professores; o narrador discorda
diferentes etapas por sinais de pontuação. da ideia de que a gramática seja a disciplina mais
importante.
Infância: a permanente exclamação:
Nasceu! É um menino! Que grande! E como chora! Claro,
quem não chora não mama!
Me dá! É meu! 11. Quando o autor diz que a vida é pontuação e associa a
Ovo! Uva! Ivo viu o ovo! Ivo viu a uva! O ovo viu a uva! infância à exclamação, seu objetivo é mostrar que
Olha como o vovô está quietinho, mamãe!
Ele não se mexe, mamãe! Ele nem fala, mamãe! (A) o pleno encantamento marca esse período da vida,
e as emoções tendem a mostrar-se com mais inten-
Ama com fé e orgulho a terra em que nasceste! Criança
sidade e espontaneidade.
– não verás nenhum país como este!
Dá agora! Dá agora, se tu és homem! Dá agora, quero (B) a percepção exagerada das crianças não tem como
ver! se justificar na relação que elas estabelecem com os
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto adultos e o mundo.
eu não chegar, 1996. Adaptado)
(C) os adultos tendem a ficar incomodados com a forma
09. No texto, o autor recorre a várias citações, com a finali- como as crianças vão descobrindo os segredos do
dade de mundo.
(A) discutir a falta de necessidade do ensino de gramá­
tica, uma vez que seu domínio não implica neces- (D) os adultos têm dificuldade para atender o encanta-
sariamente saber usar a língua de forma adequada. mento das crianças pelas suas descobertas com o
mundo que as circunda.
(B) enfatizar as discrepâncias quanto à necessidade da
gramática para a vida, concluindo que ela é inútil e (E) as crianças normalmente descobrem o mundo sem
só tem servido como atividade escolar. reagir aos acontecimentos que marcam essa etapa
de seu desenvolvimento.
(C) propor a obrigatoriedade do ensino da gramática den-
tro e fora da escola, possibilitando que as pessoas
usem melhor a língua materna.
(D) questionar a fascinação que grandes personalidades
têm em relação à gramática, a qual, na maioria das
vezes, ultrapassa os limites do contexto escolar.
(E) mostrar diferentes perspectivas em relação à gramá-
tica, concluindo que ela é relevante e que algumas
de suas partes assemelham-se a fases da vida.
5 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
12. O que Oscar Wilde afirma acerca de George Moore – 15. Considere os trechos do texto:
escreveu excelente inglês, até que descobriu a gramá-
• Há quem discorde. (3o parágrafo)
tica – significa que
• Para enfeitar uma crônica, não tem coisa melhor. (3o
(A) George Moore passou a escrever em inglês po- parágrafo)
pular somente depois que descobriu a riqueza da
• Vou até mais longe: vida é pontuação. (5o parágrafo)
gramática.
De acordo com o sentido do texto e com a norma-padrão,
(B) a descoberta da gramática por George Moore sur- os enunciados podem ser ampliados, respectivamente,
preendeu a todos, pelo padrão de excelência de sua com as reescritas:
obra.
(A) Há quem discorde dessas opiniões. / Para enfeitar
(C) o fato de escrever com excelência em inglês não uma crônica, não tem coisa melhor do que uma ci-
impediu George Moore de buscar linguagem mais tação. / Vou até mais longe, afirmando que vida é
contemporânea. pontuação.
(B) Há quem discorde com essas opiniões. / Para en-
(D) a gramática agiu, na obra de George Moore, para
feitar uma crônica, não tem coisa melhor como uma
acentuar sua tendência a uma escrita de alta quali-
citação. / Vou até mais longe, afirmando de que vida
dade técnica.
é pontuação.
(E) o contato com a gramática ocasionou, na obra de (C) Há quem discorde ante essas opiniões. / Para enfei-
George Moore, o comprometimento da qualidade de tar uma crônica, não tem coisa melhor do que uma
sua escrita. citação. / Vou até mais longe, afirmando em que vida
é pontuação.
(D) Há quem discorde contra essas opiniões. / Para en-
13. Assinale a alternativa em que as frases da passagem In- feitar uma crônica, não tem coisa melhor de que uma
fância: a permanente exclamação expressam as vivên- citação. / Vou até mais longe, afirmando que vida é
cias infantis relacionadas à possessividade e à escolari- pontuação.
zação, respectivamente. (E) Há quem discorde nessas opiniões. / Para enfeitar
uma crônica, não tem coisa melhor que uma citação.
(A) Dá agora! Dá agora, se tu és homem! / Ele não se
/ Vou até mais longe, afirmando de que vida é pon-
mexe, mamãe!
tuação.
(B) Que grande! E como chora! / Ele nem fala, mamãe!
16. Nas frases “Simples: tenho em minha biblioteca três li-
(C) Ama com fé e orgulho a terra em que nasceste! / Dá vros contendo exclusivamente citações.” (3o parágrafo),
agora, quero ver! “Vou até mais longe: vida é pontuação.” (5o parágrafo)
e “A vida de uma pessoa é balizada por sinais ortográfi-
(D) Me dá! É meu! / Ovo! Uva! Ivo viu o ovo! Ivo viu a cos.” (5o parágrafo), as expressões em destaque podem
uva! O ovo viu a uva! ser substituídas, sem prejuízo de sentido ao texto, corre-
ta e respectivamente, por:
(E) Claro, quem não chora não mama! / Olha como o
vovô está quietinho, mamãe! (A) também; bem além; distinguida.
(B) somente; bem além; limitada.
(C) inclusive; bem adiante; orientada.
14. Nas passagens “Porque, como dizia o Irmão Lourenço,
no schola sed vita – é preciso aprender não para a es- (D) apenas; bem aquém; restrita.
cola, mas para a vida.” (4o parágrafo) e “Ama com fé e (E) unicamente; bem afora; orientada.
orgulho a terra em que nasceste! Criança – não verás
nenhum país como este!” (penúltimo parágrafo), as con-
17. De acordo com a norma-padrão, o trecho do 4o parágrafo
junções destacadas estabelecem, correta e respectiva-
“ … gramática é um negócio importante e gramática se
mente, relações de sentido de
ensina na escola…” está corretamente reescrito em:
(A) conformidade e causa. (A) Se ensina gramática na escola devido à sua impor-
tância.
(B) comparação e causa.
(B) Gramática é um negócio importante cujo ensina-se
(C) conformidade e comparação. na escola.

(D) comparação e comparação. (C) Se ensina gramática na escola, devido a sua impor-
tância.
(E) conformidade e conformidade. (D) Como a gramática é um negócio importante, a esco-
la lhe ensina.
(E) Gramática é um negócio importante que se ensina
na escola.
tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 6
18. Assinale a alternativa em que há expressão(ões) 21. Nas passagens “Ei-lo agora, adolescente recluso em
empregada(s) em sentido figurado. seu quarto, diante de um livro que não lê.” e “negros pa-
rágrafos comprimidos uns sobre os outros”, os termos
(A) Oscar Wilde, por exemplo, dizia de George
destacados têm como antônimos, respectivamente:
Moore: escreveu excelente inglês, até que desco-
briu a gramática. (A) enclausurado e apertados.

(B) Aliás, inglês eu não aprendi na escola. Foi lendo as (B) liberto e expandidos.
revistas MAD e outras que vocês podem imaginar. (C) apartado e ampliados.
(C) Este pouco de gramática que eu sei, por exemplo, (D) solitário e espalhados.
foram Dona Maria de Lourdes e Dona Nair Freitas (E) solto e limitados.
que me ensinaram.
(D) Ora, dirão os professores, vida é gramática. De 22. Com a passagem “O livro tem exatamente quatrocen-
acordo. Vou até mais longe: vida é pontuação. tas e quarenta e seis. Pode-se dizer 500 páginas!”,
(E) Simples: tenho em minha biblioteca três livros con- entende-se que a página “500” do livro seria a
tendo exclusivamente citações. (A) quinquagésima, minimizando a importância da obra.
(B) quinquagésima, questionando a importância da obra.
Leia o texto para responder às questões de números 19 a 24.
(C) quinhentésima, evidenciando o tamanho da obra.
Ei-lo agora, adolescente recluso em seu quarto, diante (D) quingentésima, reforçando a extensão da obra.
de um livro que não lê. Todos os seus desejos de estar longe (E) quingentésima, enaltecendo o conteúdo da obra.
erguem, entre ele e as páginas abertas, uma tela esverdeada
que perturba       linhas. Ele está sentado diante da janela,
a porta fechada       costas. Página 48. Ele não tem cora- 23. No texto, um dos trechos construídos com palavras e
gem de contar as horas passadas para chegar       essa expressões em sentido próprio é
quadragésima oitava página. O livro tem exatamente quatro- (A) “Se ao menos conseguisse lembrar do conteúdo
centas e quarenta e seis. Pode-se dizer 500 páginas! Se ao dessas primeiras quarenta e oito páginas!”, o qual
menos tivesse uns diálogos, vai. Mas não! Páginas completa- revela o pensamento do adolescente e, ao mesmo
mente cheias de linhas apertadas entre margens minúsculas, tempo, sinaliza sua dispersão na leitura.
negros parágrafos comprimidos uns sobre os outros e, aqui
(B) “Ele está sentado diante da janela, a porta fecha-
e acolá, a caridade de um diálogo – um travessão, como um
da...”, o qual remete à ideia de que o adolescente,
oásis, que indica que um personagem fala       outro perso-
tendo de realizar a tarefa de ler, fica circunspecto,
nagem. Mas o outro não responde. E segue-se um bloco de
analisando-se frente à situação imposta.
doze páginas! Doze páginas de tinta preta! Falta de ar! Ufa,
que falta de ar! Ele xinga. Muitas desculpas, mas ele xinga. (C) “Todos os seus desejos de estar longe erguem, entre
Página quarenta e oito... Se ao menos conseguisse lembrar ele e as páginas abertas, uma tela esverdeada que
do conteúdo dessas primeiras quarenta e oito páginas! perturba...”, o qual remete à ideia de que o adoles-
cente queria estar em outro lugar.
(Daniel Pennac. Como um romance, 1993. Adaptado)
(D) “Páginas completamente cheias de linhas aperta-
das entre margens minúsculas, negros parágrafos
19. Em conformidade com a norma-padrão, as lacunas do
comprimidos uns sobre os outros...”, o qual mostra a
texto devem ser preenchidas, respectivamente, com:
percepção objetiva que o adolescente tem da leitura.
(A) as ... às ... a ... a (E) “... e, aqui e acolá, a caridade de um diálogo – um
(B) às ... às ... à ... à travessão, como um oásis, que indica que um per-
sonagem fala...”, o qual indica que, aos poucos, o
(C) as ... às ... à ... à adolescente vai se interessando pelo livro.
(D) às ... as ... a ... a
(E) as ... as ... à ... à 24. Assinale a alternativa correta quanto à concordância
verbal, de acordo com a norma-padrão.
(A) A página do livro cheia de linhas apertadas e negros
20. O texto relata que
parágrafos deixam o adolescente com falta de ar.
(A) o livro cativa o adolescente, ansioso por terminar
(B) O adolescente está no quarto, sentado diante da
logo a leitura das quase 500 páginas.
janela. Passou as horas, e ele não tem coragem de
(B) o xingamento do adolescente é inevitável, mas ele contá-las.
se arrepende e volta a ler o livro. (C) Ao encontrar um diálogo, o adolescente espera que
(C) o adolescente considera penosa a tarefa de ler um hajam longas conversas entre as personagens.
livro de 446 páginas. (D) O livro tem exatamente 486 páginas. É quase
(D) a recordação do conteúdo do livro ameniza o sofri- 500 páginas de leitura, e praticamente não existe
mento do adolescente com a leitura. diálogos.
(E) O bloco de doze páginas provoca os xingamentos
(E) a história do livro desanima o adolescente, que pula
do adolescente, e logo são proferidas as desculpas.
páginas em busca de um diálogo.
7 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
Conhecimentos em Direito 27. A respeito dos crimes praticados por funcionários públi-
cos contra a administração pública, é correto afirmar que

(A) Caio, funcionário público, ao empregar verba própria


Direito Penal
da educação, destinada por lei, na saúde, em tese,
incorre no crime de emprego irregular de verba públi-
25. A respeito dos crimes previstos nos artigos 293 a 305 do ca (art. 315 do CP).
Código Penal, assinale a alternativa correta. (B) Tícia, funcionária pública, ao exigir, em razão de
(A) A falsificação de livros mercantis caracteriza o sua função, que determinada empresa contrate o
crime de falsificação de documento particular filho, em tese, incorre no crime de corrupção pas-
(art. 298 do CP). siva (art. 317 do CP).

(B) O crime de falsidade ideológica (art. 299 do CP), em (C) Mévio, funcionário público, em razão de sua função,
documento público, é próprio de funcionário público. ao aceitar promessa de recebimento de passagens
aéreas, para férias da família, não incorre no crime
(C) No crime de falsidade de atestado médico (art. 302 de corrupção passiva (art. 317 do CP), já que referi-
do CP), independentemente da finalidade de lucro do tipo penal exige o efetivo recebimento de vanta-
do agente, além da pena privativa de liberdade, gem indevida.
aplica-se multa.
(D) Tício, funcionário público, ao se apropriar do dinhei-
(D) O crime de supressão de documento (art. 305 do ro arrecadado pelos funcionários da repartição para
CP), para se caracterizar, exige que o documento comprar o bolo de comemoração dos aniversarian-
seja verdadeiro. tes do mês, em tese, pratica o crime de peculato
(art. 312 do CP).
(E) O crime de falsificação de documento público
(art. 297 do CP) é próprio de funcionário público. (E) Mévia, funcionária pública, não sendo advogada,
não pode incorrer no crime de advocacia administra-
tiva (art. 321 do CP), já que referido tipo penal exige
a qualidade de advogado do sujeito ativo.
26. No tocante às infrações previstas nos artigos 307, 308 e
311-A, do Código Penal, assinale a alternativa correta.

(A) A conduta de atribuir a terceiro falsa identidade é 28. A respeito dos crimes praticados por particulares con-
penalmente atípica, sendo crime apenas atribuir a si tra a administração, em geral (arts. 328; 329; 330; 331;
próprio identidade falsa. 332; 333; 335; 336 e 337 do CP), assinale a alternativa
correta.
(B) O crime de fraude em certames de interesse público
configura-se pela divulgação de conteúdo de certa- (A) O crime de desacato não se configura se o funcioná-
me, ainda que não sigiloso. rio público não estiver no exercício da função, ainda
que o desacato seja em razão dela.
(C) O crime de fraude em certames de interesse público
prevê a figura qualificada, se dele resulta dano à (B) Para se configurar, o crime de usurpação de função
administração pública. pública exige que o agente, enquanto na função,
obtenha vantagem.
(D) A conduta de ceder o documento de identidade
a terceiro, para que dele se utilize, é penalmente (C) Para se configurar, o crime de corrupção ativa exige
atípica, sendo crime apenas o uso, como próprio, o retardo ou a omissão do ato de ofício, pelo funcio-
de documento alheio. nário público, em razão do recebimento ou promessa
de vantagem indevida.
(E) O crime de fraude em certames de interesse público
é próprio de funcionário público. (D) Aquele que se abstém de licitar em hasta pública, em
razão de vantagem indevida, não é punido pelo cri-
me de impedimento, perturbação ou fraude de con-
corrência, já que se trata de conduta atípica.

(E) Não há previsão de modalidade culposa.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 8
29. A respeito dos crimes contra a administração da justiça Direito Processual Penal
(arts. 339 a 347 do CP), assinale a alternativa correta.

(A) A autoacusação para acobertar ascendente ou des- 31. A respeito das causas de impedimento e suspeição do
cendente é atípica. juiz, de acordo com o Código de Processo Penal, assi-
nale a alternativa correta.
(B) Dar causa a inquérito civil contra alguém, impu-
tando-lhe falsamente a prática de crime, em tese, (A) Nos juízos coletivos, não poderão servir no mesmo
caracteriza o crime de denunciação caluniosa. processo os juízes que forem entre si parentes, con-
sanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral, até
(C) Provocar a ação de autoridade, comunicando a ocor- o quarto grau.
rência de crime que sabe não ter se verificado, em
tese, caracteriza o crime de denunciação caluniosa. (B) O juiz será suspeito, podendo ser recusado por qual-
quer das partes, se já tiver funcionado como juiz de
(D) O crime de falso testemunho exige, para configura- outra instância, pronunciando-se de fato ou de direito
ção, que o agente receba vantagem econômica ou sobre a questão.
outra de qualquer natureza.
(C) Ainda que dissolvido o casamento, sem descenden-
(E) O crime de exercício arbitrário das próprias razões tes, que ensejava impedimento ou suspeição, não
procede-se mediante queixa, ainda que haja empre- funcionará como juiz o sogro, o padrasto, o cunhado,
go de violência. o genro ou enteado de quem for parte no processo.

(D) O juiz será impedido se for credor ou devedor de


qualquer das partes.
30. A respeito do crime de exploração de prestígio (art. 357
do CP), é correto afirmar que (E) A suspeição poderá ser reconhecida ou declarada
ainda que a parte injurie, de propósito, o juiz.
(A) prevê causa de aumento se o agente alega ou insi-
nua que o dinheiro é também destinado a funcionário
público estrangeiro.

(B) prevê modalidade culposa. 32. A respeito do acusado e do defensor, é correto afirmar
que
(C) se caracteriza pela conduta de receber dinheiro a
pretexto de influir em ato praticado por qualquer fun- (A) o acusado, ainda que tenha habilitação, não poderá
cionário público. a si mesmo defender, sendo-lhe nomeado defensor,
pelo juiz, caso não o tenha.
(D) se trata de crime comum, não se exigindo qualquer
qualidade especial do autor. (B) a constituição de defensor dependerá de instrumen-
to de mandato, ainda que a nomeação se der por
(E) para se configurar, exige o efetivo recebimento de ocasião do interrogatório.
dinheiro pelo agente.
(C) o acusado ausente não poderá ser processado sem
defensor. Já o foragido, existindo sentença condena-
tória, ainda que não transitada em julgado, sim.

(D) se o defensor constituído pelo acusado não puder


comparecer à audiência, por motivo justificado, pro-
vado até a abertura da audiência, nomear-se-á de-
fensor dativo, para a realização do ato, que não será
adiado.

(E) o acusado, ainda que possua defensor nomeado


pelo Juiz, poderá, a todo tempo, nomear outro, de
sua confiança.

9 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
33. Com relação à citação do acusado, assinale a alternativa 35. Com relação ao procedimento relativo aos processos
correta. de competência do tribunal do júri, assinale a alternativa
correta.
(A) A citação inicial do acusado far-se-á pessoalmente,
por intermédio de mandado judicial, carta precatória (A) Pronunciado o acusado, remetidos os autos ao tribu-
ou hora certa. nal do júri, será a defesa intimada para apresentar o
rol de testemunhas que irão depor, em plenário, até
(B) Ao acusado, citado por edital, que não comparecer o máximo de 08 (oito).
ou constituir advogado, será nomeado defensor,
(B) Constituirão o Conselho de Sentença, em cada ses-
prosseguindo o processo.
são de julgamento, 07 (sete) jurados, sorteados den-
tre os alistados, aplicando-se a eles o disposto sobre
(C) Estando o acusado no estrangeiro, suspende-se o
os impedimentos, a suspeição e as incompatibilida-
processo e o prazo prescricional até que retorne ao
des dos juízes togados.
País.
(C) Encerrada a instrução preliminar, o juiz, fundamenta-
(D) Completada a citação por hora certa, não compare- damente, pronunciará ou impronunciará o acusado,
cendo o réu, ser-lhe-á nomeado defensor dativo. não cabendo, nessa fase, a absolvição sumária.

(E) A citação do réu preso far-se-á na pessoa do Diretor (D) Contra a sentença de impronúncia do acusado cabe-
do estabelecimento prisional. rá recurso em sentido estrito.

(E) O risco à segurança pessoal do acusado não enseja


desaforamento do julgamento para outra comarca,
34. Segundo o Código de Processo Penal, a respeito do sendo motivo justificante a dúvida razoável sobre a
processo comum, é correto dizer que imparcialidade do júri.

(A) aceita a denúncia ou a queixa, o Juiz não poderá


absolver sumariamente o réu, após a apresentação
36. Com relação aos recursos e revisão, de acordo com o
da resposta à acusação.
Código de Processo Penal, é correto dizer que
(B) a parte, no procedimento ordinário, não poderá de- (A) no caso de concurso de agentes, a decisão do recur-
sistir de testemunha, anteriormente arrolada. so interposto por um dos réus, ainda que fundado em
motivos pessoais, aproveitará aos outros.
(C) o procedimento será ordinário, sumário ou sumarís-
simo; o procedimento sumaríssimo será o aplicado (B) a revisão criminal só poderá ser requerida no pra-
quando se tem por objeto crime sancionado com zo de até 02 (dois) anos da sentença condenatória,
pena privativa de liberdade de até 04 (quatro) anos. transitada em julgado.

(D) são causas de rejeição da denúncia ou queixa a (C) interposta a Apelação somente pelo acusado, não
inépcia, a falta de pressuposto processual ou condi- pode o Tribunal reinquirir testemunhas ou determinar
ção para o exercício da ação penal e a falta de justa diligências.
causa.
(D) nos processos de contravenção, interposta a apela-
ção, o prazo para arrazoar será de 03 (três) dias.
(E) no procedimento ordinário, poderão ser ouvidas até
08 (oito) testemunhas, de acusação e defesa, com- (E) na apelação e no recurso em sentido estrito, há pre-
preendidas, nesse número, as que não prestam visão de juízo de retratação.
compromisso.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 10
37. A respeito da Lei no 9.099/95 (arts. 60 a 83; 88 e 89), 40. Se a tutela antecipada for concedida nos casos em que
assinale a alternativa correta. a urgência for contemporânea à propositura da ação e a
­petição inicial limitar-se ao requerimento da tutela antecipa-
(A) Reunidos os processos, por força de conexão ou
da e à indicação do pedido de tutela final, com a exposição
continência, perante o juízo comum ou tribunal do
da lide, do direito que se busca realizar e do perigo de dano
júri, observar-se-ão os institutos da transação penal
ou do risco ao resultado útil do processo, e a decisão se
e da composição dos danos civis.
tornar estável, o juiz deverá
(B) São consideradas infrações de menor potencial
ofensivo as contravenções e os crimes a que a lei (A) mandar emendar a inicial.
comine pena máxima não superior a 03 (três) anos,
(B) suspender a ação até seu efetivo cumprimento.
cumulada ou não com multa.

(C) Não sendo encontrado o acusado, o feito permane- (C) julgar extinto o processo.
cerá no Juizado Especial Criminal, mas ficará sus-
(D) determinar a contestação da ação.
penso, até que seja localizado.

(D) O acordo de composição civil entre o acusado e a ví- (E) sanear o feito.
tima, nos casos de ação penal pública, condicionada
e incondicionada, implica extinção da punibilidade ao
autor do fato.
41. Processa(m)-se durante as férias forenses, onde as houver,
(E) Nos crimes em que a pena mínima cominada for infe- e não se suspendem pela superveniência delas:
rior a 02 (dois) anos, o Ministério Público, ao oferecer
denúncia, poderá propor a suspensão condicional do (A) a homologação de desistência de ação.
processo ao acusado que não esteja sendo proces-
sado ou não tenha sido condenado por outro crime. (B) os procedimentos de jurisdição voluntária e os
necessários à conservação de direitos, quando
­
puderem ser prejudicados pelo adiamento.

Direito Processual Civil (C) os processos que versem sobre arbitragem, inclusive
sobre cumprimento de carta arbitral.

(D) o registro de ato processual eletrônico e a respectiva


38. Legalmente, incumbe ao escrivão ou ao chefe de
intimação eletrônica da parte.
­secretaria:

(A) efetuar avaliações, quando for o caso. (E) a realização de audiência cujas datas tiverem sido
designadas.
(B) certificar proposta de autocomposição apresentada
por qualquer das partes, na ocasião de realização de
ato de comunicação que lhe couber.
42. Com relação ao direito de recorrer, assinale a alternativa
(C) manter sob sua guarda e responsabilidade os bens
correta.
móveis de pequeno valor penhorados.

(D) auxiliar o juiz na manutenção da ordem. (A) A renúncia ao direito de recorrer depende da aceitação
da outra parte.
(E) comparecer às audiências ou, não podendo fazê-lo,
designar servidor para substituí-lo. (B) A parte que aceitar tacitamente a decisão poderá
recorrer, se ainda no prazo recursal.

39. Serão admitidos(as) a propor ação perante o Juizado Es- (C) Dos despachos cabem os recursos de agravo de
pecial Cível regido pela Lei no 9.099/95: instrumento ou embargos de declaração.

(A) as sociedades de economia mista, por serem pessoas (D) A desistência do recurso não impede a análise de ques-
de direito privado. tão cuja repercussão geral já tenha sido reconhecida.
(B) os insolventes civis, ante sua hipossuficiência devi- (E) O recorrente, para desistir do recurso, necessitará
damente comprovada. da anuência de seus litisconsortes.
(C) as pessoas jurídicas qualificadas como Organização
da Sociedade Civil de Interesse Público.

(D) os incapazes, devidamente representados por procu-


ração, por instrumento público.

(E) as pessoas enquadradas como microempreendedo-


res individuais, cujo empreendedor individual tenha
renunciado ao direito próprio.

11 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
43. Diante do que prevê a Lei que regulamenta o Juizado 46. Salvo em caso de guerra declarada, nos termos expres-
Especial da Fazenda Pública, é correto afirmar: sos da Constituição da República Federativa do Brasil
(CRFB/88), não haverá penas
(A) Os representantes judiciais dos réus presentes à
audiência não poderão conciliar ou transigir. (A) de morte.

(B) O pagamento de obrigação de pequeno valor deverá (B) de banimento.


ser feito no prazo máximo de 90 dias a contar da
entrega da requisição do juiz. (C) de caráter perpétuo.

(C) Sendo o caso, haverá reexame necessário. (D) de trabalhos forçados.

(D) Da sentença caberá apelação, não se admitindo (E) de expulsão.


agravo de instrumento por vedação legal.

(E) O juiz poderá, de ofício, deferir providências cautelares


e antecipatórias, para evitar dano de difícil ou de incerta 47. No que diz respeito à nacionalidade, de acordo com
reparação. a Constituição da República Federativa do Brasil
(CRFB/88), é correto afirmar que o brasileiro

(A) naturalizado poderá ser extraditado, pela prática de


44. Nas causas que dispensem a fase instrutória, o juiz, inde- crime de furto, após a naturalização, no caso de con-
pendentemente da citação do réu, poderá julgar liminar- denação por sentença judicial.
mente improcedente o pedido
(B) naturalizado poderá ocupar cargo no Conselho da
(A) que tiver petição inicial inepta. República.

(B) cujo autor carecer de interesse processual. (C) naturalizado poderá ocupar o cargo de Ministro do
Superior Tribunal de Justiça.
(C) que tenha parte manifestamente ilegítima.
(D) nato poderá ser extraditado no caso de envolvimento
(D) que não indicar o fundamento legal. no crime de tráfico internacional de entorpecentes.

(E) que contrariar enunciado de súmula de tribunal de (E) nato não poderá ter declarada a perda da naciona-
justiça sobre direito local. lidade.

Direito Constitucional 48. Nos termos da Constituição da República Federativa do


Brasil (CRFB/88), é correto afirmar que

45. De acordo com texto expresso na Constituição da Repú- (A) é vedada a acumulação remunerada de dois cargos
blica Federativa do Brasil (CRFB/88), é correto afirmar públicos de professor, independentemente de haver
que a lei compatibilidade de horário.

(A) assegurará aos autores de inventos industriais privi- (B) os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e
légio permanente para sua utilização. do Poder Executivo não poderão ser superiores aos
pagos pelo Poder Judiciário.
(B) penal sempre retroagirá, seja para beneficiar ou não
o réu. (C) o servidor público da administração direta, autárquica
e fundacional, investido no mandato de Prefeito, será
(C) regulará a individualização da pena e adotará, entre afastado do cargo, emprego ou função, sendo-lhe
outras, a perda de bens. ­vedado optar pela sua remuneração.

(D) poderá excluir da apreciação do Poder Judiciário lesão (D) os proventos de aposentadoria e as pensões, por
ou ameaça a direito. ­ocasião de sua concessão, não poderão exceder a
remuneração do respectivo servidor, no cargo efetivo
(E) deverá punir ato atentatório a liberdades com penas
em que se deu a aposentadoria ou que serviu de refe-
restritivas de direito.
rência para a concessão da pensão.

(E) o servidor público estável perderá o cargo em virtude


de sentença judicial ou administrativa, que prescin-
dem de processo prévio em contraditório.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 12
49. São assegurados, nos termos da Constituição da República Direito Administrativo
Federativa do Brasil, (CRFB/88) à categoria dos trabalhado-
res domésticos os seguintes direitos:
52. Arceus Cipriano foi processado criminalmente sob a acu-
(A) proteção em face da automação, na forma da lei. sação de cometimento de crime contra a administração
pública e pelos mesmos fatos também foi demitido do
(B) reconhecimento das convenções e acordos coletivos
cargo público que ocupava. Contudo, na seara criminal,
de trabalho.
logrou êxito em comprovar que não foi o autor dos fatos,
(C) jornada de seis horas para trabalho realizado em tendo sido absolvido por esse fundamento, na instância
turnos ininterruptos de revezamento. criminal. Diante disso, assinale a alternativa correta, nos
termos do Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do
(D) participação nos lucros, ou resultados, desvinculada Estado de São Paulo.
da remuneração, conforme definido em lei.
(A) A demissão é nula porque a Administração Públi-
(E) piso salarial proporcional à extensão e à complexidade ca não deveria ter processado administrativamen-
do trabalho. te Arceus e proferido decisão demissória antes
do trânsito em julgado da sentença no processo
criminal.
50. Conforme dispõe expressamente o texto constitucional, (B) Arceus poderá pedir o desarquivamento e a revisão
são gratuitas as ações de da decisão administrativa que o demitiu, utilizando
como documento novo a sentença absolutória profe-
(A) mandado de segurança e mandado de segurança
rida no processo criminal.
coletivo.
(C) Arceus terá direito à reintegração ao serviço público,
(B) mandado de segurança e habeas corpus.
no cargo que ocupava e com todos os direitos e van-
(C) mandado de segurança e habeas data. tagens devidas, mediante simples comprovação do
trânsito em julgado da decisão absolutória no juízo
(D) habeas corpus e mandado de injunção. criminal.

(E) habeas corpus e habeas data. (D) Se a absolvição criminal ocorreu depois do prazo de
interposição do recurso da decisão demissória pro-
ferida no processo administrativo, não será possível
Arceus valer-se da sentença criminal para buscar a
51. Em relação à Ação Popular, é correto afirmar que
anulação da demissão.
(A) haverá pagamento de custas pelo autor no caso de (E) Como a responsabilidade administrativa é indepen-
nova ação. dente da civil e da criminal, a absolvição de Arceus
(B) serão devidas as custas, desde que comprovada a Cipriano na justiça criminal em nada altera decisão
má-fé do autor. proferida na esfera administrativa.

(C) a improcedência por carência de provas evidencia a


má-fé do autor da ação popular. 53. Consoante o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do
Estado de São Paulo, será aplicada a pena de demissão
(D) a improcedência torna devidos os honorários de nos casos de
sucumbência.
(A) aplicação indevida de dinheiros públicos.
(E) serão devidas as custas judiciais e ônus de
­sucumbência. (B) prática de insubordinação grave.

(C) exercício de advocacia administrativa.

(D) pedir, por empréstimo, dinheiro ou quaisquer valores


a pessoas que tratem de interesses ou o tenham na
repartição, ou estejam sujeitos à sua fiscalização.

(E) prática, em serviço, de ofensas físicas contra funcio-


nários ou particulares.

13 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
54. Nos termos da Lei no 10.261/1968, quanto ao procedi- 56. Nos termos da Lei no 8.429/1992, é correta a seguinte
mento disciplinar, assinale a alternativa correta. afirmação:

(A) Se a testemunha não for localizada, a defesa pode- (A) Esta Lei se aplica apenas aos funcionários públicos
rá substituí-la, se quiser, levando, na mesma data que pratiquem ato lesivo ao erário da administração
­designada para a audiência, outra testemunha, inde- direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Po-
pendentemente de notificação. deres da União, dos Estados ou do Distrito Federal.

(B) Se a lesão ao patrimônio decorrer de ação ou omis-


(B) A demissão a bem do serviço público acarreta a in-
são culposa do agente ou do terceiro, não se fará
compatibilidade permanente para nova investidura
necessário o integral ressarcimento do dano.
em cargo, função ou emprego público.
(C) Para os fins desta Lei, não se reputa agente público
(C) No processo administrativo, se houver denunciante, aquele que, por designação, exerça função de con-
este deverá prestar declarações depois do interroga- fiança junto a órgão da administração direta ou indi-
tório do acusado, devendo ser notificado para tal fim. reta, sem recebimento de remuneração.
(D) A prova de antecedentes do acusado pode ser feita (D) O sucessor daquele que causar lesão ao patrimô-
por todos os meios de prova em direito admitidos, nio público ou enriquecer ilicitamente em razão do
tais como documentos, testemunhas, perícias etc. ­serviço público não se sujeita às cominações desta
Lei, ainda que o falecido tenha deixado herança.
(E) Será instaurada sindicância quando a falta discipli-
nar, por sua natureza, possa determinar as penas de (E) As disposições desta Lei poderão ser aplicadas
demissão ou disponibilidade. àquele que, mesmo não sendo agente público, indu-
za ou concorra para a prática do ato de improbidade
ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou
indireta.
55. De acordo com a Lei no 10.261/1968, no que concerne
aos recursos no processo administrativo, é correta a
seguinte afirmação: 57. Constitui ato de improbidade administrativa importan-
do enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de van-
(A) Não cabe pedido de reconsideração de decisão tagem patrimonial indevida em razão do exercício de
tomada pelo Governador do Estado em única cargo, mandato, função, emprego ou atividade nas enti-
instância. dades mencionadas no artigo 1o da Lei de Improbidade a
­seguinte hipótese:
(B) O recurso será apresentado ao superior hierárquico
da autoridade que aplicou a pena, que, em 15 (quin- (A) permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurí-
ze) dias, de forma motivada, deve manter a decisão dica privada utilize bens, rendas, verbas ou valores
ou reformá-la. integrantes do acervo patrimonial das entidades pú-
blicas protegidas por esta Lei, sem observância das
(C) Os recursos não têm efeito suspensivo; e os que formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à
forem providos darão lugar às retificações necessá- espécie.
rias, retroagindo seus efeitos à data do ato punitivo.
(B) realizar operação financeira sem observância das
(D) O prazo para recorrer é de 15 (quinze) dias, conta- normas legais e regulamentares ou aceitar garantia
dos da publicação da decisão impugnada no Diário insuficiente ou inidônea.
Oficial do Estado ou da intimação do procurador do (C) ordenar ou permitir a realização de despesas não
servidor, se for o caso. autorizadas em lei ou regulamento.
(E) O recurso não poderá ser apreciado pela autori- (D) aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de
dade competente se incorretamente denominado consultoria ou assessoramento para pessoa física
ou endereçado. ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser
atingido ou amparado por ação ou omissão decor-
rente das atribuições do agente público, durante a
atividade.

(E) permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação


de bem ou serviço por preço superior ao de mercado.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 14
58. Constitui ato de improbidade administrativa que atenta Normas da Corregedoria Geral da Justiça
contra os princípios da administração pública qualquer
ação ou omissão que viole os deveres de honestidade,
imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e 60. Nos termos das Normas da Corregedoria Geral de Justi-
notadamente, ça, no que tange ao Sistema Informatizado Oficial, assi-
nale a alternativa correta.
(A) perceber vantagem econômica para intermediar a li-
beração ou aplicação de verba pública de qualquer (A) Nos ofícios de justiça, o registro e controle da mo-
natureza. vimentação dos feitos realizar-se-ão pelo sistema
informatizado oficial, sendo facultada a elaboração
(B) liberar verba pública sem a estrita observância às de fichas materializadas em papel ou constantes de
normas pertinentes ou influir, de qualquer forma, outros sistemas informatizados para auxiliar no con-
para a sua aplicação irregular. trole do trâmite processual.
(C) permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se (B) Não será admitida exclusão de parte no processo,
enriqueça ilicitamente. procedendo-se à sua baixa, quando necessário.
(D) revelar fato ou circunstância de que tem ciência em (C) Todas as vítimas identificadas na denúncia ou quei-
razão das atribuições e que deva permanecer em xa, e também as testemunhas de processo criminal,
segredo. sejam estas de acusação, defesa ou comuns, terão
(E) agir negligentemente na arrecadação de tributo ou suas qualificações lançadas no sistema informatiza-
renda, bem como no que diz respeito à conservação do oficial.
do patrimônio público. (D) Os escrivães judiciais do serviço de distribuição e
dos ofícios de justiça realizarão auditoria quinzenal
no sistema SAP/PG, de acordo com os níveis de cri-
59. Em consonância com a Lei de Improbidade, assinale a
ticidade definidos, comunicando ao Corregedor Ge-
alternativa correta.
ral da Justiça qualquer irregularidade.
(A) O cidadão, no gozo de seus direitos políticos, tem
(E) O cadastro no sistema informatizado oficial conterá
exclusividade para representar à autoridade admi-
exclusivamente as seguintes informações a respeito
nistrativa competente a fim de que seja instaurada
do processo, de modo a individualizá-lo com exati-
investigação destinada a apurar a prática de ato de
dão: qualificação das partes e de eventuais repre-
improbidade.
sentantes, advogados e os respectivos números de
(B) Estando a petição inicial em devida forma, o juiz inscrição na OAB.
mandará autuá-la e ordenará a notificação do reque-
rido, para oferecer manifestação por escrito, que po-
derá ser instruída com documentos e justificações, 61. Quanto à escrituração, é correta a seguinte afirmação:
dentro do prazo de quinze dias. (A) Caberá ao escrivão certificar a autenticidade da
(C) O Ministério Público ou qualquer cidadão no gozo de firma do juiz que subscreveu o documento, indi-
seus direitos políticos pode ingressar com ação de cando-lhe nome, cargo e o exercício no juízo, nos
improbidade administrativa. atos para os quais a lei exige certificação de au-
tenticidade e quando houver dúvida sobre a auten-
(D) Havendo fundados indícios de responsabilidade, a ticidade da firma.
comissão processante poderá requerer em juizo a
decretação do sequestro dos bens do agente ou ter- (B) É vedada a utilização de abreviaturas, abreviações,
ceiro que tenha enriquecido ilicitamente ou causado acrônimos, siglas ou símbolos, ainda que elas este-
dano ao patrimônio público. jam consagradas no Vocabulário Ortográfico da Lín-
gua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras.
(E) A perda da função pública e a suspensão dos direitos
políticos do condenado por ato de improbidade efeti- (C) Deve ser evitada a assinatura de atos e termos em
vam-se com a publicação da condenação por ato de branco, total ou parcialmente.
improbidade em segunda instância. (D) São vedadas anotações de “sem efeito” e anotações
a lápis nos livros e autos de processo, mesmo que a
título provisório.

(E) Os mandados, cartas postais, consideradas inclusi-


ve as expedidas por meio eletrônico, ofícios gerais
de comunicação, expedidos em cumprimento de ato
­judicial, serão assinados pelos escrivães ou chefes de
seção, declarando que o fazem por ordem do juiz.

15 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
62. Quanto à Ordem dos Serviços dos Processos em Geral, 64. Quanto ao Processo Eletrônico, assinale a alternativa
assinale a alternativa correta. correta.

(A) Cabe aos escrivães judiciais ou, sob sua supervisão, (A) Será considerada original a versão armazenada no
aos escreventes, zelar pela correta numeração das servidor do Tribunal de Justiça do Estado de São
folhas dos autos e, na hipótese de numeração repe- Paulo, somente enquanto o processo estiver em
tida, acrescentar-se-á apenas uma letra do alfabeto, tramitação.
em sequência, certificando-se.
(B) O acesso à íntegra dos processos digitais que não
(B) É permitido o lançamento de cotas marginais ou in- tramitem sob segredo de justiça a terceiro será fran-
terlineares nos autos, bem como sublinhar palavras, queado mediante senha pessoal e intransferível, dis-
desde que a lápis. ponibilizada para utilização pelo período de 48 (qua-
renta e oito) horas após a sua emissão.
(C) O ofício de justiça afixará nas autuações tarjas co-
loridas, na posição vertical, para assinalar situações (C) É de exclusiva responsabilidade do titular de certifi-
especiais descritas nas Normas de Serviço. cação digital o uso e sigilo da chave privada da sua
identidade digital, não sendo oponível, em nenhuma
(D) Em nenhuma hipótese é permitido aos ofícios de jus-
hipótese, alegação de seu uso indevido.
tiça receber e juntar petições que não tenham sido
encaminhadas pelo setor de protocolo.
(D) Será fornecida senha de acesso a peritos, assis-
(E) Todos os atos e termos do processo devem ser cer- tentes e outros auxiliares da justiça nomeados nos
tificados nos autos e anotados no sistema informa- autos, de acordo com o tipo de participação no
tizado oficial, inclusive com relação à emissão de processo, para consulta da íntegra dos autos di-
documento que passe a fazer imediatamente parte gitais na internet, sendo dispensada a autorização
integrante dos autos, por original ou por cópia, rubri- do magistrado.
cado pelo emitente.
(E) Os processos que tramitam no sistema de proces-
samento eletrônico do Tribunal de Justiça do Estado
de São Paulo, em segredo de justiça, poderão ser
63. Assinale a alternativa correta, no que concerne à consul- consultados pelas partes, procuradores habilitados
ta e carga dos autos. a atuar no processo, advogados, defensores públi-
cos e membros do ministério público, ainda que não
(A) Não havendo fluência de prazo, os autos poderão vinculados ao processo e desde que previamente
ser retirados em carga, pelas partes, pelos advoga- identificados.
dos ou estagiários, independentemente de requeri-
mento de vista dos autos dirigido ao juiz.

