Você está na página 1de 11

Tutorial DeviceNet

1 - Introdução
DeviceNet é um rede digital, multi-drop para conexão entre
sensores, atuadores e sistema de automação industrial em geral.
Ela foi desenvolvida para ter máxima flexibilidade entre
equipamentos de campo e interoperabilidade entre diferentes
vendedores.
Apresentado em 1994 originalmente pela Allen-Bradley, o
DeviceNet teve sua tecnologia transferida para a ODVA em 1995.
A ODVA (Open DeviceNet Vendor Association) é uma
organização sem fins lucrativos composta por centenas de
empresas ao redor do mundo que mantém, divulga e promove o
DeviceNet e outras redes baseadas no protocolo CIP (Common
Industrial Protocol). Atualmente mais de 300 empresas estão
registradas como membros, sendo que mais de 800 oferecem
produtos DeviceNet no mundo todo.
A rede DeviceNet é classificada no nível de rede chamada devicebus, cuja características principais
são: alta velocidade, comunicação a nível de byte englobando comunicação com equipamentos
discretos e analógicos e alto poder de diagnostico dos devices da rede (como mostrado na figura
1.1).

Figura 1.1: Cenários Tecnológicos - Fonte: ATAIDE, F.H. (2004)


A tecnologia DeviceNet é um padrão aberto de automação com objetivo de transportar 2 tipos
principais de informação:
 dados cíclicos de sensores e atuadores, diretamente relacionados ao controle e,
 dados acíclicos indiretamente relacionados ao controle, como configuração e diagnóstico.
Os dados cíclicos representam informações trocadas periodicamente entre o equipamento de campo
e o controlador. Por outro lado, os acíclicos são informações trocadas eventualmente durante
configuração ou diagnóstico do equipamento de campo.
A camada física e de acesso da rede DeviceNet é baseada na tecnologia CAN (Controller Area
Network) e as camadas superiores no protocolo CIP, que define uma arquitetura baseada em objetos
e conexões entre eles.
O CAN originalmente foi desenvolvido pela BOSCH para o mercado de automóvel Europeu para
substituir os caros chicotes de cabo por um cabo em rede de baixo custo em automóveis. Como
resultado, o CAN tem resposta rápida e confiabilidade alta para aplicações principalmente nas
áreas automobilística.
Uma rede DeviceNet pode conter até 64 dispositivos onde cada disposito ocupa um nó na rede,
endereçados de 0 a 63. Qualquer um destes pode ser utilizado. Não há qualquer restrição, embora se
deva evitar o 63, pois este costuma ser utilizado para fins de comissionamento.
Um exemplo de rede DeviceNet é mostrada na figura abaixo.

Figura 1.2: Exemplo de Rede DeviceNet

1.2 - Características da rede


 Topologia baseada em tronco principal com ramificações. O tronco principal deve ser feito
com o cabo DeviceNet grosso, e as ramificações com o cabo DeviceNet fino ou chato.
Cabos similares podem ser usados desde que suas características elétricas e mecânicas sejam
compatíveis com as especificações dos cabos padrão DeviceNet.
 Permite o uso de repetidores, bridges, roteadores e gateways.
 Suporta até 64 nós, incluindo o mestre, endereçados de 0 a 63 (MAC ID).
 Cabo com 2 pares: um para alimentação de 24V e outro para comunicação.
 Inserção e remoção à quente, sem perturbar a rede.
 Suporte para equipamentos alimentados pela rede em 24V ou com fonte própria.
 Uso de conectores abertos ou selados.
 Proteção contra inversão de ligações e curto-circuito.
 Alta capacidade de corrente na rede (até 16 A).
 Uso de fontes de alimentação de prateleira.
 Diversas fontes podem ser usadas na mesma rede atendendo às necessidades da aplicação
em termos de carga e comprimento dos cabos.
 Taxa de comunicação selecionável :125,250 e 500 kbps.
 Comunicação baseada em conexões de E/S e modelo de pergunta e resposta.
 Diagnóstico de cada equipamento e da rede.
 Transporte eficiente de dados de controle discretos e analógicos.
 Detecção de endereço duplicado na rede.
 Mecanismo de comunicação extremamente robusto a interferências eletromagnéticas.

