Você está na página 1de 18

LIÇÃO 8:

O Lugar Santíssimo
Organizado por Tiago Rosas - @EBDinteligente
INTRODUÇÃO
Tendo entrado no pátio, e passado pelo altar do
holocausto e pela pia de bronze, tendo chegado um pouco
mais à presença de Deus no Lugar Santo e contemplado o
dourado das paredes, da mesa dos pães da proposição,
do candelabro de ouro e do altar de ouro onde o incenso
era queimado, agora, abrimos o grande e colorido véu,
para adentrarmos ao lugar mais íntimo de todo o
tabernáculo, e, no entanto, o lugar que demanda maior
reverência: o Santo dos Santos, ou o lugar Santíssimo. É
assim que Deus nos quer: bem próximos a Ele!
OBSERVAÇÕES IMPORTANTES
Nesta Lição não deveremos nos aprofundar ou detalhar ainda os
seguintes assuntos que serão discutidos em lições posteriores:
1. A arca da aliança propriamente – falaremos dela na Lição 9
2. O Dia da Expiação e seu respectivo sacrifício – falaremos na Lição 10
3. As vestimentas do sumo sacerdote – falaremos delas na Lição 11

Nessa Lição 8 apresentaremos uma visão geral do Lugar


Santíssimo: que espaço era este, quais suas medidas,
sua importância e quem ali ministrava. O foco será o
estudo do véu que dividia o interior do tabernáculo.
I. O VÉU DO LUGAR
SANTÍSSIMO
• Material: linho fino trançado (Êxodo 26.31-32)
• Cores: branco (implicitamente, na cor natural
do linho), carmesim, azul e púrpura
• Detalhes: lindos bordados de querubins
• Sustentação: quatro colunas de madeira de
acácia (ou cetim), revestidas de ouro e
assentadas em bases de prata
• Medidas: cerca de 4,5 metros x 4,5 metros
1. O linho fino, além de seu valor, era trançado
(torcido ou retorcido), o que garantia resistência
ao véu e também impedia que ele fosse
transparente.
2. O branco aponta para a pureza; o carmesim
para o sangue da expiação; o azul para o
aspecto celestial; e a púrpura para a presença
do Rei do universo que ali se manifestava.
3. Os querubins bordados denotam o aspecto
glorioso do ambiente, já que Deus é aquele que
se assenta entre e acima dos querubins (1Sm
4.4; 2Sm 2.6; Sl 80.1; Is 37.16).
4. A prata (base) aponta para a redenção dos
homens, e o ouro (colunas) aponta para a
majestade divina que ali se manifestava.
II. O PROPÓSITO DO VÉU INTERIOR
1° PROPÓSITO:
Definir o espaço mais sagrado de todo o tabernáculo e também de todo o
arraial dos hebreus: o Lugar Santíssimo (perceba que esse superlativo
“santíssimo” realça a grande santidade do ambiente). Tão santo era esse
ambiente que nem mesmo o sumo sacerdote podia entrar nele com
frequência, senão morreria (Lv 16.2). Quem pode suportar o peso da
glória e da santidade de Deus?
2° PROPÓSITO:
Realçar beleza do lugar e ao mesmo tempo expressar a beleza da
santidade de Deus. “Adoremos ao Senhor na beleza de sua santidade”
(Sl 96.9)
3° PROPÓSITO:
Limitar a aproximação do adorador até que viesse o “véu perfeito”, que
era o próprio Cristo encarnado e crucificado. Como está escrito:
“Tendo, pois, irmãos,
ousadia para entrar no
santuário, pelo sangue de
Jesus, pelo novo e vivo
caminho que ele nos
consagrou, pelo véu, isto é,
pela sua carne”
(HEBREUS 10.19,20)