(B) A carga dos autos judiciais e administrativos em an-


damento no cartório ou processos findos é reserva-
da unicamente a advogados ou estagiários de Direito
regularmente inscritos na OAB, constituídos procura-
dores de alguma das partes.

(C) Se, intimado pessoalmente, o advogado não de-


volver os autos no prazo de 3 (três) dias, perderá o
direito à vista fora do cartório e incorrerá em multa
correspondente à metade do salário-mínimo.

(D) O acesso aos autos judiciais e administrativos de


processos em andamento ou findos é assegurado
aos advogados, estagiários de Direito e ao público
em geral, por meio do exame em balcão do ofício
de justiça ou seção administrativa, sendo vedada
a extração de cópias reprográficas ou utilização de
escâner portátil ou máquina fotográfica.

(E) É permitida a retenção do documento de identifica-


ção do advogado ou do estagiário de Direito no ofício
de justiça, para a finalidade de controle de carga de
autos.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 16
Conhecimentos Gerais 67. O Banco Mundial informa que vai investigar a manipu-
lação de dados, ocorrida durante vários anos, sobre as
condições de negócios no Chile em um de seus mais im-
portantes estudos, o “Doing Business”. De acordo com o
Atualidades economista-chefe do organismo multilateral, que se des-
culpou formalmente ao governo chileno, a metodologia
usada na elaboração do ranking do relatório foi alterada
em diversas ocasiões.
65. Em ofício enviado nesta quarta-feira (24 de janeiro) ao
(Valor, 14.01.2018. Disponível em: <https://goo.gl/S9M5xo>. Adaptado)
Supremo Tribunal Federal (STF), o vice-procurador-geral
da República se manifestou favoravelmente a manter Essa manipulação de dados teria motivação
suspensa a posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ)
como ministra do Trabalho. A posse estava marcada para (A) financeira, e favoreceu corporações do petróleo que
a última segunda (22 de janeiro), mas foi cancelada após faziam lobby pela privatização de reservas chilenas.
a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, atender
a um recurso e suspender a cerimônia. A ministra anali- (B) política, e favoreceu uma liderança liberal em detri-
sou uma reclamação movida por um grupo de advogados, mento de uma liderança de centro-esquerda.
que contestou no STF a decisão do Superior Tribunal de
Justiça (STJ) que, no sábado (20 janeiro), havia liberado (C) geopolítica, e favoreceu os EUA na disputa com a Chi-
a posse de Cristiane Brasil. na para transformar o Chile em parceiro privilegiado.
(G1, 24.01.2018. Disponível em: <https://goo.gl/skSVZg>. Adaptado)
(D) ambiental, e favoreceu grupos econômicos contrá-
No recurso ao STF, o grupo de advogados questionou rios às políticas de preservação da fauna e da flora
do país.
(A) a honra e a honestidade da deputada.

(B) a celeridade do Judiciário na resolução da ação. (E) pessoal, e favoreceu empresários chilenos que man-
têm vínculos com diretores do organismo multilateral.
(C) a moralidade da nomeação da deputada.

(D) a prática de loteamento de cargos pelo Executivo.

(E) a competência do STJ para julgar o caso. 68. Dois promotores de Justiça entraram com uma ação
civil pública com pedido de liminar contra os responsá-
veis pelo bloco carnavalesco “Porão do DOPS 2018”. Na
ação, os promotores lembram que entre os homenage-
66. O Ministério da Saúde anunciou uma campanha de emer- ados do bloco estão o coronel Carlos Alberto Brilhante
gência nos estados mais atingidos pela febre amarela: Ustra e o delegado Sérgio Paranhos Fleury. 
São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. A ideia é combater (G1, 29.01.2018. Disponível em: <https://goo.gl/VPKjSZ>. Adaptado)
com maior agilidade a circulação do vírus. 
Na ação, o objetivo dos promotores era
(G1, 10.01.2018. Disponível em: <https://goo.gl/QjKvxX>. Adaptado)

A principal medida da campanha de emergência anuncia- (A) recuperar o dinheiro da prefeitura investido no bloco.
da pelo governo está relacionada
(B) proibir o bloco de omitir os crimes cometidos pela
(A) à quarentena imposta às pessoas contaminadas ditadura.
pela doença, evitando com isso a sua transmissão
nos ambientes urbanos. (C) pedir a prisão dos organizadores do bloco.

(B) à busca pela população de macacos portadores da (D) exigir do bloco a defesa ativa dos direitos humanos.
doença, com o objetivo de isolar os animais do con-
vívio humano. (E) impedir o bloco de fazer apologia à tortura.

(C) a um mapeamento rigoroso dos casos de doença,


com a finalidade de vacinar exclusivamente os bair-
ros mais atingidos.

(D) à aplicação de doses fracionadas da vacina, com o


objetivo de ampliar o número de pessoas imunes à
doença.

(E) a uma ampla campanha publicitária de combate ao


mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmis-
são da doença.

17 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
69. Uma guerra de facções, em meio a uma onda de violên- Matemática
cia, está por trás do assassinato de 14 pessoas em uma
casa de forró no último sábado (27 de janeiro). Uma pes-
soa foi presa. A casa de forró era frequentada por mem- 71. Ontem, os ciclistas Afonso e Bernardo iniciaram os res-
bros de uma das facções, disseram um policial militar e pectivos treinamentos, feitos em uma mesma pista, exa-
moradores do bairro; o ataque é atribuído pelas mesmas tamente no mesmo horário, às 8h 12min. Ambos per-
pessoas a outra facção. correram a pista no mesmo sentido, sendo que Afonso
(G1, 29.01.2018. Disponível em: <https://goo.gl/tyqXYp>. Adaptado) partiu de um ponto P dessa pista e Bernardo partiu de
um ponto Q, situado 1,26 km à frente de P. Por determi-
Policiais militares, civis e bombeiros decidiram nesta nação do técnico, no treinamento desse dia, ambos man-
terça-feira (9 de janeiro) pôr fim à paralisação das cate- tiveram ritmos uniformes e constantes: Afonso percorreu
gorias, que durou 22 dias. Em reunião nesta tarde com 420 metros a cada 1 minuto e 20 segundos, e Bernardo
representantes de associações de classe, o governador percorreu, a cada 1 minuto e 20 segundos, 80% da dis-
aceitou as reivindicações das categorias e prometeu não tância percorrida por Afonso. Nessas condições, Afonso
abrir processo administrativo ou qualquer outra sanção alcançou Bernardo às
contra nenhum agente pela paralisação.
(Folha de S.Paulo, 09.01.2018. (A) 8h 30min.
Disponível em: https://goo.gl/sRkS1A. Adaptado)
(B) 8h 45min.
As duas notícias tratam, respectivamente,
(C) 8h 38min.
(A) do Ceará e do Rio Grande do Norte. (D) 8h 32min.
(B) de Pernambuco e de Sergipe. (E) 8h 28min.

(C) do Piauí e do Maranhão.


72. No posto Alfa, o custo, para o consumidor, de um litro de
(D) da Paraíba e do Pará. gasolina é R$ 3,90, e o de um litro de etanol é R$ 2,70.
Se o custo de um litro de uma mistura de quantidades de-
(E) da Bahia e de Alagoas.
terminadas desses dois combustíveis é igual a R$ 3,06,
então o número de litros de gasolina necessários para
compor 40 litros dessa mistura é igual a
70. O noroeste da Síria voltou nesta segunda-feira (29 de
janeiro) a ser palco de um confronto entre soldados liga- (A) 12.
dos à Turquia e milícias curdas, que disputam o controle (B) 24.
de uma colina na região. O governo turco afirma que as
milícias curdas que controlam a região são ligadas aos (C) 28.
curdos que vivem na Turquia e que decidiu agir para
(D) 20.
expulsar os terroristas das proximidades de sua fronteira.
(Folha de S.Paulo, 29.01.2018. (E) 16.
Disponível em: <https://goo.gl/XeN3ia>. Adaptado)

O conflito entre turcos e curdos mencionado na notícia


73. Um investidor adquiriu um terreno por R$ 74.000,00.
está relacionado
Algum tempo depois, o terreno foi vendido, e o lucro
(A) ao vínculo entre os curdos e o Estado Islâmico. obtido pelo investidor foi igual a 20% do valor da venda.
Se esse investidor conceitua lucro como sendo a dife-
(B) à luta pela autonomia e independência dos curdos. rença entre os valores de venda e de compra, então o
lucro obtido por ele nessa negociação foi de
(C) ao posicionamento curdo favorável ao governo sírio.
(A) R$ 16.600,00.
(D) à aliança entre os curdos, a Rússia e os EUA na região. (B) R$ 17.760,00.
(E) à defesa radical da causa palestina feita pelos curdos. (C) R$ 18.500,00.

(D) R$ 15.870,00.

(E) R$ 14.400,00.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 18
74. Uma concessionária que vai recapear uma faixa de rola- R A S C U N H O
mento de uma pista em certa rodovia, em um trecho de
x quilômetros, possui uma determinada quantidade y de
balizadores refletivos disponíveis para a sinalização
desse trecho e, com base nessa quantidade, constatou
que, se colocar um número n de balizadores a cada qui-
lômetro, precisará adquirir mais 40 unidades. Porém, se
colocar (n – 4) balizadores a cada quilômetro, sobrarão
20 unidades. Se a razão é de 3 para 52, nessa

ordem, então a quantidade de balizadores disponíveis


para sinalizar o trecho a ser recapeado é igual a

(A) 350.

(B) 280.

(C) 330.

(D) 230.

(E) 260.

75. Um estabelecimento comercial possui quatro reservató-


rios de água, sendo três deles de formato cúbico, cujas
respectivas arestas têm medidas distintas, em metros, e
um com a forma de um paralelepípedo reto retângulo,
conforme ilustrado a seguir.

Sabe-se que, quando totalmente cheios, a média aritmé-


tica dos volumes de água dos quatro reservatórios é igual
a 1,53 m3, e que a média aritmética dos volumes de água
dos reservatórios cúbicos, somente, é igual a 1,08 m3.
Desse modo, é correto afirmar que a medida da altura do
reservatório com a forma de bloco retangular, indicada
por h na figura, é igual a

(A) 1,40 m.

(B) 1,50 m.

(C) 1,35 m.

(D) 1,45 m.

(E) 1,55 m.

19 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
76. Inaugurado em agosto de 2015, o Observatório da Torre R A S C U N H O
Alta da Amazônia (Atto, em inglês) é um projeto bina-
cional Brasil-Alemanha que busca entender o papel da
Amazônia no clima do planeta e os efeitos das mudan-
ças climáticas no funcionamento da floresta. Construída
numa região de mata preservada, dentro da Reserva de
Desenvolvimento Sustentável do Uamatã, a torre Atto
tem 325 m de altura e é a maior estrutura de pesquisa
desse tipo em florestas tropicais no mundo.

(O Estado de S.Paulo, 16.10.2017. Adaptado)

Considere a torre posicionada perpendicularmente ao


solo e admita que o cabo tensionado fixado no solo a
uma distância de 75 m da base da torre esteja preso à
torre em um determinado ponto, cuja altura, em relação
ao solo, seja igual a 100 m. Nesse caso, é correto afirmar
que o comprimento desse cabo é igual a

(A) 135 m.

(B) 150 m.

(C) 130 m.

(D) 110 m.

(E) 125 m.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 20
Informática 79. A seguir, é apresentada uma parte do Explorador de
Arquivos do Windows 10.

77. O Windows 10 permite que o seu Explorador de Arquivos


possa ser configurado em relação aos arquivos e pas-
tas que manipula. Uma das configurações permitidas é
ocultar

(A) os arquivos criptografados ou protegidos por senha.


A seta para cima presente antes da Barra de Endereço
(B) os arquivos de aplicativos não licenciados para o se destina a
Windows 10.
(A) levar à tela seguinte.
(C) as extensões dos tipos de arquivo conhecidos. (B) levar ao nível acima do atual, ou seja, Este Compu-
tador.
(D) os arquivos que não foram ainda avaliados pelo
antivírus. (C) desfazer a última ação realizada.

(E) os arquivos não manipulados há pelo menos um ano. (D) levar à tela anterior.

(E) levar ao nível abaixo do atual Downloads, se existir.

78. Um usuário de um computador com o sistema operacio- 80. O Windows 10, em sua configuração padrão, permite que
nal Windows 10 clicou no seguinte botão presente na o usuário configure o Menu Iniciar, por exemplo, para
Barra de Tarefas:
(A) mostrar os aplicativos mais usados.

(B) bloquear os aplicativos que possam estar infectados


por vírus.

(C) indicar os aplicativos que não foram certificados para


o Windows 10.
Esse botão permite que
(D) ativar automaticamente a Ajuda do Windows a cada
(A) a tela seja estendida em um segundo monitor de erro do usuário.
vídeo conectado no computador.
(E) restaurar programas apagados acidentalmente.
(B) a tela do computador seja reproduzida em um
projetor.
81. No sistema operacional Windows 10, uma das maneiras
(C) todas as janelas abertas sejam fechadas. de encontrar algum programa ou aplicativo disponível no
computador é
(D) múltiplas áreas de trabalho possam ser criadas ou
(A) digitar o nome do programa ou aplicativo na Barra de
gerenciadas.
Pesquisa do Edge.
(E) a lupa do Windows seja ativada para ampliar as (B) pressionar a tecla do logotipo do Windows + P,
informações exibidas na tela. que provocará a exibição de todos os programas
disponíveis.

(C) selecionar o ícone Busca de Programas no Painel de


Controle e digitar o nome do programa ou aplicativo.

(D) selecionar o ícone Programas e Aplicativos na Barra


de Tarefas, que exibe todos os programas ou aplica-
tivos instalados.

(E) digitar o nome do programa ou aplicativo na Caixa de


Pesquisa na Barra de Tarefas.

21 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
82. Em um documento em edição no MS-Word 2016 (versão 84. Uma caixa de texto foi inserida em um documento que
em português e em sua configuração padrão), tem-se um estava sendo editado no MS-Word 2016 (versão em por-
parágrafo conforme apresentado a seguir. tuguês e em sua configuração padrão), por meio da guia
Inserir, grupo Texto, botão Caixa de Texto. Caso se de-
mercado de Peixe.
seje alterar a cor da linha dessa caixa de texto, basta
Com esse parágrafo inteiramente selecionado, acio- ajustar esse parâmetro após se
nou-se uma das opções disponibilizadas por meio do
(A) selecionar a caixa de texto e pressionar a tecla de
atalho Ctrl+T, que esse parâmetro será apresentado
botão , presente no grupo Fonte da guia Página em um quadro.
Inicial do aplicativo, e o resultado foi o seguinte:
(B) dar um duplo click com o botão esquerdo do mouse,
Mercado De Peixe. em sua configuração padrão, sobre a borda dessa
Assinale a alternativa que apresenta a opção acionada a caixa, que esse parâmetro será apresentado em um
partir desse botão. quadro.

(A) minúscula (C) dar um click com o botão direito do mouse, em sua
configuração padrão, dentro dessa caixa de texto e
(B) aLTERNAR mAIÚSC./mINÚSC. selecionar a opção “Formatar Borda...”.

(D) dar um click com o botão direito do mouse, em sua


(C) Colocar Cada Palavra em Maiúscula
configuração padrão, sobre a borda dessa caixa de
(D) Primeira letra da frase em maiúscula. texto e selecionar a opção “Formatar Forma...”.

(E) dar um duplo click com o botão esquerdo do mouse,


(E) MAIÚSCULAS
em sua configuração padrão, dentro dessa caixa, que
esse parâmetro será apresentado em um quadro.

83. Considere o seguinte botão, presente na guia Página


85. Considere a seguinte tabela, editada no MS-Excel 2016
Inicial do MS-Word 2016 (versão em português e em
(versão em português e em sua configuração padrão).
sua configuração padrão).

Por meio dele, pode-se adicionar espaçamento

(A) antes e depois de parágrafo, apenas.

(B) entre linhas de parágrafo, bem como antes e depois


de parágrafo. Suponha, ainda, que a fórmula a seguir tenha sido digita-
da na célula D6.
(C) antes de parágrafo, apenas.
=SE(MENOR(A1:C4;5)<>MAIOR(A1:C4;6);
(D) depois de parágrafo, apenas. MENOR(A2:B3;2);MAIOR(A1:B4;3))

(E) entre linhas de parágrafo, apenas. O resultado produzido em D6 é:

(A) 12

(B) 3

(C) 2

(D) 1

(E) 11

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 22
86. Analise a seguinte janela, gerada quando um usuário es- 87. Um usuário do MS-Excel 2016 (versão em português e
tava imprimindo a sua planilha no MS-Excel 2016 (versão em sua configuração padrão) possui uma planilha com o
em português e em sua configuração padrão). seguinte conteúdo:

Em um dado momento, esse usuário selecionou as


células do intervalo A1 até C3, conforme apresentado
a seguir:

Caso, a partir do botão (disponível a partir da guia


Página Inicial do aplicativo), seja selecionada a opção
Soma, o resultado produzido nas células A3, B3, C1, C2
e C3 será:

Ao se apertar o botão Imprimir... dessa janela, em todas Dado: O símbolo “–” representa “célula não alterada”.
as páginas impressas da planilha, será(ão) repetida(s), (A) A3: 4; B3: 6; C1: 3; C2: 7; C3: 10
na parte superior da folha,
(B) A3: –; B3: –; C1: 3; C2: –; C3: –
(A) as linhas 1 e 3, apenas.
(C) A3: –; B3: –; C1: 3; C2: 7; C3: –
(B) a linha 2, apenas.
(D) A3: 4; B3: –; C1: –; C2: –; C3: –
(C) a linha 1, apenas. (E) A3: 4; B3: 6; C1: –; C2: –; C3: –

(D) a linha 3, apenas.


88. Quando se recebe uma mensagem por meio do correio
(E) as linhas de 1 a 3.
eletrônico, há diversas opções de resposta, sendo que na
opção encaminhar,

(A) na mensagem de encaminhamento, não pode ser


editado ou alterado o campo Assunto da mensagem
original recebida.

(B) se houver anexos na mensagem original recebida,


esta só pode ser enviada para um destinatário.

(C) se houver anexos na mensagem original recebida,


apenas um deles pode ser incorporado à mensagem
de encaminhamento.

(D) tanto o texto da mensagem original recebida


quanto eventuais anexos são incorporados à men-
sagem de encaminhamento.

(E) não pode haver destinatários em cópia, se houver


mais de um anexo na mensagem original recebida.

23 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
89. Um usuário de um computador digitou o seguinte ende- Raciocínio Lógico
reço na Barra de endereços do navegador Internet Ex-
plorer:
91. Considere os primeiros 8 elementos da sequência de
https://www.google.com.br
figuras:
Com relação ao endereço digitado, é correto afirmar que

(A) é um site de uma organização sem fins lucrativos.

(B) a troca de dados entre o navegador e o servidor do


site é criptografada.

(C) é um site de uma organização não governamental.

(D) o site visitado é seguro, ou seja, livre de vírus e ou-


tros códigos maliciosos.

(E) é um site de uma organização governamental.

90. Utilizando o site de busca Google, deseja-se pesquisar


apenas as páginas que contenham exatamente a frase:
feriados no Brasil. Para isso, deve-se digitar, na Barra
de Pesquisa do site, o seguinte:

(A) (feriados no Brasil)


Nesta sequência, as figuras 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15 e 16
(B) feriados-no-Brasil correspondem, respectivamente, às figuras 1, 2, 3, 4, 5,
6, 7, 8, assim como as figuras 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23
(C) feriados&no&Brasil e 24, e assim segue, mantendo-se esta correspondência.
Sobrepondo-se as figuras 109, 131 e 152, obtém-se a
(D) feriadosANDnoANDBrasil figura

(E) “feriados no Brasil” (A)

(B)

(C)

(D)

(E)

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 24
92. Na sequência numérica 1, 2, 3, 6, 7, 8, 21, 22, 23, 66, 67, 95. Se Maria é bonita, então Carlos é rico. Se Ana é feliz,
68, ..., os termos se sucedem segundo um padrão. Man- então José é um herói. Sabe-se que Maria é bonita e Ana
tido o padrão, o décimo quarto termo é o número não é feliz. Logo, pode-se afirmar corretamente que

(A) 202. (A) Carlos é rico ou José é um herói.

(B) Carlos não é rico.


(B) 282.
(C) José não é um herói.
(C) 229.
(D) José não é um herói e Carlos é rico.
(D) 308.
(E) José é um herói.
(E) 255.

96. Quatro amigos, Paulo, João, Fábio e Caio, nasceram em


anos distintos, a saber 1970, 1977, 1981 ou 1990, não
93. Em um grupo de 100 esportistas que praticam apenas os necessariamente nessa ordem. Cada um exerce, tam-
esportes A, B ou C, sabe-se que apenas 12 deles prati- bém não necessariamente nessa ordem, uma das profis-
cam os três esportes. Em se tratando dos esportistas que sões entre arquiteto, fotógrafo, engenheiro e advogado.
praticam somente dois desses esportes, sabe-se que o Sabe-se que Paulo não nasceu em 1970, que o arquiteto
número dos que praticam os esportes A e B é 2 unidades nasceu antes de Caio e antes do fotógrafo João, que Fá-
menor que o número dos que praticam os esportes A e C, bio nasceu antes do advogado, que o advogado não nas-
e o número dos esportistas que praticam B e C excede ceu em 1977 e que o engenheiro, que não é Caio, nasceu
em 2 unidades o número de esportistas que praticam os em 1981. Sendo assim, é correto afirmar que
esportes A e C. Sabe-se, ainda, que exatamente 26, 14
(A) Fábio é advogado.
e 12 esportistas praticam, respectivamente, apenas os
esportes A, B e C. Dessa forma, o número total de espor- (B) Paulo nasceu antes de Caio.
tistas que praticam o esporte A é
(C) Caio é arquiteto.
(A) 54.
(D) João nasceu antes de Fábio.
(B) 60. (E) o engenheiro nasceu antes do fotógrafo.

(C) 58.
97. Considere falsa a afirmação “Se hoje estudo, então
(D) 56.
amanhã não trabalho.”
(E) 62. Nesse caso, é necessariamente verdade que

(A) Hoje não estudo e amanhã trabalho.

(B) Amanhã não trabalho.


94. “Carlos tem apenas 3 irmãs, e essas 3 irmãs cursam o
ensino superior.” (C) Se amanhã trabalho, então hoje não estudo.
Supondo verdadeira a afirmação apresentada, é correto (D) Hoje não estudo ou amanhã não trabalho.
afirmar que
(E) Hoje estudo e amanhã trabalho.
(A) Carlos cursa o ensino superior.

(B) Carlos não cursa o ensino superior. 98. Uma negação lógica para a afirmação “Se Patrícia não
é engenheira, então Maurício é empresário” está contida
(C) se Ana cursa o ensino superior, então ela é irmã de na alternativa:
Carlos.
(A) Patrícia é engenheira e Maurício não é empresário.
(D) se Rute não cursa o ensino superior, então ela não é
(B) Patrícia é engenheira ou Maurício não é empresário.
irmã de Carlos.
(C) Patrícia não é engenheira e Maurício não é empre-
(E) se Bia não é irmã de Carlos, então ela não cursa o sário.
ensino superior.
(D) Se Maurício não é empresário, então Patrícia é
engenheira.

(E) Se Patrícia é engenheira, então Maurício não é


empresário.

25 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
99. Considere falsa a afirmação “Hélio é bombeiro e Cláu-
dia é comissária de bordo” e verdadeira a afirmação “Se
Hélio é bombeiro, então Cláudia é comissária de bordo”.
Nessas condições, é necessariamente verdade que

(A) Hélio é bombeiro.

(B) Cláudia não é comissária de bordo.

(C) Hélio não é bombeiro.

(D) Cláudia é comissária de bordo.

(E) Hélio é bombeiro ou Cláudia não é comissária de


bordo.

100. Considere a afirmação “Marta não atende ao público


interno ou Jéssica cuida de processos administrativos”.
Uma afirmação equivalente à afirmação apresentada é:

(A) se Jéssica não cuida de processos administrativos,


então Marta atende ao público interno.

(B) se Marta não atende ao público interno, então Jés-


sica cuida de processos administrativos.

(C) se Marta atende ao público interno, então Jéssica


não cuida de processos administrativos.

(D) se Marta atende ao público interno, então Jéssica


cuida de processos administrativos.

(E) se Marta não atende ao público interno, então Jéssi-


ca não cuida de processos administrativos.

tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário 26
27 tjsp1704/001-EscreventeTécJudiciário
PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Concurso Público

25.03.2018

001. PROVA OBJETIVA


ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO
(INTERIOR)

Versão 2

1-B 2-E 3-A 4-C 5-C 6-B 7-A 8-D 9-E 10 - B


11 - A 12 - E 13 - D 14 - C 15 - A 16 - B 17 - E 18 - D 19 - A 20 - C
21 - B 22 - D 23 - A 24 - E 25 - D 26 - C 27 - A 28 - E 29 - B 30 - D
31 - C 32 - E 33 - D 34 - D 35 - B 36 - D 37 - A 38 - E 39 - C 40 - C
41 - B 42 - D 43 - E 44 - E 45 - C 46 - A 47 - C 48 - D 49 - B 50 - E
51 - B 52 - C 53 - A 54 - A 55 - C 56 - E 57 - D 58 - D 59 - B 60 - B
61 - A 62 - A 63 - C 64 - C 65 - E 66 - D 67 - B 68 - E 69 - A 70 - B
71 - D 72 - A 73 - C 74 - E 75 - B 76 - E 77 - C 78 - D 79 - B 80 - A
81 - E 82 - C 83 - B 84 - D 85 - C 86 - E 87 - A 88 - D 89 - B 90 - E
91 - B 92 - A 93 - B 94 - D 95 - A 96 - B 97 - E 98 - C 99 - C 100 - D

TJSP1704
CONHEÇA O PERFIL DA BANCA EXAMINADORA
VUNESP.
Conhecer a metodologia da instituição que organiza o concurso é parte importante da
estratégia de preparação.

Isso porque cada banca tem suas particularidades e conhecê-las a fundo pode fazer
toda a diferença na hora da prova e, claro, para a aprovação.

A Vunesp, por exemplo, é reconhecida como uma banca bastante tradicional, até
mesmo fácil. No entanto, é preciso ficar de olho em suas pegadinhas.

Entenda o que é uma banca examinadora

Em linhas gerais, uma banca examinadora é a responsável pela organização e divul-


gação de um concurso público. Sua equipe fica a cargo da elaboração das questões
das provas para cada disciplina solicitada no edital, de acordo com instruções do ór-
gão contratante. Da mesma forma, analisam e julgam os recursos de questões. Tudo
é feito por professores qualificados e profissionais experientes na área de concursos.

Banca examinadora Vunesp – Histórico

A Vunesp foi criada em 1979 pelo Conselho Universitário da Universidade Estadual


Paulista (UNESP) e é a responsável pela organização de seus vestibulares desde
então. Por ser uma entidade sem fins lucrativos, também atua na realização da maio-
ria dos processos seletivos do estado de São Paulo (e em algumas outras regiões do
país).
Além disso, a Vunesp está a frente de diversos projetos de pesquisa, extensão e
prestação de serviços à comunidade.

Banca examinadora Vunesp – Perfil

A Vunesp tem fama de ser uma banca mais acessível, mas que vem evoluindo em
conteúdo e grau de exigência nos últimos anos. Como é originalmente uma entidade
que organiza vestibulares, suas provas são sempre de múltipla escolha, com cinco

90
alternativas. E é comum o enunciado solicitar que o candidato marque a resposta cor-
reta ou a incorreta entre as opções.

Ou seja, é preciso ter muito cuidado com essas pegadinhas, que podem confundir os
mais desatentos em uma questão relativamente fácil. Caso você marque mais de
uma opção na questão, ou nenhuma, ela será anulada (não perde nem ganha pon-
tos).

Ademais, mesmo sendo consideradas mais simples, as provas da Vunesp costumam


cobrar praticamente todo o conteúdo programático. O que requer uma preparação
cuidadosa e extensa de todo os pontos solicitados no edital.

Banca examinadora Vunesp – Principais concursos

Além do vestibular da Universidade Estadual Paulista (UNESP), a Vunesp realiza to-


dos os anos um grande número de processos seletivos. Apenas em São Paulo, a en-
tidade é costumeiramente responsável pelos concursos da Polícia Militar, Polícia
Civil, Ministério Público, Detran, Prefeitura e Tribunais.

A Vunesp é também uma das organizadoras da prova do Enem (Exame Nacional do


Ensino Médio), ao lado da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e da Cesgranrio.

Nível de dificuldade da Vunesp

Como já falamos, a banca examinadora Vunesp tem um grau de dificuldade médio,


com questões relativamente mais fáceis que de outras bancas. No entanto, suas pro-
vas vêm ganhando corpo com o passar dos anos e costumam trazer algumas ques-
tões que são verdadeiras pegadinhas para os candidatos.

Sendo assim, não pense que será uma barbada!

Afinal, as provas da Vunesp requerem muita atenção aos enunciados e à forma como
as perguntas e respostas são formuladas para evitar confundir-se com algo aparen-
temente simples.

91
Banca examinadora Vunesp – Exigências por matéria

Língua Portuguesa
A disciplina de Língua Portuguesa costuma ter um número maior de questões que as
demais nas provas da Vunesp. Para essa matéria, são exigidos conhecimentos ge-
rais de gramática: concordância verbal e nominal, sinônimos e antônimos e diferentes
tipos de textos (narrativos, dissertativos, descritivos).

No entanto, o foco central da prova de Português da banca examinadora Vunesp é a


interpretação de textos. É hábito da entidade utilizar charges e quadrinhos para, a
partir deles, propor questionamentos sobre temas da atualidade.

Matemática e Raciocínio Lógico


Já na prova de Matemática, contrariando o grau de exigência mediano das demais
disciplinas, as questões trazem uma complexidade maior. Mas ainda assim nada ina-
cessível!

Os tópicos mais cobrados em Matemática são: operações com números reais, razão
e proporção, porcentagem, regra de três, MMC e MDC, geometria, aritmética, juros
simples, sistema de equações, sistema de medidas, tabelas e gráficos.

Em Raciocínio Lógico, os conteúdos mais solicitados são: estrutura lógica, diagramas


lógicos, sequências e lógica de argumentação. Essa prova é considerada bastante
fácil na comparação com outras bancas.

Direito
As provas da disciplina de Direito da banca examinadora Vunesp cobram, em geral,
o conhecimento integral da Legislação. Ou seja, doutrina e jurisprudência são pouco
(ou nada) exigidas.

Em Direito Administrativo, atente aos seguintes temas: licitações, contratos, atos ad-
ministrativos e regime jurídico único. Em Direito Constitucional, os tópicos mais co-
brados são: orçamentos, Seguridade Social, direitos e garantias individuais, direitos
sociais e processos legislativos.

92
Informática
A prova de Informática também tem uma abordagem bastante simples, de fácil reso-
lução. Os temas cobrados são usuais e acessíveis, como pacote Office, navegado-
res, sistemas operacionais e segurança. Nada que possa apavorar um candidato
preparado.

Dicas De Como Estudar Leis Para Concurso

A gente sabe que quando se trata de lei seca, legislação, regimento interno, você fica
perdido e pouco concentrado, afinal, são artigos infinitos e todos parecem se repetir, ou
parecem tão confusos, com aquelas nomenclaturas jurídicas, ou pouco usuais no nosso
cotidiano.

Vou te mostrar algumas dicas de como estudar essa parte do seu edital, para que você
vença esse medo e procrastinação de uma vez por todas.

COMO ESTUDAR LEIS PARA CONCURSO


1- Leia o Edital.
Muitos candidatos chegam no dia da prova surpresos com o que está sendo cobrado,
pelo simples fato de sequer, terem lido o edital do concurso. Se preocupam apenas com
requisitos do cargo e o valor da remuneração.

Em todo edital, sempre haverá a parte da legislação. Aqui já começamos a primeira dis-
tinção. Uma coisa diz respeito à legislação do concurso, comum a todos, por exemplo, a
Lei 8112/90, a lei que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da
União, das autarquias e das fundações públicas federais.

Outra coisa é a legislação pertinente ao seu cargo, código de ética do jornalista, como
exemplo. Naturalmente, será cobrado apenas ao referido cargo. Você há de concordar
que quando estudamos algo que tem a ver com nossa função, a leitura flui. Você dialo-
ga com a lei. Mas quando você tem que aprender termos “juridiquês”, ai a situação fica
complicada.

93
Portanto, a primeira ação a se fazer é separar a legislação do seu edital, entre aquilo
que é de conhecimento comum a todos os cargos, e aquilo que diz respeito apenas ao
seu cargo.

Enumere tudo que for Lei, regimento, código, legislação correlata e afins do seu edital,
desse modo, você consegue visualizar e melhor planejar como estudará cada tópico até
o dia da sua prova.

2- Material para Estudar a Lei


Depois de cumprir as indicações do primeiro item, você se questiona: mas onde eu vou
encontrar esse material todo para estudar? Primeiramente, cuidado. Sim, cuidado, por-
que sabemos que você vai jogar o número da lei na internet e baixar a primeira que en-
contrar. Isso é perigoso, pois há um mundo de materiais gratuitos, mas nem sempre de
qualidade e quando se trata de como estudar leis para concurso, o risco de você baixar
algo desatualizado é maior ainda.

Logo, se o estudo é de lei seca, a referência que você precisa ter é o site do Planalto,
aqui ficam reunidos todas as leis, decretos, etc. Aí é a sua fonte oficial. Naturalmente,
haverá regimentos de órgãos que você não encontrará nesse endereço eletrônico, por
se tratar de leis que regem determinada atuação de um órgão, dizendo respeito somen-
te a ele. Nesses casos, você deverá acessa a página oficial do órgão para ter acesso
ao regimento dele.

Este item dois é muito importante, pois com o material certo de estudo de leis você es-
tará seguro do que encontrará na sua prova. Imagine que você em sua pesquisa pela
lei que está no seu edital, baixou a primeira lei que olhou no site de busca. Essa lei já
estava desatualizada, mas você não notou. Quando chegou o dia da prova, você não
consegue aplicar o que estudou, com o que o examinador pediu. Vai ser frustrante.

3 – Estude a lei, fazendo marcações e associações

Dentre os requisitos de como estudar Leis para concurso, está o uso de algumas técni-
cas de estudo. Você já sabe o que tem que ser estudado, separou as leis ou adquiriu
um bom material. Perfeito. Agora é o momento de sentar e ler. A gente sabe que dife-
rentemente de uma videoaula de um professor super didático, o estudo de leis para
concurso vai exigir muito da sua concentração.
94
São 200 artigos para serem lembrados no dia do seu concurso. A primeira dica é: faça
marcações. Mas não faça imediatamente. Pense comigo: você nunca leu a lei, e ao
término da primeira frase que contém cinco linhas, você já marcou de amarelo quatro
delas. Autossabotagem. A marcação de lei serve para facilitar a sua revisão no futuro.

Mas como eu vou saber o que é importante e grifar de maneira correta? Você só sabe
que determinada parte é importante, quando a compara com as demais. Quando o pro-
fessor falou para você prestar atenção naquela parte X da lei. Quando você faz ques-
tões e percebe o alto índice de cobrança em prova. Você precisa ter critérios de mar-
cação. E tais critérios têm como base essa sequência indicada.

4- Resolver questões sobre Lei

Sem a prática de questões, a prova vai ser uma grande novidade para você. Na verda-
de, um presente de grego. Você precisa estudar a lei para fazer questões, é como um
treinamento. Na resolução de questões, você vai poder perceber como a banca cobra
essa parte do seu edital na prova.

Quando você começar a responder uma bateria de questões, você vai notar que exis-
tem bancas que cobram a literalidade da lei. De outro lado, existem as que cobram a
aplicabilidade da lei, a sua interpretação. Nesse sentido, só a prática de resolução de
questões é que vai deixar você pronto para o que aparecer. Mas claro, que quando o
seu edital sair, aí você poderá ter um estudo voltado ao perfil da banca do seu concur-
so.

5- Revisão da Lei

Se depois de todas essas dicas de como estudar Leis para concurso, você não revisar
o seu material grifado, não revisar as questões que errou, seus resumos, nada adianta-
rá.

A parte da revisão é imprescindível para que todo seu esforço em estudar esse item do
edital não se perca entre tantos outros que você estudou. Depois que você encerrar a
parte de estudo da lei do seu edital, lembre-se de voltar em suas marcações, mapas
mentais, resumos. Só a revisão é que fará com que seu estudo da lei/legislação fique
fixado em sua memória até o dia da prova.

95
Não esqueça que a melhor forma de fixar o conte-
údo é fazendo QUESTÕES.

QUESTÕES

96
DIREITO PENAL
Código Penal - com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 293
a 305; 307; 308; 311-A; 312 a 317; 319 a 333; 335 a 337; 339 a 347; 350; 357 e 359.

Funcionário público

Art. 327 - Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora tran-
sitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública.

§ 1º - Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em


entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada ou
conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pública. (Incluído pela
Lei nº 9.983, de 2000)

§ 2º - A pena será aumentada da terça parte quando os autores dos crimes previstos
neste Capítulo forem ocupantes de cargos em comissão ou de função de direção ou asses-
soramento de órgão da administração direta, sociedade de economia mista, empresa pública
ou fundação instituída pelo poder público. (Incluído pela Lei nº 6.799, de 1980)

Então segundo o artigo 327 se você exerce cargo, emprego ou função pública, mes-
mo transitoriamente e sem remuneração você é considerado funcionário público para fins
penais.

Mas qual a diferença entre Cargo, emprego e função pública?

Cargo público são exercidos por funcionários efetivos e por políticos. Por exemplo
eu como escrevente exerço um cargo público, o governado, o prefeito, o juiz, o vereador,
também exercem cargos públicos.

Já os empregados Públicos são aqueles que prestaram concurso público, mas que fo-
ram contratados pelo regime da CLT, quando eu trabalhava nos correios eu tinha a minha
carteira assinada. Então eu não tinha um cargo público, eu tinha um emprego público.

Já a função pública é exercida por quem é jurado ou mesário nas eleições por exem-
plo.

97
Fora esses casos há também os funcionários públicos por equiparação:

Que são aqueles que exercem cargo, emprego ou função em entidade paraestatal ou
quem trabalha em empresa prestadora de serviço contratada para a execução de atividade
típica da administração.

Como diz o Art. 327, § 1º — Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo,
emprego ou função em entidade paraestatal, e quem trabalha para empresa prestadora de
serviço contratada ou conveniada para a execução de atividade típica da Administração Pú-
blica.

Para quem não lembra as empresas paraestatais são as autarquias, as sociedades de eco-
nomia mista e as Empresas públicas dentre outras. Como por exemplo: O INSS, O BAN-
CO DO BRASIL E OS CORREIOS.

Em relação ao pessoal terceirizado, esses serão considerados funcionários públicos


para efeitos penais se executarem serviços nas atividades fins das instituições. Ou seja, o
pessoal da limpeza, o pessoal que trabalha na manutenção do Tribunal de Justiça não pode
ser considerado funcionário público para efeitos penais porque a atividade fim do Tribunal
não é Limpeza e nem manutenção.

Se esses crimes contra a administração forem cometidos pelos detentores de cargo de


confiança como assessores, diretores, secretários, a pena será aumentada da terça parte se-
gundo ao artigo 327 § 2º.

Uma última observação de acordo com entendimento jurisprudencial, o advogado


nomeado pela assistência judiciária para atuar como defensor dativo é funcionário público
para fins penais.

Em outras palavras:
Funcionário Público para fins penais: quem, embora transitoriamente ou sem remuner
ação, exerce cargo, emprego ou função pública.

(I) cargo público: criado por lei, com denominação e remuneração específica, ocupado
por servidor com vínculo estatutário. (ex.: escrevente);

(II) emprego público: criado por lei, com denominação e remuneração específica, ocup
ado por servidor com vínculo contratual \ celetista. (exemplo carteiro);

98
(III) função pública: conceito residual, abrange todos que prestam serviços à Adm., em
bora não ocupem cargo ou emprego público. ( ex: mesário, júri)

Petrechos de falsificação

Art. 294 - Fabricar, adquirir, fornecer, possuir ou guardar objeto especialmente destina-
do à falsificação de qualquer dos papéis referidos no artigo anterior:

Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.

Art. 295 - Se o agente é funcionário público, e comete o crime prevalecendo-se do car-


go, aumenta-se a pena de sexta parte.

1. Escrevente Técnico judiciário - Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP

O crime denominado "petrechos de falsificação" (CP, art. 294) tem a pena aumentada, de
acordo com o art. 295 do CP, se

a) praticado com intuito de lucro.


b) cometido em detrimento de órgão público ou da administração indireta.
c) a vítima for menor de idade, idosa ou incapaz.
d) causar expressivo prejuízo à fé pública.
e) o agente for funcionário público e cometer o crime prevalecendo-se do car-
go.

99
Peculato

Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel,
público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito pró-
prio ou alheio:

Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa.

§ 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do


dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio
ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário.

Peculato culposo

§ 2º - Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem:

Pena - detenção, de três meses a um ano.

§ 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrí-


vel, extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta.

Fato típico X fato atípico

Fato típico é um elemento que constitui o crime. É descrição feita pela lei da ação que é penali-
zada. Ex: 121 C.P Matar alguém - esse é o fato típico. O Fato atípico não é crime porque a lei
não comina pena pelo fato.

Prevaricação

Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra
disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

100
2. Escrevente Técnico Judiciário - Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP

Funcionário público municipal, imprudentemente, deixa a porta da repartição aberta ao final


do expediente. Assim agindo, mesmo sem intenção, concorre para que outro funcionário
público, que trabalha no mesmo local, subtraia os computadores que guarneciam o órgão
público. O Município sofre considerável prejuízo. A conduta do funcionário que deixou a por-
ta aberta traduz-se em

a) peculato culposo.
b) fato atípico.
c) prevaricação.
d) peculato-subtração.
e) mero ilícito funcional, sem repercussão na esfera penal.

Denunciação caluniosa

Art. 339. Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instau-
ração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa
contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente:

Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa.

§ 1º - A pena é aumentada de sexta parte, se o agente se serve de anonimato ou de


nome suposto.