1.2.1 - Protocolo DeviceNet


DeviceNet é uma das três tecnologias abertas e padronizadas de rede, cuja camada de aplicação usa
o CIP (Common Application Layer). Ao lado de ControlNet e EtherNet/IP, possuem uma estrutura
comum de objetos. Ou seja, ele é independente do meio físico e da camada de enlace de dados. Essa
camada de aplicação padronizada, aliada a interfaces de hardware e software abertas, constitui uma
plataforma de conexão universal entre componentes em um sistema de automação, desde o chão-de-
fábrica até o nível da internet. A Figura 1.2 mostra um overview do CIP dentro do modelo OSI.

Figura 1.3 - O modelo OSI dos objetos do CIP (fonte: ODVA)


CIP tem dois objetivos principais:
 Transporte de dados de controle dos dispositivos de I/O.
 Transporte de informações de configuração e diagnóstico do sistema sendo controlado.
Um nó DeviceNet é então modelado por um conjunto de objetos CIP, os quais encapsulam dados e
serviços e determinam assim seu comportamento.
O Modelo de Objeto
Um nó DeviceNet é modelado como uma coleção de objetos. Um objeto proporciona uma
representação abstrata de um componente particular dentro de um produto. Um exemplo de objeto e
uma classe de objeto têm atributos (dados), fornecem serviços (métodos ou procedimentos), e
implementa comportamentos. Atributos, exemplos, classe e endereço de nó (0-63) são endereçados
por número.
Existem objetos obrigatórios (todo dispositivo deve conter) e objetos opcionais. Objetos opcionais
são aqueles que moldam o dispositivo conforme a categoria (chamado de perfil) a que pertencem,
tais como: AC/DC Drive, leitor de código de barras ou válvula pneumática. Por serem diferentes,
cada um destes conterá um conjunto também diferente de objetos.
Para maiores informações, consulte a especificação do DeviceNet (www.odva.org)
A camada de link de dados (Data link layer)
Devicenet utiliza o padrão CAN na camada de link de dados.O mínimo overhead requerido pelo
protocolo CAN no data link layer faz o DeviceNet eficiente no tratamento de mensagens. Frame de
dados DeviceNet utiliza somente o tipo de frame de dados do protocolo CAN (dentre outros
existentes no protocolo CAN). O protocolo utiliza um mínimo de largura de banda para transmissão
das mensagens CIP. O formato do frame de dados DeviceNet é mostrado na figura 1.4

Figura 1.4 - Formato do frame de dados

1.2.2 - Modos de Comunicação


O protocolo DeviceNet possui dois tipos básicos de mensagens, cyclic I/O e explicit message. Cada
um deles é adequado a um determinado tipo de dado, conforme descrito abaixo:
 Cyclic I/O: tipo de telegrama síncrono dedicado à movimentação de dados prioritários entre
um produtor e um ou mais consumidores. Dividem-se de acordo com o método de troca de
dados. Os principais são:
 Polled: método de comunicação em que o mestre envia um telegrama a cada um dos
escravos da sua lista (scan list). Assim que recebe a solicitação, o escravo responde
prontamente a solicitação do mestre. Este processo é repetido até que todos sejam
consultados, reiniciando o ciclo.
 Bit-strobe: método de comunicação onde o mestre envia para a rede um telegrama
contendo 8 bytes de dados. Cada bit destes 8 bytes representa um escravo que, se
endereçado, responde de acordo com o programado.
 Change of State: método de comunicação onde a troca de dados entre mestre e
escravo ocorre apenas quando houver mudanças nos valores
monitorados/controlados, até um certo limite de tempo. Quando este limite é
atingido, a transmissão e recepção ocorrerão mesmo que não tenha havido alterações.
A configuração desta variável de tempo é feita no programa de configuração da rede.
 Cyclic: outro método de comunicação muito semelhante ao anterior. A única
diferença fica por conta da produção e consumo de mensagens. Neste tipo, toda troca
de dados ocorre em intervalos regulares de tempo, independente de terem sido
alterados ou não. Este período também é ajustado no software de configuração de
rede.
 Explicit Message: tipo de telegrama de uso geral e não prioritário. Utilizado principalmente
em tarefas assíncronas tais como parametrização e configuração do equipamento.

