Você está na página 1de 7

Capitulo 2: Os países com recursos energéticos na SADC

O processo constitutivo da SADC

O aumento no interesse nos processos de integração regional ficou evidente nas últimas
décadas do século XX, podendo ser exemplificado pelo actual número de blocos econômicos
existentes, como por exemplo, União Europeia, Mercosul, ASEAN, NAFTA, entre outros
(Schuck et all, 2012:1).

Na década de 1980, o “Estados da Linha de Frente1” formam a SADCC numa


tentativa de desenvolver a região quanto a soluções das questões básicas de infra-estrutura e
economia sem a interferência da África do Sul. Existem dois factores para Döpcke (1998) que
ilustram a intensificação das relações regionais na África Austral: o fim da Guerra Fria e,
consequentemente, dos conflitos entre as duas potências do subcontinente sul-africano,
Angola e África do Sul; e o fim da política de desestabilização do governo de Pretória em
relação a seus vizinhos (idem, 2).

Os objectivos da SADCC eram: coordenar projectos de desenvolvimento a nível regional com


vista a eliminar a dependência económica com a África do Sul do regime do Aparthied;
implementar programas e projectos com impacto nacional e regional; mobilizar recursos no seio
dos membros na buscar de autóctone e; garantir melhor e apoio da comunidade internacional2.

Com final da guerra-fria e do Aparthied que levou a total independência dos Estados na África
Austral alguns dos objectivos descritos a cima foram alcançados. Dai em 1992, numa cimeira
realizada em Windhoek, os chefes de Estados ou de Governo assinaram a Declaração e Tratado
da SADC que tornou a SADCC em SADC (Franco, 2014:33)

Na Declaração e Tratado da SADC no seu artigo 5, n-1, descreve os seguintes objectivos: a)


Desenvolver valores políticos comuns, sistemas e instituições; b) Promover e defender a paz e
segurança; Promover o desenvolvimento auto-sustentado na base da auto-suficiência colectiva, e
da interdependência entre os Estados Membros; c) Promover e optimizar o emprego produtivo e

1
Angola, Lesoto, Malawi, Moçambique, Suazilândia, Tânzania, Zâmbia e Zimbabué
2
https://mozteorico.blogspot.com/2018/02/principais-objectivos-da-sadcc.html
a utilização dos recursos da Região; d) Conseguir a utilização sustentável dos recursos naturais e
a protecção efectiva do meio ambiente; e) Reforçar e consolidar as afinidades e laços históricos,
sociais e culturais desde há muito existentes entre os povos da Região; f) Promover o
crescimento económico e o desenvolvimento socioeconómico sustentáveis e equitativos que
garantam o alívio da pobreza com o objectivo final da sua erradicação, melhorar o padrão e a
qualidade de vida dos povos da África Austral e apoiar os socialmente desfavorecidos, através da
integração regional; Desenvolver valores, sistemas políticos e instituições comuns.

Estima-se que a SADC tem uma população de 285 milhões de habitantes3, sendo divida pelos
seguintes Estados membros: a) Angola; b) África do Sul; c) Botswana; d) República
Democrática do Congo; e) Lesoto; f) Madagáscar; g) Malawi; h) Maurícia; i) Moçambique; J)
Namíbia; k) Seychelles; l) Suazilândia; m) Tanzânia; n) Zâmbia; e o) Zimbabwe.

Actualmente a SADC é um bloco de integração onde existem recursos enérgicos capacidades de


ajudar no desenvolvimento socioeconómico dos Estados que é desde a sua criação um dos
grandes objectivos.

A descoberta dos recursos energéticos na SADC

Os países com recursos energéticos na SADC

O Protocolo da SADC sobre Energia descreve os vários princípios e objectivos que a região tem
em relação à energia4. O principal deles é o desejo da SADC de usar energia para apoiar o
crescimento económico e o desenvolvimento na região.

3
https://www.suapesquisa.com/blocoseconomicos/sadc.htm
4
Protocolo de Cooperação no Domínio da Energia da SADC, assinado em Maseru, Lesotho, a 24 de Agosto de 1996
A tabela a baixo indica os recursos abrangidos nesta pesquisa e respectivos países que os detém

Recursos Países
Petróleo Angola, África do Sul, Madagáscar,
Moçambique, Namíbia
Gás Angola, Namíbia, Tanzânia e
Moçambique

Tendo sido identificados os países detentores de Petróleo e Gás, vamos agora descrever as
quantidades existentes em cada um desses países5.