§ 2º - A pena é diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

Comunicação falsa de crime ou de contravenção

Art. 340 - Provocar a ação de autoridade, comunicando-lhe a ocorrência de crime ou de


contravenção que sabe não se ter verificado:

Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

101
Autoacusação falsa

Art. 341 - Acusar-se, perante a autoridade, de crime inexistente ou praticado por ou-
trem:

Pena - detenção, de três meses a dois anos, ou multa.

Condescendência criminosa

Art. 320 - Deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordi-


nado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competên-
cia, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente:

Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa.

Falso testemunho ou falsa perícia

Art. 342. Fazer afirmação falsa, ou negar ou calar a verdade como testemunha, perito,
contador, tradutor ou intérprete em processo judicial, ou administrativo, inquérito policial, ou
em juízo arbitral

Fraude processual

Art. 347 - Inovar artificiosamente, na pendência de processo civil ou admi-


nistrativo, o estado de lugar, de coisa ou de pessoa, com o fim de induzir a erro
o juiz ou o perito:

Pena - detenção, de três meses a dois anos, e multa.

Parágrafo único - Se a inovação se destina a produzir efeito em processo


penal, ainda que não iniciado, as penas aplicam-se em dobro.

102
3. Escrevente Técnico Judiciário - Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP

A conduta de "dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instau-


ração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa
contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente" configura

a) denunciação caluniosa.
b) condescendência criminosa.
c) falso testemunho.
d) comunicação falsa de crime.
e) fraude processual.

Corrupção passiva

Art. 317 - Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda
que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou acei-
tar promessa de tal vantagem:

Pena – reclusão, de 2 (dois) a 12 (doze) anos, e multa.

§ 1º - A pena é aumentada de um terço, se, em consequência da vantagem ou promes-


sa, o funcionário retarda ou deixa de praticar qualquer ato de ofício ou o pratica infringindo
dever funcional.

§ 2º - Se o funcionário pratica, deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração


de dever funcional, cedendo a pedido ou influência de outrem:

Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa.

Exercício arbitrário das próprias razões

Art. 345 - Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legí-
tima, salvo quando a lei o permite:

Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à


violência.

Parágrafo único - Se não há emprego de violência, somente se procede mediante quei-


xa.

103
Art. 346 - Tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de
terceiro por determinação judicial ou convenção:

Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

Exercício arbitrário ou abuso de poder

Art. 350 - Ordenar ou executar medida privativa de liberdade individual, sem as for-
malidades legais ou com abuso de poder:

Pena - detenção, de um mês a um ano.

Parágrafo único - Na mesma pena incorre o funcionário que:

I - ilegalmente recebe e recolhe alguém a prisão, ou a estabelecimento destinado a


execução de pena privativa de liberdade ou de medida de segurança;

II - prolonga a execução de pena ou de medida de segurança, deixando de expedir em


tempo oportuno ou de executar imediatamente a ordem de liberdade;

III - submete pessoa que está sob sua guarda ou custódia a vexame ou a constrangi-
mento não autorizado em lei;

IV - efetua, com abuso de poder, qualquer diligência.

Violência arbitrária

Art. 322 - Praticar violência, no exercício de função ou a pretexto de exercê-la:

Pena - detenção, de seis meses a três anos, além da pena correspondente à violência.

Abandono de função

Art. 323 - Abandonar cargo público, fora dos casos permitidos em lei:

Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa.

§ 1º - Se do fato resulta prejuízo público:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

§ 2º - Se o fato ocorre em lugar compreendido na faixa de fronteira:

Pena - detenção, de um a três anos, e multa.

104
4. Escrevente Técnico Judiciário - Ano: 2017 Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP

Certos crimes têm suas penas estabelecidas em patamares superiores quando presentes
circunstâncias que aumentam o desvalor da conduta. São os denominados "tipos qualifica-
dos".

Assinale a alternativa que indica o crime que tem como qualificadoras "resultar
prejuízo público" e "ocorrer em lugar compreendido na faixa de fronteira".

a) Corrupção passiva.
b) Exercício arbitrário das próprias razões.
c) Abuso de poder.
d) Violência arbitrária.
e) Abandono de função

Falso testemunho ou falsa perícia

Art. 342. Fazer afirmação falsa, ou negar ou calar a verdade como testemunha, perito,
contador, tradutor ou intérprete em processo judicial, ou administrativo, inquérito policial, ou
em juízo arbitral:

Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 1o As penas aumentam-se de um sexto a um terço, se o crime é praticado mediante


suborno ou se cometido com o fim de obter prova destinada a produzir efeito em processo
penal, ou em processo civil em que for parte entidade da administração pública direta ou
indireta.

§ 2o O fato deixa de ser punível se, antes da sentença no processo em que ocor-
reu o ilícito, o agente se retrata ou declara a verdade.

Art. 343. Dar, oferecer ou prometer dinheiro ou qualquer outra vantagem a testemunha,
perito, contador, tradutor ou intérprete, para fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade
em depoimento, perícia, cálculos, tradução ou interpretação:

Pena - reclusão, de três a quatro anos, e multa.

Parágrafo único. As penas aumentam-se de um sexto a um terço, se o crime é cometi-


do com o fim de obter prova destinada a produzir efeito em processo penal ou em processo
civil em que for parte entidade da administração pública direta ou indireta.

105
5. Escrevente Técnico Judiciário - Ano: 2017 - Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP

Imagine que um perito nomeado pelo juiz, em processo judicial, mediante suborno, produza
um laudo falso para favorecer uma determinada parte, praticando a conduta que configura
crime do art. 342 do CP (falsa perícia). Ocorre que, arrependido e antes de proferida a sen-
tença no mesmo processo, o perito retrata-se, corrigindo a falsidade. De acordo com o texto
literal do art. 342, § 2° do CP, como consequência jurídica da retratação,

a) o perito fica isento de pena criminal, mas deverá indenizar o prejudicado pe-
la falsidade que cometeu.
b) o perito fica isento de pena criminal, mas deverá devolver os honorários re-
cebidos em dobro.
c) o fato deixa de ser punível.
d) o perito, se condenado pelo crime de falsa perícia, terá a pena reduzida
de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços).
e) o perito fica impedido, por 5 (cinco) anos, de prestar tal serviço.

Falso testemunho ou falsa perícia

Art. 342. Fazer afirmação falsa, ou negar ou calar a verdade como testemunha, perito, con-
tador, tradutor ou intérprete em processo judicial, ou administrativo, inquérito policial, ou em
juízo arbitral:

Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa.

§ 1o As penas aumentam-se de um sexto a um terço, se o crime é praticado mediante


suborno ou se cometido com o fim de obter prova destinada a produzir efeito em processo
penal, ou em processo civil em que for parte entidade da administração pública direta ou
indireta.

§ 2o O fato deixa de ser punível se, antes da sentença no processo em que ocor-
reu o ilícito, o agente se retrata ou declara a verdade.

106
Tempo do crime

Art. 4º - Considera-se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que


outro seja o momento do resultado.

Art. 2º - Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, ces-
sando em virtude dela a execução e os efeitos penais da sentença condenatória.

Parágrafo único - A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se
aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado.

Contagem de prazo

Art. 10 - O dia do começo inclui-se no cômputo do prazo. Contam-se os dias, os meses


e os anos pelo calendário comum.

Peculato

Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer


outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo,
ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio:

Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa.

§ 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo


a posse do dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraí-
do, em proveito próprio ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a
qualidade de funcionário.

Peculato culposo

§ 2º - Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem:

Pena - detenção, de três meses a um ano.

§ 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à


sentença irrecorrível, extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de meta-
de a pena imposta.

Concussão

Art. 316 - Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda


que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevi-
da:

Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa.

107
6. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJM-SP - Escrevente Técnico Judiciário.

Nos termos previstos no Código Penal, é correto afirmar que

a) se considera praticado o crime no momento do resultado.

b) a lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos


fatos anteriores, salvo se decididos por sentença condenatória transitada
em julgado.
c) o dia do começo deve ser excluído no cômputo do prazo. Contam-se os
dias, os meses e os anos pelo calendário comum.
d) o funcionário público que se apropria, por negligência, de dinheiro, valor
ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse
em razão do cargo, ou o desvia, em proveito próprio, comete o crime de
peculato-culposo.
e) exigir, para outrem, indiretamente, fora da função mas em razão dela,
vantagem indevida caracteriza o crime de concussão.

Falsificação do selo ou sinal público

Art. 296 - Falsificar, fabricando-os ou alterando-os:

I - selo público destinado a autenticar atos oficiais da União, de Estado ou de Município;

II - selo ou sinal atribuído por lei a entidade de direito público, ou a autoridade, ou sinal
público de tabelião:

Pena - reclusão, de dois a seis anos, e multa.

§ 1º - Incorre nas mesmas penas:

I - quem faz uso do selo ou sinal falsificado;

II - quem utiliza indevidamente o selo ou sinal verdadeiro em prejuízo de outrem ou em


proveito próprio ou alheio.

III - quem altera, falsifica ou faz uso indevido de marcas, logotipos, siglas ou quaisquer
outros símbolos utilizados ou identificadores de órgãos ou entidades da Administração Pú-
blica.

108
§ 2º - Se o agente é funcionário público, e comete o crime prevalecendo-se do cargo,
aumenta-se a pena de sexta parte.

Falsificação de documento público

Art. 297 - Falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento pú-
blico verdadeiro:

Pena - reclusão, de dois a seis anos, e multa.

§ 1º - Se o agente é funcionário público, e comete o crime prevalecendo-se do cargo,


aumenta-se a pena de sexta parte.

§ 2º - Para os efeitos penais, equiparam-se a documento público o emanado de entida-


de paraestatal, o título ao portador ou transmissível por endosso, as ações de sociedade
comercial, os livros mercantis e o testamento particular.

§ 3o Nas mesmas penas incorre quem insere ou faz inserir:

I – na folha de pagamento ou em documento de informações que seja destinado a fazer


prova perante a previdência social, pessoa que não possua a qualidade de segurado obriga-
tório;

II – na Carteira de Trabalho e Previdência Social do empregado ou em documento que


deva produzir efeito perante a previdência social, declaração falsa ou diversa da que deveria
ter sido escrita;

III – em documento contábil ou em qualquer outro documento relacionado com as obri-


gações da empresa perante a previdência social, declaração falsa ou diversa da que deveria
ter constado.

§ 4o Nas mesmas penas incorre quem omite, nos documentos mencionados no § 3 o,


nome do segurado e seus dados pessoais, a remuneração, a vigência do contrato de traba-
lho ou de prestação de serviços.

Falsificação de documento particular

Art. 298 - Falsificar, no todo ou em parte, documento particular ou alterar documento


particular verdadeiro:

Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa.

Falsificação de cartão

Parágrafo único. Para fins do disposto no caput, equipara-se a documento particular o


cartão de crédito ou débito.

109
7. Oficial de Promotoria - Ano: 2016 - Banca: VUNESP - Órgão: MPE-SP

A falsificação de cartão de crédito ou débito, nos termos do Código Penal (CP),

a) equipara-se à falsificação de selo ou sinal público.


b) é considerada crime apenas se dela decorrer efetivo prejuízo.
c) equipara-se à falsificação de documento público.
d) é fato atípico.
e) equipara-se à falsificação de documento particular.

Supressão de documento

Art. 305 - Destruir, suprimir ou ocultar, em benefício próprio ou de outrem, ou em preju-


ízo alheio, documento público ou particular verdadeiro, de que não podia dispor:

Pena - reclusão, de dois a seis anos, e multa, se o documento é público, e reclusão, de


um a cinco anos, e multa, se o documento é particular.

8. Oficial de Promotoria - Ano: 2016 Banca: VUNESP - Órgão: MPE - SP

Com relação à figura do art. 305 do CP ("supressão de documento"), é correto afirmar que

a) o crime apenas se configura se o sujeito ativo não pode dispor do documen-


to.

b) a pena é exatamente a mesma, tanto com relação ao documento


público como com relação ao documento particular.
c) o tipo penal pune a conduta de "suprimir documento", mas não a de "des-
truir documento".
d) o tipo penal pune a conduta de "suprimir documento", mas não a de "ocultar
documento".
e) é punida com pena privativa de liberdade, na modalidade detenção, e multa.

110
Peculato

Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem
móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em pro-
veito próprio ou alheio:

Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa.

§ 1º - Aplica-se a mesma pena, se o funcionário público, embora não tendo a posse do


dinheiro, valor ou bem, o subtrai, ou concorre para que seja subtraído, em proveito próprio
ou alheio, valendo-se de facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário.

Peculato culposo

§ 2º - Se o funcionário concorre culposamente para o crime de outrem:

Pena - detenção, de três meses a um ano.

§ 3º - No caso do parágrafo anterior, a reparação do dano, se precede à sentença irre-


corrível, extingue a punibilidade; se lhe é posterior, reduz de metade a pena imposta.

Peculato mediante erro de outrem

Art. 313 - Apropriar-se de dinheiro ou qualquer utilidade que, no exercício do cargo, re-
cebeu por erro de outrem:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

Concussão

Art. 316 - Exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da fun-
ção ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida:

Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa.

111
9. .Oficial de Promotoria - Ano: 2016 - Banca: VUNESP - Órgão: MPE-SP

No que concerne aos crimes de "peculato culposo", "peculato mediante erro de outrem" e
"concussão", a reparação do dano que precede a sentença irrecorrível traz que consequên-
cia?

a) Extingue a punibilidade para o primeiro, mas não beneficia da mesma forma


o autor dos demais.
b) Extingue a punibilidade para os dois primeiros e reduz de metade a pena
imposta ao autor do último.
c) Nenhuma.
d) Extingue a punibilidade para o primeiro, reduz de metade a pena im-
posta para o autor do segundo, mas não beneficia o autor do último.
e) Extingue a punibilidade para os dois primeiros, mas não beneficia da mesma
forma o autor do último.

Dos crimes contra a administração pública praticados por


funcionários públicos, a única hipótese que prevê axtinção da
punibilidade, no caso de reparação do dano precedente à sentença
irrecorrível (ou redução à 1/2 se posterior à sentença), é no peculato
culposo.

Coação no curso do processo

Art. 344 - Usar de violência ou grave ameaça, com o fim de favorecer interesse pró-
prio ou alheio, contra autoridade, parte, ou qualquer outra pessoa que funciona ou é chama-
da a intervir em processo judicial, policial ou administrativo, ou em juízo arbitral:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa, além da pena correspondente à vio-


lência.

112
10.Oficial de Promotoria - Ano: 2016 Banca: VUNESP Órgão: MPE-SP

"Usar de , com o fim de favorecer interesse , contra autoridade, parte, ou qualquer outra
pessoa que funciona ou é chamada a intervir em processo judicial,."

Assinale a alternativa que, correta e respectivamente, completa o tipo penal do


crime de "coação no curso do processo".

a) violência física, psicológica ou moral ... próprio ou alheio ... policial ou


administrativo, ou em juízo arbitral
b) violência ou grave ameaça ... próprio ou alheio ... policial ou administrativo

c) violência ou grave ameaça ... próprio ou alheio ... policial ou administrativo,


ou em juízo arbitral

d) violência ou ameaça ... próprio ... policial ou administrativo.


e) violência física, psicológica ou moral ... próprio ... policial ou administrativo,
ou em juízo arbitral.

Falsificação de papéis públicos

Art. 293 - Falsificar, fabricando-os ou alterando-os:

I – selo destinado a controle tributário, papel selado ou qualquer papel de emissão legal
destinado à arrecadação de tributo; (Redação dada pela Lei nº 11.035, de 2004)

II - papel de crédito público que não seja moeda de curso legal;

III - vale postal;

IV - cautela de penhor, caderneta de depósito de caixa econômica ou de outro estabe-


lecimento mantido por entidade de direito público;

V - talão, recibo, guia, alvará ou qualquer outro documento relativo a arrecadação de


rendas públicas ou a depósito ou caução por que o poder público seja responsável;

VI - bilhete, passe ou conhecimento de empresa de transporte administrada pela União,


por Estado ou por Município:

Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa.

113
86. Técnico Judiciário - Ano: 2006 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP

A conduta de opor-se mediante violência ou ameaça à execução de ordem legal advinda de


funcionário competente tipifica o crime de

a) desobediência.
b) desacato.
c) fraude processual.
d) resistência.
e) exercício arbitrário das próprias razões.

Respostas:

63A- 64C- 65E- 66E- 67E- 68D- 69 B– 70A- 71A- 72B- 73D- 74E-
75B- 76B- 77C- 78C- 79E- 80A – 81B- 82A- 83C- 84A- 85E – 86 D

220
SUBINDO DE NÍVEL!

221
87. Procurador Jurídico - Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: Prefeitura de
Andradina - SP:

A conduta de patrocinar indiretamente interesse privado perante a Administração Pública,


valendo- se da sua qualidade de funcionário:

a) configura patrocínio infiel.


b) configura tráfico de influência.
c) configura favorecimento pessoal.
d) configura advocacia administrativa.
e) é atípica.

88. Procurador Jurídico - Ano: 2016 Banca: VUNESP Órgão: Câmara de Ma-
rilia - SP

Funcionários públicos estão executando um ato legal. Mediante violência, um indivíduo


opõe-se à execução do ato, e acaba causando lesão corporal leve em um particular que
prestava auxílio aos funcionários públicos. Em que pese a oposição o ato se executa. O in-
divíduo

a) comete crime de resistência e também responderá pela violência (lesão cor-


poral).

b) comete crime de desobediência, o qual terá sua pena aumentada


por conta da violência (lesão corporal).
c) apenas responderá pela violência (lesão corporal), não havendo porque
se cogitar de outro crime, pois o ato foi executado.
d) apenas comete crime de resistência, não havendo porque se cogitar de
outro crime, uma vez que a vítima de violência (lesão corporal) não se
trata de funcionário público.
e) não comete crime algum.

222
89. Advogado Ano: 2016 Banca: VUNESP Órgão: Prefeitura de Registro - SP :

Sobre o crime de inserção de dados falsos em sistema de informações, tipificado no artigo


313-A do Código Penal, assinale a alternativa correta.

a) É crime funcional próprio e admite modalidade culposa.

b) É crime material, não sendo suficiente apenas que se dê a inserção ou modi-


ficação dos dados para que seja consumado.
c) É aplicável apenas ao sistema previdenciário, não se admitindo sua aplicação
a toda a Administração Pública.
d) Não admite tentativa.

e) Requer um fim especial de agir consistente na obtenção de vantagem inde-


vida para si ou para outrem ou para causar dano.

90. Procurador Jurídico Ano: 2016 Banca: VUNESP Órgão: Câmara Muni-
cipal de Poá - SP:

A fim de evitar o cumprimento de reintegração de posse, indivíduo lança pedras


contra Oficial de Justiça que está dando cumprimento ao respectivo mandado ju-
dicial. Tal conduta configura o crime de

a) desacato.
b) resistência.
c) desobediência.
d) arremesso de projétil.
e) usurpação de função pública.

223
91. Procurador Municipal - Ano: 2016 Banca: VUNESP Órgão: Prefeitura
de Rosana - SP :

Assinale a alternativa correta sobre o crime de peculato, tipificado no artigo 312 e parágra-
fos do Código Penal.

a) É crime próprio e não admite o concurso de pessoas.

b) No peculato culposo a reparação do dano, se precede à sentença


irrecorrível, reduz de metade a pena imposta.
c) Admite o concurso de pessoas desde que a qualidade de funcio-
nário público, elementar do tipo, seja de conhecimento do parti-
cular coautor ou partícipe.
d) Para a caracterização do peculato-furto, afigura-se necessário
que o funcionário público tenha a posse do dinheiro, valor ou
bem que subtrai ou que concorre para que seja subtraído, em
proveito próprio ou alheio.
e) No peculato doloso a reparação do dano, se precede à sentença irrecorrível,
extingue a punibilidade.

92. Advogado Ano: 2015 Banca: VUNESP Órgão: SAEG:

Jeremias foi aprovado no concurso para Delegado de Polícia Estadual. Um mês antes de
tomar posse do cargo, exigiu quantia em dinheiro de alguns traficantes da região, com o pre-
texto de fazer "vista grossa" quanto a eventuais inquéritos policiais por tráfico de drogas. Po-
de- -se afirmar que Jeremias praticou o crime de

a) prevaricação.
b) corrupção ativa.
c) corrupção passiva.
d) concussão.
e) condescendência criminosa.

224
93. Advogado Ano: 2015 Banca: VUNESP Órgão: CRO-SP:

A conduta de "opor-se à execução de ato legal, mediante violência ou ameaça a funcionário


competente para executá-lo ou a quem lhe esteja prestando auxílio" caracteriza o crime de

a) desacato.
b) usurpação.
c) resistência.
d) descaminho.
e) desobediência.

94. Juiz de Direito Ano: 2015 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP:

No crime de falso testemunho ou falsa perícia,

a) A conduta é tipificada quando realizada apenas em processo penal


b) incide-se no crime quando a afirmação falsa é feita em juízo arbitral.
c) a pena aumenta da metade se o crime é praticado mediante suborno.
d) a retratação do agente, antes da sentença em que ocorreu o falso testemu-
nho, é causa de diminuição de pena.

225
162. Promotor de Justiça - Ano: 2008 Banca: VUNESP Órgão: MPE-SP

Não é modalidade de peculato prevista no Código Penal:

a) peculato-apropriação.
b) peculato-furto.
c) peculato-concussão.
d) peculato culposo.
e) peculato mediante erro de outrem.

163. Advogado - Ano: 2008 Banca: VUNESP Órgão: ITESP

São crimes contra a administração pública:

a) falsidade ideológica e concussão.


b) falsidade material e corrupção passiva.
c) apropriação indébita e peculato.
d) concussão e supressão de documentos.
e) peculato e corrupção passiva.

164. Advogado - Ano: 2008 - Banca: VUNESP Órgão: ITESP

Apenas um dos delitos indicados admite a modalidade culposa. Assinale a alternativa corre-
ta.

a) Roubo.

259
b) Furto.

c) Peculato.

d) Extorsão.

e) Dano.

260
Gabarito
87. D 120. B 153. B
88. A 121. D 154. A
89. E 122. D 155. B
90. B 123. A 156. E
91. C 124. E 157. C
92. D 125. B 158. C
93. C 126. E 159. A
94. B 127. B 160. D
95. A 128. E 161. C
96. A 129. B 162. C
97. A 130. A 163. E
98. B 131. E 164. c
99. C 132. B
100. D 133. E
101. A 134. B
102. B 135. B
103. B 136. D
104. C 137. B
105. B 138. D
106. D 139. A
107. E 140. B
108. B 141. E
109. B 142. C
110. D 143. C
111. A 144. D
112. C 145. D
113. D 146. A
114. B 147. A
115. A 148. B
116. D 149. B
117. C 150. E
118. D 151. B
119. C 152. A

261
262
REVISAÇO: LEGISLÇÃO EM ÁUDIO

Quais vantagens da legislação em áudio?


Ouvir constantemente determinado assunto, o torna banal e corriqueiro. Nos
acostumamos de tal forma aquele assunto que quando o vemos em outro con-
texto, nosso cérebro imediatamente faz a associação. A técnica usada nos co-
merciais é baseada na capacidade de nossa memória auditiva; muitas vezes
saímos, cantarolando jingles dessa ou daquela empresa, sem nos darmos con-
ta. Além disso, temos a praticidade de poder ouvir em qualquer lugar, indepen-
dentemente do que estejamos fazendo.

Qual a melhor maneira de estudar usando leis em áudio?

As maneiras de se obter o melhor aproveitamento do áudio, variam de pessoa


para pessoa. Cada um tem sua forma de estudar. Uma boa sugestão é você
ler, pelo menos duas vezes o material que precisa estudar, e depois sair ouvin-
do, aproveitando os momentos de locomoção. Outra é intercalar as duas coi-
sas. Uma outra, ainda, é ouvir lendo. Enfim, cada um descobrirá sua própria
maneira.
Fonte: https://www.erga-omnes.org

263
Como estudar a lei seca ou a letra da lei?

O estudo da Lei Seca é uma dúvida frequente entre os concurseiros. Muitos deles, inclusive
os bem preparados, encontram, no estudo da legislação seca, uma grande dificuldade, o
que cria um obstáculo à preparação completa. O problema é que a leitura dos termos nor-
mativos é um ponto fundamental para a preparação de qualquer concurseiro, em qualquer
concurso.

A Lei Seca, ou legislação seca, compreende qualquer texto normativo que contenha apenas
os dispositivos que regem uma situação específica. Exemplos deles são: a Constituição Fe-
deral, as Constituições dos Estados, a Lei Orgânica do Distrito Federal e as leis orgânicas
dos municípios, bem como todas as leis e todos os atos normativos de determinado órgão, o
que compreende as resoluções, as portarias, os regimentos internos, as instruções normati-
vas e outros afins.

Inicialmente, há uma coisa que preciso a se dizer. É que a legislação deve estar atualizada.
A regra de atualização deverá estar prevista no seu Edital do concurso. Normalmente, os
editais preveem que a legislação seca que deverá ser utilizada é a que foi publicada até a
data de publicação do Edital do concurso. Se isso não estiver previsto, você deverá utilizar
a lei que foi publicada até a data da sua prova.

265
Outra dúvida que surge é onde achar a tal legislação. Encontramos a Lei Seca em diversos
sites na internet, mas, é importante se atentar para a sua atualidade, isto é, que seus dispo-
sitivos estejam vigentes e produzindo efeitos. Para a Legislação Federal, o melhor é acessar
o site da Casa Civil (Palácio do Planalto). Lá podemos encontrar a Constituição Federal, to-
das as leis e os decretos editados pela União no exercício de suas competências. As leis e
atos dos entes federados podem ser encontrados primeiramente no site do poder legislativo
e em seguida no site do órgão para o qual você irá prestar concurso ou que é objeto de ava-
liação em sua prova.

Em regra, há dois tipos de texto nesses sites: os textos completos e os textos compilados. A
diferença entre eles é que os completos contam a história da modificação da lei ou do ato
normativo e possuem textos que não estão em vigor. Já os textos compilados só possuem
textos que estão em vigor. Então, concurseiro, concurseira: use o texto compilado!

Isso quer dizer que sempre devemos estudar pelos textos compilados? NÃO! Porque, se o
Edital contiver o histórico da modificação, ou algum normativo específico que altere o seu
normativo a ser estudado, você precisará saber o que ele alterou. E aí, gente, é para estudar
o conteúdo inteiro, ou seja, o texto completo. Mas isso é a exceção. A regra é que o texto
compilado baste.

Outra dificuldade reside em textos normativos não definirem bem os conceitos de que tra-
tam. Isso faz com que os estudantes, ao lerem o texto pela primeira vez, interrompam sua
leitura e busquem essas definições e conceitos em outros materiais. Essa prática errada é
muito frequente e faz com que o estudo da Lei Seca não tenha rendimento, não saia do can-
to… É comum o concurseiro parar o estudo da legislação seca e buscar o tal conceito em
livros, na internet, em cursos PDF, videoaulas e outros. Isso faz com que um estudo que de-
veria durar poucas horas dure dias.

Essa prática é completamente nociva e deve ser evitada. A primeira é que você não pare
sua leitura. Se aparecer um conceito que você não domina, anote-o do lado do material (em
papel, em Word, etc.) e vá buscar esse conceito depois. Você deverá completar a leitura
integral. Esse é um hábito que deve ser desenvolvido. Não é fácil no começo não.

E a leitura da legislação até o final é importante, porque teremos que ler inúmeras vezes.
Quantas forem necessárias. Muitas mesmo. Quando você lê a legislação pela primeira vez,

266
tira dúvidas dos conceitos e a lê novamente, o seu índice de aprendizagem sobe muito, por-
que a leitura funciona como revisão de tudo. Ademais, muitas vezes, os conceitos de que
você precisa podem estar no decorrer da legislação. Aí você parou à toa.

Muitos também se perguntam como fazer marcações eficientes na legislação. E a estratégia


da primeira leitura também vale: não faça marcações quando ler uma lei pela primeira vez.
Você ainda não sabe o que é importante e está prejulgando o texto.

Quando você lê um texto marcado, você o absorve de maneira aviesada. Essa absorção
com viés pode fazer com que você pule coisas importantes ou dê ênfase a coisas sem im-
portância.

Porém, se você decidir marcar, faça-o apenas quando ler da segunda vez em diante.

A partir da segunda leitura, você pode imprimir a lei e usá-la impressa ou baixá-la como PDF
em seu computador e usar a ferramenta de marcação que as ferramentas de leitura de PDF
possuem. Na segunda vez em que ler o diploma normativo em papel, só o marque de lápis.

E o que é uma marcação eficiente? Primeiramente, há as marcações preliminares e as defi-


nitivas. As preliminares são as de lápis, que você marca quando lê a legislação seca pela
segunda vez. Marque apenas os conceitos chave de cada artigo, inciso, alínea ou parágrafo
em lápis. Você pode sublinhar ou circular. Se você estiver em PDF, sublinhe com a ferra-
menta de marcações. Nesse caso, pode ser em vermelho.

As marcações definitivas deverão ser feitas com o marca texto (tanto em papel como no
PDF), em duas cores. Uma para os conceitos-chave e outra para prazos ou datas. Você de-
verá fazer um “controle de qualidade” de suas marcações anteriores. Nesse ponto, você já
sabe o assunto e pode criticar se deixou de marcar a lápis algo importante ou se fez a mar-
cação em um tema bobo. Essas marcações definitivas podem ser usadas para constituir um
resumo ou, ainda, se você fez em PDF, lê-las de maneira salteada, pelo painel lateral de
marcações que a maioria das ferramentas possui.

Fonte: https://blog.grancursosonline.com.br/como-estudar-a-lei-seca/

267
Vade Mecum – Direito Penal

DIREITO PENAL: Código Penal - com as alterações vigentes até


a publicação do Edital - artigos 293 a 305; 307; 308; 311-A; 312 a 317; 319 a
333; 335 a 337; 339 a 347; 350; 357 e 359.

CAPÍTULO II.
DA FALSIDADE DE TÍTULOS E OUTROS PAPÉIS PÚBLICOS.

Falsificação de papéis públicos.

Art. 293 - Falsificar, fabricando-os ou alterando-os:

I – selo destinado a controle tributário, papel selado ou qualquer papel de emissão legal
destinado à arrecadação de tributo;

II - papel de crédito público que não seja moeda de curso legal;

268
DIREITO CONSTITUCIONAL
CONSTITUIÇÃO FEDERAL – COM AS ALTERAÇÕES
VIGENTES ATÉ A PUBLICAÇÃO DO EDITAL: TÍTULO
II - CAPÍTULOS I, II E III; E TÍTULO III - CAPÍTULO VII
COM SEÇÕES I E II; E TAMBÉM O ARTIGO 92.

285
Art. 5º (...)
LXVIII - conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de
sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de po-
der;
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não am-
parado por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso
de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do
poder público;
LXX - o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em fun-
cionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associ-
ados;
LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora
torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas ineren-
tes à nacionalidade, à soberania e à cidadania;
LXXII - conceder-se-á habeas data:
a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, cons-
tantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público;
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, judicial
ou administrativo;
LXXIII - qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise a anular ato
lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade adminis-
trativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo compro-
vada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência.

Arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) é a denominação dada


no Direito brasileiro à ferramenta utilizada para evitar ou reparar lesão a preceito fundamen-
tal resultante de ato do Poder Público (União, estados, Distrito Federal e municípios), incluí-
dos atos anteriores à promulgação da Constituição.
No Brasil, a ADPF foi instituída em 1988 pelo parágrafo 1º do artigo 102 da Constituição Fe-
deral, posteriormente regulamentado pela lei nº 9.882/99 [1]. Sua criação teve por objetivo
suprir a lacuna deixada pela ação direta de inconstitucionalidade (ADIn), que não pode ser
proposta contra lei ou atos normativos que entraram em vigor em data anterior à promulga-
ção da Constituição de 1988. O primeiro julgamento de mérito de uma ADPF ocorreu em
dezembro de 2005 [2].
A ação direta de inconstitucionalidade (ADIn), é uma das ações do controle concentrado de
constitucionalidade.

286
As principais características da ADPF são:
Legitimação ativa: É a mesma prevista para a ação direta de inconstitucionalidade (art.
103, I a IX, da Constituição federal, art. 2° da Lei 9.868/1999 e art. 2°, I da Lei 9.882/1999).
Capacidade postulatória: A exemplo da ADI, alguns legitimados para ADPF não precisam
ser representados por advogados, já que detêm capacidade postulatória.
Competência para julgamento: Sempre será do Supremo Tribunal Federal (STF).
Liminar: A ADPF admite liminar, concedida pela maioria absoluta dos membros do STF (art. 5° da Lei
9.882/1999). A liminar pode consistir na determinação para que juízes e tribunais suspendam o andamen-
to de processo ou de efeitos de decisões judiciais, ou de qualquer outra medida que apresente relação
com a matéria objeto da ação.
Informações: O relator da ADPF poderá solicitar informações às autoridades responsáveis pelo ato ques-
tionado. Na ADPF admite-se a figura do 'amicus curiae' (amigo da corte).
Efeitos da decisão: A decisão da ADPF produz efeito erga omnes (contra todos) e vinculantes em rela-
ção aos demais órgãos do poder público. Os efeitos no tempo serão ex tunc(retroativos), mas o STF po-
derá, em razão da segurança jurídica ou de excepcional interesse social, restringir os efeitos da decisão,
decidir que essa somente produzirá efeitos a partir do trânsito em julgado ou de outro momento futuro que
venha a ser fixado. Decisões nessa linha excepcional exigem voto de dois terços dos membros do STF.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Argui%C3%A7%C3%A3o_de_descumprimento_de_preceito_fundamental

Mandado de injunção -> Falta de Norma Reguladora


Mandado de Segurança -> Direito líquido e certo
Habeas Corpus -> Quem sofre ameaça ou coação em sua liberdade de
locomoção
Habeas Data -> Assegurar o conhecimento de informação do particular.

1. - Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico

Sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liber-
dades constitucionais, conceder-se-á:

a) mandado de segurança coletivo.


b) mandado de injunção.
c) ação de descumprimento de preceito fundamental.
d) habeas data.
e) mandado de segurança.

287
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua
condição social:

XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte
dias;
XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da
lei;
XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade
em creches e pré-escolas;
XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a
que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;

2. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário.

É direito constitucional dos trabalhadores urbanos e rurais:

a) licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e oi-
tenta dias.
b) remuneração do serviço extraordinário superior em, no mínimo, trinta por cento à do
serviço normal.
c) seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização
a que este está obrigado quando incorrer em dolo ou culpa.
d) aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, no máximo de trinta dias, nos termos da
lei.
e) assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até os 06 (seis) anos
de idade em creches e pré-escolas.

288
Da Nacionalidade
Art. 12. São brasileiros:
I - natos:
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que estes
não estejam a serviço de seu país;
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que qualquer deles esteja
a serviço da República Federativa do Brasil;
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em
repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em
qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira;
II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de
língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral;
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade residentes na República Federativa do Brasil há mais
de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasilei-
ra.
§ 1º Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade em favor de bra-
sileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta Constitui-
ção.
§ 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos
previstos nesta Constituição.

3. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Maria, brasileira, estava grávida quando viajou para a Alemanha. Em virtude de complica-
ções de saúde, seu bebê nasceu antes do tempo, quando Maria ainda estava na Alemanha.
Considerando apenas os dados apresentados, pode-se afirmar que, nos termos da Consti-
tuição Federal, o filho de Maria será considerado

a) brasileiro nato, bastando que venha a residir na República Federativa do Brasil.


b) brasileiro nato se Maria estiver, na Alemanha, a serviço da República Federativa do Bra-
sil.
c) brasileiro nato, bastando que o pai do bebê também seja brasileiro, nato ou naturalizado.
d) brasileiro naturalizado desde que opte, em qualquer tempo, depois de atingida a maiori-
dade, pela nacionalidade brasileira.
e) brasileiro nato, pois Maria é brasileira.

289
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida-
de, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisi-
tos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei;
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de
provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na
forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre
nomeação e exoneração;
III - o prazo de validade do concurso público será de até dois anos, prorrogável uma vez, por igual
período;
IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso
público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados
para assumir cargo ou emprego, na carreira;
V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e
os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e per-
centuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assesso-
ramento;
VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical;
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica;

4. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Luiz ocupa cargo em comissão como assessor em um órgão público federal para o qual foi
nomeado sem se submeter à aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas
e títulos. Descontente em relação ao seu vencimento, Luiz entrou em greve, seguindo orien-
tação do sindicato ao qual é associado. Sobre essa situação, e levando-se em conta o que
estabelece a Constituição Federal, é correto afirmar que

a) Luiz, por ocupar cargo em comissão, não goza do direito à livre associação sindical.
b) a investidura de Luiz ao cargo não obedece aos preceitos constitucionais.
c) Luiz, por ocupar cargo em comissão, não goza do direito à greve.
d) Luiz, por ser servidor público, não goza do direito à livre associação sindical.
e) Luiz, por ser servidor público, goza do direito à greve nos termos e nos limites definidos
em lei específica.

290
Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de pro-
vimento efetivo em virtude de concurso público.
§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo:
I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;
II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa;
III - mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar,
assegurada ampla defesa.
§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável, será ele reintegrado, e o even-
tual ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, apro-
veitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de ser-
viço.
§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servidor estável ficará em disponibilidade,
com remuneração proporcional ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento em outro
cargo.
§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obrigatória a avaliação especial de desem-
penho por comissão instituída para essa finalidade.

5. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário.

Nos termos da Constituição Federal, extinto o cargo, o servidor público estável ficará
em disponibilidade.

a) sem remuneração, até seu adequado aproveitamento em outro cargo.


b) com remuneração integral, até seu adequado aproveitamento em outro cargo.
c) com remuneração proporcional ao tempo de serviço, até serem preenchidas as condi-
ções necessárias para sua aposentadoria.
d) com remuneração proporcional ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento
em outro cargo.
e) com remuneração integral, até serem preenchidas as condições necessárias para sua
aposentadoria.

Dos Servidores Públicos

291
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de
administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos
Poderes.
§ 1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais componentes do sistema remuneratório ob-
servará:
I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos cargos componentes de cada carrei-
ra;
II - os requisitos para a investidura;
III - as peculiaridades dos cargos.
§ 2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas de governo para a formação e o
aperfeiçoamento dos servidores públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos requisi-
tos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a celebração de convênios ou contratos entre
os entes federados.
§ 3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII,
XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados de
admissão quando a natureza do cargo o exigir.
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários
Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única,
vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou
outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI.
§ 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios poderá estabelecer a relação
entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, o dis-
posto no art. 37, XI.
§ 6º Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão anualmente os valores do subsídio e
da remuneração dos cargos e empregos públicos.
§ 7º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios disciplinará a aplicação de re-
cursos orçamentários provenientes da economia com despesas correntes em cada órgão, autarquia
e fundação, para aplicação no desenvolvimento de programas de qualidade e produtividade, treina-
mento e desenvolvimento, modernização, reaparelhamento e racionalização do serviço público, in-
clusive sob a forma de adicional ou prêmio de produtividade.
§ 8º A remuneração dos servidores públicos organizados em carreira poderá ser fixada nos termos
do § 4º.

6. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário.

Sobre os servidores públicos, a Constituição Federal estabelece expressamente que

292
a) ato do chefe do Poder Executivo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Mu-
nicípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor remuneração dos servi-
dores públicos.
b) lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios disciplinará a aplicação
de recursos orçamentários provenientes da economia com despesas correntes em ca-
da órgão, autarquia e fundação, para aplicação no desenvolvimento de programas de
qualidade e produtividade.
c) os detentores de mandato eletivo não poderão ser remunerados exclusivamente por
subsídio fixado em parcela única.
d) a União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas de governo para a formação
e o aperfeiçoamento dos servidores públicos, constituindo-se a participação nos cursos
um dos requisitos para a manutenção do servidor na carreira.
e) os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário publicarão semestralmente os valores do
subsídio e da remuneração dos cargos e empregos públicos.

Art. 5º (...)

VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou
política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir
prestação alternativa, fixada em lei;

7. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: UNESP - Assistente Administrativo.

Considerando o que dispõe a Constituição Federal sobre os direitos e garantias fundamen-


tais, se um cidadão brasileiro se recusar a prestar o serviço militar obrigatório, alegando que
sua religião não permite essa prática, é correto afirmar, nessa hipótese, que esse cidadão

a) não poderá ser dispensado do serviço militar, uma vez que essa é uma obrigação impos-
ta a todos os cidadãos brasileiros.
b) poderá ser dispensado de prestar o serviço militar, mas perderá, automaticamente, os
seus direitos políticos.
c) terá como consequência da recusa de prestar o serviço militar a sua prisão por tempo
fixado em lei.

293
d) será dispensado do serviço militar obrigatório, sem a imposição de penas ou outras obri-
gações, pois a Constituição Federal garante a liberdade religiosa.
e) poderá obter a dispensa do serviço militar obrigatório, mas terá que cumprir prestação
alternativa se não quiser perder seus direitos políticos.

Art. 5º (...)
XXIV - a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação por necessidade ou utilidade pública,
ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos pre-
vistos nesta Constituição;
XXV - no caso de iminente perigo público, a autoridade competente poderá usar de propriedade par-
ticular, assegurada ao proprietário indenização ulterior, se houver dano;
XXVI - a pequena propriedade rural, assim definida em lei, desde que trabalhada pela família, não
será objeto de penhora para pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dispondo
a lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento;

8. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: UNESP - Assistente Administrativo

Ressalvados os casos previstos na Constituição Federal, a lei estabelecerá o procedimento


para desapropriação por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante

a) títulos da dívida pública.


b) justa e prévia indenização em dinheiro.
c) títulos da dívida agrária.
d) precatórios judiciais.
e) ordens de pagamento do Tesouro.

294
Tome nota:
Habeas Corpus: é o remédio constitucional utilizado contra a ilegalidade
ou abuso de poder relacionado ao direito de locomoção (direito de ir e vir).