1.2.3 - Arquivo de Configuração


Todo nodo DeviceNet possui um arquivo de configuração associado, chamado EDS (Electronic
Data Sheet). Este arquivo contém informações importantes sobre o funcionamento do dispositivo e
deve ser registrado no software de configuração de rede.

1.3 - Camada Física e Meio de Transmissão


DeviceNet usa uma topologia de rede do tipo tronco/derivação que permite que tanto a fiação de
sinal quanto de alimentação estejam presentes no mesmo cabo. Esta alimentação, fornecida por uma
fonte conectada diretamente na rede, e possui as seguintes características:
 24Vdc;
 Saída DC isolada da entrada AC;
 Capacidade de corrente compatível com os equipamentos instalados.
 O tamanho total da rede varia de acordo com a taxa de transmissão (125,250, 500Kbps)

Consulte também o documento “DeviceNet Cable System - Planning and Installation Manual -
www.odva.org” para mais informações sobre instalação da rede DeviceNet.
1.3.1 - Topologia da rede
As especificações do DeviceNet definem a topologia e os componentes admissíveis. A variedade de
topologia possíveis é mostrada na figura à seguir.

Figura 1.5 - Topologias possíveis com a rede DeviceNet


A especificação também trata do sistema de aterramento, mix entre cabo grosso e fino (thick e thin),
terminação, e alimentação de energia.
A topologia básica tronco-derivação (“trunkline-dropline”) utiliza 1 cabo (2 pares torcido separados
para alimentação e sinal). Cabo grosso (thick) ou fino (thin) podem ser usados para trunklines ou
droplines. A distância entre extremos da rede varia com a taxa de dados e o tamanho do cabo
125 Kbps 250 Kbps 500 Kbps
TAXA DE DADOS

Comprimento para barramento principal com cabo


500 m 250 m 100 m
grosso (“thick-trunk”)

Comprimento para barramento principal com cabo


100 m 100 m 100 m
fino (“thin-trunk”)

Comprimento máximo para 1 derivação do


6m 6m 6m
barramento principal (“maximum-drop”)

Comprimento acumulado das derivações do


156 m 78 m 39 m
barramento principal (“cumulative-drop”)
1.3.2 - Cabos
Há 4 tipos de cabos padronizados: o grosso, o médio, o fino e o chato. É mais comum o uso do cabo
grosso para o tronco e do cabo fino para as derivações.

Figura 3.66 - Anatomia dos cabos padrão DeviceNet


Os cabos DeviceNet mais usados (fino e grosso) possuem 5 condutores identificados e utilizados de
acordo com a tabela seguinte:
Cor do fio Sinal Cabo redondo Cabo chato

Branco CAN_H Sinal DN Sinal DN

Azul CAN_L Sinal DN Sinal DN

Fio nu Dreno Blindagem Não usado

Preto V- Alimentação Alimentação

Vermelho V+ Alimentação Alimentação

Tabela 1 - Esquema de cores dos cabos DeviceNet

Figura 3.67 - Vista dos componentes do cabo padrão DeviceNet

Pontos de alimentação (“Power Taps”) podem ser acrescentados em qualquer ponto da rede
tornando possível a redundância da alimentação na rede. A corrente no “Trunkline” é 8 amps (com
cabo grosso “thick”). No cabo tipo “thin” a corrente máxima é de 3 amps. Uma opção opto-isolado
de projeto permite dispositivos energizados externamente (por ex.: partidas de drivers AC e válvulas
solenóides) compartilhar o mesmo cabo do bus. Outras redes baseadas em CAN permitem somente
uma única fonte de alimentação para a rede inteira.
Os dispositivos podem ser alimentados diretamente da rede e comunicam-se com o mesmo cabo.
Nós podem ser removido ou inseridos da rede sem desligar a rede.