Petróleo

Angola, o único produtor significativo de petróleo da África Austral, produziu uma média de
1,25 milhões de barris por dia (bbl / d) de petróleo em 2005. De acordo com o Oil and Gas
Journal (OGJ), Angola tem reservas comprovadas de 5,4 mil milhões de barris, que constituem
96% do total de reservas provadas estimadas da região. Reservas provadas menores são
encontradas no offshore da RDC e na África do Sul. As refinarias da região estão concentradas
na África do Sul, com capacidade de refino adicional localizada em Angola, Madagascar,
Tanzânia e Zâmbia. A África do Sul é o maior consumidor de petróleo da região (mais de 68%
do total da região) e o segundo maior consumidor de petróleo da África depois do Egipto.

África do Sul
A produção de petróleo da África do Sul atende a 10% de suas necessidades domésticas. A
companhia nacional de petróleo da África do Sul, a PetroSA, concentrou seus esforços de
exploração nas costas oeste e sul do país. Várias descobertas foram feitas na Bacia Bredasdorp,
no Bloco 9, incluindo os campos Oribi, Oryx e Sable. Combinados, os campos Oribi e Oryx
produzem 16.000 bbl / d de óleo; no entanto, a PetroSA indicou que ambos os campos estão em

5
http://fayzeh.com/SADC.htm
declínio. A produção no Sable Field, localizada a aproximadamente 60 milhas da costa sul,
começou em agosto de 2003. O projecto é uma parceria entre a PetroSA e a Pioneer e inclui seis
poços submarinos conectados a uma embarcação flutuante de produção, armazenamento e
descarga (FPSO). capacidade para processar 60.000 bbl / d de óleo. A produção atual em Sable é
de cerca de 23.000 bbl / d de óleo. Para mais informações sobre o setor petrolífero na África do
Sul, consulte o Resumo da Análise da África do Sul.

República Democrática do Congo


Na RDC, a Perenco opera seis campos terrestres, com uma produção de aproximadamente
20.000 barris por dia. A Perenco é também a operadora da concessão offshore e terminal da RDC
- adquirida da Chevron em 2004. Em 2004, a companhia nacional de petróleo da RDC, Société
Nationale des Petroles du Congo (SNPC), foi reorganizada para se tornar uma holding com sete
subsidiárias.

Madagáscar
Em Abril de 2006, Madagascar abriu 96 novos blocos offshore de petróleo e gás natural para
licitação. O governo aceitará propostas de partes interessadas até 17 de novembro de 2006. A
rodada de licenciamento é supervisionada pelo Escritório das Minas Nacionais e das Indústrias
Estratégicas (OMNIS) e pela TGS-Nopec, que completou dados sísmicos sobre os blocos. Em
2005, a Sterling Energy, sediada no Reino Unido, vendeu 70% das licenças offshore Ambilobe e
Ampasindava para a ExxonMobil. A ExxonMobil planeja financiar o trabalho de exploração das
licenças. Outras empresas internacionais de petróleo e gás natural que operam em Madagascar
incluem a Norsk Hydro (Noruega), Vanco (EUA), Vuna Resources (China) e Sun-Pec (China).

Namíbia
Em agosto de 2005, a BHP Billiton (australiana), a Hunt Oil (EUA) e a Neptune Petroleum
(Reino Unido) assinaram memorandos de entendimento (MoUs) com o Ministério de Minas e
Energia da Namíbia. Os MoUs permitem aos direitos de exploração das empresas durante dois
anos, com a opção de renovar as licenças no final desse período. Em março de 2005, a EnerGulf
Resources (Canadá) assinou um MoU com a Corporação Nacional de Petróleo da Namíbia
(Namcor) para explorar e desenvolver conjuntamente o Bloco 1171, que fica ao longo da
fronteira marítima com Angola.

Tanzânia
Em maio de 2005, a Corporação de Desenvolvimento de Petróleo da Tanzânia (TPDC) ofereceu
os acordos de partilha de produção Ophirenergy (Áustria), Statoil (Noruega) e Petrobras (Brasil)
(PSAs). Em outubro de 2005, a Ophir Energy assinou o PSA para o Bloco Um, enquanto a
Statoil e a Petrobras ainda estão negociando contratos para seus PSAs. Em 2004, a TPDC
assinou com a Petrobras para o Block Five em águas profundas, na Ilha Mafia, e com a Maurel &
Prom (França), para áreas ao longo da costa. A Shell ainda não finalizou um acordo para os
Blocos 9 - 12 perto das Ilhas Zanzibar e Pemba, que conquistou há dois anos.