Habeas Data: É cabível contra ato de autoridade pública ou de agente de


pessoa privada que possua registros ou banco de dados de caráter públi-
co, sendo concedido para:
a) conhecimento de informações;
b) retificação de dados; ou
c) complementação de dados.

Mandado de Segurança: é concedido para proteger direito líquido e certo, não amparado
por habeas corpus ou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de poder, algu-
ma pessoa (física ou jurídica) sofrer violação (por ação ou omissão) ou houver justo receio
de sofrê-la por parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as fun-
ções que exerça. Pode ainda ser individual ou coletivo.

Mandado de Injunção: É utilizado quando, por omissão governamental (omissão legislati-


va), o exercício de seus direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à
nacionalidade, cidadania e soberania é inviabilizado.

Alvará de Soltura: É a ordem dada por autoridade judiciária para que determinada pessoa
volte a ter seu direito de liberdade.

9. Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: UNESP - Assistente Administrativo

Segundo a Constituição Federal, sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer
violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder,
conceder-se-á

a) mandado de segurança.
b) alvará de soltura.
c) habeas corpus.
d) habeas data.
e) mandado de injunção.

295
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua
condição social:

XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer


trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos;

10. Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: UNESP - Assistente Administrativo

Nos termos do que dispõe a Constituição Federal a respeito dos direitos dos trabalhadores
urbanos e rurais, é correto afirmar que o menor de idade

a) pode trabalhar legalmente em qualquer tipo de serviço, a partir de dezesseis anos, inclu-
ído o trabalho noturno.

b) está proibido de exercer qualquer trabalho antes de dezesseis anos, salvo na condição
de aprendiz, a partir de doze anos.
c) está proibido de exercer qualquer trabalho antes de dezoito anos, salvo na condição de
aprendiz, a partir de dezesseis anos.
d) não pode exercer trabalho noturno, perigoso ou insalubre antes de completar dezoito
anos de idade.
e) é livre para exercer qualquer tipo de trabalho, diurno ou noturno, exceto insalubre ou pe-
rigoso, a partir de dezesseis anos de idade.
Art. 12. (...)
§ 3º São privativos de brasileiro nato os cargos:
I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
III - de Presidente do Senado Federal;
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
V - da carreira diplomática;
VI - de oficial das Forças Armadas;
VII - de Ministro de Estado da Defesa.

296
Macete clássico dos concurseiros :

MP3.COM
Art.12, § 3º, CF: São privativos de brasileiro nato os cargos:

M = Ministro do STF

P = Presidente e Vice Presidente da República


P = Presidente do Senado Federal
P = Presidente da Câmara dos Deputados

C = Carreira Diplomática
O = Oficial das Forças Armadas
M = Ministro de Estado de Defesa

11. Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: UNESP - Assistente Administrativo

Conforme estabelece a Constituição Federal, são dois exemplos de cargos públicos privati-
vos de brasileiro nato:

a) de Ministro do Supremo Tribunal Federal e de oficial das Forças Armadas.


b) de Deputado Federal e de Presidente da República.
c) de Senador da República e de Ministro de Estado da Defesa.
d) de Deputado Federal e de Deputado Estadual.
e) de Vereador e da carreira diplomática.

297
Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de pro-
vimento efetivo em virtude de concurso público.

§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo:

I - em virtude de sentença judicial transitada em julgado;

II - mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa;

III - mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar,


assegurada ampla defesa.

§ 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável, será ele reintegrado, e o even-
tual ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo de origem, sem direito a indenização, apro-
veitado em outro cargo ou posto em disponibilidade com remuneração proporcional ao tempo de ser-
viço.

§ 3º Extinto o cargo ou declarada a sua desnecessidade, o servidor estável ficará em disponibilidade,


com remuneração proporcional ao tempo de serviço, até seu adequado aproveitamento em outro
cargo.

§ 4º Como condição para a aquisição da estabilidade, é obrigatória a avaliação especial de desem-


penho por comissão instituída para essa finalidade.

113. Ano: 2012 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo, em virtude de concurso público,


adquirem estabilidade após

a) 03 (três) anos de efetivo exercício.


b) 03 (três) anos da data da sua nomeação no Diário Oficial.
c) 02 (dois) anos da data da nomeação no Diário Oficial.
d) 02 (dois) anos da data da posse.
e) 02 (dois) anos de efetivo exercício.

RESPOSTAS

101:a 102:e 103:e 104:a 105:e 106:e 107:c 108:a 109:b 110:d 111:e
112:d 113:a
412
REVISAÇO- Legislação em áudio

https://goo.gl/f29arq
413
Vade Mecum – Direito Constitucional

DIREITO CONSTITUCIONAL: Constituição Federal – com as alte-


rações vigentes até a publicação do Edital: Título II - Capítulos I,
II e III; e Título III - Capítulo VII com Seções I e II; e também o ar-
tigo 92.

414
DIREITO PROCESSUAL CIVIL: CÓDIGO DE PRO-
CESSO CIVIL - COM AS ALTERAÇÕES VIGENTES
ATÉ A PUBLICAÇÃO DO EDITAL - ARTIGOS 144 A
155; 188 A 275; 294 A 311 E DO 318 A 538; 994 A
1026.

COMO ESTUDAR PROCESSO CIVIL PARA O TJSP


Das 40 questões, considerando as demais disciplinas, Direito Processual Civil será ob-
jeto entre 7 e 10 questões. Portanto, o estudo correto é fundamental para que você obtenha
uma boa classificação.
Com a entrada em vigor do Novo Código de Processo Civil, muitos candidatos ainda
não dedicaram tempo suficiente de estudo para a compreensão da nova legislação, a qual
estrutura o Direito Processual Civil com base em novas premissas. O resultado disso tem
sido a dificuldade em resolver as provas de concurso público.
434
Por se tratar de curso pós-edital, precisamos dar atenção à ementa e a alguns pontos
base de central importância. A ementa do último edital, previu:
3. DIREITO PROCESSUAL CIVIL: Código de Processo Civil - com as alterações vigentes até a
publicação do Edital – artigos 144 a 155; 188 a 275; 294 a 311 e do 318 a 538; 994 a 1026; Lei nº
9.099 de 26.09.1995 (artigos 3º ao 19) e Lei nº 12.153 de 22.12.2009 Temos a cobrança de três
leis processuais.
Primeiramente, cobra-se o Código de Processo Civil. Em um primeiro momento temos
a impressão de que o edital é singelo, contudo, não se engane! Vários e extensos assuntos
são abrangidos. Esquematizando:

Vamos falar objetivamente de cada um desses pontos?


> arts. 144 a 155: a) impedimento e suspeição; e b) auxiliares da justiça (chefe de
secretaria e oficial de justiça)
A parte relativa ao impedimento e suspeição é sucinta, estudo muito bem as hipóteses
de impedimento e de suspeição, que estão nos arts. 144 e 145 do NCPC.
Em relação aos auxiliares de Justiça, restringiu a cobrança apenas do “ofício de justi-
ça”, aquela composição mínima que envolve o chefe de secretaria (ou escrivão) e o oficial.
Saiba bem as competência e distinções entre a atuação de ambos.
> arts. 188 a 275: atos processuais
Aqui temos que ficar atento às novidades em relação ao CPC73. Entre vários pontos
importantes, destacamos:
- prazos e contagem dos prazos processuais;
- processo eletrônico;
- negócio jurídico processual; e - calendário procedimental.
> arts. 294 a 311: tutela provisória

435
O regramento da tutela provisória é uma das grandes novidades do novo Código. Esse
assunto não estava no edital anterior e, agora, foi contemplado expressamente. Acredita-
mos, em face disso, que o assunto será cobrado neste concurso. Fique atento!
> arts. 318 a 538: procedimento comum
Esse é o ponto mais extenso do edital. São mais de 200 artigos, entre cujos temas de-
vemos destacar os seguintes pontos:
- petição inicial;
- improcedência liminar do pedido e indeferimento da petição inicial;
- contestação e reconvenção; e - teoria geral de provas.
Embora você não possa deixar de estudar nenhum dos artigos acima, esses conteú-
dos são os mais importantes.
> arts. 994 a 1.026: a) regras gerais dos recursos; e b) recursos em espécie
Em relação à parte final do Código, temos os recursos. Nesse ponto destaca-se o es-
tudo das disposições gerais. Será necessário estudar, também, o recurso de apelação,
agravo de instrumento, agravo interno e embargos de apelação.
Em relação ao NCPC é isso!
Além disso, são cobradas também as Leis dos Juizados Especiais. Temos a cobrança
da Lei dos Juizados Especiais Cíveis (Lei nº 9.099/1995) e a Lei dos Juizados Especiais de
Fazenda Pública (Lei nº 12.153/2009). A segunda norma será integralmente exigida, a se-
gunda, abrangerá os 17 primeiros dispositivos, que tratam da parte processual civil dos Jui-
zados Especiais.
Temos, esquematicamente, os seguintes pontos:

Competência

Juízes Conciliadores e
Leigos

Partes
Lei 9.099/1995
Atos Processuais

Juizados Pedidos
Especiais
Citações e Intimações

Lei 12.153/2009 TUDO!

São duas leis e poucos artigos. Certamente o assunto será cobrado na prova. Vale a
pena estudá-los!

Fonte: https://www.estrategiaconcursos.com.br/blog/plano-de-estudos-tjsp/

436
Art. 188. Os atos e os termos processuais independem de forma determinada, salvo quando
a lei expressamente a exigir, considerando-se válidos os que, realizados de outro modo, lhe
preencham a finalidade essencial.

Art. 189. Os atos processuais são públicos, todavia tramitam em segredo de justiça os pro-
cessos:

II - que versem sobre casamento, separação de corpos, divórcio, separação, união estável,
filiação, alimentos e guarda de crianças e adolescentes;

Art. 191. De comum acordo, o juiz e as partes podem fixar calendário para a prática dos
atos processuais, quando for o caso.

§ 2º Dispensa-se a intimação das partes para a prática de ato processual ou a realização de


audiência cujas datas tiverem sido designadas no calendário.

Art. 202. É vedado lançar nos autos cotas marginais ou interlineares, as quais o juiz manda-
rá riscar, impondo a quem as escrever multa correspondente à metade do salário-mínimo.

1. Ano: 2017 Banca: CONSULPLAN Órgão: TJ-MG - Oficial de Apoio Judicial

Segundo o Código de Processo Civil 2015, sobre os atos processuais, é correto afirmar:

a) Em regra, dependem de forma determinada, considerando-se inválidos os realizados de


outro modo, ainda que preenchida a finalidade essencial.
b) São públicos, todavia, podem tramitar em segrego de justiça quando versarem sobre ca-
samento, separação de corpos, divórcio, separação, união estável, filiação, alimentos e
guarda de crianças e adolescentes.
c) É indispensável a intimação das partes para a prática de atos processuais, mesmo quan-
do exista calendário fixado de comum acordo com o juiz.
d) Autoriza-se o lançamento de cotas marginais ou interlineares nos autos, desde que devi-
damente identificadas.

437
DA SUSPENSÃO DO PROCESSO

Art. 313. Suspende-se o processo:

I - pela morte ou pela perda da capacidade processual de qualquer das partes, de seu representante
legal ou de seu procurador;

II - pela convenção das partes;

III - pela arguição de impedimento ou de suspeição;

IV- pela admissão de incidente de resolução de demandas repetitivas;

V - quando a sentença de mérito:

a) depender do julgamento de outra causa ou da declaração de existência ou de inexistência de rela-


ção jurídica que constitua o objeto principal de outro processo pendente;

b) tiver de ser proferida somente após a verificação de determinado fato ou a produção de certa pro-
va, requisitada a outro juízo;

VI - por motivo de força maior;

VII - quando se discutir em juízo questão decorrente de acidentes e fatos da navegação de compe-
tência do Tribunal Marítimo;

VIII - nos demais casos que este Código regula.

IX - pelo parto ou pela concessão de adoção, quando a advogada responsável pelo processo consti-
tuir a única patrona da causa; (Incluído pela Lei nº 13.363, de 2016)

X - quando o advogado responsável pelo processo constituir o único patrono da causa e tornar-se
pai. (Incluído pela Lei nº 13.363, de 2016)

§ 1o Na hipótese do inciso I, o juiz suspenderá o processo, nos termos do art. 689.

§ 2o Não ajuizada ação de habilitação, ao tomar conhecimento da morte, o juiz determinará a sus-
pensão do processo e observará o seguinte:

I - falecido o réu, ordenará a intimação do autor para que promova a citação do respectivo espólio, de
quem for o sucessor ou, se for o caso, dos herdeiros, no prazo que designar, de no mínimo 2 (dois) e
no máximo 6 (seis) meses;

II - falecido o autor e sendo transmissível o direito em litígio, determinará a intimação de seu espólio,
de quem for o sucessor ou, se for o caso, dos herdeiros, pelos meios de divulgação que reputar mais
adequados, para que manifestem interesse na sucessão processual e promovam a respectiva habili-
tação no prazo designado, sob pena de extinção do processo sem resolução de mérito.

§ 3o No caso de morte do procurador de qualquer das partes, ainda que iniciada a audiência de ins-
trução e julgamento, o juiz determinará que a parte constitua novo mandatário, no prazo de 15 (quin-
ze) dias, ao final do qual extinguirá o processo sem resolução de mérito, se o autor não nomear novo

438
mandatário, ou ordenará o prosseguimento do processo à revelia do réu, se falecido o procurador
deste.

§ 4o O prazo de suspensão do processo nunca poderá exceder 1 (um) ano nas hipóteses do inciso V
e 6 (seis) meses naquela prevista no inciso II.

§ 5o O juiz determinará o prosseguimento do processo assim que esgotados os prazos previstos no §


4o.

§ 6o No caso do inciso IX, o período de suspensão será de 30 (trinta) dias, contado a partir da data
do parto ou da concessão da adoção, mediante apresentação de certidão de nascimento ou docu-
mento similar que comprove a realização do parto, ou de termo judicial que tenha concedido a ado-
ção, desde que haja notificação ao cliente. (Incluído pela Lei nº 13.363, de 2016)

§ 7o No caso do inciso X, o período de suspensão será de 8 (oito) dias, contado a partir da data do
parto ou da concessão da adoção, mediante apresentação de certidão de nascimento ou documento
similar que comprove a realização do parto, ou de termo judicial que tenha concedido a adoção, des-
de que haja notificação ao cliente. (Incluído pela Lei nº 13.363, de 2016)

2. Ano: 2017 Banca: FCC Órgão: TRT - 11ª Região (AM e RR)Prova: Técnico Judiciá-
rio - Área Administrativa;

Se ocorrer o falecimento do único advogado do réu, o juiz determinará que este constitua
novo mandatário no prazo de 15 dias. Decorrido esse prazo sem a constituição de novo
mandatário, o juiz

a) suspenderá o processo pelo prazo de 1 ano.


b) extinguirá o processo sem resolução de mérito.
c) suspenderá o processo pelo prazo de 3 meses.
d) ordenará o prosseguimento do processo à revelia do réu.
e) nomeará outro advogado para o réu, apesar de não ser beneficiário da Justiça Gratuita.

Art. 236. Os atos processuais serão cumpridos por ordem judicial.

439
§ 1o Será expedida carta para a prática de atos fora dos limites territoriais do tribunal, da comarca, da
seção ou da subseção judiciárias, ressalvadas as hipóteses previstas em lei.

§ 2o O tribunal poderá expedir carta para juízo a ele vinculado, se o ato houver de se realizar fora dos
limites territoriais do local de sua sede.

§ 3o Admite-se a prática de atos processuais por meio de videoconferência ou outro recurso tecnoló-
gico de transmissão de sons e imagens em tempo real.

Art. 237. Será expedida carta:

I - de ordem, pelo tribunal, na hipótese do § 2o do art. 236;

II - rogatória, para que órgão jurisdicional estrangeiro pratique ato de cooperação jurídica internacio-
nal, relativo a processo em curso perante órgão jurisdicional brasileiro;

III - precatória, para que órgão jurisdicional brasileiro pratique ou determine o cumprimento, na área
de sua competência territorial, de ato relativo a pedido de cooperação judiciária formulado por órgão
jurisdicional de competência territorial diversa;

IV - arbitral, para que órgão do Poder Judiciário pratique ou determine o cumprimento, na área de
sua competência territorial, de ato objeto de pedido de cooperação judiciária formulado por juízo arbi-
tral, inclusive os que importem efetivação de tutela provisória.

Parágrafo único. Se o ato relativo a processo em curso na justiça federal ou em tribunal superior
houver de ser praticado em local onde não haja vara federal, a carta poderá ser dirigida ao juízo es-
tadual da respectiva comarca.

Art. 238. Citação é o ato pelo qual são convocados o réu, o executado ou o interessado para integrar
a relação processual.

Art. 239. Para a validade do processo é indispensável a citação do réu ou do executado, ressalva-
das as hipóteses de indeferimento da petição inicial ou de improcedência liminar do pedido.

§ 1o O comparecimento espontâneo do réu ou do executado supre a falta ou a nulidade da citação,


fluindo a partir desta data o prazo para apresentação de contestação ou de embargos à execução.

§ 2o Rejeitada a alegação de nulidade, tratando-se de processo de:

I - conhecimento, o réu será considerado revel;

II - execução, o feito terá seguimento.

Art. 249. A citação será feita por meio de oficial de justiça nas hipóteses previstas neste Código ou
em lei, ou quando frustrada a citação pelo correio.

Art. 250. O mandado que o oficial de justiça tiver de cumprir conterá:

I - os nomes do autor e do citando e seus respectivos domicílios ou residências;

440
II - a finalidade da citação, com todas as especificações constantes da petição inicial, bem como a
menção do prazo para contestar, sob pena de revelia, ou para embargar a execução;

III - a aplicação de sanção para o caso de descumprimento da ordem, se houver;

IV - se for o caso, a intimação do citando para comparecer, acompanhado de advogado ou de defen-


sor público, à audiência de conciliação ou de mediação, com a menção do dia, da hora e do lugar do
comparecimento;

V - a cópia da petição inicial, do despacho ou da decisão que deferir tutela provisória;

VI - a assinatura do escrivão ou do chefe de secretaria e a declaração de que o subscreve por ordem


do juiz.

Art. 251. Incumbe ao oficial de justiça procurar o citando e, onde o encontrar, citá-lo:

I - lendo-lhe o mandado e entregando-lhe a contrafé;

II - portando por fé se recebeu ou recusou a contrafé;

III - obtendo a nota de ciente ou certificando que o citando não a apôs no mandado.

Art. 252. Quando, por 2 (duas) vezes, o oficial de justiça houver procurado o citando em seu domicí-
lio ou residência sem o encontrar, deverá, havendo suspeita de ocultação, intimar qualquer pessoa
da família ou, em sua falta, qualquer vizinho de que, no dia útil imediato, voltará a fim de efetuar a
citação, na hora que designar.

Parágrafo único. Nos condomínios edilícios ou nos loteamentos com controle de acesso, será válida
a intimação a que se refere o caput feita a funcionário da portaria responsável pelo recebimento de
correspondência.

3. Ano: 2017 Banca: CONSULPLAN Órgão: TRF - 2ª REGIÃO - Técnico Judiciário

O Código de Processo Civil de 2015 (Lei Federal nº 13.105/15) traz diversas regras dispon-
do sobre a forma como serão praticados os atos processuais. Acerca do tema proposto, as-
sinale a alternativa correta.

a) Embora o Código de Processo Civil de 2015 (Lei Federal nº 13.105/15) contemple a figu-
ra do “processo judicial eletrônico”, não se admite a prática de atos processuais por meio
de videoconferência ou outro recurso tecnológico de transmissão de sons e imagens em
tempo real.

441
b) Se um ato relativo a processo em curso na justiça federal ou em tribunal superior houver
de ser praticado em local onde não haja vara federal, a carta poderá ser dirigida ao juízo
estadual da respectiva comarca.
c) Será expedida carta de ordem para que órgão do Poder Judiciário pratique ou determine
o cumprimento, na área de sua competência territorial, de ato objeto de pedido de coope-
ração judiciária formulado por juízo arbitral, inclusive os que importem efetivação de tute-
la provisória.
d) Quando, por três vezes, o oficial de justiça houver procurado o citando em seu domicílio
ou residência sem o encontrar, deverá, havendo suspeita de ocultação, intimar qualquer
pessoa da família ou, em sua falta, qualquer vizinho de que, no dia útil imediato, voltará a
fim de efetuar a citação, na hora que designar.

Art. 190. Versando o processo sobre direitos que admitam autocomposição, é lícito às partes plena-
mente capazes estipular mudanças no procedimento para ajustá-lo às especificidades da causa e
convencionar sobre os seus ônus, poderes, faculdades e deveres processuais, antes ou durante o
processo.

Parágrafo único. De ofício ou a requerimento, o juiz controlará a validade das convenções previstas
neste artigo, recusando-lhes aplicação somente nos casos de nulidade ou de inserção abusiva em
contrato de adesão ou em que alguma parte se encontre em manifesta situação de vulnerabilidade.

Art. 191. De comum acordo, o juiz e as partes podem fixar calendário para a prática dos atos pro-
cessuais, quando for o caso.

§ 1o O calendário vincula as partes e o juiz, e os prazos nele previstos somente serão modificados
em casos excepcionais, devidamente justificados.

§ 2o Dispensa-se a intimação das partes para a prática de ato processual ou a realização de audiên-
cia cujas datas tiverem sido designadas no calendário.

Art. 319. A petição inicial indicará:

I - o juízo a que é dirigida;

II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a profissão, o número de


inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, o endereço
eletrônico, o domicílio e a residência do autor e do réu;

III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido;

IV - o pedido com as suas especificações;

V - o valor da causa;

VI - as provas com que o autor pretende demonstrar a verdade dos fatos alegados;

442
VII - a opção do autor pela realização ou não de audiência de conciliação ou de mediação.

§ 1o Caso não disponha das informações previstas no inciso II, poderá o autor, na petição inicial, re-
querer ao juiz diligências necessárias a sua obtenção.

§ 2o A petição inicial não será indeferida se, a despeito da falta de informações a que se refere o inci-
so II, for possível a citação do réu.

§ 3o A petição inicial não será indeferida pelo não atendimento ao disposto no inciso II deste artigo se
a obtenção de tais informações tornar impossível ou excessivamente oneroso o acesso à justiça.

Art. 320. A petição inicial será instruída com os documentos indispensáveis à propositura da ação.

Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não preenche os requisitos dos arts. 319 e 320 ou
que apresenta defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, determinará
que o autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a emende ou a complete, indicando com precisão o que
deve ser corrigido ou completado.

Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz indeferirá a petição inicial.

Art. 351. Se o réu alegar qualquer das matérias enumeradas no art. 337, o juiz determinará a oitiva
do autor no prazo de 15 (quinze) dias, permitindo-lhe a produção de prova.

Art. 352. Verificando a existência de irregularidades ou de vícios sanáveis, o juiz determinará sua
correção em prazo nunca superior a 30 (trinta) dias.

Art. 353. Cumpridas as providências preliminares ou não havendo necessidade delas, o juiz proferirá
julgamento conforme o estado do processo, observando o que dispõe o Capítulo X.

DA ORDEM DOS PROCESSOS NO TRIBUNAL

Art. 929. Os autos serão registrados no protocolo do tribunal no dia de sua entrada, cabendo à se-
cretaria ordená-los, com imediata distribuição.

Parágrafo único. A critério do tribunal, os serviços de protocolo poderão ser descentralizados, medi-
ante delegação a ofícios de justiça de primeiro grau.

Art. 930. Far-se-á a distribuição de acordo com o regimento interno do tribunal, observando-se a
alternatividade, o sorteio eletrônico e a publicidade.

Parágrafo único. O primeiro recurso protocolado no tribunal tornará prevento o relator para eventual
recurso subsequente interposto no mesmo processo ou em processo conexo.

Art. 931. Distribuídos, os autos serão imediatamente conclusos ao relator, que, em 30 (trinta) dias,
depois de elaborar o voto, restituí-los-á, com relatório, à secretaria.

Art. 932. Incumbe ao relator:

I - dirigir e ordenar o processo no tribunal, inclusive em relação à produção de prova, bem como,
quando for o caso, homologar autocomposição das partes;

443
II - apreciar o pedido de tutela provisória nos recursos e nos processos de competência originária do
tribunal;

III - não conhecer de recurso inadmissível, prejudicado ou que não tenha impugnado especificamente
os fundamentos da decisão recorrida;

IV - negar provimento a recurso que for contrário a:

a) súmula do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça ou do próprio tribunal;

b) acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julga-
mento de recursos repetitivos;

c) entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de


competência;

V - depois de facultada a apresentação de contrarrazões, dar provimento ao recurso se a decisão


recorrida for contrária a:

a) súmula do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça ou do próprio tribunal;

b) acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça em julga-
mento de recursos repetitivos;

c) entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou de assunção de


competência;

VI - decidir o incidente de desconsideração da personalidade jurídica, quando este for instaurado


originariamente perante o tribunal;

VII - determinar a intimação do Ministério Público, quando for o caso;

VIII - exercer outras atribuições estabelecidas no regimento interno do tribunal.

Parágrafo único. Antes de considerar inadmissível o recurso, o relator concederá o prazo de 5 (cinco)
dias ao recorrente para que seja sanado vício ou complementada a documentação exigível.

4. Ano: 2017 Banca: CONSULPLAN Órgão: TRF - 2ª REGIÃO - Técnico Judiciário.

O Código de Processo Civil de 2015 (Lei Federal nº 13.105/15) buscou combater o excesso
de formalismo que existia nos diplomas processuais que o precederam, corroborando a má-
xima doutrinária de que “o processo não é um fim em si mesmo”. Sobre o tema, assinale a
alternativa correta.

444
a) Podem as partes, independentemente da aquiescência do juiz da causa, fixar calendário
para a prática de atos processuais.
b) Antes de considerar inadmissível o recurso, o relator concederá o prazo de 5 (cinco) dias
ao recorrente para que seja sanado vício ou complementada a documentação exigível.
c) Caso verifique a ocorrência de vícios sanáveis ou de irregularidades no processo, o juiz
determinará sua correção em prazo nunca superior a dez dias.
d) Verificando que a petição inicial não preenche os requisitos legais ou que apresenta de-
feitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de mérito, o juiz deverá indefe-
ri-la e extinguir o processo sem resolução do mérito.

DO MINISTÉRIO PÚBLICO

Art. 176. O Ministério Público atuará na defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos inte-
resses e direitos sociais e individuais indisponíveis.

Art. 177. O Ministério Público exercerá o direito de ação em conformidade com suas atribuições
constitucionais.

Art. 178. O Ministério Público será intimado para, no prazo de 30 (trinta) dias, intervir como fiscal da
ordem jurídica nas hipóteses previstas em lei ou na Constituição Federal e nos processos que envol-
vam:

I - interesse público ou social;

II - interesse de incapaz;

III - litígios coletivos pela posse de terra rural ou urbana.

Parágrafo único. A participação da Fazenda Pública não configura, por si só, hipótese de interven-
ção do Ministério Público.

Art. 179. Nos casos de intervenção como fiscal da ordem jurídica, o Ministério Público:

I - terá vista dos autos depois das partes, sendo intimado de todos os atos do processo;

II - poderá produzir provas, requerer as medidas processuais pertinentes e recorrer.

Art. 180. O Ministério Público gozará de prazo em dobro para manifestar-se nos autos, que terá iní-
cio a partir de sua intimação pessoal, nos termos do art. 183, § 1o.

§ 1o Findo o prazo para manifestação do Ministério Público sem o oferecimento de parecer, o juiz
requisitará os autos e dará andamento ao processo.

§ 2o Não se aplica o benefício da contagem em dobro quando a lei estabelecer, de forma expressa,
prazo próprio para o Ministério Público.

445
Art. 181. O membro do Ministério Público será civil e regressivamente responsável quando agir com
dolo ou fraude no exercício de suas funções.

Art. 188. Os atos e os termos processuais independem de forma determinada, salvo quando a lei
expressamente a exigir, considerando-se válidos os que, realizados de outro modo, lhe preencham a
finalidade essencial.

Art. 189. Os atos processuais são públicos, todavia tramitam em segredo de justiça os processos:

I - em que o exija o interesse público ou social;

II - que versem sobre casamento, separação de corpos, divórcio, separação, união estável, filiação,
alimentos e guarda de crianças e adolescentes;

III - em que constem dados protegidos pelo direito constitucional à intimidade;

IV - que versem sobre arbitragem, inclusive sobre cumprimento de carta arbitral, desde que a confi-
dencialidade estipulada na arbitragem seja comprovada perante o juízo.

§ 1o O direito de consultar os autos de processo que tramite em segredo de justiça e de pedir certi-
dões de seus atos é restrito às partes e aos seus procuradores.

§ 2o O terceiro que demonstrar interesse jurídico pode requerer ao juiz certidão do dispositivo da sen-
tença, bem como de inventário e de partilha resultantes de divórcio ou separação.

Art. 365. A audiência é una e contínua, podendo ser excepcional e justificadamente cindida na au-
sência de perito ou de testemunha, desde que haja concordância das partes.

Parágrafo único. Diante da impossibilidade de realização da instrução, do debate e do julgamento no


mesmo dia, o juiz marcará seu prosseguimento para a data mais próxima possível, em pauta prefe-
rencial.

5. Ano: 2017 Banca: MPE-RS Órgão: MPE-RS - Secretário de Diligências

Assinale a alternativa INCORRETA acerca do Ministério Público e da audiência de instrução


e julgamento, a teor do disposto no Novo Código de Processo Civil.

a) Intervindo nos processos como fiscal da ordem jurídica, o Ministério Público poderá pro-
duzir provas, requerer as medidas processuais pertinentes e recorrer.

446
b) Considerando o princípio da publicidade dos atos processuais, a audiência será sempre
pública.
c) O Ministério Público possui prazo em dobro para manifestação nos autos, não se apli-
cando o benefício da contagem em dobro quando a lei estabelecer, de forma expressa,
prazo próprio para o Ministério Público.
d) A audiência é una e contínua, todavia, havendo concordância das partes, na ausência de
perito ou de testemunha, poderá ser excepcional e justificadamente cindida.
e) O Ministério Público, atuando como fiscal da ordem jurídica, intervirá nos processos que
envolvam litígios coletivos pela posse de terra rural ou urbana.

Art. 236. Os atos processuais serão cumpridos por ordem judicial.

§ 1o Será expedida carta para a prática de atos fora dos limites territoriais do tribunal, da comarca, da
seção ou da subseção judiciárias, ressalvadas as hipóteses previstas em lei.

§ 2o O tribunal poderá expedir carta para juízo a ele vinculado, se o ato houver de se realizar fora dos
limites territoriais do local de sua sede.

§ 3o Admite-se a prática de atos processuais por meio de videoconferência ou outro recurso tecnoló-
gico de transmissão de sons e imagens em tempo real.

Art. 237. Será expedida carta:

I - de ordem, pelo tribunal, na hipótese do § 2o do art. 236;

II - rogatória, para que órgão jurisdicional estrangeiro pratique ato de cooperação jurídica internacio-
nal, relativo a processo em curso perante órgão jurisdicional brasileiro;

III - precatória, para que órgão jurisdicional brasileiro pratique ou determine o cumprimento, na área
de sua competência territorial, de ato relativo a pedido de cooperação judiciária formulado por órgão
jurisdicional de competência territorial diversa;

IV - arbitral, para que órgão do Poder Judiciário pratique ou determine o cumprimento, na área de
sua competência territorial, de ato objeto de pedido de cooperação judiciária formulado por juízo arbi-
tral, inclusive os que importem efetivação de tutela provisória.

Parágrafo único. Se o ato relativo a processo em curso na justiça federal ou em tribunal superior
houver de ser praticado em local onde não haja vara federal, a carta poderá ser dirigida ao juízo es-
tadual da respectiva comarca.

CAPÍTULO II
DA CITAÇÃO

447
54. Ano: 2017 Banca: IBFC Órgão: TJ-PE - Técnico Judiciário - Área Judiciária

A revelia não produz seus efeitos, em especial, o da presunção de veracidade das alega-
ções de fato formuladas pelo autor nas seguintes situações, exceto:

a) O litígio versar sobre direitos indisponíveis.

b) As alegações de fato formuladas pelo autor forem inverossímeis ou estiverem em contra-


dição com prova constante dos autos

c) A procuração não contiver disposição sobre a possibilidade de emenda da petição inicial

d) Havendo pluralidade de réus, algum deles contestar a ação

e) A petição inicial não estiver acompanhada de instrumento que a lei considere indispensá-
vel à prova do ato

Respostas:

41: d 42:b 43:b 44:b 45:c 46:a 47:a


48: d 49:a 50:e 51:a 52:e 53:a 54:c

543
Treino intenso NCPC

Art. 149. São auxiliares da Justiça, além de outros cujas atribuições sejam determinadas
pelas normas de organização judiciária, o escrivão, o chefe de secretaria, o oficial de justiça,
o perito, o depositário, o administrador, o intérprete, o tradutor, o mediador, o conciliador ju-
dicial, o partidor, o distribuidor, o contabilista e o regulador de avarias.

1. - O escrivão, o chefe de secretaria, o oficial de justiça, o perito, o depositário, o


administrador, o intérprete, o tradutor, o mediador, o conciliador judicial, o partidor, o
distribuidor, o contabilista e o regulador de avarias, são considerados:
a) partes do procedimento
b) partes no processo
c) auxiliares da justiça
d) todas as alternativas estão corretas

DOS IMPEDIMENTOS E DA SUSPEIÇÃO

Art. 144. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado exercer suas funções no processo:
I - em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcionou como membro
do Ministério Público ou prestou depoimento como testemunha; II - de que conheceu em
outro grau de jurisdição, tendo proferido decisão; III - quando nele estiver postulando, como
defensor público, advogado ou membro do Ministério Público, seu cônjuge ou companheiro,
ou qualquer parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau,
inclusive; IV - quando for parte no processo ele próprio, seu cônjuge ou companheiro, ou
parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive;

544
V - Quando for sócio ou membro de direção ou de administração de pessoa jurídica parte no
processo;
VI - Quando for herdeiro presuntivo, donatário ou empregador de qualquer das partes;
VII- Em que figure como parte instituição de ensino com a qual tenha relação de emprego ou
decorrente de contrato de prestação de serviços;
VIII - em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, compa-
nheiro ou parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, in-
clusive, mesmo que patrocinado por advogado de outro escritório;
IX - Quando promover ação contra a parte ou seu advogado.

2. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado exercer suas funções no processo:

a) em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcionou como mem-
bro do Ministério Público ou prestou depoimento como testemunha
b) quando nele estiver postulando, como defensor público, advogado ou membro do Minis-
tério Público, seu cônjuge ou companheiro, ou qualquer parente, consanguíneo ou afim,
em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive
c) em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companhei-
ro ou parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, in-
clusive, mesmo que patrocinado por advogado de outro escritório
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 145. Há suspeição do juiz:


I - amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados; II - que receber
presentes de pessoas que tiverem interesse na causa antes ou depois de iniciado o proces-
so, que aconselhar alguma das partes acerca do objeto da causa ou que subministrar meios
para atender às despesas do litígio; III - quando qualquer das partes for sua credora ou de-
vedora, de seu cônjuge ou companheiro ou de parentes destes, em linha reta até o terceiro
grau, inclusive; IV - interessado no julgamento do processo em favor de qualquer das par-
tes.

3. Há suspeição do juiz:

a) amigo íntimo ou inimigo de qualquer das partes ou de seus advogados


b) que receber presentes de pessoas que tiverem interesse na causa antes ou depois de
iniciado o processo, que aconselhar alguma das partes acerca do objeto da causa ou que
subministrar meios para atender às despesas do litígio
c) quando qualquer das partes for sua credora ou devedora, de seu cônjuge

545
d) ou companheiro ou de parentes destes, em linha reta até o terceiro grau, inclusive
e) todas as alternativas estão corretas

art.153 - § 1o A lista de processos recebidos deverá ser disponibilizada, de forma permanen-


te, para consulta pública.

4. A lista de processos recebidos deverá ser disponibilizada, de forma permanente,


para:
a) conferência prévia
b) consulta pública
c) consulta exclusiva de advogados com procuração
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 147. Quando 2 (dois) ou mais juízes forem parentes, consanguíneos ou afins, em linha
reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive, o primeiro que conhecer do processo impede
que o outro nele atue, caso em que o segundo se escusará, remetendo os autos ao seu
substituto legal.

5. Quando 2 (dois) ou mais juízes forem parentes, consanguíneos ou afins, em linha


reta ou colateral, até o terceiro grau, inclusive, o primeiro que conhecer do processo
impede que o outro nele atue, caso em que o segundo se escusará, remetendo os au-
tos ao:

a) seu substituto legal


b) seu superior hierárquico
c) Tribunal de Justiça
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 467. O perito pode escusar-se ou ser recusado por impedimento ou suspeição. Pará-
grafo único. O juiz, ao aceitar a escusa ou ao julgar procedente a impugnação, nomeará no-
vo perito.

546
281. C
282. B
283. C
284. D
285. A
286. C
287. D
288. B
289. A
290. D
291. D
292. D
293. A
294. C
295. D
296. B
297. B
298. C
299. A
300. D
301. B
302. C
303. D
304. B

699
REVISAÇO – Legislção em Áudio

700
701
Vade Mecum – Novo CPC

DIREITO PROCESSUAL CIVIL: Código de Processo Civil - com


as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 144 a
155; 188 a 275; 294 a 311 e do 318 a 538; 994 a 1026.

LEI Nº 13.105, DE 16 DE MARÇO DE 2015.


Código de Processo Civil.
CAPÍTULO II

DOS IMPEDIMENTOS E DA SUSPEIÇÃO

Art. 144. Há impedimento do juiz, sendo-lhe vedado exercer suas funções no processo:

I - em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcionou como membro
do Ministério Público ou prestou depoimento como testemunha;
702
DIREITO PROCESSUAL PENAL: CÓDIGO DE PRO-
CESSO PENAL - COM AS ALTERAÇÕES VIGENTES
ATÉ A PUBLICAÇÃO DO EDITAL - ARTIGOS 251 A
258; 261 A 267; 274; 351 A 372; 394 A 497; 531 A
538; 541 A 548; 574 A 667

Art. 251. Ao juiz incumbirá prover à regularidade do processo e manter a ordem no curso
dos respectivos atos, podendo, para tal fim, requisitar a força pública.
Art. 252. O juiz não poderá exercer jurisdição no processo em que:
I - tiver funcionado seu cônjuge ou parente, consangüíneo ou afim, em linha reta ou
colateral até o terceiro grau, inclusive, como defensor ou advogado, órgão do Ministério Pú-
blico, autoridade policial, auxiliar da justiça ou perito;
II - ele próprio houver desempenhado qualquer dessas funções ou servido como teste-
munha;
III - tiver funcionado como juiz de outra instância, pronunciando-se, de fato ou de direi-
to, sobre a questão;
IV - ele próprio ou seu cônjuge ou parente, consangüíneo ou afim em linha reta ou cola-
teral até o terceiro grau, inclusive, for parte ou diretamente interessado no feito.
Art. 253. Nos juízos coletivos, não poderão servir no mesmo processo os juízes que
forem entre si parentes, consangüíneos ou afins, em linha reta ou colateral até o terceiro
grau, inclusive.
Art. 254. O juiz dar-se-á por suspeito, e, se não o fizer, poderá ser recusado por qual-
quer das partes:
I - se for amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer deles;
II - se ele, seu cônjuge, ascendente ou descendente, estiver respondendo a processo
por fato análogo, sobre cujo caráter criminoso haja controvérsia;
III - se ele, seu cônjuge, ou parente, consangüíneo, ou afim, até o terceiro grau, inclusi-
ve, sustentar demanda ou responder a processo que tenha de ser julgado por qualquer das
partes;
IV - se tiver aconselhado qualquer das partes;
V - se for credor ou devedor, tutor ou curador, de qualquer das partes;
Vl - se for sócio, acionista ou administrador de sociedade interessada no processo.
Art. 255. O impedimento ou suspeição decorrente de parentesco por afinidade cessará
pela dissolução do casamento que Ihe tiver dado causa, salvo sobrevindo descendentes;
mas, ainda que dissolvido o casamento sem descendentes, não funcionará como juiz o so-
gro, o padrasto, o cunhado, o genro ou enteado de quem for parte no processo.
Art. 256. A suspeição não poderá ser declarada nem reconhecida, quando a parte inju-
riar o juiz ou de propósito der motivo para criá-la.

798
Ano: 2017-Concurso Escrevente Téc. Judiciário - TJ-SP - VUNESP

Nos exatos termos do art. 253 do CPP, nos juízos coletivos, não poderão servir no mesmo
processo os juízes que forem entre si parentes,

a) consanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral até o quarto grau, inclusive.


b) consanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral até o terceiro grau, inclusive, bem
como amigos íntimos.
c)consanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral até o terceiro grau, inclusive, bem co-
mo amigos íntimos ou inimigos capitais.
d) consanguíneos, excluídos os parentes afins.
e) consanguíneos ou afins, em linha reta ou colateral até o terceiro grau, inclusive.