1.3.3 - Conectores
Há três tipos básicos de conectores: o aberto, o selado mini e o selado micro. O uso de um ou de
outro depende da conveniência e das características do equipamento ou da conexão que deve ser
feita. Veja nas figuras seguintes a codificação dos fios em cada tipo.
Figura 3.67 - Conector aberto (open style)

Figura 3.68 - Conector selado mini Figura 3.69 - Conector selado micro
1.3.4 - Terminadores da rede
As terminações na rede DeviceNet ajudam a minimizar as reflexões na comunicação e são
essenciais para o funcionamento da rede. Os resistores de terminação (121W, 1%, ¼ W) devem ser
colocados nas extremidades do tronco, entre os fios CAN_H e CAN_L (branco e azul).
• Não coloque o terminador dentro de um equipamento ou em conector que ao ser removido
também remova o terminador causando uma falha geral na rede. Deixe os terminadores
sempre independentes e isolados nas extremidades do tronco, de preferência dentro de
caixas protetoras ou caixas de passagem.
• Para verificar se as terminações estão presentes na rede, meça a resistência entre os fios
CAN_H e CAN_L (branco e azul) com a rede desenergizada: a resistência medida deve estar
entre 50 e 60 Ohms.

Figura 3.70 - Ligação dos resistores de terminação

1.3.5 - Derivadores “TAPS”


Existem vários tipos de derivadores “TAPS” para serem conectados em uma rede do tipo
DeviceNet. Estes derivadores permitem ligar os vários elementos da rede. Classificam-se como:

1.3.5.1 - Derivação T “T-Port TAP “


O derivador “T-Port” conecta um dispositivo simples
ou uma linha de derivação “drop line” através de um
conector estilo plug-rápido.

1.3.5.2 - Derivação de dispositivo “Device-Port”


“DevicePort” são componentes selados que conectam
ao “trunk line” via “drop line” através de conectores de
desconexão rápida somente dispositivos compatíveis a
rede DeviceNet. Existem DevicePort para conectar 4
ou 8 dispositivos.
1.3.5.3 - Derivação tipo box “DeviceBox”
“DeviceBox” são elementos passivos que conectam
diretamente os dispositivos DeviceNet no “Trunk
Line” através de conexões de terminais para até 8 nós.
Eles possuem tampa removível selada que permite
montagem em máquina ou no chão de fábrica.

1.3.5.4 - Derivação de Alimentação “PowerTap”


O “PowerTap” possue proteção de sobre corrente para
o cabo tipo “thick” (grosso). Com proteção a diodo é
possível utilizar vários “PowerTaps” permitindo assim
o uso de várias fontes de alimentação.

1.3.6 - Leds Indicadores


Embora um produto DeviceNet não necessite ter indicadores, se este produto possuir indicadores,
devem aderir à Especificação de DeviceNet. É recomendado que ou um Led de Estado do Módulo
“Module Status” e um Led de Estado da Rede “Network Status”, ou uma combinação dos dois seja
incluído.
O(s) indicador (s) consiste em um Led bicolor (verde/vermelho) que pode ter combinações de
ligado, desliga e piscando. O Led de Estado do Módulo “Module Status” indica se o dispositivo tem
alimentação e está operando adequadamente. O Led de Estado da Rede “Network Status” indica o
estado do link de comunicação.
Para mais informação, visite também o site da ODVA
http://www.odva.org/