Moçambique
Em Fevereiro de 2005, Moçambique lançou a sua segunda ronda de licenciamento offshore para
blocos na bacia do norte do Rovuma. Em Junho de 2005, a Empresa Nacional de
Hidrocarbonetos (ENH) e a empresa petroquímica sul-africana Sasol assinaram um acordo com o
governo moçambicano para os Blocos 16 e 19 na costa sul de Moçambique. Estudos sísmicos e
perfurações exploratórias nos blocos devem custar US $ 7 milhões. Em Maio de 2006, o governo
moçambicano concedeu à Norsk Hydro duas concessões na bacia do Rovuma e as empresas Eni,
Petrobrás e Petronas também estão a procurar concessões na bacia.

Gás natural

De acordo com a OGJ, a SADC contém 9,2 biliões de pés cúbicos (Tcf) de reservas
comprovadas de gás natural. A maioria das reservas provadas está localizada em Angola (1.6
Tcf), Moçambique (4.5 Tcf), Namíbia (2.2 Tcf), Tanzânia, com 800 mil milhões de pés cúbicos
(Bcf) e RDC (35 Bcf) (ver Tabela 4). No geral, a região contém aproximadamente 1,9% das
reservas de gás natural da África. Vários projetos estão em andamento para ampliar a utilização
do gás natural na região
Angola
Em Angola, a Chevron e a Sonangol estão a desenvolver uma instalação de gás natural liquefeito
(GNL) para converter gás natural de vários campos marítimos para exportação. A instalação
processará o gás natural que atualmente é queimado durante a produção de petróleo bruto. A
instalação de GNL terá capacidade de produção total de cinco milhões de toneladas por ano e
estará localizada perto da cidade do Soyo, no norte de Angola. O estudo de engenharia e projeto
de front-end (FEED) para o projeto de GNL deve ser concluído até 2007; no entanto, não é
esperado que a instalação fique on-line antes de 2010, a um custo estimado de US $ 5 bilhões. A
Chevron e a Sonangol são as principais partes interessadas no projeto de GNL, juntadas pelos
parceiros Norsk Hydro, BP, Total e ExxonMobil.

Namíbia
Na Namíbia, a Tullow Oil (Reino Unido) está desenvolvendo o campo de gás natural de Kudu,
que está localizado offshore na Licença de Produção 001 e tem reservas provadas estimadas de
1,3 Tcf. O projeto inclui a tubulação de gás natural para uma usina elétrica de 800 megawatts
(MW) em Oranjemund, que a companhia estatal de eletricidade da Namíbia, NamPower, está
desenvolvendo atualmente. A Tullow tem planos de perfurar dois poços de avaliação no Kudu no
início de 2007. A Tullow opera a Kudu com 90% de participação no projeto e é acompanhada
pela Corporação Nacional de Petróleo da Namíbia (10%).

Tanzânia
O campo de gás natural de Songo Songo, na Tanzânia, está localizado no mar no Oceano Índico
e contém reservas provadas estimadas de 420 Bcf e reservas prováveis adicionais de 85 Bcf. Os
cinco poços no campo podem produzir uma capacidade de 1,5 milhões de pés cúbicos por dia
(Mmcf / d). No entanto, a infra-estrutura atual de dutos marítimos e terrestres permite que apenas
70 Mmcf / d de gás natural sejam fornecidos a usuários industriais em Dar es Salaam. O Songo
Songo é operado pela East Coast Energy Corporation. Em abril de 2006, o Artumus Group, com
sede no Canadá, começou a perfurar poços de avaliação na Baía de Mnazi, na Tanzânia. Os
analistas estimam que o campo poderia produzir 10 MMcf / d ao longo de uma vida de projeto de
30 anos. A Tanzânia concedeu à Artumas a licença para o Mnazi Bay Block em 2004.
Moçambique
Moçambique tem 2,5 Tcf de reservas comprovadas de gás natural localizadas no mar nos campos
de Temane, Pande e Buzi-Divinhe. Em 2004, a Sasol começou a transportar gás natural dos
campos de Temane e Pande através de um gasoduto de US $ 1,2 milhão. Até à data, esta é a
única fonte de produção de hidrocarbonetos em Moçambique; no entanto, a exploração de
reservas adicionais de gás natural no país continua. Em junho de 2005, a Sasol assinou um
contrato de exploração e produção para os Blocos 16 e 19 no offshore de Moçambique.

Referências bibliográficas

Schuck et all (2012): Comunidade de Desenvolvimento da Arrisca Austral: Evolução do


Comércio e Efeitos no Período de 1995 a 2009, V Encontro de Economia Catarinense, Brasil

Franco, Estanislau Stefan (2014): Livre Circulação de Pessoas na SADC: o Caso de Angola.
Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas, Instituto Universitário de Lisboa