Art. 259. A impossibilidade de identificação do acusado com o seu verdadeiro nome ou


outros qualificativos não retardará a ação penal, quando certa a identidade física. A
qualquer tempo, no curso do processo, do julgamento ou da execução da sentença, se
for descoberta a sua qualificação, far-se-á a retificação, por termo, nos autos, sem pre-
juízo da validade dos atos precedentes.
Art. 260. Se o acusado não atender à intimação para o interrogatório, reconhecimento
ou qualquer outro ato que, sem ele, não possa ser realizado, a autoridade poderá man-
dar conduzi-lo à sua presença.
Parágrafo único. O mandado conterá, além da ordem de condução, os requisitos men-
cionados no art. 352, no que Ihe for aplicável.
Art. 261. Nenhum acusado, ainda que ausente ou foragido, será processado ou julgado
sem defensor.
Parágrafo único. A defesa técnica, quando realizada por defensor público ou dativo,
será sempre exercida através de manifestação fundamentada. (Incluído pela Lei
nº 10.792, de 1º.12.2003)
Art. 262. Ao acusado menor dar-se-á curador.
Art. 263. Se o acusado não o tiver, ser-lhe-á nomeado defensor pelo juiz, ressalvado o
seu direito de, a todo tempo, nomear outro de sua confiança, ou a si mesmo defender-
se, caso tenha habilitação.
Parágrafo único. O acusado, que não for pobre, será obrigado a pagar os honorários
do defensor dativo, arbitrados pelo juiz.
Art. 264. Salvo motivo relevante, os advogados e solicitadores serão obrigados, sob
pena de multa de cem a quinhentos mil-réis, a prestar seu patrocínio aos acusados,
quando nomeados pelo Juiz.
Art. 265. O defensor não poderá abandonar o processo senão por motivo imperioso,
comunicado previamente o juiz, sob pena de multa de 10 (dez) a 100 (cem) salários

799
mínimos, sem prejuízo das demais sanções cabíveis. (Redação dada pela Lei nº
11.719, de 2008).
§ 1o A audiência poderá ser adiada se, por motivo justificado, o defensor não puder
comparecer. (Incluído pela Lei nº 11.719, de 2008).
§ 2o Incumbe ao defensor provar o impedimento até a abertura da audiência. Não o
fazendo, o juiz não determinará o adiamento de ato algum do processo, devendo no-
mear defensor substituto, ainda que provisoriamente ou só para o efeito do
ato. (Incluído pela Lei nº 11.719, de 2008).
Art. 266. A constituição de defensor independerá de instrumento de mandato, se o
acusado o indicar por ocasião do interrogatório.
Art. 267. Nos termos do art. 252, não funcionarão como defensores os parentes do
juiz.

Ano: 2017 - Concurso Escrevente Téc. Judiciário - TJ-SP - VUNESP

Determina o art. 261 do CPP que

a) nenhum acusado, com exceção do foragido, será processado ou julgado sem defensor.
b) salvo nos processos contravencionais e nos de rito sumaríssimo, nenhum acusado será
processado ou julgado sem defensor.
c)salvo nos casos de força maior, nenhum acusado, ainda que ausente ou foragido, será
processado ou julgado sem defensor.
d) nenhum acusado, ainda que ausente ou foragido, será processado ou julgado sem de-
fensor.
e) nenhum acusado, com exceção do revel, será processado ou julgado sem defensor.

Art. 351. A citação inicial far-se-á por mandado, quando o réu estiver no território sujei-
to à jurisdição do juiz que a houver ordenado.
Art. 352. O mandado de citação indicará:
I - o nome do juiz;
II - o nome do querelante nas ações iniciadas por queixa;
III - o nome do réu, ou, se for desconhecido, os seus sinais característicos;
IV - a residência do réu, se for conhecida;
V - o fim para que é feita a citação;

800
VI - o juízo e o lugar, o dia e a hora em que o réu deverá comparecer;
VII - a subscrição do escrivão e a rubrica do juiz.
Art. 353. Quando o réu estiver fora do território da jurisdição do juiz processan- te,
será citado mediante precatória.
Art. 354. A precatória indicará:
I - o juiz deprecado e o juiz deprecante;
II - a sede da jurisdição de um e de outro;
Ill - o fim para que é feita a citação, com todas as especificações;
IV - o juízo do lugar, o dia e a hora em que o réu deverá comparecer.
Art. 355. A precatória será devolvida ao juiz deprecante, independentemente de trasla-
do, depois de lançado o "cumpra-se" e de feita a citação por mandado do juiz depreca-
do.
§ 1o Verificado que o réu se encontra em território sujeito à jurisdição de outro juiz, a
este remeterá o juiz deprecado os autos para efetivação da diligência, desde que haja
tempo para fazer-se a citação.
§ 2o Certificado pelo oficial de justiça que o réu se oculta para não ser citado, a preca-
tória será imediatamente devolvida, para o fim previsto no art. 362.
Art. 356. Se houver urgência, a precatória, que conterá em resumo os requisitos enu-
merados no art. 354, poderá ser expedida por via telegráfica, depois de reconhecida a
firma do juiz, o que a estação expedidora mencionará.

Ano: 2017 - Concurso Escrevente Téc. Judiciário - TJ-SP - VUNESP

Estabelece o CPP em seu art. 353 que, quando o réu estiver fora do território da jurisdição
do juiz processante, será citado mediante

a) precatória.
b) carta com aviso de recebimento, “de mão própria”.
c)edital.
d) videoconferência.
e) qualquer meio que o juiz entenda idôneo.

Art. 397. Após o cumprimento do disposto no art. 396-A, e parágrafos, deste Código, o
juiz deverá absolver sumariamente o acusado quando verificar: (Redação dada
pela Lei nº 11.719, de 2008).
I - a existência manifesta de causa excludente da ilicitude do fato; (Incluído pela
Lei nº 11.719, de 2008).
II - a existência manifesta de causa excludente da culpabilidade do agente, salvo inim-
putabilidade; (Incluído pela Lei nº 11.719, de 2008).

801
Parágrafo único. Dos atos praticados em audiência considerar-se-ão desde logo cientes
as partes, os interessados e defensores.
Art. 68. Do ato de intimação do autor do fato e do mandado de citação do acusado,
constará a necessidade de seu comparecimento acompanhado de advogado, com a adver-
tência de que, na sua falta, ser-lhe-á designado defensor público.

Ano: 2006- Concurso Escrevente Téc. Judiciário - TJ-SP - VUNESP

A Lei n.º 9.099/95, que instituiu os Juizados Especiais Criminais, determina, com relação aos
atos processuais, que

a) sua prática em outras comarcas poderá ser solicitada por qualquer meio idôneo de co-
municação, exceto por correspondência eletrônica.
b) atendidos os critérios estabelecidos em lei, serão válidos sempre que preencherem as
finalidades para as quais forem realizados.
c)não é necessário tenha havido prejuízo para que se pronuncie nulidade.
d) os considerados essenciais serão gravados em fita magnética ou equivalente, dispensa-
das as notas manuscritas, datilografadas, taquigrafadas ou estenotipadas.
e) não poderão ser realizados em horário noturno.

847
REVISAÇO – Legislação em áudio

848
Vade Mecum - Processo Penal

DIREITO PROCESSUAL PENAL: Código de Processo Penal -


com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos
251 a 258; 261 a 267; 274; 351 a 372; 394 a 497; 531 a 538; 541 a
548; 574 a 667

TÍTULO VIII

DO JUIZ, DO MINISTÉRIO PÚBLICO, DO ACUSADO E DEFENSOR,

DOS ASSISTENTES E AUXILIARES DA JUSTIÇA.

CAPÍTULO I.

DO JUIZ.

849
LEI Nº 9.099 DE 26.09.1995 (ARTIGOS 3º AO 19) E
(ARTIGOS 60 A 83; 88 E 89).

895
Art. 62. O processo perante o Juizado Especial orientar-se-á pelos critérios da oralidade, informalidade, eco-
nomia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e
a aplicação de pena não privativa de liberdade.

Macete:
Jecrim = C E I O (Celeridade, Economia Processual, Informalidade e Oralidade)
JEC = C E I O S (Celeridade, Economia Processual, Informalidade, Oralidade e Simplicidade)

Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

O processo perante o Juizado Especial Criminal objetiva, sempre que possível, a reparação
dos danos sofridos pela vítima e a aplicação de pena não privativa de liberdade.

Nos literais e exatos termos do art. 62 da Lei n° 9.099/95, são critérios que orientam o pro-
cesso no Juizado Especial Criminal:

a) oralidade, informalidade, economia processual e celeridade.


b) boa-fé, objetividade, economia processual e celeridade.
c) oralidade, objetividade, economia processual e publicidade.
d) oralidade, informalidade, objetividade e celeridade.
e) oralidade, instrumentalidade, economia processual e celeridade.

Art. 60. O Juizado Especial Criminal, provido por juízes togados ou togados e leigos, tem competência para a
conciliação, o julgamento e a execução das infrações penais de menor potencial ofensivo, respeitadas as re-
gras de conexão e continência.

896
- Ano: 2017 Banca: FCCÓrgão: TRT - 24ª REGIÃO (MS)Prova: Técnico Judiciário –
Segurança.

De acordo com a Lei n° 9.099/1995, uma vez respeitadas as regras de conexão e continên-
cia, o Juizado competente para a conciliação, o julgamento e a execução das infrações pe-
nais de menor potencial ofensivo é denominado

a) Especial Civil, provido somente por juízes togados.

b) Comum, provido somente por juízes togados.

c) de Pequenas Causas, provido somente por juízes togados e leigos.

d) Especial Criminal, provido por juízes togados ou togados e leigos.

e) Comum, provido somente por juízes togados e leigos.

Art. 60. O Juizado Especial Criminal, provido por juízes togados ou togados e leigos, tem competência para a
conciliação, o julgamento e a execução das infrações penais de menor potencial ofensivo, respeitadas as re-
gras de conexão e continência. (Redação dada pela Lei nº 11.313, de 2006)

Parágrafo único. Na reunião de processos, perante o juízo comum ou o tribunal do júri, decorrentes da
aplicação das regras de conexão e continência, observar-se-ão os institutos da transação penal e da composi-
ção dos danos civis. (Incluído pela Lei nº 11.313, de 2006)

Art. 61. Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para os efeitos desta Lei, as con-
travenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não
com multa. (Redação dada pela Lei nº 11.313, de 2006)

Art. 62. O processo perante o Juizado Especial orientar-se-á pelos critérios da oralida-
de, informalidade, economia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a
reparação dos danos sofridos pela vítima e a aplicação de pena não privativa de liberdade.

Art. 82. Da decisão de rejeição da denúncia ou queixa e da sentença caberá apelação, que
poderá ser julgada por turma composta de três Juízes em exercício no primeiro grau de ju-
risdição, reunidos na sede do Juizado.

897
§ 1º A apelação será interposta no prazo de dez dias, contados da ciência da sentença
pelo Ministério Público, pelo réu e seu defensor, por petição escrita, da qual constarão as
razões e o pedido do recorrente.

§ 2º O recorrido será intimado para oferecer resposta escrita no prazo de dez dias.

§ 3º As partes poderão requerer a transcrição da gravação da fita magnética a que alu-


de o § 3º do art. 65 desta Lei.

§ 4º As partes serão intimadas da data da sessão de julgamento pela imprensa.

§ 5º Se a sentença for confirmada pelos próprios fundamentos, a súmula do julgamento


servirá de acórdão.

Art. 89. Nos crimes em que a pena mínima cominada for igual ou inferior a um ano, abrangi-
das ou não por esta Lei, o Ministério Público, ao oferecer a denúncia, poderá propor a sus-
pensão do processo, por dois a quatro anos, desde que o acusado não esteja sendo proces-
sado ou não tenha sido condenado por outro crime, presentes os demais requisitos que au-
torizariam a suspensão condicional da pena (art. 77 do Código Penal).

§ 1º Aceita a proposta pelo acusado e seu defensor, na presença do Juiz, este, rece-
bendo a denúncia, poderá suspender o processo, submetendo o acusado a período de pro-
va, sob as seguintes condições:

I - reparação do dano, salvo impossibilidade de fazê-lo;

II - proibição de freqüentar determinados lugares;

III - proibição de ausentar-se da comarca onde reside, sem autorização do Juiz;

IV - comparecimento pessoal e obrigatório a juízo, mensalmente, para informar e justifi-


car suas atividades.

§ 2º O Juiz poderá especificar outras condições a que fica subordinada a suspensão,


desde que adequadas ao fato e à situação pessoal do acusado.

§ 3º A suspensão será revogada se, no curso do prazo, o beneficiário vier a ser proces-
sado por outro crime ou não efetuar, sem motivo justificado, a reparação do dano.

§ 4º A suspensão poderá ser revogada se o acusado vier a ser processado, no curso


do prazo, por contravenção, ou descumprir qualquer outra condição imposta.

§ 5º Expirado o prazo sem revogação, o Juiz declarará extinta a punibilidade.

§ 6º Não correrá a prescrição durante o prazo de suspensão do processo.

§ 7º Se o acusado não aceitar a proposta prevista neste artigo, o processo prosseguirá


em seus ulteriores termos.

898
Ano: 2017 Banca: MPE-RSÓrgão: MPE-RS - Prova : Secretário de Diligências

Ao dispor sobre os Juizados Especiais Criminais, a Lei nº 9.099/95 estabelece que

a) são consideradas infrações penais de menor potencial ofensivo, os crimes a que a lei co-
mine pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não com multa, excetuadas as
contravenções penais.

b) caberá a suspensão do processo, por 2 (dois) a 4 (quatro) anos, nos crimes em que a pe-
na mínima cominada for igual ou inferior a 1 (um) ano, desde que o acusado não esteja sen-
do processado ou não tenha sido condenado por outro crime, presentes os demais requisi-
tos que autorizariam a suspensão condicional da pena.

c) se determina a competência do Juizado Especial Criminal pelo local do domicílio ou da


residência do réu.

d) não constitui causa para a revogação da suspensão do processo a ausência de reparação


do dano, sem motivo justificado.

e) caberá apelação da decisão de rejeição da denúncia ou queixa e da sentença, no prazo


de 15 (quinze) dias, contados da ciência da sentença pelo Ministério Público, pelo réu e seu
defensor.

Art. 62. O processo perante o Juizado Especial orientar-se-á pelos critérios da oralidade, informalidade, eco-
nomia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e
a aplicação de pena não privativa de liberdade.

899
Ano: 2017 Banca: MPE-RSÓrgão: MPE-RS - Prova : Secretário de diligências

Conforme preceitua o artigo 62 da Lei nº 9.099/95, o processo perante o Juizado Especial


Criminal orientar-se-á, dentre outros, pelos seguintes critérios:

a) oralidade e formalidade.

b) fungibilidade e economia processual.

c) informalidade e moralidade.

d) impessoalidade e economia processual.

e) economia processual e celeridade.

CPP
Art. 394. O procedimento será comum ou especial. (Redação dada pela Lei nº 11.719, de 2008).
§ 1º - O procedimento comum será ordinário, sumário ou sumaríssimo: (Incluído pela Lei nº 11.719,
de 2008).
I - ordinário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada for igual ou superior a 4
(quatro) anos de pena privativa de liberdade; (Incluído pela Lei nº 11.719, de 2008).
II - sumário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada seja inferior a 4 (quatro)
anos de pena privativa de liberdade; (Incluído pela Lei nº 11.719, de 2008).
III - sumaríssimo, para as infrações penais de menor potencial ofensivo, na forma da lei.

Lei 9.099/95, Art. 61. Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para os efeitos
desta Lei, as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2
(dois) anos, cumulada ou não com multa.

900
Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJM-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Assinale a alternativa correta no que diz respeito ao procedimento comum dos processos em
espécie, consoante disposições do Código de Processo Penal.

a) Ordinário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada for igual ou supe-
rior a 2 (dois) anos de pena privativa de liberdade.

b) Sumário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada seja inferior a 4
(quatro) anos de pena privativa de liberdade.

c) Sumário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada seja inferior a 5
(cinco) anos de pena privativa de liberdade.

d) Sumaríssimo, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada seja inferior a
3 (três) anos de pena privativa de liberdade.

e) Ordinário, quando tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada for igual ou supe-
rior a 3 (três) anos de pena privativa de liberdade.

Art. 61. Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para os efeitos desta Lei, as contraven-
ções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não com
multa.

no: 2016 Banca: FCCÓrgão: AL-MS - Agente de Polícia Legislativo

Considere as infrações penais e as penas privativas de liberdade previstas:

I Dano ao patrimônio público − pena de detenção de 3 meses a 3 anos e multa.


II Desacato − pena de detenção de 6 meses a 2 anos de multa.
III Lesão corporal − pena de detenção de 6 meses a 1 ano.

901
IV Resistência − pena de detenção de 2 meses a 2 anos.
A Lei no 9.099/1995 considera infração penal de menor potencial ofensivo o que consta

APENAS em

a) II, III e IV.


b) III.
c) I, II e III.
d) I e IV.
e) I, II e IV.

Art. 62. O processo perante o Juizado Especial orientar-se-á pelos critérios da oralidade, informalidade, eco-
nomia processual e celeridade, objetivando, sempre que possível, a reparação dos danos sofridos pela vítima e
a aplicação de pena não privativa de liberdade.

Ano: 2016 Banca: UFMTÓrgão: TJ-MT - Técnico Judiciário

Dispõe a Lei n.º 9.099, de 26 de setembro de 1995, Juizado Especial Criminal, que NÃO é
critério de orientação processual no Juizado Especial Criminal:

a) A oralidade.
b) A formalidade.
c) A celeridade.
d) A economia processual.

Art. 61. Consideram-se infrações penais de menor potencial ofensivo, para os efeitos desta Lei, as contraven-
ções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2 (dois) anos, cumulada ou não com
multa.

902
REVISAÇO- Legislação em áudio

951
952
Vade Mecum – Lei nº 9099

Lei nº 9.099 de 26.09.1995 (artigos 3º ao 19) e (artigos 60 a 83;


88 e 89).

LEI Nº 9.099, DE 26 DE SETEMBRO DE 1995.

Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais e dá outras providências.

CAPÍTULO I

Disposições Gerais

Art. 1º Os Juizados Especiais Cíveis e Criminais, órgãos da Justiça Ordinária, serão


criados pela União, no Distrito Federal e nos Territórios, e pelos Estados, para conciliação,
processo, julgamento e execução, nas causas de sua competência.

Art. 2º O processo orientar-se-á pelos critérios da oralidade, simplicidade, informalida-


de, economia processual e celeridade, buscando, sempre que possível, a conciliação ou a
transação.

Capítulo II

953
ESTATUTO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS CIVIS
DO ESTADO DE SÃO PAULO (LEI N.º 10.261/68) -
ARTIGOS 239 A 323;

Das Proibições

Artigo 242 - Ao funcionário é proibido:


I - Revogado.
- Inciso I revogado pela Lei Complementar nº 1.096, de 24/09/2009.

968
II - retirar, sem prévia permissão da autoridade competente, qualquer documento ou objeto
existente na repartição;
III - entreter-se, durante as horas de trabalho, em palestras, leituras ou outras atividades
estranhas ao serviço;
IV - deixar de comparecer ao serviço sem causa justificada;
V - tratar de interesses particulares na repartição;
VI - promover manifestações de apreço ou desapreço dentro da repartição, ou tornar-se so-
lidário com elas;
VII - exercer comércio entre os companheiros de serviço, promover ou subscrever listas de
donativos dentro da repartição; e
VIII - empregar material do serviço público em serviço particular.
Artigo 243 - É proibido ainda, ao funcionário:
I - fazer contratos de natureza comercial e industrial com o Governo, por si, ou como repre-
sentante de outrem;
II - participar da gerência ou administração de empresas bancárias ou industriais, ou de so-
ciedades comerciais, que mantenham relações comerciais ou administrativas com o Gover-
no do Estado, sejam por este subvencionadas ou estejam diretamente relacionadas com a
finalidade da repartição ou serviço em que esteja lotado;
III - requerer ou promover a concessão de privilégios, garantias de juros ou outros favores
semelhantes, federais, estaduais ou municipais, exceto privilégio de invenção própria;
IV - exercer, mesmo fora das horas de trabalho, emprego ou função em empresas, estabe-
lecimentos ou instituições que tenham relações com o Governo, em matéria que se relacione
com a finalidade da repartição ou serviço em que esteja lotado;
V - aceitar representação de Estado estrangeiro, sem autorização do Presidente da Repúbli-
ca;
VI - comerciar ou ter parte em sociedades comerciais nas condições mencionadas no item II
deste artigo, podendo, em qualquer caso, ser acionista, quotista ou comanditário;
VII - incitar greves ou a elas aderir, ou praticar atos de sabotagem contra o serviço público;
VIII - praticar a usura;
IX - constituir-se procurador de partes ou servir de intermediário perante qualquer repartição
pública, exceto quando se tratar de interesse de cônjuge ou parente até segundo grau;
X - receber estipêndios de firmas fornecedoras ou de entidades fiscalizadas, no País, ou no
estrangeiro, mesmo quando estiver em missão referente à compra de material ou fiscaliza-
ção de qualquer natureza;
XI - valer-se de sua qualidade de funcionário para desempenhar atividade estranha às fun-
ções ou para lograr, direta ou indiretamente, qualquer proveito; e
XII - fundar sindicato de funcionários ou deles fazer parte.
Parágrafo único — Não está compreendida na proibição dos itens II e VI deste artigo, a par-
ticipação do funcionário em sociedades em que o Estado seja acionista, bem assim na dire-
ção ou gerência de cooperativas e associações de classe, ou como seu sócio.
Artigo 244 - É vedado ao funcionário trabalhar sob as ordens imediatas de parentes, até se-
gundo grau, salvo quando se tratar de função de confiança e livre escolha, não podendo ex-
ceder a 2 (dois) o número de auxiliares nessas condições.

969
- Ano: 2017 - Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Escrevente Técnico Judiciário apresenta recurso de multa de trânsito, recebida por seu es-
poso, perante o Departamento de Trânsito do Estado de São Paulo – DETRAN.

De acordo com o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de São Paulo, a con-
duta descrita é

a) permitida, pois o funcionário pode, excepcionalmente, ser procurador ou servir de inter-


mediário perante qualquer repartição pública, quando se tratar de interesse de cônjuge ou
parente até segundo grau.

b) proibida, pois ao funcionário público é vedado peticionar perante qualquer repartição


pública, não podendo requerer, representar, pedir reconsideração ou recorrer de decisões,
ainda que em nome próprio.

c)proibida, pois o funcionário público pode exercer o direito de petição perante quaisquer
repartições públicas, mas somente em nome próprio, não podendo representar terceiros.

d) indiferente ao Estatuto, que nada prevê em relação à possibilidade do funcionário públi-


co peticionar, em nome próprio ou de terceiros, perante repartições públicas.

e) permitida, pois o Estatuto expressamente permite que o funcionário público exerça o di-
reito de petição em nome próprio ou de qualquer terceiro.

Artigo 241 - São deveres do funcionário:


I - ser assíduo e pontual;
II - cumprir as ordens superiores, representando quando forem manifestamente ilegais;
III - desempenhar com zelo e presteza os trabalhos de que for incumbido;
IV - guardar sigilo sobre os assuntos da repartição e, especialmente, sobre despachos, deci-
sões ou providências;
V - representar aos superiores sobre todas as irregularidades de que tiver conhecimento no
exercício de suas funções;
VI - tratar com urbanidade as pessoas; (NR)
- Inciso VI com redação dada pela Lei Complementar nº 1.096, de 24/09/2009.
VII - residir no local onde exerce o cargo ou, onde autorizado;
VIII - providenciar para que esteja sempre em ordem, no assentamento individual, a sua de-
claração de família;
IX - zelar pela economia do material do Estado e pela conservação do que for confiado à sua
guarda ou utilização;

970
X - apresentar -se convenientemente trajado em serviço ou com uniforme determinado,
quando for o caso;
XI - atender prontamente, com preferência sobre qualquer outro serviço, às requisições de
papéis, documentos, informações ou providências que lhe forem feitas pelas autoridades
judiciárias ou administrativas, para defesa do Estado, em Juízo;
XII - cooperar e manter espírito de solidariedade com os companheiros de trabalho,
XIII - estar em dia com as leis, regulamentos, regimentos, instruções e ordens de serviço
que digam respeito às suas funções; e
XIV - proceder na vida pública e privada na forma que dignifique a função pública.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Dentre os deveres estabelecidos pelo Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de
São Paulo, encontra-se previsto expressamente o dever de

a) levar as irregularidades de que tiver ciência em razão do cargo ao conhecimento da pri-


meira autoridade com a qual tiver contato.

b) prestar, ao público em geral, as informações requeridas no prazo máximo de 48 (quaren-


ta e oito) horas.

c)estar em dia com as leis, regulamentos, regimentos, instruções e ordens de serviço que
digam respeito às suas funções.

d) atender com urgência e preferência à expedição de certidões requeridas para defesa de


direito ou para esclarecimento de situações de interesse pessoal.

e) cumprir as ordens superiores, mesmo quando manifestamente ilegais, cabendo, nesse


caso, todavia, representar contra elas.

Das Responsabilidades

Artigo 245 - O funcionário é responsável por todos os prejuízos que, nessa qualidade, cau-
sar à Fazenda Estadual, por dolo ou culpa, devidamente apurados.
Parágrafo único - Caracteriza-se especialmente a responsabilidade:
I - pela sonegação de valores e objetos confiados à sua guarda ou responsabilidade, ou por
não prestar contas, ou por não as tomar, na forma e no prazo estabelecidos nas leis, regu-
lamentos, regimentos, instruções e ordens de serviço;
II - pelas faltas, danos, avarias e quaisquer outros prejuízos que sofrerem os bens e os ma-

971
teriais sob sua guarda, ou sujeitos a seu exame ou fiscalização;
III - pela falta ou inexatidão das necessárias averbações nas notas de despacho, guias e
outros documentos da receita, ou que tenham com eles relação; e
IV - por qualquer erro de cálculo ou redução contra a Fazenda Estadual.
Artigo 246 - O funcionário que adquirir materiais em desacordo com disposições legais e
regulamentares será responsabilizado pelo respectivo custo, sem prejuízo das penalidades
disciplinares cabíveis, podendo-se proceder ao desconto no seu vencimento ou remunera-
ção.
Artigo 247 - Nos casos de indenização à Fazenda Estadual, o funcionário será obrigado a
repor, de uma só vez, a importância do prejuízo causado em virtude de alcance, desfalque,
remissão ou omissão em efetuar recolhimento ou entrada nos prazos legais.
Artigo 248 - Fora dos casos incluídos no artigo anterior, a importância da indenização pode-
rá ser descontada do vencimento ou remuneração não excedendo o desconto à 10ª (déci-
ma) parte do valor destes.
Parágrafo único - No caso do item IV do parágrafo único do artigo 245, não tendo havido
má-fé, será aplicada a pena de repreensão e, na reincidência, a de suspensão.
Artigo 249 - Será igualmente responsabilizado o funcionário que, fora dos casos expressa-
mente previstos nas leis, regulamentos ou regimentos, cometer a pessoas estranhas às re-
partições, o desempenho de encargos que lhe competirem ou aos seus subordinados.
Artigo 250 - A responsabilidade administrativa não exime o funcionário da responsabilidade
civil ou criminal que no caso couber, nem o pagamento da indenização a que ficar obrigado,
na forma dos artigos 247 e 248, o exame da pena disciplinar em que incorrer.

Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

972
Considere a seguinte situação hipotética:

Funcionário público comete erro de cálculo, o que leva ao recolhimento de valor menor do
que o devido para a Fazenda Pública Estadual. A responsabilização prescrita pelo Estatuto
dos Funcionários Públicos Civis do Estado de

São Paulo, nesse caso, determina que

a) o funcionário seja obrigado a repor, de uma só vez, a importância do prejuízo causado,


sem prejuízo das sanções penais cabíveis.
b) haja instauração de processo administrativo disciplinar e, comprovado o prejuízo, seja
aplicada a pena de demissão, independentemente de ter agido o funcionário com má-fé ou
não.
c)seja o caso remetido aos juízos civil e criminal, aguardando a resolução de ambos para
decidir acerca da conduta administrativa cabível.
d) o valor do prejuízo seja apurado e descontado do vencimento ou remuneração mensal,
não excedendo o desconto a 30% (trinta por cento) do valor desses.

e) não tendo havido má-fé, seja aplicada a pena de repreensão e, na reincidência, a de


suspensão.

CAPÍTULO II

Das Providências Preliminares (NR)

- Redação dada pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

Artigo 264 - A autoridade que, por qualquer meio, tiver conhecimento de irregularidade prati-
cada por servidor é obrigada a adotar providências visando à sua imediata apuração, sem
prejuízo das medidas urgentes que o caso exigir. (NR)

- Redação dada pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

Artigo 265 - A autoridade realizará apuração preliminar, de natureza simplesmente investiga-


tiva, quando a infração não estiver suficientemente caracterizada ou definida autoria. (NR)

973
- Redação dada pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

§ 1º - A apuração preliminar deverá ser concluída no prazo de 30 (trinta) dias. (NR)

§ 2º - Não concluída no prazo a apuração, a autoridade deverá imediatamente encaminhar


ao Chefe de Gabinete relatório das diligências realizadas e definir o tempo necessário para o
término dos trabalhos. (NR)

§ 3º - Ao concluir a apuração preliminar, a autoridade deverá opinar fundamentadamente


pelo arquivamento ou pela instauração de sindicância ou de processo administrativo. (NR)

- §§ 1º, 2º e 3º acrescentados pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de


06/06/2003.

Artigo 266 - Determinada a instauração de sindicância ou processo administrativo, ou no seu


curso, havendo conveniência para a instrução ou para o serviço, poderá o Chefe de Gabine-
te, por despacho fundamentado, ordenar as seguintes providências: (NR)

- Redação dada pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

I - afastamento preventivo do servidor, quando o recomendar a moralidade administrativa ou


a apuração do fato, sem prejuízo de vencimentos ou vantagens, até 180 (cento e oitenta)
dias, prorrogáveis uma única vez por igual período; (NR)

II - designação do servidor acusado para o exercício de atividades exclusivamente burocráti-


cas até decisão final do procedimento; (NR)

III - recolhimento de carteira funcional, distintivo, armas e algemas; (NR)

IV - proibição do porte de armas; (NR)

V - comparecimento obrigatório, em periodicidade a ser estabelecida, para tomar ciência dos


atos do procedimento. (NR)

- Redação dada pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

§ 1º - A autoridade que determinar a instauração ou presidir sindicância ou processo admi-


nistrativo poderá representar ao Chefe de Gabinete para propor a aplicação das medidas
previstas neste artigo, bem como sua cessação ou alteração. (NR)

§ 2º - O Chefe de Gabinete poderá, a qualquer momento, por despacho fundamentado, fazer


cessar ou alterar as medidas previstas neste artigo. (NR)

- §§ 1º e 2º acrescentados pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

Artigo 267 - O período de afastamento preventivo computa -se como de efetivo exercício,
não sendo descontado da pena de suspensão eventualmente aplicada.

974
- Redacao dada pelo artigo 1º, IV da Lei Complementar nº 942, de 06/06/2003.

Ano: 2017- Banca: VUNESP-Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Determinada a instauração de sindicância ou processo administrativo, ou no seu curso, ha-


vendo conveniência para a instrução ou para o serviço, poderá o Chefe de Gabinete, por
despacho fundamentado, ordenar o afastamento preventivo do servidor quando

a) houver suspeita fundada de prejuízo ao Erário, sem prejuízo de vencimentos ou vanta-


gens, por até 360 (trezentos e sessenta) dias, prorrogáveis uma única vez por igual período.

b) o recomendar a moralidade administrativa ou a apuração do fato, sem prejuízo de ven-


cimentos ou vantagens, por até 180 (cento e oitenta) dias, prorrogáveis uma única vez por
igual período.

c)necessário para a apuração do fato, com prejuízo de vencimentos ou vantagens, pelo


prazo improrrogável de 180 (cento e oitenta) dias, findo o qual o funcionário automaticamen-
te retornará ao cargo ou função.

d) houver alcance, desfalque, remissão ou omissão em efetuar recolhimento, com prejuízo


de vencimentos ou vantagens, por até 90 (noventa) dias, prorrogáveis uma única vez por
igual período.

e) o fato apurado também for previsto como crime no Código Penal, com prejuízo de ven-
cimentos ou vantagens, por até 180 (cento e oitenta) dias, prorrogáveis uma única vez por
igual período.

LEI Nº 10.261, DE 28 DE OUTUBRO DE 1968

Artigo 241 - São deveres do funcionário:

975
80:d 81:c 82:b 83:a 84:d 85:a 86:c 87:d
88:e 89:c 90:e 91:d 92:e 93:a

REVISAÇO – Legislõ em áudio

1087
1088
Vade Mecum – Direito Adminstrativo

DIREITO ADMINISTRATIVO: Estatuto dos Funcionários Públicos


Civis do Estado de São Paulo (Lei n.º 10.261/68) - artigos 239 a
323;

LEI Nº 10.261, DE 28 DE OUTUBRO DE 1968

(ATUALIZADA ATÉ A LEI COMPLEMENTAR Nº 1.310,


DE 04 DE OUTUBRO DE 2017)
Dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Es-
tado

CAPÍTULO VII

Do Direito de Petição

Artigo 239 - É assegurado a qualquer pessoa, física ou jurídica, independentemente de pa-


gamento, o direito de petição contra ilegalidade ou abuso de poder e para defesa de direitos.
(NR)
§ 1º - Qualquer pessoa poderá reclamar sobre abuso, erro, omissão ou conduta incompatível

1089
Artigo 322 - O dia 28 de outubro será consagrado ao "Funcionário Público Estadual".
Artigo 323 - Os prazos previstos neste Estatuto serão todos contados por dias corridos.
Parágrafo único - Não se computará no prazo o dia inicial, prorrogando-se o vencimento, que
incidir em sábado, domingo, feriado ou facultativo, para o primeiro dia útil seguinte.

1105
NORMAS DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA
(DISPONÍVEIS NO PORTAL DO TRIBUNAL DE JUS-
TIÇA – SITE: WWW.TJSP.JUS.BR, NA ÁREA INSTI-
TUCIONAL / CORREGEDORIA / NORMAS JUDICIAIS),
COM AS ALTERAÇÕES VIGENTES ATÉ A DATA DA
PUBLICAÇÃO DO EDITAL:
Tomo I – Capítulo II: Seção I – subseções I e II;
Tomo I - Capítulo III: Seções I, II, V, VI, VII;
Tomo I - Capítulo III: Seção VIII – subseções I, II e III;
Tomo I – Capitulo III: Seções IX a XV, XVII a XIX;
Tomo I – Capítulo XI: Seções I, IV e V;
Tomo I – Capitulo XI: Seção VI – subseções I, III, V e XIII.

Normas da Corregedoria

Da Corregedoria Permanente e Das Correições Ordinárias, Extraordinárias e


Visitas Correcionais

Art. 6º A função correcional será exercida em caráter permanente e mediante correições or-
dinárias ou extraordinárias e visitas correcionais.
§ 1º A correição ordinária consiste na fiscalização prevista e efetivada segundo estas nor-
mas e leis de organização judiciária.
§ 2º A correição extraordinária consiste em fiscalização excepcional, realizada a qualquer
momento e sem prévio anúncio e poderá ser geral ou parcial, conforme as necessidades e
conveniência do serviço correcional.
§ 3º A visita correcional consiste na fiscalização direcionada à verificação da regularidade de
funcionamento da unidade, do saneamento de irregularidades constatadas em correições ou
ao exame de algum aspecto da regularidade ou da continuidade dos serviços e atos pratica-
dos.
§ 4º As atas das correições e visitas serão encaminhadas à Corregedoria Geral da Justiça
nos prazos que seguem:
I - correição ordinária – até 60 (sessenta) dias após realizada;

1106
II - correição extraordinária ou visita correcional – até 15 (quinze) dias após realizada.

§ 5º A Corregedoria Geral da Justiça implementará, gradativamente, a correição virtual, com


vistas ao controle permanente das atividades subordinadas à sua disciplina.

Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

As Normas da Corregedoria Geral de Justiça definem a correição ordinária como sendo a


fiscalização

a) excepcional, realizada a qualquer momento e sem prévio anúncio.


b) virtual, com vistas ao controle permanente das atividades subordinadas à correição.
c) para o saneamento de irregularidades constatadas em visitas correcionais.
d) prevista e efetivada segundo as referidas normas e leis de organização judiciária.
e) direcionada à verificação da regularidade de funcionamento da unidade.

Do Sistema Informatizado Oficial

Subseção I

Disposições Gerais

Art. 46. Os procedimentos de registro e documentação dos processos


judiciais e administrativos realizar-se-ão diretamente no sistema informatizado oficial ou em
livros e classificadores, conforme disciplina destas Normas de Serviço, e destinam-se:
I - à preservação da memória de dados extraídos dos feitos e da
respectiva movimentação processual;
II - ao controle dos processos, de modo a garantir a segurança,
assegurar a pronta localização física, verificar o andamento e permitir a elaboração de esta-
tísticas e outros instrumentos de aprimoramento da prestação jurisdicional.

Art. 47. Os servidores dos ofícios de justiça deverão se adaptar

1107
continuamente às evoluções do sistema informatizado oficial, utilizando plenamente as
funcionalidades disponibilizadas para a realização dos atos pertinentes ao serviço (emis-
são de certidões, ofícios, mandados, cargas de autos etc.).

Parágrafo único. Para efeito de divisão do trabalho entre os escreventes


técnicos judiciários, oficiais de justiça e juízes, e outras providências necessárias à ordem
do serviço, o sistema informatizado atribuirá a cada processo distribuído um número de
controle interno da unidade judicial, sem prejuízo do número do processo (número do pro-
tocolo que seguirá série única).

Art. 48. Iniciada a operação do SAJ/PG, de utilização obrigatória pelas


varas e ofícios de justiça, serão excluídos todos os programas eventualmente em uso.

Art. 49. § 1º É vedado ao funcionário credenciado ceder a respectiva senha ou permitir que
outrem, funcionário ou não, use-a para acessar indevidamente o sistema informatizado.

Art. 55. § 3º As vítimas identificadas na denúncia ou queixa, e também as testemunhas de


processo criminal – sejam estas de acusação, defesa ou comuns –, terão suas qualificações
lançadas no sistema informatizado oficial, exceto quando, ao darem conta de coação ou
grave ameaça, após deferimento do juiz, pedirem para não haver identificação de seus da-
dos de qualificação e endereço.

Art. 61. Compete aos ofícios de justiça:

II - na hipótese de expedição de certidão de homonímia, a inserção, no sistema informatiza-


do oficial, dos eventuais dados de qualificação ainda não lançados no sistema, também cer-
tificando a adoção dessa providência no documento.
§ 1º Na hipótese constante do inciso II deste artigo, tratando-se de feito não cadastrado, a
providência será precedida de específico cadastramento.

Art. 58. As cartas precatórias serão cadastradas no sistema informatizado seguindo as


mesmas regras dos processos comuns, consignando-se, ainda, a indicação completa do
juízo deprecante, e não apenas da comarca de origem, os nomes das partes, a natureza da
ação e a diligência deprecada.

1108
Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Assinale a alternativa que corretamente aborda aspectos do sistema informatizado oficial


previstos nas Normas da Corregedoria Geral de Justiça.

a) O sistema informatizado atribuirá, a cada processo distribuído, um número de controle


interno da unidade judicial, sem prejuízo do número do processo (número do protocolo
que seguirá série única).
b) O funcionário credenciado poderá ceder a respectiva senha do sistema ou permitir que
outrem, funcionário ou não, use-a, desde que seja para acesso de informações abertas
ao público em geral.
c) As vítimas identificadas na denúncia ou queixa e as testemunhas de processo criminal
não terão suas qualificações lançadas no sistema informatizado oficial, exceto quando
requererem expressamente ao juízo tal providência.
d) Quando uma parte estiver vinculada a processos que tramitam em outros ofícios de justi-
ça, nos quais tenha havido expedição de certidão de homonímia, as eventuais retifica-
ções de seus dados deverão ser aplicadas a todos os feitos.
e) As cartas precatórias serão cadastradas no sistema informatizado diferentemente dos
processos comuns, consignando-se apenas a indicação completa do juízo deprecante, a
natureza da ação e a diligência deprecada.

PROVIMENTOS Nos 50/1989 e 30/2013

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA


- SÃO PAULO -

N O R M A S D E S E RV I Ç O
OFÍCIOS DE JUSTIÇA

1109
Subseção II

Da Recepção e Juntada de Petições, Dos Atos e Termos Judiciais e Das Cotas nos Autos

Art. 92. É vedado aos ofícios de justiça receber e juntar petições que não
tenham sido encaminhadas pelo setor de protocolo, salvo:
I – quanto às petições de requerimento de juntada de procuração ou de substabelecimento
apresentadas pelo interessado diretamente ao ofício de justiça, caso em que o termo de jun-
tada mencionará esta circunstância;

II – quando houver, em cada caso concreto, expressa decisão


fundamentada do juiz do feito dispensando o protocolo no setor próprio.

Art. 93. Por ocasião da juntada de petições e documentos (ofícios recebidos, laudos, man-
dados, precatórias etc.), lavrar-se-á o respectivo termo de juntada.

§ 1º Para a juntada, na mesma oportunidade, de duas ou mais petições ou documentos, se-


rá confeccionado um único termo de juntada com a relação das peças.

§ 2º É vedado o lançamento do termo de juntada na própria petição ou documento a serem


encartados aos autos.

§ 3º Recebidas petições via fac-símile ou por correio eletrônico (e-mail) diretamente no ofício
de justiça ou na vara, será imediatamente lançado número de protocolo no corpo do docu-
mento, para oportuno controle dos prazos previstos no caput e parágrafo único do art. 2º da
Lei Federal nº 9.800, de 26.05.1999.

§ 4º Recebida petição inicial ou intermediária acompanhada de objetos de inviável entra-


nhamento aos autos do processo, o escrivão deverá conferir, arrolar e quantificá-los, lavran-
do certidão, sempre que possível na presença do interessado, mantendo-os sob sua guarda
e responsabilidade até encerramento da demanda.

1110
Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Em relação ao protocolo e à juntada de petições, as Normas da Corregedoria de Justiça


preveem que

a) os ofícios de justiça não podem receber diretamente petições de requerimento de juntada


de procuração ou de substabelecimento apresentadas pelo interessado, casos em que
uma informação na petição mencionará essa circunstância.
b) o lançamento do termo de juntada deverá ser efetuado na própria petição ou no docu-
mento a ser encartado aos autos, sendo certificado o ato de juntada nos autos e anotado
no sistema informatizado oficial.
c) os ofícios de justiça devem receber todas as petições e juntá-las aos autos respectivos,
remetendo ao protocolo aquelas que sejam pertinentes a processos que tramitem em ou-
tros ofícios daquela Comarca.
d) é vedado aos ofícios de justiça receber e juntar petições que não tenham sido encami-
nhadas pelo setor de protocolo, salvo, em hipóteses excepcionais, como quando houver,
em cada caso concreto, expressa decisão fundamentada do juiz do feito dispensando o
protocolo no setor próprio.
e) se a petição inicial ou intermediária for acompanhada de objetos de inviável entranha-
mento aos autos do processo, o escrivão deverá conferir, arrolar e quantificá-los, lavran-
do certidão, na presença do interessado, a quem caberá mantê-los sob sua guarda e
responsabilidade até encerramento da demanda.