O véu era um tipo do corpo de Cristo


dilacerado na cruz do Calvário para nos abrir
novo e vivo caminho para o Pai!
Véu serve para ocultar
Como o véu no rosto de Moisés (Êx 34.29-35),
ou como o véu sobre a cabeça das mulheres
que escondia seus cabelos (1Co 11.5,6), a
grande cortina no interior do tabernáculo,
também ocultava o lugar Santíssimo e a arca
da aliança com querubins esculpidos que ali
estava, para que o sacerdote comum não
pudesse contemplar, senão somente o sumo
sacerdote uma vez ao ano. Até mesmo
quando era necessário desmontar o
tabernáculo e transportar a arca da aliança,
ela deveria ser coberta antes com aquele
mesmo véu (conf. Nm 4.5).
III. COMO ERA O LUGAR SANTÍSSIMO
1. Dimensões do ambiente
Em nenhum lugar da Bíblia se menciona as dimensões exatas do Lugar
Santo nem do Lugar Santíssimo. Entretanto, sabe-se que o interior do
tabernáculo de Moisés tinha a metade das dimensões do templo de
Salomão (conf. Êxodo 26.15-25; 1Reis 6.2). Assim, como o Santo dos
Santos no templo de Salomão media 9m de largura por 9m de cumprimento
(1Re 6.20), aceitamos POR ANALOGIA que o tabernáculo tinha a metade
dessas dimensões, isto é, 4,5m de cumprimento por 4,5m de largura
aproximadamente. O Santo dos Santos era um quadrado perfeito!

CURIOSIDADE: as medidas (sejam literais ou simbólicas) da cidade santa,


a nova Jerusalém, também formam um quadrado. Confira: Apocalipse 21.16
“Muitos acham, por isso, que a cidade [nova
Jerusalém] será um perfeito cubo como o Santo
dos Santos, onde Deus manifestava sua presença
no Tabernáculo e, posteriormente, no Templo (1Re
6.20). Por inferência, podemos dizer que a cidade
será um imenso Santo dos santos”
– Stanley Horton, teólogo pentecostal

De fato, o tabernáculo é também uma


representação das coisas espirituais e celestiais
(Hb 8.2; 9.24). Por isso é que sobre a cidade
celestial, a Bíblia diz: “Eis aqui o tabernáculo de
Deus com os homens, pois com eles habitará, e
eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará
com eles, e será o seu Deus” (Ap 21.3)
2. Lições do véu
O véu ocultava o ambiente mais íntimo da “casa de ouro” no deserto. Não
havia nenhuma outra porta de entrada ou saída daquele lugar, de modo que
a entrada até o Santíssimo só era possível mediante o véu.
O único modo de sermos
introduzidos na presença de Deus e
desfrutarmos de sua intimidade é
mediante a aceitação do sangue de
Cristo! Não à toa ele mesmo
disse: “Eu sou o caminho, e a verdade
e a vida; ninguém vem ao Pai, senão
por mim” (Jo 14.6).
Quando expirou na cruz, “o véu do
templo se rasgou em dois, de alto a
baixo” (Mt 27.51).
Segundo Champlin, “o véu do templo era
extremamente espesso e resistente. Tinha a
largura de uma mão de espessura, tecido
com 72 dobras torcidas, cada uma feita com
22 fios. Media cerca de 18 metros de altura
por nove metros de largura” , de tal modo
que nem mesmo duas juntas de bois
poderiam rasgar! Somente a força do Todo
Poderoso, aquela mesma que de quando
em quando tomava Sansão contra os
filisteus, é que poderia rasgar aquela
verdadeira parede de tecidos!
1. “com grande voz” – Ele não morreu
timidamente, como um derrotado, mas com
brados de um herói valente!
2. “rendeu o espírito” – A morte não o tomou
contra a sua vontade. Ele se entregou!
3. “o véu se rasgou” – Não fortuitamente,
mas pela força divina que nos abriu O novo e
vivo caminho para o Pai!
CONCLUSÃO
O Senhor rasgou o véu porque deseja ter conosco proximidade. “Vinde a mim, vós
todos”, disse Jesus (Mt 11.28); “Chegai-vos a Deus e Ele se chegará a vós”, disse o
irmão de Jesus, Tiago (Tg 4.8). Deus não quer ficar escondido ou distante dos homens,
mas deseja a nós se revelar e conosco ter amizade e, finalmente, levar-nos para mais
perto dele nas moradas celestiais. Se é verdade que nós também queremos estar mais
perto de Deus, então não há melhor jeito de findar esse estudo do que cantando:
Mais perto quero estar
Meu Deus, de Ti!
Ainda que seja a dor
Que me una a Ti,
Sempre hei de suplicar
Mais perto quero estar
Mais perto quero estar
Hino 187 da Harpa Cristã Meu Deus, de Ti!
Se você gostou desse estudo e deseja contribuir para que a página EBD Inteligente
continue levando conteúdo edificante aos líderes da Escola Dominical, então adquira o
livro de nossa autoria Biblifique-se: formando uma geração da Palavra. O pagamento
pode ser feito mediante depósito, transferência, cartão de crédito ou boleto. Entre em
contato conosco pelo WhatsApp: (83) 98708-7983 e saiba como adquirir! Obrigado.