PROVIMENTOS Nos 50/1989 e 30/2013

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA

Seção V

Da Consulta às Movimentações Processuais e Decisões

1111
Art. 1.224. É livre a consulta, no sítio do Tribunal de Justiça do Estado
de São Paulo, às movimentações processuais, inteiro teor das decisões, sentenças, votos,
acórdãos e aos mandados de prisão registrados no BNMP. (Alterado pelo Provimento CG Nº
47/2015)

§ 1º O advogado, o defensor público, as partes e o membro do Ministério Público, cadastra-


dos e habilitados nos autos, terão acesso a todo o conteúdo do processo eletrônico.
§ 2º Os advogados, defensores públicos, procuradores e membros do Ministério Público,
não vinculados a processo, previamente identificados, poderão acessar todos os atos e do-
cumentos processuais armazenados, salvo nos casos de processos em sigilo ou segredo de
justiça.

Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Acerca da consulta ao processo eletrônico no sítio do Tribunal de Justiça do Estado de São


Paulo, as Normas da Corregedoria Geral de Justiça preveem que

a) o advogado, o defensor público e o membro do Ministério Público terão acesso a todo o


conteúdo do processo eletrônico se forem cadastrados e habilitados nos autos, ou seja,
somente se atuarem no processo, independentemente de estarem os autos em segredo
de justiça ou não.
b) a consulta, no sítio do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, às movimentações
processuais, ao inteiro teor das decisões, às sentenças, aos votos, aos acórdãos e aos
mandados de prisão registrados no BNMP – Banco Nacional de Mandados de Prisão não
é livre, pois depende do recolhimento da taxa judicial.
c) os defensores públicos, os procuradores e os membros do Ministério Público, não vincu-
lados a processo, previamente identificados, poderão acessar todos os atos e documen-
tos processuais armazenados, mesmo nos casos de processos em sigilo ou segredo de
justiça, prerrogativa não estendida aos advogados.
d) os advogados, os defensores públicos, os procuradores e membros do Ministério Públi-
co, não vinculados a processo, previamente identificados, poderão acessar todos os atos
e documentos processuais armazenados, salvo nos casos de processos em sigilo ou se-
gredo de justiça.
e) a indicação de sigilo ou segredo de justiça não implica a impossibilidade de consulta dos
autos por quem não é parte no processo, a qual é presumida válida, até decisão judicial
em sentido contrário, de ofício ou a requerimento da parte.

1112
Art. 1.238. A criação de modelos de grupo ou usuário realizar-se-á a
partir dos modelos institucionais ou da autoria intelectual do magistrado e somente será
permitida para as seguintes categorias: (Alterado pelo Provimento CG Nº 47/2015)
I - ajuizamentos;
II - atos ordinatórios;
III - certidões de cartório;
IV – despachos;
V - decisões;
VI – requerimentos;
VII - sentenças;
VIII - termos de audiência;
IX - Setor Técnico – Assistente Social; X - Setor Técnico – Psicologia.

Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Na elaboração dos documentos, serão utilizados os modelos de expediente institucionais


padronizados, autorizados e aprovados pela Corregedoria Geral da Justiça, podendo ser
criados modelos de grupo ou usuário no ofício de justiça, a partir dos modelos institucionais
ou da autoria intelectual do magistrado, o que somente será permitido para, entre outras, as
seguintes categorias:

a) instrução processual, provas documentais, sentenças, termos de audiência, Setor Técni-


co – Assistente Social e Setor Técnico – Psicologia.
b) respostas do réu, incidentes, instrução processual, despachos, decisões e sentenças.
c) ajuizamentos, certidões de cartório, despachos, decisões, requerimentos e sentenças.
d) contestações, incidentes, saneadores, requerimentos, sentenças e termos de audiência.
e) respostas do réu, incidentes, ajuizamentos, atos ordinatórios, despachos e termos de
audiência.

1113
DOS OFÍCIOS DE JUSTIÇA EM GERAL

Seção I

Disposições Iniciais

Art. 26. As disposições deste capítulo têm caráter geral e aplicam-se a todos os ofícios de
justiça, no que não contrariarem as disposições específicas contidas em capítulo próprio.

Art. 27. Os servidores da justiça darão atendimento prioritário às pessoas portadoras de de-
ficiência, aos idosos, às gestantes, às lactantes e às pessoas acompanhadas por crianças
de colo, mediante garantia de lugar privilegiado em filas, distribuição de senhas com nume-
ração adequada ao atendimento preferencial, alocação de espaço para atendimento exclusi-
vo no balcão, ou implantação de qualquer outro sistema que, observadas as peculiaridades
existentes, assegure a prioridade.

Art. 27-A. A prioridade de que trata o artigo 27 se aplica às advogadas públicas e privadas,
promotoras e procuradoras do Ministério Público gestantes ou lactantes, e a qualquer pes-
soa com criança de colo, inclusive para preferência nas audiências de primeiro grau de juris-
dição e nas sessões de julgamento dos Colégios Recursais, desde que haja requerimento
prévio, observada a ordem dos requerimentos e respeitados os demais beneficiários da Lei
nº 10.048/2000 que disciplina o atendimento prioritário. (Acrescentado pelo Provimento CG Nº
47/2017)

Ano: 2015 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Os servidores da justiça darão atendimento prioritário às pessoas portadoras de deficiência,


aos idosos, às gestantes, às lactantes e às pessoas acompanhadas por crianças de colo,
mediante, exemplificativamente,

a) garantia de lugar privilegiado em filas ou distribuição de senhas com numeração adequa-


da ao atendimento preferencial
b) atendimento imediato obrigatório quando da chegada das pessoas em tais condições ao
balcão de atendimento

1114
c) instalação de cadeiras para que as pessoas em tais condições esperem sentadas, pelo
tempo que for necessário.
d) triagem para atendimento das pessoas em tais condições em sala separada do restante
do público, que deverá existir em todos os fóruns.
e) fila única para atendimento em balcão, atendendo-se às pessoas rigorosamente por or-
dem de chegada, independentemente de sua condição.

NSCGJ (Normas da Corregedoria Geral da Justiça):

Seção VIII

Da Ordem dos Serviços dos Processos em Geral

Subseção I
Da Autuação, Abertura de Volumes e Numeração de Feitos

Art. 87. Ao receber a petição inicial ou a denúncia, o ofício de justiça


providenciará, em 24 (vinte e quatro) horas, a autuação, nela afixando a etiqueta que, gera-
da pelo sistema informatizado e oriunda do distribuidor, atribui número ao processo e traz
outros dados relevantes (juízo, natureza do feito, nomes das partes, data etc.).
Parágrafo único. É dispensada a lavratura de certidão, no interior dos
autos, da autuação e do registro do processo.

Art. 88. O ofício de justiça afixará nas autuações tarjas coloridas, na


posição horizontal, para assinalar situações especiais descritas nestas Normas de Serviço.

Art. 89. Os autos de processos não excederão de 200 (duzentas) folhas


em cada volume, salvo determinação judicial expressa em contrário ou para manter peça
processual com seus documentos anexos, podendo, nestes casos, ser encerrado com mais
ou menos folhas.
§ 1º O encerramento e a abertura dos novos volumes serão certificados em folhas regular-
mente numeradas, prosseguindo-se a numeração sem solução de continuidade no volume
subsequente.
§ 2º A numeração ordinal indicativa de novos volumes será destacada nas
respectivas autuações e anotada na autuação do primeiro volume.

Art. 90. Nos feitos antecedidos por procedimentos preparatórios, a peça

1115
inaugural (petição inicial de ação civil pública, representação em procedimento afeto à área
infracional da infância e juventude, denúncia em ação penal pública etc.) terá numeração
própria, apondo-se o número da folha, seguido da letra “i” (1-i; 2-i; 3-i...), de tal forma que a
numeração dos mencionados procedimentos preparatórios (inquéritos civis, comunicações
de atos infracionais, inquéritos policiais etc) seja sempre aproveitada integralmente.

Art. 91. Os escrivães judiciais ou, sob sua supervisão, os escreventes


zelarão pela correta numeração das folhas dos autos.
§ 1º Em caso de erro na numeração, certificar-se-á a ocorrência, sendo
vedada a renumeração.

§ 2º Na hipótese de numeração repetida, acrescentar-se-á apenas uma


letra do alfabeto, em sequência (188-a, 188-b, 188-c etc.), certificando-se.

Ano: 2015 Banca: VUNESP Órgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Acerca da autuação, abertura de volumes e numeração de feitos, preveem as Normas da


Corregedoria Geral da Justiça que

a) todas as conclusões ao juiz serão anotadas no sistema informatizado, acrescendo -se a


carga, em meio físico ou eletrônico, no número máximo de 50 (cinquenta) processos por
dia.
b) deverá ser feita conclusão dos autos no prazo de 48 (quarenta e oito) horas e executa-
dos os atos processuais no prazo de 3 (três) a 5 (cinco) dias, dependendo da complexi-
dade do ato a ser realizado.
c) os autos de processos não excederão de 200 (duzentas) folhas em cada volume, salvo
determinação judicial expressa em contrário ou para manter peça processual com seus
documentos anexos, podendo, nestes casos, ser encerrado com mais ou menos folhas.
d) para a juntada, na mesma oportunidade, de duas ou mais petições ou documentos, será
confeccionado um termo de juntada para cada uma das peças, com a devida descrição
pormenorizada do conteúdo delas.
e) ao receber a petição inicial ou a denúncia, o ofício de justiça providenciará, em 48 (qua-
renta e oito) horas, a autuação, nela afixando a etiqueta que, gerada pelo sistema infor-
matizado e oriunda do distribuidor, atribui número ao processo.

Seção XI

1116
b) Não poderão ser recebidas petições via fac-símile diretamente no Ofício Judicial ou na
Vara.

c)Deverá ser feita conclusão dos autos no prazo de 5 (cinco) dias, e executados os atos
processuais no prazo de 24 (vinte e quatro) horas.

d) Nenhum processo deverá ficar sem andamento por mais de 20 (vinte) dias, no aguardo
de diligências (informações, respostas a ofícios ou requisições, providências das partes etc.).

e) Os documentos desentranhados dos autos poderão ser substituídos por cópias simples.

01:d 02:a 03:d 04:d 05:c 06:a 07:c 08:a 09:b 10:b 11:d 12:a 13:c 14:c 15:c
16: b 17: e 18:c 19:d 20:c 21:a 22:b 23:d 24:c 25:b 26:a 27:d 28:b 29:e

Reforçando as Normas
da Corregedoria

1145
A fiscalização direcionada à verificação da regularidade de funcionamento da uni-
dade, do saneamento de irregularidades constatadas em correições ou ao exame
de algum aspecto da regularidade ou da continuidade dos serviços e atos pratica-
dos, se dá através da:

a) correição ordinária
b) correição extraordinária
c) visita correicional
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 6° A função correcional será exercida em caráter permanente e mediante correições or-
dinárias ou extraordinárias e visitas correcionais.
§ 1° A correição ordinária consiste na fiscalização prevista e efetivada segundo estas nor-
mas e leis de organização judiciária.
§ 2° A correição extraordinária consiste em fiscalização excepcional, realizada a qualquer
momento e sem prévio anúncio e poderá ser geral ou parcial, conforme as necessidades e
conveniência do serviço correcional.
§ 3° A visita correcional consiste na fiscalização direcionada à verificação da regularidade de
funcionamento da unidade, do saneamento de irregularidades constatadas em correições ou
ao exame de algum aspecto da regularidade ou da continuidade dos serviços e atos pratica-
dos.

1146
§ 4° As atas das correições e visitas serão encaminhadas à Corregedoria Geral da Justiça
nos prazos que seguem:
I - correição ordinária - até 60 (sessenta) dias após realizada;
II - correição extraordinária ou visita correcional - até 15 (quinze) dias após realizada.
§ 5° A Corregedoria Geral da Justiça implementará, gradativamente, a correição virtual, com
vistas ao controle permanente das atividades subordinadas à sua disciplina.

o juiz fará visita correcional às unidades sob sua corregedoria, com o intuito de
constatar a regularidade dos serviços, em até:

a) 15 (quinze) dias depois de assumir a corregedoria permanente em caráter definitivo


b) 30 (trinta) dias depois de assumir a corregedoria permanente em caráter definitivo
c) 45 (quarenta e cinco) dias depois de assumir a corregedoria permanente em caráter defi-
nitivo
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 9° Em até 30 (trinta) dias depois de assumir a corregedoria permanente em caráter defi-
nitivo, o juiz fará visita correcional às unidades sob sua corregedoria, com o intuito de cons-
tatar a regularidade dos serviços, observado o modelo disponibilizado.
§ 1° A visita correcional independe de edital ou qualquer outra providência e dela se lançará
sucinto termo no livro de visitas e correições, no qual também constarão as determinações
que o Juiz Corregedor Permanente eventualmente fizer no momento.
§ 2° Se o juiz assumir a corregedoria permanente em caráter definitivo a partir do mês de
novembro, a correição geral ordinária prescindirá da visita correcional.

Durante os serviços correcionais, todos os funcionários da unidade permanecerão


à disposição do Corregedor Geral da Justiça, dos Juízes Assessores da Correge-
doria Geral ou do Juiz Corregedor Permanente, sem prejuízo de requisição de auxí-
lio externo ou de requisição de:

a) força pericial
b) força policial
c) força tarefa

1147
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 11. Durante os serviços correcionais, todos os funcionários da unidade permanecerão à


disposição do Corregedor Geral da Justiça, dos Juízes Assessores da Corregedoria Geral
ou do Juiz Corregedor Permanente, sem prejuízo de requisição de auxílio externo ou de re-
quisição de força policial.

No caso de registros controlados exclusivamente pela via eletrônica, os relatórios


de pendências gerados pelo sistema informatizado serão :

a) avaliados pelo Juiz


b) enviados ao Corregedor Geral
c) vistados pelo Juiz
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 12. Os livros e classificadores obrigatórios previstos nestas Normas de Serviço serão
submetidos ao Juiz Corregedor Permanente para visto por ocasião das correições ordinárias
ou extraordinárias e sempre que forem por este requisitados.
Parágrafo único. No caso de registros controlados exclusivamente pela via eletrônica, os
relatórios de pendências gerados pelo sistema informatizado serão vistados pelo juiz.

Sem prejuízo da atribuição ao Juiz Corregedor Permanente, o Corregedor Geral da


Justiça poderá aplicar, originariamente, as sanções cabíveis e, enquanto não pres-
crita a infração:

a) reexaminar de ofício os arquivamentos


b) reexaminar mediante provocação decisões condenatorias

1148
c) reexaminar, de ofício ou mediante provocação, decisões absolutorias ou de arquivamen-
to
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 18. Sem prejuízo da atribuição ao Juiz Corregedor Permanente, o Corregedor Geral da
Justiça poderá aplicar, originariamente, as sanções cabíveis e, enquanto não prescrita a in-
fração, reexaminar, de ofício ou mediante provocação, decisões absolutórias ou de arquiva-
mento.

Ao funcionário credenciado ceder a respectiva senha ou permitir que outrem, fun-


cionário ou não, use-a para acessar indevidamente o sistema informatizado, é:

a) crime inafiançável
b) vedado
c) permitido
d) todas as alternativas estão corretas

Art. 49. Os níveis de acesso às informações e o respectivo credenciamento (senha) dos fun-
cionários, para operação do SAJ/PG, serão estabelecidos em expediente interno pela Cor-
regedoria Geral da Justiça, com a participação da Secretaria de Tecnologia da Informação -
STI.
§ 1° É vedado ao funcionário credenciado ceder a respectiva senha ou permitir que outrem,
funcionário ou não, use-a para acessar indevidamente o sistema informatizado.
§ 2° Os escrivães judiciais comunicarão prontamente à STI as alterações no quadro funcio-
nal da unidade, para o processamento da revogação ou novo credenciamento.

Os servidores da justiça darão atendimento prioritário às pessoas:

a) portadoras de insuficiência e às pessoas acompanhadas por crianças de até 3 anos


b) Deficientes e aos idosos
c) às lactantes e às pessoas acompanhadas por crianças até 10 anos
d) portadoras de deficiência, aos idosos, às gestantes, às lactantes e às pessoas
acompanhadas por crianças de colo

1149
REVISAÇO – Legislação em áudio

https://drive.google.com/drive/folders/1La1nd4I1Fw5VOHQrsql3IEZXJxBrZ7Ij?usp=sharing

https://goo.gl/Mhi8YK

1178
1179
Vade Mecum – Normas da Corregedoria

NORMAS DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA (disponíveis


no portal do Tribunal de Justiça – site: www.tjsp.jus.br, na área
Institucional / Corregedoria / Normas Judiciais), com as altera-
ções vigentes até a data da publicação do Edital:
Tomo I – Capítulo II: Seção I – subseções I e II;
Tomo I - Capítulo III: Seções I, II, V, VI, VII;
Tomo I - Capítulo III: Seção VIII – subseções I, II e III;
Tomo I – Capitulo III: Seções IX a XV, XVII a XIX;
Tomo I – Capítulo XI: Seções I, IV e V;
Tomo I – Capitulo XI: Seção VI – subseções I, III, V e XIII.

CAPÍTULO II

1180
ESTATUTO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.

LEI Nº

13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.

1220
Art. 2o Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo
de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais
barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de con-
dições com as demais pessoas.

§ 1o A avaliação da deficiência, quando necessária, será biopsicossocial, realizada por


equipe multiprofissional e interdisciplinar e considerará: (Vigência)

I - os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo;

II - os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais;

III - a limitação no desempenho de atividades; e

IV - a restrição de participação.

Ano: 2017 Banca: IBFCÓrgão: TJ-PE - Técnico Judiciário - Área Administrativa

A Lei n° 13.146/2015 foi promulgada com o intento de assegurar e promover, em condições


de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoas com defi-
ciência. Em um dos seus artigos foi estabelecida a avaliação biopsicossocial da deficiência.
Quanto ao tema, assinale a alternativa que não identifica um dos critérios expostos na refe-
rida norma para aferição da deficiência:

a) A limitação no desempenho das atividades pela pessoa tida como deficiente


b) Os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais do avaliando
c)Construção da linguagem e saúde psiquiátrica

d) Restrição de participação por parte do indivíduo

e) Os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo

DA IGUALDADE E DA NÃO DISCRIMINAÇÃO

Art. 4o Toda pessoa com deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as de-
mais pessoas e não sofrerá nenhuma espécie de discriminação.

§ 1o Considera-se discriminação em razão da deficiência toda forma de distinção, restrição


ou exclusão, por ação ou omissão, que tenha o propósito ou o efeito de prejudicar, impedir

1221
ou anular o reconhecimento ou o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais de
pessoa com deficiência, incluindo a recusa de adaptações razoáveis e de fornecimento de
tecnologias assistivas.

§ 2o A pessoa com deficiência não está obrigada à fruição de benefícios decorrentes de


ação afirmativa.

Art. 5o A pessoa com deficiência será protegida de toda forma de negligência, discrimina-
ção, exploração, violência, tortura, crueldade, opressão e tratamento desumano ou degra-
dante.

Parágrafo único. Para os fins da proteção mencionada no caput deste artigo, são conside-
rados especialmente vulneráveis a criança, o adolescente, a mulher e o idoso, com deficiên-
cia.

DO DIREITO À VIDA

Art. 10. Compete ao poder público garantir a dignidade da pessoa com deficiência ao longo
de toda a vida.

Parágrafo único. Em situações de risco, emergência ou estado de calamidade pública, a


pessoa com deficiência será considerada vulnerável, devendo o poder público adotar medi-
das para sua proteção e segurança.

Art. 11. A pessoa com deficiência não poderá ser obrigada a se submeter a intervenção clí-
nica ou cirúrgica, a tratamento ou a institucionalização forçada.

Parágrafo único. O consentimento da pessoa com deficiência em situação de curatela pode-


rá ser suprido, na forma da lei.

Art. 12. O consentimento prévio, livre e esclarecido da pessoa com deficiência é indispen-
sável para a realização de tratamento, procedimento, hospitalização e pesquisa científica.

§ 1o Em caso de pessoa com deficiência em situação de curatela, deve ser assegurada sua
participação, no maior grau possível, para a obtenção de consentimento.

§ 2o A pesquisa científica envolvendo pessoa com deficiência em situação de tutela ou de


curatela deve ser realizada, em caráter excepcional, apenas quando houver indícios de be-
nefício direto para sua saúde ou para a saúde de outras pessoas com deficiência e desde
que não haja outra opção de pesquisa de eficácia comparável com participantes não tutela-
dos ou curatelados.

Art. 13. A pessoa com deficiência somente será atendida sem seu consentimento prévio,
livre e esclarecido em casos de risco de morte e de emergência em saúde, resguardado seu
superior interesse e adotadas as salvaguardas legais cabíveis.

1222
Art. 85. A curatela afetará tão somente os atos relacionados aos direitos de natureza patri-
monial e negocial.

§ 1o A definição da curatela não alcança o direito ao próprio corpo, à sexualidade, ao matri-


mônio, à privacidade, à educação, à saúde, ao trabalho e ao voto.

§ 2o A curatela constitui medida extraordinária, devendo constar da sentença as razões e


motivações de sua definição, preservados os interesses do curatelado.

§ 3o No caso de pessoa em situação de institucionalização, ao nomear curador, o juiz deve


dar preferência a pessoa que tenha vínculo de natureza familiar, afetiva ou comunitária com
o curatelado.

Ano: 2017 Banca: VUNESPÓrgão: TJ-SP - Escrevente Técnico Judiciário

Nos termos da Lei Federal n° 13.146/2015, a pessoa com deficiência

a) poderá ser obrigada a se submeter a intervenção clínica ou cirúrgica, tratamento ou insti-


tucionalização forçada, mediante prévia avaliação biopsicossocial, realizada por equipe mul-
tiprofissional e interdisciplinar.

b) em situação de curatela, não terá participação na obtenção de consentimento para a


prática dos atos da vida civil, pois, em tal circunstância, não possui qualquer capacidade ci-
vil.

c)está obrigada à fruição de benefícios decorrentes de ação afirmativa, a fim de que sejam
construídos ambientes de trabalho acessíveis e inclusivos.

d) somente será atendida sem seu consentimento prévio, livre e esclarecido em casos de
risco de morte e de emergência em saúde, resguardado seu superior interesse e adotadas
as salvaguardas legais cabíveis.

e) e seu acompanhante ou atendente pessoal têm direito à prioridade na tramitação pro-


cessual e nos procedimentos judiciais em que forem partes ou interessados.

LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.

Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa


com Deficiência (Estatuto da Pessoa com

1223
Deficiência).

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu san-


ciono a seguinte Lei:

LIVRO I

PARTE GERAL

TÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1o É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pes-
soa com Deficiência), destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o
exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à
sua inclusão social e cidadania.

Parágrafo único. Esta Lei tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência e seu Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio
do Decreto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008, em conformidade com o procedimento
previsto no § 3o do art. 5o da Constituição da República Federativa do Brasil, em vigor para o
Brasil, no plano jurídico externo, desde 31 de agosto de 2008, e promulgados peloDecreto
no 6.949, de 25 de agosto de 2009, data de início de sua vigência no plano interno.

Art. 2o Considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimento de longo prazo
de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais
barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de con-
dições com as demais pessoas.

§ 1o A avaliação da deficiência, quando necessária, será biopsicossocial, realizada por


equipe multiprofissional e interdisciplinar e considerará: (Vigência)

I - os impedimentos nas funções e nas estruturas do corpo;

II - os fatores socioambientais, psicológicos e pessoais;

III - a limitação no desempenho de atividades; e

IV - a restrição de participação.

§ 2o O Poder Executivo criará instrumentos para avaliação da deficiência.

1224
Ano: 2017Banca: FCCÓrgão: TRT - 24ª REGIÃO (MS)Prova: Técnico Judiciário

Em 2015 foi aprovada lei que prevê diversos direitos para pessoas que tenham “impedimen-
to de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação
com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em
igualdade de condições com as demais pessoas”. O enunciado se refere à

a) Lei no 10.048, que dá prioridade de atendimento às pessoas com deficiência.


b) Lei no 11.126, que dispõe sobre o direito do portador de deficiência visual de ingressar e
permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado de cão-guia.
c)Lei no 10.098, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da
acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.
d) Constituição da República Federativa do Brasil.
e) Lei no 13.146, que institui o Estatuto da Pessoa com Deficiência.

LEI Nº 8.160, DE 8 DE JANEIRO DE 1991.

Dispõe sobre a caracterização de


símbolo que permita a identificação
de pessoas portadoras de deficiência
auditiva.

O PRESIDENTE DE REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu san-


ciono a seguinte lei:

Art. 1º É obrigatória a colocação, de forma visível, do "Símbolo Internacional de Surdez" em


todos os locais que possibilitem acesso, circulação e utilização por pessoas portadoras de
deficiência auditiva, e em todos os serviços que forem postos à sua disposição ou que pos-
sibilitem o seu uso.

Art. 2º O "Símbolo Internacional de Surdez" deverá ser colocado, obrigatoriamente, em local


visível ao público, não sendo permitida nenhuma modificação ou adição ao desenho repro-
duzido no anexo a esta lei.

1225
Art. 3º É proibida a utilização do "Símbolo Internacional de Surdez" para finalidade outra que
não seja a de identificar, assinalar ou indicar local ou serviço habilitado ao uso de pessoas
portadoras de deficiência auditiva.

Parágrafo único. O disposto no caput deste artigo não se aplica à reprodução do símbolo em
publicações e outros meios de comunicação relevantes para os interesses do deficiente au-
ditivo, a exemplo de adesivos específicos para veículos por ele conduzidos.

Art. 4º O Poder Executivo regulamentará esta lei no prazo de noventa dias, a contar de sua
vigência.

Art. 5º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 6º Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 8 de janeiro de 1991; 170º da Independência e 103º da República.

Ano: 2017 - Banca: FCCÓrgão: TRT - 24ª REGIÃO (MS)Prova: Técnico Judiciário -
Área Administrativa

Sobre o “Símbolo Internacional de Surdez”, a legislação brasileira determina que

a) é permitido modificar ou adicionar ao símbolo outros elementos além do de-


senho reproduzido pela lei, a depender de seu local de fixação.
b) o símbolo deverá ser colocado, obrigatoriamente, em todos os locais que
possibilitem acesso, circulação e utilização por pessoas com deficiência auditiva.
c)é lícita a utilização do símbolo para outras finalidades para além dos interes-
ses do deficiente auditivo.
d) é vedado o uso do símbolo para identificar veículos conduzidos por deficiente
auditivo, pois tal conduta é discriminatória.
e) é proibida a reprodução do símbolo em publicações e outros meios de comu-
nicação relevantes para os interesses do deficiente auditivo.

1226
LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.

Art. 4o Toda pessoa com deficiência tem direito à igualdade de oportunidades com as de-
mais pessoas e não sofrerá nenhuma espécie de discriminação.

§ 1o Considera-se discriminação em razão da deficiência toda forma de distinção, restrição


ou exclusão, por ação ou omissão, que tenha o propósito ou o efeito de prejudicar, impedir
ou anular o reconhecimento ou o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais de
pessoa com deficiência, incluindo a recusa de adaptações razoáveis e de fornecimento de
tecnologias assistivas.

§ 2o A pessoa com deficiência não está obrigada à fruição de benefícios decorrentes de


ação afirmativa.

Art. 20. As operadoras de planos e seguros privados de saúde são obrigadas a


garantir à pessoa com deficiência, no mínimo, todos os serviços e produtos ofer-
tados aos demais clientes.

Art. 45. Os hotéis, pousadas e similares devem ser construídos observando-se os princípios
do desenho universal, além de adotar todos os meios de acessibilidade, conforme legislação
em vigor. (Vigência)

§ 1o Os estabelecimentos já existentes deverão disponibilizar, pelo menos, 10% (dez por


cento) de seus dormitórios acessíveis, garantida, no mínimo, 1 (uma) unidade acessível.

§ 2o Os dormitórios mencionados no § 1o deste artigo deverão ser localizados em rotas


acessíveis.

Art. 53. A acessibilidade é direito que garante à pessoa com deficiência ou com mobilidade
reduzida viver de forma independente e exercer seus direitos de cidadania e de participação
social.

Art. 54. São sujeitas ao cumprimento das disposições desta Lei e de outras normas relativas
à acessibilidade, sempre que houver interação com a matéria nela regulada:

I - a aprovação de projeto arquitetônico e urbanístico ou de comunicação e informação, a


fabricação de veículos de transporte coletivo, a prestação do respectivo serviço e a execu-
ção de qualquer tipo de obra, quando tenham destinação pública ou coletiva;

1227
II - a outorga ou a renovação de concessão, permissão, autorização ou habilitação de qual-
quer natureza;

III - a aprovação de financiamento de projeto com utilização de recursos públicos, por meio
de renúncia ou de incentivo fiscal, contrato, convênio ou instrumento congênere; e

IV - a concessão de aval da União para obtenção de empréstimo e de financiamento inter-


nacionais por entes públicos ou privados.

Art. 55. A concepção e a implantação de projetos que tratem do meio físico, de transporte,
de informação e comunicação, inclusive de sistemas e tecnologias da informação e comuni-
cação, e de outros serviços, equipamentos e instalações abertos ao público, de uso público
ou privado de uso coletivo, tanto na zona urbana como na rural, devem atender aos princí-
pios do desenho universal, tendo como referência as normas de acessibilidade.

§ 1o O desenho universal será sempre tomado como regra de caráter geral.

§ 2o Nas hipóteses em que comprovadamente o desenho universal não possa ser empre-
endido, deve ser adotada adaptação razoável.

§ 3o Caberá ao poder público promover a inclusão de conteúdos temáticos referentes ao


desenho universal nas diretrizes curriculares da educação profissional e tecnológica e do
ensino superior e na formação das carreiras de Estado.

§ 4o Os programas, os projetos e as linhas de pesquisa a serem desenvolvidos com o apoio


de organismos públicos de auxílio à pesquisa e de agências de fomento deverão incluir te-
mas voltados para o desenho universal.

§ 5o Desde a etapa de concepção, as políticas públicas deverão considerar a adoção do


desenho universal.

1228
autoridade competente, destinadas a facilitar o acesso e uso desses locais pelas pessoas
portadoras de deficiência.

Art. 5o Os veículos de transporte coletivo a serem produzidos após doze meses da publica-
ção desta Lei serão planejados de forma a facilitar o acesso a seu interior das pessoas por-
tadoras de deficiência.

Ano: 2010 Banca: FCCÓrgão: Banco do Brasil - Escriturário

Tratando-se da Lei nº 10.048/2000 terão atendimento prioritário

a) apenas os idosos com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos e pessoas acompa-
nhadas por crianças de colo.

b) as pessoas portadoras de deficiência, os idosos com idade igual ou superior a 60 (ses-


senta) anos, as gestantes, as lactantes e as pessoas acompanhadas por crianças de colo.

c)apenas as pessoas portadoras de deficiência com idade igual ou superior a 65 (sessenta


e cinco) anos, as gestantes, as lactantes e as pessoas acompanhadas por crianças de colo.

d) apenas as pessoas portadoras de deficiência e os idosos com idade igual ou superior a


60 (sessenta) anos.

e) as pessoas portadoras de deficiência, os idosos com idade igual ou superior a 65 (ses-


senta e cinco) anos, as gestantes, as lactantes desde que acompanhadas por crianças de
colo.

Respostas

36:d 37:b 38:e 39:b 40:a 41:a 42:a 43:a 44:d 45:e
46:e 47:a 48:e 49:e 50:b 51: d 52:b 53:e 54:c 55:b

1328
REVISAÇO – Legislação em áudio

1329
1330
Vade Mecum – Estatuto das pessoas com Deficiência

LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015. Institui a Lei Brasileira


de Inclusão da Pessoa com Deficiência - (Estatuto da Pessoa
com Deficiência).
LIVRO I

PARTE GERAL

TÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1o É instituída a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Defi-
ciência), destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liber-
dades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.

Parágrafo único. Esta Lei tem como base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e
seu Protocolo Facultativo, ratificados pelo Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo no 186, de 9 de
julho de 2008, em conformidade com o procedimento previsto no § 3o do art. 5o da Constituição da República
Federativa do Brasil, em vigor para o Brasil, no plano jurídico externo, desde 31 de agosto de 2008, e promul-
gados pelo Decreto no 6.949, de 25 de agosto de 2009, data de início de sua vigência no plano interno.

1331
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou assessoramen-
to para pessoa física ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser atingido ou amparado
por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público, durante a atividade;

IX - perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou aplicação de verba


pública de qualquer natureza;

X - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indiretamente, para


omitir ato de ofício, providência ou declaração a que esteja obrigado;

XI - incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens, rendas, verbas ou valores
integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1° desta lei;

XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo
patrimonial das entidades mencionadas no art. 1° desta lei

Ano: 2016 Banca: IDECAN - Órgão: UFPB - Técnico - Segurança do Trabalho

Quanto à lei de improbidade administrativa, o servidor condenado por enriquecimento ilícito


pode ter seus direitos políticos suspensos por:

a) 2 a 4 anos.
b) 3 a 5 anos.
c)5 a 8 anos.
d) 8 a 10 anos.

58:b 59:c 60:d 61:b 62:c 63:b 64:c


65:b 66:b 67:e 68:e 69: d 70:d 71:d

1522
REVISAÇO – Legislação em áudio

1523
1524
Vade Mecum – Lei de Improbidade Administrativa

LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992.


Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes pú-
blicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício
de mandato, cargo, emprego ou função na administra-
ção pública direta, indireta ou fundacional e dá outras
providências.

CAPÍTULO I
Das Disposições Gerais

Art. 1°. Os atos de improbidade praticados por qualquer agente público, servidor ou não, contra a administra-
ção direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos
Municípios, de Território, de empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação ou

1525
REVISANDO PORTUGUÊS
Atenção, não esqueça que “Português” é uma matéria essencial para
o seu concurso. No YouTube há centenas de videoaulas de língua
portuguesa totalmente grátis. Você não tem desculpas para não es-
tudar.

COMO ESTUDAR PORTUGUÊS PARA CONCURSOS ?


Português é uma disciplina certeira em quase todas as provas de concursos públicos. Al-
guns tiram de letra as questões que envolvem gramática, interpretação de textos e redação.
Já outros temem esses conteúdos. Afinal, qual é a melhor forma de se preparar para Portu-
guês? Quais conteúdos de Gramática não posso deixar de estudar? Existe alguma fórmula
para interpretar textos corretamente?

Planejar os estudos para concursos públicos é a chave para aprovação.

Não adianta nada você estudar para concurso se sua vida não é organizada e não possui
um estudo planejado. Não basta estudar, tem de se preparar, treinar.
O concurseiro pode ser comparado a um atleta. Ele pode ter o dom, facilidade ou diversas
habilidades. Mas isso não adiantará se ele não treinar e se preparar. É preciso ter uma vi-
da regrada, organizada, planejada.

1534
Os candidatos ao concurso público devem ter uma estratégia de estudo bem definida e
usar o tempo a seu favor, saber fazer escolhas efetivas e canalizar toda sua energia para
seu objetivo: o termo de posse.

ALGUMAS ESTRATÉGIAS:

# Analisar o edital;
# Conhecer o perfil da BANCA organizadora;
# Fazer provas anteriores a fim de que perceba como cada conteúdo é cobrado;
# Planejar de modo a conciliar todas as disciplinas do edital.
A questão é como estudar e não o quanto estudar. Se a pessoa acorda e diz: “Ah! Hoje
estou com vontade de estudar Português”, alguma coisa está errada. Para começar, é im-
portante fazer um quadro de horário e segui-lo fielmente.

COMO MONTAR UM PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS .

Ao estudar Português para concursos, o primeiro passo é ter a disciplina de estudar todos
os dias e ter em mãos uma boa gramática.

O segundo passo para um bom plano de estudos é montar um cronograma desde a base
da Gramática: acentuação, ortografia, morfologia, sintaxe, concordância, pontuação, etc.
Depois de elaborar o cronograma de estudos, o candidato deve administrar sua rotina de
preparação de modo que consiga seguir
algumas etapas: aulas (presencial ou online), questões, revisões, resumos (fichas ou ma-
pas mentais) e simulados.

É importante analisar cada alternativa. Não basta procurar a resposta, é importante


analisar, escrevendo em cada assertiva a análise feita. Por exemplo, se for uma ques-
tão de função sintática, é bom analisar todas as alternativas e escrever a função de
cada uma. Se for uma questão para marcar a crase correta, escrever a justificativa da
ocorrência errada da crase nas demais alternativas e assim por diante. Isso não é
perda de tempo, é revisar o conteúdo enquanto faz as questões.

DISCIPLINAS NÃO OBRIGATÓRIAS:

A maioria dos editais dos concursos não traz a parte de fonética e fonologia, portanto os
conteúdos desses itens podem ficar de fora do planejamento. O ideal é conhecer o concur-
so e a organizadora para saber quais itens são mais cobrados nos editais. Tudo que está
no edital é importante e deve estar no cronograma de estudo.

PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS AO PLANEJAR OS ESTUDOS EM POR-


TUGUÊS:

Pular as etapas descritas no plano de estudos e começar a estudar de forma aleatória é a


forma mais prejudicial de se estudar Português para concursos.

1535
Por exemplo, a pessoa gosta de crase, acha mais confortável e começa por esse item.
Apesar de gostar, não consegue entender porque ainda erra tanto as questões de crase.
Simples: pulou etapas. Há vários assuntos ligados entre si para ser bom nesse assunto, por
exemplo, precisa estudar artigo, pronomes, regência para depois estudar crase. Isso vale
para muitos assuntos da Língua Portuguesa.
CUIDADO COM A NEGATIVIDADE!
O concurseiro, quando considera a disciplina difícil, faz questão de dizer isso o tempo todo
como um mantra. A cada palavra negativa proferida, alimentamos nosso cérebro com ve-
neno. Se eu digo que tenho bloqueio, como vou aprender se já determinei e condicionei
meu cérebro a acreditar nisso?
Quer aprender? Então, estude sem reclamar.
Você já deve ter percebido que alguns tópicos de gramática caem em quase todos os con-
cursos de nível fundamental, médio e superior.

NÍVEL FUNDAMENTAL
As provas de Nível Fundamental costumam ser bem mais simples do que as provas dos ou-
tros níveis de ensino, tanto em relação ao menor número de questões, quanto ao menor
número de disciplinas cobradas.

MORFOLOGIA E FONOLOGIA PARA NÍVEL FUNDAMENTAL

# Significado das palavras: os conhecimentos de palavras e termos específicos (sinônimo


– antônimo – parônimo – homônimo...).
# Ortografia: essas provas cobram do candidato conhecimentos de ortografia, sobretudo
relacionados à grafia correta das palavras complexas.
# Acentuação: as provas também cobram as regras de acentuação, de acordo com as no-
vidades do Novo Acordo Ortográfico.
# Verbos: normalmente são cobradas as formas irregulares de verbos e, mais raramente,
tempos compostos.
# Plural das palavras: as provas cobram dos candidatos o plural das palavras, visto que
este é um tópico que ainda pode deixar muitos candidatos com dúvidas.

SINTAXE PARA NÍVEL FUNDAMENTAL

# Termos oracionais: as provas cobram, com muita frequência, a relação dos adjuntos ad-
verbiais, adjuntos adnominais e complementos nominais.
# Concordância verbal: as provas cobram muito a relação do sujeito posposto com o ver-
bo.
# Regência verbal: as bancas cobram muito a transitividade dos verbos e os seus comple-
mentos.
# Pontuação: a parte de pontuação também costuma ser cobrada, já que a pontuação in-
correta na frase pode acarretar erros de entendimento.

1536
NÍVEL MÉDIO
Os concursos que exigem Nível Médio dos candidatos são muito mais comuns do que os de
Nível Fundamental e as funções a serem exercidas também são muito variadas.
Veja quais são os tópicos mais cobrados de Morfologia e de Sintaxe nos concursos de Nível
Médio.

MORFOLOGIA E FONOLOGIA PARA NÍVEL MÉDIO

# Significado das palavras: os conhecimentos de palavras e termos específicos (sinônimo


– antônimo – parônimo – homônimo – hiponímia ...).
# Ortografia: questões de ortografia também caem bastante. Começam a aparecer as co-
nhecidas “pegadinhas”, questões que têm como objetivo confundir os candidatos mais desa-
tentos. As mudanças ortográficas relativas ao Novo Acordo Ortográfico da Língua Portugue-
sa também são frequentes e procuram atrapalhar os candidatos que ainda não se atualiza-
ram.
# Classes de palavras: é muito cobrado o conhecimento do uso adequado dos verbos, dos
pronomes, das conjunções e das preposições.

SINTAXE PARA NÍVEL MÉDIO

# Sintaxe da oração: questões que envolvem os termos essenciais da oração e suas fun-
ções em determinados contextos.
# Regência verbal: as bancas cobram muito a transitividade dos verbos e os seus comple-
mentos pronominais.
# Crase: muito cobrada, frequentemente, pelas principais bancas do Brasil.
# Colocação prenominal: as bancas preferem cobrar esse tema em locuções verbais.
# Vozes verbais: cobradas frequentemente em reescritura.

COMO INTERPRETAR TEXTOS


O primeiro passo na resolução de qualquer questão do concurso é saber ler e interpretar um
texto. A compreensão do enunciado é a chave essencial para iniciar a resolução dos pro-
blemas. Por isso, Interpretação de Texto é o que mais cai nos concursos.

11 DICAS PARA FAZER INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

1537
Provavelmente, você já errou algum exercício quando sabia o conteúdo da questão. A in-
terpretação afeta o nosso relacionamento com amigos, familiares, colegas e professores.
E também a diversão ao assistir a um filme, ouvir uma música, ver uma série...
As próximas dicas têm a intenção de melhorar a sua capacidade interpretativa para as
provas e também para o dia a dia.
1. APRENDA A INTERPRETAR GRÁFICOS E TABELAS
Gráficos e tabelas caem com muita frequência nos concursos públicos. Eles também são
bastante utilizados por jornais e pelo mercado de trabalho. Entendê-los pode não ser fácil,
mas não desista!
Quando você aprender como eles funcionam, vai ser cada vez mais fácil fazer a interpre-
tação desse tipo de texto. Esse conteúdo é frequente em questões interdisciplinares, inclu-
indo a redação.
# Veja aula sobre interpretação de gráficos de Matemática.
# Veja aula sobre interpretação de gráficos e infográficos de
Português
2. COLOQUE AS ORAÇÕES NA ORDEM DIRETA
A ordem direta é a que organiza as palavras da seguinte forma: sujeito + predicado +
complemento. Esse é o jeito objetivo de entender uma oração. Faça o exercício de reor-
ganizar as orações que estão na ordem indireta, principalmente os enunciados das ques-
tões.
3. FIQUE ATENTO A TODOS OS DETALHES
Preste atenção a todos os tipos de texto (como infográficos, gráficos, tabelas, imagens,
citações, poemas...). Circule os nomes dos autores, livro e ano de publicação nas referên-
cias do texto. Tais detalhes talvez revelem o tema da questão e até mesmo a resposta.
4. PRATIQUE A INTERPRETAÇÃO COM POSTS DAS REDES SO-
CIAIS
Provavelmente você já viu memes ou menes nas redes sociais. Para entender o que signi-
ficam, é preciso interpretar, no mínimo, a relação entre dois elementos, que podem ou não
estar na imagem. Para praticar, experimente anotar em um papel o que é engraçado no
post e quais são os elementos que causam esse efeito de sentido e perceba o contexto
atual.

5. LEIA TEXTOS LONGOS IMPRESSOS


Depois de uma hora fazendo uma leitura densa, ficamos cansados. Precisamos ter resistên-
cia para não fazer análises equivocadas dos textos. Uma das formas de desenvolver a resis-
tência é se acostumar a compreender textos longos.
Procure fontes relevantes para os assuntos que você estuda no dia a dia. As provas, além
de serem úteis para praticar e simular a avaliação, podem ajudar no hábito da leitura desse
tipo de texto. Experimente baixá-las e interpretar os dados na coletânea da redação. Analise
também os enunciados das questões de diferentes áreas do conhecimento.
Vale lembrar que a maneira que a gente lê um texto impresso e na tela do celular ou compu-
tador é diferente. Se você fará provas impressas, prefira ler textos assim.

1538
6. COMPREENDA MÚSICAS
As músicas estão presentes no nosso dia a dia e utilizam muitas figuras de linguagem. De-
pois de escutar uma música de que você gosta, reflita sobre a letra. O que o autor quis dizer
com ela? Pesquise a letra e tente interpretar o significado de cada estrofe.
7. LEIA TIRINHAS
O concurso público costuma avaliar habilidades importantes na vida prática. Tirinhas são
facilmente encontradas, são leituras leves, divertidas e sempre precisam de interpretação.
Muitas vezes elas expõem algum problema social, histórico, ou tem uma crítica implícita.
8. OLHE PARA OS PERÍODOS, VERSOS E PARÁGRAFOS EM
CONJUNTO
Escolha uma ou duas palavras que resumam o que você leu nos trechos menores, para
lembrar depois. Em seguida, procure relações entre o que você acabou de ler. Por exemplo:
de oposição, causa e consequência, adição.
9. USE UM DICIONÁRIO
Quando estiver lendo, tenha um dicionário por perto e pesquise o que não entender. Só as-
sim vai ser possível interpretar depois. Para memorizar, anote a palavra que você descobriu
o que significa em um caderninho. Ela poderá ser útil para resolver exercícios e também pa-
ra a redação.
10. PEÇA A AJUDA AO GOOGLE
Todos nós já passamos por situações confusas no momento da leitura. O principal motivo
dessa insatisfação com a compreensão do texto é a falta de repertório. Nessa hora uma
pesquisa responsável ao Google poderá ajudar, mas cuidado com a fonte, pois precisa ser
confiável.
11. REESCREVA OU EXPLIQUE PARA VOCÊ MESMO
Reescreva o que você acabou de ler de maneira resumida e utilizando sinônimos. Se prefe-
rir, escreva em tópicos. O objetivo dessa dica é ter certeza de que você interpretou o texto e
também consegue explicá-lo de maneira simples.

DICAS RÁPIDAS DE GRAMÁTICA.

DICA 1 – PRONOME INDEFINIDO X ADVÉRBIO DE INTENSIDADE


É muito comum confundir a classe gramatical das palavras “mais, muito, bastante, pouco”.
No entanto, você verá que não é tão difícil assim. Vou explicar com uma análise gramatical
e uma semântica (sentido das palavras). Escolha a que achar mais fácil.
Aspecto gramatical: é necessário saber que o advérbio é uma palavra invariável (não fle-
xiona) e liga-se a três classes gramaticais (adjetivo, verbo e outro advérbio). Já o pronome,
geralmente, é uma palavra variável (flexiona em gênero e em número) e liga-se a um subs-
tantivo.
Aspecto semântico: lembre-se de que o pronome é um quantificador, ou seja, expressa
ideia de quantidade, indefinida claro. Já o advérbio expressa ideia de intensidade.
Observe os exemplos a seguir:
Comprei muitas flores. (flores = substantivo, logo “muitas” = pronome).
Havia menos pessoas na sala hoje. (pessoas = substantivo, logo “menos” = pronome).

1539
QUESTÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA

Ano: 2017 - VUNESP Câmara de Valinhos - SP - Assistente Administrativo

Cidades inovadoras

Se uma cidade criativa fosse uma simples soma aritmética, os termos seriam: tecnolo-
gia, tolerância, talentos e tesouros.
A equação original, cunhada pelo urbanista americano Richard Florida, continha os
três primeiros “tês”. O último é acréscimo do engenheiro e professor brasileiro Victor Mirs-
hawka, autor de “Cidades Criativas”.
De acordo com Mirshawka, o uso da tecnologia nas cidades não se reduz ao universo
digital. Inclui também iniciativas que têm impacto direto no cotidiano da população.
Ele cita Barcelona, que implementou o sistema de captação de lixo por tubos. A medi-
da levou à redução no número de caminhões de coleta, com consequências positivas no
trânsito.
Os itens tolerância e talentos, por sua vez, estão intimamente ligados. O primeiro, diz o
autor, abarca temas como orientação sexual e migração. “Essa mescla, envolvendo várias
religiões e costumes, permite diversidade, com resultados em campos como gastronomia
e música.”
Já o quesito talentos depende de um excelente sistema educacional, que funciona
como um ímã para pessoas com ideias inovadoras.
“Nesse sentido, a cidade com mais talentos do mundo é Boston (EUA), que tem 350
mil estudantes em instituições como Harvard e MIT.
Metade dos alunos são estrangeiros e, obviamente, os americanos ganham com isso.”
Por último, há os tesouros, que são tanto obras humanas (museus e monumentos)
quanto da natureza (rio Amazonas e cataratas do Iguaçu). Essas atrações, diz Mirshawka,
geram “visitabilidade”, fator fundamental para as cidades criativas. “A grande questão é
como fazer com que as pessoas queiram estar na sua cidade.”
Assim, também é preciso pensar na criação de um calendário de eventos. Holambra,
com seu Festival das Flores, e Barretos, com sua Festa do Peão, são dois exemplos em
São Paulo.
O Brasil conta com cinco membros na Rede de Cidades Criativas da Unesco, escolhi-
dos pela atuação em áreas específicas. A capital do Pará, por exemplo, destaca-se na
gastronomia pela pesquisa e utilização dos múltiplos ingredientes de origem amazônica e
pela capacidade de gerar milhares de empregos.
(Bruno Lee. Folha de S.Paulo, 30.06.2017. Adaptado)

Assinale a alternativa em que a frase está redigida e pontuada de acordo com a


norma-padrão da língua portuguesa.

a) Boston, onde metade dos alunos são estrangeiros, é uma fonte de riqueza intelectual
para os EUA.

1593
b) Boston, pela qual metade dos alunos são estrangeiros, é uma fonte, de riqueza inte-
lectual, para os EUA.
c) Boston, cuja a metade dos alunos são estrangeiros, é uma fonte de riqueza intelectual
para os EUA.
d) Boston da qual, metade dos alunos são estrangeiros, é uma fonte de riqueza
intelectual para os EUA.
e) Boston com a qual, metade dos alunos são estrangeiros, é uma fonte de ri-
queza intelectual para os EUA.

Ano: 2017- VUNESP - Prefeitura de Itanhaém - SP - Recepcionista

Geração Cibernética

Os computadores ficaram mais fáceis. Uso um computador como uma supermáquina


de escrever. Recentemente, o filho de um amigo, de 11 anos, estava em casa. Em segun-
dos, trocou a imagem de “papel de parede”. Descobriu jogos. Baixou arquivos. Apagou al-
guns, depois de me mostrar que tornavam meu laptop mais lento. Impossível eu não me
sentir um asno quando um moleque dá com simplicidade lições sobre uma máquina que
me acompanha há anos. A verdade é que me sinto um asno até mesmo diante de um mi-
cro-ondas de última geração, com múltiplas funções. Sonho com os aparelhos antigos,
com uma única função. Bastava apertar um botão e pronto!
A questão é que as crianças de hoje em dia já nascem sabendo. Ou quase. Qualquer
uma pega um celular e aprende as funções em segundos! Tablet e laptop nem se fala.
Pesquisam, descobrem jogos, quebram senhas. Para essa geração que vem aí, a ciberné-
tica é simples. Fico tentando achar explicações. Terá havido uma mudança cerebral? Não
digo física, embora acredite na evolução das espécies. Mas na forma de usar os neurô-
nios? Surgiram diferentes formas de pensar e analisar o mundo, a partir da cibernética? É
um novo tipo de inteligência que desponta?
Seja o que for, essa ligação umbilical com celulares e computadores terá efeitos no fu-
turo próximo. Como serão essas crianças quando adultas? Sem dúvida, mais informadas,
com mais ferramentas de pesquisa e conhecimento. Quais serão, porém, seus valores, na
medida em que a internet é uma terra de ninguém?
Estamos diante de um novo jeito de ser, viver e pensar. E como tudo o que é novo, por
mais correções que sejam necessárias, também implicará um passo à frente, em termos
de civilização. Não tenha dúvidas: seu filho será muito diferente de você.
(Walcyr Carrasco. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ walcyr-
carrasco/noticia/2016/10/geracao-cibernetica.html.
Publicado em 27 out. 2016. Acesso em: 03 jun. 2017. Adaptado)

Nas frases, a concordância das palavras está de acordo com a norma padrão da
língua portuguesa em:
a) A partir da cibernética, surge novas e diferentes formas de pensar e analisar o
mundo.

1594
b) A verdade é que me sinto pouco à vontade com tantas funções disponível nos
aparelhos de microondas.

c) A ligação umbilical das crianças com celulares e computadores terão efeitos


no futuro próximo.
d) Depois de me mostrar que alguns arquivos tornavam meu laptop mais lento, o
garoto apagou-os.

e) Ainda que correções precise ser feitas, tudo o que é novo também significará
um passo à frente.

Ano: 2017- VUNESP - Câmara de Mogi das Cruzes - SP - Auxiliar administrativo

O substituto da vida

Quando meu instrumento de trabalho era a máquina de escrever, eu me sentava a ela,


escrevia o que tinha de escrever, relia para ver se era aquilo mesmo, fechava a máquina,
entregava a matéria e ia à vida.
Se trabalhasse num jornal, isso incluiria discutir futebol com o pessoal da editoria de
esporte, ir à esquina comer um pastel ou dar uma fugida ao cinema.
Se já trabalhasse em casa, ao terminar de escrever eu fechava a máquina e abria um
livro, escutava um disco ou dava um pulo rapidinho à praia. Só reabria a máquina no dia
seguinte.
Hoje, diante do computador, termino de produzir um texto, vou à lista de mensagens
para saber quem me escreveu, deleto mensagens inúteis, respondo às que precisam de
resposta, eu próprio mando mensagens inúteis. Quando me dou conta, já é noite lá fora e
não saí da frente da tela.
Com o smartphone seria pior ainda. Ele substituiu a caneta, o bloco, a agenda, o tele-
fone, a banca de jornais, a máquina fotográfica, o álbum de fotos, a câmera de cinema, o
DVD, o correio, a secretária eletrônica, o relógio de pulso, o despertador, o gravador, o rá-
dio, a TV, o CD, a bússola, os mapas, a vida. É por isso que nem lhe chego perto – temo
que ele me substitua também.
(Ruy Castro. Folha de S.Paulo. 02.01.2016. Adaptado)

Assinale a alternativa em que a frase escrita a partir do texto está correta quanto à
regência verbal e nominal, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa.

a) Após terminar o trabalho, fechava a máquina com a qual trabalhava e me dedicava a


outras atividades que sentia prazer de realizar.

b) Após terminar o trabalho, fechava a máquina pela qual trabalhava e me dedicava a


outras atividades que sentia prazer realizar.

1595
c) Após terminar o trabalho, fechava a máquina da qual trabalhava e me dedicava em
outras atividades que sentia prazer sobre realizar.
d) Após terminar o trabalho, fechava a máquina pela qual trabalhava e me dedicava por
outras atividades que sentia prazer realizar.

e) Após terminar o trabalho, fechava a máquina a qual trabalhava e me dedicava de ou-


tras atividades que sentia prazer de realizar.

Ano: 2017- VUNESP - Câmara de Sumaré - SP - Escriturário

Leia o texto “Procura-se restaurante sem TV”, para responder à questão.

No fim de semana passado, fui com a família a um dos nossos restaurantes prediletos.
É um desses lugares com cardápio gigante e pratos idem, ideal para um almoção de do-
mingo. Um dos atrativos do lugar é um agradável jardim com mesas ao ar livre. O jardim é
a parte do restaurante preferida por famílias. Fica cheio de crianças nos fins de semana.
Ao chegar, tivemos uma surpresa: o restaurante havia colocado uma enorme televisão
no jardim, com caixas de som espalhadas por todo o lugar. A TV exibia – juro – um pro-
grama sobre o cultivo de orégano.
Somos clientes antigos do lugar. Vamos tanto que até conhecemos os donos. Pergun-
tei por que haviam decidido instalar o aparelho. “Cansei de perder clientes porque não
tínhamos TV”, disse um dos proprietários. “Tem gente que chega aqui, pergunta se tem
TV e, quando digo que não, vai embora.”
Triste, mas verdadeiro: achar um restaurante sem TV está ficando cada vez mais difícil.
Entendo que um restaurante de PF ou de almoço comercial tenha TV nas paredes para os
clientes verem as notícias ou os gols da noite anterior. É claro que já fui com amigos a bares
para assistir a jogos. Ninguém é contra a televisão. Mas não consigo entender como uma
família prefere ficar vendo um programa sobre plantação de orégano a conversar.
Nosso almoço foi uma depressão só: o som do programa impedia qualquer tentativa de
comunicação. Era impossível escapar do barulho da TV, já que as caixas cobriam toda a
área do lugar.
O pior é que o dono do restaurante tinha razão: as famílias pareciam estar gostando do
programa. Na mesa ao lado, um casal passou o almoço todo sem trocar uma palavra, apa-
rentemente hipnotizado pelas informações sobre a melhor época para plantar orégano.
Perdemos outro de nossos restaurantes favoritos. Uma pena. Mas tenho certeza de que
o lugar, agora com TV, não vai sentir nossa falta.
(André Barcinski, Folha de S.Paulo, 09.05.2012. Adaptado)

De acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, a expressão destacada no


trecho do texto está corretamente substituída pelo pronome em:

a) … o restaurante havia colocado uma enorme televisão no jardim… → … o


restaurante o havia colocado…

1596
b) Perguntei por que haviam decidido instalar o aparelho. → Perguntei por que
haviam decidido instalála.

c) … para os clientes verem as notícias ou os gols da noite anterior. → para os


clientes lhes verem.

d) … já que as caixas cobriam toda a área do lugar. → já que as caixas a cobri-


am.

e) … o lugar, agora com TV, não vai sentir nossa falta. → … o lugar, agora com
TV, não vai sentir-lhe.

Ano: 2017- VUNESP - Câmara de Mogi das Cruzes - SP - Telefonista

Uso de eletrônicos em excesso atrasa desenvolvimento infantil, diz Unicamp

Um estudo da Faculdade de Educação da Unicamp, em Campinas (SP), concluiu que


as crianças que usam aparelhos eletrônicos sem controle e não brincam, ou brincam pou-
co, no “mundo real”, podem ter atraso no desenvolvimento. A pesquisa foi realizada com
meninos e meninas de 8 a 12 anos de idade, que ficam de quatro a seis horas diante das
telas de computadores, tablets, celulares e videogames. Para a pedagoga Ana Lúcia
Pinto de Camargo Meneghel, as crianças que se enquadram nesse perfil acabam não
brincando e nem tendo uma rotina, o que afeta o ritmo de construção do desenvolvimento
cognitivo.
Ao todo, 21 meninos e meninas de uma escola particular na região de Campinas pas-
saram por testes para avaliar as capacidades que eles precisam ter para, inclusive, apren-
der bem o conteúdo ensinado na escola. Para a surpresa da pesquisadora, de todas as
crianças, apenas uma mostrou possuir as habilidades esperadas para essa faixa.
O uso de eletrônicos em si não é exatamente o problema, segundo a pesquisa, mas
sim a falta de brincadeiras no “mundo real”.
“O mais importante é eles brincarem. É preciso oferecer a essas crianças atividades
que estimulem a criatividade”.
Segundo a pesquisa, quando a criança brinca, faz uso de operações que garantem
noção operatória de espaço, tempo e causalidade.
(Disponível em http://www.unicamp.br/unicamp/clipping/2016/10/19/ uso-de-eletronicos-em-excesso-atrasa-
desenvolvimento-infantil-dizunicamp. Acesso em 29.09.2016. Adaptado)

Assinale a alternativa correta quanto ao emprego da pontuação, de acordo com a


norma-padrão da língua portuguesa.

1597
a) Na atualidade as crianças, costumam abusar do uso de aparelhos eletrônicos.
b) A falta de uma rotina de brincadeiras, compromete o desenvolvimento infantil.
c) Enquanto brincam as crianças, desenvolvem noções de tempo e de espaço.
d) Atividades que promovam a criatividade, devem fazer parte da rotina das crianças.
e) Segundo a pesquisadora, brincar é uma atividade indispensável para crianças.

Ano: 2017- VUNESP - Prefeitura de Marília - SP - Auxiliar

Supondo que Julieta tratasse Romeu por “você” e optasse por seguir a norma-
padrão da língua portuguesa, sua mensagem seria:

a) Romeu, fique esperto: Não estou morta, é sonífero! Faz parte do plano pra fi-
carmos juntos. Depois explico-o, gato!

b) Romeu, fique esperto: Não tô morta, é sonífero! Faz parte do plano para ficar-
mos juntos. Depois explico-lhe, gato!

c) Romeu, fique esperto: Não estou morta, é sonífero! Faz parte do plano para
ficarmos juntos. Depois lhe explico, gato!

1598
d) Romeu, fica esperto: Não tô morta, é sonífero! Faz parte do plano para ficarmos
juntos. Depois lhe explico, gato!

e) Romeu, fica esperto: Não estou morta, é sonífero! Faz parte do plano pra ficar-
mos juntos. Depois explico-o, gato!

Ano: 2017- VUNESP - CRBio - 1º Região - Auxiliar administrativo

Leia o texto de Adriana Gomes para responder à questão.

Tentação do imediato
É difícil definir o status de uma época quando ainda se está nela, mas certamente uma
das características marcantes do momento atual é o imediatismo. Percebo a tendência de
simplificação nos procedimentos e a opção pelas ações que oferecem vantagens imedia-
tas e menores riscos, sem considerar as consequências futuras.
Esse comportamento pode ser resultante da dificuldade de se lidar com as frustrações ge-
radas, basicamente, por três motivos: demora, contrariedade e conflito. Seus efeitos po-
dem ser agressão, regressão e fuga. Um experimento famoso feito na Universidade Stan-
ford (EUA), no final dos anos 1960, testou a capacidade de crianças resistirem à atração
da recompensa instantânea – e rendeu informações úteis sobre a força de vontade e a au-
todisciplina. Aquelas que resistiram tiveram mais sucesso na vida.
A atitude imediatista praticamente impacta todas as decisões, desde a vida pessoal à roti-
na das empresas, chegando até à condução do país. O que importa é o hoje e o agora!
Muitas vezes, o valor da durabilidade e da consistência – o longo prazo – parece uma his-
tória fantasiosa. Entretanto, a vida prática confirma que o investimento em educação de
qualidade e a dedicação aos estudos, por exemplo, geram bons resultados futuros. Profis-
sionais bem qualificados e competentes em suas áreas de atuação, ou seja, aqueles que
se dedicaram, aprofundaram seus conhecimentos e os praticaram, costumam encontrar
melhores opções na vida profissional.
É preciso, todavia, acreditar nessa equação e investir tempo e dinheiro para co-
lher seus frutos. Os atalhos são tentadores, mas seus resultados a longo prazo
tendem a ser frustrantes.
(Folha de S.Paulo, 31.01.2016. Adaptado)
Assinale a alternativa em que a frase, formulada a partir das ideias do terceiro pará-
grafo, está correta quanto à concordância verbal e nominal estabelecida pela norma-
-padrão da língua portuguesa.
a) Conduzida pela Universidade de Stanford, nos EUA, pesquisas avaliaram o nível de
autodisciplina de algumas crianças submetida a teste.

1599
b) Dados interessantes acerca do comportamento humano foram revelados pelos estudos
dedicados à capacidade de resistência dos indivíduos.

c) Segundo os resultados que se obteve, alcançou mais sucesso na vida as crianças que
não se iludiram com recompensas imediatas.

d) Algumas crianças, por elas mesmos, isto é, sem interferência dos adultos, superou a
tentação de uma premiação imediata.
e) Fazem aproximadamente cinquenta anos que a Universidade de Stanford, cotada entre
as mais conceituada do mundo, decidiu desenvolver essa pesquisa.

Ano: 2017 - VUNESP - Câmara de Mogi das Cruzes - SP - Telefonista

Uso de eletrônicos em excesso atrasa desenvolvimento infantil, diz Unicamp

Um estudo da Faculdade de Educação da Unicamp, em Campinas (SP), concluiu que


as crianças que usam aparelhos eletrônicos sem controle e não brincam, ou brincam pou-
co, no “mundo real”, podem ter atraso no desenvolvimento. A pesquisa foi realizada com
meninos e meninas de 8 a 12 anos de idade, que ficam de quatro a seis horas diante das
telas de computadores, tablets, celulares e videogames. Para a pedagoga Ana Lúcia
Pinto de Camargo Meneghel, as crianças que se enquadram nesse perfil acabam não
brincando e nem tendo uma rotina, o que afeta o ritmo de construção do desenvolvimento
cognitivo.
Ao todo, 21 meninos e meninas de uma escola particular na região de Campinas pas-
saram por testes para avaliar as capacidades que eles precisam ter para, inclusive, apren-
der bem o conteúdo ensinado na escola. Para a surpresa da pesquisadora, de todas as
crianças, apenas uma mostrou possuir as habilidades esperadas para essa faixa.
O uso de eletrônicos em si não é exatamente o problema, segundo a pesquisa, mas
sim a falta de brincadeiras no “mundo real”.
“O mais importante é eles brincarem. É preciso oferecer a essas crianças atividades
que estimulem a criatividade”.
Segundo a pesquisa, quando a criança brinca, faz uso de operações que garantem
noção operatória de espaço, tempo e causalidade.
(Disponível em http://www.unicamp.br/unicamp/clipping/2016/10/19/ uso-de-eletronicos-em-excesso-atrasa-
desenvolvimento-infantil-dizunicamp. Acesso em 29.09.2016. Adaptado)

O segmento do texto – É preciso oferecer a essas crianças atividades que estimulem


a criatividade. – apresenta reescrita correta, quanto à concordância das palavras,
conforme a norma-padrão da língua portuguesa, em:

a) Precisam ser oferecidas a essas crianças atividades que estimulem a criatividade.


b) Precisa ser oferecida a essas crianças atividades que estimulem a criatividade.
1600
c) Precisa ser oferecidas a essas crianças atividade que estimulem a criatividade.
d) Precisam ser oferecida a essas crianças atividade que estimulem a criatividade.
e) Precisam ser oferecida a essas crianças atividades que estimule a criatividade.

Ano: 2017- VUNESP - IPRESB - SP - Assistente Previdenciário

Cresce preocupação de investidores com sustentabilidade

Pesquisa da consultoria Ernst & Young mostra que cada vez mais os investidores con-
sideram dados socioambientais e de governança antes de decidir pôr dinheiro em uma
empresa.
No ano passado, 68% disseram que essas informações têm papel fundamental na es-
colha do destino final dos recursos. É uma evolução em relação a 2015, quando 52% afir-
mavam atentar para essas questões.
A consultoria ouviu 320 investidores ao redor do mundo, sendo um terço deles com
mais de US$ 10 bilhões em ativos sob gestão.
No Brasil, uma das tentativas de estabelecer parâmetros sobre esses dados para o
mercado financeiro vem do Índice de Sustentabilidade da Bolsa. Os dados comparam o
desempenho de empresas sob aspectos como eficiência econômica, equilíbrio ambiental,
justiça social e governança corporativa. Desde que foi lançado, esse Índice já acumula va-
lorização de 154,6%. Para H. Bueno, da EY, escândalos ambientais e sociais recentes – e
as consequências desses casos sobre as ações das empresas – fazem com que a susten-
tabilidade ganhe mais espaço dentro das corporações.
O estudo cita o episódio envolvendo uma grande fabricante de veículos, que usava
um software para manipular testes de verificação das emissões de gases poluentes pelos
veículos da montadora.
Nos dias seguintes às denúncias, as ações da empresa chegaram a desvalorizar
42,2%.
O mercado e os consumidores cobram idoneidade das companhias. “O consumidor
tem uma reação imediata em parar de consumir o produto de empresas que estão envol-
vidas em corrupção e em algum tipo de manipulação. A sustentabilidade é um caminho
sem volta. As empresas precisam transitar por esse caminho, senão vão ser penalizadas
no mercado consumidor ou na capacidade de receber investimentos”, afirma Bueno.
(Danielle Brant. Folha de S.Paulo, 07.08.2017. Adaptado)

Considere a frase.

O consumidor costuma imediatamente ____________ adquirir produtos de empre-


sas que ___________ corrupção ou algum tipo de manipulação.

1601
De acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, as lacunas da frase devem
ser preenchidas, respectivamente, por:

a) se recusar de … estão implicadas em


b) se eximir de … têm elo à
c) se abster com … têm vínculos em
d) se negar a … estão comprometidas com
e) se furtar com … têm ligação à
Ano: 2017- VUNESP - CRBio - 1º Região - Auxiliar administrativo

Leia o texto de Adriana Gomes para responder à questão.

Tentação do imediato
É difícil definir o status de uma época quando ainda se está nela, mas certamente uma
das características marcantes do momento atual é o imediatismo. Percebo a tendência de
simplificação nos procedimentos e a opção pelas ações que oferecem vantagens imedia-
tas e menores riscos, sem considerar as consequências futuras.
Esse comportamento pode ser resultante da dificuldade de se lidar com as frustrações ge-
radas, basicamente, por três motivos: demora, contrariedade e conflito. Seus efeitos po-
dem ser agressão, regressão e fuga. Um experimento famoso feito na Universidade Stan-
ford (EUA), no final dos anos 1960, testou a capacidade de crianças resistirem à atração
da recompensa instantânea – e rendeu informações úteis sobre a força de vontade e a au-
todisciplina. Aquelas que resistiram tiveram mais sucesso na vida.
A atitude imediatista praticamente impacta todas as decisões, desde a vida pessoal à roti-
na das empresas, chegando até à condução do país. O que importa é o hoje e o agora!
Muitas vezes, o valor da durabilidade e da consistência – o longo prazo – parece uma his-
tória fantasiosa. Entretanto, a vida prática confirma que o investimento em educação de
qualidade e a dedicação aos estudos, por exemplo, geram bons resultados futuros. Profis-
sionais bem qualificados e competentes em suas áreas de atuação, ou seja, aqueles que
se dedicaram, aprofundaram seus conhecimentos e os praticaram, costumam encontrar
melhores opções na vida profissional.
É preciso, todavia, acreditar nessa equação e investir tempo e dinheiro para co-
lher seus frutos. Os atalhos são tentadores, mas seus resultados a longo prazo
tendem a ser frustrantes.
(Folha de S.Paulo, 31.01.2016. Adaptado)
Considere a frase elaborada a partir das ideias do texto.
Se a pessoa ___________ nessa equação e investir tempo e dinheiro, poderá colher
bons frutos.
A lacuna dessa frase deve ser preenchida, de acordo com a norma-padrão

da língua portuguesa, com:

a) ter crença
b) pôr foco
1602
O projeto ficou ainda mais famoso com o filme “Cartas para Julieta” (2010), em que a
protagonista se junta aos voluntários do grupo e tenta ajudar pessoalmente a mulher a
quem aconselhou. No ano que se seguiu ao filme, quase 4.000 cartas foram recebidas,
segundo o Clube.
Há caixas de correio e computadores na Casa de Julieta para enviar mensagens. Por
outro lado, uma placa na entrada alerta que escrever nas paredes – a exemplo de inúme-
ras pichações no hall de entrada – pode ser punido com multa de até € 1.039 ou prisão
por até um ano.
(MK. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/turismo/fx2909201111.htm. Adaptado)

Com o sucesso do filme “Cartas para Julieta”, o Clube recebeu inúmeras cartas e
prontamente enviou a todos os remetentes respostas detalhadas.

Os pronomes substituem corretamente as expressões destacadas na frase e respei-


tam a colocação pronominal estabelecida pela norma-padrão na alternativa:

a) recebeu-as … as enviou
b) recebeu-as … lhes enviou
c) as recebeu … enviou-as
d) lhes recebeu … lhes enviou
e) recebeu-lhes … as enviou

Ano: 2017 - VUNESP - Prefeitura de Marília - SP - Auxiliar

1708
Assinale a alternativa em que o trecho reescrito da mensagem de Julieta apresenta
ideia de causa.

a) Não tô morta, embora tenha tomado apenas um sonífero.


b) Não tô morta, caso tenha tomado apenas um sonífero.
c) Não tô morta, pois tomei apenas um sonífero.
d) Não tô morta, se bem que tomei apenas um sonífero.
e) Não tô morta, mesmo que tenha tomado apenas um sonífero.

Link para Videoaulas Gratuitas DE Língua Portuguesa

ENCONTRADAS NA INTERNET

https://www.jurisway.org.br/videos/default.asp?area=L%EDngua_Portuguesa

1709
1710
BLOCO III: Conhecimentos Gerais

Sumário
Raciocínio Lógico:................................................................................................................. 2
Dicas de Matemática disponíveis na internet ................................................................. 173
QUESTÕES DE MATEMÁTICA .......................................................................................... 260
Informática ......................................................................................................................... 325
Videoaulas Gratuitas DE Informática ENCONTRADAS NA INTERNET ........................ 328
QUESTÕES DE INFORMÁTICA ......................................................................................... 328
ATUALIDADES ................................................................................................................... 523

1
RACIOCÍNIO LÓGICO:

(10) questões:

Visa avaliar a habilidade do candidato em entender a estrutura lógica das relações arbitrá-
rias entre pessoas, lugares, coisas, eventos fictícios; deduzir novas informações das rela-
ções fornecidas e avaliar as condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas rela-
ções. Visa também avaliar se o candidato identifica as regularidades de uma sequência,
numérica ou figural, de modo a indicar qual é o elemento de uma dada posição. As ques-
tões desta prova poderão tratar das seguintes áreas: estruturas lógicas, lógicas de argumen-
tação, diagramas lógicos, sequências

2
3
DICAS DE RACIOCÍNIO LÓGICO

TABELA VERDADE Exercícios de Fixação

Iremos abordar nesta apostila uma diferente 1. Das sentenças abaixo, assinale quais são propo-
forma de argumentação que se associa diretamen- sições
te com a língua portuguesa. Apesar de analisarmos a.) O Chile e o Brasil.
frases muitas vezes de forma subjetiva a matéria que b.) Emerson é professor.
transmitirei a vocês abordará de forma simples, con- c.) Ela é professora.
cisa e precisa conclusões das frases ligadas com a d.) O Brasil foi campeão de futebol em 1982
nossa língua, que muitas vezes serão levantadas em e.) Que legal!
questões em sala de aula. Porém com a lógica não f.) 5 x 4 = 20
teremos como discutir a validade da frase, pois ela g.) 4 x 2 + 1 > 4
irá detalhar precisamente o certo do errado. Vamos h.) (-2)3 > 4
ao que interessa. i.) O Brasil perdeu o título
j.) X + Y é maior do que 7.
Proposições k.) Que horas são?
l.) Aquela mulher é linda.
Chama-se proposição toda sentença declara- m.) O Brasil ganhou 5 medalhas de ouro em
tiva que pode ser classificada ou só como verda- Atlanta
deira ou só como falsa. Temos dois tipos de pro- n.) - 4 - 3 = 7
posições: simples e composta. o.) 4 x 2 + 1 < 9
p.) (-2)3 < 4
Proposições Simples
Proposições Compostas
Chama-se proposição simples toda oração de-
clarativa que pode ser classificada ou só como ver- Ao utilizarmos a linguagem combinamos idéias
dadeira ou só como falsa. Representaremos uma simples, ligando as proposições simples através de
proposição simples como uma letra minúscula qual- símbolos lógicos, formando assim as chamadas pro-
quer de nosso alfabeto. posições compostas.

Conectivos Lógicos
Tipos de Sentenças Exemplos Vejamos os conectivos (e seus símbolos ) que
ligam as proposições simples, formando as proposi-
Declarativas Carlos é escritor.
ções compostas.
Todos os gatos são pardos
Conjunções XXX e YYY
Existem estrelas maiores do que o Sol
Disjunções
XXX ou YYY
não excludentes
Conectivos
Imperativas Segure firme! Disjunções
Ou XXX ou YYY
excludentes
Não faça isto
Pegue aquele negócio Condicionais XXX então YYY
Bicondicionais XXX se e somente se YYY
Interrogativa Quem peidou?
Quantos japoneses moram no Brasil? Para analisar os valores lógicos das proposições
compostas, iremos utilizar uma tabela que prevê
Exclamativas Que morena! todos os possíveis valores lógicos que uma senten-
ça pode possuir a partir dos valores lógicos das pro-
Parabéns!
posições simples. O nome desta tabela é: TABELA
VERDADE.
Valores Lógicos das Proposições Simples

Podemos classificar uma proposição simples ou


como verdadeira ou como falsa.
Número de Linhas da Tabela Verdade Negação (¬p)
Quando trabalhamos com tabela verdade, é sempre
importante verificar quantas linhas deveremos analisar. Uma proposição quando negada, recebe valo-
E para isso é preciso conhecermos a seguinte fórmula: res lógicos opostos dos valores lógicos da propo-
2n sição original. O símbolo que iremos utilizar é ¬p.
onde n é o número de proposições simples que
estamos analisando. p ¬p
Por exemplo, caso formos analisar uma proposi- V F
F V
ção composta com duas proposições simples (p e q),
poderemos analisá-las das seguintes maneiras:
Valores Lógicos das
Proposições Compostas
p q
V V
V F Tabela verdade do conectivo e, Conjunção ( ^ )
F V Iremos estudar a lógica entre duas proposições
F F p e q através do uso a conjunção “e”. Simbolicamente
temos p ^ q (lê-se p e q). Este conectivo traduz a
Repare que fórmula já previa quatro linhas para idéia de simultaneidade.
serem analisadas. 22 = 4 linhas Assim, uma proposição composta do tipo: p ^ q
Vamos analisar agora uma proposição composta é verdadeira apenas quando as proposições simples
com três proposições simples (p,q e r). p e q forem simultaneamente verdadeiras, em qual-
quer outro caso p ^ q é falsa.
p q r
V V V
Resumindo na tabela verdade:
V V F
V F V
V F F p q p^q
f V V V V V
F V F V F F
F F V
F V F
F F F
F F F

Repare que fórmula já previa oito linhas para se- A conjunção p ^ q é verdadeira se p e q são ver-
rem analisadas. 23 = 8 linhas dadeiras ao mesmo tempo. E caso uma delas for falsa,
então p ^ q é falsa. Veja o exemplo abaixo com frases.
Exercícios de Fixação
Paris não se situa na África e a África tem
2. Assinale a alternativa que exibe a quantidade uma população predominante negra.
de linhas que uma proposição composta com
8 proposições simples pode possuir em uma ta- Repare que as duas proposições simples são ver-
bela verdade. dadeiras, gerando uma idéia verdadeira à frase como
a.) 16 linhas um todo.
b.) 32 linhas
c.) 64 linhas Paris não se situa na África e a África não
d.) 128 linhas tem uma população predominante negra.
e.) 256 linhas
Repare que a primeira proposição é verdadeira
3. Assinale a alternativa que exibe a quantidade e a segunda é falsa, gerando uma idéia falsa à frase
de linhas que uma proposição composta com 6 como um todo
proposições simples pode possuir em uma ta-
bela verdade. Paris situa-se na África e a África tem uma
a.) 64 linhas população predominante negra.
b.) 128 linhas
c.) 256 linhas Repare que a primeira proposição é falsa e a se-
d.) 512 linhas gunda é verdadeira, gerando uma idéia falsa à frase
e.) 1024 linhas como um todo
Paris situa-se na África e a África não tem Repare que as duas proposições simples são fal-
uma população predominante negra. sas, gerando uma idéia falsa à frase como um todo.

Repare que as duas proposições simples são fal- Tabela verdade do conectivo ou, Disjunção ex-
sas, gerando uma idéia falsa à frase como um todo. clusiva (v )

Tabela verdade do conectivo ou, Disjunção não Iremos estudar a lógica entre duas proposições p e
exclusiva ( v) q através do uso da disjunção exclusiva “ou”. Simbolica-
mente temos p v q (lê-se p ou q). Este conectivo traduz
Iremos estudar a lógica entre duas proposições a idéia hipóteses mutuamente exclusivas.
p e q através do uso da disjunção não exclusiva “ou”.
Simbolicamente temos p Ú q (lê-se p ou q). Este co- Antes de continuar qualquer tipo de explicação
nectivo traduz a idéia de que pelo menos uma das é importante salientar a diferença entre os dois tipos
hipóteses ocorre. de “ou”. Esse “ou“ que iremos abordar, dá a idéia de
exclusão plena: “ou Irei ao shopping ou ao estádio”.
Assim, uma proposição composta do tipo p Ú q é Repare que o personagem ou vai ao shopping ou vai
verdadeira quando pelo menos uma das proposições ao estádio, ele não poderá ir aos dois locais ao mes-
simples forem verdadeiras, sendo falsa apenas quan- mo tempo. Temos aqui, a idéia da disjunção que es-
do ambas forem falsas. tamos apresentando.

Resumindo na tabela verdade: Uma proposição composta do tipo p v q é verda-


p q pvq deira quando apenas uma das proposições simples
V V V forem verdadeiras, sendo falsa quando ambas forem
V F V falsas ou ambas verdadeiras.
F V V
F F F
Resumindo na tabela verdade:
A disjunção p v q é verdadeira se ao menos uma p q pvq
das proposições p ou q é verdadeira. Caso p e q são V V F
falsas ao mesmo tempo então p v q é falsa. Veja o V F V
exemplo abaixo com frases. F V V
F F F
Paris não se situa na África ou a África tem
uma população predominante negra. A disjunção p v q é verdadeira se ao menos uma
das proposições p ou q é verdadeira, caso p e q são
Repare que as duas proposições simples são ver- falsas ao mesmo tempo então p v q é falsa. Veja o
dadeiras, gerando uma idéia verdadeira à frase como exemplo abaixo com frases.
um todo.
Ou Sérgio mora em Curitiba ou mora em
Paris não se situa na África ou a África não Fortaleza.
uma população predominante negra.
Repare que se as duas proposições simples fo-
Repare que a primeira proposição é verdadeira rem verdadeiras, Sérgio morará nas duas cidades.
e a segunda é falsa, gerando uma idéia verdadeira à Sabemos que uso deste conectivo lógico significa
frase como um todo que ele poderá morar em apenas uma das cidades,
ou Curitiba ou Fortaleza.
Paris situa-se na África ou a África tem uma
população predominante negra. Exercício de Fixação

Repare que a primeira proposição é falsa e a se- 4. Classifique em verdadeira ou falsa cada uma das
gunda é verdadeira, gerando uma idéia verdadeira à seguintes proposições compostas.
frase como um todo a) 40 = 1 v 22 = 4
b) 2! = 2 ^ 0! =1
Paris situa-se na África ou a África não tem c) 40 = 1 v 23 = 6
uma população predominante negra. d) 2! = 2 ^ 0! =0
e) Sérgio Altenfelder é professor de matemática Tabela verdade do conectivo
e de estatística Se xxx então yyy , Condicional ( →)
f ) Sérgio Altenfelder está de blusa verde ou calça
jeans. Iremos estudar a lógica entre duas proposições
g) 1! = 0 ^ 0! = 0 p e q através do uso da condicional “Se xxx então
h) Londres é a capital da Inglaterra ou a torre Ei- yyy”. Simbolicamente temos p → q (lê-se se p então
ffel situa-se em Londres q). Este conectivo traduz a idéia de condição, em ou-
i) 22 = 4 v 23 = 6 tras palavras, causa e efeito.
j) O meridiano de Greenwich passa por Londres
e Londres é a capital do Chile É importante apresentar um outro conceito que
k) 4 - 1 = 3 v 2 x 3. = 8 costuma cair de uma frase condicional.
l) 32 = 9 v 2 x 3 = 8
m) 4 - 1 = 3 ^ 2 x 3 = 8 Temos p → q.

5. Sejam as proposições: p é condição suficiente para q. Ou ainda p é cha-


p: A vaca foi para o brejo q: O boi seguiu a vaca. mado de causa.
Forme sentenças, na linguagem natural, que cor-
respondam às proposições abaixo: q é condição necessária para p Ou ainda q é cha-
a) ¬p mado de conseqüência ou efeito
b) ¬q
c) p ^ q Este conectivo traduz a idéia de condição. As-
d) p v q sim, uma proposição composta do tipo p → q só é
e) ¬p ^ q falsa se tivermos p é verdadeira e q falsa; em qual-
f) P v ¬q quer outro caso, ela é verdadeira.
g) ¬(p ^ q) Resumindo na tabela-verdade:
h) ¬(p v q)
p q p→q
i) ¬p v ¬q
j) ¬p ^ ¬q V V V
k) ¬(¬q) V F F
l) ¬(¬p) F V V
F F V
6. Sejam as proposições simples.
p: João é alto q: João é jogador de Basquete. O condicional p → q é falso somente quando p
Escreva na forma simbólica
é verdadeira e q é falsa; caso contrário, p → q será
a) João não é alto
verdadeiro
b) Não é verdade que João não é alto
c) João é alto e é jogador de basquete.
Como este conectivo é muito difícil de entender,
d) João não é alto e é jogador de basquete.
vamos imaginar a seguinte situação: Imaginemos
e) João não é alto ou não é jogador de basquete.
que você seja uma pessoa que normalmente carrega
f ) João não é jogador de basquete.
seu guarda chuva na sua bolsa ou mala ou de qual-
g) Não é verdade que João não é jogador de bas-
quer outra forma. Suponha, também, que está cho-
quete
vendo é uma frase verdadeira e que levar o guarda
h) João é alto ou é jogador de basquete.
chuva também será verdadeira.
i) João é alto e não é jogador de basquete
j) Não é verdade que João é alto e é jogador de
Se não está chovendo então eu levo o guarda
basquete
chuva.
k) Não é verdade que João é alto ou é jogador de
basquete
Esta frase pode ser falada por uma pessoa com
l) Não é verdade que João não é alto ou é joga-
esse perfil, pois chovendo ou não ela carrega o guar-
dor de basquete
da chuva. Logo, concluímos que causa falsa e efeito
m) João não é alto nem é jogador de basquete.
verdadeiro, gera uma frase verdadeira como um todo.

Se não está chovendo então eu não levo o


guarda chuva.
Esta frase pode ser falada por uma pessoa com Tabela verdade do conectivo xxx se e somen-
esse perfil, pois chovendo ou não ela carrega o guar- te se yyy , Bicondicional (↔)
da chuva. Logo, concluímos que causa falsa e efeito
falso, gera uma frase verdadeira como um todo. Iremos estudar a lógica entre duas proposições
p e q através do uso da bicondicional “ xxx se so-
Vamos interpretar as duas situações acima. Pessoas mente se yyy”. Simbolicamente temos p ↔ q (lê-se
que normalmente carregam seu guarda chuva, em dias p se e somente se q). Este conectivo traduz a idéia
que não chove, elas podem ou não carregar seu guarda de bicondição. Este conectivo não é muito usado
chuva. Por isso que as frases acima são verdadeiras. em nossa língua portuguesa,usamos mais em frases
matemáticas,para provar certas teorias.
Se está chovendo então eu levo o guarda chuva.
É importante salientar que em alguns concursos
Esta frase pode ser falada por uma pessoa com este conectivo nunca caiu. Onde costuma cair este co-
esse perfil, pois está realmente chovendo e com cer- nectivo é nas provas da banca examinadora ESAF
teza ela irá carregar o guarda chuva. Logo, conclu-
ímos que causa verdadeira e efeito verdadeiro, gera Temos p ↔ q.
uma frase verdadeira como um todo.
p é condição suficiente e necessária para q. Ou
Se está chovendo então eu não levo o guarda chuva. ainda p é chamado de causa e efeito ao mesmo tempo.

Esta frase NÃO pode ser falada por uma pessoa q é condição necessária e suficiente para p Ou
com esse perfil, pois se chove, pessoas com esse per- ainda q é chamado de causa e efeito ao mesmo tempo.
fil com certeza levarão seu guarda chuva. Logo, con-
cluímos que causa verdadeira e efeito falso, gera uma Este conectivo traduz a idéia de bicondição. As-
frase falsa como um todo. sim, uma proposição composta do tipo p v q só será
falsa se tivermos p e q apresentando valores lógicos
Vamos interpretar as duas situações acima. Pes- diferentes; e se p e q possuírem os mesmos valores
soas que normalmente carregam seu guarda chuva, lógicos a frase será verdadeira.
em dias que chove, elas sempre carregarão seu guar-
da chuva. Por isso que das duas frases acima uma é
verdadeira e a outra é falsa. Resumindo na tabela-verdade:
p q p↔q
PROPRIEDADES DA CONDICIONAL V V V
V F F
Ainda sobre o conectivo “se então”, temos que F V F
memorizar 3 conceitos sobre tal conectivo: F F V

Proposições Inversas: para encontrar a inversa


de uma proposição composta basta negar as frases. A bicondicional p v q só será falsa se tivermos p
e q apresentarem valores lógicos diferentes; e se p e
p → q sua inversa é ¬p → ¬q q são proposições com os mesmos valores lógicos a
x → ¬y sua inversa é ¬x → y frase será verdadeira.

Proposições recíprocas: para encontrar a recí-


2 x 3 = 6 se e somente se 2 + 2 + 2 = 6. Conclusão V
proca de uma proposição composta basta inverter
V V
as frases.
p → q sua recíproca é q → p 2 x 3 = 6 se e somente se 2 + 2 + 2 ≠ 6. Conclusão F
x → ¬y sua recíproca é ¬y → x V F

2 x 3 ≠ 6 se e somente se 2 + 2 + 2 = 6. Conclusão F
Proposições contrapositivas: para encontrar F V
a contrapositiva de uma proposição composta basta
inverter e negar as frases. 2 x 3 ≠ 6 se e somente se 2 + 2 + 2 ≠ 6. Conclusão V
p → q sua contrapositiva é ¬q → ¬p F F
x → ¬y sua contrapositiva é y → ¬x
Ano: 2017 Banca: VUNESP Órgão: Câmara de Sumaré - SP - Prova: Escriturário

Sabe-se que 70% dos participantes da fase inicial de um processo seletivo foram reprova-
dos. Se 140 candidatos foram reprovados nessa fase inicial, então o número de candidatos
aprovados para a fase seguinte desse processo seletivo foi

a) 30.
b) 40.
c) 50.
d) 60.
e) 70.

Ano: 2017 Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Uma negação lógica para a afirmação “João é rico, ou Maria é pobre” é:

a) Se João é rico, então Maria é pobre.


b) João não é rico, e Maria não é pobre.
c) João é rico, e Maria não é pobre.
d) Se João não é rico, então Maria não é pobre.
e) João não é rico, ou Maria não é pobre.
Ano: 2017 - Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

“Existe um lugar em que não há poluição” é uma negação lógica da afirmação:

a) Em todo lugar, não há poluição.


b) Em alguns lugares, há poluição.
c) Em todo lugar, há poluição.
d) Em alguns lugares, pode não haver poluição.
e) Em alguns lugares, não há poluição.

36
Ano: 2017 Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Considerando falsa a afirmação “Se Ana é gerente, então Carlos é diretor”, a afirmação ne-
cessariamente verdadeira é:

a) Ana é gerente.
b) Carlos é diretor.
c) Ana não é gerente, e Carlos não é diretor.
d) Ana não é gerente, ou Carlos é diretor.
e) Ana é gerente, e Carlos é diretor.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Uma afirmação equivalente para “Se estou feliz, então passei no concurso” é:

a) Se passei no concurso, então estou feliz.


b) Se não passei no concurso, então não estou feliz.
c) Não passei no concurso e não estou feliz.
d) Estou feliz e passei no concurso.
e) Passei no concurso e não estou feliz.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Sabendo que é verdadeira a afirmação “Todos os alunos de Fulano foram aprovados no


concurso”, então é necessariamente verdade:

a) Fulano foi aprovado no concurso.


b) Se Elvis foi aprovado no concurso, então ele é aluno de Fulano.
c) Se Roberto não é aluno de Fulano, então ele não foi aprovado no concurso.
d) Fulano não foi aprovado no concurso.
e) Se Carlos não foi aprovado no concurso, então ele não é aluno de Fulano.

37
Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Se Débora é mãe de Hugo, então Marcelo é baixo. Se Carlos não é filho de Débora, então
Neusa não é avó dele. Sabendo-se que Marcelo é alto ou que Neusa é avó de Carlos, con-
clui-se corretamente que

a) Hugo e Carlos são irmãos.


b) Débora não é mãe de Hugo, e Carlos é filho de Débora.
c) Hugo e Carlos não são irmãos.
d) Débora não é mãe de Hugo, ou Carlos é filho de Débora.
e) Neusa é mãe de Débora.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Em um edifício com apartamentos somente nos andares de 1° ao 4° , moram 4 meninas, em


andares distintos: Joana, Yara, Kelly e Bete, não necessariamente nessa ordem. Cada uma
delas tem um animal de estimação diferente: gato, cachorro, passarinho e tartaruga, não
necessariamente nessa ordem. Bete vive reclamando do barulho feito pelo cachorro, no an-
dar imediatamente acima do seu. Joana, que não mora no 4° , mora um andar acima do de
Kelly, que tem o passarinho e não mora no 2° andar. Quem mora no 3° andar tem uma tarta-
ruga. Sendo assim, é correto afirmar que

a) Kelly não mora no 1° andar.


b) Bete tem um gato.
c) Joana mora no 3° andar e tem um gato.
d) o gato é o animal de estimação da menina que mora no 1° andar.
e) Yara mora no 4° andar e tem um cachorro.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico

Carlos é o único atleta que tem patrocínio de 3 empresas: A, B e C. Em se tratando de atle-


tas que recebem patrocínios de apenas 2 dessas empresas, temos: Leandro e Hamilton, das
empresas A e B; Marta e Silas, das empresas A e C; e Amanda, Renata e Sérgio, das em-
presas B e C. Se esses atletas fazem parte de um grupo contendo, ao todo, 18 atletas que
recebem patrocínio das empresas A, B ou C, e cada empresa tem, pelo menos, 1 atleta re-

38
cebendo patrocínio somente dela, então é correto afirmar que os números mínimo e máximo
de atletas que a empresa B pode patrocinar são, respectivamente,

a) 6 e 12.
b) 5 e 10.
c) 8 e 16.
d) 7 e 14.
e) 4 e 8.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Na sequência numérica 2, 3, 5, 9, 17, 33, 65, 129, ..., mantida a ordem preestabelecida, o
próximo elemento é
a) 273.

b) 257.

c) 249.

d) 281.

e) 265.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Observe as 4 primeiras figuras de uma sequência, em que cada figura contém 5 símbolos:

Nessa sequência, as figuras 5, 6, 7 e 8 correspondem, respectivamente, às figuras 1, 2, 3 e


4, assim como as figuras 9, 10, 11 e 12, e assim por diante, mantendo-se essa correspon-
dência. Com relação à ordem dos símbolos, o 1° dessa sequência é , o 8° é , o 15°
é , e assim por diante. Nestas condições, o 189° símbolo é

39
a)

b)

c)

d)

e)

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: UNESP - Prova: Assistente Administrativo

As duas rodas gigantes de um parque de diversões giram em velocidades diferentes. Uma


delas gasta 50 segundos para dar uma volta, e a outra gasta 40 segundos para também
dar uma volta. Se as duas rodas ficassem girando sem parar durante uma hora, o número
de voltas somadas que as duas rodas fariam é igual a

a) 128.
b) 162.
c) 180.
d) 210.
e) 244.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: UNESP - Prova: Assistente Administrativo

Foram serradas 54 ripas de madeira, algumas em pedaços de 50 cm e outras em pedaços


de 40 cm, de maneira que o número de pedaços de 50 cm foi igual ao número de pedaços
de 40 cm. Sabendo que cada ripa tinha 2 m de comprimento e que sempre foram serrados
pedaços de um mesmo tamanho de cada ripa, não ocorrendo sobras, então, desprezando-
se perdas ocorridas no ato de serrar, o número de ripas serradas em pedaços de 40 cm foi
igual a

a) 18.
b) 24.
c) 30.
d) 32.
e) 34.

40
172
Matemática

(06) questões:

1. Operações com números reais.


2. Mínimo múltiplo comum e máximo divisor comum.
3. Razão e proporção.
4. Porcentagem.
5. Regra de três simples e composta.
6. Média aritmética simples e ponderada.
7. Juros simples.
8. Equação do 1.º e 2.º graus.
9. Sistema de equações do 1.º grau.
10. Relação entre grandezas: tabelas e gráficos.
11. Sistemas de medidas usuais.
12. Noções de geometria: forma, perímetro, área, volume, ângulo, teorema de Pitágoras.
13. Resolução de situações-problema.

DICAS DE MATEMÁTICA DISPONÍVEIS NA INTERNET

173
Números reais
O conjunto dos números reais é formado pela união entre os conjuntos
dos números racionais e irracionais.

OPERAÇÕES COM NÚMEROS RACIONAIS

ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO
Para simplificar a escrita, transformamos a adição e subtração em somas algébricas. Elimi-
namos os parênteses e escrevemos os números um ao lado do outro, da mesma forma co-
mo fazemos com os números inteiros.

Exemplo 1: Qual é a soma:

Exemplo 2: Calcule o valor da expressão

MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO
Na multiplicação de números racionais, devemos multiplicar numerador por numerador, e
denominador por denominador, assim como é mostrado nos exemplos abaixo:

174
Na divisão de números racionais, devemos multiplicar a primeira fração pelo inverso da se-
gunda, como é mostrado no exemplo abaixo:

POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO
Na potenciação, quando elevamos um número racional a um determinado expoente, esta-
mos elevando o numerador e o denominador a esse expoente, conforme os exemplos abai-
xo:

Na radiciação, quando aplicamos a raiz quadrada a um número racional, estamos aplicando


essa raiz ao numerador e ao denominador, conforme o exemplo abaixo:

Disponível na Internet em: https://www.somatematica.com.br/fundam/racionais3.php

NÚMEROS IRRACIONAIS
Os números irracionais formam o conjunto dos números irracionais que é identificado pelo
símbolo I (maiúscula). Este conjunto é formado pelos números decimais, infinitos e não pe-
riódicos.

Os números irracionais não podem ser escritos na forma de fração em que o numerador e o
denominador sejam números que pertencem ao conjunto dos números inteiros.

Exemplo de números irracionais:

175
√5 = 2,23606797749978…

√2 = 1,41421356237309…

√7 = 2,64575131106459…

Apesar dos exemplos acima serem infinitos como uma dízima periódica, eles não podem
ser escritos na forma de uma fração. Enquanto que as dízimas periódicas podem ser
escrita como uma fração.

Exemplo: 1,333333… = 4⁄3

DEFINIÇÃO DO CONJUNTO DOS NÚMEROS IRRACIONAIS


Podemos definir o conjunto dos números irracionais como:

I = {x ≠ a/b | x ∈ Z e b ∈ Z*}

Ou seja, os números irracionais não podem ser frações com números inteiros. Então:

I = {…, -√2, …, e, … π, …}

NÚMEROS IRRACIONAIS NOTÁVEIS


π (pi) é um famoso número usada na Geometria, ele é um número irracional pois é infinito e
não apresenta um período que se repete após a vírgula. Foi descoberto através da divisão do
comprimento pelo diâmetro de uma circunferência.

π = 3,14159265358979…

O número de Neper é considerado um número irracional. É simbolizado pela letra e.

O número áureo, também conhecido como número de ouro, é uma proporção entre du-
as razões encontradas em elementos da natureza. Muito utilizado em obras de artes e cons-
truções. É denotado pela letra grega Φ (Phi).

176
Φ = 1,6180339

NÚMEROS REAIS E NÚMEROS IRRACIONAIS


O conjunto dos números reais é formado pela união dos números racionais e dos números
irracionais.

Sabe-se que o conjunto dos números racionais contém todos os números que não são irraci-
onais: números naturais e números inteiros. Então, por isso que os números reais é a união
dos números racionais e irracionais

R=Q∪I

Q∩I=∅

GEOMETRIA E OS NÚMEROS IRRACIONAIS


Nos estudos da Geometria os números irracionais foram o divisor de água quando se deu
sua descoberta, pois muitos problemas sem respostas podem ser solucionados, sem que
precisasse ficar apresentando um resultado aproximado.

O teorema de Pitágoras, por exemplo, em que podemos calcular a hipotenusa a partir dos
quadrados dos catetos, temos que o valor da hipotenusa será um número irracional. Veja:

Se considerarmos um quadrado de lado 1 x 1, temos que a medida da sua diagonal é:

Portanto, temos que a média da diagonal é um número irracional √2. Se obtermos a


sua raiz quadrada temos que: √2 = 1,41421356237309… e portanto um número que é
infinito sem formar um período.

177
Por isso que a descoberta dos números irracionais foi um marco para a Geometria,
problemas como esse pode ser calculado e expressar seu resultado sem ter que ficar
tentando apresentar um resultado aproximado.

OBSERVAÇÕES
Seja a irracional e r racional não nulo, então:

a+r
a.r
a/r
r/a

São todos números irracionais.

Exemplos:

√2 + 1

3√2

√3/2

3/√5

As operações de adição, subtração, multiplicação ou divisão entre números irracionais pode


ter como resultado um número racional ou um número irracional.

Exemplos:

√2 + √3

√2.√3 = √6

√2 - √3

√2/√3 = √6/3

São todos números irracionais

Exemplos:

√2 + (1 - √2) = 1

√2.√8 = 4

√2 - √2 = 0

178
√8/√2 = 2

São todos números racionais

Equações irracionais
Considere as seguintes equações:

Observe que todas elas apresentam variável ou incógnita no radicando. Essas equações
são irracionais. Ou seja:

Equação irracional é toda equação que tem variável no radicando.

RESOLUÇÃO DE UMA EQUAÇÃO IRRACIONAL

A resolução de uma equação irracional deve ser efetuada procurando transformá-la inicial-
mente numa equação racional, obtida ao elevarmos ambos os membros da equação a uma
potência conveniente.

Em seguida, resolvemos a equação racional encontrada e, finalmente, verificamos se as raí-


zes da equação racional obtidas podem ou não ser aceitas como raízes da equação irracio-
nal dada (verificar a igualdade).

É necessária essa verificação, pois, ao elevarmos os dois membros de uma equação a uma
potência, podem aparecer na equação obtida raízes estranhas à equação dada. Observe
alguns exemplos de resolução de equações irracionais no conjunto dos reais.

Solução:

Logo, V= {58}.

Solução:

179
Fontes:

https://centraldefavoritos.com.br/2017/01/09/geometria-basica/

https://matematicabasica.net/numeros-reais/

https://docero.com.br/doc/vxsxv

259
QUESTÕES DE MATEMÁTICA

Ano: 2014 Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Certa empresa produz diariamente quantidades iguais do produto P. Se essa empre-


sa usar três medidas iguais do componente A em cada unidade do produto final P,
serão necessárias 480 dessas medidas para suprir a produção de P durante 2 dias.
Se passar a usar 2,5 medidas de A em cada unidade de P, o número de medidas de
A necessário para suprir a produção de P, durante 5 dias, será igual a

a) 1 050.
b) 1 000.
c) 1 220.
d) 980.
e) 1 140.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Um grupo de pessoas participou da fase final de um concurso, sendo que, nesse


grupo, o número de mulheres era igual a 3/5 do número de homens. Sabe-se que,
concluída a fase final, apenas 1/5 do número de homens e 1/3 do número mulheres
foram aprovados, num total de 8 pessoas.
O número de mulheres no grupo que iniciou a participação na fase final desse con-
curso era igual a

a) 18.
b) 9.
c) 12.
d) 21.
e) 15.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Para efeito decorativo, um arquiteto dividiu o piso de rascunho um salão quadrado


em 8 regiões com o formato de trapézios retângulos congruentes (T), e 4 regiões
quadradas congruentes (Q), conforme mostra a figura:

260
Se a área de cada região com a forma de trapézio retângulo é igual a 24 m², então a
área total desse piso é, em m², igual a

a) 324.
b) 400.
c) 225.
d) 256.
e) 196.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Norberto tomou dois empréstimos, que foram pagos após 2 meses com o acréscimo
de juro simples. No primeiro, de certo valor, a taxa de juros foi de 1% ao mês. No
segundo, de valor R$ 1.600,00 maior que o do primeiro, a taxa de juros foi de 1,5%
ao mês. Sabendo que a soma dos juros pagos nos dois empréstimos foi igual a R$
128,00, é correto afirmar que a soma dos valores desses dois empréstimos é igual a

a) R$ 4.800,00.
b) R$ 4.000,00.
c) R$ 3.200,00.
d) R$ 4.600,00.
e) R$ 3.600,00.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Em uma folha quadrada ABCD, foi desenhado um rascunho quadrado Z, de área


igual a 169 cm², conforme mostra a figura:

261
Nessas condições, é correto afirmar que o perímetro da folha ABCD, em centíme-
tros, é igual a

a) 56.
b) 72.
c) 60.
d) 64.
e) 68.
Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Considere um reservatório com o formato de um paralelepípedo reto retângulo, com


2 m de comprimento e 1,5 m de largura, inicialmente vazio. A válvula de entra da de
água no reservatório foi aberta por certo período, e, assim, a altura do nível da água
no reservatório atingiu 50 cm, preenchendo 40% da sua capacidade total. Desse
modo, é correto afirmar que a medida da altura desse reservatório, em metros, é
igual a

a) 1,75.
b) 1,25.
c) 1,65.
d) 1,50.
e) 1,35.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

A Câmara dos Deputados aprovou ontem a Medida rascunho Provisória no 647, que
permite ao governo elevar para até 27,5% o limite de etanol anidro misturado à gaso-
lina vendida nos postos de combustível. Hoje, esse teto é de 25%.

(O Estado de S.Paulo, 07.08.2014)

262
Suponha que dois tanques, A e B, contenham quantidades iguais, em litros, de um
combustível formado pela mistura de gasolina e de álcool anidro, sendo 25% o teor
de álcool na mistura do tanque A e 27,5%, o teor de álcool na mistura do tanque B.
Nessas condições, é correto afirmar que a quantidade de álcool no tanque B supera
a quantidade de álcool no tanque A em

a) 7,5%
b) 8%
c) 10%
d) 5%
e) 2,5%

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Um feirante compra mangas ao preço de R$ 0,80 para cada duas unidades. Certo
dia, ele vendeu 120 mangas ao preço de R$ 6,60 para cada 6 unidades e n mangas
ao preço de R$ 4,50 para cada 5 unidades. Se, nesse dia, o lucro obtido com a ven-
da das mangas foi igual a R$ 224,00, então o número total de mangas que o feirante
vendeu, nesse dia, foi

a) 480.
b) 400.
c) 420.
d) 320.
e) 280.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Certa competição tem 6 etapas eliminatórias. Sabe- se que a média aritmética do


número de pessoas que participaram da primeira e da segunda etapa é igual ao qu-
ádruplo da média aritmética do número de pessoas que participaram de cada uma
das quatro etapas seguintes. Desse modo, a razão entre o número de pessoas que
participaram da primeira e da segunda etapa e o número total de pessoas que parti-
ciparam dessa competição é de

263
a) 3/4
b) 1/2
c) 1/3
d) 1/4
e) 2/3

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Observe a sequência de figuras feitas em uma malha quadriculada, sendo cada figu-
ra composta por quadradinhos brancos e pretos.

De acordo com a lei de formação dessa sequência, o número de quadradinhos

brancos na figura 18 será igual a

a) 113.
b) 103.
c) 108.
d) 93.
e) 98.

Ano: 2015Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Um determinado recipiente, com 40% da sua capa cidade total preenchida com
água, tem massa de 428 g. Quando a água preenche 75% de sua capa cidade total,
passa a ter massa de 610 g. A massa desse recipiente, quando totalmente vazio, é
igual, em gramas, a

a) 338.
264
b) 208
c) 200.
d) 182.
e) 220

Ano: 2015Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Para a montagem de molduras, três barras de alumínio deverão ser cortadas em


pedaços de comprimento igual, sendo este o maior possível, de modo que não reste
nenhum pedaço nas barras. Se as barras medem 1,5 m, 2,4 m e 3 m, então o núme-
ro máximo de molduras quadradas que podem ser montadas com os pedaços obti-
dos é

a) 3

b) 6

c) 4

d) 5

e) 7

Ano: 2015Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Para fazer 200 unidades do produto P, uma empresa utilizou 3/4 do estoque inicial
(E) do insumo Q. Para fazer mais 300 unidades do produto P, vai utilizar a quantida-
de que restou do insumo Q e comprar a quantidade adicional necessária para a pro-
dução das 300 unidades, de modo que o estoque do insumo Q seja zerado após a
produção desse lote. Nessas condições, deverá ser comprada, do insumo Q, uma
quantidade que corresponde, do estoque inicial E, a

a) 2/3
b) 7/8
c) 1/4
d) 3/8
e) 9/8

265
INFORMÁTICA

(14) questões:

MS-Windows 10: conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de
transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos,
interação com o conjunto de aplicativos MS-Office 2016, MS-Word 2016: estrutura básica
dos documentos, edição e formatação de textos, cabeçalhos, parágrafos, fontes, colunas,
marcadores simbólicos e numéricos, tabelas, impressão, controle de quebras e numeração
de páginas, legendas, índices, inserção de objetos, campos predefinidos, caixas de texto.
MS-Excel 2016: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas
e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,
inserção de objetos, campos predefinidos, controle de quebras e numeração de páginas,
obtenção de dados externos, classificação de dados. Correio Eletrônico: uso de correio ele-
trônico, preparo e envio de mensagens, anexação de arquivos. Internet: navegação
internet, conceitos de URL, links, sites, busca e impressão de páginas.

325
INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

A Informática para concursos é, sem dúvida, uma das matérias que mais deve estar
presente nos estudos para concursos públicos, pois estará presente na maioria dos seus
editais. Pode ser cobrada como parte básica ou específica, assim, é uma matéria que não
deve ser menosprezada, como já ocorreu por a maioria dos candidatos. As matérias básicas
como, Língua Portuguesa, Informática e Raciocínio Lógico devem ser o alicerce da prepara-
ção em longo prazo, pois, desse modo, estaremos fazendo uma preparação para provas de
diversos concursos.

Como estudar? Preciso de um computador?

Um dos erros ao estudar Informática para concursos, é achar que por usar o computa-
dor no dia a dia ou até mesmo ser formado na área, não precisará estudar com tanta dedi-
cação. Grande engano! Pois, mesmo que seja vantajoso saber usar as ferramentas e co-
nhecer os termos técnicos, não é o suficiente, pois deverá estudar a teoria, saber na prática
e entender como a banca cobra determinado assunto. Para obter bons resultados é neces-
sário que, estude a teoria com orientação de vídeo-aulas, apostilas, livros ou cursos, mas
que não esqueça de fazer o uso prático de alguns programas como, Internet Explorer, Mi-

326
crosoft Word, Microsoft Excel, pois são cobrados pelas bancas os conhecimentos de teclas
de atalho e o procedimento para encontrar ferramentas.

Os 5 erros mais graves no estudo da Informática


para Concursos

Achar que saber operar um computador é suficiente para acertar as ques-


tões de concursos.

❖ Achar que a formação na área é suficiente para acertar as questões.


❖ Estudar centenas de atalhos.
❖ Confiar em qualquer informação encontrada na Internet.
❖ Não lê as informações expressas no edital.

QUAIS SÃO OS TÓPICOS MAIS IMPORTANTES?


Muitos alunos perguntam quais assuntos de Informática são mais importantes,
mas na realidade, depende da banca que irá realizar o certame.

Veja os tópicos que mais caem nas provas da Vunesp e monte sua estratégia de
estudos.

Fonte: https://blog.estudioaulas.com.br/

327
Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

No Microsoft Windows 7, em sua configuração padrão, ao se arrastar um arquivo ou pas-


ta, o que acontece depende do destino para onde o objeto está sendo arrastado. Ao se
arrastar um arquivo para uma pasta em uma unidade diferente, sem utilizar o teclado,
ele

a) será copiado para a pasta de destino.


b) será apagado da pasta de origem e terá um atalho criado pasta de destino.
c) terá um atalho criado pasta de destino, somente.
d) será movido para a pasta de destino.
e) será apagado da pasta de origem, somente.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Um arquivo gravado na área do Microsoft Windows 7, em sua configuração original, que


é sempre exibida na tela quando você liga o computador e inicia o Windows, é encontra-
do

a) na Área de Trabalho.
b) nas Bibliotecas.
c) nos Documentos.
d) na Caixa de Entrada.
e) em Downloads.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Tem-se uma planilha no Microsoft Excel 2010, em sua configuração padrão, e um gráfico
de rosca criado a partir do conteúdo das células A1 até B5.

331
A soma das fatias do “Tipo 1” e “Tipo 2”, em relação ao total das fatias, representa

a) 100%
b) 25%
c) 150%
d) 50%
e) 75%

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Tem-se a planilha a seguir, criada no Microsoft Excel 2010, em sua configuração original.

Um usuário selecionou todo conteúdo entre as células A1 e C8 e pressionou Ctrl+C. As-


sinale a alternativa que contém o nome da opção utilizada na janela Colar Especial para
produzir o resultado a seguir.

332
a) Fórmulas e formatos de números.
b) Multiplicar.
c) Transpor.
d) Validação.
e) Formatos.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Assinale a alternativa que apresenta o resultado correto após ordenar de forma crescen-
te a coluna A, a partir da planilha criada no Microsoft Excel 2010, em sua configuração
original, demonstrada a seguir:

a) a, b, c, d, e, f, 1, 2, 3, 4
b) a, b, c, d, 1, 2, 3, 4, e, f
c) a, 1, b, 2, c, 3, d, 4, e, f
d) 1, a, 2, b, 3, c, 4, d, e, f
e) 1, 2, 3, 4, a, b, c, d, e, f

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Um documento com aparência profissional nunca termina uma página somente com uma
linha de um novo parágrafo ou inicia uma página somente com a última linha da página
anterior. A última linha de um parágrafo, sozinha no topo de uma página, é conhecida
como______________ . A primeira linha de um parágrafo, sozinha na parte inferior de
uma página, é conhecida como____________ .
Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivamente, as lacunas do texto do
enunciado, relativo ao Microsoft Word 2010, em sua configuração original.

333
a) espelhada ... isolada
b) viúva ... orfã
c) recuada ... espaçada
d) retrato ... paisagem
e) rodapé ... cabeçalho

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Um documento foi criado no Microsoft Word 2010, em sua configuração padrão, confor-
me imagem a seguir.

Se o usuário marcar todo esse conteúdo e clicar na guia Inserir, botão Tabela, opção Con-
verter texto em tabela, aceitando as opções padrão oferecidas na caixa Converter texto pa-
ra tabela, o resultado, sem as marcas de formatação, será:
a)

b)

c)

d)

e)

334
Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

No Microsoft Word 2010, em sua configuração padrão, as configurações de parágrafo e


estilo são encontradas na guia

a) Inserir.
b) Layout da Página.
c) Página Inicial.
d) Exibição.
e) Revisão.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Assinale a alternativa correta, sobre o documento a seguir, criado no Microsoft Word


2010, em sua configuração original, com o cursor posicionado na segunda página.

a) O documento contém 1 página e está formatado com 2 colunas.


b) A primeira página está sendo exibida em modo de impressão e a segunda página,
em modo de layout web.
c) O documento contém 2 páginas, sendo a primeira em orientação paisagem e a se-
gunda, em orientação retrato.
d) O documento contém 1 página, sendo que o primeiro quadro é dedicado a anota-
ções do autor do texto.
e) O documento está 40% preenchido.
335
Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

É o slide principal em uma hierarquia de slides que armazena informações sobre o tema
e os layouts dos slides de uma apresentação, incluindo o plano de fundo, a cor, as fon-
tes, os efeitos, os tamanhos dos espaços reservados e o posicionamento. Cada apre-
sentação contém, pelo menos, um slide desse tipo. Seu principal benefício é poder fazer
alterações de estilo universal em todos os slides de uma apresentação, inclusive naque-
les adicionados posteriormente a ele.
O texto do enunciado, sobre o Microsoft PowerPoint 2010, em sua configuração

padrão, refere-se a

a) super slide.
b) slide mestre.
c) slide oculto.
d) slide conceito.
e) slide público.

Ano: 2014Banca: VUNESP - Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

A apresentação a seguir, criada no Microsoft Power-Point 2010, em sua configuração


original, apresenta uma animação com efeito do tipo

a) mescla.
b) saída.
c) entrada.
d) ênfase.
e) trajetória de animação.

336
Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Considerando o uso de correio eletrônico, ao se preparar uma mensagem para envio,

a) se esta for um encaminhamento de uma mensagem recebida, não é possível en-


viá-la a destinatários em cópia oculta.
b) o número de destinatários em cópia oculta não pode ser superior ao número de
destinatários em cópia aberta.
c) se esta for um encaminhamento de uma mensagem recebida, não é possível alte-
rar o assunto presente na mensagem original.

d) o número de destinatários em cópia aberta deve ser igual ao número de destinatá-


rios em cópia oculta.
e) é possível enviá-la sem a especificação de seu assunto.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Em geral, a especificação completa do Uniform Resource Locator (URL) apresenta os seguin-


tes campos: esquema://domínio:porta/caminhorecurso?querystring#fragmento
Sobre esses campos, é correto afirmar que

a) o caminho especifica as redes por meio das quais a solicitação será encaminhada.
b) o fragmento é uma parte obrigatória, presente em qualquer URL.
c) o esquema pode ser apenas http ou https.
d) o domínio determina o servidor que torna disponível o recurso ou o documento so-
licitado.
e) a porta sempre será um número menor ou igual a 40.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJ-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Alguns navegadores utilizados na internet, como o Microsoft Edge e o Chrome, permitem um


tipo de navegação conhecida como privada ou anônima. Sobre esse recurso, é correto afir-
mar que ele foi concebido para, normalmente,

a) não permitir o armazenamento de “favoritos” durante uma navegação.


b) não permitir que sejam realizados downloads de quaisquer tipos de arquivos.

518
c) substituir os dados do usuário por outros fictícios, definidos pelo próprio usuário, e
evitar que propaganda comercial e e-mails do tipo spam sejam posteriormente en-
caminhados ao usuário.

d) permitir que sites sejam acessados sem que sejam guardados quaisquer dados ou
informações que possam ser usados para rastrear, a partir do navegador, as visi-
tas efetuadas pelo usuário.
e) impedir que o provedor de internet e os sites visitados tenham acesso aos dados
relativos à navegação do usuário.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJM-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

Usando o Microsoft Windows 7, em sua configuração padrão, um usuário abriu o conteúdo


de uma pasta no aplicativo Windows Explorer no modo de exibição Detalhes. Essa pasta con-
tém muitos arquivos e nenhuma subpasta, e o usuário deseja rapidamente localizar, no topo
da lista de arquivos, o arquivo modificado mais recentemente. Para isso, basta ordenar a
lista de arquivos, em ordem decrescente, por

a) Data de modificação.
b) Nome.
c) Tipo.
d) Tamanho.
e) Ordem.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJM-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

No Microsoft Word 2010, em sua configuração padrão, um usuário começou a desenhar


uma tabela, conforme imagem a seguir.

Em seguida, ele executou o seguinte procedimento: selecionou a primeira célula, cujo con-
teúdo é 100, clicou no ícone Dividir Células, que é encontrado em Ferramentas de Tabela,
guia Layout, grupo Mesclar, e, na caixa de diálogo Dividir Células, informou 2 colunas e 1
linha. Finalmente, clicou em Ok. Assinale a alternativa que apresenta o resultado correto
dessa operação.

519
Tem-se, a seguir, a seguinte planilha criada no Microsoft Excel 2010, em sua configuração pa-
drão.

Assinale a alternativa que apresenta o resultado correto da fórmula =CONTAR.SE


(A2:D4;"<6"), inserida na célula B5.

a) 2
b) 4
c) 7
d) 12
e) 13

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJM-SP - Prova: Escrevente Técnico Judiciário

No Microsoft PowerPoint 2010, em sua configuração padrão, existe uma excelente maneira
de exibir apresentações com as anotações do orador em um computador (o laptop, por
exemplo), ao mesmo tempo em que o público-alvo visualiza apenas a apresentação sem
anotações em um monitor diferente. Essa maneira chama-se Modo de Exibição

a) de Classificação de Slides.
b) Leitura.

520
c) do Apresentador.
d) Mestre.
e) Normal.

Ano: 2017 - Banca: VUNESP -Órgão: TJM-SP - Prova: Escrevente TécnicoJudiciário

Um usuário preparou uma mensagem de correio eletrônico usando o Microsoft Outlook


2010, em sua configuração padrão, e enviou para o destinatário. Porém, algum tempo de-
pois, percebeu que esqueceu de anexar um arquivo. Esse mesmo usuário preparou, então,
uma nova mensagem com o mesmo assunto, e enviou para o mesmo destinatário, agora
com o anexo. Assinale a alternativa correta.

a) A mensagem original, sem o anexo, foi automaticamente apagada no computador


do destinatário e substituída pela segunda mensagem, uma vez que ambas têm o
mesmo assunto e são do mesmo remetente.
b) Como as duas mensagens têm o mesmo assunto, a segunda mensagem não foi
transmitida, permanecendo no computador do destinatário apenas a primeira men-
sagem.

c) A segunda mensagem não pode ser transmitida e fica bloqueada na caixa de saí-
da do remetente, até que a primeira mensagem tenha sido lido pelo destinatário.
d) O destinatário recebeu 2 mensagens, sendo, a primeira, sem anexo, e a segunda,
com o anexo.
e) O remetente não recebeu nenhuma das mensagens, pois não é possível transmitir
mais de uma mensagem com o mesmo assunto e mesmo remetente.

521
ATUALIDADES

(06) questões:

Questões relacionadas a fatos políticos, econômicos, sociais e culturais, nacionais e interna-


cionais, ocorridos a partir do 2.° semestre de 2017, divulgados na mídia local e/ou nacional;

522
ATUALIDADES

A matéria basicamente, tem a ver com os principais acontecimentos na sociedade,


além de temas bem discutidos na mídia. Entenda-se, temáticas de grande impacto na socie-
dade atual, assuntos como:

• Cotidiano
• Política nacional

523
• Questões internacionais

Um dos grandes desafios para o aluno é saber, exatamente, o que é preciso estu-
dar/acompanhar. Uma vez que os editais não especificam quais temas irão abordar, como
normalmente ocorre em outras disciplinas.

Sabe-se que uma das melhores técnicas é estudar o que foi cobrado no concurso ante-
rior.
As questões de atualidades cobradas pela banca VUNESP são muito bem dividi-
das em América Latina, assuntos relativos à política nacional e internacional, economia e
cotidiano.

É importante estar por dentro de leis sancionadas ou projetos em discussões naquele


período ou ano anterior. Além disso, é uma prova que também aborda conflitos mundiais da
atualidade, acordos, dentre outros. Em resumo, a avaliação é bem elaborada.

Confira algumas dicas para se dar bem em atualidades.

⇒ Acompanhar o noticiário com frequência, de preferência diariamente (TV, jornal im-


presso e web).

⇒ Procure por notícias nos portais, mas não se atenha apenas a uma fonte de infor-
mação, um veículo só.

⇒ Caso tenha noções de idiomas estrangeiros, se informe através desses portais de


grande popularidade na imprensa mundial (NYT, CNN, Le Figaro, etc.).

⇒ No Brasil, temos versões em português de portais estrangeiros como El País e


Huffington Post Brasil, que tendem a fazer coberturas bem interessantes. Também indico o
site da BBC Brasil, um dos conglomerados mais influentes do planeta. Também existem
blogs bem interessantes, que merecem atenção.

⇒ Use as redes sociais para se manter atualizado. No Facebook, procure seguir pági-
nas dos portais de notícias. O Twitter é também uma ferramenta bem interessante e, depen-
dendo do contexto, a abordagem de fatos e discussões por lá tendem a ser menos superfici-
ais, quando em comparação ao Facebook.

⇒ O que não fazer: Focar apenas em um tipo de mídia e um tipo de veículo. Evite ini-
ciar o processo de acompanhamento do noticiário apenas quando estiver às vésperas ou
prestes a fazer a prova. Comece a se preparar o quanto antes. Se trata de algo que deve
estar em sua rotina.

⇒ Tempo de dedicação: Ao entrar em seus canais de redes sociais, use essas plata-
formas para se informar a respeito das notícias, reserve um tempo para isso. Reserve um
período para acompanhar as notícias na web, rádio ou TV. Um horário interessante é pela
manhã, ao acordar, antes de ir ao trabalho ou realizar demais atividades.

524
Conclusão

Estudar atualidades é um processo diário. Além de buscar manter-se informado, pro-


cure sempre se aprofundar sobre os temas, fuja das reproduções de conteúdo e conceitos
do senso comum, pratique a leitura, questione e busque o conhecimento. Esses processos
são importantes, no que se refere aos estudos – obviamente – mas são fundamentais para a
sua formação como cidadão do mundo. E dessa forma, você vai perceber que o mundo
não será o mesmo, ao menos, a leitura que fará dele.
Fonte: https://www.novaconcursos.com.br

Artigos 1º ao 13; 34 ao 38 da Lei nº 13.146/2015 – Estatuto da Pessoa com Deficiência e


Resolução nº 230/2016 do CNJ, com as alterações vigentes até a publicação deste edital.
(AS QUESTÕES SOBRE ESTE ASSUNTO SE ENCONTRA NA PRIMEIRA PARTE DA APOSTILA).

Seja você quem for, seja


qual for a posição social que
você tenha na vida, a mais al-
ta ou a mais baixa, tenha
sempre como meta muita
força, muita determinação e
sempre faça tudo com muito
amor e com muita fé em
Deus, que um dia você chega
lá. De alguma maneira você
chega lá. (Ayrton Senna)

525
Antonio do Tribunal

PARA COMPRAR A VERSÃO COMPLETA CLIQUE NO BOTÃO

526